ECOEFICIÊNCIA NO TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ECOEFICIÊNCIA NO TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA"

Transcrição

1 ECOEFICIÊNCIA NO TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA FERNANDA PEREIRA VALNEIROS Universidade de Mogi das Cruzes GREICE MOLINA REGO Universidade de São Paulo MARTA APARECIDA SCOPIN LAPAZ universidade mogi das cruzes ( campus leopoldina) FÁBIO KONISHI IEE RENY APARECIDA GALVÃO FEI-SP

2 ECOEFICIÊNCIA NO TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA RESUMO A sustentabilidade vem cada vez mais crescendo na realidade das empresas, de modo de modo que organizações de diversos setores vêm implementando ações voltadas para o meio ambiente, contemplando essas ações como uma forma de se obter uma vantagem competitiva em relação aos seus concorrentes. O estudo e preservação dos recursos hídricos tem sido um dos temas mais relevantes quando se fala em sustentabilidade empresarial, com base nisso, a pesquisa realizada foi focada na ecoeficiência por meio do tratamento de água e efluentes pela empresa Natura. Por meio de um estudo de caso foi levantada que as ações empreendidas pela empresa garantem vantagem competitiva para a mesma. Palavras-chave: Sustentabilidade Empresarial. Ecoeficiência. Produção Mais Limpa. Tratamento de Água. ECO-EFFICIENCY IN THE TREATMENT OF WATER AND WASTEWATER: A CASE STUDY IN THE COMPANY NATURA Sustainability is increasingly growing in the reality of companies, so that so many sectors of organizations are implementing actions for the environment, contemplating these actions as a way to gain a competitive advantage over their competitors. The study and preservation of water resources has been one of the most important issues when it comes to corporate sustainability, based on this, the research was focused on eco-efficiency through water treatment and effluent by the company Natura. Through a case study has been raised that the actions undertaken by the company ensure competitive advantage for the same. Keywords: Business Sustainability. Eco-efficiency. Cleaner Production. Water Treatment.

3 1 INTRODUÇÃO O modelo de gestão sustentável vem crescendo cada vez mais e as empresas estão cada vez mais preocupadas com o meio ambiente, porque a exigência do consumidor frente às questões ambientais também cresceu. De acordo com Tachizawa (2008), a gestão socioambiental deixou de ser uma função exclusiva de proteção para se tornar uma estratégia dentro da organização. As empresas estão mais conscientes de que muitos dos recursos utilizados por elas são limitados, fazendo-as utilizarem com mais consciência. As empresas estão mais conscientes de que os recursos naturais estão se esgotando e que se o seu uso não for feito de forma consciente, isso pode impactar diretamente nos seus lucros e resultados. Além disso, a sustentabilidade também tem sido vista como uma vantagem competitiva das organizações. Uma das ferramentas para implantar a sustentabilidade nas empresas é por meio da ecoeficiência que tem como objetivo introduzir um sistema onde se consegue produzir mais e melhor, otimizando a utilização de recursos e gerando menores quantidades de resíduos. Seus principais objetivos são a redução do consumo de materiais, água, energia com bens e serviços, intensificação da reciclagem e reaproveitamento de materiais, o aumento de recursos renováveis, redução da dispersão de substâncias tóxicas, além de aumentar a competitividade às empresas e reduzir a pressão no meio ambiente (DIAS, 2010). Uma prática muito comum para a obtenção da ecoeficiência é a adoção da Produção Mais Limpa (P+L), que é um conjunto de técnicas produtivas, que significam a aplicação contínua de uma estratégia econômica, ambiental e tecnológica integrada aos processos e produtos, fortalecendo economicamente a indústria por meio da prevenção da poluição. A P+L é uma ferramenta completa para a otimização do processo produtivo e melhoria contínua do processo, englobando: qualidade, planejamento, segurança, meio ambiente, design, saúde ocupacional e eficiência do sistema produtivo (ELIAS et al., 2004). Outras ações necessárias para a contribuição dos principais indicadores em relação às empresas e a sustentabilidade são: uso racional das fontes renováveis e eficiência energética e hídrica; controle e tratamento das emissões de gases, efluentes líquidos e resíduos sólidos; investimentos para a manutenção de um habitat natural; aquisição de matérias-primas ambientalmente corretas e uso racional das matérias-primas. Dentre os indicadores de ecoeficiência, destacaremos o estudo sobre a água. Para tanto, será abordada a utilização da água dentro da empresa, um recurso que sofre risco de escassez, dado que 97,5% da água presente na Terra é salgada e os outros 2,5% é de água doce. A preservação dos recursos hídricos é essencial para a sustentabilidade do planeta, uma vez que, mesmo sendo um recurso renovável a maior parte dela não é potável, considerando o aumento gradativo do consumo (REBOUÇAS, p.32, 2004). Assim, esse estudo parte da premissa de que, quando as empresas fazem uso em suas práticas ambientais de determinadas ferramentas de gestão ambiental, crescem as possibilidades de se tornarem mais competitivas. Diante do exposto foi desenvolvido um estudo de caso com o objetivo de verificar as práticas ambientais no reuso e tratamento de efluentes e águas na empresa Natura. O artigo encontra-se estruturado em cinco partes, incluindo esta introdução. A segunda parte aborda a fundamentação teórica discorrendo a temática sustentabilidade, ecoeficiência e recursos hídricos. A terceira parte menciona os procedimentos metodológicos. A quarta e quinta partes apresentam respectivamente, a discussão dos resultados e as considerações finais.

4 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1 SUSTENTABILIDADE E ECOEFICIÊNCIA Nos primórdios da sociedade os bens da natureza eram considerados inesgotáveis e o conceito de sustentabilidade nem sequer existia, mas podemos citar as etapas que levaram a criação desse conceito. A primeira fase que podemos citar é a Era do Fogo, onde se iniciou a queima da madeira pelos nômades, o que levava a emissão de gás carbônico em pequenas quantidades, o que não causava grande impacto ao meio ambiente. Após essa fase veio a chamada Era da Cultura de Subsistência, que era a produção de insumos para própria sobrevivência o que também gerava impactos muito pequenos sob o planeta (SOUZA, 2000). Posteriormente, começou a chamada Revolução Industrial, período onde houve a transição dos processos manuais para processos por máquinas. A partir desse momento, iniciou-se em grandes quantidades a produção e a extração de matéria prima, o que gerou diversos impactos ambientais, tendo em vista que a poluição cresceu e causou diversas mortes (SOUZA, 2000). A última fase que podemos citar é a Era Moderna, a partir do ano de 1960, onde biólogos e ecologistas começaram a levantar as questões ambientais, que já não eram problemas locais, mas sim um problema disseminado mundialmente (SOUZA, 2000). O conceito de sustentabilidade surgiu no final do século XX, quando os problemas de devastação do meio ambiente estavam em grande crescimento, criando assim o conceito de satisfazer as necessidades das gerações atuais, sem prejudicar as gerações futuras. "A sustentabilidade é algo que não se pode ser obtido instantaneamente, é um processo de mudança, de transformação estrutural que necessariamente deve ter a participação de todos os setores da sociedade" (AFONSO, 2006, p.8). A sustentabilidade tem sido vista cada vez mais como uma estratégia dentro das empresas, considerando-a como um meio de se alcançar vantagem competitiva, termo amplamente divulgado por Michael Porter e trata das estratégias que as empresas podem adotar a fim de criar e sustentar vantagens em relação aos seus concorrentes (PORTER, 1986). Estão inseridos nesse contexto de empresa sustentável, três dimensões, a econômica, a ambiental e a social. Segundo Araujo et al, (2006) a integração entre as questões sociais, ambientais e econômicas, constitui o tripé conhecido como triple-bottom line. Este tripé foi desenvolvido com o objetivo de adotar estratégias de negócios, que acatem as necessidades das organizações e dos seus stakeholders atuais, enquanto protegem, sustentam e aumentam os recursos humanos e naturais que serão necessários no futuro (BARBIERI, 2012). Essas dimensões tratam de: Dimensão econômica: Alocação e gestão eficiente dos recursos produtivos. E um fluxo regular dos investimentos privados e públicos (Eficiência, crescimento e estabilidade); Dimensão social: Processos que promovem a igualdade na distribuição de bens e renda, para melhorar os direitos e reduzir as diferenças entre os padrões de vida das pessoas (Pobreza consulta/poder de decisão, cultura/herança); Dimensão ambiental: Ações para evitar danos ao meio ambiente causados pelos processos de desenvolvimento, aumentando assim a capacidade de carga do planeta (biodiversidade/resiliência, recursos naturais e poluição). Esse modelo ganhou repercussão no mundo, já que está relacionado a lucro, pessoas e planeta (ELKINGTON, 2011; BARBIERI, 2012). De acordo com Barbieri e Cajazeira, "empresa sustentável é a que procura incorporar os conceitos e objetivos relacionados com o desenvolvimento sustentável em suas políticas e práticas de modo consistente" (2009, p. 70,). O desenvolvimento sustentável prevê manutenção dos recursos naturais e sua disponibilização para as próximas gerações. A água

5 ocupa papel central nesse desenvolvimento sustentável, dando condições para renovação dos ciclos e para a sustentabilidade da vida no planeta (TUNDISI, 2011, p. 258). Na dimensão ambiental, foco desse estudo, um tema que vai se destacando é o uso consciente dos recursos hídricos. 2.2 RECURSOS HÍDRICOS Nosso planeta tem 75% da sua extensão coberto de água, porém desse recurso apenas 2,5% é próprio para o consumo, sendo que, 68,9% está nas calotas polares e geleiras, 29,9% de águas subterrâneas doce, 0,3% nos rios e lagos e 0,9% em outros reservatórios, os outros 97,5% da água presente na terra é salgada, presente nos mares e oceanos (REBOUÇAS, p.32, 2004). Por meio desses dados, foi constatada a importância em se preservar esse recurso essencial para a sobrevivência. Mesmo sabendo que esse é um recurso renovável, compreende-se que se o mesmo não for preservado, as futuras gerações sofrerão com a sua escassez, já que sua renovação pode não ser suficiente para suprir as necessidades. Uma vez que a população cresce cada dia mais, as mudanças climáticas globais podem causar impactos significativos no suprimento e na qualidade de água potável. A biodiversidade dos ecossistemas aquáticos será afetada, principalmente, pelo efeito do aquecimento térmico da água, o que deverá interferir na tolerância nos invertebrados e vertebrados(por mudanças na temperatura e na composição iônica das águas), e pelo aumento da concentração de substâncias tóxicas e poluentes, decorrente da evaporação. A eutrofização das águas continentais deve ser acelerada (TUNDISI, 2011, p.92). De acordo com Silva (2011), esse pequeno percentual de água doce disponível no planeta 29,7% encontra-se em aquíferos, 68,9%em calotas polares; 0,3% em rios e lagos e 0,9% em outros reservatórios (nuvens, vapor d água etc.). O Brasil é um país privilegiado, pois detém grande parte da água disponível no planeta, mas mesmo assim algumas regiões do país sofrem com a sua escassez. A produção de água doce no país representa 53% do continente sul-americano (TUNDISI, 2011, p. 43). De todo recurso disponível no país, 22% é destinado ao consumo humano, 19% ao uso industrial e 59% para irrigação (LANNA, 1999). Pensando nisso, as empresas vêm cada vez mais tomando medidas para reduzir o seu consumo em nas organizações. Entre essas medidas se encontram a reutilização da água, o tratamento de água e esgoto, entre outros. De acordo com Pinto (2003, p.376): A ecoeficiência é definida como o estilo gerencial que busca produzir mais com menos insumos e menos poluição, mantendo preços e serviços a preços competitivos. O objetivo final é melhorar a qualidade de vida da sociedade e progressivamente, reduzir os impactos ambientais e o uso de recursos naturais à capacidade de sustentação do planeta. A ecoeficiência tem ganhado um papel cada vez mais importante nas estratégias da organização. Entre essas medidas podemos citar reutilização da água, que é um importante método sustentável e de acordo com a Sabesp - Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo. A água de reuso é produzida dentro das Estações de Tratamento de Esgoto (ETE) e pode ser utilizada para inúmeras finalidades, como geração de

6 energia, refrigeração de equipamentos, aproveitamento nos processos industriais e limpeza de ruas e praças. As empresas que utilizam a água de reuso colaboram com a economia de água potável destinada ao abastecimento público (SABESP, 2014). Por meio disso verificou-se o quão importante é a utilização da água de reuso pelas organizações, a cada litro de água de reuso que é utilizada para irrigação, limpeza de vidraças, entre outros fins, está sendo economizando um litro de água potável, além do mais o custo da sua utilização é bem inferior ao da água potável. Já o tratamento de esgoto, de acordo com a Sabesp (2014) consiste na remoção de poluentes e o método a ser utilizado depende das características físicas, químicas e biológicas. Esse processo pode ser feito de diversas maneiras, o que vai depender da origem do esgoto. Segundo a resolução do Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA 20/86, o esgoto que será tratado e o local onde ele vai ser descartado tem quer ser avaliados, já que um efluente não é igual a outro. O efluente industrial costuma ser difícil de ser tratado devido à grande quantidade de produtos químicos presente nele. O tratamento deve ser tão eficaz, que o efluente que é devolvido a natureza, é tão limpo quanto o rio ou lago em que é descartado (CONAMA, 1986). De acordo com a Companhia Ambiental do Estado de São Paulo CETESB (2013): Esse processo acontece da seguinte forma: no tratamento primário são sedimentados (decantação) os sólidos em suspensão que vão se acumulando no fundo do decantador formando o lodo primário que depois é retirado para dar continuidade ao processo; No tratamento secundário, os microorganismos irão se alimentar da matéria orgânica convertendo-a em gás carbônico e água; Na última fase, também chamado de fase de pós-tratamento, são removidos os poluentes específicos como os micronutrientes (nitrogênio, fósforo) e patogênicos (bactérias, fungos). Outro tratamento muito eficiente é o por membrana. Este possui um custo elevado em relação aos tratamentos tradicionais, porém a sua eficácia é bem maior se comparamos aos demais, porque essa metodologia consiste em usar membranas sintéticas e purificar água para economizar energia. O processo de membranas surgiu a partir da década de 1970, com o objetivo de separar determinados resíduos, como destilação, filtração, absorção, centrifugação, entre outros. A partir daí surgiu as membranas sintéticas com barreiras seletivas, que teria a função de imitar as membranas naturais, em destaque as suas características únicas de seletividade e permeabilidade. De acordo com Borges (2006) uma membrana é uma barreira que separa duas fases e que restringe total ou parcialmente o transporte de uma ou várias espécies químicas presentes nas fases. O primeiro registro que se obtém relativo a fenômenos que ocorreram com membranas, foi em 1748, na França, quando um copo com água pura foi emerso com destilado de vinho, onde foi vedado com uma membrana de origem animal e após algum tempo, foi observado que a bexiga havia se estufado. Essa experiência evidenciou as características de permeabilidade e seletividade de uma membrana. Após o ocorrido começou-se então o estudo aprofundado sobre membranas. De acordo com Borges (2006), as membranas podem ser divididas em duas categorias: densas e porosas. As membranas densas são quando o transporte dos componentes envolve uma etapa de dissolução e difusão através do material que constitui a membrana. As membranas porosas são quando o transporte dos permeantes ocorre preferencialmente em uma fase fluida contínua, que preenche os poros da membrana.

7 O processo de separação por membranas tem sido muito utilizado em diversos setores, sejam eles químicos, área médica, passando pela biotecnologia indústrias alimentícia e farmacêuticas e tratamentos de águas industriais e municipais. Nos tratamentos, por exemplo, de água, o processo ocorre na dessalinização de águas, eliminação de traços de orgânicos, tratamento de esgotos, desmineralização de águas para caldeiras e água ultrapura para indústrias eletrônicas. Por meio do processo de separação por membrana pode se verificar algumas vantagens, estas estão ligadas ao menor consumo de energia, seletividade, desmembramento de compostos termolábeis, simplicidade na operação e escalação do processo. A solução que prepara as membranas é feita por polímeros de materiais plásticos. Essa membrana é mil vezes menor do que um milímetro, ou seja, a água passa, mas as impurezas ficam retidas. Para purificar a água por meio desse método, é necessário realizar o seguinte processo: pega-se um feixe capilar de membranas e se coloca em um tubo, então a água contaminada passará por fora e o filtrado pelo centro, por dentro das fibras, a água sairá purificada (BORGES, 2006). A escolha do tratamento adequado é fundamental para vantagem competitiva das organizações e as empresas precisam obter por um tratamento que mais se adequar as suas necessidades e estratégias, sem se esquecer do capital que a empresa está disposta a investir para implementação dos mesmos. Entre outras medidas que são utilizadas nas empresas para redução do uso de água potável podemos destacar as descargas que possuem controle de quanta água é despejada, dependendo se o resíduo é líquido ou sólido, as torneiras inteligentes, irrigadores programados de acordo com o que está sendo irrigado, entre outros. 3 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS A metodologia no estudo realizado a respeito da empresa Natura foi o estudo de caso, pois por meio do mesmo é possível se obter uma visão macro da situação que está sendo abordada. O estudo de caso surgiu com o desejo de se compreender fenômenos sociais complexos, ou seja, realizar uma investigação. Conforme Yin (2001, p. 19): Os estudos de casos representam a estratégia preferida quando se colocam questões do tipo 'como' e 'por que', quando o pesquisador tem pouco controle sobre os acontecimentos e quando o foco se encontra em fenômenos contemporâneos inseridos em algum contexto da vida real. A pesquisa foi exploratória e descritiva, desenvolvida por meio de revisão bibliográfica do tema abordado como forma de instrumento analítico para a realização da pesquisa em campo. Os dados primários foram coletados por meio de visitas técnicas na empresa Natura, sediada na cidade de Cajamar, no estado de São Paulo. 4 APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS 4.1 RESULTADOS DAS PRÁTICAS ECOEFICIENTES NA NATURA A empresa estudada é a Indústria e Comércio Natura, mais conhecida como Natura, o qual trabalha no segmento de cosméticos desde 1969, cujo lucro líquido consolidado foi de R$ 117,2 milhões no primeiro trimestre de 2014, este resultado representa uma queda de 6% se comparado o mesmo período do ano de A organização está localizada em diversos lugares, sendo que a sede encontra-se em Cajamar, Região Metropolitana de São Paulo, onde se obtém diversas atuações como área de

8 engenharia mecânica, parte operacional, pesquisa de produto, planejamento de controle logístico, recursos humanos e centro de treinamento, no Km 13 da Rodovia Anhanguera, encontra-se o centro de distribuição que foi inaugurado em novembro de 2013, este cuida de toda parte logística da empresa, no escritório de Alphaville está toda parte jurídica, o T.I e a parte administrativa, já na Barra Funda se tem todo o controle dos cadastros e também a área de recursos humanos, e por último em Benevides-PA, está a fábrica de saboaria, um dos maiores investimentos da empresa atualmente, além desses locais a empresa Natura tem uma parceria com a UNICAMP localizada em Campinas, onde se tem um centro de pesquisa na própria universidade, esse oferece todo o apoio a pesquisa de mercado em Cajamar. A Natura está entre as 10 marcas mais valiosas do país, reconhecida em termos de sustentabilidade empresarial, sendo a 2º empresa mais sustentável do planeta, a 5º maior empresa de venda direta do mundo, líder no mercado de cosméticos no Brasil, uma das 10 empresas mais inovadoras do mundo. Seu crescimento médio é de 15% nos últimos 5 anos, nas operações internacionais já representam mais de 15% dos negócios, tem uma geração de renda de R$ 3,2 bilhões para as CNs, geração de renda de R$ 12 milhões para as comunidades fornecedoras. A empresa tem investido R$ 12,8 milhões em educação com a renda de Natura Crer Para Ver no Brasil e R$ 4,5 milhões nas operações internacionais. A empresa obteve uma redução de 30,4% de emissão de CO2 (NATURA, 2014). Os investimentos da empresa foram de R$ 73,2 milhões em ações sustentáveis, R$ 154 milhões em inovação e R$ 437 milhões em infraestrutura e logística. A empresa conta com 7 mil colaboradores, 1,5 milhão de consultoras, 4,7 mil de fornecedores e 100 milhões de consumidores O TRATAMENTO DA ÁGUA A Natura realiza diversas ações voltadas para a sustentabilidade, e de acordo com o site institucional da empresa, essas ações se iniciaram de forma mais ativa, no ano de 1983, quando a Natura foi a primeira empresa brasileira a oferecer os seus produtos no chamado refil, cuja utilização de matéria prima para sua composição é em média 50% menor que a de uma embalagem original (NATURA, 2014). Assim como citado por Souza (2000), a consciência sobre a sustentabilidade foi evoluindo aos poucos e na empresa Natura não foi diferente, a empresa pouco a pouco foi inserindo ações sustentáveis na sua cultura e nas suas ações. O autor ainda ressalta que a sustentabilidade é algo que não se pode ser conseguido instantaneamente, é um processo de transformação estrutural (AFONSO, 2006; SOUZA, 2000). Além disso, a organização utiliza com consciência os insumos da biodiversidade brasileira, realizando parcerias com comunidades e realizando a retirada dos mesmos apenas quando esses insumos se encontram na sua safra, de forma que não prejudique o meio ambiente. A sustentabilidade tem sido cada vez mais vista como uma estratégia dentro das organizações, considerando-a um meio de se conseguir vantagem competitiva e de acordo com Porter, a vantagem competitiva, são as estratégias que as empresas adotam a fim de criar e sustentar vantagens em relação aos seus concorrentes. A empresa Natura, utiliza-se desse ponto para o seu marketing e propaganda, aderindo aos atos de sustentabilidade e associando diretamente essas ações a identidade da empresa, criando vantagens em relação aos seus concorrentes (PORTER, 1986). A principal sede da Natura encontra-se em Cajamar, área declarada de proteção ambiental pela Lei Estadual Nº 4.055, de 04/06/84. O projeto da empresa foi realizado pelo arquiteto Roberto Loeb, que realizou o planejamento de forma que integrasse a empresa ao

9 meio ambiente. Barbieri (2009) define como empresa sustentável aquela que busca incorporar os conceitos e objetivos relacionados com o desenvolvimentos sustentável em suas políticas e práticas de modo consistente, a Natura realiza todas suas ações focadas no meio ambiente, respeitando sempre a biodiversidade brasileira e o meio ambiente como um todo. Dentre as dimensões da sustentabilidade existentes, a que a empresa tem o maior enfoque é na dimensão ambiental, que é a que busca realizar ações para evitar e diminuir danos ao planeta (ARAÚJO et. al 2006; ELKINGTON, 2011; BARBIERI, 2012). Entre as principais ações realizadas no espaço Natura Cajamar, o que mais se evidencia é o tratamento de efluentes e a utilização de água de reuso em suas instalações, já que a empresa tem consciência que se trata de um recurso em escassez, e segundo Rebouças de todo recurso disponível no planeta apenas 2,5% é próprio para o consumo, sendo que, 68,9% está nas calotas polares e geleiras, 29,9% de águas subterrâneas doce, 0,3% nos rios e lagos e 0,9% em outros reservatórios, os outros 97,5% da água presente na terra é salgada, presente nos mares e oceanos (REBOUÇAS, p. 32, 2004). Figura 1: Estação de tratamento de efluentes na Natura Fonte: Autores (2014) De acordo com Tundisi (2011), a água ocupa papel central no desenvolvimento sustentável, visando à responsabilidade ambiental e o uso responsável dos recursos hídricos, a empresa possui em sua matriz em Cajamar, três poços artesanais. Toda água utilizada por essa sede da empresa, provém de um desses poços. A retirada de água do solo atende aos regulamentos da outorga obtida pela empresa do Departamento de Águas e Energia Elétrica do Estado de São Paulo (DAEE), que permite uma captação de 20 m³/hora em 20 horas de operação. Para cumprir rigorosamente a legislação e garantir a recuperação natural do lençol freático, evitando danos ao meio ambiente, a bomba de captação desse poço está regulada para retirar exatamente 20 m³/hora e para operar apenas por 20 horas (NATURA, 2014). Para o lençol freático recuperar a sua capacidade de vazão, é necessário no mínimo 4 horas. Dessa forma o lençol não tem sua capacidade comprometida, de forma que não prejudica o meio ambiente. Conforme estabelecido na Lei nº 6.134, de 02/06/88, [...] Art. 4º - As águas subterêneas deverão ter programa permanente de preservação e conservação, visando ao seu melhor aproveitamento. [...] 1º - A preservação e conservação dessas águas implicam em uso racional, aplicação de medidas contra a sua poluição e manutenção do seu equilíbrio físico, químico e biológico em relação aos demais recursos naturais. [...] Art. 6º - A implantação de distritos industriais e de grande projetos de irrigação, colonização e outros, que dependam da utilização de águas subterrâneas deverá ser precedida de estudos hidrogeológicos para avaliação das reservas e do potencial dos recursos hídricos e para o correto dimensionamento

10 do abastecimento, sujeito à aprovação pelos órgãos competentes, na forma a ser estabelecida em regulamento. Após toda sua captação, a água é direcionada para Estação de Tratamento de Água da Natura, ela passa por um processo para se tornar potável, conforme a figura 1. Figura 2: Fluxograma de tratamento de água Fonte: NATURA (2014) O processo para a água tornar-se potável utiliza-se um dosador automático que adiciona a quantidade de cloro necessária para tratar a vazão de água, que será enviada ao filtro. A adição de cloro é necessária para a desinfecção e a eliminação de microorganismos, mau cheiro, gosto desagradável, e qualquer coloração anormal que eventualmente possam estar presentes na água retirada do poço. Nesse estágio a água se torna potável e própria pra o consumo, onde é enviada para toda empresa. De acordo com publicação da empresa, Após esse processo de coagulação, neutralização e agitação, a decantação faz com que os flocos originados na etapa anterior se depositem no fundo do tanque de água, formando uma espécie de lodo; a água passa por um filtro de areia que retém as impurezas sólidas. O ph da água é controlado e, se necessário, corrigido, ela é bombeada para as caixas d'água da torre elevatória, localizada na entrada do Espaço Natura, a torre da caixa d água é composta por 5 células de 200 m³ cada (NATURA, 2014). A água é armazenada em uma espécie de caixa d água, onde existe uma divisão da água potável e da água não tratada. A água potável situa-se em três dessas caixas as quais fornecem água para as fábricas os restaurantes e as torneiras do Espaço Natura. Já em uma caixa d água separada fica a água de reuso, utilizada para limpeza de vidraças, descargas e irrigação de plantas (NATURA, 2014) O USO DA ÁGUA E EFLUENTES NA EMPRESA NATURA

11 Após o uso da água a mesma passa por um tratamento, as águas e efluentes originário da limpeza dos equipamentos de produção e dos pisos da fabrica são enviados para ETE (Estação de Tratamento de Esgoto) por meio de tubulação própria. Estes efluentes chegam com alta concentração de elementos inorgânicos utilizados na fabricação dos produtos Natura. Para realização do processo de tratamento de efluentes, são necessárias algumas etapas, apresentadas na figura 2. Figura 3: Fluxograma básico de estação de tratamento de efluentes Fonte: NATURA (2014) A primeira etapa do processo consiste na adequação das peneiras: todo efluente industrial originado da fábrica é recebido por uma calha, todo resíduo de limpeza dos reatores das fabricas, resíduos de óleo, polímeros, álcool e uma infinidade de matérias primas são recebidos por uma tubulação especifica. A partir disso, é contabilizado, através de medidores,

12 a quantidade de efluentes recebidos e o acompanhamento diário de quanto que foi a diferença de um dia para o outro. Após o processo de filtragem, os materiais sólidos são separados dos líquidos, onde os mesmos são enviados a um tanque intermediário, o qual tem a função de misturar todo efluente, porque o mesmo possui resíduos de óleo, polímeros, álcool e uma infinidade de matérias primas. A função principal nessa etapa é misturar pra facilitar o tratamento químico. Figura 4: Filtro Prensa Biológico Fonte: Autores (2014) Na fase seguinte, os efluentes são bombeados para o tanque de equalização, onde se inicia o pré-tratamento, e destes seguem para o tanque de reação, onde se recebem a adição de produtos químicos. Durante todo o processo de reação, a água fica em constante agitação para melhor dissolver os reagentes. Neste processo, formam-se flocos que decantam até a obtenção do lodo industrial. Já na etapa subsequente, a água da superfície do tanque é mandada para um tanque intermediário e a seguir, bombeada para o tanque biorreator, no qual sua caixa tóxica é removida. O material depositado no fundo é bombeado para o tanque de lodo industrial, no qual se colhe uma amostra para analise de ph e consistência. O lodo industrial é agitado, tratado, decantados e enviado para o filtro prensa. Na última fase, o material prensado é conhecido como torta de lodo industrial é acondicionado em caçamba para ser enviado ao aterro industrial, localizado em Piracicaba. O tratamento acontece somente para a água utilizada na fábrica, já que esse efluente é diferenciado, por conter produtos químicos. E como já citado, a Conama ressalta que os efluentes devem ser tratados de forma diferencial, a empresa Natura compreendendo isso, realiza um tratamento diferenciado para cada efluente. Essa chamada torta de lodo industrial recebe todo tratamento necessário no aterro industrial, diminuindo os impactos ambientais causados pelo mesmo (CONAMA, 1986). As águas e efluentes originados da cozinha e dos equipamentos sanitários recebem outro tratamento dentro da empresa e esse ocorre da seguinte forma: as águas e efluentes são destinados a ETE por meio de um sistema independente de tubulação por gravidade, após isso já na ETE, os efluentes orgânicos, passam por processos de retenção de partículas sólidas, o fluxo segue para o tanque sanitário, de onde a água é bombeada, para o biorreator e misturada com a água pré-tratada dos efluentes industriais. Nesse momento acontece o processo de

13 biodigestão aeróbica dos elementos orgânicos, por meio de constante agitação, para manter o nível de oxigênio da água e atividade das bactérias aeróbicas. Nesta etapa, é feito uma avaliação para determinar os níveis de nitrogênio, fósforo e outras substâncias. Estando em condições adequadas a água do biorreator é mandada para o sistema de ultrafiltração de membrana. Figura 5: Filtro de membranas Fonte: Autores (2014) No filtro a água pura é separada dos elementos orgânicos dissolvidos a partir disso a massa do biorreator é constantemente monitorada e, quando sua concentração é muito alta, o produto do processo de retrolavagem é desviado para o tanque de lodo biológico, onde é colhida uma amostra do lodo para determinar a quantidade reagentes químicos que deve ser adicionada. Após sua estabilização, o lodo biológico é mandado para o filtro de prensa, a água excedente do processo de prensagem retorna ao biorreator. A torta do lodo biológica é acondicionada em caçamba para ser enviada a uma empresa de reciclagem, que a transforma em adubo orgânico. Na última etapa após os processos de tratamento na ETE, a água recebe o cloro e é bombeada para células especificas da caixa d água, onde fica disponível para uso nos vasos sanitários, no combate a incêndios, na limpeza de pisos de rodagem e para regar os jardins do espaço Natura. Grande parte do tratamento executado na empresa é realizado pelo tratamento por membranas, a CETESB (2013) cita o tratamento por decantação, tratamento ainda muito utilizado por diversas organizações por seu baixo custo, mas de acordo com Borges (2006), o tratamento por membranas é considerado um dos tratamentos mais eficazes, pois o mesmo é o que possui um menor impacto no meio ambiente e também é o que traz mais eficiência, apesar de seu alto custo. Após todo esse tratamento, parte da água é devolvida a natureza, a mesma também é utilizada no lago existente na empresa, onde há vários meio de vida, o excedente de água é despejado no Rio Juquery. Segundo publicação da empresa, todo processo da água no espaço Natura acontece da seguinte forma: Captação da água subterrânea; Tratamento de água na Estação de Tratamento de Água; Distribuição de água no espaço Natura; Utilização da água; Tratamento de resíduos na Estação de Tratamento de Esgoto; Tratamento do Efluente industrial; Tratamento dos efluentes orgânicos; Reaproveitamento da água; e Retorno a natureza com o despejo no Rio Juquery. De acordo com Pinto (2003), a ecoeficiência é definida como um estilo gerencial que busca produzir mais com menos insumos, a Natura busca inserir o conceito de ecoeficiência em suas atividades, sempre respeitando o meio ambiente (NATURA, 2014).

14 Figura 6: Ciclo de água no espaço Natura Fonte: NATURA (2014) A empresa investiu cerca de 3 milhões de dólares na implantação dessas estações de tratamento, sendo a primeira empresa da América Latina a ter esse tipo de tecnologia em suas instalações. Essas estações possuem a capacidade de tratar a quantidade de água e esgoto equivalente a de uma cidade de 21 mil habitantes. Além disso, se Natura fosse terceirizar esse tratamento, o custo seria cinco vezes maior, além de ser mais arriscado e ter um impacto ambiental maior (NATURA, 2014). 5 CONCLUSÃO As ações da Natura beneficiam não somente a comunidade de Cajamar, mas a sociedade como um todo, já que se sabe que a água é um recurso que corre o risco de escassez, e essas pequenas atitudes da mesma já fazem toda diferença para a sociedade. A empresa ainda faz parte do Comitê da Bacia Hidrográfica do Alto Tietê, que é um fórum que discute a questão do gerenciamento de água. Essas ações concedem à empresa uma vantagem competitiva maior em relação aos seus concorrentes, que não realizam ações sustentáveis ou as realizam em menor volume. Além disso, a empresa reduz custos, já que todo tratamento, captação e manutenção, dependem somente dela. Por outro lado, a empresa pode melhorar essas ações, uma vez que a mesma não reutiliza toda água, mas somente uma parte da água utilizada em suas instalações. Com as diversas tecnologias implantadas na empresa e buscando sempre cuidar ao máximo do meio ambiente, a Natura pode vir a pensar ainda mais em meios de minimizar os custos e os impactos de suas ações. A empresa realiza todo tratamento de água e esgoto em suas dependências e todo resíduo gerado é enviado para empresas diferentes, por meio de caminhões, o que pode ocasionar algum acidente, gerando riscos ambientais, tendo em vista que essas empresas ficam 130 km da sede da empresa. A torta do lodo industrial é direcionada para um aterro industrial e a orgânica para uma empresa de compostagem. Todo esse resíduo é levado por meio de caminhões, entretanto, o estado geral das rodovias brasileiras é precário, o que pode ocasionar algum acidente. Além disso, o modal

15 rodoviário é considerado como um dos mais poluidores, sendo um dos grandes responsáveis pelas emissões dos gases do efeito estufa (GEE). Não são somente os GEE que podem ocasionar problemas ao longo desse trajeto, pois caso ocorra algum incidente e esses resíduos venham a cair em alguma estrada, entrando em contato com a natureza, podem advir sérios danos ambientais e a imagem da empresa pode ser prejudicada. A Natura possui um custo considerável com a realização dos tratamentos da ETE e da ETA, algo em torno de R$ 300 mil mensais. Mas esse custo poderia ser menor, caso a empresa altere esse meio de envio das tortas para essas companhias e realizasse ela própria esses procedimentos. Na própria empresa já existe um espaço apropriado para realização da compostagem, mas seria necessário que a empresa adequasse seus processos para realizar o processo nesse espaço. Por meio da pesquisa realizada foi possível concluir que o que leva a empresa a realizar essas ações, é a preservação da imagem da mesma, porém ao utilizar os conceitos de ecoeficiência e de poluição mais limpa, reduzem custos significativos no seu orçamento financeiro e o planejamento da empresa já incorporou estas práticas, também por este motivo. Afinal, a meta das empresas é o lucro e as práticas de ecoeficiência contribuem para que as mesmas consigam atingir objetivos. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AFONSO, C, M. Sustentabilidade: caminho ou utopia? São Paulo: Ed. Annablume, ARAÚJO, G, C. Sustentabilidade Empresarial: Conceitos e Indicadores. In: III CONGRESSO VIRTUAL BRASILEIRO DE ADMINISTRAÇÃO CONVIBRA. Anais. Disponível em: <http://www. convibra.com.br/2006/artigos/61_pdf.pdf>. Acesso: 17 agosto de BARBIERI, J. Responsabilidade Social Empresarial e Empresa Sustentável da Teoria à Prática. 2ª Edição. Ed. Saraiva, São Paulo. BARBIERI, J, C; CAJAZEIRA, J, E, R. Responsabilidade Social e Empresarial Sustentável: da teoria à prática. São Paulo: Ed. Saraiva, BORGES, C, P; NOBREGA, R. HABERT, A,C. PROCESSOS DE SEPARAÇÃO POR MEMBRANAS. Rio de Janeiro: Ed. E Papers, CETESB. Normas técnicas CETESB. Disponível em <http://www.cetesb.sp.gov.br/servicos/normas-cetesb/40-normas>. Acesso em 28 de julho de CONAMA. Resoluções. Disponível em <http://www.mma.gov.br/port/conama/res/res86/res2086.html>. Acesso em 28 de julho de DIAS, R. Gestão ambiental: responsabilidade social e sustentabilidade. 2. ed. São Paulo: Atlas, ELKINGTON, J. Sustentabilidade - Canibais Com Garfo e Faca - o Livro Conceito - Triple Botton Line - Profit Plan. São Paulo: Ed. M. Books, LANNA E. A. Planejamento Ambiental. Rio Grande do Sul: Instituto de Pesquisas Hidráulicas. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, NATURA. Projeto Biodiversidade Brasil. Disponível em <http://www2.natura.net/web/br/foryou/hotsites/premios/download/case_fiesp_merito_amb _2005.pdf>. Acesso em 13 de agosto de NORONHA, Daisy P.; FERREIRA, Sueli Mara S. P. Revisões de literatura. In: CAMPELLO, Bernadete Santos; CONDÓN, Beatriz Valadares; KREMEER, Jeanette M. (Orgs.). Fontes de informações para pesquisadores e profissionais. Belo Horizonte: UFMG, 2000.

16 PAULA, A. C; Rede Organizacional: Uma Estratégia de Desenvolvimento? O caso Netimóveis. Dissertação (Mestrado em Administração), FEAD Minas Centro de Gestão Empreendedora, Belo Horizonte (MG) PINTO, L. Gestão-cidadão: ações estratégicas para a participação social no Brasil, Edição 2. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2003, PORTER, M. E., Estratégia competitiva: técnicas para análise de industriais e de concorrência. Ed. Campus, Rio de Janeiro. REBOUÇAS, A. Uso inteligente da água. São Paulo: Ed.Escrituras, SABESP. Água de Reúso. Disponível em <http://site.sabesp.com.br/site/interna/default.aspx?secaoid=131>. Acesso em 28 de julho de SABESP. Tratamento de Esgoto. Disponível em <http://site.sabesp.com.br/site/interna/default.aspx?secaoid=49> Acesso em 12 de agosto de SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE. LEI ESTADUAL - Disponível em <http://www.ambiente.sp.gov.br/legislacao/leis/lei-estadual-n%c2%b /> Acesso em 29 de julho de SECRETÁRIA DE SANEAMENTO E RECURSOS HÍDRICOS. Estatuto do Comitê da Bacia Hidrográfica do Alto Tietê. Disponível em bin/sigrh_home_colegiado.exe?tema=estatuto&colegiado=crh/cbh- AT&lwgactw= Acesso em 12 de agosto de SCHAUN, A.; UTSUNOMIYA, F. Comunicação e Sustentabilidade: Conceitos, Contextos e Experiências. Rio de Janeiro: Ed. E-papers, SOUZA, Maria T. S., Organização Sustentável: Indicadores setoriais dominantes para avaliação da sustentabilidade Análise de um segmento do setor de alimentação, 2000, 159f. Tese (Doutorado em Administração) Fundação Getúlio Vargas Escola de Administração de Empresas de São Paulo, São Paulo TACHIZAWA, T., DE ANDRADE, R. O. B. de A. Gestão Socioambiental: Estratégias na Nova Era da Sustentabilidade, 1 ed. Rio de Janeiro: Ed. Elsevier, TAYLOR, D.; PROCTER, M. The literature review: a few tips on condcting. it Disponível em: <http://www.utoronto.ca/writing/litrev.html> Acesso em: 01 de agosto de TUNDISI, J. G, MATSUMURA, T, Recursos Hídricos no século XXI. São Paulo: Ed. Oficina de textos, YIN, R, K. Estudo de caso: Planejamento e Métodos. Porto Alegre: Bookman, 2001.

Título do Projeto: O Ciclo da Água no Espaço Natura Cajamar. Categoria em que o Projeto concorre: Meio Ambiente

Título do Projeto: O Ciclo da Água no Espaço Natura Cajamar. Categoria em que o Projeto concorre: Meio Ambiente 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Título do Projeto: O Ciclo da Água no Espaço Natura Cajamar Nome da Empresa: Natura Cosméticos S/A CNPJ da Empresa: 71.673.990/0001-77 Categoria em que o Projeto concorre: Meio

Leia mais

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA...

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA... REUSO ÁGUA: INTELIGÊNCIA... PLANEJADO DA UMA QUESTÃO DE CONSUMO DE ÁGUA doméstico Indústria Agricultura 18,60% 8,00% 22,40% 22,00% 59,00% 70,00% Brasil Mundo Consumo mundial = 3.240 km 3 / ano Consumo

Leia mais

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE O funcionamento de uma Estação de Tratamento de Efluente (ETE) compreende basicamente as seguintes etapas: pré-tratamento (gradeamento e desarenação), tratamento primário

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA.

ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA. ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA. Nilton de Paula da Silva 1 Ederaldo Godoy Junior 2 José Rui

Leia mais

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE Estação de Tratamento de Efluente (ETE) compreende basicamente as seguintes etapas: Pré-tratamento (gradeamento e desarenação), Tratamento primário (floculação e sedimentação),

Leia mais

Tipos de Reuso. . Reuso Industrial

Tipos de Reuso. . Reuso Industrial Cerca de 71% da superfície do planeta Terra é coberta por água. Cerca de 97,5% dessa água é salgada e está nos oceanos, 2,5% é doce sendo que deles, 2% estão nas geleiras, e apenas 0,5% estão disponíveis

Leia mais

CARIME DOS SANTOS SOUZA

CARIME DOS SANTOS SOUZA i CARIME DOS SATOS SOUZA Conservação e Reúso de Água em Indústria de Cosmético, Estudo de Caso da atura Cosméticos Sorocaba ovembro 2013 ii CARIME DOS SATOS SOUZA Conservação e Reúso de Água em Indústria

Leia mais

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades.

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. professor Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. Também serão produzidos, dentro de sala de aula, cartazes

Leia mais

Tratamento de Efluentes

Tratamento de Efluentes Tratamento de Efluentes A IMPORTÂNCIA DO TRATAMENTO DE EFLUENTES E A REGULAMENTAÇÃO DO SETOR INTRODUÇÃO Conservar a qualidade da água é fundamental, uma vez que apenas 4% de toda água disponível no mundo

Leia mais

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04.

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04. Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Tecnologia - FT Curso de Especialização em Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável CET 303 Química Aplicada Relatório: Visita técnica Estação de tratamento

Leia mais

DELTA AMBIENTAL Grupo Delta Vinil Estações Compactas de Tratamento de Esgotos Sanitários. Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE

DELTA AMBIENTAL Grupo Delta Vinil Estações Compactas de Tratamento de Esgotos Sanitários. Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE 1) APRESENTAÇÃO A Delta Ambiental oferece diversas opções de, com o intuito de poder adequar a melhor solução em termos de custo/benefício para cada situação

Leia mais

Abaixo pode ver como funciona a maior das 197 ETAs de São Paulo, a de Guaraú, que fica na zona norte da capital e abastece 8,1 milhões de pessoas!

Abaixo pode ver como funciona a maior das 197 ETAs de São Paulo, a de Guaraú, que fica na zona norte da capital e abastece 8,1 milhões de pessoas! A água captada de rios ou represas vem com folhas, peixes, lodo e muitas bactérias. Para chegar às casas limpa e sem cheiro, ela passa cerca de três horas dentro de uma estação de tratamento (ETA), o que

Leia mais

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA.

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA. INTRODUÇÃO Todo e qualquer sistema de captação e tratamento de efluente doméstico tem como destino final de descarte desse material, direta ou indiretamente, corpos d água como seus receptores. A qualidade

Leia mais

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Projeto de Reuso de Água Eng. Juliano Saltorato Fevereiro 2008 1) Identificação da Empresa: Endereço completo

Leia mais

Deivid Oliveira Analista Ambiental

Deivid Oliveira Analista Ambiental Deivid Oliveira Analista Ambiental Gestão da água e efluentes e alternativas de reuso Escassez Hídrica - Impacto na indústria O impacto sobre o setor possui uma abrangência ampla considerando o porte,

Leia mais

Destacando a importância do uso adequado dos recursos hídricos.

Destacando a importância do uso adequado dos recursos hídricos. Destacando a importância do uso adequado dos recursos hídricos. Leomir Silvestre e Rui Junior Captação, uso e reuso da água Vocês sabem como é feito o processo de captação de água? Captação, uso e reuso

Leia mais

Projeto Heróis da Água Fase III - 2014/2015

Projeto Heróis da Água Fase III - 2014/2015 O projeto O Projeto Heróis da Água é promovido pela EMAS de Beja e pela Câmara Municipal de Beja, enquadra-se na área da sensibilização e educação ambiental. O projeto mantem-se pelo 3.º ano e continua

Leia mais

Tratamento Descentralizado de Efluentes HUBER BioMem

Tratamento Descentralizado de Efluentes HUBER BioMem WASTE WATER Solutions Tratamento Descentralizado de Efluentes HUBER BioMem Solução HUBER para Tratamento Decentralizado de Efluentes Unidades móveis e fixas Uma variedade de opções de reutilização de efluentes

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO UNIVERSIDADE DE CAIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Produção mais Limpa: O Caso do Arranjo Produtivo Local Metal-Mecânico Mecânico Automotivo da Serra Gaúcha Eliana Andréa

Leia mais

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS Reunião Técnica Plano de Segurança da Água 23 de novembro de 2010 - OPAS Introdução Qualidade da água e saneamento inadequados provocam 1,8 milhão de mortes infantis a cada ano no mundo (OMS, 2004), o

Leia mais

Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX

Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX São Carlos, 31 de Janeiro de 2011. PROJETO REUSO DE ÁGUA - ELECTROLUX 1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: Electrolux do Brasil S/A Unidade: São Carlos

Leia mais

Reuso macroexterno: reuso de efluentes provenientes de estações de tratamento administradas por concessionárias ou de outra indústria;

Reuso macroexterno: reuso de efluentes provenientes de estações de tratamento administradas por concessionárias ou de outra indústria; Um local de grande potencialidade de reutilização de efluentes de ETE s é o setor industrial, afirma Giordani (2002), visto que várias fases dos processos produtivos podem aceitar águas de menor qualidade,

Leia mais

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água.

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. ÁGUA Água conhecida como elemento vital Comunidades primitivas evoluídas Água Sobrevivência História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. Civilizações mais primitivas comunidades nômades

Leia mais

é preservar a vida. tivessem visto a Terra pudesse vir a existir. determinou que a vida, Se nossos antepassados Por isso, preservar a água

é preservar a vida. tivessem visto a Terra pudesse vir a existir. determinou que a vida, Se nossos antepassados Por isso, preservar a água Se nossos antepassados tivessem visto a Terra sob a perspectiva dos astronautas, certamente a teriam batizado de Planeta Água. A presença desse elemento constituído por duas moléculas de hidrogênio e uma

Leia mais

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. INFORMAÇÕES

Leia mais

Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário

Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário AULA 13 Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário Após o uso da água em qualquer que seja o equipamento sanitário (chuveiro, lavatório, bacia sanitária, pia de cozinha, etc.), a água utilizada (efluente) deve

Leia mais

AÇÕES IMPLEMENTADAS PARA O REUSO DE ÁGUA NA FÁBRICA PALESTRANTE: JOÃO HENRIQUE TEIXEIRA CAMACHO

AÇÕES IMPLEMENTADAS PARA O REUSO DE ÁGUA NA FÁBRICA PALESTRANTE: JOÃO HENRIQUE TEIXEIRA CAMACHO AÇÕES IMPLEMENTADAS PARA O REUSO DE ÁGUA NA FÁBRICA PALESTRANTE: JOÃO HENRIQUE TEIXEIRA CAMACHO . . A SITUAÇÃO DA ÁGUA NO BRASIL. O Brasil detém 11,6% da água doce superficial do mundo. Os 70 % da água

Leia mais

Encanador. 4) Número de Aulas: O trabalho será realizado em cinco etapas, divididas em aulas a critério do professor.

Encanador. 4) Número de Aulas: O trabalho será realizado em cinco etapas, divididas em aulas a critério do professor. Encanador 1) Objetivos Gerais Aprofundar os conhecimentos sobre o profissional que tem como um dos focos de trabalho a água e o saneamento básico, assim como problemas que podem ocorrer quando houver sinistros

Leia mais

Apresentação Hendrik Wernick Mercado de Biogás Opus Solutions 1ª CONFERÊNCIA DAS RENOVÁVEIS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. São Paulo 23/10/2012

Apresentação Hendrik Wernick Mercado de Biogás Opus Solutions 1ª CONFERÊNCIA DAS RENOVÁVEIS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. São Paulo 23/10/2012 Apresentação Hendrik Wernick Mercado de Biogás Opus Solutions 1ª CONFERÊNCIA DAS RENOVÁVEIS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA São Paulo 23/10/2012 1 Composição Composição do biogás: Metano CH 4 45 75 Vol% Dióxido

Leia mais

CATÁLOGO DOS PRODUTOS QUIMICOS

CATÁLOGO DOS PRODUTOS QUIMICOS CATÁLOGO DOS PRODUTOS QUIMICOS COMERCIALIZADOS PELA: Polímeros Catiônicos (Polieletrólitos) Funções e Benefícios Os Polímeros catiônicos comercializados pela AUTON têm alto poder de floculação, sendo utilizados

Leia mais

PROJETO DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS

PROJETO DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS GOVERNO DE ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETÁRIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO ESCOLA ESTADUAL NAIR PALÁCIO DE SOUZA NOVA ANDRADINA - MS PROJETO DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS 1.TÍTULO: Projeto Óleo e água não se

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ESTUDO DE CASO: LATICÍNIO DO COLÉGIO AGRÍCOLA ESTADUAL MANOEL RIBAS

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ESTUDO DE CASO: LATICÍNIO DO COLÉGIO AGRÍCOLA ESTADUAL MANOEL RIBAS GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ESTUDO DE CASO: LATICÍNIO DO COLÉGIO AGRÍCOLA ESTADUAL MANOEL RIBAS Ana Cláudia Ueda (*), Magali Bernardes Maganhini * Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Apucarana.

Leia mais

Aula 1º P ESA A Importância do Tratamento dos Esgotos

Aula 1º P ESA A Importância do Tratamento dos Esgotos Aula 1º P ESA A Importância do Tratamento dos Esgotos 28/05/2013 Ana Silvia Pereira Santos anasilvia.santos@ufjf.edu.br Temas Poluição da Água Níveis de atendimento no Brasil em relação ao esgotamento

Leia mais

Tratamento de Efluentes na Indústria e Estabelecimentos de Alimentos

Tratamento de Efluentes na Indústria e Estabelecimentos de Alimentos IV Curso de Controle de Qualidade na Indústria de Alimentos Tratamento de Efluentes na Indústria e Estabelecimentos de Alimentos Por: Djalma Dias da Silveira Eng. Químico Centro de Tecnologia - UFSM A

Leia mais

PROPOSTA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES EM EMPRESA ESPECIALIZADA EM RETÍFICA DE MOTORES

PROPOSTA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES EM EMPRESA ESPECIALIZADA EM RETÍFICA DE MOTORES PROPOSTA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES EM EMPRESA ESPECIALIZADA EM RETÍFICA DE MOTORES Felipe de Lima Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio grande do Sul Campus Sertão, Acadêmico do Curso

Leia mais

SISTEMA DE REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA RESIDUAIS DE PROCESSOS INDUSTRIAL E ESGOTO RESIDENCIAIS POR MEIO DE TRANSFORMAÇÃO TÉRMICAS FÍSICO QUÍMICA N0.

SISTEMA DE REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA RESIDUAIS DE PROCESSOS INDUSTRIAL E ESGOTO RESIDENCIAIS POR MEIO DE TRANSFORMAÇÃO TÉRMICAS FÍSICO QUÍMICA N0. SISTEMA DE REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA RESIDUAIS DE PROCESSOS INDUSTRIAL E ESGOTO RESIDENCIAIS POR MEIO DE TRANSFORMAÇÃO TÉRMICAS FÍSICO QUÍMICA N0. 4 JACIRO JOHNSON PEREIRA JACQUIMINOUT jaciro.jacquiminout@am.senai.br

Leia mais

Tecitec implanta Estação de Tratamento Biológico

Tecitec implanta Estação de Tratamento Biológico Matéria de Capa Tecitec implanta Estação de Tratamento Biológico Este sistema de tratamento de efluentes desenvolvido pela empresa constitui um passo importante rumo ao reuso não-potável de água, com baixos

Leia mais

Um pouco da nossa história

Um pouco da nossa história Um pouco da nossa história Possui 250 empresas Presente 57 países 119 mil empregados Produtos presente 175 países US$ 63,4 bilhões faturamento Instalada em SP em 1933 Em 1954 mudou-se para SJC 1 milhão

Leia mais

AÇÕES PARA UM PROCESSO DE PINTURA SUSTENTÁVEL

AÇÕES PARA UM PROCESSO DE PINTURA SUSTENTÁVEL AÇÕES PARA UM PROCESSO DE PINTURA SUSTENTÁVEL Luciane Souza, Ronnie Oliveira Mercedes-Benz do Brasil, unidade Juiz de Fora RESUMO A Mercedes-Benz tem como princípio a sustentabilidade. Baseado nesse princípio,

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) Princípios de reúso de água na indústria Ministrante: Química Industrial Ana Elisa S. Caravetti Gerente de projetos especiais da Kurita do Brasil Contatos:

Leia mais

Tratamento de Efluentes: fundamentais no setor de tratamento de superfície

Tratamento de Efluentes: fundamentais no setor de tratamento de superfície Tratamento de Efluentes: fundamentais no setor de tratamento de superfície Além de uma análise técnica bastante interessante sobre a importância do tratamento de efluentes no nosso setor, feito por um

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I Sistema de Esgotamento Sanitário

Leia mais

Tecnologia em Água de Reuso e potencial de aplicação em processos industriais.

Tecnologia em Água de Reuso e potencial de aplicação em processos industriais. Tecnologia em Água de Reuso e potencial de aplicação em processos industriais. ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS ETE JESUS NETTO ETE JESUS NETTO BACIA DE ESGOTAMENTO HISTÓRICO Estação Experimental de Tratamento

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS E PASSIVOS AMBIENTAIS XEROX

GESTÃO DE RESÍDUOS E PASSIVOS AMBIENTAIS XEROX GESTÃO DE RESÍDUOS E PASSIVOS AMBIENTAIS XEROX Elias S. Assayag eassayag@internext.com.br Leonardo A. Forte leonardoforte@manaus.br Universidade do Amazonas, Departamento de Hidráulica e Saneamento da

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL INTEGRADA

ENGENHARIA CIVIL INTEGRADA ENGENHARIA CIVIL INTEGRADA ARAÇATUBA 2014 Nome Antônio Paulo da Silva Gama Bruno Roger Hoshino dos Santos Gustavo Chozi Izabela dos Santos Eduardo RA A424BG-5 A546BC-0 A395CC-0 A571BH-6 SISTEMA DE TRATAMENTO

Leia mais

Coleta e reciclagem de óleo de fritura.

Coleta e reciclagem de óleo de fritura. Nivia Sueli de Freitas, Roberto Góes Menicucci e Ricardo Motta Pinto Coelho Coleta e reciclagem de óleo de fritura. Saiba como contribuir com o meio ambiente e ainda ganhar em troca. Belo Horizonte. MG

Leia mais

Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de. Antônio Malard FEAM 09/06/2015

Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de. Antônio Malard FEAM 09/06/2015 Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de Reuso de Água Antônio Malard FEAM 09/06/2015 Sumário Legislações de Reuso; Consumo de Água na Indústria; Experiências de Sucesso: Banco de Boas Práticas Ambientais;

Leia mais

Reuso de Água na ArcelorMittal Tubarão. Maio /2015

Reuso de Água na ArcelorMittal Tubarão. Maio /2015 Reuso de Água na ArcelorMittal Tubarão Maio /2015 A empresa produtora de aço Número um no mundo PERFIL Líder nos principais mercados, entre eles o de automóveis, construção, eletrodomésticos e embalagens.

Leia mais

Tecnologias em tratamentos de água, esgoto e lodos como forças motivadoras para acelerar a universalização do Saneamento no Brasil

Tecnologias em tratamentos de água, esgoto e lodos como forças motivadoras para acelerar a universalização do Saneamento no Brasil Tecnologias em tratamentos de água, esgoto e lodos como forças motivadoras para acelerar a universalização do Saneamento no Brasil Palestrante: Valdir Folgosi Dez/2010 Índice Abimaq / Sindesam Tecnologias

Leia mais

TÍTULO: Alternativa Para Desaguamento de Lodo de Estação de Tratamento de Água e Esgoto por Bag S de Secagem

TÍTULO: Alternativa Para Desaguamento de Lodo de Estação de Tratamento de Água e Esgoto por Bag S de Secagem TÍTULO: Alternativa Para Desaguamento de Lodo de Estação de Tratamento de Água e Esgoto por Bag S de Secagem TEMA: Resíduos Sólidos AUTORES: Engª Gládis Meiry Matteo responsável pela apresentação oral

Leia mais

Conteúdo: A água. O ciclo da água. Estados físicos da água. Tecnologia de tratamento. Combate ao desperdício. CIÊNCIAS DA NATUREZA

Conteúdo: A água. O ciclo da água. Estados físicos da água. Tecnologia de tratamento. Combate ao desperdício. CIÊNCIAS DA NATUREZA 2 Conteúdo: A água. O ciclo da água. Estados físicos da água. Tecnologia de tratamento. Combate ao desperdício. 3 Habilidades: Refletir sobre a importância da água para o Planeta Terra, para a vida e o

Leia mais

Acquasolution Consultoria Ambiental Programa de Capacitação e Desenvol- vimento Operacional em Tratamento de Água e Efl uentes AcquaTraining

Acquasolution Consultoria Ambiental Programa de Capacitação e Desenvol- vimento Operacional em Tratamento de Água e Efl uentes AcquaTraining 2 QUEM SOMOS A Acquasolution Consultoria Ambiental é uma empresa provedora de soluções integradas em sistemas de tratamento de água e efluentes voltada para a melhoria do gerenciamento das operações e

Leia mais

Prof. Jose Roberto Scolforo Reitor da Universidade Federal de Lavras UFLA. jscolforo@ufla.br

Prof. Jose Roberto Scolforo Reitor da Universidade Federal de Lavras UFLA. jscolforo@ufla.br Prof. Jose Roberto Scolforo Reitor da Universidade Federal de Lavras UFLA jscolforo@ufla.br Câmpus da UFLA em 2015 Discentes graduação:11.607 Discentes pós-graduação: 2.184 Técnicos: 563 Docentes: 603

Leia mais

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O.

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS São os flocos produzidos num esgoto bruto o decantado pelo crescimento de bactérias ou outros microorganismos, na presença de oxigênio dissolvido

Leia mais

De acordo com uma notícia dada pela Gazeta

De acordo com uma notícia dada pela Gazeta A U A UL LA Poluição da água Deu no jornal De acordo com uma notícia dada pela Gazeta Mercantil, de 11/01/94, o excesso de efluentes industriais e de esgoto doméstico lançados no leito do rio Iririú, em

Leia mais

Apresentação Comercial Março/2013 TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES

Apresentação Comercial Março/2013 TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES Apresentação Comercial Março/2013 TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES Atualmente, 1/3 da população mundial sofre escassez de água. Em 2050, mais de 2/3 da população mundial sofrerá deste problema! [ ] É consenso

Leia mais

*Silvia Benedetti Edna Regina Amante Luis Fernando Wentz Brum Luis Carlos de Oliveira Jr. São Paulo 2009

*Silvia Benedetti Edna Regina Amante Luis Fernando Wentz Brum Luis Carlos de Oliveira Jr. São Paulo 2009 Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Alimentos REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA DE PROCESSO E RESÍDUOS DE INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS *Silvia Benedetti Edna Regina Amante

Leia mais

Coleta e reciclagem de óleo de fritura.

Coleta e reciclagem de óleo de fritura. Nivia Sueli de Freitas e Ricardo Motta Pinto Coelho Coleta e reciclagem de óleo de fritura. Saiba como contribuir com o meio ambiente e ainda ganhar em troca. Belo Horizonte. MG 201 1-3 - 2ª Edição Prêmio

Leia mais

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA E ESGOTO DE PRESIDENTE VENCESLAU/SP BREVE ANÁLISE

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA E ESGOTO DE PRESIDENTE VENCESLAU/SP BREVE ANÁLISE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA E ESGOTO DE PRESIDENTE VENCESLAU/SP BREVE ANÁLISE Flávia Dias Martins, Jéssica Santos de Souza, Jéssica Tiemi Saito, Leticia Souza Primo, Mariana Ferreira Leme, Mariana Maia

Leia mais

Problemas Ambientais Urbanos

Problemas Ambientais Urbanos Problemas Ambientais Urbanos INVERSÃO TÉRMICA É comum nos invernos, principalmente no final da madrugada e início da manhã; O ar frio, mais denso, é responsável por impedir a dispersão de poluentes (CO,

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

ASBEA GRUPO DE TRABALHO DE SUSTENTABILIDADE. RECOMENDAÇÕES BÁSICAS PARA PROJETOS DE ARQUITETURA. INTRODUÇÃO

ASBEA GRUPO DE TRABALHO DE SUSTENTABILIDADE. RECOMENDAÇÕES BÁSICAS PARA PROJETOS DE ARQUITETURA. INTRODUÇÃO ASBEA GRUPO DE TRABALHO DE SUSTENTABILIDADE. RECOMENDAÇÕES BÁSICAS PARA PROJETOS DE ARQUITETURA. INTRODUÇÃO O Grupo de Trabalho de Sustentabilidade da AsBEA, às vésperas de completar seu primeiro ano de

Leia mais

ETEs COMPACTAS VERTICAIS BIOFIBER

ETEs COMPACTAS VERTICAIS BIOFIBER ETEs COMPACTAS VERTICAIS BIOFIBER APRESENTAÇÃO O tratamento de esgoto nos centros urbanos tem se mostrado um desafio crescente. Devido à área requerida para implantação, bem como dos maus odores característicos

Leia mais

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes revista especializada em tratamento de DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS ULTRAVIOLETA Sistema de decantação Ação dos decantadores em tratamento de água Fenasan 2013 9 772236 261064 junho/julho-2013

Leia mais

REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES

REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES OBTER ÁGUA DE REUSO DE BOA QUALIDADE COMEÇA POR UM SISTEMA TRATAMENTO DE ESGOTOS DE ALTA PERFORMANCE TRATAMENTO PRIMÁRIO: CONSISTE NA SEPARAÇÃO

Leia mais

Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies. Gianfranco Verona

Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies. Gianfranco Verona Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies Gianfranco Verona DESCARTE ZERO NUMA CABINE DE PINTURA SKIMMERFLOT Para o tratamento e a reutilização de águas provenientes

Leia mais

Moda em SP, reúso de água é praxe na indústria

Moda em SP, reúso de água é praxe na indústria Moda em SP, reúso de água é praxe na indústria - Dotadas de poderosas estações de tratamento, montadoras chegam a recuperar 99% da água usada no processo produtivo Incomodada com a recente crise de abastecimento

Leia mais

A Água na Indústria de Alimentos: uso, reuso e suas implicações ambientais

A Água na Indústria de Alimentos: uso, reuso e suas implicações ambientais A Água na Indústria de Alimentos: uso, reuso e suas implicações ambientais i 20/07/2007 José Luiz Silvério da Silva CCNE Djalma Dias da Silveira - CT Introdução Água é essencial: Sua ausência impossibilita

Leia mais

"Água e os Desafios do. Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO.

Água e os Desafios do. Setor Produtivo EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. "Água e os Desafios do Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O PAPEL DE CADA UM É o desenvolvimento que atende às necessidades

Leia mais

Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa. Prof. Dr. Douglas Wittmann. São Paulo - 2015

Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa. Prof. Dr. Douglas Wittmann. São Paulo - 2015 Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa Prof. Dr. Douglas Wittmann São Paulo - 2015 Prof. Dr. Douglas Wittmann Doutor em Ciências (USP). Mestre em Engenharia de Produção (UNIP). Pós-graduado em

Leia mais

ECOEFICIENCIA URBANA E RESÍDUOS SÓLIDOS

ECOEFICIENCIA URBANA E RESÍDUOS SÓLIDOS ECOEFICIENCIA URBANA E RESÍDUOS SÓLIDOS Dentre as várias contribuições das pesquisas na área psicologia, está a de promover e assegurar o desenvolvimento de pessoas e grupos sociais, visando sempre a melhoria

Leia mais

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1. Tipo e Características do solo: 1.2. Topografia: 1.3. Cobertura Vegetal: 1.4. Descrição do acesso: 1.5.

Leia mais

ETE do Baldo - Natal/RN

ETE do Baldo - Natal/RN ETE do Baldo - Natal/RN A Estação de Tratamento de Esgoto do Sistema Central de Natal, localizada no bairro do Baldo, na rua Capitão Silveira Barreto S/N, constitui-se num investimento de aproximadamente

Leia mais

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos w Gestão Ambiental na Sabesp Workshop Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos Sup. Wanderley da Silva Paganini São Paulo, 05 de maio de 2011. Lei Federal 11.445/07 Lei do Saneamento

Leia mais

Expediente... Série Educação Ambiental Água Coordenadoria de Comunicação Social do Semasa Projeto gráfico e ilustrações: Marcelo Pacheco

Expediente... Série Educação Ambiental Água Coordenadoria de Comunicação Social do Semasa Projeto gráfico e ilustrações: Marcelo Pacheco Expediente... Série Educação Ambiental Água Coordenadoria de Comunicação Social do Semasa Projeto gráfico e ilustrações: Marcelo Pacheco 5 A água no Planeta Terra A água tem uma enorme importância para

Leia mais

LEI N 1.192, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2007

LEI N 1.192, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2007 LEI N 1.192, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2007 CRIA, no município de Manaus, o Programa de Tratamento e Uso Racional das Águas nas edificações PRO-ÁGUAS. O PREFEITO DE MANAUS, usando das atribuições que lhe são

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NORMAS ISO 14000 CONCEITOS A preocupação com a estabilidade das linhas tênues de amarração dos ecossistemas conduz os estudiosos a analisar os fatores que podem gerar a ruptura desses sistemas. GESTORES

Leia mais

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa PROTEÇÃO AMBIENTAL Professor André Pereira Rosa ALTERAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS CARACTERÍSTICAS DAS IMPUREZAS 99,9 % 0,1 % Esgotos Sólidos Poluição tratamento Impurezas justificam a instalação de ETE

Leia mais

Associação Brasileira da Indústria Química INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL

Associação Brasileira da Indústria Química INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Associação Brasileira da Indústria Química INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Sumário da apresentação Desenvolvimento do ISA Indicadores de Sustentabilidade Ambiental Indicadores Sustentabilidade

Leia mais

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias Fossas sépticas e disposição final dos efluentes Francisco Glaucio Cavalcante de Souza Doutorando em Engenharia Hidráulica e Saneamento Introdução O que fazer

Leia mais

Química das Águas - parte 3

Química das Águas - parte 3 QUÍMICA AMBIENTAL Química das Águas - parte 3 Aula S07 - Purificação de águas poluídas (Tratamento de esgoto) Prof. Rafael Arromba de Sousa Departamento de Química UFJF 2º período de 2013 Recapitulando...

Leia mais

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. Copyright Ecovalor Consultoria

Leia mais

USO RACIONAL DA ÁGUA 2008

USO RACIONAL DA ÁGUA 2008 USO RACIONAL DA ÁGUA Tipos de Água: Água potável - é a que se pode beber. É fundamental para a vida humana, e é obtida através de tratamentos que eliminam qualquer impureza. Água poluída - É a água suja

Leia mais

ÁGUA MAIS LIMPA MAIS LIMPA ÁGUA

ÁGUA MAIS LIMPA MAIS LIMPA ÁGUA Efluentes ÁGUA MAIS LIMPA O tratamento de efluentes em abatedouros avícolas é obrigatório e fundamental para amenizar o impacto ambiental da atividade. A água tratada pode retornar à natureza sem poluir

Leia mais

Logística Ambiental: Adequação das organizações a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Msc. Renata Quemel Pires

Logística Ambiental: Adequação das organizações a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Msc. Renata Quemel Pires Logística Ambiental: Adequação das organizações a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Msc. Renata Quemel Pires Desenvolvimento Sustentável É obter o crescimento econômico contínuo através de um manejo

Leia mais

Desafios e perspectivas do reuso de esgotos sanitários em áreas urbanas: O projeto da ETE Penha - CEDAE. Edição 26/03/08

Desafios e perspectivas do reuso de esgotos sanitários em áreas urbanas: O projeto da ETE Penha - CEDAE. Edição 26/03/08 Desafios e perspectivas do reuso de esgotos sanitários em áreas urbanas: O projeto da ETE Penha - CEDAE Edição 26/03/08 1 Desafios e perspectivas do reuso de esgotos sanitários em áreas urbanas: O projeto

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA DIRETRIZES GERAIS: O Plano de Controle Ambiental (PCA), será apresentado pelo requerente da licença e constituir-se-á de

Leia mais

Aplicação de sistema hidráulico em uma estação de tratamento e elevação de água

Aplicação de sistema hidráulico em uma estação de tratamento e elevação de água Aplicação de sistema hidráulico em uma estação de tratamento e elevação de água Luciana MENDONÇA 1 ; Fádua Maria do Amaral SAMPAIO 2 ; Laureilton José Almeida BORGES 3 ; Haroldo Machado de OLIVEIRA 4 ;

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

Durante séculos, em diversos locais ao redor do planeta, as pessoas

Durante séculos, em diversos locais ao redor do planeta, as pessoas Manejo Sustentável da água Conteúdo deste documento: I. Introdução à captação e armazenamento de água da chuva II. Vantagens da utilização de água da chuva III. Considerações sobre a qualidade da água

Leia mais

GERENCIAMENTO DO RESÍDUO DE PVC

GERENCIAMENTO DO RESÍDUO DE PVC GERENCIAMENTO DO RESÍDUO DE PVC 4.1 - O Que é Gerenciamento de Resíduo? Gerenciamento de Resíduo é um conjunto integrado de ações operacionais e de planejamento que envolvem custo. Gerenciar um resíduo

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 INTRODUÇÃO: O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, do ano de 2011, de qualidade dos efluentes da estação de tratamento de esgotos

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE DEDETIZADORAS, LIMPA FOSSA E EMPRESAS QUE PRESTA SERVIÇO DE LIMPEZA. Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL

Leia mais

ESTUDO SOBRE DESTINAÇÃO ADEQUADA AOS RESÍDUOS LÍQUIDOS, SÓLIDOS E GASOSOS GERADOS NO PROCESSO DE GALVANOPLASTIA DA INDÚSTRIA I. T.

ESTUDO SOBRE DESTINAÇÃO ADEQUADA AOS RESÍDUOS LÍQUIDOS, SÓLIDOS E GASOSOS GERADOS NO PROCESSO DE GALVANOPLASTIA DA INDÚSTRIA I. T. ESTUDO SOBRE DESTINAÇÃO ADEQUADA AOS RESÍDUOS LÍQUIDOS, SÓLIDOS E GASOSOS GERADOS NO PROCESSO DE GALVANOPLASTIA DA INDÚSTRIA I. T. Jaqueline Aparecida Toigo IC-Fecilcam, Engenharia de Produção Agroindustrial,

Leia mais

Eixo Temático ET-01-001 - Gestão Ambiental

Eixo Temático ET-01-001 - Gestão Ambiental Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - Vol. 2: Congestas 214 ISSN 2318-763 21 Eixo Temático ET-1-1 - Gestão Ambiental IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL EM UMA

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: A água nunca está em estado puro, livre de

Leia mais

1. Remover e, simultaneamente, impedir a formação de depósitos de carbonato em superfícies internas de equipamentos de transferência de calor. 2.

1. Remover e, simultaneamente, impedir a formação de depósitos de carbonato em superfícies internas de equipamentos de transferência de calor. 2. 1. Remover e, simultaneamente, impedir a formação de depósitos de carbonato em superfícies internas de equipamentos de transferência de calor. 2. Otimizar processos que utilizam qualquer tipo de líquido.

Leia mais

Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro

Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro Inaugurada há pouco mais de 3 anos, Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) garante melhorias na qualidade da água do córrego Lucas, que

Leia mais

Aplicação do software Elipse E3 na Estação de Tratamento de Esgoto ABC ETEABC, em São Paulo

Aplicação do software Elipse E3 na Estação de Tratamento de Esgoto ABC ETEABC, em São Paulo Aplicação do software Elipse E3 na Estação de Tratamento de Esgoto ABC ETEABC, em São Paulo Apresentamos neste case a implantação do software E3 para monitorar o processo realizado na Estação de Tratamento

Leia mais

IPEM PR REGIONAL DE CASCAVEL TRABALHO MONITORAMENTO DA ÁGUA UTILIZADA NAS VERIFICAÇÕES DE CAMINHÃO E VAGÃO TANQUE

IPEM PR REGIONAL DE CASCAVEL TRABALHO MONITORAMENTO DA ÁGUA UTILIZADA NAS VERIFICAÇÕES DE CAMINHÃO E VAGÃO TANQUE IPEM PR REGIONAL DE CASCAVEL TRABALHO MONITORAMENTO DA ÁGUA UTILIZADA NAS VERIFICAÇÕES DE CAMINHÃO E VAGÃO TANQUE Para refletir A Água A água, tal como o Sol, é essencial para a vida na Terra. A água é

Leia mais