O FARMACÊUTICO FAZ A DIFERENÇA NO SUS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O FARMACÊUTICO FAZ A DIFERENÇA NO SUS"

Transcrição

1 O FARMACÊUTICO FAZ A DIFERENÇA NO SUS ORIENTAÇÕES AOS GESTORES 2ª edição revisada

2 O FARMACÊUTICO FAZ A DIFERENÇA NO SUS APRESENTAÇÃO Caro colega, No cenário catarinense é notório o avanço do desenvolvimento da assistência farmacêutica no campo de práticas, de políticas, de estudo e de direito do cidadão. Os municípios do Estado passaram, nos últimos anos, a regularizar sua inscrição e de seus profissionais farmacêuticos junto ao Conselho Regional de Farmácia de Santa Catarina (CRF-SC). O CRF-SC passou a visitar com maior intensidade as Secretarias Municipais de Saúde e firmou convênio com o Ministério Público e a Vigilância Sanitária Estadual com o propósito de intensificar a fiscalização e regularização das unidades de saúde dos municípios e, em 2013 passamos a ter todos os municípios catarinenses (295) inscritos no CRF-SC. Também criou, em 2010, a Comissão Assessora de Assistência Farmacêutica Pública (COMSUS) com a missão de promover e desenvolver ações que visem à defesa da saúde pública e à valorização do profissional farmacêutico na assistência farmacêutica no âmbito do SUS. A intenção é dar suporte a uma dimensão essencial da atuação farmacêutica: a de proporcionar o acesso e o uso racional dos medicamentos para melhorar a qualidade de vida da população atendida pelo sistema público. Nesta publicação, apresentamos um conjunto de evidências a respeito dos benefícios sanitários e econômicos para o usuário e para a instituição de saúde com a organização dos serviços farmacêuticos, ou resultados negativos na falta destes serviços. É mais um passo importante rumo à ampliação e qualificação da assistência farmacêutica no SUS. Boa leitura e conte sempre com o CRF-SC! Diretoria do CRF-SC. 2

3 CRF-SC 2014 ÍNDICE POR QUE ESTRUTURAR A ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS? POR QUE A PRESENÇA DO FARMACÊUTICO NO SUS É IMPORTANTE? SERVIÇOS FARMACÊUTICOS TÉCNICO-GERENCIAIS SELEÇÃO PROGRAMAÇÃO AQUISIÇÃO ARMAZENAMENTO DISTRIBUIÇÃO SERVIÇOS FARMACÊUTICOS TÉCNICO-ASSISTENCIAIS DISPENSAÇÃO E ORIENTAÇÃO FARMACÊUTICA ACOMPANHAMENTO FARMACOTERAPÊUTICO EDUCAÇÃO EM SAÚDE PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES ONDE BUSCAR RECURSOS PARA A ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA? LEGISLAÇÃO SITES DE INTERESSE REFERÊNCIAS

4 O FARMACÊUTICO FAZ A DIFERENÇA NO SUS POR QUE ESTRUTURAR A ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS? A ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA É ENTENDIDA COMO PARTE INTEGRANTE DE UM CONJUNTO DE AÇÕES VOLTADAS À PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E RECUPERAÇÃO DA SAÚDE, TANTO INDIVIDUAL COMO COLETIVA, TENDO O MEDICAMENTO COMO INSUMO ESSENCIAL E VISANDO AO SEU ACESSO E USO RACIONAL. ESTE CONJUNTO ENVOLVE A PESQUISA, O DESENVOLVIMENTO E A PRODUÇÃO DE MEDICAMENTOS E INSUMOS, BEM COMO A SUA SELEÇÃO, PROGRAMAÇÃO, AQUISIÇÃO, DISTRIBUIÇÃO, DISPENSAÇÃO, GARANTIA DA QUALIDADE DOS PRODUTOS E SERVIÇOS, ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE SUA UTILIZAÇÃO, NA PERSPECTIVA DA OBTENÇÃO DE RESULTADOS CONCRETOS E DA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA DA POPULAÇÃO (BRASIL, 2004). A estruturação da assistência farmacêutica, propriamente dita, começou muito tardiamente no SUS e de forma descompassada com os demais serviços ofertados pelo SUS, mantendo a ênfase na aquisição de medicamentos (BARRETO; GUIMARÃES, 2010; FONTELES et al.; 2009). É necessário que haja uma reorientação urgente do deslocamento do foco da assistência farmacêutica estritamente do componente logístico para incluir a melhora da gestão e a qualidade dos serviços [...] [tirando] a ênfase do produto para enfocar o usuário dos serviços, equilibrando os dois componentes em uma atuação sistêmica (VIEIRA, 2008:92). 4 A estruturação e qualificação da assistência farmacêutica gerou a demanda pelo que é chamado de gestão da assistência farmacêutica. A gestão da assistência farmacêutica, exige, além da técnica, habilidades e ações políticas e sociais, precisando ser caracterizada pelas diretrizes da participação, do controle social, da descentralização e da transparência (BARRETO; GUIMARÃES, 2010; LEITE; GUIMARÃES, 2014). Para fortalecer o papel do farmacêutico na gestão da assistência farmacêutica, o Conselho Federal de Farmácia publicou, em 2013, a Resolução CFF nº 578, que regulamenta as atribuições técnico-gerenciais do farmacêutico nesta área, dentro do Sistema Único de Saúde (SUS). Para muitos gestores, a assistência farmacêutica é apenas a entrega de medicamentos, sem levar em consideração o serviço necessário para que seu uso seja racional e realmente resulte em melhores condições de saúde. Esta situação se evidencia nos espaços reservados às farmácias nas unidades de saúde, que geralmente são os mais reduzidos fisicamente, sem os requisitos essenciais para preservar a qualidade do medicamento e para a adequada dispensação aos usuários (BARRETO; GUIMARÃES, 2010). Essa situação foi constatada por Araújo e Freitas (2006) em estudo realizado em farmácias de 35 unidades de saúde de um município do estado de São Paulo. Neste estudo, verificou-se que as farmácias ocupavam, em geral, um espaço aproximado de 20 m², estavam estruturadas como local de armazenamento e a dispensação dos medicamentos era feita por uma abertura na divisória que separava o ambiente da farmácia daquele destinado ao usuário.

5 CRF-SC 2014 A predominância destas características foi independente da estrutura da unidade ser antiga, nova ou reformada e se deve, provavelmente, ao fato de proporcionarem uma entrega rápida e quase impessoal do medicamento. A presença do profissional farmacêutico contribui para racionalizar o uso de medicamentos, padronizar condutas terapêuticas, facilitar o fluxo de informações entre a farmácia e o usuário e evitar perdas desnecessárias. Tanto que alguns municípios, como Blumenau-SC, já conseguiram demonstrar que a economia gerada no setor é diretamente proporcional ao número de profissionais farmacêuticos existentes na rede, conforme demonstra a tabela abaixo (KRAUSSER, 2010a): Tabela 1: Relação entre números de farmacêuticos e gasto com medicamentos. Ano Gasto de medicamentos per capita (R$) Gasto total do município (R$) Número de farmacêuticos na Atenção Básica e Alto Custo Gasto total com os farmacêuticos (ano) (R$) Economia para o município (ano) (R$) , , , , , , ,70 Fonte: KRAUSSER, 2010a. Um estudo realizado por Vieira (2008) apontou a frequência de problemas relacionados à assistência farmacêutica, constantes nos relatórios de fiscalização da Controladoria Geral da União: a região sul apareceu com 18,7% dos municípios sem profissional farmacêutico, 82,9% com controle de estoque ausente ou deficiente e 37,4% com condições inadequadas de armazenamento. Esse mesmo estudo apontou que, se por um lado, o gerenciamento da logística de medicamentos absorve 20% dos recursos financeiros da saúde, 90,3% dos municípios apresentaram problemas na gestão de recursos ou serviços de assistência farmacêutica. Além disso, em 71% dos municípios brasileiros foi constatada falta de controle de estoque ou sua deficiência, em 39% condições inadequadas de armazenamento, e falta de medicamentos em 24% (VIEIRA, 2008). 90,3% DOS MUNICÍPIOS APRESENTARAM PROBLEMAS NA GESTÃO DE RECURSOS OU SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. 5

6 O FARMACÊUTICO FAZ A DIFERENÇA NO SUS A falta de estruturação da assistência farmacêutica municipal (e seus programas e financiamentos específicos) está relacionada a um maior gasto per capita com medicamentos não padronizados se comparado a um município com estrutura avançada. Isto é o que demonstra um estudo desenvolvido em dois municípios catarinenses, relativo à gestão municipal da assistência farmacêutica e do acesso aos medicamentos por via judicial ou pela assistência social. Segundo o estudo (Tabela 2), os valores per capita dos gastos em Aurora (município de pequeno porte do Alto Vale do Itajaí sem farmacêutico na época e sem estrutura organizacional de assistência farmacêutica) com medicamentos não padronizados eram duas vezes maior que em Blumenau, apesar de este último atender solicitações de alto valor unitário. A ausência de organização dos programas de acesso, o pouco controle das solicitações e uma Relação Municipal de Medicamentos (Remume) deficiente levam à necessidade de atendimento de número maior de medicamentos não padronizados comprados sem licitação, além de causar transtornos para os munícipes de Aurora que não dispunham dos medicamentos nas unidades de saúde (LEITE; SCHAEFER; FITTKAU, 2012). Tabela 2: Relação entre o gasto total, medicamentos solicitados, usuários atendidos via ação judicial ou assistência social nos municípios de Aurora e Blumenau, em MUNICÍPIO Ano de Referência Gasto aproximado R$/ano Quantidade de medicamento/ano Quantidade de pacientes atendidos Valor per capita Valor R$/paciente Valor médio dos medicamentos Fonte: LEITE; SCHAEFER; FITTKAU, AURORA 2007 R$ , R$ 2,14 R$ 101,63 R$ 27,63 BLUMENAU 2007 R$ , R$ 1,33 R$ 2.503,29 R$ 237,05 Os desafios para a implementação de uma assistência farmacêutica efetiva na esfera municipal começa pela conscientização da estruturação, por meio de investimentos em estrutura física e de pessoal, organização dos processos e capacitação permanente dos trabalhadores envolvidos com a assistência farmacêutica. Desta maneira, o acesso da população aos medicamentos pode se tornar viável, racional e mais eficiente (OLIVEIRA; BERMUDEZ; OSORIO-DE- -CASTRO, 2007). 6

7 CRF-SC 2014 VOCÊ SABIA QUE O USO INADEQUADO DE MEDICAMENTOS INTERFERE NOS CUSTOS DA SAÚDE PÚBLICA? Pesquisa desenvolvida por Vieira (2007) demonstra que a deficiência de informações para o uso correto de medicamentos acarreta prejuízos para a saúde da comunidade assim como para a economia pública. Os dados apontam que 28% de todos os atendimentos de emergência estão relacionados aos medicamentos e, desses, 70% correspondem a situações evitáveis, enquanto 24% deles resultam em internação hospitalar. Em 2013, casos de intoxicações por medicamentos foram registrados no Centro de Informações Toxicológicas de Santa Catarina (CIT/SC), sendo que grande parte dos casos (cerca de 2.500) estão relacionados a acidentes individuais e a tentativas de suicídio. DESTACAMOS QUE 205 CASOS FORAM OCASIONADOS POR ERRO DE ADMINISTRAÇÃO, 81 POR AUTOMEDICAÇÃO E 20 POR USO INDEVIDO, SENDO QUE 11 CASOS EVOLUÍRAM PARA ÓBITO E, EM 2 CASOS, O PACIENTE APRESENTOU SEQUELAS POR CONTA DA INTOXICAÇÃO (CIT, 2014). 28% DE TODOS OS ATENDIMENTOS DE EMERGÊNCIA ESTÃO RELACIONA- DOS A MEDICAMENTOS. 40% A 60% DAS PESSOAS EM TRATAMENTO NÃO FAZEM USO DOS MEDICAMENTOS PRESCRITOS. Além disso, usuários com doenças crônicas apresentam muitos problemas relacionados à adesão ao tratamento. Estudos demonstram que entre 40 a 60% das pessoas em tratamento não fazem uso dos medicamentos prescritos para determinada doença e que um serviço de dispensação adequado monitora e evita o abandono do tratamento (SANTOS; OLIVEIRA; COLET, 2010). No entanto, num levantamento da assistência farmacêutica pública desenvolvida em doze municípios integrantes da Associação dos Municípios do Médio Vale do Itajaí (AMMVI), realizado por Krausser (2010b), verificou-se que em todos os municípios pesquisados aproximadamente 60% ou mais dos locais de dispensação não contavam com a presença do farmacêutico. Em 2006, o estudo de Veber e colaboradores (2011) constatou que a maioria dos municípios catarinenses não dispunha de farmacêuticos na atividade de dispensação, apesar de contar com eles em outras atividades da assistência farmacêutica municipal, especialmente as relacionadas à gestão e logística dos medicamentos. 7

8 O FARMACÊUTICO FAZ A DIFERENÇA NO SUS POR QUE A PRESENÇA DO FARMACÊUTICO NO SUS É IMPORTANTE? Desde 1973, legalmente, os estabelecimentos que realizam dispensação de medicamentos devem contar com a presença do farmacêutico assumindo a responsabilidade técnica pelos serviços em farmácia (BRASIL, 1973). Com a implantação do SUS, a Política Nacional de Medicamentos assume que o farmacêutico ocupa papel-chave nessa assistência, na medida em que é o único profissional da equipe de saúde que tem sua formação técnico-científica fundamentada na articulação de conhecimentos das áreas biológicas e exatas (BRASIL, 1998). No documento O papel do farmacêutico no sistema de atenção à saúde, a Organização Mundial da Saúde (OMS) reconheceu que esse é o profissional com melhor capacitação para conduzir as ações destinadas à melhoria do acesso e promoção do Uso Racional de Medicamentos (URM), sendo ele indispensável para organizar os serviços de apoio necessários para o desenvolvimento pleno da assistência farmacêutica (OMS, 1998). SERVIÇOS FARMACÊUTICOS TÉCNICO-GERENCIAIS: SELEÇÃO Lembrando que a Portaria nº 344/98, que aprova o Regulamento Técnico sobre substâncias e medicamentos sujeitos a controle especial (psicotrópicos, antirretrovirais, dentre outros), e a RDC nº 20/2011, que dispõe sobre o controle de antimicrobianos, reforçam a obrigatoriedade da presença do farmacêutico para a dispensação de tais medicamentos. Dessa forma, os municípios que não possuem farmacêuticos não são capazes de garantir a necessária segurança, eficácia e qualidade, a promoção do uso racional e o acesso da população aos medicamentos essenciais (BARRETO; GUIMARÃES, 2010; FONTELES et al.; 2009). Para melhor responder por que a presença do farmacêutico no SUS é importante, pode-se dividir o conjunto de ações pertinentes à assistência farmacêutica em dois grandes grupos: os serviços farmacêuticos técnico-gerenciais e os serviços farmacêuticos técnico-assistenciais. POR QUE DEVEM EXISTIR CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO DA LISTA DE MEDICAMENTOS PADRONIZADOS? Cada país, estado, município ou serviço de saúde possui a prerrogativa de determinar quais medicamentos serão selecionados para compor o seu elenco com base na situação epidemiológica, nas melhores evidências em saúde, nas prioridades definidas pela gestão, nos recursos financeiros disponibilizados para esta finalidade e na oferta de serviços de saúde (OLIVEIRA; GROCHOCKI; PINHEIRO, 2011). A indústria farmacêutica disponibiliza no mercado um grande número de especialidades farmacêuticas (MARIN et al., 2003). No entanto, nem todos os medicamentos lançados representam inovações terapêuticas em relação aos existentes. No período entre 1981 e 2003, a agência Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos, aprovou novos medicamentos, sendo que destes apenas 26,3% foram considerados prováveis inovações (BONFIM, 2006). 8

9 CRF-SC 2014 Gráfico 1: Classificação de medicamentos lançados no mercado entre 1981 a ,6% 15,9% 7,6% 4,3% 2,8% 2,7% 0,2% Nada de novo Eventualmente útil Fonte: BONFIM, Traz algum benefício A Comissão de redação não pode se pronunciar Inaceitável Interessante Bravo POR QUE TER UMA LISTA DE MEDICAMENTOS ESSENCIAIS PADRONIZADA? Uma seleção cuidadosa de medicamentos essenciais permite um melhor aproveitamento dos recursos e menores custos por meio de compra em escala maior e simplificação dos sistemas de armazenamento, abastecimento, distribuição de medicamentos mais eficazes, mais seguros, de menor custo e, por consequência, garantindo maior acesso à população (WANNMACHER, 2006). Além disso, na prática clínica, trabalhar com número limitado de medicamentos essenciais favorece a qualidade de atenção à saúde, melhora a gestão de medicamentos, torna mais fácil o treinamento do prescritor e melhora a informação ao usuário (BRA- SIL, 2012a). QUANTO CUSTA SELECIONAR OS MEDICAMENTOS ADEQUADAMENTE? Surpreendentemente, a resposta é: muito pouco. Sugere-se a criação de uma Comissão de Farmácia e Terapêutica (CFT) em que os membros devem pertencer ao próprio quadro de pessoal da instituição e entre eles deve estar o farmacêutico (MARIN et al., 2003). Em um estudo, que analisou o impacto da implantação de CFT em 12 hospitais públicos de portes diferentes, foi possível analisar as diferenças de custo com o consumo de medicamentos após a implantação da CFT. Na análise econômica observou-se uma redução aproximada de 12% (Tabela 3) dos custos da lista de medicamentos, demonstrando a contribuição da CFT em otimizar os recursos e melhorar a qualidade dos serviços prestados (SANTANA, 2013). Tabela 3: Análise da redução de custos com medicamentos após a implantação da CFT. ANTES DAS CFT DEPOIS DAS CFT ECONOMIA REDUÇÃO R$ ,02 R$ ,44 R$ ,58-11,8% Fonte: SANTANA,

10 O FARMACÊUTICO FAZ A DIFERENÇA NO SUS PROGRAMAÇÃO A FALTA DE MEDICAMENTOS É UMA CONSTANTE NO SEU MUNICÍPIO? Estudos realizados em cinco estados brasileiros (Espírito Santo, Goiás, Pará, Rio Grande do Sul, Sergipe) mostraram que os municípios sofrem com o desabastecimento. Constatou-se que o tempo médio de desabastecimento foi de 84 dias nas unidades de saúde, 74 dias nas Centrais de Abastecimento Farmacêutico (CAF) municipais e 128 dias nas CAF estaduais (BRA- SIL, 2005). O TEMPO MÉDIO DE DESABASTECIMENTO FOI DE: - 84 DIAS NAS UNIDADES DE SAÚDE - 74 DIAS NAS CAF MUNICIPAIS DIAS NAS CAF ESTADUAIS O desabastecimento dificulta o acesso aos medicamentos, levando à interrupção do tratamento, retornos frequentes ao médico pela doença não controlada, aumento das filas, descontentamento do usuário e reflete negativamente na gestão. A programação acontece em todos os âmbitos em que existem medicamentos, seja no âmbito municipal, seja no âmbito de uma unidade de saúde, ou em um serviço, onde o farmacêutico deve programar a quantidade de medicamentos adquirida ou solicitada. AQUISIÇÃO A MODALIDADE DE AQUISIÇÃO DE MEDICAMENTOS DO SEU MUNICÍPIO É A MAIS ADEQUADA? Existem várias modalidades de aquisição, sendo o pregão com registro de preço o mais adequado. Esta modalidade possibilita antecipar-se à demanda e racionalizar a utilização do orçamento disponível, além de diminuir o número de licitações, propiciar redução de preços, agilizar o processo de aquisição, permitir a redução do estoque físico e o desabastecimento (AMARAL; BLATT, 2011). Em estudo realizado em Minas Gerais, 26% das aquisições de medicamentos foram realizadas por meio de compra direta, um mecanismo de aquisição frequentemente associado ao custo mais elevado, demonstrando problemas na programação (MOURA; PERINI, 2009).Vieira e Zucchi (2011) relatam que municípios com até 5 mil habitantes apresentaram média do gasto per capita 3,9 vezes maior que municípios com população superior a 500 mil habitantes. Ou seja, o impacto financeiro é maior sobre os municípios menores, uma vez que pagariam preços mais elevados devido à menor capacidade de negociação e pelo fato de comprarem menores quantidades. Para estes, uma alternativa eficaz para aquisição de medicamentos são os consórcios intermunicipais. Em relação ao desabastecimento, a implementação de consórcios promoveu redução na média de dias por medicamento em falta e no número de itens em falta, o que produziu impacto positivo na gestão dos medicamentos no município catarinense analisado por Amaral e Blatt (2011). Para aqueles municípios que não dispõem de consórcio para a aquisição de medicamentos, verificaram-se outras alternativas que possibilitam maior agilidade às aquisições de medicamentos: utilização do sistema de registro de preços; aplicação das sanções permitidas em edital quando de seu descumprimento; maior autonomia ao profissional farmacêutico na emissão e envio das ordens de compras (AMARAL; BLATT, 2011). 10

11 CRF-SC 2014 ARMAZENAMENTO AS PERDAS DE MEDICAMENTOS PODEM SER AGRAVADAS PELAS CONDIÇÕES INADEQUADAS DE ARMAZENAMENTO? Infelizmente, 39% dos municípios brasileiros perdem medicamentos por problemas relacionados ao armazenamento (VIEIRA, 2008). Dentre eles, a temperatura ambiente acima do estabelecido é responsável pelo maior número de alterações e deteriorações (MARIN et al., 2003) e o controle do estoque inadequado é responsável pela maior parte da expiração da vida útil dos medicamentos antes do uso. Esta situação sinaliza a falta de investimento na estrutura das CAF e das farmácias das unidades de saúde e, ainda, a deficiência dos recursos humanos (BLATT; CAMPOS; BECKER, 2011). INFELIZMENTE, 39% DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS PERDEM MEDICAMENTOS POR PROBLEMAS RELACIONADOS AO ARMAZENAMENTO. Em que pese uma conduta racional relativa à seleção, programação e aquisição de medicamentos, ela será sempre insuficiente se o armazenamento for inadequado, isto é, se for realizado em condições que não garantam a integridade e consequentemente a eficácia terapêutica (NASCIMENTO JUNIOR, 2000). Em Florianópolis, município que tem aproximado o farmacêutico às equipes de saúde da família nas unidades básicas através dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF), tem conseguido reduzir a quantidade de medicamentos vencidos a níveis mínimos aceitáveis e tem reduzido o tempo de desabastecimento. Além disso, nas unidades de saúde que contam com farmacêutico na dispensação de medicamentos diariamente, os usuários destas estão satisfeitos com o atendimento recebido no momento da dispensação (MENDES, 2013). É POSSÍVEL REVERTER PROBLEMAS RELACIONADOS AO ARMAZENAMENTO DE MEDICAMENTOS? Sim, no entanto primeiramente há de se considerar a necessidade da adoção de conhecimentos técnicos sobre os medicamentos armazenados e sobre os métodos de controle de estoque (OLIVEIRA; BERMUDEZ; OSÓRIO-DE-CASTRO, 2007). É um processo que pode ser delegado a trabalhadores em saúde desde que estejam sob supervisão direta do farmacêutico. Em segundo lugar, cabe lembrar que os recursos financeiros próprios da assistência farmacêutica podem ser aplicados na adequação física dos locais de armazenamento dos medicamentos e na qualificação dos trabalhadores (BRASIL, 2013a). 11

12 O FARMACÊUTICO FAZ A DIFERENÇA NO SUS DISTRIBUIÇÃO A DISTRIBUIÇÃO DE MEDICAMENTOS NAS UNIDADES DE SAÚDE É GARANTIDA? A distribuição de medicamentos é uma atividade que consiste no suprimento de medicamentos às unidades de saúde, em quantidade, qualidade e tempo oportuno, para posterior dispensação à população usuária (MARIN et al., 2003). De acordo com Moura e Perini (2009), a disponibilidade média nas unidades de saúde dos municípios da Regional de Belo Horizonte, foi de 74%, sendo que alguns medicamentos estavam disponíveis em apenas 61% das unidades de saúde. A indisponibilidade desses medicamentos no centro de distribuição local, aparentemente, representa uma fragilidade em estratégias de distribuição e controle de estoque, demonstrando a necessidade de mecanismos e de recursos humanos capacitados para gerenciá-los, incluindo o farmacêutico. SERVIÇOS FARMACÊUTICOS TÉCNICO-ASSISTENCIAIS: DISPENSAÇÃO E ORIENTAÇÃO FARMACÊUTICA POR QUE ORGANIZAR O SERVIÇO DE DISPENSAÇÃO? A dispensação é um serviço obrigatório definido pela Política Nacional de Atenção Básica e deve ser organizada considerando o contexto assistencial do município, pois é parte integrante do processo de atenção ao usuário. Marin e colaboradores (2003:241) frisam que o momento da dispensação refere-se ao atendimento específico de um usuário, com suas características particulares e é uma das últimas oportunidades de, ainda dentro do sistema de saúde, identificar, corrigir ou reduzir possíveis riscos associados à terapêutica medicamentosa. Neste contexto, o farmacêutico aparece como o profissional capacitado para discernir questões de cunho legal, técnico e clínico pertinentes à dispensação, já previstos pelo Decreto Presidencial nº /1981. A dispensação orientada efetuada pelo farmacêutico garante a interação farmacêutico-usuário e o uso racional de medicamentos, pois permite identificar possíveis necessidades e também orientar não apenas acerca do medicamento, mas também sobre educação em saúde (GALATO et al.; 2008). Com os altos índices de toxicidade dos medicamentos e ocorrências de falhas na dispensação, os direitos dos cidadãos e as responsabilidades dos serviços são cada vez mais reconhecidos e exigem de gestores e profissionais de saúde maior atenção para o tema. Com esta preocupação, o Ministério da Saúde lançou, em 2013, o Programa Nacional de Segurança do Paciente, para monitoramento e prevenção de danos causados pelos serviços de saúde aos seus usuários, o que inclui a responsabilidade pela dispensação correta e bem orientada dos medicamentos (BRASIL, 2013b). 12

13 CRF-SC 2014 ACOMPANHAMENTO FARMACOTERAPÊUTICO O QUE SE ESPERA COM A IMPLANTAÇÃO DO ACOMPANHAMENTO FARMACOTERAPÊUTICO? Diversos estudos demonstraram diminuição significativa do número de erros de medicação em instituições nas quais há serviços farmacêuticos estruturados realizando intervenções junto ao corpo clínico (NUNES et al.; 2008). Em 2006, foi realizado um estudo com usuários portadores de hipertensão arterial sistêmica na Farmácia Escola da Universidade Federal de Pernambuco. Neste estudo foi observado que as intervenções farmacêuticas resolveram 83% dos problemas relacionados à farmacoterapia. Dessas intervenções farmacêuticas, 74% foram realizadas exclusivamente pelo serviço farmacêutico, sem a necessidade de intervenção médica (SILVA et al., 2008). O acompanhamento farmacoterapêutico pode contribuir com o controle do diabetes, conforme demonstrou o estudo realizado em farmácias comunitárias privadas de Curitiba, Colombo e Paranaguá no Paraná, diminuindo as complicações do diabetes e os gastos com tratamento destas internações (CORRER et al., 2009). Para regulamentar a atuação clínica do farmacêutico, o Conselho Federal de Farmácia publicou, em 2013, duas resoluções sobre o tema: a Resolução CFF nº 585/2013 regulamenta as atribuições clínicas do farmacêutico e a Resolução CFF nº 586/2013 dispõe sobre a prescrição farmacêutica. EDUCAÇÃO EM SAÚDE OS SERVIÇOS FARMACÊUTICOS CONTRIBUEM PARA A EDUCAÇÃO EM SAÚDE? Sim. O farmacêutico, em vários municípios de Santa Catarina e do Brasil, tem conseguido ampliar sua perspectiva de trabalho para a educação em saúde. Este tipo de trabalho deve ser construído de forma que promova o senso crítico, o conhecimento sobre os determinantes sociais e biológicos das doenças e as formas de intervir não só na sua realidade individual, mas sobre o ambiente e a sociedade (BRASIL, 2009a). As práticas educativas devem ser sensíveis às necessidades dos usuários, valorizando as trocas interpessoais e as iniciativas da população, promovendo a troca de experiências entre usuários e equipe de saúde. Como última interação com o usuário dentro da unidade de saúde, cabe aos serviços farmacêuticos a certificação de que toda a informação foi adequadamente compreendida e interpretada pelo usuário. Além disso, estas atividades extrapolam as unidades de saúde, abrangendo a comunidade nas atividades dos NASF e dos farmacêuticos na atenção primária como por exemplo, nos grupos de idosos, atividades nas escolas e centros comunitários, em domicílio, entre outros espaços (BRASIL, 2009a). 13

14 O FARMACÊUTICO FAZ A DIFERENÇA NO SUS PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES ACUPUNTURA FITOTERAPIA O município que incluir a fitoterapia como prática na saúde pública, poderá optar pela aquisição ou produção de medicamentos fitoterápicos em laboratórios próprios, ou ainda, pelo desenvolvimento de atividades na comunidade, como as hortas comunitárias. O importante é que a alternativa escolhida seja multiprofissional e que envolva a comunidade, observando as especificidades regionais. A Portaria nº 971/2006 aprova a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde, abrangendo as seguintes áreas: Acupuntura/Medicina Tradicional Chinesa, Homeopatia, Plantas Medicinais/Fitoterapia e Termalismo/Crenoterapia. Essas abordagens terapêuticas trazem consigo uma visão ampliada do processo saúde-doença e a promoção global do cuidado humano, especialmente do autocuidado, o que vai de acordo com os princípios do SUS. Conforme estabelecido na Portaria nº 853/2006 e nas Resoluções CFF n 440/2005, n 477/2009, nº 516/2009 e nº 576/2013, o farmacêutico pode atuar em acupuntura, em homeopatia e em fitoterapia. A OMS recomenda a acupuntura e já produziu diversas publicações sobre a eficácia e segurança desta prática. Existem diversos relatos que indicam os benefícios da acupuntura, entre eles, a redução do uso de medicamentos. Segundo levantamento do município de Campinas/SP, houve uma expressiva diminuição de mais de anti-inflamatórios receitados por ano na cidade, somente nos primeiros oito meses da implantação de uma nova técnica de acupuntura (REVISTA BRASILEIRA DE SAÚDE DA FAMÍLIA, 2008). Como exemplo da inserção da fitoterapia nos cuidados de saúde, o município de Vitória/ES institucionalizou o Programa de Fitoterapia desde Em pesquisa realizada em 2003, 70% dos médicos considerou bons os resultados obtidos com o programa e 93% considerou boa a aceitação dos usuários, sendo que 19% apontou a possibilidade de substituir tratamentos convencionais (REVISTA BRASILEIRA DE SAÚDE DA FAMÍLIA, 2008). HOMEOPATIA Após a inserção do atendimento homeopático como procedimento na tabela SIA/SUS em 1999, o número de consultas em homeopatia apresentou crescimento anual em torno de 10%. Contudo, dados da Associação Médica Homepática Brasileira (AMHB), revelam que apenas 30% dos serviços de homeopatia forneciam medicamento homeopático (DAB, 2014), o que pode implicar na não adesão ao tratamento, por conta dos custos do medicamento. Para fornecer o medicamento, o município pode adquirir medicamentos de farmácias ou laboratórios produtores, ou pode organizar uma estrutura para manipulação de medicamentos homeopáticos, a depender da realidade local. FINANCIAMENTO Caso opte pela aquisição dos medicamentos fitoterápicos ou homeopáticos constantes na Rename, o município pode utilizar os recursos da Portaria n 1.555/2013. Também é possível utilizar 15% do recurso estadual e municipal para a estruturação dos serviços de assistência farmacêutica relacionados a plantas medicinais e fitoterápicos (BRASIL, 2013a). 14

15 CRF-SC 2014 ONDE BUSCAR RECURSOS PARA A ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA? TRANSFERÊNCIA FUNDO A FUNDO O Componente Básico do bloco de financiamento da assistência farmacêutica destina-se à aquisição de medicamentos e insumos, incluindo-se aqueles relacionados a agravos e programas de saúde específicos, no âmbito da Atenção Básica à Saúde, e está regulamentado pela Portaria nº 1.555, de 30 de julho de O financiamento dos medicamentos é de responsabilidade das três esferas de gestão, sendo que esta Portaria define os valores mínimos a serem aplicados. Os medicamentos não constantes na Rename vigente não poderão ser custeados com recursos previstos nesta portaria, daí a importância de ter uma lista de medicamentos estruturada e construída e revisada por uma Comissão de Farmácia e Terapêutica. A Portaria nº 1.555/2013 estabelece, também, a possibilidade de utilização anual de até 15% (quinze por cento) da soma dos valores dos recursos financeiros provenientes do estado e do município, para atividades destinadas à adequação de espaço físico das farmácias do SUS relacionadas à atenção básica, à aquisição de equipamentos e mobiliário destinados ao suporte das ações de assistência farmacêutica, e à realização de atividades vinculadas à educação continuada voltada à qualificação dos recursos humanos da assistência farmacêutica na atenção básica, sendo vedada a utilização dos recursos federais para esta finalidade (BRASIL, 2013a). Conhecer essa Portaria na íntegra é fundamental para as ações da gestão da assistência farmacêutica. Lembramos que os valores definidos em portaria nacional podem ser majorados conforme pactuações nas respectivas CIB. Em Santa Catarina vigora a Deliberação CIB nº 501/2013, sobre as normas de execução e financiamento da assistência farmacêutica na atenção básica à saúde. NASF (Núcleo de Apoio à Saúde da Família) Segundo a Portaria nº 548/2013, os municípios poderão receber incentivos financeiros mensais para implantação e, posteriormente, para a manutenção dos serviços de acordo com cada modalidade de NASF descrita abaixo: Entre os profissionais habilitados para compor as equipes de NASF, o farmacêutico figura como profissional com alta capacidade para intervir positivamente sobre os resultados clínicos e epidemiológicos da atenção primária em saúde (NAKAMURA, 2013). NASF Modalidade 1 R$ ,00 NASF Modalidade 2 R$ ,00 NASF Modalidade 3 R$ 8.000,00 15

16 O FARMACÊUTICO FAZ A DIFERENÇA NO SUS QUALIFAR-SUS Além dos recursos aqui antes citados, e considerando a necessidade de qualificar a assistência farmacêutica, com ênfase na inserção das Redes de Atenção à Saúde, no âmbito SUS, o Departamento de Assistência Farmacêutica do Ministério da Saúde (DAF/SC- TIE/MS) criou o Programa Nacional de Qualificação da Assistência Farmacêutica - QUALIFAR-SUS, com a finalidade de contribuir para o processo de aprimoramento, implementação e integração sistêmica das atividades da assistência farmacêutica nas ações e serviços de saúde, visando uma atenção contínua, integral, segura, responsável e humanizada (BRASIL, 2012b), instituído pela Portaria nº 1.214/2012. O QUALIFAR-SUS foi estruturado em quatro eixos: Estrutura, Educação, Informação e Cuidado. O Eixo Estrutura tem por objetivo contribuir para a estruturação dos serviços farmacêuticos no SUS, de modo que estes sejam compatíveis com as atividades desenvolvidas na assistência farmacêutica, considerando a área física, os equipamentos, mobiliários e recursos humanos. Em 2012, as ações relacionadas ao Eixo Estrutura possibilitaram apoio financeiro a 453 municípios que representam 20% (vinte por cento) dos municípios com população em situação de extrema pobreza constantes no Programa Brasil Sem Miséria até habitantes. Em 2014, mais 676 municípios serão selecionados. O Eixo Educação tem por objetivo promover a educação permanente e a capacitação dos profissionais de saúde para qualificação das ações da assistência farmacêutica voltadas ao aprimoramento das práticas profissionais no contexto das redes de atenção à saúde. O Eixo Informação tem por objetivo produzir documentos técnicos e disponibilizar informações que possibilitem o acompanhamento, monitoramento e avaliação das ações e serviços da assistência farmacêutica. O Eixo Cuidado tem por objetivo inserir a assistência farmacêutica nas práticas clínicas visando a resolutividade das ações em saúde, otimizando os benefícios e minimizando os riscos relacionados à farmacoterapia. QUALQUER QUE SEJA O MODELO DE INCENTIVO, É PRECISO QUE O MUNICÍPIO, O ESTADO OU O PRÓPRIO SERVIÇO APRESENTE UMA PROPOSTA PARA A APLICAÇÃO DOS RECURSOS A SEREM DISPONIBILIZADOS. O FARMACÊUTICO DEVE ESTAR ATENTO ÀS OPÇÕES EXISTENTES PARA PRODUZIR OU AUXILIAR NA ELABORAÇÃO DE PROJETOS VISANDO À OBTENÇÃO DOS RECURSOS. HÓRUS Trata-se de um Sistema Nacional de Gestão da Assistência Farmacêutica, vinculado ao Ministério da Saúde, desenvolvido para contribuir com a qualificação da gestão da assistência farmacêutica nas três esferas da Saúde, promovendo melhoria do atendimento nos serviços e da qualidade de vida dos usuários. Segundo experiência exitosa no município de Uraí- PR, o Hórus mostrou ser uma ferramenta bastante útil na gestão da assistência farmacêutica, facilitando o controle da aquisição, distribuição e o uso racional dos medicamentos, além de permitir a integração com o Cartão Nacional do SUS. Já a experiência de Diadema-SP, possibilitou, através do Hórus, a discussão e reestruturação dos processos de trabalho, melhoria do gerenciamento de estoque por unidade básica de saúde e acompanhamento dos tratamentos (BRASIL, 2009b). 16

17 CRF-SC 2014 LEGISLAÇÃO Lei n 5.991, de 17 de dezembro de 1973 Dispõe sobre o controle de drogas, medicamentos, insumos farmacêuticos e correlatos, e dá outras providências. Lei n 6.360, de 23 de setembro de 1976 Dispõe sobre a vigilância sanitária a que ficam sujeitos os medicamentos, as drogas, os insumos farmacêuticos e correlatos, cosméticos, saneantes e outros produtos, e dá outras providências. Lei n 8.080, de 19 de setembro de 1990 Dispõe sobre as condições de promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e funcionamento dos serviços de saúde e dá outras providências. Lei n 8.142, de 28 de dezembro de 1990 Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde (SUS} e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde e dá outras providências. Lei n 8.666, de 21 de junho de 1993 Regulamenta o art. 37, inciso XXI, da Constituição Federal, institui normas para licitações e contratos da Administração Pública e dá outras providências. Lei n 8.883, de 8 de junho de 1994 Altera dispositivos da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, que regulamenta o art. 37, inciso XXI, da Constituição Federal, institui normas para licitações e dá outras providências. Portaria n 1.818, de 2 de dezembro de 1997 Recomenda que nas compras e licitações públicas de produtos farmacêuticos realizadas nos níveis federal, estadual e municipal pelos serviços governamentais, conveniadas e contratadas pelo SUS, sejam incluídas exigências sobre requisitos de qualidade a serem cumpridas pelos fabricantes e fornecedores desses produtos. Portaria n 344, de 12 de maio de 1998 Aprova o Regulamento Técnico sobre substâncias e medicamentos sujeitos a controle especial. Portaria n 3.916, de 30 de outubro de 1998 Aprova a Política Nacional de Medicamentos. Lei n 9.787, de 10 de fevereiro de 1999 Altera a Lei nº 6.360, de 23 de setembro de 1976, que dispõe sobre a vigilância sanitária, estabelece o medicamento genérico, dispõe sobre a utilização de nomes genéricos em produtos farmacêuticos e dá outras providências. Portaria n 176, de 8 de março de 1999 Estabelece critérios e requisitos para a qualificação dos municípios e estados ao incentivo à Assistência Farmacêutica Básica e define valores a serem transferidos. 17

