Reestruturação da estação de tratamento de efluentes de uma agroindústria de beneficiamento de arroz não parboilizado

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Reestruturação da estação de tratamento de efluentes de uma agroindústria de beneficiamento de arroz não parboilizado"

Transcrição

1 Reestruturação da estação de tratamento de efluentes de uma agroindústria de beneficiamento de arroz não parboilizado Rodrigo Sanchotene Silva 1 José Antônio Kroeff Schmitz 2 Resumo O presente artigo propõe alterações no atual modelo de tratamento de efluentes de uma agroindústria de arroz não parboilizado, a partir de adequação aos padrões exigidos pelo órgão fiscalizador do Estado do Rio Grande do Sul (Brasil). Para isso, foram consideradas as características dos efluentes produzidos e tecnologias que busquem a sustentabilidade no tratamento de efluentes. E mais, a estrutura física disponível para o trabalho foi adaptada, conforme a viabilidade técnica. Desse modo, o projeto demonstrou aspectos técnicos e operacionais plenamente aplicáveis, considerando-se a redução esperada dos parâmetros exigidos para o lançamento do efluente no corpo hídrico receptor. Palavras-Chave: Agroindústria. Efluente agroindustrial. Efluente doméstico. Abstract The present article proposes changes to the current model of treatment of effluents from a non-parboiled rice agribusiness, from adjustments to the standards required by the supervisory body of the State of Rio Grande do Sul (Brazil). For this, there were considered the characteristics of the produced effluents and technologies that seek for the sustainability of wastewater treatment. Moreover, the physical structure available for the work was adapted, according to the technical feasibility. Thus, the project has demonstrated technical and operational aspects fully applicable, considering the expected reduction of the parameters required to release the wastewater in the receiving water body. Keywords: Agribusiness. Agroindustrial wastewater. Domestic wastewater. 1 Introdução O arroz (Oryza sativa) é considerado um alimento básico e essencial no prato do consumidor brasileiro por isso é, sem dúvida, o principal grão consumido diariamente pela população. O crescimento de sua produtividade, a partir de 2004, possibilitou ao Brasil tornar-se autossuficiente na produção do arroz, não necessitando, via de regra, de importações. Com isso, observa-se a importância da produção e do beneficiamento desses grãos para a economia e a qualidade de vida da população brasileira (MIRANDA et al., 2007). 1 Mestre em Ciência e Tecnologia dos Materiais pelo programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais - UFRGS, Porto Alegre, RS, Brasil. 2 Doutor em Ciência do Solo pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Professor Adjunto da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (UERGS), Santa Cruz do Sul, RS, Brasil. Artigo recebido em 17/01/2011 e aceito em 19/04/2011.

2 SILVA, R. S., SCHMITZ, J. A. K. Apesar dos benefícios descritos, a produção e a industrialização do arroz podem provocar passivos ambientais difíceis de serem mitigados, como o caso dos processos de póscolheita agrícola, realizados por atividades que proporcionam a geração, tanto de resíduos sólidos, quanto resíduos líquidos, os quais podem promover prejuízos ao meio ambiente, devido a sua carga poluente. As agroindústrias do ramo de beneficiamento de arroz estão entre as que mais geram resíduos em seus processos, principalmente sólidos (PELZER; PELIZER; MORAIS, 2007). Durante o processo de industrialização, os resíduos sólidos produzidos são originados principalmente dos processos de recebimento, pré-limpeza/limpeza, secagem e descascamento de grãos. Esses processos ocasionam a produção de resíduos sólidos agroindustriais específicos de cada processo, como (PUZZI, 2000): - Poeira, advinda do recebimento e pré-limpeza/ limpeza; - Casca de arroz (CA), originada do processo de descascamento de grãos e, em certos casos, da limpeza da massa de grãos; - Cinza de casca de arroz (CCA), oriunda da queima da casca de arroz (CA) no processo secagem. Os resíduos sólidos, gerados nos processos de beneficiamento de arroz, apresentam, em sua grande maioria, baixa granulometria, o que implica incidência de poeira, CA e CCA em diversos locais da indústria. A agroindústria, devido à necessidade de higienização e assepsia desses locais, para que não ocorram alterações nas atividades e no produto final, realiza o processo de lavagem desses, ocorrendo assim a lixiviação de poeira, CA e CCA, até a estação de tratamento dos resíduos, para o posterior lançamento do efluente a um corpo d água receptor ou sua disposição no solo (PELZER; PELIZER; MORAIS, 2007). Segundo Matos (2005), os efluentes de resíduos agroindustriais são basicamente compostos constituídos de material orgânico oxidável no corpo hídrico. As bactérias aeróbias, que são responsáveis por estabilizar esse tipo de material, passam a ser forçadas a utilizar o oxigênio disponível no meio aquático, proporcionando o declínio da concentração desse elemento e, consequentemente, podendo com isso, provocar a morte de peixes e de outros animais aquáticos aeróbios, por asfixia. Em caso de despejos de grandes cargas orgânicas, além de proporcionar a morte de animais, pode ocorrer a exalação de odores fétidos, de gases agressivos e causar a eutrofização de rios e lagos, além de dificultar o tratamento de água para o abastecimento público. Além da geração de efluentes agroindustriais, o efluente doméstico, gerado na agroindústria, deve receber atenção especial, quanto aos seus tratamentos e padrões de emissão. Esse tipo de efluente é responsável por significativas depleções do oxigênio nos corpos d água, proporcionado pela contribuição de sólidos, organismos coliformes, patogênicos e nutrientes (JORDÃO; PESSÔA, 2005). O presente trabalho irá propor a reestruturação física e a introdução de novos métodos para o tratamento de efluentes realizado na Estação de Tratamento de Efluentes (ETE) de uma agroindústria de beneficiamento de arroz não parboilizado, localizada no município de Cachoeira do Sul/RS. A atual ETE apresenta limitações nos processos empregados de tratamento de efluentes, conforme os parâmetros exigidos pela Fundação Estadual de Proteção Ambiental do Rio Grande do Sul (FEPAM). Além disso, ETE apresenta dificuldades em reduzir vazão máxima de despejo de efluente no corpo d água receptor que é de 35 m 3 /dia. 2 Metodologia Para elaboração de um novo modelo de tratamento de efluentes para a ETE, considerouse uma prévia análise histórico-estrutural e as dificuldades atuais no tratamento de efluentes da ETE. Os cálculos necessários para o seu redimensionamento foram baseados no número de contribuintes para o despejo de efluentes doméstico, que é de 180 pessoas (número máximo de funcionários em épocas de safras) e na exigência da FEPAM de que sejam emitidos para o corpo receptor, no máximo 35 m³/dia de efluente tratado na ETE. As propostas de alteração estão divididas de acordo com a fundamentação teórica das características do efluente (doméstico e agroindustrial) e o dimensionamento dos tanques de decantação da atual ETE. As propostas de tratamento e redimensionamento dos tanques da atual ETE, incluídas neste projeto, serão formuladas em duplicata (em paralelo) em série. Isso se deve à necessidade, em períodos esporádicos de limpeza de tanque, manutenção de equipamentos e excesso de vazão devido às precipitações pluviométricas, para que o tratamento do efluente permaneça contínuo e sem prejuízo. 68

3 Reestruturação da estação de tratamento de efluentes Efluente agroindustrial Os efluentes líquidos agroindustriais, gerados da industrialização do arroz, são originários de processos de lavagem de pisos, contendo poeira e CA, além da lavagem de fornalhas, contendo CCA. Esses compostos são basicamente constituídos de (DELLA et al., 2006; ELIAS, 2007): - Poeira: 65% de hidratos de carbono; - CA: 50% de celulose, 30% de lignina e 20% de sílica; - CCA: 70% de sílica. Esses resíduos sólidos são advindos dos processos de recebimento, pré-limpeza/limpeza, secagem e descascamento de grãos processados na agroindústria. No decorrer da lavagem de pisos, ocorre a diluição da poeira e da CA, esses materiais, agregados aos grãos de arroz, apresentam-se dispersos na área industrial da empresa. E, em fornalhas, a lavagem é utilizada para a limpeza e, consequente retirada da CCA presente (MATOS, 2005). de forma satisfatória pela presença de N e F no efluente doméstico, pois são nutrientes imprescindíveis para a presença e proliferação de microrganismos anaeróbios. 2.3 Estrutura atual da ETE A ETE atual da agroindústria possui dimensões de médio a pequeno porte, baseandose em operações e processos unitários físicos para o tratamento de efluentes. O processo de tratamento de efluentes transcorre em fluxo contínuo, nos tanques de decantação primária e secundária, visualizados na figura Efluente doméstico De acordo com Metcalf e Eddy (2003) e Jordão e Pessôa (2005), a composição e concentração de esgotos domésticos dependem de vários fatores como, a quantidade de água consumida por habitante diariamente e dos hábitos alimentares e domésticos da população. O esgoto apresenta em sua composição uma elevada percentagem de água em torno de 99,9%, mas a pequena percentagem restante contém impurezas que conferem características indesejáveis ao recurso hídrico. A utilização de fossas sépticas é o método mais utilizado para o tratamento de efluente doméstico nos dias atuais, pois possibilita uma sensível diminuição da carga poluidora desse resíduo líquido. Apesar disso, o efluente resultante apresenta relevantes e significativas concentrações de compostos poluentes (N, F, C, coliformes e outros) que podem causar alterações nos corpos d água receptores, sendo principalmente um dos principais tipos efluentes causadores do efeito de eutrofização (METCALF; EDDY, 2003). Com isso, é possível a utilização dos tratamentos biológicos complementares para despoluição de efluentes vindos de fossa séptica. A utilização de filtros anaeróbios e de processos de polimento biológico podem ser implementados Figura 1 - Fotos dos Decantadores: (a) Decantadores primários; (b) Decantadores secundários Fonte: Autores, (2010). A ETE não possui medições de seus afluentes, apresenta a vazão média de 187,76 m³/d de efluente tratado, despejado no corpo hídrico receptor (um afluente do Rio Jacuí, próximo ao município de Cachoeira do Sul/RS). Segundo o ponto de vista da última licença de operação (LO) emitida pela FEPAM, essa vazão apresenta-se excessiva para as necessidades da indústria. Com 69

4 SILVA, R. S., SCHMITZ, J. A. K. isso, o órgão fiscalizador exige lançamento máximo 35 m 3 /dia ao corpo hídrico receptor. A ETE apresenta dois tanques de decantação primária em paralelo e, dois tanques de decantação secundária também em paralelo, sendo que os dois sistemas estão em série. A capacidade volumétrica de cada tanque de decantação primária está em torno de 57,5 m³. Ou seja, o sistema primário de decantação apresenta uma capacidade volumétrica em torno de 115 m³ de efluente. O sistema de decantação secundária possui uma capacidade volumétrica para cada tanque de 7,67 m³, o que equivale à capacidade volumétrica total de 15,33 m³. Cada tanque, tanto primário quanto secundário, apresenta duas peneiras com alturas de 0,65 m. Além disso, cada tanque possui três saídas para o caso de sobrecarga do processo ou limpezas da ETE. O efluente de origem industrial é coletado, através de canaletas, e despejado na ETE através de tubulações à montante dos processos de tratamento. Já o efluente de origem doméstica (fossa séptica) chega à ETE por uma tubulação ligando-a à parte lateral da ETE, conforme a figura 2. O efluente doméstico e agroindustrial, após coletados, é tratado de forma conjunta na ETE, onde recebem os processos de decantação física e peneiração (primária e secundária). O lodo (basicamente de CA e CCA), retido nos decantadores, é disposto próximo às áreas da ETE de forma não uniforme no solo. inorgânicos que podem alterar a qualidade do corpo d água receptor. A calha Parshall é utilizada como medidor de vazão, para quantificar a vazão de efluente tratado pela ETE e despejado no corpo hídrico receptor. A calha Parshall existente na ETE é apresentada na figura 3, em períodos de baixa e alta vazão de efluente domésticos e agroindustriais. Figura 3 - Fotos da calha Parshall: (a) em períodos de baixa vazão; (b) saturada de CCA Fonte: Autores, (2010). 2.4 Novos processos para tratamento de efluentes Figura 2 - Foto da tubulação lateral que liga a fossa séptica à ETE Fonte: Autores, (2010). Esses processos, atualmente, apresentamse ineficazes, pois as saídas de sobrecarga ou limpeza dos tanques encontram-se rotineiramente abertas, impossibilitando assim a decantação e posterior remoção de compostos orgânicos e Os efluentes líquidos industriais tratados deverão atender, conforme a tabela 1, aos parâmetros de emissão, normatizada de acordo com a Licença de Operação (LO) expedida pela FEPAM na data de 09/02/2007, para o lançamento no corpo hídrico receptor. Ao analisar as limitações e deficiência dos processos realizados na atual ETE da agroindústria, com a identificação de limitações na atual ETE, propõem-se soluções de tratamentos viáveis tecnicamente, a partir de normas usualmente aplicadas que se enquadrem aos parâmetros de emissão. 70

5 Reestruturação da estação de tratamento de efluentes... Parâmetros Temperatura Sólidos sedimentáveis Padrão de emissão a ser atendido Inferior a 40 C, sendo a variação de temperatura do corpo inferior a 3 C na zona de mistura. Até 1,0 ml/l, em Cone Imhoff, 1 hora. ph Entre 6,0 e 9,0. Cor DQO (Demanda Química de Oxigênio) Sólidos em suspensão Não deve conferir mudança de coloração (cor verdadeira) ao corpo hídrico receptor. Até 360 mg/l. Até 155 mg/l. Tabela 1 - Parâmetros e padrões de emissão para o despejo em corpos hídricos Fonte: Resolução do CONSEMA nº 128 (2006) Calhas Parshall Foram introduzidas e dimensionadas duas calhas Parshall à montante da ETE com o intuito de quantificar a vazão de efluente da agroindústria e doméstico. A partir disso, pode-se qualificar o tipo ou técnica de tratamento para determinado efluente Peneira estática Foi proposta e, consequentemente dimensionada, uma peneira estática para o tratamento de efluente agroindustrial, advindo da medição por uma calha Parshall. O objetivo principal da utilização desse equipamento é a retenção da CA que apresenta grandes dificuldades de ser depurada em corpos hídricos e, pode ser reutilizada, após desidratação, pela agroindústria, como combustível para secadoras, devido ao seu valor calórico, além de ser um dos constituintes do substrato que será cultivado o capim arroz, nos SCWs (ELIAS, 2007) Redimensionamento dos atuais decantadores Foi realizado para o tratamento de efluentes agroindústrias e domésticos a adequação e o redimensionamento dos tanques primários e secundários de decantação. Os decantadores primários, segundo a proposta, passam a ter dimensões menores aos anteriores, sendo de uso exclusivo para o tratamento de efluente agroindustrial, oriundo da peneira estática. Esse processo tem como objetivo principal a decantação da CCA, devido a sua dificuldade de degradar-se em meios aquáticos e, ocasionando assim, alteração na qualidade da água, além da possível reutilização desse resíduo, após sua desidratação, com a formação de substratos para os sistemas de polimento biológicos que serão propostos e controle de pragas (ELIAS, 2007). As áreas restantes dos antigos decantadores primários, não ocupada pelos novos decantadores, passam a abrigar dois Filtros Anaeróbios de Fluxo Ascendente (FAFAs) dimensionados para o tratamento de efluentes doméstico e agroindustrial, oriundos de fossa séptica e de decantadores primários, respectivamente. A introdução de FAFAs para o tratamento de efluentes domésticos e industriais visa aumentar e aperfeiçoar a eficiência na remoção de carga orgânica existente nesses efluentes, bem como na remoção de sólidos suspensos e sedimentáveis. Com isso, são dimensionados dois filtros biológicos anaeróbicos retangulares de fluxo ascendente, adaptados a partir da segmentação dos decantadores primários (JORDÃO; PESSÔA, 2005). Os decantadores secundários são adaptações a Sistemas Constructed Wetlands (SCWs) ou Leitos Cultivados, com fluxo subsuperficial, na estrutura atual da ETE, com a utilização de capim arroz, como planta aquática que ajudará no polimento final do efluente tratado e despejado no corpo d água receptor. Esse processo será utilizado sazonalmente (em torno de 6 meses) no período de safra de maior processamento de grãos pela agroindústria e, também, no período de desenvolvimento dessa planta. O sistema de Leito Cultivado (SCW) de fluxo subsuperficial é um pós-tratamento empregado para o polimento dos efluentes agroindustriais e domésticos. É aplicado como um processo auxiliar aos FAFAs para a remoção e retenção de altos índices de compostos orgânicos e tóxicos. As terras úmidas de fluxo subsuperficial servem como canais de vazão que facilitam o escoamento do efluentes, sendo os substratos utilizados para a remoção do fósforo. O solo superficial, ao ser usado como substrato, serve como fonte de microrganismos, dando a esses e às plantas aquáticas, os nutrientes necessários ao crescimento inicial (CAMPOS, 1999). 71

6 SILVA, R. S., SCHMITZ, J. A. K. Neste projeto, o uso do sistema de Leito Cultivado (SCW) será implementado nos atuais tanques secundários, à jusante dos FAFAs. O SCW será utilizado em período (6 meses) de desenvolvimento da espécie aquática empregada. Com isso, o projeto viabilizará o dimensionamento de dois tanques de SCW de fluxo subsuperficial com escoamento vertical. De acordo com Matos (2005), determinados tipos de plantas favorecem o desenvolvimento de filmes biologicamente ativos que propiciam a degradação dos compostos orgânicos, promovendo uma maior eficiência na depuração de águas residuárias. As espécies aquáticas empregadas em sistemas de tratamento SCW são plantas helófitas, cujas folhas localizamse acima da superfície da água, proporcionando também a evapotranspiração por parte do vegetal. O capim arroz (Echinochloa crusgalli var. cruspavonis) é planta aquática que pode ser utilizada como alternativa na depuração natural da carga poluente existente nos efluentes domésticos e agroindustriais. Esse vegetal é considerado uma erva daninha para a cultura do arroz. Vale dizer que, o capim arroz apresentase como um concorrente por nutrientes nas lavouras de arroz e sua presença nos processos produtivos da agroindústria encontra-se em torno de 8% no volume de arroz processado. Com isso, devido à alta disponibilidade de sementes desta planta aquática nos processo de industrialização do arroz, pretende-se utilizála no sistema de Construted Wetlands para absorção, evapotranspiração e bioacumulação de agentes poluentes contidos em efluentes à jusante de FAFA. Além de servir como meio de suporte para a proliferação de microrganismo, presentes na rizosfera, que ajudam na retenção de cargas poluentes. 3 Resultados Os resultados foram divididos a partir da identificação das deficiências do atual modelo de tratamento de efluentes da ETE da agroindústria. E, a partir disto, propor alterações que resolvam ou minimizem os impactos ambientais que o atual modelo de tratamento possa causar. 3.1 Medidores de vazão propostos (calhas Parshall) As calhas Parshall propostas para ETE localizaram-se à montante dos processos de tratamento realizados na estação. O medidor de vazão incumbido de quantificar a vazão de efluente líquido doméstico, oriundo de fossa séptica, considerará para fins de seu dimensionamento o seguinte cálculo: VD = N de pessoas x CF Onde: VD: vazão máxima de efluente doméstico (m³/d); CF: contribuição diária de esgoto em uma fábrica em geral (L/dia) (ABNT - NBR 7229, 1993). De acordo com a equação 1: VD =180 funcionários x 70 L/d = L/d =12,6m³/d N de pessoas = 180 funcionários CF = 70 L/d Com isso, a capacidade de medição da calha Parshall, a ser introduzida no sistema de medição de efluente do doméstico, deverá enquadrar-se a vazões próximas a 12,6 m³/d. Já a calha Parshall, introduzida para identificar a vazão do efluente agroindustrial, considerará para fins de seu dimensionamento os seguintes cálculos: VF VD VP = VA (2) Onde: VF: vazão máxima de despejo total de efluente no corpo d água receptor, exigido pela FEPAM; VD: vazão máxima de efluente doméstico (m³/d); VP: vazão da média de precipitações pluviométricas incidentes na região é de 1500 mm/ ano (segundo NBR 13969, acrescido 20% como margem de erro) na área útil da ETE; VA: vazão máxima de efluente agroindustrial. Conforme a equação 2: VA = 35 m³/d - 12,6 m³/d - 0,8 m³/d = 21,6 m³/d VF = 35 m³/d VD = 12,6 m³/d VP = 0,005 m/d x 18,6 m x 8,6 m = 0,8 m³/d (1) Portanto, as dimensões da calha Parshall, a ser implementada no sistema de medição de efluente agroindustrial, deverão enquadrar-se às vazões próximas a 21,6 m³/d. O dimensionamento das duas calhas Parshall foram realizados 72

7 Reestruturação da estação de tratamento de efluentes... utilizando-se de tabelas de valores de vazões mínimas e máximas padronizadas, conforme a tabela 2 (NETTO et al., 1998). W (mm) Vazões (L/s) Mínima Máxima 76 0,85 53,80 Tabela 2 - Vazões mínimas e máximas de efluentes para cada calha Parshall Fonte: Adaptado de Netto et al., (1998). As duas calhas Parshall dimensionadas para quantificar o efluente doméstico e agroindustrial, que entra na ETE, apresentam vazões que se enquadram a dimensões padronizadas, segundo a região de estrangulamento W, verificadas na tabela 2. Então, as dimensões das duas calhas propostas neste projeto são apresentadas na figura 4. Figura 4 - Dimensionamento das calhas Parshall propostas Fonte: Adaptado de Netto et al., (1998). 3.2 Peneira estática A introdução de uma peneira estática tem por objetivo cumprir as exigências da FEPAM e da NBR que normatizam sua colocação anteriormente (ou à montante) aos decantadores primários. Além disso, visa à retenção da CA, contida no efluente agroindustrial. Esse, por ser um elemento basicamente composto de substâncias lignocelulósicas, apresenta difícil degradação por parte de microrganismos anaeróbios contidos nos tratamentos biológicos propostos. O dimensionamento da peneira estática apresenta-se de forma variada, seguindo parâmetros utilizados pelos fabricantes. Neste projeto, serão seguidos como base, os cálculos recomendados por Nunes (2004), que foram utilizados pela fábrica ETA - Engenharia de Tratamento de Águas Ltda. No dimensionamento da área de peneiramento, serão consideradas as normas da tabela 3. Abertura (A) (mm) Taxa de aplicação (I) (m³/m².h) Estática ou hidrodinâmica 0, , , , ,50 35 Tabela 3 - Abertura e taxa de aplicação de efluente em uma peneira estática Fonte: Adaptado de Nunes, (2004). A vazão máxima (Q máx ) de efluente agroindustrial que passará pela peneira, já calculada de 21,6 m³/dia e a necessidade granulométrica de retenção da CA, nesse equipamento, deverá ser menor do que 0,3 mm, pois a CA tem uma variação granulométrica entre 0,355 mm e 0,840 mm (PUZZI, 2000). A área da tela de peneiramento (A) segue a equação 3: Q máx (m 3 /h) A = (3) l (m 3 /m 2.h) Então, é aplicada para o dimensionamento da área (A) da tela, uma abertura de 0,25 mm na tela e uma taxa de aplicação de efluente de 15 m³/m².h, conforme a tabela 3. Onde: A = 1,44 m² O comprimento da peneira padrão utilizados é de L = 2,0 m. Com isso, a largura (B), conforme a equação 4, é: A (m 2 ) B = (4) L (m) Onde: A = B = 21,6 m 3 /h 15 m 3 /m 2.h 1,44 m 2 2,0 m B = 0,72 m A tela empregada neste projeto deverá ter uma área de 1,44 m² (0,72 m 2,00 m), 73

8 SILVA, R. S., SCHMITZ, J. A. K. sendo constituída de aço inoxidável. A figura 5 apresenta as configurações da peneira estática projetada para ETE da agroindústria. volumétrica útil do decantador (altura mínima de água de 1 m 30 cm) é de 19,83 m³, conforme será mostrado na figura 6, e a vazão do efluente agroindustrial gerado é de 21,75 m³/d, incluída a vazão média de precipitações pluviométricas incidentes sobre a área de um decantador primário (3 m 65 cm de largura x 8 m 20 cm de comprimento), é de 0,15 m³/dia, o tempo mínimo de detenção (Td) de um decantador proposto será de (NBR 12209): Td(d) = Cap. do decantador (m 3 ) Vazão (m 3 /d) (5) Figura 5 - Representação da peneira estática dimensionada para 21,6 m³/dia de efluente agroindustrial gerado na agroindústria Fonte: Adaptado de Nunes, (2004). 3.3 Decantadores primários Os decantadores primários retangulares, já existentes na ETE, apresentam-se superdimensionados para as exigências da FEPAM (neste projeto, a vazão exigida é de 35 m³/dia). Com isso, propõe-se o redimensionamento dos tanques de decantação primários atuais para seu melhor aproveitamento. Esses serão divididos em decantadores primários com menor capacidade de volume em relação aos atuais decantadores e em FAFAs. Os tanques serão utilizados para o processo de decantação do efluente agroindustrial, principalmente para o processo de sedimentação da CCA. Para o tratamento de efluente doméstico, oriundo de fossa séptica, os decantadores serão empregados apenas durante o período de entressafra da agroindústria, pois os SCWs se apresentaram ineficazes nesses períodos, devido à dificuldade de desenvolvimento da espécie vegetal (capim arroz) aplicada no polimento final desse efluente. Com isso, os decantadores atuaram na decantação de sólidos sedimentáveis presente o efluente doméstico Dimensionamento em períodos de safra O efluente agroindustrial, devido a sua heterogeneidade, é o principal resíduo a ser tratado nos decantadores primários em períodos de safra. A vazão desses, unida às precipitações pluviométricas incidentes na área dos decantadores, servirá como parâmetro para o dimensionamento desses dispositivos. Sabendo-se que a capacidade Td (d) = 19,83 m 3 = 0,91 dias (ou 21 h 53 min) 21,75 m 3 /d Com isso, o tempo necessário para obterse a decantação será de 21 horas e 53 minutos para o tratamento de efluente agroindustrial, o que proporcionará o uso, em caso de emergência (limpeza e excesso de vazão), de apenas um tanque sem que ocorra prejuízo no sistema. No caso do uso dos dois decantadores para o tratamento de efluente agroindustrial, isso ocasionará o tempo de detenção de 43 horas e 40 minutos para esse efluente. Após, o efluente será encaminhado despejado aos FAFAs Dimensionamento em períodos de entressafra Durante os períodos de entressafra, o efluente doméstico será lançado nos decantadores primários juntamente com o efluente agroindustrial, devido à ineficiência dos SCWs nesse período. A mistura dos efluentes proporcionará o processo de decantação, que removerá o excesso de sólidos sedimentáveis e sólidos em suspensão, principalmente a CCA, devido à massa específica consistir de 2160 kg/m 3 (AKASAKI et al., 2005). Com isso, a utilização de um decantador com capacidade útil volumétrica de 19,83 m³, em períodos de entressafra, para uma vazão de 34,35 m³/d (soma da produção de efluentes gerados, de 34,2 m³/d, incluindo a vazão média de precipitações pluviométricas incidentes na área de uma decantador que é de 0,15 m³/d), propiciará o seguinte tempo mínimo de detenção de hidráulica (segundo a equação 5) no sistema será de: Tempo de detenção (d) = 19,83 m 3 34,35 m 3 /d 74

9 Reestruturação da estação de tratamento de efluentes... Tempo de detenção = 0,58 dias (ou 13h 55min) O tempo de detenção do efluente, em um decantador primário, em períodos de entressafra, será de 13 horas e 55 minutos para a decantação da mistura de efluente líquido. Esse planejamento visa evitar prejuízos no processo de decantação em períodos de limpeza ou manutenção do sistema. No uso dos dois tanques de decantação, o tempo de detenção hidráulica passará para 27 horas e 50 minutos. A figura 6 apresenta o dimensionamento dos dois tanques primários. recomendações e normatizações que influenciam essa atividade foram baseadas na norma NBR e NBR que têm como ênfase a padronização do dimensionamento de unidades de tratamento complementar de efluentes domésticos, neste caso, os FAFAs. O volume útil do leito filtrante (V u ) de um FAFA é dado pela expressão: V u = 1,60 x N x C x T (6) Onde: V u : volume útil do leito filtrante, em litros; N: número de contribuintes (pessoas); C: contribuição de despejos em litros x pessoa / dia; T: tempo de detenção, em dias. Figura 6 Proposta de decantadores primários: (a) Corte AA ; (b) Corte BB Fonte: Autores, (2010). Conforme as exigências de dimensionamento para decantadores primários retangulares, presentes na NBR 12209, o decantador primário deve apresentar a relação comprimento: altura mínima de água de 5,9:1, a relação largura : altura mínima de água de 2,8:1 e a relação comprimento : largura de 2,1:1. Essas relações apresentam-se plenamente cumpridas no dimensionamento propostos. 3.4 Filtros anaeróbios de leito fixo com fluxo ascendente (FAFAs) No caso específico da ETE, sabe-se que a exigência da FEPAM, quanto ao lançamento de efluente tratado em corpo d água receptor, deverá apresentar uma vazão máxima 35 m³/dia. Com isso, as variáveis N e C serão substituídas pela variável VF que representa a vazão de despejo total de efluente no corpo d água receptor, conforme exigido pela FEPAM. Então, de acordo com a equação 6, o volume útil total, somando-se os dois filtros propostos, será de: V u = 1,60 x L/dia x 1d Volume útil (V u ) = L = 56 m 3 Pode se observar, na fórmula acima, que o V u apresenta-se superdimensionado, pois o tempo de detenção, conforme a NBR (1997), para vazão de 35 m³/d seria de 0,5 dias. Na presente pesquisa, foi utilizado o tempo de detenção de 1 (um) dia, devido à grande área disponível nos tanques primários atuais e a variedade de material carbonado advindo do efluente agroindustrial. Com isso, pode-se trabalhar com um FAFA sem que ocorra alteração ou prejuízo ao modelo de tratamento de efluentes. Para a implantação de um FAFA, a NBR exige que o volume útil mínimo do leito filtrante seja de 1 m 3. O dimensionamento, aqui proposto, não sofre essa restrição, pois, para o dimensionamento de cada um dos FAFAs, o volume útil do leito filtrante será 28 m³. Para identificar a seção horizontal de cada um dos filtros, pode-se calculá-la a partir da seguinte expressão (CHERNICHARO, 2001): Os cálculos, utilizados para o dimensionamento dos filtros anaeróbios e todas as S = Vu / H (7) 75

10 SILVA, R. S., SCHMITZ, J. A. K. Onde: S: seção horizontal do FAFA; V u : volume útil do leito filtrante; H: profundidade útil do filtro = altura do fundo falso (incluindo a espessura da laje) + altura do leito filtrante + altura sobressalente (incluindo altura das calhas coletoras). Sabendo-se que a altura máxima dos tanques primários é de 1m 40 cm. S = 28 / (0,2 + 0,8 + 0,2) = 23,33 m 2 Deste modo, cada filtro retangular deverá possuir uma largura (B) de 3 m 65 cm. A partir da equação 8, o comprimento (L) de cada FAFA é de: S = B x L 23,33 m² = 3,65 m x L (8) Onde, L = 6,40 m (6 m 40 cm) As recomendações da NBR indicam que a altura do leito filtrante, incluindo o fundo falso, seja limitada a 1m 20 cm, e o fundo falso seja de, no máximo 0,6 m. Conforme a norma, a perda de carga hidráulica a ser prevista entre o nível mínimo no tanque séptico e o nível máximo no filtro anaeróbio é de 0,1 m (1 kpa). Com isso, no presente projeto, tendo em vista a limitação de altura dos tanques primários atuais, que irão alojar os FAFAs, a altura do leito filtrante será de 1 m, incluindo um fundo falso de 0,2 m. A altura sobressalente (incluindo altura das calhas coletoras) deverá ser de 0,2 m acima do leito filtrante, proporcionando a retirada do efluente tratado. E o nível de saída do efluente do filtro estará a 0,1 m abaixo do nível do tanque séptico ou tanque primário. O redimensionamento do tanque primário para implantação de um FAFA pode ser visualizado na figura 7. Figura 7 - Proposta de FAFA para ETE: (a) Corte AA ; (b) Corte BB Fonte: Autores, (2010) 3.5 Sistemas Constructed Wetlands (SCWs) de fluxo subsuperficial Para o dimensionamento e os cálculos de implementação do SCW, serão considerados todas as recomendações e normatizações que influenciam a introdução do SCW, as quais seguirão as normas NBR e a NBR O tempo de detenção ou de resistência hidráulica considerará no dimensionamento a VF, de 35 m³/d, apenas para um SCW, pois assim, em períodos esporádicos (limpeza, excesso de vazão e etc.), será possível utilizar apenas um sistema SCW, sem que ocorram prejuízos no tratamento. Os dois leitos cultivados que substituirão os atuais tanques secundários (a capacidade volumétrica de cada tanque é de 7,67 m³), serão dimensionados a partir da capacidade volumétrica do sistema em torno de 70% (5,37 m³), devido à porosidade dos materiais utilizados para formulação do substrato. Com isso, o tempo de resistência hidráulica para um SCW será calculado, conforme a equação 9: Tempo de resistência (d) = Capacidade do SCW (m 3 ) Vazão (m 3 /d) (9) Tempo de resistência (d) = 5,37 m 3 = 0,153 d 24 h =3,68 h (3 h 40 min) 35 m 3 /d Portanto, o tempo de resistência hidráulica para passagem do efluente em um SCW será 76

11 Reestruturação da estação de tratamento de efluentes... de 3 horas e 40 minutos, com o emprego dos dois sistemas, o tempo de resistência sobe para 7 horas e 22 minutos. As dimensões dos tanques de decantação secundários atuais (2,00 m de comprimento 1 m 5 cm de altura 3 m 65 cm de largura) apresentam-se adequadas para a substituição, conforme as necessidades do projeto, pois a razão comprimento x largura do leito é de 0,55:1. Segundo Guimarães; Leopoldo e Breda (1999) e Leopoldo; Guimarães e Breda (1999), o substrato, onde será cultivado o capim-arroz, é composto por uma camada de brita n 1 de 0,2 m, sendo sobreposta por uma camada de solo, misturada com casca de arroz, de 0,25 m e, posteriormente, uma camada de casca de arroz de 0,1 m. Observa-se, ainda, os tanques de decantação secundária, reutilizados nos sistemas de leitos cultivados, apresentam uma inclinação de 1% em sua base, possibilitando a passagem de efluente para a saída do sistema, conforme pode ser verificado na figura 8. Figura 8 - Proposta de SCW para ETE: (a) Corte AA ; (b) Corte BB Fonte Autores, (2010). 4 Discussões As calhas Parshall introduzidas neste trabalho poderão proporcionar medição das vazões máximas de efluente doméstico e efluente agroindustrial que são 12,6 m³/d e 21,6 m³/d, respectivamente. Essas vazões, incluindo ainda 0,8 m³/d de precipitações pluviométricas, representam a vazão total de 35 m³/d (VF) de emissão de efluentes ao corpo d água receptor, de acordo com os níveis permitidos pela FEPAM na última LO emitida à agroindústria. A implantação desses equipamentos pode ocasionar um maior controle na geração de efluentes oriundos das atividades humanas ou agroindustriais. A inclusão de uma peneira estática visa, principalmente, à retenção da CA contida no efluente agroindustrial. Sabe-se que esses materiais possuem uma granulometria condizente com a capacidade de retenção da peneira estática que é de 0,25 mm em uma vazão de 21,6 m³/d. A peneira promoverá retenção de sólidos orgânicos grosseiros em suspensão, presentes em grandes concentrações no efluente. Com isso, espera-se remover em torno de 15 a 25% de DQO contida no efluente agroindustrial (NUNES, 2004). Conforme Matos (2005), o uso de decantadores primários para o tratamento de efluente agroindustrial pode representar a redução de até 80% de sólidos sedimentáveis, 60% de sólidos em suspensão e 40% de DQO. Esses são parâmetros de interesse neste projeto, pois são fiscalizados pela FEPAM e normatizados na última LO. Jordão e Pessôa (2005) relatam que os decantadores primários podem proporcionar ao efluente doméstico uma redução de 70 a 80% de sólidos sedimentáveis, 40 a 60% de sólidos em suspensão e DQO entre 25 a 35%. Parâmetros esses normalizados pela FEPAM. De acordo com Takamatsu (1995), o lodo biológico de estações 77

12 SILVA, R. S., SCHMITZ, J. A. K. de ETE, sedimentado nos decantadores primários, poderá ser utilizado, após desidratação mecânica ou exposição ao ambiente, como biofertilizante para lavouras de arroz, desde que seja realizada uma prévia análise de seus constituintes, sem a presença de efluente doméstico. Os filtros anaeróbios, propostos por este projeto, visaram à remoção de parte significativa do material orgânico em suspensão fino de Demanda Bioquímica de Oxigênio (DBO) em suspensão, não removido nos tratamentos à montante. E parte do material orgânico na forma de sólidos dissolvidos (DBO solúvel). Esses sólidos são originados da mistura de efluente doméstico e agroindustrial (MATOS, 2005). De acordo com NBR 13969, com o tratamento proporcionado pelos FAFAs, espera-se reduzir de 40 a 70% de DQO, 60 a 90% de sólidos não filtráveis, 70% de sólidos sedimentáveis e 20 a 50% de fosfatos. A produção de lodo biológico em sistemas anaeróbios projetados apresentara-se baixa em relação a outros processos de tratamento biológico. A implantação dos SCWs resultará em reduções nos parâmetros fiscalizados e permitidos pela FEPAM. Além disto, a DQO poderá ser reduzida em 48%, os sólidos em suspensão em 57%, a turbidez em 60%, o fósforo 57% e o nitrogênio 75%. Caso tais providências sejam adotadas, o efluente produzido pelos SCWs, contidos na ETE da agroindústria, em períodos de maior produção de carga poluente, poderá ser emitido ao corpo d água receptor em condições que alterem minimamente a sua qualidade (LEOPOLDO; GUIMARÃES; BREDA, 1999; NAIME; GARCIA, 2005). 5 Conclusões Conforme os objetivos propostos neste trabalho, a atual ETE da agroindústria foi redimensionada para tratar uma vazão máxima de 35 m 3 /dia de efluentes, conforme LO expedida pelo órgão fiscalizador (FEPAM). O planejamento desta reestruturação possibilita o fluxo contínuo de cada um dos processos de tratamento de efluentes propostos, incluindo os períodos de manutenção e limpeza, pois foram projetados em duplicata. Os novos processos de tratamento de efluentes apresentam-se adequadas às necessidades e às condições físicas da ETE, conforme as normas utilizadas. Com isso, este projeto buscou oferecer ao tratamento de efluentes da agroindústria pesquisada, o uso de tecnologias alternativas que, em sua essência, propiciam melhores padrões de sustentabilidade no tratamento de efluente. Além disso, caso tais iniciativas sejam implementadas pela agroindústria pesquisada, os resíduos, que se constituíam em um problema ambiental serão transformados em insumos, uma vez que os resíduos, anteriormente descartados ao longo do processo produtivo pela empresa, terão uma finalidade mais nobre como, por exemplo, a correção de solos e o uso energético. E, por fim, mas não menos importante, os efluentes lançados no corpo hídrico receptor não comprometerão a qualidade da água que é um recurso fundamental para a sobrevivência humana. Referências AKASAKI, J. L.; SILVA, E. J.; TASHIMA, M. M.; BARBOSA, M. B. Influência da adição de cinza de casca de arroz nos tempos de pega e retração por secagem. In: SIMPÓSIO IBERO-AMERICANO: O Betão nas Estruturas. 2005, Coimbra. Anais... Coimbra: IBRACON, ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS ABNT. NBR Elaboração de Projetos Hidráulicos - Sanitários de Sistemas de Tratamento de Esgotos Sanitários. Rio de Janeiro, ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS ABNT. NBR Projeto, construção e operação de sistemas de tanques sépticos. Rio de Janeiro, ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS ABNT. NBR Tanques sépticos: unidades de tratamento complementar e disposição final de efluentes líquidos projeto, construção e operação. Rio de Janeiro, CAMPOS, J. R. (coord.). Tratamento de esgotos sanitários por processos anaeróbios e disposição controlada no solo. Rio de Janeiro: ABES, CHERNICHARO, C. A. L. Pós-tratamento de efluentes de reatores anaeróbios. In: Tratamento de efluentes de reatores anaeróbios por sistemas de aplicação no solo. Belo Horizonte: SEGRAC, CONSEMA (Conselho Estadual do Meio Ambiente). Resolução n 128, de 24 de novembro de Dispõe sobre a fixação de 78

