PAULO ROBERTO RUFINO PEREIRA. Formação de professores para a docência online: desafio comunicacional da mediação docente

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PAULO ROBERTO RUFINO PEREIRA. Formação de professores para a docência online: desafio comunicacional da mediação docente"

Transcrição

1 1 PAULO ROBERTO RUFINO PEREIRA Formação de professores para a docência online: desafio comunicacional da mediação docente 2011

2 2 PAULO ROBERTO RUFINO PEREIRA Formação de professores para a docência online: desafio comunicacional da mediação docente Dissertação apresentada à coordenação do Minter entre Estácio de Sá e Instituto Federal do Sudeste de Minas Gerais como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre em Educação. Orientador: Prof. Dr. Marco Silva Juiz de Fora 2011

3 3 P436 Pereira, Paulo Roberto Rufino Formação de professores para a docência online: desafio comunicacional na mediação docente Paulo Roberto Rufino Pereira. Rio de Janeiro, f.; 30 cm. Dissertação (Mestrado em Educação) Universidade Estácio de Sá, 2011.

4 4

5 5. Dedico este trabalho aos meus pais Jésus e Ieda, que sempre acreditaram e me incentivaram, e à minha família, que me apoiou incondicionalmente.

6 6 AGRADECIMENTOS À minha esposa Vera, que esteve ao meu lado sempre! Pelas horas cedidas, pelas viagens não realizadas. Aos meus filhos Kamila, Felipe, Marcela e Matheus, pelo apoio e compreensão e por, mesmo precisando de minha ajuda e orientação, terem sabido entender que este projeto é da família. Aos meus irmãos Leo, Rosely e Edney, que, mesmo a distância, estiveram ao meu lado. Aos colegas da equipe e-tec Brasil do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais Campus Juiz de Fora, que muito contribuíram para realização deste projeto. Em especial ao professor Daniel José Gregole e Gilberto de Castro Timotheo. À minha amiga e fonte de inspiração, Maria da Graça Martins Guerra, que me apoiou nas horas mais difíceis. Aos diretores do antigo CTU e agora Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais Campus Juiz de Fora, por terem viabilizado este projeto Minter. Ao amigo Wilson dos Santos Almeida, por ter sido o precursor do mestrado na Unesa e com quem pude compartilhar minhas angústias e alegrias. Aos meus colegas de Minter, por tudo que passamos juntos. Ao meu orientador, Prof. Dr. Marco Silva, que, com muita compreensão, generosidade e principalmente competência, viabilizou este trabalho. Aos professores doutores Célio Alves Espíndola e Alberto José da Costa Tornaghi, que gentilmente aceitaram o convite para participar da banca examinadora. Aos professores da equipe pedagógica e docentes-formadores do curso de Formação para Docência Online, que contribuíram com suas experiências para minha formação e dissertação.

7 7 RESUMO Formação de professores para a docência online: desafio comunicacional da mediação docente A falta de formação específica para docência na modalidade educacional via internet se agrava com a crescente oferta de cursos online no Brasil. Essa formação é rara e costuma subutilizar as potencialidades comunicacionais da internet favoráveis à mediação da aprendizagem. Este estudo tem como objetivo investigar o perfil comunicacional da mediação docente em um curso de extensão de formação de professores para docência online, oferecido pelo programa e-tec Brasil. De acordo com esse objetivo, foram definidas as questões de estudo: a) verificar junto aos docentes como eles entendem as potencialidades comunicacionais próprias do ambiente virtual de aprendizagem exploradas no curso; b) averiguar como o desenho didático construído e o uso das interfaces de comunicação online contribuíram com a mediação docente realizada; c) mapear as correlações entre as estratégias comunicacionais da mediação docente desenvolvidas no curso e a participação e a colaboração dos aprendizes. O referencial teórico da pesquisa foca os conceitos: cibercultura, ciberespaço, interação, interatividade, hipertexto, complexidade e docência online. A metodologia adotada está baseada na abordagem histórico-cultural e na pesquisa qualitativa. Os instrumentos de coleta de dados são a observação e a entrevista. A técnica utilizada é a análise de conteúdo. Os resultados revelaram a necessidade de uma agenda de engajamentos específicos na formação de professores para docência online: a) objetivar as proposições de atividades em consonância com tal perfil comunicacional dos cursistas; b) assegurar a modalidade comunicacional interativa nas diversas interfaces do AVA; c) construir o desenho didático atento a usabilidade, intratextualidade, intertextualidade, multilinearidade, multivocalidade e a integração de várias linguagens; d) desenvolver trabalhos em grupo e situações de aprendizagem colaborativa; e) mobilizar a experiência do conhecimento e do enfrentamento dos desafios próprios da comunicação entre docentes e discentes. Finalmente, conclui que a formação de professores para docência online precisa ser promovida amplamente, atenta à exclusão digital de muitos professores e ser capaz de modificar heranças negativas da formação presencial baseada no modelo transmissivo. Palavras-chave: Docência online. Formação de professores. Cibercultura. Interatividade

8 8 ABSTRACT Training teachers to teach online: communicational challenge of teaching mediation. The lack of specific training for teachers in educational mode via the Internet is exacerbated by the increasing availability of online courses in Brazil. This training is rare and often underuse the potential of internet communication favorable to learning mediation. This study aims to investigate the communication profile of teaching mediation in an extension course for training teachers for teaching online, offered by the e-tec Brazil program. In accordance to this objective, the study questions were defined: a) to check with teachers how they understand the communicational potentialities proper to learning management system that they have used in the course, b) to examine how the didactic design built and the use of online communication interfaces contributed to the teaching mediation held, c) to map the correlations among communication strategies of teaching mediation developed in the course and learners participation and collaboration. The theoretical references of this research focuses on the concepts: cyberculture, cyberspace, interaction, interactivity, hypertext, complexity, and teaching online. The methodology is based on historical-cultural approach and qualitative research. The instruments of data collection are observation and interview. The technique used is content analysis. The results revealed the need for an agenda of specific commitments in training teachers for teaching online: a) to objectify the activity proposals in line with such communicational profile of the course participants, b) to ensure the communicational interactive mode across the different interfaces of Learning Management System (LMS) c) build didactic design aware of usability, intratextuality, intertextuality, multilinearity, multivocality and integration of several languages, d) to develop group work and collaborative learning situations, e) to mobilize the experience of knowledge and of coping with the challenges of the communication between teachers and students. Finally, it concludes that the training teachers for online teaching needs to be widely promoted, aware of the digital divide from many teachers and to be able to modify the negative heirdom of classroom training based on the transmission model. Keywords: Teaching online. Teacher training. Cyberculture. Interactivity.

9 9 Lista de figuras Figura 1: Sistematização dos saberes Figura 2: Curso de formação para a docência online Figura 3: Aula Figura 4: Aula Figura 5: Aula Figura 6: Aula Figura 7: Aula Figura 8: Aula Figura 9: Aula Figura 10: Fórum como espaço de discussão Figura 11: Fórum como espaço de interação social Figura 12: Chat como espaço de bate-papo Figura 13: O histórico do chat no AVA Moodle Figura 14: Glossário colaborativo Figura 15: A midiateca Figura 16: Livro hipertextual Figura 17: O portfólio Figura 18: Página inicial do Moodle do IF Sudeste MG Figura 19: Principais funções em curso Figura 20: Acrescentar recurso Figura 21: O livro Figura 22: Página da web Figura 23: O vídeo Figura 24: O rótulo Figura 25: O tutorial Figura 26: Guia de funcionalidades Moodle Figura 27: Inserir recurso Figura 28: Link a um arquivo PDF Figura 29: Link a revistas Figura 30: Acrescentar atividade Figura 31: Banco de dados Figura 32: O chat Figura 33: A escolha... 96

10 10 Figura 34: O fórum Figura 35: O glossário Figura 36: A lição Figura 37: A avaliação Figura 38: O questionário Figura 39: O pacote SCORM/AICC Figura 40: A tarefa Figura 41: A wiki Figura 42: O livro hipertextual Figura 43: A avaliação Figura 44: A motivação Figura 45: A pedagogia da transmissão Figura 46: A interatividade Figura 47: Perfil dos nossos alunos Figura 48: Andamento do fórum Figura 49: Como ser um docente online

11 11 Lista de tabelas Tabela 1: A comunicação Tabela 2: Equipe de produção interdisciplinar Tabela 3: Distinção entre educação presencial e via internet Tabela 4: Formação para ciência online Tabela 5: Eficácia da educação a distância via internet Tabela 6: Fórum Tabela 7: Fórum Tabela 8: Fórum Tabela 9: Fórum Tabela 10: Fórum A comunicação Tabela 11: Fórum A comunicação Tabela 12: Fórum Tabela 13: Fórum Tabela 14: Relação de discussão presencial e online Tabela 15: Atividades propostas pelos formadores Tabela 16: Fórum

12 12 Lista de gráficos Gráfico 1: Correlação turmas 1 e Gráfico 2: Correlação turmas 4 e Gráfico 3: Correlação turmas 5 e Gráfico 4: Correlação turmas 7 e Gráfico 5: Correlação turmas 2 e Gráfico 6: Idade dos cursistas e função exercida no e-tec Gráfico 7: Recursos mais utilizados no computador Gráfico 8: Cursistas que lecionam ou lecionaram disciplinas via internet Gráfico 9: Recursos mais utilizados na plataforma Moodle Gráfico 10: Idade, função exercida e experiência com docência online Gráfico 11: Expectativas dos cursistas em relação ao curso Gráfico 12: Participações de cursistas e formandos Gráfico 13: Ações dos cursistas Gráfico 14: Atividades propostas formadores Gráfico 15: Ações por atividade

13 13 Lista de siglas AVA Ambiente virtual de aprendizagem CC Conected computer Cederj Consórcio de Educação a Distância do Estado do Rio de Janeiro EaD Educação a distância E-Tec Brasil Escola Técnica Aberta do Brasil HTML Hypertext Markup Language LMS Learning Management System MEC Ministério da Educação e Cultura PC Personal computer PPG Programa de pós-graduação SEED Secretaria de Educação a Distância Setec Secretaria de Educação Técnica e Tecnológica TICs Tecnologias de Informação e Comunicação UAB Universidade Aberta do Brasil Unesa Universidade do Estácio de Sá UFF Universidade Federal Fluminense ZDP Zona de desenvolvimento proximal

14 14 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO Apresentação O problema Objetivos A revisão de literatura Justificativa Referencial teórico A cibercultura e o ciberespaço Interação e interatividade Hipertexto e complexidade O caminho percorrido O paradigma adotado Seleção do campo e sujeitos da pesquisa A coleta e análise dos dados A observação As entrevistas Análise de dados O CENÁRIO COMUNICACIONAL NA CIBERCULTURA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES PARA A DOCÊNCIA ONLINE A web 2.0 e as redes sociais Cibercultura e ciberespaço e as redes sociais Interação, interatividade, hipertexto e complexidade Desafios da educação online: saberes docentes e indicadores de interatividade Desafios da docência online: saberes do desenho didático A METODOLOGIA E O CONTEXTO DA PESQUISA O campo de pesquisa Apresentação do campo de pesquisa A correlação entre as participações de docentes e cursistas...68

15 A escolha da metodologia Dispositivos metodológicos Coleta de dados Análise de dados Os sujeitos da pesquisa O ambiente virtual de aprendizagem Moodle O ENFRENTAMENTO DOS DESAFIOS COMUNICACIONAIS DA MEDIAÇÃO DOCENTE ONLINE As potencialidades comunicacionais próprias do AVA utilizado no curso na visão dos docentes O desenho didático e o uso das tecnologias digitais online As correlações entre as estratégias comunicacionais da mediação docente utilizadas e a participação e colaboração dos aprendizes CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS GLOSSÁRIO...147

16 16 1 INTRODUÇÃO 1.1 Apresentação Natural de Juiz de Fora (MG), leciono matemática desde Meu primeiro contrato como professor foi celebrado junto à Escola Estadual Raulino Pacheco, em Rio Novo (MG). Naquela época, cursava matemática na Universidade Federal de Juiz de Fora. Desde então, tenho atuado no magistério e convivo com as dificuldades em professorar, especialmente matemática. Apesar de ter cursado as cadeiras pedagógicas da licenciatura plena em matemática, isso pouco mudou a minha prática em sala de aula, como se houvesse uma lacuna entre o que se ensinava nas disciplinas pedagógicas e a práxis de sala de aula. Assim, continuei professorando e, durante anos, construí os saberes necessários para atuar como docente em sala de aula presencial. Mas tal realidade viria a mudar, a partir de uma nova experiência com a modalidade de educação a distância (EaD). A partir de 2007, comecei atuar na EaD, ministrando a disciplina matemática financeira no curso de administração do projeto-piloto do Banco do Brasil, o que provocou mudança em minha vida profissional em dois aspectos. O primeiro, relativo à minha formação específica em matemática. Eu lecionava para funcionários do Banco do Brasil e servidores da Universidade Federal de Juiz de Fora que cursavam a graduação em administração na modalidade a distância. Eles estavam imersos em uma prática bancária e administrativa que eu desconhecia, o que demandou a busca de atualização e formação específica para professorar nessa área. O segundo e principal aspecto diz respeito à minha formação para docência na modalidade de EaD, o que praticamente não existia. A EaD entendida como uma modalidade educacional que conta com a mediação de tecnologias da informação e comunicação em ambientes virtuais de aprendizagem (AVA), tendo estudantes e professores desenvolvendo atividades educativas em lugares e tempos diversos. Eu pouco conhecia das tecnologias de informação e comunicação, dos ambientes virtuais de aprendizagem, de suas interfaces e de como utilizá-las no processo de educação e de aprendizagem dos alunos. Faltava-me saber como construir projetos pedagógicos que viessem a favorecer o diálogo entre professor e aluno e entre os alunos, diálogo esse estabelecido normalmente na sala de aula presencial. Ainda em 2007 fui convidado a participar do seminário de lançamento do Edital do Programa Escola Técnica Aberta do Brasil (e-tec Brasil), em Curitiba (PR). Idealizado pelo MEC a partir do modelo da Universidade Aberta do Brasil (UAB), versava sobre a formação

17 17 técnica em nível médio, na modalidade a distância. Ao retornar de Curitiba, trouxe para o Instituto Federal do Sudeste de Minas Gerais Campus Juiz de Fora a proposta de adesão ao programa, que foi aceita por sua direção geral. Trabalho nesse Instituto Federal desde 1997, onde coordeno o Núcleo de Educação a Distância. O núcleo possui matrículas de alunos distribuídos em três cursos técnicos a distância: Técnico em Enfermagem, Técnico em Serviços Públicos e Técnico em Segurança do Trabalho. Porém os professores que atuam nesses cursos não receberam capacitação adequada para atuar nessa modalidade de educação e, de forma recorrente, fazem a transposição de suas práticas da educação presencial para a educação a distância, subutilizando as diversas possibilidades comunicacionais das interfaces do ambiente virtual de aprendizagem. Eles não sabem como construir desenhos didáticos que favoreçam a interação e a colaboração dos alunos nem como criar estratégias comunicacionais para incentivar a participação dos aprendizes nessa modalidade de ensino. Assim me propus a estudar os desafios comunicacionais da formação de professores para docência online, tema desta pesquisa, esperando contribuir para a formação continuada de professores e para minha própria formação. 1.2 O problema No Brasil vivemos o boom da EaD no ensino superior, nomeadamente na graduação e pós-graduação lato sensu, favorecido pela demanda social, pela oferta cada vez maior de cursos nas instituições públicas e privadas, mas, principalmente, pela legislação que regulamenta essa modalidade educacional no país. Tal legislação está em constante processo de transformação desde 1996, quando foi promulgada a Lei n (LDB), que autoriza, em seu art. 80, a EaD como modalidade de ensino. Mas é a partir da Portaria n , de 10 de dezembro de 2004, do Ministério da Educação (MEC), com o reconhecimento de até 20% da carga horária dos cursos superiores reconhecidos, que a EaD passa por enormes transformações. Merece destaque ainda outra portaria do MEC, a de n , de 29 de dezembro de 2004, que regulamenta o processo de credenciamento de instituições de ensino para o uso regular de EaD em seus cursos, e o Decreto n , de 19 de dezembro de 2005, que regulamenta o art. 80 da LDB, definindo a política oficial de educação a distância no país. Em seu primeiro artigo, esse decreto define a EaD como uma modalidade educacional que conta com a mediação de tecnologias da informação e comunicação em ambientes virtuais de

18 18 aprendizagem, tendo estudantes e professores desenvolvendo atividades educativas em lugares e tempos diversos. Assim, a partir da promulgação da LDB, a educação no Brasil ganha novas possibilidades, em particular a educação técnica de nível médio na modalidade a distância, que é contemplada a partir do Decreto n , de 12 de dezembro de 2007, que institui o programa e-tec Brasil. A fim de conhecer melhor a realidade da formação técnica no país e a empregabilidade dos técnicos egressos das escolas, foi realizada uma pesquisa 1, pelo MEC, junto a exalunos de 130 instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica. Do total de alunos de nível médio que, entre 2003 e 2007, estudaram em escolas técnicas federais, 72% estão empregados. Destes, 65% trabalham em sua área de formação. A continuidade dos estudos e a adequação da formação profissional recebida, também foram tema da pesquisa nacional de egressos dos cursos técnicos da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica. O percentual dos que qualificaram a formação recebida como boa e ótima foi de 90%. Os resultados da pesquisa comprovam o grau de excelência da rede federal de educação profissional e tecnológica, afirma Eliezer Moreira Pacheco, secretário de Educação Profissional e Tecnológica do MEC. Ao comentar a pesquisa, o secretário disse 2 : Eu arriscaria dizer que não há técnico de nível médio desempregado no país, há os que optaram por outras atividades. No último levantamento que fizemos, havia 2 mil postos de trabalho no país não ocupados por falta de mão de obra qualificada. O Brasil ainda importa um grande número de técnicos estrangeiros para trabalhar aqui. Interessante notar que, em relação às alterações ocorridas no mundo do trabalho, originadas principalmente da revolução industrial-tecnológica, pode-se dizer que promoveram profundas modificações na organização do processo produtivo no contexto da globalização e, consequentemente, grandes mudanças no modo de se preparar para o mercado de trabalho. Neste sentido, Duarte (2008, p. 10) observa: A qualificação dos trabalhadores e a capacitação da força de trabalho ganharam destaque e, com isso, emergem uma flexibilidade e uma instabilidade do emprego formal. A ameaça de desemprego em um mercado 1 Pesquisa Nacional de Egressos dos Cursos Técnicos da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica ( ). Disponível em Acesso em 27 abr Publicado em Acesso em 27 abr

19 19 de trabalho desregulamentado e instável confere à empresa o poder de negociação (e/ou imposição) em relação às formas e condições de trabalho. Nesse sentido, observa-se uma tendência no crescimento dos desafios que testam a capacidade do profissional de se manter em condição de vender seu conhecimento, uma vez que este novo padrão exige-lhe qualidade, flexibilidade e maior produtividade, para se manter empregável. Oliveira e Gomes (2006) observam que a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, enquanto política pública para o setor, apresenta a necessidade de localizar a formação profissionalizante diante da nova ordem mundial do capital. Para as autoras, a educação profissionalizante, na visão do governo e dos empresários, [...] surge neste momento como forte mecanismo de inserção e reinserção no mercado de trabalho, além de proporcionar um conjunto de competências que melhorem a empregabilidade dos trabalhadores. A educação é vista como elemento essencial para o desenvolvimento do sistema produtivo, estratégica para o desempenho econômico da população, elemento central à formação, capacitação, qualificação ou requalificação dos trabalhadores e possivelmente a alternativa principal para o ingresso do país no novo cenário internacional (OLIVEIRA; GOMES, 2006, p. 2 e 3). Assim, por meio da reorganização curricular e de conteúdos, as instituições formadoras públicas e privadas de mão de obra deverão dar conta de atender ao mercado de trabalho que busca trabalhadores capazes de assumir uma atitude mais propositiva e colaborativa, trabalhando em equipe, demonstrando iniciativa e prontidão para o contínuo aprendizado, além do domínio técnico de suas atividades. O que se percebe, a partir das mudanças ocorridas no mundo do trabalho relativas à qualificação e requalificação do trabalhador, é o deslocamento no foco de sua formação profissional. Para além do domínio técnico de suas atividades, o que se deseja é a formação técnica para as demandas mundiais. É nesse contexto que MEC institui o programa e-tec Brasil, atento às demandas sociais emergentes e à falta de mão de obra especializada. Como política de estado, o e-tec Brasil tem a finalidade de expandir a rede de escolas técnicas no país, interiorizando a oferta destes cursos em regiões distantes dos grandes centros formadores de mão de obra especializada. O edital do programa integra o Plano de Desenvolvimento da Educação PDE (BRASIL, 2009), e em sua estrutura destacam-se dois encaminhamentos: Os municípios, os estados e o Distrito Federal podem apresentar propostas de adequação de escolas de ensino fundamental, ensino médio e escolas técnicas para que as mesmas sediem como polos de apoio presencial os cursos de educação profissional técnica de nível médio, na modalidade a distância.

20 20 As instituições públicas municipais, estaduais e que ministram ensino técnico de nível médio (universidades, centros de educação tecnológica, faculdades de tecnologia, escolas técnicas e escolas agrotécnicas) apresentam seus projetos de cursos a serem ofertados na modalidade a distância. Logo, o programa funciona em regime de colaboração entre União, estados, Distrito Federal e municípios, por meio da oferta a distância de cursos técnicos de nível médio e de formação continuada para professores da educação profissional. Os cursos são ministrados por instituições públicas federais, estaduais ou municipais de ensino técnico de nível médio, e o MEC é responsável pela assistência financeira em sua elaboração. Já os estados, Distrito Federal e municípios ficarão com as despesas de estrutura, equipamentos, recursos humanos e a manutenção das atividades nos polos de apoio presencial. Segundo resultado preliminar, publicado no Diário Oficial da União em fevereiro de 2008, 174 cursos foram préselecionados e classificados em três grupos, além de 74 instituições proponentes, entre elas Centros Federais de Educação Tecnológica (Cefets), Escolas Agrotécnicas Federais (EAF), secretarias estaduais, universidades, unidades vinculadas e Escola Técnica Federal. Dos 288 polos pré-selecionados, o MEC escolheu 250 para início imediato das atividades. A capacidade de atendimento prevista era de 200 mil vagas. A meta era instituir cursos em cerca de mil escolas até Em 2008, o programa iniciou o financiamento dos projetos aprovados com R$ 45 milhões de capital e custeio e R$ 29,3 milhões em bolsas, totalizando um orçamento de R$ 68,3 milhões. Entre os objetivos do e-tec Brasil, destaca-se democratizar, expandir e interiorizar a oferta de cursos de educação profissional técnica, públicos e gratuitos, de nível médio e na modalidade de educação a distância. Entretanto, será que existe a formação específica do quadro docente das instituições federais, estaduais e municipais para a mediação da aprendizagem via internet? Tal formação específica do quadro docente se refere à exploração ampla das possibilidades comunicacionais das interfaces dos ambientes virtuais de aprendizagem, à construção de desenho didático específico para EaD e à utilização de estratégias comunicacionais de mediação docente para promover a participação e a colaboração dos aprendizes. 1.3 Objetivos Objetivo geral

21 21 Investigar como se deu o enfrentamento dos desafios comunicacionais durante a mediação docente no curso de extensão para Formação de Professores para Docência Online, oferecido pelo programa e-tec Brasil. Objetivos específicos Levantar junto aos docentes como eles entendem as potencialidades comunicacionais próprias do ambiente virtual de aprendizagem que utilizaram no curso; Averiguar como o desenho didático construído e o uso das tecnologias digitais online contribuíram para corroborar a modalidade comunicacional interativa utilizada na mediação docente estabelecida no curso em questão. Investigar as correlações entre as estratégias comunicacionais da mediação docente utilizadas nesse curso e a participação e a colaboração dos aprendizes, a partir das sugestões de interatividade feitas aos docentes e discutidas anteriormente. 1.4 A revisão de literatura Batista Jr (2009) observa que os cursos com apoio da internet estão cada vez mais presentes nas universidades, apesar de se observarem, no cotidiano dessas instituições, rejeições de professores e estudantes às disciplinas ministradas na modalidade online. Partindo dessa constatação, sua pesquisa buscou investigar as reações dos alunos às aulas de um curso de graduação oferecidas na modalidade online. O autor aponta os seguintes resultados: [...] as reações mais frequentes se manifestam como insatisfações, tanto dos estudantes quanto dos professores, à falta de interação aluno aluno e professor aluno e à qualidade do conteúdo das aulas; o planejamento didático restrito apenas aos professores conteudistas não contemplou a participação dos docentes na sua elaboração; a disposição das interfaces para a participação do alunado é desestimulante; os professores questionam seu papel na nova modalidade de educação (BATISTA JR, 2009, p. 9). Os resultados obtidos pelo autor revelam que há necessidade urgente de se repensar e rever o que vem sendo praticado por alunos e professores nas disciplinas online no que se refere às interações entre alunos e entre professores e alunos, à qualidade dos conteúdos, ao planejamento do desenho didático, às disposições das interfaces do AVA para promover a participação dos alunos, bem como de implementar programas de formação continuada para

22 22 os docentes que atuam nessa modalidade. Sobre esse aspecto, Rodrigues (2009) afirma que a educação online emerge no contexto sociotécnico contemporâneo, marcado pelo computador conectado em rede, que favorece novas relações sociais com o saber. Porém o que se tem, nessa modalidade educativa, em larga escala, é a concepção de educação baseada na transmissão de conteúdos fechados para a autoaprendizagem. Seu estudo teve como objetivo analisar saberes e práticas expressados na docência online. A metodologia adotada foi baseada na abordagem histórico-cultural como norteadora da pesquisa qualitativa, e os resultados, segundo Rodrigues (2009, p. 7), indicam que: [...] na modalidade online os saberes e fazeres docentes situados na perspectiva da interatividade se manifestam quando há utilização expressiva de interfaces de compartilhamento e de colaboração; os saberes do docente online são plurais e agrupam-se em saberes epistemológicos, saberes didáticos, saberes tecnológicos; a interatividade, além de um saber, é o alicerce de outros saberes. Como conclusão, a autora afirma que, [...] com base nesses resultados, a pesquisa pretende contribuir com o debate sobre qualidade na educação online, quando o investimento na oferta dessa modalidade supera o investimento na formação específica do seu corpo docente (RODRIGUES, 2009, p. 9). Em seu trabalho intitulado Saberes docentes em ambientes virtuais de aprendizagem, Pereira (2008) buscou refletir sobre a itinerância docente em educação online com o objetivo de compreender a natureza dos saberes docentes e sua construção no contexto da cibercultura, evidenciando suas lacunas e possibilidades. Sua abordagem metodológica foi a etnopesquisa formação, tendo como método o estudo de caso. Segundo Pereira (2008, p. 7), A pesquisa mostra a importância de o docente estar imerso no contexto digital, interagir, questionar e refletir sobre a dinâmica da cibercultura. A pesquisa mapeou alguns saberes docentes oriundos do contexto da cibercultura e os principais dilemas vivenciados pelos professores nesse cenário. Os resultados da pesquisa apontam a necessidade de mais investimentos de pesquisa na área e, decorrente disso, a construção de um estatuto de conhecimentos sobre a docência online no que se refere à modalidade comunicacional da mediação docente, à construção de desenhos didáticos de um curso online, às estratégias comunicacionais da mediação docente para promover a participação e a colaboração dos aprendizes. Nesse sentido, Sacramento (2007), em sua pesquisa Docência online: rupturas e possibilidades para a prática educativa,

23 23 trouxe reflexões sobre as experiências com a docência online, nas quais se discutiram as concepções de docência constituídas por meio das práticas de professores e professoras nos cursos realizados em ambiente online e como esta modalidade contribui para modificar as outras formas de docência. Seu objetivo foi o de compreender qual é a concepção de docência que vem permeando a prática educativa de professores e professoras que atuam em cursos online. Sua abordagem metodológica foi a pesquisa-formação, alicerçada na etnopesquisa crítica/formação. Segundo Sacramento (2007, p. 8), o [...] trabalho evidenciou a docência online [...] como espaço multirreferencializado, no qual o processo de ensinar/aprender é permeado pela multiplicidade de profissionais, de diversas áreas do conhecimento, localidades, desejos, saberes, afetividade e histórias de vida diferenciadas. A docência online [...] é uma pedagogia fundamentada nos princípios da educação online, como conjunto de ações de ensino-aprendizagem por meios telemáticos, [...] que permitem a participação-intervenção, a bidirecionalidade hibridação e a permutabilidade, sendo os pressupostos dessa pedagogia comunicacional interativa. Constatou-se, ainda, que o chat é uma importante interface pedagógica para a docência online e outras formas de docência. As conclusões da autora apontam para os fundamentos da interatividade: a participação intervenção, a bidirecionalidade hibridação e a permutabilidade como princípio ativo do processo de aprendizagem na educação online. Para Silva (2010, p. 254), a educação, em sua função de socializar e promover a participação e a colaboração do sujeito, ganha com a mudança paradigmática na teoria e na pragmática comunicacionais. Nesse cenário, nós, professores, precisamos nos preparar para que nossa mensagem não seja meramente assistida, mas que possa ser recomposta ou modificada pelas intervenções do aprendiz. Com isso, ele afirma que podemos revitalizar nosso ofício construindo em cada situação de aprendizagem a expressão dos fundamentos da comunicação interativa, ou seja: Participação intervenção: Participar não se restringe a responder sim ou não ou escolher uma opção dada [...]. Participar é interferir em sua mensagem, é construir coletivamente a comunicação e a aprendizagem; Bidirecionalidade hibridação: Comunicar pressupõe bidirecionalidade entre professor e aprendiz. [...]. Diante dos conteúdos de aprendizagem, os dois polos codificam e decodificam, colaboram e cocriam. Permutabilidade potencialidade: O professor oferece múltiplas redes articulatórias para construção da comunicação e do conhecimento [...] permitindo ao aprendiz ampla liberdade para permutar, virtualizar, simular associar e significar (SILVA, 2010, p. 254).

24 24 Assim, conclui-se que há um descompasso entre a formação de docentes e a crescente oferta de cursos na EaD, além da necessidade urgente de se repensar e rever os papéis de alunos e professores nas disciplinas online, a importância em implementar programas de formação continuada para os docentes que atuam nessa modalidade; a necessidade de mais investimentos de pesquisa na área e, decorrente disso, a construção de um estatuto de conhecimentos que desvele e contribua para enfrentar os desafios da mediação docente online com relação à utilização dos ambientes virtuais de aprendizagem, ao desenho didático interativo para o uso das tecnologias digitais online e à formulação de estratégias comunicacionais para promover a participação e a colaboração dos aprendizes. Em relação à mediação docente, Silva (2010, p. 85) nos oferece um quadro que faz uma distinção oportuna entre a modalidade comunicacional tradicional unidirecional e a interativa: Tabela 1: A COMUNICAÇÃO MODALIDADE UNIDIRECIONAL MENSAGEM: fechada, imutável, linear, e sequencial. EMISSOR: contador de histórias, narrador que atrai o receptor (de maneira mais ou menos sedutora e/ou por imposição) para seu universo mental, seu imaginário, sua récita. MODALIDADE INTERATIVA MENSAGEM: é modificável, está sempre em mutação na medida em que responde às solicitações daquele que a manipula. EMISSOR: designer de software, constrói uma rede (não uma rota) e define um conjunto de territórios a explorar, ele não oferece uma história a ouvir, mas um conjunto intrincado (labirinto) de territórios abertos a navegações e dispostos a interferências, a modificações. RECEPTOR: assimilador passivo. RECEPTOR: usuário, manipula a mensagem como coautor, cocriador, verdadeiro conceptor. Segundo esse autor, a interatividade, como nova modalidade comunicacional emergente no final do século XX, surge a partir da verificação de que em nosso tempo opera uma significativa modificação na esfera das comunicações. Trata-se da transição da modalidade comunicacional massiva para a interativa. A comunicação engendrada pelos meios de massa rádio, cinema, imprensa e televisão sedimentou uma pragmática e uma teoria assentadas no mesmo paradigma que separa a emissão da recepção (SILVA, 2010, p. 9), próprio da lógica da distribuição 3. Tal prática perde terreno com a emergência da lógica da comunicação como um fenômeno da sociedade da informação. O conceito de sociedade da 3 Segundo Silva (2010, p.10), as expressões lógica da distribuição e lógica da comunicação são de Maire MARCHAND, Les paradis informacionnels: du Minitel aux services de communication du futur. Paris: Masson, 1986, p. 47.

25 25 informação diz respeito ao novo contexto sócio-econômico-tecnológico 4 concebido a partir do início da década de 1980, cuja característica geral é a não mais centralidade da produção fabril, mas da informação como nova infraestrutura básica, como um novo modo de produção. Este conceito comporta também a percepção de que a produção em massa cede espaço à produção segmentada, em rede (SILVA, 2010, p. 10). A comunicação interativa é, portanto, um desafio para a educação centrada no paradigma da transmissão (SILVA, 2010), um desafio que se desdobra em três, assim formulados por Martín-Barbero (1997, apud SILVA, 2010, p. 84 e 85): O professor terá que se dar conta do hipertexto: Uma escritura não sequencial, uma montagem de conexões em rede que, ao permitir/exigir uma multiplicidade de recorrências, transforma a leitura em escritura; O professor terá que saber que, em lugar de substituir, o hipertexto vem potenciar sua figura e seu ofício; O professor terá que saber que não se trata de hipostasiar o novo paradigma, mas torná-lo em recursão com o tradicional [...]. Há uma mudança nos protocolos e processos de leitura, mas que o livro de papel em seu paradigma linear, sequencial, não pode ser invalidado. Trata-se, portanto do desafio que consiste em conhecer e adotar a modalidade comunicacional interativa e, ao mesmo tempo, não invalidar o paradigma clássico que predomina na escola (SILVA, 2010, p. 85). Para Bordenave (1983), o desafio, a partir da modalidade comunicacional, está na diversidade de opções pedagógicas para mediação docente, das quais ele destaca três: a pedagogia da transmissão 5, a pedagogia do condicionamento e a pedagogia da problematização. A pedagogia da transmissão, baseada na modalidade comunicacional tradicional unilateral, própria dos meios de comunicação de massa, é realidade e está arraigada nas instituições escolares. Tal pedagogia parte da premissa de que os professores 4 O contexto sócio-econômico-tecnológico a que se refere Silva pode ser assim caracterizado: Na esfera tecnológica, diz respeito ao avanço das tecnologias informáticas conversacionais; na esfera econômica, ao marketing e à propaganda; e na esfera social, ao fim da pregnância da passividade da recepção diante da emissão do produto acabado (SILVA, 2010, p.10). 5 Silva, no artigo Indicadores de interatividade para o professor presencial e on-line (2004), citando Anísio Teixeira, diz: [...] num primoroso texto avançado em seu tempo, Anísio Teixeira deixa claro que o professor deveria lançar mão dos novos recursos tecnológicos e dos meios audiovisuais não para transmitir conteúdos, ao contrário, buscaria neles rompimento com a pedagogia da transmissão. Ou seja, rádio, cinema e televisão irão transformar o mestre no estimulador e assessor do estudante. De guardião e transmissor da cultura, o mestre seria transformado, [...] em guia de aprendizagem [...]. Em lugar de transmitir pacotes de informações em sala de aula, o mestre, a par da dinâmica do conhecimento em permanente expansão, poderia ensinar ao jovem aprendiz a aprender (SILVA, 2004, p. 2 e 3).

26 26 são detentores do conhecimento, do saber, e os alunos uma tábula rasa à espera da recepção dos conhecimentos transmitidos pelos professores. Na pedagogia do condicionamento, baseada também na modalidade comunicacional massiva, a ênfase está nos resultados comportamentais. Baseia-se no estímulo recompensa, com objetivo de condicionar o aluno, que, em geral, emite respostas condicionadas pelas informações dadas pelo professor; não questiona objetivos e métodos; não problematiza a realidade. A pedagogia da problematização, baseada na modalidade comunicacional interativa, parte do princípio de que estamos em um mundo em constantes transformações e estimula o desenvolvimento das capacidades de observação, análise, avaliação, etc., o intercâmbio, a cooperação, a superação de conflitos nas atividades em grupo. A partir do exposto por Silva (2010) e Bordenave (1983), pode-se perceber a existência de duas modalidades comunicacionais, a massiva e a interativa. Tais modalidades poderão ser adotadas pelo professor em sala de aula presencial ou não e irão caracterizar a pedagogia adotada como transmissiva/de condicionamento, baseada na modalidade de comunicação massiva, ou da problematização, baseada na modalidade de comunicação interativa. Portanto, as três concepções pedagógicas expostas estão complexamente ligadas à modalidade comunicacional adotada e nos mostra que os alunos poderão ser formados em sala de aula, como repetidores das informações recebidas, por meio de treinamento comportamentalista, ou como cidadãos conscientes de seus papéis no mundo, questionadores, críticos e solucionadores de problemas. Paulo Freire (1979, p. 38) critica a transmissão massiva como modalidade comunicacional, quando afirma que o professor ainda é um ser superior que ensina a ignorantes. Isto forma uma consciência bancária [sedentária, passiva]. O educando recebe passivamente os conhecimentos, tornando-se um depósito do educador. Critica o ensino que não estimula a expressão criativa e transforma o estudante no receptor passivo que perdeu a capacidade de ousar. Pois, quem apenas fala e jamais ouve; quem imobiliza o conhecimento e o transfere a estudantes, [...] quem ouve o eco apenas de suas próprias palavras [...], não tem realmente nada que ver com libertação nem com democracia (FREIRE, 1982, p. 30 e 31). Assim, ensinar não é a simples transmissão do conhecimento em torno do objeto ou do conteúdo. Transmissão que se faz muito mais através da pura descrição do conceito do objeto a ser mecanicamente memorizado pelos alunos (FREIRE, 1992, p. 81). Nesse sentido, Silva (2004) afirma que continuamos guardiões e transmissores da cultura, transmissores de pacotes fechados de informações em sala de aula presencial e a distância. Educamos para arquivar o que depositamos nas mentes dos nossos alunos. Assim,

27 27 cristalizando a consciência bancária que pensa que, quanto mais se distribui, mais se apropria do conhecimento. Em outros termos, Lévy (2008) afirma que hoje a principal função do professor não pode mais ser a propagação de conhecimentos, ainda que esta agora seja feita de forma mais eficaz pelos meios digitais de informação e comunicação. Já Silva (2006) diz que os alunos estão exigindo uma nova ambiência de aprendizagem, eles migram da tela da TV, que não permite sua interferência, para a tela do computador conectado à internet. Evitam acompanhar argumentos lineares que não permitem a sua intervenção e lidam facilmente com a linguagem digital. Essa atitude menos passiva diante da mensagem é sua exigência de uma nova sala de aula e determina a necessidade de formação específica de professores atentos a essas transformações. Assim, a educação via internet vem se apresentando como grande desafio para os professores acostumados ao modelo clássico de ensino, baseado na predominância da oratória do mestre ou da pedagogia da transmissão (SILVA, 2006, 2010). Silva (2010) afirma que, para enfrentar o desafio de uma formação em sintonia com a modalidade comunicacional interativa emergente, o professor deve cuidar de sua autoria. Ele apresenta algumas sugestões para promover a interatividade, mobilizadoras de ações concretas em favor da expressão livre e plural em ambientes da docência e aprendizagem colaborativas: Disponibilizar múltiplas experimentações, múltiplas expressões: promover trabalhos em grupos colaborativos, favorecendo a participação coletiva em debates presenciais e online, garantindo a exposição de argumentos e o questionamento das afirmações; Disponibilizar uma montagem de conexões em rede que permite múltiplas ocorrências: fazer uso de diferentes suportes e linguagens midiáticos (texto, som, vídeo, computador, internet) em mixagens e em multimídia, presenciais e online, garantindo um território de expressão e aprendizagem labiríntico, porém de fácil navegação, e permitindo que o aprendiz conduza suas explorações. Provocar situações de inquietação criadora: promover ocasiões que despertem a coragem do enfretamento em público diante de situações que provoquem reações individuais e em grupos e ao mesmo tempo respeitar a diversidade plural das ideias; incentivar a participação dos estudantes na resolução de problemas apresentados de forma autônoma e cooperativa, problemas também voltados para o desenvolvimento de competências que possibilitem ao aprendiz ressignificar ideias, conceitos e procedimentos.

28 28 Arquitetar colaborativamente percursos hipertextuais: articular o percurso da aprendizagem em rotas diferentes, multidisciplinares e transdisciplinares, porém reconectáveis a qualquer momento por mecanismo de associação; disponibilizar os dados do conhecimento exuberantemente conectados e em múltiplas camadas ligadas a pontos que facilitem o acesso e o cruzamento de informações e de participações. Mobilizar a experiência do conhecimento: modelar os domínios do conhecimento como espaços conceituais, nos quais os aprendizes possam construir seus próprios mapas e conduzir suas explorações, considerando os conteúdos como ponto de partida e não ponto de chegada no processo de construção do conhecimento; promover atividades que propiciem não só a livre expressão, o confronto de ideias e a colaboração entre os estudantes, mas que permitam, também, o aguçamento da observação e da interpretação das atitudes dos atores do processo, a partir das experiências, dos conhecimentos e das expectativas que os aprendizes possuem. Referindo-se às sugestões anteriores, Silva (2010, p. 257, grifos do autor) afirma que com essas agendas de engajamento, podemos potencializar nossa autoria com atos de comunicação capazes de contemplar o perfil da cultura do digital e as exigências da educação cidadã. Atento aos desafios comunicacionais emergentes a partir cibercultura, do ciberespaço e do hipertexto e ao descompasso entre a formação do quadro docente e a crescente oferta de cursos a distância, o MEC ofereceu o primeiro curso de capacitação de gestores em EaD para o programa e-tec Brasil. O objetivo foi capacitar gestores regionais para atender aos cursos oferecidos pelas instituições de ensino participantes do programa, além de estabelecer um processo de capacitação inicial e continuada em EaD e educação profissional. O conteúdo estudado no curso, que começou em fevereiro de 2008, foi dividido em três módulos (gestão pedagógica, material didático e gestão acadêmica), com 60 horas a distância para cada disciplina. A carga horária total é de 212 horas/aula, sendo 180 a distância e 32 presenciais. Aqueles que concluíram o primeiro curso receberam formação em gestão pedagógica, material didático e gestão acadêmica. Entretanto, após o término do curso ocorreu a reivindicação de formação mais profunda dos professores e gestores. Assim, a Secretaria de Educação a Distância (SEED 6 ) do MEC promoveu, em nível nacional, o curso Formação de 6 O Ministério da Educação (MEC) anunciou, no dia 18 de janeiro, diversas alterações em sua estrutura que incluem a proposta de extinção da Secretaria de Educação a Distância (SEED), que, desde a saída de Carlos Eduardo Bielschowsky, no final de 2010, vem sendo ocupada interinamente por José Guilherme Moreira Ribeiro, até então diretor de Infraestrutura em Tecnologia Educacional do próprio órgão. Acesso em 2 de maio de 2011.

29 29 Professores para Docência Online visando à formação de professores da rede federal para atuar na docência online, o que o caracteriza como metalinguístico Justificativa O professor precisa preparar-se para professorar online. O peso histórico da pedagogia da transmissão exigirá em contrapartida a formação continuada e profunda, capaz de levá-lo a redimensionar sua prática docente, ficando claro que não basta ter o computador conectado em alta velocidade de acesso e amplo fornecimento de conteúdos para assegurar qualidade na educação. Em vez de transmitir meramente, ele precisará aprender a disponibilizar múltiplas experimentações e expressões, além de montar conexões em rede que permitam múltiplas ocorrências; deverá ser um formulador de problemas, provocador de situações, arquiteto de percursos, mobilizador da experiência do conhecimento (SILVA, 2006). A supervalorização dos computadores online no cotidiano das pessoas é indiscutível, constituindo novas práticas comunicacionais como a utilização de s, listas de discussão, weblog, jornalismo online, webcam, chat e as redes sociais (Orkut, MSN, Twitter, Facebook, etc.). A formação continuada de professores para a educação online é demanda da sociedade conectada em redes de computadores online. Em sintonia com essa nova ordem, o professor precisará contribuir para preparar e incluir criticamente os cidadãos no contexto social e técnico do nosso tempo. Para isso, deverá formar-se continuadamente, o que justifica essa pesquisa que visa a identificar qual a modalidade comunicacional da mediação docente via internet e de que maneira ela potencializa a mobilização, as competências e a autonomia para a construção de estratégias pedagógicas apropriadas para a mediação docente. Assim, investigar os desafios da modalidade comunicacional estabelecida na mediação docente via internet é uma forma de orientar as políticas públicas no sentido da oferta de cursos para a formação inicial e continuada de técnicos, professores e gestores, a fim de atenderem às demandas da nova ordem social estabelecida a partir dos computadores online, das redes sociais e, em particular, aos objetivos das ações governamentais implantadas, como 7 Em lógica e linguística, uma metalinguagem é uma linguagem usada para descrever algo sobre outra (s) linguagens (linguagens objeto). Modelos formais sintáticos para descrição gramatical, e.g. gramática gerativa, são um tipo de metalinguagem. De modo mais amplo, uma metalinguagem pode referir-se a qualquer terminologia ou linguagem usada para descrever uma linguagem em si mesma uma descrição gramatical, por exemplo, ou uma discussão sobre o uso de uma linguagem. Acesso em 5 de maio de 2011.

30 30 é o caso do programa e-tec Brasil. Para tanto, será necessário levantar junto aos docentes do curso Formação de Professores para Docência Online como entendem as possibilidades comunicacionais próprias do ambiente virtual de aprendizagem e como utilizar essas possibilidades na construção de um desenho didático favorável à mediação docente, à participação e à colaboração dos aprendizes. 1.6 Referencial teórico Conforme Alves-Mazzotti e Gewandsznajder (2000), considera-se que contar com um esquema conceitual anterior à coleta de dados é de grande utilidade para a identificação de aspectos relevantes e relações significativas nos eventos observados. Assim, o referencial teórico desta pesquisa tem como conceitos: a modalidade comunicacional discutida anteriormente, a cibercultura e o ciberespaço, interação e interatividade, hipertexto e complexidade e docência online. Todos articulados, apresentados e discutidos por autores contemporâneos, como Freire (2009), Lévy (2008), Moran (2000), Morin (2007), Primo (2009), Santos (2002), Silva (2004; 2006; 2010) e outros, que contribuíram e contribuem para a compreensão atual do tema A cibercultura e o ciberespaço A passagem dos computadores pessoais para os computadores coletivos conectados à internet contribuiu e contribui para definir uma nova organização da sociedade. Na denominada sociedade em rede encontramos a cibercultura caracterizada por Pierre Lévy (2008) como um conjunto de técnicas, de práticas, de atitudes, de modos de pensamento e de valores que se desenvolvem juntamente com o crescimento do ciberespaço, o novo meio de comunicação que surge da interconexão mundial de computadores, a internet. Assim, ciberespaço e cibercultura determinam o rompimento paradigmático com a prática secular da mídia de massa baseada na transmissão, na distribuição para o receptor massificado. O ciberespaço permite ao indivíduo, ligado à rede, comunicação personalizada, operativa e colaborativa de forma hipertextual. Nesse novo contexto social e tecnológico, o site não deve ser assistido e sim manipulado, pois pressupõe imersão e participação intervenção do indivíduo experiência incomum na mídia de massa. Mas, ainda assim, os cursos online herdeiros da pedagogia da transmissão subutilizam as disposições

31 31 comunicacionais do ciberespaço e a demanda comunicacional da cibercultura (RODRIGUES, 2009). A cibercultura, para Lemos (2008), é uma forma sociocultural que emerge da relação simbiótica entre a sociedade, a cultura e as novas tecnologias, que surgiram com a convergência das telecomunicações com a informática na década de O ciberespaço é o hipertexto mundial interativo, onde cada um pode modificar partes dessa estrutura telemática, como um texto vivo, um organismo que se organiza. Parece haver uma convergência das definições de sociedade em rede, cibercultura e ciberespaço e consenso em relação à mudança do paradigma comunicacional ocorrida a partir delas. Ocorre que, diante dessa nova ordem comunicacional, surgem desafios que precisam ser observados e enfrentados, como alerta Trivinho (2009). Para esse autor, o homem precisa acompanhar constantemente as atualizações tecnológicas impostas pela indústria em uma incessante corrida para garantir sua permanência no ciberespaço, caso contrário estará condenado à exclusão digital. Apesar de paradoxal diante dos avanços tecnológicos da nossa época, ela revela a lógica que se estabeleceu no mundo contemporâneo, a da velocidade. Não basta apenas ter acesso ao computador e saber informática. Trivinho (2009) questiona a democracia da internet quando afirma que há senhas por questões de segurança e restrições de acesso a áreas privadas por um custo econômico, que seleciona os que podem e não podem ter acesso. Por outro lado, a época exige conhecimentos específicos, que devem ser traduzidos em uma prática interativa, própria de um comportamento de contínuo acesso, de fluência e de rapidez. São conhecimentos pragmáticos para usar o hardware, o software e a rede, necessários para operar os dispositivos da era da velocidade. Para Trivinho, a cibercultura é uma configuração social-histórica, uma nova realidade antropológica e política, um quase sinônimo propriamente de sociedade ou de organização social, portanto, é mais do que objetos, processos, comportamentos e relações internos ao ciberespaço. Porém, como consequência dessa exigência para a vida das pessoas, se estabelece uma pressão social, pois o sujeito precisa apropriar-se desses conhecimentos para incorporar-se no mercado de trabalho, mesmo para exercer cargos para os quais não é necessário saber informática. A época requer não só conhecimentos convencionais, como os das ciências da natureza, mas também o domínio de tecnologias. Trata-se de uma violência simbólica, mas no sentido mais sutil. A violência da cibercultura se realiza como pressão social, que vem de todos os lados e de lugar nenhum. O indivíduo sabe que não tem chances se não dominar as senhas infotécnicas: o computador, o

32 32 protocolo de acesso, uma prática de continuidade e o conhecimento conforme a exigência da época (TRIVINHO, 2009) Interação e interatividade O conceito de interatividade é de fundamental importância para o estudo da comunicação mediada por computador e de todas as áreas que lidam com a interação homem máquina e homem homem via computadores conectados pela internet. Contudo, existem diversas definições que às vezes mais confundem que esclarecem. Segundo Primo e Cassol (1999), o apelo mercadológico ao termo interatividade traz uma compreensão errada de sua definição. Os programas de TV em que o espectador responde sim ou não, cinemas em que as cadeiras balançam, videogames que respondem ao joystick, entre outros, não são exemplos de interatividade. Eles entendem que as tecnologias disponíveis permitem a implementação de ambientes de intensa interação, onde os integrantes podem agir criativamente entre eles. Para os autores citados, as palavras interação e interatividade possuem o mesmo significado, assim como as palavras relação e relacionamento, e, quanto às suas abordagens em ambientes informáticos, nos vários ramos de pesquisa, eles percebem uma ênfase na capacidade da máquina, uma valorização da potencialidade técnica. Ainda que bem intencionadas, muitas pesquisas têm voltado seu interesse para os usuários, contudo, eles advertem que, ao tentar modelar certos estilos cognitivos restritos às possibilidades da programação do computador, as pessoas acabam por criar uma ilusão de interação, de diálogo. Eles chamam a atenção para as interações mútuas através do computador ligado em rede via internet como palco para negociações e conflitos de ideias. Tem-se aí o que chamam de debate virtualizante e a relação entre interagentes em espiral (não como um círculo fechado), possibilitada através das interfaces dos computadores ligados em rede. Para Multigner (1994), o conceito de interação vem da física, foi incorporado pela sociologia, pela psicologia social e, finalmente, no campo da informática, transmuta-se em interatividade. Já para Tinland (1997), interatividade designa mais que interações sobre as quais repousa a estabilidade do mundo físico ou biológico. Silva (2010) entende, a partir das contribuições de Multigner e Tinland (1994, 1997), que o termo interatividade foi posto em destaque com a finalidade de especificar um tipo singular de interações. Em sua opinião, não se trata da migração de um conceito para o outro, como Costalat-Founeau (1985), em seu

33 33 posicionamento pessoal, diz que, no campo da psicologia social, migra do conceito de interação para o de interatividade. A partir das contribuições de Costalat-Founeau (1985), a noção de interação parece marcada por um caráter restritivo e redutor, por estar centrada sobre a ideia da preocupação com o equilíbrio das fontes, necessária à manutenção dos sistemas, como se a ação recíproca dos atores estivesse regulada por um contrato de estabilidade. Com essas palavras, a autora critica o caráter restritivo e redutor da noção de interação indexada aos modelos sistêmicos da física e da cibernética. Sugere, assim, a expansão do referido conceito utilizando para isso o conceito de interatividade. Silva (2010) não vê por que polemizar o confronto conceitual de interação interatividade, uma vez que as vantagens atribuídas à interatividade estão presentes no conceito de interação. Mesmo com a hipótese de Multigner (1994), de que a interação se transmuta em interatividade no campo da informática, os defensores da interação não estão ameaçados. Afinal, a interação comporta todas as vantagens da interatividade. Para além da polêmica conceitual, Silva afirma que a interatividade é a nova modalidade comunicacional emergente no final do século XX, pois parte da verificação de que em nosso tempo ocorre significativa modificação da modalidade comunicacional massiva para a interativa. A primeira, veiculada pelo rádio, televisão, cinema e imprensa, consolidou o paradigma da transmissão (que separa a emissão da recepção) próprio da lógica da distribuição. Esta, por sua vez, perde terreno com a emergência da lógica da comunicação que sustenta a modalidade comunicacional interativa Hipertexto e complexidade O hipertexto, como a teia de conexões de um texto com outros inúmeros textos, trouxe para a comunicação a possibilidade de seus usuários se conectarem a uma rede, permitindo múltiplas ocorrências e navegações, além de multiplicar as ocasiões de produção de sentido e de possibilitar enriquecer consideravelmente a leitura (LÉVY, 2008). Nesse sentido, o hipertexto possui características complexas e possibilita um alto grau de autonomia que contribui para que se expressem estratégias individuais de aprendizagem, sendo o sujeito responsável pelo processo. Em outros termos, Santos e Silva (2009) afirmam que a compilação digital ou digitalização do conteúdo da mensagem garante o seu caráter plástico, fluido, hipertextual, interativo e tratável em tempo real, pois permite a manipulação de textos, a estruturação de

34 34 elementos de informação, as simulações, as formatações evolutivas nos ambientes online de informação e comunicação concebidos para criar, gerir, organizar, fazer movimentar uma documentação completa com base em textos, imagens e sons. Atento a essa realidade, Martín-Barbero (2004) afirma que o texto eletrônico não se esgota no computador; ele se estende hoje a uma multiplicidade de suportes, imagens e escritas que, da televisão ao videoclipe e da multimídia aos videogames, encontram em nossos países uma complexa e crescente cumplicidade entre oralidade e visualidade, cumplicidade que nada tem a ver com analfabetismo. Pois é nas novas gerações que essa cumplicidade opera fortemente, e os jovens hoje sabem ler, só que leitura não tem o livro como ponto e centro da cultura. Assim, o hipertexto, enquanto instrumento do processo de ensino e aprendizagem, parece facilitar um ambiente no qual a aprendizagem acontece de forma ocasional e por descoberta, pois, ao tentar localizar uma informação, os usuários de hipertexto participam ativamente de uma ação de busca e constituição do conhecimento de forma recursiva. Uma sala de aula onde se trabalha com hipertextos se transforma num espaço de diálogo apropriado ao ensino e aprendizagem colaborativos, mas também adequado ao atendimento de diferenças individuais, quanto ao grau de dificuldade, ritmo de trabalho e interesse. Para os professores, hipertextos se constituem como recursos importantes para reorganizar e reunir os conhecimentos de diferentes áreas do conhecimento que há muito foram separadas, a fim de facilitar a transmissão de blocos fechados de saberes. Trata-se da abordagem interdisciplinar dos mais diversos temas, abolindo as fronteiras que separam as áreas do conhecimento, desmontando o paradigma da simplificação de Morin (2007). Para compreender o que Morin (2007) chama de problema da complexidade, é preciso saber primeiro que há um paradigma simplificador, aquele que separa o que está ligado, ou unifica o que é diverso, que conduz a aventura científica às descobertas impossíveis de conceber em termos da simplicidade, mas extremamente prováveis na lógica do hipertexto. Jaz esse pensamento simplificador. É na desordem do universo físico e da vida que se constata que fenômenos desordenados são necessários em certas condições para a produção de fenômenos organizados, os quais contribuem para o crescimento da ordem (MORIN, 2007, p. 63). O autor nos convida a entender a complexidade a partir de três princípios: o dialógico, a recursão organizacional e hologramático. O primeiro diz respeito à associação de dois termos antagônicos e complementares, como emissão e recepção, e permite aproximar, hibridizar aquilo que foi separado pela lógica cartesiana e reencontrar a ambivalência, a

35 35 polifonia, a instabilidade e o acaso (SILVA, 2010). O segundo, a recursão organizacional, remete-nos ao processo recursivo do tipo: a sociedade produz o indivíduo que produz a sociedade, num ciclo autoconstrutivo, auto-organizador e autoprodutor. Finalmente, o hologramático, aquele em que não apenas a parte está no todo, mas o todo está na parte. A ideia que imobiliza o espírito linear, pois o holograma vai além do reducionismo que só vê as partes e do holismo que só vê o todo. Trata-se, portanto, do processo de enriquecimento do conhecimento das partes pelo todo e do todo pelas partes, em um mesmo movimento produtor de conhecimento. Vê-se, assim, que a própria ideia hologramática está ligada à ideia recursiva, que está ligada, em parte, à ideia dialógica (MORIN, 2007). É no contexto da complexidade de Morin (2007) que se insere o hipertexto, à medida que ele rompe com a separação mecanicista e cartesiana presente no analógico. Ele é digital e assim permite reencontrar a ambivalência, a polifonia das redes interconectadas via internet. É recursivo e hologramático, uma vez que permite ao usuário reorganizar e reconstruir seus textos, seu conhecimento a partir do hipertexto e disponibilizá-lo a fim de que outros usuários recursivamente o reorganizem e reconstruam, conforme sua área de interesse e de conhecimento. Porém o uso do hipertexto pode trazer algumas dificuldades para os usuários mais desavisados. Uma de suas características é a não linearidade, o que exige atenção redobrada para que o foco do estudo/pesquisa não seja deslocado para assuntos diversos, também de interesse do aluno e do pesquisador, mas que não se definem como complementares àquela intertextualidade que o leitor hipertextual buscava no início da pesquisa. Soma-se às dificuldades o fato de que o texto eletrônico depende de uma tecnologia emergente, sujeita a constantes transformações. A boa utilização do hipertexto passa por um conhecimento da máquina para que sejam devida e corretamente explorados os seus recursos um certo conhecimento da linguagem própria das tecnologias de informação e comunicação. Entende-se, porém, que, muito mais do que uma simples enumeração de vantagens e desvantagens, há que se usar o argumento de uma reflexão sobre o hipertexto, o qual se apresenta não só como uma nova forma de produção e transmissão cultural, mas também de escrita e leitura, para se repensarem alguns aspectos da própria educação. Ao que parece, nosso sistema educacional encontra-se ainda hoje submetido à obsessão da simplicidade, uma vez que resiste às mudanças necessárias no que diz respeito a quantidade, diversidade e velocidade da evolução dos saberes (LÉVY, 2008). Trata-se de uma nova ordem multidimensional integralizadora dos saberes dissociados em nome da

36 36 simplicidade, da lógica linear causal, e que promove a disjunção daquilo que está ligado e redução ou unificação daquilo que é diverso (MORIN, 2007). 1.7 O caminho a ser percorrido O paradigma adotado Para Alves-Mazzotti e Gewandsznajder (2000, p. 131), a abordagem qualitativa parte da premissa de que as pessoas agem em função de suas crenças, percepções, sentimentos e valores e que seu comportamento tem sempre um sentido, um significado que não se dá a conhecer de modo imediato, precisando ser desvelado. Logo há a necessidade de um maior contato do pesquisador com o campo, com o propósito de poder captar os significados dos comportamentos observados e o predomínio de análises detalhadas (ALVES-MAZZOTTI; GEWANDSZNAJDER, 2000, p. 132). Nesse sentido, a investigação qualitativa procura entender os significados das atitudes humanas, e a análise de dados pode ser feita a partir das percepções, sentimentos, falas e experiências das pessoas a serem investigadas. Portanto, justifica-se a investigação de cunho qualitativo para desvelar e compreender como se deu a mediação docente em ambientes online, o desenho didático favorável à mediação docente e as estratégias para promover a participação e a colaboração dos aprendizes no curso Seleção do campo e sujeitos da pesquisa O desenvolvimento desta pesquisa tem como campo de investigação o curso de extensão Formação de Professores para Docência Online, que utilizou o ambiente virtual do MEC (plataforma Moodle), realizado no período de 31/8 a 15/12 de 2009, do qual o pesquisador participou como professor-cursista. Tal escolha se deu em função de o curso formar professores para atuar na mediação docente em cursos do programa e-tec Brasil. Conforme citado na introdução desta pesquisa, o primeiro curso de capacitação teve como foco a gestão (gestão pedagógica, material didático e gestão acadêmica), já o segundo visou à formação professores para atuar na educação a distância. Os sujeitos pesquisados são professores membros da equipe pedagógica e professoresformadores que atuaram na mediação docente durante o curso. A equipe pedagógica, professores-formadores e professores-cursistas, foi composta e organizada da seguinte forma: um coordenador geral; um coordenador pedagógico; um assistente de coordenação; um

37 37 coordenador de tecnologia e helpdesk; dez docentes-formadores; e 130 docentes-cursistas. Os professores destacados para equipe pedagógica e formadores são todos pós-graduados, com larga experiência na mediação docente, especificamente na docência online. A atuação destes profissionais no curso pode esclarecer as questões centrais desta pesquisa A coleta de dados e análise dos dados A observação A observação se deu a partir da leitura no ambiente virtual de aprendizagem de fóruns, chats, portfólios e livros, além do desenho didático do curso em questão, e que pode ser encontrada no backup do ambiente virtual Moodle, onde se desenvolveu o curso. Buscou-se a modalidade comunicacional estabelecida como massiva ou interativa, mais especificamente as potencialidades comunicacionais do AVA, a qual foi utilizada no curso. Como tal modalidade foi favorecida ou não pelo desenho didático do curso e as estratégias da mediação docente para promover a participação e a colaboração dos aprendizes, a partir das sugestões de interatividade (SILVA, 2010) e apresentadas anteriormente. Em outros termos, o que se pretende é observar se foram promovidas oportunidades de trabalho em grupo, através de participações livres e trocas de experiências, além de garantir a exposição de argumentos e o questionamento das afirmações; se foram utilizados diferentes suportes e linguagens midiáticos presenciais e online, garantindo um território de expressão e aprendizagem multidirecional, porém de fácil navegação; se foi possibilitado ao aprendiz ressignificar ideias, conceitos e procedimentos, por meio de provocações que despertem a coragem do enfrentamento online e respeitando a diversidade plural das ideias; se foram disponibilizados dados do conhecimento exuberantemente conectados e em múltiplas camadas ligadas a pontos que facilitam o acesso e o cruzamento de informações e de participações; se foram promovidas situações de comunicação e de aprendizagem que consideram as experiências, conhecimentos e expectativas que os atores envolvidos já trazem consigo (SILVA, 2004) As entrevistas Outra técnica a ser utilizada para este trabalho e que oferece dados significativos é a entrevista semiestruturada. Ela será feita junto aos professores-formadores que mediaram o

38 38 processo de docência online. Segundo Alves-Mazzotti e Gewandsznadjer (2000, p. 160), a entrevista semiestruturada pode ser: [...] aplicada a partir de um pequeno número de perguntas, para facilitar a sistematização e codificação. Apenas algumas questões e tópicos são predeterminados. Muitas questões podem ser formuladas durante a entrevista e as irrelevantes são abandonadas. De início serão feitas, aos docentes-formadores que atuaram no curso em questão, as seguintes perguntas: 1) Quais as potencialidades comunicacionais próprias do ambiente virtual de aprendizagem utilizado no curso e como as explora? 2) Quais as características do desenho didático que mais contribuíram para sua mediação docente? 3) Quais foram as estratégias que adotou em sua mediação docente para promover a participação e a colaboração dos cursistas? 4) Como percebeu e lidou com o silêncio virtual dos cursistas? 5) Como avalia o modelo de inclusão digital dos cursistas, ou seja, qual foi a desenvoltura dos aprendizes na operação com o AVA utilizado? Tais perguntas foram formuladas em consonância com os objetivos desta pesquisa e validadas pela equipe pedagógica do curso Formação de Professores para Docência Online, porém, no decorrer da entrevista, outras questões emergiram e foram consideradas, uma vez que contribuíram para a compreensão geral da modalidade comunicacional da mediação docente estabelecida no curso Análise dos dados As respostas as perguntas dadas pelos membros da equipe pedagógica durante a entrevista foram organizadas e depuradas de modo a oferecer o corpus de análise, que foi constituído por meio da técnica de Análise de Conteúdo. Essa análise é concebida como uma técnica que

39 39 [...] tem por objetivo ir além da compreensão imediata e espontânea, ou seja, ela teria como função básica a observação mais atenta dos significados de um texto, e isso pressupõe uma construção de ligações entre as premissas de análise e os elementos que aparecem no texto. Esta atividade é, assim, essencialmente interpretativa (RIZZINI; CASTRO; SANTOS, 1999, p. 90). Os dados obtidos nas duas etapas da coleta de dados: entrevista e observação a partir da leitura dos fóruns, chats e livros, etc., foram confrontados de modo a maximizar a confiabilidade dos resultados. Segundo Alves-Mazzotti e Gewandsznadjer (2000, p. 173) Quando buscamos diferentes maneiras para investigar um mesmo ponto, estamos buscando uma forma de triangulação [...] Quando um pesquisador compara um relato de um informante sobre o que ocorreu em uma reunião com a ata desta mesma reunião, está fazendo uma triangulação de fontes. Assim, foi realizada a triangulação entre as percepções da equipe pedagógica sobre as potencialidades comunicacionais próprias do ambiente virtual de aprendizagem, as características do desenho didático que mais contribuíram para mediação docente, as estratégias adotadas na mediação docente para promover a participação e a colaboração dos cursistas e as informações obtidas na observação a partir da leitura dos fóruns, chats, livro, etc. Finalmente foi desenvolvida uma relação entre os resultados da pesquisa e o que se levantou na teoria sobre os desafios comunicacionais de professorar online. Esta parte constituiu a revisão bibliográfica que acompanhou todo o processo de pesquisa e incidiu sobre dois temas: os saberes para mediação docente; os indicadores de interatividade para professorar presencial e online (SILVA, 2004).

40 40 2 O CENÁRIO COMUNICACIONAL NA CIBERCULTURA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES PARA A DOCÊNCIA ONLINE Atualmente presenciamos a convergência de recursos tecnológicos em um único aparelho digital. É possível encontrar no mesmo aparelho celular, câmera, máquina fotográfica, gravadores de som, TV, internet, localizadores conhecidos como GPS, etc. A maior parte desses novos recursos está concentrada em pequenos assistentes multimídia pessoais. Não se aboliram os livros impressos, mas agora eles se dedicam mais à literatura e não a questões didáticas. A dinâmica das aulas e sua estrutura hipertextual inviabilizaram as publicações tradicionais. As tecnologias de informação e de comunicação embutidas nos aparelhos e a rede virtual sempre ativa criam um ambiente colaborativo rico e produtivo. Os alunos conseguem estabelecer regras de convivência no mundo virtual e desenvolvem uma metodologia própria de produção em grupo que supera todas as teorias e treinamentos dados aos professores quando da adoção dessas máquinas. A produção do aluno é armazenada em seu portfólio virtual e, dentro de certos parâmetros, pode ficar disponível na internet para visualização da comunidade. O objetivo é fortalecer a relação entre o trabalho do aluno, escola e a sociedade, sua influência e interdependência. Além de exercitar o aprendizado visual com filmes, viagens e exposições artísticas, os alunos podem desenvolver sua própria produção audiovisual, através de oficinas ou iniciativas próprias, já que as câmeras de alta-resolução disponíveis nos seus assistentes lhes permitem fotografar e filmar e depois compartilhar em blogs, em redes sociais de relacionamento. Trata-se de uma cultura diferenciada, da qual professores, alunos, escola e sociedade precisam dar conta. Mas será que a escola está atenta a essa nova cultura? Será que o ofício de docente acompanhou essa nova ordem social? A fim de responder a essas perguntas, neste capítulo pretende-se desvelar essa nova cultura, essa nova ordem social emergente. Aqui será percorrido o seguinte caminho: web 2.0 e as redes sociais; cibercultura, ciberespaço e as redes sociais; interação, interatividade, hipertexto e complexidade; desafios da educação online: saberes docentes e indicadores de interatividade; desafios da docência online: saberes do desenho didático. 2.1 A web 2.0 e as redes sociais A web 2.0 é uma tendência que está mudando a cara da internet, e a web como um simples meio de obter e exibir informações ficou no passado. A web é imediata, interativa,

41 41 inovadora. Ela tem a ver com habilitar a criatividade, realizando uma cultura de contribuição, e colocando o usuário no controle. Ela é controlada por usuários e conduzida por comunidades. Nesse sentido, Eric Engleman, do Bloglines 8, citado no livro Web 2.0 heroes: entrevistas com 20 influenciadores da web 2.0, organizado por Brandley L. Jones, afirma que [...] a Web 2.0 baixou a curva do aprendizado a um nível tão baixo que você não precisa ser um engenheiro da computação para ser capaz de criar seu próprio blog [...]. Atualmente, qualquer pessoa pode customizar sua experiência na web, simplesmente arrastando e soltando (JONES, 2009, p. 35). O que se percebe a partir da afirmação de Engleman é que o maior controle do usuário é uma das principais características da web 2.0. Os usuários agora estão no controle, eles controlam suas experiências de usuário, o que não acontecia no passado. Ainda sobre a web 2.0, Gina Bianchini, do Ning 9, diz que [...] a liberdade que nos é ofertada pela internet e o que as pessoas estão fazendo com ela é algo muito sério (JONES, 2009, p. 49). Segundo Bianchini, existem hoje mais de 145 mil redes sociais só no Ning. As redes sociais estão no cerne do que define a web 2.0. Na plataforma Ning, o usuário pode criar uma nova rede ou participar das redes existentes distribuídas nas mais variadas categorias, como: lazer, religião, saúde, esporte, educação, TV, livros, filmes ou qualquer outro assunto que a mente possa imaginar. É nesse contexto de liberdade das pessoas, de liberação do polo transmissor, da descentralidade da informação veiculada que se estabelecem as relações interpessoais, a interação entre pessoas, uma vez que a web 2.0 diminui todos os obstáculos de maneira que os usuários podem descobrir novas relações e ideias. Se no passado, os usuários não tinham controle. Atualmente, tendo uma experiência controlada pelo usuário e alavancando o usuário final cria-se um valor agregado (JONES, 2009, p ). O maior controle do usuário é uma das principais características da web 2.0. Organizações, profissionais de marketing, educadores e comunicadores devem estar prontos para responder e inovar. Max Mancini, do ebay 10, plataforma especializada em leilões, diz que na verdade existe uma grande confusão: o ebay é mais que apenas um leilão [...]. A confusão acontece porque a maior parte das transações conhecidas é aquela em que as pessoas vendem itens para compradores em sites de leilões que carregam seu nome (JONES, 2009, p. 8 Bloglines é um site relacionado a Blogs. Nele é possível rastrear notícias, blogs, previsões do tempo e classificados favoritos. 9 Ning create your own social network for anything. O Ning é uma plataforma que permite criar redes sociais. 10 ebay é o nome de uma empresa de comércio eletrônico fundada nos Estados Unidos, em setembro de 1995, por Pierre Omydiar. Atualmente é o maior site do mundo para a venda e compra de bens, o mais popular shopping da internet.

42 42 1). O que se vê nessa afirmação é a confluência de sites em plataformas, é a nova ordem mundial de comercialização e de relacionamento que se estabeleceu a partir da internet e da web 2.0. Mancini continua: [...] os usuários da internet esperam experiências ricas e interativas. Nos sites, a diferenciação será embasada inteiramente na experiência do usuário e como essa informação é combinada [...] A Web 2.0 é realmente definida como capacitar pessoas a criar coisas novas (JONES, 2009, p. 14). Ao apresentar as diferenças e mudanças que ocorreram a partir da web 2.0, Primo (2007) diz que tal denominação se refere à segunda geração da internet. Se na primeira geração da web (web 1.0), os sites eram trabalhados como unidades isoladas, passa-se agora para uma estrutura integrada de funcionalidades e conteúdo. A web 2.0 é caracterizada por ampliar as formas de produção cooperada e compartilhamento de informações online. Ao se referir à característica mais importante da web 2.0, Dorion Carrol, da Technorati 11, no livro Web 2.0 heroes diz que a Web 2.0 é uma questão de partilha aberta de ideias e reconhecimento de outras pessoas; é o aspecto social de compartilhar coisas em uma mídia aberta que qualquer pessoa com conexão com a internet possa ter acesso (JONES, 2009, p. 77). Em relação às mudanças ocorridas na web, Carrol diz que a Web 1.0 e muitos dos websites básicos hoje são parecidos com os terminais de tela negra dos anos 60 [...]. O usuário recebe uma página por vez e toda informação está lá. Se não for o que você quer, você tem que pegar outra página inteira e exibir a coisa inteiramente (JONES, 2009, p.80), enquanto que a web 2.0 permite que as pessoas reconheçam umas às outras, que construam comunidades e criem conexões onde não conseguiriam antes. Nesse sentido, a web 2.0, para a Technorati, tem a ver com autenticidade, responsabilidade, interação, e essa ideia do poder das pessoas ou da rede social (JONES, 2009, p. 82 e 83). 2.2 Cibercultura e ciberespaço e as redes sociais É nas redes sociais definidas como a própria web 2.0 que encontramos a cibercultura caracterizada por Pierre Lévy (2008) como um conjunto de técnicas, de práticas, de atitudes, de modos de pensamento e de valores que se desenvolvem juntamente com o crescimento do ciberespaço, o novo meio de comunicação que surge da interconexão mundial de computadores. Assim, a partir da web 2.0, o ciberespaço e a cibercultura determinam o rompimento paradigmático com a prática secular da mídia de massa baseada na transmissão, 11 Technorati, empresa fundada por David Sifry, é uma plataforma de gerenciamento de blogs.

43 43 na distribuição para o receptor massificado. Trata-se da liberação da expressão pública (LEMOS; LÉVY, 2010, p. 10), caracterizada quantitativamente com a conectividade de cerca de 80% da população dos países industrializados. Tal expressão, no plano mais qualitativo, se identifica com novos tipos de aplicações e de usos que convém designar como computação social (web 2.0). Para Lemos e Lévy (2010, p. 10 e 11). A computação social constrói e compartilha de maneira colaborativa as memórias numéricas coletivas em escala mundial, quer se trate de fotografias (Fliker), de vídeos (Youtube, Dailymotion), de música (bittorrent), de favoritos da web (Delicious, Furl, Diigo), ou então de conhecimento enciclopédicos (Wikipédia, Freebase). Em todos os casos, as distinções de status entre produtores, consumidores, críticos, editores e gestores da midiateca se apagam em proveito de uma série contínua de intervenções onde cada um pode desempenhar o papel que desejar. Estes autores definem a era da computação social como o tempo em que os conteúdos são criados e organizados de forma simples pelos próprios usuários em blogs, local em que as ideias, as opiniões, as fotografias e os vídeos são socializados pelos seus autores. Cabe aos especialistas da informática entrelaçar essas mensagens multimídia numa rede inextrincável de relações, tags e fluxo de discussão que motores de pesquisa como o Technorati permitem percorrer (LEMOS; LÉVY, 2010, p. 11). Assim se constitui o ciberespaço, que permite ao indivíduo ligado à rede comunicação personalizada, operativa e colaborativa de forma hipertextual. Nesse novo contexto social e tecnológico, o site não deve ser assistido e sim manipulado, pois pressupõe imersão e participação intervenção do indivíduo experiência incomum na mídia de massa. Para Lemos e Lévy (2010, p. 20 e 21), a cibercultura: É o conjunto tecnocultural emergente no final do século XX impulsionado pela sociabilidade pós-moderna em sinergia com a microinformática e o surgimento das redes telemáticas mundiais; uma forma sociocultural que modifica hábitos sociais, práticas de consumo cultural, ritmos de produção e distribuição de informação, criando novas relações no trabalho e no lazer, novas formas de sociabilidade e de comunicação social. Esse conjunto de tecnologias e processos sociais ditam hoje o ritmo das transformações sociais, culturais e políticas neste início de século XXI. A cibercultura seria a cultura contemporânea, quando os diversos dispositivos eletrônicos digitais já fazem parte da nossa realidade. São tecnologias não apenas da transformação material e energética do mundo, mas que permitem a transformação comunicativa, política, social e cultural efetivamente. Isso se dá porque conseguimos transitar

44 44 informação, bens simbólicos, não materiais, de uma maneira inédita na história da humanidade. Assim, a cibercultura, para Lemos (2008), é uma forma sociocultural que emerge da relação simbiótica entre a sociedade, a cultura e as novas tecnologias, que surgiram com a convergência das telecomunicações com a informática a partir da década de O ciberespaço é o hipertexto mundial interativo, em que cada um pode modificar partes dessa estrutura telemática, como um texto vivo, um organismo que se organiza. Conforme afirmam Lemos e Lévy (2010, p. 27), O ciberespaço é um ambiente complexo, e a cultura política cresce neste caldo efervescente, gerando novos processos e produtos. A potência da emissão, da conexão e da reconfiguração, os três princípios maiores da cibercultura, está fazendo com que possamos pensar de maneira mais colaborativa, plural e aberta. Sempre que podemos emitir livremente e nos conectar a outros, cria-se uma potência política, social e cultural: a potência da reconfiguração e transformação. Nesse sentido, pode-se dizer que permanecer conectado não é mais uma expressão simbólica, uma metáfora, na medida em que, Os indivíduos implicados nas atividades de colaboração e interativas da Web 2.0 participam geralmente de várias comunidades, navegam em vários blogs, mantêm vários endereços eletrônicos para diferentes usos e são, em certa medida, os nós principais, os cruzamentos, os comutadores da computação social, recolhendo, filtrando, redistribuindo, fazendo circular a informação, a influência, a opinião, a atenção e a reputação de um dispositivo a outro (LEMOS; LÉVY, 2010, p. 12). Ainda sobre a forma como se organiza o ciberespaço, Santos (2002) afirma que, ele surge com a digitalização, mas também por conta da evolução da informática e suas interfaces, da interconexão mundial de computadores, conhecida como rede, internet, e entendida como fluxo e feixe de relações entre seres humanos e interfaces digitais. Para essa autora, nessa híbrida relação, todo e qualquer signo pode ser produzido e socializado no e pelo ciberespaço, compondo assim o processo de comunicação em rede próprio do conceito de AVA e potencializado pelas tecnologias digitais (SANTOS, 2002). As tecnologias digitais impulsionam a computação social, em que se constrói e compartilha de maneira colaborativa a partir da digitalização coletiva mundial. Digitalização de fotografias, de vídeos, de música, de textos, mas também de conhecimentos enciclopédicos. Nesse sentido, o AVA deixa de ser apenas um ambiente de aprendizagem e passa ao status de ambiente de colaboração, socialização, de autoria, em que não há distinções entre produtores, consumidores, críticos,

45 45 editores e gestores da midiateca. Trata-se da horizontalidade de funções e status em proveito de uma série contínua de intervenções, em que cada um pode desempenhar o papel que desejar. Há de se perceber que, a partir da sociabilidade pós-moderna em sinergia com a microinformática e o surgimento das redes telemáticas mundiais, se determina uma forma sociocultural que modifica hábitos sociais, práticas de consumo cultural, ritmos de produção e distribuição de informação, criando novas relações no trabalho e no lazer, novas formas de sociabilidade e de comunicação social. Esse conjunto de tecnologias e processos sociais ditam hoje o ritmo transformações sociais, culturais e políticas neste início de século XXI. Tais transformações ficam evidentes em todos os aspectos, mas, no âmbito das políticas públicas, no Brasil, se destaca a transferência para a Secretaria de Educação a distância (SEED/MEC) da responsabilidade pela formação continuada de docentes, que passou a ser tratada no âmbito de uma possível rede nacional de formação a distância, composta por várias instituições de ensino. Assim a educação a distância passou a ser um caminho valorizado nas políticas educacionais do governo brasileiro, como uma forma rápida de prover formação, pelas tecnologias disponíveis, flexibilizando os tempos formativos (GATTI, 2008). Em relação à questão dos financiamentos públicos da educação continuada, Gatti (2008) diz observa que se carreiam mais recursos nesta direção do que na de cursos regulares de formação de professores nas instituições públicas. Ela afirma: Perece-nos que melhorar substancialmente, com insumos adequados e inovações, a formação básica de professores para todos os níveis e modalidades seria uma política mais condizente para melhor formação e qualificação dos trabalhadores nas redes de ensino (GATTI, 2008, p. 68). 2.3 Interação, interatividade, hipertexto e complexidade termos: Interatividade que tem seu conceito formulado por Silva (2010, p. 23) nos seguintes Interatividade é a disponibilização consciente de um mais comunicacional de modo expressivamente complexo, ao mesmo tempo atentando para as interações existentes e promovendo mais e melhores interações seja entre usuários e tecnologias digitais ou analógicas, seja nas relações presenciais ou virtuais [grifos do autor] entre seres humanos. Para o autor, o mais comunicacional se refere aos fundamentos da interatividade e tem haver com a participação intervenção, a bidirecionalidade hibridação e a

46 46 permutabilidade potencialidade definidas por Silva (2010, p. 254) e apresentados anteriormente neste trabalho. Já a afirmação de modo expressivamente complexo diz respeito à epistemologia da complexidade expressa por Morin (2007), na qual Silva (2010) encontra dois princípios para o tratamento da interatividade: o primeiro, fundamentar-se na ausência de fundamentos, tem a ver com o enfraquecimento dos grandes referentes unidimensionais de significação. O novo expectador agora se encontra num ambiente polifônico e polissêmico aberto a partir de tal enfraquecimento, aí ele faz por si mesmo uma vez que não mais se submete às emissões separadas da sua participação, e tem a seu favor as tecnologias hipertextuais (SILVA, 2010, p. 22). O segundo princípio, distinto, porém sem se separar do primeiro, atentar para as interações em sua dialógica, multiplicidade e recursividade (SILVA, 2010, p. 22) como condição fundamental para o posicionamento crítico diante da interatividade e de sua análise. Ou seja, é na perspectiva do pensamento complexo que me posiciono diante das interações e da interatividade (SILVA, 2010, p. 23). Silva (2010) caracteriza a epistemologia da complexidade, citada anteriormente, a partir da inquietação de Morin em fazer oposição ao pensamento ainda moldado segundo o paradigma da simplificação, herdado da mecânica clássica sustentado pela visão de que o mundo é uma máquina determinista perfeita, uma máquina absolutamente ordenada em que a desordem, o acaso, a incerteza não podem ser mais do que uma ilusão ou uma aparência (SILVA, 2010, p.19). A simplificação está em querer separar ordem e desordem, certeza e incerteza, que estão sempre em interação e não separadas. Voltando à interatividade: a sua disponibilização consciente vem potencializar uma nova competência comunicacional em sala de aula que modifica a comunicação no sentido da participação intervenção, da bidirecionalidade hibridação e da permutabilidade potencialidade. Na sala de aula, onde não mais prevalece o falar-ditar do mestre, mas a autonomia, a criatividade não prevista dos alunos, ocorre a superação de barreiras entre estes e o mestre, e a disponibilidade de redes de conexões no tratamento dos conteúdos de aprendizagem constitui a autoria do professor, autoria do professor mais do que nunca solicitada. Encarar o novo espectador, o homem aleatório, garantindo na sala de aula democrática, interatividade e tolerância. Assim se promove a aprendizagem. Assim se educa em nosso tempo (SILVA, 2010, p. 249). É no contexto dessa nova lógica da comunicação que o hipertexto, como a teia de conexões de um texto com outros inúmeros textos, trouxe para a comunicação a possibilidade de seus usuários se conectarem a uma rede, permitindo múltiplas ocorrências e navegações, além de

47 47 multiplicar as ocasiões de produção de sentido e de possibilitar enriquecer consideravelmente a leitura (LÉVY, 2008). 2.4 Desafios da educação online: saberes docentes e indicadores de interatividade Há bastante tempo as tecnologias da informação e comunicação vêm influenciando a educação com a inclusão de mídias (jornal, televisão, rádio, cinema, entre outros) no cotidiano da sala de aula. Vivemos atualmente num contexto em que, particularmente, as tecnologias digitais, a partir da expansão da internet na década de 1990, possibilitam a construção e o compartilhamento de habilidades cognitivas aumentadas e aliadas a um poder de procedimentos sem antecedentes e permitem desenvolver práticas de ensino e aprendizagem que podem ser consideradas fundamentos de novas relações sociais com o saber, decorrendo daí uma modalidade conhecida por educação online (RODIGUES, 2009). Para a Rodrigues (2009), a educação online é entendida como o conjunto de ações de ensino e de aprendizagem desenvolvidas através do ambiente virtual de aprendizagem e emerge desse contexto social e tecnológico conhecido por cibercultura, que é caracterizado pelo computador em rede, pelas redes sociais, pela maior liberdade das pessoas, pela descentralidade da informação a partir da liberação do polo transmissor, que traz consigo potencialidades de produção e socialização de informações e de conhecimentos. E é nessa modalidade de educação que o docente online deve estar atento à comunicação e à interatividade que determinam o diferencial pedagógico da educação online. Interfaces como chats, listas, fóruns e blogs podem ser utilizadas para o compartilhamento de conteúdos e construção de conhecimento coletivo entre todos os atores do processo educacional. Nesse contexto, muda o papel do docente, que passa a ser criar as possibilidades, a ambiência, o contexto de dialógica, de colaboração e, principalmente, de interatividade. Silva (2010) nos diz que a especificidade da educação online encontra-se no fato de utilizar tecnologias que permitem interatividade tanto com conteúdos informativos como entre as pessoas. Assim, à medida que se conhecem os ambientes online de aprendizagem, percebe-se que, além da informação, existem à disposição recursos que possibilitam a interlocução entre seus frequentadores. No âmbito da educação online e seus desafios, Moran (2009) fala que os múltiplos papéis do docente online se multiplicam, diferenciam e complementam, exigindo uma grande capacidade de adaptação, de criatividade diante de novas situações, propostas. Ele afirma que o professor online precisa aprender a trabalhar com tecnologias sofisticadas e tecnologias simples; com internet de banda larga ou conexão via linha telefônica; com videoconferência; com teleconferência; com softwares livres ou comerciais. Além dos desafios tecnológicos, existe ainda aquele atribuído ao

48 48 professor através da cibercultura: a superação da transmissão de informações e conhecimento, lógica que perde sentido a partir da liberação do polo de emissão, característica determinante da cibercultura que agora pode ser traduzida pela prática comunicacional interativa. Esse desafio é um dos primeiros e mais difíceis a ser alcançados, uma vez que implica o rompimento de um modelo cristalizado de ensino, que se mantém através de séculos (BARREIRO-PINTO, 2008). Moran (2009) alega que os professores aprenderam como alunos a se relacionar com o modelo convencional de ensinar-aprender. O papel principal assumido pelos professores ainda é o de responsáveis por uma determinada área do conhecimento; eles persistem em utilizar predominantemente métodos expositivos com pouca interação. Tal prática reforça-se pelo fato de muitos professores não serem autores de seu próprio trabalho. Restringindo-se aos livros didáticos, aos currículos prescritos, isentam-se da autoria, e a docência online corre o mesmo risco ao perpetuar práticas comuns à educação presencial, de modo a manter o exercício da reprodução e a divisão do trabalho docente, como acontece no programa e-tec Brasil, em que encontramos o professor conteudista que elabora o material didático em nível nacional, o professor formador responsável pela disciplina que constrói o desenho didático do curso e o tutor a distância, que responsável pelo feedback aos alunos, mas não participa da construção do curso, limita-se a esclarecer dúvidas do aluno. O exercício da criatividade na prática docente online pode representar o atendimento dessas novas demandas sociais, porque o professor que busca a interatividade com seus alunos propõe o conhecimento, não o transmite. Em sala de aula é mais que instrutor, treinador, parceiro, conselheiro, guia, facilitador, colaborador. É formulador de problemas, provocador de situações, arquiteto de percursos, mobilizador das inteligências múltiplas e coletivas na experiência do conhecimento (SILVA, 2003). Entretanto, é o gerenciamento desses elementos articulados entre si e entre os participantes que determinará uma prática diferenciada, interativa, pois o simples fato de se ter alterado a mídia, empregando uma tecnologia cheia de possibilidades, não é suficiente para garantir que o modelo da transmissão tenha sido superado. Nessa perspectiva, o aluno também é convidado a rever seu papel; tendo em vista que a passividade e a receptividade refletem o comportamento desejado no modelo de transmissão em que a reprodução pode ser traduzida em resultado de aprendizagem. Portanto, é possível concluir que, por muito tempo, tal prática repercutiu o sucesso e a perpetuação da modalidade de comunicação de massa homogeneizadora. Porém, ao se preconizar a modalidade comunicacional interativa, o que se deseja e se incentiva no aluno é uma participação ativa durante o processo de aprendizagem, de modo a fazer com que ele se compreenda como responsável por sua construção (BARREIRO-PINTO, 2008).

49 49 As perspectivas a partir da interatividade, como nova modalidade comunicacional emergente no final do século XX, são excelentes e surgem a partir da verificação de que em nosso tempo opera uma significativa modificação na esfera das comunicações e é nesse contexto que a cibercultura e o ciberespaço surgem e contribuem para a mudança do paradigma comunicacional de massivo para interativo. A interatividade emerge nesse novo contexto sociotécnico de forma complexa, exigindo o rompimento do paradigma da simplificação (MORIN, 2007), que separa o que está unido e unifica o que é diverso. Essa mudança vem sendo alavancada com o crescimento da utilização das tecnologias da informação e comunicação e se faz presente em nosso cotidiano. Observa-se hoje que os computadores pessoais interconectados em rede, pela internet banda larga, disponibilizam um oceano de possibilidades, seja de navegação e exploração, seja de relações interpessoais que favorecem o campo educacional. Neste campo específico, as perspectivas de qualidade da docência online são alvissareiras, desde que haja formação para tal. A fim de compreender a formação para a docência online em seu aspecto qualitativo, é preciso olhar para o passado e o presente, buscar informações relativas aos saberes e práticas dessa docência. Nesse sentido, aqui no Brasil, foi nos primeiros anos de 1990 que se começou a utilizar as Tecnologias de Informação e Comunicação digitais, onde se destacam os sistemas de telecomunicação digital e via satélite; os computadores pessoais e as redes computacionais, tais como a internet e a intranet (JUNIOR, 2009, p. 38 e 39). É neste momento que a educação a distância deu um salto qualitativo na interação em tempo real entre o professor e seus alunos, seja ela feita de forma síncrona ou assíncrona, onde o aluno e o professor com suas participações através do teclado e do mouse, aliado a utilização da webcam, se fazem presentes em tempo real, através da tela do computador. Trata-se da educação online, nascida com a utilização conjunta entre as TICs e da rede mundial de computadores, e onde não há mais espaço para se educar baseado exclusivamente na transmissão de conhecimentos até então utilizada e reconhecida na educação, mesmo que feita à distância. A partir da educação online surge a possibilidade de um espaço real para a construção do conhecimento, através da troca de saberes, possibilitando-se assim uma interação mais ativa e dialógica entre os atores do processo ensino aprendizagem, processo esse potencializado pela coautoria e coparticipação e cristalizado a partir de um novo paradigma educacional, o modelo comunicacional da interatividade (JUNIOR, 2009, p. 39). Na busca de promover uma modificação qualitativa da modalidade comunicacional na ação pedagógica, Silva (2004, p ) apresentou alguns indicadores de interatividade em educação presencial e online que garantem a possibilidade de produção conjunta do professor e dos alunos e a liberdade de trocas, associações e significações como autoria e coautoria dos envolvidos no processo educacional (professor e alunos), capazes de promover a superação da prevalência da

50 50 pedagogia da transmissão. Em número de cinco, já citados na Introdução deste trabalho, esses indicadores favorecem a interatividade e promovem uma educação online realmente de acordo com as possibilidades da cibercultura. Resumidamente busca-se com ele: a) disponibilizar múltiplas experimentações, múltiplas expressões; b) possibilitar uma montagem de conexões em rede que permite múltiplas ocorrências; c) provocar situações de inquietação criadora; d) arquitetar percursos hipertextuais de aprendizagem, multidisciplinares e transdisciplinares, em teias; e e) mobilizar a experiência do conhecimento. Esses cinco indicadores podem potencializar a autoria do professor online, sendo capazes de atender ao perfil do indivíduo que emerge com a cibercultura (SILVA, 2004). Porém, apesar da incorporação das tecnologias digitais na educação e das possibilidades de novas formas interativas na produção de conhecimento, a aula continua predominantemente transmissiva (RODIGUES, 2009, p. 28). Muitas vezes as potencialidades de produção e socialização de informações e de conhecimentos próprias das interfaces chat, listas, fórum, blog, wiki, etc. Encontradas nas TICs digitais são subutilizadas. O que se constata em larga escala é a transposição de expedientes próprios da sala de aula presencial, onde o papel cristalizado do professor é de apresentador que transmite saberes aos alunos. A mudança no papel do professor baseado na transmissão de informações, questionado por Vygotsky (1998) e Tardif (2006), aponta para a ressignificação de transmissor para mediador, não mais aquele que se coloca como centro do processo de educar e de aprender, mas o agente mediador do processo de aprendizagem, mobilizando a ação colaborativa entre professores e aprendizes na construção de saberes por meio de relações interativas e complexas. Tardif (2006) afirma que os saberes docentes são provenientes da família, da escola, da cultura, da universidade, de seus pares, e são plurais, heterogêneos e temporais, pois são construídos ao longo da vida e da carreira docente. Nesse sentido, as recentes pesquisas sobre formação e profissão docente assinalam para uma revisão da abrangência e consequente mudança na prática pedagógica do educador. Tais pesquisas indicam que os fundamentos do saber ensinar não se reduzem a um sistema cognitivo, mas são, simultaneamente, existenciais, sociais e pragmáticos (TARDIF, 2006). Tal mudança ocorre a partir do estudo da constituição do trabalho docente levando-se em conta os diferentes aspectos de sua história, como individual, profissional, entre outros. Assim o professor passa a ser foco central em estudos e debates, considerando o quanto a vida pessoal acaba por interferir na profissional. Nessa perspectiva de analisar a formação de professores, a partir da valorização desse profissional, é que os estudos sobre os saberes docentes ganham impulso, numa busca de se identificarem os diferentes saberes implícitos na prática docente (RODRIGUES, 2009, p. 51).

51 51 Na busca de desvelar os diferentes saberes implícitos na prática docente, saberes entendidos em seu sentido mais amplo, compreendendo os conhecimentos, as competências, as habilidades e as atitudes, encontra-se em Tardif (2006) a epistemologia da prática profissional. Tal epistemologia é entendida como o estudo do conjunto dos saberes utilizados pelos profissionais em seu espaço de trabalho cotidiano para desempenhar suas tarefas e tem a finalidade de revelar esses saberes, compreender a dinâmica de como são integrados nas tarefas dos profissionais, e como estes os incorporam, produzem, utilizam, aplicam e transformam, ao longo das diferentes etapas de sua carreira. O que se constata é que o saber do professor é plural e estratégico; plural porque é composto de saberes de variadas áreas do conhecimento e estratégico pelo impacto junto às gerações jovens, à construção de novos conhecimentos e à definição de hegemonias no contexto social, entre outros fatores (TARDIF, 2006). A pluralidade parte da constatação de Tardif (2006), que identifica quatro fontes de origem para esses saberes. Segundo o autor, eles podem ser oriundos da formação profissional, entendidos como o conjunto de saberes transmitidos pelas instituições de formação de professores; de saberes disciplinares correspondentes ao diverso campo do conhecimento e emergentes da tradição cultural; curriculares oriundos dos programas escolares e experienciais relativos ao trabalho cotidiano. Essa pluralidade exige do professor capacidade de dominar, integrar e mobilizar tais saberes como condição sine qua non para sua prática. Resta ainda, como nos adverte Tardif (2006), olhar para a dimensão temporal dos saberes do professor, por estes serem adquiridos no contexto de uma história de vida e de uma carreira profissional. Tal dimensão temporal é marcada por uma tripla caracterização desses saberes, como sociais, pragmáticos e existenciais. Na dimensão temporal do saber social, assinalada por Tardif (2006), o saber docente é produzido no contexto de uma socialização profissional, decorrendo daí a importância da interação dos professores com seus pares, partilhando experiências de ensino e construindo um discurso da experiência que contribua com a formação de outros docentes. O saber é social porque seus próprios objetos são sociais, e, ao ensinar, o professor está agindo com outros seres humanos. Neste sentido o mais comunicacional da interatividade caracterizada por Silva (2010) ganha destaque, pois ela caracteriza o principal objeto do trabalho do professor, seja na relação com outros professores, seja em sala de aula, pois o essencial de sua atividade profissional consiste em entrar numa classe e deslanchar um programa de interações com os alunos. Isto significa que a docência se desenrola concretamente dentro das interações (RODRIGUES, 2009, p. 53). Na dimensão temporal do saber pragmático, destacada por Tardif (2006), o docente tem em seu ambiente de trabalho como condutor dos saberes do professor, seus afazeres cotidianos. Com isto, ele sugere que os saberes docentes sejam compreendidos na relação com o trabalho na escola e

52 52 na sala de aula. E é no cumprimento de suas tarefas pertinentes à função de professor que os saberes pragmáticos são mobilizados, modelados e construídos. Finalmente, vale ressaltar o significado existencial que os saberes adquirem no sentido de que um professor não pensa só com a cabeça, mas com a vida, com o que foi, com o que viveu, com aquilo que acumulou em termos de experiência de vida, em termos de lastro de certezas (TARDIF, 2006, p. 103). Assim os fundamentos do saber ensinar não se reduzem a um sistema de saberes cognitivos produzidos e transmitidos pelas universidades, mas são, a um só tempo, sociais, pragmáticos e existenciais. Ao dizer isso, Tardif (2006) propõe que os docentes sejam vistos como sujeitos do conhecimento, e a sua formação, para além dos conhecimentos disciplinares, seja repensada à luz dos saberes docentes, levando-se em conta as realidades específicas do trabalho cotidiano do professor. O sociointeracionismo, que tem em Vygotsky (1998) seu principal representante, é outra abordagem teórica em educação e apresenta críticas ao modelo baseado na transmissão de informação. Vygotsky (1998) formula o conceito de Zona de Desenvolvimento Proximal (ZDP), central na teoria sociointeracionista, em que se ressignifica o papel do professor e se eliminam deixa dúvidas sobre a dimensão colaborativa da aprendizagem. A ZDP é definida como: A distância entre o nível de desenvolvimento real, que se costuma determinar através da solução independente de problemas, e o nível de desenvolvimento potencial, determinado através da solução de problemas sob a orientação de um adulto ou em colaboração com companheiros mais capazes (VYGOTSKY, 1998, p. 112). Em Vygotsky (1994) o professor é o agente mediador do processo de aprendizagem e, com suas intervenções ou provocações, contribui decisivamente para o fortalecimento de funções ainda não consolidadas, ou para a abertura de zonas de desenvolvimento proximal. Em educação online, o professor opera com o processo de aprendizagem mobilizando a ação colaborativa dos aprendizes. Para isso, conta com as disposições do ambiente digital de comunicação e aprendizagem online capazes de potencializar a docência e a aprendizagem. Nesse sentido, Tardif (2006) atribui ênfase às interações no processo de ensino e aprendizagem. Para este autor, o campo próprio da pedagogia são as interações concretas entre os professores e os alunos. A docência e a aprendizagem operam como interação. Tardif (2006, p. 149 e 166), diz que: O agir interativo não é orientado para a manipulação dos objetos ou para o controle dos fenômenos do ambiente circundante, mas por um confronto com o outro. O confronto com o outro não é rígido; ele pode adaptar-se a diversos modos e a diversas modulações, de acordo com as finalidades que os autores almejam alcançar.

53 53 [...] O professor não é um trabalhador que se contenta em aplicar meios e que se comporta como um agente de uma organização: ele é sujeito do seu próprio trabalho e ator de sua pedagogia, pois é ele quem a modela, quem lhe dá corpo e sentido no contato com os alunos (negociando, improvisando, adaptando). Praticar a docência, para Tardif (2006), é entrar numa sala de aula e se colocar diante de um grupo de alunos, se esforçando para estabelecer relações e desencadear um processo de autorias e coautorias, mediado por uma grande variedade de interações. O trabalho do professor em sala de aula deve fluir num espaço favorável à transformação, à mobilização de saberes e, portanto, de teorias, de conhecimentos e de saber-fazer específicos que acionam a participação dos atores envolvidos no processo (TARDIF, 2006). Mas não só na sala de aula presencial. Rodrigues (2009) afirma que as reflexões de Tardif se referem ao saber do docente que atua na sala de aula presencial, porém suas considerações podem ser relacionadas ao contexto da educação online, [...] desde que compreendidas as especificidades dessa modalidade. Assim, é possível considerar que o contexto do trabalho em ambientes virtuais de aprendizagem é mais uma situação específica da ação docente, que incorpora novos aspectos, mas conserva algumas características essenciais do trabalho desse profissional (RODRIGUES, 2009, p. 54). Assim, a partir das abordagens teóricas do sociointeracionismo de Vygotsky (1998), da epistemologia da prática profissional de Tardif (2006), Rodrigues (2009), em sua pesquisa, organizou os saberes para docência online em três categorias: saberes epistemológicos, tecnológicos e didáticos. A seguir, a sistematização, em forma de mapa conceitual, dos saberes docentes proposta por Rodrigues (2009, p. 96):

54 Figura 1: Sistematização dos saberes 54

55 55 Os saberes epistemológicos abordam questões que fundamentam a formação e a prática pedagógica dos professores; os saberes tecnológicos se referem ao conhecimento que o professor deve ter acerca dos ambientes virtuais, seus recursos e interfaces e potencialidades para os processos de produção do conhecimento, de criação e cocriação; os saberes didáticos, entendidos como as intervenções e estratégias docentes que emergem da prática do professor online, que se subdividem em saberes do desenho didático, saberes da mediação pedagógica e saberes da avaliação. A autora conclui que é preciso perceber que as três categorias aqui analisadas não representam saberes isolados, mas são saberes que se interconectam e se complementam (RODRIGUES, 2009, p. 168). Tais saberes docentes situados na perspectiva da interatividade se expressam no ambiente virtual de aprendizagem, quando há utilização expressiva de interfaces de compartilhamento (como chat, fórum e videoconferência) e de colaboração (como wiki), numa perspectiva de partilha e cocriação entre docentes e aprendentes (RODRIGUES, 2009, p. 168). Ao que parece, os saberes docentes na educação online na perspectiva da interatividade a partir da análise de Rodrigues (2009) e os indicadores propostos por Silva (2004) baseiam-se em abordagens teóricas formuladas por Vygotsky (1998) e Tardif (2006). Nesse sentido parece haver convergência e complementação entre os indicadores e as categorias de saberes de Rodrigues (2009), uma vez que em ambos percebe-se a interatividade promovida entre os atores do processo como potencializadora do ensino e da aprendizagem. Entende-se como interatividade promovida aquela em que o professor oferece possibilidades de aprendizagem, disponibilizando conexões para recorrência e experimentações que ele tece com os alunos. Ele mobiliza articulações entre os diversos campos de conhecimento tomados como rede interdisciplinar e transdisciplinar e, ao mesmo tempo, estimula a participação criativa dos alunos, considerando suas disposições sensoriais, motoras, afetivas, cognitivas culturais e intuitivas (SILVA, 2004). Tal interatividade promovida requer a mobilização de saberes epistemológicos, tecnológicos e didáticos, todos articulados em sua complexidade e atentos à nova ordem social do nosso tempo relativa à liberação do polo transmissor, a maior liberdade do sujeito, às redes sociais, à descentralidade da informação veiculada e à computação social que constrói e compartilha de maneira colaborativa o conhecimento. Será a articulação entre os três saberes imbricados que possibilitará mobilizar a experiência do conhecimento que requer modelar os domínios do conhecimento como espaços conceituais a partir dos quais os aprendizes possam construir seus próprios mapas conceituais, promover atividades que propiciem a livre expressão, o confronto de ideias e a colaboração entre os estudantes, o

56 56 aguçamento da observação e da interpretação das atitudes dos atores do processo (SILVA, 2010). A interatividade promovida ocorre também quando o docente online arquiteta colaborativamente percursos hipertextuais, em rotas diferentes, multidisciplinares e transdisciplinares; disponibiliza os dados do conhecimento exuberantemente conectados e em múltiplas camadas ligadas a pontos que facilitem o acesso e o cruzamento de informações e de participações. O docente online provoca situações de inquietação criadora a partir da promoção de ocasiões que despertem a coragem do enfretamento em público diante de situações que provoquem reações individuais e em grupos e ao mesmo tempo respeita a diversidade plural das ideias; incentiva a participação dos estudantes na resolução de problemas apresentados de forma autônoma e cooperativa, problemas também voltados para o desenvolvimento de competências que possibilitem ao aprendiz ressignificar ideias, conceitos e procedimentos. Disponibiliza uma montagem de conexões em rede que permite múltiplas ocorrências a partir do uso de diferentes suportes e linguagens midiáticos em mixagens e em multimídia, garantindo um território de expressão e aprendizagem labiríntico, porém de fácil navegação, e permitindo que o aprendiz conduza suas explorações (SILVA, 2010). 2.5 Desafios da docência online: saberes do desenho didático Para mobilizar articulações entre os diversos campos do conhecimento que estimulem a prática da interatividade promovida, participação criativa dos aprendizes, é preciso construir um desenho didático em sintonia com a interatividade, o hipertexto, a cibercultura e a própria lógica da web 2.0. Assim o desenho didático de curso online ganha destaque. Ele deve fazer proposições e usar de diversas interfaces em AVAs para a cocriação da comunicação e da aprendizagem em sua sala de aula online. Para Santos e Silva (2009, p. 274), essas proposições e interfaces deverão favorecer bidirecionalidade, sentimento de pertença, trocas, crítica e autocrítica, discussões temáticas, elaboração colaborativa, exploração, experimentação, simulação e descoberta. Trata-se da construção de um desenho didático que potencialize um espaço próprio para a formação de sujeitos participativos e autônomos, onde não cabe mais o professor transmissor de informações, mas um arquiteto de percursos, um negociador de significados e diferenças (ARAÚJO, 2007). Em outras palavras, um desenho didático favorável à prática educativa sintonizada com espírito do nosso tempo sociotécnico e com a formação cidadã e que assegure e favoreça a expressão do diálogo, do compartilhamento e da autoria criativa e colaborativa.

57 57 Para Santos e Silva (2009, p. 275), construir a prática pedagógica para a educação online é em primeiro lugar pensar um desenho didático interativo como arquitetura que envolve o planejamento, a produção e a operatividade de conteúdos e de situações de aprendizagem, que estruturam processos de construção do conhecimento na sala de aula online. Nesse sentido, Araújo (2007) afirma que a definição de estratégias para o desenho didático de cursos online deve ser baseada em teorias educacionais consolidadas. Tais teorias apontam para algumas etapas do processo de desenvolvimento: a análise, o design, o desenvolvimento e implantação e a avaliação e revisão. A fase de análise é marcada pelo levantamento do perfil dos estudantes, as necessidades de aprendizagem e definição dos objetivos. A seguir a fase do design, em que é feito o planejamento, ou seja, a definição da equipe, dos conteúdos, das estratégias pedagógicas e tecnológicas e do cronograma de execução. Já a fase do desenvolvimento e implantação contempla todas as etapas de elaboração e adaptação do material pedagógico, instalação e configuração dos ambientes online, escolha de mídias e a gestão do curso. Finalmente, na fase da avaliação o processo avaliativo da aprendizagem compreende uma filosofia educacional, uma concepção teóricometodológica de ensino e de aprendizagem, para verificar em que nível os objetivos propostos foram alcançados, constatar progressos e dificuldades e reorientar o trabalho ou propor novas ações. Santos e Silva (2009, p. 276) afirmam que antecede a criação dos conteúdos e das situações de aprendizagem a serem disponibilizados nas interfaces a necessidade de atentar para algumas questões de planejamento, a saber: Qual o contexto sócio-histórico e cultural dos aprendentes?; [...]; qual a infraestrutura tecnológica de que dispõem os docentes e os cursistas?; que competências pretendemos mobilizar nos aprendentes?; que profissionais podem ser agregados ao projeto para uma produção interdisciplinar?; [...]; como estruturar os conteúdos, os objetos e as situações de aprendizagem em hipertexto?; como conciliar situações de aprendizagem individuais (autoestudo) com situações de aprendizagem interativas (aprendizagem colaborativa)?; [...]; quais indicadores utilizar para avaliar a aprendizagem a partir das participações nas interfaces de comunicação?; que interfaces de conteúdos e de comunicação utilizar em cada aula, fase, bloco, módulo ou unidade do curso? O que se percebe, na visão de Araújo (2007) e de Santos e Silva (2009), é a necessidade de se fazer um planejamento maior, melhor e anterior ao início do curso. Tal planejamento deverá envolver uma equipe de produção interdisciplinar composta de conteudista, web roteirista, web designer, programador e designer didático, sendo concebido

58 58 como produção coletiva que abre espaços para a autoria de todos os sujeitos envolvidos. A descrição a seguir é proposta por Santos e Silva (2009, p. 277): Tabela 2: Equipe de produção interdisciplinar Especialistas Conteudista Web roteirista Web designer Programador Designer didático Atividades Cria e dispõe conteúdos normalmente na forma de texto explicativo/dissertativo a partir do planejamento do curso, reunindo conteúdos e situações de aprendizagem. Roteiriza os conteúdos e as situações de aprendizagem dispostos no texto do conteudista para a linguagem da web. Leva em conta os formatos variados do hipertexto, da mixagem e da multimídia. É o artista que dispõe o roteiro criado pelo web roteirista no ambiente online de aprendizagem. Digitaliza esteticamente o web roteiro em telas (templates). Desenvolve ou customiza o ambiente online de aprendizagem. Cria programas e interfaces de conteúdo e de comunicação síncrona e assíncrona. Gerencia arquivos e banco de dados, bem como toda parte do processo que supõe programação de computadores. Analisa as necessidades e interesses dos docentes, dos cursistas e da instituição. Arquiteta o desenho do curso no ambiente online de aprendizagem. Cria e estrutura conteúdos e situações de aprendizagem. Avalia os processos de construção e de funcionamento do curso. É o mediador do trabalho de toda a equipe de especialistas. Assim compreendido, o desenho didático requer uma equipe com competências específicas e que deverá atuar de forma interdisciplinar, articulando os saberes de seus membros. A partir da atuação dos docentes e dos cursistas, o desenho didático transforma-se em um campo de possibilidades para a construção do conhecimento na sala de aula online. Estruturado como hipertexto, permite que o sujeito teça sua autoria operando em vários percursos e leituras possíveis através dos links. Através do hipertexto o leitor percorre caminhos que o levarão a espaços e conteúdos não mais presos à linearidade das páginas de um livro. O fim no hipertexto é sempre um novo começo caleidoscópico, no qual, simultaneamente, podemos ler vários textos, cortar, colar e criar intertextos (SANTOS; SILVA, 2009, p. 278). Junior (2009, p. 50), citando Santos e Silva (2009), afirma que na educação online, o desenho didático necessita de uma constante reconstrução, já que existe uma interação ativa entre professores e alunos. Para que um desenho didático interativo seja eficiente, Santos e Silva (2009, p. 281) lembram que é importante pré-produzir parte dos conteúdos e das atividades que poderão ser utilizados ou não de acordo com as preferências dos cursistas e do docente. Ou seja, há a necessidade de se criar um web roteiro. Eles sustentam, ainda, que

59 59 devem ser observados basicamente quatro encaminhamentos para o desenvolvimento do web roteiro. Tais encaminhamentos são apresentados por Araujo (2009, p. 51): Primeiro devem ser pensados os percursos hipertextuais, com o tracejar de caminhos diferentes para a aprendizagem, coma a exploração das vantagens disponibilizadas pelo hipertexto; Segundo, existir uma disponibilidade para uma montagem de conexões em rede que irão permitir múltiplas ocorrências e onde os aprendizes possam construir seus próprios mapas, conduzindo suas explorações; Terceiro, devem ser propostas situações para uma inquietação criadora que provoquem e despertem o desejo para enfrentamento online, encorajando a troca entre todos os envolvidos. E quarto, a importância de se criar sinalizações para que o web designer opte na hora da criação por formatos que deem opções de escolha na hora de opção por este ou aquele modelo de interação. Entretanto, Santos e Silva (2009) insistem: é importante pré-produzir parte dos conteúdos e das atividades que poderão ser utilizados ou não, de acordo com as necessidades e preferências dos cursistas e do docente. A partir da intervenção dos cursistas e do docente, o web roteirista propõe conteúdos e situações de aprendizagem em novos caminhos Assim o web roteiro é escrito e poderá sofrer mudanças enquanto o curso está em andamento. Trata-se de um processo interativo entre equipe de produção interdisciplinar composta de conteudista, web roteirista, web designer, programador, designer didático e os aprendizes. Especificamente em relação ao web designer, Silva (2010), ao esclarecer sobre a aventura na materialidade comunicacional do designer de software, como aquele que dispõe o roteiro criado pelo web roteirista no ambiente online de aprendizagem, diz que: Modelar os conteúdos de aprendizagem como espaços de participação sensório-corporal e de participação semântica, disponibilizar domínios do conhecimento e estados potenciais, supõe o tratamento da informação em uma dinâmica espiralada que abre ao desenvolvimento previsível e imprevisível, que abre a criação livre e plural dos participantes (SILVA, 2010, p. 230). É a partir desse tratamento dado aos conteúdos de aprendizagem que, para Silva (2010), a interatividade passa a significar libertação do constrangimento diante da lógica da transmissão e representa um princípio do mundo digital e da cibercultura. Porém é preciso cuidado com o significado para a palavra modelar. Não se trata de criar um modelo a ser seguido e sim de arquitetar os conteúdos de aprendizagem que permitam e potencializem a

60 60 liberdade dos sujeitos, a descentralidade da informação veiculada proveniente da liberação do polo transmissor e a nova lógica construída a partir das redes sociais e da computação social em que se constrói e compartilha de maneira colaborativa. Nesse sentido, o artigo Criar e professorar um curso online, integrante do livro Educação online (SILVA, 2006), apresenta ingredientes, não como receita de bolo, mas como contribuições para o debate sobre educação online. O autor afirma que disponibilizar não se reduz a permitir, uma vez que na internet não faz sentido permitir sem dispor teias de possibilidades. Disponibilizar em sala de aula online implica três investimentos, segundo Silva (2006, p. 57): Oferecer múltiplas informações (em imagens, textos, sons etc.) Sabendo que as tecnologias digitais utilizadas de modo interativo potencializam consideravelmente ações que resultam em conhecimento. Ensejar (oferecer ocasião de...) e urdir (dispor entrelaçados os fios da teia, enredar) múltiplos percursos para conexões e expressões com que os alunos possam contar no ato de manipular as informações e percorrer percursos arquitetados. Estimular os aprendizes a contribuir com novas informações e a criar e oferecer mais e melhores percursos, participando como coautores do processo. Ainda segundo Silva (2006, p. 57), muda o papel do professor, que constrói uma rede e não uma rota. Ele define um conjunto de territórios a explorar, enquanto a aprendizagem se dá na exploração ter a experiência realizada pelos aprendizes e não a sua récita. Trata-se de dar outro sentido à autoria da aprendizagem compartilhada entre professore e alunos e não a partir da exposição e transmissão de conteúdos que o professor detém. Essa mudança de paradigma, segundo Silva (2010), ocorre em sintonia com a metáfora do hipertexto e permite verificar que, além de apresentador de conteúdos, o professor pode se tornar um provocador de conhecimentos, formulador de problemas, proponente de situações, arquiteto de percursos, mobilizador das inteligências múltiplas e coletivas na produção de conhecimentos. Muda também o papel dos alunos: não mais submetidos ao constrangimento da recepção, agem criando, modificando, aumentando e tornam-se assim coautores da aprendizagem e do seu próprio curso (SILVA, 2006, p. 58). Trata-se, portanto, da mudança dos papéis de professores e alunos a partir da mudança da lógica da transmissão para a lógica da comunicação; e, na educação, da pedagogia da transmissão para a pedagogia da problematização ou da interatividade.

61 61 3 A METODOLOGIA E O CONTEXTO DA PESQUISA O caminho a ser percorrido neste capítulo está apresentado em cinco seções. Cada uma delas tem por finalidade última investigar como se deu o enfrentamento dos desafios comunicacionais durante a mediação docente no curso de extensão sobre Formação de Professores para Docência Online oferecido pelo programa e-tec Brasil. Na primeira, descrevo o campo escolhido e procuro apresentar o cronograma do curso, suas unidades organizadas em aulas e os objetivos de cada uma. Ainda nesta seção delimito a pesquisa com um recorte do campo em três momentos específicos focalizando os objetivos da pesquisa, finalizando com o acompanhamento feito durante o curso, pelo pesquisador, da correlação entre as visualizações e participações de docentes e cursistas. Na segunda seção apresento minha opção metodológica pela pesquisa qualitativa de cunho sociocultural (FREITAS, 2002). Na etapa seguinte descrevo os dispositivos metodológicos para a coleta e análise de dados. Na penúltima seção, apresento os sujeitos da pesquisa, bem como a síntese de um questionário aplicado por ocasião do encontro presencial realizado em Brasília com os cursistas, a equipe do e-tec Brasil do MEC e a equipe pedagógica do curso. Finalmente, na quinta seção, a partir da limitação de permissões 12 concedidas ao meu perfil de estudante, usuário do Moodle do curso em questão, eu apresento o ambiente Moodle do Instituto Federal do Sudeste de Minas Gerais Campus Juiz de Fora, onde eu tenho permissões de administrador, algumas de suas funcionalidades e as interfaces que mais irão interessar ao leitor e ao docente online. 3.1 O campo de pesquisa Apresentação do campo de pesquisa Em julho de 2009, como um dos coordenadores regionais do programa e-tec Brasil, fui convidado a participar do curso de Formação de Professores para Docência Online oferecido pelo MEC e coordenado pelo professor Marco Silva, meu orientador no mestrado. Tal curso se constituiu em meu campo de pesquisa e se desenvolveu no ambiente virtual Moodle do MEC. O período de realização do curso, do qual participei como professorcursista, foi de 31/8 a 15/12 de Sua relevância como campo de pesquisa está no fato de 12 Os usuários do Moodle são categorizados por funções e cada função possui permissões relativas à edição dos cursos, à anexação de arquivos, etc.

62 62 a formação continuada de professores e de gestores para a educação online ser demanda da sociedade da informação e da era digital. O alastramento da presença do computador online é inarredável no cotidiano das pessoas, constituído por novas práticas ( s, listas, web logs, jornalismo online, web cams, redes sociais, etc.), novos empreendimentos de grupos de interesse (cidades digitais, games, ciberativismo, arte eletrônica, etc.). Assim, formar o educador e o gestor em sintonia com esse contexto significa prepará-los para incluir criticamente os cidadãos no contexto sociotécnico do nosso tempo. Essa formação se faz proporcionando-lhes a mobilização de competências e de autonomia para a construção de projetos pedagógicos que utilizam as tecnologias digitais off-line e online como potencializadoras da gestão, docência e aprendizagem. Oferecido na modalidade online, este curso de aperfeiçoamento já traz em sua prática o engajamento do professor e do gestor cursistas capaz de promover e avaliar a aprendizagem lançando mão de interfaces digitais (fórum, chat, blog e wiki, entre outras) e aí formar e educar, como pode ser constatado na Figura 2 a seguir: Figura 2: Curso de Formação para a Docência Online Destacam-se como objetivos gerais do curso formar professores e gestores para utilizar tecnologias digitais online como potencializadoras da docência e da aprendizagem na educação profissional; divulgar experiências, projetos e trabalhos sobre o uso da modalidade online na formação de docentes e profissionais da educação como técnicos e gestores; construir projetos educacionais para ambientes online de aprendizagem a partir do desenho didático interativo, da utilização de interfaces de comunicação, de conteúdos multimídia e de objetos de aprendizagem. O público-alvo é composto de docentes e gestores do projeto e-tec

63 63 Brasil e a carga horária total do curso é de 60 horas, a serem cumpridas em três meses, requerendo a média de estudo de cinco horas semanais no mínimo. A seguir encontra-se o cronograma do curso Formação de Professores para Docência Online, que foi organizado em três unidades e contou finalmente com o período de avaliações. 30 e 31 de agosto de 2009 Encontro Presencial. 1º. a 6 de setembro de 2009 Ambientação Online. 7 a 20 de setembro de 2009 Unidade 1 aula 1: O desafio comunicacional da educação online. 28 de setembro a 4 de outubro de 2009 Aula 2: EaD e educação online brasileiras: legislação e qualidade. 5 a 18 de outubro de 2009 Aula 3: O desafio de formar e educar online: o perfil sociocultural dos nossos alunos online. 26 de outubro a 8 de novembro de 2009 Unidade 2 Aula 4: A educação presencial e online: diferenças e transposições. 9 a 18 de novembro de 2009 Aula 5: A interatividade na educação online. 18 a 29 de novembro de 2009 Aula 6: Saberes docentes na educação online. 30 de novembro a 10 de dezembro de 2009 Unidade 3 Aula 7: Desenho didático e produção de conteúdos para educação online. 10 a 15 de dezembro de 2009 Avaliações finais Feedback das avaliações por parte dos docentes-formadores. A escolha do curso como campo de pesquisa foi por ele formar professores para atuar na mediação docente em cursos do programa e-tec Brasil e, portanto, se utilizar da metalinguagem. Organizado em sete aulas, o curso tem sua estrutura voltada para a formação professores. A ambientação teve como objetivo a apresentação dos cursistas e formadores, que, além da vida, falaram sobre suas carreiras profissionais e expectativas em relação ao curso. A seguir estão descritos os objetivos de aprendizagem de cada um das aulas do Curso de Formação de Professores para a Docência Online. Aula 1: O desafio comunicacional da educação online. Objetivos: ambientação da turma no AVA e no curso: desafios e possibilidades; mapear o desafio comunicacional da educação online; criticar a pedagogia da transmissão, descrever as disposições comunicacionais da sala de aula online; distinguir analógico e digital, mídias de massa e mídias digitais, imigrantes digitais e nativos digitais.

64 64 Figura 3: Aula 1 Aula 2: EaD e educação online brasileiras: legislação e qualidade. Objetivos: mapear o panorama atual da EaD no Brasil; criticar as precariedades na atual EaD brasileira; distinguir EaD de educação online; analisar a legislação atual, favorável à oferta de EaD e de educação online; explicar o crescimento desenfreado da EaD no Brasil; constatar o desafio da qualidade na educação online. Figura 4: Aula 2 Aula 3: O desafio de formar e educar online: o perfil sociocultural dos nossos alunos online. Objetivos: distinguir o perfil comunicacional dos alunos nativos digitais e dos professores imigrantes digitais ; conhecer os conceitos geração net e geração digital ; descrever e analisar o perfil sociocultural dos nossos alunos universitários da modalidade online; definir inclusão digital para além do mero acesso ao computador conectado; conhecer os

65 65 conceitos pós-moderno e pós-modernidade e a partir deles avaliar o desafio de educar as novas gerações em nosso tempo. Figura 5: Aula 3 Aula 4: A educação presencial e online: diferenças e transposições. Ocorreu, para essa aula, a junção de turmas com o objetivo de turbinar a participação discente. Objetivos: contrastar educação presencial e educação online; discutir a possibilidade de transposição entre as modalidades presencial e online de estratégias docentes, de estratégias de aprendizagem e de estratégias de comunicação; definir qualidade em educação online a partir de comparações e transposições entre as modalidades presencial e online Figura 6: Aula 4 Aula 5: A interatividade na educação online. Objetivos: discutir o conceito interatividade na tecnologia digital e na arte; estabelecer nexos entre cibercultura e interatividade;

66 66 articular interatividade com processos comunicacionais e com a docência em cursos online; usar as contribuições da pedagogia do parangolé 13 para o tratamento da docência e da aprendizagem na educação online. Figura 7: Aula 5 Aula 6: Saberes docentes na educação online. Objetivos: mapear em renomadas abordagens teórico-práticas da educação suas inquietações com a interação, com a dialógica e com a participação colaborativa dos aprendizes como base essencial da aprendizagem; definir saberes docentes para a modalidade online inspirados nas abordagens teórico-práticas voltadas para a modalidade presencial; desenvolver sugestões de qualidade para a docência online baseadas na postura comunicacional interativa do web designer em ambientes digitais ou no ciberespaço. 13 Parangolé: objeto criado pelo artista plástico brasileiro Hélio Oiticica. Com sua proposta, Oiticica rompe com o modelo artístico baseado na simples fruição. Ela é pura proposição à participação ativa do espectador termo que se torna inadequado, obsoleto. Trata-se de participação sensório-corporal e semântica e não de participação mecânica. Hélio Oiticica quer a intervenção física na obra de arte e não apenas contemplação imaginal separada da proposição. O fruidor da arte é solicitado à completação dos significados propostos no parangolé. E as proposições são abertas, o que significa convite à cocriação da obra. O fruidor veste o parangolé, uma capa feita com camadas de panos coloridos que se revelam à medida que o indivíduo se movimenta, correndo ou dançando dentro da peça. Com a pedagogia do parangolé, Marco Silva leva o conceito ao campo da educação e da comunicação.

67 67 Figura 8: Aula 6 Aula 7: Desenho didático e produção de conteúdos para educação online. Objetivos: discutir e exercitar criação de conteúdos para cursos online no Moodle; articular conteúdos de aprendizagem e produção técnica do desenho didático: a disposição de conteúdos, atividades e estratégias de avaliação, levando em conta usabilidade e interatividade no ambiente online; discutir a disposição dos conteúdos em cursos online a partir de modelo de template; articular conteúdos de aprendizagem online e a dinâmica comunicacional da web (interatividade) e da utilização de interfaces para expressão multimídia de objetos de aprendizagem. Figura 9: Aula 7 Como se pode ver, o curso de extensão Formação de Professores para a Docência Online está perfeitamente alinhado com os objetivos descritos nesta pesquisa. Sua observação deverá contribuir para o entendimento da modalidade comunicacional estabelecida no curso,

68 68 analisar e compreender os saberes docentes manifestos no curso a partir das interfaces do AVA utilizado, de seu desenho didático e das estratégias comunicacionais utilizadas pelos docentes para promover a participação e a colaboração dos aprendizes A correlação entre as participações de docentes e cursistas Na perspectiva da pesquisa qualitativa com enfoque sócio-histórico, inicialmente, são apresentados gráficos a fim de se investigarem as correlações entre as estratégias comunicacionais da mediação docente utilizadas no curso e a participação e a colaboração dos aprendizes. A seguir, a partir das sugestões de interatividade de Silva (2010) e dos saberes docentes de Tardif (1998), buscar-se-á compreender tal correlacão 14 entre a participação do docente-formador e a participação do docente-cursista nas diversas aulas e turmas do curso. Antes, porém é preciso tecer considerações sobre a utilização de métodos estatísticos em pesquisas qualitativas, começando por recorrer a Bogdan e Biklen (1994, p. 11), que comentam: [...] um campo que era anteriormente dominado pelas questões da mensuração, definições operacionais, variáveis, testes de hipóteses e estatística alargou-se para contemplar uma metodologia de investigação que enfatiza a descrição, a indução, a teoria fundamentada e o estudo das percepções pessoais. Designamos esta abordagem por Investigação Qualitativa. Freitas (2002) afirma que as pesquisas qualitativas com o olhar da perspectiva sóciohistórica, ao valorizarem os aspectos descritivos e as percepções pessoais, devem focalizar o particular como instância da totalidade social, procurando compreender os sujeitos envolvidos e, por seu intermédio, compreender também o contexto. Na pesquisa qualitativa com enfoque sócio-histórico não se investiga em razão de resultados: o que se quer obter é a compreensão dos comportamentos a partir da perspectiva dos sujeitos da investigação (BOGDAN; BIKLEN, 1994, p.16), correlacionada ao contexto do qual esses sujeitos fazem parte. Assim, as questões formuladas para a pesquisa não são estabelecidas a partir da operacionalização de variáveis, mas se orientam para a compreensão dos fenômenos em toda a sua complexidade e em seu acontecer histórico (FREITAS, 2002). 14 Para estabelecer a correlação entre as participações foi realizada a coleta das informações no ambiente moodle onde transcorreu o curso, em seguida sistematizadas em tabelas do Excel e finalmente utilizou-se da função estatística correl que estabelece a correlação desejada. Os valores encontrados variam entre -1 e +1, onde -1 significa nenhuma correlação e +1 a máxima correlação entre as variáveis.

69 69 Gráfico 1: Correlação Turmas 1 e 3 Correlação: 0,44 Correlação: 0,52 Correlação: 0, Participação - Turma Aula 1 Aula 2 Aula Participação - Turma Aula 1 Aula 2 Aula Participação - Turmas 1 e Aula 4 Aula 5 Aula 6 Aula 7 Turma 1 Formador Turma 1 Turma 3 Formador Turma 3 Turmas 1 e 3 Formadores Turmas 1 e 3 Gráfico 2: Correlação Turmas 4 e 6 Correlação: 0,86 Correlação: 0,67 Correlação: 1, Participação - Turma Aula 1 Aula 2 Aula Participação - Turma Aula 1 Aula 2 Aula Participação - Turmas 4 e Aula 4 Aula 5 Aula 6 Aula 7 Turma 4 Formador Turma 4 Turma 6 Formador Turma 6 Turmas 4 e 6 Formadores Turma 4 e 6 Gráfico 3: Correlação Turmas 5 e 10 Correlação: - 0,40 Correlação: 0,60 Correlação: 0, Participação - Turma Aula 1 Aula 2 Aula Participação - Turma Aula 1 Aula 2 Aula Participação - Turmas 5 e Aula 4 Aula 5 Aula 6 Aula 7 Turma 5 Formador Turma 5 Turma 10 Formador Turma 10 Turma 5 e 10 Formador Turma 5 e 10

70 70 Gráfico 4: Correlação Turmas 7 e 8 Correlação: 0,82 Correlação: 0,70 Correlação: 0, Participação - Turma Aula 1 Aula 2 Aula Participação - Turma Aula 1 Aula 2 Aula Participação - Turmas 7 e Aula 4 Aula 5 Aula 6 Aula 7 Turma 7 Formador Turma 7 Turma 8 Formador Turma 8 Turma 7 e 8 Formador Turma 7 e 8 Gráfico 5: Correlação Turmas 2 e 9 Correlação: 0,54 Correlação: 0,98 Correlação: 0, Participação - Turma Aula 1 Aula 2 Aula Participação - Turma Aula 1 Aula 2 Aula Participação - Turmas 2 e Aula 4 Aula 5 Aula 6 Aula 7 Turma 2 Formador Turma 2 Turma 9 Formador Turma 9 Turmas 2 e 9 Formadores Turma 2 e A escolha da metodologia O grande desafio enfrentado neste momento de escolha foi de uma prática investigativa que estivesse em consonância com os pressupostos teóricos que embasam minha investigação: como pesquisador da interatividade, conceito que traz em si os fundamentos participação intervenção, bidirecionalidade hibridação, permutabilidade potencialidade (SILVA, 2010), não me seria possível uma postura investigativa isenta, neutra, pois, como nos alerta Freitas (2003, p. 23), a tradição empirista da pesquisa nas Ciências Humanas tem impedido muitas vezes uma maior aproximação e compreensão das questões propostas para estudo. Percebi que, como pesquisador em ciências humanas, não poderia me limitar à

71 71 contemplação, pois estavam diante de mim sujeitos com os quais precisava estabelecer interlocução. A partir do exposto por Freitas (2003), optei pela pesquisa de cunho qualitativo, por considerá-la a mais adequada à investigação em ciências humanas e por perceber que essa forma de pesquisa permite observar e analisar questões não mensuráveis dos processos educacionais e de seus sujeitos (RODRIGUES, 2009, p. 63), visando ao aprofundamento no mundo dos significados das ações e relações humanas, um lado não perceptível e não captável em equações, médias e estatísticas (MINAYO, 1999, p. 22). Segundo Alves-Mazzotti (2001), a observação de fatos, comportamentos e cenários é extremamente valorizada pelas pesquisas qualitativas, nas quais o objeto de estudo é abordado de maneira ampla. É a forma adequada para entender a natureza de um fenômeno. Neste sentido, Freitas (2002) analisa as perspectivas abertas pela abordagem histórico-cultural para a investigação qualitativa no âmbito das ciências humanas, apontando para uma forma de pesquisa considerada como uma relação entre os sujeitos, portanto, dialógica, na qual o pesquisador é parte integrante do processo investigativo. Assim o pesquisador e o sujeito da pesquisa se comunicam, passando de monólogo a diálogo, como nos alerta Freitas (2002): De uma orientação monológica passa-se a uma perspectiva dialógica. Isso muda tudo em relação à pesquisa, uma vez que investigador e investigado são dois sujeitos em interação. O homem não pode ser apenas objeto de uma explicação, produto de uma só consciência, de um só sujeito, mas deve ser também compreendido, processo esse que supõe duas consciências, dois sujeitos, portanto, dialógico (FREITAS, 2002, p. 24). A partir do exposto por Freitas (2002), a investigação, nesta dissertação, se dará na perspectiva dialógica da abordagem histórico-cultural. Corroboram com essa perspectiva Bakhtin (1998) e Vygotsky (2003), que também consideram que todo conhecimento é construído na interação entre as pessoas e dessa maneira concluem que a mediação do pesquisador também provoca alterações de comportamento. Nessa perspectiva, a neutralidade inexiste, e o pesquisador faz parte da própria situação da pesquisa e suas ações terão efeitos na análise. Ressalta-se que o pesquisador, durante o processo de investigação, como o investigado, também estará em processo de aprendizagem e transformação e, além disso, passará a ressignificar o campo (RODRIGUES, 2009). 3.3 Dispositivos metodológicos

72 Coleta de dados A observação Na perspectiva histórico-cultural, a observação foi participante, uma vez que o observador fez parte do curso campo de pesquisa em questão. A observação nessa abordagem se constitui em um encontro de muitas falas: ao se observar um evento, depara-se com diferentes discursos verbais, gestuais e expressivos. São discursos que refletem e retratam a realidade da qual fazem parte, construindo uma verdadeira organização da vida social. Segundo Freitas (2007a, p. 9): Enfim, a teoria enunciativa da linguagem de Bakhtin permite considerar a observação numa perspectiva discursiva, dialógica e polifônica, compreendendo que o campo nos confronta com eventos de linguagem marcados pela interlocução. Assim, a partir do que tenho refletido atualmente, considero que na perspectiva histórico-cultural a observação não se esgota em si mesma, o pesquisador não é apenas um observador, mas alguém que interfere no contexto em que a pesquisa é realizada visando à transformação dos participantes e também à sua. Nesse sentido a observação passa a ser um encontro dialógico. A opção por uma observação discursiva, dialógica e polifônica foi primordial neste estudo, por possibilitar a compreensão dos desafios enfrentados durante a mediação docente e as estratégias adotadas pela equipe pedagógica para superá-los. Nessa perspectiva, a observação será realizada a partir da leitura no ambiente virtual de aprendizagem de fóruns, chats, portfólios e livros, além do desenho didático do curso em questão, e pode ser encontrada no backup do ambiente virtual Moodle, no qual se desenvolveu o curso. Buscarse-á identificar a modalidade comunicacional estabelecida como massiva ou interativa, mais especificamente as potencialidades comunicacionais dos AVAs, como tal modalidade foi favorecida ou não pelo desenho didático do curso e as estratégias da mediação docente para promover a participação e a colaboração dos aprendizes, a partir dos saberes docentes e das sugestões de interatividade feitas aos docentes por Silva (2010) e apresentadas na Introdução desta dissertação. No campo de pesquisa encontramos a utilização da interface fórum, que surgiu com diferentes metáforas, diferentes perspectivas: ora o fórum foi utilizado como espaço de

73 73 discussão, ora serviu como interface social ora como ambiente de avaliação, como pode ser visto nas Figuras 10 e 11 a seguir: Figura 10: Fórum como espaço de discussão Figura 11: Fórum como espaço de interação social O chat (bate-papo) do Moodle é uma interface simples de comunicação síncrona, que permite que os participantes mantenham uma conversa em tempo real. Ao contrário dos

74 74 fóruns, em que as pessoas não precisam estar simultaneamente online, no chat é necessário que todos os participantes estejam logados no curso ao mesmo tempo, para que haja comunicação, se configurando como espaço virtual em que os sujeitos interagem em um mesmo tempo físico estando em geograficamente dispersos. As interações estabelecidas nos chats ficam registradas, conforme a Figura 13. Figura 12: Chat como espaço de bate-papo Figura 13: O histórico do chat no AVA Moodle A fim de se conseguir uma interlocução adequada entre formadores e cursistas, é necessário gerar uma comunidade de significados; um mesmo conceito pode estabelecer sentidos e significados distintos. Será no glossário, uma interface do Moodle, que permitirá a visualização de termos e conceitos relativos ao conteúdo do curso. Ele permite também que se façam links automáticos entre termos do glossário e entre módulos do ambiente,

75 75 possibilitando uma maior hipertextualidade. Já na midiateca pode-se socializar material complementar para os estudos. Textos, imagens, áudios, links interessantes ou algo mais que se julgar significativo para a aprendizagem. O glossário colaborativo e a midiateca encontram-se a seguir nas Figuras 14 e 15. Figura 14: Glossário colaborativo Figura 15: A midiateca O livro é outro recurso do Moodle. O livro é utilizado para a inserção de conteúdos no ambiente Moodle. Trata-se de material de estudos com várias páginas, que pode se dividido em capítulos, conforme a Figura 16 a seguir. Ele possui barra de formatação, sendo possível incluir links, imagens, entre outros.

76 76 Figura16: Livro hipertextual Outro recurso importante utilizado foi o portfólio. Na unidade I, ao final de cada aula o docente-cursista construía seu portfólio. A partir da unidade II os portfólios foram construídos por unidade. A Figura 17 a seguir traz a página inicial do portfólio esclarecendo sobre a mudança ocorrida e de sua concepção. No que se refere à concepção, os autores do curso afirmam que o portfólio será um dispositivo que potencializa a visibilidade da produção de cada sujeito, permitindo ainda o compartilhamento com todo o grupo-sujeito, sendo simultaneamente autor e avaliador não só da sua própria autoria e produção como também da produção e autoria de seus pares. Figura 17: O portfólio. A partir das interfaces apresentadas anteriormente, o que se observará é como foram promovidas oportunidades de trabalho em grupo, através de participações livres e trocas de experiências, além de garantir a exposição de argumentos e o questionamento das afirmações;

77 77 se foram utilizados diferentes suportes e linguagens midiáticos presenciais e online, garantindo um território de expressão e aprendizagem multidirecional, porém de fácil navegação; se foi possibilitado ao aprendiz ressignificar ideias, conceitos e procedimentos, através de provocações que despertem a coragem do enfrentamento online e respeitando a diversidade plural das ideias; se foram disponibilizados dados do conhecimento exuberantemente conectados e em múltiplas camadas ligadas a pontos que facilitam o acesso e o cruzamento de informações e de participações; se foram promovidas situações de comunicação e de aprendizagem que consideram as experiências, conhecimentos e expectativas que os atores envolvidos já trazem consigo (SILVA, 2004). As entrevistas Outra técnica utilizada para este trabalho e que ofereceu dados significativos foi a entrevista semiestruturada, que, no âmbito da pesquisa qualitativa de cunho sociocultural possui a especificidade de ser compreendida como uma produção de sentidos estabelecidos na interação entre o pesquisador e os sujeitos da pesquisa e tem como objetivo a compreensão. Neste sentido Freitas (2007a, p. 10) afirma que o ouvinte concorda ou discorda, completa, adapta, repensa e essa sua atitude está em elaboração constante durante todo o processo de audição e de compreensão desde o início do discurso. Para a autora será na concepção da dialógica que se justifica a entrevista, uma vez que nela se estabelece uma relação de sentido na comunicação entrevistado entrevistador entendidos como sujeitos. Nessa perspectiva, a entrevista se constitui em uma relação dialógica, em que os sujeitos compartilham suas experiências sociais e culturais. Tal relação dialógica ganha dimensão interativa, uma vez que permite o aprofundamento das questões observadas na comunicação estabelecida entre a equipe pedagógica, professores-formadores e docentes-cursistas do curso objeto de análise. Assim a entrevista será feita junto à equipe pedagógica do curso e aos professores-formadores que mediaram o processo de docência online. Segundo Alves-Mazzotti e Gewandsznadjer (2000, p. 160), a entrevista pode ser aplicada a partir de um pequeno número de perguntas, para facilitar a sistematização e codificação. Apenas algumas questões e tópicos são predeterminados. Muitas questões podem ser formuladas durante a entrevista e as irrelevantes são abandonadas. Assim, de início foi elaborado um roteiro flexível que buscava atender aos objetivos da pesquisa. No total foram feitas sete entrevistas, sendo quatro presenciais e outras três respondidas no fórum etecnodocência online construído na plataforma da empresa

78 78 Yahoo! 15 e no qual a equipe pedagógica e os docentes-formadores trocavam informações e interações a respeito do curso Análise dos dados Rizzini, Castro e Santos (1999, p. 82) afirmam que o processo de codificação dos dados é aquilo que dará sentido aos dados enquanto resultados de uma pesquisa ou, dizendo de outra maneira, é o que relaciona os dados da pesquisa com seus objetivos. Após a coleta inicial e a organização de dados, será realizada a análise buscando torná-los compreensíveis. Como afirmam esses autores, a análise de resultados de uma pesquisa é um processo sistemático de busca e de organização visando obter maior compreensão dos materiais coletados e de torná-los compreensíveis ao maior número possível de pessoas (RIZZINI; CASTRO; SANTOS, 1999, p. 81). Tomando como base essa definição, pensa-se na aplicação da análise do conteúdo. Porém é preciso estar atento às orientações de Freitas (2002; 2003): no contexto da pesquisa qualitativa de cunho sociocultural, busca-se a apreensão de seus conteúdos relacionados aos contextos. Dessa forma, as anotações resultantes da observação serão cruzadas com as entrevistas dialógicas e interativas após serem transcritas e analisadas em seu contexto. Seguindo este caminho, serão construídas as conclusões, sempre baseadas pelo quadro teórico que sustenta esta pesquisa, uma vez que é nesse jogo dialógico que o pesquisador constrói uma compreensão da realidade investigada transformando-a e sendo por ela transformado (FREITAS, 2003). Nesse sentido Alves-Mazzotti e Gewandsznadjer (2000, p. 171) sugerem que a análise deve ser desenvolvida durante toda a investigação, através de teorizações progressivas em um processo interativo com a coleta de dados. Ainda sob a orientação desses autores, a fim de maximizar a credibilidade, será utilizado o procedimento da triangulação dos resultados e se dará, após a organização dos dados, o processo de análise e se deverá comparar o resultado das diferentes análises a partir dos princípios comunicacionais encontrados em Silva (2010), os indicadores de interatividade de Silva (2004), das abordagens teóricas do sociointeracionismo de Vygotsky (1998), da epistemologia da prática profissional de Tardif (2006), dos resultados da pesquisa de Rodrigues (2009), que organizou os saberes para docência online em três categorias: saberes epistemológicos, tecnológicos e didáticos, entre 15 A Yahoo é uma empresa norte-america de serviços de internet.

79 79 outros e as práticas empregadas no curso de formação para docência online, objeto desta pesquisa. Como critério de consistência e confirmabilidade será utilizada a técnica que Lincoln e Guba, citados por Alves-Mazzotti e Gewandsznadjer (2000, p ), chamam de auditoria. Para tal, um segundo pesquisador com experiência na área, podendo ser o próprio orientador, avaliará, no decorrer da pesquisa, a adequação dos procedimentos de coleta e análise dos dados. Portanto, serão necessárias a organização e a manutenção dos dados brutos recolhidos a partir das entrevistas e leituras de fóruns, chats, portfólios, , etc., bem como registrar cuidadosamente as razões que possam levar o pesquisador a determinadas decisões durante o processo de coleta e análise dos dados, a fim de esclarecer junto ao auditor o motivo de tais decisões. 3.4 Os sujeitos da pesquisa Inicialmente é preciso fazer a distinção oportuna entre sujeito e objeto de pesquisa. Nesse sentido, Freitas (2003) orienta que a própria utilização dos termos sujeito ou objeto ajuíza a atitude do pesquisador quanto à sua forma de olhar e compreender a realidade. Por se tratar de uma pesquisa qualitativa numa perspectiva sociocultural, será utilizado o termo sujeitos e não objetos para designar as pessoas investigadas. Adotar essa postura reflete o lugar e a posição do pesquisador como aquele que participa e interage com o sujeito no processo de pesquisa. Nesse sentido, Freitas (2003, p. 29) afirma que conceber, portanto, a pesquisa nas ciências humanas a partir da perspectiva sócio-histórica implica compreendê-la como uma relação entre sujeitos possibilitada pela linguagem. [...] O objeto de estudo das ciências humanas é o homem ser expressivo e falante. A equipe pedagógica e docentes-formadores O grupo estudado foi formado por oito professores responsáveis por organizar e conduzir os trabalhos no curso de Formação de Professores para Docência Online, que participaram da entrevista realizada durante o curso. Tais docentes são oriundos de diferentes formações e campos de conhecimentos: psicologia, sociologia, história, matemática e pedagogia, além de atuarem como pesquisadores na mesma área com ênfase nas TICs. Vale ressaltar que a toda equipe era composta de 14 professores entre coordenação pedagógica e docentes-formadores. O curso contou também com a participação de 130 docentes-cursistas,

80 80 cujo perfil foi levantado e será apresentado mais adiante neste capítulo para melhor compreensão do contexto da pesquisa. Os sujeitos da pesquisa tiveram suas identidades preservadas através de referências alfanuméricas, que foram estabelecidas de acordo com a função que exerceram no curso. Assim EP1 e EP2 significam equipe pedagógica um e dois, enquanto D1, D2, D3, D4, D5 e D6 docentes-formadores um, dois, etc. Os docentes-cursistas No dias 30 e 31 de agosto de 2009 ocorreu o primeiro encontro presencial entre a equipe pedagógica, equipe do e-tec Brasil e docentes-cursistas. Nesse encontro foram proferidas palestras sobre os seguintes temas: Formação dos professores do e-tec para docência online; Sala de aula interativa: educar em nosso tempo; Sugestões de qualidade em educação online. A seguir foi realizada uma dinâmica de grupos com os docentes-formadores e os docentescursistas, quando se deu a aplicação de um questionário com o objetivo de conhecer melhor os docentes-cursistas. A partir de tal questionário se buscou levantar a função de cada um no programa e-tec Brasil, a (s) disciplina (s) que ministram ou ministraram no programa, bem como se conhece o AVA Moodle, suas interfaces, como distinguem a educação presencial e a educação a distância e a opinião sobre a eficácia da EaD. As seguir encontra-se a síntese das respostas dadas pelos professores-cursistas através de gráficos e tabelas. 1) A idade dos professores-cursistas na sua maioria estava entre 30 e 50 anos; eles exerciam a função de professores e gestores em mesmo percentual, aproximadamente, conforme gráfico a seguir. Gráfico 6: Idade dos cursistas e função exercida no programa e-tec Brasil

81 81 2) Em relação ao uso do, destacam-se os usos de editor de texto, e pesquisa na web, conforme mostra o grafico a seguir. Gráfico 7: Recursos mais utilizados no computador 3) Em relação à experiência dos cursistas, cerca de 51% lecionam ou lecionaram disciplinas via internet, conforme mostra o gráfico a seguir. Gráfico 8: Cursistas que lecionam ou lecionaram disciplinas via internet 4) O fórum ainda é um dos recursos mais utilizados no ambiente Moodle, conforme ilustra o gráfico a seguir:

82 82 Gráfico 9: Recursos mais utilizados na plataforma Moodle 5) Para responderem à pergunta: Como você distingue docência presencial de docência via internet?, os cursistas receberam 10 opções de respostas. Trinta e seis deles responderam que a diferença está nos limites físicos/proximidade dos integrantes; 24 responderam que a diferença está na forma de participação do aluno (dependente x autônomo) ou na participação do professor (transmissor x facilitador). Parece que a combinação das duas respostas corresponde ao entendimento dos cursistas, ou seja, a diferença está nos limites físicos e onde o aluno deverá ser mais autônomo a partir de uma postura mais de facilitador por parte do professor. Conclui-se, ainda, que, para o cursista, a docência presencial é marcada pela proximidade física entre alunos e professores, o aluno é mais dependente e o professor mais transmissor de conteúdos. O resultado final pode ser conferido na tabela a seguir.

83 83 Tabela 3: Distinção entre a educação presencial e via internet Resposta Cursistas A metodologia da EaD precisa ser diferenciada, para promover a aproximação com o 13 aluno. Na EaD há maior flexibilidade de horários 15 A EaD tem um grande potencial a ser explorado. 2 Na EaD o conteúdo precisa ser apresentado de forma a estimular o interesse do aluno. 3 A diferença está nos limites físicos/proximidade dos integrantes. 36 A diferença está na forma de participação do aluno (dependente x autônomo) ou na 24 participação do professor (transmissor x facilitador) Na EaD, o docente precisa ter muito mais clareza de expressão, uma vez que não se pode 8 utilizar expressões corporais e gestos. A diferença está nos recursos tecnológicos utilizados e técnicas novas. 19 A diferença está na interatividade. 3 Não respondeu/resposta divergiu à questão. 13 6) Quanto à pergunta O que você espera desta formação para docência online?, a grande maioria (64) respondeu Adquirir/aprofundar o conhecimento sobre a nova modalidade (EaD), o que indica a necessidade de formar para docência online, justificando o curso de formação para docência online. O resultado total pode ser conferido na tabela a seguir. Tabela 4: Formação para docência online Respostas Cursistas Adquirir/aprofundar o conhecimento sobre a plataforma Moodle. 24 Aprender técnicas de elaboração de materiais didáticos digitais. 2 Adquirir/aprofundar o conhecimento sobre a nova modalidade (EaD). 64 Utilizar essas técnicas no ensino presencial. 2 Contribuir para a formação de profissionais. 16 Capacitação profissional. 19 Interagir com outros profissionais. 18 Embasamento para o desenvolvimento da EaD na minha instituição. 2 Não respondeu/resposta divergiu à questão. 3

84 84 7) Ao responderem à pergunta Você Acredita na eficácia da educação a distância via internet no ensino médio?, três cursistas optaram pela resposta Não. Alunos não têm maturidade suficiente, seis pela Não sei e 141 responderam Sim, com alguma ressalva ou confirmação. O que se pode concluir é que em larga escala os cursistas acreditam na eficiência da EaD. O resultado final pode ser conferido na tabela a seguir. Tabela 5: Eficácia da educação a distância via internet AGRUPAMENTOS Cursistas Sim. Sem justificativa. 22 Sim. Modalidade moderna. Combina com o perfil da geração atual. 37 Sim. A EaD é oportunidade para quem não pode frequentar uma sala de aula. 13 Sim. Depende de como será conduzida. 29 Sim. Experiência própria bem-sucedida. 11 Não. Alunos não têm maturidade suficiente. 3 Não Respondeu. Tem dúvidas sobre a maturidade dos alunos. 6 Sim. Porque ao EaD traz mudanças. É uma modalidade em evolução. 11 Sim. Mas deve ter uma mistura entre presencial e a distância. 2 Sim. Porque dá mais autonomia ao aluno. 4 Sim. Possibilita vencer obstáculos como tempo e distâncias. 2 Sim. Depende do foco do curso. 1 Facilita a difusão do conhecimento. 3 Não sei O ambiente virtual de aprendizagem Moodle Tarouco (2009) afirma que um AVA é um aplicativo que tem por objetivo principal o gerenciamento da oferta de cursos online. Tal aplicação permite que uma instituição organize seus cursos, professores e alunos. Além disso, permite que o professor organize o seu curso estabelecendo atividades, disponibilizando materiais de aprendizagem, determinando prazos, observando a participação, atribuindo conceitos, comunicando-se com os alunos, etc. O AVA é o ambiente que substitui a sala de aula convencional no e-learning. Para a autora, enquanto software, o AVA provê a infraestrutura para o e-learning. Ainda segundo Tarouco (2009, p. 3), entre as funções comumente encontradas em um AVA, podem ser citadas: gerência de usuários e suas autorizações (administrador, professor, tutor, aluno); gerência de cursos (criação, cópia, autorização de acesso, definição da estrutura); disponibilização de

85 85 ferramentas de comunicação e cooperação (chats, fóruns, wikis, blogs); avaliação de alunos. O Moodle (Modular Object-Oriented Dynamic Learning Enviroment) é referido como sendo um learning management system (LMS) e foi desenvolvido pelo educador e cientista computacional australiano Martin Dougiamas. É um projeto em andamento, como afirma seu idealizador: Venho trabalhando nele, de uma forma ou outra, desde há vários anos. Começou nos anos 1990s, quando eu era web master na Curtin University of Technology e administrador de sistemas da instalação deles do webct. Encontrei muitas frustrações com esse bicho do webct e fui adquirindo uma coceira que precisava aliviar tinha que ter uma forma melhor (Dougiamas, 2010, s/p) 16. Dougiamas (2010) afirma ter sido influenciado pela epistemologia do construcionismo social, que não só trata a aprendizagem como uma atividade social, mas focaliza a atenção na aprendizagem que acontece enquanto construímos ativamente artefatos (como textos, por exemplo), para que outros vejam ou utilizem. Papert (1994) caracteriza o construcionismo como sendo a reconstrução do construtivismo piagetiano, valorizando mais de perto a ideia da construção mental. A atitude construcionista no ensino não é, em absoluto, dispensável por ser minimalista a meta é ensinar de forma a produzir a maior aprendizagem a partir do mínimo de ensino (PAPERT, 1994, p. 125). Construcionismo social é o nome que passou a designar o movimento de crítica à psicologia social modernista, que tem sua principal referência teórica em Kenneth Gergen. Segundo Castañon (2004), o construcionismo social teve seu início na década de setenta, quando o behaviorismo e seus pressupostos ontológicos e metodológicos se viam questionados por todos os lados. O autor afirma que Um desses questionamentos foi a crítica historicista de Gergen (1973) à Psicologia Social, formulada em seu artigo Social Psychology as History, considerado (Stroebe e Kruglanski, 1989) o marco inicial do Construcionismo Social. [...] Apesar de os métodos de pesquisa em Psicologia Social serem de caráter científico, as teorias sobre o comportamento social são primariamente reflexões sobre a história contemporânea (CASTAÑON, 2004, p. 70). 16 As informações foram obtidas em Acesso em 21 de agosto 2010.

86 86 Assim, na visão de Dougiamas (2010), é a partir do construcionismo social que um grupo de pessoas constroem coisas umas para as outras, criando, de forma colaborativa, uma pequena cultura de objetos compartilhados, com significados compartilhados. O Moodle é um software livre (open source). Isso é algo que a maioria das pessoas ignora o que seja e conclui que se é livre é apenas de graça. A primeira coisa a fazer é descobrir o que realmente é o software livre e suas consequências, como: embora o software seja livre não quer dizer que a empresa que o produziu não esteja ganhando muito dinheiro de outras maneiras; você tem garantido o direito de copiar, modificar e redistribuir o software, desde que você garanta os mesmos direitos para todos aqueles que compartilham o software com você; estes direitos significam que uma comunidade de entusiastas se desenvolve e comunica defeitos, conserta os problemas, testa o novo código e desenvolve novos programas para plugins e extensões. Resulta que você tem os esforços da empresa mais os esforços da comunidade somados ao software. Desta maneira o software livre tende a ser mais seguro, mais estável e desenvolvido de forma mais rápida do que o software proprietário de código fechado equivalente. O Moodle vem passando por várias atualizações desde seu lançamento, no blog Fazer e aprender 17, Pricila Kohls afirma que está cada vez mais próxima a data de lançamento da versão final do Moodle 2.0. Segundo informações disponibilizadas na comunidade Moodle.org, o lançamento ocorreu em setembro de Entre as novidades desta versão destacam-se: O Moodle agora permite a integração com repositórios externos de conteúdos, tornando muito simples a tarefa de trazer documentos e mídias para dentro do Moodle via uma interface AJAX 18, que se parece com qualquer outra interface padrão para diálogos em aplicações de computadores pessoais. Em um primeiro momento, os plugins 19 para o 2.0 incluem: Alfresco, Amazon S3, Box.net, Sistema de arquivos em servidores, Flickr, Google Docs, Mahara, MERLOT, Picasa, Arquivos recentes, Sites Moodle remotos, servidores webdav, Wikimedia, Youtube. O desenvolvimento desses plugins é simples, portanto, esperase que ao longo do tempo surjam muitos outros. 17 Informação obtida em Acesso em 21 ago AJAX é o uso metodológico de tecnologias como as linguagens de programação Java script e XML, providas por navegadores, para tornar páginas web mais interativas com o usuário, utilizando-se de solicitações assíncronas de informações. 19 Na informática, um plugin (também conhecido por plug-in, add-in, add-on) é um programa de computador usado para adicionar funções a outros programas maiores, provendo alguma funcionalidade especial ou muito específica. Geralmente pequeno e leve, é usado somente sob demanda. Disponível em: Acesso em 27 agosto 2010.

87 87 Os módulos podem agora exportar seus dados para sistemas externos, o que é particularmente útil para portfólios em que cópias de telas de fóruns, trabalhos e outras coisas feitas no Moodle podem ser úteis para se registrar em outros locais como revistas acadêmicas ou outro portfólio de maior destaque. Atividades podem ser vinculadas para permitir a publicação progressiva do conteúdo do curso. Bloco de Comentário como um recado, permite que os comentários sejam adicionados a qualquer página. Ideal para fazer comentários em produções do aluno. Bloco Meus Arquivos Pessoais permite acesso fácil a um repositório de arquivos pessoais. Páginas de Perfil de Usuário com validade em todo o site, podem ser customizadas pelos usuários com Blocos, Notícias, Feeds entre outros. Páginas de perfis de usuários específicos por curso mostram blocos do curso e informações básicas do perfil, mais informações para os professores daquele curso. Com tais mudanças, o LMS Moodle se torna mais aberto e dinâmico em sua apresentação e utilização, instigando a personalização de curso de acordo com o usuário e por opção dele. Em suas versões anteriores, o Moodle se constitui de um sistema de administração de atividades educacionais, destinado à criação de comunidades online voltadas para a aprendizagem colaborativa através de módulos. O Moodle, quando habitado por comunidades educacionais, torna-se um AVA. Nele é possível organizar cursos para docência. As páginas dos cursos são divididas em três colunas que podem ser modificadas e personalizadas pelo administrador, alterando o aspecto da tela de abertura, inserindo elementos em formato de caixas como calendário, usuários online, lista de atividades, entre outros. Essas caixas são dispostas nas colunas à direita e à esquerda da tela, podendo ser deslocadas de um lado para o outro pelo professor. Na coluna central há um conjunto de caixas que representam a sequência das aulas por meio de uma lista de tópicos numerados ou datados semanalmente ou podem ser criadas áreas para agrupar conteúdos ou atividades semelhantes. Essa coluna central é o local onde o curso será efetivamente realizado. O Moodle disponibiliza três formatos de curso: a) Formato semanal são estabelecidos data de início e fim e o número de semanas, e então é inserido o material referente a cada semana; b) Formato de tópicos cada assunto a ser discutido representa um tópico, então se decide o número de tópicos: estes não terão limites de tempo predefinidos; c) Formato social o tema do curso é articulado em torno de um

88 88 único fórum, disposto na página principal. A Figura 18 a seguir mostra a página inicial do Moodle do qual o pesquisador é administrador; sua versão é À direita e acima se encontra destacada a caixa de Ativar/desativar, edição que permite ao administrador efetuar mudanças no layout da página, acrescentar blocos, movê-los, etc. Figura 18: Página inicial do Moodle do IF Sudeste MG O administrador do Moodle cria cursos e define no AVA a função dos usuários (administrador, autores de curso, professor, tutores, estudantes, coordenadores, etc.). As principais funções estão apresentadas na Figura 19 a seguir. Figura 19: Principais funções em curso

89 89 O professor dispõe de um conjunto de permissões para editar o curso criado pelo administrador. Entre elas se destacam Acrescentar recurso e Acrescentar atividade. Entre os principais recursos estão: livro, criar uma página de texto simples, criar uma página de web, link a um arquivo ou site, visualizar um diretório, usar um pacote e inserir rótulo, como mostra a Figura 20. Figura 20: Acrescentar recurso A seguir descrevo cada um desses recursos. O Moodle é compatível com uma série de tipos de recursos muito abrangentes. Podem-se utilizar quase todos os formatos de conteúdos web nos seu cursos. Livro: Livro é simplesmente um material de estudo com várias páginas que poderá ser organizado hipertextualmente. Figura 21: O livro

90 90 Página de texto simples: este tipo de recurso é uma página simples que contém textos simples. Alguns tipos de formatação predefinidos são disponíveis para que você possa melhorar o aspecto das suas páginas. Para formatar textos, pode-se escolher entre algumas opções, dependendo do seu navegador e da sua experiência. Os principais formatos são: Formato Automático: esta opção é a mais indicada quando você usar formulários web para escrever o texto (em vez de usar o editor HTML 20 ). Escreve-se o texto como se você estivesse redigindo um . Ao gravar o texto, a formatação será automática. Por exemplo, urls como ou ainda serão convertidas em links. O alinhamento vai ser mantido e linhas deixadas em branco serão interpretadas como indício de novos parágrafos. Outro formato é o HTML, nesta opção pressupõe que o texto seja editado com o uso de código HTML. Esta é a opção predefinida quando se usa o editor HTML os instrumentos do editor produzem código HTML para você. Mesmo se não estiver usando o editor, pode-se inserir código HTML no texto para obter o resultado desejado. Neste caso, não ocorre nenhuma formatação automática. Página HTML: este tipo de recurso facilita o desenvolvimento de uma página web completa, especialmente quando você utiliza o editor de HTML WYSIWYG 21 do Moodle. O código é armazenado em um banco de dados, não como um arquivo. Neste recurso tem-se bastante liberdade para fazer quase tudo que você quiser utilizando HTML ou até Java script. Arquivos e páginas web: este tipo de recurso permite que se crie um link a qualquer página web ou outro tipo de arquivo na internet. Também permite que você crie um link a qualquer página HTML ou outro tipo de arquivo enviado para a sua área de arquivos do curso a partir do seu próprio computador. Páginas web normais são simplesmente mostradas como elas são, enquanto arquivos de multimídia são trabalhados de forma mais inteligente e podem ser integrados em uma página web. Por exemplo: arquivos MP3 serão apresentados utilizando um dispositivo de reprodução integrado, assim como arquivos de filmes, animações em Flash e assim por diante, conforme a Figura 22 a seguir. 20 HTML (sigla para a expressão inglesa HyperText Markup Language, que significa Linguagem de Marcação de Hipertexto) é uma linguagem de marcação utilizada para produzir páginas na web. 21 Dois exemplos clássicos de editores WYSIWYG são o Writer e o Microsoft Word, nos quais o documento é mostrado na tela da mesma forma que será impresso.

91 91 Figura 22: Página da web Ou vídeos, conforme Figura 23. Figura 23: O vídeo Diretório: o recurso Diretório permite o acesso a um diretório selecionado (e seus subdiretórios) da sua área de arquivos do curso. Os alunos poderão navegar e visualizar todos os arquivos contidos neste diretório. Pacotes de conteúdo IMS: este tipo de recurso utiliza pacotes de conteúdo IMS 22 no seu curso. Basta fazer o upload do pacote zip e utilizar. Há várias opções de visualização do conteúdo dos pacotes em janelas popup, com menu de navegação lateral, botões, etc. 22 IMS. Pacotes de conteúdo IMS permitem exportar o conteúdo de um sistema de aprendizagem ou repositório de gerenciamento de conteúdo digital e importá-lo para outro, mantendo informações que descrevem os meios de comunicação no pacote de conteúdos e como ela é estruturada, como uma tabela de conteúdo ou página da web

92 92 Rótulos: rótulos são um pouco diferentes de outros recursos, porque se trata de textos e imagens inseridas na interface da página principal do curso, entre os links às atividades e recursos. Podem ser usados para organizar a página, criar títulos, etc. Nas figuras a seguir encontramos exemplos de alguns recursos utilizados no curso. Figura 24: O rótulo Um rótulo pode indicar a vista a outro ambiente como, por exemplo: Tutorial do Ambiente Moodle para Docentes nos leva ao moodle.org, conforme Figura 26 a seguir: Figura 25: O tutorial que a primeira mostra. O IMS Content Packaging Specification centra-se na embalagem e transporte de recursos, mas não determina a natureza desses recursos.

93 93 Pode-se utilizar o link Guia de funcionalidades da Moodle e neste caso os cursistas eram endereçados à página Moodle/UFBA, de acordo com a Figura 26 a seguir: Figura 26: Guia de funcionalidades Moodle Ao clicar sobre Programa do Encontro Presencial abria a página com texto do Word, conforme Figura 27 a seguir: Figura 27: Inserir recurso Pode-se também através de outro recurso, como Link a um arquivo PDF Indicadores de Interatividade para a docência presencial e online ser conduzido a um texto com extensão.pdf, conforme a Figura 28.

94 94 Figura 28: Link a um arquivo PDF Ou, ainda, ao clicar sobre Entrevista com Marco Silva e Edméa Santos sobre EaD Documento PDF, o cursista abria a página de revista científica de educação a distância, de acordo com a Figura 29 a seguir: Figura 29: Link a revistas Assim, a partir dos recursos, o professor desenha seu curso de forma hipertextual, fazendo convergir mídias (texto, vídeos, sons, gráficos) e links externos. A fim de potencializar a colaboração, ele pode sugerir atividades aos alunos através de: base de dados, chat, escolha, fórum, glossário, lição, pesquisa de avaliação, questionário, tarefas e wiki. As tarefas podem ser: modalidade avançada de carregamento de arquivos, texto online, envio de arquivo único, atividades online, conforme mostra a Figura 30.

95 95 Figura 30: Acrescentar atividade Os principais módulos de atividades podem ser usados em qualquer tipo de curso da plataforma Moodle: Atividades de Base de Dados: o módulo de Banco de Dados permite ao professor e/ou aos alunos criar, mostrar e buscar um banco de dados sobre qualquer tópico. O formato e a estrutura dos itens são quase ilimitados, incluindo imagens, arquivos, urls, números e texto. Figura 31: Banco de dados Chat: o módulo Chat permite a realização de uma discussão textual via web em modalidade síncrona. Essa é uma maneira veloz de obter diversos pontos de vista sobre um assunto. Ao contrário dos fóruns, todos podem publicar textos ao mesmo tempo.

96 96 Figura 32: O chat Escolha: este módulo é muito simples: configura uma única pergunta com diversas opções de resposta. Serve para fazer pesquisas rápidas de opinião, para estimular a reflexão sobre um tópico, para escolher entre sugestões dadas para a solução de um problema, ou para obter a permissão de utilizar dados pessoais dos alunos em pesquisas do professor. Pode servir também para reservar vagas em grupos ou assuntos diferenciados de discussão. Figura 33: A escolha Fórum: esta atividade de discussão é importantíssima. Os fóruns têm diversos tipos de estrutura e podem incluir a avaliação recíproca de cada mensagem. As mensagens são visualizadas em diversos formatos e podem incluir anexos. Os participantes do fórum têm a

97 97 opção de receber cópias das novas mensagens via (assinatura) e os professores, de enviar mensagens ao fórum com cópias via a todos os participantes. Figura 34: O fórum Glossário: esta atividade permite que os participantes criem e atualizem uma lista de definições como em um dicionário ou em um FAQ. As listas podem ser visualizadas em diversos formatos. Os professores podem exportar itens de um glossário secundário ao glossário principal do mesmo curso. Além disso, é possível criar automaticamente links nos textos do curso que levam aos itens definidos no glossário. Figura 35: O glossário Lição: uma lição publica o conteúdo em um modo interessante e flexível. Ela consiste em certo número de páginas. Cada página, normalmente, termina com uma questão e uma série de possíveis respostas. Dependendo da resposta escolhida pelo aluno, ou ele passa para a

98 98 próxima página ou é levado de volta para uma página anterior. A navegação através da lição pode ser direta ou complexa, dependendo em grande parte da estrutura do material que está sendo apresentado. Figura 36: A lição Avaliações do curso: este módulo contém alguns tipos de questionários de avaliação de cursos, específicos para ambientes virtuais de aprendizagem. Esse tipo de atividade favorece a reflexão sobre os processos de aprendizagem durante o curso. Figura 37: A avaliação Questionários: este módulo consiste em um instrumento de composição de questões e de configuração de questionários. As questões são arquivadas por categorias em uma base de dados e podem ser reutilizadas em outros questionários e em outros cursos. A configuração

99 99 dos questionários compreende, entre outros recursos, a definição do período de disponibilidade, a apresentação de feedback automático, diversos sistemas de avaliação, a possibilidade de diversas tentativas. Alguns tipos de questões: múltipla escolha, verdadeiro ou falso, resposta breve, etc. Figura 38: O questionário SCORM/AICC packages: Um pacote SCORM ou AICC é um conjunto de conteúdos web agregados em conformidade com o padrão SCORM ou AICC para objetos de aprendizagem. Esses pacotes podem incluir páginas web, gráficos, programas Java script, apresentações em Flash e qualquer outro formato compatível com navegadores web. O módulo permite carregar facilmente qualquer pacote SCORM ou AICC padrão e incluí-lo no seu curso. Figura 39: O pacote SCORM/AICC Tarefas: uma tarefa consiste na descrição ou enunciado de uma atividade a ser desenvolvida pelo participante, que pode ser enviada em formato digital ao servidor do curso utilizando a plataforma. Alguns exemplos: redações, projetos, relatórios, imagens, etc. Esse

100 100 módulo inclui a possibilidade de descrever tarefas a serem realizadas offline na sala de aula, por exemplo e de publicar o resultado da avaliação. Figura 40: A tarefa Wikis: estruturada hipertextualmente, a wiki permite a composição colaborativa de documentos com o uso do navegador web. Para isso é adotado um formato simples de linguagem de marcação. Wiki wiki significa superveloz em língua havaiana, e a velocidade de criação e atualização das páginas é uma das características que define a tecnologia wiki. Normalmente não há revisão anterior à publicação ou aceitação de mudanças e a maior parte das wikis é aberta a todo mundo ou às pessoas que têm acesso à mesma wiki. O módulo Wiki permite que os participantes trabalhem juntos, adicionando novas páginas web ou completando e alterando o conteúdo das páginas publicadas. As versões anteriores não são canceladas e podem ser restauradas. Figura 41: A wiki

101 101 Esses são apenas alguns dos recursos disponíveis no Moodle, que busquei destacar por terem sido utilizados no curso de Formação de Professores para a Docência Online. Além deles, existem outros recursos e possibilidades disponíveis na comunidade Moodle que podem ser utilizados pelo professor. Vale ressaltar que, graças ao trabalho colaborativo, alternativas vêm sendo desenvolvidas em todo o mundo. Algumas delas estão disponíveis no site da comunidade (www.moodle.org), outras estão em fase experimental e, ainda, qualquer pessoa pode desenvolver novas interfaces, inseri-las no seu ambiente Moodle e compartilhar com os demais.

102 102 4 O ENFRENTAMENTO DOS DESAFIOS COMUNICACIONAIS DA MEDIAÇÃO DOCENTE ONLINE As sociedades contemporâneas atravessam um período de intensas mudanças, com o questionamento dos paradigmas que, ao longo do último século, orientaram o desenvolvimento social e econômico no mundo. As transformações que se operaram por meio da revolução dos costumes e do vertiginoso avanço da ciência e da tecnologia continuarão por marcar fortemente as sociedades no século XXI. As inovações tecnológicas participam, cada vez mais, como mediadoras das relações sociais nas diferentes dimensões humanas. Emerge uma nova ordem mundial em que a velocidade ganha notável impulso. Viver a contemporaneidade requer atenção aos apelos desse novo tempo: rever as formas de pensar, sentir e atuar sobre essa realidade que não se nos apresenta de forma linear, mas de modo plural, em multiplicidade e complexidade inscritas em redes e conexões, ampliando nossa inserção no mundo. Na área da educação, em particular, mesmo com mais de meio século de discussões teóricas que deram origem às rupturas epistemológicas com os cânones cartesianos e seus critérios imemoriais de verdade, ainda hoje assistimos à concepção positivista influenciando a organização do conhecimento acadêmico e dos currículos. Por outro lado as discussões acerca dos desafios da mediação docente online vêm crescendo em larga escala e são decorrentes da forte expansão da EaD no país. Mas, afinal, o que é ser professor no século XXI? Essa é uma pergunta para a qual não há resposta fácil. Nosso tempo, caracterizado por mudanças constantes e velozes, traz desafios para o professor e o estimula a repensar continuamente sua prática. Neste capítulo busquei analisar como se deu o enfrentamento dos desafios comunicacionais durante a mediação docente em um curso de extensão sobre Formação de Professores para a Docência Online oferecido pelo programa e-tec Brasil, através da observação do campo de pesquisa e das entrevistas realizadas, conforme apresentado no capítulo anterior. Em tal análise buscaremos encontrar a formatação pedagógica do curso e seu desenrolar, elementos que indicam o conceito de interatividade (SILVA, 2010), os saberes docentes apresentados no Capítulo 2 deste trabalho e sistematizados, em forma de mapa conceitual, por Rodrigues (2009), os indicadores de interatividade propostos por Silva (2010) citados no Capítulo 1 deste trabalho e ao mesmo tempo responder minhas inquietações acerca das potencialidades comunicacionais próprias do ambiente virtual de aprendizagem, como o desenho didático construído e o uso das tecnologias digitais online contribuíram para

103 103 corroborar a modalidade comunicacional interativa utilizada na mediação docente estabelecida no curso em questão e finalmente as correlações entre as estratégias comunicacionais da mediação docente utilizadas no curso e a participação e a colaboração dos aprendizes. 4.1 As potencialidades comunicacionais próprias do AVA utilizado no curso na visão dos docentes A não linearidade é uma das potencialidades dos AVAs, como destacado a seguir nas orientações do fórum Agenda e orientações gerais do período de ambientação. Nesse primeiro fórum, EP2 traz aos cursistas as principais características potenciais dos AVAs, pois a partir da não linearidade ela sugere a exploração do mesmo como se fosse um território a ser habitado, onde cada qual, de acordo com suas preferências navegaria, ora clicando, ora lendo, ora futucando e certamente comunicando-se. Não se trata de um caminho único a ser seguido, mas de vários percursos possíveis em que todos os habitantes deste espaço de formação, ao final do período, terão compreendido que, além de sociabilizar conhecimento, o ambiente virtual de aprendizagem Moodle só é ambiente de aprendizagem quando habitado e se nele fizer estabelecida a comunicação entre todos. Assim a plataforma Moodle é apenas um software, mas, quando habitado, se torna um ambiente virtual de aprendizagem potencial. Olá pessoal! Por onde começar? Por onde vocês quiserem! Uma das potencialidades dos ambientes virtuais de aprendizagem e da educação online é a não linearidade. Explorem o nosso espaço de ambientação como quiserem. Façam de conta que vocês estão explorando um território nunca navegado, nunca circulado, prontinho para ser habitado. Olhem, cliquem, leiam, futuquem! Comuniquem-se! Aprendam livremente. Ainda neste fórum, é possível perceber que o contrato social estava sendo estabelecido entre os formadores e os cursistas. Tal contrato deve trazer claramente as orientações de participação dos cursistas e de intervenção dos formadores. A seguir temos a transcrição de mais um trecho deste fórum. Em cada aula teremos uma agenda que tem a função de orientar e sugerir percursos a explorar. Além disso, a agenda é o espaço para docentesformadores e docentes-cursistas trocarem ideias sobre a aula. A agenda será uma espécie de mural de atividades e guia de orientação para a autoaprendizagem e a aprendizagem colaborativa. Vamos explorar nossa primeira agenda?

104 104 Destaca-se outra potencialidade do AVA, que é o link, ou seja: cada expressão ou palavra em azul e grifada, ao ser clicada, levará o cursista para um território a ser explorado. A seguir apresento os vários caminhos apresentados aos cursistas. De início, porém, não necessariamente nesta ordem, foi sugerido ao cursista que habitasse o fórum de boasvindas. Agenda de exploração do espaço de ambientação. Habitem o fórum de boasvindas. Apresentem-se e interajam com seu (sua) docente e com seus colegas. Mesmo que vocês cheguem um pouco atrasados (as) ou depois do inicio do curso, postem logo sua mensagem de boas-vindas e dialoguem com os demais participantes. Após clicar neste link, o cursista era levado a outro espaço a ser habitado. Nesse espaço, o cursista deveria se apresentar, estabelecendo a primeira comunicação entre os cursistas e entre os cursistas e formadores. A seguir as orientações contidas na mensagem de abertura do fórum boas-vindas : Olá pessoal! Sejam muito ao nosso curso online. Aqui todos nós somos autores e coautores de saberes e conhecimentos. Estamos em um projeto comprometido com a ducação de qualidade em nosso país. Vamos nos apresentar e conhecer nossos colegas e nosso (a) docente. Que tal descobrir uma forma criativa de se apresentar? Se apresente do seu jeito. Mostre quem é você para além da vida e carreira profissional. Conte um pouco sobre suas qualidades e seus defeitos também. Aproveite e fale sobre suas expectativas em relação ao curso. Quem começa? Para participar deste fórum, basta clicar em responder. Ah! Não basta apenas se apresentar. Comece a puxar papo com os colegas também. Veem-se nessa mensagem aos cursistas várias potencialidades do AVA utilizadas no curso, as quais se destacam a seguir: a possibilidade de haver a interatividade definida por Silva (2010) como a disponibilização consciente de um mais comunicacional expressamente complexo. Durante o curso, a equipe pedagógica e os professores-formadores intencionalmente propuseram situações de aprendizagem nas diversas interfaces utilizadas no curso em que se podem conferir os três binômios que caracterizam a interatividade. Para Silva (2010), o binômio participação intervenção significa interferir em sua mensagem, é construir coletivamente a comunicação e a aprendizagem; participar não se restringe a responder sim ou não ou escolher uma opção dada. Ainda para este autor o binômio bidirecionalidade hibridação estabelece a condição primária de existência da comunicação: é necessário a bidirecionalidade entre professor e aprendiz e entre aprendizes. Diante dos conteúdos de aprendizagem, os dois polos codificam e decodificam, colaboram e cocriam. Ainda em relação à mensagem transcrita anteriormente, destacam-se, como possibilidades do AVA, o

105 105 surgimento e aprofundamento da inteligência afetiva, coletiva, e o sentimento de pertença a partir do convite de se apresentar e de fazê-lo de forma criativa, incentivando a exposição pessoal, a criação e a não timidez. O convite em se mostrar para além da vida e da carreira profissional, suas qualidades e seus defeitos, suas expectativas, faze o indivíduo pensar sobre o que ele é, sua carreira, sua pessoa e como pode melhorar pessoal e profissionalmente. Retornando à semana de ambientação, ao cursista era sugerido ler os documentos, a fim de compreender a proposta pedagógica do curso, que, como obra aberta 23, estará sujeita a contribuições e colaborações dos cursistas e formadores. Naveguem pelos documentos que informam sobre a proposta pedagógica do curso. Nossa proposta é obra aberta. Crescerá com a colaboração e contribuição de todos e todas. O que temos são pré-textos para começarmos nossa viagem. Não tenham medo de se perder. No caminho encontraremos amigos que nos ajudarão a encontrar caminhos seguros e também aventureiros. Outra possibilidade do AVA, na visão dos docentes-formadores, é a leitura hipertextual e através de várias mídias. Os textos apresentavam links que permitiam aos cursistas navegar entre textos, vídeos e áudios. Tal leitura, largamente sugerida, esteve presente já na semana de ambientação. A partir dessa leitura, os cursistas participavam do fórum de discussão e davam contribuições significativas para complementar e melhorar a qualidade daquela obra construída. Conforme orientação a seguir: Leiam o texto sugerido para o espaço de ambientação, naveguem pelos vídeos, façam suas sínteses em seus editores de textos pessoais e não demorem a habitar o fórum de discussão. Exercitem a leitura e a escrita sempre. Não deixem de registrar suas sínteses e não demorem para habitar os fóruns de discussões. O ambiente Moodle possui várias funcionalidades que podem ser exploradas em suas interfaces de diálogo síncrono ou assíncrono, de construção colaborativa como as wikis, de compartilhamento, de imersão e exploração, conforme orientação a seguir extraída do curso. 23 O pensamento de Umberto Eco expressa o movimento de desprovincialização da cultura que avassalou a segunda metade do século XX e o seu livro Obra aberta: forma e indeterminação nas poéticas contemporâneas constitui-se no nome emblemático desse processo. Seu enfoque revolucionário e atualizador dos problemas da estética, da teoria da informação e da linguagem tornaram-se leitura obrigatória para todo aquele que se dedica à reflexão teórica e à realização prática nos campos do cinema, teatro, literatura, crítica, publicidade, industrial design, artes plásticas, arquitetura, educação, entre outros.

106 106 Explorem as funcionalidades do ambiente Moodle. A cada aula novas interfaces serão utilizadas e novas aprendizagens serão construídas. Não tenham medo da imersão, da exploração. Em caso de dúvidas ou de necessidade de compartilhar uma descoberta nova, não fiquem parados (as). Entrem no fórum Sobre o Moodle e postem suas mensagens. Assim, a arquitetura labiríntica do curso em questão não impôs aos cursistas um caminho privilegiado para seu deslocamento. Ao contrário: a eles foram dadas várias possibilidades de navegação aleatória a partir da disponibilização de informações. Ao cursista couberam atitudes permutatórias e potenciais. Permutatórias, pois combinavam as informações livremente e produziram as mais variadas narrativas, portanto potenciais. Ao longo do curso, os formadores e equipe pedagógica ofereceram múltiplas redes articulatórias para a construção da comunicação e do conhecimento, permitindo ao aprendiz ampla liberdade para permutar, virtualizar, simular, associar e significar. A construção gradativa e coletiva do glossário foi um exemplo dessa forma de agir. Assim como a Wikipédia, o glossário é interativo e possibilita ao autor adicionar sentidos diferentes porém corretos aos verbetes ou criar novos, além de possibilitar associações entre os diversos conceitos apresentados no glossário através de links. Como se destaca a seguir: Visitem o glossário. Ele é interativo como a Wikipédia. Cada docente cursista pode agregar valor nos verbetes e/ou criar novos verbetes. Silva (2010) afirma que, para enfrentar o desafio de uma formação em sintonia com a modalidade comunicacional interativa emergente, o professor deve cuidar de sua autoria. Ele apresenta algumas sugestões para promover a interatividade. Tais sugestões, segundo o autor, são mobilizadoras de ações concretas em favor da expressão livre e plural em ambientes da docência e aprendizagem colaborativas e requerem por parte do docente saberes epistemológicos, didáticos e tecnológicos (RODRIGUES, 2009). Oportunizar múltiplas experimentações e expressões com objetivo de manter o interesse e a motivação do grupo foi uma das estratégias utilizadas no curso. Merecem destaque como diferencial e potencialidade do AVA situações disponibilizadas aos cursistas que promoveram uma participação proativa e intensa, como foi o caso da pegadinha. O formador, após não conseguir reunir todos os cursistas em uma mesma foto, produziu uma montagem com fotos diferentes, acrescentando aquelas que faltaram na primeira, completando assim a turma. Vê-se aí o saber tecnológico necessário à montagem de fotos em um único arquivo, além da criatividade necessária para despertar o interesse de todos em

107 107 localizar a pegadinha. Dessa forma os cursistas puderam identificar os participantes daquela turma no curso. Veem-se imbricados os saberes tecnológicos, da mediação e também os saberes comunicacionais, uma vez que, além de customizar a foto da turma com a pegadinha, o formador, através do fórum de boas-vindas, procurou criar o estar junto online (RODRIGUES, 2009) e articular as contribuições dos cursistas, a fim de potencializar as colaborações, conforme afirma D1: No fórum de boas-vindas, procurei responder prontamente às mensagens de boas-vindas dos alunos, dirigindo as minhas mensagens individualmente ou a pequenos grupos de alunos. Minha intenção foi criar a percepção neles de que o professor está próximo, presente, reconhecendo sua individualidade e reconhecendo-os também como grupo. Tratei de continuar fazendo isso nos fóruns seguintes, pois acho que isso favorece a participação (feedbacks frequentes, o mais rápido possível, específicos e direcionados ao aluno ou ao grupo, tentando articular com outras contribuições dos demais alunos no fórum). Já em relação às regras de participação, podemos observar, na mensagem de D1 aos cursistas destacada abaixo, que as orientações foram claras e precisas e referiram-se ao saber da prática do docente-formador em relação à mediação online e presente na afirmação adotar um estilo de comunicação online atencioso e aberto, mas sem fru-fru. Revela ainda a preocupação em relação ao ritmo de produção de cada indivíduo do grupo e conhecimento sobre o perfil profissional deles. Como o Alessandro, eu também procuro ser direto e sucinto nas mensagens, até mesmo porque considero uma questão de respeito com relação ao tempo de cada um (especialmente em fóruns bastante interativos). Com isso não quero dizer que eu seja frio ou distante. Pelo contrário, procuro adotar um estilo de comunicação online atencioso e aberto, mas sem fru-fru. Enfim, cada um tem seu próprio estilo e essa diversidade é muito boa! Como na nossa turma, muitos já têm conhecimento sobre educação a distância (EAD) e educação online (EOL), acredito que poderemos aprofundar certos temas da docência online e focalizar também em questões de interesse específico dos coordenadores. Conforme a aprovação da cursista Gardy, a seguir, ao posicionamento do formador D1, expressa na mensagem abaixo, retirada do fórum de boas-vindas, observa-se a objetividade de D1 na relação entre a mediação docente pretendida e a que se estabeleceria a partir daquele momento com a Turma 4. A clareza e a objetividade aliadas à criatividade do formador colaboraram para se estabelecer uma relação de confiança e respeito entre os diversos atores dessa turma.

108 108 Tabela 6: Fórum Re: Fórum de Boas-vindas! Por xxxxx quarta, 2 setembro 2009, 21:33 Olá, Ameiiii... Vc é sem "fru-fru" né, porém muito criativo, como dizem os meninos maraaaa, rsrsrsrsrs. Deu um ar de... procurada? Adoro mentes criativas e com toque de humor, sem exageros é claro [...]. Abraços a todos! Pode deixar o cartaz de procurada, rsrsrsrs, vai que estou sendo e nem sei...rsrsrsrsrs. Merece destaque na fala de D1 anterior seu conhecimento sobre o perfil da turma, o seu discurso direto e aberto, porém afetuoso, em relação aos cursistas, e de respeito à diversidade de estilos. Veem-se nesse contexto emergirem saberes psicopedagógicos e da mediação docente (RODRIGUES, 2009). Ainda sobre as regras estabelecidas na semana de ambientação, percebem-se o comprometimento do docente-formador com o curso quando D1 afirma entrar diariamente no curso e a revelação dos saberes da mediação presentes em fóruns, chats, etc. Trata-se do estar junto online. Para Rodrigues (2009, p. 156), [...] atuar numa sala online significa expressar pensamentos, tomar decisões, dialogar, trocar informações e experiências e produzir conhecimento, o que proporciona a sensação de pertencimento ao grupo ou, em outras palavras, o estar junto online, que pode ser compreendido como um sentimento de afetividade entre os participantes de um curso online, apesar da ausência de espaço físico. A seguir tem-se a transcrição das orientações de D1 aos cursistas sobre a frequência em que estará habitando o espaço virtual, a fim de caracterizar o estar junto online.

109 109 Apenas uma questão logística : procurarei entrar diariamente no ambiente do curso, ou, pelo menos a cada dois dias. Isso, exceto nos finais de semana, porque senão volto a ser o workaholic que já fui... Conectado 24h por dia. Por isso, se alguém enviar mensagem sextafeira à noite eu só lerei na segunda, ok? Mas, independente disso, vocês podem acessar o ambiente e trocar mensagens nos finais de semana. Aqui cada um pode ajustar o seu ritmo. Só recomendo não passar mais de 3 ou 4 dias ausente do ambiente para não ficar desatualizado quanto às mensagens, ok? Em relação às carinhas (emoticons), elas foram utilizadas em todo o curso como forma de manifestar o estado de espírito do formador, além de permitir uma maior e melhor organização das mensagens, como afirma D1. Procurei usar emoticons (carinhas) e fontes em negrito ou em outra cor para ressaltar determinados conteúdos das minhas mensagens. Acho importante o professor, logo de início, mostrar para os alunos os recursos de formatação de mensagens dos fóruns. Muitos alunos não estão acostumados a usá-los e acabam fazendo mensagens extensas, corridas, sem espaçamento e sem organização. Outros utilizam tantas cores e fontes que fica difícil de ler. Longe de ser um mero detalhe estético, considero que esse processo pode contribuir para a melhor comunicação da turma. Para Rodrigues (2009, p. 98), a origem dos saberes docentes é marcada por duas dimensões, a social e a temporal, como ela mesma explica: As experiências formadoras de saberes docentes se desenvolvem num contexto de história de vida, uma vez que o saber herdado de experiências pessoais e escolares anteriores à sua prática docente é forte e persiste através do tempo, e se aplicam diretamente à carreira docente, aqui compreendida como um processo temporal marcado pela construção do saber profissional. Nessa perspectiva temporal, podemos concluir que esses saberes docentes são existenciais, uma vez que um professor é uma pessoa comprometida com e por sua própria história pessoal, familiar, escolar e social. Nesse sentido, Tardif (2009, p. 103) afirma que o professor pensa a partir de sua história de vida, não somente intelectual, no sentido rigoroso do termo, mas também emocional, afetiva, pessoal e interpessoal. Assim, a pegadinha fez com que a turma criasse laços de afetividade e sentimento de pertença como pode ser observado nas mensagens do cursista a seguir:

110 110 Tabela 7: Fórum 1 Re: Fórum de Boas-vindas! Por XXXXXXXX- quarta, 2 setembro 2009, 06:36 A pegadinha da foto da turma é que tem alguns membros a mais no grupo não? Tem uns ovnis lá, não? Acertei? A pegadinha colocada pelo formador estabeleceu a relação entre os cursistas Alessandro e Márcio, como pode ser observado na figura anterior e posterior. O que ocorreu é que os demais cursistas aprovaram e participaram desse fórum. Tabela 8: Fórum 2 Re: Fórum de Boas-vindas! Por XXXXXXX- quarta, 2 setembro 2009, 10:24 Eu? OVNI? Não, Alessandro... Pelo o que minha mãe dizia eu nasci neste planeta. Mas saiba que você suscitou em mim uma dúvida... Pelo sim ou pelo não, farei um exame de DNA. Aquela foto encaixada com o rosto e sem os pés é minha. No momento da foto da turma eu não estava presente e o nosso camarada Professor tirou a minha foto e encaixou usando um editor de imagens. De acordo com Rodrigues (2009), os saberes epistemológicos se dividem em três subcategorias: psicopedagógicos, político-filosóficos e comunicacionais. Em relação aos saberes comunicacionais, o que se pode observar é que a provocação feita pelo formador, além de possibilitar maior interação entre os cursistas, proporcionou um ambiente descontraído, o que favoreceu a mediação pedagógica no curso, evidenciando a lógica comunicacional que se estabeleceria durante todo o curso, a modalidade comunicacional interativa (SILVA, 2010). Em relação à formação de grupos de trabalho, os docentes-formadores buscaram reunir os docentes-cursistas em trios de trabalho, conforme orientações de D1 e D3 aos cursistas [...] a fim de agilizarmos a realização desse trabalho, [...] decidimos formar os trios reunindo os cursistas mais participativos de cada turma, o que revela, de início, as estratégias adotadas pelos formadores para promover a interação em grupo de cursistas e possibilitar a exposição de argumentos e o questionamento de afirmações. Podemos observar ainda, na mensagem do cursista Alessandro Ribeiro, no Fórum de formação dos trios

111 111 de trabalho colaborativo, a percepção correta sobre o trabalho colaborativo pretendido e de como alcançá-lo: Tabela 9: Fórum 3 Re: Fórum de formação dos trios de trabalho colaborativo Por XXXXXXX - segunda, 23 novembro 2009, 10:12 Ah sim, A princípio cada um dá sua contribuição ao mesmo texto. Dei o pontapé inicial e agora vem a contribuição das outras colegas. Achei melhor assim do que ficarmos em casa, cada um escrevendo sua parte do texto, sem que o outro vá dando contribuições adicionais ao assunto ao longo dos dias (até o dia 29/11). Imaginei que assim ficaria com uma carinha mais online e menos entediante, se tivéssemos dividido as partes, cada um desenvolvesse o texto e no final um ficando com o papel de juntar as três contribuições ficaria como num curso tradicional e então achei que não atingiria o objetivo de ser ONLINE. A flexibilidade é outra característica da educação online e se refere aos saberes da mediação. Os cursistas, atarefados nas instituições em que exercem seus cargos de professor, coordenador, etc., não dispunham de muito tempo para dedicar-se à construção e conclusão de seus wikis, o que determinou a dilatação do prazo de entrega dos trabalhos, por parte dos docentes-formadores D1 e D3. Tais saberes ficam evidentes nas orientações de D1 e D3 aos cursistas sobre o espírito da wiki relativas à colaboração pretendida entre os cursistas, e, em última análise, trata-se da autoria, da cocriação característica da modalidade comunicacional interativa. Dado que a maioria dos grupos ainda não concluiu os seus wikis, prorrogaremos o prazo de finalização até o dia 10/12. Até agora consideramos que apenas um grupo finalizou a formatação. [...] Na maioria, os integrantes postaram suas contribuições, mas falta ainda alguém dar aquela arrumada (edição e formatação final), de forma a ficar um texto mais redondo. Um wiki não é a reunião desarticulada de várias contribuições, mas um texto que precisa ser editado, modificado, recortado, costurado a partir das contribuições de todos. Por isso não fiquem com vergonha de reeditar e aprimorar o que os colegas escreveram. O espírito do wiki é justamente esse! Também sugerimos acrescentarem imagens ou links aos textos, para adicionar hipertextualidade. Silva (2010) afirma que a disponibilização consciente de uma montagem de conexões em rede permite múltiplas ocorrências, ou seja, será através da utilização de diferentes suportes e linguagens midiáticos (texto, som, vídeo, computador, internet) em mixagens e em multimídia, a garantia de um território de expressão e aprendizagem labiríntico, porém de fácil navegação, e permitirá que o aprendiz conduza suas explorações. O que ocorreu é que,

112 112 em todas as aulas, foi na utilização em larga escala do livro hipertextual que os conteúdos foram disponibilizados em forma de textos pdf, figuras, vídeos, etc. A Figura 42, a seguir, traz um desses livros criados por EP1 e EP2, que compuseram a equipe pedagógica do curso, para garantir um território de aprendizagem a ser explorado. Figura 42: O livro hipertextual A fim de compreender como os docentes utilizaram as potencialidades comunicacionais do AVA como provocadores de situações inquietadoras para a participação criativa, enfrentamento em público respeitando a pluralidade de ideias e consequente ressignificação de conceitos e procedimentos, além de mobilizar a experiência do conhecimento, mostraremos a seguir uma sequência de slides retirados do livro hipertextual arquitetado colaborativamente com o uso das tecnologias digitais. E, ainda, a construção e utilização destes recursos evidenciam os saberes didáticos que compreendem os saberes do desenho didático, da mediação e da avaliação. No caso do saber da avaliação destacam-se a avaliação diagnóstica, a mediadora e a heteroavaliação (RODRIGUES, 2009). Como pode ser observado na Figura 43 a seguir.

113 113 Figura 43: A avaliação A seguir, encontramos a Figura 44, da Introdução do livro, que traz a motivação ao estudo, leituras e elementos sugestivos para o debate e aprendizagem sobre a urgência da formação de professores para a docência online. Figura 44: A motivação A tela seguinte, Figura 45, traz os críticos da pedagogia da transmissão. Nessa etapa os cursistas têm contato com os principais críticos do modelo comunicacional transmissivo secularmente praticado e arraigado na escola. Destacam-se os saberes epistemológicos relativos à modalidade comunicacional transmissiva baseada no falar-ditar do mestre.

114 114 Figura 45: A pedagogia da transmissão Assim, a aprendizagem, baseada na dinâmica interativa, foi mais intuitiva, multissensorial, e permitiu aos cursistas a experimentação e a participação. Os cursistas manipularam os conteúdos de aprendizagem como pontos de partida e não como pontos de chegada. Por meio de associações e conexões, de forma não linear, eles não só transitaram por conteúdos, mas puderam transformar, ressignificar esses conteúdos. A Figura 46, a seguir, traz a página de abertura do tema interatividade apresentada no livro hipertextual e sugere uma rede de conexões entre computadores interconectados. Figura 46: A interatividade

115 115 A utilização de vídeos foi outra estratégia comunicacional utilizada no curso. Ela conjuga os saberes tecnológicos, didáticos e epistemológicos. A Figura 47 traz a distinção entre nativo digital e imigrante digital: Figura 47: Perfil dos nossos alunos Outra estratégia provocadora utilizada por EP1 e EP2, para potencializar a interação e colaboração entre os aprendizes, foi o estudo de caso. A proposta do fórum professor Wilson Rufino é um case e visou a promover ocasiões que despertassem a coragem do enfretamento em público diante de situações que provocassem reações individuais e em grupos; e, ao mesmo tempo, a respeitar a diversidade plural das ideias; incentivar a participação dos estudantes na resolução de problemas apresentados de forma autônoma e cooperativa, problemas também voltados para o desenvolvimento de competências que possibilitassem ao aprendiz ressignificar conceitos e procedimentos. Tal proposta ocorreu na Aula 2, cuja mensagem inicial é apresentada a seguir: Olá, pessoal! Neste fórum, você está convidado a conhecer e se posicionar sobre o case seguinte: O professor [...] Wilson Rufino ministra suas aulas a distância no Projeto e-tec Brasil. Ele tem sido muito bem avaliado pelos alunos por sua performance como docente. Exatamente por isso recebeu a incumbência do seu diretor, [...] de compartilhar suas estratégias bemsucedidas com seus colegas docentes que manifestavam insegurança na docência online [...]. Wilson Rufino promoveu encontros presenciais de formação dos colegas professores no laboratório de informática. Ele os convidou a operar e a interagir com o ambiente online de aprendizagem adotado por e-tec Brasil. Todos e todas deveriam explorar as potencialidades desse ambiente para a docência e para a aprendizagem.

116 116 Após apresentar o case, EP1 e EP2 sugerem aos cursistas elaborar um texto a partir de questionamentos acerca do aprendizado conquistado pelos professores; os benefícios que a experimentação do Moodle proporcionou aos professores inseguros em relação à docência por meio da internet. Ao mesmo tempo, sugerem a exploração do AVA do curso, a fim de justificar a proposta do professor Wilson Rufino. Dessa forma, simultaneamente, os cursistas reconheciam as diversas interfaces do Moodle e procuravam apreender as potencialidades comunicacionais delas, em sintonia com a modalidade comunicacional interativa norteadora da proposta pedagógica do curso em questão, locus desta pesquisa. Faça você também sua exploração em nosso ambiente Moodle e procure justificar a proposta do professor Wilson Rufino que se revelou bemsucedida no engajamento dos professores na docência online. Que aprendizado os professores terão conquistado? Que benefícios a experimentação de tal ambiente pode ter proporcionado aos professores inseguros em relação à docência por meio da internet? Elabore um pequeno texto com suas conclusões e compartilhe-o aqui no fórum com seus colegas de turma online. Atenção! Você pode incluir aqui suas sínteses e fragmentos postados em seu portfólio pessoal. Vamos compartilhar e fazer interatividade! De acordo com o que foi tratado no referencial teórico, uma das características do saber docente refere-se à multiplicidade de sua origem. Assim, pode-se definir o saber docente como um saber plural, formado pelo amálgama, mais ou menos coerente, de saberes oriundos da formação profissional, e de saberes disciplinares, curriculares e experienciais (TARDIF, 2009, p. 36). Ainda que não seja condição necessária e suficiente para atuar na educação online, todos os docentes-formadores e membros da equipe pedagógica envolvidos no Curso de Formação de Professores para a Docência Online têm formação inicial e/ou continuada para atuar na modalidade educação a distância, o que favoreceu em larga medida a utilização das interfaces do AVA. O case do fórum Wilson Rufino promoveu e despertou a coragem do enfrentamento em público, uma vez que os cursistas foram convidados a conhecer e se posicionar sobre o sucesso do professor Wilson Rufino e as estratégias por ele adotadas para vencer a resistência e insegurança de professores do programa e-tec Brasil em relação à docência online, conforme o case construído e apresentado anteriormente. 4.2 O desenho didático construído e o uso das tecnologias digitais online

117 117 Neste item investigaremos como o desenho didático do curso e o uso das tecnologias digitais contribuíram para corroborar a modalidade comunicacional interativa utilizada na mediação docente estabelecida no curso em questão. Para mobilizar articulação entre os diversos campos do conhecimento que estimule a prática da modalidade comunicacional interativa, é preciso construir um desenho didático em sintonia com a interatividade, o hipertexto, a cibercultura e a própria lógica da web 2.0. Assim, o desenho didático de curso online ganha destaque. Ele deve fazer proposições e usar de diversas interfaces em AVAs para a cocriação da comunicação e da aprendizagem em sua sala de aula online. Para Santos e Silva (2009, p. 274), essas proposições e interfaces deverão favorecer bidirecionalidade, sentimento de pertença, trocas, crítica e autocrítica, discussões temáticas, elaboração colaborativa, exploração, experimentação, simulação e descoberta. Trata-se da construção de um desenho didático que potencialize um espaço próprio para a formação de sujeitos participativos e autônomos, onde não cabe mais o professor transmissor de informações, mas um arquiteto de percursos, um negociador de significados e diferenças (ARAÚJO, 2007). Em outras palavras, um desenho didático favorável à prática educativa sintonizada com o espírito do nosso tempo sociotécnico e com a formação cidadã, e que assegure e favoreça a expressão do diálogo, do compartilhamento e da autoria criativa e colaborativa. Nesse sentido, pudemos constatar no locus desta pesquisa uma arquitetura pedagógica em consonância com a modalidade comunicacional interativa e mobilizadora de ações concretas em favor da expressão livre e plural em ambientes de docência e aprendizagem colaborativas. Tal arquitetura propiciou oportunidades de múltiplas expressões e experimentações; disponibilizada em rede de conexões, permitiu múltiplas ocorrências e situações de inquietação mobilizando a experiência do conhecimento. Assim, o uso potencial das diversas interfaces do curso favoreceu a participação autônoma e criativa dos docentescursistas, como se pode constatar na transcrição das orientações do fórum As tecnologias na Educação, a EaD, a Educação online e a BMW vermelha. Ao considerarmos a Educação a Distância como educação midiatizada pelas tecnologias, convidamos vocês a debaterem sobre a EAD no Brasil a partir da nossa entrevista publicada pela revista da sua experiência com a modalidade e do vídeo BMW vermelho. Assista ao vídeo BMW vermelho e registre neste fórum de discussão sua reflexão sobre a integração das tecnologias em nosso cotidiano e na EaD e debata com seus colegas e docente: Será que estamos reproduzindo na educação midiatizada por tecnologias o caso da BMW vermelha? Como fazer a atividade? Leia a entrevista indicada e destaque pontos importantes que mais chamaram a sua atenção. Acesse o site Porta curtas no endereço:

118 118 O que se viu, a partir da leitura da entrevista sugerida e do vídeo, foram manifestações dos cursistas acerca da precariedade no uso das tecnologias em cursos de EaD e educação online no Brasil. Mas, para além de participações dos cursistas que relataram a exclusão digital presente em nosso país, ressalta-se que houve a comunicação entre formadores e cursistas, de acordo com a proposta de modalidade comunicacional interativa que norteou a configuração pedagógica do curso, como podemos observar adiante. Tabela 10: Fórum A comunicação Re: As Tecnologias na Educação, a EAD, a Educação Online e a BMW vermelha. Por XXXXXXX- domingo, 6 setembro 2009, 18:04 Concordo plenamente com os colegas quando relatam que não basta ter ferramentas e/ ou bens de última geração se não se tem o conhecimento, a técnica, preparo necessário e outras atribuições para sua utilização e manipulação [...] Acredito que esse vídeo se encaixa um pouco em nossa prática docente diária...isto é, se não nos especializarmos e não nos qualificarmos frequentemente também não saberemos usar as armas e ferramentas que nos serão disponibilizadas inclusive com a realidade e vida individual de cada um de nossos alunos...sua história...seremos mais um reprodutor de conhecimento e não saberemos usar um pouco da prática do Parangolé...uma boa reflexão a todos nós... A cursista Valeska não concordou com a atitude do personagem no vídeo, que vendeu sua casa para morar na BMW vermelha, o que, do ponto de vista dela, se tratava de falta de empenho, responsabilidade, força de vontade, entre outras atitudes da personagem. Entretanto, a cursista Ana Terezinha teve outro ponto de vista, julgando tal atitude como falta de discernimento do personagem, conforme tabela a seguir. Tabela 11: Fórum A comunicação 2 Re: As Tecnologias na Educação, a EAD, a Educação Online e a BMW vermelha. Por XXXXXXX- quarta, 9 setembro 2009, 13:35 Oi, Valeska! Não acho que a atitude do personagem da BMW tem causa na falta de responsabilidade, mas sim na falta de discernimento mesmo. Ele não tem (e muitos outros também!) o mesmo entendimento que nós temos, graças à instrução que recebemos, por isso não consegue perceber qual a providência racional deve tomar. Um abç, Ana T. O que se vê neste momento e em vários outros episódios do curso é que seu desenho didático permitiu a pluralidade de opiniões, bem como a tolerância entre os cursistas.

119 119 Destacam-se também a participação de Valeska e José e a intervenção do formador D1 no diálogo estabelecido entre esses cursistas. Valeska chamou atenção para a necessidade de capacitação para uso das tecnologias e José para a consideração do fator humano, sobretudo das condições socioeconômicas e culturais dos docentes e discentes. Esses dois aspectos são fundamentais no desenho de um programa. Quais serão os elementos do perfil dos docentes e dos discentes que favorecem o ensino e a aprendizagem online? O domínio relativo das tecnologias é um aspecto. Mas e quanto aos outros? O que vocês pensam a respeito? A provocação em forma de perguntas feita por D1 fomentou longas discussões durante este fórum sobre o perfil de docentes e discentes e suas implicações na construção do desenho didático de cursos online e na prática pedagógica. Para Santos e Silva (2009, p. 275), construir a prática pedagógica para a educação online é em primeiro lugar pensar um desenho didático interativo como arquitetura que envolve o planejamento, a produção e a operatividade de conteúdos e de situações de aprendizagem, que estruturam processos de construção do conhecimento na sala de aula online. Nesse sentido, Araújo (2007) afirma que a definição de estratégias para o desenho didático de cursos online deve ser baseada em teorias educacionais consolidadas e que tais teorias apontam para algumas etapas do processo de desenvolvimento, que são: a análise, o design, o desenvolvimento e implantação, e a avaliação e revisão. A fase de análise feita por parte da equipe pedagógica neste curso foi marcada por um questionário aplicado nos dias 30 e 31 de agosto de 2009, já apresentado no Capítulo 3 deste trabalho, e procurou levantar o perfil e expectativas dos cursistas, as necessidades de aprendizagem e definição dos objetivos. A seguir a fase do design, onde é feito o planejamento, ou seja, as definições da equipe, dos conteúdos, das estratégias pedagógicas e tecnológicas e do cronograma de execução, bem como os critérios de avaliação estiveram presentes no período de ambientação do curso e permitiu que todos opinassem corroborando a modalidade comunicacional interativa. Concomitante com a semana de ambientação, a equipe pedagógica tratou de selecionar, desenvolver e implantar o material pedagógico, instalando e configurando o ambiente virtual Moodle e-tec Brasil, utilizado a partir da escolha de mídias e o processo de gestão do curso. Finalmente, na fase da avaliação, o processo avaliativo da aprendizagem foi processual e ocorreu a partir da construção de portfólios individuais e coletivos de acordo com uma filosofia educacional, uma concepção teórico-metodológica de ensino e de aprendizagem, que buscou verificar em que nível os objetivos propostos foram alcançados, constatar progressos e dificuldades e reorientar o trabalho ou propor novas ações.

120 120 Santos e Silva (2009, p. 276) afirmam que antecede a criação dos conteúdos e das situações de aprendizagem a serem disponibilizados nas interfaces a necessidade de atentar para algumas questões de planejamento. Tais questões se referem: ao contexto sócio-histórico e cultural dos cursistas e às competências a serem mobilizadas, o que foi levantado a partir do questionário citado anteriormente. A infraestrutura tecnológica de que dispunham os docentes e os cursistas foi oferecida pelo MEC e atendia basicamente ao curso; os profissionais agregados ao projeto do curso de extensão, também citados no Capítulo 3 desta pesquisa, atendiam plenamente às necessidades e expectativas dos cursistas. A estruturação dos conteúdos, os objetos e as situações de aprendizagem ocorreram de forma hipertextual. Observou-se ainda a conciliação de situações de aprendizagem individual (autoestudo) com situações de aprendizagem interativa (aprendizagem colaborativa). Os indicadores utilizados para avaliar a aprendizagem a partir das participações nas interfaces do AVA estavam de acordo com a proposta pedagógica do curso e em sintonia com a modalidade comunicacional interativa, bem como as interfaces de conteúdos e de comunicação utilizadas em cada unidade do curso. Assim compreendido, o desenho didático praticado no curso em questão pela equipe pedagógica, docentes e cursistas transformou-se em um campo de possibilidades para a construção do conhecimento. Estruturado como hipertexto, permitiu que os cursistas tecessem sua autoria operando em vários percursos e leituras através dos links. Observou-se ainda que, através do hipertexto construído no curso e da convergência de várias mídias, foi possível percorrer caminhos que levaram a espaços e conteúdos não mais presos à linearidade das páginas de um livro. Destaca-se ainda a reconstrução do desenho didático em função de restrições orçamentárias por parte do MEC, sem prejuízo da qualidade do curso, persistindo uma interação ativa entre formadores e cursistas e formadores e equipe pedagógica. Com objetivo de baixar custos, a solução encontrada por formadores e equipe pedagógica foi a reunião de duas turmas em uma. Ainda que houvesse constrangimentos entre os formadores na escolha das duplas, na divisão dos recursos financeiros, o que se observou foi uma adaptação rápida e sem maiores transtornos, como pode ser constatado na mensagem enviada no AVA aos cursistas, e que em momento nenhum ficou transparente para estes os verdadeiros motivos para tais mudanças.

121 121 Tabela 12: Fórum 4 Fórum "boas-vindas" parte 2: quem são os novos colegas e docentes online? Por xxxxxxxx - segunda, 26 outubro 2009, 18:35 Olá pessoal! Com o objetivo de turbinar nossa participação discente, docente e a nossa aprendizagem online optamos pela junção de duas turmas (com seus respectivos docentes) numa mesma sala de aula online a partir dessa unidade. Agora temos mais colegas cursistas e mais docentes para mediar a aprendizagem em nossa sala de aula. Vamos nos conhecer um pouco mais? Vamos receber e acolher novos colegas! Propomos como dinâmica online que cada um e cada uma busque um jeito criativo de se apresentar. Fale de você, do que você aprendeu até agora e do que gostaria de aprender a partir desta nova unidade. Compartilhe com os colegas e docentes novos e antigos algum (objeto de aprendizagem- extrato digitalizado de texto, som, imagem, gráfico) que revele um pouco a sua personalidade e seu jeito de ser e de acontecer neste mundo. Coordenação Pedagógica A partir da reunião e do convite à apresentação criativa de cada cursista da nova turma, pode-se observar nas diversas mensagens a utilização de imagens sugestivas de acolhimento e de aproximação, um saber necessário nessa modalidade de educação em que prevalece a distância geográfica e temporal entre os estudantes. Ao mesmo tempo, a informação da professora-cursista Elisângela, que iria ministrar a disciplina metodologia da pesquisa na modalidade online no âmbito do programa e-tec Brasil, é reveladora de que os objetivos do curso de formação de professores para docência online, campo desta pesquisa, estavam sendo alcançados. Os professores que atuavam no programa e-tec Brasil se sentiam melhor preparados para enfrentar os desafios das transposições didáticas, erro recorrente em várias instituições onde prevalecia a subutilização do AVA, mais como repositório de informações, a distribuição de material didático impresso para o autoestudo. Em última instância, pode-se dizer que estavam melhor preparados para elaborar desenho didático dos cursos que iriam ministrar de acordo com os saberes gerais elencados como objetivos do curso de formação de professores do qual participaram. Ou seja, os professores-cursistas, ao término do curso, reuniam habilidades para utilizar tecnologias digitais online como potencializadoras da docência e da aprendizagem na educação profissional e de construírem projetos educacionais para ambientes online de aprendizagem a partir do desenho didático interativo, da utilização de interfaces de comunicação, de conteúdos multimídia e de objetos de aprendizagem. A tabela a seguir, extraída do locus da pesquisa, pode corroborar essa percepção.

122 122 Tabela 13: Fórum 5 Re: Fórum "boas-vindas" parte 2: quem são os novos colegas e docentes online? Por xxxxxx- sábado, 7 novembro 2009, 13:09 Olá a todos os novos colegas da Turma 4 É um prazer fazer parte deste novo grupo (turmas 4 e 6)!!!! Meu nome é Elisângela, sou professora de Metodologia da Pesquisa nos cursos técnicos, superiores e na pósgraduação Lato Sensu do IF Sul de Minas Campus Muzambinho. A partir do próximo ano terei o prazer de lecionar esta disciplina, também, na modalidade Online, no curso Técnico em Informática do programa e-tec Brasil. Para finalizar este item, o que se viu, portanto, foi a transformação do papel do professor tradicional transmissor de informações. A partir do desenho didático construído como uma rede de possibilidades de navegação durante o curso. Apenas foi definido um conjunto de territórios a explorar, enquanto a aprendizagem se deu na exploração realizada nestes territórios pelos cursistas. Assim, a autoria da aprendizagem compartilhada entre os atores deste curso alcançou outro sentido diferente daquela autoria da aprendizagem adquirida a partir da exposição e transmissão de conteúdos que o professor detém. Os formadores, em conjunto com a equipe pedagógica, foram mais provocadores de conhecimentos, formuladores de problemas, proponentes de situações inquietadoras, arquitetos de percursos, mobilizadores das inteligências múltiplas e coletivas na produção de conhecimentos. Já os cursistas agiram criando, modificando, aumentando e se tornaram coautores da aprendizagem e do seu próprio curso. Portanto, o que se percebeu foi a mudança dos papéis de professores e alunos tradicionais para formadores e cursistas atentos à lógica da comunicação interativa emergente no século XXI e em sintonia com a pedagogia da problematização ou da interatividade. 4.3 As correlações entre as estratégias comunicacionais da mediação docente utilizadas e a participação e a colaboração dos aprendizes

123 123 De início, neste item, é preciso tecer algumas considerações sobre a utilização de informações quantitativas, na forma de gráficos e tabelas, e sobre o perfil dos professorescursistas que participaram da referida capacitação, locus desta pesquisa. Ainda que se trate de uma investigação qualitativa, por vezes é necessário lançar mão de informações quantitativas esclarecedoras da investigação. Assim, o que se deseja neste item é a investigação das correlações entre as estratégias comunicacionais da mediação docente utilizadas no curso e a participação e colaboração dos aprendizes, a partir das sugestões de interatividade feitas aos docentes e na perspectiva da pesquisa qualitativa com enfoque sócio-histórico. Como ocorreu no capítulo anterior deste trabalho, neste serão apresentados gráficos a fim de permitir a compreensão pretendida nesta investigação. Buscar-se-á abranger tal correlação entre a participação do docente-formador e a participação do docente-cursista nas diversas aulas e turmas do curso. Em relação à utilização de métodos estatísticos em pesquisas qualitativas, Bogdan e Biklen (1994, p. 16) comentam que, na pesquisa qualitativa com enfoque sócio-histórico, não se investiga em razão de resultados, o que se quer obter é a compreensão dos comportamentos a partir da perspectiva dos sujeitos da investigação, correlacionada ao contexto do qual fazem parte. Assim, as questões formuladas para a pesquisa não são estabelecidas a partir da operacionalização de variáveis, mas se orientam para a compreensão dos fenômenos em toda a sua complexidade e em seu acontecer histórico (FREITAS, 2002). Nesse sentido, serão transcritos alguns gráficos, apresentados no capítulo anterior, elucidativos da referida complexidade e que envolve os objetivos desta pesquisa na sua totalidade. Resta ainda discutir a imbricação entre tais objetivos específicos, o que certamente nos levará a citar estratégias adotadas pelos formadores apresentadas anteriormente, não como mera repetição, mas como parte integrante dos fenômenos a que se quer investigar. Em relação ao perfil dos cursistas, nos dias 30 e 31 de agosto de 2009 ocorreu o encontro presencial entre a equipe pedagógica e a equipe do referido curso de formação docentes-cursistas. Por ocasião desse encontro, foram proferidas palestras sobre os seguintes temas: formação dos professores do e-tec para docência online; educar em nosso tempo; sugestões de qualidade em educação online. A seguir foi realizada uma dinâmica de grupo com os docentes-formadores e docentes-cursistas, quando se deu a aplicação de um questionário com o objetivo de conhecer melhor os docentes-cursistas. A partir de tal questionário se buscou levantar a função e idade de cada um no programa e-tec Brasil e suas experiências com o computador e ambiente virtual de aprendizagem Moodle. As respostas

124 124 dadas pelos professores-cursistas foram avaliadas e sistematizadas através de gráficos e tabelas. A seguir reapresento alguns gráficos elucidativos sobre o perfil dos cursistas. Em relação à idade, os professores-cursistas, na sua maioria, possuíam mais de 30 anos e, portanto, nasceram antes da década de 1980, o que os caracteriza como imigrantes digitais, que exerciam a função de professores e gestores em mesmo percentual, aproximadamente. Já quanto às suas experiências, cerca de 50 cursistas jamais lecionaram disciplinas via internet, ou seja, não conheciam o AVA, suas interfaces, a construção de um desenho didático em consonância com a modalidade comunicacional interativa, conforme mostra o gráfico a seguir: Gráfico 10: Idade, função exercida e experiência com docência online Enquanto que os 70 cursistas com experiência no AVA indicaram que o fórum ainda é um dos recursos que mais utilizam Moodle, o que revela a falta de conhecimento sobre as demais interfaces do AVA e suas potencialiades para promover a comunicação interativa, própria da cibercultura. Assim, em relação ao perfil dos cursistas, podemos observar que, entre aqueles que lecionam ou lecionaram disciplinas pela internet, conforme gráfico anterior, apenas 58% possuíam alguma familiaridade com o AVA Moodle. Por outro lado, 42% dos cursistas, apesar de já estarem atuando no programa e-tec, jamais se utilizaram do AVA para professorar online. Ora, neste caso era de se esperar um comportamento de apreensão e receio diante destas tecnologias. O gráfico a seguir apresenta as expectativas dos cursistas em relação ao curso em questão. Ele nos revela que cerca de 90 cursistas, em um universo de 130, pretendiam adquirir conhecimentos sobre Moodle e/ou EaD, por não os possuírem ou o fazerem precariamente.

125 125 Gráfico 11: Expectativas dos cursistas em relação ao curso Portanto, o curso de formação de professores para docência online encontrou um quadro adverso de imigrantes digitais, que, em sua maioria, desejavam conhecer melhor a EaD. E que nada, ou quase nada, conheciam sobre os saberes docentes necessários para essa modalidade de educação. Considerando o exposto anteriormente, apresento a correlação entre as atividades propostas pelo formador/equipe pedagógica e as participações dos cursistas nas aulas 1, 2 e 3 e, logo em seguida, as aulas 4, 5, 6 e 7 da nova turma, constituída pela reunião das turmas 4 e 6, conforme gráfico a seguir. Aproveito para esclarecer sobre a adoção dessas turmas como recorte do campo de investigação, sem perder a generalidade necessária, uma vez que a correlação nela apresentada resume o que ocorreu em outras turmas. A correlação encontrada neste caso é de + 0,92, ou seja, correlação positiva e próxima de +1, o seu valor máximo.

126 126 Gráfico 12: Participações de cursistas e formadores Esse valor próximo do máximo significa que maiores participações dos formadores implicavam maiores participações dos cursistas, e, em mesma escala, menores participações dos formadores, menores participações dos cursistas, o que revela o perfil reativo dos cursistas. Ainda ao observar os fóruns e chats, principalmente, percebeu-se que as interações entre os cursistas foram tímidas e sugeriram prevalecer, por parte dos cursistas, a lógica transmissiva na qual foram formados inicialmente, o que pode ser constatado na fala dos formadores D1 e D3 do curso: Procuro incentivar a interação entre eles, mas neste curso as participações em geral estão escassas. São poucos os cursistas que interagem entre si, mesmo com as chamadas e incentivos. Outra constatação foi o silêncio virtual dos cursistas. Ao ser indagado sobre o silêncio virtual, que insistia em incomodar os formadores durante o curso, o formador D1 afirma que: Enviei s diretos para os silenciosos e sumidos. Coloquei mensagens jocosas no fórum, sem direcionar a ninguém em particular, mas sinalizando quando o fórum está muito parado. Em relação às mensagens jocosas, diante de pouca participação efetiva dos cursistas no fórum Wilson Rufino, D1 postou a seguinte mensagem destacada em vermelho: Tô achando que este fórum tá muuuuitooo devagar, sô!!!! E para ilustrar seu estado de espírito, acrescentou a imagem a seguir:

127 127 Figura 48: Andamento do fórum (Foto acima: representação meramente ficcional do andamento do fórum até o momento) O resultado foi maior participação dos cursistas ausentes e a interatividade entre todos. Entretanto os gráficos anteriores revelam grande variação das participações entre as aulas, variação recorrente em todas as turmas. Outros formadores relataram sua apreensão com a ausência dos cursistas em determinados momentos do curso: Percebi as ausências das participações nos fóruns de discussão, nos chats e nas atividades propostas, acompanhando a entrada no ambiente através do recurso do Moodle chamado Estatísticas. O AVA permite controle sintético dos acessos, que em alguns casos é pouco esclarecedor qualitativamente. O gráfico de barras relativo às participações de cursistas e formadores, apresentado anteriormente, mostra uma grande variação nas participações dos cursistas durante a aula 4. As restrições orçamentárias, advindas da SEED/MEC, determinaram o agrupamento das turmas duas a duas. A partir desse momento, os professores-formadores passaram a trabalhar em duplas. Tal fato ocorreu no período de 26 de outubro a 8 de novembro de 2009 e o tema da aula foi A educação presencial e no online: diferenças e transposições, que teve como objetivos: contrastar educação presencial e educação online; discutir a possibilidade de transposição entre as modalidades presencial e online de estratégias docentes, de estratégias de aprendizagem e de estratégias de comunicação; definir qualidade em educação online a partir de comparações e transposições entre as modalidades presencial e online. Ainda que inicialmente o agrupamento das turmas tenha ocorrido por questões orçamentárias, aos cursistas foi apresentado como estratégia para aumentar as participações. A apresentação do fórum dessa aula foi inédita e trouxe mudanças. A partir deste momento, mudaram as estratégias de avaliação da formação em curso. A mudança ocorreu na construção do portfólio, que era por aula e passou a ser por unidade, não descaracterizando a avaliação processual, mas reduzindo, antes de tudo, a quantidade de tarefas a serem realizadas

128 128 pelos cursistas, que, como já dito, se encontravam assoberbados de trabalho. Em atenção a essa sobrecarga, a densidade dos conteúdos parece ter sido diluída na forma de leituras complementares. Para caracterizar tais mudanças, a seguir temos a transcrição parcial deste fórum. Com o objetivo de turbinar nossa participação discente, docente e a nossa aprendizagem online, optamos pela junção de duas turmas (com seus respectivos docentes), numa mesma sala de aula online, a partir desta unidade 2. Agora temos mais colegas cursistas e mais docentes para mediar a aprendizagem em nossa sala de aula. Vamos nos conhecer um pouco mais? Para tanto, acessem o fórum de discussão "Boas-vindas parte 2". Leiam e estudem o livro hipertextual da aula 4. Ao longo dos conteúdos do livro, registrem suas descobertas e reflexões em seu portfólio individual. [...]. Nesta unidade não teremos mais o portfólio por aula. Avaliamos que será mais produtivo termos um único portfólio por unidade. Além do livro hipertextual, sempre disponibilizamos um artigo científico para complementar a densidade das nossas discussões. [...]. Participem do fórum de discussão da unidade e também dos nossos encontros síncronos via chat. [...]. Por enquanto, vamos entender a nova dinâmica da unidade 2 e os desafios específicos da aula 4. Coordenação Pedagógica. A esse fórum compareceram 20 dos 27 cursistas da turma 4/6, totalizando 112 mensagens, o que o tornou um dos fóruns mais habitados, considerando-se todas as turmas. Pareceu que o problema da transposição de expedientes do presencial para o online era recorrente nos diversos cursos do programa e-tec Brasil, o que angustiar os coordenadores de curso. O convite aos cursistas em relatar suas experiências na educação online foi outra estratégia eficaz, e emergiram nesse fórum contribuições e reflexões acerca das práticas na EaD e em particular na educação online. Tais reflexões contribuíram significativamente para construção do conhecimento sobre o tema interatividade e de situações de enfrentamento dos desafios relativos às transposições recorrentes no âmbito do e-tec Brasil e em outros programas em EaD do governo federal. Ainda em relação ao fórum de discussão Presencial e online: distinções e transposições, os formadores D1 e D3 e cursistas dele participaram ativamente, contabilizando 112 mensagens conforme tabela a seguir:

129 129 Tabela 14: Relação de discussão presencial e online Autor Número de mensagens Percentual D1/D % Cursistas 77 69% Outra estratégia exitosa adotada por alguns formadores, profundamente relacionada com o perfil de incluídos digitais dos cursistas e com a sobrecarga de trabalho naquele momento, foi a de transformar a obra aberta proposta até então pela equipe pedagógica em tarefas mais específicas. Os formadores buscaram direcionar o trabalho dos cursistas e propuseram a atividade em duas partes. Na primeira o cursista deveria trazer para o fórum alguma experiência relativa ao planejamento de um curso online em que ocorreu a conversão/transposição/adaptação a partir de uma experiência do presencial. Na segunda o cursista deveria comentar o relato do colega de curso. Para D1, trata-se de uma estratégia que pode auxiliar a criar um clima/dinâmica de interatividade: Costumo utilizar a estratégia que chamo de fade-in (em analogia às imagens que vão se tornando progressivamente mais difusas até desaparecer completamente). Segundo D1 a estratégia consiste no seguinte: Se eu percebo que, pelo perfil, a turma é avessa à interação e pouco participa dos fóruns, procuro iniciar os cursos com atividades bastante mais estruturadas, isto é, dizendo claramente aos alunos o que eu espero que eles façam em cada tarefa. E geralmente as primeiras tarefas são do tipo "vaptvupt", professor pergunta aluno responde. A interação é basicamente reativa, bidirecional professor-->aluno-->professor. Eu procuro incentivar bastante e comentar as contribuições dos alunos assim que respondem. Também procuro tecer relações e comentários coletivos. É fundamental nessa hora que o professor dê feedbacks rápidos, específicos e direcionados a cada aluno (ou grupo de alunos). O processo fade-in continua: depois disso, eu passo a propor tarefas, ainda bem específicas, em que os aprendizes têm de postar contribuições e também comentar as de um ou de dois outros colegas. A intenção, segundo D1, é estimular uma interação aluno--> aluno ainda básica, bastante reativa. Simultaneamente D1 afirma que durante os fóruns eu procuro incentivar para que essa interação vá além e comece a ser recursiva, isto é aluno 1 --> aluno 2 ---> aluno 1 através de perguntas provocadoras para o aluno 2 e para o aluno 1. Assim, segundo D1, na medida em que a turma passa a interagir de forma mais espontânea e proativa, passo a ficar mais quieto, observando e fazendo comentários mais pontuais aqui ou ali, apenas para incentivar a interação. Finalizando o processo fade-in, D1 afirma:

130 130 Quando a turma alcança um nível alto de interatividade, já não é necessário definir tarefas tão estruturadas. Basta lançar temas para discussão que a coisa flui. Mas nem toda a turma chega nesse ponto e isso vai depender do ritmo do curso, da duração etc. Bem. Isso é o que eu chamo da técnica do fade-in. Outro desafio enfrentado no curso foi a evasão. A evasão na educação a distância é problema recorrente e se fez presente no curso. Inúmeras ações foram realizadas pela equipe pedagógica e formadora, a fim de resgatar os alunos ausentes do AVA. Destaca-se entre elas a operação denominada O resgate do soldado Ryan, uma alusão ao homônimo filme de ação dirigido por Steven Spielberg. Exitosa, tal operação contou com a participação efetiva dos formadores e se constituiu de convites através dos s pessoais dos cursistas, objetivando seu retorno à sala de aula virtual do curso. O resultado foi o retorno dos cursistas ao ambiente, maior participação e interatividade. Mais um desafio enfrentado no curso foi o já referido silêncio virtual, caracterizado pelas visualizações e possíveis leituras apontadas pelas entradas (logs) dos cursistas no AVA que não se concretizaram em participações efetivas. O Moodle faz o registro dos acessos (logins/entradas) de todos que habitam o ambiente. Nesse registro, é possível verificar o local (fórum, chat, etc.), a data em que ocorreu o acesso, o IP do computador, o tempo transcorrido, se foi participação, visualização e leitura. Os dados coletados no locus da pesquisa de todas as turmas referentes às ações dos cursistas e atividades propostas pelos formadores foram divididos em quatro grupos: Participação, Visualização, Chat e Leituras. O total de ações em cada grupo foi dividido pelos respectivos números de atividades propostas, conforme tabela a seguir: Tabela 15: Atividades propostas pelos formadores Participação Visualização Chat Leituras Ações dos cursistas Atividades propostas formadores Ações / Atividades 7,3 59,5 4,5 101 As atividades propostas nas dez turmas reunidas duas a duas, que permitiam a participação, visualização e leituras dos cursistas, foram computadas contando os mais diversos fóruns propostos, inclusive o portfólio, que utilizou a interface de fórum. Em média

131 131 por grupos de duas turmas, foram propostos 14 fóruns gerais e para atividades de aprendizagem, quatro portfólios, oito fóruns para agenda e orientações gerais, dois fóruns sociais do tipo café com bobagem, totalizando 28 fóruns por grupo de duas turmas. Como foram cinco grupos de duas turmas, temos um total de 140 fóruns. Em relação aos chats, ocorreram, em média, seis chats por grupo de duas turmas, totalizando 30 chats. Para as leituras, foram computados os textos, livros e vídeos, e foram contabilizadas, em um grupo de duas turmas, 18 propostas, para cinco grupos de duas turmas, totalizando 90 possibilidades de leitura. Em relação às Ações dos cursistas, vê-se no gráfico a seguir que prevaleceu a leitura e visualizações totalizadas em 94%, o que explica o percentual de 5% de participações efetivas. Gráfico 13: Ações dos cursistas Porém em relação às atividades propostas por formadores, vê-se que 35% das atividades sugeriam a participação do cursista, o que de fato não aconteceu, conforme gráfico anterior.

Interatividade na docência e aprendizagem online

Interatividade na docência e aprendizagem online Interatividade na docência e aprendizagem online ou a pedagogia do parangolé Marco Silva EDU/UERJ Educar em nosso tempo conta com uma feliz coincidência histórica: a dinâmica comunicacional da cibercultura,

Leia mais

Introdução. múltiplas interferências (SILVA, 2006).

Introdução. múltiplas interferências (SILVA, 2006). 1 FORMAÇÃO E AÇÃO DO DOCENTE ONLINE RODRIGUES, Tatiana Claro dos Santos UNESA taticlaro@globo.com GT-16: Educação e Comunicação Agência Financiadora: CAPES Introdução As tecnologias da informação e comunicação

Leia mais

Formação de professores para docência online

Formação de professores para docência online Formação de professores para docência online uma pesquisa interinstitucional Marco Silva EDU/UERJ Educar em nosso tempo conta com uma feliz coincidência histórica: a dinâmica comunicacional da cibercultura,

Leia mais

Desenho didático para cursos dinamizados em ambientes online: o caso do curso de formação para professores em serviço do ensino médio

Desenho didático para cursos dinamizados em ambientes online: o caso do curso de formação para professores em serviço do ensino médio Desenho didático para cursos dinamizados em ambientes online: o caso do curso de formação para professores em serviço do ensino médio MARISTELA MIDLEJ SILVA DE ARAÚJO Santos SP Set/2008 Objetivo Geral

Leia mais

Saberes da Docência Online

Saberes da Docência Online Saberes da Docência Online Edméa Santos Professora do PROPED-Faculdade de Educação da UERJ E-mail: mea2@uol.com.br Web-site: http://www.docenciaonline.pro.br/moodle http://www.proped..pro.br/moodle Fones

Leia mais

MATERIAL DIDÁTICO E O PROCESSO DE COMUNICAÇÃO NA EAD

MATERIAL DIDÁTICO E O PROCESSO DE COMUNICAÇÃO NA EAD MATERIAL DIDÁTICO E O PROCESSO DE COMUNICAÇÃO NA EAD Maria Lúcia C. Neder Como vimos no módulo I, ao refletirmos a respeito da EAD, temos que, primeiramente, focar a essência, aquilo que é substantivo,

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO

2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO 2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO Maria do Rozario Gomes da Mota Silva 1 Secretaria de Educação do

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE HISTÓRIA E AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO (TICS)

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE HISTÓRIA E AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO (TICS) A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE HISTÓRIA E AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO (TICS) Isléia Rössler Streit Universidade de Passo Fundo istreit@upf.br Resumo: A evolução tecnológica das últimas duas

Leia mais

Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB.

Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB. Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB. Profa. Dra. Nara Maria Pimentel Diretora de Ensino de Graduação da UnB Presidente do Fórum

Leia mais

Prof.ª Dr.ª do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Prof.ª Dr.ª do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TICs) NO CONTEXTO DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL (UAB) E O CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA (EAD) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (UFSM) AVINIO, Carina

Leia mais

Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação

Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação Pedagógica Pós-graduação Epidemiologia Como surgiu a EAD O

Leia mais

PROJETO 7. 1. Identificação do projeto

PROJETO 7. 1. Identificação do projeto PROJETO 7 1. Identificação do projeto Título:Cinema, vídeo e tridimensionalidade: o AVA-AV na integração do ensino presencial e a distância. Responsável:Dra. Ana Zeferina Ferreira Maio Vínculo institucional:professora

Leia mais

Outras mediações Mediação Técnica

Outras mediações Mediação Técnica Mediação pedagógica A tutoria online é uma tarefa complexa por abranger múltiplas funções. O tutor de cursos na Web assume funções comuns à educação em geral (seja ela presencial ou a distância), mas é

Leia mais

ENSINO PROFISSIONALIZANTE A DISTÂNCIA E AS PERPECTIVAS DE INCLUSÃO DIGITAL E SOCIAL

ENSINO PROFISSIONALIZANTE A DISTÂNCIA E AS PERPECTIVAS DE INCLUSÃO DIGITAL E SOCIAL ENSINO PROFISSIONALIZANTE A DISTÂNCIA E AS PERPECTIVAS DE INCLUSÃO DIGITAL E SOCIAL Resumo Cláudia Luíza Marques 1 - IFB Grupo de Trabalho - Diversidade e Inclusão Agência Financiadora: não contou com

Leia mais

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF 1 SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF Fortaleza CE Junho/2009 Karla Angélica Silva do Nascimento - Faculdade Integrada da Grande Fortaleza karla@fgf.edu.br

Leia mais

12 Docência interativa Presencial e online

12 Docência interativa Presencial e online SILVA, M. Docência Interativa presencial e online In: Valentini,Carla Beatris; Schelmmer, Eliane. (Org.). Aprendizagem em ambientes virtuais: compartilhando idéias e construindo cenários. Caxias do Sul:

Leia mais

Eje temático: EXPERIENCIAS Y ACCIONES CONCRETAS RELACIONADAS CON LA EDUCACIÓN MEDIÁTICA EN EL ÁMBITO DE LA EDUCACIÓN FORMAL

Eje temático: EXPERIENCIAS Y ACCIONES CONCRETAS RELACIONADAS CON LA EDUCACIÓN MEDIÁTICA EN EL ÁMBITO DE LA EDUCACIÓN FORMAL Eje temático: EXPERIENCIAS Y ACCIONES CONCRETAS RELACIONADAS CON LA EDUCACIÓN MEDIÁTICA EN EL ÁMBITO DE LA EDUCACIÓN FORMAL Titulo: UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL (UAB) Autor: Wilson dos Santos Almeida

Leia mais

A CULTURA UNIVERSIDADE E OS CURSOS SEMIPRESENCIAIS: TENDÊNCIAS E TRANSFORMAÇÕES

A CULTURA UNIVERSIDADE E OS CURSOS SEMIPRESENCIAIS: TENDÊNCIAS E TRANSFORMAÇÕES 1 A CULTURA UNIVERSIDADE E OS CURSOS SEMIPRESENCIAIS: TENDÊNCIAS E TRANSFORMAÇÕES São Paulo SP 04/2015. Juliana Moraes Marques Giordano USP julianagiordano@usp.br 2.1.1. Classe: Investigação Científica

Leia mais

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Projeto de Implantação do Núcleo Tecnológico de Educação Aberta - NTEA Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Ourinhos - 2012 2 1- DADOS GERAIS 1.1 UNIDADE EXECUTORA FIO - FACULDADES INTEGRADAS DE OURINHOS

Leia mais

Sistema de Gestão de Aulas

Sistema de Gestão de Aulas Sistema de Gestão de Aulas criando cultura para o Ensino a Distância e melhorando o processo ensino-aprendizagem pela internet RICARDO CREPALDE* RESUMO O objetivo deste artigo é apresentar a experiência

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Andréa Tonini José Luiz Padilha Damilano Vera Lucia Marostega Universidade Federal de Santa Maria RS RESUMO A UFSM vem ofertando Cursos de Formação

Leia mais

www.sbempb.com.br/epbem APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA

www.sbempb.com.br/epbem APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA Ronaldo Vieira Cabral Abdias de Brito Aguiar Júnior José Sidney Nunes de Araújo Resumo: A parte das

Leia mais

ABRIL 2010. Redes Sociais: revolução cultural na Internet. Ano 2 Número 2

ABRIL 2010. Redes Sociais: revolução cultural na Internet. Ano 2 Número 2 ABRIL 2010 Redes Sociais: revolução cultural na Internet Ano 2 Número 2 SUMÁRIO EXECUTIVO As redes sociais: revolução cultural na Internet Apresentação Definindo as redes sociais As redes sociais formam

Leia mais

TECNOLOGIAS DIGITAIS E INOVAÇÃO NO CURRÍCULO ESCOLAR COM O USO DO SOFTWARE P3D

TECNOLOGIAS DIGITAIS E INOVAÇÃO NO CURRÍCULO ESCOLAR COM O USO DO SOFTWARE P3D TECNOLOGIAS DIGITAIS E INOVAÇÃO NO CURRÍCULO ESCOLAR COM O USO DO SOFTWARE P3D Luzivone Lopes GOMES UEPB luzivone@gmail.com Filomena Mª Gonçalves da Silva Cordeiro Moita - UEPB filomena_moita@hotmail.com

Leia mais

Desenho didático para cursos online

Desenho didático para cursos online Desenho didático para cursos online Edméa Santos Professora da UERJ Professora-tutora do PROGED/ISP/UFBA E-mail: mea2@uol.com.br Site: www.docenciaonline.pro.br/moodle Que é cibercultura? Educação online:

Leia mais

Projeto de Design Instrucional

Projeto de Design Instrucional Projeto de Design Instrucional Curso: Educação Financeira Modalidade: EaD on-line o que é Design Instrucional? A ação institucional e sistemática de ensino, que envolve o planejamento, o desenvolvimento

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC - Educação a Distância: princípios e orientações. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC - Educação a Distância: princípios e orientações. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ENSINO CENTRO DE REFENCIA EM FORMAÇÃO E APOIO

Leia mais

Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo

Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo Idalise Bernardo Bagé 1 GD6- Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação

Leia mais

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES... 2 AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES SILVA, M.M Margareth Maciel Silva

Leia mais

FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO NA EaD

FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO NA EaD FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO NA EaD PROFª Mª MARIA DA GRAÇA GONÇALVES VINHOLI- GT-EAD E SENACmgvinholi@yahoo.com.br mariadagraca@ms.senac.br QUEM É O TUTOR? Mantendo a essência do termo e, transpondo

Leia mais

A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA RESUMO. Matemática, Educação a distância, Pós-Graduação Lato Sensu

A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA RESUMO. Matemática, Educação a distância, Pós-Graduação Lato Sensu A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA João José Saraiva da Fonseca Faculdade Integrada da Grande Fortaleza joao@fgf.edu.br RESUMO O Curso de Pós Graduação Lato

Leia mais

USO DO PBWORKS COMO ESPAÇO DIGITAL DE APRENDIZAGEM - MINICURSO. Albina Pereira de Pinho Silva UNEMAT/Juara alpepis@hotmail.com

USO DO PBWORKS COMO ESPAÇO DIGITAL DE APRENDIZAGEM - MINICURSO. Albina Pereira de Pinho Silva UNEMAT/Juara alpepis@hotmail.com 1 USO DO PBWORKS COMO ESPAÇO DIGITAL DE APRENDIZAGEM - MINICURSO Albina Pereira de Pinho Silva UNEMAT/Juara alpepis@hotmail.com Sandra Regina Braz Ayres CEFAPRO/Sinop ayressinop@gmail.com RESUMO A proposição

Leia mais

Christiane dos Santos PEREIRA*, Samuel Pereira DIAS, Gabriel da SILVA Centro Federal de Educação Tecnológica de Bambuí-MG

Christiane dos Santos PEREIRA*, Samuel Pereira DIAS, Gabriel da SILVA Centro Federal de Educação Tecnológica de Bambuí-MG A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO FERRAMENTA DE APOIO AO ENSINO PRESENCIAL: estudos preliminares e proposta de uma metodologia de implantação no CEFET-Bambuí Christiane dos Santos

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS: APOIO PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NOVAS TECNOLOGIAS: APOIO PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES 1 NOVAS TECNOLOGIAS: APOIO PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Lúcia Helena de Magalhães 1 Neuza Maria de Oliveira Marsicano 2 O papel das tecnologias da informação na atual sociedade da informação vem sendo

Leia mais

Consultoria para desenvolvimento de estratégias de treinamento on-line

Consultoria para desenvolvimento de estratégias de treinamento on-line 1 2 A HIPOCAMPUS é uma empresa de consultoria em comunicação e ensino digital com foco nos profissionais de saúde. Estamos prontos a auxiliar empresas dos diferentes segmentos da área de saúde a estabelecer

Leia mais

ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES

ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES Nara Dias Brito 1 ; Daniel Mill 2 Grupo 2.1. Docência na educação a distância: Formação

Leia mais

ENSINO DIGITAL E INOVAÇÃO: PANORAMA EAD FURG POSSIBILIDADES E DESAFIOS

ENSINO DIGITAL E INOVAÇÃO: PANORAMA EAD FURG POSSIBILIDADES E DESAFIOS ENSINO DIGITAL E INOVAÇÃO: PANORAMA EAD FURG POSSIBILIDADES E DESAFIOS Profa. Dra. Ivete Martins Pinto Secretária Geral de Educação a Distância Coordenadora UAB/FURG Presidente da Associação Universidade

Leia mais

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs.

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs. 1 O PEDAGOGO EM MULTIMEIOS E INFORMÁTICA EDUCATIVA E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A EFICÁCIA DA UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO TCC2036 fevereiro de 2006 Pricila Kohls dos Santos

Leia mais

DOCÊNCIA ONLINE: UM ESTUDO NA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

DOCÊNCIA ONLINE: UM ESTUDO NA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA 1 DOCÊNCIA ONLINE: UM ESTUDO NA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Brasília - DF setembro 2014 Omitido para avaliação Instituição email Classe Investigação Científica Setor Educacional Educação Superior Classificação

Leia mais

Novas tecnologias no contexto educacional da pós-graduação: resumos de dissertações e teses apresentadas na UMESP

Novas tecnologias no contexto educacional da pós-graduação: resumos de dissertações e teses apresentadas na UMESP Novas tecnologias no contexto educacional da pós-graduação: resumos de dissertações e teses apresentadas na UMESP 182 NOVAS TECNOLOGIAS NO CONTEXTO EDUCACIONAL RESUMOS DE DISSERTAÇÕES E TESES APRESENTADAS

Leia mais

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL Pelotas RS Maio 2010 Letícia Marques Vargas IFSul le.mvargas@gmail.com Gabriela

Leia mais

A utilização do LMS Chamilo na disciplina Laboratório de Ensino de Matemática: a experiência de professores em formação inicial

A utilização do LMS Chamilo na disciplina Laboratório de Ensino de Matemática: a experiência de professores em formação inicial A utilização do LMS Chamilo na disciplina Laboratório de Ensino de Matemática: a experiência de professores em formação inicial Luciane Mulazani dos Santos, UDESC, luciane.mulazani@udesc.br Ivanete Zuchi

Leia mais

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3 ENSINO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DO MOODLE COMO INSTRUMENTO NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE (IFC) - CÂMPUS ARAQUARI

Leia mais

A DISCIPLINA DE LIBRAS NA EAD NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFJF: O MOODLE COMO RECURSO DIDÁTICO* 1

A DISCIPLINA DE LIBRAS NA EAD NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFJF: O MOODLE COMO RECURSO DIDÁTICO* 1 A DISCIPLINA DE LIBRAS NA EAD NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFJF: O MOODLE COMO RECURSO DIDÁTICO* 1 Camila Ribeiro Lisboa Ferreira Universidade Federal de Juiz de Fora RESUMO: Neste trabalho, apresentamos como

Leia mais

INTERAÇÃO: PILAR DA EAD CONTEMPORÂNEA

INTERAÇÃO: PILAR DA EAD CONTEMPORÂNEA INTERAÇÃO: PILAR DA EAD CONTEMPORÂNEA Autor(a): Carmem Lúcia de Oliveira Marinho Coautor(es): Bernadete Cordeiro Moreira Pessanha Email: carmemmarinho@yahoo.com.br Introdução O ser humano é um ser social

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

Catálogo do Curso de Especialização em Educação Ambiental com Ênfase em Espaços Educadores Sustentáveis

Catálogo do Curso de Especialização em Educação Ambiental com Ênfase em Espaços Educadores Sustentáveis Catálogo do Curso de Especialização em Educação Ambiental com Ênfase em Espaços Educadores Sustentáveis 1. Dados Gerais 1. Área Temática: Educação Ambiental 2. Nome do curso: Educação Ambiental com Ênfase

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DOS RECURSOS DISPONÍVEIS EM AMBIENTES VIRTUAIS DE ENSINO PARA A PRÁTICA AVALIATIVA. Recife, 05/2009.

CONTRIBUIÇÕES DOS RECURSOS DISPONÍVEIS EM AMBIENTES VIRTUAIS DE ENSINO PARA A PRÁTICA AVALIATIVA. Recife, 05/2009. 1 CONTRIBUIÇÕES DOS RECURSOS DISPONÍVEIS EM AMBIENTES VIRTUAIS DE ENSINO PARA A PRÁTICA AVALIATIVA Recife, 05/2009. Sandra da Silva Santos UFPE sandrinhasss@uol.com.br Categoria: Pesquisa e Avaliação Setor

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA DOCENCIA ONLINE. Wilson dos Santos Almeida Paulo Roberto Rufino Pereira

FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA DOCENCIA ONLINE. Wilson dos Santos Almeida Paulo Roberto Rufino Pereira FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA DOCENCIA ONLINE Wilson dos Santos Almeida Paulo Roberto Rufino Pereira Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais campus de Juiz de Fora

Leia mais

1. Capacitação Docente em Informática na Educação

1. Capacitação Docente em Informática na Educação DO EDITOR DE TEXTOS A PLATAFORMA MOODLE: UM PROJETO PILOTO INOVADOR DE CAPACITAÇÃO DOCENTE CONSTRUCIONISTA EM UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Maria Beatriz

Leia mais

ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792

ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792 ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792 70 A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O USO DE AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Rita de Cássia Viegas dos Santos

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA: FEITO PARA QUAL ALUNO? Simone Antaki Moussatché UNESA

CURSO DE GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA: FEITO PARA QUAL ALUNO? Simone Antaki Moussatché UNESA CURSO DE GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA: FEITO PARA QUAL ALUNO? Simone Antaki Moussatché UNESA Introdução Com o objetivo de que as universidades se tornem instituições-guia para a construção de cenários sociais

Leia mais

Produção de saberes através de redes sociais na internet

Produção de saberes através de redes sociais na internet Produção de saberes através de redes sociais na internet Adriana Batista Bastos Ananda Alves de Souza Eliene Machado Santana Robério Pereira Barreto Introdução Resumo: O presente trabalho discute as possibilidades

Leia mais

USO DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA REDE PÚBLICA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS.

USO DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA REDE PÚBLICA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS. USO DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA REDE PÚBLICA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS. Elaine Jesus Alves UFT elainealves@uft.edu.br Introdução

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA PARA SELEÇÃO DE TUTORES PRESENCIAIS PARA OS POLOS DE APUCARANA E PARANAGUÁ - 64/2013 CIPEAD/PROGRAD/SEPT

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA PARA SELEÇÃO DE TUTORES PRESENCIAIS PARA OS POLOS DE APUCARANA E PARANAGUÁ - 64/2013 CIPEAD/PROGRAD/SEPT EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA PARA SELEÇÃO DE TUTORES PRESENCIAIS PARA OS POLOS DE APUCARANA E PARANAGUÁ - 64/2013 CIPEAD/PROGRAD/SEPT CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM MÍDIAS INTEGRADAS NA EDUCAÇÃO 2013 A Universidade

Leia mais

FACULDADE PASCHOAL DANTAS

FACULDADE PASCHOAL DANTAS FACULDADE PASCHOAL DANTAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO ÊNFASE GESTÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO - SP NOVEMBRO DE 2008 ÍNDICE 1. Visão e Missão da FPD...3 2. ORGANIZAÇÃO

Leia mais

MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA

MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA Mário Taveira Martins 1 (IF-SERTÃO PE) Lucas Samir Silva de Matos 2 (IF-SERTÃO PE) Resumo: Este artigo foi elaborado

Leia mais

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA por Anelise Pereira Sihler é Pedagoga, Especialista em Gestão de Pessoas, Gestão Educacional, Educação a Distância, Educação colaborativa, Relações Humanas, mestre

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DA RÁDIO WEB NO ATENDIMENTO ÀS NECESSIDADES DO ALUNO DE EAD

A CONTRIBUIÇÃO DA RÁDIO WEB NO ATENDIMENTO ÀS NECESSIDADES DO ALUNO DE EAD A CONTRIBUIÇÃO DA RÁDIO WEB NO ATENDIMENTO ÀS NECESSIDADES DO ALUNO DE EAD CURITIBA - Abril / 2011 Alessandra de Paula Fatec Internacional Alessandra_rs1@hotmail.com Ivonete Ferreira Haiduke FACEL ivonetehaiduke@ig.com.br

Leia mais

Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital

Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital Carla de Araújo 1 GD13 Educação Matemática e Inclusão Resumo: Tendo em vista as

Leia mais

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

EDITAL Nº 077/ 2014 EDITAL DE CHAMADA PARA SELEÇÃO DE ALUNOS PARA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO DE PRODUÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS EJA NA DIVERSIDADE

EDITAL Nº 077/ 2014 EDITAL DE CHAMADA PARA SELEÇÃO DE ALUNOS PARA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO DE PRODUÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS EJA NA DIVERSIDADE EDITAL Nº 077/ 2014 EDITAL DE CHAMADA PARA SELEÇÃO DE ALUNOS PARA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO DE PRODUÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS EJA NA DIVERSIDADE A Universidade Federal do Paraná (UFPR), por meio do, da

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

MBA em Gestão Estratégica e Marketing Digital Objetivo do curso:

MBA em Gestão Estratégica e Marketing Digital Objetivo do curso: Com carga horária de 420 horas o curso MBA em Gestão Estratégica e Marketing Digital é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros no curso: 04) para avaliação nos

Leia mais

A TERCEIRA GERAÇÃO DA EAD E SUA INFLUÊNCIA NA DEMOCRATIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO

A TERCEIRA GERAÇÃO DA EAD E SUA INFLUÊNCIA NA DEMOCRATIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 624 A TERCEIRA GERAÇÃO DA EAD E SUA INFLUÊNCIA NA DEMOCRATIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO Fabiane Carniel 1,

Leia mais

PERCEPÇÃO DE ESTUDANTES QUANTO AOS DIFERENCIADORES DO DESEMPENHO ESCOLAR EM CURSOS DE LICENCIATURA A DISTÂNCIA

PERCEPÇÃO DE ESTUDANTES QUANTO AOS DIFERENCIADORES DO DESEMPENHO ESCOLAR EM CURSOS DE LICENCIATURA A DISTÂNCIA 1 PERCEPÇÃO DE ESTUDANTES QUANTO AOS DIFERENCIADORES DO DESEMPENHO ESCOLAR EM CURSOS DE LICENCIATURA A DISTÂNCIA Lavras MG - 05/14 Ronei Ximenes Martins UFLA rxmartins@cead.ufla.br Luciana Batista Serafim

Leia mais

O PLANEJAMENTO E OS USOS DE AULAS ONLINE EM UM CURSO DE LICENCIATURA PRESENCIAL: REFLEXÕES EM ANDAMENTO

O PLANEJAMENTO E OS USOS DE AULAS ONLINE EM UM CURSO DE LICENCIATURA PRESENCIAL: REFLEXÕES EM ANDAMENTO O PLANEJAMENTO E OS USOS DE AULAS ONLINE EM UM CURSO DE LICENCIATURA PRESENCIAL: REFLEXÕES EM ANDAMENTO Resumo Ana Paula Gonzatto 1 - UNICENTRO Jamile Santinello 2 - UNICENTRO Grupo de Trabalho - Comunicação

Leia mais

FÓRUNS ESTADUAIS DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE: ORIENTAÇÕES PARA SUA ORGANIZAÇÃO

FÓRUNS ESTADUAIS DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE: ORIENTAÇÕES PARA SUA ORGANIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR - CAPES FÓRUNS ESTADUAIS DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE: ORIENTAÇÕES PARA SUA ORGANIZAÇÃO (versão preliminar) Brasília, setembro

Leia mais

Educação a Distância na UFPR

Educação a Distância na UFPR 1ª JORNADA PARANAENSE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA, NA EDUCAÇÃO BÁSICA Educação a Distância na UFPR Profa Dra Glaucia da Silva Brito glaucia@ufpr.br - Núcleo de Educação a Distância da Universidade Federal

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE NA FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA (FGF): HISTÓRIA, PERCURSOS E LIÇÕES DE UMA EXPERIÊNCIA EM EAD

FORMAÇÃO DOCENTE NA FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA (FGF): HISTÓRIA, PERCURSOS E LIÇÕES DE UMA EXPERIÊNCIA EM EAD FORMAÇÃO DOCENTE NA FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA (FGF): HISTÓRIA, PERCURSOS E LIÇÕES DE UMA EXPERIÊNCIA EM EAD Fortaleza-CE - abril 2012 Categoria: C - Métodos e Tecnologias Setor Educacional:

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE O USO DA INTERNET NO PROCESSO EDUCACIONAL: O DESAFIO PARA OS PROFESSORES

Leia mais

SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE. Resumo

SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE. Resumo SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE Cleide Aparecida Carvalho Rodrigues 1 Resumo A proposta para a realização do SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE surgiu durante uma das atividades do Grupo de Estudos de Novas Tecnologias

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 1 FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Recife PE - Abril 2010 Ivanda Maria Martins Silva - UFRPE martins.ivanda@gmail.com Categoria (Conteúdos e Habilidades) Setor Educacional (Educação

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO PROCESSO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

A CONTRIBUIÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO PROCESSO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES A CONTRIBUIÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO PROCESSO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1 Leililene Antunes Soares 1 Cristiano Dini Antunes 2 Christiano Demétrio de Lima Ribeiro 3

Leia mais

DOCÊNCIA INTERATIVA PRESENCIAL E ONLINE

DOCÊNCIA INTERATIVA PRESENCIAL E ONLINE DOCÊNCIA INTERATIVA PRESENCIAL E ONLINE Marco Silva Resumo A docência interativa presencial e online é exigência da cibercultura, isto é, do novo ambiente comunicacional que surge com a interconexão mundial

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE Mayara Teles Viveiros de Lira (UFAL) Maria Helena de Melo Aragão (UFAL) Luis Paulo Leopoldo Mercado (UFAL) Resumo Este estudo analisa

Leia mais

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM. IMPLEMENTAÇÃO DE BANCO DE TRABALHOS CONCLUSÃO CURSO TCCs WEBSITE DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UEM-DEP

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM. IMPLEMENTAÇÃO DE BANCO DE TRABALHOS CONCLUSÃO CURSO TCCs WEBSITE DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UEM-DEP 10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM IMPLEMENTAÇÃO DE BANCO DE TRABALHOS CONCLUSÃO CURSO TCCs WEBSITE DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UEM-DEP Manoel Francisco Carreira 1 Gislaine Camila Lapasini Leal

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO Curso de Formação Continuada em Videoconferência. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO Curso de Formação Continuada em Videoconferência. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 34 CRÉDITOS Teorias da Linguagem (60h/a 04 Teorias Sociológicas (60h/a 04 Metodologia da Pesquisa em Linguagem (30h/a

Leia mais

PROPOSTAS DE EAD NO ENSINO SUPERIOR, SOB A ÓTICA DA LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL 1

PROPOSTAS DE EAD NO ENSINO SUPERIOR, SOB A ÓTICA DA LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL 1 PROPOSTAS DE EAD NO ENSINO SUPERIOR, SOB A ÓTICA DA LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL 1 Elaine Turk Faria 1 O site do Ministério de Educação (MEC) informa quantas instituições já estão credenciadas para a Educação

Leia mais

AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA

AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA Rose Madalena Pereira da Silva Prof. da Educação Básica e Pós graduanda em Educação e Novas Tecnologias Sara Ingrid Borba Mestra em

Leia mais

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES ISSN 2316-7785 WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES Arlam Dielcio Pontes da Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco arllan_dielcio@hotmail.com

Leia mais

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Nicia Cristina Rocha Riccio nicia@ufba.br Introdução Com o advento das tecnologias de informação e comunicação (TICs) a Educação a Distância (EAD) ganha

Leia mais

Projeto do Curso de Especialização em Informática na Educação

Projeto do Curso de Especialização em Informática na Educação Projeto do Curso de Especialização em Informática na Educação - Modalidade a Distância Coordenação FACULDADE DE INFORMÁTICA - FACIN Profa. Dr. Adriana Beiler FACULDADE DE EDUCAÇÃO FACED Profa. Msc. Sônia

Leia mais

PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO PARA EaD: UMA ANÁLISE DE CONTEÚDO SOB O OLHAR DA TEORIA AUSUBELIANA

PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO PARA EaD: UMA ANÁLISE DE CONTEÚDO SOB O OLHAR DA TEORIA AUSUBELIANA 1 PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO PARA EaD: UMA ANÁLISE DE CONTEÚDO SOB O OLHAR DA TEORIA AUSUBELIANA Cachoeiro de Itapemirim ES 05/2015 Elizangela Tonelli - IFES elizangelat@ifes.edu.br João Paulo de Brito

Leia mais

FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD

FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD 1 FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD Elisangela Lunas Soares UNICESUMAR Centro Universitário Cesumar elisangela.soares@unicesumar.edu.br Alvaro Martins Fernandes Junior UNICESUMAR Centro Universitário Cesumar

Leia mais

A FORMAÇÃO PEDAGÓGICA E A FORMAÇÃO EM EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA DOS TUTORES DA REDE E- TEC BRASIL NO IFRN RESUMO

A FORMAÇÃO PEDAGÓGICA E A FORMAÇÃO EM EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA DOS TUTORES DA REDE E- TEC BRASIL NO IFRN RESUMO A FORMAÇÃO PEDAGÓGICA E A FORMAÇÃO EM EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA DOS TUTORES DA REDE E- TEC BRASIL NO IFRN Edilene Pereira Ferreira Gomes e Hareton Ribeiro Gomes UAB, Campus IFRN UNINTER, Polo

Leia mais

Educação a Distância no Ensino Superior no Brasil: contexto da UAB

Educação a Distância no Ensino Superior no Brasil: contexto da UAB Unidade 2 Unidade 2 Educação a Distância no Ensino Superior no Brasil: contexto da UAB Nesta Unidade, será apresentada a legislação brasileira de EaD e suas implicações institucionais no sistema da Universidade

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO

ESPECIALIZAÇÃO EM PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO CONCEPÇÃO DO CURSO O curso de Pós-graduação Lato Sensu Especialização em Propriedade Intelectual e Inovação faz parte do Programa de Capacitação dos

Leia mais

As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹

As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹ As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹ Ana Caroline Lazaro Stoppa², Idalci Cruvinel dos Reis³ ¹Pesquisa realizada por acadêmica

Leia mais

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL.

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. TayaraCrystina P. Benigno, UERN; tayara_bbg@hotmail.com Emerson Carlos da Silva, UERN; emersoncarlos90@hotmail.com

Leia mais

MÓDULO EaD 2013 PROCAED Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento Educacional do IFSC

MÓDULO EaD 2013 PROCAED Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento Educacional do IFSC INSTITUTO EDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA IC PRO-REITORIA DE ENSINO DEPARTAMENTO DE EaD PRO-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO MÓDULO EaD 2013 PROCD Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

POSSIBILIDADES E LIMITAÇÕES DA INTERAÇÃO ORAL EM AULAS DE CONVERSAÇÃO ONLINE Vivian Ferreira Figueiredo Ramos 1 Orientadora: Estrella Bohadana

POSSIBILIDADES E LIMITAÇÕES DA INTERAÇÃO ORAL EM AULAS DE CONVERSAÇÃO ONLINE Vivian Ferreira Figueiredo Ramos 1 Orientadora: Estrella Bohadana POSSIBILIDADES E LIMITAÇÕES DA INTERAÇÃO ORAL EM AULAS DE CONVERSAÇÃO ONLINE Vivian Ferreira Figueiredo Ramos 1 Orientadora: Estrella Bohadana RESUMO Este artigo apresenta um projeto de pesquisa para elaboração

Leia mais

O CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA DA UFPB VIRTUAL E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO

O CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA DA UFPB VIRTUAL E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO O CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA DA UFPB VIRTUAL E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO Clebiana Dantas Calixto clebianageo@hotmail.com (Autora e professora da Educação Básica)

Leia mais

Tecnologias Digitais e Educação a Distância: letramento digital e formação de professores

Tecnologias Digitais e Educação a Distância: letramento digital e formação de professores Tecnologias Digitais e Educação a Distância: letramento digital e formação de professores Prof. Dr. Luís Paulo Leopoldo Mercado Universidade Federal de Alagoas Conteúdos Cenário das práticas pedagógicas

Leia mais