2.1. Estrutura e Dinâmica da População e Famílias

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2.1. Estrutura e Dinâmica da População e Famílias"

Transcrição

1 2.1. Estrutura e Dinâmica da População e Famílias O Diagnóstico Social Concelhio, enquanto ferramenta essencial para o conhecimento e caracterização da realidade local, assume particular importância na delineação de estratégias passíveis de impulsionar o desenvolvimento social do Município de Loures. A tradução operativa deste instrumento materializou-se no Plano de Desenvolvimento Social ( ), o qual define as directrizes de vários eixos estratégicos com tipos de intervenção prioritários. Neste sentido, a actualização do Diagnóstico Social do Concelho de Loures afigura-se imperiosa, na medida em que permitirá ter acesso a dados mais actuais do território municipal. Só através do conhecimento das necessidades e problemas locais será possível definir áreas de intervenção capazes de garantir mais e melhor qualidade de vida à população. O conhecimento espacializado da dinâmica demográfica é de manifesta importância quando se pretende desenvolver um plano de acção territorial. Por forma a caracterizar o substrato demográfico do Concelho recorreu-se às Estimativas Anuais da População Residente ( /2009) 1, elaboradas pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), sendo esta a principal fonte de dados quantitativos. Esta opção metodológica acaba por condicionar a selecção de determinadas variáveis, uma vez que nem todos os indicadores trabalhados pelo INE são alvo de avaliações anuais, daí a necessidade de relativizar a sua leitura, decorridos nove anos desde os Censos de A necessidade de aprofundar conhecimentos teóricos e metodológicos, referentes à temática das projecções demográficas, surge no âmbito da 1ª revisão do Plano Director Municipal de Loures, a qual preconiza uma visão de desenvolvimento sustentável, assente na conciliação entre o respeito e valorização do meio ambiente e o desenvolvimento económico e social. A construção do exercício prospectivo para o Município de Loures 2 teve como alicerce a tendência de evolução registada no período entre 1991 e 2001, ou seja, uma variação populacional positiva decorrente não tanto dos fluxos migratórios mas principalmente do saldo fisiológico também ele positivo. 1 No Diagnóstico Social Concelhio anterior, o Recenseamento Geral da População e da Habitação (INE/2001) foi uma das fontes de dados, pelo que procurar-se-á, sempre que possível, efectuar a actualização dos seus dados. 2 Estas questões têm sido analisadas na Direcção de Projecto do Plano Director Municipal (DPPDM). A este propósito ver Elisa Santos, Perspectivas Demográficas para o Município de Loures ( ), Instituto Superior de Estatística e Gestão de Informação (ISEGI), Universidade Nova de Lisboa, Junho de Trata-se de um estudo realizado no âmbito da Revisão do PDM de Loures, que teve como principal objectivo a construção de cenários de evolução demográfica para o Município de Loures, no período temporal de

2 A projecção demográfica para o Concelho de Loures, baseada no método das componentes por coortes, teve em conta as componentes da dinâmica populacional mortalidade, fecundidade e migrações, permitindo uma análise prospectiva de cada uma delas através da construção de cenários: cenário de tendência natural pesada; cenário de repulsão; cenário de atracção. Dado que a Proposta Plano da revisão do Plano Director Municipal de Loures se encontra em fase final, e atendendo a que a mesma terá de ser alvo de análise e parecer favorável por parte da CCDRLVT, considera-se que não é oportuno avançar com os dados finais resultantes das projecções elaboradas. Qualquer que seja o quadro demográfico futuro do Município, importa estabelecer objectivos estratégicos de modo a fixar populações, aumentar a sua qualidade de vida e promover a coesão social. Sublinhe-se que, enquanto a nível nacional, as tendências futuras dependerão da sustentação dos fluxos migratórios, na medida em que poderão influenciar a fecundidade e, consequentemente, o crescimento natural, a nível municipal, dependerão essencialmente da estratégia de desenvolvimento socio-económico e territorial adoptada. A sustentabilidade do desenvolvimento de um dado território está, cada vez mais, indissociável da sustentabilidade demográfica, pelo que no equacionamento das estratégias de desenvolvimento, e no caso particular, de desenvolvimento social, o estudo sobre a evolução da população (dinâmica populacional) e a construção de cenários prospectivos populacionais revelam-se de maior importância e acuidade. De um modo geral, pode referir-se que o Município de Loures, integrado na Área Metropolitana de Lisboa, exibe algumas tendências gerais que são comuns à demografia portuguesa. Sabese que a evolução da população residente em Portugal acabou por ser fortemente influenciada pela componente migratória, o que também se fez sentir na Área Metropolitana de Lisboa e no interior do próprio Município de Loures. Em oposição à evolução das taxas de crescimento migratório, as taxas de natalidade sofreram um decréscimo nas últimas décadas e as taxas de mortalidade têm registado valores inferiores aos das taxas de natalidade, o que significa um aumento da longevidade da população portuguesa. Este comportamento demográfico acaba por induzir consequências na alteração da estrutura etária da população: menor proporção de jovens e aumento da percentagem de população idosa (65 e mais anos), o que se reflecte no envelhecimento populacional. Tal tendência não passou de forma despercebida pelo Município, pois se, em 2001, o índice de envelhecimento 2

3 era de 77,4 em 2009 já atinge os 101,60 3, muito embora seja menor em comparação ao que se verifica em Portugal (117,6). Dados de Caracterização Geral Período: 1991 e 2001 Âmbito Geográfico: Freguesias Quadro nº. - População no Concelho e Freguesias em 1991 e 2001 FREGUESIAS População Total Variação Pop % Apelação ,7 Bobadela ,2 Bucelas ,4 Camarate ,5 Fanhões ,3 Frielas ,6 Loures ,4 Lousa ,0 Moscavide ,0 Portela ,5 Prior Velho ,6 Sacavém ,8 Santa Iria da Azóia ,3 Santo Antão do Tojal ,0 Santo António dos ,4 Cavaleiros São João da Talha ,9 São Julião do Tojal ,8 Unhos ,3 CONCELHO DE LOURES ,6 Fonte: I.N.E., Censos 1991, 2001 Variação populacional ocorrida entre 1991 e 2001 foi positiva (3,6%), o que corresponde ao acréscimo de habitantes; 3 Índice de Envelhecimento = (Pop. 65 e+ anos)/pop.0-14 anos)*100. Valor calculado de acordo com as Estimativas Anuais da População Residente em 2009 (INE). 3

4 Freguesias de Apelação, Frielas e Prior Velho foram as que apresentaram o maior crescimento populacional (variação de 76,7%, 67,6% e 52,6%, respectivamente); Freguesias que manifestaram maiores decréscimos populacionais foram Santo António dos Cavaleiros, Moscavide e Camarate (variação de -16,4%, -16% e -9,5%). As 18 freguesias que compõem o Concelho de Loures apresentam, em termos de densidade populacional, características bem diferenciadas 4, conforme se pode observar na seguinte Figura Nº1 - Densidade Populacional por Freguesia em Freguesias situadas mais a norte do Concelho encontra-se uma população residente, dispersa pelo vasto território e caracterizada por uma muito baixa densidade; Das freguesias da zona oriental emerge um importante contínuo urbano de elevado número de alojamentos que polarizam uma parte significativa da população residente no Concelho; Não estando situada na parte oriental do Concelho, mas com uma densidade populacional alta encontra-se a freguesia de Santo António dos Cavaleiros, e a mais elevada concentra-se nas freguesias de Moscavide e Portela. Figura Nº1 - Densidade Populacional por Freguesia em Revisão do Plano Director Municipal de Loures, Relatório de Enquadramento e Avaliação Adenda ao Capítulo II População, CMLoures, Direcção de Projecto do Plano Director Municipal (DPPDM), Densidade Populacional (Hab./Km 2 )

5 Estimativas Anuais da População Residente No sentido de actualizar os dados anteriores, recorreu-se às Estimativas Anuais da População Residente, elaboradas pelo INE, no período temporal de Período: Estimativas Anuais da População Residente, 2001,2003,2005,2007 e 2009 Grupo Etário (ciclos de vida) Quadro nº. - Estimativas Anuais da População Residente, por Sexo e Grupo Etário HM H M HM H M HM H M e Total Grupo Etário (ciclos de vida) HM H M HM H M e Total Fonte: I.N.E., Estimativas Anuais da População Residente Até 2003, estima-se um ligeiro crescimento da população residente no Concelho (mais 654 habitantes em comparação à população recenseada em 2001); A partir de 2004, tendência para o decréscimo populacional: diferencial de residentes ( ); Superioridade das mulheres em relação aos homens; A maioria da população é adulta e em idade activa; Tendência para o envelhecimento da população: o escalão etário dos 0-14 anos tende a reduzir-se ao passo que a população idosa (65 e mais anos) aumenta (mais indivíduos em comparação com os recenseados pelos censos de 2001). 5 De acordo com os Censos de 2001 (à data de Março), o total de população residente era o seguinte: , dos quais dos 0-14 anos; dos anos; dos anos; dos 65 e mais anos. 5

6 Nascimentos e óbitos Importa ainda analisar algumas características dos designados movimentos da população, nomeadamente a natalidade e mortalidade. As sociedades dos últimos tempos têm registado níveis médios de natalidade mais reduzidos, para os quais contribuíram factores como os casamentos tardios, a crescente profissionalização das mulheres, o próprio aumento do custo de vida. Concomitantemente, a melhoria das condições de vida das populações, nomeadamente das condições médicosanitárias, têm conduzido a um aumento da esperança média de vida, pelo que morrem hoje menos crianças e os idosos chegam ao fim da vida com idades cada vez mais avançadas. Período: 2001 a 2009 Quadro nº. - Nascimentos e Óbitos (HM) entre Ano Nº Nados - Vivos Nº Óbitos Nº óbitos < 1 ano Fonte: I.N.E., Censos 2001; Estatísticas Demográficas Os quantitativos de nascimentos são sempre superiores aos óbitos; De 2001 a 2009, o número de nados-vivos, por ano, tem assumido alguma estabilidade, não se registando grandes oscilações, mantendo-se um quantitativo que ultrapassa sempre os nascimentos anuais; Número de óbitos de crianças com menos de 1 ano situa-se entre os 15 e os 8 casos. Atendendo à idade da mãe, é possível assinalar, em 2009, 3 nascimentos cujas mães possuíam idade compreendida entre os anos. Em 2001, registaram-se 5 nascimentos. Todos estes nascimentos ocorreram fora da situação de casamento. A faixa etária considerada fértil é dos anos, sendo precisamente nestas idades que ocorrem a quase totalidade de nascimentos. Não se contabilizaram nascimentos de mães com 50 e mais anos. Todavia, o INE aponta alguns casos de nascimentos em que a 6

7 idade das mães é ignorada, como por exemplo 21 casos em Taxas Brutas de Natalidade e Mortalidade Período: 2001, 2005 e 2009 Quadro nº. - Taxas Brutas de Natalidade e Mortalidade, concelho de Loures ( ) Taxa Bruta Natalidade ( ) Taxa Bruta Mortalidade ( ) ,70 7,60 Evolução da taxa de natalidade a decrescer, mas com valores ligeiramente superiores aos apresentados a nível nacional (11,0 ), em 2001; Tendência nacional caminha para um decréscimo mais acentuado 9,40, em 2009, ao passo que Loures consegue manter uma TBN nos 11 ); Em 2001, registaram-se, em média, 7,60 óbitos por cada mil habitantes, estando abaixo da média nacional (10,2 ); Do cruzamento da evolução destas variáveis demográficas, verifica-se que as taxas de natalidade são sempre superiores às taxas de mortalidade, resultando numa taxa de crescimento natural positiva. Ao nível da Taxa de Mortalidade Infantil (TMI) 6 é possível avançar com os seguintes dados para o Município de Loures: Ano de ,9 (aproxima-se dos 6 óbitos inferiores a 1 ano por cada 1000 nascimentos); Ano de ,4 (aproxima-se dos 6 óbitos inferiores a 1 ano por cada 1000 nascimentos); Ano ,8 (aproxima-se dos 4 óbitos inferiores a 1 ano por cada 1000 nascimentos); Ano ,8 (aproxima-se dos 5 óbitos inferiores a 1 ano por cada 1000 nascimentos). Ainda que com algumas oscilações, a tendência vai no sentido da contínua redução da TMI, à semelhança do que se regista no território nacional. A redução deste tipo de taxa é um dos factores que mais tem contribuído para o aumento da esperança média de vida à nascença (E0) 7. Trata-se de um indicador que tende a espelhar a melhoria das condições de vida (cuidados de saúde e bem-estar social) da população residente numa dada região. 6 Taxa Mortalidade Infantil = (óbitos<1médios/nascimentos)* Número médio de anos que uma pessoa à nascença pode esperar viver, mantendo-se as taxas de mortalidade por idades observadas no momento. Em 2001, a E0 era de 70,8 anos para os homens e 78,2 anos para as mulheres. 7

8 Taxa de Fecundidade Período: 2001, 2005 e 2009 Quadro nº Taxa de Fecundidade Geral ( ) Taxa de Fecundidade Geral ( ) , , ,60 Fonte: I.N.E. Indicadores Demográficos Se a Taxa de Fecundidade Geral 8 é obtida a partir da divisão dos nascimentos pela população feminina em período fértil num dado período, ao multiplicar a TFG pela população feminina em idade fértil obtêm-se os nascimentos para um determinado ano 9. O número de nascimentos é determinado aplicando a taxa de fecundidade ao efectivo médio da população feminina dos anos. A desagregação por sexo do total de nascimentos é feita considerando a relação de masculinidade à nascença: 0,488 mulheres e 0,512 homens, ou seja, por cada 1000 nascimentos, 488 são mulheres e 512 são homens. Taxas Brutas de Nupcialidade e Divórcio Período: 2001, 2005 e 2009 Quadro nº. - Taxas Brutas de Nupcialidade e Divórcio ( ) Taxa Bruta Nupcialidade ( ) Taxa Bruta de Divórco ( ) ,10 2, ,20 2, ,30 3,0 Fonte: I.N.E. Indicadores Demográficos 8 Taxa Fecundidade Geral = Nascimentos Médios/Pop. Fem. (15-49 anos)* Nascimentos = TFG*Pop. Fem. (15-49 anos)/1000 8

9 Diminuição do número de casamentos (em média 3,30 por 1000 habitantes, em 2009); Aumento do número de divórcios (em média 3 por 1000 habitantes, em 2008). Como alguns autores referem, o facto de se dispor, ao longo do tempo, de diversas informações acerca do volume de uma população, a primeira análise que normalmente se executa é a do cálculo do ritmo de crescimento. Esse ritmo deve proporcionar um resultado anual médio em ordem a se poder comparar períodos de diferente amplitude 10. O crescimento total de uma população é a consequência directa do movimento natural e migratório, ou seja, da evolução da natalidade, mortalidade e dos movimentos migratórios. Taxas de Crescimento Efectivo, Natural e Migratório Período: 2001, 2005 e 2009 Quadro nº. - Taxas de Crescimento Efectivo, Natural e Migratório (%) Taxa Crescimento Efectivo Taxa Crescimento Natural Taxa Crescimento Migratório ,44 0,40 0, ,22 0,38-0, ,72 0,28-1,0 Fonte: I.N.E., Indicadores Demográficos Diminuição da taxa de crescimento efectivo (saldo total) do Município de Loures: de 2001 a 2009 estima-se a perda de indivíduos. Na década anterior ( ) registou-se, por cada ano e cada 100 pessoas, um crescimento de 0,35%, traduzido em pessoas; Diminuição da taxa de crescimento natural em 12%. O Saldo Natural ou Fisiológico é a diferença entre o número de nados-vivos e de óbitos, num dado período de tempo. No período inter-censitário de essa diferença situava-se nos habitantes. De 2001 a 2009, essa desigualdade situa-se nos indivíduos; A taxa de crescimento migratório é igual à diferença entre a taxa de crescimento total e a taxa de crescimento natural. De acordo com os Indicadores Demográficos (INE), Loures manifesta uma tendência para a redução da taxa de crescimento migratório, o que revela que se está perante um território que não está a atrair população. No decénio anterior ( ) o saldo migratório foi negativo, muito embora apenas de -959 migrantes, ao passo que no período entre 2001 e 2009 este saldo já se situa em migrantes. 10 A este propósito ver J. Manuel Nazareth, Princípios e Métodos de Análise Demográfica, Lisboa, Editorial Presença, 1988, p

10 Índices Resumo 2001 / 2005 / 2009 Período: 2001, 2005 e 2009 Quadro nº. - Alguns Índices Resumo 2001/2005/2009 Índice Envelhecimento 77,42 90,40 101,60 Dependência dos Jovens 27,70 22,40 22,90* Dependência dos Idosos 21,44 20,20 23,60 Dependência Total 49,14 42,60 46,90 Longevidade 57,22 36,80 38,50 Fonte: I.N.E., Censos 2001; Estimativas Anuais da População Residente * Ano de 2008 Progressivo envelhecimento 11 populacional: em 2009, por cada 100 jovens existiam 101 idosos 12. Em 2001 este índice era muito mais baixo (77 idosos por cada 100 jovens); Os Índices de Dependência 13 mostram que, em 2009, por cada 100 indivíduos potencialmente activos 22 são jovens e 23 idosos; O Índice de Dependência Total que representa o somatório das anteriores (RDJ e RDI) era, em 2009, de 46,90; Relacionado com a esperança média de vida encontra-se o Índice de Longevidade 14, o qual confirma a tendência para o envelhecimento demográfico. Este indicador de medida do envelhecimento compara o peso dos idosos mais jovens com o peso dos idosos menos jovens; A percentagem de jovens 15 é, em 2009, inferior à percentagem de idosos 16 (15,84 para 16,09). Caracterização das Estruturas Familiares 11 Índice de envelhecimento (Pop. 65 e + anos/0 14)* De acordo com as Estimativas Anuais da População Residente (INE) o Índice de Envelhecimento em Portugal é de 117,6. 13 Índice de dependência de jovens = (População 0-14 anos/pop anos)*100; Índice de dependência de idosos = (População 65 e + anos/pop anos)* Índice de longevidade (População com 75 e + anos/população com 65 e + anos)* População com 0-14/população total* População com 65 e + anos/população total*100 10

11 É do conhecimento geral, que a família tem estado associada a factores e mudanças culturais e sociais, com reflexos evidentes nas suas estruturas e dimensão, dando origem a processos de recomposição familiar. Algumas tendências actuais podem ser identificadas: mutações nos papéis femininos e masculinos, novos valores familiares, taxas mais elevadas de divórcio e de recasamento, subida dos valores da coabitação, descida da fecundidade e aumento da esperança de vida, maior autonomia dos indivíduos e dos casais em relação aos laços de parentesco 17. O importante é perceber se estas transformações estão a alterar a estrutura da família: reduzindo a sua dimensão e complexidade, estimulando novas formas de viver em casal, fazendo crescer formas de família anteriormente menos frequentes (famílias monoparentais, famílias recompostas) ou, ainda, aumentando o número de indivíduos que, ao longo do percurso de vida, vivem sozinhos 18. Indicadores Resumo 2001 / 2005 / 2009 Período: 2001 Quadro nº. - Alguns Indicadores Resumo 2001 Estruturas Familiares Nº Famílias clássicas 19 estrutura etária Famílias clássicas Famílias clássicas cujos elementos têm menos de 20 anos 233 Famílias clássicas cujos elementos têm entre anos Famílias clássicas cujos elementos têm entre anos Famílias clássicas cujos elementos têm entre anos Famílias clássicas cujos elementos têm 75 e mais anos Famílias clássicas dimensão Famílias clássicas com 1 pessoa Famílias clássicas com 2,3 e 4 pessoas Famílias clássicas com 5,6 e7 pessoas Famílias clássicas com mais de 8 pessoas 333 Famílias Institucionais Famílias clássicas tipos de Família (com base nos núcleos familiares) Família com uma só pessoa Família só com pessoas aparentadas 924 Outros tipos de família sem núcleos 608 Casal de direito sem filhos Casal de direito com filhos Casal de facto sem filhos Karin Wall, Famílias no Censo 2001, Estruturas domésticas em Portugal, Sociologia Problemas e Práticas, Set. 2003, Nº43, p Ibdem 11

12 Fonte: Pais com filhos Mães com filhos Avós com netos 513 Famílias com dois núcleos Famílias com três núcleos 67 Núcleos Familiares 21 Núcleos Familiares Proporção de núcleos familiares monoparentais 22 (%) 12,97 Pais com filhos Mães com filhos I.N.E., Censos 2001 A presente tabela resume alguns traços das estruturas familiares no Município de Loures, à data do Recenseamento Geral da População e da Habitação (2001): 43,1% de famílias clássicas, cujos elementos têm sobretudo entre anos 6,4% de famílias clássicas, cujos elementos têm 75 e mais anos 76,3% de famílias clássicas com 2,3 e 4 pessoas; 7,7% de famílias com 5 e mais pessoas; 16% de famílias clássicas com 1 pessoa; 44,4% de famílias constituídas por casal de direito com filhos; 21% de famílias constituídas por casal de direito sem filhos; 9,5% de famílias monoparentais, com maior relevo de mães com filhos; 0,7% de famílias constituídas por avós com netos. SÍNTESE CONCLUSIVA: Estrutura e Dinâmica da População e das Famílias: A variação populacional ocorrida entre 1991 e 2001 foi positiva (3,6% - correspondendo a um acréscimo de habitantes), as freguesias da Apelação (76,7%), Frielas (67,6%) e Prior Velho (52,6%) foram as que apresentaram o maior crescimento populacional e Santo António 19 Conjunto de pessoas que residem no mesmo alojamento e que têm relações de parentesco (de direito ou de facto) entre si, podendo ocupar a totalidade ou parte do alojamento. Considera-se também como família clássica qualquer pessoa independente que ocupe uma parte ou a totalidade de uma unidade de alojamento (INE). 20 Conjunto de pessoas residentes num alojamento colectivo que, independentemente da relação de parentesco entre si, observam uma disciplina comum, são beneficiários dos objectivos de uma instituição e são governados por uma entidade interior ou exterior ao grupo (INE). 21 Conjunto de duas ou mais pessoas pertencentes à mesma família clássica mantendo uma relação de cônjuges, parceiros numa união de facto ou progenitor e descendentes e que pode traduzir-se em casal sem filhos, casal com um ou mais filhos ou pai ou mãe com um ou mais filhos (INE). 22 Núcleo familiar que integra apenas um dos progenitores, pai ou mãe, com filhos (INE). 12

13 dos Cavaleiros (-16,4%), Moscavide (-16,4%) e Camarate (-9,5%), foram as freguesias que apresentaram maiores decréscimos populacionais. As 18 freguesias que compõem o Concelho de Loures apresentam, em termos de densidade populacional, características bem diferenciadas: As freguesias situadas mais a norte do Concelho encontra-se uma população residente, dispersa pelo vasto território e caracterizada por uma muito baixa densidade, enquanto que as da zona oriental emerge um importante contínuo urbano de elevado número de alojamentos que polarizam uma parte significativa da população residente no Concelho. Não estando situada na parte oriental do Concelho, mas com uma densidade populacional alta encontra-se a freguesia de Santo António dos Cavaleiros, e a mais elevada concentra-se nas freguesias de Moscavide e Portela. Relativamente ao crescimento da população residente no Concelho, até 2003 estimou-se um ligeiro crescimento e a partir de 2004 a tendência é para o decréscimo com um diferencial de residentes ( ), existindo uma superioridade das mulheres em relação aos homens e a maioria da população é adulta e em idade activa. Verifica-se uma tendência para o envelhecimento da população: o escalão etário dos 0-14 anos tende a reduzir-se ao passo que a população idosa (65 e mais anos) aumenta (mais indivíduos em comparação com os recenseados pelos censos de 2001). O número de nascimentos é sempre superior aos óbitos, sendo que o número de óbitos de crianças com menos de 1 ano situa-se entre os 15 e os 8 casos. De 2001 a 2009, o número de nados-vivos, por ano, tem assumido alguma estabilidade, não se registando grandes oscilações, mantendo-se um quantitativo que ultrapassa sempre os nascimentos anuais. A evolução da taxa de natalidade a decrescer, mas com valores ligeiramente superiores aos apresentados a nível nacional (11%), em 2001, a tendência nacional caminha para um decréscimo mais acentuado de 9,40 em 2009, ao passo que Loures consegue manter-se nos 11. Em 2001, registaram-se em média, 7,60 óbitos por cada mil habitantes, estando abaixo da média nacional que é de 10,2. Conclui-se que, do cruzamento da evolução destas variáveis demográficas, verifica-se que as taxas de natalidade são sempre superiores às taxas de mortalidade, resultando numa taxa de crescimento natural positiva. Ao nível da Taxa de Mortalidade Infantil (TMI) 23 é possível avançar com os seguintes dados para o Município de Loures: 23 Taxa Mortalidade Infantil = (óbitos<1médios/nascimentos)*

14 Ano de ,9 (aproxima-se dos 6 óbitos inferiores a 1 ano por cada 1000 nascimentos); Ano de ,4 (aproxima-se dos 6 óbitos inferiores a 1 ano por cada 1000 nascimentos); Ano ,8 (aproxima-se dos 4 óbitos inferiores a 1 ano por cada 1000 nascimentos); Ano ,8 (aproxima-se dos 5 óbitos inferiores a 1 ano por cada 1000 nascimentos). Ainda que com algumas oscilações, a tendência vai no sentido da contínua redução da TMI, à semelhança do que se regista no território nacional. A redução deste tipo de taxa é um dos factores que mais tem contribuído para o aumento da esperança média de vida à nascença (E0) 24. Trata-se de um indicador que tende a espelhar a melhoria das condições de vida (cuidados de saúde e bem-estar social) da população residente numa dada região. Por cada 1000 nascimentos, 488 são mulheres e 512 são homens. Diminuição do número de casamentos (em média 3,30 por 1000 habitantes, em 2009); Aumento do número de divórcios (em média 3 por 1000 habitantes, em 2008). O crescimento total de uma população é a consequência directa do movimento natural e migratório, ou seja, da evolução da natalidade, mortalidade e dos movimentos migratórios. Assim, temos uma diminuição da taxa de crescimento efectivo (saldo total) do Município de Loures: de 2001 a 2009 estima-se a perda de indivíduos. Na década anterior ( ) registou-se, por cada ano e cada 100 pessoas, um crescimento de 0,35%, traduzido em pessoas e uma diminuição da taxa de crescimento natural em 12%. O Saldo Natural ou Fisiológico é a diferença entre o número de nados-vivos e de óbitos, num dado período de tempo. No período inter-censitário de essa diferença situava-se nos habitantes. De 2001 a 2009, essa desigualdade situa-se nos indivíduos; De acordo com os Indicadores Demográficos (INE), Loures manifesta uma tendência para a redução da taxa de crescimento migratório, o que revela que se está perante um território que não está a atrair população. No decénio anterior ( ) o saldo migratório foi negativo, muito embora apenas de -959 migrantes, ao passo que no período entre 2001 e 2009 este saldo já se situa em migrantes. 24 Número médio de anos que uma pessoa à nascença pode esperar viver, mantendo-se as taxas de mortalidade por idades observadas no momento. Em 2001, a E0 era de 70,8 anos para os homens e 78,2 anos para as mulheres. 14

15 Progressivo envelhecimento 25 populacional: em 2009, por cada 100 jovens existiam 101 idosos 26. Em 2001 este índice era muito mais baixo (77 idosos por cada 100 jovens); Os Índices de Dependência 27 mostram que, em 2009, por cada 100 indivíduos potencialmente activos 22 são jovens e 23 idosos; Relacionado com a esperança média de vida encontra-se o Índice de Longevidade 28, o qual confirma a tendência para o envelhecimento demográfico. Este indicador de medida do envelhecimento compara o peso dos idosos mais jovens com o peso dos idosos menos jovens; A percentagem de jovens 29 é, em 2009, inferior à percentagem de idosos 30 (15,84 para 16,09). 43,1% de famílias clássicas, cujos elementos têm sobretudo entre anos; 6,4% de famílias clássicas, cujos elementos têm 75 e mais anos; 76,3% de famílias clássicas com 2,3 e 4 pessoas; 7,7% de famílias com 5 e mais pessoas; 16% de famílias clássicas com 1 pessoa; 44,4% de famílias constituídas por casal de direito com filhos; 21% de famílias constituídas por casal de direito sem filhos; 9,5% de famílias monoparentais, com maior relevo de mães com filhos; 0,7% de famílias constituídas por avós com netos. 25 Índice de envelhecimento (Pop. 65 e + anos/0 14)* De acordo com as Estimativas Anuais da População Residente (INE) o Índice de Envelhecimento em Portugal é de 117,6. 27 Índice de dependência de jovens = (População 0-14 anos/pop anos)*100; Índice de dependência de idosos = (População 65 e + anos/pop anos)* Índice de longevidade (População com 75 e + anos/população com 65 e + anos)* População com 0-14/população total* População com 65 e + anos/população total*100 15

INDIVÍDUOS. Freguesia

INDIVÍDUOS. Freguesia INDIVÍDUOS Total de Indivíduos Residentes, INE: Censos de 2011, CAOP 2013 Indivíduos Residentes Homens Mulheres Bucelas 4663 2243 2420 Fanhões 2801 1403 1398 Loures 26769 12787 13982 Lousa 3169 1511 1658

Leia mais

Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo

Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo De acordo com os indicadores demográficos disponíveis relativos a 2007, a população residente em Portugal

Leia mais

ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2001-2008 DISTRITO DE VIANA DO CASTELO E SEUS CONCELHOS. F e v e r e i r o d e 2 0 1 0

ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2001-2008 DISTRITO DE VIANA DO CASTELO E SEUS CONCELHOS. F e v e r e i r o d e 2 0 1 0 ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2001-2008 DISTRITO DE VIANA DO CASTELO E SEUS CONCELHOS U n i d a d e d e S a ú d e P ú b l i c a d o A l t o M i n h o F e v e r e i r o d e 2 0 1 0 U n i d a d e d e S a ú d

Leia mais

PELA PRIMEIRA VEZ, DESDE QUE HÁ REGISTOS, HOUVE MENOS DE 90 MIL NADOS VIVOS

PELA PRIMEIRA VEZ, DESDE QUE HÁ REGISTOS, HOUVE MENOS DE 90 MIL NADOS VIVOS PELA PRIMEIRA VEZ, DESDE QUE HÁ REGISTOS, HOUVE MENOS DE 90 MIL NADOS VIVOS Pela primeira vez, desde que há registos, observaram-se menos de 90 mil nados vivos em Portugal. De facto, o número de nados

Leia mais

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Apresentação Plenário Comissão Social de Freguesia www.observatorio-lisboa.eapn.pt observatoriopobreza@eapn.pt Agenda I. Objectivos OLCPL e Principais Actividades/Produtos

Leia mais

Estatísticas Vitais 2014

Estatísticas Vitais 2014 Estatísticas Vitais 214 3 de abril de 215 Manteve-se o saldo natural negativo e a diminuição do número de casamentos Em 214 registaram-se 82 367 nascimentos com vida de crianças cujas mães eram residentes

Leia mais

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 37 38 3.1. Introdução Para a interpretação dos dados de saúde, quer de morbilidade quer de mortalidade, e nomeadamente para, com base nesses dados, se fazer o planeamento

Leia mais

População residente em Portugal com tendência para diminuição e envelhecimento

População residente em Portugal com tendência para diminuição e envelhecimento Dia Mundial da População 11 julho de 214 1 de julho de 214 População residente em Portugal com tendência para diminuição e envelhecimento Para assinalar o Dia Mundial da População (11 de julho), o Instituto

Leia mais

Retrato da. Cidade de Lisboa. Observatório de Luta Contra a Pobreza na. Cidade de Lisboa

Retrato da. Cidade de Lisboa. Observatório de Luta Contra a Pobreza na. Cidade de Lisboa Retrato da Cidade de Lisboa Observatório de Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Pontos abordados na apresentação Análise de indicadores quantitativos - Peso do escalão etário dos 65+ - Índice de

Leia mais

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE RIBEIRA BRAVA E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map.

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE RIBEIRA BRAVA E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map. 8. Ribeira Brava MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE RIBEIRA BRAVA E RESPECTIVAS FREGUESIAS Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map.html (adaptado) A vila de Ribeira Brava, situada no

Leia mais

Envelhecimento da população residente em Portugal e na União Europeia

Envelhecimento da população residente em Portugal e na União Europeia Dia Mundial da População 11 julho de 15 1 de julho de 15 Envelhecimento da população residente em e na União Europeia Para assinalar o Dia Mundial da População (11 de julho), o Instituto Nacional de Estatística

Leia mais

Síntese dos conteúdos mais relevantes

Síntese dos conteúdos mais relevantes Síntese dos conteúdos mais relevantes Nos últimos Censos de 2001, o Concelho da Lourinhã contabilizou 23 265 habitantes, reflectindo uma evolução de + 7,7% face a 1991. Em termos demográficos, no Concelho

Leia mais

3. ENVELHECIMENTO DEMOGRÁFICO

3. ENVELHECIMENTO DEMOGRÁFICO 3. ENVELHECIMENTO DEMOGRÁFICO Se o envelhecimento biológico é irreversível nos seres humanos, também o envelhecimento demográfico o é, num mundo em que a esperança de vida continua a aumentar e a taxa

Leia mais

AMADORA XXI POPULAÇÃO 2011

AMADORA XXI POPULAÇÃO 2011 AMADORA XXI POPULAÇÃO 2011 Nota Introdutória Amadora XXI O Município da Amadora disponibiliza informação censitária de 2011 dirigida aos residentes, estudantes, empresários e interessados em conhecer a

Leia mais

METADE DA POPULAÇÃO RESIDENTE EM CIDADES CONCENTRADA EM APENAS 14 DAS 141 CIDADES

METADE DA POPULAÇÃO RESIDENTE EM CIDADES CONCENTRADA EM APENAS 14 DAS 141 CIDADES Atlas das Cidades de Portugal Volume II 2004 01 de Abril de 2005 METADE DA POPULAÇÃO RESIDENTE EM CIDADES CONCENTRADA EM APENAS 14 DAS 141 CIDADES Apesar das disparidades ao nível da dimensão populacional

Leia mais

Somos 10 555 853 residentes, Constituímos 4 079 577 famílias e. Dispomos de 5 879 845 alojamentos em 3 550 823 edifícios

Somos 10 555 853 residentes, Constituímos 4 079 577 famílias e. Dispomos de 5 879 845 alojamentos em 3 550 823 edifícios Censos 2011 Resultados Preliminares 30 de Junho de 2011 Somos 10 555 853 residentes, Constituímos 4 079 577 famílias e Dispomos de 5 879 845 alojamentos em 3 550 823 edifícios Cem dias após o momento censitário

Leia mais

Evolução da população

Evolução da população Site da CMLoures Link Município Estatísticas Censos de 2011 Resultados Provisórios I Censos de 2001 I Mapa Interativo Censos de 2011 Resultados Provisórios Demografia I Construção I Habitação Demografia

Leia mais

Informação diagnóstico

Informação diagnóstico Informação diagnóstico O declínio demográfico da cidade de Lisboa e a periferização da área metropolitana Evolução Comparada das Populações de Portugal, da Área Metropolitana de Lisboa e do Concelho de

Leia mais

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE CÂMARA DE LOBOS E RESPECTIVAS FREGUESIAS

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE CÂMARA DE LOBOS E RESPECTIVAS FREGUESIAS 2. CÂMARA DE LOBOS MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE CÂMARA DE LOBOS E RESPECTIVAS FREGUESIAS Fonte: www.geocities.com/heartland/plains/9462/map.html (adaptado) Localizada na vertente sul da

Leia mais

Notas sobre a população a propósito da evolução recente do número de nascimentos

Notas sobre a população a propósito da evolução recente do número de nascimentos Maria João Valente Rosa* Análise Social, vol. xxxiii (145), 1998 (1. ), 183-188 Notas sobre a população a propósito da evolução recente do número de nascimentos O número de nascimentos em Portugal tem

Leia mais

Desigualdade Económica em Portugal

Desigualdade Económica em Portugal Observatório Pedagógico Desigualdade Económica em Portugal Carlos Farinha Rodrigues ISEG / Universidade Técnica de Lisboa Um estudo da Fundação Francisco Manuel dos Santos 18 de Outubro de 2012 2 Objectivos:

Leia mais

Famílias nos Censos 2011

Famílias nos Censos 2011 Famílias nos Censos 2011 Diversidade e Mudança Anabela Delgado Karin Wall (coordenadoras) Edição conjunta do Instituto Nacional de Estatística e da Imprensa de Ciências Sociais Instituto Nacional de Estatística,

Leia mais

Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus

Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus Dia Mundial da diabetes 14 de novembro 1983-2013 EMBARGO ATTÉ 13 DE NOVEMBRO DE 2014,, ÀS 11 HORAS Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus Em 2013, as doenças endócrinas,

Leia mais

Como evoluíram as famílias em Portugal?

Como evoluíram as famílias em Portugal? 20 de novembro de 2013 Famílias nos Censos 2011: Diversidade e Mudança Como evoluíram as famílias em Portugal? Em Portugal a dimensão média das famílias reduziu-se significativamente em 50 anos, passando

Leia mais

Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década

Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década 1 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO PROFESSOR BAHIA TEXTO DE CULTURA GERAL FONTE: UOL COTIDIANO 24/09/2008 Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década Fabiana Uchinaka Do UOL Notícias

Leia mais

REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE ARGANIL ESTUDOS DE CARACTERIZAÇÃO CAPÍTULO III DEMOGRAFIA VOLUME 4

REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE ARGANIL ESTUDOS DE CARACTERIZAÇÃO CAPÍTULO III DEMOGRAFIA VOLUME 4 REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE ARGANIL VOLUME 4 CAPÍTULO III DEMOGRAFIA ABRIL 2013 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. EVOLUÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DA POPULAÇÃO NA SUB-REGIÃO PINHAL INTERIOR NORTE 4 3. EVOLUÇÃO

Leia mais

Diagnóstico Social do Concelho de Espinho Capítulo I - Território e População

Diagnóstico Social do Concelho de Espinho Capítulo I - Território e População 2013 Diagnóstico Social do Concelho de Espinho Capítulo I - Território e População Rede Social de Espinho ÍNDICE ENQUADRAMENTO...3 População Residente...3 População Estrangeira... 10 Estrutura Etária...

Leia mais

Elaborado por: Pedro Moreno Brito Sob a orientação do Professor Doutor J. Manuel Nazareth

Elaborado por: Pedro Moreno Brito Sob a orientação do Professor Doutor J. Manuel Nazareth 1 Análise da Situação Demográfica de Cabo Verde 90-2000 Dissertação de Mestrado em Estatística e Gestão de Informação ISEGI/UNL Elaborado por: Pedro Moreno Brito Sob a orientação do Professor Doutor J.

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

Caracterização Demográfica, Socioeconómica e de Saúde da População Idosa Portuguesa

Caracterização Demográfica, Socioeconómica e de Saúde da População Idosa Portuguesa Caracterização Demográfica, Socioeconómica e de Saúde da População Idosa Portuguesa Tânia Costa, Ana Rego, António Festa, Ana Taborda e Cristina Campos Caracterização Demográfica, Socioeconómica e de Saúde

Leia mais

As mulheres constituem a maioria da população residente em Portugal e vivem até mais tarde do que os homens; adiam a maternidade, têm menos filhos

As mulheres constituem a maioria da população residente em Portugal e vivem até mais tarde do que os homens; adiam a maternidade, têm menos filhos As mulheres constituem a maioria da população residente em Portugal e vivem até mais tarde do que os homens; adiam a maternidade, têm menos filhos Por ocasião do dia em que se comemorou o 32º aniversário

Leia mais

1960-2040 MUNICÍPIO DE OEIRAS. Diagnóstico Demográfico e Projeção da População. Teresa Pimentel

1960-2040 MUNICÍPIO DE OEIRAS. Diagnóstico Demográfico e Projeção da População. Teresa Pimentel 1 MUNICÍPIO DE OEIRAS Diagnóstico Demográfico e Projeção da População 1960-2040 Teresa Pimentel 2 3 INTRODUÇÃO 3 METODOLOGIA 6 SUMÁRIO EXECUTIVO 7 A POPULAÇÃO DO MUNICÍPIO 9 A POPULAÇÃO NAS FREGUESIAS

Leia mais

V - ESTRUTURA SÓCIO-DEMOGRÁFICA

V - ESTRUTURA SÓCIO-DEMOGRÁFICA JANEIRO DE 2009 V - ESTRUTURA SÓCIO-DEMOGRÁFICA ÍNDICE ÍNDICE DE QUADROS 2 ÍNDICE DE FIGURAS 2 V ESTRUTURA SÓCIO-DEMOGRÁFICA 1. ENQUADRAMENTO 4 2. REALIDADE SÓCIO-DEMOGRÁFICA 5 3. TENDÊNCIAS DEMOGRÁFICAS

Leia mais

1960-2040 MUNICÍPIO DE OEIRAS. Diagnóstico Demográfico e Projeção da População. Teresa Pimentel

1960-2040 MUNICÍPIO DE OEIRAS. Diagnóstico Demográfico e Projeção da População. Teresa Pimentel 1 MUNICÍPIO DE OEIRAS Diagnóstico Demográfico e Projeção da População 1960-2040 Teresa Pimentel 2 3 INTRODUÇÃO 3 METODOLOGIA 6 SUMÁRIO EXECUTIVO 7 A POPULAÇÃO DO MUNICÍPIO 9 A POPULAÇÃO NAS FREGUESIAS

Leia mais

Comunidade de Países de Língua Portuguesa: breve retrato estatístico

Comunidade de Países de Língua Portuguesa: breve retrato estatístico Estatísticas da CPLP 23-21 12 de julho de 213 Comunidade de Países de Língua Portuguesa: breve retrato estatístico A população residente no conjunto dos oito países 1 da Comunidade de Países de Língua

Leia mais

MAPA 7. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE PONTA DO SOL E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map.

MAPA 7. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE PONTA DO SOL E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map. 5. PONTA DO SOL O concelho de Ponta do Sol foi fundado no início do século XVI, em consequência do elevado desenvolvimento económico resultante da actividade açucareira. Com uma área de 43,80 Km2 e uma

Leia mais

115,31 hab/km 2 10.632.482. 51,6 % Mulheres. 4,3 % Estrangeiros residentes. Densidade Populacional. População residente

115,31 hab/km 2 10.632.482. 51,6 % Mulheres. 4,3 % Estrangeiros residentes. Densidade Populacional. População residente RETRATO DE PORTUGAL Resumo de indicadores da sociedade portuguesa contemporânea. Números que contam a nossa história mais recente. Um convite à discussão sobre os factos. Data de última atualização: 30.03.2011

Leia mais

Carta Escolar do Grupo Central

Carta Escolar do Grupo Central . Carta Escolar do Grupo Central 2 Carta Escolar Grupo Central Realização Faculdade de Letras Universidade de Coimbra Largo da Porta Férrea 349-53 Coimbra Direcção Regional da Educação e Formação Paços

Leia mais

Em 50 anos a percentagem de crianças na população residente caiu para cerca de metade

Em 50 anos a percentagem de crianças na população residente caiu para cerca de metade 30 de maio de 2014 Dia Mundial da Criança 1 1 de junho Em 50 anos a percentagem de crianças na população residente caiu para cerca de metade Em 50 anos a percentagem de crianças na população residente

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS 2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS Neste capítulo se pretende avaliar os movimentos demográficos no município de Ijuí, ao longo do tempo. Os dados que fomentam a análise são dos censos demográficos, no período 1920-2000,

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

Abril de 1998 PERFIL DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE SEIXAL

Abril de 1998 PERFIL DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE SEIXAL Abril de 1998 PERFIL DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE SEIXAL Índice Considerações introdutórias... 5 QUEM SOMOS... 6 Quantos somos... 8 Quantos seremos... 10 O Seixal no País e na A.M.L.... 11 O maior crescimento

Leia mais

CENSOS 2001 Análise de População com Deficiência Resultados Provisórios

CENSOS 2001 Análise de População com Deficiência Resultados Provisórios Informação à Comunicação Social 4 de Fevereiro de 2002 CENSOS 2001 Análise de População com Deficiência Resultados Provisórios A disponibilização destes resultados provisórios dos Censos 2001 sobre a população

Leia mais

VOLUME II Caracterização e Diagnóstico. Plano Regional de Ordenamento do Território. - Dinâmicas Demográficas ANEXO N

VOLUME II Caracterização e Diagnóstico. Plano Regional de Ordenamento do Território. - Dinâmicas Demográficas ANEXO N MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL COMISSÃO DE COORDENAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL DO ALGARVE Plano Regional de Ordenamento do Território - Dinâmicas

Leia mais

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL META Refletir sobre as características da população brasileira como fundamento para a compreensão da organização do território e das políticas de planejamento e desenvolvimento

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOCIAL Março de 2005

DIAGNÓSTICO SOCIAL Março de 2005 DIAGNÓSTICO SOCIAL Março de 2005 Departamento de Assuntos Sociais e Juventude Divisão de Assuntos So ciais Projecto financiado pelo Estado Português - Ministério da Segurança Social, da Fa mília e da Criança

Leia mais

Nome: n o : Geografia. Exercícios de recuperação

Nome: n o : Geografia. Exercícios de recuperação Nome: n o : Ensino: Fundamental Ano: 7 o Turma: Data: Professor(a): Maria Silvia Geografia Exercícios de recuperação 1) Para a geografia, qual é o conceito de região? 2) Entre os aspectos utilizados para

Leia mais

Análise Social, vol. XX (84), 1984-5.º, 701-706

Análise Social, vol. XX (84), 1984-5.º, 701-706 Edgar Rocha Análise Social, vol. XX (84), 1984-5.º, 71-76 Nota sobre a população activa agrícola do sexo feminino, segundo o Recenseamento e segundo o Inquérito Permanente ao Emprego : em busca de 3 mulheres

Leia mais

Atlas das Cidades Portuguesas

Atlas das Cidades Portuguesas Atlas das Cidades Portuguesas Pela primeira vez o INE edita um Atlas das Cidades de Portugal, publicação que reúne um conjunto de indicadores sobre as actuais 134 cidades do país e as áreas metropolitanas

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 Elaborado por: Ana Paula Gomes Bandeira Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 Elaborado por: Maria Julieta Martins Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística Índice

Leia mais

Autora: Maria dos Anjos Leitão de Campos. Instituto Nacional de Estatística / Departamento de Estatísticas Sociais

Autora: Maria dos Anjos Leitão de Campos. Instituto Nacional de Estatística / Departamento de Estatísticas Sociais Artig tigo 4º_ página 67 A mortalidade por VIH/SIDA em Portugal: alterações da estrutura etária Autora: Maria dos Anjos Leitão de Campos Instituto Nacional de Estatística / Departamento de Estatísticas

Leia mais

Análise Demográfica (Santiago do Cacém) Índice. Índice 1. Breve Apresentação do Concelho de Santiago do Cacém 3

Análise Demográfica (Santiago do Cacém) Índice. Índice 1. Breve Apresentação do Concelho de Santiago do Cacém 3 Índice Índice 1 Introdução 2 Breve Apresentação do Concelho de Santiago do Cacém 3 Volumes e Dinâmicas Populacionais 6 Distribuição da População pelo Espaço 8 Repartição por Sexos e Idades 12 Análise da

Leia mais

Mais de um milhão e duzentos mil idosos vivem sós ou em companhia de outros idosos

Mais de um milhão e duzentos mil idosos vivem sós ou em companhia de outros idosos Censos 2011 Resultados Pré-definitivos Momento Censitário 21 de março 2011 03 de fevereiro de 2012 Mais de um milhão e duzentos mil idosos vivem sós ou em companhia de outros idosos Cerca de 12 da população

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA ROCHA PEIXOTO GEOGRAFIA 10º ANO DE ESCOLARIDADE 29 OUTUBRO DE 2004 GRUPO I

ESCOLA SECUNDÁRIA ROCHA PEIXOTO GEOGRAFIA 10º ANO DE ESCOLARIDADE 29 OUTUBRO DE 2004 GRUPO I ESCOLA SECUNDÁRIA ROCHA PEIXOTO GEOGRAFIA 10º ANO DE ESCOLARIDADE 29 OUTUBRO DE 2004 GRUPO I 1.1 Indique o nome dos continentes e Oceanos assinalados na figura 1, respectivamente com letras e números.

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Resultados gerais da amostra

Censo Demográfico 2010. Resultados gerais da amostra Censo Demográfico 2010 Resultados gerais da amostra Rio de Janeiro, 27 de abril de 2012 População e distribuição relativa População e distribuição relativa (%) para o Brasil e as Grandes Regiões 2000/2010

Leia mais

Perfil de Saúde e Seus Determinantes da Região de Lisboa e Vale do Tejo

Perfil de Saúde e Seus Determinantes da Região de Lisboa e Vale do Tejo Perfil de Saúde e Seus Determinantes António Tavares, Ph.D., M.D. Delegado de Saúde Regional de Lisboa e Vale do Tejo Diretor do da ARSLVT, IP Fevereiro NOTA METODOLÓGICA Enquadramento Organização para

Leia mais

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014 GEOGRAFIA QUESTÃO 1 A Demografia é a ciência que estuda as características das populações humanas e exprime-se geralmente através de valores estatísticos. As características da população estudadas pela

Leia mais

Em 2007, por cada indivíduo nascido em Portugal, foram criadas 1,6 empresas

Em 2007, por cada indivíduo nascido em Portugal, foram criadas 1,6 empresas Em 2007, por cada indivíduo nascido em Portugal, foram criadas 1,6 empresas O Instituto Nacional de Estatística apresentou os primeiros resultados 1 sobre o empreendedorismo em Portugal para o período

Leia mais

As tendências da população mundial: rumo ao crescimento zero

As tendências da população mundial: rumo ao crescimento zero As tendências da população mundial: rumo ao crescimento zero Fausto Brito José Alberto Magno de Carvalho Cássio Maldonato Turra Bernardo Lanza Queiroz Nas três primeiras décadas da segunda metade do século

Leia mais

Projeções de população residente 2012-2060

Projeções de população residente 2012-2060 Projeções de População Residente - 28 de março de 2014 Projeções de população residente - A população residente em Portugal tenderá a diminuir até, em qualquer dos cenários de projeção. No cenário central

Leia mais

Caraterização da Área de Reabilitação Urbana Edificado e População Fonte: Censos 2011

Caraterização da Área de Reabilitação Urbana Edificado e População Fonte: Censos 2011 Caraterização da Área de Reabilitação Urbana Edificado e População Fonte: Censos 211 Cristina Maria Magalhães Dinis Técnica Superior de Sociologia Julho de 213 Gabinete de Reabilitação Urbana Departamento

Leia mais

INDICADORES ESTATÍSTICOS

INDICADORES ESTATÍSTICOS INDICADORES ESTATÍSTICOS Indicadores Ano Unidade Estrutura Territorial Área 28 Km 2 27 332,4 92 9, Concelhos - Freguesias 28 nº 47-31 38-426 Lugares 28 nº 947 26797 Cidades Estatísticas 28 nº 15 151 Densidade

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DE CARACTERIZAÇÃO SOCIO-ECONÓMICA DA REGIÃO ALENTEJO

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DE CARACTERIZAÇÃO SOCIO-ECONÓMICA DA REGIÃO ALENTEJO ASPECTOS FUNDAMENTAIS DE CARACTERIZAÇÃO SOCIO-ECONÓMICA DA REGIÃO ALENTEJO Principais linhas de evolução e transformação da paisa social e económica regional População A região, inserida no contexto português

Leia mais

Desigualdade Económica em Portugal

Desigualdade Económica em Portugal Desigualdade Económica em Portugal Principais resultados 1 A publicação anual pelo Eurostat e pelo INE de indicadores de desigualdade na distribuição pessoal do rendimento em Portugal, e a sua comparação

Leia mais

Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA

Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA Meio século pode ser um tempo relativamente curto em termos históricos, mas é um tempo suficiente para provocar

Leia mais

Estudos de Caracterização

Estudos de Caracterização Estudos de Caracterização Demografia e Caracterização Socioeconómica Abril de 2013 II.4.6 ÍNDICE QUADRO DE BORDO...4 1. DEMOGRAFIA E CONDIÇÕES SOCIAIS...5 1.1. INTRODUÇÃO... 5 1.2. ENQUADRAMENTO TERRITORIAL...

Leia mais

Território e Demografia

Território e Demografia Indicadores Sociais Moita Península de Setúbal Território e Demografia Concelho: Moita Território Superfície: 55,26 Km 2 Freguesias: 4 Distância Sede Concelho/Sede Distrito: Demografia População Residente:

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer 2 Saúde reprodutiva: gravidez, assistência pré-natal, parto e baixo peso ao nascer SAÚDE BRASIL 2004 UMA ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE SAÚDE INTRODUÇÃO No Brasil, as questões relativas à saúde reprodutiva têm

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Portugueses com mais de 65 anos Breve caracterização estatística

Portugueses com mais de 65 anos Breve caracterização estatística E S T U D O S Cada etapa da vida tem as suas próprias especificidades mas tem, também, os seus próprios desafios e as suas próprias capacidades, para a construção de uma sociedade para todas as idades.

Leia mais

Padrões de Casamento entre os Imigrantes

Padrões de Casamento entre os Imigrantes Padrões de Casamento entre os Imigrantes Ana Cristina Ferreira cristina.ferreira@iscte.pt Madalena Ramos madalena.ramos@iscte.pt Congresso Português de Demografia Contextualização O fenómeno da imigração

Leia mais

Principais Resultados Preliminares: Temos 110 038 alojamentos

Principais Resultados Preliminares: Temos 110 038 alojamentos 3 de Junho de 211 CENSOS 211 Resultados Preliminares Principais Resultados Preliminares: Somos 246 12 residentes e 82 73 famílias Temos 11 38 alojamentos e 98 85 edifícios Os resultados preliminares dos

Leia mais

Diagnóstico Social Valença 2014-2016. Índice de Conteúdos

Diagnóstico Social Valença 2014-2016. Índice de Conteúdos Índice de Conteúdos II Introdução... 4 III Sumário Executivo... 5 IV Metodologia... 8 V Capítulos Temáticos Problemáticas Sectoriais...10 1 Demografia e População...11 Evolução da População Residente...12

Leia mais

Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística. 1 - Introdução

Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística. 1 - Introdução Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística Área Temática: Emprego e Mercado de Trabalho, Demografia Econômica. 1 - Introdução Este texto

Leia mais

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2010

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2010 05 DEE NOVVEEMBBRRO DEE 2010 Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2010 Metade dos agregados domésticos em Portugal

Leia mais

O Concelho de Beja. Localização

O Concelho de Beja. Localização O Concelho de Beja Localização Beja, capital de distrito, situa-se na região do Baixo Alentejo, no coração da vasta planície alentejana. É sede de um dos maiores concelhos de Portugal, com cerca de 1150

Leia mais

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego Mobilidade dos Trabalhadores ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O presente estudo baseia-se nas informações que integram a base do Sistema de Informação Longitudinal de Empresas, Estabelecimentos e Trabalhadores

Leia mais

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores Capítulo 3 Fichas de Qualificação de Indicadores A Demográficos População total A.1................................... 58 Razão de sexos A.2................................... 60 Taxa de crescimento da

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Sesimbra (2008-2010)

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Sesimbra (2008-2010) Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Sesimbra (2008-2010) Plano de Acção Anual (2008) Conselho Local de Acção Social de Sesimbra 2008 Introdução Ao assumir a implementação da Rede Social no Concelho

Leia mais

Docente: Willen Ferreira Lobato willenlobato@yahoo.com.br

Docente: Willen Ferreira Lobato willenlobato@yahoo.com.br Docente: Willen Ferreira Lobato willenlobato@yahoo.com.br Natal 29/02/2012 1 Considerações Gerais; Principais conceitos demográficos; Gráficos de indicadores sociais; Estrutura das populações mundiais:

Leia mais

Caracterização Demográfica

Caracterização Demográfica PLANO DIRETOR MUNICIPAL PENACOVA Caracterização Demográfica abril 2015 município de lugar do plano, gestão do território e cultura Índice A. Introdução... 5 B. Caracterização Geral... 6 C. Evolução e Distribuição

Leia mais

Retrato Estatístico do Funchal

Retrato Estatístico do Funchal Retrato Estatístico do Funchal Resultados Definitivos dos Censos 2011 EDUCAÇÃO POPULAÇÃO JUVENTUDE E ENVELHECIMENTO MOVIMENTOS POPULACIONAIS PARQUE HABITACIONAL ECONOMIA E EMPREGO CONDIÇÕES DE HABITABILIDADE

Leia mais

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Apresentação desenvolvida para a Rede Social de Lisboa Plataforma para a Área do Envelhecimento Zona Sul www.observatorio-lisboa.eapn.pt observatoriopobreza@eapn.pt

Leia mais

Análise da mortalidade em Portugal.

Análise da mortalidade em Portugal. Análise da mortalidade em Portugal. Paulo Canas Rodrigues; João Tiago Mexia (E-mails: paulocanas@fct.unl.pt; jtm@fct.unl.pt) Resumo Neste trabalho apresentam-se tabelas de mortalidade para a população

Leia mais

PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DO BRASIL PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DAS UNIDADES DA FEDERAÇÃO POR SEXO E IDADE PARA O PERÍODO 2000/2030

PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DO BRASIL PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DAS UNIDADES DA FEDERAÇÃO POR SEXO E IDADE PARA O PERÍODO 2000/2030 PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DO BRASIL POR SEXO E IDADE PARA O PERÍODO 2000/2060 PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DAS UNIDADES DA FEDERAÇÃO POR SEXO E IDADE PARA O PERÍODO 2000/2030 Agosto de 2013 1 Presidenta da República

Leia mais

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA)

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Definições O Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades irá conter um programa das intenções necessárias para assegurar a acessibilidade física

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

Famílias no contexto europeu: Alguns dados recentes do european social survey 1

Famílias no contexto europeu: Alguns dados recentes do european social survey 1 Famílias no contexto europeu: Alguns dados recentes do european social survey 1 Anália Torres, Rui Brites, Rita Mendes e Tiago Lapa 2 Nesta comunicação analisam-se alguns dos resultados de pesquisa obtidos

Leia mais