Construção de e-portefólios de aprendizagem

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Construção de e-portefólios de aprendizagem"

Transcrição

1 Utilização das TIC. Construção de e-portefólios de aprendizagem. Organização de mapas de conceitos. Conceção de apresentações eletrónicas. Utilização de uma plataforma de apoio à aprendizagem

2 Nos últimos 20 anos, as escolas portuguesas conheceram diversos programas e iniciativas oficiais que conduziram a um progressivo apetrechamento em Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC). Mais recentemente, o Plano Tecnológico da Educação (PTE), iniciado em 2007, apontava o número limitado e a antiguidade dos computadores e equipamentos tecnológicos de apoio, tais como quadros interativos e videoprojetores, como entraves à inovação de práticas pedagógicas em sala de aula e lançava o projeto Kit Tecnológico como o instrumento de modernização tecnológica das escolas que permitiria a Portugal atingir rácios de dois alunos por computador, um videoprojetor por cada sala de aula e um quadro interativo por cada três salas de aula. A utilização destes equipamentos seria naturalmente enriquecida com o acesso à Internet e a recursos educativos digitais de qualidade. O Plano estruturou-se em três grandes eixos temáticos Tecnologia, Conteúdos e Formação, mas foi sobretudo na melhoria da quantidade e qualidade de equipamentos, nomeadamente computadores, que terá ganho mais expressão. Partindo do princípio que existe uma base de computadores, videoprojetores e quadros interativos instalada nas escolas, faz sentido acolher um projeto que ajude os professores a tirarem partido destes equipamentos e acrescente valor aos processos de ensinar e de aprender. Este é um dos objetivos do CienTIC 9. No entanto, as atividades propostas são apenas sugestões, não são obrigatórias e só o professor saberá dizer se existem condições para a sua realização com os alunos. No limite, o CienTIC 9 é um projeto concebido para ser implementado com sucesso, mesmo que não seja possível a utilização das TIC. Construção de e-portefólios de aprendizagem O desenvolvimento de e-portefólios de aprendizagem pelos alunos é uma sugestão metodológica basilar do CienTIC 9. Importa, por isso, detalhar com algum pormenor a sua natureza e implicações pedagógicas. 1. O que é um e-portefólio? A maioria dos autores refere-se ao portefólio do aluno como um conjunto planeado e organizado de evidências que retratam o seu percurso escolar ao longo de um período de tempo. Estes registos resultam de ações do aluno e podem ser apresentados em diferentes formatos (texto, imagem, som, vídeo, etc.) e, muito importante, devem ter sempre associada uma componente pessoal e reflexiva. Quando estes materiais são apresentados em formato digital, recorrendo-se às potencialidades dos computadores em termos de armazenamento, relacionamento e atualização da informação, passamos a ter um portefólio digital ou e-portefólio. A organização dos registos deve estar indexada com o enunciado de objetivos de aprendizagem ou de capacidades a desenvolver, pelo que o e-portefólio deve partir de uma estrutura previamente planeada e sempre sob a orientação do professor. No âmbito do CienTIC 9, o contexto e a duração do e-portefólio são, respetivamente, a disciplina de Ciências Naturais e o ano letivo. Assim, esta metodologia deve obedecer aos seguintes princípios: a) A conceção e o desenvolvimento do e-portefólio pelo aluno deve ter sempre um propósito subjacente, como seja a promoção do desenvolvimento de capacidades ou a avaliação da consecução de objetivos programáticos da disciplina. 4 Construção de e-portefólios de aprendizagem

3 b) A recolha e seleção dos materiais a incluir no e-portefólio não deve ser exaustiva nem sistemática. Deve ser representativa do percurso de aprendizagem do aluno em termos de conteúdos programáticos e capacidades em desenvolvimento. c) A reflexão pessoal e a autoavaliação devem estar sempre associadas às evidências selecionadas para o e-portefólio. Utilização das TIC 2. O que incluir no e-portefólio? Reflexões sobre notícias, que devem ser resumidas, recolhidas na comunicação social, preferencialmente alusivas a temas em estudo nas aulas (referindo sempre a fonte da informação), sínteses de trabalhos realizados nas aulas ou em casa, experiências realizadas nas aulas práticas, relatos sobre visitas de estudo ou aulas de campo, glossário de termos científicos, sugestões de websites ou outras fontes informativas interessantes, reflexões sobre os seus resultados escolares no âmbito da disciplina e comentários de professores, pais ou encarregados de educação são exemplos do que o aluno pode representar no seu e-portefólio. Tudo o que o aluno fizer, nas aulas ou fora delas, por obrigação ou por livre iniciativa, sozinho ou em colaboração com terceiros, é passível de ser selecionado para o e-portefólio, mas, como já foi referido, nem tudo deve ser incluído. As secções do e-portefólio podem ser sugeridas pelo professor ao aluno. Uma breve apresentação do autor, uma caixa de hiperligações, um glossário de termos científicos, um espaço para notícias e outro para trabalhos são alguns exemplos. No entanto, o aluno deverá ter alguma liberdade na estruturação do seu e-portefólio. 3. Quem participa no desenvolvimento do e-portefólio? Naturalmente, o aluno e o professor. Com o e-portefólio estabelece-se um elo adicional na relação entre ambos com vantagens de parte a parte. Do trabalho colaborativo entre colegas podem resultar contributos pertinentes para a construção do e-portefólio do aluno. Também os pais e encarregados de educação podem ver no e-portefólio uma oportunidade para apoiar os seus educandos. 4. Aspetos a considerar O desenvolvimento de e-portefólios com os alunos envolve questões que devem ser devidamente equacionadas antes de se decidir avançar com a metodologia. Os e-portefólios só podem acrescentar valor aos processos de ensinar e de aprender se forem enquadrados conceptualmente numa visão mais ampla dos papéis do professor e dos alunos que funcione como referência à sua implementação. Os benefícios dos e-portefólios prendem-se, entre outros, com a criação de um contexto apelativo ao desenvolvimento de competências diversificadas pelos alunos, nomeadamente no que se refere à utilização de recursos TIC, ao incremento do gosto pela disciplina e pelo conhecimento científico, ao desenvolvimento do espírito crítico em relação a si e em relação aos outros, à transparência das atividades escolares para a comunidade e com o facto de poderem funcionar como fonte diversificada de informação atual e complementar sobre as matérias em lecionação. No entanto, também implicam cuidados, dado o risco de sobrevalorização, pelo professor e pelo aluno, do e-portefólio em relação a outras atividades ou a exigência de um trabalho e dispêndio de tempo que podem ser consideráveis, sobretudo quando se é demasiado ambicioso ou pouco realista em relação à metodologia. Construção de e-portefólios de aprendizagem 5

4 5. Como envolver os alunos? O e-portefólio não deve ser apresentado aos alunos como uma finalidade mas sim como um meio para os ajudar a construir o seu saber. A abordagem aos alunos pode começar por uma discussão sobre as vantagens de uma reflexão e autoavaliação sobre o trabalho que desenvolvem, da necessidade de uma constante atualização do conhecimento em Ciências e das vantagens da partilha de informação. Então, pode sugerir-se a criação de um e-portefólio como forma de dar resposta a essas necessidades. Deve ficar claro que o e-portefólio não representa, forçosamente, um acréscimo de trabalho para os alunos, dado que será alimentado com muitos conteúdos que resultam do normal desenrolar das atividades escolares, ainda que, numa fase inicial, possa exigir um esforço de aprendizagem e adaptação a novas ferramentas de trabalho. A fase seguinte passa por definir a metodologia de trabalho, estabelecer regras e critérios claros de avaliação e explicar os procedimentos básicos para criar um e-portefólio. Os alunos também devem ser alertados para os cuidados na linguagem, na estética e salvaguarda dos direitos de autor. Numa fase de concretização importa acautelar dificuldades individuais e fazer alguma coordenação do trabalho dos alunos em relação ao e-portefólio, tendo por referência as sugestões que vão surgindo no manual do aluno. 6. Que papel desempenha o professor? O professor é, naturalmente, um agente central em todo o processo. Para além de apresentar e negociar a metodologia e orientar os alunos no desenvolvimento dos seus e-portefólios, o que implica alguma disponibilidade, o professor deverá criar um espaço organizador, como, por exemplo, um blogue central, com sugestões, informações úteis e ligações para recursos e para os e-portefólios dos alunos. Deve acompanhar regularmente o trabalho dos alunos e, eventualmente, deixar comentários, bem como avaliar os e-portefólios com base nos critérios estabelecidos, dando conhecimento da sua avaliação aos alunos. Uma vez compreendida e implementada, a metodologia não exigirá um grande dispêndio de tempo, mas esta pode ser a maior limitação. O e-portefólio pode e deve funcionar como um motor das aprendizagens, acrescentando valor aos processos e evidenciando um forte retorno face ao investimento do professor e do aluno na metodologia. O tempo investido não será tempo perdido. No entanto, o professor deve ponderar a sua disponibilidade antes de avançar e pode, inclusive, decidir começar devagar, propondo um ensaio mais abrangente, organizando uma espécie de e-portefólio coletivo que resulte do trabalho colaborativo de um grupo e que cumpra, tanto quanto possível, os princípios subjacentes à metodologia. 7. Que suporte escolher para o e-portefólio? O recurso a portefólios digitais apresenta claras vantagens em relação aos suportes tradicionais. Desde logo, a grande facilidade em armazenar, atualizar, relacionar e distribuir a informação. Um processador de texto (como o Word, da Microsoft, ou o Writer, do OpenOffice ) ou um apresentador eletrónico (como o PowerPoint, da Microsoft, ou o Impress, do OpenOffice ) servem para criar um e-portefólio. No entanto, estes suportes não facilitam a adição de comentários ou opiniões de terceiros, pelo que terão de ser objeto de recolha prévia antes da sua inclusão no e-portefólio. 6 Construção de e-portefólios de aprendizagem

5 Uma forma mais poderosa, mas igualmente simples, de construir e manter um e-portefólio passa pela criação de um blogue. Existem diversos operadores que oferecem a possibilidade de criação gratuita de um blogue, como o Blogger (serviço de criação de blogues do Google). A criação de um e-portefólio suportado num blogue permite um acesso condicionado, já que o e-portefólio pode ser visto apenas pelo seu criador, partilhado com utilizadores selecionados ou ficar aberto a todos. O armazenamento de ficheiros, caso não seja permitido pelo serviço de criação de blogues, fica resolvido com o recurso a um serviço gratuito de armazenamento e partilha de ficheiros, como a Dropbox, Box.net ou SkyDrive. Basta hiperligar os posts do blogue aos documentos aí armazenados. Utilização das TIC O Moodle é uma plataforma eletrónica de apoio ao ensino e à aprendizagem, disponível em todas as escolas públicas portuguesas. A plataforma é alojada num servidor da Internet, pelo que pode ser acedida, a qualquer hora, a partir de um qualquer computador com acesso à Internet. O acesso é condicionado por senha e, eventualmente, por chaves de inscrições associadas a certas páginas que constituem as diferentes disciplinas definidas na plataforma. O Moodle oferece ferramentas básicas de edição de documentos e pode ser utilizado como suporte à construção e desenvolvimento de e-portefólios, cumprindo as funcionalidades necessárias a um sistema deste género: acesso condicionado, armazenamento e gestão de ficheiros, criação e edição de documentos e ações colaborativas. Na Escola Superior de Educação de Santarém foi desenvolvido um módulo especializado de apoio à construção de e-portefólios no ensino básico (o REPE) que acrescenta diversas funcionalidades ao Moodle. Este módulo é gratuito e carece de instalação na plataforma. O projeto CienTIC 9 prevê a disponibilização de um tutorial, em formato digital, para o professor, onde são descritas as diferentes fases de construção de um e-portefólio de aprendizagem bem como instrumentos de avaliação dos e-portefólios dos alunos. 8. Como avaliar o e-portefólio? O trabalho desenvolvido pelo aluno no seu e-portefólio é avaliado pelo professor que terá em consideração os pontos de vista do aluno e a sua autoavaliação. Os colegas podem ser chamados a pronunciar-se sobre o e-portefólio. Na sua avaliação, o professor poderá ter em conta parâmetros como: adequação do conteúdo aos objetivos do e-portefólio; quantidade e qualidade da informação publicada; organização geral do e-portefólio; existência de informação reflexiva da sua autoria; indicação das fontes de informação; regularidade de publicação ao longo do tempo; ligações para outros e-portefólios e páginas web relacionadas; registo, quantidade e qualidade dos comentários realizados aos e-portefólios dos colegas; autonomia e responsabilidade demonstradas; progressão revelada ao longo do tempo; apresentação do e-portefólio à turma no final do ano. Construção de e-portefólios de aprendizagem 7

6 9. Onde obter mais informação sobre e-portefólios? Apresentamos uma bibliografia sugerida pelo Centro de Competência em TIC da Escola Superior de Educação de Santarém, instituição que desenvolveu o módulo REPE e formação especializada em e-portefólios de aprendizagem: Barrett, H. (2005). The Reflect Iniciative. White Paper. Researching Electronic Portfolios and Learner Engagement. Retirado de Barrett, H. (2006). Using Electronic Portfolios for Classroom Assessment [Electronic Version]. Connected Newsletter, 13, 4-6. Retirado de ConnectedNewsletter-final.pdf Paulson, F. L. & Paulson, P. R. & Meyer, C. A. (1991). What Makes a Portfolio a Portfolio? Educational Leadership Santos, L. (2002). Autoavaliação regulada: porquê, o quê e como? In P. Abrantes e F. Araújo (Orgs.), Avaliação das Aprendizagens. Das conceções às práticas. Lisboa: Ministério da Educação, Departamento do Ensino Básico, Retirado de Silvério, C. (2006). Portfolios na disciplina de Ciências Naturais no 3.º ciclo do ensino básico. Um estudo de investigação-ação. Dissertação para obtenção do grau de Mestre em Geociências, especialidade em Ensino de Ciências Naturais (Ciências da Terra), Universidade de Coimbra Vilas Boas, B. (2005). O portfólio no curso de pedagogia: Ampliando o diálogo entre professor e aluno. Retirado de 8 Construção de e-portefólios de aprendizagem

7 Organização de mapas de conceitos Os mapas de conceitos continuam a ser um excelente contexto para envolver os alunos na aprendizagem e promover o seu pensamento significativo. A técnica foi concebida e desenvolvida por J. Novak e decorre da teoria de aprendizagem de D. Ausubel, para quem a aquisição de conceitos estáveis, claros e diferenciados pelos alunos é um fator determinante das suas aprendizagens. Utilização das TIC 1. O que são mapas de conceitos? Um mapa de conceitos pode ser visto como uma representação gráfica ou esquema visual de relações entre um conjunto de conceitos. Enquanto os conceitos são representados no interior de caixas, as ligações entre eles são concretizadas através de linhas onde são explicitadas as relações através de frases curtas. Denomina-se proposição o par de conceitos conectados por uma frase de ligação. Subjacente à construção de um mapa de conceitos está uma questão focal que representa um problema a responder e determina o âmbito do conhecimento que será objeto de representação conceptual. A organização hierárquica é outra característica dos mapas de conceitos, sendo os conceitos mais gerais dispostos no topo do mapa e os mais específicos na sua base. As relações estabelecidas entre os diferentes conceitos podem, no entanto, cruzar diferentes patamares ou níveis hierárquicos estruturados no mapa, estabelecendo-se conexões entre conceitos com grau de generalidade semelhante. 2. Para que servem os mapas de conceitos? Enquanto ferramentas cognitivas, os mapas de conceitos visam promover aprendizagens significativas por parte dos alunos, muito para além da mera memorização mecânica das matérias em estudo, desde logo porque a sua construção exige reflexão sobre os conceitos em aprendizagem, tendo por base um corpo prévio de conhecimentos. Dito de outra forma, os mapas de conceitos facilitam a ancoragem ou integração de novos conceitos nos conhecimentos prévios dos alunos, efetivando uma aprendizagem significativa. A construção de mapas de conceitos pelos alunos pode ser uma atividade interessante de síntese e consolidação de aprendizagens, permitindo fazer abordagens simples a blocos informativos e conceptuais complexos. Através dos mapas de conceitos, o aluno representa graficamente as suas ideias sobre um determinado tema, pelo que, para o professor, os mapas de conceitos também podem funcionar como instrumentos de avaliação. Com efeito, os mapas de conceitos ajudam o aluno a organizar e a consolidar ideias sobre uma determinada matéria e, ao mesmo tempo, a identificar eventuais lacunas nos seus conhecimentos. Assim, a partir de conceitos já adquiridos, tenderá a agregar novos conceitos ao seu mapa pela definição de novas relações conceptuais, em linha com uma aprendizagem significativa. Ao desenhar o seu mapa, o aluno não só enuncia os conceitos como procede à sua organização hierárquica e à sua distribuição espacial, ao mesmo tempo que traça linhas de união entre os conceitos, explicitando a natureza de tais relações. Os mapas de conceitos podem ser construídos de forma colaborativa. O debate de ideias pode conduzir a uma representação conceptual partilhada por um grupo de alunos. Organização de mapas de conceitos 9

8 3. Como construir um mapa de conceitos? A construção de um mapa de conceitos deve ser encarada de forma dinâmica, pois a representação de hierarquias e conexões entre conceitos pode assumir diferentes formatos e abrangências. Além disso, é sempre possível acrescentar novos conceitos e estes podem implicar alterações no mapa conceptual. Apesar do carácter dinâmico e aberto do processo, a construção de um mapa de conceitos pode obedecer às seguintes orientações: 1. Definir uma questão ou problema central que sirvam de base e objetivo para a construção do mapa de conceitos. Este constituirá uma resposta à questão de partida. 2. Estabelecer um conceito central no tema em estudo e outros considerados fundamentais para a aprendizagem, dispondo-os livremente no espaço de trabalho. 3. Agrupar hierarquicamente os conceitos, deslocando os mais inclusivos para o topo e os mais específicos para a base do espaço de trabalho. 4. Definir conexões entre pares de conceitos, pensado nas melhores frases de ligação, até que todos os conceitos estejam interligados por, pelo menos, uma conexão. 5. Rever e, eventualmente, alterar o mapa concebido sempre na perspetiva da sua máxima simplificação, objetividade e clareza. Um lápis, uma borracha e uma simples folha de papel são suficientes para levar a cabo a construção de um mapa de conceitos. No entanto, o recurso a software específico, como CmapTools, apresenta inúmeras vantagens. 4. Como avaliar um mapa de conceitos? A elaboração de um mapa de conceitos pelo aluno permitirá avaliar o seu grau de conhecimento sobre o tema em estudo, uma vez que tal conhecimento irá condicionar a forma como fará a escolha, a organização, a conexão ou a integração dos conceitos em aprendizagem. Nesta perspetiva, a metodologia de avaliação seguida pelo professor pode incorporar, com grande sucesso, os mapas de conceitos. Contudo, não há mapas de conceitos certos. Um mapa traduz os significados que o autor atribui aos conceitos e as relações significativas que estabelece entre eles, podendo existir outras opções igualmente válidas na arquitetura conceptual de um mapa. Assim, o professor não pode esperar ou exigir dos alunos um mapa correto para um dado conteúdo, pois o que importa avaliar é se o aluno aprendeu ou está a aprender de forma significativa, sendo capaz de representar de forma aceitável os seus esquemas conceptuais. Desta forma, o professor deve procurar, no mapa de conceitos realizado pelo aluno, evidências de uma aprendizagem significativa, pelo que a sua avaliação deve ser qualitativa. Por vezes é útil e necessário que o aluno explicite oralmente ou por escrito as relações que estabeleceu entre os conceitos. 10 Organização de mapas de conceitos

9 Conceção de apresentações eletrónicas As ferramentas informáticas de apresentação eletrónica ou gráfica, como o PowerPoint, o Impress ou o Keynote, ganham cada vez mais adeptos entre os docentes. Se bem utilizadas, são excelentes ferramentas auxiliares do trabalho do professor na sala de aula e fora dela. No entanto, há regras importantes a seguir, para que uma comunicação seja bem-sucedida, embora essas regras possam, por vezes, ser quebradas. 1. Só a informação mais importante deve ter lugar na apresentação. O texto deve ser organizado em tópicos e destina-se a suportar uma intervenção oral e não a ser lido. Significa que um diapositivo poderá ter sete ou oito linhas e cada linha poucas palavras. 2. O conteúdo de uma apresentação não pode nem deve ser a principal fonte de informação para os alunos. Quando muito, poderá ajudá-los a identificarem conceitos e conteúdos gerais associados a um dado tema em aprendizagem. 3. O tamanho de letra deverá ser relativamente grande, no mínimo vinte pontos, mas pode atribuir tamanhos diferentes a tipos diferentes de informação, como títulos, subtítulos e frases. 4. Tenha atenção ao contraste entre o fundo e o texto. O fundo dos diapositivos deve ser simples e coerente ao longo da apresentação. Pode usar fundos em cores pastel e texto em cores escuras ou fundos escurecidos e texto em cores claras. Evite combinações de cores que não resultam, como vermelho/verde, verde/azul, vermelho/azul ou azul/amarelo. Evite o excesso de imagens, sons e efeitos especiais. Se optar por escolher um tema gráfico, deve atender a estes pormenores. 5. Não inclua mais do que três tipos de letra (fontes) diferentes na apresentação. Fontes clássicas como Times New Roman ou Arial continuam a ser boas opções. Não use fontes que imitam as letras manuscritas, tipo script, ou textos com maiúsculas, pois são difíceis de ler. 6. Regra geral, o texto com marcas e justificação à esquerda é mais fácil de ler. 7. Não utilize todo o espaço disponível em cada diapositivo, sobretudo as suas margens, nem procure encher espaços vazios com imagens decorativas ou animações sem valor informativo, que só vão distrair a assistência. 8. Se a apresentação contiver hiperligações para documentos externos, certifique-se de que tais documentos se encontram na pasta certa do computador e que este possui os requisitos de software (plug-ins, extensões, etc.) necessários à sua visualização. 9. Pode ser útil numerar os diapositivos na forma: diapositivo número x / número total de diapositivos. Ficará permanentemente informado do andamento da apresentação, nomeadamente do número de diapositivos que ainda faltam apresentar para terminar. 10. Não termine a apresentação abruptamente. Pode reservar o último diapositivo para uma frase final representativa do assunto ou uma questão a colocar à assistência. Utilização das TIC Conceção de apresentações eletrónicas 11

10 Utilização de uma plataforma de apoio à aprendizagem Basta uma simples consulta na Internet para ficarmos a conhecer dissertações mais ou menos académicas, mais ou menos interessantes, sobre a utilização educativa de plataformas de apoio à aprendizagem, conhecidas por LMS (Learning Management Systems), sendo talvez a Moodle a mais conhecida de todas. Criada por Martin Dougiamas, em 2001, a plataforma constitui um ambiente virtual de aprendizagem vocacionado para o trabalho colaborativo e, à semelhança do que acontece um pouco pelo mundo inteiro, tem vindo a ganhar crescente popularidade nas escolas portuguesas, ao ponto de podermos afirmar que o acesso à mesma se banalizou entre professores e alunos. As funcionalidades deste género de sistemas são múltiplas e diversificadas, funcionando segundo a lógica de módulos que podem ir sendo acrescentados à medida que são desenvolvidos, em regime de open source, por comunidades de especialistas. No entanto, qualquer sistema-base oferece ao professor a possibilidade de, através da Internet ou de uma rede local, disponibilizar conteúdos (fichas de exercícios, apresentações, links para páginas da Internet, etc.) aos seus alunos que, para o efeito, deverão estar inscritos na plataforma. Também os alunos podem enviar documentos (trabalhos, relatórios, etc.) para avaliação pelo professor. Para além de permitir esta partilha e disseminação de conteúdos, a plataforma também permite a comunicação síncrona (num chat) ou assíncrona (num fórum) entre os participantes. Estas funcionalidades podem ser úteis em algumas situações de aprendizagem, como o esclarecimento de dúvidas dos alunos ou a promoção de um debate temático. A atividade na plataforma e o acesso aos conteúdos podem ser condicionados e controlados pelo professor, sendo essa uma vantagem apontada por muitos e uma desvantagem apontada por outros tantos. Segundo alguns estudos, não parece ser o acesso à tecnologia ou a necessidade de formação o que mais limita a utilização e a dinamização destes sistemas pelos professores. Para além do tempo e da motivação para experimentar, sempre necessários num processo de adoção de novas ferramentas de trabalho, há necessidade de conteúdos adequados à partilha, de estratégias realistas, mas motivadoras, de integração destas ferramentas nos processos de ensinar e de envolvimento dos alunos na sua utilização. Tal como outras ferramentas informáticas, também as plataformas de aprendizagem evoluem de modo a poderem oferecer serviços e funcionalidades que interagem com as redes sociais, facilitam atividades de grupo, permitem a comunicação síncrona por vídeo e fazem gestão de mensagens com recurso a dispositivos móveis, entre outras potencialidades. No ensino básico, as atividades a realizar na plataforma pelos alunos devem ser muito simples e claramente explicadas e compreendidas, sendo uma ferramenta que poderá ser gradualmente introduzida nos processos de ensino e de aprendizagem. 12 Utilização de uma plataforma de apoio à aprendizagem

Manual de utilização do Moodle

Manual de utilização do Moodle Manual de utilização do Moodle Docentes Universidade Atlântica 1 Introdução O conceito do Moodle (Modular Object Oriented Dynamic Learning Environment) foi criado em 2001 por Martin Dougiamas, o conceito

Leia mais

Uma ferramenta de apoio à reflexão continuada

Uma ferramenta de apoio à reflexão continuada portefólio Uma ferramenta de apoio à reflexão continuada Destinado a professores Aqui encontrará um conjunto de sugestões de trabalho para a utilização da metodologia dos portefólios no apoio ao desenvolvimento

Leia mais

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Ano letivo 2014/2015 Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Aulas Previstas Semestre 32 Subdomínio: Conhecimento e utilização

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE T.I.C. 8.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE T.I.C. 8.º ANO DE T.I.C. 8.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO O aluno deve ser capaz de: - desenvolver capacidades na utilização das tecnologias de informação e comunicação que permitam uma literacia digital

Leia mais

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 7º ano. Domínio : I7 Informação. Aulas Previstas Semestre 32

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 7º ano. Domínio : I7 Informação. Aulas Previstas Semestre 32 Ano letivo 2014/2015 Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 7º ano Domínio : I7 Informação Aulas Previstas Semestre 32 Subdomínio: A informação, o conhecimento e o mundo das

Leia mais

Construir um e-portefólio com o Blogger

Construir um e-portefólio com o Blogger TUTORIAIS CienTIC7 Construir um e-portefólio com o Blogger O suporte informático para um e-portefólio pode ser tão simples como um documento criado num processador de texto ou tão específico e elaborado

Leia mais

Escola EB 2,3 de António Feijó

Escola EB 2,3 de António Feijó AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ANTÓNIO FEÍJO Escola EB 2,3 de António Feijó 8.º ANO PLANIFICAÇÃO SEMESTRAL Tecnologias de Informação e Comunicação Ano Letivo 2014/2015 INFORMAÇÃO Domínio Conteúdos Objetivos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO DISCIPLINA. TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 7º Ano. Ano letivo 2014-2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO DISCIPLINA. TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 7º Ano. Ano letivo 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO da DISCIPLINA de TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 7º Ano Ano letivo 2014-201 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES Desenvolvimento

Leia mais

Tecnologias da Informação e Comunicação 7.º Ano

Tecnologias da Informação e Comunicação 7.º Ano ESCOLA SECUNDÁRIA/3 DA RAÍNHA SANTA ISABEL, ESTREMOZ Tecnologias da Informação e Comunicação 7.º Ano Planificação Anual Ano letivo 2015/2016 Professora: Maria dos Anjos Pataca Rosado Domínio: Informação

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO DISCIPLINA. TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 8º Ano. Ano letivo 2014-2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO DISCIPLINA. TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 8º Ano. Ano letivo 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO da DISCIPLINA de TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 8º Ano Ano letivo 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES Desenvolvimento

Leia mais

Tabela de articulação das diferentes literacias. 3º Ciclo

Tabela de articulação das diferentes literacias. 3º Ciclo AGRUPAMENTO DE ESCOLAS RAINHA SANTA ISABEL BIBLIOTECA ESCOLAR Projeto Desenvolver a autonomia dos alunos para gerar conhecimento Tabela de articulação das diferentes literacias 3º Ciclo PLANO I - Competências

Leia mais

AEC ALE TIC. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC ALE TIC. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2014/2015 AEC ALE TIC Orientações Pedagógicas 1.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução A atividade de enriquecimento curricular, ALE (atividades lúdico-expressivas)

Leia mais

Escola Secundária de Amora Seixal

Escola Secundária de Amora Seixal Escola Secundária de Amora Seixal DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS (GRUPO INFORMÁTICA) TIC TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 7º ANO TURMAS: 7A E 7B ANO LETIVO 2014-2015 P R O P

Leia mais

PROGRAMAÇÃO METODOLÓGICA DO DO CURSO

PROGRAMAÇÃO METODOLÓGICA DO DO CURSO PROGRAMAÇÃO METODOLÓGICA DO DO CURSO DESIGNAÇÃO DO CURSO E-Tutor: especialização pedagógica em e-learning DURAÇÃO DO CURSO 60 HORAS LOCAL E DATAS DE REALIZAÇÃO DA AÇÃO DE FORMAÇÃO 1. VIRTUAL LEARNING CENTER

Leia mais

Manual de Utilização MU003-1.0/2013 ISPADIGITAL/e-Campus(Perfil utilizador - Estudante)

Manual de Utilização MU003-1.0/2013 ISPADIGITAL/e-Campus(Perfil utilizador - Estudante) Manual de Utilização MU003-1.0/2013 ISPADIGITAL/e-Campus(Perfil utilizador - Estudante) 1. Introdução I 2. Primeiros passos I 3. Unidade Curricular I 4. Recursos e atividades O e-campus do ISPA - Instituto

Leia mais

DOMÍNIO/SUBDOMÍNIOS/ METAS Subdomínio: Conhecimento e utilização

DOMÍNIO/SUBDOMÍNIOS/ METAS Subdomínio: Conhecimento e utilização Comunicação e Colaboração Planificação da Disciplina de Planificação Semestral DOMÍNIO/SUBDOMÍNIOS/ METAS Subdomínio: Conhecimento e utilização OBJETIVOS Explorar sumariamente diferentes ferramentas e

Leia mais

PÁGINAS WEB. António Ginja Carmo

PÁGINAS WEB. António Ginja Carmo PÁGINAS WEB António Ginja Carmo Índice 1 - Titulo 2 2 Enquadramento 2 3 - Descrição 3 4 - Objectivos 3 5 Público-Alvo 3 6 - Conteúdos 4 7 - Calendário das Actividades 5 8 - Estratégias Pedagógicas 8 9

Leia mais

... 1º Período. Metas/Objetivos Descritores Conceitos/Conteúdos Estratégias/Metodologias Avaliação

... 1º Período. Metas/Objetivos Descritores Conceitos/Conteúdos Estratégias/Metodologias Avaliação DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E INFORMÁTICA DISCIPLINA: TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PLANIFICAÇÃO DE 8º ANO... 1º Período Domínio COMUNICAÇÃO E COLABORAÇÃO CC8 Conhecimento e utilização adequada

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

Guia de Acesso à Formação Online Formando 2011

Guia de Acesso à Formação Online Formando 2011 Plano [1] Guia de Acesso à Formação Online 2011 [2] ÍNDICE ÍNDICE...2 1. Introdução...3 2. Metodologia Formativa...4 3. Actividades...4 4. Apoio e Acompanhamento do Curso...5 5. Avaliação...6 6. Apresentação

Leia mais

Índice. Enquadramento do curso 3 Estrutura Programática 4. Primeiros passos com o e-best Learning 6. Actividades e Recursos 11

Índice. Enquadramento do curso 3 Estrutura Programática 4. Primeiros passos com o e-best Learning 6. Actividades e Recursos 11 Índice Parte 1 - Introdução 2 Enquadramento do curso 3 Estrutura Programática 4 Parte 2 Desenvolvimento 5 Primeiros passos com o e-best Learning 6 Como aceder à plataforma e-best Learning?... 6 Depois

Leia mais

Relatório Final da Acção de Formação Sustentabilidade na Terra e Energia na Didáctica das Ciências (1 de Julho a 13 de Setembro de 2008)

Relatório Final da Acção de Formação Sustentabilidade na Terra e Energia na Didáctica das Ciências (1 de Julho a 13 de Setembro de 2008) Relatório Final da Acção de Formação Sustentabilidade na Terra e Energia na Didáctica das Ciências (1 de Julho a 13 de Setembro de 2008) Centro de Formação Centro de Formação da Batalha Formando Selma

Leia mais

Tutorial Moodle Visão do Aluno

Tutorial Moodle Visão do Aluno Tutorial Moodle Visão do Aluno A P R E S E N T A Ç Ã O A sigla MOODLE significa (Modular Object Oriented Dynamic Learning Environment), em inglês MOODLE é um verbo que descreve a ação ao realizar com gosto

Leia mais

Planificação Anual TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 8º ANO. Ano Letivo 2014/2015. Professora: Florbela Ribeiro

Planificação Anual TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 8º ANO. Ano Letivo 2014/2015. Professora: Florbela Ribeiro Planificação Anual TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 8º ANO Ano Letivo 2014/2015 Professora: Florbela Ribeiro Planificação Anual Domínio: Informação Objetivos Subdomínio/Descritores Estratégias Recursos

Leia mais

Planificação Anual TIC 8º Ano 2012/2013 1 PERÍODO

Planificação Anual TIC 8º Ano 2012/2013 1 PERÍODO Ano Letivo 2012/2013 TIC 7º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CONTEÚDOS 1 PERÍODO 1 TEMPO- 45 MINUTOS Domínio Duração Objectivos Gerais Objectivos Específicos Estratégias/ Actividades Subdomínio 7ºA 7ºB Informação

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - ANO LETIVO 2011/2012

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - ANO LETIVO 2011/2012 Biblioteca Escolar GIL VICENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE ESCOLA GIL VICENTE EB1 CASTELO BIBLIOTECA ESCOLAR PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - ANO LETIVO 2011/2012 As atividades constantes do presente

Leia mais

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03 Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente Índice Página Índice 01 Introdução 02 Pressupostos 02 Dimensões da Avaliação 03 Domínios e Indicadores da Avaliação 03 Níveis de Desempenho da Avaliação

Leia mais

AEC PROJETOS LÚDICO EXPRESSIVOS. Proposta de Planificação. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC PROJETOS LÚDICO EXPRESSIVOS. Proposta de Planificação. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2013/2014 AEC PROJETOS LÚDICO EXPRESSIVOS Proposta de Planificação 1.º Ciclo do Ensino Básico PLE Proposta de Plano Anual 2013/2014 1. Introdução A atividade

Leia mais

ESCOLA BÁSICA 2 / 3 DE MARTIM DE FREITAS TIC Tecnologias de informação e comunicação - Ano lectivo de 2014 / 2015

ESCOLA BÁSICA 2 / 3 DE MARTIM DE FREITAS TIC Tecnologias de informação e comunicação - Ano lectivo de 2014 / 2015 TIC Tecnologias de informação e comunicação - Ano lectivo de 204 / 205 SUBDOMÍNIO CC8.. CONHECIMENTO E UTILIZAÇÃO ADEQU ADA E SEGURA DE DIFERENTES TIPOS DE FERRAMENTAS DE COMUNICAÇÃO, DE ACORDO COM AS

Leia mais

Planificação Anual TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 7º ANO. Ano Letivo 2014 / 2015. Professora: Florbela Ribeiro

Planificação Anual TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 7º ANO. Ano Letivo 2014 / 2015. Professora: Florbela Ribeiro Planificação Anual TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 7º ANO Ano Letivo 2014 / 2015 Professora: Florbela Ribeiro Planificação Anual Domínio: Informação Objetivos Subdomínio/Descritores Estratégias

Leia mais

Tecnologias da Informação e Comunicação

Tecnologias da Informação e Comunicação SUBDOMÍNIO CC8.1. CONHECIMENTO E UTILIZAÇÃO ADEQU ADA E SEGURA DE DIFERENTES TIPOS DE FERRAMENTAS DE COMUNICAÇÃO, DE ACORDO COM AS SITUAÇÕES DE COMUNICAÇÃO E AS REGRAS DE CONDUTA E DE FUNCIONAMENTO DE

Leia mais

WORKSHOPS. CONTEÚDOS E PÚBLICO-ALVO.

WORKSHOPS. CONTEÚDOS E PÚBLICO-ALVO. WORKSHOPS. CONTEÚDOS E PÚBLICO-ALVO. Workshop 1 Web 2.0 na educação (dinamizado por Fernando Delgado EB23 D. Afonso III) Os serviços da Web 2.0 têm um enorme potencial para a educação, pois possibilitam

Leia mais

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação 1.º Ano / 1.º Semestre Marketing Estratégico Formar um quadro conceptual abrangente no domínio do marketing. Compreender o conceito

Leia mais

O que é a EPALE? É uma plataforma informática financiada pelacomissãoeuropeia; Disponívelem ec.europa.eu/epale/pt

O que é a EPALE? É uma plataforma informática financiada pelacomissãoeuropeia; Disponívelem ec.europa.eu/epale/pt EPALE ELECTRONIC PLATFORM FOR ADULT LEARNING IN EUROPE fevereiro e março de 2015 O que é a EPALE? É uma plataforma informática financiada pelacomissãoeuropeia; Disponívelem ec.europa.eu/epale/pt Qual a

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO JOOMLA NA GESTÃO DA INFORMAÇÃO PEDAGÓGICA. Razões justificativas da acção: Problema/Necessidade de formação identificado

A IMPORTÂNCIA DO JOOMLA NA GESTÃO DA INFORMAÇÃO PEDAGÓGICA. Razões justificativas da acção: Problema/Necessidade de formação identificado A IMPORTÂNCIA DO JOOMLA NA GESTÃO DA INFORMAÇÃO PEDAGÓGICA Razões justificativas da acção: Problema/Necessidade de formação identificado O Plano Tecnológico da Educação (PTE), aprovado pela Resolução de

Leia mais

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA Guia rápido A PLATAFORMA MOODLE Moodle (Modular Object Oriented Distance LEarning) é um Sistema para Gerenciamento de Cursos (SGC). Trata-se de um programa para computador

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE T.I.C. 7.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE T.I.C. 7.º ANO DE T.I.C. 7.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO O aluno deve ser capaz de: - desenvolver capacidades na utilização das tecnologias de informação e comunicação que permitam uma literacia digital

Leia mais

Disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação Ano Letivo 2014/2015

Disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação Ano Letivo 2014/2015 A informação, o conhecimento e o mundo das tecnologias. (I7.1) Utilização do computador e/ou dispositivos eletrónicos similares em segurança. (I7.2) 1. Compreender a evolução das tecnologias de informação

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador 1. ENQUADRAMENTO LEGAL Compete ao conselho pedagógico, enquanto órgão de gestão pedagógica da escola, definir, anualmente, os critérios gerais de avaliação e

Leia mais

Indicie. 1.Introdução...1. 2.Como Surgiu...2. 3.Para que serve...3. 4.Instalação...3. 5. Oque ele permite fazer...5. 6. Primeiro Cenário...

Indicie. 1.Introdução...1. 2.Como Surgiu...2. 3.Para que serve...3. 4.Instalação...3. 5. Oque ele permite fazer...5. 6. Primeiro Cenário... Artigo sobre Indicie 1.Introdução....1 2.Como Surgiu....2 3.Para que serve....3 4.Instalação....3 5. Oque ele permite fazer....5 6. Primeiro Cenário....6 7. Segundo Cenário....7 8. Conclusão....8 5. Referencias....9

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE EDUCAÇÃO MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM INFORMÁTICA EDUCACIONAL Internet e Educação Ensaio: A Web 2.0 como ferramenta pedagógica

Leia mais

Manual UNICURITIBA VIRTUAL para Professores

Manual UNICURITIBA VIRTUAL para Professores Manual UNICURITIBA VIRTUAL para Professores 1 2 2015 Sumário 1 Texto introdutório... 3 2 Como Acessar o UNICURITIBA VIRTUAL... 3 3 Tela inicial após login... 3 3.1) Foto do perfil... 4 3.2) Campo de busca...

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES 96 HORAS

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES 96 HORAS FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES 96 HORAS MÓDULOS HORAS FORMADOR 1 - FORMADOR: SISTEMA, CONTEXTOS E PERFIL 10H FRANCISCO SIMÕES 2 SIMULAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL 13H FILIPE FERNANDES 3 COMUNICAÇÃO

Leia mais

O GOOGLE SITES NA APRESENTAÇÃO DO V DE GOWIN DE UMA INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL EM CIÊNCIAS NATURAIS

O GOOGLE SITES NA APRESENTAÇÃO DO V DE GOWIN DE UMA INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL EM CIÊNCIAS NATURAIS O GOOGLE SITES NA APRESENTAÇÃO DO V DE GOWIN DE UMA INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL EM CIÊNCIAS NATURAIS Berta Bemhaja, Elizabeth Ashall, Inês Tavares, Sara Barroca, Zara Baltazar Escola Secundária, com 3º ciclo,

Leia mais

1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução

1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução 1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução Este tutorial tem a finalidade de guiar o aluno, dando orientações necessárias para o acesso, navegação e utilização das ferramentas principais. Um ambiente

Leia mais

GUIA DO FORMANDO. Ética e Deontologia Profissional do Psicólogo

GUIA DO FORMANDO. Ética e Deontologia Profissional do Psicólogo GUIA DO FORMANDO Índice Enquadramento... pág. 3 Descrição do Curso... Destinatários... Objetivos de aprendizagem... Estrutura e Duração do Curso... Autor... Metodologia Pedagógica... Avaliação e Certificação...

Leia mais

MANUAL DO FORMANDO FORMAÇÃO À DISTÂNCIA 2015. Introdução

MANUAL DO FORMANDO FORMAÇÃO À DISTÂNCIA 2015. Introdução Introdução MANUAL DO FORMANDO Este manual pretende fornecer aos formandos as informações necessárias para realizar todas as tarefas da formação à distância, incluindo os materiais de apoio e o acompanhamento

Leia mais

tem como objetivo informar os destinatários sobre determinado tema, para que fiquem com conhecimento global sobre o que é exposto

tem como objetivo informar os destinatários sobre determinado tema, para que fiquem com conhecimento global sobre o que é exposto Exposições Orais Todos os anos, todos os cursos tem como objetivo informar os destinatários sobre determinado tema, para que fiquem com conhecimento global sobre o que é exposto Numa exposição oral existem

Leia mais

A sala virtual de aprendizagem

A sala virtual de aprendizagem A sala virtual de aprendizagem Os módulos dos cursos a distância da Faculdade Integrada da Grande Fortaleza decorrem em sala virtual de aprendizagem que utiliza o ambiente de suporte para ensino-aprendizagem

Leia mais

GUIA DE EDUCAÇÃO ONLINE

GUIA DE EDUCAÇÃO ONLINE GUIA DE EDUCAÇÃO ONLINE GUIA DE EDUCAÇÃO ONLINE IPAM - Aveiro ENQUADRAMENTO O presente modelo de ensino a distância (EaD) foi elaborado para a formação graduada e pós-graduada do IPAM Aveiro. O facto de

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Lei nº 31/2012, de 20 de Dezembro, veio aprovar o sistema de avaliação dos estabelecimentos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, definindo orientações para a autoavaliação

Leia mais

Oficina de Formação. O vídeo como dispositivo pedagógico e possibilidades de utilização didática: produção e edição de conteúdos audiovisuais

Oficina de Formação. O vídeo como dispositivo pedagógico e possibilidades de utilização didática: produção e edição de conteúdos audiovisuais Oficina de Formação O vídeo como dispositivo pedagógico e possibilidades de utilização didática: produção e edição de conteúdos audiovisuais (Data de início: 09/05/2015 - Data de fim: 27/06/2015) I - Autoavaliação

Leia mais

r I MINISTÉRIOOAEDUCAÇAO

r I MINISTÉRIOOAEDUCAÇAO ti,. GOVERNO DE r I MINISTÉRIOOAEDUCAÇAO PORTUGAL ECI~NCIA Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares do Centro AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA CRUZ DA TRAPA 330309 CONTRIBUINTE N.o600080102 AV. SÃO

Leia mais

Guião de utilização da plataforma moodle para Professor

Guião de utilização da plataforma moodle para Professor Guião de utilização da plataforma moodle para Professor http://elearning.up.ac.mz http://www.ceadup.edu.mz E-mail: up.cead@gmail.com info@ceadup.edu.mz Maputo, 2013 Introdução Há alguns anos atrás, para

Leia mais

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem 2.1 Introdução Caro Pós-Graduando, Nesta unidade, abordaremos o Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) que será utilizado no curso: o Moodle. Serão

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MOITA PLANO DE AÇÃO PARA AS TIC

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MOITA PLANO DE AÇÃO PARA AS TIC AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MOITA PLANO DE AÇÃO PARA AS TIC Equipa PTE "A exclusão digital não é ficar sem computador ou telefone celular. É continuarmos incapazes de pensar, de criar e de organizar novas

Leia mais

"Metas de Aprendizagem

Metas de Aprendizagem "Metas de Aprendizagem TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Esmeralda Oliveira Contexto Contexto Perspectiva As TIC acrescentam valor Saberes duradouros enfoque transversal Assume-se que a integração

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Meio de comunicação e de partilha de recursos. Ferramenta de apoio ao processo de ensinoaprendizagem

Meio de comunicação e de partilha de recursos. Ferramenta de apoio ao processo de ensinoaprendizagem Meio de comunicação e de partilha de recursos Ferramenta de apoio ao processo de ensinoaprendizagem Canal de distribuição de informação e submissão de recursos Motivações para a adoção e a utilização de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS Guia Inicial de Acesso e Utilização Para Docentes Versão 1.0b Outubro/2010 Acesso e utilização do Ambiente Virtual de Ensino

Leia mais

MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS

MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS Dr. André Ricardo Magalhães andrerm@gmail.com Universidade do Estado da Bahia Brasil Modalidade: Comunicação Breve Nível

Leia mais

Manual Operacional AVA (Ambiente Virtual de Aprendizagem)

Manual Operacional AVA (Ambiente Virtual de Aprendizagem) Manual Operacional AVA (Ambiente Virtual de Aprendizagem) ead.clinicajulioperes.com.br Sumário navegável Como acesso o ambiente?... Como assisto aos vídeos?... Como preencher meu perfil?...

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2013-2017 Agrupamento de Escolas do Fundão Página 1 Perante o diagnóstico realizado, o Agrupamento assume um conjunto de prioridades

Leia mais

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br MANUAL DO ALUNO Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA http://www.fgf.edu.br Sala Virtual TelEduc O TelEduc é um ambiente virtual desenvolvido Unicamp para apoiar professores

Leia mais

indispensáveis para professores Ferramentas

indispensáveis para professores Ferramentas Ferramentas indispensáveis para professores O Microsoft Office oferece aos professores múltiplas formas de tornarem o seu trabalho mais produtivo e colaborativo, através da utilização de versáteis aplicações

Leia mais

Potencialidades Pedagógicas do Windows Live

Potencialidades Pedagógicas do Windows Live Potencialidades Pedagógicas do Windows Live Novembro, 2010 1 O que é o Windows Live 2 Como aceder ao Windows Live 2.1 Criar uma Windows Live ID 2.2 Aceder ao Windows Live 3 Serviços online do Windows Live

Leia mais

REGULAMENTO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) CURSOS DE FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS (FMC)

REGULAMENTO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) CURSOS DE FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS (FMC) REGULAMENTO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) CURSOS DE FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS (FMC) Legislação de Referência: Despacho n.º 334/2012, de 11 de janeiro Portaria n.º 283/2011, de 24

Leia mais

O or. Recursos digitais no ensino da educação visual. O Educação visual, 5. /6. anos. Equipa de autores do projeto. Educação Visual, 5. /6.

O or. Recursos digitais no ensino da educação visual. O Educação visual, 5. /6. anos. Equipa de autores do projeto. Educação Visual, 5. /6. or Recursos digitais no ensino da educação visual O Educação visual, 5. /6. anos Equipa de autores do projeto IMAGINARTE Educação Visual, 5. /6.º anos César Figueiredo, Raquel Nery e Susana Leite EMAIL

Leia mais

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Adriano Lima Belo Horizonte 2011 SUMÁRIO Apresentação... 3 Acesso ao Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA ESP-MG... 3 Programação do curso no AVA-ESPMG

Leia mais

PORTO EDITORA AREAL EDITORES LISBOA EDITORA. Manual do Utilizador. Aluno. www.escolavirtual.pt

PORTO EDITORA AREAL EDITORES LISBOA EDITORA. Manual do Utilizador. Aluno. www.escolavirtual.pt PORTO EDITORA AREAL EDITORES LISBOA EDITORA Manual do Utilizador Aluno www.escolavirtual.pt 1 2 www.escolavirtual.pt Índice Escola Virtual Informação para Pais e Educadores 05 Escola Virtual Informação

Leia mais

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Escritório de Gestão de Projetos em EAD Unisinos http://www.unisinos.br/ead 2 A partir de agora,

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DA ACÇÃO. Domínio de Formação. Área de Formação. Modalidade de Formação. Duração: (Número total de horas) 36

ACÇÃO DE FORMAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DA ACÇÃO. Domínio de Formação. Área de Formação. Modalidade de Formação. Duração: (Número total de horas) 36 Plano de Formação 2009 ACÇÃO DE FORMAÇÃO Competências em TIC : Curso A nível 1 CARACTERIZAÇÃO DA ACÇÃO Área de Formação Domínio de Formação Tecnologias de Informática e Comunicação Utilização e/ou Manutenção

Leia mais

Manual de utilização do Moodle

Manual de utilização do Moodle Manual de utilização do Moodle Iniciação para docentes Universidade Atlântica Versão: 1 Data: Fevereiro 2010 Última revisão: Fevereiro 2010 Autor: Ricardo Gusmão Índice Introdução... 1 Registo no Moodle...

Leia mais

COMO CRIAR MAPAS CONCEITUAIS UTILIZANDO O CMAPTOOLS

COMO CRIAR MAPAS CONCEITUAIS UTILIZANDO O CMAPTOOLS COMO CRIAR MAPAS CONCEITUAIS UTILIZANDO O CMAPTOOLS Luiz Antonio Schalata Pacheco schalata@cefetsc.edu.br Sabrina Moro Villela Pacheco sabrinap@cefetsc.edu.br EDIÇÃO PRELIMINAR Sumário 1 INTRODUÇÃO...3

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

Microsoft Powerpoint - Apresentações acessíveis

Microsoft Powerpoint - Apresentações acessíveis Microsoft Powerpoint - Apresentações acessíveis O Microsoft PowerPoint é uma ferramenta muito utilizada na Universidade por docentes, funcionários e estudantes para fazerem apresentações. Este documento

Leia mais

Projeto de Design Instrucional

Projeto de Design Instrucional Projeto de Design Instrucional Curso: Educação Financeira Modalidade: EaD on-line o que é Design Instrucional? A ação institucional e sistemática de ensino, que envolve o planejamento, o desenvolvimento

Leia mais

Plano de Formação. Psicologia e Orientação em Contexto Escolar 2014/2015

Plano de Formação. Psicologia e Orientação em Contexto Escolar 2014/2015 Plano de Formação Psicologia e Orientação em Contexto Escolar 2014/2015 Enquadramento A evolução tecnológica e a incerteza com que atualmente todas as sociedades se confrontam colocam desafios acrescidos

Leia mais

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 1. INTRODUÇÃO: Na lógica do Decreto-Lei 6/2001, de 18 de janeiro, a avaliação constitui um processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar

Leia mais

METAS CURRICULARES. TIC 7.º e 8.º anos

METAS CURRICULARES. TIC 7.º e 8.º anos METAS CURRICULARES TIC 7.º e 8.º anos Versão para discussão pública Junho 2012 Autores Maria João Horta Fernando Mendonça Rui Nascimento Consultores Maria João Gomes, Universidade do Minho João Correia

Leia mais

ÁREA DO PROFESSOR (TUTOR)

ÁREA DO PROFESSOR (TUTOR) ÁREA DO PROFESSOR (TUTOR) 2- FÓRUM O fórum serve para avaliar os alunos através da participação na discussão sobre um ou mais assuntos, inserção de textos ou arquivos. Os fóruns de discussão compõem uma

Leia mais

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância 1 Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância Mariana Atanásio, Nº 2036909. Universidade da Madeira, Centro de Competência das Ciências Sociais, Departamento

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

MANUAL DO ALUNO 1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVOS 3. ACESSO AO CURSO. Bem-vindo (a) ao curso de Capacitação para cursos em EAD!

MANUAL DO ALUNO 1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVOS 3. ACESSO AO CURSO. Bem-vindo (a) ao curso de Capacitação para cursos em EAD! MANUAL DO ALUNO MANUAL DO ALUNO Bem-vindo (a) ao curso de Capacitação para cursos em EAD! 1. APRESENTAÇÃO Preparado pela equipe da Coordenadoria de Educação Aberta e a Distância (CEAD) da Universidade

Leia mais

Curso de Formação Curso para a Utilização do Excel na Atividade Docente (Data de início: 16/06/2015 - Data de fim: 30/06/2015)

Curso de Formação Curso para a Utilização do Excel na Atividade Docente (Data de início: 16/06/2015 - Data de fim: 30/06/2015) Curso de Formação Curso para a Utilização do Excel na Atividade Docente (Data de início: 16/06/2015 - Data de fim: 30/06/2015) I - Autoavaliação (formandos) A- Motivação para a Frequência da Ação 1- Identifique,

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle

Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle No INSEP, o ambiente virtual de aprendizagem oferecido ao acadêmico é o MOODLE. A utilização dessa ferramenta é fundamental para o sucesso das atividades em EAD,

Leia mais

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Avaliação do impacto das atividades desenvolvidas nos resultados escolares de 2014/2015 Plano estratégico para 2015/2016 (Conforme

Leia mais

Planificação Semestral. Informação. Planificação da Disciplina de Tecnologias da Informação e Comunicação TIC 7º Ano

Planificação Semestral. Informação. Planificação da Disciplina de Tecnologias da Informação e Comunicação TIC 7º Ano I Planificação Semestral DOMÍNIO/SUBDOMÍNIOS/ METAS Subdomínio: A, o conhecimento e o mundo das tecnologias 1. Meta: Compreender a evolução das TIC e o seu papel no mundo atual. Subdomínio: A utilização

Leia mais

Planificação TIC - 8.º Ano 2012/2013

Planificação TIC - 8.º Ano 2012/2013 Agrupamento de Escolas Dr. Vieira de Carvalho Planificação TIC - 8.º Ano 2012/2013 AULAS PREVISTAS (50 minutos) 1.- Conhecimento e utilização adequada e segura de diferentes tipos de ferramentas de comunicação,

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação Critérios de Avaliação Ano letivo 2013/2014 Critérios de Avaliação 2013/2014 Introdução As principais orientações normativas relativas à avaliação na educação pré-escolar estão consagradas no Despacho

Leia mais

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Processo de melhoria Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Recomendações do conselho pedagógico Não houve recomendações emanadas do Conselho Pedagógico. Data de apresentação à direção/ conselho

Leia mais

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência.

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência. KIT_PEDA_EST_MEIO_5:FERIAS_5_6 09/12/28 15:07 Page 1 1. o CICLO KIT PEDAGÓGICO Pedro Reis ESTUDO DO MEIO 5 Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência ISBN

Leia mais

... Calendarização: 2 blocos de 90 m Metas/Objetivos Descritores Conceitos/Conteúdos Estratégias/Metodologias Avaliação

... Calendarização: 2 blocos de 90 m Metas/Objetivos Descritores Conceitos/Conteúdos Estratégias/Metodologias Avaliação DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E INFORMÁTICA DISCIPLINA: TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PLANIFICAÇÃO DE 7º ANO... 1º Período Domínio INFORMAÇÃO I7 A Informação, o conhecimento e o mundo das tecnologias

Leia mais

CURSOS A DISTÂNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO

CURSOS A DISTÂNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO CURSOS A DISTÂNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO TUTORIAL PARA TUTORES PLATAFORMA MOODLE OURO PRETO 2014 1 SUMÁRIO 1. PRIMEIRO ACESSO À PLATAFORMA... 03 2. PLATAFORMA DO CURSO... 07 2.1 Barra de Navegação...

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14 Agrupamento de Escolas da Moita Plano de Melhoria P r o v i s ó r i o P p P r o Ano letivo 2013-14 Moita, 22 de abril de 2015 A COMISSÃO DE AUTOAVALIAÇÃO o Célia Romão o Hélder Fernandes o Ana Bela Rodrigues

Leia mais

PHC Recursos Humanos CS

PHC Recursos Humanos CS PHC Recursos Humanos CS A gestão total dos Recursos Humanos A solução que permite a otimização da seleção e recrutamento, a correta descrição de funções, a execução das avaliações de desempenho e a avaliação

Leia mais

AERT - ESCOLA EB 2,3 DE RIO TINTO. Ano Letivo de 2015/2016 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE HISTÓRIA -3ºCICLO

AERT - ESCOLA EB 2,3 DE RIO TINTO. Ano Letivo de 2015/2016 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE HISTÓRIA -3ºCICLO AERT - ESCOLA EB 2,3 DE RIO TINTO Ano Letivo de 2015/2016 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE HISTÓRIA -3ºCICLO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Os critérios definidos pelas docentes da disciplina de História

Leia mais

O MUNDO MUDOU. #fato

O MUNDO MUDOU. #fato DO GIZ AO BYTE O MUNDO MUDOU #fato Sociedade da Informação Informação como recurso estratégico Uso intensivo das TIC Interação digital Diversas formas de fazer as mesmas, ou novas coisas Qual é a sua?

Leia mais

Tópicos Especiais em Informática. Msc. Márcio Alencar

Tópicos Especiais em Informática. Msc. Márcio Alencar Tópicos Especiais em Informática Msc. Márcio Alencar Recursos Certamente, um dos atrativos do chamado e- Learning (ou ensino á distância com uso de ferramentas computacionais/eletrônicas), são os novos

Leia mais