IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, Lisboa, Portugal Tel

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com"

Transcrição

1 CADERNO IDC Nº 54 IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, Lisboa, Portugal Tel elearning OPINIÃO IDC Em momentos de maior constrangimento económico, e consequente pressão para obter índices de maior eficácia, produtividade e inovação, inúmeras organizações recorrem à diminuição de efectivos para obterem a necessária competitividade imediata. Não obstante a validade da solução, é importante não obviar que os meios humanos são o recurso mais valioso das organizações. Se porventura estes não possuem as qualificações e competências necessárias para levar por diante uma estratégia de reestruturação ambiciosa, a aposta ininterrupta na formação e treino dos recursos humanos, em cada um dos domínios mais críticos às organizações, será talvez uma solução mais equilibrada e construtiva. Certamente que programas de formação e treino mais arrojados não estão ao alcance de todas as organizações, dado que frequentemente implicam avultados investimentos. A solução disponível para as empresas de menor dimensão tem sido o recurso ocasional a um formador ou a saída casual dos colaboradores para uma conferência ou seminário. Com o surgimento do elearning, e a crescente oferta de conteúdos e ferramentas de criação interna de conteúdos, as organizações têm indistintamente à sua disposição uma ferramenta alternativa de formação e treino, reconhecidamente eficaz, conveniente, consistente, personalizável, e escalável, entre outros aspectos. Porém são ainda notórias várias barreiras, sobretudo para as pequenas e média empresas, nomeadamente ao nível do custo de uma solução completa, e em termos culturais e organizacionais, quer ao nível dos colaboradores ou das administrações. A IDC acredita que à medida que os serviços públicos forem sendo colocados on-line, que a administração pública e as escolas forem despertando para a formação baseada na Web através de programas de abrangência europeia, que os fornecedores de conteúdos forem apostando no desenvolvimento de todo o tipo de programas empacotados, estarão criadas as condições mínimas mais favoráveis para um enquadramento de adopção mais optimista, o que irá verificar-se naturalmente ao nível dos custos das soluções. Março 2003

2 ÂMBITO Num momento de restrições orçamentais, a formação on-line pode ser uma ferramenta preciosa para atingir determinados objectivos, que de outro modo implicariam a utilização de enormes recursos. No entanto, e não obstante o enorme contributo que o elearning pode aportar às organizações, não se prevê uma substituição das opções tradicionais, nomeadamente a presencial, mas antes a coexistência de ambas face a uma complementaridade óbvia. O caderno que apresentamos dá conta disso, ao abordar os vários aspectos referidos. Inicia com as definições mais importantes, seguindo-se uma análise introdutória. Posteriormente, são apresentados alguns indicadores dos níveis de adopção e identificados os respectivos aceleradores e inibidores. Por último, é apontado um conjunto de tendências que irão caracterizar o ecossistema do elearning nos próximos tempos. DEFINIÇÕES Da progressiva confrontação dos primeiros sistemas de elearning com o mercado, surgiram inúmeros desenvolvimentos, resultado quer de uma maior sofisticação das funcionalidades, quer da criação de novas soluções para fazer face às exigências das organizações. Da análise ao actual ecossistema, resulta uma estrutura e segmentação que pode apresentar a seguinte forma: FIGURA 1 ECOSSISTEMA DE ELEARNING Técnicos Serviços Não -Técnicos Conteúdos TI Negócio Vocacional Segurança Legislação Infra-estrutura LMS Aplicações colaborativas Outras ferramentas Fonte: IDC, IDC

3 O segmento de infra-estrutura envolve o desenvolvimento, distribuição, e gestão do software associado ao processo de formação, o que consequente inclui a gestão de sistemas de gestão da formação (Learning Management Systems ou LMS), de aplicações colaborativas e de outras soluções complementares. Sistemas de gestão da formação (LMS): software que permite a automatização da administração, rastreio, e relato de todos os eventos formativos. Uma aplicação LMS permite o registo dos formandos, a apresentação dos cursos num catálogo, a gravação de informação sobre a progressão de cada um dos formandos e o fornecimento de relatórios automáticos pré-concebidos pela equipa coordenadora. Além disso, permite a administração e o rastreio de processos de formação on-line e presencial, quer estes sejam síncronos ou assíncronos, podendo ainda propor outras funcionalidades como avaliações online, bem como a integração personalizada com outras aplicações empresariais, nomeadamente ERM (Enterprise Resource Management), CRM (Custormer Relationship Management), e KM (Knowledge Management); Aplicações colaborativas: programas concebidos para permitir que grupos de utilizadores finais possam trabalhar e aprender em conjunto através da partilha, síncrona ou assíncrona, de informação e saber; Outras ferramentas: aplicações que podem reunir funcionalidades integradas ou isoladas, do tipo entrega, gestão e rastreio, cujo foco é exclusivo nos processos de formação. Entre as mais comuns contam-se: sistemas de gestão de conteúdos de formação (Learning Content Mnagement Systems ou LCMS), gestão de competências e ferramentas de criação de conteúdos; O segmento de conteúdos compreende mais do que apenas informação, dado que incorpora mecanismos e processos capazes de fornecerem feedback ao formando ao longo do processo formativo, de modo a que este possa atingir com sucesso os objectivos previamente estabelecidos. De forma geral, os conteúdos quer direccionados para a formação em tecnologias de informação, aspectos do negócio, elementos vocacionais, ou princípios de segurança ou legislativos, contêm a estrutura dos cursos, aplicações multimédia (gráficos, vídeo, som e animação), simulações, testes, e avaliações. O segmento de serviços corresponde a serviços prestados no âmbito do suporte ao desenvolvimento de estratégias, planeamento, implementação, integração e gestão das soluções de formação, bem como os respectivos objectivos. Este segmento apresenta ainda dois subsegmentos específicos: Técnico e Não-Técnico. Não-técnico: inclui a análise, planeamento, concepção, implementação, e execução das prioridades e objectivos de formação. Inclusive, podem ainda ser identificadas quatro componentes que compreendem este segmento de mercado secundário: consultoria de formação, serviços de desenvolvimento de conteúdos, serviços tutoriais, e outsourcing do processo de formação; Técnico: inclui o planeamento, concepção, implementação, e gestão da fracção do projecto responsável pela consecução dos requisitos técnicos específicos de cada cliente; 2003 IDC 3

4 INTRODUÇÃO O ritmo acelerado de transformação tecnológica, a falta de capacidades e competências avançadas, os ciclos de vida do conhecimento e das capacidades cada vez mais estreitos, a presença das organizações em mercados globalizados extremamente competitivos, a exigência constante de eficiência e inovação, a contracção actual das economias, são alguns dos factores que têm vindo a colocar sobre as organizações, níveis de pressão de tal forma significativos, para os quais a solução mais equilibrada é a aposta ininterrupta na formação e treino dos recursos humanos, em cada um dos domínios mais críticos às organizações. A adaptação das metodologias às exigências e restrições dos planos de formação e treino é bastante simples, dado que existem várias opções disponíveis actualmente: Presencial; Através de bibliografia, cassetes de áudio ou vídeo; Por correspondência; elearning; Outras tecnologias (CD-ROM, disquete); A proliferação de soluções de formação baseadas na Internet não é alheia ao momento de incerteza e grande transformação vivido actualmente, dado que inúmeras organizações têm vindo a entender a exploração da tecnologia, como uma das opções menos dispendiosas e mais convenientes e eficientes de formar e treinar os seus colaboradores. Contudo, e apesar da oferta de elearning estar a progredir em termos de quantidade e qualidade, não se antecipa uma substituição completa das opções tradicionais, nomeadamente a presencial, mas antes um decréscimo gradual desta, à medida que o formato on-line se for revelando como uma resposta adequada a um número crescente de acções de formação e treino. A decisão de optar pela formação on-line em detrimento de outra depende sobretudo, entre outros aspectos, dos seguintes: Características dos formandos: como a capacidade de interacção com as tecnologias de informação é distinta, e em muitos casos reduzida, não é possível a todas organizações implementar num primeiro instante, uma solução on-line. É portanto recomendável passar por algumas etapas antecedentes, de modo a preparar os colaboradores para a utilização do computador e da Web nas rotinas específicas de formação; Características das acções de formação: o carácter dos conteúdos e os objectivos a atingir, determinam em larga medida o formato a utilizar. Outros aspectos a ter em conta, são também o número de pessoas que acederá aos conteúdos, a frequência com que os conteúdos deverão ser actualizados, e a regularidade com que serão acedidos pelos colaboradores; Se aquando do surgimento das primeiras soluções de formação e treino on-line o carácter dos conteúdos era sobretudo de tecnologias de informação, actualmente tal já não acontece, existindo uma oferta vasta e diversificada, nomeadamente em gestão de projectos, técnicas de apresentação, técnicas de comunicação, técnicas de liderança, gestão e estratégia, administração, vendas e marketing, compras, e línguas estrangeiras IDC

5 ADOPÇÃO DO ELEARNING Por força dos constrangimentos impostos pelo abrandamento económico, a generalidade das organizações não só em Portugal como um pouco por todo o lado, tem vindo promover processos de racionalização e redução de custos, com maior destaque ao nível dos recursos humanos, com o consequente congelamento dos processos de recrutamento, ou mesmo com a redução do número de efectivos. Face à dificuldade ou mesmo impossibilidade de adaptação dos profissionais às transformações do mercado ao nível das competências, e a impossibilidade de contratação dos profissionais melhores qualificados, a única solução concebível na conjuntura actual, é a aposta na formação e treino contínuo dos colaboradores. O reflexo da situação acaba por transparecer num inquérito realizado recentemente. Apesar de não serem representativos do mercado Português, a maioria dos membros do painel ebusiness IDC, constituído por administradores e directores de tecnologias de informação de grandes empresas, quando questionados sobre a regularidade das acções de formação indicaram ser "Muito significativa" e "Bastante significativa". FIGURA 2 REGULARIDADE DAS ACÇÕES DE FORMAÇÃO E TREINO Pouco significativas 3% Nada significativas 0% Muito significativas 26% Significativas 39% Bastante significativas 32% Fonte: IDC, Painel ebusiness, Março 2003 Nota: O painel ebusiness da IDC é constituído por cerca de 60 administradores e directores de TI IDC 5

6 Embora os fornecedores tenham entendido que o elearning não é completamente eficaz para todo o tipo de objectivos, nomeadamente o treino das capacidades de relacionamento inter-pessoal, e por isso tenham desenvolvido soluções capazes de conciliarem os métodos presenciais e on-line, permitindo uma maior flexibilidade e efectividade das estratégias de formação e treino, o conjunto de organizações e instituições portuguesas que aderiu à formação on-line ainda não é expressivo. Há um conjunto significativo de barreiras e inibidores, que a ser transposto, permitira sobretudo às pequenas e médias empresas, a recolha dos inúmeros benefícios alcançáveis através do elearning. Num estudo publicado em 2002 pela IDC, o mercado nacional de elearning surgiu num lugar bastante modesto em relação ao dos restantes países europeus, o que demonstra a dimensão das barreiras ainda existentes em Portugal. FIGURA 3 DIMENSÃO DE ALGUNS MERCADOS EUROPEUS DE ELEARNING (MILHÕES DE EUROS) Reino Unido Alemanha França Suécia Itália Espanha Grécia Portugal Fonte: IDC, Março 2002 Quando questionados os elementos do painel ebusiness IDC sobre as metodologias de formação e treino privilegiadas nas respectivas organizações, as respostas suportam de alguma forma os dados apresentados no referido estudo. Apenas 21% dos respondentes afirmaram que as respectivas organizações utilizam uma solução de elearning contrastando com os 100% de adesão ao método presencial IDC

7 FIGURA 4 MÉTODOS DE FORMAÇÃO E TREINO PRIVILEGIADOS Presencial Bibliografia elearning Outras tecnologias Correspondência Outro (% dos respondentes) Fonte: IDC, Painel ebusiness, Março 2003 Nota: O painel ebusiness da IDC é constituído por cerca de 60 administradores e directores de TI. ACELERADORES E INIBIDORES DO ELEARNING Não obstante as iniciativas de implementação em Portugal não serem ainda muito numerosas, é possível identificar um conjunto de factores que têm servido de aceleradores, e um outro de inibidores que têm impedido muitas organizações de adoptarem e recolherem os benefícios potenciais com os projectos de formação online. A maior solicitação dos colaboradores durante os horários de trabalho, a importância da formação e treino contínuo, a consistência em todas as sessões de aprendizagem, a possibilidade de iniciar ou retomar um curso a qualquer momento e de forma personalizada, são alguns factores que têm influenciado não só as organizações em Portugal como em outros países IDC 7

8 Para além dos anteriores, há obviamente outros de valor significativo: Face à ubiquidade da Internet, a formação presencial revela-se pouco flexível em processos de formação que envolvem colaboradores dispersos geograficamente; A diminuição dos custos com os acessos à Internet, decorrente de uma oferta mais acessível em banda larga (acesso em cabo e ADSL); A possibilidade dos colaboradores acederem às soluções enquanto desempenham as suas funções, aumenta a sua motivação e satisfação e a eficácia no desempenho das tarefas; A exigência por parte dos colaboradores de formação e treino regular, como parte integrante da compensação e retribuição; As restrições no recrutamento de novos colaboradores impõem o desenvolvimento das competências junto dos recursos humanos existentes no interior das organizações; A inclusão na iniciativa eeurope, terá enormes implicações a médio e longo prazo, dado que os vários estados membros serão confrontados com a necessidade e promover a disseminação da adopção da formação on-line, ao nível do ensino, da administração pública, e certamente nas organizações; A crescente oferta de todo o tipo de produtos e serviços de suporte, por parte de grandes fornecedores de tecnologias de informação, prestadores de serviços, e empresas de consultoria; A maior quantidade e qualidade das soluções ao nível da infra-estrutura, dos conteúdos e dos serviços; A possibilidade de adoptar e utilizar soluções, através do estabelecimento de acordos de outsourcing; A disponibilidade de soluções mistas, que permitem a gestão de processos de formação e treino combinados entre os vários formatos, nomeadamente presencial e on-line; A crescente variedade de conteúdos empacotados, que poderão ser mais facilmente adquiridos pelas organizações, face a um custo mais acessível; A aposta no desenvolvimento de ferramentas de criação de conteúdos por parte da generalidade dos fornecedores, dado o enorme interesse na criação dos seus próprios programas de formação e treino; IDC

9 FIGURA 5 ACELERADORES DA ADOPÇÃO DO ELEARNING Aceleradores da oferta Flexibilidade, eficácia e menor custo face às opções tradicionais Aposta em força dos fornecedores de conteúdos e dos prestadores de serviços no elearning Oferta em quantidade e qualidade crescentes Oferta crescente de soluções e conteúdos padronizados Necessidade de formação e treino contínuo Restrições no recrutamento de novos colab. Necessidade de soluções de formação flexíveis e eficazes Maior competitividade e turbulência nos mercados Aceleradores da procura Fonte: IDC, 2003 Face à questão sobre os aceleradores que levaram ou poderão levar as organizações a adoptar soluções de elearning, as respostas dos elementos do painel ebusiness IDC enquadraram-se nos aspectos indicados anteriormente. Os inquiridos referiram entre vários aspectos sobretudo a redução de custos (82%), a dispersão geográfica dos colaboradores (71%) e a facilidade de utilização dos conteúdos (56%) IDC 9

10 FIGURA 6 ACELERADORES DA ADOPÇÃO DO ELEARNING Redução dos custos com formação Dispersão geográfica dos colaboradores Facilidade de actualização dos conteúdos Adapt. às rotinas e conveniência dos colab. Processo de formação mais rápido Adapt. dos conteúdos às cap. dos formandos Consistência e rigor da formação Não há razões para a adopção (% dos respondentes) Fonte: IDC, Painel ebusiness, Março 2003 Nota: O painel ebusiness da IDC é constituído por cerca de 60 administradores e directores de TI. Por outro lado, há ainda outros factores de dimensão significativa, que têm servido como força de bloqueio à disseminação mais rápida da formação on-line: A redução dos recursos disponíveis para investimento, sobretudo em tecnologias de informação, será uma barreira interna para os departamentos de recursos humanos que pretendam avançar com uma solução A largura de banda proporcionada pelos acessos analógicos à Internet, que é ainda a tecnologia de acesso dominante entre as organizações nacionais, não permite retirar partido de uma grande parte das funcionalidades disponíveis; As soluções disponibilizadas por empresas especializadas para acções de formação e treino pontuais, ainda não apresentam sistemas de facturação suficientemente flexíveis, o que em inúmeras situações não corresponde às expectativas das organizações; Os encargos com as soluções, conteúdos e serviços ainda se encontram a um nível bastante elevado, sobretudo para a maioria das pequenas e médias empresas portuguesas; O elearning como metodologia de formação, é ainda pouco considerado fora do círculo dos departamentos de recursos humanos, pelo que será necessário caso as organizações avancem com uma estratégia on-line, que se verifique um IDC

11 consenso e um interesse entre todos os colaboradores, inclusive ao nível da administração; Nem todas as soluções no mercado são baseadas em padrões, o dificulta obviamente a integração e a interoperabilidade com outros sistemas. O desconhecimento de muitas organizações face à orientação global do mercado, nomeadamente aos padrões adoptados, torna o processo de aquisição de uma solução complexo e de alguma forma arriscado; Face à tradição da formação presencial na generalidade das organizações e instituições, a resistência dos colaboradores e dos formandos aos sistemas online será certamente uma das barreiras mais duradouras. A importância atribuída ao elemento social da formação e treino face a face continuará a ser um elemento difícil de contrapor pelas soluções baseadas na Web; Quando questionados os elementos do painel ebusiness IDC sobre os maiores inibidores à implementação de soluções de elearning, o consenso revelou-se bastante menor que em relação aos aceleradores, obtendo-se alguma fragmentação nas respostas. Os mais indicados foram a dificuldade em obter soluções completas (44%), as exigências ao nível da infra-estrutura (44%), e a cultura da empresa e a resistência à mudança (41%). FIGURA 7 ACELERADORES DA ADOPÇÃO DO ELEARNING Dificul. em encontrar soluções completas Exigências ao nível da infra-estrutura Cultura da empresa e resist. à mudança Desadeq. do meio às necessidades actuais Conhec. dos colab. sobre tecnologias Retorno do investimento Custos dos serviços de formação Clima económico actual Qualidade dos serviços de formação Não existe nenhuma dificuldade Desconfiança e insegurança (% dos respondentes) Fonte: IDC, Painel ebusiness, Março 2003 Nota: O painel ebusiness da IDC é constituído por cerca de 60 administradores e directores de TI IDC 11

12 TENDÊNCIAS Não obstante o período actual de contenção dos gastos, o que poderia gerar um ciclo de desinteresse na formação e treino, tal orientação não tem vindo a verificar-se em todas as organizações. As barreiras à contratação de profissionais melhores qualificados no mercado de trabalho, tornam a aposta na formação e treino contínuo dos colaboradores existentes, numa das únicas soluções viáveis. Entre as soluções mais procuradas, encontram-se obviamente as mais eficazes do ponto de vista do controlo dos custos e do retorno do investimento. O elearning é obviamente uma das alternativas mais consideradas entre todas, mas como já vimos anteriormente, há ainda diversas barreiras a serem vencidas. Entre as tendências que se prevêem mais marcantes e significativas nos próximos tempos encontram-se: Os mercados de conteúdos, serviços e infra-estrutura tenderão a agregar-se, dado que os fornecedores estão apostados na oferta de soluções completas; Por outro lado, o ecossistema continuará a apresentar-se fragmentado, dada a entrada de fornecedores de novas soluções e serviços, também atraídos pelas taxas de crescimento do mercado; Maior consenso a nível mundial quanto aos padrões a adoptar quer a nível de infra-estruturas, quer ao nível dos conteúdos; As empresas de consultoria e os produtores de conteúdos para formação e treino irão crescentemente pressionar as organizações para adoptar soluções on-line, dados os investimentos na criação de serviços das primeiras, e maior utilização dos repositórios de informação e conteúdos das segundas; Embora a formação e treino presenciais continuem a dominar a oferta, os fornecedores terão uma tendência para explorar a complementaridade entre formação presencial e on-line, desenvolvendo serviços que dela tirem partido; A exemplo de inúmeros segmentos no mercado das tecnologias de informação, também no domínio da formação e treino on-line, os fornecedores irão progressivamente oferecer serviços de outsourcing; IDC

13 FIGURA 8 TENDÊNCIAS AO NÍVEL DA INFRA-ESTRUTURA Elevada Interactividade Vídeo streaming Ferramentas Colaborativas Soluções síncronas LMS/LCMS Baixa Interactividade Soluções assíncronas Ano transacto Este ano Próximo ano + 2 anos Fonte: IDC, 2003 Disponibilização de mais soluções com ferramentas para criação e desenvolvimento de conteúdos pelos colaboradores das organizações; Crescente inclusão de ferramentas colaborativas como forma de promover e maximizar a interacção entre formandos e formadores; Extensão de algumas funcionalidades aos ambientes móveis, sobretudo através de portáteis e PDA; As soluções ao nível da infra-estrutura apresentadas no mercado irão ser cada vez mais estáveis, robustas e escaláveis; Integração entre as soluções de elearning e de gestão do conhecimento, dado que representam processos internos que utilizam a tecnologia para permitir o acesso e a partilha de informação e conhecimento em determinados momentos e contextos; Não obstante o interesse suscitado pela inclusão de funcionalidades de streaming de vídeo, dada a baixa disseminação dos acessos em banda larga, é pouco provável que esta venha a ser, a curto prazo, uma das características base das soluções disponíveis; 2003 IDC 13

14 FIGURA 9 TENDÊNCIAS AO NÍVEL DOS CONTEÚDOS Específicos da organizações Orientação de novos colaboradores Conhecimento sobre a organização Conhecimento sobre produtos/serviços Desenvolvidos externamente mas adaptados Gerais Conhecimento sobre o negócio Conhecimento técnico Conhecimento sobre a indústria Desenvolvidos externamente e empacotados Fonte: IDC, 2003 Apesar do ascendente dos conteúdos padronizados, os produtores irão apostar fortemente num maior flexibilidade, e consequente na disponibilização de conteúdos adaptados às necessidades específicas, a custos bastante mais acessíveis que no passado; Por constituírem ainda uma parte pouco significativa do mercado, cerca de 30% segundo o último relatório Europeu publicado pela IDC, a disponibilidade de conteúdos não relacionados com as tecnologias de informação irá com certeza aumentar significativamente nos próximos tempos; Os domínios de maior aposta em termos de conteúdos serão sobretudo os de finanças, vendas, marketing e outros aspectos relacionados com gestão/administração; Crescente incorporação de ambientes virtuais, através da inclusão de funcionalidades de simulação e jogos; IDC

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com CADERNO IDC Nº 52 IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com Serviços Móveis de Dados para Empresas OPINIÃO IDC Os níveis de adopção e utilização

Leia mais

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com CADERNO IDC Nº 53 IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com ROI - Retorno do Investimento OPINIÃO IDC Os anos 90 permitiram a inclusão das tecnologias

Leia mais

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andra, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andra, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com CADERNO IDC Nº 49 IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andra, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com Web Services OPINIÃO IDC Apesar de não constituírem uma alteração tecnológica radical,

Leia mais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais conteúdos: Programa de formação avançada centrado nas competências e necessidades dos profissionais. PÁGINA 2 Cinco motivos para prefirir a INOVE RH como o seu parceiro, numa ligação baseada na igualdade

Leia mais

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com CADERNO IDC Nº 55 IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com A Utilização da Internet em Portugal OPINIÃO IDC Apesar das dificuldades que assolam

Leia mais

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1 Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas João Varajão 1, Daniela Santana 2, Manuela Cunha 3, Sandra Castro 4 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Departamento de Engenharias, Universidade

Leia mais

ESTUDO IDC O papel das tecnologias de informação na produtividade e redução de custos nas organizações nacionais

ESTUDO IDC O papel das tecnologias de informação na produtividade e redução de custos nas organizações nacionais ESTUDO IDC O papel das tecnologias de informação na produtividade e redução de custos nas organizações nacionais Patrocinado por: Microsoft Versão Preliminar - Março 2013 SUMÁRIO EXECUTIVO IDC Portugal:

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

E S T U D O L O C A L O p o r t u n i d a d e s p a r a a s T I C n o N o v o C o n t e x t o E c o n ó m i c o e S o c i a l e m P o r t u g a l

E S T U D O L O C A L O p o r t u n i d a d e s p a r a a s T I C n o N o v o C o n t e x t o E c o n ó m i c o e S o c i a l e m P o r t u g a l E S T U D O L O C A L O p o r t u n i d a d e s p a r a a s T I C n o N o v o C o n t e x t o E c o n ó m i c o e S o c i a l e m P o r t u g a l Novembro de 2011 S U M Á R I O E X E C U T I V O IDC Portugal:

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA A Formação no ISQ A actividade de Formação do ISQ tem sido uma forte aposta enquanto factor determinante para o desenvolvimento e melhoria de desempenho dos sectores tecnológicos

Leia mais

Plantaformas de e-learning no actual contexto de Bolonha. O caso da esacb

Plantaformas de e-learning no actual contexto de Bolonha. O caso da esacb Plantaformas de e-learning no actual contexto de Bolonha. O caso da esacb Teresa Marta Lupi Ordaz Caldeira * INTRODUÇÃO O e-learning representa uma nova metodologia de ensino/ aprendizagem, permitindo

Leia mais

GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP. AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça

GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP. AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP Entidade interlocutora: Identificação do Projecto AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça Nº do projecto: 2001/EQUAL/A2/AD/139 Designação do projecto: Área

Leia mais

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004)

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) por António Jorge Costa, Presidente do Instituto de Planeamento

Leia mais

SMARTCALL. Apresentação

SMARTCALL. Apresentação SOBRE A SMARTCALL SMARTCALL Apresentação A SmartCall desenvolve serviços inovadores direccionados para a dinamização do relacionamento das empresas com os seus clientes e a criação de novas oportunidades

Leia mais

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) por António Jorge Costa, Presidente do Instituto de Planeamento

Leia mais

1 Descrição sumária. Varajão, Pereira, Amaral e Castro, Outsourcing de serviços de sistemas de informação na banca em Portugal, Computerworld, 2011 1

1 Descrição sumária. Varajão, Pereira, Amaral e Castro, Outsourcing de serviços de sistemas de informação na banca em Portugal, Computerworld, 2011 1 Outsourcing de serviços de sistemas de informação na banca em Portugal João Varajão 1, Cidália Pereira 2, Luís Amaral 3, Sandra Castro 2 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Departamento de Engenharias,

Leia mais

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial 2 PRIMAVERA BSS Qpoint Rumo à Excelência Empresarial Numa era em que a competitividade entre as organizações é decisiva para o sucesso empresarial, a aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance

Leia mais

MÓDULO II UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO II UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO II UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Identificar um Sistema de Gestão da Formação Online; Analisar as diversas

Leia mais

novo portal de turismo Instituto de Turismo de Portugal

novo portal de turismo Instituto de Turismo de Portugal o portal de turismo à conquista de mais e melhores turistas novo portal de turismo ú novo portal de turismo ú o projecto enquadramento www.portugalinsite.pt envelhecimento natural, 7 anos depois do seu

Leia mais

Caracterização. Curso de formação de Línguas Estrangeiras para Fins Específicos. (Francês / Inglês / Alemão / Espanhol / Português p/ Estrangeiros)

Caracterização. Curso de formação de Línguas Estrangeiras para Fins Específicos. (Francês / Inglês / Alemão / Espanhol / Português p/ Estrangeiros) CLEA Curso de Línguas Estrangeiras Aplicadas Pedro Reis _ Janeiro 2005 Caracterização Curso de formação de Línguas Estrangeiras para Fins Específicos (Francês / Inglês / Alemão / Espanhol / Português p/

Leia mais

Do ensino modular ao ensino por elearning uma evolução natural para o Ensino Profissional

Do ensino modular ao ensino por elearning uma evolução natural para o Ensino Profissional Título Do ensino modular ao ensino por elearning uma evolução natural para o Ensino Profissional Autora Ana Paula Salvo Paiva (Doutorada em Ciências da Educação pela Universidade Católica Portuguesa) apaula.sintra.paiva@gmail.com

Leia mais

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo 1. Resumo Executivo As empresas de todas as dimensões estão cada vez mais dependentes dos seus sistemas de TI para fazerem o seu trabalho. Consequentemente, são também mais sensíveis às vulnerabilidades

Leia mais

A Internet nas nossas vidas

A Internet nas nossas vidas Economia Digital A Internet nas nossas vidas Nos últimos anos a internet revolucionou a forma como trabalhamos, comunicamos e até escolhemos produtos e serviços Economia Digital Consumidores e a Internet

Leia mais

Negócios à Sua dimensão

Negócios à Sua dimensão Negócios à Sua dimensão O seu Software de Gestão acompanha-o? O ArtSOFT pode ser a solução de gestão da sua empresa. O ArtSOFT Profissional permite o controlo total sobre a gestão da sua empresa, assegura

Leia mais

O futuro da Banda Larga em Portugal

O futuro da Banda Larga em Portugal O futuro da Banda Larga em Portugal Dr. Miguel Horta e Costa Presidente Executivo da Portugal Telecom Lisboa, 5 de Fevereiro de 2004 Quadro 1 Portugal encontra-se hoje particularmente bem posicionado para

Leia mais

Bashen Agro Consultoria e sistemas de gestão AgroPecuária

Bashen Agro Consultoria e sistemas de gestão AgroPecuária Abril de 2008 Bashen Agro Consultoria e sistemas de gestão AgroPecuária 1 Bashen Agro Um projecto Consultoria e sistemas de gestão AgroPecuária Parceria FZ AGROGESTÃO Consultoria em Meio Rural, Lda Av.

Leia mais

27% das empresas prevê aumento dos postos de trabalho

27% das empresas prevê aumento dos postos de trabalho Análise da Michael Page sobre Recursos Humanos 27% das empresas prevê aumento dos postos de trabalho Manter a motivação das equipas é o principal desafio das empresas portuguesas, sendo apontado por 42%

Leia mais

Esta sessão explora o papel das TIC (parte do problema ou da solução?), debatendo, nomeadamente, as seguintes questões:

Esta sessão explora o papel das TIC (parte do problema ou da solução?), debatendo, nomeadamente, as seguintes questões: CONGRESSO DAS COMUNICAÇÕES 08 - TIC E ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS - 11 NOVEMBRO 09H00 10H30 ABERTURA OFICIAL DO CONGRESSO ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS E O FUTURO Segundo o Relatório Stern, caso nada seja feito, os

Leia mais

A MOBILIDADE NAS EMPRESAS E A TRANSFORMAÇÃO DOS ERP

A MOBILIDADE NAS EMPRESAS E A TRANSFORMAÇÃO DOS ERP A MOBILIDADE NAS EMPRESAS E A TRANSFORMAÇÃO DOS ERP Conteúdos A MOBILIDADE NAS EMPRESAS E A TRANSFORMAÇÃO DOS ERP... 3 PREPARA-SE PARA UMA MAIOR MOBILIDADE... 4 O IMPACTO DOS ERP NO MOBILE... 5 CONCLUSÕES...

Leia mais

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas Conceito As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas PÁG 02 Actualmente, face à crescente necessidade de integração dos processos de negócio, as empresas enfrentam o desafio de inovar e expandir

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

Introdução ao e-learning

Introdução ao e-learning Introdução ao e-learning Francisco Restivo FEUP/IDIT fjr@fe.up.pt Guião Ser um e-aprendente competente Trabalho de casa: pensar num curso Ser um desenhador de cursos competente Trabalho de casa: desenhar

Leia mais

Capítulo Descrição Página

Capítulo Descrição Página MANUAL DA QUALIIDADE ÍNDICE Capítulo Descrição Página 1 Apresentação da ILC Instrumentos de Laboratório e Científicos, Lda Dados sobre a ILC, sua história, sua organização e modo de funcionamento 2 Política

Leia mais

Os Nossos Serviços. Learning is Changing! Project Management PMI

Os Nossos Serviços. Learning is Changing! Project Management PMI Learning is Changing! A actualidade apresenta-nos desafios constantes, que exigem novas respostas e soluções inovadoras, para um Futuro de Crescimento e Competitividade. Learning is Changing! reflecte

Leia mais

Agilidade organizacional e competitividade das empresas em Portugal. www.quidgest.com quidgest@quidgest.com

Agilidade organizacional e competitividade das empresas em Portugal. www.quidgest.com quidgest@quidgest.com Agilidade organizacional e competitividade das empresas em Portugal www.quidgest.com quidgest@quidgest.com 1. Introdução Novo contexto económico e tecnológico Metodologia 2. Agilidade Organizacional das

Leia mais

EMPRESAS VIRTUAIS. Autor: Pedro Miguel da Silva Fernandes. PDF processed with CutePDF evaluation edition www.cutepdf.com. Pág.

EMPRESAS VIRTUAIS. Autor: Pedro Miguel da Silva Fernandes. PDF processed with CutePDF evaluation edition www.cutepdf.com. Pág. EMPRESAS VIRTUAIS Autor: Pedro Miguel da Silva Fernandes Pág. 1 (de 5) PDF processed with CutePDF evaluation edition www.cutepdf.com EMPRESAS VIRTUAIS Actualmente, vivemos numa época de grandes mudanças

Leia mais

Abordagem Formativa Web-Based. Success does not happen by accident. It happens by Design.

Abordagem Formativa Web-Based. Success does not happen by accident. It happens by Design. Abordagem Formativa Web-Based Success does not happen by accident. It happens by Design. Objectivo, Processo, Resultado Objectivo desta Apresentação Introduzir as características e benefícios chave de

Leia mais

Observatório da Criação de Empresas. Observatório da Criação de Empresas

Observatório da Criação de Empresas. Observatório da Criação de Empresas Observatório da Criação de Empresas O Observatório da Criação de Empresas é um projecto desenvolvido pelo IAPMEI, com a colaboração da Rede Portuguesa de Centros de Formalidades das Empresas (CFE), que

Leia mais

O RELACIONAMENTO COM O CIDADÃO A importância do Território

O RELACIONAMENTO COM O CIDADÃO A importância do Território Conferência Ibero-Americana WWW/Internet 2004 7/8 Outubro, Madrid, Espanha O RELACIONAMENTO COM O CIDADÃO A importância do Território Jorge Xavier Aluno de Mestrado DEGEI UA Campus Universitário de Santiago.

Leia mais

PT Learning Working Group

PT Learning Working Group PT Learning Working Group Reunião n.º 8 Data: 21 de Março 2011 Local: CIEJD Informar e comunicar a UE Iniciativas financiadas pela Comissão Europeia informar UE comunicar Parceria de gestão 2008-2011 Governo

Leia mais

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos 27 LEADERSHIP AGENDA a inovação na gestão do relacionamento compensa Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos A participação activa dos cidadãos é vital para a promoção

Leia mais

Robótica e Automação em PMEs

Robótica e Automação em PMEs J. Norberto Pires Departamento de Engenharia Mecânica Universidade de Coimbra Email: norberto@robotics.dem.uc.pt Web: http://robotics.dem.uc.pt/norberto Robótica e Automação em PMEs Vantagens e dificuldades

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

2. Ensino a distância

2. Ensino a distância Na bibliografia consultada temos encontrado diferentes terminologias para referirem o que chamamos vulgarmente de Ensino a Distância (EaD), embora nem sempre a ideia seja exactamente a mesma. Neste capítulo

Leia mais

DESAFIOS DO E-LEARNING: DO CONCEITO ÀS PRÁTICAS. Maria João Gomes Universidade do Minho mjgomes@iep.uminho.pt

DESAFIOS DO E-LEARNING: DO CONCEITO ÀS PRÁTICAS. Maria João Gomes Universidade do Minho mjgomes@iep.uminho.pt DESAFIOS DO E-LEARNING: DO CONCEITO ÀS PRÁTICAS Maria João Gomes Universidade do Minho mjgomes@iep.uminho.pt 1. Introdução As tecnologias da informação e comunicação (TIC) são utilizadas na educação em

Leia mais

Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260

Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260 Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260 Boas práticas na utilização de plataformas de aprendizagem colaborativa como modo de incentivar a criatividade e identificar boas práticas no setor da metalúrgica Relatório

Leia mais

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O presente estudo visa caracterizar o cluster da electrónica, informática e telecomunicações (ICT), emergente

Leia mais

FERRAMENTAS? a alterar, em muitas organizações, um. instrumento tão abrangente como um orçamento

FERRAMENTAS? a alterar, em muitas organizações, um. instrumento tão abrangente como um orçamento O QUE É IMPRESCINDÍVEL NUMA SOLUÇÃO DE ORÇAMENTAÇÃO E PREVISÃO? Flexibilidade para acomodar mudanças rápidas; Usabilidade; Capacidade de integração com as aplicações a montante e a jusante; Garantir acesso

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 13.12.2010 COM(2010) 731 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU Relatório de Actividades EURES 2006-2008,

Leia mais

Premier. Quando os últimos são os Primeiros

Premier. Quando os últimos são os Primeiros Premier Quando os últimos são os Primeiros Fundada em 1997 Especializada no desenvolvimento de soluções informáticas de apoio à Gestão e consultoria em Tecnologias de Informação. C3im tem como principais

Leia mais

TEMA DE INVESTIGAÇÃO. Agências Viagens do Futuro

TEMA DE INVESTIGAÇÃO. Agências Viagens do Futuro Autores: Josefina Olívia Marques Godinho Salvado RAVT, lda Carlos Manuel Martins Costa Universidade de Aveiro TEMA DE INVESTIGAÇÃO O Turismo é inevitavelmente afectado pelos desenvolvimentos tecnológicos

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio!

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio! Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP Otimize a Gestão do Seu Negócio! Universo da Solução de Gestão SENDYS ERP SENDYS - Copyright 2007 SENDYS é uma marca proprietária da Readsystem, Lda. 2 Universo

Leia mais

Tecnologias de Informação

Tecnologias de Informação Sistemas Empresariais Enterprise Resource Planning (ERP): Sistema que armazena, processa e organiza todos os dados e processos da empresa de um forma integrada e automatizada Os ERP tem progressivamente

Leia mais

Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000

Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000 Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000 Outras conclusões: Recrutamento na área de Marketing Digital registou crescimento de 15%. Área de E- commerce cresceu 6% Remuneração dos profissionais

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Planeam/ Estratégico de SI

Planeam/ Estratégico de SI Planeam/ Estratégico de SI Curso de Engenharia de Sistemas e Informática - 4º ANO Frequência de Planeamento Estratégico de Sistemas de Informação (Teórica) 2002 / 2003 - Data: 2003/07/05 Duração 60 Minutos

Leia mais

Software as a Service As múltiplas dimensões do SaaS

Software as a Service As múltiplas dimensões do SaaS Software as a Service As múltiplas dimensões do SaaS Microsoft Solutions Day: Software as a Service 18 de Junho 2008 Gabriel Coimbra Research & Consulting Director IDC Portugal Copyright 2008 IDC. Reproduction

Leia mais

PHC Recursos Humanos CS

PHC Recursos Humanos CS PHC Recursos Humanos CS A gestão total dos Recursos Humanos A solução que permite a optimização da selecção e recrutamento, a correcta descrição de funções, a execução das avaliações de desempenho e a

Leia mais

PALAVRAS CHAVE RESUMO

PALAVRAS CHAVE RESUMO ESIG2001 SPATIAL INTELLIGENCE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA COMO MEIO DE SUPORTE À DECISÃO João Machado Costa, Rui Marques Ferreira Novabase www.novabase.pt joao.machado@novabase.pt PALAVRAS CHAVE Spatial Information

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Depositos e política de localização (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Depositos e politica de localização necessidade de considerar qual o papel dos depositos

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

A que se propõe? Histórico e Evolução. Funcionalidades. Aplicações Comerciais. Tecnologias Envolvidas. Áreas Afetadas. Bibliografia. A que se propõe?

A que se propõe? Histórico e Evolução. Funcionalidades. Aplicações Comerciais. Tecnologias Envolvidas. Áreas Afetadas. Bibliografia. A que se propõe? O que é? Educação à Distância: [...]a modalidade de educação em que as atividades de ensino-aprendizagem são desenvolvidas majoritariamente (e em bom número de casos exclusivamente) sem que alunos e professores

Leia mais

Uma Questão de Atitude...

Uma Questão de Atitude... Uma Questão de Atitude... Catálogo de Formação 2014 1 Introdução 3 Soluções de Formação 3 Áreas de Formação 4 Desenvolvimento Pessoal 5 Comercial 12 Secretariado e Trabalho Administrativo 15 Indústrias

Leia mais

ANA AEROPORTOS REDES DE CONHECIMENTO

ANA AEROPORTOS REDES DE CONHECIMENTO PARTILHAR PARTILHAR ANA AEROPORTOS REDES DE CONHECIMENTO A ORGANIZAÇÃO O sector da aviação civil, dada a sua natureza, está sujeito a regulamentação internacional, europeia e nacional, que regula e uniformiza

Leia mais

1. ENQUADRAMENTO. Contacte-nos hoje para saber mais. Esta é a solução de Gestão do Desempenho de que a sua Empresa precisa!

1. ENQUADRAMENTO. Contacte-nos hoje para saber mais. Esta é a solução de Gestão do Desempenho de que a sua Empresa precisa! 1. ENQUADRAMENTO O PERSONIS é uma solução integrada de gestão e avaliação de desempenho que foi desenhada pela GlobalConsulting e suportada por uma aplicação desenvolvida pela CENTRAR numa estreita parceria,

Leia mais

O aumento da força de vendas da empresa

O aumento da força de vendas da empresa PHC dcrm O aumento da força de vendas da empresa O enfoque total na actividade do cliente, através do acesso remoto à informação comercial, aumentando assim a capacidade de resposta aos potenciais negócios

Leia mais

LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO

LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO N.º ORIENTAÇÃO PARA RESULTADOS: Capacidade para concretizar eficiência os objectivos do serviço e as tarefas e que lhe são solicitadas. com eficácia e 1

Leia mais

O contexto na Administração Pública

O contexto na Administração Pública 1.º Workshop ENIDH/MÚTUA DOS PESCADORES e-aprendizagem ou aprendizagem tecnologicamente assistida? Teresa Salis Gomes Directora da Unidade de Inovação Pedagógica O contexto na Administração Pública Aumento

Leia mais

Guimarães, 13 de Maio de 2002. Luis Amaral. Universidade do Minho

Guimarães, 13 de Maio de 2002. Luis Amaral. Universidade do Minho Prefácio A Arquitectura dos Sistemas de Informação, enquanto assunto central da área disciplinar das Tecnologias e Sistemas de Informação é, na minha opinião, um dos seus temas mais importantes e, simultaneamente,

Leia mais

IDC Portugal aumenta produtividade e reduz custos operacionais com Microsoft Dynamics CRM em modelo hosted

IDC Portugal aumenta produtividade e reduz custos operacionais com Microsoft Dynamics CRM em modelo hosted Microsoft Dynamics CRM Online Customer Solution Case Study IDC Portugal IDC Portugal aumenta produtividade e reduz custos operacionais com Microsoft Dynamics CRM em modelo hosted Sumário País Portugal

Leia mais

Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas. Algumas Medidas de Política Orçamental

Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas. Algumas Medidas de Política Orçamental Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas Algumas Medidas de Política Orçamental CENÁRIO O ano de 2015 marca um novo ciclo de crescimento económico para Portugal e a Europa. Ante tal cenário,

Leia mais

Novas Tendências do Ensino da Geografia no Ensino Superior a Distância. Manuela Malheiro Ferreira. Universidade Aberta

Novas Tendências do Ensino da Geografia no Ensino Superior a Distância. Manuela Malheiro Ferreira. Universidade Aberta Novas Tendências do Ensino da Geografia no Ensino Superior a Distância Manuela Malheiro Ferreira Universidade Aberta A partir dos anos sessenta começou a desenvolver-se o ensino superior a distância, mediante

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE E-TUTOR e-learning. Público-Alvo

CURSO DE FORMAÇÃO DE E-TUTOR e-learning. Público-Alvo CURSO DE FORMAÇÃO DE E-TUTOR e-learning Público-Alvo Profissionais que pretendam adquirir competências de base para monitorizar formação na modalidade e-learning ou b-learning que sejam possuidores do

Leia mais

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente Grupo Pestana suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O trabalho de consolidação de informação permitiu desde logo abrir novas possibilidades de segmentação, com base num melhor conhecimento

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

A internacionalização da língua portuguesa. Difusão da Língua Portuguesa em Ensino a Distância. Metodologias de e-learning.

A internacionalização da língua portuguesa. Difusão da Língua Portuguesa em Ensino a Distância. Metodologias de e-learning. A internacionalização da língua portuguesa Difusão da Língua Portuguesa em Ensino a Distância. Metodologias de e-learning. Mário Filipe O ensino de línguas de grande difusão global é hoje servido por várias

Leia mais

Ensino à distância Caso prático E-MBA do IESF

Ensino à distância Caso prático E-MBA do IESF Ensino à distância Caso prático E-MBA do IESF Manuel Leite Mestrado em Análise de Dados e Sistemas de Apoio à Decisão Sistemas de Informação para Gestão Faculdade de Economia, 29 de Novembro de 2002 1

Leia mais

Vantagem Garantida PHC

Vantagem Garantida PHC Vantagem Garantida PHC O Vantagem Garantida PHC é um aliado para tirar maior partido das aplicações PHC A solução que permite à empresa rentabilizar o seu investimento, obtendo software actualizado, formação

Leia mais

PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO

PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO A noção de Empreendedorismo, como uma competência transversal fundamental para o desenvolvimento humano, social e económico, tem vindo a ser reconhecida

Leia mais

Cadeira de Tecnologias de Informação. Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento.

Cadeira de Tecnologias de Informação. Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento. Cadeira de Tecnologias de Informação Ano lectivo 2007/08 Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento. Prof. Mário Caldeira Profª Ana Lucas Dr. Fernando Naves

Leia mais

O nosso desafio é o seu sucesso!

O nosso desafio é o seu sucesso! O nosso desafio é o seu sucesso! Clien tes de Refe rên cia Distribuição Construção Civil Industria Tecnologias Potenciamos o seu negócio A Empre sa. Somos uma empresa especializada na prestação de serviços

Leia mais

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhores representantes das associações

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

PHC Dashboard CS. Diversidade de análises de dados pré-configuradas. Representação gráfica da informação do sistema

PHC Dashboard CS. Diversidade de análises de dados pré-configuradas. Representação gráfica da informação do sistema PHC Dashboard CS Um novo nível de gestão A gestão da informação empresarial de forma sintética, visual e abrangente, possibilitando uma tomada de decisão mais rápida, correcta e precisa. BUSINESS AT SPEED

Leia mais

Espírito Santo Private Banking aumenta eficiência na gestão de clientes com Dynamics CRM

Espírito Santo Private Banking aumenta eficiência na gestão de clientes com Dynamics CRM Microsoft Dynamics CRM Customer Solution Case Study Espírito Santo Private Banking Espírito Santo Private Banking aumenta eficiência na gestão de clientes com Dynamics CRM Sumário País Portugal Sector

Leia mais

SQS Portugal Portfólio de Serviços de Segurança. SQS Software Quality Systems

SQS Portugal Portfólio de Serviços de Segurança. SQS Software Quality Systems SQS Portugal Portfólio de Serviços de Segurança SQS Software Quality Systems SQS Portugal Apresentação A SQS Portugal - Software Quality Systems, é uma empresa especializada em ajudar os seus clientes

Leia mais

A Sociedade da Informação no QREN 2007-2013. Manuel Laranja Gabinete do Coordenador da Estratégia de Lisboa e do Plano Tecnológico - PCM

A Sociedade da Informação no QREN 2007-2013. Manuel Laranja Gabinete do Coordenador da Estratégia de Lisboa e do Plano Tecnológico - PCM A Sociedade da Informação no QREN 2007-2013 Manuel Laranja Gabinete do Coordenador da Estratégia de Lisboa e do Plano Tecnológico - PCM índice 1. Os novos desafios da competitividade e a utilização das

Leia mais

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Eng. Mário Lino por ocasião da Cerimónia de Abertura do Diálogo Estratégico sobre as Tecnologias da Informação e

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

Como a Cisco TI virtualizou os Servidores de Aplicações dos Centros de Dados

Como a Cisco TI virtualizou os Servidores de Aplicações dos Centros de Dados Case Study da Cisco TI Como a Cisco TI virtualizou os Servidores de Aplicações dos Centros de Dados A implementação de servidores virtualizados proporciona economias significativas de custos, diminui a

Leia mais

PHC Dashboard CS. Diversidade de análises de dados pré-configuradas. Representação gráfica da informação do sistema

PHC Dashboard CS. Diversidade de análises de dados pré-configuradas. Representação gráfica da informação do sistema PHC Dashboard CS Um novo nível de gestão A gestão da informação empresarial de forma sintética, visual e abrangente, possibilitando uma tomada de decisão mais rápida, correcta e precisa. BUSINESS AT SPEED

Leia mais

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR Prioridades Estratégicas Indústria Portuguesa Agro-Alimentar Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares XI LEGISLATURA 2009-2013 XVIII

Leia mais

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa, ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa, ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade O módulo PHC dcrm permite aos comerciais da sua empresa focalizar toda a actividade no cliente, aumentando a capacidade de resposta aos potenciais negócios da empresa. PHC dcrm Aumente o potencial da força

Leia mais

Qpoint Rumo à excelência empresarial

Qpoint Rumo à excelência empresarial Qpoint Rumo à excelência empresarial primavera bss A competitividade é cada vez mais decisiva para o sucesso empresarial. A aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance dos processos organizacionais

Leia mais

A gestão completa dos seus recursos humanos

A gestão completa dos seus recursos humanos PHC Recursos Humanos CS DESCRITIVO Optimize a selecção e recrutamento, proceda à correcta descrição de funções, execute as avaliações de desempenho e avalie as acções de formação. PHC Recursos Humanos

Leia mais

CRITÉRIO 3: SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DO DESEMPENHO

CRITÉRIO 3: SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DO DESEMPENHO CRITÉRIO 3: SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DO DESEMPENHO Este capítulo inclui: Visão geral O Ciclo de Gestão do Desempenho: Propósito e Objectivos Provas requeridas para a acreditação Outros aspectos

Leia mais