18 O FARMACÊUTICO FAZ A DIFERENÇA NO SUS 2000 Lei n 1.520, de 17 de junho de 2002 Institui, no âmbito da União, Estados, Distrito Federal e Municípios, nos termos do art. 37, inciso XXI, da Constituição Federal, modalidade de licitação denominada pregão, para aquisição de bens e serviços comuns, e dá outras providências. Resolução CNS n 338, de 06 de maio de 2004 Aprova a Política Nacional de Assistência Farmacêutica. Resolução CFF n 417, de 29 de setembro de 2004 Aprova o código de ética da profissão farmacêutica. RDC n 306, de 7 de dezembro de 2004 Dispõe sobre o Regulamento Técnico para o gerenciamento de resíduos de serviços de saúde. Lei n , de 30 de dezembro de 2004 Institui normas gerais para licitação e contratação de parcerias público-privadas no âmbito da administração pública. Resolução CFF nº 440, de 22 de setembro de 2005 Dá nova redação à Resolução nº 335/98 do Conselho Federal de Farmácia, que dispõe sobre as prerrogativas para o exercício da responsabilidade técnica em homeopatia. Portaria nº 971, de 3 de maio de 2006 Aprova a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde. Lei n , de 27 de setembro de 2006 Dispõe sobre a distribuição gratuita de medicamentos e materiais necessários à sua aplicação e à monitoração da glicemia capilar aos portadores de diabetes inscritos em programas de educação para diabéticos. Portaria SAS nº 853, de 17 de novembro de 2006 Inclui na Tabela de Serviços/classificações do Sistema de Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde - SCNES de Informações do SUS, o serviço de código 068 Práticas Integrativas e Complementares. 18 RDC n 67, de 8 de outubro de 2007 Dispõe sobre Boas Práticas de Manipulação de Preparações Magistrais e Oficinais para uso humano em farmácias. Portaria n 2.583, de 10 de outubro de 2007 Define elenco de medicamentos e insumos disponibilizados pelo Sistema Único de Saúde, nos termos da Lei n , de 2006, aos usuários portadores de diabetes mellitus.

19 CRF-SC 2014 Portaria n 3.237, de 25 de dezembro de 2007 Aprova as normas de execução e de financiamento da assistência farmacêutica na Atenção Básica em saúde. Portaria n 154, de 24 de janeiro de 2008 Cria os Núcleos de Apoio à Saúde da Família - NASF. Resolução CFF nº 477, de 28 de maio de 2008 Dispõe sobre as atribuições do farmacêutico no âmbito das plantas medicinais e fitoterápicos e dá outras providências. RDC n 44, de 17 de agosto de 2009 Dispõe sobre Boas Práticas Farmacêuticas para o controle sanitário do funcionamento, da dispensação e da comercialização de produtos e da prestação de serviços farmacêuticos em farmácias e drogarias e dá outras providências. Portaria n 2.981, de 26 de novembro de 2009 Aprova o Componente Especializado da Assistência Farmacêutica. Resolução CFF nº 516, de 26 de novembro de 2009 Define os aspectos técnicos do exercício da Acupuntura na Medicina Tradicional Chinesa como especialidade do farmacêutico RDC n 20, de 5 de maio de 2011 Dispõe sobre o controle de medicamentos à base de substâncias classificadas como antimicrobianos, de uso sob prescrição, isoladas ou em associação. Deliberação CIB/SC n 192, de 22 de julho de 2011 Aprova a contrapartida estadual do Incentivo à Assistência Farmacêutica na Atenção Básica em Santa Catarina. Portaria nº 1.214, de 13 de junho de 2012 Institui o Programa Nacional de Qualificação da Assistência Farmacêutica no âmbito do Sistema Único de Saúde (QUALIFAR- SUS). Portaria nº 3.124, de 28 de Dezembro de 2012 Redefine os parâmetros de vinculação dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF) Modalidades 1 e 2 às Equipes Saúde da Família e/ou Equipes de Atenção Básica para populações específicas, cria a Modalidade NASF 3, e dá outras providências. 19

20 O FARMACÊUTICO FAZ A DIFERENÇA NO SUS Portaria nº 271, de 27 de fevereiro de 2013 Institui a base nacional de dados de ações e serviços da Assistência Farmacêutica e regulamenta o conjunto de dados, fluxo e cronograma de envio referente ao componente básico da Assistência Farmacêutica no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Portaria nº 529, de 01 de abril de 2013 Institui o Programa Nacional de Segurança do Paciente (PNSP). Portaria nº 548, de 04 de abril de 2013 Define o valor de financiamento do Piso da Atenção Básica Variável para os Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF) modalidade 1, 2 e 3. Resolução CFF Nº 576, de 28 de junho de 2013 Dá nova redação ao artigo 1º da Resolução CFF nº 440/05, que dispõe sobre as prerrogativas para o exercício da responsabilidade técnica em homeopatia. Resolução CFF nº 578, de 26 de julho de 2013 Regulamenta as atribuições técnico-gerenciais do farmacêutico na gestão da assistência farmacêutica no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Portaria nº 1.554, de 30 de julho de 2013 Dispõe sobre as normas de financiamento e de execução do Componente Básico da Assistência Farmacêutica no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Portaria nº 1.555, de 30 de julho de 2013 Aprova as normas de financiamento e execução do Componente Básico da Assistência Farmacêutica no Sistema Único de Saúde (SUS). Resolução CFF nº 585, de 29 de agosto de 2013 Regulamenta as atribuições clínicas do farmacêutico e dá outras providências. Resolução CFF nº 586, de 29 de agosto de 2013 Regula a prescrição farmacêutica e dá outras providências. Deliberação CIB n 501, de 27 de novembro de 2013 Aprova a contrapartida estadual do Incentivo à Assistência Farmacêutica na Atenção Básica em Santa Catarina. Resolução CFF nº 596, de 21 de fevereiro de 2014 Dispõe sobre o Código de Ética Farmacêutica, o Código de Processo Ético e estabelece as infrações e as regras de aplicação das sanções disciplinares. 20

O FARMACÊUTICO FAZ A DIFERENÇA NO SUS ORIENTAÇÕES AOS GESTORES

O FARMACÊUTICO FAZ A DIFERENÇA NO SUS ORIENTAÇÕES AOS GESTORES O FARMACÊUTICO FAZ A DIFERENÇA NO SUS ORIENTAÇÕES AOS GESTORES O FARMACÊUTICO FAZ A DIFERENÇA NO SUS APRESENTAÇÃO Caro colega No cenário catarinense é notório o avanço do desenvolvimento da Assistência

Leia mais

ENCONTRO ESTADUAL DE FARMACÊUTICOS PREPARATÓRIO PARA A 15ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL OFICINA AMAZONAS

ENCONTRO ESTADUAL DE FARMACÊUTICOS PREPARATÓRIO PARA A 15ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL OFICINA AMAZONAS ENCONTRO ESTADUAL DE FARMACÊUTICOS PREPARATÓRIO PARA A 15ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL OFICINA AMAZONAS Informações gerais Estado Amazonas Organizadores (sindicato e Sindicato dos Farmacêuticos

Leia mais

NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013.

NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013. NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013. Assessoria da Presidência Assessoria técnica Grupo de consultores ad hoc Conselho Federal de

Leia mais

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Maceió -Setembro/2013 HISTÓRICO PORTARIA GM/MS nº 3.916/98 POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS ESTABELECEU DIRETRIZES

Leia mais

Atribuições Clínicas do Farmacêutico

Atribuições Clínicas do Farmacêutico Atribuições Clínicas do Farmacêutico Evolução dos gastos com medicamentos do Ministério da Saúde 650% crescimento R$ Atualizado: 10/02/2014 Fonte: Fundo Nacional de Saúde FNS e CGPLAN/SCTIE/MS Hospitalizações

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 4.283, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 4.283, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010 Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 4.283, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010 Aprova as diretrizes e estratégias para organização, fortalecimento e aprimoramento das ações e serviços de farmácia

Leia mais

ENTIDADES DE FISCALIZAÇÃO DO EXERCÍCIO DAS PROFISSÕES LIBERAIS CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA RESOLUÇÃO Nº 601, DE 26 DE SETEMBRO DE 2014

ENTIDADES DE FISCALIZAÇÃO DO EXERCÍCIO DAS PROFISSÕES LIBERAIS CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA RESOLUÇÃO Nº 601, DE 26 DE SETEMBRO DE 2014 ENTIDADES DE FISCALIZAÇÃO DO EXERCÍCIO DAS PROFISSÕES LIBERAIS CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA RESOLUÇÃO Nº 601, DE 26 DE SETEMBRO DE 2014 Dispõe sobre as atribuições do farmacêutico no âmbito da homeopatia

Leia mais

NOTA TÉCNICA 33 2012

NOTA TÉCNICA 33 2012 NOTA TÉCNICA 33 2012 Proposta de regulamentação da base nacional de dados das ações e serviços do Componente Básico da Assistência Farmacêutica no SUS Assembleia do CONASS de 17 outubro de 2012 Brasília,

Leia mais

Saúde! Os veículos de comunicação são espaços privilegiados. na distribuição e na propagação de informações

Saúde! Os veículos de comunicação são espaços privilegiados. na distribuição e na propagação de informações Saúde! Os veículos de comunicação são espaços privilegiados na distribuição e na propagação de informações sobre saúde. É inestimável sua histórica contribuição na promoção da saúde. Este impresso apresenta

Leia mais

DECRETO Nº 1710, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2007.

DECRETO Nº 1710, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2007. DECRETO Nº 1710, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2007. Institui o elenco de medicamentos e aprova o regulamento dos procedimentos de aquisição e dispensação de medicamentos especiais para tratamento ambulatorial

Leia mais

Fabiola Sulpino Vieira. fabiolasulpino@uol.com.br

Fabiola Sulpino Vieira. fabiolasulpino@uol.com.br Fabiola Sulpino Vieira fabiolasulpino@uol.com.br Mercado Farmacêutico Mundial Entre 1980 e 1999 houve crescimento de 5 até quase 120 bilhões de dólares a preços constantes Em 1999, 15% da população mundial

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS. luciene@fortalnet.com.br 1

POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS. luciene@fortalnet.com.br 1 POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS luciene@fortalnet.com.br 1 POLÍTICA? luciene@fortalnet.com.br 2 Política É um compromisso oficial expresso em um documento escrito. São decisões de caráter geral, destinadas

Leia mais

CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE

CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE A realização do I Congresso Brasileiro sobre o Uso Racional de Medicamentos

Leia mais

www.saude.gov.br (Portal da saúde) Farmácia Popular do Brasil

www.saude.gov.br (Portal da saúde) Farmácia Popular do Brasil www.saude.gov.br (Portal da saúde) Farmácia Popular do Brasil O Governo Federal criou o Programa Farmácia Popular do Brasil para ampliar o acesso aos medicamentos para as doenças mais comuns entre os cidadãos.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.813, DE 22 DE JUNHO DE 2006. Aprova a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e dá outras providências.

Leia mais

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011.

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. Regulamenta a Lei n o 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

Prescrição Farmacêutica. Aspectos técnicos e legais

Prescrição Farmacêutica. Aspectos técnicos e legais Bem Vindos! Prescrição Farmacêutica Aspectos técnicos e legais Quem sou? Prof. Dr José Henrique Gialongo Gonçales Bomfim Farmacêutico Bioquímico 1998 Mestre em Toxicologia USP 2003 Doutor em Farmacologia

Leia mais

Desafios para a Comunicação Efetiva em Farmacovigilância no Brasil

Desafios para a Comunicação Efetiva em Farmacovigilância no Brasil IX Encontro Internacional de Farmacovigilância das Américas Painel: Comunicação do Risco em Farmacovigilância: o que fazer para a informação chegar a quem interessa? Desafios para a Comunicação Efetiva

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DA REDE BÁSICA DE SAÚDE

LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DA REDE BÁSICA DE SAÚDE LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DA REDE BÁSICA DE SAÚDE 1. Marcos Lógicos Publicação/Origem NORMATIVAS INTERNACIONAIS DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Declaração Americana dos Direitos

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Ementa: Regulamenta o exercício profissional nos serviços de atendimento pré-hospitalar, na farmácia hospitalar e em outros serviços de saúde, de natureza pública

Leia mais

www.grupoidealbr.com.br Conteúdo: legislação sanitária Professor (a): Paulo Nogueira Mini currículo: Fiscal Sanitário Municipal de Nível Superior da Vigilância Sanitária Municipal de Belo Horizonte. Biólogo

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013 Institui o Programa Nacional de Segurança do

Leia mais

Msc. Luiz Henrique Costa Coordenador Geral de Assistência Farmacêutica e Medicamentos Estratégicos/SCTIE/MS

Msc. Luiz Henrique Costa Coordenador Geral de Assistência Farmacêutica e Medicamentos Estratégicos/SCTIE/MS Msc. Luiz Henrique Costa Coordenador Geral de Assistência Farmacêutica e Medicamentos Estratégicos/SCTIE/MS Assistência Farmacêutica Histórico 1990: Criação da lei Orgânica do SUS Equidade Universalidade

Leia mais

INTRODUÇÃO JUSTIFICATIVA OBJETIVOS OBJETIVOS ESPECÍFICOS OBJETIVOS ESPECÍFICOS PRÊMIO DE INCENTIVO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA O SUS 2010

INTRODUÇÃO JUSTIFICATIVA OBJETIVOS OBJETIVOS ESPECÍFICOS OBJETIVOS ESPECÍFICOS PRÊMIO DE INCENTIVO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA O SUS 2010 PRÊMIO DE INCENTIVO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA O SUS 2010 A Monografia IMPLANTAÇÃO DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA NO NASF NÚCLEO DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE EXTREMA-MG foi premiada com Menção

Leia mais

Componente Curricular: Deontologia e Bioética Farmacêutica PLANO DE CURSO

Componente Curricular: Deontologia e Bioética Farmacêutica PLANO DE CURSO CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 Componente Curricular: Deontologia e Bioética Farmacêutica Código: FAR - 106 Pré-requisito: - Período

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Ementa: Regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações resultantes da prática da assistência farmacêutica nos serviços de saúde. O Conselho Federal

Leia mais

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009.

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE SAÚDE, CRIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL, DA DIVISÃO DE MEIO-AMBIENTE E

Leia mais

DISPENSAÇÃO DE MEDICAMENTOS

DISPENSAÇÃO DE MEDICAMENTOS DE MEDICAMENTOS DEFINIÇÃO Dispensação é o ato de assegurar que o medicamento de boa qualidade seja entregue ao paciente certo, na dose prescrita, na quantidade adequada; que sejam fornecidas as informações

Leia mais

Experiência: Sistema de Controle logístico de Medicamentos Antirretrovirais - SICLOM

Experiência: Sistema de Controle logístico de Medicamentos Antirretrovirais - SICLOM Experiência: Sistema de Controle logístico de Medicamentos Antirretrovirais - SICLOM Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Responsável: Juliana Monteiro da Cruz, Gerente de Desenvolvimento

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 07/13 RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO - RAG ORIENTAÇÕES GERAIS Introdução O Planejamento é um instrumento de gestão, que busca gerar e articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas de

Leia mais

SELEÇÃO DE MEDICAMENTOS

SELEÇÃO DE MEDICAMENTOS O QUE É? PROCESSO DE ESCOLHA DE EFICAZES E SEGUROS, CUSTO-EFETIVOS, IMPRESCINDÍVEIS AO ATENDIMENTO DAS NECESSIDADES DE UMA POPULAÇÃO PONTO DE PARTIDA E BASE DE TODAS AS ATIVIDADES DO CICLO DA ASSITÊNCIA

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS

DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE DIRETRIZ: Ampliação da cobertura e qualidade dos serviços de saúde, com o aprimoramento

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS Claudia Witzel

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS Claudia Witzel ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS Claudia Witzel CICLO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA O Ciclo da Assistência Farmacêutica compreende um sistema integrado de técnicas, científicas e operacionais SELEÇÃO DE MEDICAMENTOS

Leia mais

Serviços Farmacêuticos no CAPS. Centros de Atenção Psicossocial

Serviços Farmacêuticos no CAPS. Centros de Atenção Psicossocial Serviços Farmacêuticos no CAPS Centros de Atenção Psicossocial Saúde Mental A Organização Mundial de Saúde afirma que nãoexiste definição "oficial" de saúde mental. Diferenças culturais, julgamentos subjetivos,

Leia mais

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011 DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011 Regulamenta a Lei n o 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência

Leia mais

Circular 059/2012 São Paulo, 01 de Fevereiro de 2012.

Circular 059/2012 São Paulo, 01 de Fevereiro de 2012. Circular 059/2012 São Paulo, 01 de Fevereiro de 2012. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) NORMAS DE FUNCIONAMENTO E HABILITAÇÃO DO SERVIÇO HOSPITALAR DE REFERÊNCIA ATENÇÃO PSICOSSOCIAL Diário Oficial da União

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

2. Quais os objetivos do Programa Nacional de Segurança do Paciente?

2. Quais os objetivos do Programa Nacional de Segurança do Paciente? O tema Segurança do Paciente vem sendo desenvolvido sistematicamente pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) desde sua criação, cooperando com a missão da Vigilância Sanitária de proteger

Leia mais

COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO E PARECERES PARECER n.º 007/2013

COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO E PARECERES PARECER n.º 007/2013 COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO E PARECERES PARECER n.º 007/2013 Aprovado na 523ª Reunião Ordinária de Plenário de 26 de agosto de 2013. 1. Do Fato Assunto: Dispensação de medicamentos pelo Técnico de Enfermagem.

Leia mais

Novos Procedimentos de Vigilância Sanitária na Tabela do SUS

Novos Procedimentos de Vigilância Sanitária na Tabela do SUS Novos Procedimentos de Vigilância Sanitária na Tabela do SUS N o 152 Abril/2015 2015 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que não seja para

Leia mais

REVISÃO DO PROGRAMA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA

REVISÃO DO PROGRAMA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA REVISÃO DO PROGRAMA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Apresentação Este produto consta de duas partes. A primeira parte apresenta a Política Nacional de Medicamentos-PNM ( Portaria 3916/98) e seu processo

Leia mais

Ações do Ministério da Saúde no âmbito da Farmácia Hospitalar

Ações do Ministério da Saúde no âmbito da Farmácia Hospitalar Ações do Ministério da Saúde no âmbito da Farmácia Hospitalar Panorama das ações do Ministério da Saúde no âmbito da Farmácia Hospitalar Portaria N 4.283 de 30 de dezembro de 2010 - Diretrizes para ações

Leia mais

EXPERIÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA NO SUS APS SANTA MARCELINA / SP:

EXPERIÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA NO SUS APS SANTA MARCELINA / SP: APS SANTA MARCELINA INTRODUÇÃO EXPERIÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DA NO SUS APS SANTA MARCELINA / SP: UM PROCESSO EM CONSTRUÇÃO Parceria com a Prefeitura de São Paulo no desenvolvimento de ações e serviços voltados

Leia mais

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Simpósio Mineiro de Enfermagem e Farmácia em Oncologia Belo Horizonte - MG, setembro de 2013. Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Patricia Fernanda Toledo Barbosa

Leia mais

FORNECIMENTO DE MEDICAMENTOS NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

FORNECIMENTO DE MEDICAMENTOS NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE ESTUDO FORNECIMENTO DE MEDICAMENTOS NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE Gustavo Silveira Machado Consultor Legislativo da Área XVI Saúde pública e Sanitarismo ESTUDO MAIO/2010 Câmara dos Deputados Praça 3 Poderes

Leia mais

Programa Nacional de Segurança do Paciente: estado da arte e perspectivas

Programa Nacional de Segurança do Paciente: estado da arte e perspectivas Programa Nacional de Segurança do Paciente: estado da arte e perspectivas Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 7, de 04 de fevereiro de 2015 D.O.U de 09/02/2015

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 7, de 04 de fevereiro de 2015 D.O.U de 09/02/2015 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 7, de 04 de fevereiro de 2015 D.O.U de 09/02/2015 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

Pesquisa Clínica e Regulamentação da Importação de Medicamentos. Revisoras da 2ª Edição: Carolina Rodrigues Gomes e Vera Lúcia Edais Pepe

Pesquisa Clínica e Regulamentação da Importação de Medicamentos. Revisoras da 2ª Edição: Carolina Rodrigues Gomes e Vera Lúcia Edais Pepe Pesquisa Clínica e Regulamentação da Importação de Medicamentos Autoras: Grazielle Silva de Lima e Letícia Figueira Freitas Revisoras da 2ª Edição: Carolina Rodrigues Gomes e Vera Lúcia Edais Pepe Revisoras

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 7ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE SANTA CATARINA

DOCUMENTO FINAL 7ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE SANTA CATARINA DOCUMENTO FINAL 7ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE SANTA CATARINA EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE DIRETRIZ: Fortalecer o Direito à Saúde, a Garantia de Acesso e a Atenção de Qualidade

Leia mais

POLÍTICA DE DESCARTE DE MEDICAMENTOS NA FARMÁCIA ENSINO DO SAS

POLÍTICA DE DESCARTE DE MEDICAMENTOS NA FARMÁCIA ENSINO DO SAS POLÍTICA DE DESCARTE DE MEDICAMENTOS NA FARMÁCIA ENSINO DO SAS CABRAL, Mayara da Nóbrega CHAVES, Antônio Marcos Maia CHAVES, Maria Emília Tiburtino JALES, Silvana Teresa Lacerda MEDEIROS, Leanio Eudes

Leia mais

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição Indicadores de Saúde Definição PROFª FLÁVIA NUNES É a quantificação da realidade, que permite avaliar/comparar níveis de saúde entre diferentes populações ao longo do tempo. Tipos de indicadores IMPORTÂNCIA

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus. Insulina. Acompanhamento farmacoterapêutico.

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus. Insulina. Acompanhamento farmacoterapêutico. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Implementación e Impacto de las Listas Nacionales de Medicamentos Esenciales Experiencias en Países Seleccionados de la Región - BRASIL

Implementación e Impacto de las Listas Nacionales de Medicamentos Esenciales Experiencias en Países Seleccionados de la Región - BRASIL Implementación e Impacto de las Listas Nacionales de Medicamentos Esenciales Experiencias en Países Seleccionados de la Región - BRASIL Lima, Perú 27 noviembre de 2007 Sistema Único de Saúde - SUS Estabelecido

Leia mais

O Papel da ANVISA na Regulamentação da Inovação Farmacêutica

O Papel da ANVISA na Regulamentação da Inovação Farmacêutica O Papel da ANVISA na Regulamentação da Inovação Farmacêutica Renato Alencar Porto Diretor 22 de junho de 2015 Bases legais para o estabelecimento do sistema de regulação Competências na Legislação Federal

Leia mais

PROJETO DE FORMAÇÃO E MELHORIA DA QUALIDADE DA REDE DE SAUDE QUALISUS-REDE

PROJETO DE FORMAÇÃO E MELHORIA DA QUALIDADE DA REDE DE SAUDE QUALISUS-REDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 10/2015 Consultor Conteudista para elaboração do Curso EAD voltado à Implantação de Serviço de Clínica Farmacêutica Intervenção Sistêmica Gestão da Assistência Farmacêutica : Implantação

Leia mais

IMPACTOS INICIAIS DA INFORMATIZAÇÃO SOBRE O CONTROLE DE MEDICAMENTOS NA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA DO SUS

IMPACTOS INICIAIS DA INFORMATIZAÇÃO SOBRE O CONTROLE DE MEDICAMENTOS NA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA DO SUS ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA IMPACTOS INICIAIS DA INFORMATIZAÇÃO SOBRE O CONTROLE DE MEDICAMENTOS NA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA DO SUS MUNIS,

Leia mais

PORTARIA Nº 2.841, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010

PORTARIA Nº 2.841, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010 PORTARIA Nº 2.841, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010 Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS, o Centro de Atenção Psicossocial de Álcool e outras Drogas 24 horas - CAPS AD III. O MINISTRO DE ESTADO

Leia mais

Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública. Apresentação e orientações

Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública. Apresentação e orientações Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública FORMULÁRIO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES EM CONSULTA PÚBLICA Apresentação e orientações Este Formulário possui a finalidade de enviar contribuições

Leia mais

POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM

POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM NOTA TÉCNICA 41 2013 POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM DISPÕE SOBRE O REPASSE DE RECURSOS FINANCEIROS DE CUSTEIO A MUNICIPIOS, ESTADOS E DISTRITO FEDERL PARA A EXECUÇÃO DE AÇÕES DE

Leia mais

Rede de Atenção Psicossocial

Rede de Atenção Psicossocial NOTA TÉCNICA 60 2011 Rede de Atenção Psicossocial Minuta de portaria que aprova as normas de funcionamento e habilitação do Serviço Hospitalar de Referência para atenção às pessoas com sofrimento ou transtorno

Leia mais

Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013

Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013 Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013 Regulamenta as condições para o funcionamento de empresas sujeitas

Leia mais

QUALIFAR-SUS Programa Nacional de Qualificação da Assistência Farmacêutica

QUALIFAR-SUS Programa Nacional de Qualificação da Assistência Farmacêutica Ministério da Saúde Secretaria de Ciência, tecnologia e Insumos Estratégico Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégico Coordenação Geral de Assistência Farmacêutica Básica QUALIFAR-SUS

Leia mais

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário Guia de Farmacovigilância - Anvisa ANEXO IV - Glossário De acordo com a RESOLUÇÃO - RDC Nº 4, DE 10/02/09 (DOU 11/02/09): Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos

Leia mais

Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos de uso humano.

Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos de uso humano. Resolução da Diretoria Colegiada RDC nº 4 ANVISA de 10 de fevereiro de 2009 Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos de uso humano. A Diretoria Colegiada

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 01/13 PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE ORIENTAÇÕES GERAIS 2014/2017 Introdução: O planejamento em saúde configura-se como responsabilidade dos entes públicos, assegurada pela Constituição Federal

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA NOTA TÉCNICA 05 2007 POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA Versão preliminar Brasília, 20 de março de 2007. POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA 1. Antecedentes

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

Edital nº 001/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS

Edital nº 001/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL SECRETARIA NACIONAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Comitê Gestor do Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e outras drogas

Leia mais

A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO

A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO ÍNDICE Diagnóstico Princípios Básicos: 1- Redefinição da atuação pública na saúde 2-Saúde como direito de todos 3-Estabilidade e continuidade das políticas de

Leia mais

Práticas Integrativas e Complementares: Avanços e Desafios para MTC-Acupuntura no

Práticas Integrativas e Complementares: Avanços e Desafios para MTC-Acupuntura no OFICINA DE ATUALIZAÇÃO Práticas Integrativas e Complementares: Avanços e Desafios para MTC-Acupuntura no SUS Brasília - DF 25 e 26 de novembro de 2010 SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS GRATUITO e UNIVERSAL Princípios

Leia mais

Serviço Público Federal Conselho Regional de Farmácia do Estado de Santa Catarina - CRF/SC

Serviço Público Federal Conselho Regional de Farmácia do Estado de Santa Catarina - CRF/SC Serviço Público Federal Conselho Regional de Farmácia do Estado de Santa Catarina - CRF/SC Trav. Olindina Alves Pereira, 35 - Caixa Postal 472-88020-095 Fone/Fax (48) 222-4702 - Florianópolis - SC. url:

Leia mais

Assunto: Mudanças trazidas pela Portaria GM/MS 475/2014

Assunto: Mudanças trazidas pela Portaria GM/MS 475/2014 NOTA ORIENTATIVA 01/2014 GCOOR/GGCOF Assunto: Mudanças trazidas pela Portaria GM/MS 475/2014 (Planejamento e Programação, Pactuação, Prestação de Contas e Monitoramento para fins de repasse financeiro)

Leia mais

RESOLUÇÃO CFN N 525/2013

RESOLUÇÃO CFN N 525/2013 Página 1 de 7 RESOLUÇÃO CFN N 525/2013 Regulamenta a prática da fitoterapia pelo nutricionista, atribuindo-lhe competência para, nas modalidades que especifica, prescrever plantas medicinais, drogas vegetais

Leia mais

ANEXO ÚNICO POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO ESTADO DE GOIÁS

ANEXO ÚNICO POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO ESTADO DE GOIÁS 1 ANEXO ÚNICO POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO ESTADO DE GOIÁS I. PROPÓSITOS A Política Estadual em Saúde do Trabalhador tem por propósito definir princípios, diretrizes e estratégias para

Leia mais

PROPOSTAS PARA A ESTRUTURAÇÃO DA ÁREA FARMACÊUTICA EM PERNAMBUCO

PROPOSTAS PARA A ESTRUTURAÇÃO DA ÁREA FARMACÊUTICA EM PERNAMBUCO PROPOSTAS PARA A ESTRUTURAÇÃO DA ÁREA FARMACÊUTICA EM PERNAMBUCO Documento elaborado a partir das discussões do Fórum Pernambucano de Valorização da Profissão Farmacêutica RECIFE/PE, AGOSTO DE 2014 Propostas

Leia mais

Como a Tecnologia pode democratizar o acesso à saúde

Como a Tecnologia pode democratizar o acesso à saúde Como a Tecnologia pode democratizar o acesso à saúde Smartcity Business América 2015 Curitiba PR Brazil Maio de 2015 Sociedades Inteligentes e Governaça Airton Coelho, MsC, PMP Secretário de Ciência e

Leia mais

PORTARIA Nº 375, DE 10 DE MARÇO DE 2014

PORTARIA Nº 375, DE 10 DE MARÇO DE 2014 PORTARIA Nº 375, DE 10 DE MARÇO DE 2014 Regulamenta a aplicação das emendas parlamentares que adicionarem recursos à Rede SUS no exercício de 2014 para aplicação em obras de ampliação e construção de entidades

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 ORGANIZAÇÃO DAS AÇÕES EM SAÚDE DO TRABALHADOR NA ATENÇÃO BÁSICA NOS MUNICÍPIOS DA 20ª REGIONAL DE SAÚDE DO PARANÁ 1 Viviane Delcy da Silva 2 Neide Tiemi Murofuse INTRODUÇÃO A Saúde do Trabalhador (ST)

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES NO SUS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES NO SUS SISTEMAS DE INFORMAÇÕES NO SUS Sobre o SUS A Constituição Federal do Brasil define, em seu artigo 196 que a saúde é um direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas,

Leia mais

Audiência Pública Senado Federal Comissão de Assuntos Econômicos Subcomissão de Marcos Regulatórios. Brasília, 1º de outubro de 2007

Audiência Pública Senado Federal Comissão de Assuntos Econômicos Subcomissão de Marcos Regulatórios. Brasília, 1º de outubro de 2007 Audiência Pública Senado Federal Comissão de Assuntos Econômicos Subcomissão de Marcos Regulatórios Brasília, 1º de outubro de 2007 A ANVISA Autarquia sob regime especial Independência administrativa e

Leia mais

Gerenciamento de Riscos a Saúde

Gerenciamento de Riscos a Saúde Gerenciamento de Riscos a Saúde O papel da Prescrição Eletrônica e Rastreabilidade na administração segura de medicamentos Serviço de Informática /CAISM Profa Dra Roseli Calil Hospital da Mulher Prof.

Leia mais

Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação

Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação Profª Dra Roseli Calil / DEC Enfº Adilton D. Leite / SADP A ANVISA, através da RDC (RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA da Agência Nacional

Leia mais

Sistema Único de Saúde (SUS)

Sistema Único de Saúde (SUS) LEIS ORGÂNICAS DA SAÚDE Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990 Lei nº 8.142 de 28 de dezembro de 1990 Criadas para dar cumprimento ao mandamento constitucional Sistema Único de Saúde (SUS) 1 Lei n o 8.080

Leia mais

SUSAM Secretaria de Estado de Saúde RESUMO DE ATOS ADMINISTRATIVOS. SUSAM Secretaria de Estado de Saúde. Fonte: Diário Oficial da União - DOU

SUSAM Secretaria de Estado de Saúde RESUMO DE ATOS ADMINISTRATIVOS. SUSAM Secretaria de Estado de Saúde. Fonte: Diário Oficial da União - DOU SUSAM Secretaria de Estado de Saúde RESUMO DE ATOS ADMINISTRATIVOS SUSAM Secretaria de Estado de Saúde ABRIL DE 2011 Fonte: Diário Oficial da União - DOU SUSAM Secretaria de Estado de Saúde S U M Á R I

Leia mais

CONSELHO DE SECRETARIAS MUNICIPAIS DE SAÚDE

CONSELHO DE SECRETARIAS MUNICIPAIS DE SAÚDE ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA PROFISSIONAL NÍVEL SUPERIOR CONTEUDISTA (MESTRE) PARA O CURSO DE QUALIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA, COM UTILIZAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE GESTÃO DA

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência CURSO DE ATUALIZAÇÃO SOBRE INTERVENÇÃO BREVE E ACONSELHAMENTO MOTIVACIONAL PARA USUÁRIOS DE ÁLCOOL, CRACK E OUTRAS DROGAS Rede de Atenção e

Leia mais

PRINCIPAIS LEGISLAÇÕES SANITÁRIAS REFERENTES A ESTABELECIMENTOS DE SAÙDE PROJETOS UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

PRINCIPAIS LEGISLAÇÕES SANITÁRIAS REFERENTES A ESTABELECIMENTOS DE SAÙDE PROJETOS UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 1 PRINCIPAIS LEGISLAÇÕES SANITÁRIAS REFERENTES A ESTABELECIMENTOS DE SAÙDE PROJETOS RDC/ANVISA nº 50 de 21 de fevereiro de 2002 RDC/ANVISA nº 307 de 14/11/2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico para planejamento,

Leia mais

19ª OFICINA NACIONAL DE APOIO A IMPLANTAÇÃO/IMPLEMENTAÇÃO O EIXO ESTRUTURA DO QUALIFAR- SUS NOS MUNICÍPIOS DO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA

19ª OFICINA NACIONAL DE APOIO A IMPLANTAÇÃO/IMPLEMENTAÇÃO O EIXO ESTRUTURA DO QUALIFAR- SUS NOS MUNICÍPIOS DO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA 19ª OFICINA NACIONAL DE APOIO A IMPLANTAÇÃO/IMPLEMENTAÇÃO O EIXO ESTRUTURA DO QUALIFAR- SUS NOS MUNICÍPIOS DO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA Manaus, 21 de novembro de 2013 Estratégias de apoio Eixo Estrutura

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DELIBERAÇÃO CIB-SUS/MG Nº 256, DE 11 DE ABRIL DE 2006.

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DELIBERAÇÃO CIB-SUS/MG Nº 256, DE 11 DE ABRIL DE 2006. GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DELIBERAÇÃO CIB-SUS/MG Nº 256, DE 11 DE ABRIL DE 2006. Aprova os critérios e normas para a Assistência Farmacêutica aos portadores de Diabetes.

Leia mais

1.5. Dados pessoais que devem constar na receita médica. 1.6. Validade das receitas de medicamentos antimicrobianos

1.5. Dados pessoais que devem constar na receita médica. 1.6. Validade das receitas de medicamentos antimicrobianos Atualizado: 10 / 05 / 2013 FAQ AI 1. Controle de medicamentos antimicrobianos (antibióticos) 1.1. Informações gerais 1.2. Uso contínuo (tratamento prolongado) 1.3. Retenção da segunda via da receita médica

Leia mais

Logística e distribuição de medicamentos Gestão compartilhada Vanusa Barbosa Pinto Coordenadora do Núcleo de Assistência Farmacêutica HCFMUSP

Logística e distribuição de medicamentos Gestão compartilhada Vanusa Barbosa Pinto Coordenadora do Núcleo de Assistência Farmacêutica HCFMUSP Logística e distribuição de medicamentos Gestão compartilhada Vanusa Barbosa Pinto Coordenadora do Núcleo de Assistência Farmacêutica HCFMUSP Diretora da Divisão de Farmácia ICHC Agenda Perfil Farmácia

Leia mais

Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados SNGPC: Inovando na qualidade de monitoramento e controle de medicamentos no Brasil

Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados SNGPC: Inovando na qualidade de monitoramento e controle de medicamentos no Brasil SNGPC: Inovando na qualidade de monitoramento e controle de medicamentos no Brasil SNGPC Ferramenta informatizada para captura de dados e geração de informação, a cerca da prescrição, dispensação e consumo

Leia mais

FARMÁCIA EM SERVIÇOS DE SAÚDE. Farm. Corina Keller 23ª GESAU Blumenau 2014

FARMÁCIA EM SERVIÇOS DE SAÚDE. Farm. Corina Keller 23ª GESAU Blumenau 2014 FARMÁCIA EM SERVIÇOS DE SAÚDE Farm. Corina Keller 23ª GESAU Blumenau 2014 Lei nº 5991/73: Art. 4º, Inciso X - Farmácia - estabelecimento de manipulação de fórmulas magistrais e oficinais, de comércio de

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei nº 5.905/73

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei nº 5.905/73 PARECER CTSAB Nº 03/2014 Porto Alegre, 11 de agosto de 2014. Atuação do Profissional Enfermeiro na Atividade Física. I - Relatório Trata-se de solicitação de dúvida e emissão de parecer, encaminhada por

Leia mais

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas 1. APRESENTAÇÃO e JUSTIFICATIVA: O consumo de crack vem aumentando nas grandes metrópoles, constituindo hoje um problema

Leia mais

FONSEAS I Encontro Nacional da Gestão Estadual do SUAS

FONSEAS I Encontro Nacional da Gestão Estadual do SUAS FONSEAS I Encontro Nacional da Gestão Estadual do SUAS BRASIL 8,5 milhões de Km²; 192 milhões de habitantes; 26 Estados e 01 Distrito Federal; 5.564 municípios (70,3 % com menos de 20.000 habitantes);

Leia mais