UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SANEAMENTO, MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SANEAMENTO, MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SANEAMENTO, MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS SEGREGAÇÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS INDUSTRIAIS: ANÁLISE ECONÔMICA ATRAVÉS DE DECISÃO MULTICRITÉRIO UTILIZANDO O MÉTODO AHP ESTUDO DE CASO PARA O SETOR TÊXTIL/ACABAMENTO DE MALHAS-MINAS GERAIS Estela Maria Pérez Díaz Belo Horizonte 2007

2 Segregação de Efluentes Líquidos Industriais: Análise Econômica Através de Decisão Multicritério Utilizando o Método AHP Estudo de Caso para o Setor Têxtil/Acabamento de Malhas-Minas Gerais Estela Maria Pérez Díaz

3 Estela Maria Pérez Díaz Segregação de Efluentes Líquidos Industriais: Análise Econômica Através de Decisão Multicritério Utilizando o Método AHP Estudo de Caso para o Setor Têxtil/Acabamento de Malhas-Minas Gerais Tese apresentada ao Programa de Pós-graduação em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos da Universidade Federal de Minas Gerais, como requisito parcial à obtenção do título de Doutor em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos. Área de concentração: Meio Ambiente Linha de pesquisa: Caracterização, prevenção e controle da poluição industrial Orientador: Prof a. Dra. Mônica Maria Diniz Leão Co-Orientador: Prof. Dr. Samuel Vieira Conceição Belo Horizonte Escola de Engenharia Maio 2007

4 Página com as assinaturas dos membros da banca examinadora, fornecida pelo Colegiado do Programa

5 Senhor Jesus, ensina-nos a caminhar sobre os conflitos da vida. Que sua Palavra seja nossa coragem e força. Que seu exemplo seja nosso melhor caminho. Amém. (Jo 6,19-20) A os meus pais Aida e Victor, a os meus irmãos Jhonny e Victor. v

6 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus, por guiar os meus caminhos, a força e pela ajuda constante. Obrigada meu DEUS! Obrigada Virgem Maria! A meus pais, Victor e Aida, irmãos e familiares que sempre me ajudaram e incentivaram para a conclusão do curso. À Profa. Dra. Mônica e Prof. Dr. Samuel, minha orientadora e co-orientador pela atenção, orientação, compreensão e apoio no desenvolvimento desta pesquisa. A eles agradeço profundamente por toda colaboração. Agradeço a minha família, principalmente aos meus pais, Aida e Victor, que sempre me incentivam, apóiam e colaboram na realização de todos os meus sonhos. Aos meus colegas de trabalho: Nícia, Dângelle e Vicente, pelo apoio para a culminação deste trabalho. Ao pessoal da Empresa, por toda a sua colaboração, disponibilizando sem restrição as informações necessárias para o desenvolvimento do estudo de caso desta pesquisa. Agradeço principalmente ao Sr. Wilson Barbosa pela oportunidade que nos deu. Aos especialistas que com muita paciência preencheram o questionário, contribuindo com a pesquisa. Aos professores, colegas e funcionários do DESA, pelo seu apoio, colaboração e incentivo. Aos meus amigos de perto (Brasil) e longe (Bolívia) que sempre me incentivaram para a conquista desta. À Empresa construtora da ETE, principalmente André e Artur pela informação fornecida. E a todos que, direta ou indiretamente, contribuíram para a realização deste trabalho. Em fim, a todos, mim muito obrigada por tudo! vi

7 RESUMO Nos últimos anos é crescente a preocupação com a preservação ambiental, pois grandes quantidades de resíduos têm sido produzidas em todo o mundo, acarretando problemas tais como a redução da camada de ozônio, poluição atmosférica e poluição das águas, entre outros, colocando em risco o meio ambiente e a saúde dos seres vivos. Torna-se assim, imprescindível a aplicação de tecnologias limpas, com uma melhoria do produto e/ou processo produtivo, com alternativas que reduzam o consumo de matérias primas, a emissão de resíduos e, simultaneamente o impacto ambiental, ao invés de remediar a poluição já gerada. A indústria têxtil destaca-se no cenário ambiental pela geração de grande volume de efluente de alta carga orgânica, baixa biodegradabilidade, e elevadas coloração e toxicidade. Para avaliar diferentes sistemas de tratamento de seus efluentes desenvolveuse uma metodologia de auxílio à tomada de decisão, utilizando o método matemático de Analict Hierarchy Process AHP, aplicado em conjunto com uma estratégia ambiental preventiva como é a Produção mais Limpa. Utilizou-se a metodologia de estudo de caso, direcionado para o setor têxtil/acabamento malhas de Minas Gerais. Foram identificadas no processo produtivo as etapas de maior consumo de água e a quantidade de efluente gerada com alta e baixa carga orgânica. O volume do efluente segregado com alta carga e baixa biodegradabilidade é submetido a pré-tratamento por oxidação química (reagente de Fenton) antes da unidade de tratamento biológico, sendo que este sistema é o mais utilizado no setor têxtil; já o efluente com baixa carga poderia passar pelo tratamento físico químico para reuso. Quinze por cento do volume total de efluente gerado corresponde a esse efluente de alta carga; já o de baixa carga representa sessenta e sete por cento do volume total, o qual é reciclado. Foram estabelecidos 4 cenários para a construção da estrutura hierárquica do Método de Análise Hierárquica, considerando aspectos quantitativos e qualitativos, tangíveis e intangíveis, e os custos de investimento e operacional, levantados para cada sistema de tratamento. Através da aplicação do método AHP e da análise econômica por meio da relação benefício/custo, obteve-se como melhor alternativa o sistema de tratamento de efluentes com pré-tratamento (reagente de Fenton) conjugado ao sistema de lodos ativados, como segunda alternativa ficou determinado que para a parcela reciclável seria vii

8 utilizado o sistema físico-químico de coagulação/floculação, juntamente, com o tratamento biológico por lodos ativados para o efluente a ser descartado nos corpos d água. A segregação e filtração simples de parcela reciclável e tratamento biológico para efluente a ser descartado e o tratamento biológico para todo o efluente foram classificados como terceira e quarta opção, respectivamente. viii

9 SUMMARY In recent increasing the concern about ambient preservation years is. Great amounts of residues have been produced in the world, causing problems such as the reduction of the ozone layer, atmospheric pollution and water pollution, among others, placing at risk the environment and the health of living creatures. The application of clean methodologies becomes thus essential. The improvement of the product and/or productive process considering alternatives that reduce the raw material consumption, the emission of residues and simultaneously, the ambient impact, instead of attenuating the already generated pollution The textile industry is distinguished in the ambient scene for the great effluent volume of high organic load, low biodegradability, and also high coloration and toxicity. To evaluate different systems of treatment of effluents a methodology of aid to the decision making was developed, using the mathematical method of Hierarchic Analysis - AHP, applied in set with a preventive ambient strategy as in Clean Production.. A methodology of case studies was used for the textile sector of Minas Gerais, specially fabric finishing. The stages of highest water consumption and highest effluent generation with low and high organic load had been identified in the productive process. Effluent with high load and low biodegradability could be segregated and submitted to pré-treatment by chemical oxidation (Fenton reagent), before the biological treatment. Biological Treatment is largely used in the textile sector. Effluent with low organic load could be treated for water reuse using chemical physical treatment only. Fifteen percent of the total volume of effluent generated corresponds to high organic load effluent. Effluent of low organic load, which is recycled, represents sixty seven percent of the total volume,. Four scenarios for the construction of the hierarchic structure of the AHP have been established considering the quantitative and tangible and intangible qualitative aspects, the raised costs of operational investment for each system of treatment. Through application of AHP method and economic analysis by means of the relation benefit/cost, was obtained as the best alternative for the effluent treatment system: Daily pré-treatment Fenton reagent conjugated with the system of activated sludge. The second best method was the coagulation/flocculation for partial recycling and biological ix

10 treatment of effluent by activated sludge to obtain a final effluent. The third option was the segregation and simple filtration of recycled parcel combined with biological treatment of effluent to be deschargeg. The fourth alternative, without recycling, used only biological treatment by activated sludge. x

11 SUMÁRIO LISTA DE ABREVIATURAS E SÍMBOLOS... XIII LISTA DE FIGURAS... XVI LISTA DE TABELAS... XVII LISTA DE TABELAS... XVII 1 INTRODUÇÃO JUSTIFICATIVA E ORIGINALIDADE DA PESQUISA OBJETIVOS OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS REVISÃO DA LITERATURA CONTROLE DA POLUIÇÃO INDUSTRIAL: HISTÓRICO ECOLOGIA INDUSTRIAL Indutores Ferramentas PRODUÇÃO MAIS LIMPA Definição Metodologia de Implementação de um Programa de Produção mais Limpa Vantagens da Produção mais Limpa LEGISLAÇÃO BRASILEIRA PARA LANÇAMENTO DE EFLUENTES EM CORPOS D ÁGUA CARACTERIZAÇÃO DO SETOR TÊXTIL/ACABAMENTO MALHAS Caracterização Geral Processo produtivo EFLUENTES E RESÍDUOS TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS Processos Oxidativos Avançados: Reagente de Fenton VIABILIDADE ECONÔMICA Métodos de Análise de investimentos Análise Multicritério MATERIAL E MÉTODOS ESTUDO DE CASO Seleção e situação atual da Empresa Etapas RESULTADOS E DISCUSSÃO DIAGNÓSTICO SELEÇÃO DOS CENÁRIOS LEVANTAMENTO DE DADOS E DETERMINAÇÃO DOS CUSTOS Levantamento de dados e determinação dos custos de implementação e operacional da ETE Levantamento de dados e determinação dos custos de implementação e operacional das lagoas de reciclo Levantamento de dados e determinação dos custos de implementação e operacional para o pré-tratamento com Fenton Estimativa dos custos de implementação para o tratamento através da coagulação/floculação APLICAÇÃO DO MÉTODO HIERÁRQUICO - AHP O Modelo Hierárquico Construção das matrizes de comparações dos critérios, sub-critérios e alternativas Aplicação do método Delphi xi

12 Resolução de matrizes Análise econômica Relação Benefício/Custo CONCLUSÕES RECOMENDAÇÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS xii

13 LISTA DE ABREVIATURAS E SÍMBOLOS ABC Custeio Baseado em Atividades AHP Analytic Hierarchy Process - Método de Análise Hierárquica CETESB CNTL CONAMA COPAM CUB COT DQO DBO EIA EIPPC EPA ETE FEAM IBAMA IC IE Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental Centro Nacional de Tecnologias Limpas Conselho Nacional de Meio Ambiente Conselho Estadual de Política Ambiental Custo Unitário Básico Carbono Orgânico Total Demanda Química de Oxigênio Demanda Bioquímica de Oxigênio Estudo de Impacto Ambiental European Integrates Pollution Prevention and Control Environmental Protection Agency -Agencia de Proteção Ambiental Estação de Tratamento de Efluentes Fundação Estadual do Meio Ambiente Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis Índice de Consistência Ecologia Industrial xiii

14 IR MCDA ONUDI PCA PMEs PmaisL PNUMA POAs PP P2 P+L RADA RC RCA RIMA SENAI SINDUSCOM MG SISNAMA Índice de consistência Randômico Multicriteria Decision Aid Metodologias Multicritério de Apoio à Decisão Organização de las Naciones Unidas para el Dessarrollo Industrial Plano de Controle Ambiental Pequenas e Médias Empresas Produção mais Limpa Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente Processos Oxidativos Avançados Prevenção à Poluição Prevenção à Poluição Produção mais Limpa Relatório de Avaliação de Desempenho Ambiental Razão de Consistência Relatório de Controle Ambiental Relatório de Impacto Ambiental Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Sindicato da indústria da Construção Civil do Estado de Minas Gerais Sistema Nacional do Meio Ambiente xiv

15 TMA UFMG UNIDO UNEP USEPA VAUE VOCs VPL Taxa mínima de Atratividade Universidade Federal de Minas Gerais Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente United States Environmental Protection Agency Valor Uniforme Anual Equivalente Compostos Orgânicos Voláteis Valor Presente Líquido xv

16 LISTA DE FIGURAS Figura Crescimento dos custos ambientais Figura Fluxograma de hierarquia dos enfoques aos problemas ambientais Figura Fluxograma qualitativo do processo produtivo Figura Fluxograma da geração de opções de Produção mais Limpa Figura Fluxograma do Processo Produtivo Figura Fluxograma de uma planta típica de Sistema de tratamento de Lodos ativados Figura Fluxograma geral do AHP Figura Estrutura Típica do AHP Figura Estação de tratamento de Efluentes Lodos Ativados Figura Estação de tratamento de Efluentes Lodos Ativados Figura Lagoas de armazenamento para reciclo da água Figura Fluxograma do Sistema de tratamento de Efluentes utilizado pela empresa (situação atual) Figura Fluxograma do Sistema de Tratamento de Efluentes (Proposto). 245 Figura Fluxograma do Sistema de Tratamento de Efluentes (Proposto) Figura Fluxograma do Sistema de Tratamento de Efluentes (Proposto) Figura Procedimentos para tratamento de efluentes com reagente Fenton Figura Procedimentos para tratamento de efluentes com coagulação / floculação Figura Modelo da Estrutura hierárquica Figura Estrutura hierárquica do problema de seleção da melhor alternativa Figura Estrutura hierárquica do problema de seleção da melhor alternativa Sub-critérios do critério Impactos Ambientais Figura Estrutura hierárquica do problema de seleção da melhor alternativa Sub-critérios do critério Operacionalidade Figura Estrutura hierárquica do problema de seleção da melhor alternativa Sub-critérios do critério Imagem da empresa Figura Estrutura hierárquica do problema de seleção da melhor alternativa Sub-critérios do critério Riscos a ações civis Figura Resultado global da Seleção da melhor alternativa Figura Relação Beneficio / Custo xvi

17 LISTA DE TABELAS Tabela 4.1 algumas vantagens de desvantagens do tratamento por coagulação e floculação Tabela 4.2 Sistemas de Processos Oxidativos Avançados Homogêneos e heterogêneos Tabela 4.3 Sistemas de Processos Oxidativos Vantagens e desvantagens. 202 Tabela 4.4 Escala de Comparações proposta por Saaty, (1991) Tabela 6.1- Dados Administrativos da Empresa Tabela 6.2 Produção média por tipo de tecido Tabela 6.3- Consumo médio mensal de insumos Tabela 6.4 Geração média de efluente por tipo de tecido Tabela 6.5- Determinação do efluente e efluente a segregar Tabela 6.6 Etapa: Projeto Tabela 6.7 Etapa: Serviços Iniciais Tabela 6.8 Etapa: Peneiramento Tabela 6.9 Etapa: Tanque Séptico Tabela 6.10 Etapa: Tanque Equalizadores/Neutralizadores Tabela 6.11 Etapa: Tanque de Aeração/Decantação Tabela 6.12 Etapa: Estruturas- Casa de Compressores Tabela 6.13 Etapa: Urbanização/Paisagismo Tabela 6.14 Etapa: Partida /Operação Tabela 6.15 Custo e Percentagem que cada etapa representa na implantação da ETE Tabela 6.16 Custos Operacionais mensais da ETE Tabela 6.17 Custos de implementação das lagoas de reciclo Tabela 6.18 Custos Operacionais mensais das lagoas de água de reciclo Tabela 6.19 Estimativa de custos de implementação para o pré-tratamento com Reagente Fenton Tabela 6.20 Custos Operacionais mensais pré-tratamento com Reagente Fenton Tabela 6.21 Estimativa de custos de implementação para o tratamento com Coagulação/floculação Tabela 6.22 Custos Operacionais mensais para o tratamento com Coagulação/Floculação Tabela 6.23 Consumo médio de energia elétrica da empresa em estudo Tabela 6.24 Matriz de comparação dos critérios Tabela 6.25 Composição do fator Impacto Ambiental Tabela 6.26 Preferência dos diferentes sistemas de tratamento de efluentes Industriais em relação ao consumo de água Tabela 6.27 Matriz de Comparação dos Critérios Tabela 6.28 Cálculo dos Pesos dos Critérios Tabela 6.29 Pesos normalizados para os Critérios Tabela 6.30 Pesos normalizados para o critério impacto ambiental Tabela 6.31 Pesos normalizados para o critério operacionalidade Tabela 6.32 Pesos normalizados para o critério imagem da empresa Tabela 6.33 Pesos normalizados para o critério Riscos Tabela 6.34 Resultado global classificação das alternativas para com o objetivo estabelecido Tabela 6.35 Custos de implementação para os 4 cenários Tabela 6.36 Custo Operacional para os 4 cenários xvii

18 Tabela 6.37 Custo total normalizados Tabela 6.38 Relação Benefício/Custo xviii

19 LISTA DE ANEXOS ANEXO 1: Índices Randômicos ANEXO 2: Questionário ANEXO 3: Levantamento de dados operacionais ANEXO 4: Determinação do volume a segregar ANEXO 5: Determinação de Custos de implementação e operacional da ETE, Índices para correção monetária ANEXO 6: Matrizes das comparações dos critérios, sub-critérios e alternativas ANEXO 7: Média, mediana, moda e freqüência da avaliação das comparações e preferências pelos especialistas xix

20 1 INTRODUÇÃO Nos últimos anos grandes quantidades de resíduos têm sido produzidas em todo o mundo, trazendo consigo problemas ambientais, tais como: a redução da camada de ozônio, poluição atmosférica e poluição das águas, entre outros, colocando em risco o meio ambiente e a saúde dos seres vivos. A consciência da preservação do meio ambiente saudável constitui-se numa das premissas básicas para a qualidade de vida. A preservação dos recursos naturais é imprescindível para a vida das gerações futuras. A implementação de leis e normas ambientais cada vez mais restritivas e a criação de mercados cada vez mais competitivos vêm exigindo que as empresas sejam mais eficientes, do ponto de vista produtivo e ambiental. Ou seja, o aumento da produção industrial deverá estar aliado a um menor gasto de insumos e menor geração de poluentes. Este fato pode estimular as empresas a adotarem inovações que reduzam os custos totais de um produto ou aumentem seu valor, melhorando a competitividade das empresas e conseqüentemente do país (PORTER, M. LINDE, C., 1995a). Assim, quando as empresas são capazes de ver as regulamentações ambientais como um desafio, passam a desenvolver soluções inovadoras e, portanto, melhoram a sua competitividade. As inovações adotadas para cumprir as regulamentações ambientais fazem com que as empresas utilizem seus insumos, matérias-primas, energia e trabalho de forma mais eficiente reduzindo custos e compensando os gastos com os investimentos ambientais; dessa forma, a preservação ambiental está associada ao aumento da produtividade e conseqüentemente ao aumento da competitividade da empresa. (PORTER, M. LINDE, C, 1995a, 1995b). O aumento da eficiência no uso dos recursos é possível porque a poluição é, muitas vezes, um desperdício econômico. Resíduos industriais, sejam sólidos, líquidos ou gasosos, podem ser reaproveitados em diversos casos, tais como a co-geração de energia, extração de substâncias que serão reutilizadas e reciclagem de materiais. Ao analisar o ciclo de vida do produto, há também outros desperdícios, como o excesso de embalagens e o descarte de produtos que requerem uma disposição final de alto custo. Tanto o desperdício dos resíduos industriais quanto os desperdícios ao longo da vida do produto estão embutidos nos preços dos produtos, fazendo com que os consumidores paguem, sem perceber, pela má utilização dos recursos. É neste sentido que uma utilização mais racional dos recursos

21 pode aumentar a produtividade e tornar a empresa mais competitiva: pela redução de custos e/ou pela melhoria de seus produtos pelos quais os consumidores estariam dispostos a pagar mais. O aumento dos custos e a perda de competitividade atribuídos à preservação ambiental estão, em geral, associados às soluções do tipo end-of-pipe (EOP) ou tratamento de final de linha que são ações eficientes da empresa no tratamento da poluição que já ocorreu. Neste caso, os rejeitos contendo substâncias tóxicas são tratados antes de serem lançados no meio ambiente controle da contaminação incluindo também as atividades de restauração do ambiente degradado (clean-up), tornando inofensivas substâncias tóxicas já presentes no ecossistema. Outro tipo de solução para os problemas de poluição ambiental é a prevenção à poluição (PP), que inclui a adoção de tecnologias mais limpas, melhoria na eficiência produtiva através de gestão inovadora, redução da geração de resíduos e reciclagem de subprodutos do processo produtivo, antes considerados como resíduos. Ou seja, o enfoque de Prevenção à Poluição prevê mudanças nas tecnologias adotadas, com alternativas que reduzem efetivamente a quantidade de emissões e resíduos, e simultaneamente uma redução do impacto ambiental e uma melhoria do produto e/ou processo produtivo. A segregação de efluentes e resíduos oferece oportunidades para reciclar e reutilizar, uma vez que resíduos com composições simples são mais passiveis de valorização do que resíduos complexos ou diluídos (EPA, 1996). Resíduos misturados podem aumentar os problemas de poluição, aumentando a concentração ou misturando poluentes e gerando grandes volumes de efluentes contaminados, o que agrava o processo de tratamento dos efluentes e influencia nos custos de tratamento, tanto de investimento como nos custos operacionais. As pequenas e médias empresas que pretendem adequar-se à legislação ambiental, cada vez mais restritiva, e às novas exigências do mercado, apresentam ainda restrições em relação à grande área ocupada pelos sistemas de tratamento de efluentes líquidos convencionais, como é o caso das lagoas aeróbias ou das estações de lodos ativados operadas em regime contínuo; à necessidade de operação contínua que nem sempre é conveniente para este tipo de empresas; e à disponibilidade de recursos econômicos. As empresas brasileiras do ramo têxtil são, na sua maioria, de pequeno e médio portes, embora 80 a 90% do faturamento e a maior parcela da produção do setor seja devido à atividade das indústrias de grande porte. O investimento de capital é basicamente nacional, 149

22 e a região sudeste é a que concentra a maioria dessas indústrias, seguida das regiões sul e nordeste do país (OLIVEIRA, M. MEDEIROS, L apud LEÃO, M. et al, 2002). Em dezembro 1994, a Divisão de Controle das Indústrias Químicas e Alimentícias da Fundação Estadual do Meio Ambiente FEAM elaborou um estudo denominado Avaliação da Poluição Provocada pelas Indústrias Têxteis nos Cursos d Água do Estado de Minas Gerais (FEAM, 1994) com o objetivo de analisar, sob o ponto de vista ambiental, a situação das empresas deste ramo de atividade situadas no Estado, visando a subsidiar o Conselho Estadual de Política Ambiental COPAM no estabelecimento das diretrizes de uma política para a resolução dos problemas existentes. O trabalho concluiu que a degradação ambiental causada por essas indústrias é bastante significativa, uma vez que apenas 61 empresas pesquisadas, de um total de mais de 1000 existentes, seriam responsáveis pelo lançamento nos cursos d água mineiros de aproximadamente m 3 /dia de efluentes e uma carga orgânica diária de cerca de kg de Demanda Bioquímica de Oxigênio (DBO), o que corresponde ao total de esgotos domésticos gerado por uma cidade com habitantes. Estes dados colocavam a indústria têxtil como a 5 a atividade industrial mais poluidora no estado, com maior impacto causado pelos efluentes líquidos (FEAM, 1994). Em geral, os efluentes das indústrias têxteis apresentam elevada carga orgânica, baixa biodegradabilidade, elevada coloração e podem ser tóxicos, além do grande volume. O seu lançamento nos corpos d água causa uma queda da concentração de oxigênio dissolvido, através de um efeito conjunto da elevação da temperatura do meio e do consumo de oxigênio no processo de oxidação da matéria orgânica biodegradável. Há alguns anos as indústrias têxteis apresentavam consumos de água de ordem de 250 a 600 L/kg de tecido (EPA, 1978). Com as pressões ambientais e a necessidade de garantir competitividade, nos últimos anos este consumo passou a se situar entre 80 a 150 L/kg de produto; estima-se que 88% desse volume é descartado como efluente; e os 12% restantes compõem as perdas por evaporação. A natureza desses efluentes depende da tecnologia e processos industriais empregados e também dos tipos de fibras e produtos químicos utilizados (LEÃO, M. et al., 2002). Esses efluentes são gerados nas operações de lavagens, tingimento e acabamento dos tecidos, nas lavagens de pisos e equipamentos, e no esgoto sanitário. Nos processos de operações de lavagens e enxágües o volume é alto mas 150

23 apresenta menor carga orgânica; nas operações de tingimento do tecido e de limpeza geram menores volumes de efluentes, com maior carga orgânica. Os efluentes têxteis costumam possuir elevadas relações DQO/DBO 5 entre situadas 3,5 e 5; relações próximas ou superiores a 5 indicam presença de compostos refratários nãobiodegradáveis (LEGRINI et al, 1993; GUIMARAES, e BARCENA 2001), compostos que dificilmente serão removidos nos sistemas convencionais de tratamento biológico dos efluentes (SMITH,1992). A segregação de efluentes, com tratamento preliminar da fração de maior carga através de processo oxidativo avançado, pode aumentar a biodegradabilidade do afluente para lançamento no sistema de tratamento biológico, possibilitando maior eficiência na redução de carga orgânica do efluente e otimizando a operação do sistema de tratamento biológico. A separação dos efluentes com baixa concentração de matéria orgânica e volume alto permite um tratamento convencional com maior eficiência (EIPPC, 2003). Para a segregação dos efluentes é necessário um estudo detalhado sobre o processo produtivo e os efluentes gerados, levando em conta basicamente o tipo de efluente, volume gerado e as principais fontes geradoras. É importante considerar que a escolha de alternativa(s) dependerá do estudo econômico, para confirmar a viabilidade de projeto tecnicamente correto. Num primeiro momento, são considerados os aspectos econômicos do investimento, ou seja analisar a rentabilidade do investimento e selecionar aquele que rende mais ou obtêm maior retorno. Por outro lado um investimento pode ter repercussões que não sejam ponderáveis, tais como a saúde dos trabalhadores, conservação do meio ambiente, cumprir as exigências das leis ambientais, entre outros fatores não quantificáveis, como restrições ou os próprios objetivos e políticas gerais da empresa. A decisão da implantação de um projeto deve, pois, considerar (CASAROTTO, 2000): critérios econômicos: rentabilidade do investimento; critérios financeiros: disponibilidade de recursos; critérios imponderáveis: fatores não conversíveis em dinheiro. 151

24 Este trabalho faz parte de um projeto de aplicações de metodologias de Produção mais Limpa na industria têxtil/acabamento de malhas, do qual serão utilizadas as informações necessárias para a análise de viabilidade econômica de uma alternativa de intervenção, aplicando conceitos de contabilidade de custos aplicados na área ambiental. 152

25 2 JUSTIFICATIVA E ORIGINALIDADE DA PESQUISA O presente trabalho é direcionado para o setor têxtil/acabamento malhas, que é uma das tipologias que geram grande quantidade de carga poluidora não biodegradável. Trabalhos anteriores, como LEÃO, M. et al, 2002; ANDRADE, L. 1999; SOARES A. 2003; e SILVA Z., 2000, entre outros, indicaram a necessidade do desenvolvimento de pesquisas voltadas para intervenções no processo produtivo e a otimização do tratamento e lançamento dos efluentes líquidos. Observou-se que as etapas que compõem o beneficiamento primário e secundário são as que contêm maior quantidade de poluentes e as que preocupam em termos ambientais. No processo dos beneficiamentos são utilizados vários tipos de produtos químicos, como corantes, produtos auxiliares e outros. Os efluentes das operações de tingimento causam ao meio ambiente maior impacto relacionado à cor, à toxicidade, à alta relação de DQO/DBO 5 ou baixa biodegradabilidade, como os banhos de tingimento, de purga e de lavagem inicial, com intensa utilização de corantes, amaciantes, detergentes igualizantes e umectantes que, além de apresentar baixa biodegradabilidade, podem introduzir cargas orgânicas significativas nos banhos (LEÃO, M. et al., 2002 e EIPPC, 2003). No entanto, a viabilidade técnica não é suficiente para a tomada de decisões e implementação das intervenções possíveis. Uma análise econômica é fundamental para subsidiar as escolhas e a metodologia de contabilidade voltada à área ambiental. Questões ambientais vêm fazendo com que os gestores empresariais passem a considerá-las nos sistemas de gestão e de contabilidade, dando ensejo ao reconhecimento da Contabilidade Ambiental. Todavia, essa contabilidade é ainda pouco utilizada nas empresas, mesmo no contexto mundial (TINOCO, J. 2004). No Brasil, pesquisa realizada por Paiva (2003) junto às empresas brasileiras do setor de papel e celulose constatou que esse setor não tem política de contabilização e nem pratica a evidenciação contábil ambiental; e ainda, os termos contabilidade ambiental, contabilidade ecológica, contabilidade verde são mal conhecidos. (TINOCO, J. 2004). Em malharias de pequeno e médio porte, grande parte das operações de beneficiamento são executadas no equipamento de tingimento, em regime de batelada. O tecido, após mercerizado ou alcalinizado (quando pertinente), é colocado na máquina e ali permanece 153

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA Manuel Victor da Silva Baptista (1) Engenheiro Químico com pós-graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental, SENAI-CETSAM,

Leia mais

Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa. Prof. Dr. Douglas Wittmann. São Paulo - 2015

Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa. Prof. Dr. Douglas Wittmann. São Paulo - 2015 Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa Prof. Dr. Douglas Wittmann São Paulo - 2015 Prof. Dr. Douglas Wittmann Doutor em Ciências (USP). Mestre em Engenharia de Produção (UNIP). Pós-graduado em

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química

Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química Apresentação: José Leildon QSA - ASSESSORIA EMPRESARIAL Ltda 2 Abordagem tradicional - controle corretivo Recursos Naturais Produtos Ambiente Rejeitos

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

Guia de sustentabilidade para plásticos

Guia de sustentabilidade para plásticos Guia de sustentabilidade para plásticos Maio 2014 1 2 3 4 5 6 7 8 Introdução... 4 Contextualização dos plásticos... 6 Composição dos móveis e utensílios de plásticos...7 Requerimentos para materiais que

Leia mais

Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de. Antônio Malard FEAM 09/06/2015

Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de. Antônio Malard FEAM 09/06/2015 Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de Reuso de Água Antônio Malard FEAM 09/06/2015 Sumário Legislações de Reuso; Consumo de Água na Indústria; Experiências de Sucesso: Banco de Boas Práticas Ambientais;

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ESTUDO DE CASO: LATICÍNIO DO COLÉGIO AGRÍCOLA ESTADUAL MANOEL RIBAS

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ESTUDO DE CASO: LATICÍNIO DO COLÉGIO AGRÍCOLA ESTADUAL MANOEL RIBAS GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ESTUDO DE CASO: LATICÍNIO DO COLÉGIO AGRÍCOLA ESTADUAL MANOEL RIBAS Ana Cláudia Ueda (*), Magali Bernardes Maganhini * Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Apucarana.

Leia mais

Papel com Reflorestamento. e Reciclagem

Papel com Reflorestamento. e Reciclagem Papel com Reflorestamento e Reciclagem 49 O setor brasileiro de celulose e papel prima pela utilização de madeiras florestais plantadas exclusivamente para fins industriais. O emprego de técnicas de manejo

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1 1 1. APRESENTAÇÃO O presente Termo de Referência visa orientar e fornecer subsídios para a elaboração e conseqüente implantação do Programa de Educação Ambiental (PEA) a ser apresentado à Coordenadoria

Leia mais

PRODUÇÃO MAIS LIMPA (P+L)

PRODUÇÃO MAIS LIMPA (P+L) Workshops Meio Ambiente Convênio -CIESPCIESP PRÁTICAS DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA (P+L) Flávio de Miranda Ribeiro Gerente da Divisão de Sustentabilidade e Questões Globais - - 27/05/2010 1. INTRODUÇÃO ESTRUTURA

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

AÇÕES PARA UM PROCESSO DE PINTURA SUSTENTÁVEL

AÇÕES PARA UM PROCESSO DE PINTURA SUSTENTÁVEL AÇÕES PARA UM PROCESSO DE PINTURA SUSTENTÁVEL Luciane Souza, Ronnie Oliveira Mercedes-Benz do Brasil, unidade Juiz de Fora RESUMO A Mercedes-Benz tem como princípio a sustentabilidade. Baseado nesse princípio,

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

Reuso macroexterno: reuso de efluentes provenientes de estações de tratamento administradas por concessionárias ou de outra indústria;

Reuso macroexterno: reuso de efluentes provenientes de estações de tratamento administradas por concessionárias ou de outra indústria; Um local de grande potencialidade de reutilização de efluentes de ETE s é o setor industrial, afirma Giordani (2002), visto que várias fases dos processos produtivos podem aceitar águas de menor qualidade,

Leia mais

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares Projeto de lei n. Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima e fixa seus princípios, objetivos, diretrizes e instrumentos. A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte

Leia mais

Gestão Ambiental. para Empresas de Pequeno Porte

Gestão Ambiental. para Empresas de Pequeno Porte Gestão Ambiental para Empresas de Pequeno Porte Setor de Alimentos Junho de 2014 Izabela Simões Analista em Gestão Ambiental A Evolução da Gestão Ambiental 1960 2009 Controle da poluição Poluidor pagador

Leia mais

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014)

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014) LIFE-BR-CS-3.0-Português Versão 3.0 Brasil Português (NOVEMBRO/2014) Próxima revisão planejada para: 2017 2 OBJETIVO A partir das Premissas LIFE, definir os Princípios, critérios e respectivos indicadores

Leia mais

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. INFORMAÇÕES

Leia mais

1. Metodologias de gestão ambiental com enfoque em prevenção da. 3. Metodologia de produção mais limpa desenvolvida pela UNIDO/UNEP

1. Metodologias de gestão ambiental com enfoque em prevenção da. 3. Metodologia de produção mais limpa desenvolvida pela UNIDO/UNEP 3 - Metodologias 1. Metodologias de gestão ambiental com enfoque em prevenção da poluição e minimização de resíduos 2. Histórico de produção mais limpa no Brasil 3. Metodologia de produção mais limpa desenvolvida

Leia mais

Resíduo Zero e alternativas à incineração. TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça

Resíduo Zero e alternativas à incineração. TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça Resíduo Zero e alternativas à incineração TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça SÃO PAULO 28/05/2015 Desequilíbrio: padrões de produção e consumo dos séculos XX e XXI Necessidades do consumidor Melhorias

Leia mais

"Água e os Desafios do. Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO.

Água e os Desafios do. Setor Produtivo EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. "Água e os Desafios do Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O PAPEL DE CADA UM É o desenvolvimento que atende às necessidades

Leia mais

MERCADO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS NO BRASIL

MERCADO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS NO BRASIL MERCADO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS NO BRASIL Palavras-chave: Efluentes industriais, tecnologia ambiental, controle de poluição. 1 Introdução O mercado de tecnologias ambientais no Brasil, principalmente

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS No momento em que se decide ter uma Indústria Cosmética um dos fatores preponderantes é providenciar as diversas licenças requeridas que

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE DEDETIZADORAS, LIMPA FOSSA E EMPRESAS QUE PRESTA SERVIÇO DE LIMPEZA. Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio São Paulo, 10 de Março de 2003 Índice 0 INTRODUÇÃO...4 0.1 ASPECTOS GERAIS...4 0.2 BENEFÍCIOS DE

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 ZOOTECNIA/UFG DISCIPLINA DE GPA Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Introdução EVOLUÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL Passou por três grandes etapas: 1ª. Os problemas ambientais são localizados

Leia mais

Ideal Qualificação Profissional

Ideal Qualificação Profissional 2 0 1 1 Finalista Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Vencedora Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Finalista Nacional Categoria Serviços de Educação Apresentação O desenvolvimento

Leia mais

Tecnologia e Sustentabilidade

Tecnologia e Sustentabilidade Painel 2 Tecnologia e Sustentabilidade Robério Fernandes Alves de Oliveira 1 Painel 2 Tecnologia e Sustentabilidade As dimensões da sustentabilidade Econômica Social AMBIENTAL 2 Painel 2 Tecnologia e Sustentabilidade

Leia mais

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa PROTEÇÃO AMBIENTAL Professor André Pereira Rosa ALTERAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS CARACTERÍSTICAS DAS IMPUREZAS 99,9 % 0,1 % Esgotos Sólidos Poluição tratamento Impurezas justificam a instalação de ETE

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO DE CONTROLE

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS

CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS Elisângela Garcia Santos RODRIGUES 1, Hebert Henrique de Souza LIMA 1, Irivan Alves RODRIGUES 2, Lúcia Raquel de LIMA

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio TRATAMENTO DA ÁGUA Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio Água poluída: água inadequada para beber ou para fazer nossa higiene. Diversas substâncias naturalmente presentes na água são

Leia mais

PARECER TÉCNICO PROPOSTA DE REUSO DE ESGOTOS TRATADOS PELA USINA DE GERAÇÃO DE ENERGIA CARIOBA II

PARECER TÉCNICO PROPOSTA DE REUSO DE ESGOTOS TRATADOS PELA USINA DE GERAÇÃO DE ENERGIA CARIOBA II PARECER TÉCNICO PROPOSTA DE REUSO DE ESGOTOS TRATADOS PELA USINA DE GERAÇÃO DE ENERGIA CARIOBA II Autores: Ivanildo Hespanhol José Carlos Mierzwa São Paulo, 24 de maio de 2.001 Lienne Carla Pires 2 Índice

Leia mais

Tratamento de Efluentes: fundamentais no setor de tratamento de superfície

Tratamento de Efluentes: fundamentais no setor de tratamento de superfície Tratamento de Efluentes: fundamentais no setor de tratamento de superfície Além de uma análise técnica bastante interessante sobre a importância do tratamento de efluentes no nosso setor, feito por um

Leia mais

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais

Estudo de Caso: Aplicação de Produção Mais Limpa no Processo de Embalagem de Soquetes de Luminárias

Estudo de Caso: Aplicação de Produção Mais Limpa no Processo de Embalagem de Soquetes de Luminárias Estudo de Caso: Aplicação de Produção Mais Limpa no Processo de Embalagem de Soquetes de Luminárias BENVENUTI, T. a*, MAFFESSONI, D. b, TONIN, B. P. b a. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto

Leia mais

AVALIAÇÃO E REDUÇÃO DA TOXICIDADE DOS EFLUENTES HÍDRICOS O NOVO DESAFIO DAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS.

AVALIAÇÃO E REDUÇÃO DA TOXICIDADE DOS EFLUENTES HÍDRICOS O NOVO DESAFIO DAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS. AVALIAÇÃO E REDUÇÃO DA TOXICIDADE DOS EFLUENTES HÍDRICOS O NOVO DESAFIO DAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS. Ana Luiza Fávaro Piedade ACQUA CONSULTING SOLUÇÕES AMBIENTAIS LTDA. Atualmente já se sabe que cumprir

Leia mais

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL MENDONÇA, Ana Maria Gonçalves Duarte. Universidade Federal de Campina Grande. E-mail: Ana.duartemendonca@gmail.com RESUMO

Leia mais

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE 546 A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE Irene Caires da Silva 1, Ana Carlina Toni Pereira 2, Carlile Serafim Pestana 2, Fernando Henrique Grigoletto dos Santos 2, Henrique

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

Deivid Oliveira Analista Ambiental

Deivid Oliveira Analista Ambiental Deivid Oliveira Analista Ambiental Gestão da água e efluentes e alternativas de reuso Escassez Hídrica - Impacto na indústria O impacto sobre o setor possui uma abrangência ampla considerando o porte,

Leia mais

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL GESTÃO AMBIENTAL: Planejamento. GERENCIAMENTO AMBIENTAL: Execução e Controle. GESTÃO ETAPAS: 1. Definição dos Objetivos do Planejamento = metas. 2. Inventário/ Banco de

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas Avenida Nascimento de Castro, 2127 Lagoa

Leia mais

*Silvia Benedetti Edna Regina Amante Luis Fernando Wentz Brum Luis Carlos de Oliveira Jr. São Paulo 2009

*Silvia Benedetti Edna Regina Amante Luis Fernando Wentz Brum Luis Carlos de Oliveira Jr. São Paulo 2009 Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Alimentos REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA DE PROCESSO E RESÍDUOS DE INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS *Silvia Benedetti Edna Regina Amante

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA 2 - Metodologia 3 - Aplicação x Legislação 4 - Análise de Inventário 5 - Avaliação de Impacto 6 - Interpretação Avaliação A Análise de Ciclo de Vida (ACV) avalia as interações

Leia mais

LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C. 3 ; FREITAS, A.C. 4 ; GONÇALVES, C.A.A. 5

LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C. 3 ; FREITAS, A.C. 4 ; GONÇALVES, C.A.A. 5 PROGRAMA DE VIABILIZAÇÃO TÉCNICA PARA SISTEMA DE TRATAMENTO INTEGRADO DOS EFLUENTES GERADOS NO COMPLEXO AGROINDUSTRIAL DA UNIDADE I DO CEFET UBERABA MG LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C.

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD

Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD I. O PROBLEMA DE DESENVOLVIMENTO E PROBLEMAS IMEDIATOS ENFOCADOS A conversão da floresta primária na Amazônia ameaça a biodiversidade e libera estoques

Leia mais

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas.

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas. 1. OBJETIVOS Estabelecer diretrizes que norteiem as ações das Empresas Eletrobras quanto à promoção do desenvolvimento sustentável, buscando equilibrar oportunidades de negócio com responsabilidade social,

Leia mais

Sistemas Compactos de Tratamento de Esgotos Sanitários para Pequenos Municípios

Sistemas Compactos de Tratamento de Esgotos Sanitários para Pequenos Municípios Comitê de Gerenciamento da Bacia Hidrográfica do Alto Rio Jacuí - COAJU III Seminário Estadual sobre os Usos Múltiplos da Água Erechim, 30 de julho de 2010 Sistemas Compactos de Tratamento de Esgotos Sanitários

Leia mais

Química das Águas - parte 3

Química das Águas - parte 3 QUÍMICA AMBIENTAL Química das Águas - parte 3 Aula S07 - Purificação de águas poluídas (Tratamento de esgoto) Prof. Rafael Arromba de Sousa Departamento de Química UFJF 2º período de 2013 Recapitulando...

Leia mais

Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental

Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental 1.CURSOS COM ÊNFASE EM : Gestão Ambiental de Empresas 2. CONCEPÇÃO DOS CURSOS: O Brasil possui a maior reserva ecológica do planeta sendo o número um em

Leia mais

Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS

Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS setembro 2013 As proposições elencadas neste documento originam-se

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

MINIMIZAÇÃO DE EFLUENTES NO PROCESSO INDUSTRIAL

MINIMIZAÇÃO DE EFLUENTES NO PROCESSO INDUSTRIAL MINIMIZAÇÃO DE EFLUENTES NO PROCESSO INDUSTRIAL JOSÉ LUIZ PAPA ACQUA ENGENHARIA E CONSULTORIA S/C LTDA. www.acquaeng.com.br - Introdução - Escolha do Processo Industrial - Avaliação de Parâmetros de Poluição

Leia mais

Protocolo, ed. V 21/01/2013

Protocolo, ed. V 21/01/2013 2013 Protocolo, ed. V Preparo e Dosagem 21/01/2013 www.ecosynth.com.br Protocolo ATM - ed.05 (jan/2013) Página 2 1. APRESENTAÇÃO A propriedade de ocupar áreas destinadas a expansão industrial, custo de

Leia mais

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência Página 1 de 9 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 01 20/05/2009 30/09/2009 16/12/09 Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO UNIVERSIDADE DE CAIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Produção mais Limpa: O Caso do Arranjo Produtivo Local Metal-Mecânico Mecânico Automotivo da Serra Gaúcha Eliana Andréa

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resolução CONAMA Nº 009/1993 - "Estabelece definições e torna obrigatório o recolhimento e destinação adequada de todo o óleo lubrificante usado ou contaminado".

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA Paulo Sergio Scalize (1) Biomédico formado pela Faculdade Barão de Mauá. Graduando em Engenharia Civil

Leia mais

MINIMIZAÇÃO DE RESÍDUOS. Clédola Cássia Oliveira de Tello Serviço de Gerência de Rejeitos - SEGRE

MINIMIZAÇÃO DE RESÍDUOS. Clédola Cássia Oliveira de Tello Serviço de Gerência de Rejeitos - SEGRE CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA NUCLEAR COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR MINIMIZAÇÃO DE RESÍDUOS Clédola Cássia Oliveira de Tello Serviço de Gerência de Rejeitos - SEGRE Rio de Janeiro, 18

Leia mais

II-149 TRATAMENTO CONJUNTO DO LIQUIDO LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMESTICO NO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL

II-149 TRATAMENTO CONJUNTO DO LIQUIDO LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMESTICO NO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL II-149 TRATAMENTO CONJUNTO DO LIQUIDO LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMESTICO NO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL Ernane Vitor Marques (1) Especialista em Engenharia Sanitária e Meio Ambiente

Leia mais

Inovação Tecnológica Ambiental Workshop Inovações e Meio Ambiente. Belo Horizonte, 04 de outrubro de 2012

Inovação Tecnológica Ambiental Workshop Inovações e Meio Ambiente. Belo Horizonte, 04 de outrubro de 2012 Inovação Tecnológica Ambiental Workshop Inovações e Meio Ambiente Belo Horizonte, 04 de outrubro de 2012 Estrutura do Grupo Promon Engenharia Promon Logicalis Trópico Promon Novos Negócios Promon Meio

Leia mais

Telefones: (31) 3471-9659/8896-9659 E-mail: vendas@marcosultoria.com Site: www.marconsultoria.com

Telefones: (31) 3471-9659/8896-9659 E-mail: vendas@marcosultoria.com Site: www.marconsultoria.com Telefones: (31) 3471-9659/8896-9659 E-mail: vendas@marcosultoria.com NOSSA EMPRESA A MAR Consultoria Ambiental, sediada em Belo Horizonte, Minas Gerais, foi criada em 2002 para atender às lacunas existentes

Leia mais

REUSO DA ÁGUA NA INDÚSTRIA DE COURO WATER REUSE IN LEATHER INDUSTRY RESUMO

REUSO DA ÁGUA NA INDÚSTRIA DE COURO WATER REUSE IN LEATHER INDUSTRY RESUMO REUSO DA ÁGUA NA INDÚSTRIA DE COURO WATER REUSE IN LEATHER INDUSTRY Evandro Oliveira Araujo Bacharel em Química - UNISALESIANO Flávio Policarpo Bacharel em Química - UNISALESIANO Rodolfo Correia da Silva

Leia mais

Eficiência de remoção de DBO dos principais processos de tratamento de esgotos adotados no Brasil

Eficiência de remoção de DBO dos principais processos de tratamento de esgotos adotados no Brasil Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - SABESP Associação das Empresas de Saneamento Básico Estaduais - AESBE Eficiência de remoção de DBO dos principais processos de tratamento de esgotos

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL

INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL Hugo Renan Bolzani 1, Sandro Rogério Lautenschlager

Leia mais

Associação Brasileira da Indústria Química INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL

Associação Brasileira da Indústria Química INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Associação Brasileira da Indústria Química INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Sumário da apresentação Desenvolvimento do ISA Indicadores de Sustentabilidade Ambiental Indicadores Sustentabilidade

Leia mais

NORMA TÉCNICA CONTROLE DE CARGA ORGÂNICA NÃO INDUSTRIAL CPRH N 2.002

NORMA TÉCNICA CONTROLE DE CARGA ORGÂNICA NÃO INDUSTRIAL CPRH N 2.002 NORMA TÉCNICA CONTROLE DE CARGA ORGÂNICA NÃO INDUSTRIAL CPRH N 2.002 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÃO 4. ABRANGÊNCIA 5. EXIGÊNCIAS DE CONTROLE 1 1. OBJETIVO Os critérios e padrões

Leia mais

ECOEFICIENCIA URBANA E RESÍDUOS SÓLIDOS

ECOEFICIENCIA URBANA E RESÍDUOS SÓLIDOS ECOEFICIENCIA URBANA E RESÍDUOS SÓLIDOS Dentre as várias contribuições das pesquisas na área psicologia, está a de promover e assegurar o desenvolvimento de pessoas e grupos sociais, visando sempre a melhoria

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO GESTAO AMBIENTAL LUCAS SAMUEL MACHADO RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Doverlandia 2014 LUCAS SAMUEL MACHADO RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Trabalho de Gestão Ambiental

Leia mais

Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX

Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX São Carlos, 31 de Janeiro de 2011. PROJETO REUSO DE ÁGUA - ELECTROLUX 1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: Electrolux do Brasil S/A Unidade: São Carlos

Leia mais

LIMPA EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Maria Teresa Baggio Rossi. 20 de maio de 2009

LIMPA EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Maria Teresa Baggio Rossi. 20 de maio de 2009 BARREIRAS À IMPLEMENTAÇÃO DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Maria Teresa Baggio Rossi 20 de maio de 2009 Agenda Ambiente Empresarial Fator Motivador Objetivo

Leia mais

II-109 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO

II-109 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO II-19 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO Marcelo Hemkemeier (1) Químico Industrial pela Universidade

Leia mais

Tratamento de Efluentes

Tratamento de Efluentes Tratamento de Efluentes A IMPORTÂNCIA DO TRATAMENTO DE EFLUENTES E A REGULAMENTAÇÃO DO SETOR INTRODUÇÃO Conservar a qualidade da água é fundamental, uma vez que apenas 4% de toda água disponível no mundo

Leia mais

Análise de indústrias cimenteiras e seus impactos socioambientais

Análise de indústrias cimenteiras e seus impactos socioambientais VII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí VII Jornada Científica 21 a 23 de outubro de 2014 Análise de indústrias cimenteiras e seus impactos socioambientais Warley Alves Coutinho CHAVES

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Valério da Silva Ramos (*) Administrador de Empresas, pós-graduado em Gestão Econômica e Financeira

Leia mais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais VANTAGES PROJETO PEGASUS E RECICLAGEM ENERGÉTICA O problema do lixo é extremamente grave em nosso país. Estimativas baseadas nos dados do IBGE mostram que no País são geradas diariamente cerca de 140 mil

Leia mais

MARETE INDUSTRIAL APLICAÇÕES

MARETE INDUSTRIAL APLICAÇÕES A estação da série é um sistema de tratamento de efluentes industriais de fluxo contínuo com finalidade de lançamento em corpos receptores ou reuso interno, servindo a diversos segmentos industriais. O

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS DO AMBIENTE PARA ENGENHARIA

INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS DO AMBIENTE PARA ENGENHARIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS DO AMBIENTE PARA ENGENHARIA Selma Maria

Leia mais

USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE

USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE 1 Wanderlei David Pereira, 2 João Lages Neto 1 Gerente de Recuperação e Utilidades Fibria Unidade Aracruz. 2 Especialista de Meio

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR

OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR UMA ABORDAGEM DO SETOR PARA INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS SOBRE DETERMINAÇÃO, AVALIAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCO AMBIENTAL E SOCIAL EM FINANCIAMENTO DE PROJETOS Florianópolis Junho/2004

Leia mais

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PMGIRS

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PMGIRS NOTA TÉCNICA PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PMGIRS Esta Nota Técnica tem o objetivo de reforçar junto aos Municípios do Estado de Pernambuco sobre os Planos Municipais de Gestão

Leia mais

Sistema Ambiental em Minas Gerais

Sistema Ambiental em Minas Gerais Sistema Ambiental em Minas Gerais José Cláudio Junqueira Ribeiro Belo Horizonte, março de 2011 Políticas Ambientais PROTEÇÃO DA BIODIVERSIDADE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS GESTÃO DE RESÍDUOS ENERGIA E MUDANÇAS

Leia mais

Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos. Luciana Betiol FGVCes Centro de Estudos em Sustentabilidade Outubro/2007

Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos. Luciana Betiol FGVCes Centro de Estudos em Sustentabilidade Outubro/2007 Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos Luciana Betiol FGVCes Centro de Estudos em Sustentabilidade Outubro/2007 Agenda Origem do estudo de Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos

Leia mais

Não é um sector específico (Pequenas e médias empresas em geral) - Go to 3

Não é um sector específico (Pequenas e médias empresas em geral) - Go to 3 INQUÉRITO EUROPEU DAS PME E O MEIO-AMBIENTE Bem-vindo ao inquérito europeu sobre as PMEs e o meio-ambiente. O questionário deve demorar entre 5-10 minutos para ser concluído. Obrigado! Instituto Tecnológico

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I Sistema de Esgotamento Sanitário

Leia mais

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL COLÓQUIO EMPREGOS VERDES E CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS 20.08.2009

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

Plásticos Biodegradáveis e Compostáveis. Foto: Augusto Bartolomei

Plásticos Biodegradáveis e Compostáveis. Foto: Augusto Bartolomei Plásticos Biodegradáveis e Compostáveis 1 Foto: Augusto Bartolomei Conteúdo O que são plásticos biodegradáveis e compostáveis Certificação Aplicações Descarte aterro, reciclagem, compostagem Alinhamento

Leia mais

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O.

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS São os flocos produzidos num esgoto bruto o decantado pelo crescimento de bactérias ou outros microorganismos, na presença de oxigênio dissolvido

Leia mais

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos w Gestão Ambiental na Sabesp Workshop Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos Sup. Wanderley da Silva Paganini São Paulo, 05 de maio de 2011. Lei Federal 11.445/07 Lei do Saneamento

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL. Avaliação de Impactos Ambientais ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com

GESTÃO AMBIENTAL. Avaliação de Impactos Ambientais ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL GESTÃO AMBIENTAL Avaliação de Impactos Ambientais

Leia mais