AVALIAÇÃO DE ALTERNATIVAS PARA PRÉ-TRATAMENTO DE EFLUENTES DE INDÚSTRIAS AGRO-ALIMENTARES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DE ALTERNATIVAS PARA PRÉ-TRATAMENTO DE EFLUENTES DE INDÚSTRIAS AGRO-ALIMENTARES"

Transcrição

1 MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA DO AMBIENTE AVALIAÇÃO DE ALTERNATIVAS PARA PRÉ-TRATAMENTO DE EFLUENTES DE INDÚSTRIAS AGRO-ALIMENTARES PROJECTO EM AMBIENTE EMPRESARIAL JULHO 2009 Inês Coelho Guimarães Vale Orientadores FEUP Prof. Doutor Paulo Tenreiro dos Santos Monteiro ATMAD Dr.ª Noémia Cristina Rodrigues dos Santos

2 MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA DO AMBIENTE 2008/2009 DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MINAS Tel Fax Editado por FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Rua Dr. Roberto Frias PORTO Portugal Tel Fax Reproduções parciais deste documento serão autorizadas na condição que seja mencionado o Autor e feita referência a Mestrado Integrado em Engenharia do Ambiente / Departamento de Engenharia de Minas, Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, Porto, Portugal, As opiniões e informações incluídas neste documento representam unicamente o ponto de vista do respectivo Autor, não podendo o Editor aceitar qualquer responsabilidade legal ou outra em relação a erros ou omissões que possam existir. Este documento foi produzido a partir de versão electrónica fornecida pelo respectivo Autor. 2 2

3 AGRADECIMENTOS Em primeiro lugar quero agradecer aos meus orientadores, Professor Doutor Paulo Monteiro e Dr.ª Noémia Santos, por todos os ensinamentos que me transmitiram, pelo encorajamento, constante disponibilidade e apoio no acompanhamento deste trabalho. Agradeço às empresas envolvidas neste projecto e respectivos responsáveis, a sua colaboração, cedência de dados e informações necessárias para o desenvolvimento do projecto. No que diz respeito ao trabalho experimental, agradeço à empresa ATMAD pela disponibilização das suas instalações laboratoriais para a realização das análises necessárias para a execução do projecto, bem como aos funcionários dos laboratórios de controlo operacional, pela ajuda e acompanhamento durante mesmas as análises laboratoriais. Agradeço a todos os meus colegas pela sua disponibilidade e apoio, proporcionando um bom ambiente de trabalho. Aos meus pais, a toda a minha família e amigos obrigada por todo o apoio que sempre me deram. i

4 ii ii

5 RESUMO O trabalho realizado aborda a problemática das emissões de águas residuais industriais, e expõe alternativas de pré-tratamento de águas de indústrias agro-alimentares na zona de Trás-os-Montes e Alto Douro. As unidades industriais abordadas neste trabalho foram as seguintes: uma de produção de vinho, uma de produção de lacticínios, um matadouro e uma de produção de enchidos. Todas estas empresas emitem os seus efluentes, tratados ou não, para colectores concessionados pelas Águas de Trás-os- Montes e Alto Douro, que são assim responsáveis pelo seu tratamento até ao meio receptor. As ETAR abrangidas neste estudo são a ETAR de S. Miguel de Lobrigos, a ETAR de Cambres, a ETAR de Resende-Mirão e a ETAR de Mirandela. Na primeira fase deste trabalho tomou-se conhecimentos sobre as empresas e sobre as ETAR receptoras das respectivas águas residuais. Realizou-se um levantamento de possíveis soluções para o tratamento de águas residuais de cada tipo de indústria estudada. Na fase seguinte efectuaram-se visitas às unidades industriais estudadas e às respectivas ETAR receptoras dos efluentes, onde se recolheram amostras e foram realizadas as análises para a caracterização das águas residuais destas empresas e ETAR, onde se realizaram comparações dos diferentes parâmetros analisados a partir de diferentes afluências. A fase final consistiu na apresentação de soluções para cada empresa de modo a permitir conjugar a rentabilização do investimento já efectuado e a implementação de alternativas que permitam a descarga de águas residuais em cumprimento com os valores de emissão estabelecidos no REAR- ATMAD. Tendo em conta que a empresa vitivinícola dispõe de um sistema de tratamento, optou-se por optimizar esse sistema tendo em vista melhorar as suas eficiências. Em relação à empresa de lacticínios, que também possui uma ETAR, efectuou-se uma avaliação da proposta de remodelação já desenvolvida, assinalando os aspectos positivos e apresentando soluções alternativas às apresentadas pelo projecto em causa. No matadouro estudado conclui-se que a manutenção do funcionamento do pré-tratamento já implementado assegura uma remoção eficiente das cargas orgânicas contaminantes, no entanto um aumento de produção poderá viabilizar pré-tratamentos alternativos, cuja implementação aprofundámos. Para a empresa de enchidos, visto não apresentar qualquer tipo de tratamento, dimensionou-se uma câmara de decantação e de retenção de gorduras, que melhora consideravelmente as características finais da água residual com destino ao colector municipal. PALAVRAS-CHAVE: Indústrias agro-alimentares, águas residuais industriais, tratamento de efluentes, Gestão de redes de drenagem urbanas, pré-tratamento de efluentes industriais. iii

6 iv iv

7 ABSTRACT This case study deals with industrial wastewaters problems and consists of the examination of alternative of pre-treatment of wastewaters of agro-food industries in the region of Trás-os-Montes and Alto Douro. Several industrial units were covered in this study, namely a wine production unit, a dairy production unit, a slaughterhouse and a sausage production. All these companies deliver their wastewaters, treated or not, for collector s concession of Águas de Trás-os-Montes and Alto Douro, which are then responsible for their treatment. The WWTP (Wastewater Treatment Plant) covered in this study are the WWTP of S. Miguel de Lobrigos, the WWTP of Cambres, the WWTP of Resende-Mirão and the WWTP of Mirandela. In a first phase of this work, knowledge of the industries and the WWTP receiving their wastewaters was collected. A survey of possible solutions to the wastewater treatment of each type of industry studied was carried out. In the next step visits to industrial units studied and the WWTP receiving their wastewaters were done, where samples were collected and tests were performed in order to characterize these wastewaters of the industries and of WWTP. Comparisons were then made with different parameters from different influx. In the final phase, solutions that allow the return of the investment were presented for each of the studied industries, as well as solutions for the implementation of alternatives that allow the discharge of wastewater in compliance with emission values set out in REAR-ATMAD. As the wine industry has a treatment system, the optimization and improvement of the efficiencies of this system was chosen. In the case of the dairy industry, which also has a plant, an assessment of the proposed and already developed remodelling was carried out, highlighting the positive aspects and presenting alternative solutions. At the slaughterhouse study, it was concluded that maintaining the functioning of pre-treatment already in place ensures efficient removal of organic contaminants loads, however an increase in pre-production may allow alternative treatments, whose implementation was studied in more detail. For the company of sausage, which does not make any kind of treatment, a settling and fat retention chamber was designed, which considerably improves the final characteristics of the effluent to the municipal sewer. KEYWORDS: Agro-food industries, industrial wastewaters, effluent treatment, management of urban drainage networks, pre-treatment of industrial effluents. v

8 vi vi

9 ÍNDICE AGRADECIMENTOS...i RESUMO...iii ABSTRACT...v ÍNDICE...vii LISTA DE ABREVIATURAS...ix ÍNDICE DE TABELAS...xi ÍNDICE DE FIGURAS...xiii 1 INTRODUÇÃO DESCRIÇÃO DO PROJECTO ÁGUAS DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO ENQUADRAMENTO EMPRESA VITIVINÍCOLA EMPRESA DE LACTICÍNIOS MATADOURO PRODUÇÃO DE ENCHIDOS CARACTERIZAÇÃO DO SISTEMA DE DRENAGEM E TRATAMENTO ETAR DE S. MIGUEL DE LOBRIGOS ETAR DE CAMBRES ETAR DE RESENDE MIRÃO ETAR DE MIRANDELA CARACTERIZAÇÃO DAS UNIDADES INDUSTRIAIS EMPRESA VITIVINÍCOLA EMPRESA DE LACTICÍNIOS MATADOURO EMPRESA DE PRODUÇÃO DE ENCHIDOS...47 vii

10 5 CARACTERIZAÇÃO DOS EFLUENTES E PROPOSTA DE SOLUÇÕES PARA AS UNIDADES INDUSTRIAIS EMPRESA VITIVINÍCOLA CARACTERIZAÇÃO DOS EFLUENTES PROPOSTA DE SOLUÇÕES DE PRÉ-TRATAMENTO DOS EFLUENTES DA EMPRESA VITIVINÍCOLA EMPRESA DE LACTICÍNIOS CARACTERIZAÇÃO DOS EFLUENTES PROPOSTA DE SOLUÇÕES DE PRÉ-TRATAMENTO DOS EFLUENTES DA EMPRESA DE LACTICÍNIOS MATADOURO CARACTERIZAÇÃO DOS EFLUENTES PROPOSTA DE SOLUÇÕES DE PRÉ-TRATAMENTO DOS EFLUENTES DO MATADOURO EMPRESA DE PRODUÇÃO DE ENCHIDOS CARACTERIZAÇÃO DOS EFLUENTES PROPOSTA DE SOLUÇÕES DE PRÉ-TRATAMENTO DOS EFLUENTES DA EMPRESA DE PRODUÇÃO DE ENCHIDOS CONCLUSÕES REFERÊNCIAS ANEXO A...A ANEXO B...B viii viii

11 LISTA DE ABREVIATURAS AHF Filtro Anaeróbio híbrido (Anaerobic Hybrid Filter) ARH - N Administrações de Região Hidrográfica - Norte ATMAD Águas de Trás-os-Montes e Alto Douro CBO 5 Carência Bioquímica de Oxigénio ao fim de 5 dias CQO Carência Química de Oxigénio DAF - Flotação por injecção de ar (Dissolved Air Flotation) ETAR Estação de Tratamento de Águas Residuais FIPA Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares IBL Índice Biótico de Lamas NT Azoto Total OD Oxigénio dissolvido O&G Óleos e gorduras PT Fósforo Total PME Pequenas e Médias Empresas Q Caudal REAR - ATMAD Regulamento de Exploração do Serviço Público de Saneamento de Águas Residuais do Sistema Multimunicipal das Águas de Trás-os-Montes e Alto Douro SBR Reactor Sequencial Descontínuo (Sequential Batch Reactor) SST Sólidos Suspensos Totais SSV Sólidos Suspensos Voláteis TRH Tempo de Retenção Hidráulico UASB Reactor Anaeróbio de Fluxo Ascendente(Up-flow Anaerobic Sludge Blanket) VLE Valor Limite de Emissão ix

12 x x

13 ÍNDICE DE TABELAS Tabela 1. Valores limite de emissão de acordo com o REAR - ATMAD....3 Tabela 2. Percentagens mínimas de remoção de acordo com a licença de descarga da ARH-N...4 Tabela 3. Resultados das análises aos diferentes tipos de processos (Frigon, J.-C. et al, 2009) Tabela 4. Especificações das membranas e pressões transmembranares em cada tipo de processo e respectivas percentagens de remoção de CQO (Yorgun, M.S. et al, 2007) Tabela 5.Efeito da concentração de substrato na produção de hidrogénio (Azbar, N. et al, 2009) Tabela 6. Efeito do TRH na produção de hidrogénio (Azbar, N. et al, 2009) Tabela 7. Resultados das eficiências de remoção de CQO e de óleos e gorduras (Bayramoglu, M. et al, 2006) Tabela 8. Resultados do tratamento electroquímica de águas residuais de um matadouro Tabela 9. Resultados das eficiências de remoção de CQO para cada método de tratamento Tabela 10. Resultados experimentais de percentagens de remoção...24 Tabela 11. Características de projecto da ETAR de S. Miguel de Lobrigos (Dados ATMAD)...26 Tabela 12. Características de projecto da ETAR de Cambres (Dados ATMAD)...30 Tabela 13. Características de projecto da ETAR de Resende-Mirão (Dados ATMAD) Tabela 14. Característica de projecto da ETAR de Mirandela (Dados ATMAD) Tabela 15. Dados relativos à produção de vinho Tabela 16. Dados diários relativos à produção de queijos da empresa Tabela 17. Resultados médios obtidos da amostragem na empresa produtora de vinho...51 Tabela 18. Resultados das análises da amostragem ao reactor biológico da empresa de produção de vinhos Tabela 19. Valores médios à entrada e à saída da ETAR de S. Miguel de Lobrigos Tabela 20. Valores das concentrações de CQO e de SST médias, mínimas, máximas das afluências e valores de projecto ETAR de S. Miguel de Lobrigos...55 xi

14 Tabela 21. Resultados médios obtidos das amostras na empresa de lacticínios Tabela 22. Resultados das análises no reactor biológico da ETAR da empresa de produtos lacticínios Tabela 23. Valores médios à entrada e à saída da ETAR de Cambres Tabela 24. Valores das concentrações de CQO e de SST médias, mínimas, máximas das afluências e valores de projecto ETAR de Cambres Tabela 25. Resultados obtidos na amostragem do Matadouro Tabela 26. Valores das concentrações de CQO e de SST médias, mínimas, máximas das afluências e valores de projecto ETAR de Resende-Mirão Tabela 27. Resultados obtidos na amostragem na empresa de produção de enchidos Tabela 28. Valores das concentrações de CQO e de SST médias, mínimas, máximas das afluências e valores de projecto ETAR de Mirandela Tabela 29. Resultados da análise de amostra bruta e das três camadas após 1 hora num cone de Imhoff Tabela 30. Valores obtidos a partir da análise laboratorial Tabela 31. Dados de dimensionamento do pré-tratamento da empresa de enchidos xii xii

15 ÍNDICE DE FIGURAS Figura 1. Mapa dos agrupamentos da ATMAD....3 Figura 2. Localização da ETAR de S. Miguel de Lobrigos escala de 1: Figura 3. Fluxograma da ETAR de S. Miguel de Lobrigos Figura 4. Vala de oxidação da ETAR de S. Miguel de Lobrigos...27 Figura 5. Decantador da ETAR de S. Miguel de Lobrigos...28 Figura 6. Localização da ETAR de Cambres escala 1: Figura 7. Fluxograma da ETAR de Cambres Figura 8. Decantador da ETAR de Cambres...31 Figura 9. Localização da ETAR de Resende Mirão escala 1: Figura 10. Fluxograma da ETAR de Resende - Mirão Figura 11. Sistema de gradagem Figura 12. Localização da ETAR de Mirandela escala 1: Figura 13. Diagrama da ETAR de Mirandela...37 Figura 14. Obra de entrada da ETAR de Mirandela Figura 15. Tanques de arejamento da ETAR de Mirandela Figura 16. Fluxograma da ETAR da Empresa Vitivinícola Figura 17. Fluxograma do processo de produção de soro concentrado Figura 18. Diagrama do processo de tratamento efluentes da empresa de produtos lácteos...44 Figura 19. Processo de tratamento de efluentes do matadouro...46 Figura 20. Evolução do teor de ph de afluências à ETAR de S. Miguel de Lobrigos Figura 21. Evolução da concentração de CQO de afluências à ETAR de S. Miguel de Lobrigos...54 Figura 22. Evolução da concentração de SST de afluências à ETAR de S. Miguel de Lobrigos...55 Figura 23. Evolução da concentração de CQO de afluências à ETAR de Cambres. 61 Figura 24. Evolução da concentração de SST de afluências à ETAR de Cambres..61 Figura 25. Fluxograma do processo de tratamento do projecto de execução para a nova ETAR da empresa de lacticínios Figura 26. Fluxograma das alterações propostas xiii

16 Figura 27. Evolução da concentração de CQO de afluências à ETAR de Resende- Mirão Figura 28. Evolução da concentração de SST de afluências à ETAR de Resende- Mirão Figura 29. Evolução da concentração de CQO de afluências à ETAR de Mirandela Figura 30. Evolução da concentração de SST de afluências à ETAR de Mirandela. 72 Figura 31. Experiência laboratorial a partir do cone de Imhoff, com processo de decantação de 1 hora Figura 32. Corte e planta da câmara de decantação e retenção de gorduras Figura 33. Balanço de massa da câmara de decantação e retenção de gorduras Figura A 1. Decantador ETAR de Cambres...A Figura A 2. Tanque de arejamento ETAR de Cambres....A Figura B 1. Decantador primário após a limpeza do emissário (29 de Junho de 2007)....B Figura B 2. Decantador secundário (8 de Janeiro de 2007)....B xiv xiv

17 1 INTRODUÇÃO 1.1 DESCRIÇÃO DO PROJECTO O trabalho realizado foi proposto no âmbito da unidade curricular Projecto em Ambiente Empresarial do 5º ano do Mestrado Integrado em Engenharia do Ambiente da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, no ano lectivo de 2008/09 e foi realizado em parceria com as Águas de Trásos-Montes e Alto Douto (ATMAD), e refere-se à avaliação de alternativas de pré-tratamento de águas residuais de indústrias agro-alimentares localizadas na região de Trás-os-Montes. Neste trabalho foram estudadas algumas unidades industriais que apresentavam uma maior problemática no tratamento dos seus efluentes: uma vitivinícola, uma de lacticínios, um matadouro e uma de produção de enchidos. Em todas as unidades industriais foi realizado o cadastro e uma caracterização dos efluentes industriais, são ainda apresentadas algumas propostas de melhoria e soluções para pré-tratamentos destes tipos de efluentes. As águas residuais industriais são resíduos líquidos que resultam dos processos de produção industrial. Estas águas transportam uma quantidade considerável de matérias poluentes que, se não forem retiradas, podem degradar a qualidade das águas dos rios, pondo em risco não só toda a fauna e flora características destes meios, mas também todas as utilizações que são dadas a estes meios. A pouca eficiência de pré-tratamento dos efluentes de algumas indústrias prejudica consideravelmente este panorama. As águas residuais originárias de indústrias agro-alimentares são principalmente constituídas por proteínas, açucares, óleos e gorduras. Os efluentes destas indústrias são predominantemente carregados com resíduos orgânicos e ricos em compostos orgânicos. As concentrações poderão ser muito baixas ou muito elevadas de parâmetros como o CBO 5, CQO, SST, microrganismos 1

18 patogénicos, o ph é variável e os compostos inorgânicos (fósforo e azoto) poderão estar presentes em elevadas quantidades (Drogui, P. et al, 2007). Uma larga importância é dada a parâmetros como o fósforo e o azoto. Considera-se que controlar entradas de fósforo é a chave para reduzir a eutrofização e gerir a qualidade ecológica. Pouca atenção tem sido dada em avaliar transferências através de águas subterrâneas pois tem-se ideia de que a adsorção e a formação de complexos metálicos retêm a maioria do fósforo livre. As contribuições de potenciais fontes para estas concentrações elevadas são actualmente pouco claras, mas há evidências que as maiores contribuições são de origem antropogénica. A eutrofização, é uma das causas mais comuns de degradação ecológica nos rios, lagos e zonas húmidas, sendo o fósforo amplamente considerado como o principal nutriente limitante nestes sistemas. (Holman, I. P., et al, 2008). Todas as instalações industriais têm que respeitar os decretos legais em vigor relacionados com limitações e condicionalismos de descarga nos meios aquáticos de substâncias (tóxicas e de elevado potencial de persistência e de bioacumulação) em que é necessário um controlo rigoroso das suas emissões, de igual forma há necessidade de adequar e aplicar os mesmos pressupostos limitativos à descarga nos colectores públicos (Justino, M., 2006). Os impactos que este tipo de águas residuais podem provocar são as contaminações de solos e de águas superficiais e subterrâneas. Para além destes impactos, pelas características deste tipo de efluentes, a ausência de oxigénio dissolvido é causa de odores indesejáveis. 2 2

19 1.2 ÁGUAS DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO O Sistema Multimunicipal de Abastecimento de Água e de Saneamento de Trás-os-Montes e Alto Douro foi criado pelo Decreto-Lei n.º 270-A/2001 de 6 de Outubro. Este decreto-lei constituiu a sociedade Águas de Trás-os-Montes e Alto Douro, S.A. e aprovou os respectivos Estatutos. Para além disso, este Decreto-Lei adjudica também o exclusivo de exploração e gestão do sistema, em regime da concessão, por um prazo de 30 anos. A ATMAD faz parte do grupo das Águas de Portugal e tem em funcionamento 51 ETAR e 21 ETA com 216 pontos de entrega e 81 reservatórios. Neste momento emprega 185 trabalhadores dispersos pela totalidade da área de abrangência da empresa. A ATMAD está dividida em 6 agrupamentos (Figura 1., Alto Tâmega, Terra Fria, Terra Quente, Vale Douro Norte, Vale Douro Superior e Vale Douro Sul. Figura 1. Mapa dos agrupamentos da ATMAD. As ETAR da ATMAD foram concebidas para assegurar tratamentos de efluentes com características descritas no Regulamento de Exploração do Serviço Público de Saneamento de Águas Residuais do Sistema Multimunicipal das Águas de Trás-os-Montes e Alto Douro (REAR- ATMD), de onde são mencionados, no Apêndice 3, os valores limite de emissão para o colector, expostos na Tabela 1. Tabela 1. Valores limite de emissão de acordo com o REAR - ATMAD. Parâmetros Unidades VLE ph Escala Sörensen 5,5-9,5 Temperatura ºC < 30 CBO 5 mg O 2 /l 500 CQO mg O 2 /l 1000 Sólidos Suspensos Totais mg SST/l 1000 Azoto Total mg N/l 90 Fósforo Total mg P/l 20 Óleos e Gorduras mg/l 100 3

20 A concepção dos sistemas de tratamento foi efectuada de modo a assegurar que o efluente descarregado assuma características compatíveis com os padrões de qualidade exigidos pela Lei Portuguesa e Comunitária. A ATMAD tem como objectivo principal o cumprimento da legislação em matéria de descargas de águas residuais, nomeadamente o decreto-lei n.º 152/97 de 19 de Junho e o decreto-lei n.º172/2001 de 26 de Maio, sendo, por isso, necessário reportar-se a um nível de tratamento secundário e por vezes terciário, dependendo do tipo de zona (sensível/menos sensível) do meio receptor (ATMAD). As águas residuais descarregadas pelas ETAR da ATMAD também têm que obedecer às exigências das licenças de descargas de águas residuais urbanas emitidas pela ARH-N, cujas condições devem respeitar o descrito na Tabela 2. Tabela 2. Percentagens mínimas de remoção de acordo com a licença de descarga da ARH-N. Parâmetros Carência Bioquímica de Oxigénio (CBO 5 a 20ºC) sem nitrificação Carência Química de Oxigénio (CQO) Total de partículas Sólidas em Suspensão (SST) Percentagem Mínima de Remoção (%) Método de referência de medição Amostra homogeneizada, não filtrada e não decantada. Determinação do oxigénio dissolvido antes e depois da incubação de 5 dias a 20ºC 1ºC, na total ausência de luz. Adição de um inibidor de nitrificação. Amostra homogeneizada, não filtrada e não decantada. Dicromato de potássio. Filtração de uma amostra representativa através de um filtro de membrana de 0,45 mm. Secagem a 105ºC e pesagem. A licença de descarga tem como base o Decreto-Lei nº. 152/97. Este decreto define também a classificação dos meios receptores. As ETAR abordadas neste estudo são as seguintes: ETAR de S. Miguel de Lobrigos, a ETAR de Cambres, a ETAR de Resende-Mirão e a ETAR de Mirandela. Todos os meios receptores dos efluentes tratados nestas ETAR estão classificados como zonas não sensíveis., com a excepção da ETAR de S. Miguel de Lobrigos, que pertence a uma zona sensível. O meio receptor da ETAR de Resende também apresenta uma classificação como zona sensível, mas como o equivalente populacional de dimensionamento é inferior a , a ETAR não é obrigada a cumprir com as percentagens de remoção de azoto e fósforo. 4 4

21 2 ENQUADRAMENTO O sector agro-alimentar continua a ser o primeiro a nível europeu, quando se considera o volume de negócios, o valor acrescentado ou o número de trabalhadores. Neste sector estão incluídas cerca empresas, das quais 99,1% são pequenas e médias empresas (PME), que geram aproximadamente 48,1% da riqueza do sector e empregam 61,6% dos trabalhadores. Por outro lado, existem as chamadas grandes empresas que, apesar de serem apenas 0,9% do universo das indústrias do sector, representam 51,6% do volume de negócios. A indústria agro-alimentar é, actualmente, o maior ramo industrial do país e, de acordo com as previsões da FIPA (Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares), no final de 2007 representava 7,6% do produto interno bruto (PIB). Em Portugal, à semelhança do que se passa na Europa, o ramo agro-alimentar é o maior sector industrial em volume de negócios e está vocacionado essencialmente para o mercado nacional. Trata-se de uma indústria com grande dispersão e pulverização das suas empresas, mas onde a maioria da sua produção está concentrada num reduzido número de unidades. As empresas com menos de 10 trabalhadores, representam cerca de 80% do total, mas possuem apenas 7% do volume total de negócio. Só as dez maiores empresas produzem quase 25% do total da produção agro-alimentar portuguesa. Actualmente, a produção da indústria agro-alimentar portuguesa não cobre as necessidades alimentares da população. A taxa de cobertura das exportações estima-se que se situe nos 50% e a taxa de auto-abastecimento nos 92% (Segurança alimentar, 2008). As classificações das actividades económicas estudadas estão apresentadas no Decreto-Lei nº.381/2007 de 14 de Novembro, que estabelece a Classificação Portuguesa das Actividades Económicas (CAE). 5

22 As indústrias de produção de vinho e espumantes encontram-se na indústria transformadora das bebidas na secção C, com sendo as subclasses registadas com as referências e 11022, respectivamente. A indústria de lacticínios apresenta-se na mesma secção e apresenta a referência 10510, enquanto que os matadouros estão incorporados na mesma secção mas com a referência C10110, correspondente ao abate animal. A empresa de produção de alheiras encontra-se enquadrada, a partir da CAE nas indústrias transformadoras secção C, sendo uma indústria transformadora alimentar de fabricação de produtos à base de carne (C-10130). A unidades industriais que emitem as suas águas residuais para os sistemas de drenagem e para as estações de tratamento de águas residuais urbanas, de acordo com o Decreto-Lei nº152/97, serão sujeitas a um pré-tratamento, caso seja necessário, para: - Proteger a saúde do pessoal que trabalha nos sistemas colectores e nas estações de tratamento; - Garantir que os sistemas de drenagem, as estações de tratamento de águas residuais e o equipamento conexo não sejam danificados; - Garantir que o funcionamento das estações de tratamento das águas residuais e o tratamento das lamas não sejam entravados; - Garantir que as descargas das estações de tratamento não deteriorem o ambiente ou não impeçam as águas receptoras de cumprir o disposto noutras directivas comunitárias; - Garantir que as lamas possam ser eliminadas em segurança e de um modo ecologicamente aceitável. O tratamento das águas residuais de indústrias agro-alimentares tem sido extensivamente estudado para entender o mecanismo do processo e melhorar a eficiência atingida na biodegradação dos poluentes. Na maioria dos casos os substratos não são facilmente biodegradados e apresentam elevadas concentrações de biomassa e elevados tempos de retenção hidráulicos necessários para a sua degradação. Contudo estes inconvenientes podem ser minimizados se a biodegrabilidade das águas residuais aumentar pela transformação dos substratos em espécies que se biodegradem mais facilmente. Trata-se de um ponto importante, pois a biodegradação é normalmente o processo mais importante que contribui para o processo natural de atenuação dos contaminantes em águas residuais (Lucas, A., et al, 2007). Neste ponto do trabalho estão abordados alguns estudos mais recentes de processos de tratamento de águas residuais de unidades industriais em estudo. 6 6

23 2.1 EMPRESA VITIVINÍCOLA Em relação aos efluentes de produção de vinhos, existem algumas técnicas de tratamento de efluentes mais frequentemente utilizadas, que apresentam elevadas eficiências de remoção de compostos orgânicos. A partir do trabalho elaborado por Arvanitoyannis, Ioannis S. et al (2006), sugerem-se os tratamentos que estão expostos nos pontos seguintes, onde estão apresentados os diferentes tipos de tratamento, assim como respectivas as vantagens e as desvantagens. Biodegradação aeróbia A biodegradação aeróbia é um tratamento contínuo, que neste estudo, consiste num sistema de lamas activadas, ligado a um reactor arejado e um decantador. Vantagens: Flexibilidade, fácil operação, recuperação de propriedades fertilizantes presente nas lamas, baixos odores, produto final biologicamente estável, elevada produção de biomassa. Desvantagens: Existe dificuldades operativas das lamas, e há incapacidade do sistema para tratar cargas elevadas de CQO e CBO, e apresenta uma velocidade baixa. Sistema de tratamento com elevada eficiência, com remoção de 31-85% de CQO, mas apresenta alguns custos associados ao consumo de energia. Digestão anaeróbia A biodegradação anaeróbia é um tratamento contínuo, e neste artigo são apresentados dois tratamentos distintos, um que consiste na fluidização a contra-corrente do efluente, em que as partículas com densidade específica mais baixa que o liquido é fluidizado em sentido descendente pelo fluxo de corrente do líquido, e o outro tratamento é um filtro anaeróbio híbrido (AHF) para a digestão anaeróbia das águas residuais do vinho. Vantagens: Baixo consumo de energia, requer baixas quantidades de nutrientes, pouca produção de lamas estáveis, elevada capacidade de degradação de concentrados e substratos complexos, recuperar energia usando a combustão do metano, tempos hidráulicos baixos. 7

