CONTABILIDADE FINANCEIRA II. 2ª Frequência. Responda a cada grupo em folha separada

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTABILIDADE FINANCEIRA II. 2ª Frequência. Responda a cada grupo em folha separada"

Transcrição

1 CONTABILIDADE FINANCEIRA II Equipa Docente: Data: 8 de Janeiro de 2008 Cristina Neto de Carvalho Duração: 2 horas Sofia Pereira 2ª Frequência Responda a cada grupo em folha separada A Ibersol tem como objectivo liderar o negócio da Restauração Comercial, primeiro em Portugal e depois na Península Ibérica e atingir, a longo prazo, uma dimensão que a coloque entre as mais importantes empresas europeias do sector. No exercício de 1996 a Ibersol desenvolveu a sua actividade em diferentes segmentos através das seguintes marcas: Pizza Hut, Pasta Caffé, Pizza Móvil, Cantina Mariachi, Pap aki, Arroz Maria, Ò Kilo, KFC, Pans & Company, Bocatta, Burger King, Café Sô e Quiosques de Café. No exercício de 2006 o grupo adquiriu a totalidade do Capital Social da Lurca, que explora um conjunto de unidades Burger King localizadas na região de Madrid. Já no termo do exercício foi adquirida uma nova posição no Capital Social da QRM, passando o grupo a controlar esta sociedade e indirectamente as respectivas participadas. Em simultâneo com esta operação, a QRM adquiriu a totalidade do Capital Social da J. Silva Carvalho, que actua preferencialmente no mercado de Lisboa. Durante o exercício foram inauguradas 21 unidades, adquiridas 40 e encerradas 7, o que representou um acréscimo de 54 unidades no parque de lojas. Grupo I (4.5 valores 30 minutos) Tendo em conta as Demonstrações Financeiras Consolidadas da Ibersol, referente ao ano de 2006, responda às seguintes questões. 1) Analise a estrutura de custos operacionais da Ibersol em 2006 (valores, estrutura e evolução), tendo em conta a actividade da empresa. (máx. 15 linhas) Ano Lectivo: 2007/08 Pág. 1/14

2 2) Calcule os valores do EBITDA, do EBIT e do RAEFI, referentes ao ano Utilize, se necessário, a informação presente na Nota 25: 3) Analise as Demostrações de Resultados dos dois anos utilizando os resultados obtidos no cálculo das seguintes rentabilidades das Vendas: EBITDA/Vendas; EBIT/Vendas; RAI/Vendas; RL/Vendas. Grupo II (3.5 valores 20 minutos) 1) A Ibersol desenvolve projectos de Pesquisa e Desenvolvimento, relativos ao design e teste de novos produtos. No entanto, nem todos os projectos têm viabilidades tecnológica e comercial. Explique de que forma a Ibersol deve contabilizar os custos incorridos nestes projectos, explicitando em que condições é que estes são passíveis de ser capitalizados. 2) Comente a definição de custo de aquisição do software e o período de vida útil estimado, descritos na nota 2.6.c) do Anexo: 3) Discuta as vantagens e os inconvenientes do método de depreciação de quotas degressivas face ao método das quotas constantes. Ano Lectivo: 2007/08 Pág. 2/14

3 Grupo III (5.5 valores 30 minutos) 1) Comente a política de Dividendos da empresa: 2) Explique como é que a Ibersol aplicou o seu resultado de ) Se a Ibersol decidir fazer um aumento de capital por incorporação de reservas, de que forma é afectada a riqueza dos actuais accionistas? 4) Calcule os valores nominal e contabilístico das acções da Ibersol, nos anos de 2006 e 2005, tendo em conta que o Capital Social está representado por acções. 5) Relacione os valores de mercado com os valores calculados na questão anterior e justifique as diferenças. 6) Explique porque razão a Distribuição de dividendos (18 de Maio) conduz a uma redução na cotação do título. Máx. 3 linhas. Ano Lectivo: 2007/08 Pág. 3/14

4 Ano Lectivo: 2007/08 Pág. 4/14

5 Grupo IV (6.5 valores 40 minutos) 1) Comente, na medida do possível, a evolução do valor do Activo e o nível de investimentos realizados pela Ibersol em Máx. 5 linhas. 2) Analise a Demonstração de Fluxos de Caixa relativa a Não deixe de explicar o que significa um valor de Caixa e seus equivalentes negativo no final do ano. Máx. 10 linhas. 3) O Relatório e Contas da empresa apresenta a seguinte informação: a) Tente explicar como é que a empresa calcula o endividamento líquido remunerado. b) O que procura explicar o indicador Dívida líquida/ EBITDA? c) Diga se concorda com o comentário e a recomendação que constam do 4º parágrafo do texto. Ano Lectivo: 2007/08 Pág. 5/14

6 Ano Lectivo: 2007/08 Pág. 6/14

7 Ano Lectivo: 2007/08 Pág. 7/14

8 Ano Lectivo: 2007/08 Pág. 8/14

9 Ano Lectivo: 2007/08 Pág. 9/14

10 RESOLUÇÃO SUCINTA Grupo I 1) A Ibersol apresentou, em 2006, custos operacionais no valor de 151,834 k, apresentando um crescimento de 15.7% (+20,622 k ) em relação ao ano anterior (custos operacionais 2005 = 131,211 k ). Estes custos são maioritariamente constituídos por Custo das Vendas (24.7% do total de custos operacionais), FSE (33.2%) e Custos com Pessoal (33.8%), ou seja, 92% dos custos são custos directamente relacionados com a actividade principal da empresa. Os restantes 8% dos custos operacionais referem-se essencialmente a Depreciações e Perdas por Imparidade. As diversas rubricas de custos tiveram crescimentos diferentes: Custo das Vendas: apresentou um crescimento de +20.2% em relação ao ano de Enquanto em 2005, este valor representava 21.4% dos proveitos operacionais, este valor aumentou em 2006 para 22.1%, o que pode indicar que os restaurantes abertos em 2006 têm uma estrutura de custos mais pesada do que a média dos restaurantes em funcionamento em 2005; Custos com Pessoal: apresentou um padrão semelhante, com crescimento de +18.4%, ou seja superior ao crescimento dos proveitos operacionais. Em 2005, esta rubrica representava 29.7% dos proveitos operacionais, enquanto em 2006 passou a representar 30.3%. FSE: esta rubrica cresceu apenas 9.3% no ano de 2006, o que pode indicar uma política agressiva de controle de custos, uma vez que este valor representava 31.6% dos proveitos operacionais em 2005 e passou a representar 29.7%. O controle de custos nesta rubrica permitiu à Ibersol absorver os aumentos registados nas outras rubricas: o crescimento dos custos operacionais registado em 2006, de 15.7%, acompanhou o crescimento da empresa de uma forma favorável, uma vez que esta tendo apresentado um crescimento dos Proveitos Operacionais de 16.3%, superior ao crescimento dos custos, permitiu à Ibersol aumentar os seus resultados Operacionais em 21.8%. Ano Lectivo: 2007/08 Pág. 10/14

11 2) UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Resultados operacionais (EBIT) 17,776,141 14,592,171 Amort, dep. e perdas de imparidade 10,008,547 9,307,177 EBITDA 27,784,688 23,899,348 RAI 15,932,867 13,570,452 + Juros suportados 1,956,896 1,110,824 RAEFI 17,889,763 14,681,276 3) 2006 % 2005 % EBITDA 27,785, % 23,899, % Resultados operacionais (EBIT) 17,776, % 14,592, % RAI 15,932, % 13,570, % Resultado líquido 11,418, % 9,566, % Total de proveitos operacionais 169,599, % 145,803, % A Ibersol apresentou em 2006 um EBITDA no valor de 27,785 k, ou seja 16.4% do total de proveitos operacionais. Este indicador é idêntico ao mesmo valor apresentado em 2005, denotando que a empresa foi capaz de manter a rentabilidade da sua actividade de restauração, com o acréscimo de proveitos registado em 2006 de +23,796 k e com um crescimento da base de custos operacionais foi inferior ao crescimento dos proveitos, facto já analisado na questão 1. O resultado operacional (EBIT) foi 10.5% em 2006, registando um aumento de +5pp em relação a Este ganho de rentabilidade resulta essencialmente do facto de a parcela de custos relacionados com Depreciações ter registado um aumento (+7.5%) muito inferior ao crescimento dos proveitos operacionais. Este ganho de rentabilidade operacional de 2006 foi consideravelmente reduzido pelo facto de os custos de financiamento terem aumentado 79.4%. Por este motivo, o RAI foi 9.4% em 2006, ou seja apenas 1pp superior ao mesmo valor de Por último, o Resultado Líquido foi 6.7% em 2006, ou seja +1pp em relação aos 6.6% de 2005, indicando que a carga fiscal da empresa não sofreu alterações significativas no ano de Ano Lectivo: 2007/08 Pág. 11/14

12 Grupo II 1) Os custos de projectos que não têm viabilidade tecnológica e comercial deverão ser levados à DR como custo do período em que são incorridos (como aliás se faz durante todo o período de pesquisa). A capitalização, que consiste na incorporação destes custos ao Activo, poderá ser feita, se e só se a entidade demonstrar: Possibilidade técnica de concluir o activo intangível afim de que esteja disponível para uso ou venda; Intenção de concluir o activo intangível e de usá-lo ou vendê-lo; Capacidade de usar/vender o bem; Explicação de como é que o activo irá gerar benefícios económicos futuros; Disponibilidade de recursos para concluir o desenvolvimento e usar ou vender o activo intangível; Capacidade de medir com confiança o gasto atribuível durante a sua fase de desenvolvimento. 2) O custo de aquisição do software é definido de acordo com as regras de valorimetria de qualquer activo, isto é, inclui o valor da factura e de todas as despesas adicionais de compra. Já a amortização em 5 anos parece demasiado longa face ao ritmo de evolução tecnológica. 3) Vantagens: o método das quotas degressivas antecipa as depreciações permitindo às empresas lucrativas posteciparem a tributação em sede de IRC. Inconvenientes: resultado líquido mais baixo com impacto em termos de imagem perante investidores, banca, e outros stakeholders. Também menor nível de dividendos. Ano Lectivo: 2007/08 Pág. 12/14

13 Grupo III 1) A empresa tem mantido nos últimos anos uma política de dividendos estáveis distribuindo sempre por acção. A empresa procura desta forma garantir anualmente uma remuneração fixa aos seus investidores à qual acrescerá a mais-valia na valorização dos títulos. 2) Ver na Demonstração das Alterações do C.P.: Transferência para Reservas e resultados transitados: 8,157,329 euros Dividendos: 1,013,633 euros 3) A incorporação de reservas não aumenta a riqueza dos accionistas a não ser pelo efeito liquidez. 4) Capital euros Capital Próprio euros Nº de acções Valor nominal euros 1,00 1,00 Valor contabilístico euros 3,00 2,53 Nota: no calculo do valor contabilístico seria mais correcto dividir o C.P. pelo (nº de accções nº acções próprias) mas não temos a informação sobre o nº de acções próprias de ) Valor de mercado 9,75 6,03 Valor de mercado/ Valor contabilístico 3,25 2,38 O valor de mercado supera em 2,38 vezes (2005) e em 3,25 (2006) vezes o valor contabilístico, indiciando activos subavaliados, nomeadamente marcas próprias. Por outro lado, os valores contabilísticos não reflectem o potencial de negócio da empresa. 6) A distribuição de dividendos faz descer imediatamente o valor de mercado de cada acção uma vez que está a ser retirada riqueza da empresa nesse montante. Ano Lectivo: 2007/08 Pág. 13/14

14 Grupo IV 1) O valor do Activo total passa de 114 para 191 milhões de euros, crescendo assim 77 milhões de euros ou seja 67%. O crescimento do Activo verificou-se particularmente nas rubricas de Activo fixo tangível, Diferenças de consolidação e Activos intangíveis indiciando a aquisição de outras empresas e eventualmente o investimento directo. 2) O Fluxo das actividades operacionais é positivo e mais do que suficiente para cobrir os juros, os dividendos e o investimento de substituição. Cobre parcialmente os investimentos realizados uma vez que o nível de investimentos é, conforme foi referido na alínea anterior, muitíssimo elevado. Para financiar estes investimentos a empresa recorreu, não só aos fluxos gerados no exercício, mas também a empréstimos obtidos e ao descoberto bancário. O saldo de caixa e seus equivalentes negativo reflecte a diferença entre o saldo activo de caixa e seus equivalentes e o descoberto bancário. 3a) O endividamento líquido remunerado: inclui o valor dos empréstimos correntes e não correntes líquido de caixa e seus equivalentes, embora em 2006 o valor reportado no texto (78,4) seja superior ao valor calculado (33,1 + 47,1 6,4 = 73,8). 3b) Divida líquida 78,4 18 EBITDA Divida líquida/ EBITDA 2,82 0,75 Resultados operacionais Amort, dep. e perdas de imparidade EBITDA Procura medir quantos anos a empresa demoraria a gerar cash-flow (óptica tradicional) suficientes para pagar a dívida. 3c) O nível de endividamento disparou em 2006 passando o P/A de 55% para 68% ainda assim valores aceitáveis. A recomendação é muitíssimo oportuna porque é evidente que a empresa dificilmente irá gerar o cash-flow necessário para pagar o empréstimo corrente. Ano Lectivo: 2007/08 Pág. 14/14

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÓMICAS E EMPRESARIAIS

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÓMICAS E EMPRESARIAIS Teste de Contabilidade Financeira II Material para consulta: Relatório Anual Consolidado 2005, Sumolis, SA Duração: 1 hora Tendo em conta a informação contida em anexo, publicada num jornal diário, bem

Leia mais

ão de Contas 2007 Apresenta Apresent ção Ibersol

ão de Contas 2007 Apresenta Apresent ção Ibersol 27 27 de Contas Ibersol Apresentação Apresenta ão AGENDA 1_ Indicadores Consolidados 2_ Portfólio de Negócios 3_ Actividade 27 4_ Resultados 27 5_ Perspectivas 28 Ibersol, Pizza Hut, Pans & Company, Burger

Leia mais

PARTE PRÁTICA (13 valores)

PARTE PRÁTICA (13 valores) PARTE PRÁTICA (13 valores) 1 - A empresa Mãe, SA, detém 80% do Capital da empresa Filha, SA, participação esta que foi adquirida, em N, por 340.000 Euros. Em 31 de Dezembro de N, as empresas do Grupo apresentavam

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA

FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Exame 1.ª época de Contabilidade Financeira 2.º semestre 2008/09 Data: 3 de Junho de 2009 Início: 8h30m Duração: 2h00m Cotação e tempo esperado de resolução:

Leia mais

O R D E M D O S A D V O G A D O S

O R D E M D O S A D V O G A D O S Códigos das contas A CE POC Custos e perdas O R D E M D O S A D V O G A D O S 2.a) CMVMC 672,00 1.302,00 2.b) 62 Fornecim.e servicos externos... 178.739,79 178.053,76 3 Custos com o pessoal: 179.411,79

Leia mais

Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2012/2013 1º Semestre Contabilidade Financeira - Turmas A e B

Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2012/2013 1º Semestre Contabilidade Financeira - Turmas A e B Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2012/2013 1º Semestre Contabilidade Financeira - Turmas A e B 20 Outubro de 2012 Duração da prova: 90 minutos 1º TESTE INTERMÉDIO Atenção

Leia mais

CONTABILIDADE II Caderno de Exercícios Método da Equivalência Patrimonial Ano Lectivo 2010/2011

CONTABILIDADE II Caderno de Exercícios Método da Equivalência Patrimonial Ano Lectivo 2010/2011 CONTABILIDADE II Caderno de Exercícios Método da Equivalência Patrimonial Ano Lectivo 2010/2011 Fevereiro 2011 EXERCÍCIO Nº 1 Aplicação do MEP 1. A entidade A adquiriu 40% do capital da entidade X por

Leia mais

Receitas Internacionais da Reditus aumentam 22,4% em 2014

Receitas Internacionais da Reditus aumentam 22,4% em 2014 Receitas Internacionais da Reditus aumentam 22,4% em 2014 Proveitos Operacionais de 120 milhões de euros (+ 6,4%) EBITDA de 11,5 milhões de euros (vs. 11,7 milhões de euros) Margem EBITDA 9,5% (vs. 10,4%)

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA I. Grupo I

CONTABILIDADE FINANCEIRA I. Grupo I CONTABILIDADE FINANCEIRA I Exame Final Equipa Docente: Data: 21 de Janeiro de 2012 Helena Brissos de Almeida Duração: 2 horas e 30 minutos Luiz Ribeiro Sofia Pereira Sílvia Cortês Catarina Moura João Freitas

Leia mais

Informação financeira 2012

Informação financeira 2012 Informação financeira 2012 ALTRI, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto NIF 507 172 086 Capital social: 25.641.459 Euros Informação financeira do terceiro trimestre

Leia mais

Empresa em análise: Ibersol

Empresa em análise: Ibersol Empresa em análise: Ibersol 26 de Agosto de 22 A Ibersol é uma empresa que se dedica ao negócio de restauração comercial, visando ser líder em Portugal nessa área.a Ibsersol é líder do sector de "fast

Leia mais

EXAME COLÉGIO DE ESPECIALIDADE DE CONTABILIDADE PÚBLICA

EXAME COLÉGIO DE ESPECIALIDADE DE CONTABILIDADE PÚBLICA EXAME COLÉGIO DE ESPECIALIDADE DE CONTABILIDADE PÚBLICA Nota: A prova é constituída por três partes Parte 1: Cotação: 8 valores (4* 2 valores por questão) Questão 1 Desenvolva o tema: Formas de registo

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa. Faculdade de Economia. Semestre de Primavera 2003/2004 FINANÇAS I. Aulas Práticas

Universidade Nova de Lisboa. Faculdade de Economia. Semestre de Primavera 2003/2004 FINANÇAS I. Aulas Práticas Universidade Nova de Lisboa Faculdade de Economia Semestre de Primavera 2003/2004 FINANÇAS I Aulas Práticas Custo de capital, Estrutura de Financiamento e Avaliação de Projectos CUSTO DE CAPITAL, ESTRUTURA

Leia mais

COMUNICADO DE FACTO RELEVANTE IMPACTO DA TRANSIÇÃO PARA AS NORMAS INTERNACIONAIS DE RELATO FINANCEIRO (IFRS)

COMUNICADO DE FACTO RELEVANTE IMPACTO DA TRANSIÇÃO PARA AS NORMAS INTERNACIONAIS DE RELATO FINANCEIRO (IFRS) SONAE INDÚSTRIA - SGPS, S.A. - Sociedade Aberta Sede: Lugar do Espido, Via Norte, Maia, Portugal Capital Social: 700 000 000 Matriculada na C. R. C. da Maia sob o nº 1067 Pessoa Colectiva nº 500 204 128

Leia mais

Preçário BANCO INVEST, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS FOLHETO DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 01-Jun-17

Preçário BANCO INVEST, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS FOLHETO DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 01-Jun-17 Preçário BANCO INVEST, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 01-Jun-17 O Preçário completo do Banco Invest, contém o Folheto de Comissões

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira do primeiro semestre de

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS (Decreto-Lei nº74/98, de 27 de Março) EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS (Decreto-Lei nº74/98, de 27 de Março) EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS (Decreto-Lei nº74/98, de 27 de Março) EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 ENTIDADE: ART - Associação Regional de Turismo dos Açores SEDE: Angra do Heroísmo N.º DE

Leia mais

Conceitos a reter. Economia e Finanças Públicas Aula T As contas e os saldos das AP. Bibliografia. Livro EFP, Cap 11 e Cap.

Conceitos a reter. Economia e Finanças Públicas Aula T As contas e os saldos das AP. Bibliografia. Livro EFP, Cap 11 e Cap. Economia e Finanças Públicas Aula T15 4.2 As contas e os saldos das AP 4.2.1 O saldo global das AP 4.2.2 A classificação económica das receitas e das despesas 4.2.3 Os saldos orçamentais EFP - ISEG 1 Conceitos

Leia mais

Quanto ao valor do emprego total na cidade, estima-se que fosse em 2000 de

Quanto ao valor do emprego total na cidade, estima-se que fosse em 2000 de 5 Estrutura Económica 5.1 Dados socioeconómicos Emprego e actividade económica na cidade Trabalhadores por conta de outrem No que se refere ao emprego, e mais concretamente à informação disponível sobre

Leia mais

Anexo à Instrução nº 15/98 CLASSE 2 APLICAÇÕES

Anexo à Instrução nº 15/98 CLASSE 2 APLICAÇÕES Anexo à Instrução nº 15/98 CLASSE 2 APLICAÇÕES Nesta classe estão incluídos todos os valores representativos do conjunto da actividade creditícia, as aplicações em títulos que não sejam imobilizações financeiras

Leia mais

Conteúdo. CONTAS INDIVIDUAIS 2015 (Montantes expressos em euros)

Conteúdo. CONTAS INDIVIDUAIS 2015 (Montantes expressos em euros) ASSOCIAÇÃO PARA O ESTUDO E INTEGRAÇÃO PSICOSSOCIAL CONTAS INDIVIDUAIS 2015 Conteúdo BALANÇO INDIVIDUAL (ESNL) EM 31.12.2015 E 31.12.2014... 4 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL DOS RESULTADOS (ESNL) PERÍODOS FINDOS

Leia mais

APESPE-RH-Assoc.Port.das Emp.do Sector Priv.de Emp.e dos Rec.Humanos ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 ÍNDICE

APESPE-RH-Assoc.Port.das Emp.do Sector Priv.de Emp.e dos Rec.Humanos ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 ÍNDICE (Montantes expressos em euros) ÍNDICE Páginas 1. Nota introdutória 2 2. Referencial contabilístico de preparação nas demonstrações financeiras 2 3. Principais políticas contabilísticas 2 4. Políticas contabilísticas,

Leia mais

ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA

ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ESTGV-IPV O Fluxo de Caixa para a Análise Financeira A análise baseada nos fluxos visa ultrapassar limitações da análise tradicional. A necessidade deste

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE ANO 2006

EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE ANO 2006 INAPA INVESTIMENTOS, PARTICPAÇÕES E GESTÃO, SA ( Sociedade Aberta ) Sede: Rua do Salitre, n.º 142, freguesia de São Mamede, Lisboa Capital social: 150 000 000 NIPC: 500 137 994 Matrícula n.º 36 338 da

Leia mais

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO - EUROPA, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor:

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO - EUROPA, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO - EUROPA, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 20-jul-16 O Preçário completo do Banco Privado Atlântico Europa, S.A., contém o Folheto

Leia mais

RECEITAS QUOTIZAÇÕES , ,80

RECEITAS QUOTIZAÇÕES , ,80 APM - Custos e Proveitos - Exercício de 2007 QUOTAS RECEITAS QUOTIZAÇÕES 123.798,80 123.798,80 SUBSÍDIOS CENTRO DE FORMAÇÃO 19.413,99 ENCONTRO NACIONAL PROFMAT/2007 50.450,00 GRUPO DE TRABALHO T3 38.132,00

Leia mais

O que aprendemos e o que é preciso fazer

O que aprendemos e o que é preciso fazer O que aprendemos e o que é preciso fazer Pedro Silva Carvalho Lisboa, 26 de Maio de 2015 Com quem estamos a trabalhar E os projectos são Criar OFICINAIS DE REPARAÇÃO & RECICLAGEM de componentes electrónicos

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Fevereiro de 2011

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Fevereiro de 2011 Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Fevereiro de 2011 Banco de Portugal divulga as Estatísticas da Balança de Pagamentos e da Posição de Investimento Internacional referentes a 2010 O Banco de

Leia mais

Resultados Porto, 2 de Abril de 2013

Resultados Porto, 2 de Abril de 2013 Resultados 2012 Porto, 2 de Abril de 2013 AGENDA: 1 Ambiente Económico 2 Indicadores Consolidados 3 Portfólio de Negócios 4 Actividade 2012 5 Demonstrações Financeiras 2012 6 Perspectivas para 2013 2 1.

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira dos primeiros nove meses

Leia mais

CONTAS INDIVIDUAIS 2015

CONTAS INDIVIDUAIS 2015 CONTAS INDIVIDUAIS 2015 Conteúdo BALANÇO INDIVIDUAL (ESNL) EM 31.12.2015 E 31.12.2014... 3 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL DOS RESULTADOS (ESNL) PERÍODOS FINDOS EM 31.12.2015 E 31.12.2014... 4 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL

Leia mais

Sistema de Incentivos Fiscais à I&D Empresarial II

Sistema de Incentivos Fiscais à I&D Empresarial II SIFIDE II Sistema de Incentivos Fiscais à I&D Empresarial II Candidaturas até 31 de Julho de 2016 Porto Rua Dr. Ernesto Soares dos Reis Nº 208, 1º Andar, Sala M 3720 256 Oliveira de Azeméis - Portugal

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA LICENCIATURA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA LICENCIATURA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS SOCIAS E POLÍTICAS UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E POLÍTICAS LICENCIATURA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTRODUÇÃO À CONTABILIDADE

Leia mais

Medidas Fiscais: Impostos sobre o Rendimento TITLE. Samuel Fernandes de Almeida

Medidas Fiscais: Impostos sobre o Rendimento TITLE. Samuel Fernandes de Almeida Medidas Fiscais: Impostos sobre o Rendimento TITLE Samuel Fernandes de Almeida 1 ÍNDICE Dados macroeconómicos / Caracterização das receitas fiscais Estrutura das receitas fiscais no Orçamento do Estado

Leia mais

Ostanel - USP MBA_FAAP_ BP S/A 1 - Exercício 2009(1)

Ostanel - USP MBA_FAAP_ BP S/A 1 - Exercício 2009(1) 11-Quadro de Estrutura Decisões 2009/1 Criação Aumento Capital 1 500 000 Dividendos Distribuídos Empréstimo 1: Montante Empréstimo 1 : Duração Empréstimo 1: Juros Empréstimo 2: Montante Empréstimo 2: Duração

Leia mais

Preçário DE LAGE LANDEN INTERNATIONAL, B.V. - SUCURSAL EM PORTUGAL SUCURSAL

Preçário DE LAGE LANDEN INTERNATIONAL, B.V. - SUCURSAL EM PORTUGAL SUCURSAL Preçário DE LAGE LANDEN INTERNATIONAL, B.V. - SUCURSAL EM PORTUGAL SUCURSAL Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 26-ago-2016 O Preçário

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS relativo às contas individuais do exercício de dois mil e nove do Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados, pessoa colectiva de direito público

Leia mais

Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2008/2009 1º Semestre Contabilidade Financeira - Turma B

Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2008/2009 1º Semestre Contabilidade Financeira - Turma B Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2008/2009 1º Semestre Contabilidade Financeira - Turma B 13 de Janeiro de 2009 Duração da prova: 120 Minutos EXAME FINAL 1ª ÉPOCA Atenção

Leia mais

Poupança e Investimento

Poupança e Investimento Poupança e Investimento Fernando Alexandre Ordem dos Economistas, Lisboa 19 de abril 2017 Poupança e Financiamento da Economia Portuguesa 1. A importância da poupança 2. Desequilíbrios e estagnação: uma

Leia mais

Caderno de Exercícios (pontos 6 e 7) Gestão 2007/2008 Departamento de Engenharia e Gestão. 6.1 Mercados

Caderno de Exercícios (pontos 6 e 7) Gestão 2007/2008 Departamento de Engenharia e Gestão. 6.1 Mercados 6.1 Mercados 1. O rendimento e os gostos são: a) Factores que determinam a oferta b) Factores que determinam a procura c) Ignorados na análise económica d) Complementares na procura e) Substitutos na procura

Leia mais

3. BASES DE APRESENTAÇÃO E PRINCIPAIS CRITÉRIOS VALORIMÉTRICOS

3. BASES DE APRESENTAÇÃO E PRINCIPAIS CRITÉRIOS VALORIMÉTRICOS NOTA INTRODUTÓRIA A Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Ermesinde (Instituição de Utilidade Pública), também denominada Bombeiros Voluntários de Ermesinde tem como objectivo principal manter

Leia mais

FUNDAÇÃO CASCAIS. Relatório de Contas. de Nº Contribuinte: Av. Clotilde, Lj 18- A Estoril

FUNDAÇÃO CASCAIS. Relatório de Contas. de Nº Contribuinte: Av. Clotilde, Lj 18- A Estoril FUNDAÇÃO CASCAIS Relatório de Contas de 2015 Nº Contribuinte: 503040843 Av. Clotilde, Lj 18- A 2765-266 Estoril FUNDAÇÃO CASCAIS Nº Contribuinte: 503040843 Av. Clotilde, Lj 18- A Estoril 2765-266 Estoril

Leia mais

COMO CALCULAR CORRETAMENTE A CAPACIDADE DE PAGAMENTO DE UMA EMPRESA NUM DETERMINADO PERÍODO

COMO CALCULAR CORRETAMENTE A CAPACIDADE DE PAGAMENTO DE UMA EMPRESA NUM DETERMINADO PERÍODO COMO CALCULAR CORRETAMENTE A CAPACIDADE DE PAGAMENTO DE UMA EMPRESA NUM DETERMINADO PERÍODO Cálculo do indicador de cobertura do serviço da dívida. Determinação da geração de caixa operacional. O ajuste

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE NO 1º TRIMESTRE DE 2007

EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE NO 1º TRIMESTRE DE 2007 INAPA INVESTIMENTOS, PARTICPAÇÕES E GESTÃO, SA ( Sociedade Aberta ) Sede: Rua do Salitre, n.º 142, freguesia de São Mamede, Lisboa Capital social: 150 000 000 NIPC: 500 137 994 Matrícula n.º 36 338 da

Leia mais

Tributação das Sociedades e do Consumo Ano Lectivo de 2011/2012 Exame Época de Recurso 15 de Fevereiro de 2012 Duração: 2 horas 30 minutos

Tributação das Sociedades e do Consumo Ano Lectivo de 2011/2012 Exame Época de Recurso 15 de Fevereiro de 2012 Duração: 2 horas 30 minutos INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO Tributação das Sociedades e do Consumo Ano Lectivo de 2011/2012 Exame Época de Recurso 15 de Fevereiro de 2012 Duração:

Leia mais

Contabilidade ESTRUTURA PATRIMONIAL SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) FLUXO DE RECURSOS. Fluxo dos recursos SÍNTESE DO FUNCIONAMENTO DAS CONTAS

Contabilidade ESTRUTURA PATRIMONIAL SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) FLUXO DE RECURSOS. Fluxo dos recursos SÍNTESE DO FUNCIONAMENTO DAS CONTAS ESTRUTURA PATRIMONIAL Patrimônio = Bens + Direitos ( ) Obrigações SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) Ativo ( ) Passivo = Situação Líquida (Patrimônio Líquido) FLUXO DE RECURSOS ATIVO Aplicação dos Recursos

Leia mais

RESULTADOS 9 MESES DE 2009

RESULTADOS 9 MESES DE 2009 RESULTADOS 9 MESES DE 2009 11 DE NOVEMBRO DE 2009 MANUEL FERREIRA DE OLIVEIRA Do sucesso para novos desafios ENVOLVENTE DE MERCADO Resultados dos 9 meses de 2009 RECESSÃO ECONÓMICA AFECTA DRIVERS DE RESULTADOS

Leia mais

FOLHETO DE TAXAS DE JURO

FOLHETO DE TAXAS DE JURO FOLHETO DE TAXAS DE JURO Clientes Particulares 17 CONTAS DE DEPÓSITO 19 17.1. Depósitos à ordem 17.2. Depósitos a prazo CONTAS DE DEPÓSITO 19.1. Depósitos à ordem 19.2. Depósitos a prazo Outros clientes

Leia mais

Formulário de Candidatura

Formulário de Candidatura Formulário de Candidatura Finicia do Concelho de Vila Nova de Cerveira (a preencher pela XXX) N.º de Processo: Data de Entrada : (a preencher pela entidade receptora) Entidade Receptora : Local e data

Leia mais

Relatório e Contas - 1º TRIMESTRE 2016 (não auditadas)

Relatório e Contas - 1º TRIMESTRE 2016 (não auditadas) IBERSOL SGPS, SA Sociedade Aberta Sede: Praça do Bom Sucesso, 105/159, 9º, Porto Capital social: 20.000.000 Euros Matriculada na Conservatória do Registo Comercial do Porto sob o número único de matrícula

Leia mais

MESTRADO EM GESTÃO DE EMPRESAS

MESTRADO EM GESTÃO DE EMPRESAS MESTRADO EM GESTÃO DE EMPRESAS Sistemas de Informação Contabilística e Financeira Documentação avulsa de apoio 2007/2008 Contabilidade O que é? Ciência? Técnica? Instrumento? uma boa solução, como sistema

Leia mais

Gráfico 1: Taxas de juro dos depósitos de curto prazo das IFM e uma taxa de juro de mercado equivalente

Gráfico 1: Taxas de juro dos depósitos de curto prazo das IFM e uma taxa de juro de mercado equivalente - 5 - Gráfico 1: Taxas de juro dos depósitos de curto prazo das IFM e uma taxa de juro de 2.5 1.5 0.5 à ordem das famílias com prazo até 1 ano das famílias com pré-aviso até 3 meses das famílias à ordem

Leia mais

FOLHETO DE TAXAS DE JURO

FOLHETO DE TAXAS DE JURO FOLHETO DE TAXAS DE JURO Clientes Particulares Outros clientes 17 CONTAS DE DEPÓSITO 19 CONTAS DE DEPÓSITO 17.1. Depósitos à ordem 19.1. Depósitos à ordem 17.2. Depósitos a prazo 19.2. Depósitos a prazo

Leia mais

Rede Ferroviária Nacional REFER, EPE Apresentação Resultados março de 2015

Rede Ferroviária Nacional REFER, EPE Apresentação Resultados março de 2015 Rede Ferroviária Nacional REFER, EPE Apresentação Resultados 2014 março de 2015 A REDE FERROVIÁRIA NACIONAL REFER, E.P.E. (REFER) é uma sociedade emitente de valores mobiliários que se encontram admitidos

Leia mais

IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS)

IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) ALTERAÇÕES AO IRS, IRC, IMPOSTO DO SELO E LGT A Lei 55-A/2012, de 29 de Outubro introduziu alterações relevantes no Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS), Imposto sobre o Rendimento das

Leia mais

VII - ELEMENTOS CONTABILÍSTICOS

VII - ELEMENTOS CONTABILÍSTICOS Anexo à Instrução nº 4/96 VII - ELEMENTOS CONTABILÍSTICOS 1. ELEMENTOS PARA PUBLICAÇÃO OFICIAL 1.1. Balanço de situação, relativo à actividade global, evidenciando os resultados provisórios, reportado

Leia mais

Poupança e financiamento da economia portuguesa

Poupança e financiamento da economia portuguesa Poupança e financiamento da economia portuguesa Fernando Alexandre (U Minho), Luís Aguiar-Conraria (U Minho), Miguel Portela (U Minho) e Pedro Bação (U Coimbra) Associação Portuguesa de Seguradores 21

Leia mais

IN 371/2002 Estudo de Viabilidade (Claro Telecom Participações S.A)

IN 371/2002 Estudo de Viabilidade (Claro Telecom Participações S.A) IN 371/2002 Estudo de Viabilidade (Claro Telecom Participações S.A) São Paulo, SP 30 de Setembro de 2014 1 IN CVM 371/2002 CPC 32 Planos de Longo Prazo 2014-2024 Ativos Fiscais Diferidos Realização Ativos

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço BALANÇO DOS EXERCÍCIOS 2014 E 2013 ACTIVO Notas Activo Bruto Amortizações / Provisões Activo Líquido Activo Líquido IMOBILIZADO: Imobilizações incorpóreas: Despesas de instalação

Leia mais

Caraterização da indústria das bebidas em Portugal. Mário Lourenço Núcleo de Análise Setorial 27 janeiro 2017 Vila Real

Caraterização da indústria das bebidas em Portugal. Mário Lourenço Núcleo de Análise Setorial 27 janeiro 2017 Vila Real Caraterização da indústria bebi em Portugal Mário Lourenço Núcleo de Análise Setorial 27 janeiro 2017 Vila Real I. Estrutura e dinâmica II. Indicadores económico-financeiros III. O caso do Vinho do Porto

Leia mais

4. Para efeitos de consolidação de contas, é política do Grupo utilizar, entre outras, as seguintes taxas para cômputo das amortizações anuais:

4. Para efeitos de consolidação de contas, é política do Grupo utilizar, entre outras, as seguintes taxas para cômputo das amortizações anuais: LEC110 CONTABILIDADE II CAPÍTULO IV CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS EXERCÍCIO 1 DADOS 1. A EMPRESA A é uma unidade industrial transformadora que, sem qualquer outra participação de capital, constituiu há vários

Leia mais

Preçário. VW Bank GmbH - Sucursal Portugal SUCURSAL. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário. VW Bank GmbH - Sucursal Portugal SUCURSAL. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário VW Bank GmbH - Sucursal Portugal SUCURSAL Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 01-Jan-2017 O Preçário completo do VW Bank GmbH

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO DE TOMAR. Contabilidade Financeira I Exame

ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO DE TOMAR. Contabilidade Financeira I Exame 1 ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO DE TOMAR ================================================================================ Cursos: AUDITORIA E FISCALIDADE e GESTÃO DE EMPRTESAS Contabilidade Financeira I Exame

Leia mais

CAPÍTULO 7. Anexo. Nota 1

CAPÍTULO 7. Anexo. Nota 1 CAPÍTULO 7 Aneo As contas dos fundos devem dar uma imagem verdadeira e apropriada da sua situação financeira e dos resultados das operações. Ao proporcionarem uma informação de grande síntese, a simples

Leia mais

Análise das empresas da indústria das bebidas. Mário Lourenço Núcleo de Análise Setorial 24 de fevereiro de 2017

Análise das empresas da indústria das bebidas. Mário Lourenço Núcleo de Análise Setorial 24 de fevereiro de 2017 Análise da indústria bebi Mário Lourenço Núcleo de Análise Setorial 24 de fevereiro de 2017 I. Estrutura e dinâmica II. Atividade e rendibilidade III. Situação financeira 2 24 fevereiro 2017 Estrutura

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA

FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Exame 1.ª época de Contabilidade Financeira 1.º semestre 2008/09 Data: 13 de Janeiro de 2009 Início: 11h30m Duração: 2h00m Cotação e tempo esperado de

Leia mais

Empréstimos e Financiamentos

Empréstimos e Financiamentos Empréstimos e Financiamentos 1. Introdução São operações realizadas entre a empresa e instituições financeiras, visando tomar destas, recursos para investimentos (imobilizações) ou capital de giro, mediante

Leia mais

VAL = /1, /1, /1,331 = 550 >0 => Investir!

VAL = /1, /1, /1,331 = 550 >0 => Investir! ISCTE IBS LICENCIATURA EM GESTÃO FINANÇAS DA EMPRESA RESOLUÇÃO EXAME 1ª ÉPOCA CASO 1 (7,5 valores) Uma empresa está a estudar a viabilidade de um projecto de expansão com as seguintes projecções financeiras

Leia mais

Economia Pública. Cálculo Financeiro

Economia Pública. Cálculo Financeiro Economia Pública 1º Semestre 2010/11 Cálculo Financeiro Só se podem somar valores monetários que se reportem ao mesmo momento do tempo. Para isso deveremos actualizar todos os valores ou capitaliza-los

Leia mais

Portugal - Contas Públicas sob controlo nos primeiros meses de 2017

Portugal - Contas Públicas sob controlo nos primeiros meses de 2017 Portugal - Contas Públicas sob controlo nos primeiros meses de 2017 E.E.F. Mercados Financeiros Julho 2017 Défice aumentou EUR 359 milhões até Maio, na óptica de caixa; em contabilidade nacional, os números

Leia mais

ENDIVIDAMENTO E INCUMPRIMENTO NO CRÉDITO BANCÁRIO AO CONSUMO

ENDIVIDAMENTO E INCUMPRIMENTO NO CRÉDITO BANCÁRIO AO CONSUMO ENDIVIDAMENTO E INCUMPRIMENTO NO CRÉDITO BANCÁRIO AO CONSUMO UM ESTUDO DE CASO CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS DA FACULDADE DE ECONOMIA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Fevereiro de 2002 Índice Introdução... 1 1.

Leia mais

Caixa Geral de Depósitos, SA

Caixa Geral de Depósitos, SA 164 Relatório e Contas 2011 CGD 1.13. Demonstrações Financeiras Individuais e Consolidadas Balanços Individuais (*) 31.12.2011 Pro forma 31.12.2010 Pro forma 01.01.2010 ATIVO Notas (a) Ativo bruto Provisões,

Leia mais

20. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (OUTROS CLIENTES) (ÍNDICE)

20. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (OUTROS CLIENTES) (ÍNDICE) 20.1. Linhas de crédito e contas correntes Empréstimos a taxa variável 1. Conta - corrente 2. Empréstimo MLP Taxa Anual Nominal (TAN) 4,75 p.p. a 10,25 p.p. 6,50 p.p. a 10,25 p.p. Taxa Anual Efectiva (TAE)

Leia mais

RESULTADOS - 3º TRIMESTRE 2016

RESULTADOS - 3º TRIMESTRE 2016 IBERSOL SGPS, SA Sociedade Aberta Sede: Praça do Bom Sucesso, 105/159, 9º, Porto Capital social: 24.000.000 Euros Matriculada na Conservatória do Registo Comercial do Porto sob o número único de matrícula

Leia mais

Análise Económica e Financeira

Análise Económica e Financeira A n á l i s e e c o n ó m i Análise Económica e Financeira c a e f i n a n c e i r a Relatório e Contas 2012 Página 90 Síntese de resultados Página 91 Evolução da conta de exploração As demonstrações financeiras

Leia mais

INSTRUÇÃO RELATIVA À APRESENTAÇÃO DE DESPESAS DE COLABORADORES

INSTRUÇÃO RELATIVA À APRESENTAÇÃO DE DESPESAS DE COLABORADORES Nº : Versão : 24 Agosto 2012 INSTRUÇÃO RELATIVA À APRESENTAÇÃO DE DESPESAS DE COLABORADORES 1I ENQUADRAMENTO A presente instrução define as regras de tratamento de despesas, que nos termos dos Regulamentos

Leia mais

Preçário. Volkswagen Bank GmbH - Sucursal Portugal SUCURSAL. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário. Volkswagen Bank GmbH - Sucursal Portugal SUCURSAL. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário Volkswagen Bank GmbH Sucursal Portugal SUCURSAL Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 05Maio2017 O Preçário completo do VW Bank

Leia mais

IDN - Incubadora de Empresas de Idanha-a-Nova

IDN - Incubadora de Empresas de Idanha-a-Nova IDN - Incubadora de Empresas de Idanha-a-Nova Formulário de Candidatura N.º de Processo Data de Entrada Denominação Social Pessoa a contactar Nome: Função: Telefone Fax Ass: IDENTIFICAÇÃO DO PROMOTOR/EMPRESA

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS relativo às contas individuais do exercício de dois mil e oito do Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados, pessoa colectiva de direito público

Leia mais

BALANÇA DE PAGAMENTOS Balança de Pagamentos Externos de Portugal Valores Líquidos Base de transacções Balança de Pagamentos Externos

BALANÇA DE PAGAMENTOS Balança de Pagamentos Externos de Portugal Valores Líquidos Base de transacções Balança de Pagamentos Externos ÍNDICE DE QUADROS Parte I ESTATÍSTICAS MONETÁRIAS E FINANCEIRAS Balanço do Banco de Portugal Dez 1947-Dez 1956... 11 Balanço do Banco de Portugal Dez 1957-Dez 1965... 12 Balanço do Banco de Portugal Mar

Leia mais

FOLHETO DE TAXAS DE JURO

FOLHETO DE TAXAS DE JURO FOLHETO DE TAXAS DE JURO Clientes Particulares Outros clientes 17 CONTAS DE DEPÓSITO 19 CONTAS DE DEPÓSITO 17.1. Depósitos à ordem 19.1. Depósitos à ordem 17.2. Depósitos a prazo 19.2. Depósitos a prazo

Leia mais

BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 (Montantes expressos em milhares de Kwanzas Angolanos)

BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 (Montantes expressos em milhares de Kwanzas Angolanos) BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 (Montantes expressos em milhares de Kwanzas Angolanos) ACTIVO 2013 2012 Disponibilidades 50,707,848 53,115,360 Aplicações de liquidez - Operações no Mercado Monetário

Leia mais

DOS MAIORES DE 23 ANOS NOME:

DOS MAIORES DE 23 ANOS NOME: Notas: Apresente o seu documento de identificação. Coloque o nome em todas as folhas. Leia atentamente cada questão antes de iniciar a sua resposta. Grupo 1 [10 VALORES] Relativamente a cada questão, assinale

Leia mais

ANÚNCIO DOS RESULTADOS CONSOLIDADOS EM 2003

ANÚNCIO DOS RESULTADOS CONSOLIDADOS EM 2003 CIMPOR-CIMENTOS DE PORTUGAL, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua Alexandre Herculano, 35 1250-009 LISBOA Capital Social: 672.000.000 Euros Registada na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa, sob

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 (Montantes expressos em euros) 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da Entidade CASFIG Coordenação de Âmbito Social

Leia mais

Imobilizaçoes corpóreas: Edificios e outras construções

Imobilizaçoes corpóreas: Edificios e outras construções DESIGNAÇÕES EXERCÍCIOS 1º SEM 01 1º SEM 00 AMORTIZAÇÕES ACT.BRUTO ACT.LÍQUIDO ACT.LÍQUIDO E PROVISÕES IMOBILIZADO ACTIVO Imobilizações incorporeas: Despesas de instalação 384 261 180 982 203 279 32 821

Leia mais

Informação financeira 2012

Informação financeira 2012 Informação financeira 2012 ALTRI, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto NIF 507 172 086 Capital social: 25.641.459 Euros Informação financeira do primeiro trimestre

Leia mais

CAPÍTULO 7 Anexo. Nota 1

CAPÍTULO 7 Anexo. Nota 1 CAPÍTULO 7 Aneo As contas dos fundos devem dar uma imagem verdadeira e apropriada da sua situação financeira e dos resultados das operações. Ao proporcionarem uma informação de grande síntese, a simples

Leia mais

ARCTEL RELATÓRIO E CONTAS ANO 2015

ARCTEL RELATÓRIO E CONTAS ANO 2015 ARCTEL Associação de Reguladores de Comunicações e Telecomunicações da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa RELATÓRIO E CONTAS ANO 2015 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE Designação da entidade ARCTEL - Associação

Leia mais

Contabilidade Financeira I. Capítulo 3

Contabilidade Financeira I. Capítulo 3 Contabilidade Financeira I 2014/2015 LG, LFC, LE, LGIL, LGM, LGRH Capítulo 3 Resolução dos casos Resolução dos casos (*) Caso 3.01 Corticeira Amorim Caso 3.02 Media Capital Caso 3.03 Delta Cafés Caso 3.04

Leia mais

Demonstração de Fluxos de Caixa Análise. Consolidação Relações entre empresas Consolidação integral Consolidação proporcional Equivalência patrimonial

Demonstração de Fluxos de Caixa Análise. Consolidação Relações entre empresas Consolidação integral Consolidação proporcional Equivalência patrimonial AULA 11 Demonstração de Fluxos de Caixa Análise Consolidação Relações entre empresas Consolidação integral Consolidação proporcional Equivalência patrimonial - Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º

Leia mais

a) b) c) d) NOME: NÚMERO: GRUPO I (10 Valores) VERSÃO A 1/7 FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO LICENCIATURA EM GESTÃO

a) b) c) d) NOME: NÚMERO: GRUPO I (10 Valores) VERSÃO A 1/7 FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO LICENCIATURA EM GESTÃO OBSERVAÇÕES: (i) A duração da prova é de 2 horas; (ii) Não é permitida a consulta de quaisquer elementos, nem são prestados quaisquer esclarecimentos; (iii) Responda ao Grupo I na tabela constante desta

Leia mais

Regras Técnicas

Regras Técnicas Regras Técnicas 2007-2008 2008 Considerando o regime de atribuição de bolsas de estudo a estudantes do Ensino Superior Público, determino os critérios e procedimentos técnicos a adoptar pelos Serviços

Leia mais

EXAME COLÉGIO DE ESPECIALIDADE DE CONTABILIDADE FINANCEIRA

EXAME COLÉGIO DE ESPECIALIDADE DE CONTABILIDADE FINANCEIRA EXAME COLÉGIO DE ESPECIALIDADE DE CONTABILIDADE FINANCEIRA Observações: 1. Deve arbitrar os dados que, em seu entender, faltem ou não estejam suficientemente clarificados. 2. Cotação da prova: Parte teórica:

Leia mais

20. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (OUTROS CLIENTES)

20. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (OUTROS CLIENTES) 20.1. Linhas de crédito e contas correntes Taxa anual nominal (TAN) Taxa anual efetiva (TAE) Outras condições Empréstimos a taxa variável 1. Conta Corrente Conta Corrente 2. Linha Protocolo SAFIAGRI -

Leia mais

Identificação do Aluno:

Identificação do Aluno: INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO Tributação das Sociedades e do Consumo Ano Lectivo de 2011/2012 Exame Época de Recurso 1 de Fevereiro de 2012 Duração:

Leia mais

RELATÓRIO DE CONTAS DE 2010

RELATÓRIO DE CONTAS DE 2010 Resumo Antes de discriminar em pormenor as várias rubricas deste mapa, saliente-se a diferença positiva entre os valores activos e passivos, como se pode constatar dos valores abaixo discriminados: ACTIVO

Leia mais

Formulário de Candidatura

Formulário de Candidatura SECRETARIA REGIONAL DA INCLUSÃO E ASSUNTOS SOCIAIS INSTITUTO DE EMPREGO DA MADEIRA, IP-RAM DIRECÇÃO DE PLANEAMENTO E PROMOÇÃO DE EMPREGO Formulário de Candidatura EMPRESAS DE INSERÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO DE TOMAR. Contabilidade Financeira I Frequência

ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO DE TOMAR. Contabilidade Financeira I Frequência 1 ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO DE TOMAR ================================================================================ Cursos: AUDITORIA E FISCALIDADE e GESTÃO DE EMPRTESAS Contabilidade Financeira I Frequência

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS relativo às contas individuais do exercício de dois mil e seis, do Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados, pessoa colectiva de direito público

Leia mais