INGEPRO Inovação, Gestão e Produção Novembro de 2010, vol. 02, n o. 11 ISSN

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INGEPRO Inovação, Gestão e Produção Novembro de 2010, vol. 02, n o. 11 ISSN 1984-6193 www.ingepro.com.br"

Transcrição

1 Análise de capacidade de dados não normais de um sistema de tratamento de efluente industrial. Rodrigo Ebert Harsteln Juarez Ramos do Amaral Filho Liane Werner Resumo: Este trabalho apresenta a avaliação da capacidade do processo de um sistema de tratamento de efluentes de uma empresa do setor metal mecânico onde foram coletadas 145 amostras do efluente final entre os dias 08/01/2008 e 04/06/2008. Os resultados da Demanda Química de Oxigênio foram utilizados como base para análise da capacidade e nos demonstraram uma distribuição não normal, conforme teste de Anderson-Darling. O processo apresentou todas as amostras dentro dos parâmetros exigidos pela legislação, mas como o objetivo é a melhoria contínua, foi estabelecido que o limite superior de especificação para a DQO, seria de 60 mg/l de efluente tratado. Um software estatístico foi utilizado para verificar a não normalidade dos dados, realizar as transformações necessárias, aplicar as técnicas pertinentes, e calcular os índices de capacidade cabíveis. Ficou evidenciado a importância de se estabelecer a correta distribuição dos dados e quais são os melhores métodos para a avaliação da capacidade de um processo. Palavras-chave: capacidade; dados não normais; tratamento de efluente industrial. Capacity analysis of a non-normal data for industrial wastewater treatment system. Abstract: This paper presents the assessing of a capability process of a sewage treatment system from a company of metal-mechanic sector where 145 samples of the final effluent of the day were collected between 08/01/2008 and 04/06/2008. The results of the chemical oxygen demand (COD) was used as a basis for analysis of capability and demonstrated a non-normal distribution, as Anderson-Darling test. The process showed all samples within the parameters required by law, but since the goal is continuous improvement, it was established that the upper limit of specifications for COD, would be 60 mg / L of treated effluent. A statistical software was used to verify the non-normality of the data, perform the necessary changes, implement the relevant technical, and calculate the rates of appropriate capacity. It was highlighted the importance of establishing the correct distribution of data and what are the best methods for assessing the performance of a process. Keywords: capability; not-normal data; treatment of industrial effluent. 1. Introdução Com a crescente industrialização dos países em desenvolvimento, diversos setores da economia vêm aumentando suas expectativas de crescimento para os próximos anos, o que acarreta em uma expansão das indústrias e, conseqüentemente, acaba gerando um aumento no número de resíduos e efluentes oriundos dos processos de produção. Um dos setores mais 13

2 beneficiados com o desenvolvimento da indústria é o metal mecânico. Conforme a Anfavea - Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores, nos quatro primeiros meses de 2008, as linhas de fabricação de máquinas e implementos agrícolas, produziram 26,1 mil unidades, 49,8% a mais do que foi fabricado no mesmo período do ano passado. Em abril foram produzidas sete mil máquinas, número 35% maior que o mesmo período de Enquanto as vendas no primeiro quadrimestre de 2008 tiveram uma alta de 54,4%, comparado com igual período do ano passado, com o total de mil unidades. Este incremento na produção, devido ao aumento do consumo, faz com que as indústrias produzam mais, utilizando mais matérias primas e gerando maior numero de emissões. Através disto, a participação das indústrias como agentes não poluidores, torna-se ainda mais relevante para que o desenvolvimento sustentável seja obtido. Segundo Cúria (2003), somente a partir das décadas de 70/80, com ação conjunta da sociedade e do poder público pôde ser deslumbrada uma mudança de atitude em relação aos recursos hídricos, onde as indústrias foram apontadas como as principais agentes responsáveis pela poluição das águas superficiais e subterrâneas. Essas por sua vez foram bastante reativas, passando a adotar medidas de controle dos efluentes gerados em seus processos produtivos, tornando-se comum à construção de estações de tratamento de efluentes e o uso dos mais variados mecanismos de controle. Na década de 90 as tendências apontavam para uma postura pró-ativa das empresas, onde a percepção dos empreendedores estava sendo direcionada para a busca de ferramentas capazes de eliminar ou reduzir os efluentes gerados. O uso destas ferramentas passou de uma tendência para uma estratégia concreta, completamente adaptada e fortalecida pelos excelentes resultados obtidos nos diferentes setores produtivos onde foram aplicadas e onde a utilização de técnicas de produção mais limpa e a implantação de sistema de gestão ambiental são os expoentes desta nova forma de ação. Hoje em dia, com o aumento da integração entre os sistemas de gestão (qualidade, meio ambiente e segurança), conceitos e ferramentas de melhoria da qualidade e controle de qualidade já são aplicadas para processos de controle da poluição ambiental nas indústrias. Exemplos destas utilizações e integrações podem ser observados nas normas ISO, séries 9000 e 14000, nas quais estão incluídos conceitos como análise do ciclo de vida do produto e melhoria contínua, e na norma que dispõe sobre as diretrizes para as auditorias de sistemas de gestão de qualidade e ou ambiental. Os estudos de capacidade de processo, são ferramentas de controle estatístico da qualidade, que tem por objetivo básico avaliar se um determinado processo consegue gerar produtos que atendam as especificações de engenharia, que consistem em, obter uma amostra de produtos fabricados em condições normais de operação (RAMOS, 2000). Embora o uso industrial dessa ferramenta de controle já esteja em intensa aplicação para melhoria da qualidade na produção, a sua utilização ainda é pouco usual nos processos relacionados ao controle da poluição. Podendo ser aplicado para monitoramento dos parâmetros do efluente tratado das indústrias, com o intuito de reduzir cada vez mais as chances deste sair em desacordo com o exigido pelo órgão estadual de controle ambiental. Neste contexto, este artigo apresenta 145 amostras da Demanda Química de Oxigênio (DQO), de um efluente tratado de uma empresa do setor metal mecânico, coletadas diariamente. A DQO indica a concentração de matéria orgânica e inorgânica presente em um efluente e mede a quantidade de oxigênio quimicamente utilizada para a oxidação da matéria orgânica e inorgânica de uma amostra, foi escolhida entre os diversos parâmetros de qualidade da água, pois é um parâmetro que nos fornece informações quantitativas sobre a 14

3 qualidade do efluente tratado em um curto espaço de tempo, devido à sua rápida determinação em laboratório, aproximadamente 2,5 horas. De acordo com a resolução do CONSEMA (Conselho Estadual do Meio Ambiente) n 128/06, com vazões entre 100 e 500 m3/dia, onde está enquadrada a empresa em estudo, a DQO tem seu valor máximo permitido em 330 mg de O2 dissolvido por litro de efluente. Portanto, é de fundamental importância o controle da DQO e de outros parâmetros para que se possa maximizar a eficiência do processo atuando em suas causa especiais e aumento assim a qualidade do tratamento. 2. Referencial teórico 2.1 Tratamento de efluentes O controle e a prevenção da poluição adquirem importância crescente à medida que os cuidados com a questão ambiental se tornam gradativamente mais presentes na sociedade. O ideal seria que a poluição pudesse ser evitada na fonte. Entretanto, muitas vezes a fonte não pode ser alcançada e ações para o tratamento, a reciclagem e o reaproveitamento devem ser considerados. Ainda, dificilmente é possível obter grau zero de poluição em atividades industriais e por esta razão existem níveis de descarte de elementos poluentes estabelecidos para proteger o meio ambiente. Reutilizar a água proveniente do processo produtivo torna-se importante à realidade das indústrias em função da legislação ambiental ser cada vez mais restritiva. É importante observar que a busca de soluções para preservar os recursos hídricos implica também necessidade de redução da descarga dos efluentes líquidos (FÉRIS, 2008). Segundo Braile e Cavalcanti (1993), a proteção do meio ambiente contra agentes poluidores de origem industrial é um problema complexo para os países em desenvolvimento. O problema mais importante parece estar centralizado nos seguintes aspectos: providenciar um controle ambiental seguro, sem prejuízo dos investimentos econômicos; obtenção de informação técnica referente aos melhores meios de que se dispõe para controlar a poluição; obtenção e emprego de técnicas de combate à poluição ambiental e de pessoal especializado na aplicação das mesmas; selecionar e adaptar as soluções de controle importadas ao conjunto de técnicas desenvolvidas no país. Os principais agentes poluidores das águas, conforme Tchobanoglous et al. (2002) são: sólidos em suspensão; matéria orgânica biodegradável; nutrientes; microrganismos patogênicos; matéria orgânica não biodegradável; metais pesados e sólidos orgânicos dissolvidos. Sendo seus principais parâmetros de qualidade divididos em parâmetros físicos, químicos inorgânicos, químicos orgânicos e propriedades biológicas. Dentro dos parâmetros químicos de qualidade da água, está englobada a Demanda Química de Oxigênio, que nos fornece, de maneira indireta, a quantidade de matéria orgânica e inorgânica contida no efluente, provendo assim uma informação quantitativa dos sólidos contidos neste. A DQO, mede o consumo de oxigênio (O2) ocorrido durante a oxidação química da matéria. A reação geralmente é feita com uso de dicromato de potássio em meio ácido, com um tempo estimado de 2,5 horas. 2.2 Capacidade de processos Segundo Kotz & Johnson (2002), os índices de capacidade de processo tem como objetivo determinar um número de avaliações necessárias para satisfazer o limite de especificação da qualidade ou característica de interesse, ou seja, com eles podem-se estimar quantos itens ou peças fora das especificações encontraremos pelo número de peças que seriam produzidas. Por exemplo, em um processo com dados normais e centrado um intervalo de 6σ nos garante que 99,73% das peças produzidas estarão conforme a especificação, o que 15

4 equivale a 27 peças defeituosas a cada peças produzidas. Ressalta-se também que a análise de capacidade somente será realizada depois de estabelecido o controle estatístico, pois assim o processo manterá os níveis de qualidade. Miranda (2005) classifica os índices de capacidade em três gerações bem distintas. A primeira seria a criada por Juran em seu trabalho de 1974, que estabelece os índices C p, C pk k, que se baseiam na razão entre a variabilidade do processo e os limites de especificação. Estes ainda são os índices mais práticos e difundidos na indústria. A segunda geração foi criada por Taguchi com sua função de perda, de seu trabalho de O índice C pm, penaliza através de um modelo quadrático, medidas que estão fora do alvo especificado. A terceira geração consiste nos índices criados pós C pm e são específicos para cada aplicação. Muitos deles são voltados à análise de dados correlacionados ou não-normais, porém por sua complexidade matemática são de pouco uso prático. Para tratar dados com distribuição não-normal, o mais usual e que também será o foco deste artigo é a transformação dos dados para o uso de índices da primeira geração. Os modelos usados para análise de capacidade podem ser divididos em dois grandes grupos, segundo a distribuição estatística dos dados obtidos. Serão discutidos modelos usados para dados normais e não normais, com ênfase no segundo tópico. Os índices de capacidade mais usados para a avaliação de processos normais, segundo Kotz & Johnson (1993), são os baseados nos limites superiores e inferiores de especificação. Os índices C p e C pk são definidos como: LSE LIE Cp = (1) 6σ LSE X X LIE Cpk = min ; (2) 3σ 3σ Onde LSE e LIE são os limites superior e inferior de especificação, respectivamente, X é a média calculada dos dados e σ é o desvio padrão calculado. Como se pode observar pela equação (1) e (2) a amplitude dos limites de especificação devem ser menores que a variância do processo (denominador das equações) então o processo será considerado capaz se os valores de C p e C pk forem maiores ou iguais a 1. Montgomery (2005) recomenda os valores mínimos para C p e C pk 1,33 para processos antigos bilaterais; 1,25 para processos antigos unilaterais; 1,50 para processos novos bilaterais, 1,45 para processos novos unilaterais. Segundo Kotz & Johnson (2002), pode-se ainda estabelecer os chamados índices de performance de processo (P p e P pk ) que são calculado da mesma forma que os índices C p e C pk, porém usam como estimador do desvio padrão medições individuais. 2.3 Capacidade de processos para dados não-normais Segundo Oliveira (2005) quando a distribuição não é normal incorrermos em erros como os que mostrados na Figura 1. A área sob a curva que determina a probabilidade de se obter peças fora da especificação é diferente da assumida usando uma distribuição normal. 16

5 FIGURA 1: Diferença quando assumido como normal um processo não normal - Adaptado de Oliveira (2005). O fato é agravado quando temos distribuições muito diferentes da normal como evidenciado por Miranda (2005), na Tabela 1 TABELA 1: Itens não conformes para cada distribuição usando um padrão ±3σ. Distribuição Não Conformes (ppm) Χ 2 4, t Uniforme 0 Normal 2700 Fonte: Adaptado de Miranda (2005). Uma vez estabelecida a não-normalidade dos dados (por várias formas como histogramas e outras técnicas gráficas e testes de hipótese como de Andrson-Darlin) e a não possibilidade de executar os itens a e b, podemos proceder para tratar os dados não-normais a fim de se avaliar sua capacidade. Entre as opções mais comuns são, segundo Oliveira (2005) são: a transformação dos dados, o ajuste de distribuições (Best fiting) e o tratamento não paramétrico. O primeiro é o mais usado e principalmente pela sua aplicação mais fácil. A segunda consiste em usar uma curva empírica na série de dados obtida e assim estimar uma distribuição e calcular os índices de capacidade. A terceira por fim é trabalhar em um modelo sem distribuição definida. Ramos (2000) lembra que o modelo de transformação de dados requer um conhecimento da variação do processo e é o mais rico por ter um modelo de base. Já o ajuste de distribuição é usado quando não se tem conhecimento da distribuição do processo estudado ou ela é inviável. Por fim o método não paramétrico só é aplicado quando os dois anteriores não são viáveis. 3 Estudo de Caso O estudo de caso consiste em analisar a capacidade do sistema de tratamento de efluente de uma empresa do setor metal-mecânico no que diz respeito ao parâmetro DQO, estabelecendo a melhor técnica para isso. Primeiramente coletou-se os dados, obteve-se os gráficos controle estatístico do processo, calculou-se a capacidade do processo assumindo que os dados são normais para futura comparação, verificou-se a não normalidade dos dados coletados através de teste de hipóteses (Anderson-Darling), e após determinar o melhor método para calcular a capacidade do processo dentre os relacionados no referencial teórico. 17

6 Para isso foi usado um software estatístico que além de verificar a não normalidade dos dados é capaz de realizar as transformações e técnicas aplicáveis e calcular os índices de capacidade. (a) FIGURA 2: Gráficos para valores individuais, (a) antes de remoção da causas especiais e (b) sob controle (b) (a) FIGURA 3: Gráficos para amplitudes móveis, (a) antes de remoção da causas especiais e (b) sob controle A Figura 2 e 3 mostram os gráficos para valores individuais com amplitude móvel dos dados coletados. Foram encontrados os motivos que geraram as causas especiais e as mesmas foram removidas e os limites de controle recalculados. O limite superior do processo exigido em legislação é de 330 mg/l de efluente tratado, porém como a idéia é uma melhoria do processo, foi estabelecida internamente pela empresa uma meta menor, de 60 mg/l para a DQO e este foi o valor utilizado como limite superior de especificação neste estudo e será usado para a comparação entre as capacidades obtidas com as técnicas usadas para tratar os dados não normais. Como se pode ver na Figura 4 foi calculada a capacidade do processo do sistema de tratamento de efluentes no que diz respeito ao parâmetro DQO, assumindo que a distribuição dos dados coletados é normal. O resultado foi um processo pouco capaz com índice C pk de 1,04 P pk de 0,82 evidenciando a não capacidade deste processo para o limite estabelecido. (b) 18

7 FIGURA 4: Análise capacidade do processo assumindo que os dados são normais A Figura 5 mostra o resultado do teste de Andreson-Darling obtido, como se pode reparar a hipótese de normalidade é rejeitada pelo valor de p menor que 0,5%. Sendo assim, os dados devem ser trabalhados como não normais a fim de se não incorrer em erros de super (ou sub) estimar os índices de capacidade. 3.1 A transformação Box-cox FIGURA 5 : Análise de normalidade pelo método Andreson-Darling Trata-se de um método muito simples. Basta fazer uma transformação na variável de controle. A transformação, segundo Oliveira et al. (2005), é a seguinte: λ Y = Y (3) Deve-se testar diversos valores de λ a fim de se determinar a melhor distribuição, ou seja,a que após a transformação mais se aproxima da normalidade e, por conseqüência, apresenta um menor desvio padrão. A Tabela 2 apresenta os valores da transformação para Y em função de λ e Figura 6 os valores de desvio padrão para cada λ. Como se pode observar o valor λ indicado é 0,5. 19

8 TABELA 2: Transformação para alguns valores de λ ,5 0 0,5 1 2 FONTE: Oliveira (2005) Sem transformação FIGURA 6: Gráfico de λ pelo desvio padrão para determinar o valor da transformação Box-Cox Após determinado o valor para a aplicação do método Box-Cox procedeu-se a transformação dos dados e a posterior análise de sua normalidade. A Figura 7 mostra a análise dos dados transformados, pelo teste de Anderson-Darling. Pode-se verificar que mesmo com a transformação o valor de p para a normalidade é baixo, ou seja, a transformação pouco melhorou a normalidade dos dados a fim de avaliar a capacidade do processo por este método. FIGURA 7: Análise de normalidade pelo método Andreson-Darling dos dados transformados Procedendo a análise de capacidade mesmo para um valor baixo de p de normalidade temos os resultados constantes na Figura 8. 20

9 FIGURA 8: Análise capacidade do processo depois de transformados os dados pelo método Box-cox Como se vê a capacidade cai com relação ao tratamento direto dos dados assumindo sua normalidade, o valore de C pk foi 0,85 P pk de 0,68 evidenciando a não capacidade deste processo para o limite estabelecido. 3.2 A transformação de Johnson A transformação de Johnson ajusta uma distribuição empírica aos dados e gera os índices C m e C mk proporcional ao percentual de peças fora dos limites de especificação. As curvas são ajustadas pela seguinte equação (4) JOHNSON (1949): Z = γ + δf (y) (4) Onde o valor f(y) é cada uma das famílias definidas limitada (Sb), logonormal (Sl) ou ilimitada (Su). O valor para f(y) esta na Tabela 3. TABELA 3: famílias da transformação de Johnson Família f(y) função Sb Limitada (bounded) Sl Logonormal Su Ilimitada (unbounded) x ξ log λ + ξ x x log FONTE: Adaptado de Johnson (1949) ξ λ x ξ senh 1 λ Os valores ξ e λ são parâmetros de ajuste das curvas. Os cálculos de ajuste dos dados são feitos pelo software estatístico que também já executa o teste de normalidade de Anderson-Darling para os dados transformados, além de explicitar a equação obtida. Como se pode observar na Figura 9 os dados foram transformados pela família lognormal e foi obtida uma distribuição normal com os dados transformados, o que possibilitaria também o uso dos índices de capacidade comuns nos dados transformados, desde que transformados também os limites. 21

10 FIGURA 9: Transformação dos dados por Johnson e análise de normalidade pelo método Anderson-Darling dos dados transformados Foi então calculada a capacidade para o processo com a transformação de Johnson feita. O limite de 60 passa para 1,71 aplicando-se a equação da transformação. Nota-se na Figura 10 que a curva em pouco se difere da obtida sem a transformação. O resultado foi um processo não capaz com índice C pk de 0,88 P pk de 0,70 evidenciando a não capacidade deste processo. FIGURA 10: Análise capacidade do processo com os dados transformados pela transformação de Johnson 3.3 Ajuste de Distribuições (Best fiting) Como o ajuste de Johnson e o Box-Cox se mostraram pobres com respeito ao teste de normalidade, foi utilizada a técnica de ajuste de distribuição nos dados. Para tanto foram consideradas as seguintes distribuições: Normal (para referência), Exponencial, Logonormal (função usada por Johnson) e Weibull. 22

11 FIGURA 11: Ajuste dos dados a diversas distribuições Como se pode observar na Figura 11, o valor AD (estatística de Anderson-Darling) e o seu valor P indicam que a distribuição que representa o modela mais adequado para os dados obtidos é a Weibull, seguida da Logonormal, porém o p-valor P é significativo e esta distribuições serão usadas apenas a título de comparação com os demais métodos apresentados. Sendo assim, a capacidade foi calculada assumindo estas duas distribuições e os resultados podem ser observados nas Figuras 12 e 13. Para ambas o resultado foi um processo não capaz com índice P pk de 0,69 para Weibull e P pk de 0,28 para logonormal, evidenciando a não capacidade deste processo. Nota-se, no entanto que qualquer das duas distribuições modela melhor os dados que a distribuição normal, utilizando ou não as transformações Box- Cox e Johnson. FIGURA 12: Análise de capacidade do processo com os dados pela distribuição de Weibull 23

12 FIGURA 12: Análise capacidade do processo com os dados pela distribuição Logonormal 4. Considerações Finais Comparando o resultado de todas as técnicas utilizadas para tratar os dados de DQO a fim de obter sua capacidade podem ser vistos de forma resumida na Tabela 4. TABELA 4: Valores de Cpk e Ppk obtidos Distribuição C pk P pk PPM acima do LSE por P pk Normal 1,04 0, Normal (Box Cox) 0,85 0, Normal (Johnson) 0, Weibull 0, Logonormal 0, Nota-se uma grande diferença nos valores de dos índices P pk obtidos com a distribuição normal e com as técnicas aplicadas, sejam elas de transformação de dados ou ajuste de distribuição, o que se reflete no número de peças fora do limite. Caso se assumisse a distribuição dos valores de DQO como normais, o processo, para o limite mais estreito estabelecido pela empresa, estaria mais perto de ser capaz e gerando apenas 7089 PPM fora das especificações o que na verdade não ocorre uma vez que por qualquer das técnicas descritas (transformação de dados ou ajuste de curva) tem-se um resultado maior no número de amostras acima do LSE e sendo assim uma menor capacidade do processo. Esta comparação de resultados evidencia a necessidade de se saber se os dados de um sistema de controle de qualidade são normais e se não forem à utilização do método mais correto para avaliação da capacidade do processo estudado se mostra imprescindível para que se avalie de forma correta a capacidade do processo e se consiga garantir a qualidade desejada. Referências BRAILE, P. M.; CAVALCANTI, J.E.W.A. Manual de Tratamento de Águas Residuárias Industriais. São Paulo: CESTESB, CURIA, A. C. Caracterização da Estação de Tratamento de Efluentes da Empresa Agco do Brasil Comércio e Indústria Ltda. Dissertação (Mestrado Profissionalizante em Engenharia Ambiental e Tecnologias Limpas) Escola de Engenharia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS, Porto Alegre,

13 FÉRIS, L. A. Tratamento eficiente de efluentes e reuso da água na indústria: uma meta a ser atingida. Revista do CREA/RS, p.44, JOHNSON, N.L. Systems of Frequency Curves Generated by Methods of Translation. Biometrika, v.36, p , KOTZ, S.; JOHNSON, N. L. Process capability indices - a review, /Discussion /Response. Journal of Quality Technology, v. 34, n. 1, p. 2-52, MIRANDA, R. G. Um Modelo para Análise de Capacidade de Processos com Ênfase na Transformação de Dados. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) Departamento de Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina UFSC, Florianóplois, MONTGOMERY, D. Introduction to Statistical Quality Control 5th ed. New York: John Wiley & Sons, MORAES, C. F.; PAIVA, A. P.; FERREIRA, J. R. Um estudo sobre índice de capabilidade sigma para dados não normais. XXVI ENEGEP, Fortaleza, CE, Brasil, 9 a 11 de Outubro de OLIVEIRA, E. S. Análise de dados não-normais no contexto da metodologia six sigma. Trabalho de diplomação (Graduação em Engenharia de Produção e Gestão) Instituto de Engenharia de Produção e Gestão, Universidade Federal de Itajubá UNIFEI, Itajubá, RAMOS, A. W. Cep para Processos Contínuos e em Bateladas. São Paulo: Editora Edgar Blücher, 2000 TCHOBANOGLOUS, G.; BURTON, F.; STENSEL, H.D. Wastewater engineering Treatament and Reuse. New York: McGraw Hill,

Descobrimos que os testes 1, 2 e 7 foram os mais úteis para avaliação da estabilidade do gráfico Xbar na carta I:

Descobrimos que os testes 1, 2 e 7 foram os mais úteis para avaliação da estabilidade do gráfico Xbar na carta I: Este artigo é parte de uma série de artigos que explicam a pesquisa conduzida pelos estatísticos do Minitab para desenvolver os métodos e verificações de dados usados no Assistente no Software Estatístico

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental. Seis Sigma. Eco Six Sigma

Sistema de Gestão Ambiental. Seis Sigma. Eco Six Sigma Eco Six Sigma Nos dias de hoje, em que os requisitos de compra dos consumidores vão além do preço do produto, conquistar os consumidores torna-se um grande desafio. Características como a qualidade da

Leia mais

Decidir como medir cada característica. Definir as características de qualidade. Estabelecer padrões de qualidade

Decidir como medir cada característica. Definir as características de qualidade. Estabelecer padrões de qualidade Escola de Engenharia de Lorena - EEL Controle Estatístico de Processos CEP Prof. MSc. Fabrício Maciel Gomes Objetivo de um Processo Produzir um produto que satisfaça totalmente ao cliente. Conceito de

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009

PLANO DE ENSINO 2009 PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( x ) Pós-graduação ( ) Curso I. Dados Identificadores Disciplina Professor

Leia mais

PARÂMETROS QUALITATIVOS DA ÁGUA EM CORPO HÍDRICO LOCALIZADO NA ZONA URBANA DE SANTA MARIA RS 1

PARÂMETROS QUALITATIVOS DA ÁGUA EM CORPO HÍDRICO LOCALIZADO NA ZONA URBANA DE SANTA MARIA RS 1 PARÂMETROS QUALITATIVOS DA ÁGUA EM CORPO HÍDRICO LOCALIZADO NA ZONA URBANA DE SANTA MARIA RS 1 TATSCH, R. O. C 2, AQUINO, J. P. N 3 ; SWAROWSKY, A 4 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Curso de Engenharia:

Leia mais

Qualidade na empresa. Fundamentos de CEP. Gráfico por variáveis. Capacidade do processo. Gráficos por atributos. Inspeção de qualidade

Qualidade na empresa. Fundamentos de CEP. Gráfico por variáveis. Capacidade do processo. Gráficos por atributos. Inspeção de qualidade Roteiro da apresentação Controle de Qualidade 1 2 3 Lupércio França Bessegato UFMG Especialização em Estatística 4 5 Abril/2007 6 7 Conceito de Qualidade Não há uma única definição. Melhoria da Empresa

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA Paulo Sergio Scalize (1) Biomédico formado pela Faculdade Barão de Mauá. Graduando em Engenharia Civil

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS

CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS Elisângela Garcia Santos RODRIGUES 1, Hebert Henrique de Souza LIMA 1, Irivan Alves RODRIGUES 2, Lúcia Raquel de LIMA

Leia mais

NORMA TÉCNICA CONTROLE DE CARGA ORGÂNICA NÃO INDUSTRIAL CPRH N 2.002

NORMA TÉCNICA CONTROLE DE CARGA ORGÂNICA NÃO INDUSTRIAL CPRH N 2.002 NORMA TÉCNICA CONTROLE DE CARGA ORGÂNICA NÃO INDUSTRIAL CPRH N 2.002 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÃO 4. ABRANGÊNCIA 5. EXIGÊNCIAS DE CONTROLE 1 1. OBJETIVO Os critérios e padrões

Leia mais

Controlo Estatístico de Produtos Pré-embalados. IPQ SEMINÁRIO: Metrologia no Setor Alimentar 30 Outubro 2014 Cristina Barros (ovm@aferymed.

Controlo Estatístico de Produtos Pré-embalados. IPQ SEMINÁRIO: Metrologia no Setor Alimentar 30 Outubro 2014 Cristina Barros (ovm@aferymed. Controlo Estatístico de Produtos Pré-embalados IPQ SEMINÁRIO: Metrologia no Setor Alimentar 30 Outubro 2014 Cristina Barros (ovm@aferymed.pt) 1 Apresentação 2 Apresentação 3 Controlo estatístico dos produtos

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

*Silvia Benedetti Edna Regina Amante Luis Fernando Wentz Brum Luis Carlos de Oliveira Jr. São Paulo 2009

*Silvia Benedetti Edna Regina Amante Luis Fernando Wentz Brum Luis Carlos de Oliveira Jr. São Paulo 2009 Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Alimentos REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA DE PROCESSO E RESÍDUOS DE INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS *Silvia Benedetti Edna Regina Amante

Leia mais

II-109 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO

II-109 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO II-19 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO Marcelo Hemkemeier (1) Químico Industrial pela Universidade

Leia mais

QUALIDADE DE CONTROLE APLICADA A TRATAMENTO DE EFLUENTE DE LATICÍNIO POR SISTEMA ALAGADO CONSTRUÍDO HÍBRIDO

QUALIDADE DE CONTROLE APLICADA A TRATAMENTO DE EFLUENTE DE LATICÍNIO POR SISTEMA ALAGADO CONSTRUÍDO HÍBRIDO QUALIDADE DE CONTROLE APLICADA A TRATAMENTO DE EFLUENTE DE LATICÍNIO POR SISTEMA ALAGADO CONSTRUÍDO HÍBRIDO Mariane Libório Cardoso Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Londrina Pr, Brasil Engenharia

Leia mais

PROPOSTA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES EM EMPRESA ESPECIALIZADA EM RETÍFICA DE MOTORES

PROPOSTA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES EM EMPRESA ESPECIALIZADA EM RETÍFICA DE MOTORES PROPOSTA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES EM EMPRESA ESPECIALIZADA EM RETÍFICA DE MOTORES Felipe de Lima Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio grande do Sul Campus Sertão, Acadêmico do Curso

Leia mais

Douglas da Silva Tristão 1 ; Alexandre de Faria Lima 2. douglas.stristao@gmail.com alexandredefarialima@gmail.com

Douglas da Silva Tristão 1 ; Alexandre de Faria Lima 2. douglas.stristao@gmail.com alexandredefarialima@gmail.com REFLEXO DA CALIBRAÇÃO DE PICNÔMETRO NA PRODUÇÃO DE SÓLIDOS NO TRATAMENTO DE EFLUENTE INDUSTRIAL Douglas da Silva Tristão 1 ; Alexandre de Faria Lima 2 1, 2 UNIUBE douglas.stristao@gmail.com alexandredefarialima@gmail.com

Leia mais

MERCADO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS NO BRASIL

MERCADO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS NO BRASIL MERCADO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS NO BRASIL Palavras-chave: Efluentes industriais, tecnologia ambiental, controle de poluição. 1 Introdução O mercado de tecnologias ambientais no Brasil, principalmente

Leia mais

Introdução ao Tratamento de Efluentes LíquidosL. Aspectos Legais. Usos da Água e Geração de Efluentes. Abastecimento Doméstico

Introdução ao Tratamento de Efluentes LíquidosL. Aspectos Legais. Usos da Água e Geração de Efluentes. Abastecimento Doméstico Introdução ao Tratamento de Efluentes LíquidosL Noções BásicasB Aspectos Legais Tecg.º Jair Fernandes de Macedo Prolab Ambiental Ltda. Usos da Água e Geração de Efluentes Abastecimento Doméstico Água potável

Leia mais

Fundamentos de estatística aplicada à avaliação de processos farmacêuticos

Fundamentos de estatística aplicada à avaliação de processos farmacêuticos Fundamentos de estatística aplicada à avaliação de processos farmacêuticos Objetivo Apresentar, discutir e capacitar os participantes nos principais métodos estatísticos utilizados na avaliação de processos

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO UNIVERSIDADE DE CAIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Produção mais Limpa: O Caso do Arranjo Produtivo Local Metal-Mecânico Mecânico Automotivo da Serra Gaúcha Eliana Andréa

Leia mais

Tratamento de Efluentes

Tratamento de Efluentes Tratamento de Efluentes A IMPORTÂNCIA DO TRATAMENTO DE EFLUENTES E A REGULAMENTAÇÃO DO SETOR INTRODUÇÃO Conservar a qualidade da água é fundamental, uma vez que apenas 4% de toda água disponível no mundo

Leia mais

AUDITORIA DO PROCESSO DE MANUTENÇÃO PROATIVA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

AUDITORIA DO PROCESSO DE MANUTENÇÃO PROATIVA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA ÊNFASE ELETROTÉCNICA NICOLAS MACIEL SOARES WANDERLEY ANTONIO FAUSTINO JUNIOR AUDITORIA

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ESTUDO DE CASO: LATICÍNIO DO COLÉGIO AGRÍCOLA ESTADUAL MANOEL RIBAS

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ESTUDO DE CASO: LATICÍNIO DO COLÉGIO AGRÍCOLA ESTADUAL MANOEL RIBAS GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ESTUDO DE CASO: LATICÍNIO DO COLÉGIO AGRÍCOLA ESTADUAL MANOEL RIBAS Ana Cláudia Ueda (*), Magali Bernardes Maganhini * Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Apucarana.

Leia mais

GEIA. Grupo de Ecologia Industrial Aplicada FLUXUS. Laboratório de Estudos em Sustentabilidade Socioambiental e Redes Técnicas FEC/UNICAMP.

GEIA. Grupo de Ecologia Industrial Aplicada FLUXUS. Laboratório de Estudos em Sustentabilidade Socioambiental e Redes Técnicas FEC/UNICAMP. São Paulo Brazil May 20th 22nd 2009 Evolução das Abordagens Industriais Ambientais MSc. Juliana C. Fontes Lima, Profa. Dra. Emília W. Rutkowski FEC/UNICAMP GEIA. Grupo de Ecologia. Faculdade Industrial

Leia mais

COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS ORGÂNICOS GERADOS NA EMBRAPA RORAIMA

COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS ORGÂNICOS GERADOS NA EMBRAPA RORAIMA COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS ORGÂNICOS GERADOS NA EMBRAPA RORAIMA Teresinha Costa Silveira de Albuquerque 1 ; Rita de Cássia Pompeu de Sousa 2 ; Clara Lúcia Silva Figueiredo 3 ; Suelma Damasceno Oliveira Costa

Leia mais

REMOÇÃO DE COR EM EFLUENTES INDUSTRIAIS

REMOÇÃO DE COR EM EFLUENTES INDUSTRIAIS REMOÇÃO DE COR EM EFLUENTES INDUSTRIAIS Gandhi Giordano Engenheiro Químico pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Especialização em Engenharia Sanitária e Ambiental pela UERJ, Mestrando

Leia mais

AVALIAÇÃO MATEMÁTICA DOS PROCESSOS DE REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA EM FILTRO ANAERÓBIO DE FLUXO ASCENDENTE

AVALIAÇÃO MATEMÁTICA DOS PROCESSOS DE REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA EM FILTRO ANAERÓBIO DE FLUXO ASCENDENTE AVALIAÇÃO MATEMÁTICA DOS PROCESSOS DE REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA EM FILTRO ANAERÓBIO DE FLUXO ASCENDENTE Cinthia Monteiro Hartmann (1) Graduada em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Paraná

Leia mais

Controle estatístico de processo: algumas ferramentas estatísticas. Linda Lee Ho Depto Eng de Produção EPUSP 2009

Controle estatístico de processo: algumas ferramentas estatísticas. Linda Lee Ho Depto Eng de Produção EPUSP 2009 Controle estatístico de processo: algumas ferramentas estatísticas Linda Lee Ho Depto Eng de Produção EPUSP 2009 Controle estatístico de Processo (CEP) Verificar estabilidade processo Coleção de ferramentas

Leia mais

LINEAMENTOS PARA MELHORAR A GESTÃO DAS ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS E FAZER MAIS SUSTENTÁVEL A PROTEÇÃO DA SAÚDE

LINEAMENTOS PARA MELHORAR A GESTÃO DAS ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS E FAZER MAIS SUSTENTÁVEL A PROTEÇÃO DA SAÚDE Primeiro lineamento geral: O TRATAMENTO E USO ADEQUADOS DAS ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS CONTRIBUEM A PROTEGER A QUALIDADE DOS CORPOS DE ÁGUA E DEVERIAM SER PARTE DE UMA GESTÃO MAIS EFICIENTE DOS RECURSOS

Leia mais

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes revista especializada em tratamento de DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS ULTRAVIOLETA Sistema de decantação Ação dos decantadores em tratamento de água Fenasan 2013 9 772236 261064 junho/julho-2013

Leia mais

ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS. Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Almada

ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS. Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Almada ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Almada O QUE SÃO ÁGUAS RESIDUAIS? São águas que resultam de diversos usos ou atividades ligadas à vida humana:

Leia mais

4 Gráficos de controle

4 Gráficos de controle 4 Gráficos de controle O gráfico de controle é uma ferramenta poderosa do Controle Estatístico de Processo (CEP) para examinar a variabilidade em dados orientados no tempo. O CEP é composto por um conjunto

Leia mais

AVALIAÇÃO E REDUÇÃO DA TOXICIDADE DOS EFLUENTES HÍDRICOS O NOVO DESAFIO DAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS.

AVALIAÇÃO E REDUÇÃO DA TOXICIDADE DOS EFLUENTES HÍDRICOS O NOVO DESAFIO DAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS. AVALIAÇÃO E REDUÇÃO DA TOXICIDADE DOS EFLUENTES HÍDRICOS O NOVO DESAFIO DAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS. Ana Luiza Fávaro Piedade ACQUA CONSULTING SOLUÇÕES AMBIENTAIS LTDA. Atualmente já se sabe que cumprir

Leia mais

Aplicação da Carta de Farol no monitoramento de torque de parafusos numa linha de montagem: estudo de caso

Aplicação da Carta de Farol no monitoramento de torque de parafusos numa linha de montagem: estudo de caso Aplicação da Carta de Farol no monitoramento de torque de parafusos numa linha de montagem: estudo de caso Daniel Barcellos Mathias (PUCPR) dbmathias@bol.com.br Marcelo Giroto Rebelato (PUCPR) mgiroto@ccet.pucpr,.br

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1 1 1. APRESENTAÇÃO O presente Termo de Referência visa orientar e fornecer subsídios para a elaboração e conseqüente implantação do Programa de Educação Ambiental (PEA) a ser apresentado à Coordenadoria

Leia mais

Sistemas Compactos de Tratamento de Esgotos Sanitários para Pequenos Municípios

Sistemas Compactos de Tratamento de Esgotos Sanitários para Pequenos Municípios Comitê de Gerenciamento da Bacia Hidrográfica do Alto Rio Jacuí - COAJU III Seminário Estadual sobre os Usos Múltiplos da Água Erechim, 30 de julho de 2010 Sistemas Compactos de Tratamento de Esgotos Sanitários

Leia mais

MINIMIZAÇÃO DE EFLUENTES NO PROCESSO INDUSTRIAL

MINIMIZAÇÃO DE EFLUENTES NO PROCESSO INDUSTRIAL MINIMIZAÇÃO DE EFLUENTES NO PROCESSO INDUSTRIAL JOSÉ LUIZ PAPA ACQUA ENGENHARIA E CONSULTORIA S/C LTDA. www.acquaeng.com.br - Introdução - Escolha do Processo Industrial - Avaliação de Parâmetros de Poluição

Leia mais

DuPont Engineering University South America

DuPont Engineering University South America Treinamentos Práticas de Melhoria de Valor (VIP Value Improvement Practices) DuPont Engineering University South America # "$ % & "" Abordagem DuPont na Gestão de Projetos Industriais O nível de desempenho

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

MPS.Br A A Experiência da Stefanini Washington Souza Marcelo Ramasco Andrea Mattos Elaine Vanessa

MPS.Br A A Experiência da Stefanini Washington Souza Marcelo Ramasco Andrea Mattos Elaine Vanessa MPS.Br A A Experiência da Stefanini Washington Souza Marcelo Ramasco Andrea Mattos Elaine Vanessa Sobre o que vamos falar Uma breve visão sobre a Stefanini A jornada até chegar ao nível A Falar como foi

Leia mais

Reuso macroexterno: reuso de efluentes provenientes de estações de tratamento administradas por concessionárias ou de outra indústria;

Reuso macroexterno: reuso de efluentes provenientes de estações de tratamento administradas por concessionárias ou de outra indústria; Um local de grande potencialidade de reutilização de efluentes de ETE s é o setor industrial, afirma Giordani (2002), visto que várias fases dos processos produtivos podem aceitar águas de menor qualidade,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MATEMÁTICA 4 a LISTA DE EXERCÍCIOS GBQ12 Professor: Ednaldo Carvalho Guimarães AMOSTRAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MATEMÁTICA 4 a LISTA DE EXERCÍCIOS GBQ12 Professor: Ednaldo Carvalho Guimarães AMOSTRAGEM 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MATEMÁTICA 4 a LISTA DE EXERCÍCIOS GBQ12 Professor: Ednaldo Carvalho Guimarães AMOSTRAGEM 1) Um pesquisador está interessado em saber o tempo médio que

Leia mais

Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I GESTÃO DA QUALIDADE LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I GESTÃO DA QUALIDADE LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 7 EDITAL N o 04/2013 LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - O candidato recebeu do fiscal o seguinte material: a) este CADERNO DE QUESTÕES, com os enunciados das 8 (oito) questões discursivas, sem

Leia mais

Protocolo, ed. V 21/01/2013

Protocolo, ed. V 21/01/2013 2013 Protocolo, ed. V Preparo e Dosagem 21/01/2013 www.ecosynth.com.br Protocolo ATM - ed.05 (jan/2013) Página 2 1. APRESENTAÇÃO A propriedade de ocupar áreas destinadas a expansão industrial, custo de

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo:

Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo: TIPOS DE RESIDUOS Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo: Resíduo Hospitalar ou de Serviços de Saúde :

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB EM INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB EM INDÚSTRIA DE ALIMENTOS AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB EM INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Rebecca Manesco Paixão 1 ; Luiz Henrique Biscaia Ribeiro da Silva¹; Ricardo Andreola ² RESUMO: Este trabalho apresenta a avaliação do desempenho

Leia mais

Biodigestão da vinhaça: maior sustentabilidade à cadeia produtiva do etanol

Biodigestão da vinhaça: maior sustentabilidade à cadeia produtiva do etanol Congresso Internacional sobre Geração Distribuída e Energia no Meio Rural da vinhaça: maior sustentabilidade à cadeia produtiva do etanol Priscila Alves Carneiro Heleno Quevedo de Lima Universidade Federal

Leia mais

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência Página 1 de 9 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 01 20/05/2009 30/09/2009 16/12/09 Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos

Leia mais

DADOS PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. ANTUNES, Celso V. Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, celso.antunes@gmail.

DADOS PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. ANTUNES, Celso V. Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, celso.antunes@gmail. MÉTODO PARA COLETA E ANÁLISE DE DADOS PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL DA INDÚSTRIA METAL MECÂNICA ANTUNES, Celso V. Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, celso.antunes@gmail.com

Leia mais

Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química

Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química Apresentação: José Leildon QSA - ASSESSORIA EMPRESARIAL Ltda 2 Abordagem tradicional - controle corretivo Recursos Naturais Produtos Ambiente Rejeitos

Leia mais

Uma Avaliação do Uso de um Modelo Contínuo na Análise de Dados Discretos de Sobrevivência

Uma Avaliação do Uso de um Modelo Contínuo na Análise de Dados Discretos de Sobrevivência TEMA Tend. Mat. Apl. Comput., 7, No. 1 (2006), 91-100. c Uma Publicação da Sociedade Brasileira de Matemática Aplicada e Computacional. Uma Avaliação do Uso de um Modelo Contínuo na Análise de Dados Discretos

Leia mais

Processo de Software

Processo de Software Processo de Software Uma importante contribuição da área de pesquisa de processo de software tem sido a conscientização de que o desenvolvimento de software é um processo complexo. Pesquisadores e profissionais

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Aplicação do Controle Estatístico Multivariado no Processo de Extrusão de Tubos de PVC.

Aplicação do Controle Estatístico Multivariado no Processo de Extrusão de Tubos de PVC. Aplicação do Controle Estatístico Multivariado no Processo de Extrusão de Tubos de PVC. Ítalo L. Fernandes, Lidiane J. Michelini, Danilo M. Santos & Emerson Wruck Universidade Estadual de Goiás UEG, CEP

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio TRATAMENTO DA ÁGUA Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio Água poluída: água inadequada para beber ou para fazer nossa higiene. Diversas substâncias naturalmente presentes na água são

Leia mais

Por que Lean & Six Sigma?

Por que Lean & Six Sigma? CONTEÚDO DA PALESTRA O O que é LEAN? O O que é Six Sigma? Por que? LEAN LEAN ORIGEM DO LEAN A metodologia Lean já existe há algum tempo: A Ford foi pioneira no início do século XX 33 horas para concluir

Leia mais

7Testes de hipótese. Prof. Dr. Paulo Picchetti M.Sc. Erick Y. Mizuno. H 0 : 2,5 peças / hora

7Testes de hipótese. Prof. Dr. Paulo Picchetti M.Sc. Erick Y. Mizuno. H 0 : 2,5 peças / hora 7Testes de hipótese Prof. Dr. Paulo Picchetti M.Sc. Erick Y. Mizuno COMENTÁRIOS INICIAIS Uma hipótese estatística é uma afirmativa a respeito de um parâmetro de uma distribuição de probabilidade. Por exemplo,

Leia mais

Capacidade Sigma. Copyright Alberto W. Ramos 1

Capacidade Sigma. Copyright Alberto W. Ramos 1 Capacidade Sigma Copyright Alberto W. Ramos 1 Em projetos 6 Sigma, a capacidade de um processo é medida de uma forma ligeiramente diferente da estudada antes. Ao invés de Cp, Cpk, Pp, Ppk ou Cpm, mede-se

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA ISO 14.001:2004 O que é ISO? A ISO - International Organization for Standardization é uma organização sediada em Genebra, na Suíça. Foi fundada em 1946; A sigla ISO foi

Leia mais

Ideal Qualificação Profissional

Ideal Qualificação Profissional 2 0 1 1 Finalista Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Vencedora Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Finalista Nacional Categoria Serviços de Educação Apresentação O desenvolvimento

Leia mais

CAPÍTULO 9 CONTROLE ESTATÍSTICO DO PROCESSO - CEP

CAPÍTULO 9 CONTROLE ESTATÍSTICO DO PROCESSO - CEP CAPÍTULO 9 CONTROLE ESTATÍSTICO DO PROCESSO - CEP 1. INTRODUÇÃO Produções seriadas; Produções não-seriadas; Prestação de serviços. A) Processo com Interação de Insumos Definição de Processo: seqüência

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA CURSOS DE EXTENSÃO CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO MODALIDADE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA CURSOS DE EXTENSÃO CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO MODALIDADE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO MODALIDADE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA FEM 1000 ENGENHARIA DA QUALIDADE OBJETIVOS: O curso de Especialização em Engenharia da Qualidade visa contribuir para a preparação de profissionais

Leia mais

Distribuição de Freqüências

Distribuição de Freqüências Distribuição de Freqüências Por constituir-se o tipo de tabela importante para a Estatística Descritiva, faremos um estudo completo da distribuição de freqüências. Uma distribuição de freqüências condensa

Leia mais

Rota Estratégica de Metal Mecânica

Rota Estratégica de Metal Mecânica Rota Estratégica de Metal Mecânica Reuso, Redução e Reciclagem: Case -Interação Universidade/Empresa Prof. Dr. IVANIR LUIZ DE OLIVEIRA Departamento de Eng. Mecânica e PPGEP/UTFPR-Ponta Grossa Grupo de

Leia mais

Controle estatístico, manutenção e confiabilidade de processos. Profa. Rejane Tubino

Controle estatístico, manutenção e confiabilidade de processos. Profa. Rejane Tubino Controle estatístico, manutenção e confiabilidade de processos Profa. Rejane Tubino Cartas de controle- CEP Aplicação: quando se necessitar verificar quanto de variabilidade do processo é devido à variação

Leia mais

6 Sistemas Terminais e Não-Terminais

6 Sistemas Terminais e Não-Terminais 6 Sistemas Terminais e Não-Terminais 1 A fim de poder realizar uma análise mais precisa dos resultados de simulação, é preciso saber classificar o sistema modelado como sendo terminal ou não-terminal.

Leia mais

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE SIMULAÇÃO DA CAPACIDADE DE AUTODEPURAÇÃO EM DIFERENTES CENÁRIOS DE VAZÃO DE UM TRECHO DO RIO CACHOEIRA, SUL DA BAHIA. José Wildes Barbosa dos Santos; Neylor Alves Calasans Rêgo INTRODUÇÃO O forte crescimento

Leia mais

Dutos Química Ltda Informativo eletrônico *.pdf

Dutos Química Ltda Informativo eletrônico *.pdf Dutos Química Ltda Informativo eletrônico *.pdf Este informativo consiste em uma junção de dados obtidos em artigos científicos e livros especializados em tratamento químico. As informações nele contidas

Leia mais

MANUTENÇÃO PREDITIVA : BENEFÍCIOS E LUCRATIVIDADE.

MANUTENÇÃO PREDITIVA : BENEFÍCIOS E LUCRATIVIDADE. 1 MANUTENÇÃO PREDITIVA : BENEFÍCIOS E LUCRATIVIDADE. Márcio Tadeu de Almeida. D.Eng. Professor da Escola Federal de Engenharia de Itajubá. Consultor em Monitoramento de Máquinas pela MTA. Itajubá - MG

Leia mais

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos 383 Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARANÁ NA GESTÃO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO DA PONTE RODOVIÁRIA - BR- 262/SP/MS Jhonatan Tilio Zonta¹,* ; Eduardo

Leia mais

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Prof. Andréa Cristina dos Santos, Dr. Eng. andreaufs@gmail.com

Leia mais

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa PROTEÇÃO AMBIENTAL Professor André Pereira Rosa ALTERAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS CARACTERÍSTICAS DAS IMPUREZAS 99,9 % 0,1 % Esgotos Sólidos Poluição tratamento Impurezas justificam a instalação de ETE

Leia mais

POROSIMETRIA AO MERCÚRIO

POROSIMETRIA AO MERCÚRIO 1 POROSIMETRIA AO MERCÚRIO 1 - INTRODUÇÃO A característica que determina a utilização em engenharia de muitos materiais é a sua porosidade. A forma, o tamanho e o volume de poros que um material apresenta

Leia mais

ESTUDO DO CONTROLE E ANÁLISE DA CAPACIDADE DO PROCESSO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA POTÁVEL

ESTUDO DO CONTROLE E ANÁLISE DA CAPACIDADE DO PROCESSO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA POTÁVEL ESTUDO DO CONTROLE E ANÁLISE DA CAPACIDADE DO PROCESSO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA POTÁVEL Jairo Marlon Corrêa PPGMNE-UFPR Curitiba - PR jairomarlon@gmail.com Anselmo Chaves Neto PPGMNE/DEST-UFPR Centro Politécnico,

Leia mais

DPS1036 SISTEMAS DA QUALIDADE I METODOLOGIA SEIS SIGMA E MÉTODO DMAIC

DPS1036 SISTEMAS DA QUALIDADE I METODOLOGIA SEIS SIGMA E MÉTODO DMAIC DPS1036 SISTEMAS DA QUALIDADE I METODOLOGIA SEIS SIGMA E MÉTODO DMAIC Aula 18 Introdução 2 As técnicas e ferramentas utilizadas no Seis Sigma permitem: Entender o problema; estudar suas causas; analisar

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG - Campus CETEC

Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG - Campus CETEC Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG Campus CETEC O Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG Campus CETEC, compõe-se por um conjunto de institutos de inovação e institutos de tecnologia capazes

Leia mais

Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares

Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares ABEPRO Associação Brasileira de Engenharia de Produção DOCUMENTO NÃO CONCLUÍDO Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares Documento elaborado nas reuniões do grupo de trabalho de graduação

Leia mais

Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP. Fórum de Extensão das IES Particulares

Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP. Fórum de Extensão das IES Particulares Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP Fórum de Extensão das IES Particulares Consumir conscientemente significa atentar para os efeitos que este ato acarreta

Leia mais

Tratamento de Efluentes: fundamentais no setor de tratamento de superfície

Tratamento de Efluentes: fundamentais no setor de tratamento de superfície Tratamento de Efluentes: fundamentais no setor de tratamento de superfície Além de uma análise técnica bastante interessante sobre a importância do tratamento de efluentes no nosso setor, feito por um

Leia mais

Guia de bolso de técnicas de análise estatística

Guia de bolso de técnicas de análise estatística Guia de bolso de técnicas de análise estatística Guia de bolso de técnicas de análise estatística para uso em ferramentas de aperto Capítulo...Página 1. Introdução...4 2. Estatística básica...5 2.1 Variação...5

Leia mais

Universidade Federal Fluminense

Universidade Federal Fluminense Universidade Federal Fluminense INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA V Lista 9: Intervalo de Confiança. 1. Um pesquisador está estudando a resistência de um determinado

Leia mais

Controle de Qualidade

Controle de Qualidade Controle de Qualidade Lupércio França Bessegato Dep. Estatística/UFJF Roteiro 1. Qualidade na Empresa 2. Gestão da Qualidade 3. Ferramentas da Qualidade 4. Cartas de Controle por Variáveis 5. Referências

Leia mais

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 888

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 888 Página 888 EFEITOS DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS DE INDÚSTRIAS DE CAMPINA GRANDE NA PRODUÇÃO DE FITOMASSA DA MAMONEIRA, CULTIVAR BRS NORDESTINA Josilda de F. Xavier 1 *. Carlos A. V. Azevedo 1*, Napoleão E. M.

Leia mais

LIMPEZA PREDIAL LIMPEZA HOSPITALAR

LIMPEZA PREDIAL LIMPEZA HOSPITALAR A GUIMA CONSECO, fundada em 1988, tem no Controle de Qualidade a ferramenta que antecipa tendências e orienta seus procedimentos, na direção das expectativas e anseios de seus clientes, tornando-se assim

Leia mais

COMENTÁRIO AFRM/RS 2012 ESTATÍSTICA Prof. Sérgio Altenfelder

COMENTÁRIO AFRM/RS 2012 ESTATÍSTICA Prof. Sérgio Altenfelder Comentário Geral: Prova muito difícil, muito fora dos padrões das provas do TCE administração e Economia, praticamente só caiu teoria. Existem três questões (4, 45 e 47) que devem ser anuladas, por tratarem

Leia mais

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 CNPJ: 61.460.077/0001-39 / INSCR: 105.657.106.110 Gestão

Leia mais

Proposta de um SGA de efluentes líquidos para a Universidade Federal de Alfenas seguindo a série de Normas ISO 14000:2004

Proposta de um SGA de efluentes líquidos para a Universidade Federal de Alfenas seguindo a série de Normas ISO 14000:2004 Alexandre Ferreira Jefferson dos Santos Mariana Oliveira Samuel Rodrigues Proposta de um SGA de efluentes líquidos para a Universidade Federal de Alfenas seguindo a série de Normas ISO 14000:2004 Introdução

Leia mais

Inversores de frequência de média tensão Serviços para gerenciar o ciclo de vida, assegurando confiabilidade, disponibilidade e eficiência

Inversores de frequência de média tensão Serviços para gerenciar o ciclo de vida, assegurando confiabilidade, disponibilidade e eficiência Inversores de frequência de média tensão Serviços para gerenciar o ciclo de vida, assegurando confiabilidade, disponibilidade e eficiência 2 Serviços para gerenciar o ciclo de vida dos inversores de média

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO DE CONTROLE

Leia mais

Exemplos de Exercícios da Cadeira Gestão de Projectos. Qualidade e Manutenção. Ano Lectivo 2006/2007

Exemplos de Exercícios da Cadeira Gestão de Projectos. Qualidade e Manutenção. Ano Lectivo 2006/2007 Exemplos de Exercícios da Cadeira Qualidade e Manutenção Ano Lectivo 2006/2007 1. Gestão da Qualidade 1.1 28 de Junho de 2000 (6 valores) Um fabricante de placas gráficas de computadores especificou que

Leia mais

BACTÉRIAS LIOFILIZADAS EM FOSSAS SÉPTICAS DE ELEVADA REDUÇÃO DE BOD

BACTÉRIAS LIOFILIZADAS EM FOSSAS SÉPTICAS DE ELEVADA REDUÇÃO DE BOD BACTÉRIAS LIOFILIZADAS EM FOSSAS SÉPTICAS DE ELEVADA REDUÇÃO DE BOD Evandro Rodrigues de Britto Biólogo pela Faculdade Nacional de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade do Brasil; Pós-Graduado em

Leia mais

Tratamento Descentralizado de Efluentes HUBER BioMem

Tratamento Descentralizado de Efluentes HUBER BioMem WASTE WATER Solutions Tratamento Descentralizado de Efluentes HUBER BioMem Solução HUBER para Tratamento Decentralizado de Efluentes Unidades móveis e fixas Uma variedade de opções de reutilização de efluentes

Leia mais

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009)

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009) CMMI Governo do ES (CESPE 2009) Na versão 1.2 do CMMI, 111 os níveis de capacidade são definidos na abordagem de estágios. 112 os níveis de maturidade são definidos na abordagem contínua. 113 existem seis

Leia mais

Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração

Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração 01/33 Apresentação do Instrutor: Eduardo Fleck *Engenheiro Químico UFRGS, 1990; **Mestre em Engenharia

Leia mais