INGEPRO Inovação, Gestão e Produção Novembro de 2010, vol. 02, n o. 11 ISSN

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INGEPRO Inovação, Gestão e Produção Novembro de 2010, vol. 02, n o. 11 ISSN 1984-6193 www.ingepro.com.br"

Transcrição

1 Análise de capacidade de dados não normais de um sistema de tratamento de efluente industrial. Rodrigo Ebert Harsteln Juarez Ramos do Amaral Filho Liane Werner Resumo: Este trabalho apresenta a avaliação da capacidade do processo de um sistema de tratamento de efluentes de uma empresa do setor metal mecânico onde foram coletadas 145 amostras do efluente final entre os dias 08/01/2008 e 04/06/2008. Os resultados da Demanda Química de Oxigênio foram utilizados como base para análise da capacidade e nos demonstraram uma distribuição não normal, conforme teste de Anderson-Darling. O processo apresentou todas as amostras dentro dos parâmetros exigidos pela legislação, mas como o objetivo é a melhoria contínua, foi estabelecido que o limite superior de especificação para a DQO, seria de 60 mg/l de efluente tratado. Um software estatístico foi utilizado para verificar a não normalidade dos dados, realizar as transformações necessárias, aplicar as técnicas pertinentes, e calcular os índices de capacidade cabíveis. Ficou evidenciado a importância de se estabelecer a correta distribuição dos dados e quais são os melhores métodos para a avaliação da capacidade de um processo. Palavras-chave: capacidade; dados não normais; tratamento de efluente industrial. Capacity analysis of a non-normal data for industrial wastewater treatment system. Abstract: This paper presents the assessing of a capability process of a sewage treatment system from a company of metal-mechanic sector where 145 samples of the final effluent of the day were collected between 08/01/2008 and 04/06/2008. The results of the chemical oxygen demand (COD) was used as a basis for analysis of capability and demonstrated a non-normal distribution, as Anderson-Darling test. The process showed all samples within the parameters required by law, but since the goal is continuous improvement, it was established that the upper limit of specifications for COD, would be 60 mg / L of treated effluent. A statistical software was used to verify the non-normality of the data, perform the necessary changes, implement the relevant technical, and calculate the rates of appropriate capacity. It was highlighted the importance of establishing the correct distribution of data and what are the best methods for assessing the performance of a process. Keywords: capability; not-normal data; treatment of industrial effluent. 1. Introdução Com a crescente industrialização dos países em desenvolvimento, diversos setores da economia vêm aumentando suas expectativas de crescimento para os próximos anos, o que acarreta em uma expansão das indústrias e, conseqüentemente, acaba gerando um aumento no número de resíduos e efluentes oriundos dos processos de produção. Um dos setores mais 13

2 beneficiados com o desenvolvimento da indústria é o metal mecânico. Conforme a Anfavea - Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores, nos quatro primeiros meses de 2008, as linhas de fabricação de máquinas e implementos agrícolas, produziram 26,1 mil unidades, 49,8% a mais do que foi fabricado no mesmo período do ano passado. Em abril foram produzidas sete mil máquinas, número 35% maior que o mesmo período de Enquanto as vendas no primeiro quadrimestre de 2008 tiveram uma alta de 54,4%, comparado com igual período do ano passado, com o total de mil unidades. Este incremento na produção, devido ao aumento do consumo, faz com que as indústrias produzam mais, utilizando mais matérias primas e gerando maior numero de emissões. Através disto, a participação das indústrias como agentes não poluidores, torna-se ainda mais relevante para que o desenvolvimento sustentável seja obtido. Segundo Cúria (2003), somente a partir das décadas de 70/80, com ação conjunta da sociedade e do poder público pôde ser deslumbrada uma mudança de atitude em relação aos recursos hídricos, onde as indústrias foram apontadas como as principais agentes responsáveis pela poluição das águas superficiais e subterrâneas. Essas por sua vez foram bastante reativas, passando a adotar medidas de controle dos efluentes gerados em seus processos produtivos, tornando-se comum à construção de estações de tratamento de efluentes e o uso dos mais variados mecanismos de controle. Na década de 90 as tendências apontavam para uma postura pró-ativa das empresas, onde a percepção dos empreendedores estava sendo direcionada para a busca de ferramentas capazes de eliminar ou reduzir os efluentes gerados. O uso destas ferramentas passou de uma tendência para uma estratégia concreta, completamente adaptada e fortalecida pelos excelentes resultados obtidos nos diferentes setores produtivos onde foram aplicadas e onde a utilização de técnicas de produção mais limpa e a implantação de sistema de gestão ambiental são os expoentes desta nova forma de ação. Hoje em dia, com o aumento da integração entre os sistemas de gestão (qualidade, meio ambiente e segurança), conceitos e ferramentas de melhoria da qualidade e controle de qualidade já são aplicadas para processos de controle da poluição ambiental nas indústrias. Exemplos destas utilizações e integrações podem ser observados nas normas ISO, séries 9000 e 14000, nas quais estão incluídos conceitos como análise do ciclo de vida do produto e melhoria contínua, e na norma que dispõe sobre as diretrizes para as auditorias de sistemas de gestão de qualidade e ou ambiental. Os estudos de capacidade de processo, são ferramentas de controle estatístico da qualidade, que tem por objetivo básico avaliar se um determinado processo consegue gerar produtos que atendam as especificações de engenharia, que consistem em, obter uma amostra de produtos fabricados em condições normais de operação (RAMOS, 2000). Embora o uso industrial dessa ferramenta de controle já esteja em intensa aplicação para melhoria da qualidade na produção, a sua utilização ainda é pouco usual nos processos relacionados ao controle da poluição. Podendo ser aplicado para monitoramento dos parâmetros do efluente tratado das indústrias, com o intuito de reduzir cada vez mais as chances deste sair em desacordo com o exigido pelo órgão estadual de controle ambiental. Neste contexto, este artigo apresenta 145 amostras da Demanda Química de Oxigênio (DQO), de um efluente tratado de uma empresa do setor metal mecânico, coletadas diariamente. A DQO indica a concentração de matéria orgânica e inorgânica presente em um efluente e mede a quantidade de oxigênio quimicamente utilizada para a oxidação da matéria orgânica e inorgânica de uma amostra, foi escolhida entre os diversos parâmetros de qualidade da água, pois é um parâmetro que nos fornece informações quantitativas sobre a 14

3 qualidade do efluente tratado em um curto espaço de tempo, devido à sua rápida determinação em laboratório, aproximadamente 2,5 horas. De acordo com a resolução do CONSEMA (Conselho Estadual do Meio Ambiente) n 128/06, com vazões entre 100 e 500 m3/dia, onde está enquadrada a empresa em estudo, a DQO tem seu valor máximo permitido em 330 mg de O2 dissolvido por litro de efluente. Portanto, é de fundamental importância o controle da DQO e de outros parâmetros para que se possa maximizar a eficiência do processo atuando em suas causa especiais e aumento assim a qualidade do tratamento. 2. Referencial teórico 2.1 Tratamento de efluentes O controle e a prevenção da poluição adquirem importância crescente à medida que os cuidados com a questão ambiental se tornam gradativamente mais presentes na sociedade. O ideal seria que a poluição pudesse ser evitada na fonte. Entretanto, muitas vezes a fonte não pode ser alcançada e ações para o tratamento, a reciclagem e o reaproveitamento devem ser considerados. Ainda, dificilmente é possível obter grau zero de poluição em atividades industriais e por esta razão existem níveis de descarte de elementos poluentes estabelecidos para proteger o meio ambiente. Reutilizar a água proveniente do processo produtivo torna-se importante à realidade das indústrias em função da legislação ambiental ser cada vez mais restritiva. É importante observar que a busca de soluções para preservar os recursos hídricos implica também necessidade de redução da descarga dos efluentes líquidos (FÉRIS, 2008). Segundo Braile e Cavalcanti (1993), a proteção do meio ambiente contra agentes poluidores de origem industrial é um problema complexo para os países em desenvolvimento. O problema mais importante parece estar centralizado nos seguintes aspectos: providenciar um controle ambiental seguro, sem prejuízo dos investimentos econômicos; obtenção de informação técnica referente aos melhores meios de que se dispõe para controlar a poluição; obtenção e emprego de técnicas de combate à poluição ambiental e de pessoal especializado na aplicação das mesmas; selecionar e adaptar as soluções de controle importadas ao conjunto de técnicas desenvolvidas no país. Os principais agentes poluidores das águas, conforme Tchobanoglous et al. (2002) são: sólidos em suspensão; matéria orgânica biodegradável; nutrientes; microrganismos patogênicos; matéria orgânica não biodegradável; metais pesados e sólidos orgânicos dissolvidos. Sendo seus principais parâmetros de qualidade divididos em parâmetros físicos, químicos inorgânicos, químicos orgânicos e propriedades biológicas. Dentro dos parâmetros químicos de qualidade da água, está englobada a Demanda Química de Oxigênio, que nos fornece, de maneira indireta, a quantidade de matéria orgânica e inorgânica contida no efluente, provendo assim uma informação quantitativa dos sólidos contidos neste. A DQO, mede o consumo de oxigênio (O2) ocorrido durante a oxidação química da matéria. A reação geralmente é feita com uso de dicromato de potássio em meio ácido, com um tempo estimado de 2,5 horas. 2.2 Capacidade de processos Segundo Kotz & Johnson (2002), os índices de capacidade de processo tem como objetivo determinar um número de avaliações necessárias para satisfazer o limite de especificação da qualidade ou característica de interesse, ou seja, com eles podem-se estimar quantos itens ou peças fora das especificações encontraremos pelo número de peças que seriam produzidas. Por exemplo, em um processo com dados normais e centrado um intervalo de 6σ nos garante que 99,73% das peças produzidas estarão conforme a especificação, o que 15

4 equivale a 27 peças defeituosas a cada peças produzidas. Ressalta-se também que a análise de capacidade somente será realizada depois de estabelecido o controle estatístico, pois assim o processo manterá os níveis de qualidade. Miranda (2005) classifica os índices de capacidade em três gerações bem distintas. A primeira seria a criada por Juran em seu trabalho de 1974, que estabelece os índices C p, C pk k, que se baseiam na razão entre a variabilidade do processo e os limites de especificação. Estes ainda são os índices mais práticos e difundidos na indústria. A segunda geração foi criada por Taguchi com sua função de perda, de seu trabalho de O índice C pm, penaliza através de um modelo quadrático, medidas que estão fora do alvo especificado. A terceira geração consiste nos índices criados pós C pm e são específicos para cada aplicação. Muitos deles são voltados à análise de dados correlacionados ou não-normais, porém por sua complexidade matemática são de pouco uso prático. Para tratar dados com distribuição não-normal, o mais usual e que também será o foco deste artigo é a transformação dos dados para o uso de índices da primeira geração. Os modelos usados para análise de capacidade podem ser divididos em dois grandes grupos, segundo a distribuição estatística dos dados obtidos. Serão discutidos modelos usados para dados normais e não normais, com ênfase no segundo tópico. Os índices de capacidade mais usados para a avaliação de processos normais, segundo Kotz & Johnson (1993), são os baseados nos limites superiores e inferiores de especificação. Os índices C p e C pk são definidos como: LSE LIE Cp = (1) 6σ LSE X X LIE Cpk = min ; (2) 3σ 3σ Onde LSE e LIE são os limites superior e inferior de especificação, respectivamente, X é a média calculada dos dados e σ é o desvio padrão calculado. Como se pode observar pela equação (1) e (2) a amplitude dos limites de especificação devem ser menores que a variância do processo (denominador das equações) então o processo será considerado capaz se os valores de C p e C pk forem maiores ou iguais a 1. Montgomery (2005) recomenda os valores mínimos para C p e C pk 1,33 para processos antigos bilaterais; 1,25 para processos antigos unilaterais; 1,50 para processos novos bilaterais, 1,45 para processos novos unilaterais. Segundo Kotz & Johnson (2002), pode-se ainda estabelecer os chamados índices de performance de processo (P p e P pk ) que são calculado da mesma forma que os índices C p e C pk, porém usam como estimador do desvio padrão medições individuais. 2.3 Capacidade de processos para dados não-normais Segundo Oliveira (2005) quando a distribuição não é normal incorrermos em erros como os que mostrados na Figura 1. A área sob a curva que determina a probabilidade de se obter peças fora da especificação é diferente da assumida usando uma distribuição normal. 16

5 FIGURA 1: Diferença quando assumido como normal um processo não normal - Adaptado de Oliveira (2005). O fato é agravado quando temos distribuições muito diferentes da normal como evidenciado por Miranda (2005), na Tabela 1 TABELA 1: Itens não conformes para cada distribuição usando um padrão ±3σ. Distribuição Não Conformes (ppm) Χ 2 4, t Uniforme 0 Normal 2700 Fonte: Adaptado de Miranda (2005). Uma vez estabelecida a não-normalidade dos dados (por várias formas como histogramas e outras técnicas gráficas e testes de hipótese como de Andrson-Darlin) e a não possibilidade de executar os itens a e b, podemos proceder para tratar os dados não-normais a fim de se avaliar sua capacidade. Entre as opções mais comuns são, segundo Oliveira (2005) são: a transformação dos dados, o ajuste de distribuições (Best fiting) e o tratamento não paramétrico. O primeiro é o mais usado e principalmente pela sua aplicação mais fácil. A segunda consiste em usar uma curva empírica na série de dados obtida e assim estimar uma distribuição e calcular os índices de capacidade. A terceira por fim é trabalhar em um modelo sem distribuição definida. Ramos (2000) lembra que o modelo de transformação de dados requer um conhecimento da variação do processo e é o mais rico por ter um modelo de base. Já o ajuste de distribuição é usado quando não se tem conhecimento da distribuição do processo estudado ou ela é inviável. Por fim o método não paramétrico só é aplicado quando os dois anteriores não são viáveis. 3 Estudo de Caso O estudo de caso consiste em analisar a capacidade do sistema de tratamento de efluente de uma empresa do setor metal-mecânico no que diz respeito ao parâmetro DQO, estabelecendo a melhor técnica para isso. Primeiramente coletou-se os dados, obteve-se os gráficos controle estatístico do processo, calculou-se a capacidade do processo assumindo que os dados são normais para futura comparação, verificou-se a não normalidade dos dados coletados através de teste de hipóteses (Anderson-Darling), e após determinar o melhor método para calcular a capacidade do processo dentre os relacionados no referencial teórico. 17

6 Para isso foi usado um software estatístico que além de verificar a não normalidade dos dados é capaz de realizar as transformações e técnicas aplicáveis e calcular os índices de capacidade. (a) FIGURA 2: Gráficos para valores individuais, (a) antes de remoção da causas especiais e (b) sob controle (b) (a) FIGURA 3: Gráficos para amplitudes móveis, (a) antes de remoção da causas especiais e (b) sob controle A Figura 2 e 3 mostram os gráficos para valores individuais com amplitude móvel dos dados coletados. Foram encontrados os motivos que geraram as causas especiais e as mesmas foram removidas e os limites de controle recalculados. O limite superior do processo exigido em legislação é de 330 mg/l de efluente tratado, porém como a idéia é uma melhoria do processo, foi estabelecida internamente pela empresa uma meta menor, de 60 mg/l para a DQO e este foi o valor utilizado como limite superior de especificação neste estudo e será usado para a comparação entre as capacidades obtidas com as técnicas usadas para tratar os dados não normais. Como se pode ver na Figura 4 foi calculada a capacidade do processo do sistema de tratamento de efluentes no que diz respeito ao parâmetro DQO, assumindo que a distribuição dos dados coletados é normal. O resultado foi um processo pouco capaz com índice C pk de 1,04 P pk de 0,82 evidenciando a não capacidade deste processo para o limite estabelecido. (b) 18

7 FIGURA 4: Análise capacidade do processo assumindo que os dados são normais A Figura 5 mostra o resultado do teste de Andreson-Darling obtido, como se pode reparar a hipótese de normalidade é rejeitada pelo valor de p menor que 0,5%. Sendo assim, os dados devem ser trabalhados como não normais a fim de se não incorrer em erros de super (ou sub) estimar os índices de capacidade. 3.1 A transformação Box-cox FIGURA 5 : Análise de normalidade pelo método Andreson-Darling Trata-se de um método muito simples. Basta fazer uma transformação na variável de controle. A transformação, segundo Oliveira et al. (2005), é a seguinte: λ Y = Y (3) Deve-se testar diversos valores de λ a fim de se determinar a melhor distribuição, ou seja,a que após a transformação mais se aproxima da normalidade e, por conseqüência, apresenta um menor desvio padrão. A Tabela 2 apresenta os valores da transformação para Y em função de λ e Figura 6 os valores de desvio padrão para cada λ. Como se pode observar o valor λ indicado é 0,5. 19

8 TABELA 2: Transformação para alguns valores de λ ,5 0 0,5 1 2 FONTE: Oliveira (2005) Sem transformação FIGURA 6: Gráfico de λ pelo desvio padrão para determinar o valor da transformação Box-Cox Após determinado o valor para a aplicação do método Box-Cox procedeu-se a transformação dos dados e a posterior análise de sua normalidade. A Figura 7 mostra a análise dos dados transformados, pelo teste de Anderson-Darling. Pode-se verificar que mesmo com a transformação o valor de p para a normalidade é baixo, ou seja, a transformação pouco melhorou a normalidade dos dados a fim de avaliar a capacidade do processo por este método. FIGURA 7: Análise de normalidade pelo método Andreson-Darling dos dados transformados Procedendo a análise de capacidade mesmo para um valor baixo de p de normalidade temos os resultados constantes na Figura 8. 20

9 FIGURA 8: Análise capacidade do processo depois de transformados os dados pelo método Box-cox Como se vê a capacidade cai com relação ao tratamento direto dos dados assumindo sua normalidade, o valore de C pk foi 0,85 P pk de 0,68 evidenciando a não capacidade deste processo para o limite estabelecido. 3.2 A transformação de Johnson A transformação de Johnson ajusta uma distribuição empírica aos dados e gera os índices C m e C mk proporcional ao percentual de peças fora dos limites de especificação. As curvas são ajustadas pela seguinte equação (4) JOHNSON (1949): Z = γ + δf (y) (4) Onde o valor f(y) é cada uma das famílias definidas limitada (Sb), logonormal (Sl) ou ilimitada (Su). O valor para f(y) esta na Tabela 3. TABELA 3: famílias da transformação de Johnson Família f(y) função Sb Limitada (bounded) Sl Logonormal Su Ilimitada (unbounded) x ξ log λ + ξ x x log FONTE: Adaptado de Johnson (1949) ξ λ x ξ senh 1 λ Os valores ξ e λ são parâmetros de ajuste das curvas. Os cálculos de ajuste dos dados são feitos pelo software estatístico que também já executa o teste de normalidade de Anderson-Darling para os dados transformados, além de explicitar a equação obtida. Como se pode observar na Figura 9 os dados foram transformados pela família lognormal e foi obtida uma distribuição normal com os dados transformados, o que possibilitaria também o uso dos índices de capacidade comuns nos dados transformados, desde que transformados também os limites. 21

10 FIGURA 9: Transformação dos dados por Johnson e análise de normalidade pelo método Anderson-Darling dos dados transformados Foi então calculada a capacidade para o processo com a transformação de Johnson feita. O limite de 60 passa para 1,71 aplicando-se a equação da transformação. Nota-se na Figura 10 que a curva em pouco se difere da obtida sem a transformação. O resultado foi um processo não capaz com índice C pk de 0,88 P pk de 0,70 evidenciando a não capacidade deste processo. FIGURA 10: Análise capacidade do processo com os dados transformados pela transformação de Johnson 3.3 Ajuste de Distribuições (Best fiting) Como o ajuste de Johnson e o Box-Cox se mostraram pobres com respeito ao teste de normalidade, foi utilizada a técnica de ajuste de distribuição nos dados. Para tanto foram consideradas as seguintes distribuições: Normal (para referência), Exponencial, Logonormal (função usada por Johnson) e Weibull. 22

11 FIGURA 11: Ajuste dos dados a diversas distribuições Como se pode observar na Figura 11, o valor AD (estatística de Anderson-Darling) e o seu valor P indicam que a distribuição que representa o modela mais adequado para os dados obtidos é a Weibull, seguida da Logonormal, porém o p-valor P é significativo e esta distribuições serão usadas apenas a título de comparação com os demais métodos apresentados. Sendo assim, a capacidade foi calculada assumindo estas duas distribuições e os resultados podem ser observados nas Figuras 12 e 13. Para ambas o resultado foi um processo não capaz com índice P pk de 0,69 para Weibull e P pk de 0,28 para logonormal, evidenciando a não capacidade deste processo. Nota-se, no entanto que qualquer das duas distribuições modela melhor os dados que a distribuição normal, utilizando ou não as transformações Box- Cox e Johnson. FIGURA 12: Análise de capacidade do processo com os dados pela distribuição de Weibull 23

12 FIGURA 12: Análise capacidade do processo com os dados pela distribuição Logonormal 4. Considerações Finais Comparando o resultado de todas as técnicas utilizadas para tratar os dados de DQO a fim de obter sua capacidade podem ser vistos de forma resumida na Tabela 4. TABELA 4: Valores de Cpk e Ppk obtidos Distribuição C pk P pk PPM acima do LSE por P pk Normal 1,04 0, Normal (Box Cox) 0,85 0, Normal (Johnson) 0, Weibull 0, Logonormal 0, Nota-se uma grande diferença nos valores de dos índices P pk obtidos com a distribuição normal e com as técnicas aplicadas, sejam elas de transformação de dados ou ajuste de distribuição, o que se reflete no número de peças fora do limite. Caso se assumisse a distribuição dos valores de DQO como normais, o processo, para o limite mais estreito estabelecido pela empresa, estaria mais perto de ser capaz e gerando apenas 7089 PPM fora das especificações o que na verdade não ocorre uma vez que por qualquer das técnicas descritas (transformação de dados ou ajuste de curva) tem-se um resultado maior no número de amostras acima do LSE e sendo assim uma menor capacidade do processo. Esta comparação de resultados evidencia a necessidade de se saber se os dados de um sistema de controle de qualidade são normais e se não forem à utilização do método mais correto para avaliação da capacidade do processo estudado se mostra imprescindível para que se avalie de forma correta a capacidade do processo e se consiga garantir a qualidade desejada. Referências BRAILE, P. M.; CAVALCANTI, J.E.W.A. Manual de Tratamento de Águas Residuárias Industriais. São Paulo: CESTESB, CURIA, A. C. Caracterização da Estação de Tratamento de Efluentes da Empresa Agco do Brasil Comércio e Indústria Ltda. Dissertação (Mestrado Profissionalizante em Engenharia Ambiental e Tecnologias Limpas) Escola de Engenharia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS, Porto Alegre,

13 FÉRIS, L. A. Tratamento eficiente de efluentes e reuso da água na indústria: uma meta a ser atingida. Revista do CREA/RS, p.44, JOHNSON, N.L. Systems of Frequency Curves Generated by Methods of Translation. Biometrika, v.36, p , KOTZ, S.; JOHNSON, N. L. Process capability indices - a review, /Discussion /Response. Journal of Quality Technology, v. 34, n. 1, p. 2-52, MIRANDA, R. G. Um Modelo para Análise de Capacidade de Processos com Ênfase na Transformação de Dados. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) Departamento de Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina UFSC, Florianóplois, MONTGOMERY, D. Introduction to Statistical Quality Control 5th ed. New York: John Wiley & Sons, MORAES, C. F.; PAIVA, A. P.; FERREIRA, J. R. Um estudo sobre índice de capabilidade sigma para dados não normais. XXVI ENEGEP, Fortaleza, CE, Brasil, 9 a 11 de Outubro de OLIVEIRA, E. S. Análise de dados não-normais no contexto da metodologia six sigma. Trabalho de diplomação (Graduação em Engenharia de Produção e Gestão) Instituto de Engenharia de Produção e Gestão, Universidade Federal de Itajubá UNIFEI, Itajubá, RAMOS, A. W. Cep para Processos Contínuos e em Bateladas. São Paulo: Editora Edgar Blücher, 2000 TCHOBANOGLOUS, G.; BURTON, F.; STENSEL, H.D. Wastewater engineering Treatament and Reuse. New York: McGraw Hill,

Descobrimos que os testes 1, 2 e 7 foram os mais úteis para avaliação da estabilidade do gráfico Xbar na carta I:

Descobrimos que os testes 1, 2 e 7 foram os mais úteis para avaliação da estabilidade do gráfico Xbar na carta I: Este artigo é parte de uma série de artigos que explicam a pesquisa conduzida pelos estatísticos do Minitab para desenvolver os métodos e verificações de dados usados no Assistente no Software Estatístico

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS

CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS Elisângela Garcia Santos RODRIGUES 1, Hebert Henrique de Souza LIMA 1, Irivan Alves RODRIGUES 2, Lúcia Raquel de LIMA

Leia mais

QUALIDADE DE CONTROLE APLICADA A TRATAMENTO DE EFLUENTE DE LATICÍNIO POR SISTEMA ALAGADO CONSTRUÍDO HÍBRIDO

QUALIDADE DE CONTROLE APLICADA A TRATAMENTO DE EFLUENTE DE LATICÍNIO POR SISTEMA ALAGADO CONSTRUÍDO HÍBRIDO QUALIDADE DE CONTROLE APLICADA A TRATAMENTO DE EFLUENTE DE LATICÍNIO POR SISTEMA ALAGADO CONSTRUÍDO HÍBRIDO Mariane Libório Cardoso Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Londrina Pr, Brasil Engenharia

Leia mais

Qualidade na empresa. Fundamentos de CEP. Gráfico por variáveis. Capacidade do processo. Gráficos por atributos. Inspeção de qualidade

Qualidade na empresa. Fundamentos de CEP. Gráfico por variáveis. Capacidade do processo. Gráficos por atributos. Inspeção de qualidade Roteiro da apresentação Controle de Qualidade 1 2 3 Lupércio França Bessegato UFMG Especialização em Estatística 4 5 Abril/2007 6 7 Conceito de Qualidade Não há uma única definição. Melhoria da Empresa

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA Paulo Sergio Scalize (1) Biomédico formado pela Faculdade Barão de Mauá. Graduando em Engenharia Civil

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009

PLANO DE ENSINO 2009 PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( x ) Pós-graduação ( ) Curso I. Dados Identificadores Disciplina Professor

Leia mais

PARÂMETROS QUALITATIVOS DA ÁGUA EM CORPO HÍDRICO LOCALIZADO NA ZONA URBANA DE SANTA MARIA RS 1

PARÂMETROS QUALITATIVOS DA ÁGUA EM CORPO HÍDRICO LOCALIZADO NA ZONA URBANA DE SANTA MARIA RS 1 PARÂMETROS QUALITATIVOS DA ÁGUA EM CORPO HÍDRICO LOCALIZADO NA ZONA URBANA DE SANTA MARIA RS 1 TATSCH, R. O. C 2, AQUINO, J. P. N 3 ; SWAROWSKY, A 4 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Curso de Engenharia:

Leia mais

Decidir como medir cada característica. Definir as características de qualidade. Estabelecer padrões de qualidade

Decidir como medir cada característica. Definir as características de qualidade. Estabelecer padrões de qualidade Escola de Engenharia de Lorena - EEL Controle Estatístico de Processos CEP Prof. MSc. Fabrício Maciel Gomes Objetivo de um Processo Produzir um produto que satisfaça totalmente ao cliente. Conceito de

Leia mais

Uma Avaliação do Uso de um Modelo Contínuo na Análise de Dados Discretos de Sobrevivência

Uma Avaliação do Uso de um Modelo Contínuo na Análise de Dados Discretos de Sobrevivência TEMA Tend. Mat. Apl. Comput., 7, No. 1 (2006), 91-100. c Uma Publicação da Sociedade Brasileira de Matemática Aplicada e Computacional. Uma Avaliação do Uso de um Modelo Contínuo na Análise de Dados Discretos

Leia mais

Tratamento de Efluentes

Tratamento de Efluentes Tratamento de Efluentes A IMPORTÂNCIA DO TRATAMENTO DE EFLUENTES E A REGULAMENTAÇÃO DO SETOR INTRODUÇÃO Conservar a qualidade da água é fundamental, uma vez que apenas 4% de toda água disponível no mundo

Leia mais

USO DO SOFTWARE WINDOGRAPHER PARA ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE DO VENTO EM ALTITUDE NUMA REGIÃO DO LITORAL CEARENSE

USO DO SOFTWARE WINDOGRAPHER PARA ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE DO VENTO EM ALTITUDE NUMA REGIÃO DO LITORAL CEARENSE USO DO SOFTWARE WINDOGRAPHER PARA ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE DO VENTO EM ALTITUDE NUMA REGIÃO DO LITORAL CEARENSE Emerson Mariano da Silva 1 ; Flavio José Alexandre Linard 2 1 Universidade Estadual do Ceará

Leia mais

Aplicação do Controle Estatístico Multivariado no Processo de Extrusão de Tubos de PVC.

Aplicação do Controle Estatístico Multivariado no Processo de Extrusão de Tubos de PVC. Aplicação do Controle Estatístico Multivariado no Processo de Extrusão de Tubos de PVC. Ítalo L. Fernandes, Lidiane J. Michelini, Danilo M. Santos & Emerson Wruck Universidade Estadual de Goiás UEG, CEP

Leia mais

Fundamentos de estatística aplicada à avaliação de processos farmacêuticos

Fundamentos de estatística aplicada à avaliação de processos farmacêuticos Fundamentos de estatística aplicada à avaliação de processos farmacêuticos Objetivo Apresentar, discutir e capacitar os participantes nos principais métodos estatísticos utilizados na avaliação de processos

Leia mais

BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br. KUMMER, Aulison André (UTFPR) aulisonk@yahoo.com.br. PONTES, Herus³ (UTFPR) herus@utfpr.edu.

BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br. KUMMER, Aulison André (UTFPR) aulisonk@yahoo.com.br. PONTES, Herus³ (UTFPR) herus@utfpr.edu. APLICAÇÃO DAS TÉCNICAS DE PREVISÃO DE ESTOQUES NO CONTROLE E PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO DE MATÉRIA- PRIMA EM UMA INDÚSTRIA PRODUTORA DE FRANGOS DE CORTE: UM ESTUDO DE CASO BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA CURSOS DE EXTENSÃO CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO MODALIDADE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA CURSOS DE EXTENSÃO CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO MODALIDADE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO MODALIDADE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA FEM 1000 ENGENHARIA DA QUALIDADE OBJETIVOS: O curso de Especialização em Engenharia da Qualidade visa contribuir para a preparação de profissionais

Leia mais

Controlo Estatístico de Produtos Pré-embalados. IPQ SEMINÁRIO: Metrologia no Setor Alimentar 30 Outubro 2014 Cristina Barros (ovm@aferymed.

Controlo Estatístico de Produtos Pré-embalados. IPQ SEMINÁRIO: Metrologia no Setor Alimentar 30 Outubro 2014 Cristina Barros (ovm@aferymed. Controlo Estatístico de Produtos Pré-embalados IPQ SEMINÁRIO: Metrologia no Setor Alimentar 30 Outubro 2014 Cristina Barros (ovm@aferymed.pt) 1 Apresentação 2 Apresentação 3 Controlo estatístico dos produtos

Leia mais

PROPOSTA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES EM EMPRESA ESPECIALIZADA EM RETÍFICA DE MOTORES

PROPOSTA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES EM EMPRESA ESPECIALIZADA EM RETÍFICA DE MOTORES PROPOSTA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES EM EMPRESA ESPECIALIZADA EM RETÍFICA DE MOTORES Felipe de Lima Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio grande do Sul Campus Sertão, Acadêmico do Curso

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental. Seis Sigma. Eco Six Sigma

Sistema de Gestão Ambiental. Seis Sigma. Eco Six Sigma Eco Six Sigma Nos dias de hoje, em que os requisitos de compra dos consumidores vão além do preço do produto, conquistar os consumidores torna-se um grande desafio. Características como a qualidade da

Leia mais

4 Gráficos de controle

4 Gráficos de controle 4 Gráficos de controle O gráfico de controle é uma ferramenta poderosa do Controle Estatístico de Processo (CEP) para examinar a variabilidade em dados orientados no tempo. O CEP é composto por um conjunto

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ESTUDO DE CASO: LATICÍNIO DO COLÉGIO AGRÍCOLA ESTADUAL MANOEL RIBAS

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ESTUDO DE CASO: LATICÍNIO DO COLÉGIO AGRÍCOLA ESTADUAL MANOEL RIBAS GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ESTUDO DE CASO: LATICÍNIO DO COLÉGIO AGRÍCOLA ESTADUAL MANOEL RIBAS Ana Cláudia Ueda (*), Magali Bernardes Maganhini * Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Apucarana.

Leia mais

ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS. Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Almada

ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS. Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Almada ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Almada O QUE SÃO ÁGUAS RESIDUAIS? São águas que resultam de diversos usos ou atividades ligadas à vida humana:

Leia mais

NORMA TÉCNICA CONTROLE DE CARGA ORGÂNICA NÃO INDUSTRIAL CPRH N 2.002

NORMA TÉCNICA CONTROLE DE CARGA ORGÂNICA NÃO INDUSTRIAL CPRH N 2.002 NORMA TÉCNICA CONTROLE DE CARGA ORGÂNICA NÃO INDUSTRIAL CPRH N 2.002 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÃO 4. ABRANGÊNCIA 5. EXIGÊNCIAS DE CONTROLE 1 1. OBJETIVO Os critérios e padrões

Leia mais

ESTUDO DO CONTROLE E ANÁLISE DA CAPACIDADE DO PROCESSO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA POTÁVEL

ESTUDO DO CONTROLE E ANÁLISE DA CAPACIDADE DO PROCESSO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA POTÁVEL ESTUDO DO CONTROLE E ANÁLISE DA CAPACIDADE DO PROCESSO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA POTÁVEL Jairo Marlon Corrêa PPGMNE-UFPR Curitiba - PR jairomarlon@gmail.com Anselmo Chaves Neto PPGMNE/DEST-UFPR Centro Politécnico,

Leia mais

COMENTÁRIO AFRM/RS 2012 ESTATÍSTICA Prof. Sérgio Altenfelder

COMENTÁRIO AFRM/RS 2012 ESTATÍSTICA Prof. Sérgio Altenfelder Comentário Geral: Prova muito difícil, muito fora dos padrões das provas do TCE administração e Economia, praticamente só caiu teoria. Existem três questões (4, 45 e 47) que devem ser anuladas, por tratarem

Leia mais

ENG09012 - Atividades Complementares em Engenharia de Produção - UFRGS - janeiro de 2004

ENG09012 - Atividades Complementares em Engenharia de Produção - UFRGS - janeiro de 2004 Monitoramento através de controle estatístico do processo do setor de videocodificação no Centro de Tratamento de Cartas (CTC) Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) Conrado Rodrigues Paganotti

Leia mais

DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADE

DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADE DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADE i1 Introdução Uma distribuição de probabilidade é um modelo matemático que relaciona um certo valor da variável em estudo com a sua probabilidade de ocorrência. Há dois tipos

Leia mais

*Silvia Benedetti Edna Regina Amante Luis Fernando Wentz Brum Luis Carlos de Oliveira Jr. São Paulo 2009

*Silvia Benedetti Edna Regina Amante Luis Fernando Wentz Brum Luis Carlos de Oliveira Jr. São Paulo 2009 Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Alimentos REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA DE PROCESSO E RESÍDUOS DE INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS *Silvia Benedetti Edna Regina Amante

Leia mais

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG ANTONELLO, P.M. 1 ; BARRETO, A.C 2 ; SOUZA, A.D. 3 ; 1 Bolsista

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB EM INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB EM INDÚSTRIA DE ALIMENTOS AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB EM INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Rebecca Manesco Paixão 1 ; Luiz Henrique Biscaia Ribeiro da Silva¹; Ricardo Andreola ² RESUMO: Este trabalho apresenta a avaliação do desempenho

Leia mais

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão 1 AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão Ernesto F. L. Amaral 23, 28 e 30 de setembro de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de

Leia mais

VAZÃO E MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS URBANAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR

VAZÃO E MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS URBANAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR VAZÃO E MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS URBANAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE JULHO - 2010 Rosane Ferreira de Aquino Carlos Romay Pinto da Silva Cláudia Espírito Santo Jorge Reis Lustosa Eduardo Atahyde

Leia mais

REMOÇÃO DE COR EM EFLUENTES INDUSTRIAIS

REMOÇÃO DE COR EM EFLUENTES INDUSTRIAIS REMOÇÃO DE COR EM EFLUENTES INDUSTRIAIS Gandhi Giordano Engenheiro Químico pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Especialização em Engenharia Sanitária e Ambiental pela UERJ, Mestrando

Leia mais

MINIMIZAÇÃO DE EFLUENTES NO PROCESSO INDUSTRIAL

MINIMIZAÇÃO DE EFLUENTES NO PROCESSO INDUSTRIAL MINIMIZAÇÃO DE EFLUENTES NO PROCESSO INDUSTRIAL JOSÉ LUIZ PAPA ACQUA ENGENHARIA E CONSULTORIA S/C LTDA. www.acquaeng.com.br - Introdução - Escolha do Processo Industrial - Avaliação de Parâmetros de Poluição

Leia mais

Biodigestão da vinhaça: maior sustentabilidade à cadeia produtiva do etanol

Biodigestão da vinhaça: maior sustentabilidade à cadeia produtiva do etanol Congresso Internacional sobre Geração Distribuída e Energia no Meio Rural da vinhaça: maior sustentabilidade à cadeia produtiva do etanol Priscila Alves Carneiro Heleno Quevedo de Lima Universidade Federal

Leia mais

Controle estatístico de processo: algumas ferramentas estatísticas. Linda Lee Ho Depto Eng de Produção EPUSP 2009

Controle estatístico de processo: algumas ferramentas estatísticas. Linda Lee Ho Depto Eng de Produção EPUSP 2009 Controle estatístico de processo: algumas ferramentas estatísticas Linda Lee Ho Depto Eng de Produção EPUSP 2009 Controle estatístico de Processo (CEP) Verificar estabilidade processo Coleção de ferramentas

Leia mais

II-109 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO

II-109 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO II-19 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO Marcelo Hemkemeier (1) Químico Industrial pela Universidade

Leia mais

Controle de Qualidade

Controle de Qualidade Controle de Qualidade Lupércio França Bessegato Dep. Estatística/UFJF Roteiro 1. Qualidade na Empresa 2. Gestão da Qualidade 3. Ferramentas da Qualidade 4. Cartas de Controle por Variáveis 5. Referências

Leia mais

ANÁLISE DA INSPEÇÃO DA LARGURA DOS TECIDOS DE POLIPROPILENO DA INDÚSTRIA TÊXTIL OESTE LTDA

ANÁLISE DA INSPEÇÃO DA LARGURA DOS TECIDOS DE POLIPROPILENO DA INDÚSTRIA TÊXTIL OESTE LTDA ANÁLISE DA INSPEÇÃO DA LARGURA DOS TECIDOS DE POLIPROPILENO DA INDÚSTRIA TÊXTIL OESTE LTDA ORIENTADORA: Dra. Maria Emília Camargo - UNISC - kamargo@zaz.com.br CO-ORIENTADORA: Dra. Suzana Leitão Russo -

Leia mais

Histórico. Software estatístico utilizado em mais de 80 países por pesquisadores, engenheiros, analistas empresariais, professores, estudantes.

Histórico. Software estatístico utilizado em mais de 80 países por pesquisadores, engenheiros, analistas empresariais, professores, estudantes. MINITAB 14 Histórico Software estatístico utilizado em mais de 80 países por pesquisadores, engenheiros, analistas empresariais, professores, estudantes. Possui ferramentas para diversos tipos de análise

Leia mais

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes revista especializada em tratamento de DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS ULTRAVIOLETA Sistema de decantação Ação dos decantadores em tratamento de água Fenasan 2013 9 772236 261064 junho/julho-2013

Leia mais

PALAVRAS CHAVES: CEP, variabilidade, estabilidade, capabilidade e método

PALAVRAS CHAVES: CEP, variabilidade, estabilidade, capabilidade e método Definição de método para avaliação da qualidade do processo de dosagem de pastas utilizando o Controle Estatístico de Processo RESUMO Autoria: Rogério Royer, Gilberto Tavares dos Santos O Controle Estatístico

Leia mais

A INTEGRAÇÃO ENTRE ESTATÍSTICA E METROLOGIA

A INTEGRAÇÃO ENTRE ESTATÍSTICA E METROLOGIA A INTEGRAÇÃO ENTRE ESTATÍSTICA E METROLOGIA João Cirilo da Silva Neto jcirilo@araxa.cefetmg.br. CEFET-MG-Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais-Campus IV, Araxá Av. Ministro Olavo Drumonnd,

Leia mais

Thiago P. Arouca Toledo (UNIFEI) thiagoarouca@hotmail.com Pedro Paulo Balestrassi (UNIFEI) pedro@iem.efei.br

Thiago P. Arouca Toledo (UNIFEI) thiagoarouca@hotmail.com Pedro Paulo Balestrassi (UNIFEI) pedro@iem.efei.br Tuiuiu Papercóptero: Um exemplo didático para a metodologia Seis Sigma na otimização de duas respostas simultâneas utilizando planejamento de experimentos. Thiago P. Arouca Toledo (UNIFEI) thiagoarouca@hotmail.com

Leia mais

Estudo de sobrevivência de insetos pragas através da distribuição de Weibull: uma abordagem bayesiana

Estudo de sobrevivência de insetos pragas através da distribuição de Weibull: uma abordagem bayesiana Estudo de sobrevivência de insetos pragas através da distribuição de Weibull: uma abordagem bayesiana Leandro Alves Pereira - FAMAT, UFU Rogerio de Melo Costa Pinto - FAMAT, UFU 2 Resumo: Os insetos-pragas

Leia mais

Introdução ao Tratamento de Efluentes LíquidosL. Aspectos Legais. Usos da Água e Geração de Efluentes. Abastecimento Doméstico

Introdução ao Tratamento de Efluentes LíquidosL. Aspectos Legais. Usos da Água e Geração de Efluentes. Abastecimento Doméstico Introdução ao Tratamento de Efluentes LíquidosL Noções BásicasB Aspectos Legais Tecg.º Jair Fernandes de Macedo Prolab Ambiental Ltda. Usos da Água e Geração de Efluentes Abastecimento Doméstico Água potável

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CST EM GESTÃO AMBIENTAL Nome da disciplina Semestre básica Introdução à Gestão Ambiental 1 o Industrialização; demografia e impactos ambientais; poluição: ar-águasolo; tecnologias

Leia mais

daniel.desouza@hotmail.com

daniel.desouza@hotmail.com VIII Congreso Regional de ENDE Campana Agosto 2011 Aplicação do estimador maximum likelihood a um teste de vida sequencial truncado utilizando-se uma distribuição eibull Invertida de três parâmetros como

Leia mais

Uma proposta de gráfico de controle EWMA com dados sazonais

Uma proposta de gráfico de controle EWMA com dados sazonais Uma proposta de gráfico de controle EWMA com dados sazonais Leandro Callegari Coelho (UFSC) leandroah@hotmail.com Robert Wayne Samohyl (UFSC) samohyl@yahoo.com Resumo: A importância do controle estatístico

Leia mais

AVALIAÇÃO MATEMÁTICA DOS PROCESSOS DE REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA EM FILTRO ANAERÓBIO DE FLUXO ASCENDENTE

AVALIAÇÃO MATEMÁTICA DOS PROCESSOS DE REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA EM FILTRO ANAERÓBIO DE FLUXO ASCENDENTE AVALIAÇÃO MATEMÁTICA DOS PROCESSOS DE REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA EM FILTRO ANAERÓBIO DE FLUXO ASCENDENTE Cinthia Monteiro Hartmann (1) Graduada em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Paraná

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 888

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 888 Página 888 EFEITOS DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS DE INDÚSTRIAS DE CAMPINA GRANDE NA PRODUÇÃO DE FITOMASSA DA MAMONEIRA, CULTIVAR BRS NORDESTINA Josilda de F. Xavier 1 *. Carlos A. V. Azevedo 1*, Napoleão E. M.

Leia mais

X-003 - PROCEDIMENTOS ANALÍTICOS E RESULTADOS NO MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DE ESGOTOS

X-003 - PROCEDIMENTOS ANALÍTICOS E RESULTADOS NO MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DE ESGOTOS X-003 - PROCEDIMENTOS ANALÍTICOS E RESULTADOS NO MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DE ESGOTOS Aline Pires Veról(1) Graduanda em Engenharia Civil Escola Politécnica/UFRJ, Bolsista IC-CNPq/PROSAB Maria Cristina

Leia mais

O CEP COMO FERRAMENTA DE MELHORIA DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE NAS ORGANIZAÇÕES.

O CEP COMO FERRAMENTA DE MELHORIA DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE NAS ORGANIZAÇÕES. O CEP COMO FERRAMENTA DE MELHORIA DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE NAS ORGANIZAÇÕES. Evandro de Paula Faria, Claudia Cristina de Andrade, Elvis Magno da Silva RESUMO O cenário competitivo exige melhoria contínua

Leia mais

Água - Recurso Natural

Água - Recurso Natural - Recurso Natural PROF. Carla Gracy Ribeiro Meneses A água é um elemento essencial para a humanidade. Nosso corpo é composto por dois terços de água, isso equivalente ao nosso peso total. Curiosidades!

Leia mais

Biometria Roberval Monteiro Bezerra de Lima (roberval.lima@embrapa.br) Sumaia Vasconcelos (sumaia.vasconcelos@inpa.gov.br)

Biometria Roberval Monteiro Bezerra de Lima (roberval.lima@embrapa.br) Sumaia Vasconcelos (sumaia.vasconcelos@inpa.gov.br) PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DE FLORESTAS TROPICAIS-PG-CFT INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA-INPA Biometria Roberval Monteiro Bezerra de Lima (roberval.lima@embrapa.br) Sumaia Vasconcelos (sumaia.vasconcelos@inpa.gov.br)

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 27 de setembro a de outubro de 2 COMPARAÇÃO DOS MÉTODOS DOS MOMENTOS E DA MÁXIMA VEROSSSIMILHANÇA PARA ESTIMATIVA DOS PARÂMETROS DA DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE WEIBULL LIDIANE APARECIDA BORGES, CARLOS

Leia mais

SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS

SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS Creusa Sayuri Tahara Amaral Grupo ei2 NUMA EESC USP São Carlos Agenda Introdução Metodologia Seis sigma Design

Leia mais

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. INFORMAÇÕES

Leia mais

6 Sistemas Terminais e Não-Terminais

6 Sistemas Terminais e Não-Terminais 6 Sistemas Terminais e Não-Terminais 1 A fim de poder realizar uma análise mais precisa dos resultados de simulação, é preciso saber classificar o sistema modelado como sendo terminal ou não-terminal.

Leia mais

MERCADO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS NO BRASIL

MERCADO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS NO BRASIL MERCADO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS NO BRASIL Palavras-chave: Efluentes industriais, tecnologia ambiental, controle de poluição. 1 Introdução O mercado de tecnologias ambientais no Brasil, principalmente

Leia mais

AVALIAÇÃO METODOLÓGICA NA DETERMINAÇÃO DE DBO5 POR RESPIROMETRIA E LUMINESCÊNCIA

AVALIAÇÃO METODOLÓGICA NA DETERMINAÇÃO DE DBO5 POR RESPIROMETRIA E LUMINESCÊNCIA AVALIAÇÃO METODOLÓGICA NA DETERMINAÇÃO DE DBO5 POR RESPIROMETRIA E LUMINESCÊNCIA Francine Schulz francine.schulz@gmail.com Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS, Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO COMO ALTERNATIVA PARA TRATAMENTO DE EFLUENTES EM UM LATICÍNIO DO MUNICÍPIO DE MISSAL/PR

LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO COMO ALTERNATIVA PARA TRATAMENTO DE EFLUENTES EM UM LATICÍNIO DO MUNICÍPIO DE MISSAL/PR LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO COMO ALTERNATIVA PARA TRATAMENTO DE EFLUENTES EM UM LATICÍNIO DO MUNICÍPIO DE MISSAL/PR Kelly Mayara Poersch (IC) 1, Anelize Queiroz do Amaral (PQ) 2, Renan Pies (IC) 3, Adrieli

Leia mais

Aspectos técnicos relacionados à

Aspectos técnicos relacionados à II Workshop de Acreditação de Produtores de Materiais de Referência e de Provedores de Ensaios de Proficiência Aspectos técnicos relacionados à norma ISO 13528:2005 Roberto Gonçalves Junqueira Professor

Leia mais

ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO TEMPORAL DE DADOS HORÁRIOS DE TEMPERATURA EM CURITIBA

ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO TEMPORAL DE DADOS HORÁRIOS DE TEMPERATURA EM CURITIBA ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO TEMPORAL DE DADOS HORÁRIOS DE TEMPERATURA EM CURITIBA Miriam Pittigliani Instituto Tecnológico Simepar Centro Politécnico da UFPR Cx. Postal 19.1, Curitiba-PR, 81.531-99 e-mail:

Leia mais

Distribuições Contínuas de Probabilidade

Distribuições Contínuas de Probabilidade Distribuições Contínuas de Probabilidade Pedro Paulo Balestrassi www.pedro.unifei.edu.br ppbalestrassi@gmail.com 35-3691161 / 88776958 (cel) 1 Distribuições contínuas de probabilidade descrevem variáveis

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MATEMÁTICA 4 a LISTA DE EXERCÍCIOS GBQ12 Professor: Ednaldo Carvalho Guimarães AMOSTRAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MATEMÁTICA 4 a LISTA DE EXERCÍCIOS GBQ12 Professor: Ednaldo Carvalho Guimarães AMOSTRAGEM 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MATEMÁTICA 4 a LISTA DE EXERCÍCIOS GBQ12 Professor: Ednaldo Carvalho Guimarães AMOSTRAGEM 1) Um pesquisador está interessado em saber o tempo médio que

Leia mais

MPS.Br A A Experiência da Stefanini Washington Souza Marcelo Ramasco Andrea Mattos Elaine Vanessa

MPS.Br A A Experiência da Stefanini Washington Souza Marcelo Ramasco Andrea Mattos Elaine Vanessa MPS.Br A A Experiência da Stefanini Washington Souza Marcelo Ramasco Andrea Mattos Elaine Vanessa Sobre o que vamos falar Uma breve visão sobre a Stefanini A jornada até chegar ao nível A Falar como foi

Leia mais

CAPÍTULO 9 CONTROLE ESTATÍSTICO DO PROCESSO - CEP

CAPÍTULO 9 CONTROLE ESTATÍSTICO DO PROCESSO - CEP CAPÍTULO 9 CONTROLE ESTATÍSTICO DO PROCESSO - CEP 1. INTRODUÇÃO Produções seriadas; Produções não-seriadas; Prestação de serviços. A) Processo com Interação de Insumos Definição de Processo: seqüência

Leia mais

LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C. 3 ; FREITAS, A.C. 4 ; GONÇALVES, C.A.A. 5

LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C. 3 ; FREITAS, A.C. 4 ; GONÇALVES, C.A.A. 5 PROGRAMA DE VIABILIZAÇÃO TÉCNICA PARA SISTEMA DE TRATAMENTO INTEGRADO DOS EFLUENTES GERADOS NO COMPLEXO AGROINDUSTRIAL DA UNIDADE I DO CEFET UBERABA MG LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C.

Leia mais

'DGRVGH(QWUDGD SDUD D6LPXODomR

'DGRVGH(QWUDGD SDUD D6LPXODomR 6LPXODomR GH6LVWHPDV 'DGRVGH(QWUDGD SDUD D6LPXODomR,1387 'DGRVGH(QWUDGD SDUD D6LPXODomR 3URSyVLWRReproduzir o comportamento aleatório / estocástico do sistema real dentro do modelo de simulação. *$5%$*(,1*$5%$*(287

Leia mais

Tratamento Descentralizado de Efluentes HUBER BioMem

Tratamento Descentralizado de Efluentes HUBER BioMem WASTE WATER Solutions Tratamento Descentralizado de Efluentes HUBER BioMem Solução HUBER para Tratamento Decentralizado de Efluentes Unidades móveis e fixas Uma variedade de opções de reutilização de efluentes

Leia mais

Proposta de um SGA de efluentes líquidos para a Universidade Federal de Alfenas seguindo a série de Normas ISO 14000:2004

Proposta de um SGA de efluentes líquidos para a Universidade Federal de Alfenas seguindo a série de Normas ISO 14000:2004 Alexandre Ferreira Jefferson dos Santos Mariana Oliveira Samuel Rodrigues Proposta de um SGA de efluentes líquidos para a Universidade Federal de Alfenas seguindo a série de Normas ISO 14000:2004 Introdução

Leia mais

Rótulo Ecológico para o processo de tratamento de solução eletrolítica de baterias automotivas

Rótulo Ecológico para o processo de tratamento de solução eletrolítica de baterias automotivas Pág. Nº 2/10 0 Introdução O programa de Rotulagem Ambiental da ABNT foi desenvolvido para apoiar um esforço contínuo para melhorar e/ou manter a qualidade ambiental por meio da redução do consumo de energia

Leia mais

Modelo para estimativa de risco operacional e previsão de estoque para equipamentos da Comgás

Modelo para estimativa de risco operacional e previsão de estoque para equipamentos da Comgás Modelo para estimativa de risco operacional e previsão de estoque para equipamentos da Comgás Resumo Marcos Henrique de Carvalho 1 Gabriel Alves da Costa Lima 2 Antonio Elias Junior 3 Sergio Rodrigues

Leia mais

Predição em Modelos de Tempo de Falha Acelerado com Efeito Aleatório para Avaliação de Riscos de Falha em Poços Petrolíferos

Predição em Modelos de Tempo de Falha Acelerado com Efeito Aleatório para Avaliação de Riscos de Falha em Poços Petrolíferos 1 Predição em Modelos de Tempo de Falha Acelerado com Efeito Aleatório para Avaliação de Riscos de Falha em Poços Petrolíferos João Batista Carvalho Programa de Pós-Graduação em Matemática Aplicada e Estatística,

Leia mais

Eixo Temático ET-01-001 - Gestão Ambiental

Eixo Temático ET-01-001 - Gestão Ambiental Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - Vol. 2: Congestas 214 ISSN 2318-763 21 Eixo Temático ET-1-1 - Gestão Ambiental IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL EM UMA

Leia mais

ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DE SISTEMA PRÉ-FABRICADO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO ANALYSIS OF THE EFFICIENCY A SYSTEM PREFABRICATED SEWAGE TREATMENT

ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DE SISTEMA PRÉ-FABRICADO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO ANALYSIS OF THE EFFICIENCY A SYSTEM PREFABRICATED SEWAGE TREATMENT ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DE SISTEMA PRÉ-FABRICADO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO Fernanda Liska 1 ; Simone Fiori 2 *; Vera M. Cartana Fernandes 3 ; Vinícius Scortegagna 4 Resumo Apenas parte dos domicílios

Leia mais

COMPLEXO AMBIENTAL DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA

COMPLEXO AMBIENTAL DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA COMPLEXO AMBIENTAL FIAT DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA VALORES EQUIPE DA GESTÃO AMBIENTAL ALTA ADMINISTRAÇÃO ENGENHARIA AMBIENTAL e ENERGIA U. OP. PRENSAS U. OP. FUNILARIA

Leia mais

Douglas da Silva Tristão 1 ; Alexandre de Faria Lima 2. douglas.stristao@gmail.com alexandredefarialima@gmail.com

Douglas da Silva Tristão 1 ; Alexandre de Faria Lima 2. douglas.stristao@gmail.com alexandredefarialima@gmail.com REFLEXO DA CALIBRAÇÃO DE PICNÔMETRO NA PRODUÇÃO DE SÓLIDOS NO TRATAMENTO DE EFLUENTE INDUSTRIAL Douglas da Silva Tristão 1 ; Alexandre de Faria Lima 2 1, 2 UNIUBE douglas.stristao@gmail.com alexandredefarialima@gmail.com

Leia mais

7Testes de hipótese. Prof. Dr. Paulo Picchetti M.Sc. Erick Y. Mizuno. H 0 : 2,5 peças / hora

7Testes de hipótese. Prof. Dr. Paulo Picchetti M.Sc. Erick Y. Mizuno. H 0 : 2,5 peças / hora 7Testes de hipótese Prof. Dr. Paulo Picchetti M.Sc. Erick Y. Mizuno COMENTÁRIOS INICIAIS Uma hipótese estatística é uma afirmativa a respeito de um parâmetro de uma distribuição de probabilidade. Por exemplo,

Leia mais

A APLICABILIDADE DO TRATAMENTO DE ESGOTO POR MEIO DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO NO REÚSO DE ÁGUAS

A APLICABILIDADE DO TRATAMENTO DE ESGOTO POR MEIO DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO NO REÚSO DE ÁGUAS A APLICABILIDADE DO TRATAMENTO DE ESGOTO POR MEIO DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO NO REÚSO DE ÁGUAS Ana Maria Campiglia Babbini Marmo 1, Raquel Cymrot 2 Abstract A treatment should be carried out before releasing

Leia mais

Controle estatístico, manutenção e confiabilidade de processos. Profa. Rejane Tubino

Controle estatístico, manutenção e confiabilidade de processos. Profa. Rejane Tubino Controle estatístico, manutenção e confiabilidade de processos Profa. Rejane Tubino Cartas de controle- CEP Aplicação: quando se necessitar verificar quanto de variabilidade do processo é devido à variação

Leia mais

COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS ORGÂNICOS GERADOS NA EMBRAPA RORAIMA

COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS ORGÂNICOS GERADOS NA EMBRAPA RORAIMA COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS ORGÂNICOS GERADOS NA EMBRAPA RORAIMA Teresinha Costa Silveira de Albuquerque 1 ; Rita de Cássia Pompeu de Sousa 2 ; Clara Lúcia Silva Figueiredo 3 ; Suelma Damasceno Oliveira Costa

Leia mais

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE SIMULAÇÃO DA CAPACIDADE DE AUTODEPURAÇÃO EM DIFERENTES CENÁRIOS DE VAZÃO DE UM TRECHO DO RIO CACHOEIRA, SUL DA BAHIA. José Wildes Barbosa dos Santos; Neylor Alves Calasans Rêgo INTRODUÇÃO O forte crescimento

Leia mais

Guia de bolso de técnicas de análise estatística

Guia de bolso de técnicas de análise estatística Guia de bolso de técnicas de análise estatística Guia de bolso de técnicas de análise estatística para uso em ferramentas de aperto Capítulo...Página 1. Introdução...4 2. Estatística básica...5 2.1 Variação...5

Leia mais

PROPOSTA DE MELHORIA EM TRATAMENTO DE ESGOTO E REGULARIZAÇÃO DE DESCARTES. www.comambio.com.br

PROPOSTA DE MELHORIA EM TRATAMENTO DE ESGOTO E REGULARIZAÇÃO DE DESCARTES. www.comambio.com.br PROPOSTA DE MELHORIA EM TRATAMENTO DE ESGOTO E REGULARIZAÇÃO DE DESCARTES www.comambio.com.br Bióloga Resp.: HANY SAHLE - CRBIO 43312/01-D COMAM BIORREMEDIAÇÃO EMPRESA - COMAM Industria, Comercio e Serviços

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE Dispõe sobre a fixação de Padrões de Emissão de Efluentes Líquidos para fontes de emissão que lancem seus efluentes em águas superficiais no Estado do Rio Grande do Sul O CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA ETE TIPO AERAÇÃO PROLONGADA COM BASE EM TRÊS ANOS DE MONITORAMENTO INTENSIVO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA ETE TIPO AERAÇÃO PROLONGADA COM BASE EM TRÊS ANOS DE MONITORAMENTO INTENSIVO AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA ETE TIPO AERAÇÃO PROLONGADA COM BASE EM TRÊS ANOS DE MONITORAMENTO INTENSIVO Marcos von Sperling (*) Carla Maria Vasconcellos Fróes Departamento de Engenharia Sanitária e

Leia mais

LINEAMENTOS PARA MELHORAR A GESTÃO DAS ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS E FAZER MAIS SUSTENTÁVEL A PROTEÇÃO DA SAÚDE

LINEAMENTOS PARA MELHORAR A GESTÃO DAS ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS E FAZER MAIS SUSTENTÁVEL A PROTEÇÃO DA SAÚDE Primeiro lineamento geral: O TRATAMENTO E USO ADEQUADOS DAS ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS CONTRIBUEM A PROTEGER A QUALIDADE DOS CORPOS DE ÁGUA E DEVERIAM SER PARTE DE UMA GESTÃO MAIS EFICIENTE DOS RECURSOS

Leia mais

DESEMPENHO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTE TÊXTIL ATRAVÉS DE ANALISE DE COMPONENTES PRINCIPAIS (ACP)

DESEMPENHO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTE TÊXTIL ATRAVÉS DE ANALISE DE COMPONENTES PRINCIPAIS (ACP) DESEMPENHO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTE TÊXTIL ATRAVÉS DE ANALISE DE COMPONENTES PRINCIPAIS (ACP) Catia Cirlene Felipi Ganske 1 & Cladir Teresinha Zanotelli 2 RESUMO Objetivou-se com este estudo

Leia mais

Saiba mais e encontre um representante local da Minitab em www.minitab.com. resumo do conteúdo

Saiba mais e encontre um representante local da Minitab em www.minitab.com. resumo do conteúdo resumo do conteúdo Capítulo 1: Estatística descritiva e análise gráfica 1.1 Introdução 1.1.1 Objetivos de aprendizagem 1.2 Tipos de Dados 1.2.1 Conceitos básicos 1.2.2 Tipos de dados 1.2.3 Teste de conhecimento:

Leia mais

Comparação dos sistemas de gestão e legislações de saneamento na França, Estados Unidos e Brasil

Comparação dos sistemas de gestão e legislações de saneamento na França, Estados Unidos e Brasil VIII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí I Seminário dos Estudantes de Pós Graduação Comparação dos sistemas de gestão e legislações de saneamento na França, Estados Unidos e Brasil 1

Leia mais

INVENTÁRIO AMBIENTAL DO PROCESSO DE OBTENÇÃO DE NANOCRISTAIS DE CELULOSE A PARTIR DA FIBRA DE COCO VERDE

INVENTÁRIO AMBIENTAL DO PROCESSO DE OBTENÇÃO DE NANOCRISTAIS DE CELULOSE A PARTIR DA FIBRA DE COCO VERDE INVENTÁRIO AMBIENTAL DO PROCESSO DE OBTENÇÃO DE NANOCRISTAIS DE CELULOSE A PARTIR DA FIBRA DE COCO VERDE Aline Cavalcanti e Cavalcante * ; Ana Claudia Carneiro da Silva Braid; Diego Magalhães Nascimento;

Leia mais

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO Aula 8 a A Engenharia e o Meio Ambiente Parte I Edgar Aberto de Brito PRIMEIRA PARTE As questões ambientais e os problemas para a engenharia. ENGENHARIA

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE CINZAS PROVENIENTES DA QUEIMA DE MADEIRA EM CALDEIRA DE AGROINDÚSTRIA COMO ADITIVO EM ARGAMASSAS PARA FINS NÃO ESTRUTURAIS.

UTILIZAÇÃO DE CINZAS PROVENIENTES DA QUEIMA DE MADEIRA EM CALDEIRA DE AGROINDÚSTRIA COMO ADITIVO EM ARGAMASSAS PARA FINS NÃO ESTRUTURAIS. UTILIZAÇÃO DE CINZAS PROVENIENTES DA QUEIMA DE MADEIRA EM CALDEIRA DE AGROINDÚSTRIA COMO ADITIVO EM ARGAMASSAS PARA FINS NÃO ESTRUTURAIS. Alexsandro Luiz Julio (1) Biólogo pela Universidade Comunitária

Leia mais

Distribuição de Freqüências

Distribuição de Freqüências Distribuição de Freqüências Por constituir-se o tipo de tabela importante para a Estatística Descritiva, faremos um estudo completo da distribuição de freqüências. Uma distribuição de freqüências condensa

Leia mais

ESTUDO SOBRE DESTINAÇÃO ADEQUADA AOS RESÍDUOS LÍQUIDOS, SÓLIDOS E GASOSOS GERADOS NO PROCESSO DE GALVANOPLASTIA DA INDÚSTRIA I. T.

ESTUDO SOBRE DESTINAÇÃO ADEQUADA AOS RESÍDUOS LÍQUIDOS, SÓLIDOS E GASOSOS GERADOS NO PROCESSO DE GALVANOPLASTIA DA INDÚSTRIA I. T. ESTUDO SOBRE DESTINAÇÃO ADEQUADA AOS RESÍDUOS LÍQUIDOS, SÓLIDOS E GASOSOS GERADOS NO PROCESSO DE GALVANOPLASTIA DA INDÚSTRIA I. T. Jaqueline Aparecida Toigo IC-Fecilcam, Engenharia de Produção Agroindustrial,

Leia mais

ESTUDO DE VAZÕES E COTAS EM UMA BACIA HIDROGRÁFICA, CEARÁ, BRASIL

ESTUDO DE VAZÕES E COTAS EM UMA BACIA HIDROGRÁFICA, CEARÁ, BRASIL ESTUDO DE VAZÕES E COTAS EM UMA BACIA HIDROGRÁFICA, CEARÁ, BRASIL B. P. H. G. Cardoso 1 ; F. F de. Araújo 2 RESUMO: Este trabalho objetivou possibilitar um levantamento estatístico das vazões e cotas de

Leia mais

Tratamento de Efluentes: fundamentais no setor de tratamento de superfície

Tratamento de Efluentes: fundamentais no setor de tratamento de superfície Tratamento de Efluentes: fundamentais no setor de tratamento de superfície Além de uma análise técnica bastante interessante sobre a importância do tratamento de efluentes no nosso setor, feito por um

Leia mais

ECOEFICIENCIA URBANA E RESÍDUOS SÓLIDOS

ECOEFICIENCIA URBANA E RESÍDUOS SÓLIDOS ECOEFICIENCIA URBANA E RESÍDUOS SÓLIDOS Dentre as várias contribuições das pesquisas na área psicologia, está a de promover e assegurar o desenvolvimento de pessoas e grupos sociais, visando sempre a melhoria

Leia mais

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE Estação de Tratamento de Efluente (ETE) compreende basicamente as seguintes etapas: Pré-tratamento (gradeamento e desarenação), Tratamento primário (floculação e sedimentação),

Leia mais