RESUMO SUMMARY. * Pesquisador li! (Recursos Aquáticos), Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Estado do Amapá.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESUMO SUMMARY. * Pesquisador li! (Recursos Aquáticos), Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Estado do Amapá."

Transcrição

1 TRATAMENTO DE EFLUENTES AQUOSOS GERADOS EM LABORATÓRIO DE ANÁLISE QUÍMICA DE MINÉRIOS DE FERRO E MANGANÊS ATRAVÉS DE PRECIPITAÇÃO EM COLUNA DE DOLOMITA. Luís Rbert Takiyama' Ozelit Pssidôni de Amarante Junir" Rmer Pessôa Fernandes" RESUMO Neste trabalh fi estudad tratament de resídus aquss gerads em prcesss analítics de labratóri químic para cntrle de minéris de ferr e manganês. O efluente apresentu variaçã em suas características durante dia, cm valres de ph entre 7,5 e 1,5. Estes resídus cntinham ferr e manganês em cncentrações de 17,00 ± 0,5 mgil e 14,00 ± 0,03 mg/l, respectivamente. Outrs metais tais cm AI, Cr, Cu, Hg, Sn, Pb, M, Ba and Zn fram também determinads. Inicialmente, fi realizad tratament d efluente cm NaOH (grau analític) para a determinaçã d melhr ph de precipitaçã para s metais presentes n efluente.numa segunda etapa, reagentes, tais cm sda cáustica cmercial, ca1cári dlmític e cal fram usads cm intuit de selecinar melhr agente de precipitaçã. A cal nã prduziu qualquer precipitad, enquant que a sda cáustica e ca1cári apresentaram precipitaçã e também remçã ds elements de interesse pr adsrçã. N cas d ca1cári, clunas de plietilen fram recheadas cm material, em frma granular, send avaliada a eficácia n tratament de resídus aquss pela bservaçã d ph final d efluente. Três granulmetrias diferentes fram testadas, btend-se melhr eficiência para material cm menr granulmetria. Palavras-chave: tratament de efluentes; labratóri; dlmita. SUMMARY In this wrk, the treatrnent f aqueus waste frm analytical prcesses f chemical labratry fr cntrl f irn and manganese, res was investigated. The effluent presented variatin in characteristics during the day, with ph values between 7,5 and 1,5. It had cncentratins f Fe and Mn was 17,00 ± 0,05 mgil and 14,00 ± 0,03 mgil, respectively. * Pesquisadr li! (Recurss Aquátics), Institut de Pesquisas Científicas e Tecnlógicas d Estad d Amapá. ** Estudantes de Mestrad em Química, Universidade Federal d Maranhã. Cad. Pesq., Sã Luís, v. 11, n. 2, p. 6J-7J,jul./dez

2 Others metals such as AI, Cr, Cu, Hg, Sn, Pb, M, Ba and Zn was als analyzed. Initially, the wastewater treatment with NaOH (analytical grade) was dne t find the best precipitatin ph fr the metais present in the sample. In a secnd step, reagents such as caustic sda, lime (dlmite, pwder) and calcium hydrxide were used t select the best precipitatin agent. The calcium hydrxide did nt prduce any precipitate, while caustic sda and lime presented precipitatin and als remval f the elements f interest by absrptin. The lime was used in the granular frm placed in a clumn t treat the wastewater. Three different partic1e sizes f the precipitatin agent were tested and the best efficiency was achieved using the material with the smallest partic1e size. Keywrds: labratry waste treatment; dimite; precipitatin. 1 INTRODUÇÃO Labratóris de instituições de ensin, de fiscalizaçã d gvern, empresas de cnsultria u fábricas geralmente têm tid puca precupaçã em relaçã às águas residuárias prduzidas em seus prcesss analítics e emitidas de md descntrlad em crps aquátics receptres. Uma nva visã vem surgind na sciedade mderna em que prdutr de um resídu é também respnsável pr seu tratament antes de lançá-i a mei ambiente. (JARDIM, 1997, pa). O gerenciament de resídus deve ser realizad para s prcediments ds labratóris químics, biquímicas, médics, bilógics, de engenharia e tecnlgia, bem cm em utras áreas, cm pr exempl em labratóris de artes finas, nas estamparias e n desenvlviment ftgráfic, nde váris prduts químics de razável grau de txicidade sã, igualmente, usads (ACS, 1994, p.115). É respnsabilidade d labratóri infrmar a sciedade sbre s resídus gerads e as atividades executadas para minimizá-ls, vist que tal missã pde acarretar manipulaçã de infrmaçã que crre sempre de acrd cm interesses de uma parte da imprensa u grups plítics. Alguns autres (BUZZETTI, 1997, p.67) defendem que a prduçã de "resídu zer" é perfeitamente pssível, espelhand-se n mdel natural das cadeias alimentares. N entant, s autres levam em cnta prcesss cm a prduçã de bebidas fermentadas que têm resídus rgânics reaprveitáveis na agricultura e na piscicultura, entre utrs. Quand se fala de resídus de um labratóri, em que várias espécies pdem estar presentes, desde metais pesads, ânins tóxics, u utrs cmpsts ncivs à vida, deve-se cnsiderar que tais resídus dificilmente encntrarã uss alternativs, que trna cmplicad seu tratament. Uma frma de se retirar metais pesads de uma sluçã aqusa é precipitá-ls cm hidróxids. É imprtante ressaltar que, se um determinad 62 Cad. Pesq., Sã Luís, v. 11, n. 2, p , jul.zdez

3 metal está presente n resídu em cncentrações relativamente altas, a sua precipitaçã cm hidróxid pde prvcar a c-precipitaçã de utrs metais presentes. (MOZETO et al, 1998, p.5). Um estud feit cm resídus de indústria têxtil que pssuíam crante índig, e pequenas quantidades de cntaminantes cm chumb, cbre, níquel e crm mstru que estes metais fram satisfatriamente remvids pela flculaçã cm sulfat de alumíni. O precipitad fi utilizad cm aditiv de argilas, melhrand sua resistência (OLIVEIRA et al., 1998, p.99). Fram também recuperads metais-traç em salmuras, pela cprecipitaçã cm ferr (IlI) e Mg (II) na frma de hidróxid, ajustand-se ph para 9,0 cm NaOH. N cas, fi pssível remver 95% de AI (IlI), Cd (II), C (II), Mn (II), Pb (II) e Cr (li); 90% de Cu (li) e V (li), nã cnseguind-se níveis satisfatóris para M (VI) e Sr (Il), A elevaçã de ph diminuiu a eficiência de recuperaçã (MARIANO & COSTA, 1993, p.125). Em labratóris de análises de minéris de ferr e manganês, as determinações sã, em geral, realizadas através de titulações de xi-reduçã, gravimetria, clrimetria, absrçã atômica de chama e emissã cm plasma (ICP) gerand resídus extremamente ácids, cm cncentrações de íns H+ superires a 1mllL, cntend metais slúveis tais cm ferr, manganês, alumíni, estanh, mercúri, crm hexavalente, bári, cbre, cbalt, níquel, zinc, chumb, entre utrs. Ist revela uma necessidade de se tratar tais resídus para psterir descarte em crps receptres. Devid à necessidade de dispnibilizar este rejeit de md mens agressiv a mei, este trabalh se destina a caracterizar e sugerir um tratament para resídus gerads em labratóris de análises químicas de minéris de ferr e manganês, send, prtant, imprtante a determinaçã ds elements mais impactantes e de pssíveis frmas de remçã que apresentem eficiência e baix cust. 2 METODOLOGIA 2.1 Amstras utilizadas Utilizu-se neste estud s rejeits prvenientes das análises de minéri de ferr, na determinaçã de ferr ttal e em ICP, e de manganês, na determinaçã de manganês ttal e em ICP, reclhend-s lg após a análise. A Figura 1 mstra um diagrama das amstras utilizadas e rejeit geral prduzid pel labratóri. Descarte Fig. 1: Fluxgrama de despej de rejeits. Cad. Pesq., Sã Luís, v. 11, n. 2, p J, jui/dez

4 2.2 Prcediments de análise Fram analisads s seguintes elements: ferr, manganês, alumíni, fósfr, estanh, crm, cbalt, cbre, níquel, zinc, chumb, cádmi, bári e mercúri em espectrômetr de emissã óptica cm plasma acplad indutivamente (ICP), mdel Spectrflame, da Spectr Analytical Instruments. Para tal, fram seguids s prcediments recmendads pel fabricante d equipament. Utilizu-se as linhas padrões de emissã, esclhendse a linha cm menr interferência. Realizu-se a leitura d branc. Neste estud usu-se água deinizada, vist que esta apresentu a mesma linha de base das amstras, nã apresentand efeit da matriz, principalmente devid a fat d efluente ser aqus. O efeit da diferença de ph e densidade nã fi bservad, tmand, assim, desnecessári us de artifícis cm a adiçã padrã. Fram analisads s padrões, cnstruind-se as curvas que relacinaram a cncentraçã ds elements de interesse cm a intensidade de radiaçã emitida, seguids das amstras. 2.3 Testes preliminares Seleçã d ph de precipitaçã Cletu-se uma série de it amstras prvenientes das análises de rtina d labratóri, precipitand-se s metais presentes cm sluçã de hidróxid de sódi a 8 ml/l, A 100 rnl de amstra e diferentes vlumes de adiçã da base, mediu-se ph após cada adiçã. Analisu-se as amstras antes e após adiçã de NaOH em ICP, descnsiderand-se qualquer efeit de diluiçã, vist que a sluçã adicinada apresentava cncentraçã elevada da base. Desta frma fi pssível esclher a melhr faixa de ph para a precipitaçã ds elements em estud Seleçã d agente de precipitaçã Inicialmente, preparu-se uma amstra sintética pela cmbinaçã de rejeits da análise de minéri de ferr em ICP e da determinaçã de ferr ttal pr dicrmatmetria, água de lavagem, detergente e água destilada de lavagem de vidrarias. Testu-se a precipitaçã ds metais presentes n efluente pr adiçã de sda cáustica cmercial (na frma de sluçã 8 ml/ L), calcári (sólid em pó) e cal (sólid), utilizand-se sempre 100 rnl da amstra, durante a adiçã gradativa, mnitrand-se ph. Após a precipitaçã, filtru-se as amstras em filtr Framex, quantitativ, e determinu-se, assim, a cncentraçã ds metais de interesse n filtrad. A dsagem de precipitante fi cntrlada pel ph final após a adiçã Seleçã da melhr vazã de tratament em cluna Após a esclha d agente de precipitaçã e da elabraçã d sistema de tratament, iniciu-se s experiments em cluna, bservand-se a variaçã de ph em funçã da vazã utilizada neste prcess. 2.4 Testes cmplementares Seleçã da granulmetria d precipitante Variu-se a granulmetria d 64 Cad. Pesq., Sã Luís, v. 11, n. 2, p , jul.zdez: 2000.

5 calcári dlmític, após esclhida a vazã ideal bservand-se a variaçã de ph em funçã d temp de tratament. Utilizu-se n estud três faixas de dimensã: a primeira cm grânuls de diâmetrs maires que 4,00 e menres que 6,50 mm, segund cm diâmetrs entre 6,50 e 8,00 mm, e terceir grup cm diâmetrs entre 8,00 e 12,00 mm. Fezse passar pr este sistema efluentes gerads em análise dicrmatmétrica para determinaçã de ferr ttal em minéris de ferr e análise de minéri de ferr em lcp, send ambas as amstras ricas em metais cm Fe, Mn, AI, Sn, Cu, C, Zn, Ni, Pb, Hg e Ba, pssuind, ainda valres de ph inferires a zer. 3 RESULTADOS E DISCUSSÕES 3.1 Testes preliminares A Figura 2 apresenta a cncentraçã relativa ds metais após a adiçã de NaOH, de grau analític, para várias faixas de ph. Os resultads btids mstraram que entre ph 6,0 e 8,0 btém-se a menr cncentraçã de metais slúveis. Devid a ist, esclheu-se uma faixa de ph de trabalh mais estreita, n intuit de garantir uma precipitaçã satisfatória, ptand-se pr valres de ph final entre 6,5 e 7,5. Pde-se, ainda, cmparar as capacidades de precipitaçã da sda cáustica cmercial e d calcári dlmític, verificand as cncentrações relativas ds metais após tratament cm estes materiais até btençã de Ô 1., Qj ;;; 0,6 - - " 0,4 c :'l g 0,2 U ph dentr da faixa de trabalh já determinada. Esta cmparaçã é mstrada na Figura , '1:l <!IIlCr! OFe i GilSn il i f3cu! IIIIAI :Ip ill!m1 < 0.0 4,50 6,22 7,99 9,00 11,99 ph Fig. 2: Cncentrações relativas ds elements em estud em funçã da crreçã de ph. 1,6 A 81,4 DF..AI i1,2 9C. 1.Cu! 08 OMn : ' "Ba. 0,6 ElSn ;: 0,4 IIlCr [;Jp!l c 0,2 1,2 : 1... I 11: <0.00 2,66 5,38 7,01 8,75 9,63 Ô.. 1 IIDFe ph DA! 0,8 7ó aml Qj DBa ;;; 0,6 gsn - IlIQ 0,4 HP Ẹ IB..!!J. g 0,2 " 0, ,58 6,79 7,41 6,61 7,00 7,00 6,63 ph Fig. 3: Cncentraçã relativa ds elements estudads após tratament, A: tratament cm sda cáustica cmercial. B: tratament cm caleári dlmític. Cad. Pesq., Sã Luís, v. 11, n. 2, p , jul.zdez. 2000, 65 "Ha B

6 Pde-se bservar que a sda cáustica nã precipita satisfatriamente mercúri e zinc, quand presentes em grandes cncentrações. Ocrre, ainda, acréscim de mercúri slúvel, uma vez que, neste resídu, mercúri se apresenta na frma de Hg2+, slúvel, e de Hg2C, inslúvel. Este últim pde ser slubilizad pela presença de hidróxid acima de ph 7,0. Além dist, manusei da sda requer prepar e estque da sluçã, bem cm uma etapa de precipitaçã pela adiçã d reagente, seguida de uma filtraçã u decantaçã para retirada ds precipitads frmads. O us de calcári para remçã de metais se mstru eficiente para quase tds s elements estudads. Apenas fósfr apresentu remçã em trn de 80% e mercúri nã fi remvid. Nã se bservu redissluçã de mercúri a partir ds sediments. Além dist, manusei d calcári pde ser realizad de frma mais simples, fixand- em uma cluna e fazend-se passar pr ela resídu aqus a ser tratad. É imprtante ressaltar que cust d calcári é menr que da sda, send cnsumids R$0,02 a cada lol de resídu tratad. Realizu-se testes em escala de labratóri, cnstruind-se um sistema cmpst pr um reservatóri plástic cnectad a uma cluna, cntent dlmita cedida pela Cmpanhia Vale d Ri Dce (CVRD), em Carajás, Pará. Uma mangueira cm válvula de regulagem de vazã cntrlu sistema, que funcinu pr açã da gravidade. A Figura 4 ilustra a utilizaçã da cluna para tratament ds resídus. A cluna de dlmita tinha vlume de 2,85 dm". A dlmita fi triturada em britadr de mandíbula, cm abertura de 22 mm, para que se tivesse uma granulmetria mais hmgênea e uma mair área superficial. Desta frma, vlume de calcári dlrnític dentr da cluna fi estimad em 2,43 drn'. O vlume de líquid n recipiente fi, prtant, de 0,42 dm'. Reservatóri lf. Cluna de < dlmita Fig. 4: Sistema em cluna para tratament ds efluentes em estud. Cm a reaçã entre ácids e carbnat libera grande quantidade de gás carbônic, fi necessári deixar um espaç na parte superir d reatr para a eliminaçã d gás gerad durante tratament. Para timizar us d sistema, utilizu-se resídu de minéri de ferr analisad em lcp e cntrlandse ph, em funçã da vazã, bservu-se melhr flux para tratament d efluente. O resultad deste estud pde ser vist na Figura 5. Determinu-se, assim, que a vazã a ser utilizada era de 0,01 dmvmin. Observu-se a variaçã de ph em funçã d temp para a mesma amstra de minéri de ferr em lcp, sb vazã cnstante de 0,01 dmvmin. Os valres 66 Cad. Pesq., Sã Luís, v. 11, n. 2, p , jul.zdez

7 de ph em funçã d temp pdem ser vists na Figura , :a =::, J:!!5I... ns 0,03 O, 0,015 0,01 dm 3 /min Fig. 5: Variaçã de ph em funçã da vazã. Observu-se, desta frma, que durante tratament a variaçã de ph final pde ser cnsiderada desprezível, cletand-se, assim, uma única amstra hmgênea e representativa deste prcediment. Fram tratadas neste sistema as amstras de minéri de ferr analisad em lcp na determinaçã de ferr ttal, e minéri de manganês na determinaçã de manganês ttal e na análise em ICP sultads expsts na Figura 7. Para esta amstra pde-se afirmar que tratament fi eficiente, vist que tds s elements em estud apresentaram, depis de tratads, cncentrações abaix ds limites estabelecids pela legislaçã em vigr. O zinc e ' fósfr apresentam um pequen acréscim em sua cncentraçã, prvavelmente devid à presença destes elements na dlmita. O ferr e alumíni sã reduzids a níveis inferires a limite de detecçã d métd utilizad, que sã 0,2 mg/l e 0,08 mg/l, respectivamente. O vlume de efluente tratad neste experiment fi de 3,75 drn' que crrespnde a 8,93 vlumes de reatr. Hfjf------JI."I 50 A i 1, +- C inicial Cfinal B -,-,-_--j 'DAI i 0,8.- DP g- 0, Ba 0,4.Zn CD <3 g 0.2 O.j...L-L...li1DIi:01II?ll"-r_J...l ""'" l1li I C inicial Cfinal Temp (mln) Fig. 6: Variaçã d ph em funçã d temp. 3.2 Testes Cmplementares Tratament d resídu de minéri de ferr analisad em lcp Para a amstras de minéri de ferr analisada em lcp bteve-se s re- Fig. 7: Remçã de elements impactantes para efluentes de minéri de ferr analisad em ICP. A: Remçã de ferr, B: Remçã de alumíni, fósfr, bári, zinc e crm Tratament d resídu de determinaçã de ferr ttal em minéri de ferr. Passu-se, em seguida, neste mesm sistema, sem regeneraçã, Cad. Pesq., Sã Luís, v. l l, n. 2, p ,jul./dez

8 efluente gerad na análise de minéri de ferr na determinaçã de ferr ttal, btend-se s resultads expsts na Figura 8. Pde-se bservar que tds s elements estã dentr ds limites legais, cm exceçã d mercúri que apresenta uma cncentraçã residual de 2,028 mg/l, ist é, 200 vezes mair que limite estabelecid pel Cnselh Nacinal d Mei Ambiente (CONAMA). Neste resídu também se bserva um aument discret na cncentraçã de zinc, que cnfirma a hipótese de que este esteja send slubilizad a partir da dlmita s e 1000 " e 500 " r:.. ::J 150 "il>, s C inicial C final 100 '1l. 8 e ac- DF. " IEIHg.:1 50 CI> " IBSn IIIMn.Ba g 10.!: 8 :. C inicial CAI A.Zn Fig. 8: Remçã de elements impactantes n rejeit de minéri de ferr analisad para determinaçã de ferr ttal. A: Remçã de fósfr. B: Remçã de crm, ferr, mercúri, estanh, manganês, bári, alumíni e zinc. Neste teste utilizu-se mesm vlume de efluente, 3,75dm 3, que crrespnde a um vlume ttal de reatr igual a 17,86, cnsiderand-se s vlumes de ambs s rejeits tratads nesta cluna sem regeneraçã. Nta-se que ph final de tratament ainda se encntra na faixa definida de 7,0 ± 0, Tratament d rejeit de determinaçã de manganês ttal em minéri de manganês. Utilizu-se na mesma cluna, efluente da análise de minéri de manganês na determinaçã de manganês ttal, btend-se s valres apresentads na Figura 9. N tratament desta amstra pde-se perceber que a precipitaçã d zinc (únic element impactante) crre de md que apenas 6,63% da cncentraçã inicial permanece slúvel. N entant, este valr ainda se encntra superir a limite de 5,0 mg/l, estabelecid pel CONAMA. ::J 2 "il>.s. 1.5 '1l. 1 e "., 0.5 e C Inicial C inicial Cfinal Cfinal A Imzn I B '.Ba.Ni Fig. 9: Remçã ds elements impactantes em resídu de minéri de manganês analisad para determinaçã de manganês ttal. A: Remçã de zinc. B: Remçã de bári e níquel. Outr pnt bservad é a redissluçã de bári, prvavelmente prveniente d resídu de determinaçã de ferr ttal tratad na mesma I 68 Cad. Pesq., Sã Luís, v. 11, n. 2, p ,jul./dez

9 cluna antes d resídu de determinaçã de manganês ttal. Neste cas a cncentraçã de bári sfre um acréscim, send a cncentraçã inicial de 0,28mglL e a finall,86mgll, mas permanecend dentr ds limites legais. Utilizu-se vlume de 7,50 dm' deste últim resídu, cmpletand 35,71 vlumes de reatr utilizads. Ainda naquele cas, embra ph tenha se apresentad puc abaix ds valres inicialmente bservads, ainda assim permaneceu na faixa estabelecida para este estud Tratament d resídu de análise em ICP de minéri de manganês. Tratu-se, ainda, efluente gerad na análise de minéri de manganês pr ICP neste sistema, também sem qualquer regeneraçã d sistema, btendse s valres expsts na Figura 10. ::J 300.,...,.-..,..,..."..,...--,..---:----, 250 -;; 200 "O g 50.3 Fig. 10: Remçã ds elements impactantesem resídus de análise em lep de minéri de manganês. A: Remçã de manganês. B: Remçã de alumíni, ferr, fósfr, bári, níquel, zinc, cbre e crm. A tratament se apresentu eficiente para esta amstra, vist que as cncentrações de tds s elements em estud fram inferires as limites estabelecids pela legislaçã. Utilizuse vlume de 3,75 dm' para este experiment, ttalizand 44,64 vlumes de reatr utilizads, a td Teste de eficiência d reatr. Depis de se usar 44,64 vlumes de reatr, vltu-se a utilizar sistema cm amstra de minéri de ferr, analisada em ICP, afim de se bservar a eficiência d tratament. O ph das amstras cletadas na saída da cluna diminuiu cm us prlngad, btend-se, após a passagem de 53,57 vlumes de reatr ph igual a 5,64, valr este ainda dentr ds limites impsts pela legislaçã. N entant, tal valr é inferir a limite de descarte estipulad pr este estud. Prtant, a passagem de 40 vlumes de reatr seria uma ba referência para se trabalhar cm s efluentes testads. O sistema pde ser recuperad efetuand-se uma remçã de sólids na parte inferir da cluna e passandse água n sentid cntrári a de us, limpand-se, assim, a dlmita Teste de eficiência d reatr em funçã da granulmetria. Observu-se que, quant menr tamanh ds grânuls de calcári dlnútic, mair era a eficiência d sistema, btend-se valres de ph final acima de 6,50 para tamanh entre 4,00 e 6,50 mm. Para segund grup s valres de ph variaram entre 5,5 e 6,5, enquant n últim grup de Cad. Pesq., Sã Luís, v. 11, n. 2, p ,jul./dez

10 partículas ph final variu entre 5,3 e 6,0. Fram bservadas as precipitações ds metais para tds s três grups de materiais. O cmprtament da variaçã de ph d efluente gerad em análise de minéri de ferr pr lcp em funçã d temp pde ser vist na Figura T" , j j j :I: ,05 0,00 > 4.0 < 6.5 > 6.5 < 8.0 > 8.0 < 12.0 Granulmetria! I-Icpl! IllFeT i Fig. 11: Variaçã de ph em funçã d temp para efluente das análises de minéri de ferr em lep e na determinaçã dicrmatmétrica de ferr ttal (FeT). A: para granulmetria de 4,0 a 6,5 mm. B: para granulmetria entre 6,5 e 8,0 mm. C: para granulmetria entre 8,0 e 12,0 mm. Cnsiderand-se a variaçã de ph para 180 min de tratament, utilizand as três granulmetrias testadas para s efluentes de análise em lcp e para determinaçã de ferr ttal pr dicrmatmetria têm-se cmprtament que pde ser bservad na Figura CONCLUSÃO O calcári dlmític precipita satisfatriamente s elements de interesse, mas aumenta a cncentraçã de fósfr e manganês em alguns cass, >4,0 <6,5 6, " % 6,60 _FeT 6,75 <, 6,70 6,65... z-, ---=- 6,55 6,50 6, O Temp/mln >6.5 <8,0 B 6, ,70 A IpI --- 6,60 6,50 % 6.30 _FT 6,20 <, 6,10 -.;:::: 6,00 5,90 5, O 200 6,40 IpI 6,10 Temp Imln >8,0 <12,0! 6,00 5,90 <, 5,80! % <, IpI i 5,70! _Fel <; <; i 5, <,! I 5,40 O Temp/mln Fig. 12: Variaçã de ph final, para 180 min de tratament, em funçã da granulmetria para s dis tips de efluentes gerads na análise de minéri de ferr. embra este últim nã ultrapasse s limites estabelecids pel CONAMA. O zinc nã é cmpletamente remvid, mas tem sua cncentraçã remvida a níveis próxims a limite legal. A dlmita remve até 72% d mercúri em sluçã pr adsrçã, prém este metal permanece acima ds limites estabelecids pel CONAMA n efluente d labratóri. É imprtante mencinar que, antes de ser lançad n crp receptr, este metal pde sfrer precipitaçã pel sulfet presente n esgt sanitári, enquant segue para tratament cnvencinal, que C 7fJ Cad. Pesq., Sã Luís, v. l l, n. 2, p , jul.rdez

11 reduz a cncentraçã deste element a níveis aceitáveis legalmente. A análise de custs mstra que us de calcári fica aprximadamente dze vezes mais barat que us de sda cáustica. Embra calcári prduza uma massa de resídu sólid 1,5 vezes mair d que quand se utiliza sda cáustica, este sólid pde ser remvid peridicamente da cluna de dlmita. O sistema utilizad apresenta-se eficiente até us de 40 vlumes de reatr, send necessári, após ist, efetuar a recuperaçã facilmente executada cm água em cntra crrente. O manusei d calcári na frma de dlmita é mais fácil, se cmparad à sda cáustica, vist que calcári permanece fix, fazend-se passar rejeit pr ele. Este prcediment é relativamente simples e ecnômic, uma vez que sistema é cmpst pr um reservatóri e uma cluna cntend calcári, cm rejeit cnduzid pr uma mangueira d reservatóri até a cluna pr açã da gravidade, send desnecessári us de bmbeament u qualquer utr cnsum de energia. Pde-se utilizar s três grups de granulmetria para tratament de efluentes ácids, send que grânuls de tamanh entre 4,0 e 6,5 mm sã mais eficientes, alcançand s valres desejads de ph final que garantem uma precipitaçã quantitativa ds metais presentes na fase aqusa. BIBLIOGRAFIA AMERICAN Chemical Sciety. Labratry waste management: a guidebk. Washingtn DC: ACS, p. BUZZETTI, A. R. Tratament de efluentes requer cultura ambienta1. Engarrafadr mdern, [S.1.], set./ ut., p , MOZETO, A. A.; JARDIM, W. E; GUI- MARÃES, J. R.. Gestã e qualidade de águas interires. In: CONGRESSO BRA- SILEIRO DE QUÍMICA, 38,1998, Sã Luís. Resums... Sã Luís: Assciaçã Brasileira de Química, p.32. CONSULTADA OLIVEIRA, R. de M.; SILVA, R. N.; MOREIRA, A. H. Estud de uma metdlgia para fabricaçã de materiais de cnstruçã utilizand resídus industriais. In: Cngress Brasileir de Química, 38, 1998, Sã Luís. Resums... Sã Luís: Assciaçã Brasileira de Química, p.99. MARIANO, V.S.; COSTA, A. C. S. Précncentraçã de traçs de metais em salmuras pr c-precipitaçã cm hidróxids de ferr III e magnési li. In: Cngress Brasileir de Química, 33.,. 1993, Frtaleza. Resums... Frtaleza: Assciaçã Brasileira de Química, p.q G JARDIM, W. E Tratament de resídus e preservaçã ambiental. Campinas: UNICAMP, p.3. Cad. Pesq., Sã Luís, v. li, n. 2, p , jul./dez

Questão 13. Questão 14. alternativa C

Questão 13. Questão 14. alternativa C Questã 13 O suc de laranja cncentrad da marca M cntém 20 mg de vitamina C pr 50 ml de suc cncentrad. Para ser cnsumid, deve ser diluíd cm água até que seu vlume seja 4 vezes mair que inicial. Pr utr lad,

Leia mais

Instruções para as apresentações científicas

Instruções para as apresentações científicas Instruções para as apresentações científicas As apresentações pderã ser realizadas na frma de PÔSTER u ORAL, dentr das especialidades dntlógicas: Ciências Básicas, Estmatlgia/Radilgia/Patlgia, Cirurgia,

Leia mais

TRABALHOS DE VALIDAÇÃO TÉCNICA. Catalisadores enzimáticos para biodegradações para resíduos sólidos orgânicos.

TRABALHOS DE VALIDAÇÃO TÉCNICA. Catalisadores enzimáticos para biodegradações para resíduos sólidos orgânicos. TRABALHOS DE VALIDAÇÃO TÉCNICA Catalisadres enzimátics para bidegradações para resídus sólids rgânics. Inici ds testes de labratóri Care Systems: Objetivs Aceleraçã ds prcesss de bidegradaçã. Tratament

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA CAPACIDADE DE ASSIMILAÇÃO DOS CORPOS DE ÁGUA PARA A DISPOSIÇÃO FINAL DOS EFLUENTES DOMÉSTICOS E INDUSTRIAIS

DETERMINAÇÃO DA CAPACIDADE DE ASSIMILAÇÃO DOS CORPOS DE ÁGUA PARA A DISPOSIÇÃO FINAL DOS EFLUENTES DOMÉSTICOS E INDUSTRIAIS DETERMINAÇÃO DA CAPACIDADE DE ASSIMILAÇÃO DOS CORPOS DE ÁGUA PARA A DISPOSIÇÃO FINAL DOS EFLUENTES DOMÉSTICOS E INDUSTRIAIS Rbsn Sarment (1) Engenheir Espec., M.Sc., Ph.D - Prfessr d Departament de Hidráulica

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do RS Faculdade de Engenharia

Pontifícia Universidade Católica do RS Faculdade de Engenharia Pntifícia Universidade Católica d S Faculdade de Engenharia LABOATÓO DE ELETÔNCA DE POTÊNCA EXPEÊNCA 4: ETFCADO TFÁSCO COM PONTO MÉDO ( PULSOS) OBJETO erificar qualitativa e quantitativamente cmprtament

Leia mais

Escola de Minas. ** Escola de Farmácia Universidade Federal de Ouro Preto 35400-000 Ouro Preto- MG, Brasil

Escola de Minas. ** Escola de Farmácia Universidade Federal de Ouro Preto 35400-000 Ouro Preto- MG, Brasil VERMJCULITA HIDROFOBIZADA PARA O TRATAMENTO DE EFLUENTES DA FLOTAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO. J. MARTINS, L.C.R. MACHADO", S.A. VIEIRA FILHO, V.A. LEÃO" Escla de Minas. ** Escla de Farmácia Universidade Federal

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

Escla Superir Agrária de Cimbra Prcessament Geral de Aliments LEAL 2009/2010 Aqueciment Óhmic Brenda Mel, nº 20803030 Inês Ricard, nº 20090157 Nádia Faria, nº 20803060 O que é? Prcess nde a crrente eléctrica

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

DISCIPLINA: Matemática. MACEDO, Luiz Roberto de, CASTANHEIRA, Nelson Pereira, ROCHA, Alex. Tópicos de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006.

DISCIPLINA: Matemática. MACEDO, Luiz Roberto de, CASTANHEIRA, Nelson Pereira, ROCHA, Alex. Tópicos de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006. DISCIPLINA: Matemática 1- BIBLIOGRAFIA INDICADA Bibliteca Virtual Pearsn MACEDO, Luiz Rbert de, CASTANHEIRA, Nelsn Pereira, ROCHA, Alex. Tópics de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006. PARKIN, Michael.

Leia mais

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações.

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações. Taxa DI Cetip Critéri de apuraçã a partir de 07/10/2013 As estatísticas d ativ Taxa DI-Cetip Over (Extra-Grup) sã calculadas e divulgadas pela Cetip, apuradas cm base nas perações de emissã de Depósits

Leia mais

Novo Sistema Almoxarifado

Novo Sistema Almoxarifado Nv Sistema Almxarifad Instruções Iniciais 1. Ícnes padrões Existem ícnes espalhads pr td sistema, cada um ferece uma açã. Dentre eles sã dis s mais imprtantes: Realiza uma pesquisa para preencher s camps

Leia mais

ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS GRAFICOS DE x E R.

ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS GRAFICOS DE x E R. ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS GAFICOS DE E. Vims cm cnstruir e utilizar s gráfics de cntrle. Agra vams estudar sua capacidade de detectar perturbações n prcess. GÁFICO de Em um julgament, veredict final será

Leia mais

APLICAÇÃO DE EXPERIMENTOS FATORIAIS E DE MISTURAS NA OTIMIZAÇÃO DE COLETORES< 01 >

APLICAÇÃO DE EXPERIMENTOS FATORIAIS E DE MISTURAS NA OTIMIZAÇÃO DE COLETORES< 01 > APLICAÇÃO DE EXPERIMENTOS FATORIAIS E DE MISTURAS NA OTIMIZAÇÃO DE COLETORES< 01 > Ari Dias Turrer< 02 > Paul Jsé de Barrs RabeJ

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS Sã Paul 2013 1 1 INTRODUÇÃO Este Manual tem a finalidade de servir à nrmalizaçã da elabraçã de Trabalhs de Cnclusã de Curs TCC pr mei de artigs científics,

Leia mais

Lista de Exercício COMPLEMENTAR de Termoquímica e Termodinâmica

Lista de Exercício COMPLEMENTAR de Termoquímica e Termodinâmica Lista de Exercíci COMPLEMENTAR de Termquímica e Termdinâmica 1) A água expande-se quand cngela. Quant trabalh realiza uma amstra de 100g de água quand cngela a 0 C e estura um can de água quand a pressã

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

Estruturas de Concreto

Estruturas de Concreto Estruturas de Cncret ISSN 1519-4086 Númer 4 MODELOS DE PREVISÃO DA FLUÊNCIA E DA RETRAÇÃO DO CONCRETO JOSÉ MILTON DE ARAÚJO Editra DUNAS Estruturas de Cncret é uma publicaçã seriada cm bjetiv de abrdar

Leia mais

Artigo 12 Como montar um Lava Jato

Artigo 12 Como montar um Lava Jato Artig 12 Cm mntar um Lava Jat Antigamente era cmum bservar as pessas, n final de semana, cm seus carrs, bucha e sabã nas mãs. Apesar de ainda haver pessas que preferem fazer serviç suj szinhas, s lava

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO Transfrmadres 1.1- INTRODUÇÃO N estud da crrente alternada bservams algumas vantagens da CA em relaçã a CC. A mair vantagem da CA está relacinada cm a facilidade de se elevar u abaixar a tensã em um circuit,

Leia mais

3 Fundamentos do Comportamento dos Hidrocarbonetos Fluidos

3 Fundamentos do Comportamento dos Hidrocarbonetos Fluidos 3 Fundaments d Cmprtament ds Hidrcarbnets Fluids 3.1. Reservatóris de Petróle O petróle é uma mistura de hidrcarbnets, que pde ser encntrada ns estads: sólid, líquid, u ass, dependend das cndições de pressã

Leia mais

Segmentação de Imagem

Segmentação de Imagem em pr bjectiv dividir a imagem em regiões u bjects segund um critéri Frequentemente resultad nã é uma imagem mas um cnjunt de regiões/bjects A precisã da fase de segmentaçã determina sucess u falha ds

Leia mais

Soluções. Processo de Dissolução. Conceitos Soluções. Soluto e solvente. Curso: Química Industrial Professora: Liliana Lira Pontes

Soluções. Processo de Dissolução. Conceitos Soluções. Soluto e solvente. Curso: Química Industrial Professora: Liliana Lira Pontes Universidade Federal da Paraíba Centr de Ciências Exatas e da Natureza Departament de Química Disciplina: Química Geral Sluções Curs: Química Industrial Prfessra: Liliana Lira Pntes Cnceits Sluções Sluçã

Leia mais

APLICAÇÃO DE PROCESSO ELETROLÍTICO NA REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA E DE CORANTES DE EFLUENTES INDUSTRIAIS

APLICAÇÃO DE PROCESSO ELETROLÍTICO NA REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA E DE CORANTES DE EFLUENTES INDUSTRIAIS VI SHMMT I XVIII ENTMME- 01 -Ri de Janeir/Brazil APLICAÇÃO DE PROCESSO ELETROLÍTICO NA REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA E DE CORANTES DE EFLUENTES INDUSTRIAIS Ana Cristina Lurenç da Silve/, rwbela Bellt de

Leia mais

Todos os direitos reservados Versão 1.2

Todos os direitos reservados Versão 1.2 Guia de Relatóris Tds s direits reservads Versã 1.2 1 Guia de Relatóris Índice 1 Pedids... 3 1.1 Mnitr de Pedids... 3 1.2 Pedids... 4 1.3 Estatísticas de Pedids... 5 1.4 Acess e Cnsum... 7 1.5 Pedids pr

Leia mais

Recuperação Ambiental de Áreas Mineradas: Revegetação na Mina de Carvão de Candiota da CRM".

Recuperação Ambiental de Áreas Mineradas: Revegetação na Mina de Carvão de Candiota da CRM. Recuperaçã Ambiental de Áreas Mineradas: Revegetaçã na Mina de Carvã de Candita da CRM". Ricard Melamed, Paul Sérgi Mreira Sares., Julian Peres Barbsa\ Errl van Hyussteen 2, Ney Sá Filh 3 CETEM/MCT 2 CANMET/NRC

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PONTIFÍI UNIERSIDDE TÓLI DE GOIÁS DEPRTMENTO DE MTEMÁTI E FÍSI Prfessres: Edsn az e Renat Medeirs EXERÍIOS NOT DE UL II Giânia - 014 E X E R Í I OS: NOTS DE UL 1. Na figura abaix, quand um elétrn se deslca

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

Lista de exercícios de resistência ao cisalhamento dos solos

Lista de exercícios de resistência ao cisalhamento dos solos UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA Departament de Engenharia Civil Setr de Getecnia Paul Sérgi de Almeida Barbsa Lista de exercícis de resistência a cisalhament ds sls 1.ª ) Uma amstra de uma argila nrmalmente

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE ZINCO E CÁDMIO DE RESÍDUO INDUSTRIAL POR LIXIVIAÇÃO/CEMENT AÇÃO

RECUPERAÇÃO DE ZINCO E CÁDMIO DE RESÍDUO INDUSTRIAL POR LIXIVIAÇÃO/CEMENT AÇÃO XX ENTMME- Natai-RN. nvembr 2005. RECUPERAÇÃO DE ZNCO E CÁDMO DE RESÍDUO NDUSTRAL POR LXVAÇÃO/CEMENT AÇÃO Carls A. Mrais 1, Ligiane R. Guvea 1, T. Takayama Filh 2, Vivianc A. Castr 2 () Centr de Desenvlviment

Leia mais

3 Aplicações dos Modelos de Análise de Crédito

3 Aplicações dos Modelos de Análise de Crédito 3 Aplicações ds Mdels de Análise de Crédit Pdem ser citads cm principais estuds realizads para previsã de inslvência de pessas jurídicas: Estud de Tamari O estud fi realizad n final da década de 50 e fi

Leia mais

AULA 3 GERENCIAMENTO DE CUSTOS E GESTÃO DE OPERAÇÕES PARA A QUALIDADE TOTAL. Prof. Glauce Almeida Figueira

AULA 3 GERENCIAMENTO DE CUSTOS E GESTÃO DE OPERAÇÕES PARA A QUALIDADE TOTAL. Prof. Glauce Almeida Figueira AULA 3 GERENCIAMENTO DE CUSTOS E GESTÃO DE OPERAÇÕES PARA A QUALIDADE TOTAL Prf. Glauce Almeida Figueira EMENTA AULA TÓPICOS 31/08 Intrduçã a Cntabilidade de Custs ; Terminlgia Cntábil; Tips de Custei;

Leia mais

Questão 31. Questão 33. Questão 32. Questão 34. alternativa B. alternativa D. alternativa B

Questão 31. Questão 33. Questão 32. Questão 34. alternativa B. alternativa D. alternativa B Questã 31 Os irradiadres de aliments representam hje uma pçã interessante na sua preservaçã. O aliment irradiad, a cntrári d que se imagina, nã se trna radiativ, umavezquearadiaçãquerecebeédtip gama. A

Leia mais

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis Manutençã Vensis Manutençã É módul que permite gerenciament da manutençã de máquinas e equipaments. Prgramaçã de manutenções preventivas u registr de manutenções crretivas pdem ser feits de frma

Leia mais

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01.

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01. Agenda Intrduçã Diariamente cada um ds trabalhadres de uma empresa executam diversas atividades, muitas vezes estas atividades tem praz para serem executadas e devem ser planejadas juntamente cm utras

Leia mais

GT-ATER: Aceleração do Transporte de Dados com o Emprego de Redes de Circuitos Dinâmicos. RT3 - Avaliação dos resultados do protótipo

GT-ATER: Aceleração do Transporte de Dados com o Emprego de Redes de Circuitos Dinâmicos. RT3 - Avaliação dos resultados do protótipo GT-ATER: Aceleraçã d Transprte de Dads cm Empreg de Redes de Circuits Dinâmics RT3 - Avaliaçã ds resultads d prtótip Sand Luz Crrêa Kleber Vieira Cards 03/08/2013 1. Apresentaçã d prtótip desenvlvid Nesta

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão FMUSP - HC. Faculdade de Medicina da USP Diretoria Executiva da FMUSP e Diretoria Executiva dos LIMs

Procedimento Operacional Padrão FMUSP - HC. Faculdade de Medicina da USP Diretoria Executiva da FMUSP e Diretoria Executiva dos LIMs 1. OBJETIVOS: fixar nrma para realizaçã ds prcediments de cleta interna de carcaças de animais de experimentaçã n Sistema FMUSP-HC, bservand-se as devidas cndições de higiene e segurança. 2. ABRANGÊNCIA:

Leia mais

O SIMPLES Nacional, realmente, reduz a carga tributária das empresas? Um estudo de caso

O SIMPLES Nacional, realmente, reduz a carga tributária das empresas? Um estudo de caso O SIMPLES Nacinal, realmente, reduz a carga tributária das empresas? Um estud de cas Otávi Gmes Cabell Maur Fernand Gall Carls Albert Pereira Resum: O Brasil pssui atualmente uma das maires cargas tributárias

Leia mais

Dissídio Retroativo. Cálculos INSS, FGTS e geração da SEFIP

Dissídio Retroativo. Cálculos INSS, FGTS e geração da SEFIP Dissídi Retrativ Cálculs INSS, FGTS e geraçã da SEFIP A rtina de Cálcul de Dissídi Retrativ fi reestruturada para atender a legislaçã da Previdência Scial. A rtina de Aument Salarial (GPER200) deve ser

Leia mais

UHE SANTO ANTONIO. MARGEM ESQUERDA Análise crítica: Guilherme Todt S D- RT- 0063-13 00

UHE SANTO ANTONIO. MARGEM ESQUERDA Análise crítica: Guilherme Todt S D- RT- 0063-13 00 UHE SANTO ANTONIO Titul: Dcument N. Rev. RELATÓRIO DE DESMOBILIZAÇÃO DO 3 MODULO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTE (ETE)- S D- RT- 0063-13 00 Elabraçã: Tarcis Camil MARGEM ESQUERDA Análise crítica:

Leia mais

DISCIPLINA: Matemática e Matemática Aplicada

DISCIPLINA: Matemática e Matemática Aplicada DISCIPLINA: Matemática e Matemática Aplicada 1- BIBLIOGRAFIA INDICADA Bibliteca Virtual Pearsn MACEDO, Luiz Rbert de, CASTANHEIRA, Nelsn Pereira, ROCHA, Alex. Tópics de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex,

Leia mais

SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA

SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA O prcess de cntrle de estque de gôndla fi desenvlvid cm uma prcess de auxili a cliente que deseja cntrlar a quantidade de cada item deve estar dispnível para venda

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ELETRODEPOSIÇÃO INTRODUÇÃO

FUNDAMENTOS DA ELETRODEPOSIÇÃO INTRODUÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA FUNDAMENTOS DA ELETRODEPOSIÇÃO INTRODUÇÃO DISCIPLINA : ELETROQUÍMICA APLICADA

Leia mais

Procedimentos Estéticos

Procedimentos Estéticos Abaix estã relacinads s prcediments realizads pel prfissinal bimédic habilitad em bimedicina estética de acrd cm as resluções e nrmativas vigentes d Cnselh Federal de Bimedicina (CFBm) que autrizam, cnfrme

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora. e Fitorremediação. Grupo: Juliana Brum Natália Buzinari Samuel l Ferraz Taimara Polidoro

Universidade Federal de Juiz de Fora. e Fitorremediação. Grupo: Juliana Brum Natália Buzinari Samuel l Ferraz Taimara Polidoro Universidade Federal de Juiz de Fra Birremediaçã e Fitrremediaçã Grup: Juliana Brum Natália Buzinari Samuel l Ferraz Taimara Plidr 1 2 Sumári Intrduçã Áreas cntaminadas Remediaçã de sls cntaminads Parâmetrs

Leia mais

Composição química dos seres vivos I

Composição química dos seres vivos I a a a a ã Cmpsi química ds seres vivs I ã a a a ã ã a a a a ã Milhões de espécies cm frmas e tamanhs variads habitam s mais diverss ambientes d nss planeta e tdas elas, ds mais simples micrrganisms até

Leia mais

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION Orin Versã 7.74 TABELAS Clientes Na tela de Cadastr de Clientes, fi inserid btã e um camp que apresenta códig que cliente recebeu após cálcul da Curva ABC. Esse btã executa

Leia mais

CAPÍTULO 2 RETIFICADORES A DIODO 2.1 - RETIFICADOR MONOFÁSICO DE MEIA ONDA A DIODO. a) Carga Resistiva Pura

CAPÍTULO 2 RETIFICADORES A DIODO 2.1 - RETIFICADOR MONOFÁSICO DE MEIA ONDA A DIODO. a) Carga Resistiva Pura CAPÍTULO ETFCADOES A DODO.1 ETFCADO MONOFÁSCO DE MEA ONDA A DODO a) Carga esistiva Pura A estrutura d retificadr mnfásic de meia nda alimentand uma carga resistiva está representada na figura.1. v D D

Leia mais

CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL

CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL CURSO DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL Carga Hrária: 16 hras/atividade Hrári: 8h30 às 18h (cm interval para almç) Brasília, 26 e 27 de nvembr de 2015

Leia mais

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa D. alternativa B. Dados: calor específico do gelo (água no estado sólido)...

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa D. alternativa B. Dados: calor específico do gelo (água no estado sólido)... Questã 46 A partir de um bjet real de altura H, dispst verticalmente diante de um instrument óptic, um artista plástic necessita bter uma imagemcnjugadadealturaigualah.nesse cas, dependend das cndições

Leia mais

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas Unidade 7: Sínteses de evidências para plíticas Objetiv da Unidade Desenvlver um entendiment cmum d que é uma síntese de evidências para plíticas, que inclui e cm pde ser usada 3 O que é uma síntese de

Leia mais

Processos de desumidificação visam manter a Umidade Relativa do Ar em níveis abaixo de 50%.

Processos de desumidificação visam manter a Umidade Relativa do Ar em níveis abaixo de 50%. 1. TEORIA Para prcesss específics de utilizaçã, é necessári manter cndições de temperatura e umidade relativa d ar em cndições específicas para prduçã e u trabalh. Prcesss de desumidificaçã visam manter

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS CONTEÚDO 1. Intrduçã... 3 2. Requisits de Sftware e Hardware:... 3 3. Usuári e Grups:... 3 3.1. Cnfigurand cm Micrsft AD:... 3 3.2. Cnfigurand s Grups e Usuáris:...

Leia mais

Autocalibração com erros relacionados ao Sistema, Auto CQ e Troca de Reagente

Autocalibração com erros relacionados ao Sistema, Auto CQ e Troca de Reagente As Clientes ds Sistemas de Química ADVIA. Referente: Ntificaçã Urgente de Segurança em Camp CHSW 13 03 10816443 Rev. A Data Nvembr / 2013 E-mail assunts.regulatris.br@siemens.cm Internet www.siemens.cm

Leia mais

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores;

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores; Prcediments de Avaliaçã das ITED ANACOM, 1ª ediçã Julh 2004 OBJECTIVO De acrd cm dispst n nº 1, d artº 22º, d Decret Lei nº 59/2000, de 19 de Abril (adiante designad cm DL59), a cnfrmidade da instalaçã

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

Capítulo V. Técnicas de Análise de Circuitos

Capítulo V. Técnicas de Análise de Circuitos Capítul V Técnicas de Análise de Circuits 5.1 Intrduçã Analisar um circuit é bter um cnjunt de equações u valres que demnstram as características de funcinament d circuit. A análise é fundamental para

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO: HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL: A CAMINHO DE UM HOSPITAL SUSTENTÁVEL...

RELATÓRIO DESCRITIVO: HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL: A CAMINHO DE UM HOSPITAL SUSTENTÁVEL... RELATÓRIO DESCRITIVO: HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL: A CAMINHO DE UM HOSPITAL SUSTENTÁVEL... Respnsável pela elabraçã d trabalh: Fernanda Juli Barbsa Camps

Leia mais

Boletim Comercial. Tema: BC003 Plano de Disponibilidade Ilimitada de Recursos UV. Introdução

Boletim Comercial. Tema: BC003 Plano de Disponibilidade Ilimitada de Recursos UV. Introdução Bletim Cmercial Tema: BC003 Plan de Dispnibilidade Ilimitada de Recurss UV Intrduçã Sistemas de cura UV sã cada vez mais presentes em indústrias que imprimem grandes vlumes de materiais, independente d

Leia mais

Desenvolvimento e caracterização de filmes de TiO2 para aplicação como fotocatalisadores em processos oxidativos avançados

Desenvolvimento e caracterização de filmes de TiO2 para aplicação como fotocatalisadores em processos oxidativos avançados 11 ISSN 1517-4786 Outubr, 010 Sã Carls, SP Imagem: Rrivald Camarg Imagens de micrscpia eletrônica pr emissã de camp (FEG) d filme de TiO cm 1 uss (a) superfície, (b) superfície ampliada, (c) espessura.

Leia mais

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos PLANO DE CURSO MSOBRPCMME PAG1 Plan de curs Planejament e Cntrle da Manutençã de Máquinas e Equipaments Justificativa d curs Nã é fácil encntrar uma definiçã cmpleta para Gestã da manutençã de máquinas

Leia mais

SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA ATUAL

SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA ATUAL INFORME EPIDEMIOLÓGICO Nº 05/2015 SEMANA EPIDEMIOLÓGICA 50 (13 A 19/12/2015) MONITORAMENTO DOS CASOS DE MICROCEFALIAS NO BRASIL Este infrme d COES Micrcefalias visa dcumentar e divulgar infrmações atualizadas

Leia mais

Operação Metalose orientações básicas à população

Operação Metalose orientações básicas à população Operaçã Metalse rientações básicas à ppulaçã 1. Quem é respnsável pel reclhiment de prduts adulterads? As empresas fabricantes e distribuidras. O Sistema Nacinal de Vigilância Sanitária (Anvisa e Vigilâncias

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

ASPECTOS ESTATÍSTICOS DA PRECIPITAÇÃO NA BACIA DO ITAJAÍ - SANTA CATARINA Maria Cleide Baldo (1); Jonas Teixeira Nery; Maria de Lourdes Orsini

ASPECTOS ESTATÍSTICOS DA PRECIPITAÇÃO NA BACIA DO ITAJAÍ - SANTA CATARINA Maria Cleide Baldo (1); Jonas Teixeira Nery; Maria de Lourdes Orsini ASPECTOS ESTATÍSTICOS DA PRECIPITAÇÃO NA BACIA DO ITAJAÍ - SANTA CATARINA Maria Cleide Bald (1); Jnas Teixeira Nery; Maria de Lurdes Orsini Fernandes Martins (1) Universidade Estadual de Maringá DGE, Av

Leia mais

CAPÍTULO 2 RETIFICADORES A DIODO 2.1 - RETIFICADOR MONOFÁSICO DE MEIA ONDA A DIODO

CAPÍTULO 2 RETIFICADORES A DIODO 2.1 - RETIFICADOR MONOFÁSICO DE MEIA ONDA A DIODO Cap. etificadres a Did 7 CAPÍTUO ETFCADOES A DODO. ETFCADO MONOFÁSCO DE MEA ONDA A DODO a) Carga esistia Pura (Figura.) () D D Fig.. etificadr mnfásic de meia nda cm carga resistia. Onde: ( ) sen( ) sen(

Leia mais

wo 3, apresentaram extracões de até 99% de tunqstênio.

wo 3, apresentaram extracões de até 99% de tunqstênio. 251 EXTRAÇÂO HIDROMETALÜRGICA DO TUNGSTNIO EM AUTOCLAVE ÁUREO OCTAVIO DEL-VECCHIO 11ACHAD0 1 JOÃO CARLOS BEZERRA MACIEL 1 RESUMO Fram estudadas as influências de diverss parâmetrs na lixivi açâ alcalina

Leia mais

CRC-MG Central de Registro Civil de Minas Gerais Certidão Online - Serventia. Manual do usuário

CRC-MG Central de Registro Civil de Minas Gerais Certidão Online - Serventia. Manual do usuário CRC-MG Central de Registr Civil de Minas Gerais Certidã Online - Serventia Manual d usuári Prefáci Data: 30/01/2015 Versã dcument: 1.0 1. COMO ACESSAR O MÓDULO DA CERTIDÃO ONLINE... 04 2. OPÇÕES DE PEDIDOS

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta ATENÇÃO: Escreva a resluçã COMPLETA de cada questã n espaç a ela reservad. Nã basta escrever resultad final: é necessári mstrar s cálculs u racicíni utilizad. Questã Uma pessa pssui a quantia de R$7.560,00

Leia mais

1. Conceituação Percentual de crianças imunizadas com vacinas específicas, em determinado espaço geográfico, no ano considerado.

1. Conceituação Percentual de crianças imunizadas com vacinas específicas, em determinado espaço geográfico, no ano considerado. INDICADOR: F.13 COBERTURA VACINAL 1. Cnceituaçã Percentual de crianças imunizadas cm vacinas específicas, em determinad espaç gegráfic, n an cnsiderad. 2. Interpretaçã Estima nível de prteçã da ppulaçã

Leia mais

TECNOLOGIAS DE MICRO-GERAÇÃO E SISTEMAS PERIFÉRICOS. 6 Painéis Solares Fotovoltaicos

TECNOLOGIAS DE MICRO-GERAÇÃO E SISTEMAS PERIFÉRICOS. 6 Painéis Solares Fotovoltaicos 6 Painéis Slares Ftvltaics 48 6.1 Descriçã da tecnlgia A funçã de uma célula slar cnsiste em cnverter directamente a energia slar em electricidade. A frma mais cmum das células slares fazerem é através

Leia mais

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização Bletim Técnic CAGED Prtaria 1129/2014 MTE Prdut : TOTVS 11 Flha de Pagament (MFP) Chamad : TPRQRW Data da criaçã : 26/08/2014 Data da revisã : 12/11/2014 País : Brasil Bancs de Dads : Prgress, Oracle e

Leia mais

T12 Resolução de problemas operacionais numa Companhia Aérea

T12 Resolução de problemas operacionais numa Companhia Aérea T12 Resluçã de prblemas peracinais numa Cmpanhia Aérea Objectiv Criar um Sistema Multi-Agente (SMA) que permita mnitrizar e reslver s prblemas relacinads cm s aviões, tripulações e passageirs de uma cmpanhia

Leia mais

Receptores de imagem por sistema de radiografia computadorizada (CR-Computed radiography)

Receptores de imagem por sistema de radiografia computadorizada (CR-Computed radiography) Receptres de imagem pr sistema de radigrafia cmputadrizada (CR-Cmputed radigraphy) 1 Sistema receptr CR Intrduzid pela Fuji em 1981, cm primeir sistema de imagem digital cmercializad de radigrafia cmputadrizada,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD Parecer Cnsultria Tributária Segments Escrituraçã Cntábil Digital ECD 23/12/2013 Parecer Cnsultria Tributária Segments Títul d dcument Sumári Sumári... 2 1. Questã... 3 2. Nrmas Apresentadas Pel Cliente...

Leia mais

Profa. Dra. Silvia M de Paula

Profa. Dra. Silvia M de Paula Prfa. Dra. Silvia M de Paula Espelhs Esférics Certamente tds nós já estivems diante de um espelh esféric, eles sã superfícies refletras que têm a frma de calta esférica. Em nss ctidian ficams diante de

Leia mais

Antropologia do Consumo no Marketing

Antropologia do Consumo no Marketing Antrplgia d Cnsum n Marketing Objetivs Demnstrar cm as influências culturais estã relacinadas cm s hábits de cnsum, a relaçã cm as Marcas e cmprtament de cmpra, evidenciand assim, prcess fundamental para

Leia mais

Edital de Chamada Pública nº 01/2012 SEBRAE 2014

Edital de Chamada Pública nº 01/2012 SEBRAE 2014 Edital de Chamada Pública nº 01/2012 SEBRAE 2014 A Diretria d SEBRAE/RS trna públic presente edital e cnvida Artesãs representads pr Assciações e/u Cperativas de Artesanat d Ri Grande d Sul a inscreverem-se

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

Questão 48. Questão 46. Questão 47. Questão 49. alternativa A. alternativa B. alternativa C

Questão 48. Questão 46. Questão 47. Questão 49. alternativa A. alternativa B. alternativa C Questã 46 O ceficiente de atrit e índice de refraçã sã grandezas adimensinais, u seja, sã valres numérics sem unidade. Iss acntece prque a) sã definids pela razã entre grandezas de mesma dimensã. b) nã

Leia mais

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA De Plenári, err1 substituiçã à COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sbre Prjet de Lei da Câmara 209, de 2015, de autria d Deputad Aeltn Freitas, que altera a Lei n 8.906, de 4 de julh de 1994

Leia mais

SEJAFERA APOSTILA EXERCÍCIOS / QUESTÕES DE VESTIBULARES. Matrizes e Determinantes

SEJAFERA APOSTILA EXERCÍCIOS / QUESTÕES DE VESTIBULARES. Matrizes e Determinantes SEJAFERA APOSTILA EXERCÍCIOS / QUESTÕES DE VESTIBULARES Matrizes e Determinantes Depis de estudad uma matéria em matemática é imprtante que vcê reslva um númer significativ de questões para fiaçã de cnteúd.

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador Reprts Relatóris à sua Medida Reprts Cpyright 1999-2006 GrupPIE Prtugal, S.A. Reprts 1. WinREST Reprts...5 1.1. Licença...6 1.2. Linguagem...7 1.3. Lgin...7 1.4. Página Web...8 2. Empresas...9 2.1. Cm

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal INDICE DE PREÇOS TURISTICO Desenvlvid n quadr d Prgrama Cmum de Estatística CPLP cm api técnic d INE de Prtugal Estrutura da Apresentaçã INTRODUÇÃO. METODOLOGIA. FORMA DE CÁLCULO. PROCESSO DE TRATAMENTO.

Leia mais

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ)

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ) APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ) Este case apresenta a aplicaçã da sluçã Elipse E3 para aprimrar mnitrament da temperatura encntrada

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas Perguntas frequentes sbre Prgrama Banda Larga nas Esclas 1. Qual bjetiv d Prgrama Banda Larga nas Esclas? O Prgrama Banda Larga nas Esclas tem cm bjetiv cnectar tdas as esclas públicas à internet, rede

Leia mais

Processo TCar Balanço Móbile

Processo TCar Balanço Móbile Prcess TCar Balanç Móbile Tecinc Infrmática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar Centr Cascavel PR 1 Sumári Intrduçã... 3 Funcinalidade... 3 1 Exprtaçã Arquiv Cletr de Dads (Sistema TCar)... 4 1.1 Funcinalidade...

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0)

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0) Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br TESTE DE SOFTWARE (Versã 2.0) 9 Teste de Sftware Imprtância Dependência

Leia mais

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos Versã 14.0 Junh 2015 www.psr-inc.cm Cntat: sddp@psr-inc.cm SDDP VERSÃO 14.0 Nvidades Representaçã mais detalhada da peraçã em cada estági: 21 blcs Tradicinalmente, a peraçã de cada estági (semana u mês)

Leia mais

Glossário das Metas Prioritárias 2010 Versão 1.2.14 Agosto/2010

Glossário das Metas Prioritárias 2010 Versão 1.2.14 Agosto/2010 Meta Priritária 5 Implantar métd de gerenciament de rtinas (gestã de prcesss de trabalh) em pel mens 50% das unidades judiciárias de 1º grau. Esclareciment da Meta Nã estã sujeits a esta meta s tribunais

Leia mais

METAS DE COMPREENSÃO:

METAS DE COMPREENSÃO: 1. TÓPICO GERADOR: Vivend n sécul XXI e pensand n futur. 2. METAS DE COMPREENSÃO: Essa atividade deverá ter cm meta que s aluns cmpreendam: cm se cnstrói saber científic; cm as áreas d saber estã inter-relacinadas

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais