Novos estilos de interação em Sistemas de Gestão de Aprendizagem

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Novos estilos de interação em Sistemas de Gestão de Aprendizagem"

Transcrição

1 Nvs estils de interaçã em Sistemas de Gestã de Aprendizagem Luanna Lpes Lbat, Brun de Susa Mnteir, Hug Trres Calazans Rams da Silva, Fábi Caparica de Luna, Alex Sandr Gmes Universidade Federal de Pernambuc (UFPE) Centr de Infrmática Abstract Recife, PE, Brasil. Tel: lll, bsm, htcr, fcl, asg This wrk presents a secnd generatin Learning Management System, riented twards the integratin f multimedia services. The creatin f such envirnment was based n the cncept f Blended Learning, unin f different appraches fr the Cmputer Supprted Cllabrative Learning (CSCL). The results btained during the curse f this prject indicate the imprtance f using scial awareness resurces in distance educatin prgrams, and als the emergency f creating new styles f interactin between actrs and different medias, within a cnsistent set f tls. Resum. Este trabalh apresenta um Sistema de Gestã de Aprendizagem (Learning Management System, LMS) de segunda geraçã, rientad à integraçã de serviçs multimídia. A criaçã de tal ambiente fi baseada n cnceit de Blended Learning, uniã de diferentes abrdagens para a Aprendizagem Clabrativa Suprtada pr Cmputadr (CSCL, Cmputer Supprted Cllabrative Learning). Os resultads btids durante curs deste prjet apntam a imprtância d us de recurss de percepçã scial em prgramas de educaçã a distância, e também a emergência de se criar nvs estils de interaçã entre atres e diferentes mídias, dentr de um cnjunt cnsistente de ferramentas. 1. Intrduçã Atualmente, utiliza-se uma variada gama de técnicas para mediar as atividades educacinais de frma clabrativa. Algumas usam variads recurss audivisuais, tais cm texts, diagramas interativs e vídes. Entretant, uma das limitações bservadas em alguns ambientes virtuais em us crrente está relacinada à utilizaçã inadequada destes recurss [Preece et al., 2002]. Os Sistemas de Gestã da Aprendizagem (Learning Management System, LMS) visam simplificar a administraçã de prgramas educacinais, send freqüentemente utilizads em instituições de ensin e em empresas. Os LMSs permitem que s usuáris planejem individualmente as etapas de sua educaçã e clabrem para a cnstruçã d cnheciment. N que tange à gerência d prcess educacinal, s LMSs pssibilitam ainda a dispnibilizaçã, análise e prcessament d cnteúd infrmativ, bem cm a SBC

2 geraçã de relatóris e diagramas que facilitem a cnduçã e aperfeiçament d ensin. Neste artig, apresentams a Platafrma AMADeUs (Agentes Micrmunds e Análise d Desenvlviment n Us de Instruments), um LMS de segunda geraçã, rientad à integraçã de serviçs multimídia. Este ambiente virtual é basead na explraçã e integraçã cnsistente de diferentes abrdagens (Blended Learning) para a Aprendizagem Clabrativa Apiada pr Cmputadres (Cmputer Supprted Cllabrative Learning, CSCL), através da qual sã estendidas as pssibilidades de interaçã entre s usuáris e ampliam-se s tips de situações didáticas adtadas. Essa ampliaçã permite criar situações a partir de diferentes rientações teóricas de aprendizagem e desenvlviment. 2. O Sistema AMADeUs e suas funcinalidades O AMADeUs é um LMS de códig abert (pen surce) que viabiliza ensin a distância pr mei da agregaçã de cnteúd de diferentes naturezas - jgs, vídes, texts, áudi, imagens e simulações - em frmas invadres de interaçã. Sua interface web permite a visualizaçã de infrmações sbre a participaçã ds usuáris ns diferentes cntexts de utilizaçã, aqui chamadas de percepçã, através d us de lgs. A cncepçã de uma interface cm ba usabilidade deve bservar as características desejadas n iníci d prjet, criar representações susceptíveis de avaliaçã mais ced pssível e realizar testes a lng d prcess de desenvlviment [Preece, 2005]. O prcess aplicad n Amadeus atende a essas restrições, e permite acmpanhar a evluçã das interfaces d nv prdut. O prcess de cncepçã d prdut segue s seguintes estágis: Busca de dads primáris u secundáris; Prttipagem de baixa fidelidade; Entrada n catálg de telas; Redaçã de um dcument de requisits; Redaçã de um dcument de cass de us; Redaçã de um dcument de testes; Implementaçã; Reprtar bugs. Para alcançar bjetiv de facilitar a trca de infrmaçã, Prjet AMADeUs prcura extrair as características psitivas das diferentes mídias presentes n ambiente, aplicand-as, de frma cnstrutivista, n cntext da aprendizagem [Gmes e Tedesc, 2002]. A cncepçã d sistema fi realizada cm técnicas de design da interaçã e usabilidade, cm envlviment d usuári, buscand trnar simples as tarefas a serem realizadas. Fi abrdad cnceits de percepçã, s quais sinalizam infrmações imprtantes para a utilizaçã e a realizaçã de tarefas n ambiente [Lbat et al., 2007]. SBC

3 Um catálg de telas fi criad para que huvesse um registr das telas que evluíram a partir de esbçs iniciais, feits a mã livre (Figura 1). O bjetiv deste catálg é permitir cnslidar num padrã, cm cntrle numéric e extensível, a evluçã das funcinalidades. Figura 1. Esbç feit à mã e flhas d catálg de telas. A partir ds resultads ds testes cm usuáris, as interfaces fram cnstruídas cm us elements em Ajax 1, buscand minimizar esfrç na realizaçã das tarefas, que fi validad cm técnicas de análise da tarefa. O ambiente é integrad a aplicações desktp, as quais sã sistemas multiusuáris e que permitem criar nvas situações de aprendizagem (Figura 2). Figura 2. Visã geral d AMADeUs. 1 AJAX Patterns. Dispnível em: Acess: 26 de març de SBC

4 A integraçã entre as aplicações e a interface web d AMADeUs se dá através de um middleware que facilita significativamente a cmunicaçã entre s diferentes móduls d sistema. As aplicações pssuem arquiteturas hetergêneas que variam entre s diferentes móduls e serviçs de mídias ferecids. Estes móduls e serviçs serã mais bem explanads em seções psterires deste artig. A interface web d AMADeUs LMS ferece s seguintes serviçs: Gestã de cnteúd de diferentes frmats n mesm cntext (tela); Api a trabalh dcente em diversas tarefas específicas da EaD; Diferentes instruments de avaliaçã para a EaD; Facilidade de interaçã em tds s ambientes; Integraçã cm aplicações, jgs e executr multiusuári de vídes. Os serviçs da platafrma AMADeUs fram planejads cm intuit de trnar s prcesss de aprendizagem e de mediaçã da mesma mais eficientes e fluids Interface Web d AMADeUs A literatura apnta para limitações ds sistemas de gestã da aprendizagem atuais. Para citar um exempl, em decrrência da escassez de ferramentas mais adequadas para acmpanhament da aprendizagem, prfessres tendem a utilizar planilhas eletrônicas e antações em papel para rganizar as infrmações sbre prcess educacinal. Cm base nas técnicas de análise de cmpetidres (Cmpetitr Analysis), análise da tarefa (task analysis), entrevistas, bservaçã, prttipagem rápida e design participativ, fram identificads s requisits necessáris para desenvlviment ds móduls d sistema. As pesquisas feitas pr Rams [2006] e Christ [2005] mstram levantament de requisits para s móduls de avaliaçã e percepçã respectivamente. Estes estuds fram baseads da análise ds principais LMSs e pr mei de questináris aplicads a prfessres que utilizam a Internet para ministrar curss [Lbat, et al, 2007]. Nesta seçã, sã apresentads s quatr móduls d AMADeUs Módul Cadastr Este módul crdena s serviçs de cadastr de usuáris e curss n ambiente. Referentes a cadastr de nv usuári, relacinam-se as seguintes atividades: cadastr, atualizaçã de dads, lgin de usuári, mudança de senha, slicitaçã de dcência, currícul e lista de usuáris. Em relaçã as curss, relacinam-se as seguintes pssibilidades: cadastrar curs, buscar curs, validaçã de curss, etc Módul Gestã de Cnteúd Este módul é respnsável pr gerir s materiais que serã assciads a cada curs. Visa permitir a gestã ds cnteúds e cmpnentes de aprendizagem em diverss frmats, e permite integraçã cm as funcinalidades de avaliaçã. SBC

5 Módul de Avaliaçã Este módul dá suprte as prfessres na avaliaçã ds aluns cm base nas atividades realizadas, permitind verificar se elas fram realizadas u se estã pendentes. Assim, permite acmpanhament ds aluns, dentr de uma perspectiva frmativa e cnstrutivista Módul Percepçã Scial Este módul permite a intrduçã d cnceit de transparência u percepçã scial. A sua principal funçã é viabilizar a percepçã, diminuind as dificuldades assciadas à dispersã gegráfica e tempral ds usuáris. Neste módul, está especificada a frma cm sã ferecidas as usuáris infrmações essenciais para seu engajament na atividade de aprendizagem. Cm pr exempl: quantas mensagens pessais nã fram lidas, e a lista ds curss s quais usuári participa, seja cm alun, prfessr u mnitr. Infrmand rapidamente quais s recurss dispníveis e quais atividades ainda se encntram pendentes em cada um ds cntexts. Além das funcinalidades citadas anterirmente, há ainda a pssibilidade de se realizar buscas pr curss e de se visualizar a lista das pessas participantes desses. Juntamente cm a lista de pessas, é permitida a dispnibilizaçã de infrmações assciadas a cada um ds participantes d curs. O grau de transparência destas infrmações varia cnfrme nível de acess d usuári. Cas usuári esteja autenticad cm prfessr d curs, este pderá ter acess a dads mais detalhads ds aluns matriculads. 2.2 Aplicações d AMADeUs Cnfrme mencinad anterirmente, cada uma das aplicações integrantes da platafrma está relacinada à demanda pr um determinad serviç de mídia, de particular interesse à educaçã. Cada um desses serviçs pdem ser utilizads separadamente, cm um sistema islad. Entretant, us em cnjunt da interface web cm as demais aplicações ferece uma experiência mais rica. Os serviçs que serã apresentads, a seguir, fram criads em móduls individualizads, pssuind cada um deles funcinalidades próprias, prém tdas estas interligadas, pr mei de middleware, chamad AMADeUs-Web. Um middleware é uma camada de abstraçã. Esta camada pssibilita que certs detalhes sejam abstraíds, permitind assim uma mair prtabilidade a sistema, bem cm uma diminuiçã significativa ds esfrçs de desenvlviment necessáris à cmunicaçã entre s móduls integrantes d sistema. Um middleware própri fi desenvlvid para viabilizar a ferta de uma variada e diferenciada gama de serviçs de interaçã na platafrma AMADeUs, incluind um módul respnsável pela cmunicaçã entre a interface web d AMADeUs e as demais partes d sistema. Assim, middleware fi implementad cm prpósit de simplificar a cnectividade entre s cmpnentes d AMADeUs, e também dar suprte a utrs aspects imprtantes para a interaçã e percepçã ds usuáris d sistema, frnecend serviçs de sessã, distribuiçã e descentralizaçã. SBC

6 2.2.1 Mbile As atuais perspectivas sbre mbile learning geralmente recaem, em sua mairia, sbre fc da mbilidade d aprendiz. Para O Malley e Stantn (2002), mbile learning é qualquer frma de aprendizad que acntece quand aprendiz nã está parad, em lcal predeterminad, u aprendizad que acntece quand aprendiz faz us das vantagens e prtunidades d aprendizad ferecid pr tecnlgias mbile. Entretant, para pequens aparelhs, é essencial cuidad cm cnteúd a ser apresentad. Existem serviçs que precisam ser adaptads para suprtar as limitações de certs dispsitivs, enquant utrs sã impssíveis de transferência. Ist se deve a fat de que as telas destes sã limitadas em questã de tamanh e seu hardware em prcessament. Pr utr lad, nvs serviçs também pdem surgir cm a mbilidade [Trifnva e Rnchetti, 2004]. O AMAdeUs-Mbile é a adaptaçã d sistema web para dispsitivs móveis, send uma extensã que trata a gestã de cnteúd, ferecend a usuári uma visã cmpleta de td ambiente AMADeUs através d celular. Além d acess às infrmações sbre curss e artefats, sistema permite a usuári manter-se atualizad sbre mdificações gerais e sbre s curss em que ele está matriculad. Cm iss, há uma expansã n cnheciment e percepçã d ambiente pels usuáris, sem que esses tenham que estar cnectads a cmputadr, facilitand acess às infrmações. Buscand facilitar a identificaçã ds curss pel usuári, esses sã caracterizads pr cres. Este recurs é de grande imprtância quand se deseja visualizar cmpnentes de mais de um curs a mesm temp e quand usuári adquire um puc de experiência n manusei d sistema, trazend assim para a interface móvel cnceit utilizad pr váris sistemas que agrupam infrmaçã em grups, cm agendas e sistemas de cntrle de atividades. A interaçã ds participantes cm ambiente AMADeUs é também facilitada pela distribuiçã de mensagens SMS (Shrt Message Service) sbre as mdificações crridas, ns curss ns quais estã inscrits Jgs Multiusuáris Cm a finalidade de aumentar grau de mtivaçã ds aluns e explrar as pssibilidades cgnitivas assciadas às técnicas nã tradicinais de ensin, cncebeu-se servidr de jgs multiusuári d AMADeUs. O servidr de jgs é uma parte da arquitetura cm suprte a múltipls usuáris cncrrentes. Fram identificads e implementads requisits d servidr de jgs, de md que s participantes (aluns e prfessres) pudessem ter as suas pssibilidades de interaçã expandidas, pr mei da cperaçã e disputas amistsas em jgs educativs. Essa aplicaçã visa prprcinar as aluns aprendizad lúdic, que trna ensin uma situaçã agradável, prendend a atençã d alun e aumentand desej de aprender. O mdel de arquitetura apresentad cntempla alguns cnceits-chave, cm a prtabilidade d servidr em várias platafrmas, a transparência as usuáris sbre cm a cmunicaçã é feita, s testes e a validaçã da viabilidade e funcinalidade da arquitetura e a diminuiçã da demanda as servidres. Este mdel se adequa a SBC

7 prpst pr Smed, Kaukranta e Haknen (2001), segund quem as aplicações em rede sempre se deparam cm três limitações de recurss: largura de banda, latência e pder cmputacinal. A cmunicaçã crre através da trca de mensagens entre servidr de jgs e jg, através d middleware, nde servidr infrma a jg que um determinad usuári entru e jg infrma a servidr que esse alun saiu e teve uma determinada avaliaçã. Também prvê um ambiente para que desenvlvedr de jgs nã necessite implementar uma estrutura para criar, manter e finalizar a cmunicaçã entre s clientes de seus jgs, cas ele necessite [Pádua, 2008] TV Digital Cerca de 55% da ppulaçã brasileira nunca utilizu um cmputadr e 68% jamais teve acess à Internet [CGI, 2005]. Pr utr lad, n Brasil, n an de 2005, cerca de 91,4% ds dmicílis dispunham de aparelhs de televisã [IBGE, 2005]. Cm base nestes dads, pde-se cnstatar a imprtância da televisã para a sciedade brasileira e papel chave que padrã nacinal de TV Digital (TVD) pde desempenhar n cntext educacinal e n cmbate à exclusã digital. Diante das pssibilidades advindas cm a TV Digital, prpms um módul que viabilizará a integraçã entre as tecnlgias já dispníveis na platafrma d AMADeUs e a nva televisã. O AMADeUs-TVD pssibilitará a trca de infrmações e a percepçã scial das atividades desenvlvidas pels usuáris imerss n ambiente, estimuland assim cresciment de uma cultura de EaD através da televisã. O levantament ds requisits para desenvlviment da extensã de TVD d AMADeUs deve cnsiderar dis grandes fatres determinantes: cmprtament d usuári e cntext sóci-tecnlógic. É evidente que a frma de interaçã cm a TV é diferente d que estams acstumads em frente a cmputadr. Pr iss, nvas pesquisas devem ser feitas buscand analisar impact desta nva tecnlgia na vida d usuári e s nvs estils de interaçã prvenientes deste cenári Víde Clabrativ A aplicaçã de víde permite que aluns e prfessres assistam clabrativamente a vídes dispnibilizads n ambiente e discutam através de um chat, em temp real. Permitind as prfessres, um melhr acmpanhament acerca d prgress ds seus aluns. Esta aplicaçã favrece a análise e cmpreensã de cm s aluns rganizam suas ações em ambientes síncrns, e também um melhr entendiment em relaçã à frma através da qual a aprendizagem clabrativa crre Erimnt O EriMnt é um sftware livre clabrativ síncrn para ensin de Física. O cnceit central desta aplicaçã reside n cntrle de experiments reais pela Internet. Este fatr diferencia sistema prpst de alguns utrs ambientes clabrativs existentes, que emulam fenômens físics através de sftware [Csta, 2007]. O EriMnt é classificad cm um CSCL (Cmputer-supprted cllabrative learning) d tip Mirrring System. Sistemas deste tip pssuem uma arquitetura cliente-servidr cm múltipls clientes, tend um destes clientes cntrle sbre as SBC

8 ações d sistema. O cnteúd da interface deste cliente é espelhad de frma síncrna nas interfaces ds demais membrs d ambiente. A interface d sistema fi enriquecida cm cmpnentes que permitem que s usuáris pssam interagir uns cm s utrs, viabilizand desta frma a percepçã scial n ambiente [Jermann et al. 2001]. O cntrle ds experiments e cleta de dads se dá através da interface paralela d cmputadr, cm um aparat de hardware nde s experiments físics acntecem efetivamente. O flux de dads entre cmputadr (interface paralela) e s dispsitivs eletrônics (dtads de cnexões d padrã RJ-45) é pssível através de um dispsitiv de hardware que permite a cnversã ds sinais entre as duas diferentes interfaces. Atualmente, ambiente cntém s experiments de Ondas Estacinárias em Crdas Vibrantes e Pêndul Simples. Pretendems cnstruir uma nva versã, que estenderá númer ttal de experiments, cntempland ainda práticas de Química. 3. Integraçã de nvs estils de interaçã: LMS de Segunda Geraçã N sistema AMADeUs, ampliams cnceit de LMS pr mei da incrpraçã cerente e transparente de nvs estils de interaçã entre s usuáris e mídias, send assim chamad de LMS de Segunda Geraçã. Há dis grandes grups de nvs estils de interaçã neste LMS. O primeir sã estils de interaçã baseads na açã, na manipulaçã de metáfras d cnheciment; u estils cnstrutivistas. O segund é cmpst pr estils que permitem criar nvas frmas de clabraçã; u estils sóci-interacinistas. N primeir grup, tems as frmas de interaçã prmvidas pelas diversas aplicações (servidr de jgs, servidr de víde, EriMnt). Em suas interfaces cnceits sã representads e s aluns pdem mdificá-ls cm ações de manipulaçã direta. Os LMS tradicinais, u de primeira geraçã, ns quais s cnceits sã apresentads de frma estática (slides, texts, etc.), permitem pucas pssibilidades de transfrmaçã. O segund grup de estils de interaçã é caracterizad pr nvs paradigmas interativs que criam frmas de clabraçã u intensificam a mesma pr mei de sistemas de percepçã. É cas das diferentes frmas de percepçã e a pssibilidade de negciar e discutir durante seções síncrnas em aplicações u em jgs. A percepçã em suas várias dimensões trna s prcesss de clabraçã mais fluids. Em alguns cass, fat de perceber a presença a açã de alguém pde impelir utrs a realizar uma nva açã e assim cmplementar uma atividade iniciada n passad. Dessa frma, a percepçã é um instrument utilizad cletivamente e que permite a realizaçã de uma atividade de frma assíncrna, mediada pr um númer limitad de meis. Em suma, as atividades de clabraçã sã ampliadas pelas nvas interfaces e pela interaçã cerente das mesmas. A situaçã de estar assistind a um víde a mesm temp em lcais distints, pder agir sbre mesm e discuti-l é uma invaçã, prprcinada pela aplicaçã de vídes. Nvs tips de práticas sã pssíveis e a estrutura dessas nvas frmas de interaçã permite gerar um melhr impact da prática educativa à distância. Algumas das características que sistema AMADeUs apresenta cm diferencial: Simplicidade e percepçã para as atividades de usuáris SBC

9 Únic LMS a utilizar Java/Ajax na interface d usuári Linguagem gráfica simples e fc na visualizaçã Serviçs de percepçã (awareness) na interface da aplicaçã web Arquitetura permite extensã da experiência de usuáris Servidr e platafrma de jgs flash multiusuáris integrad Servidr e platafrma de cmpnentes síncrns de aprendizagem Integraçã cm aplicativ multiusuáris leitr de vídes Suprte a deferentes abrdagens de aprendizagem Cnstrutivista (manipulações sbre representações) e sóci interacinista (percepçã, clabraçã, engajament, imersã em cntext de jgs) Acess à platafrma pr dispsitivs móveis: mbile learning 4. Agradeciments A CNPq que apiu nas pesquisas. 5. Cnclusões O presente text apresenta AMADeUs, um LMS de segunda geraçã, que tem cm características a integraçã cerente d us clabrativ de mídias e a frma transparente através da qual práticas didáticas pdem ser criadas. Nvs estils de interaçã fram prjetads cm us de técnicas de design centrad n usuári. O resultad d prjet é um prdut nacinal de licença pen surce que minimiza s esfrçs (análise da tarefa) de frmands e frmadres utilizadres da platafrma. 6. Referências CGI Brasil. Cmitê Gestr da Internet n Brasil. Dispnível em: Acess: 10 de març de Christ, C. R. (2005). Us de Mecanisms de Percepçã Scial para auxiliar atividades de acmpanhament e de avaliaçã em Ambientes E-Learning. (Dissertaçã de Mestrad). UFPE, Recife. Csta, M. C. B. (2007) Ambiente clabrativ de aprendizagem basead em medidas, em temp real, de grandezas físicas para ensin de cnceits físics. Dissertaçã de mestrad, Pós Graduaçã em Ciência da Cmputaçã, Universidade Federal de Pernambuc, Recife. Gmes, A. S. e Tedesc, P. A. (2002). Amadeus: A Framewrk T Cnstructivist Supprt Based n Prjects and Multi-Dimensinal Learner Evaluatin. In: Wrld Cnference n E- Learning in Crprate, Gvernment, Healthcare and Higher Educatin, 2002, Mntreal. Prceedings f E-Learn Assciatin fr the Advancement f Cmputing in Educatin (AACE), SBC

10 Hack, L. E. (2000). Mecanisms cmplementares para a avaliaçã d alun na educaçã a distância. Dissertaçã (Mestrad em Ciência da Cmputaçã). Institut de Infrmática, Universidade Federal d Ri Grande d Sul (UFRGS), Prt Alegre, IBGE. Institut Brasileir de Gegrafia e Estatística. PNAD (2005). Dispnível em: Acess em: 16 de març de Jermann P.; Sller, A.; Muehlenbrck, M. Frm mirrring t guiding: a review f state f the art technlgy fr supprting cllabrative learning, Eur-CSCL 2001, Anneke Eurelings, Maastricht University, The Netherlands, Lbat, L. L.; Mnteir, B. de S.; Nibn, R. T.; Almeida, I. R. de; Gmes, A. S. (2007). Aspects de Percepçã cm Instrument de Acmpanhament e de Avaliaçã em Ambientes Virtuais. Wrkshp sbre Avaliaçã e Acmpanhament da Aprendizagem em Ambientes Virtuais. SBIE, Simpósi Brasileir de Infrmática na Educaçã, Sã Paul. O Malley, C. & Stantn, D. (2002) Tangible technlgies fr cllabrative strytelling. Prceedings f the Eurpean Wrkshp n Mbile and Cntextual Learning, pp Pádua,Vinícius Carvalh de. (2008) Ambiente de Suprte a Jgs WEB Vltad para a Área de Ensin a Distância. Dissertaçã (Mestrad em Ciência da Cmputaçã) Centr de Infrmática, UFPE, Preece, J.; Rgers, Y. e Sharp, H. (2002). What is Interactin Design. In: Interactin Design: Beynd Human Cmputer Interactin, USA: Jhn Wiley & Sns, Inc. p Rams, J. L. C. (2006). Requisits para Ferramentas de Avaliaçã em Ambientes Virtuais de Ensin. Dissertaçã (Mestrad em Ciência da Cmputaçã) Centr de Infrmática, UFPE. Smed, J.;Kaukranta, T. e Haknen, H.. (2001) Aspects f netwrking in multiplayer cmputer games. In L. W. Sing, W. H. Man, and W. Wai, editrs, Prceedings f Internatinal Cnference n Applicatin and Develpment f Cmputer Games in the 21st Century, pages , Hng Kng SAR, China, Nv Trifnva A., Rnchetti M. (2004). A General Architecture fr M-Learning. Internatinal Jurnal f Digital Cntents, Vl. 2, N. 1, Special issue n "Digital Learning-Teaching Envirnments and Cntents". Prceedings f the II Internatinal Cnference n Multimedia and Infrmatin and Cmmunicatin Technlgies in Educatin, Badajz, Spain. SBC

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março)

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Curss Prfissinais de Nível Secundári (Decret-Lei n.º 74/2004, de 26 de Març) Família Prfissinal: 07 - Infrmática 1. QUALIFICAÇÕES / SAÍDAS PROFISSIONAIS As qualificações de nível

Leia mais

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações Mdelagem, qualificaçã e distribuiçã em um padrã para geinfrmações Julia Peixt 14h, 14 de junh de 2010. Mtivaçã Acerv de dads desde 1994 em diferentes áreas de pesquisa; Muitas pessas fazend muits trabalhs

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

3. DESTINATÁRIOS DA ACÇÃO 4. EFEITOS A PRODUZIR: MUDANÇA DE PRÁTICAS, PROCEDIMENTOS OU MATERIAIS DIDÁCTICOS

3. DESTINATÁRIOS DA ACÇÃO 4. EFEITOS A PRODUZIR: MUDANÇA DE PRÁTICAS, PROCEDIMENTOS OU MATERIAIS DIDÁCTICOS CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJECTO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS An 2-B Frmulári de preenchiment brigatóri,

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Desenho centrado em utilização

Desenho centrado em utilização Desenh centrad em utilizaçã Engenharia de Usabilidade Prf.: Clarind Isaías Pereira da Silva e Pádua Departament de Ciência da Cmputaçã - UFMG Desenh centrad em utilizaçã Referências Cnstantine, L.L., &

Leia mais

REGULAMENTO 1- OBJETIVO

REGULAMENTO 1- OBJETIVO REGULAMENTO 1- OBJETIVO O Prgrama Nv Temp é um iniciativa da Cargill Agricla SA, que visa ferecer as seus funcináris e das empresas patrcinadras ds plans de previdência sb a gestã da CargillPrev Sciedade

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta www.masterhuse.cm.br Prpsta Cm Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Apresentaçã Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Cpyright 2011-2012

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso At endi m ent acl i ent e Apr es ent aç ãdc ur s Apresentaçã d Curs O curs Atendiment a Cliente fi elabrad cm bjetiv de criar cndições para que vcê desenvlva cmpetências para: Identificar s aspects que

Leia mais

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita Prjet de Arquitetura Objetivs Apresentar prjet de arquitetura e discutir sua imprtância Explicar as decisões de prjet de arquitetura que têm de ser feitas Apresentar três estils cmplementares de arquitetura

Leia mais

Por favor, considere a proteção ao meio ambiente antes de imprimir esse documento

Por favor, considere a proteção ao meio ambiente antes de imprimir esse documento Interbrs Tecnlgia e Sluções de Internet Ltda. Rua Dr. Guilherme Bannitz, 126 2º andar Cnj. 21 /179 Itaim Bibi - Sã Paul- SP - 04532-060 Fne: 55 11 9209-3717 / 55 11 8162-0161 Pr favr, cnsidere a prteçã

Leia mais

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps Realizads pela Direçã-Geral das Artes Avaliaçã da Utilidade ds Wrkshps Títul: Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps realizads pela

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador Unidade 1: Fundaments 1 - Intrduçã a Cmputadr Cnceits básics e Terminlgias O cmputadr é uma máquina eletrônica capaz de realizar uma grande variedade de tarefas cm alta velcidade e precisã, desde que receba

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software).

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software). HARDWARE e SOFTWARE O Cmputadr é cmpst pr duas partes: uma parte física (hardware) e utra parte lógica (sftware). Vcê sabe qual é a diferença entre "Hardware" e "Sftware"? Hardware: é nme dad a cnjunt

Leia mais

Proposta de Formação para o uso pedagógico e integrado do Tablet Educacional Estudos Autônomos

Proposta de Formação para o uso pedagógico e integrado do Tablet Educacional Estudos Autônomos Prpsta de Frmaçã para us pedagógic e integrad d Tablet Educacinal Estuds Autônms Objetiv geral: OBJETIVOS Prmver a Frmaçã Cntinuada ds Prfessres, Crdenadres Pedagógics e Gestres Esclares, na mdalidade

Leia mais

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro Pdems definir Wrkflw cm: Wrkflw Jsé Palazz Mreira de Oliveira Mirella Mura Mr "Qualquer tarefa executada em série u em paralel pr dis u mais membrs de um grup de trabalh (wrkgrup) visand um bjetiv cmum".

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Análise e Desenvlviment de Sistemas 3ª série Fundaments de Sistemas Operacinais A atividade prática supervisinada (ATPS) é um métd de ensinaprendizagem desenvlvid

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA REQUISITOS TECNICOS O Prgrama de Api as Actres Nã Estatais publica uma slicitaçã para prestaçã

Leia mais

Principais Informações

Principais Informações Principais Infrmações Quem é Benefix Sistemas? Frmada pr ex-executivs e equipe de tecnlgia da Xerx d Brasil, que desenvlvem e suprtam sluções e estratégias invadras para setr públic, especializada dcuments

Leia mais

MAGDA FERREIRA DA FONTE

MAGDA FERREIRA DA FONTE MAGDA FERREIRA DA FONTE CURRICULUM VITAE DADOS PESSOAIS Nme E-mail Nacinalidade Magda Ferreira da Fnte magda.fnte@reitria.ulisba.pt Prtuguesa FORMAÇÃO ACADÉMICA Nvembr de 2014 Estudante de Dutrament na

Leia mais

Projeto e Implementação de um Software para auxilio no Ensino de Linguagens Regulares

Projeto e Implementação de um Software para auxilio no Ensino de Linguagens Regulares Prjet e Implementaçã de um Sftware para auxili n Ensin de Linguagens Regulares Jsé Rbsn de Assis 1, Marln Oliveira da Silva 1. Faculdade de Ciências Exatas e Cmunicaçã (FACEC) Universidade Presidente Antôni

Leia mais

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Plan de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Escla Clégi Eng Juarez Wanderley Prfessr Fernand Nishimura de Aragã Disciplina Infrmática Objetivs Cnstruçã de um website pessal para publicaçã de atividades

Leia mais

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas Unidade 7: Sínteses de evidências para plíticas Objetiv da Unidade Desenvlver um entendiment cmum d que é uma síntese de evidências para plíticas, que inclui e cm pde ser usada 3 O que é uma síntese de

Leia mais

Documentação da Tarefa 8 parte A

Documentação da Tarefa 8 parte A UNICAMP Universidade Estadual de Campinas Disciplina: Cnstruçã de Interfaces Hmem-Cmputadr MC750/MO825 Prfessra: Cecília Baranauskas Dcumentaçã da Tarefa 8 parte A Design da Interface e Interaçã d Prtótip

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL 402643 ESTREMOZ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL 402643 ESTREMOZ PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 8º an Subdmíni Cmunicaçã e clabraçã CC8 Cnheciment e utilizaçã adequada e segura de diferentes tips de ferramentas de cmunicaçã,

Leia mais

ALTOS DIRIGENTES VISEU (PORTUGAL), - 2/3 2013 2-3 DEZEMBRO

ALTOS DIRIGENTES VISEU (PORTUGAL), - 2/3 2013 2-3 DEZEMBRO Encntr de Alt Dirigentes - Viseu 2/3 Dez 2013 Cm Invar para Ser Mais Cmpetitiv ENCONTRO de ALTOS DIRIGENTES VISEU (PORTUGAL), 2-3 DEZEMBRO 2013 Apresentaçã Crprativa Cnfidencial Cnclusões finais Página

Leia mais

A UERGS E O PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS

A UERGS E O PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS A UERGS E O PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS O Prgrama Ciência sem Frnteiras, lançad n dia 26 de julh de 2011, é um prgrama d Gvern Federal que busca prmver a cnslidaçã, a expansã e a internacinalizaçã

Leia mais

Mestrado em Sistemas de Informação

Mestrado em Sistemas de Informação U n i v e r s i d a d e d M i n h Departament de Sistemas de Infrmaçã Mestrad em Sistemas de Infrmaçã 2003/2005 Tecnlgias de Streaming em Cntexts de Aprendizagem Sb a rientaçã d Prfessr Dutr Henrique Sants

Leia mais

Dados Gerais. Código / Nome do Curso. 196 / Escola de Gestores- Curso de Especialização em Gestão Escolar. Gestão Educacional

Dados Gerais. Código / Nome do Curso. 196 / Escola de Gestores- Curso de Especialização em Gestão Escolar. Gestão Educacional Códig / Nme d Curs Status Códig - Área Subárea Especialida Dads Gerais 196 / Escla Gestres- Curs Especializaçã em Gestã Esclar Ativ 49 / Educaçã Gestã Educacinal Gestã Esclar Nivel d Curs Especializaçã

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis Manutençã Vensis Manutençã É módul que permite gerenciament da manutençã de máquinas e equipaments. Prgramaçã de manutenções preventivas u registr de manutenções crretivas pdem ser feits de frma

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

WWW.CLICK-MENTAL.COM

WWW.CLICK-MENTAL.COM Fidelity Uma estratégia de fidelizaçã de clientes WWW.CLICK-MENTAL.COM Criad pr: Click Mental - Sistemas de Infrmaçã, Lda. Fidelity Uma estratégia de fidelizaçã de clientes O que é? O Fidelity é um sftware

Leia mais

Academia FI Finanças

Academia FI Finanças Academia FI Finanças A Academia é melhr caminh para especializaçã dentr de um tema n ERP da SAP. Para quem busca uma frmaçã cm certificaçã em finanças, mais indicad é participar da próxima Academia de

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

1ª reunião do GD de TIC 03/03/2016 Cenpec. Registro da reunião INFORMES:

1ª reunião do GD de TIC 03/03/2016 Cenpec. Registro da reunião INFORMES: 1ª reuniã d GD de TIC 03/03/2016 Cenpec Registr da reuniã INFORMES: Bett Brasil Educar 2016 (mai) já tems a prgramaçã, é pssível que Cenpec ganhe alguns cnvites; será imprtante terms representantes d GD

Leia mais

Novo Sistema Almoxarifado

Novo Sistema Almoxarifado Nv Sistema Almxarifad Instruções Iniciais 1. Ícnes padrões Existem ícnes espalhads pr td sistema, cada um ferece uma açã. Dentre eles sã dis s mais imprtantes: Realiza uma pesquisa para preencher s camps

Leia mais

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO A Lógica de Prgramaçã é necessária à tdas as pessas que ingressam u pretendem ingressar na área de Tecnlgia da Infrmaçã, send cm prgramadr, analista de sistemas u suprte.

Leia mais

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de Faculdade de Ciências Sciais Aplicadas de Bel Hriznte Institut Superir de Educaçã Curs de Pedaggia ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA O ENCONTROCAS é um event semestral

Leia mais

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA www.mastercmp.net 1 www.mastercmp.net www.mastercmp.net INFORMAÇO ES ADICIONAIS DO CURSO DE PROMODEL E MS PROJECT Prgramaçã: Carga hrária: 32 Hras Lcal: Sã Sebastiã d Paraís MG Prgramas usads n curs: MS

Leia mais

CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL

CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL CURSO DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL Carga Hrária: 16 hras/atividade Hrári: 8h30 às 18h (cm interval para almç) Brasília, 26 e 27 de nvembr de 2015

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Acess Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Informática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróleo e Gás

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Informática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróleo e Gás PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Infrmática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróle e Gás Objetiv: Elabrar e desenvlver um prjet na área prfissinal,

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Pnt Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SIMULAÇÃO PARA O MUNDO REAL DA SAÚDE

CAPACITAÇÃO EM SIMULAÇÃO PARA O MUNDO REAL DA SAÚDE CAPACITAÇÃO EM SIMULAÇÃO PARA O MUNDO REAL DA SAÚDE Institut Instituiçã fcada na geraçã de sluções para a implementaçã e gestã pedagógica de Núcles de Treinament e Capacitaçã de prfissinais e acadêmics

Leia mais

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ)

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ) APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ) Este case apresenta a aplicaçã da sluçã Elipse E3 para aprimrar mnitrament da temperatura encntrada

Leia mais

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO 10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensã Universitária e Plíticas Públicas Períd 05 a 07 de dezembr de 2007 A 10ª Jrnada

Leia mais

III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC)

III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC) 1 III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC) III.3.1. DEFINIÇÃO A tecnlgia HFC refere-se a qualquer cnfiguraçã de fibra ótica e cab caxial que é usada para distribuiçã lcal de serviçs de cmunicaçã faixa

Leia mais

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização Bletim Técnic CAGED Prtaria 1129/2014 MTE Prdut : TOTVS 11 Flha de Pagament (MFP) Chamad : TPRQRW Data da criaçã : 26/08/2014 Data da revisã : 12/11/2014 País : Brasil Bancs de Dads : Prgress, Oracle e

Leia mais

Edital Simplificado de Seleção de Monitoria 2015.1

Edital Simplificado de Seleção de Monitoria 2015.1 Institut Federal de Educaçã, Ciência e Tecnlgia d Ri de Janeir Edital Simplificad de Seleçã de Mnitria 2015.1 A Direçã Geral d IFRJ/, cmunica, pel presente Edital, que estarã abertas as inscrições para

Leia mais

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos Versã 14.0 Junh 2015 www.psr-inc.cm Cntat: sddp@psr-inc.cm SDDP VERSÃO 14.0 Nvidades Representaçã mais detalhada da peraçã em cada estági: 21 blcs Tradicinalmente, a peraçã de cada estági (semana u mês)

Leia mais

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA MANUAL ds LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA Objetiv 1. Oferecer as aluns a infra-estrutura e suprte necessári à execuçã de tarefas práticas, slicitadas pels prfessres, bservand s prazs estabelecids. 2. Oferecer

Leia mais

AVISO. operações urbanísticas, que evoluirá até à desmaterialização total, num curto espaço de tempo,

AVISO. operações urbanísticas, que evoluirá até à desmaterialização total, num curto espaço de tempo, AVISO NORMAS DE INSTRUÇÃO DE PROCESSOS EM FORMATO DIGITAL A Câmara Municipal de Viseu vai iniciar, n próxim dia 5 de Janeir de 2015, a implementaçã da tramitaçã eletrónica ds prcesss de licenciament/admissã

Leia mais

Software Para Controle de Acesso e Ponto

Software Para Controle de Acesso e Ponto Sftware Para Cntrle de Acess e Pnt Características e Funcinalidades Versã 2.0 Inipass é marca registrada da Prjedata Infrmática Ltda. Tds s direits reservads à Prjedata Infrmática Ltda. Características

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS10 Acess a Infrmaçã e engajament de stakehlders 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS10 (1/2) Delinear uma abrdagem sistemática para engajament

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

GT-ATER: Aceleração do Transporte de Dados com o Emprego de Redes de Circuitos Dinâmicos. RT3 - Avaliação dos resultados do protótipo

GT-ATER: Aceleração do Transporte de Dados com o Emprego de Redes de Circuitos Dinâmicos. RT3 - Avaliação dos resultados do protótipo GT-ATER: Aceleraçã d Transprte de Dads cm Empreg de Redes de Circuits Dinâmics RT3 - Avaliaçã ds resultads d prtótip Sand Luz Crrêa Kleber Vieira Cards 03/08/2013 1. Apresentaçã d prtótip desenvlvid Nesta

Leia mais

SGCT - Sistema de Gerenciamento de Conferências Tecnológicas

SGCT - Sistema de Gerenciamento de Conferências Tecnológicas SGCT - Sistema de Gerenciament de Cnferências Tecnlógicas Versã 1.0 09 de Setembr de 2009 Institut de Cmputaçã - UNICAMP Grup 02 Andre Petris Esteve - 070168 Henrique Baggi - 071139 Rafael Ghussn Can -

Leia mais

A Estratégia do Tribunal de Justiça do Rio Grande Do Sul

A Estratégia do Tribunal de Justiça do Rio Grande Do Sul A Estratégia d Tribunal de Justiça d Ri Grande D Sul PODER JUDICIÁRIO Missã: De acrd cm fundament d Estad, Pder Judiciári tem a Missã de, perante a sciedade, prestar a tutela jurisdicinal, a tds e a cada

Leia mais

Regulamento da Feira de Ciência

Regulamento da Feira de Ciência Regulament da Feira de Ciência A Feira A Feira de Ciência é um é um prject rganizad pel Núcle de Física d Institut Superir Técnic (NFIST). Esta actividade cnsiste em desenvlver um prject científic pr um

Leia mais

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01.

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01. Agenda Intrduçã Diariamente cada um ds trabalhadres de uma empresa executam diversas atividades, muitas vezes estas atividades tem praz para serem executadas e devem ser planejadas juntamente cm utras

Leia mais

Plano de Assessoria de Comunicação do Projeto de Estágio e Empregabilidade - PROJEM

Plano de Assessoria de Comunicação do Projeto de Estágio e Empregabilidade - PROJEM XX Prêmi Expcm 2013 Expsiçã da Pesquisa Experimental em Cmunicaçã Plan de Assessria de Cmunicaçã d Prjet de Estági e Empregabilidade - PROJEM August Sares de Mel e SOUZA 1 Felipe de Oliveira TODESCHINI

Leia mais

Escola Básica e Secundária de Velas

Escola Básica e Secundária de Velas Escla Básica e Secundária de Velas Dcument Orientadr para a Implementaçã das TIC na Educaçã Pré-Esclar e Ensin Básic 1 As TIC na Educaçã Pré-Esclar e n Ensin Básic O presente Dcument de Orientações Metdlógicas

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager!

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager! WEB MANAGER Cnhecend Web Manager! O Web Manager é uma pdersa ferramenta para gestã de Sites, prtais, intranets, extranets e htsites. Cm ela é pssível gerenciar ttalmente seus ambientes web. Integrad ttalmente

Leia mais

CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aproximadamente 84 horas - aulas de 2 horas

CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aproximadamente 84 horas - aulas de 2 horas CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aprximadamente 84 hras - aulas de 2 hras Primeira Parte Lógica de Prgramaçã 5 aulas 10 hras AULA 1 OBJETIVO 1. Cnceits básics: Algritm, Tips de Variáveis, Tips e Expressões

Leia mais

Banda Larga Móvel LTE e Além

Banda Larga Móvel LTE e Além MARÇO 2015 As tecnlgias 3GPP - HSPA, HSPA+, LTE e agra a LTE-Advanced - frmam a platafrma glbal da banda larga móvel, ferecend cnexões rápidas e integradas n mund inteir. Nessa ediçã 1 Implementações 3GPP

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013.

PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013. PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013. ATUALIZA DIRETRIZES PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO PROJETO ALFABETIZAÇÃO PARA ESTUDANTES DAS TURMAS DO 2º, 3º e 4º ANOS E 4ª SÉRIES DO ENSINO FUNDAMENTAL, COM DOIS ANOS

Leia mais

Aproveitamento da informação permite ganho de competitividade: conhecimento é poder (e poder = $$!)

Aproveitamento da informação permite ganho de competitividade: conhecimento é poder (e poder = $$!) Data Mining Prfessr Jrge Mreira jmreirajr@htmail.cm Mtivaçã A infrmatizaçã ds meis prdutivs permitiu a geraçã de grandes vlumes de dads: Transações eletrônicas; Nvs equipaments científics e industriais

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO

CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO Cnteúd prgramátic CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO Este é cnteúd prgramátic d curs preparatóri n nv prgrama CDO-0001 para a certificaçã CmpTIA CDIA+. CONCEITUAL ECM Apresentaçã ds cnceits envlvids

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas Perguntas frequentes sbre Prgrama Banda Larga nas Esclas 1. Qual bjetiv d Prgrama Banda Larga nas Esclas? O Prgrama Banda Larga nas Esclas tem cm bjetiv cnectar tdas as esclas públicas à internet, rede

Leia mais

OntoPRIME: Ontologia de Riscos para Ambientes de Desenvolvimento de Software Multiprojetos

OntoPRIME: Ontologia de Riscos para Ambientes de Desenvolvimento de Software Multiprojetos Universidade Federal de Pernambuc Centr de Infrmática Pós-Graduaçã em Ciência da Cmputaçã OntPRIME: Ontlgia de Riscs para Ambientes de Desenvlviment de Sftware Multiprjets Pr Antni Campell Cristine Gusmã

Leia mais

Fundamentos de Informática 1ºSemestre

Fundamentos de Informática 1ºSemestre Fundaments de Infrmática 1ºSemestre Aula 4 Prf. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Descrevend Sistemas de um Cmputadr

Leia mais

Gestão ambiental de zonas de amortecimento de unidades de conservação em áreas urbanas

Gestão ambiental de zonas de amortecimento de unidades de conservação em áreas urbanas Gestã ambiental de znas de amrteciment de unidades de cnservaçã em áreas urbanas Marta Feppel Ribeir Instituiçã: Universidade d Estad d Ri de Janeir IVIG/COPPE/Universidade Federal d Ri de Janeir Email:

Leia mais

POR UMA GEOGRAFIA MELHOR

POR UMA GEOGRAFIA MELHOR LISTA CANDIDATA ÀS ELEIÇÕES PARA OS CORPOS SOCIAIS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE GEÓGRAFOS BIÉNIO 2006-2008 POR UMA GEOGRAFIA MELHOR Assembleia Geral Presidente Jsé Albert Ri Fernandes (FL, Universidade

Leia mais

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO A crescente cmplexidade ds prjets, a quantidade de infrmaçã que lhes está assciada e aument d númer de intervenientes n prcess cnstrutiv, transfrmaram a indústria da cnstruçã numa indústria

Leia mais

Desenvolvimento de um Protótipo de Sistema para Prontuário Eletrônico de Paciente: Um Estudo de Caso nas Unidades Básicas de Saúde de Itararé-SP

Desenvolvimento de um Protótipo de Sistema para Prontuário Eletrônico de Paciente: Um Estudo de Caso nas Unidades Básicas de Saúde de Itararé-SP 22 Desenvlviment de um Prtótip de Sistema para Prntuári Eletrônic de Paciente: Um Estud de Cas nas Unidades Básicas de Saúde de Itararé-SP Edvald Antunes de Oliveira 1 Gesinald Sants 1 Resum: O Prntuári

Leia mais

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Vx Mercad Pesquisa e Prjets Ltda. Dads da rganizaçã Nme: Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Endereç: Av. Afns Pena, 1212 - Cep.

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Aprvad: Data: 11/09/2008 Data: 10/10/2008 Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Antecedentes_Criminais.dc

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS CONTEÚDO 1. Intrduçã... 3 2. Requisits de Sftware e Hardware:... 3 3. Usuári e Grups:... 3 3.1. Cnfigurand cm Micrsft AD:... 3 3.2. Cnfigurand s Grups e Usuáris:...

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

Proposta de Projeto PIBIC

Proposta de Projeto PIBIC Prpsta de Prjet PIBIC Revisã e simulaçã de sistemas de cicls de cgeraçã cm diferentes alternativas de mtres térmics primáris integrads à Birrefinaria Virtual de Cana-de-açúcar (BVC) d Labratóri Nacinal

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica XVIII Seminári Nacinal de Distribuiçã de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de utubr 7.2 Olinda - Pernambuc - Brasil Autmaçã na Distribuiçã: O Prcess de autmaçã ds equipaments de linha na rede CELPE.

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0)

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0) Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br TESTE DE SOFTWARE (Versã 2.0) 9 Teste de Sftware Imprtância Dependência

Leia mais

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS Prjets n Bima Amazônia A Critéris Orientadres B C D E F Cndicinantes Mínims para Prjets Mdalidades de Aplicaçã ds Recurss Restriçã de Us ds Recurss Critéris

Leia mais