Matrizes de Contabilidade Social para o Planejamento Econômico

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Matrizes de Contabilidade Social para o Planejamento Econômico"

Transcrição

1 Matrizes de Contabilidade Social para o Planejamento Econômico Joaquim Bento de Souza Ferreira Filho Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz

2 Planejamento da política econômica Requer o conhecimento da estrutura da economia. Economias modernas: complexas, com grande interrelacionamento entre os setores produtivos: Entre sí. Com o exterior Com os demais agentes da economia. O conhecimento da estrutura da economia é fundamental para o planejamento. Matrizes de Insumo-Produto (MIP) e de Contabilidade Social (SAM) são elementos importantes no planejamento.

3 MIP - breve revisão da estrutura formal. Mostra a inter-relação existente entre os setores produtivos da economia, e entre eles e a Demanda Final. Produto de um setor é insumo de outro. Assim, elevar a demanda pelo produto de um setor eleva a demanda de muitos outros setores da economia, gerando um processo multiplicador na mesma.

4 Entendendo a lógica da estrutura de insumo-produto: Matriz de Uso Demanda intermediária Agropecuária Indústria Serviços Subtotal Demanda final VBP Agropecuária Indústria Serviços Subtotal Valor adicionado Gastos totais PIBpm (ótica da renda) = 100 PIBpm (ótica da despesa) = DF importações = = 100 PIBpm (ótica do produto) = VBP consumo intermediário = = 100

5 O nível de valoração de preços O preço de um produto varia de acordo com o ponto da cadeia de comercialização onde o mesmo é avaliado. Ex: o preço do alimento na fazenda é diferente do mesmo produto na cidade. Ao se analisar os dados das contas nacionais com finalidade de modelagem, é fundamental se saber qual é o nível de valoração utilizado.

6 Nível de valoração No Sistema de Contas Nacionais, são adotados três níveis de valoração para mensurar o valor de suas operações: - preços básicos, - preços de produtor e - preços de consumidor. Preços básicos: quantia recebida pelo produtor pela venda de uma unidade de um bem ou serviço produzido (valor retido pelo produtor). - este conceito exclui qualquer imposto e qualquer custo de transporte faturado separadamente pelo produtor e inclui qualquer subsídio sobre o produto; Preços de produtor: preços básicos + impostos não-dedutíveis subsídios sobre o produto; e Preços de consumidor: preços de produtor + impostos dedutíveis sobre produtos + margens de transporte + margem de comércio.

7 O modelo de Insumo-Produto (ou de Leontief, ou de preços fixos) As MIP se tornam instrumentos de análise econômica ao se introduzir a hipótese de funções de produção a coeficientes fixos: insumos e produto estão relacionados através de funções de produção lineares. Admite preços fixos, ou seja, não há mecanismos de ajustamento de preços no modelo. Admite que não há restrições de oferta no modelo, ou seja, todos os fatores de produção estão presentes em oferta infinitamente elástica (daí os preços fixos)

8 O MODELO BÁSICO DE INSUMO PRODUTO X j X = min j, onde: aij X j = produção do produto j (valor) a = coeficiente técnico de produção ij X ij= quantidade do insumo i usado na produção do produto j Notar que nesta formulação, o Produto Médio de cada fator é igual ao seu Produto Marginal: X = a. X j ij ij X X j j PME ij = = aij = = X ij X ij PMa ij Em formato matricial, temos que : x = A. x + y, onde x é o vetor de produção, A uma matriz de coeficientes técnicos, e y um vetor de demandas finais. Invertendo-se o sistema, tem-se que: 1 ( I A) + y = B y, onde ( ) 1 x =. I A é a Matriz de Leontief, ou de requerimentos totais, e relaciona a produção de cada setor com a demanda final líquida de importações. Cada X i elemento bij = representa a quantidade de produção líquida de cada setor i que seria Y j necessária para satisfazer a um aumento de uma unidade na demanda final do bem j.

9 A MIP do Brasil para \..\..\..\..\MyModels\MIP_2005_55sec\MIP2005.har O modelo Insumo-Produto (I-O) é mais importante hoje pela sua capacidade de descrever a estrutura da economia, do que pelos seus multiplicadores. Há outros tipos de modelos (Modelos Computáveis de Equilíbrio Geral) que permitem ajustamento endógeno de preços. Mas os modelos I-O são importantes como base de dados, ou então para fenômenos onde o ajustamento dos preços (ou problemas de capacidade instalada) não sejam importantes. Ex: aumento na demanda de um setor muito pequeno.

10 A matriz inversa de Leontief para o Brasil O IBGE divulga a inversa de Leontief, junto com as matrizes de Insumo Produto...\..\Dados\Mip_2005\2005\tab09.xls Notar: a MIP traz apenas as relações econômicas da esfera produtiva da economia. Em particular não traz informações sobre: a poupança da economia, impostos diretos, o balanço com o exterior. Para isso é necessária uma SAM, que mostre o Fluxo Circular da Renda completo na economia.

11 Fluxo Circular da Renda Renda Mercado dos fatores de produção Remuneração dos fatores Poupança Privada MERCADOS FINANCEIROS Empréstimos Déficit do Governo Empréstimos investimentos Impostos FAMÍLIAS GOVERNO EMPRESAS Despesas do Governo Consumo Mercados de bens e serviços Receita das Empresas 11

12 A Matriz de Contabilidade Social - SAM Reproduz o fluxo circular de renda na economia em um conjunto unificado de contas, distinguindo agentes e instituições. Princípio contábil de partidas dobradas, com apresentação matricial. MIP - faz parte da SAM, que é mais completa. Linhas e colunas: contas separadas. Linhas = Receitas; Colunas = Despesas. SAM : deve ser quadrada. Soma de cada linha = soma da coluna correspondente -> princípio da contabilidade de partidas dobradas -> recebimentos = despesas.

13 SAM: 6 TIPOS (GRUPOS) DE CONTAS Atividades (produtivas); Produtos; Conta corrente das instituições domésticas (Famílias, Empresas, Governo, etc); Conta de capital; Conta Resto do Mundo. Cada uma das contas acima pode ainda ser subdividido de diversas maneiras.

14 Informações obtidas a partir da MIP Uma SAM Esquemática Contas nacionais, outras fontes. Atividades Produtos Trabalho Capital Famílias Governo Conta de capital Estoques Resto do mundo Atividades oferta doméstica Exportações Produtos consumo intermed. consumo famílias consumo governo investi mento Estoques Reexportaç. Fatores trabalho salários capital rendimento Instituições famílias Salários rendimen. do capital transferên cias governo impostos indiretos imposto de importação impostos diretos capitais conta de capital Estoques poupança poupança Capitais estoques Resto do mundo importação Valor da produção doméstica Oferta total mercado interno Valor adicion. Rendim. capital Despesas das familías Despesas do governo Ingressos do exterior

15 Fluxos monetários Fluxos reais Uma SAM esquemática Fatores Instituições Atividades Produtos Trabalho Capital Famílias Governo Conta de Capital Atividades Oferta Doméstica Produtos Consumo Intermediário Consumo Famílias Consumo Governo Estoques Resto do TOTAL Mundo Exportações Valor da Produção Doméstica Investimento Estoques Reexport. Oferta no Mercado Doméstico Fatores Trabalho Salários Renda do Trabalho Capital Rendimento Renda do Capital Capital Instituições Famílias Salários Rendimento do Capital Família Transferências Renda das Governo Impostos Indiretos Imposto de Importação Impostos Diretos Capitais Receita do Governo Conta de Poupança Poupança Capitais Poupança Capital Estoques Estoques Estoques Resto do Mundo Importações Capitais Entradas do Exterior Valor da Oferta no Renda do Renda do Despesas Despesas do Capitais Estoques Remessas ao TOTAL Produção Doméstica Mercado Doméstico Trabalho Capital das Famílias Governo Exterior

16 Multiplicadores de SAM Seguem a mesma idéia básica dos multiplicadores de Insumo- Produto. Também admitem coeficientes fixos. Preços fixos.

17 Exemplos de estudos com MIP e SAMpara o Brasil. 1. MIP Potencial de geração de emprego e renda na cotonicultura brasileira. (MIP 2005) 2. Uma SAM para o setor sucroalcooleiro do Brasil em Uma SAM para o setor florestal brasileiro (2005).

18 Potencial de geração de emprego e renda na cotonicultura brasileira. Associação Brasileira de Produtores de Algodão ABRAPA Objetivo: comparar a capacidade de geração de emprego na cultura do algodão com as da soja e do milho. Autores: Ferreira Fo, J.B.S; Alves, L.R; Georgino, M.

19 Tabela 1. Valor da produção, emprego das culturas de milho, soja e algodão e respectivas parcelas no total do Brasil Valor da produção (VP) (Milhões R$) Parcela no valor da produção total do Brasil (%) Emprego (no. trabalhadores) Parcela no emprego total (%) Milho ,0 0, ,80 Soja ,0 0, ,44 Algodão 5.197,0 0, ,05

20 1,2 1 0,8 0,6 0,4 0,2 0 Frente Trás Figura 3. Índices de ligações para frente e para trás. Atividades selecionadas.

21 Tabela 7. Multiplicadores de emprego do tipo II. Brasil, Variação percentual para cada R$100 milhões de Cultura Multiplicador (%) Emprego total na economia (PNAD) Variação no emprego Milho 0, Soja 0, Algodão 0,

22 Tabela 1. Área plantada, variação de área e emprego requeridos para elevação de R100 milhões na demanda final dos produtos analisados. Valores de Valor da Área produção Plantada Cultura em 2005 (ha) Valor da produção/ área Área adicional requerida (var. %) Área adicional requerida (ha) Geração de Emprego Total na Economia (trabalhadores) Geração de emprego por ha adicional Milho , ,83 1, ,069 Soja , ,03 0, ,097 Algodão 5.197, ,11 2, ,367

23 35 Comercio 36 Transporte 37 Servicos Multiplicadores (variação % do PIB) para cada R$100 milhões de 2005 de elevação na demanda final de cada setor Variação % ArrozCasca 2 MilhoGrao 3 CanaDeAcucar 4 SojaGrao 5 OutPrServLav 6 Mandioca 7 FumoFolha 8 AlgodHerb 9 FrutasCitric 10 CafeGrao 11 ExplFlorSilv 12 PecuarPesca 13 ExtratMin 14 CarnesPescad 15 OleoVegRac 16 Acucar 17 CafeProces 18 OutAliBebFum 19 Texteis 20 Vestuario 21 CouroCalcad 22 MadC elpapgra 23 Etanol 24 RefinoPetrol 25 ProdQuimicos 26 BorrachaPlas 27 MinNMetalic 28 FerroAco 29 MetNaoFerro 30 MaquEquip 31 MatEletronic 32 AutCamOnib 33 SIU P 34 Construcao Setores Figura 1. Multiplicadores (%) de renda na Economia brasileira

24 Uma SAM para o setor sucroalcooleiro do Brasil em 2004 Preparada para um estudo da Organização Internacional do Trabalho (ILO). Finalidade: detalhar a estrutura de produção e emprego no setor sucro-alcooleiro do Brasil. Autores: Ferreira Fo; J.B.S, Cunha Fo, J.H. NOTAR: a SAM modelo-específica...\ipea_08\1o Modulo\sam04.har Aspectos específicos: Cana alta e baixa tecnologia Cinco tipos de trabalho Cinco tipos de famílias 24

25 Uso de fatores primários de produção: cana H menos intensiva em trabalho. Tabela 1. Estrutura da demanda por trabalho na cultura da cana de açúcar no Brasil. Parcelas, Classe de trabalho CanaH CanaL 1 TRAB TRAB TRAB TRAB TRAB Total

26 Etanol x açúcar Tabela 1. Estrutura da demanda por trabalho nos setores de produção de Etanol e Açúcar no Brasil Parcelas das classes de salário na folha de pagamento total do setor respectivo. Classe de salário 1 Etanol 2 IndAcucar 1 TRAB TRAB TRAB TRAB TRAB Total

27 11 AvesVivas 12 OutProdAgrop Estrutura da demanda por trabalho na agricultura brasileira CanaL 4 ArrozCasca 5 TrigoGrao 6 SojaGrao 7 AlgodCaroco 8 MilhoGrao 9 BovinSuin 10 LeiteNatur 1 TRAB1 2 TRAB2 3 TRAB3 4 TRAB4 5 TRAB5 2 CanaH 1 Cafe Parcela no total dos salários

28 Uma SAM para o setor florestal (Amazônia) do Brasil em 2005 Pesquisa financiada pelo International Labor Office ILO Autores: Ferreira Fo, J.B.S; Fachinello, A.L...\..\..\..\..\MyModels\ILO_Florestal_10\MACROSAM. HAR..\..\..\..\..\MyModels\ILO_Florestal_10\SAM05AG.H AR..\..\..\..\..\MyModels\ILO_Florestal_10\diag1.har (dados extraídos da SAM florestal).

29 Multiplicadores I-O x SAM 2005 AMAZÔNIA LEGAL Multiplicadores de Insumo-Produto Multiplicadores da SAM ATIVIDADES Produção Renda Emprego Produção Renda Emprego 1 Agricultura 1,71 0, ,87 1, Madeira em Tora e Lenha da floresta nativa 1,31 0, ,80 1, Carvão Vegetal da floresta nativa 1,37 0, ,82 1, Borracha (latéx) da floresta nativa 1,30 0, ,83 1, Castanha do Pará da floresta nativa 1,55 0, ,76 1, Açaí da floresta nativa 1,56 0, ,83 1, Outros produtos da exploração florestal 1,63 0, ,75 1, Madeira em Tora e Lenha da floresta plantada 2,03 0, ,72 0, Carvão vegetal da floresta plantada 2,35 0, ,29 0, Outros produtos da silvicultura 1,61 0, ,75 1, Pecuária 1,95 0, ,02 0, Pesca Extrativa Marinha 1,10 0, ,88 1, Pesca Extrativa Continental 1,10 0, ,88 1, Pesca Aqüicultura Marinha 1,10 0,98 6 1,88 1, Pesca Aqüicultura Continental 1,10 0,98 6 1,88 1, Petróleo e gás natural 1,82 0, ,01 0, Minério de ferro 1,88 0, ,01 0, Outros da indústria extrativa 1,89 0, ,89 0, Indústriado café 2,47 0, ,09 0, Beneficiamento deprodutos vegetais 2,37 0, ,35 0, Beneficiamento da castanha do Brasil 1,74 0, ,14 1, Beneficiamento do açaí 2,00 0, ,32 1, Abate de animais 2,44 0, ,51 0, Indústria de laticínios 2,60 0, ,59 0, Indústria de açúcar 2,19 0, ,08 0,89 65

30 Desagregação regional..\..\..\..\..\mymodels\pov_pnad05_2009\regdata\aggm od.har

31 Literatura adicional KING, B. What is a SAM? World Bank Staff Working Papers no PYATT, G; ROUND, J. Social accounting matrix for development planning. The Review of Income and Wealth. series 23, no. 4. pp PYATT, G; ROUND, J.(eds). Social Accounting Matrices: A basis for planning. A World Bank Symposium. The World Bank p. Ferreira Fo, J.B.S. Modelos aplicados de equilíbrio geral: teoria, prática e aplicações. LES/ESALQ/USP. Série Didática no. 10.

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Eduardo Pereira Nunes Elisio Contini Apresentação à Diretoria da ABAG 13 de setembro de 2000 - São Paulo O PROBLEMA Controvérsias sobre contribuição

Leia mais

Prof. Esp. Fábio T. Lobato 1

Prof. Esp. Fábio T. Lobato 1 - Prof. Fábio Tavares Lobato a Dois Setores Sem Formação de Capital a Dois Setores Com Formação de Capital a Três Setores: O Setor Público a Quatro Setores: O Setor Externo 1 2 Contas Básicas: - Produto

Leia mais

NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução

NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução O Modelo de Geração de Empregos do BNDES 1 (MGE) estima o número de postos de

Leia mais

Circuito Económico e Contabilidade Nacional

Circuito Económico e Contabilidade Nacional Circuito Económico e Contabilidade Nacional Visão das actividades económicas em termos de circuito. Relacionamento dos agentes pelas operações: - relacionamento em termos de equilíbrio ou, - desequilíbrio.

Leia mais

2.2 - Três óticas de cálculo

2.2 - Três óticas de cálculo Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Ciências Econômicas Departamento de Ciências Econômicas ECO-02215 - Contabilidade Social O Produto da economia e suas óticas de cálculo As três óticas

Leia mais

2) Identifique na lista abaixo que transação ou atividade não seria computada nos cálculos das contas nacionais e do PIB:

2) Identifique na lista abaixo que transação ou atividade não seria computada nos cálculos das contas nacionais e do PIB: Cap 2 1) Considere que numa economia em determinado ano ocorreu uma severa epidemia, que ocasionou um aumento na demanda de serviços médico-hospitalares e por medicamentos. Considerando todo o resto constante,

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002 DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002 (versão para informação e comentários) Versão 1 Apresentação O Instituto

Leia mais

Tendo em atenção os seguintes dados referentes a Portugal:

Tendo em atenção os seguintes dados referentes a Portugal: Exercício - II.1 Tendo em atenção os seguintes dados referentes a Portugal: (valores em milhões de contos) PIB 1986 a preços correntes 4418,8 PIB 1987 a preços de 1986 4608,1 PIB 1987 a preços correntes

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota metodológica nº 6

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota metodológica nº 6 DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000 Nota metodológica nº 6 Conta da Produção das Atividades (versão para informação e

Leia mais

Tabela 2 - Economia Nacional - Contas de produção, renda e capital - 2003-2007

Tabela 2 - Economia Nacional - Contas de produção, renda e capital - 2003-2007 (continua) Produção 2 992 739 1 522 125 Consumo intermediário Impostos sobre produtos 229 673 Subsídios aos produtos (-) 339 2003 1 699 948 Produto Interno Bruto Produto interno bruto 1 699 948 671 872

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

1 (V) 1 Usualmente assume-se que as empresas agem de forma a maximizar suas utilidades

1 (V) 1 Usualmente assume-se que as empresas agem de forma a maximizar suas utilidades CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DISCIPLINA: ECONOMIA DO TURISMO (ECTX2) Questões para revisão Nome completo: 1 (V) 1 Usualmente assume-se que as empresas agem de forma a maximizar suas

Leia mais

Impactos Socioeconômicos da Indústria de Biodiesel no Brasil. Joaquim J.M. Guilhoto Marcelo P. Cunha

Impactos Socioeconômicos da Indústria de Biodiesel no Brasil. Joaquim J.M. Guilhoto Marcelo P. Cunha Impactos Socioeconômicos da Indústria de Biodiesel no Brasil Joaquim J.M. Guilhoto Marcelo P. Cunha Agosto - 2013 2011 Biodiesel INTRODUÇÃO E OBJETIVOS 2011 Biodiesel ODM-Importado 2011 ODM-Nacional Biodiesel

Leia mais

Agregados macroeconômicos:

Agregados macroeconômicos: 2.1 Introdução Agregados macroeconômicos: Contabilidade social Capítulo II Macroeconomia: ramo da teoria econômica que estuda a determinação e o comportamento dos agregados nacionais. a parte relativa

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010. Nota Metodológica nº 07

DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010. Nota Metodológica nº 07 DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010 Nota Metodológica nº 07 As Famílias no Sistema de Contas Nacionais (versão para informação

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA 2º Semestre 2004/2005 1º CADERNO DE EXERCÍCIOS Introdução 1. INTRODUÇÃO 1. * A macroeconomia lida com: a) A Economia

Leia mais

II Fórum SNPA Seminário técnico do Projeto de Reformulação das Pesquisas Agropecuárias do IBGE

II Fórum SNPA Seminário técnico do Projeto de Reformulação das Pesquisas Agropecuárias do IBGE II Fórum SNPA Seminário técnico do Projeto de Reformulação das Pesquisas Agropecuárias do IBGE Rio de janeiro, 25 de outubro de 2011 Av. República do Chile, nº500, 2º andar, Centro, Rio de Janeiro. Programa

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas Comentários gerais Pesquisa Anual de Comércio - PAC investiga a estrutura produtiva do A segmento empresarial do comércio brasileiro, sendo os resultados referentes a 2012 divulgados neste volume. A pesquisa

Leia mais

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN em parceria com a SUFRAMA e sob a coordenação

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISA - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota metodológica nº 2

DIRETORIA DE PESQUISA - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota metodológica nº 2 DIRETORIA DE PESQUISA - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000 Nota metodológica nº 2 Estrutura do Sistema de Contas Nacionais (versão para informação

Leia mais

Geração de renda, emprego e impostos no agronegócio dos estados da região sul e restante do Brasil

Geração de renda, emprego e impostos no agronegócio dos estados da região sul e restante do Brasil Geração de renda, emprego e impostos no agronegócio dos estados da região sul e restante do Brasil Umberto Antonio Sesso Filho * Joaquim José Martins Guilhoto ** Rossana Lott Rodrigues *** Antonio Carlos

Leia mais

Macroeconomia. Economia

Macroeconomia. Economia Macroeconomia Economia Fluxo de renda Comecemos então com o modelo simples de fluxo circular de renda. Bens e serviços vendidos Mercado de Bens e serviços Bens e serviços comprados Receita Despesa Empresas

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Abril de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março de 2015... 5 3.

Leia mais

3.1 Da c onta t bil i i l d i ade nacio i nal para r a t e t ori r a i ma m cro r econômi m c i a Det e er e mi m n i a n ç a ã ç o ã o da d

3.1 Da c onta t bil i i l d i ade nacio i nal para r a t e t ori r a i ma m cro r econômi m c i a Det e er e mi m n i a n ç a ã ç o ã o da d Determinação da renda e produtos nacionais: O mercado de Bens e Serviços Capítulo III 3.1 Da contabilidade nacional para a teoria macroeconômica A Contabilidade Nacional: medição do produto efetivamente

Leia mais

BRASIL. Francisca Peixoto

BRASIL. Francisca Peixoto BRASIL Francisca Peixoto INTRODUÇÃO BRASIL Um dos principais fornecedores de alimentos e matériasprimas do mundo Dotação única em recursos naturais Política agropecuária alinhada com estratégia nacional

Leia mais

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014 NOTAS CEMEC 01/2015 REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014 Carlos A. Rocca Lauro Modesto Santos Jr. Fevereiro de 2015 1 1. Introdução No Estudo Especial CEMEC de novembro

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC FORTALEZA, Agosto de 2013 SUMÁRIO 1. Fundamentos da Análise de Conjuntura. 2. Tipos

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Produção de bens e serviços de saúde A origem dos bens e serviços ofertados em qualquer setor da economia (oferta ou recursos) pode ser a produção no próprio país ou a importação.

Leia mais

RELATÓRIO TRIMESTRAL DE FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL. Abril 2015

RELATÓRIO TRIMESTRAL DE FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL. Abril 2015 RELATÓRIO TRIMESTRAL DE FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL Abril 2015 Equipe Técnica: Diretor: Carlos Antônio Rocca Superintendente: Lauro Modesto Santos Jr. Analistas: Elaine Alves Pinheiro e Fernando

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 1º Trimestre de 2015 Coordenação de Contas Nacionais 29 de maio de 2015 Tabela Resumo Principais resultados do PIB a preços de mercado

Leia mais

ÁREA DE ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO - AFE nº 31- novembro 2001 E M P R E G O

ÁREA DE ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO - AFE nº 31- novembro 2001 E M P R E G O INFORME-SE ÁREA DE ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO - AFE nº 31- novembro 2001 E M P R E G O SETORES INTENSIVOS EM MÃO-DE-OBRA: Uma atualização do Modelo de Geração de Emprego do BNDES O Modelo de Geração

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS ECO-02215 CONTABILIDADE SOCIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS ECO-02215 CONTABILIDADE SOCIAL IDENTIFICAÇÃO Disciplina: ECO-02215 Contabilidade Social Carga horária: 4 horas/aula semanais Créditos: 04 Turmas: A e B Professor: Carlos Henrique Horn 1. Introdução ao estudo da Contabilidade Social

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 06: ANÁLISE E CONTROLE ECONÔMICO- FINANCEIRO TÓPICO 01: ANÁLISE POR ÍNDICES Fonte (HTTP://WWW.FEJAL.BR/IMAGES/CURS OS/CIENCIASCONTABEIS.JPG) ANÁLISE POR INTERMÉDIO

Leia mais

IMPACTO DA DIFERENCIAÇÃO DO ICMS ENTRE ETANOL HIDRATADO E GASOLINA C PARA A ECONOMIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS cinthia.cabral.da.costa@gmail.

IMPACTO DA DIFERENCIAÇÃO DO ICMS ENTRE ETANOL HIDRATADO E GASOLINA C PARA A ECONOMIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS cinthia.cabral.da.costa@gmail. IMPACTO DA DIFERENCIAÇÃO DO ICMS ENTRE ETANOL HIDRATADO E GASOLINA C PARA A ECONOMIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS cinthiacabraldacosta@gmailcom APRESENTACAO ORAL-Economia e Gestão no Agronegócio CINTHIA CABRAL

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Fevereiro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Fevereiro de 2015...

Leia mais

Macroeconomia. Faculdade de Direito UNL 2008/09. José A. Ferreira Machado

Macroeconomia. Faculdade de Direito UNL 2008/09. José A. Ferreira Machado Macroeconomia Faculdade de Direito UNL 2008/09 José A. Ferreira Machado 1. As principais grandezas macroeconómicas e a sua medição Medição do rendimento nacional, do nível geral de preços e da taxa de

Leia mais

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 A Fundação Seade, em parceria com o IBGE, divulga os resultados do PIB do Estado de São Paulo, em 2005. Simultaneamente, os órgãos de estatística das demais Unidades da

Leia mais

Estrutura da Demanda Final e Distribuição de Renda no Brasil: Uma Abordagem Multissetorial Utilizando uma Matriz de Contabilidade Social

Estrutura da Demanda Final e Distribuição de Renda no Brasil: Uma Abordagem Multissetorial Utilizando uma Matriz de Contabilidade Social Estrutura da Demanda Final e Distribuição de Renda no Brasil: Uma Abordagem Multissetorial Utilizando uma Matriz de Contabilidade Social Adelar Fochezatto Doutor em Economia, Professor Titular da Pontifícia

Leia mais

Questão 1 O que é Fluxo Circular da Renda? O que são fluxos reais e fluxos monetários? Desenhe um e pense sobre como isso resume a economia real.

Questão 1 O que é Fluxo Circular da Renda? O que são fluxos reais e fluxos monetários? Desenhe um e pense sobre como isso resume a economia real. Faculdade de Economia UFF Monitoria 3 Teoria Macroeconômica I (SEN00076) Professor: Claudio M. Considera Monitor: Vítor Wilher (www.vitorwilher.com/monitoria) E-mail: macroeconomia@vitorwilher.com Atendimento

Leia mais

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014 BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada Outubro de 2014 Agenda 1. Aspectos Institucionais 2. Formas de Atuação 3. Indústria de Base Florestal Plantada 1. Aspectos Institucionais Linha

Leia mais

ECONOMIA. Prof. João Artur Izzo

ECONOMIA. Prof. João Artur Izzo ECONOMIA Prof. João Artur Izzo Definição de Economia Economia é a ciência social que estuda a produção, a circulação e o consumo dos bens e serviços que são utilizados para satisfazer as necessidades humanas.

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ECONOMIA

FUNDAMENTOS DA ECONOMIA Aula 4 FUNDAMENTOS DA ECONOMIA 1.2.3 Noção de custo de oportunidade e de análise marginal A escassez de recursos leva os produtores a efetuar escolhas para produção de bens. Em um mundo de recursos limitados,

Leia mais

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Abordagem da estratégia Análise de áreas mais específicas da administração estratégica e examina três das principais áreas funcionais das organizações: marketing,

Leia mais

CONTABILIDADE NACIONAL 1

CONTABILIDADE NACIONAL 1 CONTABILIDADE NACIONAL 1 Ópticas de cálculo do valor da produção O produto de um país pode ser obtido por três ópticas equivalentes: Óptica do Produto permite-nos conhecer o valor do produto por sector

Leia mais

MUDANÇAS ESTRUTURAIS E CRESCIMENTO ECONÔMICO NO RIO GRANDE DO SUL: UMA ANÁLISE DE INSUMO-PRODUTO, 1998-2003

MUDANÇAS ESTRUTURAIS E CRESCIMENTO ECONÔMICO NO RIO GRANDE DO SUL: UMA ANÁLISE DE INSUMO-PRODUTO, 1998-2003 MUDANÇAS ESTRUTURAIS E CRESCIMENTO ECONÔMICO NO RIO GRANDE DO SUL: UMA ANÁLISE DE INSUMO-PRODUTO, 1998-2003 Adelar Fochezatto 1 Cristiano Ponzoni Ghinis 2 Resumo O objetivo deste trabalho é identificar

Leia mais

MEI Mecanismos de incentivo à inovação no contexto da crise

MEI Mecanismos de incentivo à inovação no contexto da crise MEI Mecanismos de incentivo à inovação no contexto da crise Proposta de Trabalho Brasília, 27 de setembro de 2012 São Paulo, Agosto 2011 Apresentação do projeto PEDRO PASSOS 1 Baixo crescimento das economias

Leia mais

MACROECONOMIA I LEC201 Licenciatura em Economia 2007/08

MACROECONOMIA I LEC201 Licenciatura em Economia 2007/08 MACROECONOMIA I LEC201 Licenciatura em Economia 2007/08 CAP. 2 A MEDIÇÃO DA ACTIVIDADE ECONÓMICA --- EXERCÍCIOS 1. EXERCÍCIOS DAS AULAS 1.1. Contas Nacionais Considere o Quadro 1, com os principais agregados

Leia mais

B 02-(FCC/EMATER-2009)

B 02-(FCC/EMATER-2009) Ola, pessoal! Seguem aqui mais questões comentadas de Macroeconomia, visando a preparação para o excelente concurso de fiscal de rendas de SP. Todas as questões são da FCC. Bom treinamento! Marlos marlos@pontodosconcursos.com.br

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIAL: CONCEITOS, INSTRUMENTOS E AVALIAÇÃO. Profa.: Enimar J. Wendhausen

CONTABILIDADE SOCIAL: CONCEITOS, INSTRUMENTOS E AVALIAÇÃO. Profa.: Enimar J. Wendhausen CONTABILIDADE SOCIAL: CONCEITOS, INSTRUMENTOS E AVALIAÇÃO Profa.: Enimar J. Wendhausen TEORIA MACROECONÔMICA A partir da teoria macroeconômica foram empregados esforços para a construção de um sistema

Leia mais

Conta Corrente do Governo

Conta Corrente do Governo Faculdade de Economia UFF Lista 07 Teoria Macroeconômica I (SEN00076) Vítor Wilher (www.vitorwilher.com/monitoria) E-mail: macroeconomia@vitorwilher.com Atendimento Presencial: Quartas, 16h às 18h, Sala

Leia mais

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E O FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL- 2012/2013

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E O FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL- 2012/2013 ESTUDO ESPECIAL REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E O FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL- 2012/2013 Carlos A. Rocca Lauro Modesto Santos Jr. Novembro 2013 SUMÁRIO 1. Sumário e conclusões... 3 2. Entre

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

Plano de Negócios Faculdade Castro Alves Cursos de Administração.

Plano de Negócios Faculdade Castro Alves Cursos de Administração. TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO PLANO DE NEGÓCIIOS Prroff.. Carrllos Mellllo Saal lvvaaddoorr JJANEI IRO/ /22000066 Introdução Preparar um Plano de Negócios é uma das coisas mais úteis que um empresário

Leia mais

Prof. Tatiele Lacerda. Curso de administração

Prof. Tatiele Lacerda. Curso de administração Prof. Tatiele Lacerda Curso de administração Vamos estudar a política fiscal: nessa visão ela é mais influente para o atingimento do pleno emprego, sem inflação Modelo keynesiano básico: preocupa-se mais

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Conceito de Agronegócio e a atuação do Imea 2 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 2.1 Agronegócio Soja 2.2 Agronegócio Milho 2.3 Agronegócio Algodão

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

CAPÍTULO 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO

CAPÍTULO 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO Bertolo Administração Financeira & Análise de Investimentos 6 CAPÍTULO 2 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO No capítulo anterior determinamos que a meta mais

Leia mais

SETOR DE ALIMENTOS: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro

SETOR DE ALIMENTOS: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL SETOR DE ALIMENTOS: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, DEZEMBRO DE 2012 18 2012 PANORAMA GERAL

Leia mais

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68 Sumário CAPÍTULO l As CONTAS NACIONAIS * l Os agregados macroeconômicos e o fluxo circular da renda 2 Contas nacionais - modelo simplificado 4 Economia fechada e sem governo 4 Economia fechada e com governo

Leia mais

Brasil-China: Uma Agenda de

Brasil-China: Uma Agenda de Brasil-China: Uma Agenda de Colaboração Jorge Arbache BNDES Palácio do Itamaraty, Rio de Janeiro, 17 de junho de 2011 1 China Principal parceiro comercial do Brasil Um dos principais investidores estrangeiros

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO RURAL NO BRASIL: Uma análise de impacto e da proposta da fossa séptica biodigestora

SANEAMENTO BÁSICO RURAL NO BRASIL: Uma análise de impacto e da proposta da fossa séptica biodigestora SANEAMENTO BÁSICO RURAL NO BRASIL: Uma análise de impacto e da proposta da fossa séptica biodigestora Apresentação: Cinthia Cabral da Costa Trabalho realizado em parceria com o Prof. Joaquim Guilhoto da

Leia mais

Questões de Economia Cesgranrio. Macroeconomia

Questões de Economia Cesgranrio. Macroeconomia Macroeconomia Balanço de Pagamento 1. Cesgranrio ANP 2008 Especialista em Regulação) Quando um país tem um deficit no balanço comercial do seu balanço de pagamentos, pode-se afirmar que a) as exportações

Leia mais

Para evitar dupla contagem não são contabilizados os bens intermediários. Valor Agregado = VA = VBP Cons. Intermediário PN = ΣVA

Para evitar dupla contagem não são contabilizados os bens intermediários. Valor Agregado = VA = VBP Cons. Intermediário PN = ΣVA I - CONTAS NACIONAIS 1.1 Produto Agregado = Demanda Agregada = Renda Agregada (valor da produção) = (despesa com produto) = (W+L+J+A). 1.2 Renda Nacional: Somatório de todos os rendimento recebidos pelas

Leia mais

GERAÇÃO E MULTIPLICAÇÃO DE EMPREGO NOS SETORES DE PRODUÇÃO E INDUSTRIALIZAÇÃO DE CAFÉ NO BRASIL 1

GERAÇÃO E MULTIPLICAÇÃO DE EMPREGO NOS SETORES DE PRODUÇÃO E INDUSTRIALIZAÇÃO DE CAFÉ NO BRASIL 1 GERAÇÃO E MULTIPLICAÇÃO DE EMPREGO NOS SETORES DE PRODUÇÃO E INDUSTRIALIZAÇÃO DE CAFÉ NO BRASIL 1 Flávia Maria de Mello Bliska Centro de Café, Instituto Agronômico, IAC, Secretaria de Agricultura e Abastecimento

Leia mais

Extensão da Matriz Input Output à Matriz de Contabilidade Social. Aplicação a Portugal e ao Algarve. Susana Santos

Extensão da Matriz Input Output à Matriz de Contabilidade Social. Aplicação a Portugal e ao Algarve. Susana Santos NOVOS DESENVOLVIMENTOS SOBRE A ANÁLISE INPUT - OUTPUT (Seminário) Universidade do Algarve CIDER 19 de Outubro de 2001 Extensão da Matriz Input Output à Matriz de bilidade Social. Aplicação a Portugal e

Leia mais

Influência do ICMS do etanol na economia do Brasil 1

Influência do ICMS do etanol na economia do Brasil 1 Influência do ICMS do etanol na economia do Brasil Autores: Cinthia Cabral da Costa Pesquisadora Embrapa Instrumentação São Carlos, SP Email: cinthia-costa@bolcombr Joaquim José Martins Guilhoto Departamento

Leia mais

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia Prof.: Antonio Carlos Assumpção Contabilidade Nacional Balanço de Pagamentos Sistema Monetário 26- Considere a seguinte equação: Y = C + I + G

Leia mais

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1.

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1. AGROINDÚSTRIA BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 O BNDES e a Agroindústria em 1998 INTRODUÇÃO Este informe apresenta os principais dados sobre os desembolsos do BNDES

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

Crise e respostas de políticas públicas Brasil

Crise e respostas de políticas públicas Brasil Crise e respostas de políticas públicas Brasil Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada BRASIL Jorge Abrahão de Castro Diretor da Diretoria de Estudos Sociais Brasília, 08 de setembro de 2009 Situação

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2009

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2009 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2009 Desafios do Programa Habitacional Minha Casa Minha Vida Profa. Dra. Sílvia Maria Schor O déficit habitacional brasileiro é

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE ECONOMIA GERAL

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE ECONOMIA GERAL DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE I - Ao receber o Enunciado da Prova escreva seu nome e número do documento de identificação. II - Ao entregar a Prova, depois de resolvida,

Leia mais

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais:

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Núcleo de Pós-Graduação e Pesquisa em Economia Mestrado Profissional em Desenvolvimento Regional e Gestão de Empreendimentos Locais

Leia mais

CONCEITOS DA CONTABILIDADE RURAL

CONCEITOS DA CONTABILIDADE RURAL CONCEITOS DA CONTABILIDADE RURAL Instituto Federal Goiano Disciplina de Elaboração e Gestão de Projetos Agronegócio (Noturno) Bruno Maia, Eng Agrônomo, M. Sc. ROTEIRO Classificação das atividades agrícolas.

Leia mais

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS Referência: Agenda para a criação de instrumentos de financiamentos e crédito para o setor florestal Interessado: DFLOR/SBF/MMA. 1. ANTECEDENTES: O

Leia mais

Guilherme Leite da Silva Dias, FEA/USP

Guilherme Leite da Silva Dias, FEA/USP Seminário Risco e Gestão do Seguro Rural no Brasil Mesa Redonda III Aquecimento global e impactos sobre o seguro agrícola Palestra: Aquecimento global e possíveis impactos econômicos sobre a agricultura

Leia mais

Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil

Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil Yoshiaki Nakano Escola de Economia de São Paulo Fundação Getulio Vargas 26 de Abril de 2006 Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil A Base do Novo

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 11 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS. A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas.

CONTABILIDADE DE CUSTOS. A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas. CONTABILIDADE DE CUSTOS A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas. A Contabilidade de Custos que atende essa necessidade

Leia mais

Potencial Econômico dos Clientes dos Corretores de Seguros Independentes do Estado de São Paulo Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.

Potencial Econômico dos Clientes dos Corretores de Seguros Independentes do Estado de São Paulo Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com. Potencial Econômico dos Clientes dos Corretores de Seguros Independentes do Estado de São Paulo Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Julho/2005 1) Introdução O objetivo deste estudo foi avaliar

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012 As exportações em maio apresentaram aumento de +39,13% em relação a abril, continuando a superar a marca de US$ 1 bilhão, agora pela décima-sexta vez

Leia mais

Construção do. Incidência da abertura externa sobre IS-LM Construção, interpretação e deslocamento da curva BP

Construção do. Incidência da abertura externa sobre IS-LM Construção, interpretação e deslocamento da curva BP Construção do Modelo IS-LM-BP Incidência da abertura externa sobre IS-LM Construção, interpretação e deslocamento da curva BP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Modelo IS-LM MODELO IS-LM: mostra

Leia mais

Fluxo Circular da Renda. Fluxo Circular da Renda. Aula 2: Agregados Macroeconômicos

Fluxo Circular da Renda. Fluxo Circular da Renda. Aula 2: Agregados Macroeconômicos Aula 2: Agregados Macroeconômicos Macroeconomia As identidades macroeconômicas básicas, o sistema de Contas Nacionais, as Contas Nacionais no Brasil. Gilmar Ferreira Abril 2010 Fluxo Circular da Renda

Leia mais

DO QUE TRATA A CONTABILIDADE SOCIAL

DO QUE TRATA A CONTABILIDADE SOCIAL DO QUE TRATA A CONTABILIDADE SOCIAL Mensurar a atividade econômica e social em seus múltiplos aspectos. Sistematizar regras para a produção e a organização contínua de informações relevantes para a economia.

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA DEMANDA E DA TECNOLOGIA PARA O CRESCIMENTO ECONÔMICO REGIONAL: UMA ANÁLISE MULTISSETORIAL

CONTRIBUIÇÕES DA DEMANDA E DA TECNOLOGIA PARA O CRESCIMENTO ECONÔMICO REGIONAL: UMA ANÁLISE MULTISSETORIAL CONTRIBUIÇÕES DA DEMANDA E DA TECNOLOGIA PARA O CRESCIMENTO ECONÔMICO REGIONAL: UMA ANÁLISE MULTISSETORIAL Adelar Fochezatto 1 Cristiano Ponzoni Ghinis 2 Resumo O objetivo deste trabalho é identificar

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DO EMPREGO NA ECONOMIA BRASILEIRA Comparação entre 1996 e 2002

ANÁLISE ESTRUTURAL DO EMPREGO NA ECONOMIA BRASILEIRA Comparação entre 1996 e 2002 ANÁLISE ESTRUTURAL DO EMPREGO NA ECONOMIA BRASILEIRA Comparação entre 1996 e 2002 Silvio Massaru Ichihara Joaquim J. M. Guilhoto Marcio Guerra Amorim n.6 Série Estudos Ocupacionais ANÁLISE ESTRUTURAL

Leia mais

Os Benefícios do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) para a sociedade e suas perspectivas para os próximos anos.

Os Benefícios do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) para a sociedade e suas perspectivas para os próximos anos. Os Benefícios do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) para a sociedade e suas perspectivas para os próximos anos. Industria Matéria-prima Mão de obra Saúde e Meio Ambiente Economia 2

Leia mais

ESTUDO IBPT Frete marítimo e seu impacto na arrecadação tributária e na inflação

ESTUDO IBPT Frete marítimo e seu impacto na arrecadação tributária e na inflação Junho 2013 ESTUDO IBPT AUMENTO DO FRETE MARÍTIMO NA IMPORTAÇÃO TEM REFLEXOS NA ARRECADAÇÃO TRIBUTÁRIA E NA INFLAÇÃO Frete marítimo na importação teve aumento de 82,11% em Dólar no período de janeiro de

Leia mais

Economia 2º Período. Fundamentos de Macroeconomia (Aula-V) 19/10/2014. Fundamentos de Macroeconomia. Fundamentos de Macroeconomia. Prof.

Economia 2º Período. Fundamentos de Macroeconomia (Aula-V) 19/10/2014. Fundamentos de Macroeconomia. Fundamentos de Macroeconomia. Prof. (Aula-V) 19/10/2014 UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Economia 2º Período Noções de Contabilidade Nacional e Cálculo do PIB Professor : Johnny Luiz Grando Johnny@unochapeco.edu.br 5. Noções

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez O que são finanças? Finanças é a arte e a ciência de gestão do dinheiro; Imprescindível, pois todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam dinheiro; A teoria

Leia mais

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS AGRONEGÓCIOS AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS Argentina Estados Unidos Indonésia Brasil Canadá Russia Índia Japão Austrália China México Área Agricultável > 30 milhões de ha População urbana > 80

Leia mais

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO FUNDO COMUM PARA OS PRODUTOS BÁSICOS (FCPB) BUSCA CANDIDATURAS A APOIO PARA ATIVIDADES DE DESENVOLVIMENTO DOS PRODUTOS BÁSICOS Processo de

Leia mais

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho Economia Geral e Regional Professora: Julianna Carvalho 1 Introdução à Economia Conceito Segundo VASCONCELOS, 2011, p. 2) é: a ciência social que estuda de que maneira a sociedade decide (escolhe) empregar

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Notas de Aula: Macroeconomia I Introdução à Contabilidade Nacional

Notas de Aula: Macroeconomia I Introdução à Contabilidade Nacional Notas de Aula: Macroeconomia I Introdução à Contabilidade Nacional Victor Gomes Universidade Católica de Brasília victor@pos.ucb.br 6 de março de 2003 1 Introdução Como em outras ciências, os economistas

Leia mais