PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS NÚCLEO UNIVERSITÁRIO DE CONTAGEM. Curso de Sistemas de Informação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS NÚCLEO UNIVERSITÁRIO DE CONTAGEM. Curso de Sistemas de Informação"

Transcrição

1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS NÚCLEO UNIVERSITÁRIO DE CONTAGEM Curso de Sistemas de Informação SISTEMA DE VALIDAÇÃO PARA A MIGRAÇÃO DE CONTEÚDOS DE CURSOS QUE UTILIZAM O PADRÃO SCORM 2004 Sandro Marcos de Souza CONTAGEM 2008

2 Sandro Marcos de Souza SISTEMA DE VALIDAÇÃO PARA A MIGRAÇÃO DE CONTEÚDOS DE CURSOS QUE UTILIZAM O PADRÃO SCORM 2004 Trabalho apresentado ao Programa de Graduação em Sistemas de Informação da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Sistemas de Informação. Orientador: José Wilson da Costa Contagem 2008

3 RESUMO O e-learning passa por um processo de consolidação no Brasil, devido a este fato as organizações empresariais e as instituições acadêmicas estão investindo grandes recursos em pesquisas relacionadas aos ambientes EAD. Um dos recursos mais utilizados nos ambientes EAD são as plataformas LMS -Learning Management System. Com o surgimento de diversos LMS's, o Departamento de Defesa Americano criou um consórcio de pesquisa chamado ADL - Advanced Distributed Learning, este consórcio lançou o padrão SCORM - Shareable Courseware Object Reference Model - versão 2004, para facilitar a migração de conteúdos para aprendizado baseados em WEB. Este trabalho preocupou-se em criar uma ferramenta inovadora que possa validar a migração de conteúdos de cursos que utilizam o padrão 2004, buscando aprimorar a qualidade e a veracidade dos cursos. Com a implementação de uma nova API, utilizando as melhorias da versão SCORM 2004, este trabalho preocupou-se em criar uma ferramenta onde os dados de um curso sejam validados. Desta maneira auxiliando na importação de cursos entre API s que utiliza este padrão. Palavras-chaves: e-learning, SCORM, EAD, LMS, ferramenta.

4 ABSTRACT The e-learning is through a process of consolidation in Brazil, due to the fact that business organizations and academic institutions are investing large resources in research related to EAD environments. One of the most used in environments EAD are the platforms LMS-Learning Management System. With the emergence of several LMS's, the American Department of Defense has created a consortium called the search ADL - Advanced Distributed Learning, the consortium launched the standard SCORM - Shareable Courseware Object Reference Model version, to facilitate the migration of content for learning based on WEB. This work is concerned to create an innovative tool that can validate the migration of content of courses that use the standard 2004, seeking to improve the quality and veracity of courses. With the implementation of a new API, using the improved version of SCORM 2004, this work concerned is to create a tool where the data from one course to be validated. Thus aiding the importation of courses between API's using this standard. Keywords: e-learning, SCORM, EAD, LMS, tool.

5 FIGURAS Figura 1 Modelo altamente generalizado de um LMS...15 Figura 2 Composição do objeto de aprendizagem...18 Figura 3 - Diagrama conceitual do pacote de conteúdos...20 Figura 4 Macro visão do arquivo manifesto...21 Figura 5 Componentes do IMSManifest...23 Figura 6 Terminologia da hierarquia de conteúdos...30 Figura 7 Ilustração conceitual dos recursos em um IMSManifest...31 Figura 8 Demonstração de um curso utilizando o LMS...32 Figura 9 Representação de um curso no IMSManifest...33 Figura 10 Demonstração do 1º capítulo de um curso...34 Figura 11 Demonstração do 2º capítulo de um curso...34 Figura 12 Representação dos recursos no IMSManifest...35 Figura 13 Diagrama de classes Manifest...45 Figura 14 Diagrama de classes Sequencing...46

6 SIGLAS ADL API CAM EAD HTML LMS RTE SCO SCORM SN UML VG XML WEB W3C -Advanced Distributed Learning -Application Program Interface - Content Aggregation Model - Educação a Distância - Hypertext Markup Language - Learning Management System - Run-Time Environment - Sharable Content Object - Sharable Courseware Object Reference Model -Sequencing and Navigation -Unified Modeling Language -Garbage Collector - Extensible Markup Language - World Wide Web - World Wide Web Consortium

7 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO INTRODUÇÃO PROBLEMA OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS JUSTIFICATIVAS REFERENCIAL TEÓRICO PADRÃO SCORM Sistemas de Gerenciamento de Aprendizagem(LMSs) CAM Objetos de conteúdos compartilhados Pacotes de conteúdos Componentes do pacote de conteúdo Pacotes Arquivo Manifesto Componentes do arquivo manifesto Metadata Organizações Múltiplas organizações de conteúdo Organização de conteúdos Representando a estrutura de conteúdos Hierarquia de conteúdos Recursos Exemplo de estrutura de um curso em um arquivo manifesto XML UML Blocos de construção Itens estruturais Itens Comportamentais Itens de agrupamentos Itens anotacionais Relacionamentos na UML Diagramas C# METODOLOGIA CONSTRUÇÃO DE PACOTES DE CONTEÚDOS ESPECIFICAÇÃO DE CLASSES IMPLANTAÇÃO DA FERRAMENTA Fronteira Validação Persistência CONCLUSÃO...49

8 5. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA APÊNDICE A CÓDIGOS DA CAMADA FRONTEIRA DEFAULT.ASPX.CS LOADXML.ASPX.CS RESULTADO.ASPX.CS APÊNDICE B CÓDIGOS DA CAMADA VALIDAÇÃO MANIFEST.CS RESULTADO.CS SEQUENCINGCOLLECTION.CS VALIDADOR.CS \METADATA\METADATA.CS \ORGANIZATIONS\ORGANIZATIONS.CS \ORGANIZATION\ORGANIZATION.CS \ORGANIZATIONS\ORGANIZATION\ITEM\ITEM.CS \ORGANIZATIONS\ORGANIZATION\SEQUENCING\SEQUECING.CS \ORGANIZATIONS\ORGANIZATION\SEQUENCING\ OBJECTIVE\OBJECTIVE.CS \ORGANIZATIONS\ORGANIZATION\SEQUENCING\ ROLLUPRULE\ ROLLUPRULE.CS \ORGANIZATIONS\ORGANIZATION\SEQUENCING\ SEQUENCINGRULES\ SEQUENCING RULES.CS \RESOURCES\RESOURCES.CS APÊNDICE C CÓDIGOS DA CAMADA PERSISTÊNCIA MANIFEST.CS SEQUENCINGCOLLECTION.CS METADATA\METADATA.CS \METADATA\METADATAADLCPLOCATION.CS \ORGANIZATIONS\ORGANIZATIONS.CS \ORGANIZATIONS\ORGANIZATION\ORGANIZATION.CS \ORGANIZATIONS\ORGANIZATION\ITEM\HIDELMSUI.CS \ORGANIZATIONS\ORGANIZATION\ITEM\ITEM.CS \ORGANIZATIONS\ORGANIZATION\ITEM\PRESENTATION.CS \ORGANIZATIONS\ORGANIZATION\SEQUENCING\CONSTRAINEDCHOICE CONSIDERATIONS.CS \ORGANIZATIONS\ORGANIZATION\SEQUENCING\ CONTROLMODEL.CS \ORGANIZATIONS\ORGANIZATION\SEQUENCING\ DELIVERYCONTROLS.CS \ORGANIZATIONS\ORGANIZATION\SEQUENCING\ LIMITCONDITIONS.CS \ORGANIZATIONS\ORGANIZATION\SEQUENCING\ RANDOMIZATION CONTROLS.CS \ORGANIZATIONS\ORGANIZATION\SEQUENCING\ ROLLUP CONSIDERATIONS.CS \ORGANIZATIONS\ORGANIZATION\SEQUENCING\ SEQUENCING.CS \ORGANIZATIONS\ORGANIZATION\SEQUENCING\OBJECTIVES\ MAPINFO.CS \ORGANIZATIONS\ORGANIZATION\SEQUENCING\OBJECTIVES\ OBJECTIVE.CS \ORGANIZATIONS\ORGANIZATION\SEQUENCING\OBJECTIVES\ OBJECTIVES.CS \ORGANIZATIONS\ORGANIZATION\SEQUENCING\OBJECTIVES\ PRIMARY OBJECTIVE.CS \ORGANIZATIONS\ORGANIZATION\SEQUENCING\ROLLUPRULE\ROLLUPACTION.CS127

9 8.22. \ORGANIZATIONS\ORGANIZATION\SEQUENCING\ROLLUPRULE\ROLLUP CONDITION.CS \ORGANIZATIONS\ORGANIZATION\SEQUENCING\ROLLUPRULE\ROLLUP CONDITIONS.CS \ORGANIZATIONS\ORGANIZATION\SEQUENCING\ROLLUPRULE\ROLLUP RULE.CS \ORGANIZATIONS\ORGANIZATION\SEQUENCING\ROLLUPRULE\ROLLUP RULES.CS \ORGANIZATIONS\ORGANIZATION\SEQUENCING\ SEQUENCINGRULES\ CONDITIONRULE.CS \ORGANIZATIONS\ORGANIZATION\SEQUENCING\ SEQUENCINGRULES\ EXITCONDITIONRULE.CS \ORGANIZATIONS\ORGANIZATION\SEQUENCING\ SEQUENCINGRULES\ POSTCONDITIONRULE.CS \ORGANIZATIONS\ORGANIZATION\SEQUENCING\SEQUENCINGRULES\ PRECONDITIONRULE.CS \ORGANIZATIONS\ORGANIZATION\SEQUENCING\ SEQUENCINGRULES\ RULEACTION.CS \ORGANIZATIONS\ORGANIZATION\SEQUENCING\ SEQUENCINGRULES\ RULECONDITION.CS \ORGANIZATIONS\ORGANIZATION\SEQUENCING\ SEQUENCINGRULES\ RULECONDITIONS.CS \ORGANIZATIONS\ORGANIZATION\SEQUENCING\ SEQUENCINGRULES\ SEQUENCINGRULES.CS \RESOURCES\RESOURCES.CS \RESOURCES\RESOURCE\DEPENDENCY.CS \RESOURCES\RESOURCE\FILE.CS \RESOURCES\RESOURCE\RESOURCE.CS

10 9 1. APRESENTAÇÃO 1.1. INTRODUÇÃO O e-learning, conhecido como Educação a Distância (EAD), é definida como uma nova modalidade de ensino que proporciona ao aluno a aquisição de conhecimento, tendo como formato o modelo de aprendizado remoto, isto é, que um ou mais alunos possam vivenciar experiências de aprendizagem em local fisicamente diferente do qual o ambiente de estudos que se encontram. Em virtude disso Moran (2007) realizou uma pesquisa que indicou que este modelo de aprendizagem está passando por uma fase de consolidação no Brasil, entretanto é perceptível o investimento efetuado pelas instituições acadêmicas e também pelas organizações empresariais neste conceito. Farias (2004) afirma que o governo promove incentivos, através da mídia com notícias de estímulo governamental e anúncios de curso superior e de pós-graduação a distância, além de outras formas de capacitação através da internet, com o intuito de aprimorar e expandir a oferta de vagas e de garantir a qualidade dos cursos a distância ofertados. Em controvérsia surgem questionamentos e desconfianças em relação à validade e eficácia destes cursos, afirmadas por Duarte (2008), desta maneira criando mitos sobre a facilidade da EAD e de sua pouca profundidade, comparados aos cursos presenciais. É importante analisar as bases da metodologia utilizada nesta modalidade de ensino, de modo não haver a perda da oportunidade de aprendizagem e passar por apenas aventuras pedagógicas, contudo a EAD não é vista como uma solução para os problemas educacionais.

11 10 As organizações empresariais e as instituições estão investindo grandes recursos em pesquisas relacionadas aos ambientes EAD, devido à crescente demanda. Um dos recursos mais utilizados nos ambientes EAD são as plataformas LMS(Learning Management System), Sistemas de Gestão de Aprendizagem que defini-se como: Software que automatiza a administração dos eventos de treinamento. O LMS registra usuários, trilha cursos em um catálogo e grava dados de alunos; também tipicamente desenvolvido para lidar com cursos por múltiplas publicações e provedores. Usualmente não inclui capacidade própria de autoria; ao invés, foca compatibilidade com cursos criados por uma variedade de outras fontes. (E- Learning Brasil) Deve-se destacar que o LMS não é apenas utilizado por alunos, o ambiente também é utilizado por professores, tutores e administradores. Lucena (2003) destaca que a utilização dos LMS's em projetos e-learning se dá desde 1995, a implementação de conteúdos era feita de forma convencional, em websites constituídos por páginas em HTML em sua forma pura e simples. Em contra-partida ao tentar compartilhar e ou reutilizar conteúdos de um LMS para outro, não havia compatibilidade entre os mesmos. Com o crescimento do mercado e o surgimento de diversos LMS's, houve a necessidade da criação de um modelo de referência que permitisse o compartilhamento e reutilização de conteúdos de vários sistemas de ensino, nesse sentido o Departamento de Defesa Americano criou uma espécie de consórcio de pesquisa chamado Advanced Distributed Learning (ADL). A ADL lançou o Shareable Courseware Object Reference Model (SCORM), que é um modelo de conteúdo para aprendizado baseado em WEB, que facilita a movimentação entre os LMS e pode ser definido como:

12 Conjunto de padrões que, ao serem aplicados ao conteúdo de um curso, produzem pequenos objetos de aprendizagem reutilizáveis. Desta forma um mesmo Objeto pode ser aplicado em diversas aulas e cursos. Resultado do trabalho desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos. Os elementos da plataforma SCORM podem ser combinados facilmente com outros elementos compatíveis para produzir reposições de materiais de ensino. (E-Learning Brasil) 11 Lucena (2003) afirma que O impacto da criação de padrões de desenvolvimento se tornou direto nas atividades de planejamento por parte do Designer no projeto, já que a arquitetura da informação de um conteúdo passa a sofrer restrições por parte do padrão adotado. A granularização do conteúdo em diversos objetos independentes com intuito de uma compreensão administrativa por parte do LMS, tornou a navegação de um curso diretamente ligada ao próprio LMS, onde o aprendiz terá acesso a pedaços de objetos de aprendizagem ao invés do conteúdo por inteiro. (LUCENA,2003) O padrão SCORM, por ser um dos padrões de e-learning mais utilizados mundialmente, possui três versões, a última denominada como SCORM 2004 também é conhecida como versão 1.3. Braga(2006) em seu trabalho de conclusão de curso propõe desenvolver um software para distribuição e gerenciamento de ensino (LMS) com base no padrão SCORM 2004, partindo desta premissa proponho desenvolver uma ferramenta de validação para a migração de cursos empacotados utilizando as especificações do SCORM Estes cursos empacotados serão discutidos no decorrer do trabalho PROBLEMA O problema deste trabalho monográfico é validar a migração de conteúdos de cursos nos sistemas LMS que utilizam o padrão SCORM Que possa ser utilizado como

13 12 ferramenta inovadora no gerenciamento de conteúdos de e-learning, buscando promover melhoramento, aprimoramento da qualidade e a veracidade dos cursos que serão importados para este padrão OBJETIVO GERAL O objetivo desta monografia é desenvolver uma ferramenta que possibilite a validação da migração de conteúdos de cursos que utilizam o padrão de e-learning SCORM OBJETIVOS ESPECÍFICOS 1. Pesquisar especificações técnicas para a migração de conteúdos de cursos do SCORM Desenvolver diagrama de classes para a migração de conteúdos de cursos. 3. Implementar a ferramenta de validação para a migração de conteúdos de cursos JUSTIFICATIVAS

14 13 O padrão SCORM 2004 constitui um objeto pouco explorado, uma vez que as organizações de e-learning ainda utilizam API's de LMS com o padrão anterior: SCORM 1.2. Com implementação de uma nova API, utilizando as melhorias da versão SCORM 2004, houve a necessidade da proposta de uma ferramenta que valida os dados de um curso que possa ser importado para uma API que utiliza este padrão, desta maneira permitindo estabelecer avanços no mercado de ensino a distância, auxiliando as organizações deste mercado a se adaptarem às novas tecnologias disponíveis e que possam continuar competitivas, devido à crescente demanda por parte dos clientes que procuram organizações que oferecem novas soluções para os conteúdos e-learning. 2. REFERENCIAL TEÓRICO Este trabalho tem como referencial teórico a utilização dos livros disponibilizados pela ADL. Este material é a principal e mais completa listagem sobre padrão e-learning SCORM Serão utilizados livros que referenciam a linguagem UML, livros e artigos sobre XML. Outra referência que devo ressalvar com extrema importância para a realização deste trabalho será o trabalho monográfico realizado pelo Tiago Emmanuel Nunes Braga PADRÃO SCORM

15 14 Uma iniciativa do governo norte-americano, para poder padronizar os conteúdos, tecnologias e serviços para e-learning. Define um modelo de agregação de conteúdo, ou seja, um modelo de unificação, e um ambiente de execução para objetos educacionais baseados na WEB. Hoje é o principal modelo para a construção de conteúdos e-learning. De acordo com a documentação apresentada, o desenvolvimento de conteúdos para e- learning para o padrão SCORM visa atingir as seguintes características: Reusabilidade: facilidade de incorporar os componentes desenvolvidos em múltiplos contextos e aplicações (BRAGA, 2006, p.26); Adaptabilidade: os conteúdos devem ser estar aptos à suprir as necessidades tanto individuais e tanto organizações. Recursividade: aumento da eficiência e produtividade, desta forma reduzindo o tempo e os custos de desenvolvimento. Durabilidade: os conteúdos desenvolvidos devem suportar a evolução e as mudanças tecnológicas, assim evitando custos com manutenção. Acessibilidade: os conteúdos SCORM devem ser acessíveis de locais remotos e também facilmente redistribuídos (BRAGA, 2006, p.25); Interoperabilidade: o material desenvolvido deverá funcionar em qualquer sistema de e-learning existente, desta maneira o desenvolvedor de conteúdo não deve se preocupar em desenvolver conteúdos para cada sistema de e-learning. Apenas implementá-lo no padrão SCORM; O objetivo principal do padrão SCORM é que o conteúdo dos cursos seja reutilizado, Propiciar a independência de plataforma, na qual os objetos serão utilizados, assim como facilitar a migração de cursos entre diferentes ambientes de gerenciamento de aprendizagem (LMS) que sejam compatíveis com esse padrão.(rosseto,2007,p.4)

16 15 A especificação completa do padrão SCORM é composta por três livros: Content Agregation Model (CAM), Run-Time Environment (RTE) e Sequencing and Navigation (SN). Para o desenvolvimento deste trabalho será utilizado somente o livro CAM, de acordo com as suas especificações, este documento contém todo o conteúdo teórico referente às regras que devem ser seguidas para a construção dos cursos Sistemas de Gerenciamento de Aprendizagem(LMSs) Os sistemas de gerenciamento de aprendizagem(lms), tem como principais objetivos de entregar, seguir, relatar e controlar o progresso de aprendizagem do aluno. A figura 1 demonstra um modelo altamente generalizado dos principais componentes utilizados em um sistema LMS: Figura 1 Modelo altamente generalizado de um LMS Fonte: Edition Overview Version Book

17 16 Felício(2006) explica de forma objetiva o funcionamento de um LMS, que em um LMS existe um conjunto de serviços que gerencia o conteúdo de aprendizagem, verifica como está o progresso do aluno, desenha a ordem(seqüência) em os objetos de aprendizagem devem estar disponibilizados, e relata aos alunos de acordo com a sua experiência de aprendizagem o domínio da matéria. Não é o objetivo desse trabalho detalhar o sistema LMS, mas é importante a visão geral seja bem clarificada, é através desta ferramenta que ocorre a migração de conteúdos cursos, dessa forma é de fundamental importância para o sucesso do funcionamento do objeto proposto neste trabalho CAM O livro Modelo de Agregação de Conteúdos (CAM) tem como finalidade descrever os tipos de objetos de conteúdos usados em uma agregação de conteúdo, esta agregação podemos defini-la como uma unificação, ou seja, unificar o pacote de conteúdo com o LMS. Instruir como empacotar 1 os objetos de conteúdos para promover a migração destes objetos entre um sistema ou mais sistemas, como usar os objetos de conteúdos em metadados 2 para poder permitir a busca e a descoberta do conhecimento, e por último definir as regras seqüenciais para que estes objetos executem planos de aprendizagem. O padrão SCORM 1 O termo empacotar é utilizado no sentido de compactar. 2 Dicionário de definições dos dados armazenados.

18 permite etiquetar, empacotar, armazenar, a troca e a descoberta consistentes de objetos de conteúdos (CAM,2006,p.13) Objetos de conteúdos compartilhados De acordo com Braga(2006), os objetos de aprendizagem são conceituados como Sharable Content Object (SCO) e definido como sendo o menor nível de uma informação de aprendizagem completa, ou seja, um objeto de aprendizagem precisa cumprir os requisitos de aprendizagem que se deseja obter, relacionada à informação apresentada nele(braga, 2006, p.30). Braga(2006) também descreve que para a composição de um SCO é preciso a utilização de pedaços de informação, conhecido como Assets. Os Assets são basicamente os arquivos físicos, que podem ser tem texto, imagem, animação, vídeo, musica, etc. A figura 2 exemplifica a associação entre o SCO e os Assets. 3 The SORM CAM promotes the consistent storage, labeling, packaging, exchange and discovery of learning content.

19 18 Figura 2 Composição do objeto de aprendizagem Fonte: Content Agregation Model Book Pacotes de conteúdos Após um curso ser projetado e desenvolvido, o curso deve estar disponível para os alunos. De acordo com o livro CAM(2006) os pacotes de conteúdos é uma padronização para estruturar e possibilitar a migração de objetos de aprendizagem ente sistemas ou ferramentas diferentes. O pacote de conteúdo pode representar um curso, lição, módulo ou pode simplesmente ser uma coleção de objetos de conteúdos relacionados. O conteúdo destes pacotes descreve a estrutura ou organização e os comportamentos que devem ter uma coleção de objetos aprendizagem. Dessa forma espera-se que os pacotes de conteúdos possam ser usados para a locomoção de conteúdos de aprendizagem ou coleções de aprendizagem entre LMS's, ferramentas de desenvolvimento e repositórios de conteúdos. Uma das premissas do padrão

20 19 SCORM é que os pacotes de conteúdos devem ter um formato de entrada/saída para que vários sistemas possam suportá-los. O padrão SCORM definiu um termo chamando de Content Packaging ou seja Empacotando Conteúdos que são as regras e as orientações específicas exigidas, ou de perfis da aplicação, para o desenvolvimento dos pacotes de conteúdos. Estas regras fornecem exigências e as orientações explícitas adicionais da execução, deste modo os SCO s e a organização de conteúdos devem aderir estritamente a esta especificação. O foco desta especificação é definir a interoperabilidade entre os sistemas que desejam importar, exportar, unificar e desunificar pacotes de conteúdo Componentes do pacote de conteúdo De acordo com a especificação do livro CAM(2006) o pacote de conteúdo contém dois componentes principais: Um documento XML que descreve a estrutura de conteúdos e os recursos associados do pacote, que é chamado de arquivo manifesto(imsmanifest), ou seja, imsmanifest.xml. Os arquivos físicos especificados no IMSManifest compõem o pacote de conteúdos. A figura 3 é um diagrama conceitual que ilustra os componentes de um pacote de conteúdos:

21 20 Figura 3 - Diagrama conceitual do pacote de conteúdos Fonte: Content Agregation Model Book Pacotes Um pacote representa uma unidade de aprendizagem. Esta unidade de aprendizagem pode ser uma parte de um determinado curso que tenha pouca relevância instrutiva dentro deste curso e também pode ser entregue independentemente, como uma parcela de um curso, um curso inteiro ou como uma coleção de cursos. Uma vez que um pacote chega em seu destino, este pacote deve permitir uma desunião ou unificação. Entretanto este pacote deve conter todas as informações necessárias para o uso do conteúdo empacotado e também obter a informação de quando o mesmo foi desempacotado. O empacotamento consiste em zipar todos os ficheiros relevantes com

22 um manifesto XML que define todos os conteúdos e a sua relação uns com os outros. (FELICIO,2006,p04) Arquivo Manifesto O arquivo manifesto(imsmanifest) é um documento XML que contém toda a estrutura do pacote de conteúdos. Este arquivo deve conter também as informações de como o conteúdo está organizado. A figura 4 descreve a estrutura de um IMSManifest: Figura 4 Macro visão do arquivo manifesto Fonte: Fonte de dados do autor Este arquivo pode descreve a parte de um curso que tenha pouca relevância no contexto de um curso, de um curso inteiro, de uma coleção de cursos, ou apenas de uma

23 22 coleção de conteúdos que deve ser enviado de um sistema a outro. Ao empacotar uma coleção dos cursos, o pacote deve estar desunificado, para que os sistemas LMS possam unificados. O padrão SCORM define uma regra geral que todo pacote contém sempre um único top-level manifest que possa conter um ou mais (sub)manifest. O top-level manifest sempre descreve o pacote. (CAM,2006,p.31) 4 Partindo dessa premissa todo IMSManifest deve seguir as seguintes exigências: A denominação deve ser sempre imsmanifest.xml. Este arquivo e alguns pacotes de controle devem estar sempre na raiz do pacote de conteúdos. Todas as exigências definidas pelo Content Packaging XML é obrigatória, tendo algumas limitações e exigências adicionais Componentes do arquivo manifesto O IMSManifest representa a informação necessária para descrever os pacotes de conteúdo. A figura 5 descreve a composição deste arquivo. 4 The general rule is that a package always contains a single top-level manifest that may contain one or more (sub)manifests. The top-level manifest always describes the package.

24 23 Figura 5 Componentes do IMSManifest Fonte: Content Agregation Model Book O IMSManifest é composto por quatro seções principais: Metadata: Dados que descrevem o pacote de conteúdos. Trata-se de um dicionário de marcas (tags) que são usados para descrever conteúdos de aprendizagem de variadas maneiras. A metadata descreve qual é o conteúdo, a quem pertence, quanto custa(se houver custos), requisitos técnicos, objetivo educacional, etc. (FELICIO,2006,p.04) Organizações: Contem a estrutura do conteúdo ou a organização dos recursos de aprendizagem que compõem uma ou mais unidade autônomas de instrução. Recursos: Define os recursos de aprendizagem empacotados no pacote de conteúdos, E a informação de como o conteúdo pode ser fornecido ao utilizados. O empacotamento define como os conteúdos de aprendizagem de todos os tipos, podem ser trocados entre sistemas de uma forma normalizada.(felicio,2006,p04)

25 (sub)manifest(s): Descreve todas as unidades logicamente aninhadas da instrução Metadata Os metadata s permitem a busca, o descobrimento e fornecem um mecanismo para descrever as características do pacote de conteúdos. Uma de suas vantagens é que ele pode ser usado em várias posições dentro do IMSManifest para poder descrever os aspectos diferentes do pacote de conteúdos Organizações O componente de organizações é usado para descrever como o conteúdo é organizado no pacote de conteúdo. Pode conter um ou mais componentes de organizações, sendo que cada um descreve uma estrutura particular para o conteúdo do pacote. O Content Packaging define somente um formulário de organização de conteúdos, que está na forma de uma árvore ou de uma hierarquia. O padrão SCORM não especifica se esta hierarquia deve representar uma particular taxonomia de aprendizagem ou uma nomenclatura. Ou seja, o padrão não especifica termos como módulo, lição e assim por diante para descrever os níveis da hierarquia em uma organização de conteúdo. Tais termos tendem a ser resolvidos em uma

26 maneira particular. Conseqüentemente, a escolha da nomenclatura é deixada ao desenvolvedor do conteúdo Múltiplas organizações de conteúdo O Content Packaging especifica que todos os recursos de aprendizagem que estão organizados devem estar separados, permitindo que um único pacote de conteúdo tenha uma ou mais organizações usando os mesmos recursos de aprendizagem dentro de diferentes contextos. Ao migrar um pacote de conteúdo a um sistema de LMS, deve haver pelo menos uma organização de conteúdo. É sempre útil definir maneiras diferentes de usar os conteúdos em um pacote. Cada uma destas maneiras tem que estar representada em uma organização de conteúdo diferente. Quando um pacote tem diversas organizações, pelo menos uma organização deve ser designada como a organização default, a fim de evitar que o sistema processe algum pacote indevidamente, desta maneira decidindo qual organização de conteúdo deverá usar Organização de conteúdos A organização de conteúdos descreve como os conteúdos dos pacotes devem estar organizados para o uso. Na versão 1.2 do SCORM, o único uso definido para uma

27 26 organização de conteúdos era como um tipo de conteúdo para os recursos no pacote de conteúdos. Agora no padrão SCORM 2004, a organização de conteúdos é usada também como uma maneira para descrever uma hierarquia de atividades de aprendizagem que explora os recursos de aprendizagem. A organização de conteúdos não deve ser confundida com a estrutura física do pacote de conteúdos, ou como uma estrutura do IMSManifest. Por exemplo, os arquivos do pacote de conteúdos são organizados freqüentemente em uma hierarquia de pastas, mas nessa estrutura não se pode dizer ao usuário de um pacote de conteúdos como se deve usar os conteúdos do pacote. A finalidade da organização de conteúdos é fornecer ao desenvolvedor os meios para especificar as unidades de instrução que devem ser usadas em coleções de recursos de aprendizagem. Tal unidade de instrução é uma hierarquia de atividades de aprendizagem, para que os comportamentos e as regras especificadas podem ser descritas de tal maneira que esta estrutura de atividade e os comportamentos associados podem ser reproduzidos em todo o ambiente LMS. Para toda a atividade definida em uma organização de conteúdos, o desenvolvedor poderá ou não definir comportamentos e regras específicas. Na ausência de regras específicas, a organização de conteúdo deve estar em um mapa que possa ser usado para uma navegação livre através dos recursos de aprendizagem definidos no pacote de conteúdos. Adicionando regras e comportamentos específicos, a organização de conteúdos transforma-se em um guia que prescreva ao sistema LMS como deve controlar a navegação no uso dos recursos de aprendizagem. A organização de conteúdos pode ser vista como um mapa estruturado dos recursos de aprendizagem, ou seja, um mapa estruturado de atividades para guiar o aluno dentro de uma