24 Desvantagens: Variações instáveis de condições de operação, complexo, alta variabilidade da carga de entrada, natureza não linear do processo, aquisição de sensores apropriados para monitorizar as variáveis. O resultado deste sistema de tratamento é uma percentagem de remoção entre 65 90% de CQO com baixos tempos de retenção hidráulicos (2-3 dias). Digestão anaeróbia termofílica A digestão anaeróbia termofílica é processo contínuo com grande eficiência, o exemplo do artigo reverte à biodegradação da água residual num reactor em leito poroso. Vantagens: Estável, requer baixas quantidades de nutrientes, produção eficiente de biogás, grau elevado de purificação com cargas orgânicas elevadas na alimentação, apresenta uma taxa de velocidade elevada e tem baixos custos de operação. Desvantagens: Elevado consumo de energia para o aquecimento, o efluente final contaminado contém elevadas quantidades de sólidos dissolvidos e odores. Com este processo há possibilidade de produção de biogás e metano, a remoção é superior que 82,5% de CQO com uma carga de CQO de 32,3 kg por dia. Ozonização Este tratamento porá ser contínuo ou descontínuo, dependo do tipo efluente a tratar. A experiência de ozonização foi feita numa coluna de vidro de 1000 cm 3 com orifícios de amostragem. Vantagens: Ausência de resíduos finais, a presença do ozono apresenta propriedades como o seu alto poder oxidante sendo solúvel em água, este fica rapidamente disponível apresentando uma elevada selectividade. Desvantagens: Processo complexo, elevados custos de implementação e de manutenção. O processo apresenta uma eficiência média, pois obtêm-se remoções entre 5-25% de CQO e remoções entre 16,8 51,4% de compostos aromáticos. 8 8

25 SBR Reactor Sequencial Descontínuo A metodologia deste estudo trata-se da circulação de um efluente de origem vinícola, que passa por um reactor sequencial descontínuo que opera num ciclo (24 h). Vantagens: Fácil controlo no crescimento de filamentosas e problemas de deposição, requer menos equipamentos, flexibilidade operacional, não ocorre washing out da biomassa, a má deposição é reconsiderada e corrigida, possível adição de carvão activado. Apresenta ainda baixos custos (em relação aos custos dos métodos convencionais de tratamento biológico) Desvantagens: Elevado nível de sofisticação em relação aos sistemas convencionais, potenciais descargas de lamas de flotação ou de decantação durante a fase de decantação, potencial requerimentos de equalização dependendo do processo a jusante e tem uma baixa taxa de velocidade. Este processo apresenta uma elevada eficiência de remoção de CQO, na ordem dos 95%. Digestão Aeróbia e Digestão Anaeróbia Este estudo visa em unir os processos aeróbios e anaeróbios num sistema de tratamento de efluentes contaminados, e conseguir com esta conjugação, a produção de metano, para que posso ser posteriormente utilizado. Vantagens: Com a conjugação dos dois processos conseguem-se atingir eficiências de remoção muito elevadas, apresentam uma baixa produção de lamas e existe a hipótese de transformar o biogás produzido em energia eléctrica. Desvantagens: Elevados custos de implementação e elevados consumos energéticos. Neste estudo obtém-se eficiências de remoção de CQO de 90%, de compostos fenólicos entre 66-79%, e ainda com a formação de gás, em média, 199 ml CH 4 por g de CQO degradado. 9

26 2.2 EMPRESA DE LACTICÍNIOS As águas residuais provenientes da produção de lacticínios diferem amplamente quer na quantidade quer na qualidade, dependendo das características dos produtos produzidos. Muitos dos produtos lácteos são produzidos separadamente e assim, o tipo de poluentes nas águas residuais apresentam diferentes tempos de transformação juntamente com a aplicação de outro ciclo tecnológico da linha de processo. Essa correlação reduz a eficiência das estações de tratamento de águas residuais das empresas de lacticínios. As cargas dos compostos orgânicos nas empresas de lacticínios são determinadas pelas quantidades de lactose, gorduras e proteínas presentes nas águas. A relação entre estas substâncias pode ser extremamente variada, o que afecta a susceptibilidade a tratamento biológico (Janczukowicz, W. et al, 2007). No que diz respeito a este tipo de efluentes, optou-se por estudar com mais pormenor a produção de soro, sendo este o produto mais problemático no que diz respeito à biodegrabilidade. Nos pontos seguintes estão apresentados alguns estudos sobre tratamentos deste tipo de efluentes e respectivas vantagens e desvantagens. Tratamento do soro por digestor sequencial anaeróbio e aeróbio (Frigon, J.-C. et al, 2009) O tratamento do soro residual foi desempenhado num reactor a escala piloto, a trabalhar com um volume de 400 l a 20ºC, com uma etapa de digestão anaeróbia seguida da etapa de tratamento aeróbio com uma concentração de oxigénio baixa no mesmo digestor. O primeiro bloco de experiência foi de 48 ciclos e o segundo de 16 ciclos. Entende-se como um ciclo a passagem do efluente pelas seguintes etapas: entrada no digestor, processo anaeróbio, processo aeróbio, decantação e saída do efluente tratado. O estudo apresenta os seguintes resultados em relação à remoção de CQO: Tabela 3. Resultados das análises aos diferentes tipos de processos (Frigon, J.-C. et al, 2009). Primeiro bloco Segundo bloco Tempo total do ciclo (dias) Remoção de CQO (%) Tempo total do ciclo (dias) Remoção de CQO (%) 2 89 ± ± ± ± 2

27 De acordo com os resultados expressos na Tabela 3, pode-se observar a elevada eficiência que apresentam estes métodos de tratamento, notando que os resultados do primeiro bloco apresentam maiores rendimentos do que o resultado do segundo bloco, o que implica maiores tempos de retenção. Vantagens: O método apresenta boas eficiências de remoção com custos de operação baixos. Desvantagens: Para se atingir maiores eficiências de remoção são necessários maiores tempos de retenção. Tratamento do soro por ultrafiltração, nanofiltração e osmose inversa (Yorgun, M. S. et al, 2007) Neste trabalho foram estudados diferentes tipos de tratamentos de águas residuais de uma indústria de lacticínios. Neste estudo estão apresentados os seguintes tratamentos: quatro modelos diferentes de nanofiltração (variação de pressão transmembranar e tipo de membrana utilizada), um de ultrafiltração e um de osmose inversa. Os resultados de cada um dos modelos estão apresentados na Tabela 4. Tabela 4. Especificações das membranas e pressões transmembranares em cada tipo de processo e respectivas percentagens de remoção de CQO (Yorgun, M.S. et al, 2007). Tratamento Material da Pressão Remoção de membrana transmembranar CQO (%) A Polyethersulfone 5 58,5 Nanofiltração B Polyethersulfone 8 64,2 C Polyamide-urea 8 77,6 D Polysulfone 8 97,5 Ultrafiltração E Polyethersulfone 3 42,8 Osmose inversa F Polyamide-urea 12 92,6 Os resultados da tabela 4 revelam que o tipo de tratamento menos eficiente para remoção de CQO é o tratamento por ultrafiltração, pois remove menos de 43%, enquanto que os restantes tipos de tratamentos fazem-no com percentagens superiores a 58,5%. Dos tratamentos estudados, o mais eficiente é o tratamento utilizando a nanofiltração D e por osmose inversa, já que apresentam valores de remoção de CQO superiores a 92%. A percentagem de remoção de CQO é referente a uma água residual com, aproximadamente, mg CQO/l. Vantagens: Estes processos apresentam elevada eficiência de remoção de CQO, não necessitam de uma área elevada de implementação. Desvantagens: Elevados gastos operacionais custos de membranas, e elevados custos energéticos. Nestes sistemas poderão existes colmatações nos filtros podendo danificar o tratamento. O sistema precisa de operários especializados enquanto decorre o processo. 11

28 Produção fermentativa de hidrogénio em contínuo a partir de águas residuais do soro de queijo sob condições anaeróbias termofílicas (Azbar, N. et al, 2009) A produção de hidrogénio a partir de águas residuais da produção de queijo via fermentação anaeróbia em fase escura foi realizada utilizando uma mistura de comunidade microbiana em condições termofílicas. Investigaram-se os efeitos de variações de TRH (1,2 e 3,5 dias) e de altas taxas de cargas orgânicas (21, 35 e 47 g CQO/l/d) na produção de biohidrogénio num reactor agitado em contínuo. - Efeito da concentração de substrato na produção de hidrogénio Tabela 5.Efeito da concentração de substrato na produção de hidrogénio (Azbar, N. et al, 2009). Quantidade de CQO (g/l/dia) TRH (dias) Remoção de CQO (%) Produção total de biogás (ml) Produção de H 2 (mmol H 2 /g CQO) O estudo da variação da concentração de carga orgânica não apresentou mudanças estatísticas significativas na taxa de produção de hidrogénio, mas em relação à produção de biogás já apresentam valores favoráveis, principalmente com altas cargas orgânicas. - Efeito do tempo de retenção hidráulico na produção de hidrogénio Quantidade de CQO (g/l/dia) Tabela 6. Efeito do TRH na produção de hidrogénio (Azbar, N. et al, 2009). TRH (dias) Remoção de CQO (%) Produção total de biogás (ml) Produção de H 2 (mmol H 2 /g CQO) , As águas residuais do soro do queijo, que são ricas em lactose, são substratos eficazes para a produção de hidrogénio. O TRH apresenta impacto na produção de hidrogénio, em que valores baixos de tempos de retenção (1 dia) diminuem a taxa de produção de hidrogénio. Vantagens: Com este sistema pode-se tratar as águas residuais e ainda gerar energia a partir destas. Desvantagens: O processo requer equipamentos específicos, que apresentam alguns custos de implementação, e é necessária mão-de-obra especializada

29 Produção de hidrogénio e metano, a partir do soro do queijo, num processo de dois estágios em contínuo (Venatsaneas, N. et al, 2009) Este estudo foca a utilização do soro do queijo como fonte de hidrogénio e metano num processo de dois estágios contínuos. A produção fermentativa de hidrogénio mesofílico a partir do soro não diluído foi investigado para um tempo de retenção hidráulico de 24h. O efluente vindo do reactor hidrogénico digerido em biogás passou para um bioreactor anaeróbio mesofílico em contínuo. Com uma remoção de CQO de 95,3% demonstra que o soro de queijo pode ser tratado a partir deste sistema de tratamento e poder-se-á utilizar para a produção de hidrogénio e de metano, num processo de dois estágios. Vantagens: O tratamento apresenta elevada percentagem de remoção de CQO e pode utilizar a energia proveniente da produção de biogás. Desvantagens: O investimento inicial é bastante elevado e apresenta elevado consumo de energia, mas utilizando o biogás para produção de energia eléctrica poderá tornar-se auto-suficiente. Produção de hidrogénio por processos biológicos Num artigo realizado por Alves, M. et al (2006a), salienta-se que efluentes de indústrias alimentares como de azeite, padarias, leite, queijo podem ser usados para a produção de biohidrogénio. Embora seja potencialmente interessante, a produção sustentada de bio-hidrogénio como vector energético, está ainda está numa fase inicial e apresenta alguns desafios, especialmente no que respeita ao desenvolvimento de processos contínuos utilizando substratos complexos e culturas microbianas mistas. Os principais aspectos a ter em conta estão relacionados com a selecção do inóculo, a selecção dos percursos metabólicos e das populações microbianas (o modo de suprimir a actividade hidrogenotrófica é um ponto chave) e as condições operatórias de ph, temperatura e tempo de retenção hidráulico. Pensa-se que os processos hipertermofílicos (em torno dos 70ºC) têm vantagem sobre os mesofílicos ou até sobre os termofílicos em termos de selecção microbiana porque, nessas condições, é verificado um desvio do metabolismo direccionado para a produção de hidrogénio. Além disso, o equilíbrio termodinâmico da reacção de produção de hidrogénio a partir de acetato é favorecido (Alves, M.M. et al, 2006a). Vantagens: Os custos de implementação são rapidamente cobertos e hipótese de utilizar a energia produzida. Desvantagens: Para que o processo seja óptimo, as concentrações de parâmetros como O&G têm que apresentar características específicas. A técnica apresenta elevados custos de implementação. 13

30 2.3 MATADOURO Os efluentes oriundos de matadouros apresentam elevadas quantidades de compostos orgânicos, sendo que as hipóteses de tratamento, mais recentes e mais eficientes em relação à remoção orgânica deste tipo de afluentes, estão apresentadas seguidamente: Tratamento por electrocoagulação (Bayramoglu, M. et al, 2006) A experiência foi realizada com um termóstato, electrocoagulador equipado com quatro eléctrodos monopolares em paralelo; duas placas ânodos e duas placas cátodos de alumínio (99,53%) ou de ferro (99,50%), que estavam ligados a um suporte digital de recolha de dados. Realizam-se estudos variando o ph, mas tendo em conta que os melhores resultados apresentados são os de ph igual a 2 e tempo de retenção de 25 minutos, na tabela seguinte apenas são demonstrados esses resultados: Tabela 7. Resultados das eficiências de remoção de CQO e de óleos e gorduras (Bayramoglu, M. et al, 2006). Características iniciais Alumínio Ferro Eficiências de remoção (%) CQO (mg/l) O&G (mg/l) A electrocoagulação apresenta ser um método eficaz de tratamento de águas residuais de matadouros. Em relação à remoção de CQO, os eléctrodos de alumínio apresentam um melhor desempenho, com uma remoção de 93%, enquanto que os eléctrodos de ferro apresentam uma percentagem de remoção de 85. Contudo, ao abordar os óleos e gorduras os eléctrodos de ferro mostram uma maior capacidade de remoção, de 96%, enquanto que os de alumínio apresentam uma remoção de 92%. Vantagens: Este tipo de tratamento tem custos de operação baixos. Não necessita de uma grande área de implementação e o processo de limpeza é simples. Desvantagens: A implementação do processo acarreta elevados custos e a empresa necessita de mãode-obra especializada. A nível económico, o uso do eléctrodo de ferro seria mais viável pois o seu custo seria cerca de metade do custo de um eléctrodo de alumínio

31 Tratamento anaeróbio com produção de biogás Um dos exemplos mais adequados para este tipo de tratamento é o caso do Matadouro Regional de Montalegre, que recentemente optou por tratar os seus afluentes por tratamento anaeróbio, produzindo assim quantidades elevadas de biogás. Este aproveitamento de biogás faz com que o matadouro produza metade da energia que consome, reduzindo para aproximadamente metade da sua factura energética. Trata-se de um protótipo do reactor para tratamento anaeróbio de efluentes complexos com elevados teores de gordura, que apresenta um objectivo de atingir um óptimo nível de tratamento, acompanhado de uma eficiente produção de uma fonte de energia renovável. Ao contrário dos sistemas convencionais anaeróbios de alta carga, não é necessária a utilização de um inóculo com capacidade de sedimentação (grânulos), baseando-se antes na flutuação dos agregados microbianos devido à adsorção dos compostos lipídicos. Este fenómeno de adsorção limita a utilização das tecnologias actualmente disponíveis quando aplicada ao tratamento destes efluentes. (Visão, 2009). A partir do artigo de Alves (2006b), esta também salienta que a utilização de efluentes industriais com determinadas características (p.e. limites de concentrações de óleos e gorduras) apresentam uma boa solução para a produção de biogás, e foi a partir dos estudos realizados pela autora, que se implementou este tipo de tratamento no Matadouro de Montalegre. A autora descreve ainda que anteriormente os óleos e as gorduras eram considerados constituintes que dificultavam os processos de tratamentos anaeróbios. Contudo, durante os últimos anos foram realizados diversos estudos que demonstram o contrário, que até determinadas concentrações os ácidos gordos de cadeias longas são um componente muito promissor, tendo-se obtido resultados bastante favoráveis no que respeita à produção de biogás, desde que cumpridos determinadas condições de operacionalidade. Vantagens: O uso dos efluentes contaminados como fonte de energia. Este método apresenta eficácias de remoção de compostos orgânicos e de O&G bastante elevados. Desvantagens: O custo de implementação deste método é bastante elevado. 15

32 Tratamento de águas residuais de matadouro em condições anaeróbia e aeróbias (Pozo, R. et al, 2002) O estudo de Pozo (2002) evidencia a necessidade de existir um tratamento anaeróbia após o tratamento aeróbio em águas residuais oriundas de matadouros, em que para uma concentração inicial de 7230 mg CQO/l, consegue-se atingir uma percentagem de remoção de 80%. Tratamento electroquímico (Drogui, P. et al, 2007) As águas residuais originárias de indústrias agro-alimentares são principalmente constituídas por proteínas, açucares, óleos e gorduras. Os afluentes destas indústrias estão predominantemente carregados com resíduos orgânicos e ricos em compostos orgânicos. A carga poderá ser muito alta ou muito baixa de CBO 5, CQO, SST, microrganismos patogénicos, o ph é variável e os compostos inorgânicos (fósforo e azoto) poderão estar presentes em elevadas quantidades. Na tabela seguinte estão apresentados os resultados do um estudo que consistia no tratamento electroquímico de efluentes originários de um matadouro. Tabela 8. Resultados do tratamento electroquímica de águas residuais de um matadouro. Tratamento Remoção de CQO (%) Electrocoagulação Este processo apresenta elevada eficiências de remoção dos compostos orgânicos como também reduz significativamente a concentração de nutrientes das águas residuais. Tratamento por radiação gama (Melo, R. et al, 2007) O efluente estudado neste artigo provém de uma amostra pontual de águas residuais de um matadouro, que apenas foi submetido a um processo de gradagem antes da análise. Foram estudadas diferentes intensidades de radiação gama (7 Gy - 25 Gy). O estudo mostra que com uma radiação gama de 7 Gy o efluente apresenta uma concentração de CQO de cerca de 3860 mg O 2 /l e para uma radiação de 25 Gy a concentração de CQO diminui até aos 1600 mg/l

33 Com este estudo concluiu-se que quanto maior a dose da radiação gama emitida maior a remoção de CQO. Os resultados obtidos apresentam que esta tecnologia tem um elevado potencial para tratamento de águas residuais. Vantagens: Este tipo de tratamento apresenta grande eficácia na remoção de compostos orgânicos. Desvantagens: Elevados custos de implementação e é necessário mão-de-obra especializada. Mittal (2004) realizou um estudo comparativo de diferentes métodos de tratamento de águas residuais provenientes de matadouros, onde estão expressos os resultados de eficiência de remoção de CQO para cada um dos métodos. Esses resultados estão expostos na tabela seguinte: Tabela 9. Resultados das eficiências de remoção de CQO para cada método de tratamento. Tratamento Remoção de CQO (%) Flutuação por injecção de ar (DAF) Filtro aeróbio 27 Flutuação química com ar dissolvido (DAF) 67 Reactor Anaeróbio de Fluxo Ascendente (UASB) A partir dos resultados apresentados pode-se observar que os sistemas de tratamento mais eficientes, para a remoção de CQO, são: o reactor anaeróbio de fluxo ascendente e a flutuação por injecção de ar, mesmo por este último apresentar uma gama elevada quanto à eficiência de remoção de CQO. Contudo, a adição de químicos nos tratamentos faz com que favoreçam as reacções com os nutrientes presentes, reduzindo-os, logo um dos métodos de tratamento aconselhados seriam a flutuação química com ar, visto que as águas residuais deste tipo de indústrias apresentam concentrações de azoto e de fósforo bastante elevadas. Em relação ao filtro aeróbio, neste estudo é o que apresenta a eficiência mais baixa. 17

34 2.4 PRODUÇÃO DE ENCHIDOS Os efluentes da produção de enchidos apresentam elevadas quantidade de óleos e gorduras (O&G) que são descarregados para as linhas de água, e apresentam consequências como a diminuição da concentração oxigénio presente nas águas superficiais, pelo facto de este tipo de águas apresentarem substâncias consumidoras de oxigénio (elevadas concentrações de matéria orgânica biodegradável). Outra agravante deste tipo de águas residuais é o impacto que provocam no ambiente, como problemas de higiene e de odores desagradáveis, e provocam ainda elevados danos em relação à fauna e flora envolventes. Sendo este tipo de águas residuais descarregadas para as redes públicas de esgotos e colectores municipais, pode provocar grandes problemas de entupimento e obstrução nas canalizações, nos sistemas de drenagem dos edifícios, nas redes públicas de esgotos e colectores municipais e, dependendo das características do efluente, podem também provocar corrosão das tubagens e dos materiais de drenagem. Como consequência da descarga para as redes públicas de esgotos e colectores municipais resulta que no seu encaminhamento para as ETAR, contribui significativamente para o aumento dos níveis de CQO, de CBO e dos SST nas águas residuais a tratar, dificultando o desempenho/funcionamento eficiente das ETAR, pelo facto do aumento da concentração destes parâmetros conduzirem a um considerável consumo de energia no funcionamento das mesmas, além de implicarem manutenções e limpezas mais frequentes aos equipamentos, associando-se assim a gastos consideráveis de tempo e dinheiro neste tipo de operações (IPA, 2004). Existe necessidade de remoção dos sedimentos e das gorduras contidas neste tipo de efluentes pelos problemas que essas substâncias vão criar às unidades de tratamento. Assim sendo, a sua remoção tem as seguintes finalidades: Evitar obstruções dos colectores do efluente; Evitar aderências na rede de esgotos, com a subsequente colmatação; Evitar a sua acumulação nas unidades de tratamento provocando odores desagradáveis e perturbações no funcionamento nos dispositivos de tratamento. A redução de óleos e gorduras são pois parâmetros a estudar especialmente, uma vez que se trata de compostos mais problemáticos pela sua difícil degradação

35 Para atingir os objectivos pretendidos recorreu-se ao trabalho elaborado por Miranda (2007), sobre diferentes técnicas de remoção de óleos e gorduras, que estão mencionadas de seguida: Desengordurador O funcionamento do desengordurador está condicionado às leis gravitacionais que regem os fenómenos de sedimentação dos sólidos, no entanto, ocorre no sentido inverso. Tendo em conta que as gorduras têm a capacidade de se agruparem, alterando o tempo de retenção de acordo com a velocidade de ascensão, estas ascendem para a superfície. Os sistemas mais simples baseiam-se em tanques de secção superficial rectangular nos quais são instalados septos, para que se verifique uma subida do líquido a partir do fundo e a reter os O&G entre os septos. O uso de injecção de ar através de difusores instalados no fundo do tanque, é um método utilizado frequentemente para melhorar a eficiência, pois faz com que as gorduras sejam arrastadas para a superfície a uma velocidade mais elevada. As gorduras e algumas substâncias menos densas, ou até mais densas do que a água, podem ser removidas por sistemas de flutuação, auxiliada pelo arejamento, injecção de gás, coagulação/floculação química, electrólise, aquecimento ou decomposição microbiana. Vantagens: A percentagem de separação de gorduras, pode chegar até aos 90%; quando comparado com os processos de flutuação, e relativamente mais barato e menos complexo. Desvantagens: Evitar temperaturas acima dos 35ºC e ph s superiores a 8,5 (risco de ocorrer saponificação); pode ocorrer o arrastamento das partículas (eficiência nula) em vez da mistura pretendida, caso não se tenha atenção ao caudal, a pressão e a dimensão da bolha. Flutuação A flutuação descreve-se como o movimento ascendente das partículas, provocado pelo aumento das forças ascendentes em relação às forças gravitacionais. Essas forças ascendentes são causadas, pela adesão das bolhas de ar às partículas sólidas. Estas partículas ascendem até à superfície do líquido e são posteriormente removidas. Vantagens: elevada percentagem de remoção de contaminantes. Desvantagens: Espaço físico necessário e baixo período de vida dos equipamentos. 19

36 Flutuação por injecção de ar (Dissolved-Air Flotation - DAF) Neste sistema o ar é dissolvido na água residual sob pressão, seguido por uma descompressão até à pressão atmosférica. Em sistemas que processam baixos caudais, a totalidade da água residual pode ser pressurizada por intermédio de uma bomba, em simultâneo com a adição de ar comprimido na secção de bombagem. Todo o fluxo é mantido num tanque de retenção sob pressão para permitir que a maior quantidade possível de ar se dissolva no líquido. O líquido pressurizado é então descarregado através de uma válvula redutora de pressão para o tanque de flutuação, onde o ar é libertado por todo o volume do líquido na forma de pequenas bolhas ( µm). Vantagens: pode ser aplicado a grandes unidades industriais e na concentração de lamas. Desvantagens: baixo período de vida dos equipamentos. Flutuação por ar (Air Flotation) Neste caso as bolhas de ar são produzidas pela introdução directa da fase gasosa no seio da fase líquida, em geral através de propulsores ou difusores de bolhas muito finas. O arejamento por períodos curtos, normalmente não é efectivo para a flutuação de sólidos. Vantagens: Melhores eficiências que o DAF. Desvantagens: Tendência a formar espumas. Flutuação a vácuo (Vacuum Flotation) A flutuação a vácuo consiste na saturação do efluente com ar, tanto directamente num tanque de arejamento, ou permitindo que o ar entre na sucção da bomba (menos usual). Um vácuo parcial é aplicado, o que provoca a libertação de parte do ar dissolvido na forma de bolhas minúsculas. As bolhas de ar e as partículas sólidas a elas ligadas sobem até a superfície para formar uma espuma ou lama compacta, que é removida por um mecanismo de raspagem. Os sólidos mais pesados que sedimentam são removidos na base da câmara de vácuo. Vantagens: Boas eficiências de remoção. Desvantagens: Os custos de operação (para eficiências equivalentes) são em geral mais elevados nos sistemas de flutuação a vácuo do que nos de flutuação por ar ou mesmo nos DAF

37 Flutuação em coluna (Coluna Multibolhas - LTM) A alimentação é realizada próxima do topo da coluna e a captura do material dá-se em contracorrente com o fluxo de bolhas ascendente, que podem ser geradas tanto por saturação de ar, como por recirculação de parte do efluente tratado através de constritores de fluxo. O equipamento também pode operar em regime de co-corrente e nesse caso, o efluente é injectado juntamente com o ar pela parte inferior da coluna. Vantagens: O tratamento apresenta resultados com elevadas eficiências. Desvantagens: Apresenta elevados custos de manutenção e as limpezas são complexas quando realizadas. Electroflotação A electroflotação é uma técnica alternativa para a remoção de poluentes das águas residuais. O processo envolve a aplicação de uma corrente eléctrica de forma a sacrificarem-se os eléctrodos de alumínio num tanque de processamento. As reacções no ânodo e no cátodo fazem com que ocorra geração de iões alumínio como agente coagulante, assim como bolhas de gás. As propriedades coagulantes dos iões de alumínio, fazem com que estes se juntem aos poluentes e as bolhas de gás geradas, permitindo agarrar os aglomerados coagulados, tendo uma aplicação similar a DAF, referida anteriormente, fazendo com que o poluente flutue. Com a geração de radicais hidróxidos, os níveis de ph aumentam ligeiramente. Os níveis de alumínio adicionados dependem da natureza do efluente a tratar. Os estudos sugerem que se usem quantidades entre os 10 e os 50mg/L. O uso de concentrações acima destes valores fazem com que o processo se torne dispendioso. Vantagens: Teoricamente, esta técnica pode ser utilizada em substituição do DAF, com a vantagem de não haver a necessidade de adição de produtos químicos. Através deste processo, consegue-se a remoção de 99,95% das gorduras, 99% das bactérias, cerca de 96,3% de remoção de CBO 5 e que a turbidez da água seja inferior a 1 NTU. Não necessita de filtros para a remoção final de poluentes. Fácil limpeza e substituição dos elementos. Desvantagens: é necessária a adição de novos elementos diferentes ao sistema. Para se aproveitar o hidrogénio é necessária uma estrutura e uso de elementos específicos. 21

38 Processos Enzimáticos Os processos enzimáticos é um método biológico que se centra no aumento das populações ambientais numa ETAR de forma a poderem competir com o excesso de matéria orgânica, quer através do metabolismo directo das células indígenas e também das já presentes na ETAR, quer através da formação de sulfatantes naturais e a excreção de enzimas extra-celulares com vasta capacidade de degradação em diferentes substratos. A competição destes microrganismos com as bactérias filamentosas atenua este problema, contribuindo para uma diminuição progressiva da quantidade de lamas. Os métodos biológicos podem também ser denominados por métodos de controlo específicos. A técnica apresenta um princípio simples, que os sistemas devem ser dimensionados e operados de tal forma a que o substrato orgânico seja removido preferencialmente por bactérias não filamentosas, em detrimento das bactérias filamentosas. Vantagens: Há facilidade de simplicidade no controlo do processo; não há efeitos de choques de carga por poluentes; operam numa elevada gama de ph, de temperatura e de salinidade; degradam polímeros celulares causadores de espumas, impedem assim o crescimento de organismos filamentosos, afectando a estrutura dos filamentos; podem ser aplicados em processos de alta ou baixa concentração de poluentes; redução de maus odores. Desvantagens: As enzimas são específicas para o fim destinado; produtos finais instáveis; não fazem com que os níveis de oxigénio aumentem; aplicação regular; apresenta custos muito elevados. Electrocoagulação A electrocoagulação é um método físico-químico que aplica os princípios da coagulação - floculação num reactor electrolítico. Neste processo o recipiente tem uma fonte de corrente e vários eléctrodos encarregues de fixar os iões destabilizadores das partículas coloidais que substituem as funções dos compostos químicos que se utilizam nos tratamentos convencionais. Durante este processo, são gerados compostos que destabilizam as suspensões e as emulsões, provocando a sua floculação, de igual modo, ocorre uma dissolução anódica da qual se libertam elementos que podem reagir com alguns dos contaminantes que se encontram em solução, indo desta forma precipitá-los. Nos eléctrodos, são geradas micro-bolhas de hidrogénio e oxigénio que chocam e aderem com os flocos, arrastando-os para a superfície do líquido de onde a espuma pode ser removida mecanicamente. As bolhas formadas no reactor fazem também com que as gorduras flutuem

39 Vantagens: Neste tratamento podem se utilizar diferentes materiais dos ânodos em função do tipo de água a tratar, a regulação é automática da distância entre o ânodo e o cátodo, o que possibilita o tratamento de diferentes caudais. O ânodo e o cátodo estão posicionados verticalmente, o que facilita o fluxo e a limpeza. A regulação da intensidade da voltagem função da condutividade é automática, assegurando um rendimento constante. Este processo não requer a adição de produtos químicos e apresenta um baixo custo de manutenção. Desvantagens: equipamentos específicos para este tipo de tratamento; elevados custos energéticos. Bioreactores de Membranas Este processo biológico funciona geralmente a temperaturas elevadas (35 a 40ºC), ideais para o crescimento bacteriano, que juntamente com elevadas concentrações de biomassa, garantem uma elevada eficiência de remoção, tornando o sistema extremamente compacto e reduzindo drasticamente os tempos de arranque do sistema. As membranas podem ser consideradas películas poliméricas ou inorgânicas, que funcionam como uma barreira semipermeável para uma filtração em escala molecular, separando duas fases e restringindo, total ou parcialmente, o transporte de uma ou de várias espécies químicas (solutos) presentes na solução. Vantagens: Esta técnica funciona a temperaturas elevadas com baixos tempos de retenção. Apresenta uma elevada capacidade de resistência a choques de carga. A redução dos sólidos degradáveis e nutrientes inorgânicos é realizada biologicamente. O resultado final é um efluente de elevada qualidade, com baixas produções de lamas. Apresenta uma redução do número de etapas de tratamento. Tem elevada velocidade de degradação e proporciona retenção de partículas e de microrganismos. Desvantagens: As elevadas quantidades de sólidos presentes pode afectar a eficiência das membranas; limpeza/manutenção complexas com uso de produtos químicos, os custos elevados de implementação e exploração, a formação de uma camada na superfície da membrana que oferece resistência ao fluxo do permeado alterando a sua selectividade, apresenta ainda consumos energéticos elevados. Existem inúmeros casos estudados relacionados com as tecnologias de tratamento de efluentes com elevadas concentrações de óleos e gorduras, estando outro tipo de tratamento exposto no ponto seguinte: 23

40 Tratamento por ultrafiltração (Ahmad, A.L. et al, 2005) Este artigo relata o estudo do tratamento de um efluente de uma indústria agro-alimentar, neste caso a de produção de óleo de palma que apresenta as seguintes características iniciais: CQO = mg/l CBO = mg/l SST = mg/l O&G = mg/l Para o estudo de remoção dos parâmetros CQO, CBO e SST por ultrafiltração, foram realizados estudos para diferentes pressões e para diferentes velocidades de corrente. Parâmetro SST CQO CBO Tabela 10. Resultados experimentais de percentagens de remoção. Pressão transmembranar Percentagem de remoção (%) Velocidade de Escoamento (bar) 8 m/h 14 m/h 20 m/h 1 97, , ,80 98,11 97, ,61 97,72 98, ,56 24,00 8, ,69 31,13 11, ,12 24,25 11, ,30 28,10 10, ,43 30,46 11, ,34 25,06 12,53 O estudo chega à conclusão que para a remoção mais eficaz, de cerca de 98.91%, de SST, a melhor opção seria ultrafiltração desenrolar-se a uma velocidade de 14m/h com uma pressão transmembranar de 1bar, o melhor caso de remoção de CQO seria à velocidade de 8 m/h a uma pressão transmembranar de 1 bar, onde se obteria uma remoção de 55,56%. Em relação ao CBO, a mais eficaz seria à pressão de 3 bar e com uma velocidade de 8 m/h, onde se atingiria uma remoção de 50,34%. De maneira geral, para uma velocidade de 8m/h e para uma pressão transmembranar de 2 bar, conseguem-se a atingir bons resultados de remoção para todos os parâmetros (os segundos melhores resultados de eficiências de remoção dos três parâmetros), obtendo-se as seguintes percentagens de remoção: para SST 98,80%, para CQO 47,69% e para o CBO 49,34%

41 3 CARACTERIZAÇÃO DO SISTEMA DE DRENAGEM E TRATAMENTO No capítulo 3 estão apresentadas as etapas de tratamento das ETAR influenciadas pelas unidades industriais em estudo, tendo em conta as localizações, as descrições dos processos e as respectivas capacidades de tratamento. 3.1 ETAR DE S. MIGUEL DE LOBRIGOS A ETAR de S. Miguel de Lobrigos, situa-se em Santa Marta de Penaguião, distrito de Vila Real, no Vale do Douro Norte. Esta ETAR assegura o tratamento dos efluentes domésticos da respectiva localidade, tendo sido executada com os mais modernos sistemas de tratamento para efluentes domésticos. A concepção do sistema foi efectuada de modo a assegurar que o efluente descarregado tenha características compatíveis com os padrões de qualidade exigidos pela Legislação Portuguesa e Comunitária e, ao mesmo tempo, com o seu reaproveitamento na rega dos espaços verdes e como água de serviço no interior das instalações. Na concepção da ETAR de S. Miguel de Lobrigos foi considerado o facto da localidade pertencer à Região Demarcada do Douro, tendo como tal uma forte actividade vitivinícola. As instalações foram projectadas para receber efluentes industriais resultantes desta actividade, mas cumprindo os valores de emissão estabelecidos pelo REAR-ATMAD. 25

42 Figura 2. Localização da ETAR de S. Miguel de Lobrigos escala de 1: Esta ETAR encontra-se em funcionamento desde Agosto de Na tabela 11 estão apresentadas as características de projecto mais relevantes para o desenvolvimento deste trabalho sobre a ETAR de S. Miguel de Lobrigos, no ano horizonte de projecto. Tabela 11. Características de projecto da ETAR de S. Miguel de Lobrigos (Dados ATMAD). População equivalente Capacidade de CBO CQO SST tratamento (m 3 /d) mg/l kg/d mg/l kg/d mg/l kg/d A Figura 3 representa o fluxograma processual da ETAR de S. Miguel de Lobrigos. Afluente Bruto Tamisador Vala de oxidação Zona Anóxica Zona Aeróbia Decantador Recirculação Desidratação Transporte das lamas Espessador de lamas Meio Receptor Figura 3. Fluxograma da ETAR de S. Miguel de Lobrigos

43 A primeira etapa de funcionamento (Degrémont ATMAD, 2003) é a de obra de entrada, onde chega o efluente da rede de esgotos (esgotos domésticos e de indústrias da zona abrangente), que entram graviticamente numa caixa, de onde seguem directamente para o canal de alimentação do prétratamento, através de uma válvula de comporta manual. O pré-tratamento é efectuado num aparelho compacto onde ocorrem as operações de tamisagem e remoção de areias. O sistema é constituído por um tamisador rotativo, com uma malha de 6 mm que transporta resíduos para um contentor, e por um parafuso extractor para a remoção de areias. O tanque de arejamento é o local onde ocorrem as principais reacções de oxidação biológica da matéria orgânica poluente (CBO e CQO), utilizando uma cultura de microrganismos aeróbios obrigatórios e facultativos, que têm como função biodegradar os compostos orgânicos. O tanque de arejamento está dividido entre uma zona anóxica e uma zona aeróbia, onde ocorrem, respectivamente, as etapas de desnitrificação e nitrificação. A fase de desenvolvimento da cultura de microrganismos sob a forma de flocos irá processar-se neste tanque com agitação e arejamento permanente (Figura 4), alimentado continuamente pelo efluente. A agitação tem como objectivo evitar a formação de depósitos no fundo e nas paredes do tanque e, assim, homogeneíza a mistura dos flocos bacterianos com o efluente chegado (licor misto). A agitação é provocada pela injecção de ar, mas sendo esta insuficiente para manter a biomassa em suspensão, complementa-se este processo com dois agitadores submersíveis com velocidade lenta. O arejamento tem como objectivo dissolver o oxigénio do ar no licor misto, para que os microrganismos aeróbios possam desenvolver-se e assegurar a sua actividade depuradora. Figura 4. Vala de oxidação da ETAR de S. Miguel de Lobrigos. 27

44 Na etapa seguinte, o efluente proveniente do reactor biológico irá dar entrada no decantador secundário de configuração rectangular, através de uma câmara (desgasificação do licor misto) implantada numa das extremidades do reactor. O decantador secundário, apresentado na Figura 5, é o responsável pela separação de sólido-líquido. A matéria é recirculada periodicamente para a vala de oxidação com o auxílio de 6 electro-válvulas que funcionam alternadamente. Os efluentes clarificados são recolhidos numa caleira após passagem por um descarregador do tipo triangular. Figura 5. Decantador da ETAR de S. Miguel de Lobrigos A extracção de lamas em excesso é realizada na vala de oxidação. As lamas extraídas seguem para um espessador e posteriormente são transportadas para desidratação. O excesso de lamas produzidas no arejamento correspondente ao crescimento celular terá que ser eliminado de forma a ser possível manter a concentração pretendida no tanque de arejamento. A desidratação das lamas é realizada nas instalações da ETAR da Régua. As escorrências provenientes da desidratação das lamas e do sobrenadante são recolhidas num poço de bombagem. Daqui são elevadas em direcção ao tanque de arejamento através de duas bombas submersíveis, sendo uma reserva mecânica da outra

45 Parte do efluente tratado é armazenado na cisterna de água tratada antes de ser enviado para o destino final. Nesta cisterna existe um grupo hidropneumático com a função de fornecer água de serviço para toda a ETAR. O meio receptor das águas tratadas na ETAR de S. Miguel de Lobrigos é o ribeiro de Arcã, afluente do rio Corgo. O meio receptor está classificado como zona sensível nos termos de Decreto-Lei nº152/97, de 19 de Julho, mas como o projecto foi dimensionado para um aglomerado populacional equivalente inferior a , esta ETAR não é obrigada a cumprir todos os regras, pois assim não é considerada zona sensível. A ETAR localiza-se na zona do Douro Vinhateiro, onde a actividade agrícola, principalmente a produção de vinho é a actividade mais relevante. Neste trabalho aborda-se a actividade de uma dessas empresas. 29

46 3.2 ETAR DE CAMBRES A ETAR de Cambres localiza-se no concelho de Lamego, distrito de Viseu, e veicula as águas residuais de origem doméstica produzidas nas povoações de Cambres, Rio Bom, nas freguesias de Avões (Avões de Cá e Avões de Lá), Ferreiros de Avões (Bairral, Canelas, Foz de Baixo, Foz de Cima, Morões de Cima, Morões de Baixo, Paço, Trás da Igreja e Varandas), Samodães (Angres, Outeiro, Sampaio, Soutelo) e Penajoia (50% da povoação de S. Gião). A ETAR faz parte do agrupamento do Douro Sul e encontra-se em funcionamento desde Agosto de Figura 6. Localização da ETAR de Cambres escala 1: A ETAR de Cambres foi dimensionada a partir das características de projecto que constam na seguinte tabela: População equivalente Tabela 12. Características de projecto da ETAR de Cambres (Dados ATMAD). Capacidade de CBO CQO SST tratamento (m 3 /d) mg/l kg/d mg/l kg/d mg/l kg/d

47 O esquema dos processos de tratamento realizados na ETAR de Cambres encontra-se apresentado na Figura 7. Figura 7. Fluxograma da ETAR de Cambres. Na ETAR de Cambres as águas residuais brutas passam, inicialmente, por um pré-tratamento mecânico onde são removidas as areias e as gorduras do efluente. Na vala de oxidação estão presentes os processos anóxicos e aeróbios, onde ocorrem as etapas de desnitrificação e nitrificação, respectivamente. De seguida o efluente segue para o decantador, apresentado na Figura 8, onde existe recirculação de lamas para vala de oxidação. Figura 8. Decantador da ETAR de Cambres. 31

48 As escorrências da vala de oxidação e as lamas em excesso do decantador secundário seguem para o espessador gravítico e, mais tarde, são armazenadas em tanques, onde lhes é adicionada um polímero para que as lamas se compactem com mais facilidade. A desidratação das lamas é realizada por meio de uma centrifuga móvel, que se desloca à ETAR quando é necessário. O efluente tratado pela ETAR segue do decantador para meio receptor, que neste caso é o Rio Douro (ETAR de Cambres, 2006). A unidade industrial mais problemática nesta região pertence a uma empresa produtora de produtos lácteos. Esta empresa apesar de possuir um tratamento prévio para os seus efluentes, dispõe de um sistema de tratamento que está subdimensionado, o que não permite que se atinjam os valores de descarga que estão estipulados no REAR-ATMAD. Esta situação põe em risco o tratamento eficaz da ETAR de Cambres que, por vezes, não tem capacidade para tratar efluentes provenientes da indústria de lacticínios e que apresentam elevadas cargas orgânicas de difícil tratamento

49 3.3 ETAR DE RESENDE MIRÃO A ETAR localiza-se na margem sul do Rio Douro, freguesia e concelho de Resende, encontra-se em funcionamento desde Janeiro de 2006 e foi projectada para tratar as águas residuais domésticas transportadas pelo sistema de Resende-Mirão e recebe também as águas residuais produzidas por um matadouro, que se situa em terreno adjacente ao local de implantação da ETAR. Figura 9. Localização da ETAR de Resende Mirão escala 1: A implantação adoptada para a ETAR, assume uma geometria geral distribuída por três níveis, com uma área de cerca de 3000 m 2, estando os órgãos dispostos de forma a diminuir a ocupação do espaço, uma operação funcional e optimizada e a promover um enquadramento ambiental e paisagístico harmonioso. A ETAR de Resende-Mirão, no ano horizonte de projecto, apresenta as seguintes características de dimensionamento: Tabela 13. Características de projecto da ETAR de Resende-Mirão (Dados ATMAD). População equivalente Capacidade de CBO CQO SST tratamento (m 3 /d) mg/l kg/d mg/l kg/d mg/l kg/d

50 Esta é a estação receptora das águas residuais do matadouro municipal, que são tratadas juntamente com as águas residuais domésticas, mas em quantidades doseadas/reguladas, a partir de um tanque de equalização. O esquema de tratamento existente na presente instalação (Figura 10), desenvolve-se, como habitualmente, em duas fases, uma fase líquida e uma fase sólida. Figura 10. Fluxograma da ETAR de Resende - Mirão. Na fase líquida o esquema de tratamento concebido é composto por um tanque de equalização das águas residuais de um matadouro, que segue inicialmente, juntamente com as águas residuais domésticas para um sistema de gradagem grossa (em grelha manual, com remoção de gradados), seguida de um sistema de gradagem fina (tamisador, com um sistema mecânico de lavagem automática, com remoção de gradados de dimensões inferiores). Na Figura 11 está apresentado o sistema de gradagem a jusante do tanque de equalização

51 Figura 11. Sistema de gradagem. O efluente segue para um desarenador/desengordurador, onde são removidas as areias, óleos e gorduras. A etapa seguinte é a do tratamento biológico, numa vala de oxidação em regime de arejamento prolongado, com o objectivo de depurar a matéria orgânica. O efluente segue para um decantador secundário de geometria circular, equipado com uma ponte raspadora de superfície para remoção de escumas. Por sua vez, na fase sólida o esquema de tratamento concebido é composto pela homogeneização das lamas, onde as lamas compactas provenientes das ETAR da proximidade são armazenadas e homogeneizadas. O processo seguinte diz respeito ao espessamento gravítico das lamas extraídas do decantador secundário e das lamas das ETAR provenientes do tanque de armazenamento. A desidratação das lamas é realizada através de uma centrífuga fixa. As lamas desidratadas são posteriormente aproveitadas para uso em terrenos agrícolas locais. A ETAR tem como meio receptor das águas residuais tratadas um pequeno curso de água que aflui directamente ao Rio Douro (ETAR de Resende Mirão, 2001). 35

52 3.4 ETAR DE MIRANDELA A ETAR de Mirandela encontra-se localizada no distrito de Bragança e serve a população residente da sede de concelho de Mirandela e das povoações de Carvalhais e de Vale de Madeiro desde O agrupamento definido pela ATMAD é o de Terra Quente. Figura 12. Localização da ETAR de Mirandela escala 1: As características de projecto da ETAR de Mirandela estão apresentadas na Tabela 14, em que se tem em conta as características previstas para um tratamento eficiente da ETAR. População equivalente Tabela 14. Característica de projecto da ETAR de Mirandela (Dados ATMAD). Capacidade de CBO CQO SST tratamento (m 3 /d) mg/l kg/d mg/l kg/d mg/l kg/d

ETAR de Ermesinde e Alfena. Capacidade de Tratamento: Breve descrição do tratamento:

ETAR de Ermesinde e Alfena. Capacidade de Tratamento: Breve descrição do tratamento: ETAR de Ermesinde e Alfena A ETAR de Ermesinde foi projectada para tratar os efluentes urbanos provenientes da zona poente do Concelho de Valongo, abrangendo as freguesias de Ermesinde e Alfena. Esta ETAR

Leia mais

Faculdade de Ciências e Tecnologia Diploma de Estudos Avançados Engenharia Sanitária e Gestão Integrada de Resíduos. 1º Período

Faculdade de Ciências e Tecnologia Diploma de Estudos Avançados Engenharia Sanitária e Gestão Integrada de Resíduos. 1º Período 1. Plano de estudos: Faculdade de Ciências e Tecnologia Diploma de Estudos Avançados Engenharia Sanitária e Gestão Integrada de Resíduos 1º Período QUADRO N.º 2-Engenharia Sanitária e Gestão Integrada

Leia mais

ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS E INDUSTRIAIS COM CARACTERÍSTICAS EQUIVALENTES

ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS E INDUSTRIAIS COM CARACTERÍSTICAS EQUIVALENTES ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS E INDUSTRIAIS COM CARACTERÍSTICAS EQUIVALENTES TECNOLOGIAS DE TRATAMENTO 1. CARACTERÍSTICAS QUALITATIVAS... 1 1.1 - Identificação... 1 1.2 - Determinação...2 1.3 - Notas importantes

Leia mais

TRATAMENTO DE CHORUME

TRATAMENTO DE CHORUME TRATAMENTO DE CHORUME Com tecnologias de alta performance e custos compatíveis com o mercado brasileiro 6 de Agosto, 2014 Sede do CREA, Rio de Janeiro, Brasil O QUE É CHORUME? Lixiviação de água durante

Leia mais

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA...

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA... REUSO ÁGUA: INTELIGÊNCIA... PLANEJADO DA UMA QUESTÃO DE CONSUMO DE ÁGUA doméstico Indústria Agricultura 18,60% 8,00% 22,40% 22,00% 59,00% 70,00% Brasil Mundo Consumo mundial = 3.240 km 3 / ano Consumo

Leia mais

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE O funcionamento de uma Estação de Tratamento de Efluente (ETE) compreende basicamente as seguintes etapas: pré-tratamento (gradeamento e desarenação), tratamento primário

Leia mais

Tratamento Secundário. Tratamento Biológico

Tratamento Secundário. Tratamento Biológico Tratamento Secundário Tratamento Biológico Tratamentos Biológicos O 2, Elizabeth Duarte Tratamento Secundário Remoção de matéria orgânica biodegradável por processos biológicos 1- Decomposição da matéria

Leia mais

ETAR de Valongo, Campo e Sobrado. Capacidade de Tratamento: Descrição do Tratamento

ETAR de Valongo, Campo e Sobrado. Capacidade de Tratamento: Descrição do Tratamento ETAR de Valongo, Campo e Sobrado A Estação de Tratamento de Águas Residuais de Valongo, Campo e Sobrado foi projectada para tratar os efluentes da zona nascente do Concelho de Valongo, abrangendo as freguesias

Leia mais

Projeto Heróis da Água Fase III - 2014/2015

Projeto Heróis da Água Fase III - 2014/2015 O projeto O Projeto Heróis da Água é promovido pela EMAS de Beja e pela Câmara Municipal de Beja, enquadra-se na área da sensibilização e educação ambiental. O projeto mantem-se pelo 3.º ano e continua

Leia mais

SAAE Serviço autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Esgoto

SAAE Serviço autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Esgoto SAAE Serviço autônomo de Água e Esgoto Sistemas de Tratamento de Esgoto Aracruz, junho de 2006 1 1. Tecnologias de tratamento O tratamento biológico é a forma mais eficiente de remoção da matéria orgânica

Leia mais

SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE SANEAMENTO DO ALGARVE ETAR DA BOAVISTA

SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE SANEAMENTO DO ALGARVE ETAR DA BOAVISTA SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE SANEAMENTO DO ALGARVE ETAR DA BOAVISTA Paginação.indd 1 10/03/18 16:21 SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE SANEAME 1. CONCEPÇÃO DA INFRAESTRUTURA A ETAR da Boavista contempla o tratamento

Leia mais

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O.

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS São os flocos produzidos num esgoto bruto o decantado pelo crescimento de bactérias ou outros microorganismos, na presença de oxigênio dissolvido

Leia mais

GESTÃO, TRATAMENTO E REUTILIZAÇÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS. José dos Santos Santiago (*)

GESTÃO, TRATAMENTO E REUTILIZAÇÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS. José dos Santos Santiago (*) GESTÃO, TRATAMENTO E REUTILIZAÇÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS José dos Santos Santiago (*) RESUMO: Apresenta-se, neste artigo, a metodologia a seguir para gerir, tratar a reutilizar os efluentes industriais,

Leia mais

o seu parceiro em tecnologias e soluções de tratamento de águas

o seu parceiro em tecnologias e soluções de tratamento de águas o seu parceiro em tecnologias e soluções de tratamento de águas OS DESAFIOS DA IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS DE REUTILIZAÇÃO DE ÁGUAS RESIDUAIS EM PORTUGAL ÉVORA 2012 Who we are CASO PRÁTICO 1 (piloto) REUTILIZAÇÃO

Leia mais

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE Estação de Tratamento de Efluente (ETE) compreende basicamente as seguintes etapas: Pré-tratamento (gradeamento e desarenação), Tratamento primário (floculação e sedimentação),

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS ECODEPUR SBR (E.T.A.R. COMPACTA)

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS ECODEPUR SBR (E.T.A.R. COMPACTA) 0 SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS ECODEPUR SBR (E.T.A.R. COMPACTA) ENQUADRAMENTO A ECODEPUR entende a Concepção/Construção de uma E.T.A.R. como um conjunto integrado de Operações Unitárias

Leia mais

CÂMARA TEMÁTICA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS NBR-12.209 ABNT

CÂMARA TEMÁTICA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS NBR-12.209 ABNT CÂMARA TEMÁTICA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS NORMA BRASILEIRA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDRAULICO SANITÁRIOS DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS NBR-12.209 ABNT Eduardo Pacheco Jordão, Dr.Eng.

Leia mais

Universidade da Beira Interior

Universidade da Beira Interior Universidade da Beira Interior DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL CONTRIBUIÇÃO PARA O ESTUDO DA REMOÇÃO DE RESIDUAIS DE CARBONO EM FILTROS BIOLÓGICOS DE LEITO IMERSO E FLUXO DESCENDENTE António João Carvalho

Leia mais

Oxigénio a essência da vida. Tratamento aeróbio de águas residuais com SOLVOX.

Oxigénio a essência da vida. Tratamento aeróbio de águas residuais com SOLVOX. Oxigénio a essência da vida. Tratamento aeróbio de águas residuais com SOLVOX. Redução da eficiência nas estações de tratamento de águas residuais? Corrosão nas tubagens sob pressão de águas residuais?

Leia mais

Química das Águas - parte 3

Química das Águas - parte 3 QUÍMICA AMBIENTAL Química das Águas - parte 3 Aula S07 - Purificação de águas poluídas (Tratamento de esgoto) Prof. Rafael Arromba de Sousa Departamento de Química UFJF 2º período de 2013 Recapitulando...

Leia mais

UM SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DE BAIXO CUSTO

UM SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DE BAIXO CUSTO UM SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DE BAIXO CUSTO Resumo Até alguns anos atrás, os sistemas anaeróbicos de tratamento de efluentes eram considerados como "caixas pretas", cheios de segredos e truques,

Leia mais

Engº. Gandhi Giordano

Engº. Gandhi Giordano Processos físico-químicos e biológicos associados para tratamento de chorume Engº. Gandhi Giordano Professor Adjunto do Departamento de Engª Sanitária e Meio Ambiente da UERJ Diretor Técnico da TECMA Tecnologia

Leia mais

TABELA DE PREÇOS 2014

TABELA DE PREÇOS 2014 TABELA DE PREÇOS 2014 ECODEPUR - Tecnologias de Protecção Ambiental, Lda Urbanização da Chã Av. 21 de Junho, n.º 103 Apartado 8 2435-087 Caxarias PORTUGAL T. +351 249 571 500 F. +351 249 571 501 geral@ecodepur.pt

Leia mais

SIMULAÇÃO MATEMÁTICA DO PROCESSO DE TRATAMENTO BIOLÓGICO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS DE PARADA, MAIA

SIMULAÇÃO MATEMÁTICA DO PROCESSO DE TRATAMENTO BIOLÓGICO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS DE PARADA, MAIA SIMULAÇÃO MATEMÁTICA DO PROCESSO DE TRATAMENTO BIOLÓGICO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS DE PARADA, MAIA Chia-Yau CHENG (1) ; Irina RIBAROVA (2) ; Assunção ABREU (3) RESUMO Apresentam-se nesta

Leia mais

NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO

NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO Universidade Federal do Espírito Santo Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO Ricardo Franci Gonçalves Giovana Martinelli da Silva Tratamento de Esgoto Procedimentos

Leia mais

levy@cesur.civil.ist.utl.pt ; csantana@civil.ist.utl.pt

levy@cesur.civil.ist.utl.pt ; csantana@civil.ist.utl.pt FUNCIONAMENTO DAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS LIXIVIANTES E ACÇÕES PARA A SUA BENEFICIAÇÃO Levy 1, João de Quinhones; Santana 2, Carla levy@cesur.civil.ist.utl.pt ; csantana@civil.ist.utl.pt 1 Professor

Leia mais

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA.

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA. INTRODUÇÃO Todo e qualquer sistema de captação e tratamento de efluente doméstico tem como destino final de descarte desse material, direta ou indiretamente, corpos d água como seus receptores. A qualidade

Leia mais

Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies. Gianfranco Verona

Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies. Gianfranco Verona Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies Gianfranco Verona DESCARTE ZERO NUMA CABINE DE PINTURA SKIMMERFLOT Para o tratamento e a reutilização de águas provenientes

Leia mais

FLOTAÇÃO POR AR DISSOLVIDO DE LODOS BIOLÓGICOS. Gonçalves Maria Carolina, de Andrade Aguiar Vera Lucia RESUMO

FLOTAÇÃO POR AR DISSOLVIDO DE LODOS BIOLÓGICOS. Gonçalves Maria Carolina, de Andrade Aguiar Vera Lucia RESUMO FLOTAÇÃO POR AR DISSOLVIDO DE LODOS BIOLÓGICOS Gonçalves Maria Carolina, de Andrade Aguiar Vera Lucia EMPRESA: SABESP - COMPANHIA DE SANEAMENTO BÁSICO DE SÃO PAULO AV. 1º DE MAIO S/Nº VILA ALDEINHA BARUERI

Leia mais

Neste trimestre, a instalação não cumpriu por uma vez os coliformes fecais, na amostra do dia 25-02-2014.

Neste trimestre, a instalação não cumpriu por uma vez os coliformes fecais, na amostra do dia 25-02-2014. JUSTIFICAÇÕES AOS INCUMPRIMENTOS OCORRIDOS NO 25º TRIMESTRE DE ATIVIDADE JANEIRO A MARÇO DE ETAR da Fonte Quente ETAR da Fonte Quente Jan-14 Fev-14 Mar-14 Abr-14 Mai-14 Jun-14 Jul-14 Ago-14 Set-14 Out-14

Leia mais

Sumário. manua_pratic_05a_(1-8)_2014_cs4_01.indd 9 26/05/2014 15:40:32

Sumário. manua_pratic_05a_(1-8)_2014_cs4_01.indd 9 26/05/2014 15:40:32 Sumário Apresentação... 15 Capítulo 1 Qualidade da água e saneamento... 17 Referências bibliográficas...24 Capítulo 2... 25 Resumo geral da teoria... 25 2.1 Poluição e contaminação dos recursos hídricos...25

Leia mais

Águas do Douro e Paiva SA O novo ciclo da água Complexo de Lever

Águas do Douro e Paiva SA O novo ciclo da água Complexo de Lever Águas do Douro e Paiva SA O novo ciclo da água Complexo de Lever Página 1 Complexo de Lever é responsável pelo abastecimento de água a mais de 1,4 O milhões de habitantes de 13 municípios Accionistas da

Leia mais

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa PROTEÇÃO AMBIENTAL Professor André Pereira Rosa ALTERAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS CARACTERÍSTICAS DAS IMPUREZAS 99,9 % 0,1 % Esgotos Sólidos Poluição tratamento Impurezas justificam a instalação de ETE

Leia mais

III - Novas Tecnologias para o Tratamento das Águas Residuais. Prof. Doutor João de Quinhones Levy

III - Novas Tecnologias para o Tratamento das Águas Residuais. Prof. Doutor João de Quinhones Levy III - Novas Tecnologias para o Tratamento das Águas Residuais Prof. Doutor João de Quinhones Levy NOVAS TECNOLOGIAS PARA O TRATAMENTO DAS ÁGUAS RESIDUAIS João de Quinhones Levy (*) 1 - INTRODUÇÃO Nesta

Leia mais

Saneamento I Tratamento de água. Eduardo Cohim edcohim@gmail.com

Saneamento I Tratamento de água. Eduardo Cohim edcohim@gmail.com Saneamento I Tratamento de água Eduardo Cohim edcohim@gmail.com 1 Concepção de sistemas de abastecimento de água Estação de tratamento ETA Conjunto de unidades destinado a tratar a água, adequando suas

Leia mais

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. INFORMAÇÕES

Leia mais

TRATAMENTOS BIOLÓGICOS TRATAMENTOS BIOLÓGICOS

TRATAMENTOS BIOLÓGICOS TRATAMENTOS BIOLÓGICOS SISTEMA AERÓBICO X SISTEMA ANAERÓBICO AERÓBICO SISTEMA DE TRATAMENTO BIOLÓGICO COM INGESTÃO DE OXIGÊNIO PURO OU EM FORMA DE AR COMPRIMIDO HAVENDO SELEÇÃO DE ORGANISMOS AERÓBICOS. ANAERÓBICO SISTEMA DE

Leia mais

REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES

REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES OBTER ÁGUA DE REUSO DE BOA QUALIDADE COMEÇA POR UM SISTEMA TRATAMENTO DE ESGOTOS DE ALTA PERFORMANCE TRATAMENTO PRIMÁRIO: CONSISTE NA SEPARAÇÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB EM INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB EM INDÚSTRIA DE ALIMENTOS AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB EM INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Rebecca Manesco Paixão 1 ; Luiz Henrique Biscaia Ribeiro da Silva¹; Ricardo Andreola ² RESUMO: Este trabalho apresenta a avaliação do desempenho

Leia mais

AULA 23 ÓRGÃOS ESPECIAIS EM SISTEMAS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS. SANEAMENTO Aula 23 - Sumário

AULA 23 ÓRGÃOS ESPECIAIS EM SISTEMAS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS. SANEAMENTO Aula 23 - Sumário SANEAMENTO Aula 23 - Sumário AULA 23 ÓRGÃOS ESPECIAIS EM SISTEMAS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS Sifões invertidos, descarregadores e instalações elevatórias. Saneamento [A23.1] SIFÕES INVERTIDOS (Artº

Leia mais

$!, $-($#!, $$.' "& ' %&!%&, #!&$' (!&, #$+

$!, $-($#!, $$.' & ' %&!%&, #!&$' (!&, #$+ $!, $-($#!, $$.' "& ' %&!%&, #!&$' (!&, #$+ %$#8! &! '!5&$&!)' &(*$#1!'!$"2!1 "% $#1#$0'!&!!'!(&' &!# &'!5&$' &! $#$' '!$ $+ %$#2!' $#! (&'!&$!' '!'! &! '! &!)'&(*$#9 8!'!"% $#9&5 #%#$' '!'!#&!#$!! #'

Leia mais

ANEXO 14- PILHAS DE COMBUSTÍVEL

ANEXO 14- PILHAS DE COMBUSTÍVEL ANEXO 14- PILHAS DE COMBUSTÍVEL 198 Conteúdo 1 Pilha de combustível... 199 1.1 O que é um elemento a combustível... 199 1.2 Princípio de funcionamento... 200 1.3 Tipos básicos de elementos a combustível...

Leia mais

Plano de Formação. Condicionamento ambiental das explorações pecuárias. REAP

Plano de Formação. Condicionamento ambiental das explorações pecuárias. REAP Plano de Formação 1. Enquadramento A produção animal encontra-se perante um aumento das pressões a partir da sociedade para cumprir a legislação ambiental, para que os sistemas de produção sejam explorados

Leia mais

AULA 11: Tratamento de Efluentes

AULA 11: Tratamento de Efluentes Centro Universitário da Zona Oeste Curso: Tecnologia em Produção de Fármacos e Farmácia Período: 5 período Disciplina: Microbiologia Industrial Professora: Sabrina Dias AULA 11: Tratamento de efluentes

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL Disciplina: Processos de Tratamento de Esgoto Professora: Nara Luisa Reis de Andrade naraluisar@gmail.com

Leia mais

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Introdução ao estudo dos esgotos.

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Introdução ao estudo dos esgotos. Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: Saneamento Básico e Saúde Pública Aula 7 Professor Antônio Ruas 1. Créditos: 60 2. Carga

Leia mais

20/11/2013. Efluente Industrial. Efluente doméstico PROBLEMAS DA POLUIÇÃO EM AMBIENTES AQUÁTICOS A POLUIÇÃO EM AMBIENTES AQUÁTICOS

20/11/2013. Efluente Industrial. Efluente doméstico PROBLEMAS DA POLUIÇÃO EM AMBIENTES AQUÁTICOS A POLUIÇÃO EM AMBIENTES AQUÁTICOS Fontes de poluição Os principais poluentes da água são: Partículas do solo erodido Pesticidas e fertilizantes agrícolas Resíduos sólidos diversos Produtos usados em mineração Chorume lixo em decomposição

Leia mais

APEMETA TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS INDUSTRIAIS AVALIAÇÃO E PERSPECTIVAS FUTURAS

APEMETA TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS INDUSTRIAIS AVALIAÇÃO E PERSPECTIVAS FUTURAS APEMETA TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS INDUSTRIAIS AVALIAÇÃO E PERSPECTIVAS FUTURAS TECNOLOGIAS PARA TRATAMENTO DE EFLUENTES DE MATADOUROS E DE UNIDADES DE PRODUÇÃO DE FARINHA DE PEIXE E DE SUB-PRODUTOS

Leia mais

ASPECTOS TÉCNICOS RELEVANTES PARA O DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO BIOLÓGICO AERÓBIO E ANAERÓBIO

ASPECTOS TÉCNICOS RELEVANTES PARA O DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO BIOLÓGICO AERÓBIO E ANAERÓBIO ASPECTOS TÉCNICOS RELEVANTES PARA O DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO BIOLÓGICO AERÓBIO E ANAERÓBIO PEDRO ALEM SOBRINHO ESCOLA POLITÉCNICA - USP TRATAMENTO DE ESGOTO O INÍCIO 1.850 1.900 MOTIVO

Leia mais

A ETAR de Setúbal encontra-se dimensionada para as seguintes condições de base: 253 107 Habitantes equivalentes Fração de caudal industrial 28%

A ETAR de Setúbal encontra-se dimensionada para as seguintes condições de base: 253 107 Habitantes equivalentes Fração de caudal industrial 28% A Estação de Tratamento das Águas Residuais de Setúbal (ETAR de Setúbal), constitui pela sua importância para o equilibro natural, desenvolvimento económico, bem-estar e saúde da população do Concelho,

Leia mais

4.4.2. Controlo da descarga das águas residuais produzidas

4.4.2. Controlo da descarga das águas residuais produzidas 3.1.5. Pontos de emissão 3.1.5.1. Águas residuais e pluviais O efluente após tratamento na ETAL, é descarregado para um sistema de drenagem colectivo (ED1), e encaminhado para ETAR Municipal de Angra do

Leia mais

Equipamento de manutenção de pressão e separação da Grundfos

Equipamento de manutenção de pressão e separação da Grundfos Equipamento de manutenção de pressão e separação da Grundfos Grundfos: Mais do que um Fornecedor de bombas Ao optimizar a eficiência dos seus sistemas de aquecimento e de refrigeração, a Grundfos disponibiliza

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

TRATAMENTO DE EFLUENTES POR PROCESSOS NATURAIS

TRATAMENTO DE EFLUENTES POR PROCESSOS NATURAIS Davide Santos Dep. Eng. Civ. EST/UAlg TRATAMENTO DE EFLUENTES POR PROCESSOS NATURAIS Cláudio Brito RESUMO O presente trabalho tem por objectivo abordar de uma forma sumária os sistemas de tratamento de

Leia mais

TRATAMENTO ANAERÓBIO DE ESGOTOS ATRAVÉS DE REATORES DO TIPO UASB

TRATAMENTO ANAERÓBIO DE ESGOTOS ATRAVÉS DE REATORES DO TIPO UASB TRATAMENTO ANAERÓBIO DE ESGOTOS ATRAVÉS DE REATORES DO TIPO UASB Marcio Gomes Barboza/Eduardo L. C. de Amorim GTR/CTEC/UFAL 1 1. INTRODUÇÃO Upward-flow Anaerobic Sludge Blanket (UASB) Dr. Gatze Lettinga

Leia mais

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 8 Compostagem. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015.

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 8 Compostagem. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015. Campus Experimental de Sorocaba Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos Graduação em Engenharia Ambiental 8 Compostagem Professor: Sandro Donnini Mancini Sorocaba, Março de 2015.

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Tratamento Primário Coagulação/Floculação

Leia mais

Salher Ibérica, S. L. Salher Guadalajara Salher Portugal Salher Polska Salher France Salher México S.A.c.v.

Salher Ibérica, S. L. Salher Guadalajara Salher Portugal Salher Polska Salher France Salher México S.A.c.v. www.salher.com Quem Somos -A SALHER é uma empresa de origem espanhola, fundada em 1980. -Por mais de 30 anos, a SALHER teve como principal objectivo o fabrico e desenvolvimento de sistemas de depuração

Leia mais

Capítulo I Água potável, mineral e de mesa

Capítulo I Água potável, mineral e de mesa Ciência Alimentar e Saúde Composição de Alimentos II Capítulo I Água potável, mineral e de mesa Água Potável deve ser transparente, sem cor, sem odor, livre de microorganismos patogénicos (baixo em microorganismos

Leia mais

ETE do Baldo - Natal/RN

ETE do Baldo - Natal/RN ETE do Baldo - Natal/RN A Estação de Tratamento de Esgoto do Sistema Central de Natal, localizada no bairro do Baldo, na rua Capitão Silveira Barreto S/N, constitui-se num investimento de aproximadamente

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE DESCARGAS DE ÁGUAS RESIDUAIS NA REDE DE COLECTORES DA ZIL

REGULAMENTO MUNICIPAL DE DESCARGAS DE ÁGUAS RESIDUAIS NA REDE DE COLECTORES DA ZIL MUNICIPAL DE DESCARGAS DE ÁGUAS RESIDUAIS NA REDE DE COLECTORES DA ZIL Regulamento Municipal de Descargas de Águas Residuais na Rede de Colectores da ZIL NOTA JUSTIFICATIVA O artigo 116º do Código do Código

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL

INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL Hugo Renan Bolzani 1, Sandro Rogério Lautenschlager

Leia mais

1 st Workshop fromthecreationproject in Research LinesofExcellence Covilhã, 18 de Novembro de 2013

1 st Workshop fromthecreationproject in Research LinesofExcellence Covilhã, 18 de Novembro de 2013 1 st Workshop fromthecreationproject in Research LinesofExcellence Covilhã, 18 de Novembro de 2013 Pedro Serra Sabrina Guia António Espírito Santo António Albuquerque 1 st Workshop fromthecreationproject

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS E EFLUENTES: UPGRADE DE FOSSAS SEPTICAS PARA ETAR COMPACTA

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS E EFLUENTES: UPGRADE DE FOSSAS SEPTICAS PARA ETAR COMPACTA SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS E EFLUENTES: UPGRADE DE FOSSAS SEPTICAS PARA ETAR COMPACTA Ivo BRAGA 1 RESUMO Desde 1987, a AQUAPOR / LUSÁGUA é um dos principais players do mercado na Gestão de Concessões

Leia mais

Tratamento e valorização de subprodutos de lagares de azeite: processos de oxidação avançada e tecnologia BioCombus

Tratamento e valorização de subprodutos de lagares de azeite: processos de oxidação avançada e tecnologia BioCombus Congresso Nacional do Azeite Feira Nacional de Agricultura Santarém, 8 de junho 2015 Tratamento e valorização de subprodutos de lagares de azeite: processos de oxidação avançada e tecnologia BioCombus

Leia mais

ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL

ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL ENERGIN AZÓIA Empresa de Cogeração Industrial, S.A. CENTRAL DE COGERAÇÃO A INSTALAR NA SOLVAY PORTUGAL (PÓVOA DE SANTA IRIA, VILA FRANCA DE XIRA) ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL RESUMO NÃO TÉCNICO Maio de

Leia mais

ETEs COMPACTAS VERTICAIS BIOFIBER

ETEs COMPACTAS VERTICAIS BIOFIBER ETEs COMPACTAS VERTICAIS BIOFIBER APRESENTAÇÃO O tratamento de esgoto nos centros urbanos tem se mostrado um desafio crescente. Devido à área requerida para implantação, bem como dos maus odores característicos

Leia mais

DELTA AMBIENTAL Grupo Delta Vinil Estações Compactas de Tratamento de Esgotos Sanitários. Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE

DELTA AMBIENTAL Grupo Delta Vinil Estações Compactas de Tratamento de Esgotos Sanitários. Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE 1) APRESENTAÇÃO A Delta Ambiental oferece diversas opções de, com o intuito de poder adequar a melhor solução em termos de custo/benefício para cada situação

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Esgoto sanitário, lodos ativados em batelada, MBBR, Biobob, biomassa fixa.

PALAVRAS-CHAVE: Esgoto sanitário, lodos ativados em batelada, MBBR, Biobob, biomassa fixa. ESTUDO DO EFEITO DA ADIÇÃO DE MATERIAL SUPORTE PARA ADESÃO CELUAR EM REATOR DE LODOS ATIVADOS TIPO CASS (CYCLIC ACTIVATED SLUDGE SYSTEM) TRATANDO ESGOTO SANITÁRIO MUNICIPAL Moacir Messias de Araujo Junior

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE GARIBALDI SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE. Portaria nº 001 2011 SMMA

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE GARIBALDI SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE. Portaria nº 001 2011 SMMA Portaria nº 001 2011 SMMA Estabelece Termo de Referencia para elaboração de Projetos de Estações de Tratamento de Esgotos com Prévia anuência do Município para que o mesmo assuma a responsabilidade de

Leia mais

Valorização Energética dos Resíduos Derivados do Sector Pecuário

Valorização Energética dos Resíduos Derivados do Sector Pecuário 1º ENCONTRO LUSO-ANGOLANO DE ECONOMIA, SOCIOLOGIA E DESENVOLVIMENTO RURAL Valorização Energética dos Resíduos Derivados do Sector Pecuário BIAVANGA GUEVARA ZIONE 16 a 18 de Outubro de 2008, Universidade

Leia mais

G R U P O C I S I E CORPORACIÓN DE INSTALACIÓN Y SERVICIOS INTERNOS EMPRESARIALES S.A. DE C.V.

G R U P O C I S I E CORPORACIÓN DE INSTALACIÓN Y SERVICIOS INTERNOS EMPRESARIALES S.A. DE C.V. G R U P O C I S I E CORPORACIÓN DE INSTALACIÓN Y SERVICIOS INTERNOS EMPRESARIALES S.A. DE C.V. OBJETIVO Oferecer uma solução eficiente em tempo, custo e infraestrutura para todo tipo de problema relacionado

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE REATOR UASB AO RECEBER LODO SÉPTICO

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE REATOR UASB AO RECEBER LODO SÉPTICO AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE REATOR UASB AO RECEBER LODO SÉPTICO Juliana Moraes SILVA julianamoraes84@yahoo.com.br Paulo Sérgio SCALIZE pscalize.ufg@gmail.com Programa de Pós Graduação Stricto sensu em Engenharia

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE 2013

PROJETO DE LEI Nº DE 2013 PROJETO DE LEI Nº DE 2013 Dispõe sobre as atividades relativas a geração, transporte, filtragem, estocagem e geração de energia elétrica térmica e automotiva com biogás, e dá outras providências. Art.

Leia mais

Unidade de BIOENERGIA, LNEG, Est. do Paço do Lumiar, 1649-038 Lisboa, Portugal. (e-mail: santino.diberardino@mail.ineti.pt)

Unidade de BIOENERGIA, LNEG, Est. do Paço do Lumiar, 1649-038 Lisboa, Portugal. (e-mail: santino.diberardino@mail.ineti.pt) Digestão anaeróbia Santino Di Berardino em Porto santo Unidade de BIOENERGIA, LNEG, Est. do Paço do Lumiar, 1649-038 Lisboa, Portugal. (e-mail: santino.diberardino@mail.ineti.pt) 1 1 Introdução O desenvolvimento

Leia mais

Workshops Meio Ambiente. Convênio CETESB-CIESP. Engº. Regis Nieto. Gerente do Setor de Avaliação de Sistemas de Saneamento

Workshops Meio Ambiente. Convênio CETESB-CIESP. Engº. Regis Nieto. Gerente do Setor de Avaliação de Sistemas de Saneamento Workshops Meio Ambiente Convênio CETESB-CIESP TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS Engº. Regis Nieto Gerente do Setor de Avaliação de Sistemas de Saneamento Escolha do Sistema de Tratamento de Efluentes Caracterização

Leia mais

Tratamento de água para indústria de refrigerantes

Tratamento de água para indústria de refrigerantes Tratamento de água para indústria de refrigerantes Dra. Sonia Maria Costa Celestino Engenheira Química - Pesquisadora em Ciência e Tecnologia de Alimentos Embrapa Cerrados Tel.: (61) 3388-9957 email: sonia.costa@cpac.embrapa.br

Leia mais

Microbiologia ambiental Engenharia do Ambiente. Escola Superior Agrária Instituto Politécnico de Coimbra abelho@esac.pt www.esac.

Microbiologia ambiental Engenharia do Ambiente. Escola Superior Agrária Instituto Politécnico de Coimbra abelho@esac.pt www.esac. Microbiologia ambiental Engenharia do Ambiente Escola Superior Agrária Instituto Politécnico de Coimbra abelho@esac.pt www.esac.pt/abelho Módulo 2. Microbiologia ambiental aplicada 3.2 OS MICRORGANISMOS

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto executivo nº 12/05 de 12 de Janeiro Considerando o disposto no Decreto nº 39/00. de 10 de Outubro, sobre a protecção do ambiente no decurso das actividades petrolíferas

Leia mais

Revisão aprovada na CECA pela Deliberação nº 2491 de 05.10.91, publicada no

Revisão aprovada na CECA pela Deliberação nº 2491 de 05.10.91, publicada no DZ - 205.R-5 DIRETRIZ DE CONTROLE DE CARGA ORGANICA EM EFLUENTES LIQUIDOS DE ORIGEM INDUSTRIAL NOTAS: Revisão aprovada na CECA pela Deliberação nº 2491 de 05.10.91, publicada no D.O.E.R.J. de 24.10.91.

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS. Engº Ricardo de Gouveia

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS. Engº Ricardo de Gouveia SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS Engº Ricardo de Gouveia SEQÜÊNCIA TÍPICA Tratamento Primário Tratamento Secundário Tratamento Terciário SEQÜÊNCIA TÍPICA Tratamento Primário Grades ou Peneiras

Leia mais

Tratamento de Efluentes Líquidos e Sólidos Primeira Parte

Tratamento de Efluentes Líquidos e Sólidos Primeira Parte Tratamento de Efluentes Líquidos e Sólidos Primeira Parte A população brasileira obtém água bruta principalmente por meio de origens superficiais, ou seja, rios e lagos, tratada para tornar-se adequada

Leia mais

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com

Leia mais

Aula 1º P ESA A Importância do Tratamento dos Esgotos

Aula 1º P ESA A Importância do Tratamento dos Esgotos Aula 1º P ESA A Importância do Tratamento dos Esgotos 28/05/2013 Ana Silvia Pereira Santos anasilvia.santos@ufjf.edu.br Temas Poluição da Água Níveis de atendimento no Brasil em relação ao esgotamento

Leia mais

PERFORMANCE DE UM REATOR UASB NA ATENUAÇÃO DA CARGA ORGÂNICA PRESENTE NA MISTURA DE ESGOTO SANITÁRIO E PERCOLADO

PERFORMANCE DE UM REATOR UASB NA ATENUAÇÃO DA CARGA ORGÂNICA PRESENTE NA MISTURA DE ESGOTO SANITÁRIO E PERCOLADO PERFORMANCE DE UM REATOR UASB NA ATENUAÇÃO DA CARGA ORGÂNICA PRESENTE NA MISTURA DE ESGOTO SANITÁRIO E PERCOLADO Maria da Conceição Silva Lima * Universidade Estadual da Paraíba. Mestre em Desenvolvimento

Leia mais

I.022 FLOTAÇÃO POR AR DISSOLVIDO APLICADA NA CLARIFICAÇÃO DE ÁGUAS QUE APRESENTAM PICOS DE TURBIDEZ

I.022 FLOTAÇÃO POR AR DISSOLVIDO APLICADA NA CLARIFICAÇÃO DE ÁGUAS QUE APRESENTAM PICOS DE TURBIDEZ I.22 I.22 FLOTAÇÃO POR AR DISSOLVIDO APLICADA NA CLARIFICAÇÃO DE ÁGUAS QUE APRESENTAM PICOS DE TURBIDEZ Marco A. P. Reali (1) Engenheiro Civil pela Universidade de São Paulo EESC, Professor Doutor junto

Leia mais

EFICIÊNCIA DOS FILTROS ANAERÓBIOS TIPO CYNAMON NO TRATAMENTO DE ESGOTOS - PARTE I

EFICIÊNCIA DOS FILTROS ANAERÓBIOS TIPO CYNAMON NO TRATAMENTO DE ESGOTOS - PARTE I EFICIÊNCIA DOS FILTROS ANAERÓBIOS TIPO CYNAMON NO TRATAMENTO DE ESGOTOS - PARTE I Odir Clécio da Cruz Roque (1) Engenheiro Químico, D.Sc. Professor Adjunto da FEUERJ. Pesquisador Titular da ENSP / Fiocruz.

Leia mais

SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS

SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS Gás Climatização

Leia mais

TRATAMENTOS TERCIÁRIOS DE ÁGUAS RESIDUAIS COM VISTA À REUTILIZAÇÃO

TRATAMENTOS TERCIÁRIOS DE ÁGUAS RESIDUAIS COM VISTA À REUTILIZAÇÃO IX ENCONTRO TÉCNICO ECOATLÂNTICO - FUNCHAL TRATAMENTOS TERCIÁRIOS DE ÁGUAS RESIDUAIS COM VISTA À REUTILIZAÇÃO João Ferreira da Silva 22 de Novembro de 2007 TRATAMENTO SECUNDÁRIO LEGISLAÇÃO Decreto-Lei

Leia mais

ALTERNATIVAS NO TRATAMENTO DE EFLUENTES

ALTERNATIVAS NO TRATAMENTO DE EFLUENTES ALTERNATIVAS NO TRATAMENTO DE EFLUENTES A constante destruição da natureza e a negligência com nossos esgotos, trouxeram graves conseqüências à vida humana, apresentando inúmeros reflexos e danos à saúde.

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB NO TRATAMENTO DE EFLUENTES GERADOS POR HOSPITAL DA SERRA GAUCHA

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB NO TRATAMENTO DE EFLUENTES GERADOS POR HOSPITAL DA SERRA GAUCHA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB NO TRATAMENTO DE EFLUENTES GERADOS POR HOSPITAL DA SERRA GAUCHA RESUMO A atividade dos serviços de saúde gera águas residuárias que podem causar impactos sobre os

Leia mais

ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS. Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Almada

ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS. Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Almada ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Almada O QUE SÃO ÁGUAS RESIDUAIS? São águas que resultam de diversos usos ou atividades ligadas à vida humana:

Leia mais

III ENCONTRO TÉCNICO PONTA DELGADA. 19 de Maio de 2000 TOMO II

III ENCONTRO TÉCNICO PONTA DELGADA. 19 de Maio de 2000 TOMO II III ENCONTRO TÉCNICO PONTA DELGADA 19 de Maio de 2000 TOMO II ÍNDICE Pág. 1 Introdução... 1 2 Caracterização de uma Água... 2 3 Legislação... 3 3.1 Disposições Gerais... 3 3.2 Águas Doces Superficiais

Leia mais

Aula 7 (17/06): Não haverá aula (ENCI) Aula 8 (24/06): 1º seminário (artigo sobre Água)

Aula 7 (17/06): Não haverá aula (ENCI) Aula 8 (24/06): 1º seminário (artigo sobre Água) QUÍMICA ANALÍTICA AMBIENTAL 1º período de 2013 LEMBRETES Aula 7 (17/06): Não haverá aula (ENCI) Aula 8 (24/06): 1º seminário (artigo sobre Água) Prof. Rafael Sousa Departamento de Química UFJF Dicas para

Leia mais

850. PROTECÇÃO DO AMBIENTE

850. PROTECÇÃO DO AMBIENTE INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Área de Formação: 8. PROTECÇÃO DO AMBIENTE Itinerário de Qualificação: 801. OPERAÇÃO DE SISTEMAS AMBIENTAIS Saída(s) Profissional(is):

Leia mais

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG ANTONELLO, P.M. 1 ; BARRETO, A.C 2 ; SOUZA, A.D. 3 ; 1 Bolsista

Leia mais

Apresentação Hendrik Wernick Mercado de Biogás Opus Solutions 1ª CONFERÊNCIA DAS RENOVÁVEIS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. São Paulo 23/10/2012

Apresentação Hendrik Wernick Mercado de Biogás Opus Solutions 1ª CONFERÊNCIA DAS RENOVÁVEIS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. São Paulo 23/10/2012 Apresentação Hendrik Wernick Mercado de Biogás Opus Solutions 1ª CONFERÊNCIA DAS RENOVÁVEIS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA São Paulo 23/10/2012 1 Composição Composição do biogás: Metano CH 4 45 75 Vol% Dióxido

Leia mais

LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C. 3 ; FREITAS, A.C. 4 ; GONÇALVES, C.A.A. 5

LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C. 3 ; FREITAS, A.C. 4 ; GONÇALVES, C.A.A. 5 PROGRAMA DE VIABILIZAÇÃO TÉCNICA PARA SISTEMA DE TRATAMENTO INTEGRADO DOS EFLUENTES GERADOS NO COMPLEXO AGROINDUSTRIAL DA UNIDADE I DO CEFET UBERABA MG LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C.

Leia mais

10-10-2000. Francisco José Simões Roque, nº9 11ºA

10-10-2000. Francisco José Simões Roque, nº9 11ºA Estudo da composição dos solos A turfa 10-10-2000 Francisco José Simões Roque, nº9 11ºA INTRODUÇÃO Os solos são sistemas trifásicos pois são constituídos por componentes sólidos, líquidos e gasosos. Cerca

Leia mais

02/08/2015. Padrões de potabilidade TRATAMENTO DA ÁGUA. Tratamento da água. Tratamento da água. Tratamento da água

02/08/2015. Padrões de potabilidade TRATAMENTO DA ÁGUA. Tratamento da água. Tratamento da água. Tratamento da água Padrões de potabilidade A água própria para o consumo deve obedecer certos requisitos: TRATAMENTO DA ÁGUA Professor: André Luiz Montanheiro Rocha Disciplina: Gestão de Recursos Naturais 2ª COLÉGIO ESTADUAL

Leia mais