UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE COMUNICAÇÕES E ARTES DEPARTAMENTO DE BIBLIOTECONOMIA E DOCUMENTAÇÃO. Renato Railo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE COMUNICAÇÕES E ARTES DEPARTAMENTO DE BIBLIOTECONOMIA E DOCUMENTAÇÃO. Renato Railo"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE COMUNICAÇÕES E ARTES DEPARTAMENTO DE BIBLIOTECONOMIA E DOCUMENTAÇÃO Renato Railo Atuação profissional do bibliotecário em projetos de e- Learning: contribuições segundo suas competências Edição revisada e ampliada Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) apresentado ao Departamento de Biblioteconomia e Documentação da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, como parte dos requisitos para obtenção do título de Bacharel em Biblioteconomia e Documentação. Orientador: Prof. Dr. Marcos Luiz Mucheroni São Paulo 2011

2 Ficha Catalográfica R152 RAILO, Renato Atuação profissional do bibliotecário em projetos de e-learning: contribuições segundo suas competências / Ed. rev. e ampl./ Renato Railo; orientador Prof. Dr. Marcos Luiz Mucheroni -- São Paulo, p. TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. 1. Competência profissional. 2. E-Learning. 3. Educação a Distância. 4. Biblioteconomia. 5. Profissionais da Informação. 6. Comunicação. 7. Semiótica. I. Título. II. Mucheroni, Marcos Luiz. CDD Autoriza-se a divulgação e a reprodução total ou parcial desta monografia para fins acadêmicos e demais pesquisas, seja por qual for o meio, desde que citada a fonte. Para citar este trabalho: RAILO, Renato. Atuação profissional do bibliotecário em projetos de e-learning: contribuições segundo suas competências. São Paulo: ECA/ USP, Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso). Orientação Prof. Dr. Marcos Luiz Mucheroni. Disponível em: <http://rabci.org/rabci/>. Acesso em: [inserir dd.mm.aa.]. ii

3 Folha de Aprovação Autor: Renato Railo Título: Atuação profissional do bibliotecário em projetos de e-learning: contribuições segundo suas competências Banca Examinadora: Presidente da banca: Prof. Dr. Marcos Luiz Mucheroni (CBD/ ECA/ USP) Membro convidado Profª. Drª. Lucilene Cury (CCA/ ECA/ USP) Membro convidado Prof. Dr. Luís Augusto Milanesi (CBD/ ECA/ USP) Aprovado em: / / iii

4 "They [the followers of science] may at first obtain different results, but, as each perfects his method and his processes, the results are found to move steadily together toward a destined centre. So with all scientific research. Different minds may set out with the most antagonistic views, but the progress of investigation carries them by a force outside of themselves to one and the same conclusion." 1 (PEIRCE, 1955, p. 38) Occorre distruggere il pregiudizio molto diffuso che la filosofia sia un alcunché di molto difficile per il fatto che essa è l attività intellettuale propria di una determinata categoria di scienziati specialisti (...). Occorre pertanto dimostrare preliminarmente che tutti gli uomini sono filosofi. 2 (GRAMSCI, 1975, p. 3) Bisogna superare la timidezza, e spesso il bibliotecario vi dà consigli sicuri facendovi guadagnare molto tempo 3 (ECO, 2008, p. 66) 1 Eles [os partidários da ciência] podem de início obter resultados diferentes, mas, conforme se aperfeiçoam os métodos e processos, os resultados encontrados convergirão todos em direção a um centro. O mesmo acontece com as pesquisas científicas. Diferentes indivíduos podem partir dos mais antagonistas pontos de vista, mas o progresso da investigação conduzir-los-á a uma mesma conclusão. (TA) 2 É preciso desfazer o preconceito muito difuso de que a filosofia seja algo muito difícil pelo fato de ser uma atividade intelectual restrita a uma determinada categoria de cientistas especializados (...). É preciso, portanto, demonstrar, de antemão, que todos os homens são filósofos. (TA) 3 É preciso superar a timidez e procurar o bibliotecário que, frequentemente, dá-nos conselhos seguros, fazendo-nos ganhar tempo. (TA) iv

5 Agradecimentos Ao meu orientador, Prof. Dr. Marcos Luiz Mucheroni, pelo apoio, paciência, ensinamentos e contribuições, sem os quais este trabalho não teria sido possível. À banca composta pelo prof. Dr. Luís Augusto Milanesi e pela profª Drª. Lucilene Cury, pela honra de tê-los como colaboradores ativos deste trabalho e pela atenção destinada ao mesmo. A todos os docentes do Departamento de Biblioteconomia e Documentação, da Escola de Comunicações e Artes, da Universidade de São Paulo, por todo o conhecimento compartilhado ao longo do curso, sem os quais minha formação jamais teria se realizado. À bibliotecária Alice Mari Miyazaki Souza, da Biblioteca Centro de Informação e Referência em Saúde Pública, da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, pela gentileza de me fornecer informações pertinentes ao trabalho. Às bibliotecas Florestan Fernandes, da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Maria Luiza Monteiro da Cunha, da Escola de Comunicações e Artes, e Serviço de Biblioteca e Documentação, da Faculdade de Administração, Economia e Contabilidade, da Universidade de São Paulo, pelos serviços prestados durante as pesquisas. Aos colegas de curso que estiveram presentes comigo nesta jornada, pelo apoio e auxílio, direta ou indiretamente fornecidos. v

6 RAILO, Renato. Atuação profissional do bibliotecário em projetos de e-learning: contribuições segundo suas competências. Ed. rev. e ampl. São Paulo: ECA/ USP, Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso). Orientação Prof. Dr. Marcos Luiz Mucheroni. Departamento de Biblioteconomia e Documentação. Escola de Comunicação e Artes. Universidade de São Paulo. Resumo: O desenvolvimento tecnológico ocorrido desde as últimas décadas do século XX até os dias atuais contribuiu para que profundas transformações se manifestassem em diversas esferas da vida em sociedade, dentre as quais as profissões e a educação. Entre as profissões, a Biblioteconomia é um exemplo disso, enquanto que em relação à educação é possível citar o surgimento e desenvolvimento do e-learning, plataforma educacional e de gestão do conhecimento. Diante disto, o objetivo deste trabalho é analisar as possíveis contribuições que o bibliotecário, segundo suas competências profissionais, pode oferecer à criação de projetos de e-learning, considerando os requisitos de elaboração deste último. Para tal, fez-se uma revisão de literatura, principalmente, das áreas de Educação, Biblioteconomia, Informática e Semiótica e uma análise do Chamilo, plataforma utilizada pelo projeto Campus Virtual. A conclusão a que se chegou é a de que o bibliotecário pode contribuir para a criação de projetos de e-learning, uma vez que possui competências que o credenciam para tal, tais como desenvolvimento e execução do processamento de documentos em distintos suportes e unidades, sistemas e serviços de informação segundo o contexto e o público, criação de demandas informacionais, gestão do fluxo informativo baseado no diálogo, entre outras. Desta feita, justifica-se o trabalho na medida em que este oferece a compreensão de novas possibilidades de inserção profissional dos bibliotecários. Palavras-chave: Competência profissional; Prática profissional; E-Learning; Educação a Distância; Biblioteconomia; Ciência da Informação; Semiótica; Comunicação. vi

7 Lista de Figuras Figura 1: Teoria Matemática da Informação...26 Figura 2: Página inicial do Moodle...38 Figura 3: Página inicial do TelEduc...39 Figura 4: Página Inicial do Campus Virtual, cuja plataforma é o Chamilo...40 Figura 5: Agenda disponibilizada pelo Campus Virtual, cuja plataforma é o Chamilo...41 Figura 6: Subcategoria Meus Arquivos, contida na categoria Rede Social disponibilizada pelo Campus Virtual, cuja plataforma é o Chamilo...41 Figura 7: Categoria Gerenciamento dos cursos disponibilizada pelo Campus Virtual, cuja plataforma é o Chamilo...42 Figura 8: Modelo de comunicação proposto por Jakobson...51 Lista de Quadros Quadro 1: Competências do bibliotecário divididas em quatro categorias...62 vii

8 Lista de Siglas e Abreviações AD Análise Documentária ARPA Advanced Research Agency AVA Ambiente Virtual de Aprendizagem BBC British Broadcasting Television CBD/ ECA/ USP Departamento de Biblioteconomia e Documentação da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo CBI Computer-based instruction CBO Classificação Brasileira de Ocupações CCA Departamento de Comunicações e Artes da ECA/ USP CD Compact Disc CD-ROM Compact Disc Read-Only Memory CDD Classificação Decimal de Dewey CDU Classificação Decimal Universal CERN Conseil Européen pour la Recherche Nucléaire CI Ciência da Informação CMS Course Management System CRB 1 Conselho Regional de Biblioteconomia Região 1 DCA Defense Communication Agency EAD Educação a distância EJA Educação de Jovens e Adultos EUA Estados Unidos da América FAQ Frequently asked questions FID Federação Internacional de Documentação GNU General Public License HD Hard Drive HTML HyperText Markup Language HTTP Hypertext Transfer Protocol IBM International Business Machines IPTO Information Processing Techniques IUB Instituto Universal Brasileiro K7 Compact Cassette KB Kilobyte viii

9 KM Knowledge Management LD Linguagem Documentária LDB Lei de Diretrizes de Bases LMS Learning Management System LN Linguagem Natural LP Long-playing MARC Machine-Readable Cataloging MEC Ministério da Educação PCI Partito Comunista Italiano PUC-SP Pontifícia Universidade Católica de São Paulo RABCI Repositório Acadêmico de Biblioteconomia e Ciência da Informação SIBI/ USP Sistema Integrado de Bibliotecas da Universidade de São Paulo SRI Sistema de Recuperação da Informação TA Tradução do autor deste trabalho TCP/IP Transmission Control Protocol/ Internet Protocol TCT Teoria Comunicativa da Terminologia TIC Tecnologias da informação e comunicação TV Televisão UAB Universidade Aberta do Brasil UCLA University of California, Los Angeles UFPA Universidade Federal do Pará UnB Universidade de Brasília UNESP Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNICAMP Universidade Estadual de Campinas URL Unifor m Resource Locator URSS União das Repúblicas Socialistas Soviéticas USP Universidade de São Paulo VHS Video Home System VLSI Very Large Scale Integration WWW World Wide Web XML Extensible Markup Language ix

10 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO Tema Problema Hipótese Justificativa Objetivos Objetivos gerais Objetivos específicos Metodologia Organização do trabalho EDUCAÇÃO Definições de educação História das práticas educacionais Teorias pedagógicas EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Definições de EAD História da EAD Modalidades de EAD E-LEARNING Informática: histórico e definições Internet: histórico e definições Definições de e-learning Requisitos necessários para a elaboração de e-learning Análise de um programa de e-learning e sua plataforma: Campus Virtual e Chamilo Outro modelo de aprendizagem a distância online: OER Commons BIBLIOTECONOMIA História da Biblioteconomia A Biblioteconomia enquanto campo científico A Biblioteconomia enquanto fazer profissional Competências do bibliotecário ATUAÇÃO BIBLIOTECÁRIA EM PROJETOS DE E-LEARNING CONSIDERAÇÕES FINAIS...75 REFERÊNCIAS...76 x

11 1. INTRODUÇÃO O desenvolvimento tecnológico ocorrido desde as últimas décadas do século XX até os dias atuais contribuiu para que profundas transformações em todas as esferas da vida em sociedade se manifestassem. Esta máxima pode ser confirmada tanto pela observação empírica do cotidiano, visíveis que são as mudanças ocorridas na maneira de comunicar-se e relacionar-se, na de adquirir e produzir informação e conhecimento, nas relações de trabalho e nas transformações intrínsecas e extrínsecas de diversas profissões, entre outras, quanto pela revisão da literatura acadêmicocientífica dos últimos anos, que comumente, como bem notou Lévy, aborda o impacto das novas tecnologias da informação sobre a sociedade e a cultura (LÉVY, 1999, p. 21). Este pensador, no entanto, ao invés de utilizar o termo impacto, que a seu modo sugere equivocadamente que as técnicas viriam de outro planeta, estranhas a toda significação e valor humano, quase como seres autônomos, separados da sociedade e da cultura (Idem, p ), prefere salientar que as técnicas, na verdade, carregam em si projetos, esquemas imaginários, implicações sociais e culturais variados, sobre as quais agem e reagem ideias, projetos sociais, utopias, interesses econômicos e estratégias de poder, significando, assim, que as técnicas são produtos de uma cultura, cuja sociedade se encontra condicionada (mas não determinada) por elas (Ibidem, p ). Em outras palavras, pode-se dizer que, em primeiro lugar, se as técnicas influenciam o meio social, ao mesmo tempo são produtos dele, e, em segundo, ao contrário do que pode parecer à primeira vista, as novas tecnologias não surgiram do nada como pragas a serem imediatamente extirpadas por tentarem subverter paradigmas estabelecidos mas são frutos de um longo percurso histórico, social, político, econômico e cultural, que, como disse Lévy em termos de internet e dos novos espaços de comunicação decorrentes, não resolverão num passe de mágica todos os problemas culturais e sociais do planeta, mas que ainda assim ou talvez até por isso devem ser explorados em suas potencialidades mais positivas nos planos econômico, político, cultural e humano (Ibidem, p. 11). Ao deter-se especificamente na revolução das tecnologias de informação e comunicação (TIC), pode-se afirmar que esta representa algo sem precedentes na história da humanidade. Não desmerecendo a importância de outros momentos de ruptura paradigmática da comunicação humana como do surgimento da escrita à evolução do uso do pergaminho ao do papel, dos copistas da Idade Média à imprensa de Gutenberg, do surgimento da eletricidade à invenção do rádio, do cinema e da televisão nenhum destes modificou tanto e em tão pouco tempo a comunicação, aquisição e produção de conhecimento quanto a internet e suas possibilidades. 1

12 Das inúmeras características possíveis de citação, capazes de corroborar a afirmação acima e demonstrar a singularidade do momento atual, sublinha-se aqui duas: o seu alcance global (e não restrito a uma determinada comunidade ou localidade), que interligou o mundo a uma só rede, permitindo a troca de dados a qualquer hora e em qualquer lugar (HOUSSAMI, 2005, p. 5 apud BARBUTO, 2002) 4 e as novas relações de troca que proporcionou, desta vez mais horizontais e interativas que as mídias anteriores (MUCHERONI, 2011a, p. 1), permitindo a qualquer um que tenha acesso a computadores ligados à internet a produção e transmissão de conteúdo informacional. A grande maioria dos indivíduos, portanto, deixa de ser apenas consumidor para se tornar também produtor de informação, possibilitando um novo espaço de comunicação que é inclusivo (LÉVY, 2003, p. 367). Neste contexto, a Biblioteconomia não fica à margem, na medida em que, assim como tantas outras áreas do conhecimento humano, recebe influência direta destes novos tempos não só enquanto área do conhecimento, como também enquanto fazer profissional ao mesmo tempo em que, de certa forma, contribui para que as mudanças se processem. Segundo Cunha, as múltiplas dimensões culturais/ políticas/ sociais contribuem para a modificação do conhecimento e do fazer humano ao longo dos anos, sendo a tecnologia a base dessas mudanças, a ponto de contribuir para o processo de fragmentação e dispersão do mundo do trabalho, ao mesmo tempo em que, a partir deste cenário, reorganiza-o, permitindo a inserção de novas formas de gestão, métodos e relações de trabalho, bem como novas práticas educacionais e formas de comunicação (CUNHA, 2006, p. 141). Exemplo disso é a série de debates com os quais a Biblioteconomia, enquanto campo científico, convive desde as últimas décadas acerca de definições de objetivos e demarcações disciplinares (SMIT; BARRETO, 2002, p. 10), momento em que a própria nomenclatura passou a ser questionada como disse Valentim ao propor a flexibilização do termo utilizado, quaisquer que sejam as fórmulas plurais (VALENTIM, 2002, p. 117). Já enquanto atividade profissional não há dúvida de que, se por um lado, com o surgimento da internet o registro, a busca e o acesso à informação ganharam um aliado, pois esta permitiu a quebra de barreiras espaço-temporais e o acesso à informação passou a ser mais simplificado e ágil, graças à criação de bibliotecas virtuais e digitais, open archives, dentre outros recursos informacionais que ampliaram a qualidade das buscas bibliográficas e dos mecanismos de recuperação da informação (HOUSSAMI, 2005, p. 6 apud LOPES, 2002; SANTOS, 2003) 5, por outro lado imensos desafios se apresentaram pois é inegável que engendram questionamentos, especificações e características próprias, ainda que seja 4 BARBUTO, Cláudio (edit.). Tecnologia da informação para todos. São Paulo: Bei Comunicações, LOPES, Ilza Leite. Estratégia de busca na recuperação da informação: revisão a literatura. Ciência da Informação, v. 31, n. 2, p , maio/ ago. 2002; SANTOS, Neide. Estado da arte em espaços virtuais de ensino e aprendizagem. Rio de Janeiro: Laboratório de Engenharia de Software/ PUC-Rio,

13 possível (e necessário) o aproveitamento de muitos conceitos e práticas voltados ao documento físico. Com isso, como continua Houssami, a atuação profissional do bibliotecário sofre alterações, pois deixa de ser apenas um agente facilitador na interação usuário presencial/acervo para também ser criador de ferramentas e recursos informacionais acessíveis em qualquer hora/ lugar (HOUSSAMI, 2005, p. 6). Diante deste cenário, vêm surgindo diversas pesquisas, discussões e trabalhos acadêmicos que buscam refletir sobre essas novas possibilidades de atuação e inserção profissional do bibliotecário no mercado de trabalho o que não significa, por seu turno, no âmbito da prática da atuação profissional, falta de identidade da área (bem como não o é na esfera teórica, já que o fato da Biblioteconomia ser interdisciplinar pode ocasionar equivocadamente, à primeira vista, ambiguidades em relação à sua legitimidade enquanto campo científico constituído). Pelo contrário, acredita-se que o estudo, a descoberta e o levantamento dessas novas possibilidades apenas demonstram o quão abrangente é, em termos de atuação profissional, a carreira de um bibliotecário e o quanto a interdisciplinaridade, em plano teórico, contribui para tal, na medida em que ambos não fixam o profissional a determinado espaço físico e/ou função. Independente de sua nomenclatura, o objeto com o qual este profissional trabalha é a informação e o objetivo é deter-se sobre os princípios e práticas de sua criação, organização e distribuição, bem como debruçar-se sobre o fluxo que permite sua transmissão à determinada comunidade de usuários (SMIT; BARRETO, 2002, p ), além de, também, refletir sobre como permitir que a comunicação se dê enquanto diálogo (COELHO NETTO, 2007, p. 204) e não de maneira, ainda que bem intencionada, arbitrária. Porém, o local, a comunidade beneficiada, a metodologia empregada e os instrumentos utilizados podem naturalmente variar e variam. Ainda neste sentido, crê-se que a sugestão de novos cargos/ ocupações/ funções/ possibilidades de trabalho é benéfica, razão pela qual não se encara tal ação como depreciativa da atuação do bibliotecário tradicional que atua em bibliotecas tradicionais, comumente desempenhando funções de tratamento técnico de documentos e/ou de serviços de referência e cujo suporte predominante é o livro. Pelo contrário, considera-se que a sugestão apenas demonstra, novamente, o quão promissora é a carreira, que frente às novas TIC s proporciona novos caminhos àqueles que quiserem experimentar outras formas de trabalhar com a informação com vistas a um público que, certamente, necessita delas (consciente ou inconscientemente) caminhos estes que apenas se somam às possibilidades já existentes. Além das profissões, deve-se ressaltar, ainda, outra esfera social que vem apresentando mudanças e se diversificando: a educação. Além das tradicionais e consagradas salas de aula dispostas em escolas, universidades, institutos e corporações, houve, com a popularização da 3

14 internet um aumento significativo do número de instituições ofertando cursos a distância, bem como o número de alunos envolvidos em iniciativas do tipo (RODRIGUES, 2006, p. 33). Aumento significativo é o termo correto, pois a educação a distância (EAD) já existe desde o século XVIII (NUNES, 2009, p. 2); a novidade em questão (talvez já nem tão nova assim) é que, com o desenvolvimento das TIC s nas últimas décadas, que permitiu que a comunicação humana passasse a ser mediada (também!) pelo computador, tornou-se possível a criação de plataformas de aprendizagem educacionais, cujo uso é crescente (TELES, 2009, p. 72) sendo o e-learning um exemplo destacado disto. É verdade que, naturalmente, junto a cada novo período histórico surge uma série de incertezas e indefinições, decorrente das dificuldades existentes de compreensão da essência e das características dos novos padrões que se difundem, quando por vezes algo que passa a ser considerado como um traço distinto da nova fase (modo) mostra-se, no futuro, como produto de um erro de interpretação (moda), sendo necessário, portanto, distinguir o modo da moda (LASTRES; CASSIOLANO, 2006, p. 1-2). No caso do e-learning, porém, desacredita-se na possibilidade de que este seja algo passageiro ou ainda algo que se assenta sobre um progressismo típico da modernidade (BOHADANA; DO VALLE, 2009, p. 556), pois, entre outras razões, tratase da variante de uma modalidade que já existe há séculos, cuja variação decorre do fato de que é adaptada para ser utilizada por computadores conectados à internet talvez os dois pilares das novas TIC s que só se expandem. E, mesmo que fosse passageiro, o fato é que o e-learning está presente na atualidade e que muitas pessoas se utilizam desta modalidade, o que por si só já significaria um estudo amplo da mesma a fim de permitir modelos de qualidade. É verdade, porém, que do futuro nada se sabe. Diante desta incapacidade, não se sabe dizer com certeza se o e-learning irá ou não substituir a sala de aula tradicional, bem como se deve ou não fazê-lo; continuando, não se pode afirmar também se, na esfera pública, o e-learning desvia recursos que poderiam ser investidos no ensino formal, impedindo se esta afirmação for verdadeira a abertura de novas vagas no ensino presencial; de maneira idêntica, não se pode precisar se o e-learning é um método de ensino deficiente em relação à sala de aula ou se, até mesmo, veio para revolucionar a forma como se pensa a educação. Embora sejam todas discussões pertinentes, das quais toda a sociedade deve participar, estas não poderão ser debatidas aqui deixando claro de antemão que, da mesma forma como não se adotará uma postura irrefletidamente entusiástica em defesa desta modalidade, não se adotará posições preconceituosas em relação à mesma com o intuito de denegri-la. Esta postura, por seu turno, não significa imparcialidade ; partindo-se do pressuposto de que o e-learning existe, de que significativa parcela da população mundial já se utiliza de seus recursos como forma de aprendizado e treinamento e de que, a cada vez mais, novas instituições e indivíduos se interessam pela mesma, crê-se que o e-learning deve 4

15 ser explorado em todas as suas potencialidades como sugere Capitani ao dizer que o e-learning não é ainda bem utilizado levando-se em conta suas potencialidades e especificidades (CAPITANI, 2011, p. 1) Tema Explorar o e-learning será justamente o objetivo deste trabalho. A partir do contexto exposto, escolheu-se determinado recorte para tal objetivo, a saber, a atuação bibliotecária em projetos de e-learning, a partir da consideração de suas competências profissionais, entendendo que este pode ser um campo de trabalho para os bibliotecários Problema A pergunta principal que dá norte ao trabalho é: levando-se em conta as competências profissionais daquele que se forma em Biblioteconomia, pode-se dizer que este é capacitado para atuar profissionalmente em projetos de e-learning? Em caso afirmativo, e considerando seu conhecimento adquirido, em que medida pode contribuir? 1.3. Hipótese Parte-se da hipótese de que: a) o e-learning é um programa de treinamento e aprendizado, e que, portanto, atua como veículo de transmissão de informações visando um determinado fim, cujo sucesso ou fracasso dependerá de alguns fatores tais como organização, clareza e objetividade das informações, conhecimento do público-alvo, recuperação precisa de informações, interatividade, atratividade (ROSENBERG, 2002, p ), podendo então ser caracterizando também como instrumento de gestão do conhecimento (RAUTENBERG et al, 2010, p. 176); b) os pontos listados acima são abordados em cursos de Biblioteconomia, cujo objetivo é formar profissionais capazes de propor soluções a problemas inerentes a estes tópicos (VALENTIM, 2002, p ) ainda que tradicionalmente voltados a suportes físicos de forma a, além disso, contribuir para a possibilidade efetiva de um sistema de informação e comunicação baseado no diálogo (COELHO NETTO, 2007, p.204). Neste sentido, este trabalho tentará responder se essa aparente correlação é de fato verossímil. 5

16 1.4. Justificativa Justifica-se este trabalho na medida em que o mesmo visa contribuir para a discussão sobre as novas possibilidades de inserção profissional do bibliotecário. Com isso, o objetivo é somente abrir novas perspectivas de atuação profissional, de forma a se somarem às já existentes, possibilitando assim mais opções de escolha aos profissionais e visando atender a outras comunidades de usuários informacionais Objetivos Objetivos gerais O objetivo geral, portanto, em conformidade com o exposto até aqui, é o de confirmar ou não a hipótese de que o bibliotecário é capacitado para atuar profissionalmente em programas de e- Learning segundo suas competências, a partir da reflexão sobre o que é educação, educação a distância e e-learning e o levantamento de quais são os requisitos básicos para que um projeto do gênero possa ser levado a diante, e a partir da análise da Biblioteconomia enquanto campo científico e sua relação com a prática do trabalho exercida por bibliotecários bem como o levantamento de quais são as competências profissionais gerais deste, suas funções atuais e as possibilidades futuras de atuação profissional Objetivos específicos Os objetivos específicos são refletir se e como o bibliotecário pode atuar na prática em programas de e-learning a partir de suas competências. Para tal, será feito um cruzamento entre os dados relativos às competências bibliotecárias e os requisitos básicos necessários para a criação, implantação, manutenção e atualização de projetos de e-learning. Além do percurso teórico, será feito também um estudo de caso, tomando-se como objeto o programa de e-learning Campus Virtual, que se utiliza da plataforma Chamilo Metodologia 6

17 Para tal, como dito, pretende-se fazer uma revisão de literatura acerca, principalmente, das seguintes áreas: Educação; Educação a Distância; Biblioteconomia; Ciência da Informação; e- Learning; atuação profissional do bibliotecário; Semiótica. Fora isso, será feito o estudo de caso de uma plataforma específica de e-learning, o Chamilo, que é utilizado pelo projeto Campus Virtual, com o objetivo de confrontar os requisitos de tal com as competências bibliotecárias, tentando encontrar em que medida este profissional pode se inserir na elaboração daquele Organização do trabalho O primeiro capítulo, como se viu, procurou contextualizar a problemática em questão; no segundo, por sua vez, far-se-á uma revisão histórico-conceitual da educação; no terceiro, outra revisão será feita, desta vez tendo por objeto a educação a distância ambas com o sentido de situar o e-learning espaço-temporalmente, assunto principal do quarto capítulo, que se inicia, porém, analisando as duas bases fundamentais desta modalidade de ensino e gestão do conhecimento, a informática e a internet, e que finaliza com o estudo de caso de um programa específico e sua plataforma. Em seguida, no quinto capítulo, a Biblioteconomia e a atuação profissional do bibliotecário estarão sob foco de análise, cujo objetivo será o de levantar as competências principais do bibliotecário e mapear suas possibilidades de atuação profissional, após um breve panorama histórico-conceitual. Já no sexto capítulo, procurar-se-á entrelaçar as conclusões feitas sobre o e- Learning e sobre as competências bibliotecárias com o objetivo de verificar se este profissional pode atuar profissionalmente em programas do tipo, levando em conta a exigências do mesmo. Finaliza-se, então, com as considerações finais e a relação de referências utilizadas. 7

18 2. EDUCAÇÃO Se o e-learning é também considerado como uma plataforma de aprendizagem, não resta dúvida de que uma explanação sobre educação faz-se necessária. Impossível será, no entanto, abordar todas as correntes de pensamento da Pedagogia neste trabalho de conclusão de curso, bem como uma descrição histórica precisa e detalhada; desta forma, limitar-se-á a exposição de alguns conceitos-chave de educação ou a ela relacionados, bem como um esboço histórico de suas principais variáveis ao longo do tempo praticadas no Ocidente, que contribuirão para a posterior compreensão do e-learning Definições de educação O Dicionário Houaiss fornece as seguintes definições para o termo educação: a) ato ou processo de educar-se; qualquer estágio deste processo; b) aplicação dos métodos próprios para assegurar a formação e o desenvolvimento físico, intelectual e moral de um ser humano; pedagogia, didática, ensino; c) o conjunto desses métodos; pedagogia, instrução, ensino; d) desenvolvimento metódico de uma faculdade, de um sentido, de um órgão; e) conhecimento e observação dos costumes da vida social; civilidade, delicadeza, polidez, cortesia; e) adestramento de animais; f) aclimação de plantas (HOUAISS, 2009). Nota-se, com esta definição, que o termo educação possui várias acepções, embora correlatas entre si o que indica o quanto o termo se alterou ao longo da história, a ponto até de fazer surgir questionamentos sobre se o que existe é, ao invés de educação, educações (BRANDÃO, 1995, p. 7), como este último refletiu: Em mundos diversos a educação existe diferente: em pequenas sociedades tribais de povos caçadores, agricultores ou pastores nômades; em sociedades camponesas, em países desenvolvidos e industrializados; em mundos sociais sem classes, de classes, com este ou aquele tipo de conflito entre as suas classes; em tipos de sociedades e culturas sem Estado, com um Estado em formação ou com ele consolidado entre e sobre as pessoas (Idem, p. 9). O mesmo conclui dizendo o seguinte: Existe a educação de cada categoria de sujeitos de um povo [...] Existe entre povos que submetem e dominam outros povos, usando a educação como um recurso a mais de sua dominância. Da família à comunidade [...] primeiro, sem classes de alunos, sem livros e sem professores especialistas; mais adiante, com escolas, salas, professores e métodos pedagógicos. A educação pode existir livre e, entre todos [...] Ela pode existir imposta por um sistema centralizado de poder, que usa armas que reforçam a desigualdade entre os homens, na divisão dos bens, do trabalho, dos direitos e dos símbolos (Ibidem, p. 10). 8

19 Relevante considerar, destas duas citações, dois princípios: primeiro, a ideia de que a educação se desenvolve em todas as sociedades; em segundo lugar, justamente pela presença em sociedades diversas, torna-se clara a noção de que ela serve a diferentes objetivos, já que é elaborada por diferentes classes de indivíduos para diferentes classes de indivíduos, não sendo incorreto, portanto, pensar em educações. Levando-se em conta todos estes fatores intrínsecos e extrínsecos a si mesma, a educação pode ser entendida como uma fração do modo de vida dos grupos sociais que a criam e recriam, entre tantas outras invenções de sua cultura, em sua sociedade (Ibidem, p. 10), de tal forma que não existe atividade, profissional, social, política, moral, que não dependa, em certo grau, da ação educadora (GAL, 1989, p. 1). Segundo Libâneo, o verbo educar descende do latim educare e significa conduzir de um estado a outro, definindo então o ato pedagógico como uma atividade de interação entre seres sociais, que se configura na ação exercida sobre sujeitos ou grupos de sujeitos, objetivando provocar mudanças capazes de torná-los ativos da própria ação exercida; neste contexto, presume a existência de três componentes: um agente (alguém, meio social), um educando (aluno, grupos sociais) e uma mensagem (conteúdo, métodos) (LIBÂNEO, 1985, p ). Assim, conclui-se novamente que a educação não pode ser compreendida fora de seu contexto histórico-social concreto, sendo a prática social seu ponto de partida e de chegada (ARANHA, 1989, p. 50). Gal diz que a educação é o fato que talvez melhor caracterize a espécie humana, pois é o que lhe permitiu perpetuar a evolução de sua espécie ao garantir a transmissão de todas as aquisições que puderam ser realizadas pelas gerações (GAL, 1989, p. 5-6), já que, diferentemente de outros animais, é diversa a ação do homem sobre a natureza e sobre si mesmo, pois ao reproduzir técnicas utilizadas por outros homens e inventar a partir disso outras, a ação humana se torna fonte de ideias e uma experiência propriamente dita (ARANHA, 1989, p. 2-4). O homem, assim, a partir de sua experiência, passa a existir no tempo e, graças à possibilidade de expressar-se por meio de símbolos, torna presente realidades com as quais já teve contato, bem como antecipar realidades ainda não realizadas (Idem, p. 4). Chega-se, assim, à conclusão de que, pela educação, torna-se possível a cultura esta entendida como transformação que o homem exerce sobre a natureza, mediante o trabalho, os instrumentos e as ideias utilizadas nessa transformação, bem como os produtos resultantes, o que permite a conclusão de que a condição humana não deriva dos instintos (Ibidem, p 4-5). Reciprocamente, no entanto, uma vez entendendo que a cultura é criação essencialmente humana, surgida da necessidade do homem de satisfazer suas necessidades e que para tal transforma o mundo natural e a si mesmo, instaurando o trabalho (e as divisões sociais que deste decorrem), que por sua vez se manifestam nas criações filosóficas, científicas, artísticas e espirituais, o 9

20 desenvolvimento desta só é possível pela transmissão dos conhecimentos adquiridos através das gerações, bem como pela assimilação dos modelos de comportamento valorizados, papéis estes que couberam à educação (Ibidem, p ;16). Desta forma, mais do que dizer que a educação pode assumir aspectos diversos, ela assume determinadas formas dependendo do contexto histórico ao qual está inserida, ao mesmo tempo em que ajuda (ou não) a perpetuá-lo ou destruí-lo. Importante mencionar, ainda que brevemente, que esta transmissão se dá sobretudo pela linguagem, e mais ainda pela língua, como fica claro quando Lotman e Uspensky dizem que [...] a língua é moldada dentro de um sistema de cultura mais geral e, junto com esta, constitui um todo complexo 6 (LOTMAN; USPENSKY, 1978, p. 213). Ou seja, a cultura imprime sua marca na língua, enquanto que esta na cultura relação dialética bem delimitada por Blikstein, quando, ao longo de seu livro, demonstra a importância da inclusão do referente nos estudos linguísticos e semióticos uma vez que a percepção e a significação destes dependem em grande parte da cultura, que, por sua vez, é definida pelos mesmos (BLIKSTEIN, 1985). O mesmo ocorre com a educação e, se for verdade que a educação varia de acordo com seu contexto e que, por conseqüência, dá-se por signos e suas combinações ela então é intimamente ligada a outros dois elementos: a política e a ideologia. Segundo Aranha, a educação não é e não pode ser é apolítica, bem como a escola, que está longe de ser um espaço neutro, à margem das divergências da sociedade e atuando apenas como um canal objetivo de transmissão da cultura universal (Ibidem, p. 27). Isso porque a educação reflete os confrontos de força que existem na sociedade e espelha os interesses da classe dominante, não sendo possível, portanto, pensar a escola (ou processos educacionais) como atemporal (Ibidem, p ). A ideologia, neste sentido, em termos amplos, seria entendida como conjunto de ideias, concepções ou opiniões sobre algo, sendo também possível conceituá-la como doutrina, isto é, corpo sistemático de ideias, e como teoria, ou seja, organização sistemática dos conhecimentos destinados a orientar a prática (Ibidem, p. 24). A função da ideologia seria não somente o de perpetuar uma determinada visão de mundo, mas também o de ocultar diferenças existentes no seio da sociedade, como as de classe, assegurando certa coesão entre os homens e a aceitação sem críticas de tarefas por vezes penosas (Ibidem, p. 25), decorrendo disso a impossibilidade de dissociar a educação do poder, cuja afirmação demonstrar-se-á como evidente durante análise de seu percurso histórico História das práticas educacionais 6 [...] language is molded into a more general system of culture and, together with it, constitutes a complex whole. (TA) 10

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto?

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto? A EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA E O FUTURO Arnaldo Niskier 1 - Qual a relação existente entre as transformações do mundo educacional e profissional e a educação à distância? A educação à distância pressupõe uma

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

O estudante de Pedagogia deve gostar muito de ler e possuir boa capacidade de concentração porque receberá muitos textos teóricos para estudar.

O estudante de Pedagogia deve gostar muito de ler e possuir boa capacidade de concentração porque receberá muitos textos teóricos para estudar. PEDAGOGIA Você já deve ter ouvido alguém falar que o nível educacional de um povo é muito importante para o seu desenvolvimento e que a educação faz muita diferença na vida das pessoas, não é mesmo? Por

Leia mais

OS SABERES DOS PROFESSORES

OS SABERES DOS PROFESSORES OS SABERES DOS PROFESSORES Marcos históricos e sociais: Antes mesmo de serem um objeto científico, os saberes dos professores representam um fenômeno social. Em que contexto social nos interessamos por

Leia mais

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011.

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011. 1 CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA Araras, maio de 2011. Fernando da Silva Pereira Centro Universitário Hermínio Ometto UNIARARAS SP fernandosilper@uniararas.br

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning.

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. Autor(a): Gliner Dias Alencar Coautor(es): Joaquim Nogueira Ferraz Filho, Marcelo Ferreira de Lima, Lucas Correia de Andrade, Alessandra

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Nicia Cristina Rocha Riccio nicia@ufba.br Introdução Com o advento das tecnologias de informação e comunicação (TICs) a Educação a Distância (EAD) ganha

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES... 2 AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES SILVA, M.M Margareth Maciel Silva

Leia mais

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Gisele Dorneles Fernandes 2 RESUMO: O presente artigo tem por finalidade esclarecer

Leia mais

Unidade I TECNOLOGIA. Material Instrucional. Profª Christiane Mazur

Unidade I TECNOLOGIA. Material Instrucional. Profª Christiane Mazur Unidade I TECNOLOGIA EDUCACIONAL EM EAD Material Instrucional Profª Christiane Mazur Ensinar Ensinar é, também, a arte de estimular o desejo de saber. EAD - Brasil 1904: Correspondência impressos; 1923:

Leia mais

Evolução do Pensamento

Evolução do Pensamento Unidade I Evolução do Pensamento Administrativo Prof. José Benedito Regina Conteúdo da disciplina EPA Parte 1 - Conceitos gerais da administração Parte 2 - Evolução histórica: Abordagens administrativas

Leia mais

Uma Avaliação dos Desafios e Oportunidades da Educação à Distância

Uma Avaliação dos Desafios e Oportunidades da Educação à Distância Uma Avaliação dos Desafios e Oportunidades da Educação à Distância Taíses Araújo da Silva Frederico Antônio de Oliveira Celma Maria dos Santos Catarina Donda Gomes da Fonseca Fabiano de Almeida Maia Fernando

Leia mais

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LAMBARI D OESTE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA MATOS, Alaíde Arjona de 1 OLIVEIRA, Sônia Fernandes de 2 Professora da rede municipal de ensino

Leia mais

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD?

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD? Módulo 1. Introdução Cada vez mais o mundo social e do trabalho necessitam de sujeitos capazes de fazer a diferença através de suas ações e atitudes. A utilização do ambiente virtual, como meio de interação

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES Poliana de Brito Morais ¹ Francisco de Assis Lucena² Resumo: O presente trabalho visa relatar as experiências

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO,

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, Juliana Cordeiro Soares Branco CEFET MG Juliana.b@ig.com.br OLIVEIRA, Maria Rita Neto Sales CEFET MG mariarita2@dppg.cefetmg.br

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

Educação a distância: desafios e descobertas

Educação a distância: desafios e descobertas Educação a distância: desafios e descobertas Educação a distância: Desafios e descobertas Conteudista: Equipe Multidisciplinar Campus Virtual Cruzeiro do Sul Você na EAD Educação a distância: desafios

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CÍCERO WILLIAMS DA SILVA EMERSON LARDIÃO DE SOUZA MARIA DO CARMO MEDEIROS VIEIRA ROBERTO GOMINHO DA SILVA

Leia mais

Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online

Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online Neide Santos neide@ime.uerj.br 2º Seminário de Pesquisa em EAD Experiências e reflexões sobre as relações entre o ensino presencial e a distância

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS Kelly Cristina de Oliveira 1, Júlio César Pereira 1. 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil kristhinasi@gmail.com,

Leia mais

O blog no processo de ensino e aprendizagem em Ciências: horizontes e possibilidades

O blog no processo de ensino e aprendizagem em Ciências: horizontes e possibilidades O blog no processo de ensino e aprendizagem em Ciências: horizontes e possibilidades Rodolfo Fortunato de Oliveira Universidade Estadual Júlio de Mesquita Filho UNESP, Bauru/SP rodolfo_fdeoliveira@hotmail.com

Leia mais

1. Capacitação Docente em Informática na Educação

1. Capacitação Docente em Informática na Educação DO EDITOR DE TEXTOS A PLATAFORMA MOODLE: UM PROJETO PILOTO INOVADOR DE CAPACITAÇÃO DOCENTE CONSTRUCIONISTA EM UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Maria Beatriz

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE GABRIEL ISSA REGIMENTO INTERNO TÍTULO I Das Disposições Preliminares

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

3.2 MATERIAL DIDÁTICO

3.2 MATERIAL DIDÁTICO A comparação do presencial e do virtual: um estudo de diferentes metodologias e suas implicações na EAD André Garcia Corrêa andregcorrea@gmail.com Universidade Federal de São Carlos Resumo. O presente

Leia mais

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola.

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Chico Poli Algumas vezes, fora da escola há até mais formação do que na própria escola. (M. G. Arroyo) É preciso toda uma

Leia mais

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 RESUMO Aila Catori Gurgel Rocha 1 Rosana de Sousa Pereira Lopes 2 O problema proposto

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

Seminário Telecentros Brasil

Seminário Telecentros Brasil Seminário Telecentros Brasil Inclusão Digital e Sustentabilidade A Capacitação dos Operadores de Telecentros Brasília, 14 de maio de 2009 TELECENTROS DE INFORMAÇÃO E NEGÓCIOS COMO VEÍCULO DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS Daiana Rodrigues dos Santos Prado¹; Francine de Paulo Martins² Estudante do Curso de Pedagogia; e-mail:

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

O que é educação a distância (*)

O que é educação a distância (*) O que é educação a distância (*) José Manuel Moran Professor da Universidade Bandeirante e das Faculdades Sumaré-SP Assessor do Ministério de Educação para avaliação de cursos a distância jmmoran@usp.br

Leia mais

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS Fortaleza Ce Agosto 2009 Liádina Camargo Lima Universidade de Fortaleza liadina@unifor.br Categoria C Métodos

Leia mais

**Graduandas em Turismo - Universidade Federal de Minas Gerais babicddelgado@gmail.com; carinafneves@hotmail.com; nilleeee@hotmail.

**Graduandas em Turismo - Universidade Federal de Minas Gerais babicddelgado@gmail.com; carinafneves@hotmail.com; nilleeee@hotmail. EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA: OS SOFTWARES LIVRES COMO MEIOS DE ACESSO À GRADUAÇÃO DE TURISMO* Bárbara Cardoso Delgado Carina Fernandes Neves Janille de Oliveira Morais RESUMO Pretende-se delinear uma análise

Leia mais

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Humanas e Jurídicas. Curso de Licenciatura em Pedagogia Disciplina: 7081006

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Humanas e Jurídicas. Curso de Licenciatura em Pedagogia Disciplina: 7081006 Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Humanas e Jurídicas Curso de Licenciatura em Pedagogia Disciplina: 7081006 Tecnologias da Comunicação e Informação na Educação Professora:

Leia mais

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca Projetos de informatização educacional Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca O uso do computador como instrumento de educação ainda não é uma realidade para muitos no Brasil, mas aqui

Leia mais

Introdução a EaD: Um guia de estudos

Introdução a EaD: Um guia de estudos MÓDULO BÁSICO PROFESSORES FERNANDO SPANHOL E MARCIO DE SOUZA Introdução a EaD: Um guia de estudos Realização: guia de estudo SUMÁRIO UNIDADE 1 ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 1.1 Entendendo a EaD 5

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

OBJETOS DE APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: CONHEÇA O AMBIENTE ATRAVÉS DO WIKI Rosane Aragón de Nevado 1 ; Janaína Oppermann 2

OBJETOS DE APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: CONHEÇA O AMBIENTE ATRAVÉS DO WIKI Rosane Aragón de Nevado 1 ; Janaína Oppermann 2 OBJETOS DE APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: CONHEÇA O AMBIENTE ATRAVÉS DO WIKI Rosane Aragón de Nevado 1 ; Janaína Oppermann 2 RESUMO Os hábitos e costumes humanos tem alterado intensamente os ecossistemas

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA NO BRASIL

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA NO BRASIL POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA NO BRASIL Ana Paula Domingos Baladeli 1 Introdução As transformações científicas e tecnológicas vivenciadas atualmente impulsionam cada vez mais

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE *

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * DILMEIRE SANT ANNA RAMOS VOSGERAU ** m 2003, com a publicação do livro Educação online, o professor Marco Silva conseguiu, com muita pertinência, recolher

Leia mais

INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO : PARA UMA BOA INFORMÁTICA EDUCATIVA, UM BOM PEDAGOGO

INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO : PARA UMA BOA INFORMÁTICA EDUCATIVA, UM BOM PEDAGOGO INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO : PARA UMA BOA INFORMÁTICA EDUCATIVA, UM BOM PEDAGOGO Jorge, A. M. UEM alinemjorge@hotmail.com Eixo Temático: Didática: Comunicação e Tecnologia Agência Financiadora: Não contou

Leia mais

Gestão do Conhecimento e Arquivologia:

Gestão do Conhecimento e Arquivologia: Gestão do Conhecimento e Arquivologia: entrelaçamentos e possibilidades na formação do profissional arquivista. Profa. Dra. Maria do Rocio F. Teixeira DCI/FABICO/UFRGS Arquivologia Salvador, 2013. Apresentação

Leia mais

Educação à Distância: Possibilidades e Desafios

Educação à Distância: Possibilidades e Desafios Educação à Distância: Possibilidades e Desafios Resumo André Alves Freitas Andressa Guimarães Melo Maxwell Sarmento de Carvalho Pollyanna de Sousa Silva Regiane Souza de Carvalho Samira Oliveira Os cursos

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

Uma análise sobre a produção de conteúdo e a interatividade na TV digital interativa

Uma análise sobre a produção de conteúdo e a interatividade na TV digital interativa Uma análise sobre a produção de conteúdo e a interatividade na TV digital interativa Mariana da Rocha C. Silva Mariana C. A. Vieira Simone C. Marconatto Faculdade de Educação-Unicamp Educação e Mídias

Leia mais

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007)

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007) 1 Introdução Em todo mundo, a Educação a Distância (EAD) passa por um processo evolutivo principalmente após a criação da internet. Os recursos tecnológicos oferecidos pela web permitem a EAD ferramentas

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Tópicos Especiais Informática Educativa no Brasil Professor: Fernando Zaidan 1 Referências: SANTINELLO, J. Informática educativa no Brasil e ambientes

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva 1 Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista,

Leia mais

OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO

OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO ISSN 2177-9139 OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO André Martins Alvarenga - andrealvarenga@unipampa.edu.br Andressa Sanches Teixeira - andressaexatas2013@gmail.com

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

Belém PA, Maio 2012. Categoria: Pesquisa e Avaliação. Setor Educacional: Educação Universitária. Macro: Sistemas e Instituições de EAD

Belém PA, Maio 2012. Categoria: Pesquisa e Avaliação. Setor Educacional: Educação Universitária. Macro: Sistemas e Instituições de EAD 1 A QUALIDADE DOS CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA: CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS E BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UAB Belém PA, Maio 2012 Categoria: Pesquisa e Avaliação

Leia mais

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática Serviço Público Manutenção e Suporte em Informática Wilson Pedro Coordenador do Curso de Serviço Público etec_sp@ifma.edu.br Carla Gomes de Faria Coordenadora do Curso de Manutenção e Suporte em Informática

Leia mais

Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS

Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS Com objetivo de auxiliar na elaboração dos trabalhos, apresentamos critérios relacionados a Economia Criativa e Inovação, conceitos

Leia mais

A importância da Educação à Distância para o desenvolvimento Profissional no ensino superior

A importância da Educação à Distância para o desenvolvimento Profissional no ensino superior A importância da Educação à Distância para o desenvolvimento Profissional no ensino superior Janaína Batista da Silva Larissa Horrara de Almeida Leonardo Lopes Liliana Oliveira Palhares da Silva Luciana

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR

Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação do CEFOR como parte das exigências do curso de Especialização em

Leia mais

CLUBE DE PROGRAMAÇÃO NAS ESCOLAS: NOVAS ERSPECTIVAS PARA O ENSINO DA COMPUTAÇÃO. IF Farroupilha Campus Santo Augusto; e-mail: joaowinck@hotmail.

CLUBE DE PROGRAMAÇÃO NAS ESCOLAS: NOVAS ERSPECTIVAS PARA O ENSINO DA COMPUTAÇÃO. IF Farroupilha Campus Santo Augusto; e-mail: joaowinck@hotmail. CLUBE DE PROGRAMAÇÃO NAS ESCOLAS: NOVAS ERSPECTIVAS PARA O ENSINO DA COMPUTAÇÃO WINCK, João Aloísio 1 RISKE, Marcelo Augusto 2 AVOZANI, Mariel 3 CAMBRAIA, Adão Caron 4 FINK, Marcia 5 1 IF Farroupilha Campus

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual Tuane Telles Rodrigues 1 Letícia Ramires Corrêa 2 Resumo: Durante nossa vida acadêmica estamos em constante aperfeiçoamento,

Leia mais

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO MESTRADO SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO Justificativa A equipe do mestrado em Direito do UniCEUB articula-se com a graduação, notadamente, no âmbito dos cursos de

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

Débora Regina Tomazi FC UNESP- Bauru/SP E-mail: deboratomazi@hotmail.com. Profa. Dra. Thaís Cristina Rodrigues Tezani. E-mail: thaist@fc.unesp.

Débora Regina Tomazi FC UNESP- Bauru/SP E-mail: deboratomazi@hotmail.com. Profa. Dra. Thaís Cristina Rodrigues Tezani. E-mail: thaist@fc.unesp. AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: A UTILIZAÇÃO DE PLATAFORMAS EDUCACIONAS ADAPTATIVAS E A PRÁTICA DOCENTE. Débora

Leia mais

O PERMEAR HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA E SEUS DESAFIOS ATUAIS. MORAIS, Suzianne 1 VILLELA, Pollyana 2

O PERMEAR HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA E SEUS DESAFIOS ATUAIS. MORAIS, Suzianne 1 VILLELA, Pollyana 2 O PERMEAR HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA E SEUS DESAFIOS ATUAIS MORAIS, Suzianne 1 VILLELA, Pollyana 2 RESUMO: Este trabalho tem como propósito apresentar e analisar o percurso histórico e cultural que a

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA UTILIZANDO TECNOLOGIAS

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA UTILIZANDO TECNOLOGIAS I Mostra de Iniciação Científica I MIC 23 e 24 de setembro de 2011 Instituto Federal Catarinense Campus Concórdia Concórdia SC INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS CONCÓRDIA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

Leia mais

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 Efrain Maciel e Silva 2 Resumo: Estudando um dos referenciais do Grupo de Estudo e Pesquisa em História da Educação Física e do Esporte,

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

A Parceria UNIVIR / UNIGLOBO- Um Case Focado no Capital Intelectual da Maior Rede de TV da América Latina

A Parceria UNIVIR / UNIGLOBO- Um Case Focado no Capital Intelectual da Maior Rede de TV da América Latina A Parceria UNIVIR / UNIGLOBO- Um Case Focado no Capital Intelectual da Maior Rede de TV da América Latina Blois, Marlene Montezi e-mail: mmblois@univir.br Niskier, Celso e-mail: cniskier@unicarioca.edu.br

Leia mais

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Jacqueline Liedja Araujo Silva Carvalho Universidade Federal de Campina Grande (UFCG CCTA Pombal) jliedja@hotmail.com

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais