ANÁLISE DE CUSTOS. Prof. Dr. Armando Catelli

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DE CUSTOS. Prof. Dr. Armando Catelli"

Transcrição

1 Universidade de São Paulo Mestrado em Controladoria e Contabilidade ANÁLISE DE CUSTOS MODELO CONCEITUAL DE DECISÃO RELATIVO AO EVENTO MANTER / ELIMINAR / REORG. ATIVIDADES Prof. Dr. Armando Catelli Orientador Belém - Pará 1

2 Universidade de São Paulo Mestrado em Controladoria e Contabilidade Mestrandos: Héber Lavor Moreira Luiz Carlos Pessôa Sônia Maria F. Barbosa Prof. Dr. Armando Catelli Orientador Belém - Pará 2

3 Manter/Eliminar/Reorganizar Atividades Estrutura do Trabalho Introdução 1. Manter / Eliminar / Reorganizar Atividades Objetivo Escopo Tema Modelo Conceitual de Decisão para Manter / Eliminar / Reorganizar Atividades Definições Modelo de Decisão Visão Sistêmica do Modelo de Decisão Conceitos do Modelo de Decisão Fases do Processo a serem atendidas Modelo de Informação Metodologia e Abordagem 3

4 Manter / Eliminar / Reorganizar Atividades 2 Estudo de Caso da ABS Consultoria S/C Ltda Introdução Situação Problema Problema Objetivo Premissas Requisitos Glossário Modelo Físico-Operacional do Evento Modelo de Atuação Eficácia da Entidade Modelo de Decisão Proposto Conclusões Bibliografia 4

5 1.1 - OBJETIVO Conceber um Modelo Conceitual que permita a possibilidade da decisão entre Manter / Eliminar / Reorganizar Atividades, visando a eficácia da organização. 5

6 1.2 - ESCOPO É Promover a eficácia da organização, através de tomada de decisões corretas. 6

7 1.3 - TEMA Modelo conceitual de decisão relativo ao evento Manter / Eliminar / Reorganizar Atividades. 7

8 1.4 Modelo conceitual de decisão para Manter / Eliminar / Reorganizar Atividades Definições Modelo: é uma representação lógica de um sistema construído com um número limitado, porem significativo, de variáveis, representando os aspectos relevantes deste sistema. (Parisi, 1995:23) Modelo Conceitual: é o modelo estruturado com base nos conceitos dos elementos que o constituem. (Catelli, 2002:8) Decisão: é o ato de selecionar com base num critério de escolha entre as alternativas disponíveis, a que deve ser implementada. (Catelli, 2002:8) 8

9 1.4 Modelo conceitual de decisão para Manter / Eliminar / Reorganizar Atividades Definições Modelo de Decisão: é o modelo estabelecido para seleção de alternativa de um evento, compreendendo os modelos de identificação, mensuração e informação. Faz parte de processo de decisão que, por sua vez, estão contidos no sistema de gestão. (Catelli, 2002:8) Resultado: é a variação em termos econômicos, de 2 patrimônios líquido (excluídos aumentos de capital e outras ocorrências não decorrentes das operações), que também pode ser evidenciada pela diferença entre receitas e custos.(catelli, 2002:8) 9

10 1.4 Modelo conceitual de decisão para Manter / Eliminar / Reorganizar Atividades Definições Eficácia: é a medida do grau de atingimento dos objetivos = cumprir a missão e assegurar a continuidade da entidade de forma ótima. Organização: é a entidade envolvida, pode ser uma atividade, departamento, grupo de departamentos, empresa e, até um grupo de empresas. Atividade: é qualquer ação ou trabalho específico, cujo resultado se obtém pela igualdade entre os produtos e os serviços que ela realiza. 10

11 1.4 Modelo conceitual de decisão para Manter / Eliminar / Reorganizar Atividades Definições Manter: é o ato de conservar uma atividade, fazer, permanecer. Eliminar: é o ato de suprimir, excluir determinada atividade. Reorganizar: atividade. é o ato de melhorar, aprimorar determinada 11

12 T MODELO DE DECISÃO: CONCEITO Modelo de Identificação Missão,Crenças e Valores GESTOR Modelo de Gestão Modelo de Mensuração Modelo Organizacional SISTEMA DE GESTÃO / PROCESSOS DE GESTÃO PLANEJAMENTO EXECUÇÃO CONTROLE TN PROCESSO DE DECISÃO MODELO DE DECISÃO Identificação-Ocor. Envolvimentos Alternativas AMBIENTE REMOTO FORNECEDORES CLIENTES/CONSUMIDORES CONCORRENTES CRITÉRIO DE DECISÃO RO > R1 > R2 > Rn ALTERNATIVAS... A1 A2 A3 An R1 R2 R3 Rn TRANSAÇÕES/EVENTOS SISTEMA DE INFORMAÇÕES SISTEMA FÍSICO-OPERACIONAL Análise Decisão Implementação Modelo de Informação SISTEMA SÓCIO--POLÍTICO- -PSICO--CULTURAL GECON/FIPECAFI/FEAC-USP/DECISAO 12

13 1.5 Modelo de decisão Conceitos do Modelo de Decisão a) Modelo Físico-Operacional: é a representação de recursos consumidos e a quantidade de produtos gerados. b) Método de Acumulação: é a maneira de acumular o resultado das transações (por centro de resultados). c) Modelo de Acumulação: é a representação do processo de acumulação das transações. d) Método de Custeio: método de identificação de custos aos produtos (Custeio Direto Variável). e) Método de Mensuração: é a maneira de mensurar as transações. f) Modelo de Mensuração: é representação do sistema, que permite medir o resultado econômico corretamente (Padrão). 13

14 1.5 Modelo de decisão Fases do processo decisório a serem atendidas a) Planejamento Estratégico: é o processo ou sub-sistema que geram as diretrizes estratégicas que assegurem o cumprimento da missão da organização. b) Planejamento Operacional: é o processo que considera um conjunto de alternativas operacionais aprovadas e serve para assegurar a escolha das melhores alternativas que viabilizem as diretrizes operacionais. c) Execução: é um processo de escolha de alternativas de implementar o plano, corresponde a fase em que os recursos são consumidos e os produtos são gerados. O produto da execução são as transações. d) Controle: é o processo pelo qual se assegura o cumprimento dos planos estabelecidos e se tomam ações corretivas. 14

15 1.6 Modelo de Informação Conceito: é a representação lógica de elaboração e transmissão da informação que sustentará conceitualmente a construção do sistema de informação. 1.7 Metodologia e Abordagem Método: Estudo de Caso Empírico dedutivo Abordagem: Estrutura do Trabalho. 15

16 2 - Estudo de Caso da ABS Consultoria S/C Ltda Situação Problema Em função das novas exigências ambientais, os gestores precisam dispor de um modelo de gestão que consiga se adaptar ao novo mercado. Diante da alta competitividade, as entidades precisam ser eficazes, para poderem sobreviver e garantir sua continuidade 16

17 2.1.2 Problema Qual o modelo conceitual de decisão que permite ao gestor MANTER / ELIMINAR / REORGANIZAR ATIVIDADES, e que seja mais adequado na busca da eficácia da organização? 17

18 Objetivo do Estudo de Caso Definir o Modelo de Decisão para o evento Manter / Eliminar / Reorganizar Atividades, que melhor atenda aos gestores na busca da eficácia da organização, compreendendo:. abordagem conceitual. estudo de caso 18

19 Premissas A) O ambiente é competitivo e a organização objetiva ser eficaz; Mestrado em Controladoria e Contabilidade B) O resultado correto é o melhor indicador da eficácia; C) Modelo de Gestão por resultados, adaptável às necessidades ambientais e posturas gerenciais empreendedoras D) Recursos adequadamente dispostos, responsabilidades e autoridades claramente definidas 19

20 Premissas E) Os gestores são competentes, motivados e dispostos a colaborar com todas as iniciativas voltadas para a eficácia. F) O clima organizacional é pró-ativo e a imagem da organização é positiva G) Recursos de processamento de dados com condições de atender às necessidades do modelo proposto. 20

21 Requisitos O modelo de decisão tem que propiciar a correta apuração do resultado da transação, respeitando o modelo físico. O modelo tem que possibilitar a avaliação justa dos gestores. O modelo tem que ser aplicável em todas as fases do processo de gestão. Anotações de Aula do Prof. Catelli 21

22 Requisitos O modelo tem que atender, pelo menos, ao conceito de resultado correto. Permitir a comparação de dados e resultados das decisões tomadas em momentos diferentes. Atender à função / missão da entidade gestora do evento. Anotações de Aula do Prof. Catelli 22

23 GLOSSÁRIO Áreas de Responsabilidade - são unidades administrativas que possuem um gestor com atribuições, responsabilidade e autoridade formalmente definidas. Autoridade - é a definição do poder para o gestor exercer as suas funções e responsabilidades. Evento - é um conjunto de transações da mesma natureza ou classe que pode envolver uma ou mais entidades. 23

24 Glossário Eficácia - é a medida ou o grau com o qual os resultados da entidade são atingidos. Eficiência - é a medida do consumo de recursos. Gestão - é o processo que culmina com a tomada de decisão. Gestor - é o responsável pela gestão. 24

25 Glossário Processo de Gestão - é a forma de estruturação do processo decisório em etapas coordenadas para garantir a eficácia e a eficiência das decisões. (Cruz, 1991:48) Resultado correto - é aquele que é apurado sob os conceitos corretos, não é o exato e procura respeitar a utilidade. 25

26 Glossário Sistema - é um conjunto de elementos interdependentes que interagem na consecução de um objetivo comum. (GUERREIRO Tese de Doutorado apresentada à FEA/USP) Tomada de Decisão - é a escolha de uma alternativa relacionada à uma transação econômica. Transação é a troca de um recurso sacrificado por outro recurso a ser otimizado. 26

27 Glossário Margem de Contribuição - é o valor derivado do confronto entre a receita e a despesa variável. (Guerreiro, 1989:300) Custo Direto - é o custo que se identifica objetivamente com o bem ou serviço produzido, sem necessidade de utilização de critério subjetivo de atribuição. (Guerreiro, 1989:300) Custo Fixo é o custo cujo comportamento independe do volume de produção. (Guerreiro, 1989:34) 27

28 Glossário Custo de Oportunidade - é o valor de um recurso em seu melhor uso alternativo. (Guerreiro, 1989:300) Avaliação de Resultado - refere-se à avaliação das contribuições das transações, eventos, produtos e serviços. (Guerreiro, 1989:300) Avaliação de Desempenho refere-se à avaliação das contribuições das áreas e das atividades sob responsabilidade dos gestores. (Guerreiro, 1989:300) 28

29 2.2 Modelo Físico-Operacional Estudo do Caso ABS Caracterização e Área de Atuação Empresa Prestadora de Serviços Profissionais na área Contábil, para pessoas físicas e jurídicas (pequenas, médias e grandes). É composta por 3 (três) sócios que atuam também como executivos e e 4 funcionários operacionais e 1 administrativo. Área de Atuação na Grande Belém, com possibilidade de incursão em outros mercados. Possui bom nível de tecnologia embarcada, competência profissional comprovada e rapidez na tomada de decisão e na adaptação às inovações tecnológicas. 29

30 2.2 Modelo Físico-Operacional FORNECEDORES Mercado Local CLIENTES Pessoas Físicas e Jurídicas na grande Belém. PRAZOS FINANCEIROS E OPERACIONAIS Compras à Vista Vendas à Vista 30

31 2.2 Modelo Físico-Operacional MERCADO Mestrado em Controladoria e Contabilidade A empresa atua na Grande Belém. Com raras incursões no interior do Estado, embora reúna condições potenciais de assumir novos trabalhos. É um mercado competitivo, porém bem trabalhado pela ABS Consultoria S/C Ltda, que possui experiência comprovada. Os preços vinculados à hora-técnica são estabelecidos pelo órgão de classe. Porém, dependendo da complexidade do trabalho e do poder aquisitivo do Cliente, pode ser ampliado o valor da hora técnica de R$ 75,00 para R$ 100,00. 31

32 2.2 Modelo Físico-Operacional CONDIÇÕ ÇÕES DE ENTREGA E RECEPÇÃ ÇÃO A coleta dos dados é feita na sede da empresa contratante. Durante as etapas de produção intelectual dos trabalhos eles são realizados na sede da ABS Consultoria S/C Ltda. 32

33 2.2 Modelo Físico-Operacional PADRÕES FÍSICOS O trabalho é apresentado em forma de Relatórios (ou Manuais) e em CD, ambos com apresentação própria produzida na ABS. Faz parte da entrega do trabalho uma apresentação multimídia, na sede do cliente. 33

34 Ambiente Externo Missão Missão Sistema Sistema Físico Físico Sistema Sistema de de Informações Sistema Sistema de de Gestão Gestão Sistema Organizacional Sistema Social Social Crenças ee Valores Valores GUERREIRO, Reinaldo Modelo Conceitual de Sistema de Informação de Gestão Econômica: - Uma Contribuição à Teoria da Comunicação da Contabilidade São Paulo FEA/USP Tese de Doutorado

35 2.2 - MODELO FÍSICO F - OPERACIONAL RECURSOS MATERIAIS Itens Especific. Quant. Vl. Unit. Vl. Total 1 Computadores , ,00 2 Impressoras 3 500, ,00 3 Móveis e Utens , ,00 4 Proj.Multim , ,00 5 Fone/Fax 1 990,00 990,00 6 Mini Central , ,00 Total ,00 35

36 2.2 Modelo FísicoF sico-opercaional CONSUMO Resmas de Papel - A4 Cartucho de Tinta Preta para Impressora HP Cartucho de Tinta Color para Impressora HP Lápis Caneta Borracha Pastas Outros Materiais 36

37 2.2 Modelo FísicoF sico-operacional CAPACIDADE PRODUTIVA A capacidade produtiva da ABS pode ser ampliada imediatamente como resposta às novas demandas de mercado, pois como o serviço depende da contratação do cliente, para cada nova Ordem de Serviço poderemos contratar equipes específicas. 37

38 Organograma da ABS Conselho Diretor Div. Adm. Div. Fin. Diagnóstico RH Treinamento Consultoria Perícia Tesouraria C. Receber C. Pagar 38

39 Característica dos Produtos e Atividades 1. DIAGNÓSTICO - ainda que realizado como tarefa específica, pela sua natureza e peculiaridade é tratado como tópico distinto. 1.1 ATIVIDADES Coletar Dados busca de informações documentadas no cliente Executar produzir intelectualmente o trabalho contratado Digitar dar a forma redacional de apresentação, minutada ou definitiva, ao trabalho. 39

40 Característica dos Produtos e Atividades 2. CONSULTORIA - é um trabalho contratado por tarefa. Tem característica de não continuidade. 2.1 ATIVIDADES Coletar Dados busca de informações documentadas no cliente Executar produzir intelectualmente o trabalho contratado Digitar dar a forma redacional de apresentação, minutada ou definitiva, ao trabalho. 40

41 Característica dos Produtos e Atividades 3. PERÍCIA JUDICIAL - também realizada como tarefa específica, com a finalidade de dirimir conflitos no âmbito do judiciário, pela sua natureza e peculiaridade é tratada como tópico distinto. 3.1 ATIVIDADES Coletar Dados busca de informações documentadas no cliente Executar produzir intelectualmente o trabalho contratado Digitar dar a forma redacional de apresentação, minutada ou definitiva, ao trabalho. 41

42 Fluxo Geral Clientes Diagnóstico Consultoria Perícia Recursos Humanos Recursos Materiais Fornecedores 42

43 2.3 - MODELO DE ATUAÇÃ ÇÃO RESPONSABILIDADE DE DECISÃO Sócio A Responde pela Área de Consultoria e Perícia Sócio B Responde pela Área de Diagnóstico Sócio S Responde pela Área de Assessoria Sócios A, B e S Respondem pela Área de Treinamento. 43

44 2.3 - Modelo de Atuaçã ção ATUAÇÃO DOS GESTORES Entidades Gestores Tempo Cons.Dir. A,B,S 90 Diagnóstico A 70 Consultoria B 70 Perícia S 70 Totais A 100 B 100 S

45 2.3 Modelo de Atuação Missão da Empresa Assegurar ao mercado a realização de serviços de diagnóstico, consultoria e perícia contábil. 45

46 2.4 - EFICÁCIA CIA DA EMPRESA A competência da empresa em ter continuidade em um ambiente dinâmico e cumprir sua missão. (Catelli e Guerreiro 1994:4) 46

47 2.4 - MEDIDAS DE EFICÁCIA CIA Produtividade Eficiência Satisfação é a utilização da capacidade instalada. refere-se ao consumo ideal de recursos a baixos custos. a satisfação das pessoas é fator preponderante de motivação. Adaptabilidade do Processo Decisório rápidas respostas às novas circunstâncias de mercado. Desenvolvimento programas de melhoria da competência. 47

48 2.5 Modelo de decisão proposto Anexos 48

49 Conclusões O modelo conceitual de decisão atendeu aos objetivos e requisitos propostos, dando ao gestor, as opções de Manter / Eliminar / Reorganizar Atividades. 49

50 Bibliografia 1) CATELLI, Armando (Coordenador) CONTROLADORIA UMA ABORDAGEM DA GESTÃO ECONÔMICA GECON Ed. Atlas, ) - Anotações de Aula na disciplina Análise de Custos, Mestrado em Controladoria e Contabilidade - Site Belém do Pará ) GUERREIRO, Reinaldo MODELO CONCEITUAL DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE GESTÃO ECONÔMICA: UMA CONTRIBUIÇÃO À TEORIA DA COMUNICAÇÃO DA CONTABILIDADE - Tese de Doutoramento USP/SP, ) MARTINS, Eliseu CONTABILIDADE DE CUSTOS 7a. Ed. São Paulo: Atlas, ) PARISI, Cláudio - UMA CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DE MODELOS DE IDENTIFICAÇÃO E ACUMULAÇÃO DE RESULTADO Dissertação de Mestrado USP/SP,

51 Universidade de São Paulo Mestrado em Controladoria e Contabilidade MANTER / ELIMINAR / REORG. ATIVIDADES Mestrandos: Héber Lavor Moreira Luiz Carlos Pessôa Sônia Maria F. Barbosa Prof. Dr. Armando Catelli Orientador Belém - Pará 51

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA MODELO CONCEITUAL DE DECISÃO RELATIVO AO EVENTO MANTER/ELIMINAR/REORGANIZAR ATIVIDADES: UMA CONTRIBUIÇÃO

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Empresa como Sistema e seus Subsistemas. Professora Cintia Caetano

Empresa como Sistema e seus Subsistemas. Professora Cintia Caetano Empresa como Sistema e seus Subsistemas Professora Cintia Caetano A empresa como um Sistema Aberto As organizações empresariais interagem com o ambiente e a sociedade de maneira completa. Uma empresa é

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

PARTE III Introdução à Consultoria Empresarial

PARTE III Introdução à Consultoria Empresarial FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 1 de 20 Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 2 de 20 Título Manual da Qualidade Folha: 3 de 20 Índice 1. Apresentação...

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS

CONTABILIDADE DE CUSTOS Universidade de São Paulo Mestrado em Controladoria e Contabilidade CONTABILIDADE DE CUSTOS TEMA: PRODUÇÃO CONJUNTA Prof. Dr. Reinaldo Guerreiro Orientador Belém - Pará 1 Universidade de São Paulo Mestrado

Leia mais

Gestão econômica das empresas e as novas estratégias competitivas

Gestão econômica das empresas e as novas estratégias competitivas Gestão econômica das empresas e as novas estratégias competitivas A APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DE GESTÃO ECONÔMICA AOS EVENTOS ECONÔMICOS DE UM BANCO COMERCIAL Antônio Benedito Silva Oliveira Marcelle Colares

Leia mais

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA E CONTÁBIL

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA E CONTÁBIL MBA EM GESTÃO FINANCEIRA E CONTÁBIL Disciplina: Teoria Contábil do Lucro Prof. Paulo Arnaldo OLAK E-mail: olak@uel.br MODELO DE DECISÃO BASEADO EM RESULTADOS ECONÔMICOS (): receitas e custos valorados

Leia mais

Utilização do preço de transferência na avaliação do desempenho das divisões e dos gestores

Utilização do preço de transferência na avaliação do desempenho das divisões e dos gestores Utilização do preço de transferência na avaliação do desempenho das divisões e dos gestores Emanuel R. Junqueira (FAESA-ES) ejunqueira@faesa.br Gilberto Aurino Silva Neto (FAESA-ES) professorgilberto@terra.com.br

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO CONTEÚDO 1 APRESENTAÇÃO 2 PÁGINA 4 3 4 PÁGINA 9 PÁGINA 5 PÁGINA 3 APRESENTAÇÃO 1 O cenário de inovação e incertezas do século 21 posiciona o trabalho

Leia mais

A Controladoria e a Contabilidade Gerencial na Era da Globalização. apresent19

A Controladoria e a Contabilidade Gerencial na Era da Globalização. apresent19 A Controladoria e a Contabilidade Gerencial na Era da Globalização apresent19 A Globalização e suas Perspectivas Empresa / Ambiente Competitividade globalização Velocidade das Mudanças Gestão Adaptatividade

Leia mais

Assessoria Consultoria Treinamento F I N A N C E I R A - E M P R E S A R I A L

Assessoria Consultoria Treinamento F I N A N C E I R A - E M P R E S A R I A L Assessoria Consultoria Treinamento F I N A N C E I R A - E M P R E S A R I A L Quem somos Bem vindo à Nord. Formada por profissionais oriundos do mercado financeiro, com formações multidisciplinares e

Leia mais

5 CCN 1 Apostila baseada exclusivamente na Obra de Clovis Luis Padoveze 1

5 CCN 1 Apostila baseada exclusivamente na Obra de Clovis Luis Padoveze 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES CONTÁBEIS PROFESSOR Edmundo Tork APOSTILA 3 TURMA: EMPRESA E SISTEMA 5 CCN 1 Apostila baseada exclusivamente na Obra de Clovis Luis Padoveze 1 2 EMPRESA COMO SISTEMA E SEUS SUBSISTEMAS

Leia mais

www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP

www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP Como desenvolver uma abordagem eficaz de gerenciamento de capital e um processo interno de avaliação da adequação de capital (ICAAP) A crise financeira de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

O que é Custo de Oportunidade?

O que é Custo de Oportunidade? O que é Custo de Oportunidade?! Conceito de custo de oportunidade! Cuidados na utilização do custo de oportunidade! Aplicações do custo de oportunidade Paulo Dragaud Zeppelini Mestre em Controladoria e

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Introdução. Modelos de Decisão na Gestão da Empresa. Modelo de Decisão em Gestão Econômica. Edilene Santana Santos. Vera Ponte

Introdução. Modelos de Decisão na Gestão da Empresa. Modelo de Decisão em Gestão Econômica. Edilene Santana Santos. Vera Ponte Edilene Santana Santos Mestranda em Controladoria e Contabilidade FEA/USP Professora e Pesquisadora do Centro Universitário Nove de Julho UNINOVE e das Faculdades Associadas de São Paulo - FASP Vera Ponte

Leia mais

A Controladoria no Processo de Gestão. Clóvis Luís Padoveze

A Controladoria no Processo de Gestão. Clóvis Luís Padoveze 1 A Controladoria no Processo de Gestão Clóvis Luís Padoveze Cascavel - 21.10.2003 2 1. Controladoria 2. Processo de Gestão 3. A Controladoria no Processo de Gestão 3 Visão da Ciência da Controladoria

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

GECON na Gestão Pública :

GECON na Gestão Pública : FIPECAFI Núcleo GECON GECON na Gestão Pública : Um Sistema Gerencial para Criação de Valor na Administração Pública novembro /2002 Apresentação: a) Objetivo. Eficácia da Gestão. b) Modelo GECON para G.Pública

Leia mais

GAION, Aparecida Vanif; SÉRGIO, Paulo; ALBERTINI, Peter, et. all. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO.

GAION, Aparecida Vanif; SÉRGIO, Paulo; ALBERTINI, Peter, et. all. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO THE COMPUTING IN ADMINISTRATION Heber Ridão Silva * Leônidas da Silva JosuéAmaral Fabio Ferreira Paula Sergio Peter Albertini Aparecida Vanif.Gaion

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Q u al i f i c a ç ã o f o r m al d o s r e s p o n s á v e i s P ó s g r a d u a d o s

Q u al i f i c a ç ã o f o r m al d o s r e s p o n s á v e i s P ó s g r a d u a d o s Justificativa do trabalho As Empresas, com fim lucrativo ou não, enfrentam dificuldades para determinar o preço de seus produtos ou serviços, visto que o preço sofre grande influência do mercado, levando

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA METODOLOGIA BALANCED SCORECARD NAS EMPRESAS INCUBADAS NO

IMPLANTAÇÃO DA METODOLOGIA BALANCED SCORECARD NAS EMPRESAS INCUBADAS NO IMPLANTAÇÃO DA METODOLOGIA BALANCED SCORECARD NAS EMPRESAS INCUBADAS NO MIDILAGES Autores: Msc. Angelo Augusto Frozza Msc. Carlos Eduardo de Liz Gr. Rafael Magnabosco Campo Grande, setembro 2010 Este artigo

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O estágio

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Desenvolvimento de Negócios & Finanças Corporativas

Desenvolvimento de Negócios & Finanças Corporativas Desenvolvimento de Negócios & Finanças Corporativas 2 www.nbs.com.br Soluções eficazes em Gestão de Negócios. Nossa Visão Ser referência em consultoria de desenvolvimento e implementação de estratégias,

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 03 O objetivo da Empresa e as Finanças Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO O objetivo da Empresa e as Finanças... 3 1. A relação dos objetivos da Empresa e as

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerencias Curso de Ciências Contábeis Controladoria em Agronegócios ANÁLISE COMPARATIVA DO CUSTEIO POR ABSORÇÃO E DO

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional A Empresa Atuamos como Gestores da Mudança Organizacional, introduzindo urgência e foco nas empresasde nossosclientes, lidandoprioritariamentecom a áreafinanceira, mas entendendo

Leia mais

XVIII JORNADA DE ENFERMAGEM EM HEMODINÂMICA.

XVIII JORNADA DE ENFERMAGEM EM HEMODINÂMICA. . Qualificando o desempenho operacional utilizando ferramentas de Tecnologia de Informação. sfl.almada@gmail.com Enfª Sueli de Fátima da Luz Formação: Bacharel em Enfermagem e Obstetrícia Universidade

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais 2 www.nbs.com.br Soluções eficazes em Gestão de Negócios. Nossa Visão Ser referência em consultoria de desenvolvimento e implementação de estratégias, governança, melhoria

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO

ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO Estratégia e Planejamento Corporativo AULA 2 Abril 2015 Diagnóstico da Empresa O que somos, onde estamos, e onde queremos chegar. Alguns definem diagnóstico como etapa que antecede um projeto. Em questões

Leia mais

Mediçao de Desempenho em Organizaçoes Nao Governamentais Utilizando o Modelo de Gestao Economica

Mediçao de Desempenho em Organizaçoes Nao Governamentais Utilizando o Modelo de Gestao Economica Mediçao de Desempenho em Organizaçoes Nao Governamentais Utilizando o Modelo de Gestao Economica Autores: Auristela Félix de Oliveira Docente da Universidade Federal de Sergipe - UFS (auristelacontabil@msn.com

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO SUPERIOR DE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2014 Atualizado em 6 de junho de 2014 pela Assessoria de

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Planejar as Aquisições Desenvolver o Plano de Recursos Humanos Planejar as Aquisições É o

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira darianer@fia.com.br www.fia.com.br/proced Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira 1 Objetivo Planejamento

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br Prof. Elias Garcia Bacharel em Ciências Contábeis 1988 Especialização em Contabilidade

Leia mais

Tipos de Sistemas de Informação

Tipos de Sistemas de Informação Tipos de Sistemas de Informação Parte 2 Aula 5 Fundamentos de SI Prof. Walteno Martins Parreira Jr Classificação dos sistemas de informação? Cada sistema de informação é específico para desempenhar uma

Leia mais

1. As Áreas Funcionais e Ambiente Organizacional

1. As Áreas Funcionais e Ambiente Organizacional 1. As Áreas Funcionais e Ambiente Organizacional Conteúdo 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Introdução à Administração Eunice Lacava Kwasnicka - Editora Atlas Administração - Teoria, Processo e Prática

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA

PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

Anexo II CARGOS DE DCA

Anexo II CARGOS DE DCA Anexo II CARGOS DE DCA CARGO: COORDENADOR DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO DE EDUCAÇÃO INFANTIL COORDENADOR DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO DE ENSINO FUNDAMENTAL Coordenar atividades específicas de área, participando

Leia mais

Escolha os melhores caminhos para sua empresa

Escolha os melhores caminhos para sua empresa Escolha os melhores caminhos para sua empresa O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

A necessidade de aperfeiçoamento do Sistema de Controle Interno nos Municípios como base para implantação do Sistema de Informação de Custos

A necessidade de aperfeiçoamento do Sistema de Controle Interno nos Municípios como base para implantação do Sistema de Informação de Custos A necessidade de aperfeiçoamento do Sistema de Controle Interno nos Municípios como base para implantação do Sistema de Informação de Custos Torres RS 9 de julho de 2015. Mário Kemphel da Rosa Mário Kemphel

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO SUPERIOR DE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2014 Atualizado em 6 de junho de 2014 pela Assessoria

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO NAS TOMADAS DE DECISÕES.

AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO NAS TOMADAS DE DECISÕES. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ UFPA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO

Leia mais

CONTROLADORIA COMO FERRAMENTA PARA TOMADAS DE DECISÕES

CONTROLADORIA COMO FERRAMENTA PARA TOMADAS DE DECISÕES CONTROLADORIA COMO FERRAMENTA PARA TOMADAS DE DECISÕES Samira da Silva Scodeler* Acadêmico do Curso Ciências Contábeis Univás - Pouso Alegre/MG Fabio Luiz Carvalho** Univás - Pouso Alegre/MG e-mail: fabio@ipecont.com.br

Leia mais

E FOLDER INSTITUCIONAL

E FOLDER INSTITUCIONAL E FOLDER INSTITUCIONAL Tel. 55 11 3862 1421 atendimento@bird.com.br www.bird.com.br A MEDIDA CERTA PARA EXECUTAR SUA ESTRATÉGIA DE T&D EM IDIOMAS benchmarking indicadores de resultados diagnósticos & desenvolvimento

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS MAYARA DA COSTA PIRES THIERES DIAS TEMBRA BUSINESS PLAN MYTDT CORPORATION BELÉM

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO Política de SEGURANÇA Política de SEGURANÇA A visão do Grupo Volvo é tornar-se líder

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Estrutura da Gestão de Risco Operacional

Estrutura da Gestão de Risco Operacional Conceito No Brasil a Resolução n.º 3380, emitida pelo BACEN em 29 de junho de 2006, seguindo as diretrizes estabelecidas pelo Conselho Monetário Nacional, definiu como: A possibilidade de ocorrência de

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo Rhind Group É uma empresa estruturada para prover soluções em consultoria e assessoria empresarial aos seus clientes e parceiros de negócios. Com larga experiência no mercado, a Rhind Group tem uma trajetória

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO

GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO Missão do Curso Formar profissionais de nível superior, com atuação na área de Tecnologia em Gestão Financeira, a partir da articulação das teorias que fundamentam

Leia mais

PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROFISSIONAL

PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROFISSIONAL ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II Departamento de Orientação Profissional - EEUSP PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROFISSIONAL VERA LUCIA MIRA GONÇALVES AVALIAÇÃO JUÍZO DE VALOR Avaliação de desempenho

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações

Tecnologia e Sistemas de Informações Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 3 Componentes de SIs Pessoas SI Organiz. Unidades que exercem diferentes funções, tais

Leia mais

Manual Brasileiro NR: MA 1 Pág: 1/1 de Acreditação - ONA Data de Emissão: 10/01/2000. LIDERANÇA E ADMINISTRAÇÃO Data desta Revisão: 06/03/2006

Manual Brasileiro NR: MA 1 Pág: 1/1 de Acreditação - ONA Data de Emissão: 10/01/2000. LIDERANÇA E ADMINISTRAÇÃO Data desta Revisão: 06/03/2006 Manual Brasileiro NR: MA 1 Pág: 1/1 de Acreditação - ONA Data de Emissão: 10/01/2000 LIDERANÇA E ADMINISTRAÇÃO Esta seção agrupa os componentes relacionados ao sistema de governo da Organização, aos aspectos

Leia mais

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Maio de 2003 CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Dia 12/05/2003 Certificação e homologação de produtos, serviços e empresas do setor aeroespacial,com enfoque na qualidade Dia 13/05/2003 ISO 9001:2000 Mapeamento

Leia mais

Projeto Cidadania. Saiba o que ele pode acrescentar à sua empresa

Projeto Cidadania. Saiba o que ele pode acrescentar à sua empresa Projeto Cidadania Projeto Cidadania Saiba o que ele pode acrescentar à sua empresa Humanização Ambiente de Trabalho Valor Comunitário Integração Social de Portadores de Deficiência Ação Social Voluntária

Leia mais

CONSIDERAÇÕES CONCEITUAIS SOBRE O PLANEJAMENTO DE PREÇOS EM EMPRESAS DE TELECOMUNICAÇÕES: UM ENFOQUE DA GESTÃO ECONÔMICA-GECON

CONSIDERAÇÕES CONCEITUAIS SOBRE O PLANEJAMENTO DE PREÇOS EM EMPRESAS DE TELECOMUNICAÇÕES: UM ENFOQUE DA GESTÃO ECONÔMICA-GECON CONSIDERAÇÕES CONCEITUAIS SOBRE O PLANEJAMENTO DE PREÇOS EM EMPRESAS DE TELECOMUNICAÇÕES: UM ENFOQUE DA GESTÃO ECONÔMICA-GECON Prof. Dr. Reinaldo Guerreiro Prof. Dr. Armando Catelli FACULDADE DE ECONOMIA,

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 02 A função da Administração Financeira Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO A função da Administração Financeira... 3 1. A Administração Financeira... 3 2. A função

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão 00-fevereiro de 2014 1/11 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DO SISTEMA DE GESTÃO... 3 2. OBJETIVOS DO SISTEMA DE GESTÃO... 3 3. ORGANIZAÇÃO... 4 4. HISTÓRICO... 6 5.

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio Gestão de Custos TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO Métodos de Custeio TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO Formas de Custeio TEORIA DA INFORMAÇÃO MODELOS DE INFORMAÇÃO Sistemas de acumulação A

Leia mais

PLANEJAMENTO DE MARKETING

PLANEJAMENTO DE MARKETING PLANEJAMENTO DE MARKETING A análise ambiental e o planejamento beneficiam os profissionais de marketing e a empresa como um todo, ajudando os gerentes e funcionários de todos os níveis a estabelecer prioridades

Leia mais

ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação

ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação A Dinâmica da Terra é uma empresa onde o maior patrimônio é representado pelo seu capital intelectual. Campo de atuação: Elaboração de estudos,

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a

Leia mais

Gestão de Talentos. Aula 01. Contextualização. Instrumentalização

Gestão de Talentos. Aula 01. Contextualização. Instrumentalização Gestão de Talentos Aula 01 Prof. Me. Maria Tereza F. Ribeiro 1. Contextualização Apresentação dos tópicos a serem abordados atualidades 2. Instrumentalização Conceitos principais 3. Aplicação Exemplos

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais