Métodos Formais. Ian Sommerville - Software Engineering TraduçãoProf Pedro Fernandes - Métodos Formais, 6o Período Slide 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Métodos Formais. Ian Sommerville - Software Engineering TraduçãoProf Pedro Fernandes - Métodos Formais, 6o Período Slide 1"

Transcrição

1 Métodos Formais Ian Sommerville - Software Engineering TraduçãoProf Pedro Fernandes - Métodos Formais, 6o Período Slide 1

2 Métodos Formais São técnicas baseadas em formalismos matemáticos para a especificação, desenvolvimento e verificação dos sistemas de softwares e hardwares. Na Ciência da Computação o termo método formal foi restrito para o uso de notação formal para representar modelos de sistemas durante o processo de desenvolvimento.... É difícil formalizar domínios que possuem muitos casos especiais ou contém muito conhecimento subentendido ou sujeito a mudanças. Ian Sommerville - Software Engineering TraduçãoProf Pedro Fernandes - Métodos Formais, 6o Período Slide 2

3 Métodos Formais Não se tornaram as principais técnicas de desenvolvimento de software Outras técnicas foram utilizadas que resultou em melhorias na qualidade do software. O time-to-market é preferível. O escopo de métodos formais é limitado. A formalização é bem sucedida em domínios restritos ou organizados. No desenvolvimento de software não se pode validar resultados apenas provando teoremas. Ian Sommerville - Software Engineering TraduçãoProf Pedro Fernandes - Métodos Formais, 6o Período Slide 3

4 Benefícios de Métodos Formais Usados para reduzir o número de erros do sistema. Reduz tempo de desenvolvimento. Proporciona melhor documentação. Melhora a comunicação (entre equipe com o usuário). Facilita manutenção. Ajuda a organizar as atividades durante o ciclo de vida. Ian Sommerville - Software Engineering TraduçãoProf Pedro Fernandes - Métodos Formais, 6o Período Slide 4

5 Métodos Formais Especificação Formal. Análise e prova da especificação. Verificação do programa. Ian Sommerville - Software Engineering TraduçãoProf Pedro Fernandes - Métodos Formais, 6o Período Slide 5

6 Especificação Formal É uma especificação expressa em uma determinada linguagem cujo vocabulário, sintaxe e semântica são formalmente definidos e rígidos. Ian Sommerville - Software Engineering TraduçãoProf Pedro Fernandes - Métodos Formais, 6o Período Slide 6

7 Especificação Formal Especificação vs. Implementação O quê? vs. Como? Especificações formais vs. especificações informais Formais: A notação utilizada possui uma sintaxe e uma semântica totalmente precisa Informal: Escritas em linguagem natural Ian Sommerville - Software Engineering TraduçãoProf Pedro Fernandes - Métodos Formais, 6o Período Slide 7

8 Especificação Formal Uma especificação formal provê: Uma notação (domínio sintático); Um universo de objetos (domínio semântico); Regra precisa que define que objetos satisfazem cada especificação. Uma especificação é uma sentença escrita em termos de elementos do domínio sintático. Ian Sommerville - Software Engineering TraduçãoProf Pedro Fernandes - Métodos Formais, 6o Período Slide 8

9 Especificação Formal Uma linguagem de especificação é uma tripla <Sin, Sem, Sat>: Sin e Sem são conjuntos. Sat é uma relação entre Sin e Sem. Se Sat(sin, sem), então sin é uma especificação de sem, e sem é um especificando de sin. Ian Sommerville - Software Engineering TraduçãoProf Pedro Fernandes - Métodos Formais, 6o Período Slide 9

10 Domínio Sintático Definido em termos de: um conjunto de símbolos (por exemplo, constantes, variáveis e conectores lógicos). Um conjunto de regras gramaticais para combinar esses símbolos. Necessidade de sentenças bem formadas. O domínio sintático não se restringe a um formato textual. Pode-se usar elementos gráficos. Ian Sommerville - Software Engineering TraduçãoProf Pedro Fernandes - Métodos Formais, 6o Período Slide 10

11 Domínio Semântico As linguagens de especificação diferem na escolha do domínio semântico. Exemplos: Linguagens de especificação de tipos abstratos de dados. Linguagens de especificação de sistemas distribuídos e concorrentes. Linguagens de programação. Ian Sommerville - Software Engineering TraduçãoProf Pedro Fernandes - Métodos Formais, 6o Período Slide 11

12 Propriedades de uma Especificação Não ambigüidade: Cada especificação é mapeada em exatamente um especificando. Consistente: Deve ter uma interpretação semântica significativa. Completa: Mínima A coleção de propriedades especificadas deve ser suficiente para estabelecer compatibilidade com especificações de mais alto nível. Ian Sommerville - Software Engineering TraduçãoProf Pedro Fernandes - Métodos Formais, 6o Período Slide 12

13 Especificação no Processo de Software Ian Sommerville - Software Engineering TraduçãoProf Pedro Fernandes - Métodos Formais, 6o Período Slide 13

14 Custo do Processo de Software Ian Sommerville - Software Engineering TraduçãoProf Pedro Fernandes - Métodos Formais, 6o Período Slide 14

15 Técnicas de Especificação Algébrica O sistema é descrito em termos de operações e relacionamentos entre elas. Baseada em modelo Um modelo do sistema é construído usando construções matemáticas tais como conjuntos e seqüências e as operações são definidas em termos de como elas alteram o estado do sistema. Ian Sommerville - Software Engineering TraduçãoProf Pedro Fernandes - Métodos Formais, 6o Período Slide 15

16 Linguagens de Especificação Formal Ian Sommerville - Software Engineering TraduçãoProf Pedro Fernandes - Métodos Formais, 6o Período Slide 16

17 Estrutura de uma Especificação Algébrica < Nome da Especificação> sort < nome > imports < LISTA DE NOMES DA ESPECIFICAÇÃO> Descrição informal do sort e de suas operações Assinaturas de operação, que estabelecem os nomes e os tipos de parâmetros às operações definidas sobre o sort Axiomas que definem as operções sobre o sort Ian Sommerville - Software Engineering TraduçãoProf Pedro Fernandes - Métodos Formais, 6o Período Slide 17

18 Componentes da Especificação Introdução Define o sort (o nome do tipo) e declara outras especificações que são usadas Descrição Descreve informalmente as operações Assinatura Define a sintaxe e seus parâmetros Axioma Define a semântica das operações Ian Sommerville - Software Engineering TraduçãoProf Pedro Fernandes - Métodos Formais, 6o Período Slide 18

19 Especificação algébrica sistemática Estruturação da especificação Nomeação da especificação Seleção da operação Especificação informal de operação Definição da sintaxe Definição dos axiomas Ian Sommerville - Software Engineering TraduçãoProf Pedro Fernandes - Métodos Formais, 6o Período Slide 19

20 Especificação de uma Lista LISTA( Elem ) sort Lista imports INTEIRO Define uma lista em que elementos são adicionados ao seu final e removidos de seu início. As operações são CREATE, que busca uma lista vazia; CONS, que cria uma nova lista com a adição de um membro; Length, que avalia o tamanho da lista; HEAD, que avalia o primeiro elemento da lista; etail, que cria uma lista removendo o HEAD de sua lista de entrada. UNDEFINED representa um valor indefinido do tipo Elem. Create List Cons(List,Elem) List Head(List) Elem Length(List) Inteiro Tail(List) List Head(Create) = Undefined exception (empty List) Head(Cons(L,v)) = if L=Create then v else Head(L) Length(Create) = 0 Length(Cons(L,v)) = Length(L) + 1 Tail(Create) = Create Tail(Cons(L,v)) = if L=Create then Create else Cons(Tail(L),v) Ian Sommerville - Software Engineering TraduçãoProf Pedro Fernandes - Métodos Formais, 6o Período Slide 20

21 Especificações recursivas Operações são frequentemente especificadas recursivamente Tail (Cons (L, v)) = if L = Create then Create else Cons (Tail (L), v) Cons ([5, 7], 9) = [5, 7, 9] Tail ([5, 7, 9]) = Tail (Cons ( [5, 7], 9)) = Cons (Tail ([5, 7]), 9) = Cons (Tail (Cons ([5], 7)), 9) = Cons (Cons (Tail ([5]), 7), 9) = Cons (Cons (Tail (Cons ([], 5)), 7), 9) = