2 NBR ISO 10005: Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa"

Transcrição

1

2 2 NBR ISO 10005: Objetivo 1.1 Esta Norma fornece diretrizes para auxiliar os fornecedores na preparação, análise crítica, aprovação e revisão de planos da qualidade. Ela pode ser utilizada em duas situações: a) como guia para uma organização fornecedora no atendimento aos requisitos das NBR ISO 9001, NBR ISO 9002 ou NBR ISO 9003, relativos à preparação de um plano da qualidade; ou b) como guia para uma organização fornecedora, na preparação de um plano da qualidade, quando esta não possui um sistema da qualidade. Em ambas as situações, o plano da qualidade é suplementar à documentação genérica do sistema da qualidade do fornecedor, e não convém duplicá-la. Para maior conveniência, em situações do tipo b), esta Norma inclui aspectos que são cobertos pelos requisitos genéricos da NBR ISO 9001, NBR ISO 9002 e NBR ISO Os planos da qualidade fornecem um mecanismo para vincular as exigências específicas de um produto, empreendimento ou contrato aos procedimentos genéricos existentes no sistema da qualidade. Eles não exigem o desenvolvimento de um conjunto abrangente de procedimentos ou instruções além ou acima daquelas já existentes, embora alguns procedimentos documentados adicionais possam ser necessários. 1.2 Esta Norma aplica-se onde um plano da qualidade for utilizado para um determinado produto, empreendimento ou contrato. Um plano da qualidade pode ser aplicado a qualquer uma das categorias genéricas de produto (materiais e equipamentos, informações, materiais processados e serviços) ou qualquer setor econômico/industrial. Um plano da qualidade pode ser usado para monitorar e avaliar a consistência aos requisitos para qualidade, mas estas diretrizes não se destinam a serem utilizadas como uma lista de verificação de conformidade com requisitos. Um plano da qualidade pode também ser utilizado quando não existir um sistema da qualidade documentado, caso em que pode ser necessário desenvolver alguns procedimentos, a fim de dar suporte ao plano da qualidade. NOTA 1 O anexo B contém uma bibliografia de Normas que fornecem informações que podem ser úteis àqueles envolvidos na preparação e análise crítica de planos da qualidade. 2 Referência normativa A norma a seguir contém disposições que, ao serem citadas neste texto, constituem prescrições para esta Norma. A edição indicada estava em vigor no momento desta publicação. Como toda norma está sujeita à revisão, recomenda-se àqueles que realizam acordos com base nesta que verifiquem a conveniência de se usar a edição mais recente da norma citada a seguir. A ABNT possui a informação das normas em vigor em um dado momento. NBR ISO 8402:1994, Gestão da qualidade e garantia da qualidade - Terminologia 3 Definições Para os propósitos desta Norma, as definições fornecidas na NBR ISO 8402, juntamente com as definições a seguir, são aplicáveis. Os termos que são repetidos aqui para maior clareza, mas que já foram definidos em outras Normas, são identificados através da colocação do número da norma após a definição do termo. 3.1 contrato: Requisitos acordados entre um fornecedor e um cliente e transmitidos por quaisquer meios. [NBR ISO 9001] 3.2 empreendimento: Processo único, consistindo em um conjunto de atividades controladas e coordenadas, com datas de início e término, executadas para atingir um objetivo, conforme requisitos específicos, incluindo as limitações de tempo, custo e recursos. NOTAS 2 Um empreendimento individual pode formar parte da estrutura de um empreendimento mais amplo. 3 Em alguns tipos de empreendimentos, os objetivos são refinados e as características do empreendimento, definidas progressivamente, conforme o seu andamento. 4 O resultado de um empreendimento pode ser uma ou várias unidades de um produto. 3.3 ensaio de tipo: Ensaio ou série de ensaios direcionados à aprovação de um projeto, conduzidos com o objetivo de determinar se ele é capaz de atender os requisitos da especificação do produto. 3.4 ensaio testemunhado: Ensaio de um produto na presença de representante do cliente ou de terceira parte. 3.5 procedimento: Forma especificada de executar uma atividade. NOTAS 5 Em muitos casos, os procedimentos são documentados (por exemplo: procedimentos do sistema da qualidade). 6 Quando um procedimento está documentado, utiliza-se freqüentemente o termo procedimento escrito ou procedimento documentado. 7 Um procedimento escrito ou documentado inclui, normalmente: os objetivos e o escopo de uma atividade; o que deve ser feito e por quem; quando, onde e como deve ser feito; que materiais, equipamentos e documentos devem ser usados; e como a atividade deve ser controlada e registrada. [NBR ISO 8402] 3.6 produto: Resultado de atividades ou processos. NOTAS 8 O termo produto pode incluir serviço, materiais e equipamentos, materiais processados, informações, ou uma combinação destes. 9 Um produto pode ser tangível (como, por exemplo: montagens ou materiais processados) ou intangível (por exemplo: conhecimento ou conceitos) ou uma combinação dos dois.

3 NBR ISO 10005: Um produto pode ser intencional (por exemplo: oferta aos clientes) ou não intencional (por exemplo: um poluente ou efeitos indesejáveis). [NBR ISO 8402] 3.7 plano da qualidade: Documento que estabelece as práticas, os recursos e a seqüência de atividades relativas à qualidade de um determinado produto, empreendimento ou contrato. NOTAS 11 Um plano da qualidade faz geralmente referência às partes do manual da qualidade aplicáveis ao caso específico. 12 Dependendo do escopo do plano, um qualificativo pode ser usado, como, por exemplo, plano da garantia da qualidade, plano de gestão da qualidade. [NBR ISO 8402] 3.8 sistema da qualidade: Estrutura organizacional, procedimentos, processos e recursos necessários para implementar a gestão da qualidade. NOTAS 13 O sistema da qualidade deve ter a abrangência necessária para atender os objetivos da qualidade. 14 O sistema da qualidade de uma organização é concebido essencialmente para satisfazer as necessidades gerenciais internas da organização. Ele é mais amplo que os requisitos de um cliente específico, que avalia apenas a parte do sistema da qualidade que lhe concerne. 15 Para fins de avaliação da qualidade contratual ou mandatória, pode ser exigida a demonstração da implementação de elementos identificados do sistema da qualidade. [NBR ISO 8402] 4 Preparação, análise crítica, aprovação e revisão do plano da qualidade 4.1 Preparação Ao preparar um plano da qualidade, convém que as atividades da qualidade aplicáveis à situação sejam definidas e documentadas. Grande parte da documentação genérica necessária pode estar contida no manual da qualidade e procedimentos documentados do fornecedor. Esta documentação pode necessitar ser selecionada, adaptada e/ou suplementada. O plano da qualidade mostra como os procedimentos genéricos documentados do fornecedor estão relacionados com, e aplicados a quaisquer outros procedimentos adicionais necessários, peculiares ao produto, empreendimento ou contrato, a fim de se atingirem os objetivos da qualidade especificados. Convém que o plano da qualidade indique, diretamente ou através de referência a procedimentos documentados apropriados ou outros documentos, como as atividades requeridas devem ser conduzidas. Convém que o formato e o nível de detalhe no plano sejam consistentes com quaisquer requisitos acordados com o cliente, com o método de operação do fornecedor e com a complexidade das atividades a serem executadas. Convém que o plano seja o mais conciso possível e consistente em atender as provisões desta Norma (exemplos simplificados de apresentações alternativas de planos da qualidade estão contidos no anexo A). O plano da qualidade pode ser um documento único quando o fornecedor não possuir um sistema da qualidade documentado. Um plano da qualidade também pode ser incluído como parte integrante de outro documento ou documentos (por exemplo: plano do empreendimento ou do produto), dependendo de condições tais como requisitos do cliente ou práticas de negócio de um determinado fornecedor. Pode ser necessário desenvolver-se um plano que consiste em um número de partes, cada uma representando um plano para uma etapa distinta, como, por exemplo, para o projeto, aquisição, produção ou inspeção e ensaios, ou para atividades particulares, tais como o plano de dependabilidade. NOTA 16 Quando um plano da qualidade estiver sendo redigido, as seguintes convenções podem ser utilizadas: - deve para expressar uma convenção que é obrigatória entre duas ou mais partes; - será para expressar uma declaração de propósito ou intenção de uma das partes; - convém que para expressar uma recomendação entre outras possibilidades; - pode para indicar um curso de ação permissível dentro dos limites do plano da qualidade. 4.2 Análise crítica e aprovação Convém que o plano da qualidade seja analisado criticamente quanto à sua adequação e aprovado formalmente por um grupo autorizado que inclua representantes de todas as partes interessadas da organização fornecedora. Em situações contratuais, um plano da qualidade pode ser submetido ao cliente pelo fornecedor, para análise crítica e aprovação, tanto como parte do processo de licitação pré-contratual, quanto após a realização do contrato. Se o plano for apresentado como parte do processo de licitação e um contrato for em seguida adjudicado, convém que o plano seja analisado criticamente e, onde apropriado, revisado para refletir quaisquer mudanças nos requisitos que possam ter ocorrido como resultado das negociações pré-contratuais. Quando um plano da qualidade for exigido por um contrato, convém que ele seja submetido ao cliente antes do início das atividades requeridas. Onde o contrato for realizado em etapas, é indicado que o fornecedor submeta ao cliente o plano da qualidade para cada etapa, antes do início das mesmas. Onde acordado em contrato, convém que os procedimentos referenciados no plano sejam colocados à disposição do cliente.

4 4 NBR ISO 10005: Revisão Quando apropriado, convém que o fornecedor revise o plano, para refletir as modificações que tenham sido feitas no produto, empreendimento ou contrato; modificações em relação à maneira como o produto é produzido ou o serviço é fornecido, ou modificações nas práticas de garantia da qualidade. Convém que modificações no plano da qualidade sejam analisadas criticamente quanto ao impacto e adequação, pelo mesmo grupo autorizado que conduziu a análise crítica no plano original da qualidade. Em relação aos requisitos específicos de um contrato, convém que as modificações propostas no plano sejam submetidas ao cliente para análise crítica e aprovação antes de serem implementadas. 5 Conteúdo do plano da qualidade a) Estrutura Convém que o conteúdo do plano da qualidade seja baseado nesta Norma e no sistema da qualidade documentado do fornecedor. Não é essencial que o plano da qualidade siga a estrutura e a numeração de qualquer norma da série NBR ISO 9000, sendo que a correspondência de parágrafos nesta Norma destina-se somente a facilitar seu uso e entendimento. Convém que os elementos descritos nas subseções a seguir sejam abordados, onde forem pertinentes aos requisitos do produto, empreendimento ou contrato. b) Objetivo do plano da qualidade Convém que o objetivo do plano da qualidade seja definido e inclua, porém não esteja limitado: - ao produto ou empreendimento ao qual ele será aplicado; - ao objetivo do contrato ao qual ele será aplicado; - aos objetivos da qualidade do produto, empreendimento e/ou contrato (convém que estes objetivos sejam expressos, sempre que possível, em termos mensuráveis); - às exclusões específicas; - às condições de sua validade. 5.1 Responsabilidades da administração Convém que o plano identifique as pessoas, dentro da organização do fornecedor, que são responsáveis por: a) assegurar que as atividades requeridas pelo sistema da qualidade ou contrato específico são planejadas, implementadas e controladas e seu progresso monitorado; b) comunicar a todos os departamentos, subfornecedores e clientes afetados os requisitos peculiares ao produto, empreendimento ou contrato específico e resolver os problemas que sejam levantados nas interfaces entre tais grupos; c) analisar criticamente os resultados das auditorias conduzidas; d) autorizar pedidos para isenção de elementos do sistema da qualidade; e) controlar ações corretivas (ver 5.14). 5.2 Plano da qualidade e sistema da qualidade Boa parte da documentação necessária ao plano da qualidade normalmente existirá como parte da documentação do sistema da qualidade. O plano da qualidade necessita apenas fazer referência a esta documentação e mostrar como ela deve ser aplicada à situação específica em questão. Onde um elemento de tal documentação ainda não existir, mas for requerido, convém que o plano da qualidade o identifique e também identifique quando, como e por quem ele será elaborado e aprovado. 5.3 Análise crítica de contrato Convém que o plano indique quando, como e por quem os requisitos especificados para o produto, empreendimento ou contrato devem ser analisados criticamente. Convém que o plano também indique como os resultados desta análise crítica devem ser registrados e como requisitos conflitantes ou ambíguos devem ser resolvidos. 5.4 Controle de projeto Convém que o plano indique: a) quando, como e por quem deve ser conduzido, controlado e documentado o processo de projeto; b) as providências para análise crítica, verificação e validação da conformidade dos dados de saída de projeto em relação aos requisitos de entrada de projeto; c) onde aplicável, a extensão em que o cliente deve ser envolvido nas atividades de projeto, como, por exemplo, participação nas análises críticas do projeto e na verificação do projeto. Convém que o plano faça referência, de modo apropriado, aos códigos, normas, especificações e requisitos regulamentares aplicáveis. 5.5 Controle de documentos e dados Convém que o plano indique: a) os documentos e dados aplicáveis ao produto, empreendimento ou contrato; b) como tais documentos e dados serão identificados;

5 NBR ISO 10005: c) como e com quem pode ser obtido o acesso a tais documentos e dados; d) como e por quem tais documentos e dados são analisados criticamente e aprovados. 5.6 Aquisição Convém que o plano indique: a) quaisquer produtos importantes que devem ser adquiridos, de quem, bem como os requisitos de garantia da qualidade pertinentes; b) os métodos a serem utilizados para avaliar, selecionar e controlar os subcontratados; c) requisitos para, e referências aos, planos da qualidade dos subcontratados, onde apropriado; d) os métodos a serem utilizados para satisfazer aos requisitos regulamentares aplicáveis aos produtos adquiridos. 5.7 Controle de produto fornecido pelo cliente Convém que o plano indique: a) como os produtos fornecidos pelo cliente (tais como materiais, ferramentas, equipamentos de ensaios, informações, dados ou serviços) são identificados e controlados; b) os métodos a serem utilizados para verificar se os produtos fornecidos pelo cliente atendem aos requisitos especificados; c) os métodos a serem utilizados para tratamento dos produtos não-conformes. 5.8 Identificação e rastreabilidade do produto Onde a rastreabilidade for um requisito, é recomendado que o plano defina seu objetivo e extensão, incluindo como os produtos afetados devem ser identificados. Convém que métodos de identificação também sejam considerados quando a rastreabilidade não for um requisito. Convém que o plano indique: a) como os requisitos de rastreabilidade, contratuais e regulamentares são identificados e incorporados aos documentos de trabalho; b) quais registros relacionados a tais requisitos de rastreabilidade serão gerados e como eles serão controlados e distribuídos. 5.9 Controle de processo Convém que o plano indique como os processos de produção, instalação e serviços associados serão controlados, a fim de assegurar que os requisitos especificados são atendidos. Onde apropriado, convém que o plano inclua, ou faça referência, mas não se limite: a) aos procedimentos documentados relevantes; b) às etapas do processo; c) aos métodos a serem utilizados para monitorar e controlar características de processos e produtos; d) aos critérios de aprovação para acabamentos; e) ao uso de processos qualificados, equipamentos e pessoal associados; f) às ferramentas, técnicas e métodos a serem utilizados para atender aos requisitos especificados. Onde a instalação for um requisito, convém que o plano indique como o produto será instalado e quais características devem ser verificadas neste momento Inspeção e ensaios Convém que o plano indique: a) quaisquer planos de inspeção e ensaios pertinentes (os itens abaixo podem ser todos parte de um plano de inspeção e ensaios); b) como o fornecedor irá verificar a conformidade de produtos de subcontratados aos requisitos especificados; c) onde está localizado cada ponto de inspeção e ensaio na seqüência do processo; d) quais características devem ser inspecionadas e ensaiadas em cada ponto; os procedimentos e critérios de aprovação a serem utilizados; e quaisquer ferramentas especiais, técnicas ou qualificações de pessoal requeridas; e) onde o cliente estabeleceu pontos a serem testemunhados ou pontos de verificação de características selecionadas de um produto ou seus processos de produção e instalação; f) onde as inspeções ou ensaios são requeridos a serem testemunhados ou executados por autoridades legais; g) onde, quando e como o fornecedor pretende, ou é requerido pelo cliente ou autoridades legais, utilizar terceiras partes para executar: 1) ensaios de tipo; 2) ensaios a serem testemunhados (incluindo ensaios de aprovação no local); 3) verificação do produto; 4) validação do produto; 5) certificação de material, produto, processo ou pessoal.

6 6 NBR ISO 10005: Controle de equipamentos de inspeção, medição e ensaios Convém que o plano indique o sistema de controle a ser utilizado para equipamentos de inspeção, medição e ensaios, especificamente dedicado à utilização no produto, empreendimento ou contrato, incluindo: a) identificação de tais equipamentos; b) método de calibração; c) método para indicação e registro da situação de calibração; d) quais registros do uso destes equipamentos devem ser mantidos de forma que a validade de resultados anteriores possa ser determinada, quando tais equipamentos forem encontrados fora de calibração Situação de inspeção e ensaios Convém que o plano indique quaisquer requisitos e métodos específicos para a identificação da situação de inspeção e ensaios de produtos, documentos e dados Controle de produto não-conforme Convém que o plano indique como os produtos não-conformes são identificados e controlados, a fim de prevenir sua utilização indevida até a disposição adequada. Os planos da qualidade podem necessitar de definição de limitações específicas, tais como o grau e o tipo de retrabalho permitidos. Convém que o plano enfoque como e em quais circunstâncias o fornecedor solicitaria uma concessão para um produto que não atenda aos requisitos especificados. Em se fazendo isso, convém que o plano indique: a) quem teria a responsabilidade de requerer tais concessões; b) como tal requisição seria feita; c) quais informações devem ser fornecidas e de que forma; d) quem foi identificado como tendo a responsabilidade e autoridade para aceitar ou rejeitar tais concessões Ação corretiva e ação preventiva Convém que o plano indique as ações corretivas e preventivas e atividades de acompanhamento específicas para o produto, empreendimento ou contrato, a fim de evitar a ocorrência ou repetição de não-conformidades. Convém que sejam identificados os responsáveis pelo início e aprovação de ações corretivas e preventivas Manuseio, armazenamento, embalagem, preservação e entrega Convém que o plano indique: a) como os requisitos específicos para manuseio, armazenamento, embalagem, preservação e entrega devem ser atendidos; b) como o produto será entregue no local especificado, de modo a assegurar que suas características requeridas não sejam degradadas Controle de registros da qualidade Convém que o plano indique como os registros específicos do produto, empreendimento ou contrato devem ser controlados, incluindo: a) quais registros devem ser mantidos, por quanto tempo, onde e por quem; b) quais são os requisitos legais ou regulamentares, e como devem ser atendidos; c) qual forma será adotada para os registros (tais como, papel impresso ou meios eletrônicos); d) como os requisitos de legibilidade, armazenamento, recuperação, disposição e confidencialidade serão definidos e atendidos; e) quais métodos serão utilizados para assegurar que os registros estejam disponíveis quando requerido; f) quais registros devem ser fornecidos ao cliente, quando e através de quais meios; g) em qual idioma os registros serão fornecidos Auditorias da qualidade Convém que o plano indique a natureza e a extensão das auditorias da qualidade a serem realizadas e como seus resultados devem ser utilizados para corrigir e prevenir a repetição de não-conformidades que afetem o produto, empreendimento ou contrato. Tais auditorias podem incluir: a) auditorias internas conduzidas pelo fornecedor; b) auditorias do cliente no fornecedor; c) auditorias do fornecedor/cliente nos subcontratados; d) auditorias de terceira parte ou de autoridades legais, no fornecedor e subcontratados, incluindo aquelas realizadas com propósito de certificação do sistema da qualidade Treinamento Convém que o plano enfoque qualquer treinamento específico requerido para o pessoal que executa um processo incluído no plano, e como tal treinamento deve ser realizado e registrado. Convém que inclua: a) treinamento de novos funcionários; b) treinamento de funcionários em métodos de operação novos ou revisados.

7 NBR ISO 10005: Serviços associados Onde serviços associados forem um requisito especificado, convém que o plano indique como o fornecedor pretende garantir a conformidade em relação aos requisitos aplicáveis aos serviços associados, tais como: a) requisitos legais e regulamentares; b) práticas e códigos da indústria; c) acordos sobre o nível de serviços; d) treinamento de pessoal do cliente; e) disponibilidade de suporte técnico inicial e contínuo, durante o período de tempo acordado Técnicas estatísticas Onde técnicas estatísticas específicas são requeridas, convém que elas sejam indicadas no plano da qualidade. /ANEXOS

8 8 NBR ISO 10005:1997 Anexo A (informativo) Exemplos simplificados de formatos para a apresentação de planos da qualidade Este anexo fornece exemplos de algumas das maneiras nas quais um plano da qualidade pode ser apresentado (ver figuras A.1 a A.4 e tabela A.1). Não convém que os exemplos mostrados sejam tomados como completos no que se refere ao conteúdo do plano da qualidade definido na seção 5 desta Norma. Os planos da qualidade reais podem ser mais complexos. Normalmente, espera-se que todos os elementos sejam cobertos, a menos que, devido a alguma circunstância excepcional, eles não se apliquem ao caso em análise. A apresentação dos planos da qualidade pode ser feita em qualquer formato considerado adequado ao atendimento dos requisitos acordados. Embora os exemplos mostrados estejam sob o formato de fluxograma, outros formatos mais adequados a situações específicas podem ser utilizados. Em determinadas situações, uma apresentação em forma de texto pode ser mais apropriada do que em forma diagramática. Da mesma forma, um fluxograma pode ser complementado com textos.

9 NBR ISO 10005: NOTA - Convém que o plano da qualidade de serviço também contenha descrições e/ou referências escritas a procedimentos ou outros documentos para as atividades não descritas do fluxograma, tais como: - controle de documentos; - rastreabilidade do produto; - envolvimento com terceiros; - não-conformidades; - auditorias da qualidade; - registros da qualidade; - responsabilidades da administração. Figura A.1 - Exemplo de um modelo de plano da qualidade para um serviço de manutenção

10 10 NBR ISO 10005:1997

11 NBR ISO 10005: Figura A.2 - Exemplo de um formato para um plano de qualidade para produtos manufaturados

12 12 NBR ISO 10005:1997 Controle de processo Inspeção Características da Diagrama de Estágio do Número da qualidade a serem Número da Parte fluxo de processo instrução de controladas (condições instrução para Método de Função Instrução de Número do processo 1) trabalho de processo a serem controle de controle responsável verificação Parâmetros procedimento verificadas processo IPC-22 Estação de IV-29 trabalho Parte A Preaquecimento IT-123 Temperatura Folha de controle A Ref. Nº 1 Conformação IT-321 Temperatura, pressão Folha de controle B Ref. Nº 2 Corte Comprimento C Medir comprimento Gráfico de D controle Ref. Nº 1 Rendimento Comprimento IT-6 1) Símbolos: Fabricação Inspeção e ensaios Armazenamento Figura A.3 - Exemplo de um formato de um plano da qualidade para materiais processados

13 NBR ISO 10005: Figura A.4 - Exemplo simplificado do ciclo de vida de um software

14 14 NBR ISO 10005:1997 Tabela A.1 - Plano da qualidade para software - Referência de atividades (ver figura A.4) Designado Autoridade Ref. Descrição de atividades Procedimento Comentários para de aprovação 1 Análise crítica de contrato QM 5.2 Contrato M&P 1091 AMM 2 Análise crítica de planos PMM 5.4 GT 3 Análise crítica dos requisitos QM 5.3 Doc. Produção RS 001 SME 4 Projeto PMM 5.6 Doc. Produção DS 001 UT 5 Análise crítica de projeto QM 5.6 Utilizar análise crítica por expert SME 6 Implementação do software SDM 5.6 Utilizar C++ 7 Análise crítica dos códigos QM 5.7 Utilizar inspeção Fagan 8 Teste das unidades SDM Integração do sistema SDM Teste do sistema QM 5.7 Utilizar dados do cliente 11 Eliminação de QM 5.7 não-conformidades 12 Teste de aceitação do QM 5.8 Apenas acompanhamento do usuário cliente 13 Transferência técnica PMM 5.9 /ANEXO B

15 NBR ISO 10005: Anexo B (informativo) Bibliografia [1] NBR ISO :1994, Normas de gestão da qualidade e garantia da qualidade - Parte 1: Diretrizes para seleção e uso. [2] NBR ISO :1994, Normas de gestão da qualidade e garantia da qualidade - Parte 2: Diretrizes gerais para a aplicação das NBR ISO 9001, NBR ISO 9002 e NBR ISO [3] NBR ISO :1993, Normas de gestão da qualidade e garantia da qualidade - Parte 3: Diretrizes para a aplicação da NBR ISO 9001, para o desenvolvimento, fornecimento e manutenção de software. [4] NBR ISO :1993, Normas de gestão da qualidade e garantia da qualidade - Parte 4: Guia para gestão do programa de dependabilidade. [5] NBR ISO 9001:1994, Sistemas da qualidade - Modelo para garantia da qualidade em projeto, desenvolvimento, produção, instalação e serviços associados. [6] NBR ISO 9002:1994, Sistemas da qualidade - Modelo para garantia da qualidade em produção, instalação e serviços associados. [7] NBR ISO 9003:1994, Sistemas da qualidade - Modelo para garantia da qualidade em inspeção e ensaios finais. [8] NBR ISO :1994, Gestão da qualidade e elementos do sistema da qualidade - Parte 1: Diretrizes. [9] NBR ISO :1993, Gestão da qualidade e elementos do sistema da qualidade - Parte 2: Diretrizes para serviços. [10] NBR ISO :1994, Gestão da qualidade e elementos do sistema da qualidade - Parte 3: Diretrizes para materiais processados. [11] NBR ISO 10007:1996, Gestão da qualidade - Diretrizes para gestão da configuração. [12] NBR ISO :1993, Diretrizes para auditoria de sistemas da qualidade - Parte 1: Auditoria [13] NBR ISO :1993, Diretrizes para auditoria de sistemas da qualidade - Parte 2: Critérios para qualificação de auditores de sistema da qualidade [14] NBR ISO :1993, Diretrizes para auditoria de sistemas da qualidade - Parte 3: Gestão de programas de auditoria. [15] NBR ISO :1993, Requisitos de garantia da qualidade para equipamentos de medição - Parte 1: Sistema de comprovação metrológica para equipamentos de medição. [16] NBR ISO 10013:1995, Diretrizes para o desenvolvimento de manuais de qualidade. [17] IEC ), Dependability programme management - Part 2: Dependability programme elements and tasks. 1) A ser publicada.

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade -Requisitos

Sistema de Gestão da Qualidade -Requisitos MB Consultoria Av. Constantino Nery, Nº 2789, Edifício Empire Center, Sala 1005 a 1008 Manaus - Amazonas - Brasil CEP: 69050-002 Telefones: (92) 3656.2452 Fax: (92) 3656.1695 e-mail: mb@netmb.com.br Site:

Leia mais

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL Sumário 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências normativas...2 3.

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Lista de Verificação / Checklist

Lista de Verificação / Checklist Lista de Verificação / Checklist Avaliação NC / PC / C Departamentos Padrões de Referência /// Referências do MQ //// Referências Subjetivas A B C D E Cláusula Padrão Conforme/ Não C. 4 Sistema de Gestão

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE 14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade da direção

Leia mais

Uso Exclusivo em Treinamento

Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br ABNT NBR ISO 9001:2008 Uso Exclusivo em Treinamento SUMÁRIO 0. Introdução 2 0.1 Generalidades 2 0.2 Abordagem de processo 3 0.3 Relação com a norma NBR ISO 9004 5 0.4

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28 o. andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

NBR ISO/IEC 17025 CONCEITOS BÁSICOS

NBR ISO/IEC 17025 CONCEITOS BÁSICOS NBR ISO/IEC 17025 CONCEITOS BÁSICOS Alexandre Dias de Carvalho INMETRO/CGCRE/DICLA 1/ 28 NBR ISO/IEC 17025 Estabelece requisitos gerenciais e técnicos para a implementação de sistema de gestão da qualidade

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br N786-1 ISO CD 9001 Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento N786-1 ISO CD 9001 para treinamento - Rev0 SUMÁRIO Página Introdução 4 0.1 Generalidades 4 0.2 Abordagem

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos SET/2000 PROJETO NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeir o Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001. Sistemas de gestão da qualidade Requisitos. Quality management systems Requirements ' NORMA BRASILEIRA. Segunda edição 28.11.

ABNT NBR ISO 9001. Sistemas de gestão da qualidade Requisitos. Quality management systems Requirements ' NORMA BRASILEIRA. Segunda edição 28.11. ' NORMA BRASILEIRA ABNT NBR ISO 9001 Segunda edição 28.11.2008 Válida a partir de 28.12.2008 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Quality management systems Requirements Palavras-chave: Sistemas

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

ISO 9000 ISO 9001:2008

ISO 9000 ISO 9001:2008 ISO 9001:2008 QUALIDADE II ISO 9000 A ISO 9000 - Qualidade é o nome genérico utilizado pela série de normas da família 9000 (ISO) que estabelece as diretrizes para implantação de Sistemas de Gestão da

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

Correspondência entre OHSAS 18001, ISO 14001:1996, ISO 9001:1994 e ISO 9001:2000

Correspondência entre OHSAS 18001, ISO 14001:1996, ISO 9001:1994 e ISO 9001:2000 Anexo A (informativo) Correspondência entre, ISO 14001:1996, ISO 9001:1994 e ISO 9001:2000 Tabela A.1 - Correspondência entre, ISO 14001:1996 e ISO 9001:1994 Seção Seção ISO 14001:1996 Seção ISO 9001:1994

Leia mais

ISO 9001:2008 Resumo das alterações

ISO 9001:2008 Resumo das alterações ISO 9001:2008 Resumo das alterações A revisão 2008 da ISO 9001 foi oficialmente lançada a 13 de Novembro de 2008. Este é um guia de orientação que realça o que foi adicionado, eliminado e clarificações.

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos SET/2000 PROJETO NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680

Leia mais

Introdução à ISO 9001 ano 2008

Introdução à ISO 9001 ano 2008 Introdução à ISO 9001 ano 2008 1. A FAMÍLIA DE NORMAS ISO 9000 1.1 Histórico A primeira Norma de Garantia da Qualidade foi publicada em 1979 pela British Standards Institution (BSI) em três partes como

Leia mais

CÓPIA CONTROLADA USO EXCLUSIVO PARA TREINAMENTO INTERNO DO LIM56

CÓPIA CONTROLADA USO EXCLUSIVO PARA TREINAMENTO INTERNO DO LIM56 NORMA ABNT BRASILEIRA NBR ISO 9001 Segunda edição 28.11.2008 Válida a partir de 28.12.2008 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos Quality management systems - Requirements CÓPIA CONTROLADA USO EXCLUSIVO

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5

Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5 Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5 Este anexo aplica-se às certificações cujas quais não apresentam critérios específicos para definição de laboratórios no Programa de Avaliação da Conformidade. Nestes casos,

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

Curso do Prêmio PBQP-H 2009/2010 APOIO:

Curso do Prêmio PBQP-H 2009/2010 APOIO: Curso do Prêmio PBQP-H 2009/2010 APOIO: Objetivo do Prêmio PBQP-H 2009/2010 É um prêmio único no mundo. O objetivo geral é fazer a distinção das organizações da construção civil que elevam os patamares

Leia mais

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP.

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CQ Consultoria Cirius Quality e Treinamento 1º Edição Interpretação da NBR ISO 9001:2008 Cirius Quality Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CEP: 09980-150 i www.ciriusquality.com.br e contato@ciriusquality.com.br

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

ISO 9001 2008 FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACCAT. Curso de Tecnólogo em Gestão da Qualidade.

ISO 9001 2008 FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACCAT. Curso de Tecnólogo em Gestão da Qualidade. FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACCAT Curso de Tecnólogo em Gestão da Qualidade. ISO 9001 2008 Carolina Rothe Luiz Gustavo W. Krumenauer Paulo Emílio Paulo Saldanha Relação das principais normas da Série

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos INTERPRETAÇÃO ISO 9001:2008 GESTÃO DE QUALIDADE O que é ISO? ISO = palavra grega que significa Igualdade CAPÍTULO: Preâmbulo ISO 9001:2008 0.1 - Generalidades: foi esclarecido que a conformidade com requisitos

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

ISO 9001:2008. Alterações e Adições da nova versão

ISO 9001:2008. Alterações e Adições da nova versão ISO 9001:2008 Alterações e Adições da nova versão Notas sobe esta apresentação Esta apresentação contém as principais alterações e adições promovidas pela edição 2008 da norma de sistema de gestão mais

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

ISO 17025 Versão 2005

ISO 17025 Versão 2005 1º Fórum Regional de Química - ES ISO 17025 Versão 2005 Rev. 14 Samuel Vieira JUN/2010 1 Terminologia e Siglas ABNT NBR ISO 9000:2000 Sistemas de gestão da qualidade Fundamentos e Vocabulário ABNT NBR

Leia mais

Resumo das Interpretações Oficiais do TC 176 / ISO

Resumo das Interpretações Oficiais do TC 176 / ISO Resumo das Interpretações Oficiais do TC 176 / ISO Referência RFI 011 Pergunta NBR ISO 9001:2000 cláusula: 2 Apenas os termos e definições da NBR ISO 9000:2000 constituem prescrições da NBR ISO 9001:2000,

Leia mais

NBR - ISO 14010 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PRINCÍPIOS GERAIS

NBR - ISO 14010 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PRINCÍPIOS GERAIS NBR - ISO 14010 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PRINCÍPIOS GERAIS Sumário 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Definições...2 2.1. conclusão de auditoria...2 2.2. critérios de auditoria...2

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento NBR ISO 13485 2004 para treinamento - Rev 0 Web Site: www.simplessolucoes.com.br Norma NBR ISO 13485:2004 Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento SUMÁRIO Folha Prefácio 2 Introdução 2 0.1 Geral 2 0.2

Leia mais

Universidade Paulista

Universidade Paulista Universidade Paulista Ciência da Computação Sistemas de Informação Gestão da Qualidade Principais pontos da NBR ISO/IEC 12207 - Tecnologia da Informação Processos de ciclo de vida de software Sergio Petersen

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO. Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO. Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012 Risk Tecnologia Coleção Risk Tecnologia SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012 Aplicável às Atuais e Futuras Normas ISO 9001, ISO 14001,

Leia mais

ISO 9000-3 3 e ISO 9001

ISO 9000-3 3 e ISO 9001 QUALIDADE DO PROCESSO ISO 9000-3 3 e ISO 9001 Baseado no material do prof. Mario Lúcio Cortes http://www.ic.unicamp.br/~cortes/mc726/ 1 Normas da Série ISO 9000 Introdução ISO 9000 (NBR ISO 9000, versão

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva Joel Alves da Silva, Diretor Técnico JAS-METRO Soluções e Treinamentos

Leia mais

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EPR 16 - SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EPR 16 - SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EPR 16 - SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 Prof. Dr. João Batista Turrioni Objetivo geral Introduzir e discutir a importância da adoção de um Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4. Módulo 3 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.3 Exercícios 6.2 Iniciando a auditoria/ 6.2.1 Designando o líder da equipe

Leia mais

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade Preparando a Implantação de um Projeto Pró-Inova - InovaGusa Ana Júlia Ramos Pesquisadora em Metrologia e Qualidade e Especialista em Sistemas de Gestão da Qualidade 1. Gestão Gestão Atividades coordenadas

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 I. APROVAÇÃO Emitente: Função: Análise crítica e aprovação: Função: Liliane Alves Ribeiro da Silva Gerente Administrativa Roberto José da Silva Gerente Geral

Leia mais

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025 FORMULÁRIO REVISÃO: 04 NOV/2008 Laboratório(s) avaliado(s): Nº Período de Avaliação: Data inicial da avaliação: / / Data término

Leia mais

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

PROGRAMA INTEGRADO DE DESENVOLVIMENTO E QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM FORNECIMENTO

PROGRAMA INTEGRADO DE DESENVOLVIMENTO E QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM FORNECIMENTO PROGRAMA INTEGRADO DE DESENVOLVIMENTO E QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM FORNECIMENTO SGQF:: 2008 SUMÁRIO PREFÁCIO -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

CÓDIGO DE CATÁLOGO : 3701

CÓDIGO DE CATÁLOGO : 3701 INTERPRETAÇÃO DA NORMA ISO 9001/2000 SENAI - PR, 2002 CÓDIGO DE CATÁLOGO : 3701 Trabalho elaborado pela Diretoria de Educação e Tecnologia do Departamento Regional do SENAI - PR, através do LABTEC - Laboratório

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE - Exemplo Fictício

MANUAL DA QUALIDADE - Exemplo Fictício Exemplo de Manual da Qualidade (Quality Manufacturing - Empresa Fictícia) Baseado nos 20 elementos da qualidade ISO 9001, existe uma correspondência de um para um entre os sistemas da qualidade da ISO

Leia mais

Módulo 2. Estrutura da norma ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos 0, 1, 2, 3 e 4/4, Exercícios

Módulo 2. Estrutura da norma ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos 0, 1, 2, 3 e 4/4, Exercícios Módulo 2 Estrutura da norma ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos 0, 1, 2, 3 e 4/4, Exercícios Norma NBR ISO 9001:2008 - Índice 0 - Introdução 1 - Escopo 2 - Referência Normativa 3 -

Leia mais

Normas de Segurança da Informação Processo de Certificação ISO 27001:2006. Ramon Gomes Brandão Janeiro de 2009

Normas de Segurança da Informação Processo de Certificação ISO 27001:2006. Ramon Gomes Brandão Janeiro de 2009 Normas de Segurança da Informação Processo de Certificação ISO 27001:2006 Ramon Gomes Brandão Janeiro de 2009 Agenda Elementos centrais da Seg. da Informação O Par ABNT:ISO 27001 e ABNT:ISO 17799 Visão

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

TRANSIÇÃO DA ISO 9001:2000 PARA ISO 9001:2008 DOCUMENTO SUMÁRIO DE ALTERAÇÕES ALTERAÇÕES QUE PODEM AFECTAR O SISTEMA

TRANSIÇÃO DA ISO 9001:2000 PARA ISO 9001:2008 DOCUMENTO SUMÁRIO DE ALTERAÇÕES ALTERAÇÕES QUE PODEM AFECTAR O SISTEMA TRANSIÇÃO DA ISO 9001:2000 PARA ISO 9001:2008 DOCUMENTO SUMÁRIO DE ALTERAÇÕES A nova norma ISO 9001, na versão de 2008, não incorpora novos requisitos, mas apenas alterações para esclarecer os requisitos

Leia mais

OUTUBRO Agência Nacional de Vigilância Sanitária 06/2004 CERTIFICADOS DE CALIBRAÇÃO

OUTUBRO Agência Nacional de Vigilância Sanitária 06/2004 CERTIFICADOS DE CALIBRAÇÃO OUTUBRO Agência Nacional de Vigilância Sanitária 06/2004 Muitas vezes ao longo das investigações de Tecnovigilância de acidentes relacionados com equipamentos médico-hospitalares, principalmente quando

Leia mais

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Em vigor a partir de 01/04/2016 RINA Via Corsica 12 16128 Genova - Itália tel. +39 010 53851 fax +39 010 5351000 website : www.rina.org Normas

Leia mais

DIS ISO 9001:2015 Publicado em Maio de 2014

DIS ISO 9001:2015 Publicado em Maio de 2014 DIS ISO 9001:2015 Publicado em Maio de 2014 Abordagem de Processos Risk-based thinking (Pensamento baseado em Risco) Anexo SL (Estrutura de Alto Nível) Anexo SL (Estrutura de Alto Nível) 1 - Escopo 2 -

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos NORMA BRASILEIRA ABNT NBR ISO 9001:2008 ERRATA 1 Publicada em 11.09.2009 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos ERRATA 1 Esta Errata 1 da ABNT NBR ISO 9001:2008 foi elaborada no Comitê Brasileiro da

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 MÓDULO C REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001 ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001/04 Sumário A.) A Organização ISO...3 B.) Considerações sobre a elaboração

Leia mais

NORMA ISO 14001. Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso (votação 10/02/96. Rev.1) São Paulo, 10 de março de 2003.

NORMA ISO 14001. Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso (votação 10/02/96. Rev.1) São Paulo, 10 de março de 2003. NORMA ISO 14001 Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso (votação 10/02/96. Rev.1) São Paulo, 10 de março de 2003. http://www.ibamapr.hpg.ig.com.br/14001iso.htm ii Índice INTRODUÇÃO...3

Leia mais

NBR ISO 14012 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL- CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO PARA AUDITORES AMBIENTAIS

NBR ISO 14012 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL- CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO PARA AUDITORES AMBIENTAIS Sumário NBR ISO 14012 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL- CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO PARA AUDITORES AMBIENTAIS 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências normativas...2 3. Definições...2 3.1.

Leia mais

NORMA ISO 14001. Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso

NORMA ISO 14001. Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso Página 1 NORMA ISO 14001 Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso (votação 10/02/96. Rev.1) INTRODUÇÃO 1 ESCOPO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL 4.0. Generalidades

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) Ao longo dos últimos anos, a Fundação Carlos Alberto Vanzolini vem trabalhando com a Certificação ISO 14000 e, com o atual processo de

Leia mais

TRANSQUALIT. Sistema de Gestão da Qualificação para Empresas de Transporte de Cargas Agentes de Carga Aérea

TRANSQUALIT. Sistema de Gestão da Qualificação para Empresas de Transporte de Cargas Agentes de Carga Aérea TRANSQUALIT Sistema de Gestão da Qualificação para Empresas de Transporte de Cargas Agentes de Carga Aérea Sumário Prefácio 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Definições 4 Sistema de qualificação 5 Responsabilidade

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 276:2011) - OTS NORMA Nº NIT-DICOR-011 APROVADA EM MAR/2013 Nº 01/46 SUMÁRIO

Leia mais

GoodPriv@cy. Regulamento dos Requisitos do Selo de Proteção de Dados

GoodPriv@cy. Regulamento dos Requisitos do Selo de Proteção de Dados GoodPriv@cy Regulamento dos Requisitos do Selo de Proteção de Dados Publicação: Versão 3.0 Janeiro de 2007 Origem: Este documento é equivalente ao GoodPriv@cy Regulations relating to requirements of the

Leia mais

NBR ISO 14001 SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL - ESPECIFICAÇÀO E DIRETRIZES PARA USO

NBR ISO 14001 SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL - ESPECIFICAÇÀO E DIRETRIZES PARA USO Sumário NBR ISO 14001 SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL ESPECIFICAÇÀO E DIRETRIZES PARA USO 1 Objetivos e campo de aplicação 2 Referências normativas 3 Definições 4 Requisitos do sistema de gestão ambiental

Leia mais

Programa Brasileiro de Autorregulamentação de Boas Práticas em Arbitragem, Conciliação e Mediação, PARCONIMA.

Programa Brasileiro de Autorregulamentação de Boas Práticas em Arbitragem, Conciliação e Mediação, PARCONIMA. Revisão maio 2015 Programa Brasileiro de Autorregulamentação de Boas Práticas em Arbitragem, Conciliação e Mediação, PARCONIMA. NÍVEIS DE CERTIFICAÇÃO 1 Nível Ingresso Documentos que deverão ser apresentados

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO NBR ISO 9001:2008 INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO 8 Princípios para gestão da qualidade Foco no cliente Liderança Envolvimento das pessoas Abordagem de processos Abordagem sistêmica para a gestão Melhoria

Leia mais

Auditoria de organizações prestadoras de serviços

Auditoria de organizações prestadoras de serviços QSP Informe Reservado Nº 63 Outubro/2006 Auditoria de organizações prestadoras de serviços Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QSP. Este guindance paper foi elaborado

Leia mais

Matrizes de Correlaça o ISO 9001:2008 e ISO 9001:2015

Matrizes de Correlaça o ISO 9001:2008 e ISO 9001:2015 2015 Matrizes de Correlaça o ISO 9001:2008 e ISO 9001:2015 Texto traduzido e adaptado por Fernando Fibe De Cicco, Coordenador de Novos Projetos do QSP. Outubro de 2015. Matrizes de correlação entre a ISO

Leia mais

a qualidade em suas mãos www.iso4all.com.br

a qualidade em suas mãos www.iso4all.com.br a qualidade em suas mãos www.iso4all.com.br ISO/DIS 9001:2015 Tradução livre* Sistemas de Gestão da Qualidade - Requisitos Sumário Prefácio... 5 Introdução... 6 0.1 Generalidades... 6 0.2 A Norma ISO para

Leia mais

ISO IEC. Normas Regionais MERCOSUL CEN COPANT. Normas Nacionais ABNT, BSI, AFNOR, DIN, JISE. Normas internas das empresas

ISO IEC. Normas Regionais MERCOSUL CEN COPANT. Normas Nacionais ABNT, BSI, AFNOR, DIN, JISE. Normas internas das empresas Aula 03 : Norma NBR ISO 9001 Ghislaine Miranda Bonduelle NORMALIZAÇÃO DA QUALIDADE ISO IEC Internacional Normas Regionais MERCOSUL CEN COPANT Regional Normas Nacionais ABNT, BSI, AFNOR, DIN, JISE Nacional

Leia mais

Enviado por sanson@tecpar.br. em 19/12/11. Recebido por

Enviado por sanson@tecpar.br. em 19/12/11. Recebido por Pedido nº.: Destinatário/ Addressee: PREFEITURA MUNICIPAL DE COLOMBO ((41) 3656-8161) Data/Date: 16 / 12 / 2011 Nome/Name: ISMAILIN SCHROTTER Fax N : Remetente/Sender: TECPAR CERTIFICAÇÃO Páginas/Pages:

Leia mais

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS SELO ABRAIDI Programa de BPADPS Reuniões: Julho a Agosto de 2010 Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes PAUTA * OBJETIVOS * ASPECTOS FUNDAMENTAIS * HISTÓRICO * SITUAÇÃO ATUAL

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD)

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD) 1/22 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001:2008 Vendas Gestão de Contratos Service Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável

Leia mais

ABNT/CB PROJETO DE REVISÃO ABNT NBR ISO 9001 OUTUBRO:2008 APRESENTAÇÃO

ABNT/CB PROJETO DE REVISÃO ABNT NBR ISO 9001 OUTUBRO:2008 APRESENTAÇÃO Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos PRESENTÇÃO 1) Este 1º Projeto de Revisão foi elaborado pela CE-25:002.18 - Comissão de Estudo de Sistemas da Qualidade - do BNT/CB-25 - Qualidade, nas reuniões

Leia mais