Sistemática para Identificar e Analisar os Impactos Ambientais Gerados Durante o Processo Produtivo em Empresas de Pequeno Porte

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistemática para Identificar e Analisar os Impactos Ambientais Gerados Durante o Processo Produtivo em Empresas de Pequeno Porte"

Transcrição

1 Sistemática para Identificar e Analisar os s Ambientais Geras Durante o Processo Produtivo em Empresas de Pequeno Porte Tatiane Fernandes Zambrano, UFSCAR, Manoel Fernan Martins, UFSCAR, Resumo: Este trabalho foi realiza em seis empresas de pequeno porte da cidade de São Carlos SP. As empresas pesquisadas pertencem aos setores metalmecânico, alimentício, têxtil, de plásticos, uma empresa de kit para diagnóstico em laboratórios de análises clínicas e em uma marmoraria. A sistemática consiste no levantamento das entradas e saídas de cada etapa processo produtivo. Posteriormente, o risco ambiental causa pelas saídas processo foi analisa através méto FMEA. 1. INTRODUÇÃO Atualmente, as empresas de pequeno porte brasileiras representam 99% das empresas formais na indústria, comércio e serviços (SEBRA, 2004). Desta forma, pode se dizer que a maioria das empresas brasileiras é de pequeno porte. Assim, o impacto ambiental gera por estas empresas coletivamente é significativo. Por outro la, a maioria das pequenas e médias empresas (PMEs) vende seus produtos para as grandes empresas. Atualmente, parte significativa das grandes empresas já possui a certificação NBR ISO e começaram a exigila de seus forneceres. Desta forma, para as PMEs, a certificação ambiental significa o fortalecimento da sua imagem e a garantia de sua permanência na cadeia de suprimentos a qual pertence. Outro fator relevante para as pequenas empresas se adequarem ambientalmente é o fortalecimento da legislação ambiental brasileira. As empresas que estiverem constantemente avalian os seus processos em relação aos seus impactos ambientais, certamente estarão evitan problemas com os órgãos fiscalizares. Diante desta situação, este artigo objetiva propor uma sistemática para identificar e analisar os impactos ambientais geras durante o processo produtivo de empresas de pequeno porte. 2. PROPOSIÇÃO DA SISTEMÁTICA Inicialmente, a empresa deve analisar as entradas e as saídas de cada operação seu processo. As saídas que forem matériaprima ou produto fora de especificação, efluentes, rejeitos e ferramentas no final da vida útil devem ser analisadas. A Figura 1 ilustra a identificação das entradas e saídas das etapas processo. Matériasprimas ou produto em processo; Ferramentas; Óleos lubrificantes, Água; Energia elétrica. Etapas Processo Saídas Produto em processo; Produto nãoconforme, Ferramentas desgastadas; Efluentes; Rejeitos.

2 FIGURA 1: e saídas processo industrial. O próximo passo é a escolha de um méto para a análise s aspectos ambientais relacionas ao processo. Neste artigo foi utiliza o méto FMEA para análise das saídas das operações processo industrial porque este méto questiona a causa s problemas, recomenda ações para mitigar os impactos e fornece valores para os impactos, priorizan as decisões para minimizálos. Além de ser um méto de fácil utilização e pode ser entendi por vários funcionários da organização. Porém outros métos podem ser atas, contanto que a organização esteja constantemente levantan os seus impactos ambientais e atan ações para minimizálos. Paralelamente a análise s aspectos ambientais, a organização deve fazer um levantamento sobre a legislação ambiental aplicada a sua atividade para se adequar a estes requisitos. Finalmente, é necessário medir as saídas processo industrial que causem danos ao meio ambiente. Por exemplo: a quantidade de refugo e de produtos fora de especificação, a água e a energia elétrica consumidas durante o processo industrial, etc. A Figura 2 sintetiza a sistemática para identificar e analisar os impactos ambientais geras durante o processo produtivo de empresas de pequeno porte. Observação processo produtivo Determinação das entradas e saídas de cada etapa processo produtivo As saídas que são matériasprimas fora de especificação, ferramentas no final da vida útil, refugos ou efluentes devem ser analisadas. Levantamento sobre a legislação ambiental aplicada a empresa A empresa necessita se adequar à legislação Escolha méto de análise s aspectos ambientais. Sugerese o méto FMEA porque: Investiga o efeito e a causa s rejeitos; Os controles atuais da empresa; Propõe ações para mitigar os impactos ambientais Estabelece a ordem de prioridade para a implementação das ações Quantificar as saídas que possam causar dano ambiental

3 FIGURA 2: Sistemática para Análise s s Ambientais Processo Produtivo 2.1 Aplicação FMEA para Levantamento s s Ambientais O méto FMEA é utiliza para diagnosticar as falhas potenciais s produtos ou processos durante a concepção s mesmos ou para melhorar produtos ou processos já existentes. Porém, este artigo objetivou propor uma sistemática de análise s impactos ambientais baseada no méto FMEA. O FMEA pode ser utiliza para a identificação e análise s impactos ambientais porque para aplicálo é necessário definir de forma seqüencial as características s impactos ambientais, proporcionan, assim, um melhor entendimento das variáveis relacionadas ao impacto. O Quadro 1 ilustra o formulário utiliza para a aplicação FMEA. das Saídas Função QUADRO 1: Formulário FMEA. As colunas deste formulário foram preenchidas da seguinte forma: das saídas função : foram descritas as saídas e a sua função durante o processo produtivo; impacto ambiental : os impactos ambientais que ocorrem cotidianamente na empresa estudada foram classificas como real, por outro la, os impactos que possam vir a ocorrer foram classificas como potencial ; impacto ambiental : descrevemse os meios envolvis com o impacto ambiental, estes podem ser: a água, o solo e o ar; impacto ambiental : na maioria das vezes, a causa impacto ambiental é o descarte incorreto s resíduos e efluentes industriais; atuais : são as atitudes que a empresa pesquisada ata para impedir que ocorra o impacto ambiental. Quan a empresa não atar nenhuma atitude para mitigar o impacto, esta coluna estará em branco; As colunas S, O, D A e R representam a severidade, a ocorrência, a detecção, a abrangência impacto e o risco ambiental; : nesta coluna estão descritas as ações que as organizações deveriam atar para mitigar os impactos ambientais. Quan os controles atuais da organização forem julgas eficazes para mitigar os impactos ambientais não foram nenhuma ação. Para realizar uma análise s impactos ambientais, utilizan o FMEA, foi necessário adaptar os índices de severidade, ocorrência e detecção impacto ambiental, além disso, foi acrescenta o índice de abrangência impacto. Nos Quadros 2, 3, 4 e 5 estão descritos os índices atas.

4 QUADRO 2: Classificações de severidade. Severidade Alta: Produtos muito danosos ao meio ambiente que apresentem as características: corrosividade, reatividade, explosividade, toxicidade, inflamabilidade, patogenicidade e reatividade. Moderada: Produtos danosos ao meio ambiente que possuem longo tempo de decomposição, por exemplo: metais, vidros, plásticos. Também é considerada a utilização de recursos naturais. Baixa: Produtos pouco danosos ao meio ambiente que possuem curto tempo de decomposição. (Exemplos: papelão, tecis). Classificação QUADRO 3: Classificações de ocorrência de impactos ambientais reais. Ocorrência Classificação Alta: O impacto ambiental ocorre diariamente. 3 Moderada: O impacto ambiental ocorre mensalmente. 2 Baixa: O impacto ambiental ocorre semestralmente ou anualmente. 1 Atouse o índice de ocorrência igual a 1 para os impactos ambientais potenciais. QUADRO 4: Classificações de detecção. Detecção Classificação Baixa: Para detectar o impacto ambiental é necessária a utilização de tecnologias sofisticadas. 3 Média: O impacto ambiental é percebi com a utilização de medires simples. (Exemplos: hidrômetros, medir de energia 2 elétrica). Alta: O impacto ambiental pode ser percebi visualmente. 1 QUADRO 5: Classificações de abrangência de impactos ambientais. Abrangência Classificação O impacto ambiental ocorre fora s limites da organização. 3 O impacto ambiental ocorre dentro s limites da organização. 2 O impacto ambiental ocorre no local onde está sen realizada a operação ESTUDO DE CASO Para melhor ilustrar a aplicação da sistemática em uma empresa de pequeno porte, será detalha o estu completo realiza na indústria alimentícia, incluin o levantamento das

5 entradas e saídas processo produtivo e a utilização méto FMEA. Já, para as outras empresas onde foi aplicada a sistemática, somente será descrito o méto FMEA para as saídas de maior risco ambiental. 3.1 Empresa Setor Alimentício A empresa estudada se caracteriza pela fabricação de suco de laranja e óleos essenciais, ten vinte e seis funcionários. Basicamente, os produtos desta empresa são: Suco de laranja integral: constituí somente pelo suco da fruta. Este produto tem validade de 30 dias; Suco de laranja concentra: neste produto 80% da água suco integral é evaporada, ten validade de 24 meses quan manti congela a temperatura de 18ºC negativos; Óleo cítrico ou óleos essenciais: este produto pode ser extraí bagaço da laranja ou limão. No caso da empresa estudada, ela produz óleo extraí bagaço da laranja. Este produto pode ser utiliza pelas empresas de móveis, alimentos e cosméticos. Levantamento s aspectos ambientais As etapas de produção suco de laranja integral são: lavagem das laranjas in natura, extração, turbo filtragem, pasteurização e envase. Após a pasteurização, os sucos concentras ainda passarão pelas etapas de blender e evaporação da água e, finalmente, serão envasas. O levantamento s aspectos ambientais em cada etapa de produção suco de laranja está descrito nas Figuras, a seguir. Laranja in natura, com excremento de animais, poeira, resíduo de adubos, entre outros elementos alheios. Água clorada de 2,5 a 3 partes por milhão Energia Elétrica Lavagem com escovas e oito jatos de água de alta pressão. Inspeção visual de laranjas inadequadas Água com poeira, resíduo de adubos, etc encaminhada para a estação de tratamento de efluentes e retorna ao processo Laranjas inadequadas Encaminhadas para a produção de pectina cítrica. Laranjas em processo FIGURA 3: e saídas da operação de lavagem. Laranjas em processo Restritores (aço inoxidável) Tubos coares (aço inoxidável) Cortares (aço inoxidável) Energia Elétrica Protetor auditivo tipo concha Extratoras Saídas Suco + Polpa + Bagaço Restritores e tubos coares são recuperas e reutilizas Cortares encaminhas para empresa de coleta de lixo Protetor auditivo longo tempo de utilização

6 FIGURA 4: e saídas da operação de extração suco. Suco + Polpa + Restos de Bagaço Energia Elétrica Turbo Filtros Saídas Suco Estoque transitório Polpa e bagaço utilizas para produção de óleo essenciais, adubo, ração para animais FIGURA 5: e saídas da operação filtragem. Suco estoque transitório Saídas Suco integral Envase Energia Elétrica Vapor d água Lenha Pasteurização (94ºC) Suco que será concentra blender Evaporar Envase de 0 a 4ºC Produto é vendi ou estoca em câmara frigorífica a 18ºC FIGURA 6: e saídas da operação de pasteurização. O processo de pasteurização consiste em trocas térmicas entre vapor d água com o suco. O vapor d água é gera por caldeiras. Os forneceres de lenha, utilizada na caldeira, devem possuir cadastro no IBAMA e Certifica de Atividade mente Poluira CAPP. Por outro la, a empresa estudada também necessita ter um cadastro no bibama de consumira de lenha. As cinzas da caldeira são encaminhadas para aplicação agrícola. A etapa de blender consiste no ajuste, através da adição de suco, das características suco concentra. Estas características são: Brix: quantidade de sólis presentes no suco (quantidade da fruta); Acidez; Ratio: relação entre o Brix e a Acidez. A água evaporada resultante da fabricação suco concentra é reaproveitada para a lavagem das laranjas in natura. O levantamento s aspectos ambientais das etapas de produção s óleos essenciais está descrito nas Figuras 7 e 8. Bagaço Polpa Energia Elétrica Processo de Moagem Saídas Bagaço + Polpa moís

7 FIGURA 7: e saídas da operação de moagem. Bagaço + Polpa moís Energia Elétrica Centrífuga Saídas Bagaço + polpa usas como adubo Água vendida para ser reaproveitada Óleos essenciais FIGURA 8: e saídas da operação de centrífuga. Por outro la, as entradas e saídas da estação de tratamento de efluentes estão descritas na Figura 9: Efluentes resultantes processo de fabricação de suco Esgoto da empresa Produtos utilizas para correção de PH Energia Elétrica Estação de tratamento de efluentes Saídas Água limpa retorna ao processo e o excedente retorna a rede pública Lo utiliza como adubo nas fazendas grupo proprietário da empresa FIGURA 9: e saídas da estação de tratamento de efluentes.

8 Aplicação méto FMEA das Saídas Função Consumo de energia elétrica Consumo de água Lenha utiliza na caldeira Embalagens de matériaprima, insumos embalagens de papelão ou plásticos Cortares das extratoras peças de aço inox QUADRO 6: FMEA na empresa alimentícia. Utilização de recursos naturais A energia elétrica é utilizada na operação s equipamentos Utilização de recursos naturais Utilização s recursos naturais A água é utilizada no processo A lenha é utilizada para alimentar a caldeira A água é encaminhada para a estação de tratamento de efluentes e retorna ao processo. Somente o excedente retorna a rede pública A empresa estudada compra lenha de empresas cadastradas no IBAMA e também possui cadastro no IBAMA para utilizar lenha solo Uso de embalagens não retornáveis Estas embalagens são encaminhadas para a empresa de coleta de lixo solo Estas peças são encaminhadas para empresa de coleta de lixo Durante a limpeza diária, os cortares são verificas. Geralmente, a freqüência de troca é mensal Na compra de novos equipamentos, preferir os que consomem menos energia elétrica. Melhoria contínua s processos para minimizar o consumo de energia elétrica. Melhoria contínua s processos para minimizar o consumo de água. Investimento em pesquisa para substituir a lenha por outra fonte de energia ecologicamente correta As embalagens devem ser encaminhadas para a reciclagem Os cortares devem ser encaminhas para a reciclagem

9 das Saídas Função Óleo Mineral Utilizas como lubrificante Fumaça das caldeiras Vazamento de óleo lubrificante da embalagem Tubos coares e restritores das extratoras peças de aço inoxidável Lo da estação de tratamento de efluentes Bagaço + polpa Laranjas inadequadas para fabricação suco solo ar solo ou da Água QUADRO 6: FMEA na empresa alimentícia (cont.). O óleo é descarta solo da organização Embalagem danificada Eliminar de fuligem evita que as partes sólidas sejam descartadas para o ar. Posteriormente, estas são utilizadas como adubo De acor com a legislação, to o óleo já utiliza deve ser destina para o rerrefino em empresa cadastrada na Agência Nacional de Petróleo Instalação de uma barreira de contenção na área solo Retífica destes componentes para reutilizálos. Após a vida útil, estas peças são encaminhadas para reciclagem solo solo solo É utiliza como adubo nas fazendas de laranja proprietário da empresa. O lo não contém metais pesas Encaminhas para a produção de pectina cítrica ou ração animal Inspeção visual e análises físicoquímicas. As amostras destas análises são encaminhadas para a estação de tratamento de efluentes. As laranjas inadequadas são encaminhadas para a produção de pectina

10 3.2 Considerações sobre as empresas estudadas Estas considerações são sobre as empresas s setores metal mecânico, têxtil, de plástico de kits para diagnóstico e marmoraria. No Quadro 7, temse a caracterização das empresas estudadas. Empresa / Ano de Fundação Metal Mecânica / década de 70 Têxtil / década de 50 Plásticos / 1994 Kit para Diagnóstico / 1991 Marmoraria / 1973 QUADRO 7: Caracterização das Empresas Estudadas. Nº de Funcionários Produto 50 pinos para pistão Prestação serviço de tingimento de tecis de algodão e poliéster Tubos e mangueiras de Policloreto de Vinila (PVC), Kits para diagnóstico, com os componentes: Soro positivo (soro contamina com a ença que se irá pesquisar); Soro negativo (soro que não está contamina com a ença que se irá pesquisar); Antígeno que será adiciona ao soro paciente para a realização exame. Produção de pias, lavatórios, soleiras, escadas, mesas, jazis, pisos e revestimentos em geral. Etapas Processo Torneamento, centrífuga, tamborear, furação, retífica, aplicação de óleo protetivo e classificação. Costura s lotes de produção, limpeza e purga, tingimento, endireitamento teci na máquina hidroestratora, as etapas de secagem e compactação teci. Pesagem e mistura s insumos, extrusão e acabamento das extremidades tubo. Fabricação soro negativo: a diluição soro negativo, o controle de qualidade e a repartição da solução diluída nos frascos em que serão comercializas. Fabricação soro positivo e antígeno: a determinação título soro positivo ou da solução antígeno, a diluição soro positivo ou da solução antígeno, o controle de qualidade e a repartição da solução diluída nos frascos em que serão comercializas. Polimento da chapa de mármore ou granito (quan esta não é adquirida polida), corte da chapa e acabamento final. 3.3 Análise s impactos ambientais das empresas estudadas Em seguida, será realizada uma reflexão sobre os impactos ambientais diagnosticas nas empresas s setores metalmecânico, têxtil, de plásticos, de kits para diagnóstico e na marmoraria. Consumo de energia elétrica Nenhuma das empresas estudadas relataram a implementação de programas que visavam minimizar a quantidade de energia elétrica consumida.

11 Os exemplos de iniciativas para minimizar a quantidade de energia elétrica podem ser: Na compra de novos equipamentos, a empresa deve preferir os que consomem menor quantidade de energia elétrica; A organização deve atuar continuamente na melhoria de seus processos, visan minimizar a energia elétrica consumida; Substituição das lâmpadas incandescente por fluorescente; Conscientização s funcionários, quanto ao desperdiço de energia elétrica. Consumo de Água Em relação ao consumo de água pelo processo industrial, basicamente foram diagnosticas três posturas diferentes entre os empresários das empresas estudadas: As empresas de plásticos e a marmoraria tratavam a água e a reutilizavam internamente. Desta forma, a aplicação méto FMEA está descrito abaixo: das Saídas Função Consumo de água QUADRO 8: FMEA das empresas de plásticos e na marmoraria. Utilização de recursos naturais A água é utilizada no polimento e corte das chapas A água é encaminhada para uma estação de tratamento de efluentes e retorna ao processo S O D A R Melhoria contínua s processos para minimizar o consumo de água. Os fatores motivares relatas por estas empresas foram: cumprimento as exigências legais e economia de água. A empresa setor de plásticos citou que sem o tratamento e a reutilização da água o processo industrial seria inviável economicamente. A segunda postura encontrada entre as empresas estudadas, foi apenas o tratamento da água antes de retornála na rede pública, porém sem o reaproveitamento da mesma. Encontravase nesta situação a empresa têxtil. O exemplo FMEA da indústria têxtil está descrito a seguir: das Saídas Função Consumo de água QUADRO 9: FMEA da empresa têxtil. Utilização de recursos naturais A água é utilizada no processo A água é encaminhada para a estação de tratamento de efluentes e não retorna ao processo Melhoria contínua s processos para minimizar o consumo de água.

12 O fator motivar para o tratamento da água na indústria têxtil é a exigência legal. Por outro la, a empresa de kits para diagnósticos descontamina com hipoclorito os efluentes de seu processo para evitar uma possível contaminação da população, caso seus efluentes sejam descartas no esgoto sem tratamento. Na terceira postura encontra entre as empresas estudadas, foi a da empresa metalmecânica que não trata a água. Neste caso, a aplicação méto FMEA está descrito abaixo: das Saídas Função Água Misturada com os óleos QUADRO 10: FMEA da empresa metal mecânica. Utilização de recursos naturais Não há proteção nas máquinas para evitar o desperdício Fixação de proteção nas máquinas para que as gotas expelidas retornem ao processo. Melhoria contínua s processos para minimizar o consumo de água. Lo da estação de tratamento de efluentes A empresa setor têxtil dispõe o lo diretamente no solo. Já, as empresas de plásticos e a marmoraria encaminham o lo para a empresa de coleta e lixo da cidade. Ao contratar uma empresa para realizar o serviço de coleta de lixo, o empresário deve se certificar da ineidade da mesma. Uma das formas de verificar a responsabilidade da empresa contratada é checar junto à prefeitura, se esta empresa paga devidamente as taxas de utilização aterro sanitário municipal. A avaliação s impactos ambientais lo das estações de tratamento de efluentes das empresas têxtil, plásticos e marmoraria, respectivamente, está descrito no Quadro a seguir.

13 das Saídas Função Lo da estação de tratamento de efluentes da empresa têxtil Lo da estação de tratamento de efluentes da empresa de plásticos QUADRO 11: FMEA das empresas têxtil, plásticos e da marmoraria. solo solo Lo da estação de tratamento de efluentes da marmoraria solo O lo é descarta no solo. O lo não contém metais pesas Não há utilização para este material Não há utilização para este material O lo é seca e peneira. O material peneira retorna ao processo. O material reti na peneira é encaminha para empresa de coleta de lixo O lo é encaminha para empresa de coleta de lixo O lo deve ser destina a um aterro apropria que impeça a contaminação s lençóis freáticos. A empresa estudada deve se certificar que este resíduo foi destina a um aterro sanitário A empresa estudada deve se certificar que este resíduo foi destina a um aterro sanitário Atualmente, a disposição final s los das estações de tratamento de efluentes em aterros sanitários ainda é a única solução mais viável ecologicamente. Consumo de óleo lubrificante / refrigerante A empresa metalmecânica estudada se caracteriza por consumir grande quantidade de óleo refrigerante durante o processo de corte da matériaprima e da furação das peças. Durante a usinagem s produtos, o óleo refrigerante sofre degradação, assim, após a vida útil, estes óleos devem ser encaminhas para o rerrefino em uma empresa cadastrada na Agência Nacional de Petróleo (ANP). Porém, a empresa estudada não tem conhecimento destino final óleo. Também é importante lembrar que esta empresa desperdiça uma quantidade significativa de óleo refrigerante. Quan a fábrica é lavada este óleo é arrasta para o esgoto, causan um impacto ambiental significativo e infringin a legislação brasileira que proíbe o descarte de óleo em esgoto.

14 A aplicação méto FMEA para a empresa metalmecânica está representada no quadro a seguir. das Saídas Função QUADRO 12: FMEA da empresa metal mecânica. Óleo de corte desperdiça solo e da água Óleos de corte que já não podem ser reaproveitas da água ou solo Quan a fábrica é lavada, o óleo chão é arrasta para o esgoto O óleo não é encaminha para empresa cadastrada na Agência Nacional de Petróleo Encaminha para outra empresa. Não se tem conhecimento destino final óleo Instalação de uma estação de tratamento de efluentes De acor com a legislação, to o óleo já utiliza deve ser destina para o rerrefino em empresa cadastrada na ANP Por outro la, a empresa de plásticos retorna o óleo para o fornecer. Neste caso, o FMEA está representa no Quadro 13. das Saídas Função Óleo lubrificante utiliza na extrusora QUADRO 13: FMEA da empresa de plásticos. solo / água O Óleo é devolvi para o fornecer Embalagens de Matériaprima Em relação às embalagens de matériasprimas, as empresas estudadas tiveram três posturas distintas. As empresas metalmecânica, têxtil e da marmoraria descartam as embalagens de matériaprima em lixo comum. Neste caso, a aplicação méto FMEA está descrita no Quadro 14.

15 das Saídas Função Embalagens de insumos embalagens de papelão ou plástico QUADRO 14: FMEA das empresas metalmecânica, têxtil e da marmoraria. solo Uso de embalagens não retornáveis Estas embalagens são encaminhadas para a empresa de coleta de lixo Ambientais As embalagens devem ser encaminhadas para a reciclagem A empresa setor de plástico encaminha as embalagens de matériaprima para a reciclagem. Somente a embalagem estabilizante de sais de chumbo que é devolvida para o fornecer. Assim, o FMEA está descrito no Quadro 15. das Saídas Função Embalagem estabilizante de sais de chumbo Embalagens de matériaprima, insumos embalagens de papelão QUADRO 15: FMEA da empresa de plásticos. solo / água solo Estas embalagens são devolvidas para o fornecer Estas embalagens são encaminhadas para a reciclagem As embalagens de antígeno da empresa de kit para diagnóstico são consideradas como resíduos patogênicos. Assim, a avaliação impacto ambiental está descrito abaixo. das Saídas Função Embalagens insumo: Antígeno garrafas plásticas ou de vidro QUADRO 16: FMEA da empresa de kits para diagnóstico. solo As garrafas passam pelo processo de autoclave e são descartadas como resíduos de saúde

16 Resíduos Patogênicos A empresa de kits para diagnóstico trabalha com materiais patogênicos. Desta forma, os rejeitos s testes de qualidade são descontaminas com hipoclorito e descartas no esgoto. Esta procedimento é viável porque a quantidade destes rejeitos é praticamente insignificante para causar qualquer ença nos seres vivos ou prejuízos ao meio ambiente. Por outro la, os kits com o prazo de validade venci passam pelo processo de autoclave. Posteriormente, estes resíduos são embalas em sacos plásticos brancos leitosos e são descartas como resíduos de saúde. Esta empresa estudada se preocupou em verificar, junto à prefeitura de São Carlos, a ineidade da empresa contratada para a coleta s resíduos de saúde. Além disso, a empresa de kits para diagnóstico possui um contrato com a empresa de coleta destes resíduos especifican as responsabilidades da mesma. das Saídas Função Rejeitos s testes de controle de qualidade s kits Kits com prazo de validade venci QUADRO 17: FMEA da empresa de kits para diagnóstico. da água solo e da água Kits que foram fabricas, porém não foram vendis Estes rejeitos são descontaminas com hipoclorito e descartas no esgoto O kit é inseri em uma autoclave para descontaminação, posteriormente é descarta como resíduo de saúde Conclusão O principal objetivo deste artigo foi propor uma sistemática para identificar e analisar os impactos ambientais geras durante o processo produtivo de empresas de pequeno porte. Esta sistemática pode ser utilizada como uma referência para os pequenos empresários começarem a diagnosticar os impactos ambientais de seus processos produtivos. A importância desta sistemática está no fato da mesma focar os pequenos empresários, tentan sensibilizálos quanto à questão ambiental. Convém lembrar que a maioria das empresas brasileiras é de pequeno porte, assim o impacto ambiental gera por estas empresas coletivamente é significativo. Por outro la, após a realização das visitas nas empresas foi possível concluir que os pequenos empresários entrevistas ainda não possuem uma forte preocupação na adequação ambiental de seus processos. As ações que estas empresas realizaram para minimizar os impactos ambientais de seus processos tiveram como fatores motivares: a preocupação em atender as exigências órgão fiscalizar e o retorno financeiro. Esta conclusão se deve ao fato de que as empresas pesquisadas citaram várias vezes que tratavam a água ou encaminharam seus resíduos para a reciclagem porque o órgão fiscalizar exigia ou porque tal ação gerava um retorno financeiro satisfatório.

Identificação e análise dos impactos ambientais das pequenas indústrias de São Carlos SP

Identificação e análise dos impactos ambientais das pequenas indústrias de São Carlos SP Identificação e análise dos impactos ambientais das pequenas indústrias de São Carlos SP Tatiane Fernandes Zambrano (UFSCar) tatiane@dep.ufscar.br Manoel Fernando Martins (UFSCar) manoel@power.ufscar.br

Leia mais

Utilização do método FMEA para avaliação do risco ambiental

Utilização do método FMEA para avaliação do risco ambiental Utilização do método FMEA para avaliação do risco esumo Tatiane Fernandes Zambrano Manoel Fernando Martins Este artigo objetiva apresentar a utilização do método FMEA para avaliação do risco durante o

Leia mais

IV Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí IV Jornada Científica 6 a 9 de Dezembro de 2011

IV Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí IV Jornada Científica 6 a 9 de Dezembro de 2011 AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS GEADOS NO LATICÍNIO DO IFMG-CAMPUS BAMBUÍ UTILIZANDO O MÉTODO FMEA Lucélia Costa OLIVEIA 1 ; Pedro Henrique esende CAVALHO 2 ; Maria Cristina da Silva BABOSA 3 ; Anne

Leia mais

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR 1 o SIMPÓSIO SINDIREPA-RS TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR Felipe Saviczki - cntl.att@senairs.org.br Engenheiro Ambiental Técnico de Desenvolvimento - Área de Consultoria

Leia mais

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. Copyright Ecovalor Consultoria

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO UNIVERSIDADE DE CAIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Produção mais Limpa: O Caso do Arranjo Produtivo Local Metal-Mecânico Mecânico Automotivo da Serra Gaúcha Eliana Andréa

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS

AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS 182 AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS Nagiélie Muara SILVA 1* ; Camilla Stheffani Oliveira Machado 2 ; Maria Cristina Rizk 3 1,2 Discente em Engenharia Ambiental pela Universidade

Leia mais

Aspectos e Impactos Ambientais

Aspectos e Impactos Ambientais PÁGINA: 1/18 1 OBJETIVO Estabelecer e garantir uma sistemática para identificar, avaliar e gerenciar os aspectos e impactos ambientais das atividades, produtos ou serviços, da empresa x que possam ser

Leia mais

Gestão Ambiental Resíduo Hospitalar. Gizelma de A. Simões Rodrigues

Gestão Ambiental Resíduo Hospitalar. Gizelma de A. Simões Rodrigues Gestão Ambiental Resíduo Hospitalar Gizelma de A. Simões Rodrigues SBS Hospital Sírio Libanês Instituição Filantrópica de saúde, ensino e pesquisa. Hospital de alta complexidade Matriz 172.000 m² 5.900

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA Agosto de 2009 Revisão 05 INDICE 1. Apresentação... 03 2. Política da Qualidade e Ambiental da Sultécnica... 03 3. Expectativa para Fornecedores...

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções Kit de Instrumental para Cirurgia do Túnel do Carpo VOLMED Nome Técnico: KIT CIRÚRGICO Fabricante: VOLMED BRASIL EQUIPAMENTOS LTDA -ME AV. SÃO GABRIEL, 291 JD. PAULISTA CEP: 13574-540

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A COLETA SELETIVA DO LIXO E DICAS DE CONSUMO CONSCIENTE

INSTRUÇÕES PARA A COLETA SELETIVA DO LIXO E DICAS DE CONSUMO CONSCIENTE 12:43 Page 1 INSTRUÇÕES PARA A COLETA SELETIVA DO LIXO E DICAS DE CONSUMO CONSCIENTE Jardins é Page 2 LIXO UM PROBLEMA DE TODOS Reduzir a quantidade de lixo é um compromisso de todos. Uma pessoa é capaz

Leia mais

C a m p a n h a I n s t I t u C I o n a l

C a m p a n h a I n s t I t u C I o n a l Viva Melhor! Campanha Institucional CAMPANHA VIVA MELHOR! Camisetas garrafa squeeze saco lixo para carro FOLHETO PROMOCIONAL CAMPANHA Viva Melhor! JUNTOS, PODEMOS CONSTRUIR UM CAMINHO MAIS SOLIDÁRIO E

Leia mais

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência Página 1 de 9 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 01 20/05/2009 30/09/2009 16/12/09 Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA PREENCHIMENTO DA PLANILHA TRIMESTRAL DE RESÍDUOS ENTREGA ANUAL DA SEMMA (JANEIRO DE CADA ANO)

MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA PREENCHIMENTO DA PLANILHA TRIMESTRAL DE RESÍDUOS ENTREGA ANUAL DA SEMMA (JANEIRO DE CADA ANO) MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA PREENCHIMENTO DA PLANILHA TRIMESTRAL DE RESÍDUOS ENTREGA ANUAL DA SEMMA (JANEIRO DE CADA ANO) CÓD. MAN01 ESCLARECIMENTOS INICIAIS Em nível municipal, além da necessidade de se

Leia mais

LICENÇA DE OPERAÇÃO Regularização

LICENÇA DE OPERAÇÃO Regularização LO N : 0001/2013. A Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente, criada pela Lei Municipal n 368 de 20/05/77, no uso das atribuições que lhe confere a Lei n 6.938, de 31/08/81, que dispõe sobre

Leia mais

RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS

RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS 2.1 - Algumas Definições A idéia de se aproveitar resíduos não é nova; ela tem, contudo, se estabelecido de forma expressiva, não só por razões econômicas, mas

Leia mais

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico. Rua Dr. Elton César, 121 Campinas /SP

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico. Rua Dr. Elton César, 121 Campinas /SP Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Nome do Fabricante: CEVAC S Gallinarum CNN Laboratório Veterinário Ltda Rua Dr. Elton César, 121 Campinas /SP Nome do Distribuidor

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013.

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. BOAS PRÁTICAS PARA COMÉRCIO AMBULANTE DE ALIMENTOS A Secretaria do

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 418, DE 2011 Proíbe o envasamento e a comercialização de bebida em embalagem PET e dá providências correlatas Autor: Deputado

Leia mais

USINA DE ÁLCOOL: IMPACTOS AMBIENTAIS NEGATIVOS E MEDIDAS PARA PRODUÇÃO MAIS LIMPA

USINA DE ÁLCOOL: IMPACTOS AMBIENTAIS NEGATIVOS E MEDIDAS PARA PRODUÇÃO MAIS LIMPA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 149 USINA DE ÁLCOOL: IMPACTOS AMBIENTAIS NEGATIVOS E MEDIDAS PARA PRODUÇÃO MAIS LIMPA Aline da Silva Leonardo¹; Carolina

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos

Gerenciamento de Resíduos Gerenciamento de Resíduos ANVISA RDC 306/04 - REGULAMENTO TÉCNICO PARA GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE SAÚDE veronica.schmidt@ufrgs.br O perigo do lixo hospitalar. Resíduos biológicos - culturas de microrganismos

Leia mais

É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto.

É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto. É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto. REDUZIR REUTILIZAR RECUPERAR RECICLAR A redução deve ser adaptada por

Leia mais

ECONOMIA DE ENERGIA ELETRICA COM USO RACIONAL DE AR COMPRIMIDO

ECONOMIA DE ENERGIA ELETRICA COM USO RACIONAL DE AR COMPRIMIDO ECONOMIA DE ENERGIA ELETRICA COM USO RACIONAL DE AR COMPRIMIDO CONSUMO DE ENERGIA E AR COMPRIMIDO NA INDÚSTRIA Consumo de Energia 20% 50% 30% Fornec.de ar Refrigeração Outros Consumo de Ar Comprimido 10%

Leia mais

Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida.

Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida. Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida. O sistema de gerenciamento ambiental está se tornando cada vez mais uma prioridade na gestão das empresas. Em diversas

Leia mais

COLETA SELETIVA PRATIQUE ESTA IDEIA

COLETA SELETIVA PRATIQUE ESTA IDEIA COLETA SELETIVA PRATIQUE ESTA IDEIA O QUE É? Coleta seletiva é o processo de separação dos materiais recicláveis do restante dos resíduos sólidos. Como definição de resíduos sólidos, pelo Wikipédia, entende-se

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS No momento em que se decide ter uma Indústria Cosmética um dos fatores preponderantes é providenciar as diversas licenças requeridas que

Leia mais

Projeto Oficina Verde

Projeto Oficina Verde 2009 Projeto Oficina Verde PROJETO OFICINA VERDE Responsáveis: Daniel Filipe, Glauber Franco e Alexandre Xavier Centro de Experimentação e Segurança Viária CESVI BRASIL S/A I.Q.A Instituto de Qualidade

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 4.194, DE 2012 (Do Sr. Onyx Lorenzoni)

PROJETO DE LEI N.º 4.194, DE 2012 (Do Sr. Onyx Lorenzoni) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 4.194, DE 2012 (Do Sr. Onyx Lorenzoni) Dispõe sobre obrigatoriedade da fabricação, distribuição e utilização de sacolas plásticas fabricadas em material degradável

Leia mais

Eixo Temático ET-01-001 - Gestão Ambiental

Eixo Temático ET-01-001 - Gestão Ambiental Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - Vol. 2: Congestas 214 ISSN 2318-763 21 Eixo Temático ET-1-1 - Gestão Ambiental IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL EM UMA

Leia mais

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA PROGRAMA DE COLETA SELETIVA PROGRAMA DE COLETA SELETIVA Usando Bem Ninguém Fica Sem. PROGRAMA DE COLETA SELETIVA 1. O QUE É COLETA SELETIVA 2. DESTINO FINAL DO LIXO DE SÃO PAULO 3. COMPOSIÇÃO DO LIXO SELETIVO

Leia mais

Guia de sustentabilidade para plásticos

Guia de sustentabilidade para plásticos Guia de sustentabilidade para plásticos Maio 2014 1 2 3 4 5 6 7 8 Introdução... 4 Contextualização dos plásticos... 6 Composição dos móveis e utensílios de plásticos...7 Requerimentos para materiais que

Leia mais

A gestão de resíduos na UNISINOS atendendo aos requisitos da ISO 14.001:2004. Palestrante: Dra. Luciana Paulo Gomes, UNISINOS lugomes@unisinos.

A gestão de resíduos na UNISINOS atendendo aos requisitos da ISO 14.001:2004. Palestrante: Dra. Luciana Paulo Gomes, UNISINOS lugomes@unisinos. A gestão de resíduos na UNISINOS atendendo aos requisitos da ISO 14.001:2004 Palestrante: Dra. Luciana Paulo Gomes, UNISINOS lugomes@unisinos.br 1 LIVRO: Gestão de Resíduos em Universidades 1. Como foi

Leia mais

Plano Escrito de Procedimentos. Monitorização Ações corretivas Verificação Registros

Plano Escrito de Procedimentos. Monitorização Ações corretivas Verificação Registros Profª Celeste Viana Plano Escrito de Procedimentos (requisitos das BPF) Monitorização Ações corretivas Verificação Registros PPHO 1 Potabilidade da água PPHO 2 PPHO 3 PPHO 4 PPHO 5 PPHO 6 Higiene das superfícies

Leia mais

Prof. Paulo Medeiros

Prof. Paulo Medeiros Prof. Paulo Medeiros Em 2010 entrou em vigor no Brasil a lei dos Resíduos Sólidos. Seu objetivo principal é diminuir a destinação incorreta de resíduos ao meio ambiente. Ela define que todas as indústrias,

Leia mais

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários.

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Nº PROCESSO REQUERIMENTO RAZÃO SOCIAL IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO NOME DE FANTASIA NÚMERO DO CNPJ NÚMERO ÚLTIMO

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO NATAL/RN OUT/2013 GERENCIAMENTO DOS RSS PROCEDIMENTOS PLANEJADOS E IMPLEMENTADOS minimizar a produção na fonte, destinar e dispor com segurança Planejamento

Leia mais

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Central de Material Esterilizado. 11.8x. março de 2015 Versão: 3.0

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Central de Material Esterilizado. 11.8x. março de 2015 Versão: 3.0 TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Central de Material Esterilizado 11.8x março de 2015 Versão: 3.0 1 Sumário 1 Objetivos... 4 2 Introdução... 4 3 Cadastros... 5 3.1 Cadastros de Unidades de CME...

Leia mais

CONDIÇÕES DE ENTREGA/RECEPÇÃO DO SERVIÇO EXTRA URBANO

CONDIÇÕES DE ENTREGA/RECEPÇÃO DO SERVIÇO EXTRA URBANO SERVIÇO EXTRA URBANO O Serviço extra Urbano corresponde ao serviço a ser prestado aos produtores de resíduos não urbanos de embalagens, de forma a garantir a esses produtores um destino final adequado

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NORMAS ISO 14000 CONCEITOS A preocupação com a estabilidade das linhas tênues de amarração dos ecossistemas conduz os estudiosos a analisar os fatores que podem gerar a ruptura desses sistemas. GESTORES

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA. Preciso de informações sobre reciclagem de thinner, fabricante de máquinas para reciclagem e viabilidade.

RESPOSTA TÉCNICA. Preciso de informações sobre reciclagem de thinner, fabricante de máquinas para reciclagem e viabilidade. RESPOSTA TÉCNICA Título Reciclagem de Thinner Resumo Informações de como é feita a reciclagem de solventes orgânicos como o thinner, fornecedores de equipamentos para reciclagem dos mesmos e viabilidade

Leia mais

Reciclagem de plásticos e a melhoria da qualidade de água em mananciais urbanos

Reciclagem de plásticos e a melhoria da qualidade de água em mananciais urbanos Reciclagem de plásticos e a melhoria da qualidade de água em mananciais urbanos Curso: Engenharia Ambiental Aluno: André Lenz de Freitas Disciplina: Ecologia Geral Professor: Ricardo Motta Pinto Coelho

Leia mais

1. OBJETIVO 2. APLICAÇÃO 3. REFERÊNCIAS 4. DEFINIÇÕES E ABREVIAÇÕES GESTÃO DE RESÍDUOS

1. OBJETIVO 2. APLICAÇÃO 3. REFERÊNCIAS 4. DEFINIÇÕES E ABREVIAÇÕES GESTÃO DE RESÍDUOS Versão: 03 Página 1 de 6 1. OBJETIVO Estabelecer as diretrizes para a segregação, coleta e transporte interno, armazenamento temporário, transporte e destinação dos resíduos sólidos gerados, de acordo

Leia mais

CATÁLOGO INSTITUCIONAL SET. 2008 CATÁLOGO INSTITUCIONAL MEGAFORT INDUSTRIAL HIDRÁULICA LTDA. CILINDROS HIDRÁULICOS

CATÁLOGO INSTITUCIONAL SET. 2008 CATÁLOGO INSTITUCIONAL MEGAFORT INDUSTRIAL HIDRÁULICA LTDA. CILINDROS HIDRÁULICOS CATÁLOGO INSTITUCIONAL SET. 2008 CATÁLOGO INSTITUCIONAL MEGAFORT INDUSTRIAL HIDRÁULICA LTDA. CILINDROS HIDRÁULICOS Em processo de certificação ISO-9001/2000 A EMPRESA Estamos apresentando a MEGAFORT INDUSTRIAL

Leia mais

EMPRESA 1) DADOS CADASTRAIS ATIVIDADE: COMÉRCIO ATACADISTA DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS, ADUBOS, FERTILIZANTES E CORRETIVOS DO SOLO

EMPRESA 1) DADOS CADASTRAIS ATIVIDADE: COMÉRCIO ATACADISTA DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS, ADUBOS, FERTILIZANTES E CORRETIVOS DO SOLO EMPRESA 1) ATIVIDADE: COMÉRCIO ATACADISTA DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS, ADUBOS, FERTILIZANTES E CORRETIVOS DO SOLO ENDEREÇO: RUA RIO GRANDE DO SUL, 1200, CENTRO, IVAIPORÃ- PR NUMERO DE FUNCIONÁRIOS: 6 AREA

Leia mais

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida.

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Plástico é Energia Esta cidade que você está vendo aí de cima tem uma população aproximada de 70.000 mil habitantes e

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA GERACÃO, TRATAMENTO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS GERADOS NAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO PARANÁ BRASIL.

DIAGNÓSTICO DA GERACÃO, TRATAMENTO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS GERADOS NAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO PARANÁ BRASIL. DIAGNÓSTICO DA GERACÃO, TRATAMENTO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS GERADOS NAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO PARANÁ BRASIL. Silvia de Veras Néri Rosilea França Garcia UNOCHAPECÓ-CHAPECÓ-SC-BRASIL

Leia mais

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 Dispõe sobre a coleta, armazenamento e destinação de embalagens plásticas de óleo lubrificante pós-consumo no Estado do Paraná. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS

Leia mais

PROCEDIMENTO MEIO AMBIENTE IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS DO SGA

PROCEDIMENTO MEIO AMBIENTE IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS DO SGA 1. ESCOPO Identificar e classificar os aspectos ambientais das atividades, produtos e serviços da XXXX, visando estabelecer quais causam ou poderão causar impactos ambientais significativos. 2. DEFINIÇÕES

Leia mais

Preservação do meio ambiente

Preservação do meio ambiente Preservação do meio ambiente Introdução: Este texto, visando a preservação do ambiente em que vivemos, traz atitudes fáceis e práticas que você mesmo pode tomar para tornar o mundo um lugar mais agradável

Leia mais

Iniciativas de Produção Mais Limpa na Indústria de Petróleo e Gás. Daniela Machado Zampollo Lucia de Toledo Camara Neder

Iniciativas de Produção Mais Limpa na Indústria de Petróleo e Gás. Daniela Machado Zampollo Lucia de Toledo Camara Neder Iniciativas de Produção Mais Limpa na Indústria de Petróleo e Gás Daniela Machado Zampollo Lucia de Toledo Camara Neder Sumário A Empresa - Petrobras A Exploração e Produção de Óleo e Gás Gestão Ambiental

Leia mais

Descrição do Processo

Descrição do Processo Descrição do Processo Terminais Quebrador de vidro e bacia de vidro Pós-tratamento Unidade de filtração A primeira parte do processo é a colocação manual das lâmpadas na rampa de recepção. Terminais Os

Leia mais

1 st Internacional Workshop Advances in Cleaner Production IV Semana Paulista de P+L

1 st Internacional Workshop Advances in Cleaner Production IV Semana Paulista de P+L 1 st Internacional Workshop Advances in Cleaner Production IV Semana Paulista de P+L Centro SENAI de Produção Mais Limpa Cleaner Production Center - CPC 21-23 de Novembro de 2007 São Paulo O objetivo do

Leia mais

CAS Nome Químico Concentração (%) Solvente de Petróleo < 50,00 Gás Propelente < 50,00

CAS Nome Químico Concentração (%) Solvente de Petróleo < 50,00 Gás Propelente < 50,00 Nome do Produto: Limpa Contato GT2000 Gold Inflamável 306ml/200g Página 1 de 7 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 1.1 Nome Comercial: Limpa Contato GT2000 Gold Inflamável 306ml / 200g 1.2 Código de

Leia mais

O poder. proteger. para. mundo. o seu. 3M Cuidado Institucional. Sorbents

O poder. proteger. para. mundo. o seu. 3M Cuidado Institucional. Sorbents 3M Cuidado Institucional Sorbents O poder para proteger o seu mundo A 3M é pioneira no conceito de microfibra e polipropileno, com mais de 25 anos de experiência na fabricação de respiradores descartáveis.

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes revista especializada em tratamento de DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS ULTRAVIOLETA Sistema de decantação Ação dos decantadores em tratamento de água Fenasan 2013 9 772236 261064 junho/julho-2013

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Comercial do produto: CJI MASTER HARD SS Nome da empresa: Endereço: Rua Hermínio Poltroniere, 198

Leia mais

COMPLEXO AMBIENTAL DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA

COMPLEXO AMBIENTAL DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA COMPLEXO AMBIENTAL FIAT DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA VALORES EQUIPE DA GESTÃO AMBIENTAL ALTA ADMINISTRAÇÃO ENGENHARIA AMBIENTAL e ENERGIA U. OP. PRENSAS U. OP. FUNILARIA

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UMA INDÚSTRIA ALIMENTÍCIA

CARACTERIZAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UMA INDÚSTRIA ALIMENTÍCIA 1 CARACTERIZAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UMA INDÚSTRIA ALIMENTÍCIA Caroline Sartori dos Santos 1, Débora Stevens 2 & Cátia Viviane Gonçalves 3 Resumo: O gerenciamento de resíduos sólidos

Leia mais

o ojet Pr a Consciênci 1 Resíduos

o ojet Pr a Consciênci 1 Resíduos Projeto Consciência Resíduos 1 Qual é a diferença entre resíduo e lixo? 2 Qual é a diferença entre resíduo e lixo? Resíduo pode ser considerado qualquer material que sobra após uma ação ou processo produtivo.

Leia mais

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini O lixo é conhecido como os restos das atividades humanas considerados inúteis, indesejáveis e descartáveis. No entanto, separado nos seus

Leia mais

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO. Preparado: Yes Este produto é uma composição de óleos lubrificantes e aditivos.

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO. Preparado: Yes Este produto é uma composição de óleos lubrificantes e aditivos. FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO Accu-Lube LB-4500 CÓDIGO FISPQ-0505 REVISÃO 3 EMISSÃO 27/12/2010 APROVAÇÃO 27/12/2010 Page 1 of 5 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

CONHEÇA O SISTEMA HIDRÁULICO DE UMA PISCINA

CONHEÇA O SISTEMA HIDRÁULICO DE UMA PISCINA TRATAMENTO FÍSICO Consiste na remoção de todas impurezas físicas visíveis na água ou depositadas nas superfícies internas das piscinas, como por exemplo, as folhas, os insetos, poeiras, argila, minerais

Leia mais

REDUZIR REUTILIZAR RECICLAR. O caminho para um futuro melhor.

REDUZIR REUTILIZAR RECICLAR. O caminho para um futuro melhor. R R R REDUZIR REUTILIZAR RECICLAR O caminho para um futuro melhor. A FGR se preocupa com o planeta. v Reduza o quanto puder; Reutilize tudo que puder; Recicle o máximo que puder. 2 A qualidade de vida

Leia mais

PROJETO AMIGOS DO PLANETA. Autor. Rose Mariah de Souza Ferreira. Gestora Ambiental

PROJETO AMIGOS DO PLANETA. Autor. Rose Mariah de Souza Ferreira. Gestora Ambiental PROJETO AMIGOS DO PLANETA Autor Rose Mariah de Souza Ferreira Gestora Ambiental Gravataí, março de 2011. Introdução Pensar em tornar o ambiente em que se vive sustentável, é direcionar ações capazes de

Leia mais

Eloisa Maria Wistuba Dezembro/2014

Eloisa Maria Wistuba Dezembro/2014 Eloisa Maria Wistuba Dezembro/2014 1. Marcos legais no município 2. Resoluções Conselho Nacional do Meio Ambiente 3. Classificação dos resíduos de construção civil 4. Plano Integrado de Gerenciamento de

Leia mais

GB ECO Solutions. especialista em soluções ambientais para um PLANETA SUSTENTÁVEL. Reuso e Aproveitamento de Água da Chuva

GB ECO Solutions. especialista em soluções ambientais para um PLANETA SUSTENTÁVEL. Reuso e Aproveitamento de Água da Chuva GB ECO Solutions especialista em soluções ambientais para um PLANETA SUSTENTÁVEL GB ECO Solutions www.gb-ecosolutions.com.br info@gb-ecosolutions.com.br + 55 11 4702-4619 Cotia/SP Sistemas de Remediação

Leia mais

Resíduos Sólidos Redução de Embalagens

Resíduos Sólidos Redução de Embalagens Resíduos Sólidos Redução de Embalagens GUILHERME SCHULZ Ecólogo e Biólogo Mestre em Engenharia Bioma Pampa Ecologia guilherme@biomapampa.com.br www.biomapampa.com.br Gestão Ambiental Considerações: Prevenção

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO PARA MOEDOR DE CARNE

MANUAL DE OPERAÇÃO PARA MOEDOR DE CARNE MANUAL DE OPERAÇÃO PARA MOEDOR DE CARNE 1-8 1 INTRODUÇÃO Neste manual de operação, você encontrará todas as informações necessárias sobre o equipamento para usá-lo corretamente. Ao adquirir um dos modelos

Leia mais

Projeto SeparAção INTRODUÇÃO OBJETIVO GERAL Objetivos específicos

Projeto SeparAção INTRODUÇÃO OBJETIVO GERAL Objetivos específicos Projeto SeparAção INTRODUÇÃO Há muito tempo o homem vem utilizando os recursos naturais que ele encontra em seu habitat e a cada ano que passa, novas formas de uso são descobertas. O maior problema dessa

Leia mais

Autoclavagem. Microondas. Manejo de Resíduos Sólidos e de Serviços de Saúde Tratamento preliminar e destinação

Autoclavagem. Microondas. Manejo de Resíduos Sólidos e de Serviços de Saúde Tratamento preliminar e destinação USP Incineração Manejo de Resíduos Sólidos e de Serviços de Saúde Profa. Dra. Vera Letticie de Azevedo Ruiz 2014 1 Deve seguir a Resolução CONAMA nº 316 de 2002 Processo cuja operação seja realizada acima

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE DUAS MATRIZES FMEA APLICADAS EM LATICÍNIOS DE LAVRAS MG

COMPARAÇÃO ENTRE DUAS MATRIZES FMEA APLICADAS EM LATICÍNIOS DE LAVRAS MG You are free: to copy, distribute and transmit the work; to adapt the work. You must attribute the work in the manner specified by the author or licensor COMPAAÇÃO ENTE DUAS MATIZES FMEA APLICADAS EM LATICÍNIOS

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N. 307, DE 05 DE JULHO DE 2002 Alterações: Resolução CONAMA n. 348, de 16.08.04 Resolução CONAMA n. 431, de 24.05.11 Resolução CONAMA n. 448, de 18.01.12 Resolução

Leia mais

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1. Tipo e Características do solo: 1.2. Topografia: 1.3. Cobertura Vegetal: 1.4. Descrição do acesso: 1.5.

Leia mais

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF.

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF 2011 Os direitos autorais desta publicação pertencem ao editor e seu conteúdo não pode ser reproduzido (mesmo em parte) sem uma permissão por escrito.

Leia mais

Programa de Gestão. Ambiental. Cartilha. Ambiental

Programa de Gestão. Ambiental. Cartilha. Ambiental Programa de Gestão Ambiental Cartilha Ambiental Índice Responsabilidade Ambiental 1. Responsabilidade Ambiental 2. Organograma 4. Política Ambiental 6. Coleta Seletiva Interna 12. Dicas Importantes A preocupação

Leia mais

Normas da ABNT precisam ser seguidas

Normas da ABNT precisam ser seguidas Normas da ABNT precisam ser seguidas Além das leis ambientais e toda a burocracia que o negócio da revenda exige, o revendedor precisa realizar os procedimentos de acordo com as normas da Associação Brasileira

Leia mais

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL MENDONÇA, Ana Maria Gonçalves Duarte. Universidade Federal de Campina Grande. E-mail: Ana.duartemendonca@gmail.com RESUMO

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: A água nunca está em estado puro, livre de

Leia mais

Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração

Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração 01/33 Apresentação do Instrutor: Eduardo Fleck *Engenheiro Químico UFRGS, 1990; **Mestre em Engenharia

Leia mais

Desdobramentos do Programa de Monitoramento Estadual da Qualidade de Cosméticos 2006 Ações da GVMC/SVS/MG CATEC ANVISA/MS.

Desdobramentos do Programa de Monitoramento Estadual da Qualidade de Cosméticos 2006 Ações da GVMC/SVS/MG CATEC ANVISA/MS. Desdobramentos do Programa de Monitoramento Estadual da Qualidade de Cosméticos 2006 Ações da GVMC/SVS/MG CATEC ANVISA/MS Outubro/2006 Teresinha de Fátima Póvoa Diretora da GVMC/SVS/MG Programação Pactuada

Leia mais

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER?

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER? O QUE ESTÁ ACONTECENDO? O futuro é uma incógnita. As tendências são preocupantes, mas uma coisa é certa: cada um tem de fazer sua parte. Todos somos responsáveis. A atual forma de relacionamento da humanidade

Leia mais

13/09/2014. Consiste em usar os recursos do planeta de forma responsável, atendendo às necessidades atuais sem prejudicar as futuras gerações.

13/09/2014. Consiste em usar os recursos do planeta de forma responsável, atendendo às necessidades atuais sem prejudicar as futuras gerações. 6º Anos Prof. Leonardo F. Stahnke Consiste em usar os recursos do planeta de forma responsável, atendendo às necessidades atuais sem prejudicar as futuras gerações. Para se alimentar, o ser humano abate

Leia mais

Q TIC. Produtor/ Fornecedor:... Quimil Indústria e Comércio LTDA

Q TIC. Produtor/ Fornecedor:... Quimil Indústria e Comércio LTDA Revisão: 00 Data de revisão: 12/2011 Página 1 de 9 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto:... Produtor/ Fornecedor:... Endereço:...Via periférica II, 2460 CIA SUL- Simões Filho. Bahia.

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. POP-I 67 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-½ - OraQuick ADVANCE 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica O ensaio

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002)

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Correlações: Alterada pela Resolução nº 469/15

Leia mais

VISÃO: Ser reconhecida pela participação e trabalhos realizados nos processos que possibilitam economia de óleos e preservação ambiental.

VISÃO: Ser reconhecida pela participação e trabalhos realizados nos processos que possibilitam economia de óleos e preservação ambiental. APRESENTAÇÃO 1. QUEM SOMOS A CTF do Brasil é uma empresa com sólidos conhecimentos em tecnologia de microfiltragem de óleos industriais, cujo portfólio de serviços tem respaldo na experiência de sua diretoria,

Leia mais

Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX

Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX São Carlos, 31 de Janeiro de 2011. PROJETO REUSO DE ÁGUA - ELECTROLUX 1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: Electrolux do Brasil S/A Unidade: São Carlos

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL "PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, fundado em 1992, o CEMPRE se dedica à promoção da reciclagem dentro do conceito de gerenciamento integrado do lixo.

Leia mais

Em agosto de 2014, o prazo para LIXO HOSPITALAR

Em agosto de 2014, o prazo para LIXO HOSPITALAR LIXO HOSPITALAR ATÉ ONDE VAI A RESPONSABILIDADE LEGAL DO HOSPITAL DE ACORDO COM O PLANO NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS? VEJA COMO ALGUMAS INSTITUIÇÕES SE ADAPTARAM PARA CUMPRIR A LEI Por Felipe César Em

Leia mais

Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo:

Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo: TIPOS DE RESIDUOS Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo: Resíduo Hospitalar ou de Serviços de Saúde :

Leia mais

Lixo. A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que

Lixo. A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que Lixo 1 A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que estudamos em temáticas que rementem ao nosso cotidiano. Dessa

Leia mais

Para se implantar totalmente um processo verde precisamos de produtos químicos verdes, e que tenham sustentabilidade, temas já discutidos

Para se implantar totalmente um processo verde precisamos de produtos químicos verdes, e que tenham sustentabilidade, temas já discutidos PROCESSOS VERDES Para se implantar totalmente um processo verde precisamos de produtos químicos verdes, e que tenham sustentabilidade, temas já discutidos anteriormente, mas podemos iniciar o processo

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA CIÊNCIAS 5. o ANO/EF - 2015

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA CIÊNCIAS 5. o ANO/EF - 2015 SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA MANTENEDORA DA PUC MINAS E DO COLÉGIO SANTA MARIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA CIÊNCIAS 5. o ANO/EF - 2015 Caro (a) aluno(a), É tempo de conferir os conteúdos estudados

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO.

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI N o 2.074, DE 2007. (Apensos os PLs nº 2.075, de 2007, nº 2.076, de 2007, nº 2.115, de 2007, nº 2.116, de 2007 e nº 4.015, de

Leia mais

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental Cronograma finalização da disciplina GA I Instrumentos de Gestão Ambiental São ferramentas que auxiliam o gestor no seu plano de gestão ambiental Política e Legislação Ambiental Licenciamento Ambiental

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS PÁGINA: 1/5 SEÇÃO 1.0 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA NOME DO PRODUTO: BIOCLEANER CÓDIGO DE IDENTIFICAÇÃO: 0120/5521 NOME DO FABRICANTE: BIOCHEMICAL PRODUTOS QUIMICOS LTDA ENDEREÇO: RUA: PAPA SÃO

Leia mais