Regulamentação da Aplicação das Emendas Parlamentares que Adicionaram Recursos ao SUS em 2017 Enfoque Municipal

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regulamentação da Aplicação das Emendas Parlamentares que Adicionaram Recursos ao SUS em 2017 Enfoque Municipal"

Transcrição

1

2 Regulamentação da Aplicação das Emendas Parlamentares que Adicionaram Recursos ao SUS em 2017 Enfoque Municipal Palestrante Moisés Hoegenn Diretor de Controle dos Municípios do TCE/SC

3 TÓPICOS ABORDADOS - EMENDAS PARLAMENTARES AO PROJETO DA LOA FEDERAL - EMENDA CONSTITUCIONAL 86/ TRANSFERÊNCIAS DE RECURSOS DA UNIÃO NO ÂMBITO DO SUS - NATUREZA DE TRANSFERÊNCIA FUNDO A FUNDO DOS RECURSOS DECORRENTES DE EMENDAS PARLAMENTARES - OBJETO DE APLICAÇÃO DOS RECURSOS DECORRENTES DE EMENDAS PARLAMENTARES - REGISTROS CONTÁBEIS DOS RECURSOS DECORRENTES DE EMENDAS PARLAMENTARES - PRESTAÇÕES DE CONTAS

4 EMENDAS PARLAMENTARES AO PROJETO DA LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL CONCEITO - Meio através do qual os membros do Poder Legislativo (individualmente ou através de órgãos colegiados como Comissões ou Bancadas) atuam sobre o projeto de lei orçamentária anual apresentado pelo Poder Executivo, acrescendo, suprimindo ou modificando itens. Existem quatro tipos de Emendas ao Projeto da LOA: - Emenda de Bancada - Emenda coletiva de autoria das bancadas estaduais ou regionais no Congresso Nacional. - Emenda de Comissão - Emenda coletiva de autoria das comissões permanentes de cada uma das Casas do Congresso Nacional. - Emenda de Relator/Relatoria: Instrumento através do qual os relatores do projeto de lei orçamentária nele introduzem alterações, geralmente de caráter técnico. - Emenda Individual: Emenda de autoria de Senador ou Deputado. (Fonte: Glossário Portal do Orçamento Senado Federal)

5 EMENDAS PARLAMENTARES AO PROJETO DA LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL As Emendas Parlamentares ao Projeto da LOA ou aos que a modifiquem são regulados no 3º do art. 166 da CRFB: Art Os projetos de lei relativos ao plano plurianual, às diretrizes orçamentárias, ao orçamento anual e aos créditos adicionais serão apreciados pelas duas Casas do Congresso Nacional, na forma do regimento comum. (...) 3º As emendas ao projeto de lei do orçamento anual ou aos projetos que o modifiquem somente podem ser aprovadas caso: I - sejam compatíveis com o plano plurianual e com a lei de diretrizes orçamentárias; II - indiquem os recursos necessários, admitidos apenas os provenientes de anulação de despesa, excluídas as que incidam sobre: a) dotações para pessoal e seus encargos; b) serviço da dívida; c) transferências tributárias constitucionais para Estados, Municípios e o Distrito Federal; ou III - sejam relacionadas: a) com a correção de erros ou omissões; ou b) com os dispositivos do texto do projeto de lei.

6 EMENDAS PARLAMENTARES AO PROJETO DA LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL Também estabelecem alguns requisitos para admissão da Emenda Parlamentar ao Projeto da Lei Orçamentária: Artigos 12 a 16 da Lei de Responsabilidade Fiscal (Lei Complementar Federal 101, de 04 de maio de 2000) - Previsão e arrecadação de receita; - Renúncia de receita; - Geração de despesa.

7 EMENDAS PARLAMENTARES AO PROJETO DA LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL Também estabelecem alguns requisitos para admissão da Emenda Parlamentar ao Projeto da Lei Orçamentária (continuação) O artigo 33 da Lei Federal nº 4.320, de 17 de março de Art. 33. Não se admitirão emendas ao projeto de Lei de Orçamento que visem a: a) alterar a dotação solicitada para despesa de custeio, salvo quando provada, nesse ponto a inexatidão da proposta; b) conceder dotação para o início de obra cujo projeto não esteja aprovado pelos órgãos competentes; c) conceder dotação para instalação ou funcionamento de serviço que não esteja anteriormente criado; d) conceder dotação superior aos quantitativos prèviamente fixados em resolução do Poder Legislativo para concessão de auxílios e subvenções.

8 EMENDA CONSTITUCIONAL 86/2015 EMENDA DO ORÇAMENTO IMPOSITIVO Modificou os artigos 165, 166 e 198 da Constituição Federal; Obriga o Poder Executivo Federal a liberar até 1,2% da receita corrente líquida (RCL) do ano anterior para as emendas individuais apresentadas por parlamentares ( 9º e 11 do art. 166 da CF). Desse total, 50%, ou seja, 0,6% do valor permitido, terão de ser aplicados na área de saúde ( 9 do art. 166 da CF). A execução orçamentária das dotações decorrentes de emendas individuais não serão de execução obrigatória nos casos dos impedimentos de ordem técnica ( 12 do art. 166 da CF). Quando a transferência obrigatória da União para a execução da emenda individual for destinada a Estados, ao Distrito Federal e a Municípios, independerá da adimplência do ente federativo destinatário e não integrará a base de cálculo da receita corrente líquida para fins de aplicação dos limites de despesa de pessoal ( 13 do art. 166 da CF).

9 TRANSFERÊNCIAS DE RECURSOS DA UNIÃO As transferências de recursos da União para os demais entes da Federação podem ser classificadas em: Constitucionais: estão previstas na Constituição Federal, e correspondem às parcelas das receitas federais que devem ser repassadas aos Estados e Municípios. Ex: FPE e FPM. Legais: são disciplinadas em leis que tratam da forma de transferência, aplicação dos recursos e prestação de contas. Caracterizam-se pelo repasse por descentralização, diretamente de fundos, dispensando a celebração de convênios. Ex: transferências fundo a fundo do SUS. Voluntárias: caracterizam-se pela entrega de recursos a outro ente da Federação a título de cooperação, auxílio ou assistência financeira (art. 25 da LRF). Decorre da celebração de convênios, acordos, ajustes ou instrumentos similares, tendo por finalidade a realização de projeto, atividade, serviço, aquisição de bens ou evento de interesse recíproco, em regime de mútua cooperação (art. 1º, 1º, Inciso I, do Decreto Federal nº 6.170/2007).

10 TRANSFERÊNCIAS DE RECURSOS DA UNIÃO NO ÂMBITO DO SUS A Lei Complementar nº 141/2011 prevê expressamente que os recursos da União repassados aos demais entes da Federação, com vistas à execução de ações e serviços de saúde, poderão ser transferidos: Via de regra, diretamente aos respectivos fundos de saúde, de forma regular e automática, considerados como transferência obrigatória (art. 22), dispensada a celebração de convênio ou outros instrumentos jurídicos (repasse fundo a fundo, caracterizando-se como transferência legal) (caput do art. 18); ou Em situações específicas, os recursos federais poderão ser transferidos aos Fundos de Saúde por meio de transferência voluntária (não obrigatória) realizada entre a União e os demais entes da Federação, adotados quaisquer dos meios formais previstos no inciso VI do art. 71 da Constituição Federal (convênios, ajustes ou instrumentos congêneres) (Parágrafo Único do art. 18). Corroborando o entendimento a LRF em seu art. 25, trata como obrigatórias as transferências de recursos destinados ao Sistema Único de Saúde.

11 TRANSFERÊNCIAS DE RECURSOS DA UNIÃO NO ÂMBITO DO SUS - Conforme o Parágrafo Único do art. 25 da Lei Complementar nº 141/2012, a característica de transferência obrigatória dos repasses fundo a fundo do SUS não impede a União e os Estados de condicionarem a entrega dos recursos: I - à instituição e ao funcionamento do Fundo e do Conselho de Saúde no âmbito do ente da Federação; e II - à elaboração do Plano de Saúde. - Da mesma forma, o art. 5º da Lei nº 8.142/1990, que estabelece em seus arts. 2º e 4º, normas relativas aos repasses do Fundo Nacional de Saúde, confere ao Ministério da Saúde a prerrogativa de estabelecer condições de aplicação da referida lei, mediante Portaria do Ministro de Estado.

12 NATUREZA DE TRANSFERÊNCIA FUNDO A FUNDO DOS RECURSOS DECORRENTES DE EMENDAS PARLAMENTARES A Lei Federal nº /2016 (LDO-2017), estabelece: Art. 40. (...) 6o Independentemente da opção de custeio ou investimento, as emendas parlamentares que adicionarem recursos a transferências automáticas e regulares a serem realizadas pela União a ente federado serão executadas, segundo normativo a ser publicado respectivamente pelos Ministérios do Desenvolvimento Social e Combate à Fome e da Saúde, como acréscimo ao valor financeiro: (...) II - dos tetos transferidos à Rede SUS, constituindo valor a ser somado aos repasses para cumprimento de metas contratualizadas por integrantes da Rede. Conclusão: os recursos das emendas parlamentares destinadas ao SUS, repassadas pela União na modalidade fundo a fundo, são obrigatórias, ainda que sujeitas à requisitos ou condições de habilitação para projetos a serem estabelecidos pelo Ministério da Saúde. O normativo citado no 6º corresponde à Portaria 788/GM/MS de 2017, alterada pela Portaria 2.257/MS de 2017.

13 OBJETO DE APLICAÇÃO DOS RECURSOS DECORRENTES DE EMENDAS PARLAMENTARES A Portaria 788/GM/MS de 2017 (alterada pela Portaria 2.257/2017), prevê que, no caso de recursos de custeio, as emendas parlamentares poderão ser aplicadas para o incremento temporário dos de média e alta complexidade e do piso de atenção básica, o que segue: Art. 3º A aplicação das emendas parlamentares para o incremento temporário do Teto da Média e Alta Complexidade observará os seguintes requisitos, que, se não atendidos, configurarão impedimentos de ordem técnica à obrigatoriedade em sua execução orçamentária e financeira: I - custeio de unidades próprias de Estados, Distrito Federal e Municípios, sendo o recurso destinado, pelo conjunto das emendas parlamentares, para cada estabelecimento de saúde cadastrado no Sistema do Cadastro Nacional dos Estabelecimentos de Saúde - SCNES, limitado em até 100% (cem por cento) da produção apresentada na média e alta complexidade da unidade no exercício de 2016; e II - custeio de unidades de propriedade ou gerenciadas por entidades privadas sem fins lucrativos contratadas, conveniadas ou com instrumento congênere firmado com o ente beneficiado, sendo o recurso destinado, pelo conjunto das emendas parlamentares, para cada estabelecimento de saúde cadastrado no SCNES, limitado em até 100% (cem por cento) da produção apresentada na média e alta complexidade da unidade no exercício de 2016.

14 OBJETO DE APLICAÇÃO DOS RECURSOS DECORRENTES DE EMENDAS PARLAMENTARES Portaria 788/GM/MS de 2017 (continuação) 1º As emendas parlamentares de que trata o caput serão realizadas, necessariamente, nas Modalidades de Aplicação 31 (trinta e um) e 41 (quarenta e um), no Grupo de Natureza de Despesa - GND 3 e na ação orçamentária Apoio à Manutenção de Unidades de Saúde. 2º Para o repasse dos recursos previstos no inciso II do caput, será observado o disposto na Portaria no 2.617/GM/MS, de 1º de novembro de 2013, que estabelece prazo para o pagamento de incentivos financeiros aos estabelecimentos de saúde que prestam serviços de forma complementar ao SUS. (5º dia útil após o crédito no Fundo Estadual) 3º Os recursos de que trata este artigo serão aplicados na manutenção da unidade de atenção informada na portaria de habilitação, devendo ser observado o disposto no art. 6º da Portaria 204/GM/MS, de 29 de janeiro de 2007, e, no caso de entidades privadas sem fins lucrativos, também devem ser respeitadas as metas previstas no contrato, convênio ou instrumento congênere de contratualização.

15 OBJETO DE APLICAÇÃO DOS RECURSOS DECORRENTES DE EMENDAS PARLAMENTARES 4º Para fins do disposto no 3º, consideram-se de manutenção as atividades que não contribuem, diretamente, para a formação ou aquisição de um bem de capital, e que propiciam as condições adequadas de infraestrutura e de recursos materiais destinados à assistência em saúde, sendo vedada a aplicação dos recursos de que trata este artigo para pagamento de pessoal e encargos, apenas no caso de recursos oriundos de emendas parlamentares individuais, em observância ao 10, do art. 166 da Constituição Federal. (Nova redação conforme Portaria 2.257/2017) 5º A execução dos recursos de que trata este artigo deverá observar a legislação sobre execução orçamentária e financeira, e, no caso de transferência para entidade privada sem fins lucrativos, respeitar a meta já pactuada ou a ser pactuada, conforme a necessidade local e nos termos do convênio, contrato ou instrumento congênere.

16 OBJETO DE APLICAÇÃO DOS RECURSOS DECORRENTES DE EMENDAS PARLAMENTARES Art. 4º A aplicação das emendas parlamentares para incremento temporário do Piso da Atenção Básica observará o valor máximo, por Município, de até 100% (cem por cento) do valor total do somatório dos Pisos de Atenção Básica Fixo e Variável do Município no ano exercício de º Caso não seja atendido o disposto no caput, restará configurado impedimento de ordem técnica à obrigatoriedade em sua execução orçamentária e financeira. 2º As emendas parlamentares de que trata o caput serão realizadas, necessariamente, na Modalidade de Aplicação 41, na GND 3 e na ação orçamentária Apoio à Manutenção de Unidades de Saúde. 3º Os recursos de que trata este artigo serão aplicados na manutenção de unidades de atenção básica à saúde, devendo ser observado o disposto no art. 6º da Portaria 204/GM/MS, de 29 de janeiro de º Para fins do disposto no 3º, consideram-se de manutenção as atividades que não contribuem, diretamente, para a formação ou aquisição de um bem de capital, e que propiciam as condições adequadas de infraestrutura e de recursos materiais destinados à assistência em saúde, sendo vedada a aplicação dos recursos de que trata este artigo para pagamento de pessoal e encargos, apenas no caso de recursos oriundos de emendas parlamentares individuais, em observância ao 10, do art. 166 da Constituição Federal.

17 OBJETO DE APLICAÇÃO DOS RECURSOS DECORRENTES DE EMENDAS PARLAMENTARES Portaria 204/GM/MS de Art. 3º Os recursos federais destinados às ações e aos serviços de saúde passam a ser organizados e transferidos na forma de blocos de financiamento. Parágrafo único. Os blocos de financiamento são constituídos por componentes, conforme as especificidades de suas ações e dos serviços de saúde pactuados. Art. 4º Estabelecer os seguintes blocos de financiamento: I - Atenção Básica II - Atenção de Média e Alta Complexidade Ambulatorial e Hospitalar; III - Vigilância em Saúde; IV - Assistência Farmacêutica; e V - Gestão do SUS. VI - Investimentos na Rede de Serviços de Saúde. (Redação dada pela PRT GM/MS nº 837 de )

18 OBJETO DE APLICAÇÃO DOS RECURSOS DECORRENTES DE EMENDAS PARLAMENTARES Portaria 204/GM/MS de Art. 6º Os recursos referentes a cada bloco de financiamento devem ser aplicados nas ações e serviços de saúde relacionados ao próprio bloco. 1º Aos recursos relativos às unidades públicas próprias não se aplicam as restrições previstas no caput deste artigo. 2º Os recursos referentes aos Blocos de Atenção Básica, Atenção de Média e Alta Complexidade Ambulatorial e Hospitalar, Vigilância em Saúde, Gestão do SUS e Assistência Farmacêutica não poderão ser utilizados para o pagamento de: (Redação dada pela PRT GM/MS nº de ) I - servidores inativos; II - servidores ativos, exceto aqueles contratados exclusivamente para desempenhar funções relacionadas aos serviços relativos ao respectivo bloco, previstos no respectivo Plano de Saúde; III - gratificação de função de cargos comissionados, exceto aqueles diretamente ligados às funções relacionadas aos serviços relativos ao respectivo bloco, previstos no respectivo Plano de Saúde;

19 OBJETO DE APLICAÇÃO DOS RECURSOS DECORRENTES DE EMENDAS PARLAMENTARES Portaria 204/GM/MS de 2007 (continuação). IV - pagamento de assessorias/consultorias prestadas por servidores públicos pertencentes ao quadro do próprio município ou do estado; e V - obras de construções novas, exceto as que se referem a reformas e adequações de imóveis já existentes, utilizados para a realização de ações e/ou serviços de saúde. 3º Findo o exercício anual, eventuais saldos financeiros disponíveis no Bloco de Financiamento da Assistência Farmacêutica poderão ser remanejados para os outros Blocos de Financiamento previstos nesta Portaria, exceto para o Bloco de Investimentos na Rede de Serviços de Saúde, e desde que sejam cumpridos previamente os seguintes requisitos: (Redação dada pela PRT GM/MS nº de ) I -tenham sido executadas todas as ações e serviços previstos no Bloco de Financiamento da Assistência Farmacêutica; (Redação dada pela PRT GM/MS nº de ) II - elaboração de Plano de Aplicação da destinação dos recursos financeiros que serão remanejados, de acordo com a Programação Anual de Saúde; (Redação dada pela PRT GM/MS nº de ) III -dar ciência do Plano de Aplicação, previsto no inciso anterior, ao respectivo Conselho de Saúde; (Redação dada pela PRT GM/MS nº de )

20 OBJETO DE APLICAÇÃO DOS RECURSOS DECORRENTES DE EMENDAS PARLAMENTARES Portaria 204/GM/MS de 2007 (continuação). IV - aprovação do Plano de Aplicação previsto no inciso II pela Comissão Intergestores Bipartite (CIB); e (Redação dada pela PRT GM/MS nº de ) V - inclusão da execução do Plano de Aplicação, previsto no inciso II, no Relatório Anual de Gestão (RAG). (Redação dada pela PRT GM/MS nº de ) 4º As demais possibilidades de remanejamento de recursos entre os Blocos de Financiamento serão reguladas em portaria específica.(redação dada pela PRT GM/MS nº de ) 5 Fica também vedada a aplicação dos recursos disponibilizados por meio do Bloco de Investimentos na Rede de Serviços de Saúde em investimentos em órgãos e unidades voltados exclusivamente à realização de atividades administrativas. (Redação dada pela PRT GM/MS nº 837 de ) 6º Os recursos financeiros remanejados nos termos do 3º deste artigo não serão considerados na série histórica dos tetos para fins de transferências futuras.(redação dada pela PRT GM/MS nº de )

21 OBJETO DE APLICAÇÃO DOS RECURSOS DECORRENTES DE EMENDAS PARLAMENTARES Logo, os recursos decorrentes de emendas parlamentares a serem aplicados para o incremento temporário dos de média e alta complexidade e do piso de atenção básica, oriundas de bancada, de comissões ou do relator, podem ser destinadas ao pagamento em despesas de pessoal ou encargos (ativos), vinculados às atividades finalísticas do bloco de financiamento (atenção básica ou média e alta complexidade). A vedação à utilização dos referidos recursos com o pagamento de despesas de pessoal ou encargos (ativos), restringe-se às emendas individuais, face à vedação expressa prevista no 13 do art. 166 da Constituição Federal.

22 REGISTROS CONTÁBEIS DOS RECURSOS DECORRENTES DE EMENDAS PARLAMENTARES REGISTRO DA RECEITA Transferência de Recursos do Sistema Único de Saúde SUS Repasses Fundo a Fundo - Principal

23 REGISTROS CONTÁBEIS DOS RECURSOS DECORRENTES DE EMENDAS PARLAMENTARES CONTROLE POR CONTA CORRENTE CÓD 1 DESCRIÇÃO DO CONTA CORRENTE Célula da Receita FORMATO TTNNNNNNNNIGEERRRRRR (*) TT Tipo de Dedução Tabela 53 e-sfinge NNNNNNNN Natureza da Receita I Iduso G -Grupo de Destinação EE Especificação DFR (****)RRRRRR Reservado ao TCE.

24 REGISTROS CONTÁBEIS DOS RECURSOS DECORRENTES DE EMENDAS PARLAMENTARES FONTE DE RECURSOS I - PRIMÁRIAS ESPECIFICAÇÃO DAS DESTINAÇÕES DE RECURSOS - 38 Transferências do Sistema Único de Saúde SUS/União Recursos provenientes de transferências do Fundo Nacional de Saúde.

25 PRESTAÇÕES DE CONTAS AO MINISTÉRIO DA SAÚDE - Será realizada por meio do Relatório Anual de Gestão - RAG do respectivo ente federativo beneficiado (art. 24 da Portaria 788/GM/MS de 2017). - Elaborado pela ferramenta eletrônica Sistema de Apoio ao Relatório Anual de Gestão (SARGSUS de alimentação anual, regular e obrigatória. AO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA - Por intermédio da Prestação de Contas Anual de Gestão da Unidade Gestora Fundo Municipal de Saúde, por intermédio do Sistema E-Sfinge.

26 EMENDAS DA BANCADA CATARINENSE NO ORÇAMENTO DA UNIÃO DE 2017 Elaborado por Adriano Carlos Ribeiro Agosto de 2017

27 Atenção Básica recebe reforço de R$ 907 milhões em recursos federais neste ano Em 2017, mais de 3,7 mil municípios brasileiros receberam, do governo federal, um incremento de R$ 907,6 milhões em emendas parlamentares para custeio, ampliação e qualificação de ações e serviços de saúde, de acordo com informações do Ministério da Saúde. Os recursos viabilizam procedimentos de Atenção Básica e de Média e Alta Complexidade, como internações, cirurgias e exames, além do fortalecimento dessas, que são as principais portas de entrada para o Sistema Único de Saúde (SUS). Com o valor, além de ampliar o atendimento, os municípios podem investir na implantação de programas estratégicos do governo federal. Fonte: Portal Brasil, com informações do Ministério da Saúde Publicado: 14/09/ h50Última modificação: 03/10/ h41

28 MUITO OBRIGADO! Apresentação: Moisés Hoegenn Diretor de Controle dos Municípios DMU Tribunal de Contas do Estado de Santa Catarina TCE/SC (48)

PORTARIA Nº 565, DE 9 DE MARÇO DE 2018

PORTARIA Nº 565, DE 9 DE MARÇO DE 2018 Publicado em: 12/03/2018 Edição: 48 Seção: 1 Página: 28-49 Órgão: Ministério da Saúde / Gabinete do Ministro Regulamenta a aplicação das emendas parlamentares que adicionarem recursos ao Sistema Único

Leia mais

PORTARIA No- 268, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2016

PORTARIA No- 268, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2016 PORTARIA No- 268, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2016 Regulamenta a aplicação das emendas parlamentares que adicionarem recursos à Rede SUS no exercício de 2016, para aplicação no incremento do Teto de Média e

Leia mais

PORTARIA No- 788, DE 15 DE MARÇO DE 2017

PORTARIA No- 788, DE 15 DE MARÇO DE 2017 PORTARIA No- 788, DE 15 DE MARÇO DE 2017 Regulamenta a aplicação das emendas parlamentares que adicionarem recursos ao SUS no exercício de 2017, para incremento do Teto de Média e Alta Complexidade e do

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 11/2018

NOTA TÉCNICA Nº 11/2018 NOTA TÉCNICA Nº 11/2018 Brasília, 02 de abril de 2018. ÁREA: Área Técnica em Saúde TÍTULO: Auxílio Financeiro aos Municípios - AFM REFERÊNCIA(S): Nota técnica do Conasems Pt 748/2018, Lei no 8.142/90;

Leia mais

NOTA CONASEMS PORTARIA n. 748 de 27/03/2018 DOU 28/03/2018

NOTA CONASEMS PORTARIA n. 748 de 27/03/2018 DOU 28/03/2018 NOTA CONASEMS PORTARIA n. 748 de 27/03/2018 DOU 28/03/2018 O Financiamento da Saúde, de acordo com a Constituição Federal de 1988, é responsabilidade das três esferas de Governo, com recursos oriundos

Leia mais

NOTA CONASEMS. Assunto: Utilização de Recursos Provenientes de Emendas Parlamentares. 1. Emendas ao Orçamento - Tipos

NOTA CONASEMS. Assunto: Utilização de Recursos Provenientes de Emendas Parlamentares. 1. Emendas ao Orçamento - Tipos NOTA CONASEMS Assunto: Utilização de Recursos Provenientes de Emendas Parlamentares 1. Emendas ao Orçamento - Tipos Conforme detalhado no site do Senado Federal: Existem quatro tipos de emendas feitas

Leia mais

NOTA TÉCNICA 001/2018

NOTA TÉCNICA 001/2018 NOTA TÉCNICA 001/2018 ASSUNTO: Portaria GM nº 565 DE 09 DE MARÇO DE 2018 que Regulamenta a aplicação das emendas parlamentares que adicionarem recursos ao Sistema Único de Saúde - SUS no exercício de 2018,

Leia mais

Financiamento e transferência dos recursos federais para as ações e os serviços públicos de saúde.

Financiamento e transferência dos recursos federais para as ações e os serviços públicos de saúde. Financiamento e transferência dos recursos federais para as ações e os serviços públicos de saúde. Pressupostos Constituição Federal Lei Complementar n. 141/2012 Lei n. 8080/1990 Lei n. 8142 / 1990 Lei

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA Ciclo Orçamentário Parte 1 Prof. Sergio Barata 2 Parte 1) Apreciação, Aprovação Legislativo Art. 166. Os projetos de lei relativos ao plano plurianual, às diretrizes

Leia mais

PORTARIA Nº 788, DE 15 DE MARÇO DE 2017(*)

PORTARIA Nº 788, DE 15 DE MARÇO DE 2017(*) PORTARIA Nº 788, DE 15 DE MARÇO DE 2017(*) Regulamenta a aplicação das emendas parlamentares que adicionarem recursos ao SUS no exercício de 2017, para incremento do Teto de Média e Alta Complexidade e

Leia mais

PORTARIA GM N , DE 28 DE DEZEMBRO DE 2017 Altera a Portaria de Consolidação nº 6/GM/MS, de 28 de setembro de 2017, para dispor sobre o

PORTARIA GM N , DE 28 DE DEZEMBRO DE 2017 Altera a Portaria de Consolidação nº 6/GM/MS, de 28 de setembro de 2017, para dispor sobre o PORTARIA GM N. 3.992, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2017 Altera a Portaria de Consolidação nº 6/GM/MS, de 28 de setembro de 2017, para dispor sobre o financiamento e a transferência dos recursos federais para as

Leia mais

CARTILHA DE ORÇAMENTO FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE

CARTILHA DE ORÇAMENTO FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE CARTILHA DE ORÇAMENTO FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE 2018 1 Cartilha sobre Orçamento 1 - Entendendo o orçamento público A lei do orçamento conterá a discriminação da receita e despesa de forma a evidenciar a

Leia mais

PORTARIA Nº 3.378, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2017

PORTARIA Nº 3.378, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2017 PORTARIA Nº 3.378, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2017 Habilita o Estado, Município ou Distrito Federal a receber recursos referentes ao incremento temporário do Limite Financeiro da Assistência de Média e Alta

Leia mais

Principais Vedações Constitucionais (Art. 167, CF/88) São Vedados: A transposição, o remanejamento ou a transferência de recursos de uma categoria de programação para outra ou de um órgão para outro, sem

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira Legislação Aplicável: Arts. 165 a 169 da CRFB Professor Fábio Furtado www.acasadoconcurseiro.com.br Administração Financeira LEGISLAÇÃO APLICÁVEL: ARTS. 165 A 169 DA CRFB Introdução

Leia mais

Orçamento na Constituição Federal de Art. 166

Orçamento na Constituição Federal de Art. 166 Orçamento na Constituição Federal de 1988 Art. 166 O processo legislativo orçamentário segue regras próprias que o distinguem do processo legislativo ordinário. Trata-se, portanto, de um processo legislativo

Leia mais

CICLOS TEMATICOS COSEMS CE

CICLOS TEMATICOS COSEMS CE CICLOS TEMATICOS COSEMS CE Pressupostos Constituição Federal Pressupostos Constituição Federal Art. 18. A organização político-administrativa da República Federativa do Brasil compreende a União, os Estados,

Leia mais

Emendas Parlamentares Captação, execução e prestação de contas. 7 Congresso de Secretários Municipais de Saúde da Bahia

Emendas Parlamentares Captação, execução e prestação de contas. 7 Congresso de Secretários Municipais de Saúde da Bahia Emendas Parlamentares Captação, execução e prestação de contas 7 Congresso de Secretários Municipais de Saúde da Bahia POR QUE AGIR ESTRATEGICAMENTE? AUTOR QUANTIDADE VALOR (R$ BI) DEPUTADOS 6.310 7,9

Leia mais

PORTARIA Nº 1.055, DE 20 DE ABRIL DE 2018

PORTARIA Nº 1.055, DE 20 DE ABRIL DE 2018 PORTARIA Nº 1.055, DE 20 DE ABRIL DE 2018 Habilita o Estado, Município ou Distrito Federal a receber recursos referentes ao incremento temporário do Limite Financeiro da Assistência de Média e Alta Complexidade

Leia mais

Financiamento e transferência dos recursos federais para as ações e os serviços públicos de saúde.

Financiamento e transferência dos recursos federais para as ações e os serviços públicos de saúde. Financiamento e transferência dos recursos federais para as ações e os serviços públicos de saúde. Base legal Constituição Federal Lei Complementar n. 141/2012 Lei n. 8080/1990 Lei n. 8142 / 1990 Lei n.

Leia mais

PORTARIA Nº 3.380, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2017

PORTARIA Nº 3.380, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2017 PORTARIA Nº 3.380, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2017 Habilita Municípios a receberem recursos referentes ao incremento temporário do Piso da Atenção Básica (PAB). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

PORTARIA Nº 1.535, DE 29 DE MAIO DE 2018

PORTARIA Nº 1.535, DE 29 DE MAIO DE 2018 PORTARIA Nº 1.535, DE 29 DE MAIO DE 2018 Habilita o Estado, Município ou Distrito Federal a receber recursos destinados à aquisição de equipamentos e materiais permanentes para estabelecimentos de saúde.

Leia mais

Bloco de Investimento na Rede de Serviços Públicos de Saúde;

Bloco de Investimento na Rede de Serviços Públicos de Saúde; Nota Técnica CONASEMS Assunto: Novas regras sobre o financiamento e a transferência dos recursos federais para as ações e os serviços públicos de saúde do Sistema Único de Saúde (SUS) No dia 28 de dezembro

Leia mais

NOTA INFORMATIVA 001/2018

NOTA INFORMATIVA 001/2018 NOTA INFORMATIVA 001/2018 ASSUNTO: Portaria Nº 3.992, de 28 de Dezembro de 2017 Temática: Novas regras sobre o financiamento e a transferência dos recursos federais para as ações e os serviços públicos

Leia mais

PORTARIA Nº 1.087, DE 20 DE ABRIL DE 2018

PORTARIA Nº 1.087, DE 20 DE ABRIL DE 2018 PORTARIA Nº 1.087, DE 20 DE ABRIL DE 2018 Habilita o Estado, Município ou Distrito Federal a receber recursos destinados à aquisição de equipamentos e materiais permanentes para estabelecimentos de saúde.

Leia mais

O SUS LEGAL A partir das leis que ainda não foram cumpridas e que determinam a estrutura e funcionamento do SUS: Propostas do ministério da saúde

O SUS LEGAL A partir das leis que ainda não foram cumpridas e que determinam a estrutura e funcionamento do SUS: Propostas do ministério da saúde O SUS LEGAL A partir das leis que ainda não foram cumpridas e que determinam a estrutura e funcionamento do SUS: Propostas do ministério da saúde Brasília, 25/01/2017 Lei 141 Art. 30. Os planos plurianuais,

Leia mais

PORTARIA Nº 1.837, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2015

PORTARIA Nº 1.837, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2015 PORTARIA Nº 1.837, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2015 Habilita Municípios e Estados a receberem recursos referentes ao incremento temporário do Limite Financeiro da Assistência de Média e Alta Complexidade (MAC).

Leia mais

(Alterada pela Nota Técnica nº 13/2018/CCONF/SUCON/STN/MF-DF e FNS-MS)

(Alterada pela Nota Técnica nº 13/2018/CCONF/SUCON/STN/MF-DF e FNS-MS) Ministério da Fazenda Secretaria do Tesouro Nacional Subsecretaria de Contabilidade Pública Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação Nota Técnica Conjunta nº 11/2018/CCONF/SUCON/MF

Leia mais

Orçamento público: conceito e histórico

Orçamento público: conceito e histórico Orçamento público: conceito e histórico Orçamento público: conceito Orçamento público é o instrumento por excelência de planejamento e execução das finanças públicas. É composto de uma estimativa das receitas

Leia mais

Os compromissos do Gestor Municipal de Saúde à luz da Lei Orçamentária Anual; o Plano Municipal de Saúde e Relatório Anual de Saúde

Os compromissos do Gestor Municipal de Saúde à luz da Lei Orçamentária Anual; o Plano Municipal de Saúde e Relatório Anual de Saúde Os compromissos do Gestor Municipal de Saúde à luz da Lei Orçamentária Anual; o Plano Municipal de Saúde e Relatório Anual de Saúde São Paulo, 13 de abril de 2016 No momento em que se aproxima o fim da

Leia mais

Financiamento do Sistema Único de Saúde (SUS)

Financiamento do Sistema Único de Saúde (SUS) Financiamento do Sistema Único de Saúde (SUS) Financiamento do Sistema Único de Saúde (SUS) O Sistema Único de Saúde (Constituição Federal, 1988) consolidou à saúde um direito de todo cidadão. Compromisso

Leia mais

DIREITO FINANCEIRO. O Orçamento: Aspectos Gerais. Tramitação Legislativa Parte 1. Prof. Thamiris Felizardo

DIREITO FINANCEIRO. O Orçamento: Aspectos Gerais. Tramitação Legislativa Parte 1. Prof. Thamiris Felizardo DIREITO FINANCEIRO O Orçamento: Aspectos Gerais Parte 1 Prof. Thamiris Felizardo -O processo legislativo orçamentário segue regras próprias que o distinguem do processo legislativo ordinário. Trata-se,

Leia mais

Financiamento e transferência dos recursos federais para as ações e os serviços públicos de saúde.

Financiamento e transferência dos recursos federais para as ações e os serviços públicos de saúde. Financiamento e transferência dos recursos federais para as ações e os serviços públicos de saúde. Base legal Constituição Federal Lei Complementar n. 141/2012 Lei n. 8080/1990 Lei n. 8142 / 1990 Lei n.

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua O Financiamento do SUS: CF-88 art. 198: O SUS é financiado por recursos do Orçamento da Seguridade Social da União, dos estados, do Distrito

Leia mais

PORTARIA No , DE 23 DE NOVEMBRO DE 2017

PORTARIA No , DE 23 DE NOVEMBRO DE 2017 PORTARIA No- 3.168, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2017 Estabelece o remanejamento de recursos do Fundo de Ações Estratégicas e Compensação (FAEC) para o Limite Financeiro Anual de Média e Alta Complexidade Ambulatorial

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE FAXINAL DOS GUEDES AUDIÊNCIA PÚBLICA DE AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS METAS FISCAIS 1º QUADRIMESTRE/2017

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE FAXINAL DOS GUEDES AUDIÊNCIA PÚBLICA DE AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS METAS FISCAIS 1º QUADRIMESTRE/2017 ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE FAXINAL DOS GUEDES AUDIÊNCIA PÚBLICA DE AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS METAS FISCAIS 1º QUADRIMESTRE/2017 EXIGÊNCIA LEGAL Lei Complementar n 101, de 04 de Maio de 2000,

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.562, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2014

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.562, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2014 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.562, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2014 Habilita Municípios e Estados a receberem

Leia mais

FINANCIAMNETO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS. Salvador - Fevereiro 2017

FINANCIAMNETO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS. Salvador - Fevereiro 2017 FINANCIAMNETO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS Salvador - Fevereiro 2017 Moldura Jurídica do Sistema Público de Saúde Brasileiro Constituição Federal de 1988: criação do SUS Lei 8.080/1990: regulamentação do

Leia mais

Aula nº. 27 GASTO COM SERVIDOR PÚBLICO PARTE III

Aula nº. 27 GASTO COM SERVIDOR PÚBLICO PARTE III Curso/Disciplina: Direito Financeiro Aula: Direito Financeiro - 27 Professor(a): Luiz Jungstedt Monitor(a): Bruna Paixão Aula nº. 27 GASTO COM SERVIDOR PÚBLICO PARTE III LRF ART. 23 EXCEÇÕES A SANÇÃO DO

Leia mais

Orçamento e Financiamento da Assistência Social

Orçamento e Financiamento da Assistência Social Orçamento e Financiamento da Assistência Social Orçamento e Financiamento: Definições O Orçamento Público é um Planejamento que gera um compromisso de um governo em relação às políticas públicas; Ele reflete

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA Ciclo Orçamentário Apreciação, Aprovação, Discussão, Estudo, Sanção e Parte 2 Prof. Sergio Barata EC 86/2015 Apreciação, Aprovação, Discussão, Estudo, Sanção e 9º

Leia mais

Secretaria Nacional de Assistência Social. Fundo Nacional de Assistência Social

Secretaria Nacional de Assistência Social. Fundo Nacional de Assistência Social Secretaria Nacional de Assistência Social Fundo Nacional de Assistência Social fevereiro / 2011 O PLANEJAMENTO E A EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA DO SUAS Bases Legais do Financiamento Instrumentos

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária Prof. Evandro França.

Administração Financeira e Orçamentária Prof. Evandro França. Administração Financeira e Orçamentária Prof. Evandro França www.masterjuris.com.br Ciclo Orçamentário : Conceito: o ciclo orçamentário (processo orçamentário) corresponde ao período de tempo em que se

Leia mais

Fundos Municipais de Saúde e a Lei Complementar Considerações. Curitiba, 03 de abril de 2013.

Fundos Municipais de Saúde e a Lei Complementar Considerações. Curitiba, 03 de abril de 2013. Fundos Municipais de Saúde e a Lei Complementar 141 - Considerações Curitiba, 03 de abril de 2013. Fundos Especiais Base legal: Arts. 71 a 74 Lei 4.320/64 Art. 71: Constitui fundo especial o produto de

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira Princípios Orçamentários Professor Fábio Furtado www.acasadoconcurseiro.com.br Administração Financeira PRINCÍPIOS ORÇAMENTÁRIOS Legalidade Universalidade Periodicidade (Anualidade)

Leia mais

O papel do controle interno na fiscalização do gasto público em Saúde

O papel do controle interno na fiscalização do gasto público em Saúde O papel do controle interno na fiscalização do gasto público em Saúde Bases Legais do Controle Interno Controle interno na Administração Pública Brasileira previsto nos artigos 75/80 da Lei 4.320/64. O

Leia mais

Conteúdo da Aula. Princípios Orçamentários.

Conteúdo da Aula. Princípios Orçamentários. Conteúdo da Aula Princípios Orçamentários. 1 Princípios Orçamentários Legalidade Universalidade Periodicidade (Anualidade) Exclusividade (Art. 165, 8º da CF/88) Publicidade Equilíbrio Não Afetação de Receitas

Leia mais

DELIBERAÇÃO CIB-SUS/MG Nº 813, DE 18 DE MAIO DE 2011.

DELIBERAÇÃO CIB-SUS/MG Nº 813, DE 18 DE MAIO DE 2011. DELIBERAÇÃO CIB-SUS/MG Nº 813, DE 18 DE MAIO DE 2011. Dispõe sobre a Aplicação dos incentivos financeiros do PAB Variável Compensação de Especificidades Regionais de 2011. A Comissão Intergestores Bipartite

Leia mais

PORTARIA Nº 3.687, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2017

PORTARIA Nº 3.687, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2017 PORTARIA Nº 3.687, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2017 Estabelece a alteração de valores de procedimentos, recurso a ser incorporado ao Bloco de Média e Alta Complexidade - Componente Limite Financeiro de Média

Leia mais

Resolução da Prova ICMS - GO Professor: Daniel Façanha

Resolução da Prova ICMS - GO Professor: Daniel Façanha Aula demonstrativa Curso: Contabilidade Pública para ICMS-BA Professores: Luiz Airosa e Daniel Façanha Resolução da Prova ICMS - GO Professor: Daniel Façanha Prezados alunos, Segue a prova resolvida. Espero

Leia mais

Conteúdo da Aula. Ciclo Orçamentário.

Conteúdo da Aula. Ciclo Orçamentário. Conteúdo da Aula Ciclo Orçamentário. 1 Ciclo ou Processo Orçamentário Poder Executivo (1) Elaboração Poder Legislativo (4) Acompanhamento e Avaliação do Projeto (3) Execução Poder Legislativo (2)Apreciação,

Leia mais

O Prefeito Municipal de Charrua, Estado do Rio Grande do Sul, FAÇO SABER que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei:

O Prefeito Municipal de Charrua, Estado do Rio Grande do Sul, FAÇO SABER que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei: LEI MUNICIPAL Nº 378, EM 11 DE OUTUBRO DE 2002. DISPÕE SOBRE AS DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS PARA 2003 E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito Municipal de Charrua, Estado do Rio Grande do Sul, FAÇO SABER que

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA LEI DE DIRETRIZES EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2016

AUDIÊNCIA PÚBLICA LEI DE DIRETRIZES EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2016 AUDIÊNCIA PÚBLICA LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS LDO EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2016 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E TECNOLOGIA DIRETORIA DE ORÇAMENTO

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.859, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.859, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.859, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014 Institui o incentivo financeiro de custeio

Leia mais

DIREITO FINANCEIRO. A Receita Pública. A Lei Complementar nº 101/00 e a receita pública. Renúncia de receita Prof. Thamiris Felizardo

DIREITO FINANCEIRO. A Receita Pública. A Lei Complementar nº 101/00 e a receita pública. Renúncia de receita Prof. Thamiris Felizardo DIREITO FINANCEIRO A Receita Pública A Lei Complementar nº 101/00 e a receita pública. Prof. Thamiris Felizardo A) O Art. 11, LRF trata dos requisitos para uma boa gestão dos recursos públicos. Dentre

Leia mais

Ref: Resposta a diversas solicitações de Secretários Municipais de Saúde de e Técnicos dos Municípios de Minas Gerais.

Ref: Resposta a diversas solicitações de Secretários Municipais de Saúde de e Técnicos dos Municípios de Minas Gerais. Nota Técnica. 001/2016 Assessoria Contábil. Assunto: Aspectos Orçamentos e Financeiros para operacionalização do componente Básico do Bloco da Assistência Farmacêutica considerando as formas de gestão

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA Parte 3 Prof. Sergio Barata 6) PUBLICIDADE - Art. 37, CF (LIMPE) - Ato de divulgação é condição eficácia (validade) - Orçamento fixado em lei, que autoriza a execução

Leia mais

CARTILHA DE ORÇAMENTO FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE

CARTILHA DE ORÇAMENTO FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE CARTILHA DE ORÇAMENTO FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE 2017 1 Cartilha sobre Orçamento 1 - Entendendo o orçamento público A lei do orçamento conterá a discriminação da receita e despesa de forma a evidenciar a

Leia mais

PROJETO DE LEI. Estima a receita e fixa a despesa da União para o exercício financeiro de 2017.

PROJETO DE LEI. Estima a receita e fixa a despesa da União para o exercício financeiro de 2017. PROJETO DE LEI Estima a receita e fixa a despesa da União para o exercício financeiro de 2017. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o Esta Lei estima a receita da

Leia mais

DIREITO FINANCEIRO. A Despesa Pública. Despesas com pessoal e as restrições da Lei de Responsabilidade Fiscal Parte 1. Prof. Thamiris Felizardo

DIREITO FINANCEIRO. A Despesa Pública. Despesas com pessoal e as restrições da Lei de Responsabilidade Fiscal Parte 1. Prof. Thamiris Felizardo DIREITO FINANCEIRO A Despesa Pública Despesas com pessoal e as restrições da Lei de Responsabilidade Fiscal Parte 1 Prof. Thamiris Felizardo -Definição Art. 18. Para os efeitos desta Lei Complementar,

Leia mais

FINANCIAMENTO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE. Blenda Pereira Assessora Tecnica Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde

FINANCIAMENTO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE. Blenda Pereira Assessora Tecnica Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde FINANCIAMENTO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE Blenda Pereira Assessora Tecnica Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde CONSTITUIÇÃO FEDERAL CAPÍTULO DA SEGURIDADE SOCIAL Art. 194. A seguridade social

Leia mais

PORTARIA N 3.194, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2017

PORTARIA N 3.194, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2017 PORTARIA N 3.194, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2017 Dispõe sobre o Programa para o Fortalecimento das Práticas de Educação Permanente em Saúde no Sistema Único de Saúde - PRO EPS-SUS. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE,

Leia mais

Tópico 3: Ciclo Orçamentário. Execução Orçamentária e Financeira.

Tópico 3: Ciclo Orçamentário. Execução Orçamentária e Financeira. Tópico 3: Ciclo Orçamentário. Execução Orçamentária e Financeira. 1.(Cespe/TCU/2008) No mínimo sessenta dias antes do prazo final para a remessa da proposta do orçamento, o Poder Executivo deve colocar

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira Professor Fábio Furtado www.acasadoconcurseiro.com.br Administração Financeira LEGISLAÇÃO APLICÁVEL: ARTS. 165 A 169 DA CRFB Introdução AFO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

Leia mais

LEI Nº 9.717, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998.

LEI Nº 9.717, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998. LEI Nº 9.717, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998. (Atualizada em 21.06.2004) Dispõe sobre regras gerais para a organização e o funcionamento dos regimes próprios de previdência social dos servidores públicos da

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 142, DE 27 DE JANEIRO DE 2014

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 142, DE 27 DE JANEIRO DE 2014 Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 142, DE 27 DE JANEIRO DE 2014 Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), o Incentivo de Qualificação da Gestão Hospitalar (IGH), de que trata

Leia mais

1 de /06/ :42

1 de /06/ :42 1 de 271 26/06/2018 10:42 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Gabinete do Ministro [Acesso à Matriz de Consolidação: Compêndio com informações estruturadas em abas

Leia mais

I 7% (sete por cento) para Municípios com população de até ( cem mil ) habitantes;

I 7% (sete por cento) para Municípios com população de até ( cem mil ) habitantes; PARECER Nº 001/2010/JURÍDICO/CNM INTERESSADO: PREFEITOS DE DIVERSOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS ASSUNTO: ORÇAMENTOS DAS CÂMARAS MUNICIPAIS NO EXERCÍCIO DE 2010. DA CONSULTA: Trata-se de consulta formulada por

Leia mais

1.Portaria Interministerial MPDG nº 10, de 23/01/2018 (DOU nº 18, de 25/01/18 pág. 143)

1.Portaria Interministerial MPDG nº 10, de 23/01/2018 (DOU nº 18, de 25/01/18 pág. 143) Circular 145/2018 São Paulo, 13 de março de 2018. PROVEDOR/PRESIDENTE ADMINISTRADOR REGULAMENTAÇÃO PARA APLICAÇÃO DAS EMENDAS PARLAMENTARES QUE ADICIONAREM RECURSOS AO SUS NO EXERCÍCIO DE 2018 (INCREMENTO

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 141/2012

LEI COMPLEMENTAR Nº 141/2012 LEI COMPLEMENTAR Nº 141/2012 Regulamenta o 3 o do art. 198 da Constituição Federal para dispor sobre os valores mínimos a serem aplicados anualmente pela União, estados, Distrito Federal e municípios em

Leia mais

Financiamento do Programa de Arboviroses desafios e possibilidades

Financiamento do Programa de Arboviroses desafios e possibilidades Financiamento do Programa de Arboviroses desafios e possibilidades BRIGINA KEMP C U R S O : V I G I L Â N C I A E M S A Ú D E - P L A N E J A M E N T O E O R G A N I Z A Ç Ã O D A G E S TÃ O M U N I C

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº /2016

PROJETO DE LEI Nº /2016 PROJETO DE LEI Nº 028-03/2016 DISPÕE SOBRE AS DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS PARA O EXERCÍCIO DE 2017, e dá outras providências. IRINEU HORST, Prefeito Municipal de Colinas, RS, no uso de suas atribuições e

Leia mais

PORTARIA Nº 2.869, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2016

PORTARIA Nº 2.869, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2016 PORTARIA Nº 2.869, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2016 Habilita Municípios a receberem recursos referentes ao incremento temporário do Piso da Atenção Básica (PAB). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

LEI 1440/2008 Dispõe sobre as DIRETRIZES para elaboração do ORÇAMENTO do Município de Mangueirinha, para o EXERCÍCIO DE 2009 e dá outras providências.

LEI 1440/2008 Dispõe sobre as DIRETRIZES para elaboração do ORÇAMENTO do Município de Mangueirinha, para o EXERCÍCIO DE 2009 e dá outras providências. LEI 1440/2008 Dispõe sobre as DIRETRIZES para elaboração do ORÇAMENTO do Município de Mangueirinha, para o EXERCÍCIO DE 2009 e dá outras providências. Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha,

Leia mais

4 - A LOA compreende, entre outros, o orçamento de investimento de todas as empresas de que a União participe.

4 - A LOA compreende, entre outros, o orçamento de investimento de todas as empresas de que a União participe. Orçamento Público CF/88 (CESPE SAD/PE Analista de Controle Interno Especialidade: Finanças Públicas/2010) - A seção II do capítulo referente às finanças públicas, estabelecido na CF, regula os denominados

Leia mais

PLANEJAMENTO DAS AÇÕES DE SAÚDE

PLANEJAMENTO DAS AÇÕES DE SAÚDE PLANEJAMENTO DAS AÇÕES DE SAÚDE INTEGRADO AO ORÇAMENTO Áquilas Mendes Prof. Dr. Livre-Docente de Economia da Saúde da Faculdade de Saúde Pública da USP e do Programa de Pós-Graduação de Economia Política

Leia mais

Resolução de questões de concursos públicos Convênios. Desejo-lhe sucesso e sorte na conquista de seus sonhos e o pleno alcance de suas metas.

Resolução de questões de concursos públicos Convênios. Desejo-lhe sucesso e sorte na conquista de seus sonhos e o pleno alcance de suas metas. de questões de concursos públicos Convênios Prezado estudante, concursando! Desejo-lhe sucesso e sorte na conquista de seus sonhos e o pleno alcance de suas metas. Foco total nos estudos porque já estão

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua O FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL CF-88 art. 204 as ações governamentais na área da assistência social devem ser realizadas com recursos

Leia mais

Prefeitura Municipal de Aurelino Leal publica:

Prefeitura Municipal de Aurelino Leal publica: 1 Terça-feira Ano IX Nº 611 Prefeitura Municipal de Aurelino Leal publica: Lei Municipal N. 565/2016 30 de Agosto de 2016 - Dispõe sobre a fixação dos subsídios dos Vereadores da Câmara Municipal de Aurelino

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE AGUAS DE CHAPECO AUDIÊNCIA PÚBLICA DE AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS METAS FISCAIS 1º QUADRIMESTRE/2017

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE AGUAS DE CHAPECO AUDIÊNCIA PÚBLICA DE AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS METAS FISCAIS 1º QUADRIMESTRE/2017 ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE AGUAS DE CHAPECO AUDIÊNCIA PÚBLICA DE AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS METAS FISCAIS 1º QUADRIMESTRE/2017 EXIGÊNCIA LEGAL Lei Complementar n 101, de 04 de Maio de 2000,

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro Prefeitura da Cidade de Nova Iguaçu

Estado do Rio de Janeiro Prefeitura da Cidade de Nova Iguaçu 2 Quinta-feira, 28 de dezembro de 2017 ATOS DO PREFEITO LEI Nº 4.693 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2017. ESTIMA A RECEITA E FIXA A DESPESA DO MUNI- CÍPIO PARA O EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2018 (LOA/2018). Autoria:

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA Princípios Orçamentários Parte 4 Prof. Sergio Barata Princípios Orçamentários Reserva de Contingência Portaria Int. STN/SOF nº 163/2001 Art. 8 - A dotação global

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 3.134, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2013

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 3.134, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 3.134, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2013 Dispõe sobre a transferência de recursos

Leia mais

SUS LEGAL Mudanças no repasse de recursos, para cumprimento da LC 141/2012

SUS LEGAL Mudanças no repasse de recursos, para cumprimento da LC 141/2012 SUS LEGAL Mudanças no repasse de recursos, para cumprimento da LC 141/2012 23 de fevereriro de 2018 ACORDÃO DO TCU Nº 2.888/2015 DETERMINA CUMPRIMENTO DA LC 141 /2012. O artigo 17 da Lei Complementar 141/2012

Leia mais

Regimento Interno Prof. Alexandre Magno

Regimento Interno Prof. Alexandre Magno Regimento Interno Prof. Alexandre Magno Regimento Interno www.concursovirtual.com.br 1 SÃO VEDADOS: Das Vedações e Restrições I O INÍCIO DE PROGRAMA OU PROJETO NÃO INCLUÍDOS DA LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL;

Leia mais

LEI Nº 9.717, DE 27 DE NOVEMBRO DE Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte

LEI Nº 9.717, DE 27 DE NOVEMBRO DE Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte LEI Nº 9.717, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Dispõe sobre regras gerais para a organização e o funcionamento dos regimes próprios de previdência social dos servidores públicos da

Leia mais

Noções sobre o financiamento e alocação de recursos em saúde

Noções sobre o financiamento e alocação de recursos em saúde Noções sobre o financiamento e alocação de recursos em saúde Demandas e custos em saúde são crescentes tendência mundial Mudanças no perfil demográfico (envelhecimento da população e diminuição das taxas

Leia mais

QUAIS SÃO E COMO FAZER A GESTÃO DOS RECURSOS FINANCEIROS DO SUS? FINANCIAMENTO ESTADUAL

QUAIS SÃO E COMO FAZER A GESTÃO DOS RECURSOS FINANCEIROS DO SUS? FINANCIAMENTO ESTADUAL QUAIS SÃO E COMO FAZER A GESTÃO DOS RECURSOS FINANCEIROS DO SUS? FINANCIAMENTO ESTADUAL Financiamento Estadual Constituição de 1988: Garantia de direito à saúde; Obrigou ao Estado realizar políticas sociais

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 01/2018

NOTA TÉCNICA Nº 01/2018 NOTA TÉCNICA Nº 01/2018 Brasília, 09 de janeiro de 2018. ÁREA: Área Técnica em Saúde. TÍTULO: Mudança da forma de transferência dos recursos financeiros para custeio e investimento, Portaria nº 3.992,

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2017

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2017 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2017 As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, nos termos do 3º do art. 60 da Constituição Federal, promulgam a seguinte emenda ao texto constitucional:

Leia mais

2º Relatório Quadrimestral de Prestação de Contas - RQPC 2018

2º Relatório Quadrimestral de Prestação de Contas - RQPC 2018 Ministério da Saúde 2º Relatório Quadrimestral de Prestação de Contas - RQPC 2018 Janeiro a Agosto Brasília, Dezembro de 2018 Para 2018, valor recorde de R$ 131,4 bilhões previsto no Orçamento da União

Leia mais

CONSÓRCIOS PÚBLICOS REGULAMENTAÇÃO CONTÁBIL. Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação CCONF

CONSÓRCIOS PÚBLICOS REGULAMENTAÇÃO CONTÁBIL. Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação CCONF CONSÓRCIOS PÚBLICOS REGULAMENTAÇÃO CONTÁBIL Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação CCONF 1 Consórcios Públicos Legislação Aplicável Lei 11.107/05 Regras de direito financeiro

Leia mais

Eduardo Luiz da Silva Presidente

Eduardo Luiz da Silva Presidente NOTA TÉCNICA COSEMS MG nº 002/2018 Recepção e aplicação dos recursos da Portaria nº 748/18 Considerando a Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, especialmente no seu Título VI - Seção

Leia mais

CURSO: TECNICAS LEGISLATIVAS

CURSO: TECNICAS LEGISLATIVAS CURSO: TECNICAS LEGISLATIVAS FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Fica criado o Fundo Municipal de Assistência Social (FMAS), instrumento de gestão orçamentária e financeira do município, que tem por

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço aber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço aber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: 9.717 Dispõe sobre regras de funcionamento dos RPPS Lei Federal 9717-98 LEI Nº 9.717, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998 Dispõe sobre regras gerais para a organização e o funcionamento dos regimes próprios de previdência

Leia mais

VII CONGRESSO BRASILEIRO E VIII CONGRESSO PAULISTA DE POLITICA MEDICA FINANCIAMENTO DO SUS. São Paulo, 21 de março de 2014.

VII CONGRESSO BRASILEIRO E VIII CONGRESSO PAULISTA DE POLITICA MEDICA FINANCIAMENTO DO SUS. São Paulo, 21 de março de 2014. VII CONGRESSO BRASILEIRO E VIII CONGRESSO PAULISTA DE POLITICA MEDICA FINANCIAMENTO DO SUS São Paulo, 21 de março de 2014. BASE LEGAL Constituição Federal Lei 8080 / 8142 Lei Complementar n. 141 (Regulamentação

Leia mais

PORTARIA Nº 2.765, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2014

PORTARIA Nº 2.765, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2014 PORTARIA Nº 2.765, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2014 Dispõe sobre as normas para financiamento e execução do Componente Básico da Assistência Farmacêutica no âmbito da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde

Leia mais