28 27 hierarquia de atividades de aprendizagem do qual esteja usando os recursos de aprendizagem daquela estrutura. O Desenvolvedor poderá definir a estrutura da organização de conteúdos como se fosse, por exemplo, uma tabela de conteúdos para os recursos de aprendizagem, e tanto outro desenvolvedor poderá escolher estruturar a organização de conteúdos como um trajeto guiado adaptável de acordo com a experiência de aprendizagem, invocando recursos de aprendizagem somente se e quando forem necessárias. E um último exemplo, um terceiro desenvolvedor poderá criar uma organização de conteúdos onde algumas atividades de descoberta incluam um uso livre do formulário de alguns dos recursos de aprendizagem, quando outras atividades forem controladas mais formalmente. Os sistemas LMS podem criar suas próprias representações internas para um pacote de conteúdos e seus conteúdos. O Content Packaging não implica que os sistemas LMS estejam capacitados para adotar o modelo de organização de conteúdos ou para armazenar os componentes do pacote usando a mesma organização estrutural. O componente da organização definido no Content Packaging fornece a estrutura para a informação que é requerida para representar a estrutura de conteúdos. Pelo projeto do padrão SCORM, o componente da organização contém também a habilidade de adicionar, para cada item na organização, informação adicional tal como metadata ou regras e prescrições do comportamento Representando a estrutura de conteúdos A organização de conteúdos deve conter os seguintes componentes em sua estrutura:

Manual do sistema. My e-learning objects. Laboratório de Engenharia de Software e Tecnologias de Informação e Comunicação

Manual do sistema. My e-learning objects. Laboratório de Engenharia de Software e Tecnologias de Informação e Comunicação Manual do sistema My e-learning objects Laboratório de Engenharia de Software e Tecnologias de Informação e Comunicação Manual do sistema - Meelo Autor: Alexandre Yukio Yamashita Laboratório de Engenharia

Leia mais

EDITOR GRÁFICO PARA SEQUENCIAMENTO E NAVEGAÇÃO USANDO REDES DE PETRI. Maicon Mueller prof. Dalton S. dos Reis

EDITOR GRÁFICO PARA SEQUENCIAMENTO E NAVEGAÇÃO USANDO REDES DE PETRI. Maicon Mueller prof. Dalton S. dos Reis EDITOR GRÁFICO PARA SEQUENCIAMENTO E NAVEGAÇÃO USANDO REDES DE PETRI Maicon Mueller prof. Dalton S. dos Reis Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Trabalhos correlatos Desenvolvimento Resultados

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - MÓDULO 3 - MODELAGEM DE SISTEMAS ORIENTADA A OBJETOS COM UML 1. INTRODUÇÃO A partir de 1980, diversos métodos de desenvolvimento de sistemas surgiram para apoiar o paradigma orientado a objetos com uma

Leia mais

Resumo. Abstract. Introdução

Resumo. Abstract. Introdução 1 Análise e Modelagem de Projeto E-Learning com base na linguagem UML e no padrão SCORM com um propósito de futuras implementações na Faculdade Estácio de Sá de Ourinhos ELAINE PASQUALINI 1 RODRIGO CHRISTONI

Leia mais

Modelagem OO com UML. Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza

Modelagem OO com UML. Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza Modelagem OO com UML Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza Departamento de Informática Centro Tecnológico Universidade Federal do Espírito Santo Modelos Maneira

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC CURSO: Bacharelado em Ciência da Computação DISCIPLINA: ANPS Análise e Projeto de Sistemas AULA NÚMERO: 3 DATA: PROFESSOR: Murakami Sumário 1 APRESENTAÇÃO...1 2 DESENVOLVIMENTO...1 2.1 Revisão...1 2.1.1

Leia mais

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo?

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo? O que é a UML? Introdução a UML Linguagem Gráfica de Modelagem para: Visualizar Especificar Construir Documentar Comunicar Artefatos de sistemas complexos Linguagem: vocabulário + regras de combinação

Leia mais

Unified Modeling Language UML - Notações

Unified Modeling Language UML - Notações Unified Modeling Language UML - Notações Prof. Ms. Elvio Gilberto da Silva elvio@fmr.edu.br UML Ponto de Vista É gerada com propósito geral de uma linguagem de modelagem visual usada para especificar,

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

3 Serviços na Web (Web services)

3 Serviços na Web (Web services) 3 Serviços na Web (Web services) 3.1. Visão Geral Com base na definição do Word Wide Web Consortium (W3C), web services são aplicações autocontidas, que possuem interface baseadas em XML e que descrevem

Leia mais

Elaboração de videoaulas seguindo padrões de objetos de aprendizagem para disponibilização no serviço de educação a distância (EDAD) da RNP

Elaboração de videoaulas seguindo padrões de objetos de aprendizagem para disponibilização no serviço de educação a distância (EDAD) da RNP Elaboração de videoaulas seguindo padrões de objetos de aprendizagem para disponibilização no serviço de educação a distância (EDAD) da RNP Eduardo Barrére Liamara Scortegagna Atualizando o título: Elaboração

Leia mais

UM MODELO PARA COLABORAßà O ENTRE SISTEMAS GERENCIADORES DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM

UM MODELO PARA COLABORAßà O ENTRE SISTEMAS GERENCIADORES DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO UM MODELO PARA COLABORAßà O ENTRE SISTEMAS GERENCIADORES DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM LUÃS GUSTAVO ARAUJO FERREIRA Canoas, novembro de 2008 LUÃS GUSTAVO ARAUJO

Leia mais

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais

Modelagem de Processos. Prof.: Fernando Ascani

Modelagem de Processos. Prof.: Fernando Ascani Modelagem de Processos Prof.: Fernando Ascani Bibliografia UML Guia de consulta rápida Douglas Marcos da Silva Editora: Novatec UML Guia do usuário Grady Booch James Rumbaugh Ivair Jacobson Editora: Campus

Leia mais

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI Dr. George SILVA; Dr. Gilbert SILVA; Gabriel GUIMARÃES; Rodrigo MEDEIROS; Tiago ROSSINI; Centro Federal de Educação Tecnológica do Rio Grande do

Leia mais

Uma Abordagem usando PU

Uma Abordagem usando PU Uma Abordagem usando PU Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Baseada em: Rational Software Corpotation G. Booch, Ivar Jacobson,

Leia mais

Objetos de Aprendizagem para Educação a Distância Robson Santos da Silva

Objetos de Aprendizagem para Educação a Distância Robson Santos da Silva Objetos de Aprendizagem para Educação a Distância Robson Santos da Silva Novatec Copyright 2011 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida

Leia mais

Wilson Moraes Góes. Novatec

Wilson Moraes Góes. Novatec Wilson Moraes Góes Novatec Copyright 2014 Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer processo,

Leia mais

Introdução ao C# . Visão geral do.net Framework

Introdução ao C# . Visão geral do.net Framework Introdução ao C# Microsoft.NET (comumente conhecido por.net Framework - em inglês: dotnet) é uma iniciativa da empresa Microsoft, que visa uma plataforma única para desenvolvimento e execução de sistemas

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 1 UML Introdução Fases de Desenvolvimento Notação Visões Análise de Requisitos Casos de Uso StarUML Criando Casos de Uso Orientação a Objetos Diagrama de Classes

Leia mais

A história de UML e seus diagramas

A história de UML e seus diagramas A história de UML e seus diagramas Thânia Clair de Souza Vargas Departamento de Informática e Estatística Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Florianópolis, SC Brazil thania@inf.ufsc.br Abstract.

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO ESCOPO DE SISTEMA DE SOFTWARE A PARTIR DA UTILIZAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS

ESPECIFICAÇÃO DO ESCOPO DE SISTEMA DE SOFTWARE A PARTIR DA UTILIZAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS ESPECIFICAÇÃO DO ESCOPO DE SISTEMA DE SOFTWARE A PARTIR DA UTILIZAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS Rosiane da Silva Biscaia Discente do curso Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Faculdades

Leia mais

UML Unified Modeling Language

UML Unified Modeling Language UML Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada A linguagem UML UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada É uma linguagem para especificação, É uma linguagem para

Leia mais

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS / INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio Professor: Clarindo Isaías Pereira

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade;

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; 1 ARQUITETURA E DESIGN DE SOFTWARE O que é Arquitetura? do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; do dicionário: Arte de projetar e construir prédios,

Leia mais

Construção de Objetos Educacionais Numéricos utilizando padrão SCORM no ambiente Moodle. Setembro/2007

Construção de Objetos Educacionais Numéricos utilizando padrão SCORM no ambiente Moodle. Setembro/2007 1 Construção de Objetos Educacionais Numéricos utilizando padrão SCORM no ambiente Moodle Setembro/2007 Carmem Lúcia Graboski da Gama Pós-Graduação em Métodos Numéricos em Engenharia, Universidade Federal

Leia mais

5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância

5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância 5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância O capítulo anterior apresentou uma discussão sobre a inclusão dos chamados learning services no processo

Leia mais

Engenharia de Softwares e Sistema IF682 (2012.1) Bruno Medeiros(bmo@cin.ufpe.br)

Engenharia de Softwares e Sistema IF682 (2012.1) Bruno Medeiros(bmo@cin.ufpe.br) Engenharia de Softwares e Sistema IF682 (2012.1) Bruno Medeiros(bmo@cin.ufpe.br) Algumas definições Engenharia de Software conjunto de tecnologias e práticas usadas para construir software de qualidade

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS RESUMO Este artigo apresenta a especificação de um sistema gerenciador de workflow, o ExPSEE, de acordo com a abordagem de desenvolvimento baseado

Leia mais

modelagem do negócio (processos e objetos do negócio) modelagem de requisitos alocados ao software modelagem da solução de software

modelagem do negócio (processos e objetos do negócio) modelagem de requisitos alocados ao software modelagem da solução de software POO com UML Java Uso da linguagem UML(Unified Modeling Language) A UML, ou Linguagem de Modelagem Unificada, é a junção das três mais conceituadas linguagens de modelagem orientados a objectos (Booch de

Leia mais

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações 1 Introdução A Organização é a forma pela qual nós coordenamos nossos recursos de todos os tipos para realizar o trabalho que nos propusemos a fazer. A estrutura de nossas organizações manteve-se basicamente

Leia mais

Especificação de Sistemas de Tempo-Real utilizando Orientação a Objetos

Especificação de Sistemas de Tempo-Real utilizando Orientação a Objetos Especificação de Sistemas de Tempo-Real utilizando Orientação a Objetos Marco Aurélio Wehrmeister mawehrmeister@inf.ufrgs.br Roteiro Introdução Orientação a Objetos UML Real-Time UML Estudo de Caso: Automação

Leia mais

Programa do Módulo 2. Fundações do Modelo Objeto

Programa do Módulo 2. Fundações do Modelo Objeto 2.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) Processo Unificado (RUP) Fundações do Modelo Objeto 2.2 Programação Orientada a Objetos: é um método de

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UM PROCESSO E SOFTWARE PARA A PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DE ENSINO

AVALIAÇÃO DE UM PROCESSO E SOFTWARE PARA A PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DE ENSINO 1 AVALIAÇÃO DE UM PROCESSO E SOFTWARE PARA A PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DE ENSINO Rio Branco AC 05/2010 Luciete Basto de Andrade Albuquerque Universidade Federal do Acre luciete@brturbo.com.br Luiz Augusto

Leia mais

Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP

Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP 1) Introdução Programação Orientada a Objetos é um paradigma de programação bastante antigo. Entretanto somente nos últimos anos foi aceito realmente

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

Documentação de um Produto de Software

Documentação de um Produto de Software Documentação de um Produto de Software Versão 3.0 Autora: Profª Ana Paula Gonçalves Serra Revisor: Prof. Fernando Giorno 2005 ÍNDICE DETALHADO PREFÁCIO... 4 1. INTRODUÇÃO AO DOCUMENTO... 6 1.1. TEMA...

Leia mais

Justificativa do uso da Linguagem XML no Projeto RIVED

Justificativa do uso da Linguagem XML no Projeto RIVED Justificativa do uso da Linguagem XML no Projeto RIVED Índice Introdução... 1 Sobre a linguagem XML... 2 O que é XML (extensible Markup Language)?... 2 Características da Linguagem...3 Sobre o seu uso...

Leia mais

Introdução a UML. Hélder Antero Amaral Nunes haanunes@gmail.com

Introdução a UML. Hélder Antero Amaral Nunes haanunes@gmail.com Introdução a UML Hélder Antero Amaral Nunes haanunes@gmail.com Introdução a UML UML (Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada) é uma linguagem-padrão para a elaboração da estrutura de

Leia mais

Modelos de Sistema. 2007 by Pearson Education. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 8 Slide 1.

Modelos de Sistema. 2007 by Pearson Education. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 8 Slide 1. Modelos de Sistema Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 8 Slide 1 Objetivos Explicar por que o contexto de um sistema deve ser modelado como parte do processo de RE Descrever

Leia mais

Autor(es) BRUNO TEODOSIO GONÇALVES. Orientador(es) CECÍLIA SOSA ARIAS PEIXOTO, FLÁVIA LINHALIS. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1.

Autor(es) BRUNO TEODOSIO GONÇALVES. Orientador(es) CECÍLIA SOSA ARIAS PEIXOTO, FLÁVIA LINHALIS. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. 19 Congresso de Iniciação Científica ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE PADRÕES DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM PARA AMBIENTES COLABORATIVOS DE APRENDIZADO ELETRÔNICO Autor(es) BRUNO TEODOSIO GONÇALVES Orientador(es)

Leia mais

4 Conversor EDTV Raw. 4.1 Arquitetura

4 Conversor EDTV Raw. 4.1 Arquitetura 4 Conversor EDTV Raw O conversor EDTV Raw é o programa que lê um documento escrito no perfil NCL EDTV e gera um documento Raw equivalente, i.e. que define a mesma apresentação. Este capítulo, apresenta

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

guia prático 2a Edição Gilleanes T.A. Guedes Novatec

guia prático 2a Edição Gilleanes T.A. Guedes Novatec guia prático 2a Edição Gilleanes T.A. Guedes Novatec Copyright 2007, 2014 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta

Leia mais

XML e Banco de Dados de Internet. Tópicos Especiais em Tecnologia da Informação Profa. Késsia R. C. Marchi

XML e Banco de Dados de Internet. Tópicos Especiais em Tecnologia da Informação Profa. Késsia R. C. Marchi XML e Banco de Dados de Internet Tópicos Especiais em Tecnologia da Informação Profa. Késsia R. C. Marchi Motivação Diversas aplicações Web utilizam Fontes de Dados (BD); Arquitetura Cliente-Servidor (2

Leia mais

Visual Library: Uma Biblioteca para Criação de Ferramentas de Modelagem Gráfica

Visual Library: Uma Biblioteca para Criação de Ferramentas de Modelagem Gráfica Visual Library: Uma Biblioteca para Criação de Ferramentas de Modelagem Gráfica Tiago A. Gameleira 1, Raimundo Santos Moura 2, Luiz Affonso Guedes 1 1 Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

Leia mais

Análise de Sistemas Orientados a Objetos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org. www.tiagodemelo.info

Análise de Sistemas Orientados a Objetos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org. www.tiagodemelo.info Análise de Sistemas Orientados a Objetos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org www.tiagodemelo.info Roteiro Conceitos de Orientação a Objetos (OO) Visão Geral da UML Diagrama de Classes Diagramas

Leia mais

3. PARADIGMA ORIENTADO A OBJETOS

3. PARADIGMA ORIENTADO A OBJETOS Paradigmas de Linguagens I 1 3. PARADIGMA ORIENTADO A OBJETOS Este paradigma é o que mais reflete os problemas atuais. Linguagens orientada a objetos (OO) são projetadas para implementar diretamente a

Leia mais

UML Aspectos de projetos em Diagramas de classes

UML Aspectos de projetos em Diagramas de classes UML Aspectos de projetos em Diagramas de classes Após ser definido o contexto da aplicação a ser gerada. Devemos pensar em detalhar o Diagrama de Classes com informações visando uma implementação Orientada

Leia mais

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER Objetivo dessa aula é descrever as características e a simbologia dos diagramas UML e MER na modelagem de sistemas de informação de uma forma a permitir a comunicação entre técnicos e gestores. Modelagem

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Tópicos Motivação e Objetivos LP e SOA Processo ADESE

Leia mais

O Poder da Tecnologia de Workflow e dos Mapas Conceituais no Processo de Ensino e Aprendizagem da UML

O Poder da Tecnologia de Workflow e dos Mapas Conceituais no Processo de Ensino e Aprendizagem da UML O Poder da Tecnologia de Workflow e dos Mapas Conceituais no Processo de Ensino e Aprendizagem da UML Simone Sawasaki Tanaka 1,2, Rodolfo Miranda de Barros 1, Sergio Akio Tanaka 2 1 Universidade Estadual

Leia mais

UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada

UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada Introdução É a padronização das metodologias de desenvolvimento de sistemas baseados na orientação a objetos. Foi criada por três grandes

Leia mais

Unified Modeling Language

Unified Modeling Language Unified Modeling Language Modelagem de Negócios e de Sistemas com Casos de Uso Denize Terra Pimenta dpimenta@gmail.com www.analisetotal.com.br Índice 2 1 Objetivos Esta palestra é uma introdução à modelagem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

UML 2. Guia Prático. Gilleanes T.A. Guedes. Novatec. Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2

UML 2. Guia Prático. Gilleanes T.A. Guedes. Novatec. Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2 UML 2 Guia Prático Gilleanes T.A. Guedes Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2 Novatec capítulo 1 Introdução à UML A UML (Unified Modeling Language ou Linguagem de Modelagem

Leia mais

FERRAMENTA PARA CONSTRUÇÃO DE INTERFACES DE SOFTWARE A PARTIR DE DIAGRAMA DE CLASSES

FERRAMENTA PARA CONSTRUÇÃO DE INTERFACES DE SOFTWARE A PARTIR DE DIAGRAMA DE CLASSES FERRAMENTA PARA CONSTRUÇÃO DE INTERFACES DE SOFTWARE A PARTIR DE DIAGRAMA DE CLASSES Aluno: André Luis Becker Orientador: Prof. Everaldo Artur Grahl. Mestre Orientador, FURB Roteiro da Apresentação Introdução;

Leia mais

UML Itens Estruturais - Interface

UML Itens Estruturais - Interface Itens Estruturais - Interface Coleção de operações que especificam serviços de uma classe ou componente Descreve o comportamento visível externamente Raramente aparece sozinha. Em geral vem anexada à classe

Leia mais

PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB)

PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB) RELATÓRIO DE ENTREGA DO PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB) PARA A ELABORAÇÃO DOS PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PMGIRS PARA OS MUNICÍPIOS DE NOVO HORIZONTE, JUPIÁ, GALVÃO,

Leia mais

Panorama da educação a distância na formação dos magistrados brasileiros

Panorama da educação a distância na formação dos magistrados brasileiros Panorama da educação a distância na formação dos magistrados brasileiros 7 e 8 de maio de 2015 Encontro de integração das Escolas da Magistratura Tema: Potencialidades e Desafios do Moodle um ambiente

Leia mais

A linguagem UML. UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes. Por que usar UML? O que é modelagem?

A linguagem UML. UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes. Por que usar UML? O que é modelagem? UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes Prof. Ms. Luiz Alberto Contato: lasf.bel@gmail.com A linguagem UML UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada É uma linguagem de modelagem

Leia mais

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE RESUMO Fazer um bom levantamento e especificação de requisitos é algo primordial para quem trabalha com desenvolvimento de sistemas. Esse levantamento

Leia mais

UML & Padrões Aula 7. UML & Padrões - Profª Kelly C C Silva

UML & Padrões Aula 7. UML & Padrões - Profª Kelly C C Silva UML & Padrões Aula 7 UML & Padrões - Profª Kelly C C Silva Divisão das classes do Modelo de Análise Jacobson propõe a divisão das classes do Modelo de Análise de acordo com os seguintes estereótipos: entidades

Leia mais

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML.

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML. APLICAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS PARA COMPREENSÃO DE DOMÍNIO DO PROBLEMA PARA SISTEMA DE CONTROLE COMERCIAL LEONARDO DE PAULA SANCHES Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas RENAN HENRIQUE

Leia mais

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial 1 of 14 27/01/2014 17:33 Sistema de Paginação de Esportes Universitários Documento de Arquitetura de Software Versão 1.0 Histórico da Revisão Data 30 de novembro de 1999 Versão Descrição Autor 1.0 Versão

Leia mais

Tecnologia para Sistemas Inteligentes Apontamentos para as aulas sobre. Introdução à Representação e Processamento de Ontologias: Framework O3f

Tecnologia para Sistemas Inteligentes Apontamentos para as aulas sobre. Introdução à Representação e Processamento de Ontologias: Framework O3f Tecnologia para Sistemas Inteligentes Apontamentos para as aulas sobre Introdução à Representação e Processamento de Ontologias: Framework O3f Luís Miguel Botelho Departamento de Ciências e Tecnologias

Leia mais

A que se propõe? Histórico e Evolução. Funcionalidades. Aplicações Comerciais. Tecnologias Envolvidas. Áreas Afetadas. Bibliografia. A que se propõe?

A que se propõe? Histórico e Evolução. Funcionalidades. Aplicações Comerciais. Tecnologias Envolvidas. Áreas Afetadas. Bibliografia. A que se propõe? O que é? Educação à Distância: [...]a modalidade de educação em que as atividades de ensino-aprendizagem são desenvolvidas majoritariamente (e em bom número de casos exclusivamente) sem que alunos e professores

Leia mais

Programação com Objectos. Processamento de Dados I. 3. UML (Unified Modeling Language)

Programação com Objectos. Processamento de Dados I. 3. UML (Unified Modeling Language) Programação com Objectos Processamento de Dados I 3. UML (Unified Modeling Language) 1 Modelo UML Diagrama de classes Programação com Objectos / Processamento de Dados I 2 Modelo O desenvolvimento de programas

Leia mais

Programando em C# Orientado a Objetos. By: Maromo

Programando em C# Orientado a Objetos. By: Maromo Programando em C# Orientado a Objetos By: Maromo Agenda Módulo 1 Plataforma.Net. Linguagem de Programação C#. Tipos primitivos, comandos de controle. Exercícios de Fixação. Introdução O modelo de programação

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

XML. 1. XML: Conceitos Básicos. 2. Aplicação XML: XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata XML

XML. 1. XML: Conceitos Básicos. 2. Aplicação XML: XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata XML 1 1. : Conceitos Básicos 2. Aplicação : XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata 2 é um acrônimo para EXtensible Markup Language é uma linguagem de marcação muito parecida com HTML foi designada para descrever

Leia mais

A Linguagem de Modelagem Unificada (UML)

A Linguagem de Modelagem Unificada (UML) Aécio Costa A Linguagem de Modelagem Unificada (UML) Percebeu-se a necessidade de um padrão para a modelagem de sistemas, que fosse aceito e utilizado amplamente. Surge a UML (Unified Modeling Language)

Leia mais

Spider-PM: Uma Ferramenta de Apoio à Modelagem de Processos de Software

Spider-PM: Uma Ferramenta de Apoio à Modelagem de Processos de Software Spider-PM: Uma Ferramenta de Apoio à Modelagem de Processos de Software Renan Sales Barros 1, Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira 1 1 Faculdade de Computação Instituto de Ciências Exatas e Naturais (ICEN)

Leia mais

Introduçãoa Engenhariade. Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA

Introduçãoa Engenhariade. Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA Introduçãoa Engenhariade Software Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA O que é Software? O que é software? São programas de computadores, em suas diversas formas, e a documentação associada. Um programa

Leia mais

1. Introdução 2. Desenvolvimento de Softwares orientado a objetos 3. UML A unificação dos métodos para a criação de um novo padrão 4. Uso da UML 5.

1. Introdução 2. Desenvolvimento de Softwares orientado a objetos 3. UML A unificação dos métodos para a criação de um novo padrão 4. Uso da UML 5. 1. Introdução 2. Desenvolvimento de Softwares orientado a objetos 3. UML A unificação dos métodos para a criação de um novo padrão 4. Uso da UML 5. Fases do Desenvolvimento de um Sistema em UML 1. Análise

Leia mais

MODELAGEM VISUAL DE UM SOFTWARE PARA O GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES EM GESTÃO DE PROJETOS

MODELAGEM VISUAL DE UM SOFTWARE PARA O GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES EM GESTÃO DE PROJETOS 127 MODELAGEM VISUAL DE UM SOFTWARE PARA O GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES EM GESTÃO DE PROJETOS VISUAL MODELING OF SOFTWARE FOR COMMUNICATION MANAGEMENT IN PROJECT MANAGEMENT Ricardo Rall 1 Arilson José

Leia mais

OBJETOS DE APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA TECNOLÓGICA PARA FACILITAR A REUTILIZAÇÃO, ORGANIZAÇÃO E COMPARTILHAMENTO. Maio de 2007

OBJETOS DE APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA TECNOLÓGICA PARA FACILITAR A REUTILIZAÇÃO, ORGANIZAÇÃO E COMPARTILHAMENTO. Maio de 2007 1 OBJETOS DE APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA TECNOLÓGICA PARA FACILITAR A REUTILIZAÇÃO, ORGANIZAÇÃO E COMPARTILHAMENTO Maio de 2007 Érico Galdino Almeida Senac São Paulo erico.galmeida@sp.senac.br Leandro Cassa

Leia mais

Objetos de Aprendizagem: Uma comparação entre SCORM e IMS Learning Design

Objetos de Aprendizagem: Uma comparação entre SCORM e IMS Learning Design CINTED-UFRGS Novas Tecnologias na Educação Objetos de Aprendizagem: Uma comparação entre SCORM e IMS Learning Design Renato Luís de Souza Dutra* Liane Margarida Rockenbach Tarouco** Centro Interdisciplinar

Leia mais

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Introdução Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre

Leia mais

O modelo unificado de processo. O Rational Unified Process, RUP.

O modelo unificado de processo. O Rational Unified Process, RUP. Cursos: Sistemas de Informação Disciplina: Administração ADM Prof. Jarbas Avaliação: Prova B1, 5º/6º semestres Data: 27/09/2010 Nome: Gabarito RA: Assinatura: Turma: 1) Segundo as afirmações a seguir,

Leia mais

SISTEMATIZAÇÂO DOS TIPOS DE INFORMAÇÂO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL E DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO E COMUNICAÇÂO

SISTEMATIZAÇÂO DOS TIPOS DE INFORMAÇÂO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL E DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO E COMUNICAÇÂO SISTEMATIZAÇÂO DOS TIPOS DE INFORMAÇÂO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL E DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO E COMUNICAÇÂO Danilo Freitas Silvas Sistemas de informação CEATEC danilofs.ti@gmail.com Resumo:

Leia mais

WebUML: Uma Ferramenta Colaborativa de Apoio ao Projeto e Análise de Sistemas Descritos em Classes UML

WebUML: Uma Ferramenta Colaborativa de Apoio ao Projeto e Análise de Sistemas Descritos em Classes UML Carlos Henrique Pereira WebUML: Uma Ferramenta Colaborativa de Apoio ao Projeto e Análise de Sistemas Descritos em Classes UML Florianópolis - SC 2007 / 2 Resumo O objetivo deste trabalho é especificar

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

DESAFIO ETAPA 1 Passo 1

DESAFIO ETAPA 1 Passo 1 DESAFIO Um dos maiores avanços percebidos pela área de qualidade de software foi comprovar que a qualidade de um produto final (software) é uma consequência do processo pelo qual esse software foi desenvolvido.

Leia mais

Codificar Sistemas Tecnológicos

Codificar Sistemas Tecnológicos Codificar Sistemas Tecnológicos Especificação dos Requisitos do Software Sistema de gestão para a Empresa Cliente SlimSys Autor: Equipe Codificar Belo Horizonte MG Especificação dos Requisitos do Software

Leia mais

Análise e Projeto Orientados por Objetos

Análise e Projeto Orientados por Objetos Análise e Projeto Orientados por Objetos Aula 02 Análise e Projeto OO Edirlei Soares de Lima Análise A análise modela o problema e consiste das atividades necessárias para entender

Leia mais

O padrão RDF na descrição de imagens

O padrão RDF na descrição de imagens O padrão RDF na descrição de imagens Edeilson Milhomem da Silva 1, Parcilene Fernandes de Brito 1 1 Sistemas de Informação Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA) Cx. Postal 160 77054-970

Leia mais

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Fabrício Viero de Araújo, Gilse A. Morgental Falkembach Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção - PPGEP Universidade

Leia mais

2 Diagrama de Caso de Uso

2 Diagrama de Caso de Uso Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Caso de Uso (Use Case) Autoria:Aristófanes Corrêa

Leia mais

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 04

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 04 Levantamento, Análise e Gestão Requisitos Aula 04 Agenda Linguagem de Modelagem Unificada (UML) Modelagem Visual Síntese Histórica da UML Conceitos da UML Notações da UML Diagramas Estruturais Diagramas

Leia mais

APLICAÇÃO DA MODELAGEM UML NA FASE DE ANÁLISE DE UM PROJETO DE SOFTWARE PARA AGENDAMENTO DE USO DE VEÍCULOS INTERNOS DE UMA EMPRESA

APLICAÇÃO DA MODELAGEM UML NA FASE DE ANÁLISE DE UM PROJETO DE SOFTWARE PARA AGENDAMENTO DE USO DE VEÍCULOS INTERNOS DE UMA EMPRESA APLICAÇÃO DA MODELAGEM UML NA FASE DE ANÁLISE DE UM PROJETO DE SOFTWARE PARA AGENDAMENTO DE USO DE VEÍCULOS INTERNOS DE UMA EMPRESA ANDRE APARECIDO LEAL DE ALMEIDA Discente da AEMS Faculdades Integradas

Leia mais

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Agenda Introdução Aplicações interativas de TV Digital Desafios de layout e usabilidade Laboratório de usabilidade Desafios

Leia mais

Suporte à Engenharia Reversa para o ambiente SEA

Suporte à Engenharia Reversa para o ambiente SEA Otavio Pereira Suporte à Engenharia Reversa para o ambiente SEA Orientador: Ricardo Pereira e Silva Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Departamento de Informática e Estatística - INE Florianópolis

Leia mais

Facilidade e flexibilidade na web

Facilidade e flexibilidade na web Facilidade e flexibilidade na web palavras-chave: acessibilidade, usabilidade, web 2.0 Tersis Zonato www.tersis.com.br Web 2.0 o termo de marketing x a nova forma de conhecimento Web 2.0 O conceito começou

Leia mais