13 Reestruturação da estação de tratamento de efluentes... padrões de emissão de efluentes líquidos para fontes de emissão que lancem seus efluentes em águas superficiais no Estado do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, RS, DELLA, V. P.; KÜHN, I.; HOTZA, D.; JUNKES, J. A.; OLIVEIRA, A. P. N. Estudo comparativo entre sílica obtida por lixívia ácida da casca de arroz e sílica obtida por tratamento térmico da cinza de casca de arroz. Revista Química Nova. São Paulo, v. 29, n. 6, p , jul./ago ELIAS, M. C. Pós-colheita de arroz: secagem, armazenamento, qualidade. Pelotas: Editora UFPEL, GUIMARÃES, A. B.; LEOPOLDO, P. R.; BREDA, C. C. Extração de nutrientes através de plantas aquáticas em sistemas de wetlands. In: CONGRESSO INTERAMERICANO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL, 27., Santiago. Disponível em: <http://www.cepis.org.pe/bvsaidis/aresidua/i-046. pdf>. Acesso em: 22 nov JORDÃO, E. P.; PESSÔA, C. A. Tratamento de esgotos domésticos. Rio de Janeiro: ABES, LEOPOLDO, P. R.; GUIMARÃES, A. B.; BREDA, C. C. Emprego de plantas aquáticas em sistema integrado de tratamento de esgoto de pequena comunidade rural. In: CONGRESSO INTERA- MERICANO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL, 27, Santiago. Disponível em: pdf> Acesso em: 22 nov MATOS, A. T. Tratamento de resíduos agroindustriais. Curso sobre tratamento de resíduos agroindustriais. Viçosa: Fundação Estadual do Meio Ambiente, METCALF, L; EDDY, H. P. Wastewater engineering: treatment and reuse. New York: McGraw Hill, MIRANDA, S. H. G.; SILVA, G. S.; MOTTA, M. A. S. B.; ESPOSITO, H. Sistema Agroindustrial do Arroz no Rio Grande do Sul. In: CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA RURAL, 45, 2007, Londrina. Anais... Londrina: UEL, NAIME, R.; GARCIA, A. C. Utilização de enraizadas no tratamento de efluentes agroindustriais. Revista Estudos Tecnológicos. São Leopoldo, v. 1, n. 2. p jul/dez NETTO, J. M. de A.; FERNANDEZ, M. F.; ARAUJO, R.; ITO, A. E. Manual de hidráulica. São Paulo: Editora Edgard Blücher Ltda., NUNES, J. A. Tratamento físico-químico de águas residuárias indústrias. Aracaju: Gráfica Editora J. Andrade Ltda., PELZER, H. PELIZER; PONTIERI, M. H.; MORAES, I. O. Utilização de resíduos agro-industriais em processos biotecnológicos com perspectivas de redução do impacto ambiental. Journal of Technology Management & Innovation. Santiago. v. 2. n.1, p , mar PUZZI, D. Abastecimento e armazenamento de grãos. Campinas: Instituto Campineiro de Ensino: Agrícola, TAKAMATSU, A. A. Avaliação da biolixiviação de metais pesados por bactérias do gênero Thiobacillus em lodos biológicos para utilização agrícola com fertilizante f. Dissertação (Mestrado em Ciência do Solo) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba,

14

INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL

INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL Hugo Renan Bolzani 1, Sandro Rogério Lautenschlager

Leia mais

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias Fossas sépticas e disposição final dos efluentes Francisco Glaucio Cavalcante de Souza Doutorando em Engenharia Hidráulica e Saneamento Introdução O que fazer

Leia mais

Sumário. manua_pratic_05a_(1-8)_2014_cs4_01.indd 9 26/05/2014 15:40:32

Sumário. manua_pratic_05a_(1-8)_2014_cs4_01.indd 9 26/05/2014 15:40:32 Sumário Apresentação... 15 Capítulo 1 Qualidade da água e saneamento... 17 Referências bibliográficas...24 Capítulo 2... 25 Resumo geral da teoria... 25 2.1 Poluição e contaminação dos recursos hídricos...25

Leia mais

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA...

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA... REUSO ÁGUA: INTELIGÊNCIA... PLANEJADO DA UMA QUESTÃO DE CONSUMO DE ÁGUA doméstico Indústria Agricultura 18,60% 8,00% 22,40% 22,00% 59,00% 70,00% Brasil Mundo Consumo mundial = 3.240 km 3 / ano Consumo

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB NO TRATAMENTO DE EFLUENTES GERADOS POR HOSPITAL DA SERRA GAUCHA

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB NO TRATAMENTO DE EFLUENTES GERADOS POR HOSPITAL DA SERRA GAUCHA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB NO TRATAMENTO DE EFLUENTES GERADOS POR HOSPITAL DA SERRA GAUCHA RESUMO A atividade dos serviços de saúde gera águas residuárias que podem causar impactos sobre os

Leia mais

LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C. 3 ; FREITAS, A.C. 4 ; GONÇALVES, C.A.A. 5

LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C. 3 ; FREITAS, A.C. 4 ; GONÇALVES, C.A.A. 5 PROGRAMA DE VIABILIZAÇÃO TÉCNICA PARA SISTEMA DE TRATAMENTO INTEGRADO DOS EFLUENTES GERADOS NO COMPLEXO AGROINDUSTRIAL DA UNIDADE I DO CEFET UBERABA MG LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C.

Leia mais

SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS

SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS ETE 600L 2 Cuidando do Meio Ambiente Anderson Müller Larrymar Ruoso Memorial Descritivo, Justificativa, Memória de Cálculo e Procedimentos de Operação

Leia mais

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com

Leia mais

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. INFORMAÇÕES

Leia mais

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG ANTONELLO, P.M. 1 ; BARRETO, A.C 2 ; SOUZA, A.D. 3 ; 1 Bolsista

Leia mais

USO DE LEITOS FILTRANTES COMO PRÉ-TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS BRUTO: ESTUDO EM ESCALA REAL EM ALAGOINHAS, BRASIL

USO DE LEITOS FILTRANTES COMO PRÉ-TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS BRUTO: ESTUDO EM ESCALA REAL EM ALAGOINHAS, BRASIL USO DE LEITOS FILTRANTES COMO PRÉ-TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS BRUTO: ESTUDO EM ESCALA REAL EM ALAGOINHAS, BRASIL Maria das Graças de Castro Reis (1) Engenheira Sanitarista; Mestranda em Engenharia

Leia mais

Aula 1º P ESA A Importância do Tratamento dos Esgotos

Aula 1º P ESA A Importância do Tratamento dos Esgotos Aula 1º P ESA A Importância do Tratamento dos Esgotos 28/05/2013 Ana Silvia Pereira Santos anasilvia.santos@ufjf.edu.br Temas Poluição da Água Níveis de atendimento no Brasil em relação ao esgotamento

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA COMPOSTO POR RALF SEGUIDO POR FILTRO BIOLÓGICO TRATANDO EFLUENTES DOMÉSTICOS. Diego Filipe Belloni 1

AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA COMPOSTO POR RALF SEGUIDO POR FILTRO BIOLÓGICO TRATANDO EFLUENTES DOMÉSTICOS. Diego Filipe Belloni 1 AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA COMPOSTO POR RALF SEGUIDO POR FILTRO BIOLÓGICO TRATANDO EFLUENTES DOMÉSTICOS Diego Filipe Belloni 1 Sandro Rogério Lautenschlager 2 RESUMO Este trabalho apresenta os resultados

Leia mais

O USO DO FILTRO ANAERÓBIO PARA PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTES DE REATORES ANAERÓBIOS NO BRASIL

O USO DO FILTRO ANAERÓBIO PARA PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTES DE REATORES ANAERÓBIOS NO BRASIL ANDRADE NETO, C O de; HAANDEL, A van ; MELO, H N S. (2002). O Uso do Filtro Anaeróbio para Pós-Tratamento de Efluentes de Reatores Anaeróbios no Brasil. In: X SIMPÓSIO LUSO-BRASILEIRO DE ENGENHARIA SANITÁRIA

Leia mais

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE O funcionamento de uma Estação de Tratamento de Efluente (ETE) compreende basicamente as seguintes etapas: pré-tratamento (gradeamento e desarenação), tratamento primário

Leia mais

WETLANDS CONSTRUÍDOS PARA O TRATAMENTO DE ÁGUA CINZA

WETLANDS CONSTRUÍDOS PARA O TRATAMENTO DE ÁGUA CINZA WETLANDS CONSTRUÍDOS PARA O TRATAMENTO DE ÁGUA CINZA Danielle Martins Cassiano de Oliveira (*), Ricardo Nagamine Costanzi * Universidade Tecnológica Federal do Paraná, danielle.martins.cassiano@gmail.com

Leia mais

NORMA TÉCNICA CONTROLE DE CARGA ORGÂNICA NÃO INDUSTRIAL CPRH N 2.002

NORMA TÉCNICA CONTROLE DE CARGA ORGÂNICA NÃO INDUSTRIAL CPRH N 2.002 NORMA TÉCNICA CONTROLE DE CARGA ORGÂNICA NÃO INDUSTRIAL CPRH N 2.002 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÃO 4. ABRANGÊNCIA 5. EXIGÊNCIAS DE CONTROLE 1 1. OBJETIVO Os critérios e padrões

Leia mais

Engº. Gandhi Giordano

Engº. Gandhi Giordano Processos físico-químicos e biológicos associados para tratamento de chorume Engº. Gandhi Giordano Professor Adjunto do Departamento de Engª Sanitária e Meio Ambiente da UERJ Diretor Técnico da TECMA Tecnologia

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I Sistema de Esgotamento Sanitário

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA DIRETRIZES GERAIS: O Plano de Controle Ambiental (PCA), será apresentado pelo requerente da licença e constituir-se-á de

Leia mais

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA.

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA. INTRODUÇÃO Todo e qualquer sistema de captação e tratamento de efluente doméstico tem como destino final de descarte desse material, direta ou indiretamente, corpos d água como seus receptores. A qualidade

Leia mais

Sistemas Compactos de Tratamento de Esgotos Sanitários para Pequenos Municípios

Sistemas Compactos de Tratamento de Esgotos Sanitários para Pequenos Municípios Comitê de Gerenciamento da Bacia Hidrográfica do Alto Rio Jacuí - COAJU III Seminário Estadual sobre os Usos Múltiplos da Água Erechim, 30 de julho de 2010 Sistemas Compactos de Tratamento de Esgotos Sanitários

Leia mais

ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DE SISTEMA PRÉ-FABRICADO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO ANALYSIS OF THE EFFICIENCY A SYSTEM PREFABRICATED SEWAGE TREATMENT

ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DE SISTEMA PRÉ-FABRICADO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO ANALYSIS OF THE EFFICIENCY A SYSTEM PREFABRICATED SEWAGE TREATMENT ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DE SISTEMA PRÉ-FABRICADO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO Fernanda Liska 1 ; Simone Fiori 2 *; Vera M. Cartana Fernandes 3 ; Vinícius Scortegagna 4 Resumo Apenas parte dos domicílios

Leia mais

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa PROTEÇÃO AMBIENTAL Professor André Pereira Rosa ALTERAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS CARACTERÍSTICAS DAS IMPUREZAS 99,9 % 0,1 % Esgotos Sólidos Poluição tratamento Impurezas justificam a instalação de ETE

Leia mais

Introdução ao Tratamento de Efluentes LíquidosL. Aspectos Legais. Usos da Água e Geração de Efluentes. Abastecimento Doméstico

Introdução ao Tratamento de Efluentes LíquidosL. Aspectos Legais. Usos da Água e Geração de Efluentes. Abastecimento Doméstico Introdução ao Tratamento de Efluentes LíquidosL Noções BásicasB Aspectos Legais Tecg.º Jair Fernandes de Macedo Prolab Ambiental Ltda. Usos da Água e Geração de Efluentes Abastecimento Doméstico Água potável

Leia mais

Introdução ao Tratamento de Resíduos Industriais

Introdução ao Tratamento de Resíduos Industriais Introdução ao Tratamento de Resíduos Industriais Disciplina : Tratamento de Resíduos Professor : Jean Carlo Alanis Peneiras : Utilizadas para remoção de sólidos finos e/ou fibrosos; Possuem abertura de

Leia mais

SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO EM PLÁSTICO REFORÇADO /COMPÓSITO TUCUNARÉ 32000 TUCUNARÉ 32000

SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO EM PLÁSTICO REFORÇADO /COMPÓSITO TUCUNARÉ 32000 TUCUNARÉ 32000 SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO EM PLÁSTICO REFORÇADO /COMPÓSITO TUCUNARÉ 32000 EEA Empresa de Engenharia Ambiental Ltda. OWENS CORNING AMÉRICA LATINA RIO CLARO-SP Cuidando do Meio Ambiente

Leia mais

EFICIÊNCIA DOS FILTROS ANAERÓBIOS TIPO CYNAMON NO TRATAMENTO DE ESGOTOS - PARTE I

EFICIÊNCIA DOS FILTROS ANAERÓBIOS TIPO CYNAMON NO TRATAMENTO DE ESGOTOS - PARTE I EFICIÊNCIA DOS FILTROS ANAERÓBIOS TIPO CYNAMON NO TRATAMENTO DE ESGOTOS - PARTE I Odir Clécio da Cruz Roque (1) Engenheiro Químico, D.Sc. Professor Adjunto da FEUERJ. Pesquisador Titular da ENSP / Fiocruz.

Leia mais

PARÂMETROS QUALITATIVOS DA ÁGUA EM CORPO HÍDRICO LOCALIZADO NA ZONA URBANA DE SANTA MARIA RS 1

PARÂMETROS QUALITATIVOS DA ÁGUA EM CORPO HÍDRICO LOCALIZADO NA ZONA URBANA DE SANTA MARIA RS 1 PARÂMETROS QUALITATIVOS DA ÁGUA EM CORPO HÍDRICO LOCALIZADO NA ZONA URBANA DE SANTA MARIA RS 1 TATSCH, R. O. C 2, AQUINO, J. P. N 3 ; SWAROWSKY, A 4 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Curso de Engenharia:

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE REATOR UASB AO RECEBER LODO SÉPTICO

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE REATOR UASB AO RECEBER LODO SÉPTICO AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE REATOR UASB AO RECEBER LODO SÉPTICO Juliana Moraes SILVA julianamoraes84@yahoo.com.br Paulo Sérgio SCALIZE pscalize.ufg@gmail.com Programa de Pós Graduação Stricto sensu em Engenharia

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA Paulo Sergio Scalize (1) Biomédico formado pela Faculdade Barão de Mauá. Graduando em Engenharia Civil

Leia mais

Numa fossa séptica não ocorre a decomposição aeróbia e somente ocorre a decomposição anaeróbia devido a ausência quase total de oxigênio.

Numa fossa séptica não ocorre a decomposição aeróbia e somente ocorre a decomposição anaeróbia devido a ausência quase total de oxigênio. As fossas sépticas são unidades de tratamento primário de esgoto doméstico nas quais são feitas a separação e a transformação físico-química da matéria sólida contida no esgoto. É uma maneira simples e

Leia mais

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O.

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS São os flocos produzidos num esgoto bruto o decantado pelo crescimento de bactérias ou outros microorganismos, na presença de oxigênio dissolvido

Leia mais

Química das Águas - parte 3

Química das Águas - parte 3 QUÍMICA AMBIENTAL Química das Águas - parte 3 Aula S07 - Purificação de águas poluídas (Tratamento de esgoto) Prof. Rafael Arromba de Sousa Departamento de Química UFJF 2º período de 2013 Recapitulando...

Leia mais

TRATAMENTO DE ESGOTOS EM PEQUENAS COMUNIDADES. A EXPERIÊNCIA DA UFMG.

TRATAMENTO DE ESGOTOS EM PEQUENAS COMUNIDADES. A EXPERIÊNCIA DA UFMG. FUNASA SOLUÇÕES INOVADORAS DE TRATAMENTO E REÚSO DE ESGOTO EM COMUNIDADES ISOLADAS Campinas, 20-21 junho 2013 TRATAMENTO DE ESGOTOS EM PEQUENAS COMUNIDADES. A EXPERIÊNCIA DA UFMG. Marcos von Sperling Universidade

Leia mais

Decantação primária e precipitação

Decantação primária e precipitação Decantação primária e precipitação Prof. Dr. Peterson B. Moraes Departamento de Tecnologia em Saneamento Ambiental Centro Superior de Educação Tecnológica UNICAMP - Limeira 1 Decantadores primários (sedimentação)

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Tratamento Preliminar Gradeamento Desarenador

Leia mais

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04.

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04. Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Tecnologia - FT Curso de Especialização em Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável CET 303 Química Aplicada Relatório: Visita técnica Estação de tratamento

Leia mais

SAAE Serviço autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Esgoto

SAAE Serviço autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Esgoto SAAE Serviço autônomo de Água e Esgoto Sistemas de Tratamento de Esgoto Aracruz, junho de 2006 1 1. Tecnologias de tratamento O tratamento biológico é a forma mais eficiente de remoção da matéria orgânica

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA.

ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA. ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA. Nilton de Paula da Silva 1 Ederaldo Godoy Junior 2 José Rui

Leia mais

Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Convencionais e de Propulsão Nuclear

Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Convencionais e de Propulsão Nuclear Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Plano Básico Ambiental SEÇÃO V- PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL DA BASE NAVAL Projeto 3 Gerenciamento de Efluentes 1 Após considerações da MB 31/05/2010

Leia mais

LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO COMO ALTERNATIVA PARA TRATAMENTO DE EFLUENTES EM UM LATICÍNIO DO MUNICÍPIO DE MISSAL/PR

LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO COMO ALTERNATIVA PARA TRATAMENTO DE EFLUENTES EM UM LATICÍNIO DO MUNICÍPIO DE MISSAL/PR LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO COMO ALTERNATIVA PARA TRATAMENTO DE EFLUENTES EM UM LATICÍNIO DO MUNICÍPIO DE MISSAL/PR Kelly Mayara Poersch (IC) 1, Anelize Queiroz do Amaral (PQ) 2, Renan Pies (IC) 3, Adrieli

Leia mais

II-109 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO

II-109 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO II-19 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO Marcelo Hemkemeier (1) Químico Industrial pela Universidade

Leia mais

DELTA AMBIENTAL Grupo Delta Vinil Estações Compactas de Tratamento de Esgotos Sanitários. Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE

DELTA AMBIENTAL Grupo Delta Vinil Estações Compactas de Tratamento de Esgotos Sanitários. Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE 1) APRESENTAÇÃO A Delta Ambiental oferece diversas opções de, com o intuito de poder adequar a melhor solução em termos de custo/benefício para cada situação

Leia mais

Eficiência de remoção de DBO dos principais processos de tratamento de esgotos adotados no Brasil

Eficiência de remoção de DBO dos principais processos de tratamento de esgotos adotados no Brasil Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - SABESP Associação das Empresas de Saneamento Básico Estaduais - AESBE Eficiência de remoção de DBO dos principais processos de tratamento de esgotos

Leia mais

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Introdução ao estudo dos esgotos.

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Introdução ao estudo dos esgotos. Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: Saneamento Básico e Saúde Pública Aula 7 Professor Antônio Ruas 1. Créditos: 60 2. Carga

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB EM INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB EM INDÚSTRIA DE ALIMENTOS AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB EM INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Rebecca Manesco Paixão 1 ; Luiz Henrique Biscaia Ribeiro da Silva¹; Ricardo Andreola ² RESUMO: Este trabalho apresenta a avaliação do desempenho

Leia mais

CÂMARA TEMÁTICA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS NBR-12.209 ABNT

CÂMARA TEMÁTICA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS NBR-12.209 ABNT CÂMARA TEMÁTICA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS NORMA BRASILEIRA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDRAULICO SANITÁRIOS DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS NBR-12.209 ABNT Eduardo Pacheco Jordão, Dr.Eng.

Leia mais

Avaliação da Eficiência Inicial de Wetlands Construídos no Pós-Tratamento de Reator UASB

Avaliação da Eficiência Inicial de Wetlands Construídos no Pós-Tratamento de Reator UASB Avaliação da Eficiência Inicial de Wetlands Construídos no Pós-Tratamento de Reator UASB 3 rd International Workshop: Advances in Cleaner Production Vitor Cano (Bolsista FAPESP) Bianca Gomes (Bolsista

Leia mais

Tratamento de Efluentes Líquidos e Sólidos Primeira Parte

Tratamento de Efluentes Líquidos e Sólidos Primeira Parte Tratamento de Efluentes Líquidos e Sólidos Primeira Parte A população brasileira obtém água bruta principalmente por meio de origens superficiais, ou seja, rios e lagos, tratada para tornar-se adequada

Leia mais

II-070 - REUSO DE ÁGUA NO ZOOLÓGICO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

II-070 - REUSO DE ÁGUA NO ZOOLÓGICO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO II-070 - REUSO DE ÁGUA NO ZOOLÓGICO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Gandhi Giordano (1) Engenheiro Químico (UERJ), D.Sc. Enga Metalúrgica e de Materiais (PUC-Rio). Diretor Técnico da Tecma - Tecnologia em

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

ÁGUA MAIS LIMPA MAIS LIMPA ÁGUA

ÁGUA MAIS LIMPA MAIS LIMPA ÁGUA Efluentes ÁGUA MAIS LIMPA O tratamento de efluentes em abatedouros avícolas é obrigatório e fundamental para amenizar o impacto ambiental da atividade. A água tratada pode retornar à natureza sem poluir

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO

NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO Universidade Federal do Espírito Santo Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO Ricardo Franci Gonçalves Giovana Martinelli da Silva Tratamento de Esgoto Procedimentos

Leia mais

Um pouco da nossa história

Um pouco da nossa história Um pouco da nossa história Possui 250 empresas Presente 57 países 119 mil empregados Produtos presente 175 países US$ 63,4 bilhões faturamento Instalada em SP em 1933 Em 1954 mudou-se para SJC 1 milhão

Leia mais

Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário

Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário AULA 13 Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário Após o uso da água em qualquer que seja o equipamento sanitário (chuveiro, lavatório, bacia sanitária, pia de cozinha, etc.), a água utilizada (efluente) deve

Leia mais

II-008 - LEITOS CULTIVADOS ( CONSTRUCTED WETLAND ): COMPARAÇÃO ENTRE VALORES OBTIDOS PARA UMA MESMA VAZÃO AFLUENTE EM ÉPOCAS DISTINTAS

II-008 - LEITOS CULTIVADOS ( CONSTRUCTED WETLAND ): COMPARAÇÃO ENTRE VALORES OBTIDOS PARA UMA MESMA VAZÃO AFLUENTE EM ÉPOCAS DISTINTAS II-8 - LEITOS CULTIVADOS ( CONSTRUCTED WETLAND ): COMPARAÇÃO ENTRE VALORES OBTIDOS PARA UMA MESMA VAZÃO AFLUENTE EM ÉPOCAS DISTINTAS Marcelus Alexander Acorinte Valentim (1) Mestre em Engenharia Agrícola

Leia mais

Localização: margem esquerda do ribeirão Arrudas (região outrora conhecida como Marzagânia) Tratamento preliminar: perímetro urbano de Belo Horizonte

Localização: margem esquerda do ribeirão Arrudas (região outrora conhecida como Marzagânia) Tratamento preliminar: perímetro urbano de Belo Horizonte ETE ARRUDAS DADOS GERAIS Localização: margem esquerda do ribeirão Arrudas (região outrora conhecida como Marzagânia) Tratamento preliminar: perímetro urbano de Belo Horizonte Demais unidades: município

Leia mais

Tratamento de Efluentes na Indústria e Estabelecimentos de Alimentos

Tratamento de Efluentes na Indústria e Estabelecimentos de Alimentos IV Curso de Controle de Qualidade na Indústria de Alimentos Tratamento de Efluentes na Indústria e Estabelecimentos de Alimentos Por: Djalma Dias da Silveira Eng. Químico Centro de Tecnologia - UFSM A

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA ETE TIPO AERAÇÃO PROLONGADA COM BASE EM TRÊS ANOS DE MONITORAMENTO INTENSIVO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA ETE TIPO AERAÇÃO PROLONGADA COM BASE EM TRÊS ANOS DE MONITORAMENTO INTENSIVO AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA ETE TIPO AERAÇÃO PROLONGADA COM BASE EM TRÊS ANOS DE MONITORAMENTO INTENSIVO Marcos von Sperling (*) Carla Maria Vasconcellos Fróes Departamento de Engenharia Sanitária e

Leia mais

ESTUDO SOBRE DESTINAÇÃO ADEQUADA AOS RESÍDUOS LÍQUIDOS, SÓLIDOS E GASOSOS GERADOS NO PROCESSO DE GALVANOPLASTIA DA INDÚSTRIA I. T.

ESTUDO SOBRE DESTINAÇÃO ADEQUADA AOS RESÍDUOS LÍQUIDOS, SÓLIDOS E GASOSOS GERADOS NO PROCESSO DE GALVANOPLASTIA DA INDÚSTRIA I. T. ESTUDO SOBRE DESTINAÇÃO ADEQUADA AOS RESÍDUOS LÍQUIDOS, SÓLIDOS E GASOSOS GERADOS NO PROCESSO DE GALVANOPLASTIA DA INDÚSTRIA I. T. Jaqueline Aparecida Toigo IC-Fecilcam, Engenharia de Produção Agroindustrial,

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE GARIBALDI SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE. Portaria nº 001 2011 SMMA

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE GARIBALDI SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE. Portaria nº 001 2011 SMMA Portaria nº 001 2011 SMMA Estabelece Termo de Referencia para elaboração de Projetos de Estações de Tratamento de Esgotos com Prévia anuência do Município para que o mesmo assuma a responsabilidade de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA SELEÇÃO DE TIPOS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS PARA PEQUENAS COMUNIDADES

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA SELEÇÃO DE TIPOS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS PARA PEQUENAS COMUNIDADES DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA SELEÇÃO DE TIPOS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS PARA PEQUENAS COMUNIDADES Carlos Alberto Ferreira Rino (1) Engenheiro Químico (UNICAMP, 1989); Engenheiro de Segurança do Trabalho

Leia mais

II-149 TRATAMENTO CONJUNTO DO LIQUIDO LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMESTICO NO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL

II-149 TRATAMENTO CONJUNTO DO LIQUIDO LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMESTICO NO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL II-149 TRATAMENTO CONJUNTO DO LIQUIDO LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMESTICO NO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL Ernane Vitor Marques (1) Especialista em Engenharia Sanitária e Meio Ambiente

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 Caderno de Provas Engenharia Sanitária Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome completo

Leia mais

Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de. Antônio Malard FEAM 09/06/2015

Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de. Antônio Malard FEAM 09/06/2015 Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de Reuso de Água Antônio Malard FEAM 09/06/2015 Sumário Legislações de Reuso; Consumo de Água na Indústria; Experiências de Sucesso: Banco de Boas Práticas Ambientais;

Leia mais

Tratamento de Efluentes: fundamentais no setor de tratamento de superfície

Tratamento de Efluentes: fundamentais no setor de tratamento de superfície Tratamento de Efluentes: fundamentais no setor de tratamento de superfície Além de uma análise técnica bastante interessante sobre a importância do tratamento de efluentes no nosso setor, feito por um

Leia mais

AVALIAÇÃO MATEMÁTICA DOS PROCESSOS DE REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA EM FILTRO ANAERÓBIO DE FLUXO ASCENDENTE

AVALIAÇÃO MATEMÁTICA DOS PROCESSOS DE REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA EM FILTRO ANAERÓBIO DE FLUXO ASCENDENTE AVALIAÇÃO MATEMÁTICA DOS PROCESSOS DE REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA EM FILTRO ANAERÓBIO DE FLUXO ASCENDENTE Cinthia Monteiro Hartmann (1) Graduada em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Paraná

Leia mais

ESTUDO DO TEMPO DE DETENÇÃO HIDRÁULICO (TDH) EM REATORES UASB E SUA RELAÇÃO COM A EFICIÊNCIA DE REMOÇÃO DE DBO

ESTUDO DO TEMPO DE DETENÇÃO HIDRÁULICO (TDH) EM REATORES UASB E SUA RELAÇÃO COM A EFICIÊNCIA DE REMOÇÃO DE DBO CATEGORIA: Pôster Eixo Temático Tecnologias ESTUDO DO TEMPO DE DETENÇÃO HIDRÁULICO (TDH) EM REATORES UASB E SUA RELAÇÃO COM A EFICIÊNCIA DE REMOÇÃO DE DBO Athos Moisés Lopes Silva 1 Orientador - Paulo

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS E PASSIVOS AMBIENTAIS XEROX

GESTÃO DE RESÍDUOS E PASSIVOS AMBIENTAIS XEROX GESTÃO DE RESÍDUOS E PASSIVOS AMBIENTAIS XEROX Elias S. Assayag eassayag@internext.com.br Leonardo A. Forte leonardoforte@manaus.br Universidade do Amazonas, Departamento de Hidráulica e Saneamento da

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E TRATAMENTO DA ÁGUA DE LAVAGEM DE FILTROS DE ETA COM O USO DE POLÍMEROS SINTÉTICOS E AMIDO DE BATATA

CARACTERIZAÇÃO E TRATAMENTO DA ÁGUA DE LAVAGEM DE FILTROS DE ETA COM O USO DE POLÍMEROS SINTÉTICOS E AMIDO DE BATATA CARACTERIZAÇÃO E TRATAMENTO DA ÁGUA DE LAVAGEM DE FILTROS DE ETA COM O USO DE POLÍMEROS SINTÉTICOS E AMIDO DE BATATA Thiago Molina (UNICENTRO Universidade Estadual do Centro Oeste do Paraná) E-mail: molina_tm@yahoo.com.br

Leia mais

I-103 - ESTUDO PRELIMINAR DA REMOÇÃO DE SÓLIDOS E TURBIDEZ POR DISPOSIÇÃO EM SOLO UTILIZANDO EFLUENTE PRÉ-TRATADO POR SISTEMAS ANAERÓBIOS

I-103 - ESTUDO PRELIMINAR DA REMOÇÃO DE SÓLIDOS E TURBIDEZ POR DISPOSIÇÃO EM SOLO UTILIZANDO EFLUENTE PRÉ-TRATADO POR SISTEMAS ANAERÓBIOS I-103 - ESTUDO PRELIMINAR DA REMOÇÃO DE SÓLIDOS E TURBIDEZ POR DISPOSIÇÃO EM SOLO UTILIZANDO EFLUENTE PRÉ-TRATADO POR SISTEMAS ANAERÓBIOS Josette Lourdes de Sousa Melo (1) Engenheira Química, UFPE. Mestre

Leia mais

PARECER TÉCNICO PROPOSTA DE REUSO DE ESGOTOS TRATADOS PELA USINA DE GERAÇÃO DE ENERGIA CARIOBA II

PARECER TÉCNICO PROPOSTA DE REUSO DE ESGOTOS TRATADOS PELA USINA DE GERAÇÃO DE ENERGIA CARIOBA II PARECER TÉCNICO PROPOSTA DE REUSO DE ESGOTOS TRATADOS PELA USINA DE GERAÇÃO DE ENERGIA CARIOBA II Autores: Ivanildo Hespanhol José Carlos Mierzwa São Paulo, 24 de maio de 2.001 Lienne Carla Pires 2 Índice

Leia mais

ASPECTOS TÉCNICOS RELEVANTES PARA O DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO BIOLÓGICO AERÓBIO E ANAERÓBIO

ASPECTOS TÉCNICOS RELEVANTES PARA O DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO BIOLÓGICO AERÓBIO E ANAERÓBIO ASPECTOS TÉCNICOS RELEVANTES PARA O DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO BIOLÓGICO AERÓBIO E ANAERÓBIO PEDRO ALEM SOBRINHO ESCOLA POLITÉCNICA - USP TRATAMENTO DE ESGOTO O INÍCIO 1.850 1.900 MOTIVO

Leia mais

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água.

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. ÁGUA Água conhecida como elemento vital Comunidades primitivas evoluídas Água Sobrevivência História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. Civilizações mais primitivas comunidades nômades

Leia mais

ETE do Baldo - Natal/RN

ETE do Baldo - Natal/RN ETE do Baldo - Natal/RN A Estação de Tratamento de Esgoto do Sistema Central de Natal, localizada no bairro do Baldo, na rua Capitão Silveira Barreto S/N, constitui-se num investimento de aproximadamente

Leia mais

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes revista especializada em tratamento de DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS ULTRAVIOLETA Sistema de decantação Ação dos decantadores em tratamento de água Fenasan 2013 9 772236 261064 junho/julho-2013

Leia mais

II-068 EMISSÃO ZERO EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO DOMÉSTICO

II-068 EMISSÃO ZERO EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO DOMÉSTICO II-068 EMISSÃO ZERO EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO DOMÉSTICO Natal de Avila Antonini (1) Engenheiro Mecânico e Mestre na área de Energia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Engenheiro

Leia mais

ISSN 1516-8247 Dezembro, 2010 106. Manual de Operação e Manutenção da Estação de Tratamento de Efluentes da Embrapa Agroindústria de Alimentos

ISSN 1516-8247 Dezembro, 2010 106. Manual de Operação e Manutenção da Estação de Tratamento de Efluentes da Embrapa Agroindústria de Alimentos ISSN 1516-8247 Dezembro, 2010 106 Manual de Operação e Manutenção da Estação de Tratamento de Efluentes da Embrapa Agroindústria de Alimentos ISSN 1516-8247 Dezembro, 2010 Empresa Brasileira de Pesquisa

Leia mais

A experiência da Estação de Tratamento de Esgoto de Itabira e sua contribuição em pesquisa e monitoramento e aprimoramento em parceria com UFMG

A experiência da Estação de Tratamento de Esgoto de Itabira e sua contribuição em pesquisa e monitoramento e aprimoramento em parceria com UFMG A experiência da Estação de Tratamento de Esgoto de Itabira e sua contribuição em pesquisa e monitoramento e aprimoramento em parceria com UFMG J.M. Borges - SAAE - Itabira UFMG/DESA - Universidade Federal

Leia mais

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE Estação de Tratamento de Efluente (ETE) compreende basicamente as seguintes etapas: Pré-tratamento (gradeamento e desarenação), Tratamento primário (floculação e sedimentação),

Leia mais

PROPOSTA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES EM EMPRESA ESPECIALIZADA EM RETÍFICA DE MOTORES

PROPOSTA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES EM EMPRESA ESPECIALIZADA EM RETÍFICA DE MOTORES PROPOSTA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES EM EMPRESA ESPECIALIZADA EM RETÍFICA DE MOTORES Felipe de Lima Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio grande do Sul Campus Sertão, Acadêmico do Curso

Leia mais

FOSSA SÉPTICA. 1. Processos de disposição

FOSSA SÉPTICA. 1. Processos de disposição Fossa séptica 1 FOSSA SÉPTICA Em locais onde não há rede pública de esgoto, a disposição de esgotos é feita por meio de fossas, sendo a mais utilizada a fossa séptica. Esta solução consiste em reter a

Leia mais

Licenciamento e Controle Ambiental em Abatedouros de Frangos

Licenciamento e Controle Ambiental em Abatedouros de Frangos Licenciamento e Controle Ambiental em Abatedouros de Frangos Luciano dos Santos Rodrigues Professor Adjunto - Controle Ambiental e Saneamento Escola de Veterinária UFMG e-mail: lsantosrodrigues@gmail.com

Leia mais

A análise descritiva dos resultados foi levada a efeito utilizando a planilha Excel 98.

A análise descritiva dos resultados foi levada a efeito utilizando a planilha Excel 98. XII-18 ESTUDO DA VAZÃO HORÁRIA AFLUENTE DA LAGOA ANAERÓBIA PROFUNDA DA PEDREIRA Nº 7 DO PÓLO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA BACIA DO RIO PARAÍBA NA GRANDE JOÃO PESSOA (ESTUDO DE CASO) Carolina Baracuhy Amorim

Leia mais

Gestão Ambiental 22/10/2012. Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL

Gestão Ambiental 22/10/2012. Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL Tema: Sistemas Urbanos de Esgotamento Sanitário Objetivos: Conhecer os elementos que compõem um sistema urbano de esgotamento sanitário;

Leia mais

O USO DE TANQUES SÉPTICOS NA CIDADE DE ARAGUARI-MG.

O USO DE TANQUES SÉPTICOS NA CIDADE DE ARAGUARI-MG. ASSEMAE Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 1/7 O USO DE TANQUES SÉPTICOS NA CIDADE DE ARAGUARI-MG. Autor: Kleber Lúcio Borges Engenheiro civil (1997): UFU Universidade Federal de

Leia mais

Procedimento de Gestão Ambiental 003. Controle de Efluentes Líquidos

Procedimento de Gestão Ambiental 003. Controle de Efluentes Líquidos Procedimento de Gestão Ambiental 003 Controle de Efluentes Líquidos Elaborador: Dejair Dietrich Piekarski Aprovador: Durval Nascimento Neto Revisor: Edson Luiz da Silveira Raimundo Motivo da revisão: Primeira

Leia mais

O CONSELHO DE GESTÃO DA AGÊNCIA GOIANA DE REGULAÇÃO, CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS, no uso de suas atribuições legais e,

O CONSELHO DE GESTÃO DA AGÊNCIA GOIANA DE REGULAÇÃO, CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS, no uso de suas atribuições legais e, 1 RESOLUÇÃO N 212/2003 - CG Disciplina a qualidade da prestação dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário, operado pela SANEAGO, conforme processo nº 22187758 /2003. O CONSELHO DE GESTÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA REATOR UASB E FILTRO BIOLÓGICO PERCOLADOR OPERANDO SOB DIFERENTES CONDIÇÕES HIDRÁULICAS

AVALIAÇÃO DO SISTEMA REATOR UASB E FILTRO BIOLÓGICO PERCOLADOR OPERANDO SOB DIFERENTES CONDIÇÕES HIDRÁULICAS AVALIAÇÃO DO SISTEMA REATOR UASB E FILTRO BIOLÓGICO PERCOLADOR OPERANDO SOB DIFERENTES CONDIÇÕES HIDRÁULICAS Marco Túlio Rocha Porto* Engenheiro Civil, Mestrando em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos

Leia mais

TÓPICOS IMPORTANTES SOBRE FILTRAÇÃO RÁPIDA DESCENDENTE APLICADA AO TRATAMENTO DE ÁGUA POTÁVEL

TÓPICOS IMPORTANTES SOBRE FILTRAÇÃO RÁPIDA DESCENDENTE APLICADA AO TRATAMENTO DE ÁGUA POTÁVEL TÓPICOS IMPORTANTES SOBRE FILTRAÇÃO RÁPIDA DESCENDENTE APLICADA AO TRATAMENTO DE ÁGUA POTÁVEL O texto apresentado a seguir, resumido na forma de tópicos, visa a orientar operadores de ETA, técnicos, engenheiros

Leia mais

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA 1 DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA Susane Campos Mota ANGELIM Escola de Engenharia Civil, UFG. Aluna do curso de Mestrado em

Leia mais

REMOÇÃO DE POLUENTES DE EFLUENTE DE REATOR ANAERÓBIO UTILIZANDO BANHADOS CONSTRUÍDOS VEGETADOS COM TANGOLA

REMOÇÃO DE POLUENTES DE EFLUENTE DE REATOR ANAERÓBIO UTILIZANDO BANHADOS CONSTRUÍDOS VEGETADOS COM TANGOLA REMOÇÃO DE POLUENTES DE EFLUENTE DE REATOR ANAERÓBIO UTILIZANDO BANHADOS CONSTRUÍDOS VEGETADOS COM TANGOLA André dos Santos Oliveira 1,3 ; Luciene da Silva Santos 1,3 ; Carlos Nobuyoshi Ide 2,3. 1 Bolsista

Leia mais

Tratamento de Efluentes

Tratamento de Efluentes Tratamento de Efluentes A IMPORTÂNCIA DO TRATAMENTO DE EFLUENTES E A REGULAMENTAÇÃO DO SETOR INTRODUÇÃO Conservar a qualidade da água é fundamental, uma vez que apenas 4% de toda água disponível no mundo

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA PLANTA VETIVERIA ZIZANIOIDES NO TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO

UTILIZAÇÃO DA PLANTA VETIVERIA ZIZANIOIDES NO TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO UTILIZAÇÃO DA PLANTA VETIVERIA ZIZANIOIDES NO TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO Fernando Ernesto UCKER; Rogério de Araújo ALMEIDA Universidade Federal de Goiás UFG E-mail: ferucker@gmail.com Palavras-chave:

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas Avenida Nascimento de Castro, 2127 Lagoa

Leia mais

POTENCIALIDADE DO USO DO BIOGÁS GERADO EM REATORES UASB NA SECAGEM DE LODO. Luciana Coêlho Mendonça; José Roberto Campos

POTENCIALIDADE DO USO DO BIOGÁS GERADO EM REATORES UASB NA SECAGEM DE LODO. Luciana Coêlho Mendonça; José Roberto Campos POTENCIALIDADE DO USO DO BIOGÁS GERADO EM REATORES UASB NA SECAGEM DE LODO Luciana Coêlho Mendonça; José Roberto Campos Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo Departamento de Hidráulica

Leia mais

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DO MEIO AMBIENTE ESTAÇÕES COMPACTAS PARA TRATAMENTO DE ESGOTO DOMICILIAR

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DO MEIO AMBIENTE ESTAÇÕES COMPACTAS PARA TRATAMENTO DE ESGOTO DOMICILIAR C A T Á L O G O D E P R O D U T O S SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DO MEIO AMBIENTE ESTAÇÕES COMPACTAS PARA TRATAMENTO DE ESGOTO DOMICILIAR FILTRO ANAERÓBIO REATOR ANAERÓBIO MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE

Leia mais

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO BANDEIRANTES (PR) Av. Com. Luiz Meneghel, 992 - fone/fax (043) 542-4566 e.mail - saaeban@ffalm.br - CGCMF 75624478/0001-91 ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Elaborado por:

Leia mais