Portabilidade em ambientes digitais colaborativos para cursos de Inclusão Digital

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Portabilidade em ambientes digitais colaborativos para cursos de Inclusão Digital"

Transcrição

1 Portabilidade em ambientes digitais colaborativos para cursos de Inclusão Digital Hilda Carvalho de Oliveira, Alexandre Yukio Yamashita, Izabela C. Amaral Departamento de Estatística, Matemática Aplicada e Computação (DEMAC) Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP) Rio Claro SP, Brasil Abstract. This paper is directed to the context of computer-supported collaborative learning for planning and executing of digital inclusion courses applied to different age groups and social classes. Collaborative digital environments potentiate digital inclusion, by providing contact with different tools, allowing remote access and preparing for the use of social networking and other activities using the Internet. This paper proposes that the preparation of the content of these courses use the concept of learning objects and SCORM standard, aiming reuse and portability of content. For this purpose, a case study is presented and a SCORM authoring system is made available to simplify the creation of course content. Resumo. Este artigo é voltado ao contexto de aprendizagem colaborativa com suporte computacional para o planejamento e execução de cursos de inclusão digital aplicados a diferentes faixas etárias e classes sociais. Ambientes digitais colaborativos potencializam a inserção digital, por propiciar contato com diferentes ferramentas, permitir acesso remoto e preparar para redes sociais e outras atividades que utilizam a Internet. Este artigo propõe que a preparação do conteúdo desses cursos utilize o conceito de objetos de aprendizagem e o padrão SCORM, visando reutilização e portabilidade do conteúdo. Para isso, apresenta um estudo de caso e disponibiliza um sistema de autoria SCORM, para simplificar a geração de conteúdos dos cursos. 1. Introdução Apesar dos avanços tecnológicos no país e incentivos governamentais à inclusão digital, o Brasil ainda precisa de ações para minimizar a fratura digital existente [CGI.br 2013]. As pesquisas TIC domicílios, que visam medir o uso e o acesso da população brasileira às Tecnologias da Informação e de Comunicação (TIC), vêm mostrando melhorias significativas quanto à inclusão digital dos brasileiros. Contudo, evidenciam que ainda há muita desigualdade de acesso às TIC, considerando diferentes regiões geográficas do país, áreas urbanas e rurais e diferentes classes sociais. Por outro lado, as pesquisas mostram que a população considera a Internet um recurso essencial do cotidiano, provocando mudanças de hábitos sociais. A comunicação por s e redes sociais tem alcançado diferentes faixas etárias e classes sociais, facilitada pelo acesso democrático à Internet a partir de escolas, locais públicos, Lan houses, etc. A mobilidade digital tem sido favorecida com o crescente aumento dos computadores portáteis e celulares, e a convergência digital faz parte da realidade nacional.

2 Diante desse cenário, é importante que cursos de inclusão digital, de modo geral, sejam providos de recursos tecnológicos atuais e que propiciem condições para o aluno continuar acompanhando a dinâmica evolutiva das Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação (TDIC). Isso requer a concepção de cursos com visão abrangente de várias plataformas integradas que hoje convivem com fronteiras muito sutis de uso. Boas práticas de segurança devem estar alinhadas ao uso de todas as plataformas, de modo que aspectos de privacidade e cidadania possam conviver harmoniosamente no contexto. Assim, este trabalho propõe que cursos de inclusão digital sejam planejados e organizados através de ambientes digitais colaborativos, utilizados como instrumentos de ensino-aprendizagem. Além de apoio às aulas presenciais, esses ambientes possibilitam que o aluno continue participando do processo após as aulas, acessando o conteúdo do curso e os artefatos digitais produzidos de qualquer lugar com acesso à Internet. A proposta visa o uso de sistemas gerenciadores de aprendizagem, também conhecidos como LMS (Learning Management System). Um LMS disponibiliza um conjunto de ferramentas computacionais para a coordenação de cursos, bem como para cooperação e comunicação entre os participantes. Na seção 2 são apresentados alguns comentários sobre os benefícios dos sistemas colaborativos à Educação e, especificamente, à inclusão digital. Mesmo em regiões sem acesso à Internet, pode ser mantido um servidor do LMS compartilhado via rede, configurada como uma intranet com números IPs (Internet Protocol) fictícios. Isso possibilita que o aluno se ambiente ao sistema da World Wide Web (Web) e possa aprender a utilizá-la mesmo sem acesso de fato à Internet global. Restrições de uso do LMS, contudo, podem ser desejáveis em ambientes de segurança pública, como é o caso de cursos de inclusão digital em unidades de reabilitação por prática de ato infracional, como unidades da Fundação CASA (Centro de Atendimento Socioeducativo ao Adolescente) no estado de São Paulo, penitenciárias, entre outras unidades similares. Desenvolver conteúdo para um LMS, no entanto, pode ser feito de maneira dedicada ao LMS adotado, de modo que não seja possível transferir o conteúdo automaticamente para outro LMS, ou pode ser feito segundo um padrão que possibilite portar o conteúdo para outros LMSs. Essa segunda opção é a mais recomendada, por três razões básicas: (1) os conteúdos normalmente são elaborados segundo uma metodologia pedagógica orientada por especialistas educacionais, que não precisam se preocupar com o LMS adotado; (2) o conteúdo pode ser utilizado por várias instituições que podem ter preferências de uso por um LMS específico; (3) o conteúdo pode ser atualizado e estendido sempre que houver necessidade. Assim, este trabalho apoia que os conteúdos dos cursos de inclusão digital sejam tratados como objetos de aprendizagem no formato do padrão SCORM, como apresentado na seção 3. A seção 4 traz um estudo de caso voltado a um curso básico de inclusão digital aplicado a várias faixas etárias e diferentes classes sociais, com predominância às classes C e DE. O conteúdo do curso é desenvolvido e aplicado por especialistas da Universidade em parceria com organizações não governamentais (ONGs). Desde 2006 têm sido utilizado o LMS TelEduc, mantido nas dependências da Universidade, com vários benefícios ao ensino-aprendizagem a partir do ambiente colaborativo. Contudo, a avaliação de outros LMSs para o curso enfrentou problemas de portabilidade. Estudos foram realizados para verificar a complexidade e a adequação do uso do padrão

3 SCORM. O LMS selecionado para os experimentos iniciais foi o Moodle. Técnicas da área de Interação Humano-Computador (IHC) foram utilizadas com a participação de usuários para configuração do ambiente e análise de usabilidade do sistema. Para facilitar a geração de conteúdos no formato SCORM, a seção 5 apresenta o sistema de autoria Meelo, desenvolvido para ser utilizado por pessoas com conhecimentos básicos de Informática e sem conhecimentos do modelo SCORM. O conteúdo fica armazenado em repositórios do sistema, permitindo composição, alteração e reutilização do conteúdo. 2. Sistemas colaborativos para inclusão digital Segundo Castro e Menezes (2012), apesar dos avanços na área de Aprendizagem Colaborativa com Suporte Computacional ou CSCL (Computer Supported Collaborative Learning), práticas de aprendizagem colaborativa ainda ocorrem mais em ambientes totalmente presenciais, com pouco uso de sistemas computacionais para gestão das atividades, como faz um LMSs. Além da coordenação e organização de um curso poderem ser feitas a distância, esse tipo de sistema traz ferramentas que potencializam as experiências de aprendizagem até mesmo em cursos básicos de alfabetização digital. As aulas presenciais dos cursos de inclusão digital contribuem para estimular o uso do LMS e da Internet. As ferramentas de comunicação apoiam os primeiros passos para uso de correio eletrônico e redes sociais, fazendo uso de fóruns de discussão, bate-papos, campos de comentários, etc. A colaboração do ambiente contribui para a vida em sociedade, pois, atualmente, o uso da Web em mídias sociais (redes sociais, blogs, etc.) mostra que a comunicação é um recurso importante de construção coletiva do conhecimento e compartilhamento de ideias. O uso de um ambiente colaborativo de um LMS registra e armazena produções individuais, que podem ser socializadas, possibilitando reflexões sobre os resultados individuais e coletivos. No processo compartilhado de aprendizagem, os alunos são levados a se sentirem responsáveis também pela aprendizagem dos colegas, conduzindo a interações em atividades individuais e em grupo e discussões sobre os problemas solucionados. Mesmo em cursos básicos de inclusão digital, é recomendado que o processo de cadastro do aluno em um LMS seja feito por ele mesmo. Assim, ele começa a perceber os recursos para uso remoto de um sistema, a necessidade de um endereço de correio eletrônico para comunicação e ter contato com o preenchimento de um formulário online. O exercício de habilidades com ambientes colaborativos prepara o aluno para o cenário tecnológico atual da sociedade em vários segmentos. Em termos de inclusão no mercado de trabalho, muitas empresas usam sistemas colaborativos, bem como muitas instituições de ensino, devido aos benefícios da interatividade e da economia de custos da capacitação on-line. Muitos cursos à distância, de curta duração e gratuitos, também estão ao alcance de todas as classes sociais. 3. Objetos de aprendizagem e o padrão SCORM Segundo o Comitê de Padronização de Tecnologias de Aprendizagem do Instituto de Engenheiros Eletricistas e Eletrônicos ou IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers), um objeto de aprendizagem (OA) é uma entidade material educacional, digital ou não, que pode ser usada, reutilizada e referenciada durante alguma manifestação de ensino-aprendizagem apoiada por recursos tecnológicos [LTSC

4 2002]. Atualmente, pode-se contar com alguns padrões para a implementação de OAs digitais, como: ARIADNE (Alliance of Remote Instructional Authoring Distribution Networks for Europe), AICC (Aviation Industry CBT Committee), IMS (Instructional Management System), Dublin Core, LOM (Learning Object Metadata) e SCORM (Sharable Content Object Reference Model). Esses modelos definem a construção, execução e armazenamento de OAs digitais [ADL 2009]. São baseados em metadados, visando facilitar a busca em repositórios de OAs, inclusive para serem reutilizados para a construção de outros OAs, em diferentes cursos. Para aumentar a capacidade de reutilização, o conteúdo pode ser organizado em pequenas partes, criando OAs menores, que podem servir para compor outros OAs. O modelo SCORM é uma iniciativa do Departamento de Defesa Americano, juntamente com a indústria tecnológica, para se obter um padrão unificado para sistemas de educação a distância. Para isso foi criado o consórcio de Aprendizagem Avançada Distribuída ou ADL (Advanced Distributed Learning), que avaliou os padrões utilizados no mercado e incorporou, ao SCORM, certas facilidades de utilização dos padrões ARIADNE, AICC, IMS e LOM. A especificação de conteúdos no formato SCORM é adequada aos ambientes computacionais que fazem uso da Web. Por outro lado, também, facilita o acesso e de disponibilização do OA em qualquer ambiente de rede de computadores, conectado ou não à Internet. Segundo o Consórcio ADL (2009), pode-se resumir os motivos para a adoção do SCORM no acrônimo RAID: Reutilizável, Acessível, Interoperável e Durável. Objetos de diferentes cursos podem ser reutilizados para compor conteúdo de outros cursos (OAs reutilizáveis). Os OAs podem ser encontrados por mecanismos de buscas e disponibilizados por desenvolvedores e professores (conteúdo acessível). OAs SCORM podem ser executados em diferentes tipos de hardware, sistemas operacionais e navegadores Web (interoperabilidade). Não são requeridas atualizações significativas nos OAs para se adaptarem a novas versões do software onde são utilizados (durabilidade). O padrão SCORM é organizado em quatro livros, com indicações evidentes das características derivadas de outros padrões de OAs. O primeiro livro inclui um histórico do modelo e uma visão geral sobre os fundamentos, formas de adoção e uso, bem como discussões sobre o seu futuro. O segundo livro define o Modelo de Agregação de Conteúdo (MAC), que visa a construção de conteúdo (estrutura derivada do AICC) e o empacotamento de conteúdos educacionais (derivado do IMS), baseados em estruturas de metadados (derivado do LOM). O terceiro livro traz o modelo de Sequenciamento e Navegação, que inclui regras de sequenciamento e organização de conteúdos dos OAs (baseado no IMS); apresenta como um LMS deve interpretar a informação de sequenciamento e o comportamento dos OAs. O quarto livro aborda o Ambiente de Execução, considerando um mecanismo de interação do conteúdo empacotado com o LMS, através de uma API (Aplication Program Interface) em comum; inclui instruções de inicialização, comunicação e monitoramento de OAs. O modelo de dados e a especificação da API são derivados do modelo LOM. Dentre as versões disponíveis do modelo SCORM, a mais atual é a ª edição, lançada em No entanto, a mais utilizada é a versão 1.2, com 212 produtos

5 registrados (LMSs e sistemas de autoria) no consórcio ADL em A principal diferença entre as duas versões é que a v.1.2 não contempla a implementação do modelo de sequenciamento e navegação, que foi adicionado à v O processo de geração de OAs SCORM pode ser organizado em quatro etapas: (1) criação de conteúdo; (2) organização do sequenciamento; (3) descrição de metadados; (4) empacotamento. Para a criação de conteúdo, deve-se definir os recursos do OA em um arquivo XML (extensible Markup Language), denominado imsmanifest.xml. Recursos de um OA podem ser do tipo SCO (Shareable Content Object) ou asset. Um asset é um recurso simples, estático, como um arquivo de mídia (ex.: música MP3, imagem jpeg, documento pdf, etc.), uma página HTML (Hypertext Markup Language) ou coleções de arquivos. Já SCO é um recurso que se comunica com o ambiente de execução do SCORM através de uma API. Geralmente, um SCO é composto por um conjunto de assets e páginas Web com a API SCORM implementada em JavaScript. A Figura 1 apresenta um exemplo de um OA do tipo SCO com três assets: uma imagem JPEG, uma página HTML e a API SCORM em JavaScript. Após a criação de conteúdo (recursos) dos OAs, é realizada a organização dos recursos já definidos no arquivo imsmanifest.xml. Cada recurso é representado por um item de organização definido nesse mesmo arquivo. Os itens, referentes aos recursos, podem ser organizados linearmente, hierarquicamente, em grade ou em alguma forma de sequenciamento personalizada (Figura 2). Na organização linear, os itens são executados um após o outro, de maneira sequencial. Na organização em grade, os alunos podem escolher a execução de itens acima, abaixo, à esquerda ou à direita do item atual. Na organização hierárquica, é possível estabelecer uma hierarquia dos itens através de agregações, onde os itens mais á esquerda e acima são executados primeiros. Um curso pode ter mais de uma forma de organização, de acordo com o planejamento pedagógico. Em um mesmo curso podem ser oferecidas organizações diferentes tanto em tipo de estrutura como grau de dificuldade. A descrição de metadados também é definida em XML, com base no modelo LOM. Os metadados especificam informações relevantes ao OA, como: título, descrição, palavras-chave, idioma, autor, etc. Depois da indexação dessas informações, é possível encontrar e reutilizar os OAs. Por fim, o conteúdo do curso é compactado e empacotado em um único arquivo.zip. O pacote pode ser importado por diferentes sistemas de gestão de conteúdo de aprendizagem com suporte ao SCORM. Isso permite a portabilidade de conteúdo sem a necessidade de nova implementação de códigos. Para verificar a conformidade do pacote com o padrão, o consórcio ADL fornece um ambiente de testes e validação. Figura 1. Exemplo de um OA SCORM do tipo SCO. Figura 2. Estruturas de sequenciamento SCORM.

6 4. Estudo de caso com o padrão SCORM Para os experimentos com o padrão SCORM, foi considerado o conteúdo de um curso denominado Inclusão Digital e Cidadania (ID&C), aplicado desde 2006 pela Universidade em parceria com ONGs, utilizando o LMS TelEduc (sem suporte ao padrão SCORM) e uma metodologia denominada Indinia [Oliveira, Micotti e Franco 2006]. Para avaliação de outros LMSs para o curso, a padronização em formato SCORM foi necessária. Além disso, o conteúdo do curso pode ser passado a outras universidades e instituições, que podem adotar o LMS desejado. O conteúdo do curso é modular e estruturado em tópicos funcionais, visando estimular investigações para se atingir metas. A metodologia possui duas abordagens integradas: (1) a Informática como fim e os temas de reflexão sociais como meio; (2) reflexões e análises sobre temas sociais como fim e a Informática como meio. Os OAs para essas duas abordagens estão organizados, respectivamente, em duas bibliotecas: InfoSOC e ConSOC. Esses OAs consistem em textos, figuras, páginas Web, aplicativos de software, entre outros formatos digitais. A biblioteca ConSOC envolve temas como: mercado de trabalho, qualidade de vida, planejamento familiar, cidadania, redes sociais, entre outros. A biblioteca InfoSOCs é organizada em tópicos, constituídos por etapas, e com temas como: ambientação (hardware, sistema operacional e Internet), processadores de textos, planilhas eletrônicas, desenvolvimento de sites, entre outros. Outros OAs fazem parte do curso de ID&C, como, por exemplo, questionários para coleta de opiniões e dados sobre a vida aluno (aspectos cognitivos, sociológicos e econômicos). Para a experimentação com o formato SCORM, foi considerada a biblioteca InfoSOC e os questionários mencionados. Observa-se que foram utilizadas as versões 1.2 e ª edição do SCORM. Cada tópico do conteúdo foi definido como um OA do tipo SCO, bem como cada questionário considerado. Cada SCO foi implementado como um conjunto de páginas Web e arquivos. A criação das páginas foi realizada com a linguagem HTML e folhas de estilo CSS (Cascading Style Sheets). Para a comunicação com o LMS, foram utilizadas as funções da API SCORM em JavaScript. Também foram implementadas funções em JavaScript para a navegação entre as páginas. Para o reconhecimento dos SCOs pelo LMS, foram implementados recursos do tipo SCO e asset no arquivo imsmanifest.xml. Isso foi realizado, referenciando-se os arquivos e páginas do curso em seções XML, representando cada recurso. Os metadados do curso foram especificados segundo o modelo LOM. Depois da definição do conteúdo, foi definida a organização do curso no arquivo imsmanifest.xml. Por fim, o conteúdo foi empacotado no formato zip e validado com os ambientes de testes Reload SCORM Editor, ADL SCORM Test Suite e ADL SCORM th Ed. RTE v Para efeitos de testes de portabilidade, o conteúdo do curso foi importado nos LMSs Chamilo, Dokeos e Moodle - todos gratuitos e de código aberto (Figura 3). Chamilo Dokeos Moodle Figura 3. Parte do curso de ID&C nos LMS Chamilo, Dokeos e Moodle.

7 A próxima etapa do trabalho consistiu em avaliar alguns LMSs para utilização no curso de ID&C para diferentes faixas etárias. As atividades foram iniciadas com o Moodle, devido ser o mais utilizado em mais de 220 países. Como seu ambiente provê um grande número de recursos que podem ser utilizados pelo usuário, é importante que a comunicabilidade da interface seja adequada. Assim, para contribuir com a especificação da configuração da interface do usuário, foi aplicada a técnica Card sorting sob a forma de uma oficina de projeto (design) com um grupo de 17 aprendizes do curso ID&C, com aproximadamente um mês de experiência no ambiente TelEduc (Figura 4). Essa técnica foi utilizada para obter dados sobre o modelo mental dos usuários no que diz respeito ao espaço de informação, de modo que se aumente a probabilidade do usuário encontrar informações referentes a cada funcionalidade do ambiente [Cybis, Betiol e Faust, 2007]. Assim, foram compostas três equipes, sem distinção de perfis. A todas elas foram apresentadas as principais categorias do ambiente em cartões coloridos, que as diferenciassem dos demais termos, que representavam os subitens. Os cartões foram entregues sem qualquer ordem de organização, para que cada uma das equipes organizasse as categorias e seus respectivos subitens em painéis, da maneira que lhes fosse mais conveniente, considerando a maneira que imaginavam que seria a interação com uma interface do curso. Ao término da atividade, os modelos finais propostos por cada uma das equipes foram representados na forma de painéis, sendo que cada uma das equipes pôde explicar seus modelos de mapas de sites, ressaltando quais termos tiveram seus nomes alterados e quais as categorias foram acrescentadas. Todas as alterações foram seguidas de justificativas. O resultado de cada equipe foi uma proposta de interface com as categorias pertencentes às funcionalidades disponíveis no Moodle. A partir das percepções dos adolescentes, foi configurada a interface do Moodle para o curso ID&C, contemplando o conteúdo do curso formatado para SCORM v.1.2 (a versão do Moodle utilizada não aceitava a v ª ed.). A avaliação dessa interface foi realizada através de testes de usabilidade. Foi adotado o método de teste com a participação dos usuários, e aplicado em um Laboratório da Universidade, configurado de modo a simular um ambiente de uso no Curso de ID&C. O teste de usabilidade foi realizado individualmente com nove aprendizes do curso de ID&C. Cada teste foi realizado com a ajuda de um avaliador (mediador) para conduzir o usuário (Figura 5). O teste consistiu em apresentar, ao usuário, o ambiente virtual Moodle, com o material do curso de ID&C. A finalidade é que utilizassem os recursos disponíveis e tentassem cumprir as tarefas propostas. Foi enfatizado que não estava sendo avaliado o desempenho ou nível intelectual das pessoas envolvidas; podiam errar e fazer perguntas, pois o objeto de teste era avaliar as funcionalidades, navegação e layout da aplicação. O plano de testes incluiu entrevistas guiadas e documentos, como questionários, termo de consentimento e roteiro. Foi utilizado o software Morae TechSmith, que inclui as métricas e gráficos. As análises permitiram detectar possíveis inadequações na interface quanto à utilização das funcionalidades do curso. Voltou-se, então, a analisar os resultados da oficina de Card sorting. As heurísticas de Nielsen também contribuíram para a organização das informações. Assim, foi proposto um guia de recomendações de usabilidade para configuração da interface do Moodle, objetivando um modo mais adequado aos propósitos do projeto. Consequentemente, foi possível avaliar melhorias na estrutura e signos utilizados no curso ID&C em SCORM. Os resultados mostraram que o ambiente foi considerado simples e intuitivo para uso no curso.

8 Figura 4. Oficina de Card Sorting com aprendizes. Figura 5. Participante do teste de usabilidade com o Moodle. 5. Sistema de autoria de objetos SCORM Sistemas de autoria de conteúdos educacionais consistem em ferramentas para construção de cursos e arquivos digitais para educação. Para facilitar a criação de OAs SCORM, existem vários sistemas autoria livres e de código aberto, como exe, OpaleSup e Xerte, e sistemas proprietários, como Camtasia, Captivate e ispring. Contudo, nesse trabalho foi desenvolvido um sistema diferenciado pela sua simplicidade de uso, denominado Meelo (adaptação de My e-learning objects), disponível on-line, gratuitamente. Os OAs podem ser acessados pela Web e por dispositivos móveis através de um aplicativo Android. Assim, educadores sem o conhecimento do SCORM podem criar OAs portáveis para a Web e dispositivos móveis. O sistema Meelo também se diferencia de outros LCMSs por possuir um repositório de OAs disponibilizado on-line e integrado ao sistema. O Xerte possui um repositório de OAs, no entanto o repositório não é integrado ao sistema como no Meelo. Segundo Vieira, Costa e Raabe (2012), ainda há poucos repositórios de OAs SCORM, apesar do SCORM ser um padrão bastante estabelecido. O sistema Meelo providencia suporte a todo o processo de construção de OAs SCORM v.1.2, bem como permite exportar e importar OAs nesse formato. Observa-se que sistema está sendo uma importante ferramenta para a formatação dos OAs do curso ID&C (ver seção 4) no formato SCORM, para utilização com o LMS Moodle ou outros com suporte ao SCORM v.1.2. A tela inicial de criação de OAs possui um menu lateral com cinco itens. O primeiro item, informações, se refere às páginas de descrição de metadados, distribuídos em seis categorias, organizadas em abas: (1) informações gerais do OA; (2) informações sobre versões e pessoas que contribuíram para a construção do OA; (3) requisitos técnicos exigidos para a execução do OA; (4) informações relacionadas ao nível educacional, de dificuldade e idade do público alvo; (5) restrições de custos e direitos autorais do OA; (6) outras informações para classificar o OA e facilitar sua busca em repositórios SCORM. O Meelo reduz significativamente os esforços para descrição de metadados do SCORM. Na especificação manual dos metadados, é exigido o conhecimento de muitos termos adotados pelo modelo LOM. Como é difícil decorar todos os seus termos, é necessário consultar o livro do modelo várias vezes. Além disso, a codificação dos metadados em XML não é simples, devido à complexidade da estrutura do LOM. A criação de conteúdo no Meelo pode ser feita, acessando-se os itens conteúdo, exercícios e leituras (Figura 6). Cada item de conteúdo é representado

9 por um conjunto de páginas. Através de um editor simples WYSIWYG (What You See Is What You Get), é possível criar as páginas HTML do OA sem a necessidade de codificação em HTML. O editor, apresentado na Figura 6, possui recursos de formatação de texto, inserção de vídeos do YouTube e de outras mídias. Com esses recursos, o conteúdo é visualizado da mesma forma tanto no editor como nos LMSs. Ao salvar a página, o Meelo se encarrega de implementar as funções de comunicação com o LMS. Isso agiliza o processo de criação de conteúdo, eliminando o tempo implementação de funções em JavaScript. O sistema também possui uma ferramenta para incluir arquivos para o OA. Todo conteúdo do OA é referenciado automaticamente no arquivo imsmanifest do SCORM. Figura 6. Editor HTML no Meelo. Na seção referenciada pelo item organização, os recursos do OA são organizados através de um mecanismo JavaScript de arrastar e soltar. Isso permite a agregação de conteúdos com apenas um único clique, sem a necessidade de codificação em XML. Por fim, é realizado o empacotamento do OA, clicando-se no item Exportar OA" da seção de organização. O Meelo compacta e empacota o conteúdo em um arquivo.zip conforme o modelo SCORM. Os itens de conteúdo são definidos como SCOs no arquivo imsmanifest.xml. A Figura 7 apresenta um exemplo de estrutura de OA SCORM exportado pelo Meelo. Depois de exportar o OA, o pacote pode ser importado em diferentes LMSs com suporte ao SCORM v.1.2. Para a reutilização de conteúdo, o sistema possui um sistema de busca para encontrar OAs em seu repositório. Esses OAs podem ser reutilizados para criação de novos OAs através da funcionalidade de reaproveitamento de conteúdo. A Figura 8 apresenta um exemplo de reutilização de conteúdo. O conteúdo do OA A é reutilizado no OA B como um novo SCO. Exportar OA Visualização no Moodle Figura 7. Estrutura de um OA SCORM exportado pelo Meelo.

10 Reaproveitamento de conteúdo Resultado Figura 8. Reutilização de conteúdo com o sistema Meelo. 8. Considerações finais Este trabalho propõe que cursos de inclusão digital potencializem a inserção tecnológica através do apoio de um LMS (Learning Management System). A proposta envolve o desenvolvimento do conteúdo como objetos de aprendizagem (OAs) no formato SCORM. Além de propiciar flexibilidade de composição e reutilização do conteúdo, permite livre seleção do LMS dentre os mais de 200 sistemas registrados pelo consórcio ADL. O trabalho apresentou um estudo de caso com conteúdo de um curso de inclusão digital, formatado tanto para SCORM v.1.2 como v ª edição. O conteúdo do curso foi importado pelo LMS Moodle, passando por testes de usabilidade com alunos do curso de inclusão digital. Os resultados da avaliação foram positivos, conduzindo a esforços no desenvolvimento de um sistema de autoria de conteúdo educacional SCORM v.1.2, disponível gratuitamente na Web. O sistema propicia vários recursos, que podem ser utilizados através de uma interface simples e intuitiva, que não requer muitos conhecimentos em Informática e nem conhecimentos do padrão SCORM. Outras pesquisas estão sendo desenvolvidas para a definição de uma estrutura de OA para aplicações educacionais voltadas à TV Digital aberta. Referências ADL - Advanced Distributed Learning (2009) SCORM th Edition, setembro. Castro, A., Menezes, C. (2012) Aprendizagem colaborativa com suporte computacional. In Pimentel, M., Fuks, H. (Organizadores), Sistemas Colaborativos, Rio de Janeiro: Elsevier, cap.9. CGI.br - Comitê Gestor da Internet no Brasil (2013) TIC Domicílios e Empresas Pesquisa sobre o uso das Tecnologias de informação e comunicação no Brasil, São Paulo, 636p. novembro. Cybis, W., Betiol, A. H. e Faust, R. (2007) Ergonomia e usabilidade: conhecimentos, métodos e aplicações, São Paulo, Novatec. LTSC - Learning Technology Standards Committee (2002). Oliveira, H. C., Micotti, M. C.O. e Franco, B. B. (2006). Metodologia de ensino para apoio ao aprendizado do Sistema de multiplicadores adolescentes em Inclusão digital e cidadania, Conferência Ibero-Americana WWW/Internet, Murcia, Espanha. Vieira, P. V., Costa, A., Raabe, A. L. A. (2012) Um Estudo Comparativo sobre a Utilização dos Padrões Common Cartridge e SCORM no Ambiente, Conferência Latino-Americana de Objetos e Tecnologias de Aprendizagem, Guayaquil, Equador.

Manual do sistema. My e-learning objects. Laboratório de Engenharia de Software e Tecnologias de Informação e Comunicação

Manual do sistema. My e-learning objects. Laboratório de Engenharia de Software e Tecnologias de Informação e Comunicação Manual do sistema My e-learning objects Laboratório de Engenharia de Software e Tecnologias de Informação e Comunicação Manual do sistema - Meelo Autor: Alexandre Yukio Yamashita Laboratório de Engenharia

Leia mais

Autor(es) BRUNO TEODOSIO GONÇALVES. Orientador(es) CECÍLIA SOSA ARIAS PEIXOTO, FLÁVIA LINHALIS. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1.

Autor(es) BRUNO TEODOSIO GONÇALVES. Orientador(es) CECÍLIA SOSA ARIAS PEIXOTO, FLÁVIA LINHALIS. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. 19 Congresso de Iniciação Científica ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE PADRÕES DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM PARA AMBIENTES COLABORATIVOS DE APRENDIZADO ELETRÔNICO Autor(es) BRUNO TEODOSIO GONÇALVES Orientador(es)

Leia mais

DEFINIÇÃO DE METADADOS PARA O REPOSITÓRIO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM DA EAD - UFSC

DEFINIÇÃO DE METADADOS PARA O REPOSITÓRIO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM DA EAD - UFSC DEFINIÇÃO DE METADADOS PARA O REPOSITÓRIO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM DA EAD - UFSC Projeto desenvolvido junto ao Departamento de EAD/UFSC 2007-2008. Equipe: Profª. Edna Lucia da Silva e Profª. Ligia Café

Leia mais

OBJETOS DE APRENDIZAGEM

OBJETOS DE APRENDIZAGEM MEDs e METADADOS OBJETOS DE APRENDIZAGEM O que é um objeto de aprendizagem? Segundo Wiley, D.A.,2000 Qualquer entidade DIGITAL que pode ser usada, reusada ou referenciada durante um processo de aprendizagem

Leia mais

Elaboração de videoaulas seguindo padrões de objetos de aprendizagem para disponibilização no serviço de educação a distância (EDAD) da RNP

Elaboração de videoaulas seguindo padrões de objetos de aprendizagem para disponibilização no serviço de educação a distância (EDAD) da RNP Elaboração de videoaulas seguindo padrões de objetos de aprendizagem para disponibilização no serviço de educação a distância (EDAD) da RNP Eduardo Barrére Liamara Scortegagna Atualizando o título: Elaboração

Leia mais

Panorama da educação a distância na formação dos magistrados brasileiros

Panorama da educação a distância na formação dos magistrados brasileiros Panorama da educação a distância na formação dos magistrados brasileiros 7 e 8 de maio de 2015 Encontro de integração das Escolas da Magistratura Tema: Potencialidades e Desafios do Moodle um ambiente

Leia mais

Objetos de Aprendizagem para Educação a Distância Robson Santos da Silva

Objetos de Aprendizagem para Educação a Distância Robson Santos da Silva Objetos de Aprendizagem para Educação a Distância Robson Santos da Silva Novatec Copyright 2011 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE

Leia mais

Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem

Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem Ambiente Virtual de Aprendizagem (Moodle) - - Atualizado em 29/07/20 ÍNDICE DE FIGURAS Figura Página de acesso ao SIGRA... 7 Figura 2 Portal de Cursos... 8

Leia mais

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007)

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007) 1 Introdução Em todo mundo, a Educação a Distância (EAD) passa por um processo evolutivo principalmente após a criação da internet. Os recursos tecnológicos oferecidos pela web permitem a EAD ferramentas

Leia mais

Construção de Objetos Educacionais Numéricos utilizando padrão SCORM no ambiente Moodle. Setembro/2007

Construção de Objetos Educacionais Numéricos utilizando padrão SCORM no ambiente Moodle. Setembro/2007 1 Construção de Objetos Educacionais Numéricos utilizando padrão SCORM no ambiente Moodle Setembro/2007 Carmem Lúcia Graboski da Gama Pós-Graduação em Métodos Numéricos em Engenharia, Universidade Federal

Leia mais

DOMUS MOBILE: PLATAFORMA DE SUPORTE AO MOBILE-LEARNING

DOMUS MOBILE: PLATAFORMA DE SUPORTE AO MOBILE-LEARNING Conferência IADIS Ibero-Americana WWW/Internet 2005 DOMUS MOBILE: PLATAFORMA DE SUPORTE AO MOBILE-LEARNING Paulo Alves e José Adriano Escola Superior de Tecnologia e de Gestão de Bragança Campus de S.

Leia mais

PERSPECTIVAS DO PROJETO DE ENSINO FÁBRICA DE SOFTWARE *

PERSPECTIVAS DO PROJETO DE ENSINO FÁBRICA DE SOFTWARE * PERSPECTIVAS DO PROJETO DE ENSINO FÁBRICA DE SOFTWARE * Hudson Henrique de Souza LOPES 1 ; Wellington Garcia PEREIRA 2 ; Getúlio Antero de DEUS JÚNIOR 3. 1 Bolsista do PET EEEC/UFG hudsonhsl@hotmail.com.

Leia mais

Manual de Utilização Moodle

Manual de Utilização Moodle Manual de Utilização Moodle Perfil Professor Apresentação Esse manual, baseado na documentação oficial do Moodle foi elaborado pela Coordenação de Tecnologia de Informação CTI do câmpus e tem como objetivo

Leia mais

Sistemas de gestão de conteúdo para objetos de aprendizagem: características desejáveis e soluções existentes. Liane Tarouco CINTED/UFRGS

Sistemas de gestão de conteúdo para objetos de aprendizagem: características desejáveis e soluções existentes. Liane Tarouco CINTED/UFRGS Sistemas de gestão de conteúdo para objetos de aprendizagem: características desejáveis e soluções existentes Liane Tarouco CINTED/UFRGS 1 Gestão de conteúdo Alternativas metodológicas e tecnológicas para

Leia mais

Curso de atualização Educação Integral e Integrada. Tutorial Moodle. Belo Horizonte, 2013.

Curso de atualização Educação Integral e Integrada. Tutorial Moodle. Belo Horizonte, 2013. Curso de atualização Educação Integral e Integrada Tutorial Moodle Belo Horizonte, 2013. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ACESSANDO O AMBIENTE... 4 3. CONHECENDO O AMBIENTE... 5 3.1. CAIXAS DE UTILIDADES... 5 4.

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3 ENSINO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DO MOODLE COMO INSTRUMENTO NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE (IFC) - CÂMPUS ARAQUARI

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS GIZ/PROGRAD. Tutorial UFMG Virtual Os primeiros passos do docente

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS GIZ/PROGRAD. Tutorial UFMG Virtual Os primeiros passos do docente UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS GIZ/PROGRAD Tutorial UFMG Virtual Os primeiros passos do docente Nereu Agnelo Cavalheiro contato@nereujr.com Tutorial UFMG Virtual Primeiros passos do docente Este

Leia mais

Manual do Usuário 2013

Manual do Usuário 2013 Manual do Usuário 2013 MANUAL DO USUÁRIO 2013 Introdução Um ambiente virtual de aprendizagem é um programa para computador que permite que a sala de aula migre para a Internet. Simula muitos dos recursos

Leia mais

PROJETO UCA: FORMAÇÃO BRASIL. Proposta de operacionalização. Formação dos professores na escola

PROJETO UCA: FORMAÇÃO BRASIL. Proposta de operacionalização. Formação dos professores na escola Ministério da Educação Secretaria de Educação a Distância Projeto Um Computador por Aluno PROJETO UCA: FORMAÇÃO BRASIL Proposta de operacionalização Formação dos professores na escola Outubro, 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO 1. DIMENSÃO PEDAGÓGICA 1.a) ACESSIBILIDADE SEMPRE ÀS VEZES NUNCA Computadores, laptops e/ou tablets são recursos que estão inseridos na rotina de aprendizagem dos alunos, sendo possível

Leia mais

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE 2009/2 GABARITO COMENTADO QUESTÃO 1: Quando nos referimos à qualidade da interação

Leia mais

Indicie. 1.Introdução...1. 2.Como Surgiu...2. 3.Para que serve...3. 4.Instalação...3. 5. Oque ele permite fazer...5. 6. Primeiro Cenário...

Indicie. 1.Introdução...1. 2.Como Surgiu...2. 3.Para que serve...3. 4.Instalação...3. 5. Oque ele permite fazer...5. 6. Primeiro Cenário... Artigo sobre Indicie 1.Introdução....1 2.Como Surgiu....2 3.Para que serve....3 4.Instalação....3 5. Oque ele permite fazer....5 6. Primeiro Cenário....6 7. Segundo Cenário....7 8. Conclusão....8 5. Referencias....9

Leia mais

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA Guia rápido A PLATAFORMA MOODLE Moodle (Modular Object Oriented Distance LEarning) é um Sistema para Gerenciamento de Cursos (SGC). Trata-se de um programa para computador

Leia mais

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller 1 Introdução O objetivo deste trabalho é verificar a eficiência da Avaliação com o Usuário e da

Leia mais

A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Resumo: Dolores Follador Secretaria de Estado da Educação do Paraná e Faculdades Integradas do Brasil - Unibrasil doloresfollador@gmail.com

Leia mais

EDITOR GRÁFICO PARA SEQUENCIAMENTO E NAVEGAÇÃO USANDO REDES DE PETRI. Maicon Mueller prof. Dalton S. dos Reis

EDITOR GRÁFICO PARA SEQUENCIAMENTO E NAVEGAÇÃO USANDO REDES DE PETRI. Maicon Mueller prof. Dalton S. dos Reis EDITOR GRÁFICO PARA SEQUENCIAMENTO E NAVEGAÇÃO USANDO REDES DE PETRI Maicon Mueller prof. Dalton S. dos Reis Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Trabalhos correlatos Desenvolvimento Resultados

Leia mais

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br MANUAL DO ALUNO Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA http://www.fgf.edu.br Sala Virtual TelEduc O TelEduc é um ambiente virtual desenvolvido Unicamp para apoiar professores

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN José Agostinho Petry Filho 1 ; Rodrigo de Moraes 2 ; Silvio Regis da Silva Junior 3 ; Yuri Jean Fabris 4 ; Fernando Augusto

Leia mais

Desenho didático para cursos online

Desenho didático para cursos online Desenho didático para cursos online Edméa Santos Professora da UERJ Professora-tutora do PROGED/ISP/UFBA E-mail: mea2@uol.com.br Site: www.docenciaonline.pro.br/moodle Que é cibercultura? Educação online:

Leia mais

1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução

1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução 1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução Este tutorial tem a finalidade de guiar o aluno, dando orientações necessárias para o acesso, navegação e utilização das ferramentas principais. Um ambiente

Leia mais

ÍNDICE O QUE É... 2 COMO FUNCIONA... 3. Acervo... 3. Meus Livros... 4. Livros em destaque... 7. Fórum... 7. Notícias... 8. Ajuda... 9. Suporte...

ÍNDICE O QUE É... 2 COMO FUNCIONA... 3. Acervo... 3. Meus Livros... 4. Livros em destaque... 7. Fórum... 7. Notícias... 8. Ajuda... 9. Suporte... ÍNDICE O QUE É... 2 COMO FUNCIONA... 3 Acervo... 3 Meus Livros... 4 Livros em destaque... 7 Fórum... 7 Notícias... 8 Ajuda... 9 Suporte... 9 POR QUE USAR... 10 EQUIPE RESPONSÁVEL... 12 CONTATO... 13 O

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 5ª. Série Programação e Design para Web A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013

UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013 UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013 Adriana Nascimento Flamino 1, Juliana de Souza Moraes 2 1 Mestre em Ciência

Leia mais

CONCEITO: Moodle Moodle Moodle Moodle

CONCEITO: Moodle Moodle Moodle Moodle NE@D - Moodle CONCEITO: O Moodle é uma plataforma de aprendizagem a distância baseada em software livre. É um acrônimo de Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment (ambiente modular de aprendizagem

Leia mais

Tutorial Moodle Visão do Aluno

Tutorial Moodle Visão do Aluno Tutorial Moodle Visão do Aluno A P R E S E N T A Ç Ã O A sigla MOODLE significa (Modular Object Oriented Dynamic Learning Environment), em inglês MOODLE é um verbo que descreve a ação ao realizar com gosto

Leia mais

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula :

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula : Como Criar uma Aula? Para criar uma sugestão de aula é necessário que você já tenha se cadastrado no Portal do Professor. Para se cadastrar clique em Inscreva-se, localizado na primeira página do Portal.

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Tópicos de Ambiente Web Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Roteiro Motivação Desenvolvimento de um site Etapas no desenvolvimento de software (software:site) Analise

Leia mais

Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes

Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes Sumário INFORMAÇÕES GERAIS... 1 SYMANTEC UNIVERSITY PARA PARCEIROS... 1 TREINAMENTO... 2 SERVIÇO DE INFORMAÇÕES... 4 COLABORAÇÃO... 5 Informações

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES Trabalho de Graduação Orientando: Vinicius Stein Dani vsdani@inf.ufsm.br Orientadora: Giliane

Leia mais

1. DOTPROJECT. 1.2. Tela Inicial

1. DOTPROJECT. 1.2. Tela Inicial 1 1. DOTPROJECT O dotproject é um software livre de gerenciamento de projetos, que com um conjunto simples de funcionalidades e características, o tornam um software indicado para implementação da Gestão

Leia mais

MBA em Gestão Estratégica e Marketing Digital Objetivo do curso:

MBA em Gestão Estratégica e Marketing Digital Objetivo do curso: Com carga horária de 420 horas o curso MBA em Gestão Estratégica e Marketing Digital é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros no curso: 04) para avaliação nos

Leia mais

Índice. Enquadramento do curso 3 Estrutura Programática 4. Primeiros passos com o e-best Learning 6. Actividades e Recursos 11

Índice. Enquadramento do curso 3 Estrutura Programática 4. Primeiros passos com o e-best Learning 6. Actividades e Recursos 11 Índice Parte 1 - Introdução 2 Enquadramento do curso 3 Estrutura Programática 4 Parte 2 Desenvolvimento 5 Primeiros passos com o e-best Learning 6 Como aceder à plataforma e-best Learning?... 6 Depois

Leia mais

NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL PROFESSOR

NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL PROFESSOR NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL PROFESSOR 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL

Leia mais

Google Site Search Pesquisa de websites do Google para sua organização

Google Site Search Pesquisa de websites do Google para sua organização Google Site Search Folha de dados Google Site Search Pesquisa de websites do Google para sua organização Google Site Search Para mais informações, visite: http://www.google.com/enterprise/search/ Quais

Leia mais

Web Design Aula 01: Conceitos Básicos

Web Design Aula 01: Conceitos Básicos Web Design Aula 01: Conceitos Básicos Professora: Priscilla Suene priscilla.silverio@ifrn.edu.br Motivação Motivação Motivação Motivação Roteiro Introdução Papéis e Responsabilidades Construindo um site

Leia mais

Aula 1 Desenvolvimento Web. Curso: Técnico em Informática / 2º módulo Disciplina: Desenvolvimento Web Professora: Luciana Balieiro Cosme

Aula 1 Desenvolvimento Web. Curso: Técnico em Informática / 2º módulo Disciplina: Desenvolvimento Web Professora: Luciana Balieiro Cosme Aula 1 Desenvolvimento Web Curso: Técnico em Informática / 2º módulo Disciplina: Desenvolvimento Web Professora: Luciana Balieiro Cosme Plano de Aula Ementa Avaliação Ementa Noções sobre Internet. HTML

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

EDITAL PROCESSO DE SELEÇÃO PARA O PROJETO DE UNIVERSALIZAÇÃO DA INFORMÁTICA PUI

EDITAL PROCESSO DE SELEÇÃO PARA O PROJETO DE UNIVERSALIZAÇÃO DA INFORMÁTICA PUI EDITAL PROCESSO DE SELEÇÃO PARA O PROJETO DE UNIVERSALIZAÇÃO DA INFORMÁTICA PUI A coordenação do Projeto de Universalização da Informática - PUI da UFJF torna público a existência de vagas para a seleção

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

Manual UNICURITIBA VIRTUAL para Professores

Manual UNICURITIBA VIRTUAL para Professores Manual UNICURITIBA VIRTUAL para Professores 1 2 2015 Sumário 1 Texto introdutório... 3 2 Como Acessar o UNICURITIBA VIRTUAL... 3 3 Tela inicial após login... 3 3.1) Foto do perfil... 4 3.2) Campo de busca...

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UM PROCESSO E SOFTWARE PARA A PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DE ENSINO

AVALIAÇÃO DE UM PROCESSO E SOFTWARE PARA A PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DE ENSINO 1 AVALIAÇÃO DE UM PROCESSO E SOFTWARE PARA A PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DE ENSINO Rio Branco AC 05/2010 Luciete Basto de Andrade Albuquerque Universidade Federal do Acre luciete@brturbo.com.br Luiz Augusto

Leia mais

Guia Rápido de Utilização. Ambiente Virtual de Aprendizagem. Perfil Aluno

Guia Rápido de Utilização. Ambiente Virtual de Aprendizagem. Perfil Aluno Guia Rápido de Utilização Ambiente Virtual de Aprendizagem Perfil Aluno 2015 APRESENTAÇÃO O Moodle é um Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) open source¹. Esta Plataforma tornouse popular e hoje é utilizada

Leia mais

AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO ALUNO Pesquisa em andamento: resultados preliminares

AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO ALUNO Pesquisa em andamento: resultados preliminares AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO ALUNO Pesquisa em andamento: resultados preliminares Denis Lacerda Paes 1 ; Angelo Augusto Frozza 2 RESUMO O trabalho apresentado visa desenvolver uma aplicação baseada em

Leia mais

Manual Operacional AVA (Ambiente Virtual de Aprendizagem)

Manual Operacional AVA (Ambiente Virtual de Aprendizagem) Manual Operacional AVA (Ambiente Virtual de Aprendizagem) ead.clinicajulioperes.com.br Sumário navegável Como acesso o ambiente?... Como assisto aos vídeos?... Como preencher meu perfil?...

Leia mais

TÉCNICAS DE ESTRUTURAÇÃO PARA DESIGN RESPONSIVO: AMPLIANDO A USABILIDADE NO AMBIENTE WEB

TÉCNICAS DE ESTRUTURAÇÃO PARA DESIGN RESPONSIVO: AMPLIANDO A USABILIDADE NO AMBIENTE WEB TÉCNICAS DE ESTRUTURAÇÃO PARA DESIGN RESPONSIVO: AMPLIANDO A USABILIDADE NO AMBIENTE WEB Tiago Volpato 1, Claudete Werner 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil tiagovolpatobr@gmail.com,

Leia mais

NanowareCyber: Nosso negócio é sua formação.

NanowareCyber: Nosso negócio é sua formação. NanowareCyber: Nosso negócio é sua formação. PLATAFORMA AcademiaWeb Sistema de gerenciamento de escola virtual com gestão de conteúdo, transmissão de web-aula ao vivo e interação online com os participantes.

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO AMBIENTE EUREKA

INTEGRAÇÃO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO AMBIENTE EUREKA INTEGRAÇÃO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO AMBIENTE EUREKA MARTINS, Silvio Antonio Rodrigues Junior - PUCPR silvio.martinsjr@uol.com.br BORTOLOZZI, Flávio - PUCPR fborto@ppgia.pucpr.br ELEUTÉRIO, Marco Antonio

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E Unidade III TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO EM EDUCAÇÃO Prof. Me. Eduardo Fernando Mendes Google: um mundo de oportunidades Os conteúdos abordados neste modulo são: Google: Um mundo de oportunidades;

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL LUIZ SOARES ANDRADE PLANO DE AÇÃO 2015

ESCOLA ESTADUAL LUIZ SOARES ANDRADE PLANO DE AÇÃO 2015 ESCOLA ESTADUAL LUIZ SOARES ANDRADE PLANO DE AÇÃO 2015 NOVA ANDRADINA MS MARÇO DE 2015 ESCOLA ESTADUAL LUIZ SOARES ANDRADE PLANO DE AÇÃO 2015 Plano de ação a ser desenvolvido no ano letivo de 2015, pelo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS Guia Inicial de Acesso e Utilização Para Docentes Versão 1.0b Outubro/2010 Acesso e utilização do Ambiente Virtual de Ensino

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

CONVITE Nº 01/2012 ANEXO I - DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS

CONVITE Nº 01/2012 ANEXO I - DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS CONVITE Nº 01/2012 ANEXO I - DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS OBJETIVO E ESCOPO 1. Informações Gerais 1.1 Objetivo geral do trabalho: desenvolvimento de novo site institucional para o Senac (www.senac.br), nas versões

Leia mais

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 Rational Quality Manager Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 1 Informações Gerais Informações Gerais sobre o RQM http://www-01.ibm.com/software/awdtools/rqm/ Link para o RQM https://rqmtreina.mvrec.local:9443/jazz/web/console

Leia mais

Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais. Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail.

Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais. Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail. Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail.com Perspectivas de análise: EAD e mudança Perspectivas de análise:

Leia mais

DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 E CSS3

DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 E CSS3 DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 E CSS3 Eduardo Laguna Rubai, Tiago Piperno Bonetti Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR- Brasil eduardorubay@gmail.com, bonetti@unipar.br Resumo.

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

Wilson Moraes Góes. Novatec

Wilson Moraes Góes. Novatec Wilson Moraes Góes Novatec Copyright 2014 Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer processo,

Leia mais

OBJETOS DE APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA TECNOLÓGICA PARA FACILITAR A REUTILIZAÇÃO, ORGANIZAÇÃO E COMPARTILHAMENTO. Maio de 2007

OBJETOS DE APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA TECNOLÓGICA PARA FACILITAR A REUTILIZAÇÃO, ORGANIZAÇÃO E COMPARTILHAMENTO. Maio de 2007 1 OBJETOS DE APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA TECNOLÓGICA PARA FACILITAR A REUTILIZAÇÃO, ORGANIZAÇÃO E COMPARTILHAMENTO Maio de 2007 Érico Galdino Almeida Senac São Paulo erico.galmeida@sp.senac.br Leandro Cassa

Leia mais

Anexo VI Edital nº 03361/2008. Projeto de Integração das informações de Identificação Civil. 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP

Anexo VI Edital nº 03361/2008. Projeto de Integração das informações de Identificação Civil. 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP Anexo VI Edital nº 03361/2008 Projeto de Integração das informações de Identificação Civil 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP A Senasp procura adotar os padrões de interoperabilidade

Leia mais

Tecnologias Digitais e Educação a Distância: letramento digital e formação de professores

Tecnologias Digitais e Educação a Distância: letramento digital e formação de professores Tecnologias Digitais e Educação a Distância: letramento digital e formação de professores Prof. Dr. Luís Paulo Leopoldo Mercado Universidade Federal de Alagoas Conteúdos Cenário das práticas pedagógicas

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web

Introdução à Tecnologia Web Introdução à Tecnologia Web JavaScript Histórico e Características Índice 1 JAVASCRIPT... 2 1.1 Histórico... 2 1.2 Aplicações de JavaScript... 2 a) Interatividade... 2 b) Validação de formulários... 2

Leia mais

Como conduzir com sucesso um projeto de melhoria da qualidade

Como conduzir com sucesso um projeto de melhoria da qualidade Como conduzir com sucesso um projeto de melhoria da qualidade Maria Luiza Guerra de Toledo Coordenar e conduzir um projeto de melhoria da qualidade, seja ele baseado no Seis Sigma, Lean, ou outra metodologia

Leia mais

Portal de conteúdos Linha Direta

Portal de conteúdos Linha Direta Portal de conteúdos Linha Direta Tecnologias Educacionais PROMOVEM SÃO Ferramentas Recursos USADAS EM SALA DE AULA PARA APRENDIZADO SÃO: Facilitadoras Incentivadoras SERVEM Necessárias Pesquisa Facilitar

Leia mais

PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO NA WEB

PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO NA WEB PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO NA WEB Ederson dos Santos Cordeiro de Oliveira 1,Tiago Bonetti Piperno 1, Ricardo Germano 1 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR- Brasil edersonlikers@gmail.com,

Leia mais

9º Congresso de Pós-Graduação AGENTE PARA MEDIAÇÃO DE APRENDIZAGEM ELETRÔNICA

9º Congresso de Pós-Graduação AGENTE PARA MEDIAÇÃO DE APRENDIZAGEM ELETRÔNICA 9º Congresso de Pós-Graduação AGENTE PARA MEDIAÇÃO DE APRENDIZAGEM ELETRÔNICA Autor(es) MICHELE CRISTIANI BARION FREITAS Orientador(es) CECÍLIA SOSA ARIAS PEIXOTO 1. Introdução A partir de ferramentas

Leia mais

Módulo II - Aula 3 Comunicação

Módulo II - Aula 3 Comunicação Módulo II - Aula 3 Comunicação O surgimento da comunicação entre as pessoas por meio de computadores só foi possível após o surgimento das Redes de Computadores. Na aula anterior você aprendeu sobre a

Leia mais

Unidade I TECNOLOGIA. Material Instrucional. Profª Christiane Mazur

Unidade I TECNOLOGIA. Material Instrucional. Profª Christiane Mazur Unidade I TECNOLOGIA EDUCACIONAL EM EAD Material Instrucional Profª Christiane Mazur Ensinar Ensinar é, também, a arte de estimular o desejo de saber. EAD - Brasil 1904: Correspondência impressos; 1923:

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Tópicos Especiais Informática Educativa no Brasil Professor: Fernando Zaidan 1 Referências: SANTINELLO, J. Informática educativa no Brasil e ambientes

Leia mais

Menus Personalizados

Menus Personalizados Menus Personalizados Conceitos básicos do Painel Logando no Painel de Controle Para acessar o painel de controle do Wordpress do seu servidor siga o exemplo abaixo: http://www.seusite.com.br/wp-admin Entrando

Leia mais

2 Objetos de Aprendizagem 2.1. Visão Geral do e-learning

2 Objetos de Aprendizagem 2.1. Visão Geral do e-learning 2 Objetos de Aprendizagem 2.1. Visão Geral do e-learning Nas últimas quatro décadas, mudanças econômicas e inovações tecnológicas transformaram nossa economia de um sistema baseado em produto para uma

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) SISTEMAS PARA INTERNET INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA LINDOMÁRIO LIMA ROCHA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA LINDOMÁRIO LIMA ROCHA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA LINDOMÁRIO LIMA ROCHA FACILITADOR VIRTUAL DA APRENDIZAGEM EM QUÍMICA Campina Grande-

Leia mais

1. Introdução. 2. Conceitos. 3. Metodologia. 4. Resultados. 5. Considerações

1. Introdução. 2. Conceitos. 3. Metodologia. 4. Resultados. 5. Considerações Comunidades de Prática Experiências e Contribuições da Tecnologia para a Educação Profissional Lane Primo Senac Ceará 2012 Sumário 1. Introdução 2. Conceitos 3. Metodologia 4. Resultados 5. Considerações

Leia mais

Manual do. Aluno. Brasília Empreendimentos Educacionais

Manual do. Aluno. Brasília Empreendimentos Educacionais Brasília Empreendimentos Educacionais 3 Apresentação 4 A BEE 5 A Educação a Distância EaD 6 O curso 7 O Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA 10 Como estudar na modalidade a distância 2 Apresentação Este

Leia mais

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE*

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE* 1 O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE* Resumo Este trabalho se propõe a analisar o curso de extensão universitária CESB (Curso de Espanhol Básico) para

Leia mais

Ambientes Virtuais de Aprendizagem

Ambientes Virtuais de Aprendizagem SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS Modelagem Computacional de Ambientes de Apredizagem Profa. Silvia

Leia mais

Amadeus-TV: Portal Educacional na TV Digital Integrado a um Sistema de Gestão de Aprendizado

Amadeus-TV: Portal Educacional na TV Digital Integrado a um Sistema de Gestão de Aprendizado Amadeus-TV: Portal Educacional na TV Digital Integrado a um Sistema de Gestão de Aprendizado Bruno de Sousa Monteiro Orientação: Prof. Dr. Fernando da Fonseca de Souza Prof. Dr. Alex Sandro Gomes 1 Roteiro

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores FORMANDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARA O ACESSO A INTERNET: O CURSO DE WEB DESIGN E A

Leia mais

com Repositórios Abertos

com Repositórios Abertos Integração do Moodle com Repositórios Abertos Liane Tarouco Marcelo Schmitt PGIE/CINTED Univ. Federal Rio Grande do Sul Brasil LACLO 2010 Autoria de conteúdo educacional Crescimento de educação a distância

Leia mais

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS Emanuel M. Godoy 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil godoymanel@gmail.com,

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769 FRAMEWORK PARA TREINAMENTOS NA WEB BASEADO EM VÍDEO SOBRE DEMANDA Ícaro Carlos Andrade Costa 1 Igor Antônio Andrade Costa 2 Ricardo Ariel Correa Rabelo 3 Renata Azevedo Santos Carvalho 4 RESUMO A educação

Leia mais

PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO

PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO CONVÊNIO DE COOPERAÇÃO TECNOLÓGICA PRODEB-UFBA PRODEB/DSS Diretoria de Sistemas e Serviços UFBA/LCAD

Leia mais

PROPOSTA DE MELHORIA DA INTERFACE PARA O

PROPOSTA DE MELHORIA DA INTERFACE PARA O PROPOSTA DE MELHORIA DA INTERFACE PARA O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE Orientado: Nestor Vicente Soares Netto Orientador: André Luiz Zambalde Co-orientador: Ahmed Ali Abdalla Esmin Roteiro 1.

Leia mais