REDUÇÃO DA GERAÇÃO DE EFLUENTES GALVÂNICOS APLICANDO FERRAMENTAS DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA (P+L) Tatiane Benvenuti¹, Daiana Maffessoni 2

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REDUÇÃO DA GERAÇÃO DE EFLUENTES GALVÂNICOS APLICANDO FERRAMENTAS DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA (P+L) Tatiane Benvenuti¹, Daiana Maffessoni 2"

Transcrição

1 REDUÇÃO DA GERAÇÃO DE EFLUENTES GALVÂNICOS APLICANDO FERRAMENTAS DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA (P+L) Tatiane Benvenuti¹, Daiana Maffessoni 2 1 Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Programa de Pós Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais (PPGE3M), Porto Alegre, RS, Brasil. 2 Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (UERGS), Unidade Litoral Norte/Osório, RS, Brasil. Resumo As indústrias galvânicas geram grandes volumes de efluentes líquidos com alto potencial poluidor. Medidas de minimização, baseadas na metodologia de produção mais limpa (P+L), se apresentam como alternativas eficientes para reduzir custos econômicos e ambientais. O presente trabalho foi realizado em empresa do setor metalúrgico que possui processos de niquelação e cromagem de peças metálicas em linha manual com gancheiras. Monitorando o processo produtivo, identificou-se o ponto de maior geração de efluente: a etapa de lavagem pós-cromo. Após um encontro com colaboradores do setor para a apresentação da metodologia de P+L, sensibilização e brainstorming, foram apontadas possibilidades de modificação nos tanques e na rotina de enxágue. Após a implantação, o monitoramento indicou a redução de 120m 3 /ano de efluente contaminado com cromo. Isso proporcionou a redução do consumo de água limpa, de produtos químicos para tratamento e do volume de efluente que seria lançado no corpo receptor. Abstract The galvanic industries generate large volumes of wastewaters containing high pollution potential. Minimization techniques, based on cleaner production methodology (CP), are presented as efficient alternatives to reduce economic and environmental costs. This work was performed in a metal sector company with nickel and chrome plating processes in a manual line. Monitoring the production process, it was identified the major point of effluent generation: the rinsing step after chrome bath. After a meeting with employees of the galvanic sector to the presentation of CP methodology, awareness and brainstorming, some possibilities of changes in the tanks and rinsing routine were identified. After implementing these improvements, the monitoring indicated the reduction of 120m³/year of effluent containing chrome. This provided a reduction in the consumption of clean water and in the chemicals for treatment. Furthermore, reduced the volume of treated effluent that would be released in the environment. 1. Introdução As indústrias galvânicas oferecem produtos a serem utilizados por diversos ramos de atividade, tais como, automobilismo, construção civil, objetos decorativos, entre outros [1]. Cada fase é seguida por tanques de lavagem, conduzindo à

2 geração de elevados volumes de efluentes líquidos perigosos, contaminados principalmente por metais pesados [2]. A água é o principal insumo utilizado nas indústrias de galvanoplastia. Maior consumo de água implica em maior volume de efluente que precisará ser tratado, portanto, maiores custos em seu tratamento e maior geração de lodo na estação de tratamento de efluentes (ETE). Além disso, em várias regiões do país há escassez do recurso [3]. Com o intuito de minimizar os impactos ambientais decorrentes dessa atividade foram criadas técnicas como a Produção mais Limpa (P+L). P+L é a aplicação de uma estratégia técnica, econômica e ambiental integrada aos processos e produtos, com objetivo de aumentar a eficiência no uso de matériasprimas, água e energia, através da não geração, minimização ou reciclagem dos resíduos e emissões geradas [4]. Giannetti et al. [5] utilizou a técnica de P+L em uma empresa de joias banhadas a ouro e obteve redução do consumo de 35% no volume de água que entra nos tanques de enxague através do controle manual de entrada. No presente trabalho, a técnica de Produção mais Limpa foi aplicada em empresa do setor metalúrgico que possui setor de galvanoplastia com processos de niquelação e cromagem de peças metálicas em linha manual com gancheiras. 2. Metodologia No presente trabalho foi utilizado como base o manual Metodologia de Implantação do Programa de Produção mais Limpa do Centro Nacional de Tecnologias Limpas - CNTL [5]. Realizou-se o trabalho em uma empresa do setor metalúrgico que possui setor de galvanoplastia com processos de niquelação e cromagem de peças metálicas em linha manual com gancheiras. A figura 1 apresenta os passos para implementação da produção mais limpa. A etapa 1 é de planejamento e organização onde se obtém o comprometimento gerencial, identificação de barreiras, da abrangência do programa e formação da equipe de trabalho. Na etapa 2 ocorre a pré-avaliação e o diagnóstico onde se conhece o fluxo do processo e seleciona-se o foco de trabalho. A etapa 3 é de estudos e avaliação onde é elaborado o balanço material e estabelecidos indicadores, são identificadas as causas da geração de resíduos e identificadas as opções de Produção mais Limpa. Na etapa 4 são realizados os estudos de viabilidade técnica, econômica e ambiental e da seleção de oportunidades viáveis. A última etapa constitui-se do plano de implementação e monitoramento e do plano de continuidade.

3 Fig. 1. Passos para implementação de um programa de Produção mais Limpa em empresas [6]. 3. Resultados 3.1 Aplicação da metodologia O presente estudo de caso foi realizado em uma empresa do setor metalúrgico que produz metais sanitários. O fluxograma global do processo produtivo de toda a empresa identificou que o setor de galvanoplastia era responsável por grande geração de efluente líquido. Foram tratados, cerca de m³/ano de efluentes de galvanoplastia e de vibroacabamento. Deste volume, 52%

4 (665 m³/ano) era de efluente de cromo (canaletas e águas de lavagem após banho de cromo). Uma média de 11 tanques de 5.000L tratados mensalmente. Dessa forma, a etapa de cromagem se tornou foco presente de trabalho. 3.2 Indicadores e benefícios do estudo de caso: aplicação de P+L para redução da geração do efluente de cromo através de modificações nos tanques do banho de cromo e de água de enxágue Avaliando-se a etapa de cromagem das peças identificou-se que, após esta etapa, as capas de proteção dos operadores eram atingidas por respingos do banho de cromo e das águas de lavagem e, para evitar a contaminação dos banhos de desengraxante e dos banhos de níquel, os operadores enxaguavam suas capas com as águas de enxágue finais (água limpa). A água do enxágue das capas escorria pelo chão, e através das canaletas, chegava à ETE. A modificação que ocorreu consiste em uma alternativa simples de boas práticas com o intuito de redução na fonte, adaptaram-se abas de polipropileno ao tanque do banho de cromo, e ao primeiro tanque de enxágue das peças cromadas (efluente mais concentrado), para evitar que os banhos respingassem nas capas de proteção dos operadores durante o processo, e assim, não foi mais preciso enxaguar as capas, ou, se necessário, com quantidade bem menor de água. A figura 2 mostra o tanque antes e depois de P+L. a) b) Figura 2. a) antes de P+L; b) depois de P+L. Com a colocação das abas que atuam como proteção nos tanques de cromo e de primeiro enxágue após o banho, o cromo praticamente não respinga mais no avental do operador, não sendo necessária a lavagem do avental, responsável por boa parte do efluente de cromo gerado. Acompanhando os tratamentos realizados na ETE, verificou-se a redução de 10m³/mês de efluente de cromo a ser tratado. Os indicadores desse estudo de caso estão apresentados na tabela 1. Tabela 1. Indicadores do estudo de caso. Antes de P+L Depois de P+L % redução Geração de efluente 2.770,83 l/dia 2.270,83 l/dia 18,045% de cromo/dia Custos associados ao tratamento de ,00 R$/ano ,00 R$/ano 18,045%

5 efluente de cromo Fonte: Elaborado pelos autores. Pode se perceber uma redução significativa (18,045%) de efluente gerado e dos custos associados. O memorial de cálculo está apresentado na tabela 2 e mostra que essa medida de P+L, além de simples, obteve retorno imediato dos investimentos e apresentou economia nos gastos da empresa com efluentes. Tabela 2. Memorial de cálculo do estudo de caso. Memorial de cálculo Descrição Valor Custo de modificação R$ 428,66 Situação anterior R$26.802,16/ano Situação proposta: colocar abas de proteção R$21.965,68/ano Beneficio econômico R$ 4.836,48 Tempo de retorno investimento 3 dias Fonte: Elaborado pelos autores. Além do beneficio econômico, há relevante benefício ambiental que foi a redução do consumo de 120m³ de água do poço e redução do descarte de 120m³ de efluente tratado no corpo receptor. 4. Conclusão A implantação da metodologia de Produção mais Limpa em uma indústria galvânica traz benefícios na ordem técnica, econômica e ambiental e mostra como esta metodologia pode ser aplicada e apresentar resultados satisfatórios em todos os tipos de empreendimento, seja ele empresas prestadoras de serviço, comércio e indústria, independente do porte. A medida adotada obteve retorno imediato, foi uma ação simples de redução na fonte, que pode reduzir significativamente o consumo de água (120 m³/ano) e os custos na estação de tratamento de efluentes (redução de 18,045%). 5. Referências [1] SESI - Manual de Segurança e Saúde no Trabalho. Gerência de Segurança e Saúde no Trabalho São Paulo, [2] Viguri JR, Andrés A, Irabien A. Waste minimizations in a hard chromium platingsmall medium enterprise (SME). Waste Manage 2002; 22: [3] SANTOS, M. S.; YAMANAKA, H. T.; PACHECO, C. E. M.. Bijuterias. São Paulo: CETESB, [4] Centro Nacional de Tecnologias Limpas (CNTL). Manual Metodologia de Implantação do Programa de Produção mais Limpa. Curso de Formação de Consultores em Produção mais Limpa, Bento Gonçalves, dez

6 [5] Giannetti BF, Bonilla SH, Silva IR, Almeida CMVB. Cleaner production practices in a medium size gold-plated jewelry company in Brazil: when little changes make the difference. J Clean Prod 2008;16(1106):1117. [6] SENAI.RS. Implementação de Programas de Produção mais Limpa. Porto Alegre, Centro Nacional de Tecnologias Limpas SENAI-RS/ UNIDO/INEP, p. il. (CD).

Estudo de Caso: Aplicação de Produção Mais Limpa no Processo de Embalagem de Soquetes de Luminárias

Estudo de Caso: Aplicação de Produção Mais Limpa no Processo de Embalagem de Soquetes de Luminárias Estudo de Caso: Aplicação de Produção Mais Limpa no Processo de Embalagem de Soquetes de Luminárias BENVENUTI, T. a*, MAFFESSONI, D. b, TONIN, B. P. b a. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto

Leia mais

ESTUDO SOBRE DESTINAÇÃO ADEQUADA AOS RESÍDUOS LÍQUIDOS, SÓLIDOS E GASOSOS GERADOS NO PROCESSO DE GALVANOPLASTIA DA INDÚSTRIA I. T.

ESTUDO SOBRE DESTINAÇÃO ADEQUADA AOS RESÍDUOS LÍQUIDOS, SÓLIDOS E GASOSOS GERADOS NO PROCESSO DE GALVANOPLASTIA DA INDÚSTRIA I. T. ESTUDO SOBRE DESTINAÇÃO ADEQUADA AOS RESÍDUOS LÍQUIDOS, SÓLIDOS E GASOSOS GERADOS NO PROCESSO DE GALVANOPLASTIA DA INDÚSTRIA I. T. Jaqueline Aparecida Toigo IC-Fecilcam, Engenharia de Produção Agroindustrial,

Leia mais

Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química

Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química Apresentação: José Leildon QSA - ASSESSORIA EMPRESARIAL Ltda 2 Abordagem tradicional - controle corretivo Recursos Naturais Produtos Ambiente Rejeitos

Leia mais

1. Metodologias de gestão ambiental com enfoque em prevenção da. 3. Metodologia de produção mais limpa desenvolvida pela UNIDO/UNEP

1. Metodologias de gestão ambiental com enfoque em prevenção da. 3. Metodologia de produção mais limpa desenvolvida pela UNIDO/UNEP 3 - Metodologias 1. Metodologias de gestão ambiental com enfoque em prevenção da poluição e minimização de resíduos 2. Histórico de produção mais limpa no Brasil 3. Metodologia de produção mais limpa desenvolvida

Leia mais

Produção Mais Limpa, Inovação em Processo e Benefício Ambiental: Um Estudo de Caso em uma Indústria do Polo Metal-

Produção Mais Limpa, Inovação em Processo e Benefício Ambiental: Um Estudo de Caso em uma Indústria do Polo Metal- Produção Mais Limpa, Inovação em Processo e Benefício Ambiental: Um Estudo de Caso em uma Indústria do Polo Metal- Mecânico da Serra Gaúcha Eliana Andréa Severo Julio Cesar Ferro de Guimarães Marcia Rhor

Leia mais

III-026 - MINIMIZAÇÃO DE RESÍDUOS EM INDÚSTRIA DE ACABAMENTO DE METAIS (ESTUDO DE CASO)

III-026 - MINIMIZAÇÃO DE RESÍDUOS EM INDÚSTRIA DE ACABAMENTO DE METAIS (ESTUDO DE CASO) III-026 - MINIMIZAÇÃO DE RESÍDUOS EM INDÚSTRIA DE ACABAMENTO DE METAIS (ESTUDO DE CASO) Márcia Capelini (1) Engenheira de Produção Mecânica formada pela Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade

Leia mais

Reduction in Generation of Scrap Metal by Internal Reuse and

Reduction in Generation of Scrap Metal by Internal Reuse and Reduction in Generation of Scrap Metal by Internal Reuse and External Recycling at Serralheria Montanheza Redução da geração de sucatas metálicas por meio da reutilização interna e reciclagem externa na

Leia mais

PRODUÇÃO MAIS LIMPA (P+L) Vera Lúcia Pimentel Salazar Bióloga, Dr., PqC do Polo Regional Centro Sul/APTA vsalazar@apta.sp.gov.br

PRODUÇÃO MAIS LIMPA (P+L) Vera Lúcia Pimentel Salazar Bióloga, Dr., PqC do Polo Regional Centro Sul/APTA vsalazar@apta.sp.gov.br PRODUÇÃO MAIS LIMPA (P+L) Vera Lúcia Pimentel Salazar Bióloga, Dr., PqC do Polo Regional Centro Sul/APTA vsalazar@apta.sp.gov.br A Produção Mais Limpa (PML) é uma estratégia aplicada na produção e nos

Leia mais

Avaliação de técnicas de Produção Mais Limpa em um laticínio no Sul da Bahia

Avaliação de técnicas de Produção Mais Limpa em um laticínio no Sul da Bahia Universidade Estadual de Santa Cruz-UESC Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas-DCET Colegiado de Engenharia de Produção Avaliação de técnicas de Produção Mais Limpa em um laticínio no Sul da Bahia

Leia mais

*Silvia Benedetti Edna Regina Amante Luis Fernando Wentz Brum Luis Carlos de Oliveira Jr. São Paulo 2009

*Silvia Benedetti Edna Regina Amante Luis Fernando Wentz Brum Luis Carlos de Oliveira Jr. São Paulo 2009 Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Alimentos REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA DE PROCESSO E RESÍDUOS DE INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS *Silvia Benedetti Edna Regina Amante

Leia mais

Implementação de um Programa de Prevenção à Poluição

Implementação de um Programa de Prevenção à Poluição Implementação de um Programa de Prevenção à Poluição GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE CETESB COMPANHIA DE TECNOLOGIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 3

Leia mais

AÇÕES PARA UM PROCESSO DE PINTURA SUSTENTÁVEL

AÇÕES PARA UM PROCESSO DE PINTURA SUSTENTÁVEL AÇÕES PARA UM PROCESSO DE PINTURA SUSTENTÁVEL Luciane Souza, Ronnie Oliveira Mercedes-Benz do Brasil, unidade Juiz de Fora RESUMO A Mercedes-Benz tem como princípio a sustentabilidade. Baseado nesse princípio,

Leia mais

ANEX0 1 - Ementas Curso PmaisL SENAI MG CURSO. Aplicação da Metodologia de Produção mais Limpa em Empresas

ANEX0 1 - Ementas Curso PmaisL SENAI MG CURSO. Aplicação da Metodologia de Produção mais Limpa em Empresas ANEX0 1 - Ementas Curso PmaisL SENAI MG CURSO Aplicação da Metodologia de Produção mais Limpa em Empresas MÓDULO 01: METODOLOGIA DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA Etapas 1 e 2 40 horas ETAPA 1 - Planejamento e Organização

Leia mais

PROPOSTA GENÉRICA DE APLICAÇÃO DA METODOLOGIA PRODUÇÃO MAIS LIMPA NO AMBIENTE ESCOLAR

PROPOSTA GENÉRICA DE APLICAÇÃO DA METODOLOGIA PRODUÇÃO MAIS LIMPA NO AMBIENTE ESCOLAR PROPOSTA GENÉRICA DE APLICAÇÃO DA METODOLOGIA PRODUÇÃO MAIS LIMPA NO AMBIENTE ESCOLAR Pamella Mellissa Quirino dos Santos (UFG) pamelaquirino.s@gmail.com Ana Paula Vieira Candida (UFG) anavcandida@hotmail.com

Leia mais

SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO GALVÂNICO EM BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO (PAVERS)

SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO GALVÂNICO EM BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO (PAVERS) 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO GALVÂNICO EM BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO (PAVERS) Janaina de Melo Franco 1, Célia Regina Granhen Tavares 2,

Leia mais

PRODUÇÃO MAIS LIMPA (P+L)

PRODUÇÃO MAIS LIMPA (P+L) Workshops Meio Ambiente Convênio -CIESPCIESP PRÁTICAS DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA (P+L) Flávio de Miranda Ribeiro Gerente da Divisão de Sustentabilidade e Questões Globais - - 27/05/2010 1. INTRODUÇÃO ESTRUTURA

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

Revista de Graduação da Engenharia Química

Revista de Graduação da Engenharia Química Revista de Graduação da Engenharia Química ISSN 1516-5469 ANO VI No. 12 Jul-Dez 2003 GERENCIAMENTO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA UMA FERRAMENTA DA ECOLOGIA INDUSTRIAL Izabel R. Silva, Cecília M.V.B. Almeida e

Leia mais

Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de. Antônio Malard FEAM 09/06/2015

Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de. Antônio Malard FEAM 09/06/2015 Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de Reuso de Água Antônio Malard FEAM 09/06/2015 Sumário Legislações de Reuso; Consumo de Água na Indústria; Experiências de Sucesso: Banco de Boas Práticas Ambientais;

Leia mais

OBJETIVO Apresentar e analisar analisar a implementação implementação de

OBJETIVO Apresentar e analisar analisar a implementação implementação de Avaliação e Implantação de uma Oportunidade de Produção Mais Limpa em uma Indústria Moveleira da Região Metropolitana de Belo Horizonte, Minas Gerais Assessment and Implementation of a Cleaner Production

Leia mais

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA Manuel Victor da Silva Baptista (1) Engenheiro Químico com pós-graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental, SENAI-CETSAM,

Leia mais

15º Encontro e Exposição Brasileira de Tratamentos de Superfície 4º INTERFINISH Latino Americano

15º Encontro e Exposição Brasileira de Tratamentos de Superfície 4º INTERFINISH Latino Americano RECUPERAÇÃO DE NÍQUEL POR MEIO DE ELETRODIÁLISE Mônia Aline Hunger Geiger 1,2, Olavo Geiger 1,2 Tatiane Benvenuti, 3 Marco Antônio Siqueira Rodrigues 1 1 Universidade FEEVALE, Novo Hamburgo, RS, Brasil

Leia mais

DPS1035 Gestão Ambiental e Sustentabilidade. CGEP Eng a. Morgana Pizzolato, Dr a.

DPS1035 Gestão Ambiental e Sustentabilidade. CGEP Eng a. Morgana Pizzolato, Dr a. DPS1035 Gestão Ambiental e Sustentabilidade CGEP Eng a. Morgana Pizzolato, Dr a. Contextualização A preocupação por parte das organizações com seus impactos ambientais tornou-se uma componente constante

Leia mais

VI-117 SITUAÇÃO AMBIENTAL DO SETOR DE GALVANOPLASTIA NO ESTADO DE PERNAMBUCO

VI-117 SITUAÇÃO AMBIENTAL DO SETOR DE GALVANOPLASTIA NO ESTADO DE PERNAMBUCO VI-117 SITUAÇÃO AMBIENTAL DO SETOR DE GALVANOPLASTIA NO ESTADO DE PERNAMBUCO Gilson Lima da Silva (1) Engenheiro Químico pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Mestre em Ciência do Solo pela Universidade

Leia mais

MINIMIZAÇÃO DE EFLUENTES NO PROCESSO INDUSTRIAL

MINIMIZAÇÃO DE EFLUENTES NO PROCESSO INDUSTRIAL MINIMIZAÇÃO DE EFLUENTES NO PROCESSO INDUSTRIAL JOSÉ LUIZ PAPA ACQUA ENGENHARIA E CONSULTORIA S/C LTDA. www.acquaeng.com.br - Introdução - Escolha do Processo Industrial - Avaliação de Parâmetros de Poluição

Leia mais

Iniciativas de Produção Mais Limpa na Indústria de Petróleo e Gás. Daniela Machado Zampollo Lucia de Toledo Camara Neder

Iniciativas de Produção Mais Limpa na Indústria de Petróleo e Gás. Daniela Machado Zampollo Lucia de Toledo Camara Neder Iniciativas de Produção Mais Limpa na Indústria de Petróleo e Gás Daniela Machado Zampollo Lucia de Toledo Camara Neder Sumário A Empresa - Petrobras A Exploração e Produção de Óleo e Gás Gestão Ambiental

Leia mais

REÚSO DA ÁGUA BASE LEGAL E NORMATIVA

REÚSO DA ÁGUA BASE LEGAL E NORMATIVA REÚSO DA ÁGUA REÚSO DA ÁGUA BASE LEGAL E NORMATIVA Resolução nº 54, de 28/11/05 do Conselho Nacional de Recursos Hídricos -CNRH - Estabelece modalidades, diretrizes e critérios gerais para a prática de

Leia mais

DADOS PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. ANTUNES, Celso V. Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, celso.antunes@gmail.

DADOS PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. ANTUNES, Celso V. Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, celso.antunes@gmail. MÉTODO PARA COLETA E ANÁLISE DE DADOS PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL DA INDÚSTRIA METAL MECÂNICA ANTUNES, Celso V. Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, celso.antunes@gmail.com

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd)

GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd) GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd) Antonio Keh Chuan Chou Gerente EHS GSC Latin America Sherwin Williams São Paulo, 22 de agosto de 2013 workshop AGENDA workshop Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalho Operações

Leia mais

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência Página 1 de 9 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 01 20/05/2009 30/09/2009 16/12/09 Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos

Leia mais

Eixo Temático ET-01-001 - Gestão Ambiental

Eixo Temático ET-01-001 - Gestão Ambiental Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - Vol. 2: Congestas 214 ISSN 2318-763 21 Eixo Temático ET-1-1 - Gestão Ambiental IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL EM UMA

Leia mais

APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA. UM ESTUDO DE CASO EM UMA INDÚSTRIA DE PERFIL DE ALUMÍNIOS

APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA. UM ESTUDO DE CASO EM UMA INDÚSTRIA DE PERFIL DE ALUMÍNIOS Eixo Temático: Inovação e Sustentabilidade APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA. UM ESTUDO DE CASO EM UMA INDÚSTRIA DE PERFIL DE ALUMÍNIOS IMPLEMENTATION OF CLEANER PRODUCTION. A CASE STUDY IN AN

Leia mais

A gestão de resíduos na UNISINOS atendendo aos requisitos da ISO 14.001:2004. Palestrante: Dra. Luciana Paulo Gomes, UNISINOS lugomes@unisinos.

A gestão de resíduos na UNISINOS atendendo aos requisitos da ISO 14.001:2004. Palestrante: Dra. Luciana Paulo Gomes, UNISINOS lugomes@unisinos. A gestão de resíduos na UNISINOS atendendo aos requisitos da ISO 14.001:2004 Palestrante: Dra. Luciana Paulo Gomes, UNISINOS lugomes@unisinos.br 1 LIVRO: Gestão de Resíduos em Universidades 1. Como foi

Leia mais

Aumento da lucratividade com a Produção mais Limpa do SENAI

Aumento da lucratividade com a Produção mais Limpa do SENAI Artigo Técnico Por Silvio Neto Pereira do Vale, Técnico de Ensino do CPC - Centro SENAI de Produção mais Limpa Aumento da lucratividade com a Produção mais Limpa do SENAI As organizações mundiais e brasileiras

Leia mais

Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa. Prof. Dr. Douglas Wittmann. São Paulo - 2015

Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa. Prof. Dr. Douglas Wittmann. São Paulo - 2015 Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa Prof. Dr. Douglas Wittmann São Paulo - 2015 Prof. Dr. Douglas Wittmann Doutor em Ciências (USP). Mestre em Engenharia de Produção (UNIP). Pós-graduado em

Leia mais

PRÁTICAS AMBIENTAIS EM UMA INDÚSTRIA DE FERTILIZANTES

PRÁTICAS AMBIENTAIS EM UMA INDÚSTRIA DE FERTILIZANTES PRÁTICAS AMBIENTAIS EM UMA INDÚSTRIA DE FERTILIZANTES BAIOTTO, Alexandre 1 ; COSTA, Augusto Cesar da 1 ; SCHMIDT, Alberto 2 Palavras-Chave: Gestão ambiental. Empresa. Produção sustentável. Introdução Agregados

Leia mais

Peça com o cilindro antes de ser cromado

Peça com o cilindro antes de ser cromado ELIPSE E3 REDUZ OS GASTOS COM REAGENTES QUÍMICOS E MÃO-DE-OBRA UTILIZADOS NA CROMAGEM DOS CILINDROS DA STIHL Solução da Elipse Software permite que apenas nove operadores, por turno, controlem todas as

Leia mais

PROGRAMA SEBRAE AMBIENTAL Projeto SEBRAE Sustentável

PROGRAMA SEBRAE AMBIENTAL Projeto SEBRAE Sustentável PROGRAMA SEBRAE AMBIENTAL Projeto SEBRAE Sustentável Palmas, 18 de março de 2014. Apresentação O projeto em questão é uma proposta de implantação de um Plano de Gestão Sustentável para o SEBRAE/TO para

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS 1. JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGRS conforme previsto no

Leia mais

INOVAÇÃO para a SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL. Eng. Márcio Torres Diretor CNTL SENAI/UNIDO/UNEP Novembro de 2012

INOVAÇÃO para a SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL. Eng. Márcio Torres Diretor CNTL SENAI/UNIDO/UNEP Novembro de 2012 INOVAÇÃO para a SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Eng. Márcio Torres Diretor CNTL SENAI/UNIDO/UNEP Novembro de 2012 SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade Ambiental x Econômica Megatendências... Crescimento da

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO UNIVERSIDADE DE CAIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Produção mais Limpa: O Caso do Arranjo Produtivo Local Metal-Mecânico Mecânico Automotivo da Serra Gaúcha Eliana Andréa

Leia mais

II-069 TÉCNICAS DE TRATAMENTO PARA O REUSO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS DE PROCESSOS DE GALVANOPLASTIA

II-069 TÉCNICAS DE TRATAMENTO PARA O REUSO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS DE PROCESSOS DE GALVANOPLASTIA II-069 TÉCNICAS DE TRATAMENTO PARA O REUSO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS DE PROCESSOS DE GALVANOPLASTIA Silvia Marta Castelo de Moura Carrara (1) Engenheira Civil formada pela Escola de Engenharia de São Carlos

Leia mais

CORSAN DIRETORIA DE OPERAÇÕES DOP. Diálogos do Saneamento 02/12/2015

CORSAN DIRETORIA DE OPERAÇÕES DOP. Diálogos do Saneamento 02/12/2015 CORSAN DIRETORIA DE OPERAÇÕES DOP Diálogos do Saneamento 02/12/2015 DIRETORIA DE OPERAÇÕES DOP Informações Gerais da CORSAN em 2015 Universalização de Serviços DIRETORIA DE OPERAÇÕES DOP Informações Gerais

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

APRESENTAÇÃO QUEM SOMOS... MISSÃO... VISÃO... POLÍTICA DA QUALIDADE... VALORES...

APRESENTAÇÃO QUEM SOMOS... MISSÃO... VISÃO... POLÍTICA DA QUALIDADE... VALORES... APRESENTAÇÃO QUEM SOMOS... A L3 Engenharia Ambiental é uma empresa de consultoria, serviços, desenvolvimento e execução de projetos ambientais, que possui como foco o desenvolvimento sustentável e desenvolve

Leia mais

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. Copyright Ecovalor Consultoria

Leia mais

AVALIAÇÃO ECONÔMICA DOS SISTEMAS DE REÚSO DE ÁGUA EM EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS

AVALIAÇÃO ECONÔMICA DOS SISTEMAS DE REÚSO DE ÁGUA EM EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS VIII-Mierzwa-Brasil-3 AVALIAÇÃO ECONÔMICA DOS SISTEMAS DE REÚSO DE ÁGUA EM EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS José Carlos Mierzwa (1) Professor Pesquisador do Departamento de Engenharia Hidráulica e Sanitária

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS No momento em que se decide ter uma Indústria Cosmética um dos fatores preponderantes é providenciar as diversas licenças requeridas que

Leia mais

Os setores industriais geradores de materiais secundários e resíduos com potencial de uso em fertilizantes contendo micronutrientes

Os setores industriais geradores de materiais secundários e resíduos com potencial de uso em fertilizantes contendo micronutrientes Os setores industriais geradores de materiais secundários e resíduos com potencial de uso em fertilizantes contendo micronutrientes Sérgio Pompéia Workshop A Cadeia produtiva do setor industrial de fertilizantes

Leia mais

PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL DE UMA PEQUENA EMPRESA DE CORRETORA DE IMÓVEIS ENVIRONMENTAL MANAGEMENT PLAN FOR A SMALL BUSINESS OF REAL ESTATE BROKERAGE

PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL DE UMA PEQUENA EMPRESA DE CORRETORA DE IMÓVEIS ENVIRONMENTAL MANAGEMENT PLAN FOR A SMALL BUSINESS OF REAL ESTATE BROKERAGE Eixo Temático: Inovação e Sustentabilidade PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL DE UMA PEQUENA EMPRESA DE CORRETORA DE IMÓVEIS ENVIRONMENTAL MANAGEMENT PLAN FOR A SMALL BUSINESS OF REAL ESTATE BROKERAGE RESUMO Evanise

Leia mais

Avaliação e Implantação de uma Oportunidade de Produção Mais Limpa em uma Indústria Moveleira da Região Metropolitana de Belo Horizonte, Minas Gerais

Avaliação e Implantação de uma Oportunidade de Produção Mais Limpa em uma Indústria Moveleira da Região Metropolitana de Belo Horizonte, Minas Gerais Avaliação e Implantação de uma Oportunidade de Produção Mais Limpa em uma Indústria Moveleira da Região Metropolitana de Belo Horizonte, Minas Gerais C. H. R. Massote a, A. M. M. Santi b a. e2 Consultoria

Leia mais

I-099 - REUSO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS GERADAS EM PROCESSOS DE GALVANOPLASTIA

I-099 - REUSO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS GERADAS EM PROCESSOS DE GALVANOPLASTIA I-099 - REUSO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS GERADAS EM PROCESSOS DE GALVANOPLASTIA Ruben Bresaola Júnior (1) Engenheiro Civil formado pela Escola de Engenharia de São Carlos. Mestre e Doutor em Hidráulica e Saneamento

Leia mais

Tratamento de Efluentes

Tratamento de Efluentes Tratamento de Efluentes A IMPORTÂNCIA DO TRATAMENTO DE EFLUENTES E A REGULAMENTAÇÃO DO SETOR INTRODUÇÃO Conservar a qualidade da água é fundamental, uma vez que apenas 4% de toda água disponível no mundo

Leia mais

Sistema de Avaliação em Produção Mais Limpa -SAPmaisL: Promovendo a Melhoria Contínua

Sistema de Avaliação em Produção Mais Limpa -SAPmaisL: Promovendo a Melhoria Contínua Sistema de Avaliação em Produção Mais Limpa -SAPmaisL: Promovendo a Melhoria Contínua R. F. W. Neetzow a, J. M. Oliveira b, e A. V. Souza c a. Centro Nacional de Tecnologias Limpas SENAI,Rio Grande do

Leia mais

Produção Mais Limpa, Inovação em Processo e Benefício Ambiental: Um Estudo de Caso em uma Indústria do Polo Metal- Mecânico da Serra Gaúcha

Produção Mais Limpa, Inovação em Processo e Benefício Ambiental: Um Estudo de Caso em uma Indústria do Polo Metal- Mecânico da Serra Gaúcha Produção Mais Limpa, Inovação em Processo e Benefício Ambiental: Um Estudo de Caso em uma Indústria do Polo Metal- Mecânico da Serra Gaúcha E. A. Severo a, J. C. F. Guimarães b, M. R. da Cruz c, E. Dorion

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

Produção Mais Limpa. Votorantim Celulose e Papel Unidade Jacareí. Novembro 07

Produção Mais Limpa. Votorantim Celulose e Papel Unidade Jacareí. Novembro 07 Produção Mais Limpa Votorantim Celulose e Papel Unidade Jacareí Novembro 07 1. Institucional 2. PNUMA Produção Mais Limpa 3. Sustentabilidade VCP 4. Implantação dos Projetos na VCP 5. Resultados INSTITUCIONAL

Leia mais

www.acquasolution.com 1 Apresentação

www.acquasolution.com 1 Apresentação www.acquasolution.com 1 Apresentação A COR DO PLANETA DEPENDE DE VOCÊ www.acquasolution.com 2 Direitos de Utilização Copyright Todos os textos, fotos, ilustrações e outros elementos contidos nesta apresentação

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA.

ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA. ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA. Nilton de Paula da Silva 1 Ederaldo Godoy Junior 2 José Rui

Leia mais

Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX

Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX São Carlos, 31 de Janeiro de 2011. PROJETO REUSO DE ÁGUA - ELECTROLUX 1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: Electrolux do Brasil S/A Unidade: São Carlos

Leia mais

Telefones: (31) 3471-9659/8896-9659 E-mail: vendas@marcosultoria.com Site: www.marconsultoria.com

Telefones: (31) 3471-9659/8896-9659 E-mail: vendas@marcosultoria.com Site: www.marconsultoria.com Telefones: (31) 3471-9659/8896-9659 E-mail: vendas@marcosultoria.com NOSSA EMPRESA A MAR Consultoria Ambiental, sediada em Belo Horizonte, Minas Gerais, foi criada em 2002 para atender às lacunas existentes

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLOGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS AMBIENTAIS

UNIVERSIDADE TECNOLOGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS AMBIENTAIS UNIVERSIDADE TECNOLOGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS AMBIENTAIS RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Bruna Cristina Vieira Lopes CURITIBA JUNHO, 2013 1 BRUNA

Leia mais

Gerenciamento de resíduos do laboratório de Físico-química da CHESF

Gerenciamento de resíduos do laboratório de Físico-química da CHESF Artigo técnico Gerenciamento de resíduos do laboratório de Físico-química da CHESF Antônio Carlos Duarte-Coêlho¹, Eleonora Maria Pereira de Luna Freire¹, Andréa Selene Embirassú Xavier Stragevitch¹, Djalma

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO FORMAÇÃO DE ESPECIALISTA EM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO FORMAÇÃO DE ESPECIALISTA EM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO PARTE I INTRODUÇÃO AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO Módulo 01: Generalidades (10 horas). o Sistema de Gestão: o que é e quais os benefícios? o Qualidade o Ambiental o Saúde e Segurança no Trabalho o Sistema

Leia mais

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto GESTÃO AMBIENTAL ISO 14000 Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto 1 A evolução do pensamento ambiental Crescimento é o que importa (que venha a poluição...) Conscientização (década

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO. Cristiane Lovison

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO. Cristiane Lovison UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE ENGENHARIA E ARQUITETURA CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL Cristiane Lovison PROPOSTA DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA APLICADA A ABATEDOURO VISANDO MELHOR USO DA ÁGUA E REÚSO

Leia mais

MERCADO DE CARBONO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

MERCADO DE CARBONO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO MERCADO DE CARBONO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO III SISCA 21 e 22 de agosto de 2013 Felipe Jané Bottini Green Domus Desenvolvimento Sustentável felipe@greendomus.com.br +55 (11) 5093 4854 http://storymaps.esri.com//globalfootprint/

Leia mais

Educação Ambiental na Educação Profissional: A Implantação de um Programa de Gestão em Produção mais Limpa Utilizando a Dinâmica Fun Factory.

Educação Ambiental na Educação Profissional: A Implantação de um Programa de Gestão em Produção mais Limpa Utilizando a Dinâmica Fun Factory. Educação Ambiental na Educação Profissional: A Implantação de um Programa de Gestão em Produção mais Limpa Utilizando a Dinâmica Fun Factory. ORDAKOWSKI, Suliany Marcelino; VON MÜHLEN, Carin. SÚMULA Considerando

Leia mais

Núcleo Setorial do Meio Ambiente da Associação Comercial e Industrial de Joinville (Núcleo X ACIJ)

Núcleo Setorial do Meio Ambiente da Associação Comercial e Industrial de Joinville (Núcleo X ACIJ) Fundação Empreender em Parceria com a Câmara de Artes e Ofícios de Munique e Alta Baviera Handwerkskammer für München und Oberbayern Núcleo Setorial do Meio Ambiente da Associação Comercial e Industrial

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ESTUDO DE CASO: LATICÍNIO DO COLÉGIO AGRÍCOLA ESTADUAL MANOEL RIBAS

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ESTUDO DE CASO: LATICÍNIO DO COLÉGIO AGRÍCOLA ESTADUAL MANOEL RIBAS GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ESTUDO DE CASO: LATICÍNIO DO COLÉGIO AGRÍCOLA ESTADUAL MANOEL RIBAS Ana Cláudia Ueda (*), Magali Bernardes Maganhini * Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Apucarana.

Leia mais

REUSO DA ÁGUA NA INDÚSTRIA DE COURO WATER REUSE IN LEATHER INDUSTRY RESUMO

REUSO DA ÁGUA NA INDÚSTRIA DE COURO WATER REUSE IN LEATHER INDUSTRY RESUMO REUSO DA ÁGUA NA INDÚSTRIA DE COURO WATER REUSE IN LEATHER INDUSTRY Evandro Oliveira Araujo Bacharel em Química - UNISALESIANO Flávio Policarpo Bacharel em Química - UNISALESIANO Rodolfo Correia da Silva

Leia mais

Reduction in Generation of Scrap Metal by Internal Reuse and External Recycling at Serralheria Montanheza

Reduction in Generation of Scrap Metal by Internal Reuse and External Recycling at Serralheria Montanheza Abstract Reduction in Generation of Scrap Metal by Internal Reuse and External Recycling at Serralheria Montanheza A. D. Bernardino a, E. N. Aqua b, L. R. S. Vieira c a. Centro Universitário UNA, Belo

Leia mais

DIRETORIA DE INOVAÇÃO E MEIO AMBIENTE DO SISTEMA FIRJAN CENTRO DE TECNOLOGIA AMBIENTAL

DIRETORIA DE INOVAÇÃO E MEIO AMBIENTE DO SISTEMA FIRJAN CENTRO DE TECNOLOGIA AMBIENTAL PROGRAMA DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA CASOS DE SUCESSO EM EMPRESAS SUSTENTÁVEIS Produção Mais Limpa: Aplicação contínua de estratégia econômica, ambiental e tecnológica não-geração não-geração reciclagem reciclagem

Leia mais

Quem somos DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS TRANSPOR TE DE PASSAGEIROS E CARGAS QUALIDADE SEGURANÇA- MEIO AMBIENTE - SAÚDE

Quem somos DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS TRANSPOR TE DE PASSAGEIROS E CARGAS QUALIDADE SEGURANÇA- MEIO AMBIENTE - SAÚDE Quem somos QUALIDADE SEGURANÇA- MEIO AMBIENTE - SAÚDE TRANSPOR TE DE PASSAGEIROS E CARGAS DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS Quem somos O mercado está cada dia mais competitivo e dentro deste cenário, nasce a

Leia mais

PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA

PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA 1- DO CURSO O Curso de Especialização em Gestão em Análise Sanitária destina-se a profissionais com curso superior em áreas correlatas

Leia mais

Manual do Empresário sobre Redução de Desperdícios em Micro e Pequenas Empresas

Manual do Empresário sobre Redução de Desperdícios em Micro e Pequenas Empresas Manual do Empresário sobre Redução de Desperdícios em Micro e Pequenas Empresas Metodologia Sebrae 5 Menos que São Mais - Redução de Desperdício SEBRAE/DF - Brasília/DF, 2003 1 INTRODUÇÃO Este Trabalho

Leia mais

1) Considerando os organismos de certificação acreditados pelo INMETRO defina:

1) Considerando os organismos de certificação acreditados pelo INMETRO defina: 1) Considerando os organismos de certificação acreditados pelo INMETRO defina: OCA OCS OCF 2- Considerando a sistemática de uma certificação de sistemas enumere de 1 à 6 a seqüência correta das etapas

Leia mais

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR 1 o SIMPÓSIO SINDIREPA-RS TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR Felipe Saviczki - cntl.att@senairs.org.br Engenheiro Ambiental Técnico de Desenvolvimento - Área de Consultoria

Leia mais

QUALIDADE AMBIENTAL E ATIVIDADE PORTUÁRIA NO BRASIL

QUALIDADE AMBIENTAL E ATIVIDADE PORTUÁRIA NO BRASIL QUALIDADE AMBIENTAL E ATIVIDADE PORTUÁRIA NO 1. avaliar o papel dos portos no desenvolvimento; 2. perceber o funcionamento da gestão ambiental no panorama internacional; 3. descrever o atual sistema portuário

Leia mais

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Projeto de Reuso de Água Eng. Juliano Saltorato Fevereiro 2008 1) Identificação da Empresa: Endereço completo

Leia mais

Sistemas para Gestão e Inovação

Sistemas para Gestão e Inovação Sistemas para Gestão e Inovação empresa A ACCION é uma empresa de software, inovação, relacionamento e suporte à gestão. O nome ACCION, tem origem na vocação de nossa empresa: AÇÃO! Nos segmentos que atuamos,

Leia mais

1. Canteiro de Obra Cajazeiras 02

1. Canteiro de Obra Cajazeiras 02 1. Canteiro de Obra Cajazeiras 02 A cidade de Cajazeiras, localizada no estado da Paraíba (PB), é um dos municípios no qual dispõe de boa estrutura para implantação de um dos três canteiros de obras que

Leia mais

Inovação Tecnológica Ambiental Workshop Inovações e Meio Ambiente. Belo Horizonte, 04 de outrubro de 2012

Inovação Tecnológica Ambiental Workshop Inovações e Meio Ambiente. Belo Horizonte, 04 de outrubro de 2012 Inovação Tecnológica Ambiental Workshop Inovações e Meio Ambiente Belo Horizonte, 04 de outrubro de 2012 Estrutura do Grupo Promon Engenharia Promon Logicalis Trópico Promon Novos Negócios Promon Meio

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 ZOOTECNIA/UFG DISCIPLINA DE GPA Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Introdução EVOLUÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL Passou por três grandes etapas: 1ª. Os problemas ambientais são localizados

Leia mais

Produção Mais Limpa no Setor de Fabricação de Artefatos de Couro: Panorâma e Considerações

Produção Mais Limpa no Setor de Fabricação de Artefatos de Couro: Panorâma e Considerações Produção Mais Limpa no Setor de Fabricação de Artefatos de Couro: Panorâma e Considerações K. M. C. Mattos a, M. R. Monteiro b a.centro de Caracterização e Desenvolvimento de Materias CCDM- UFSCar,São

Leia mais

Subsídios para o uso sustentável da água em uma indústria de laticínio de pequeno porte: avaliação do consumo e geração de efluentes

Subsídios para o uso sustentável da água em uma indústria de laticínio de pequeno porte: avaliação do consumo e geração de efluentes Subsídios para o uso sustentável da água em uma indústria de laticínio de pequeno porte: avaliação do consumo e geração de efluentes Subsidies for sustainable water use in a small dairy industry: assessment

Leia mais

Implementação da Produção mais Limpa Apoiada pela Metodologia 5S. Uma Proposta Metodológica.

Implementação da Produção mais Limpa Apoiada pela Metodologia 5S. Uma Proposta Metodológica. 1 Implementação da Produção mais Limpa Apoiada pela Metodologia 5S. Uma Proposta Metodológica. Sérgio Azevedo Sampaio - Bacharel em Ciências Econômicas - PUC-MG; Pós-graduado em Gestão Empresarial - FGV;

Leia mais

Reuso macroexterno: reuso de efluentes provenientes de estações de tratamento administradas por concessionárias ou de outra indústria;

Reuso macroexterno: reuso de efluentes provenientes de estações de tratamento administradas por concessionárias ou de outra indústria; Um local de grande potencialidade de reutilização de efluentes de ETE s é o setor industrial, afirma Giordani (2002), visto que várias fases dos processos produtivos podem aceitar águas de menor qualidade,

Leia mais

Figura 1 Nível de maturidade em gerenciamento de projetos PMI. Fonte: Estudo de Benchmarking do PMI (2013)

Figura 1 Nível de maturidade em gerenciamento de projetos PMI. Fonte: Estudo de Benchmarking do PMI (2013) A elevação da maturidade das organizações em gerenciamento de projetos tem sido muito vagarosa, pois como demonstra a figura 1, 82% das empresas respondentes ao Estudo de Benchmarking do PMI (2013) estão

Leia mais

CASO DE USO PARA ANÁLISE DE DOMINIO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE LEITE

CASO DE USO PARA ANÁLISE DE DOMINIO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE LEITE CASO DE USO PARA ANÁLISE DE DOMINIO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE LEITE Andrea C. A. Borim 1 Antônio M. Saraiva 2 José M. Fernandes 3 Carlos A. R. Pinto 4 RESUMO A busca pelo aumento da

Leia mais

Impactos ambientais e a produção de biodiesel em escala piloto

Impactos ambientais e a produção de biodiesel em escala piloto Impactos ambientais e a produção de biodiesel em escala piloto J. Kaercher a, R. C. S. Schneider a, R. A. Klamt a, W. L. T. Silva a, W. L. Schmatz a a. Universidade de Santa Cruz do Sul - UNISC, Rio Grande

Leia mais

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 CNPJ: 61.460.077/0001-39 / INSCR: 105.657.106.110 Gestão

Leia mais

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE 1 A ABRELPE Associação nacional, sem fins lucrativos, que congrega e representa as empresas prestadoras de serviços

Leia mais

UM ESTUDO DA PRODUÇÃO MAIS LIMPA NA GESTÃO AMBIENTAL

UM ESTUDO DA PRODUÇÃO MAIS LIMPA NA GESTÃO AMBIENTAL http://dx.doi.org/10.15202/10.15202/19811896.2015v20n39p52 UM ESTUDO DA PRODUÇÃO MAIS LIMPA NA GESTÃO AMBIENTAL José Luiz Fernandes 1 Eduardo Linhares Qualharini 2 Andréa Sousa da Cunha Fernandes 3 Marcelo

Leia mais

Certificação de Meios de Hospedagens

Certificação de Meios de Hospedagens Certificação de Meios de Hospedagens NBR 15401:2006 - Meios de Hospedagem Sistema de Gestão da Sustentabilidade Sistema A Norma NBR 15401:2006 Meios de Hospedagem Sistema de Gestão da Sustentabilidade

Leia mais

ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 4, DE 2013.

ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 4, DE 2013. ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 4, DE 2013. Institui a Política de Responsabilidade Socioambiental do Senado Federal. A COMISSÃO DIRETORA DO SENADO FEDERAL, no uso da competência que lhe foi conferida pelo

Leia mais

A LEGISLAÇÃO AMBIENTAL INCENTIVA MUDANÇAS E CRIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS.

A LEGISLAÇÃO AMBIENTAL INCENTIVA MUDANÇAS E CRIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS. A LEGISLAÇÃO AMBIENTAL INCENTIVA MUDANÇAS E CRIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS. Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Eng.ª Andressa Brandalise Unidade de Assessoria e Inovação Ambiental A legislação

Leia mais

YK Risk Consultoria em Gestão Empresarial Ltda. Apresentação Institucional v.3 (2014)

YK Risk Consultoria em Gestão Empresarial Ltda. Apresentação Institucional v.3 (2014) YK Risk Consultoria em Gestão Empresarial Ltda. Apresentação Institucional v.3 (2014) Quem somos? Uma empresa com foco na geração de valor com serviços em Gestão de Riscos associados à Sustentabilidade.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1 1 1. APRESENTAÇÃO O presente Termo de Referência visa orientar e fornecer subsídios para a elaboração e conseqüente implantação do Programa de Educação Ambiental (PEA) a ser apresentado à Coordenadoria

Leia mais

Associação Brasileira da Indústria Química INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL

Associação Brasileira da Indústria Química INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Associação Brasileira da Indústria Química INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Sumário da apresentação Desenvolvimento do ISA Indicadores de Sustentabilidade Ambiental Indicadores Sustentabilidade

Leia mais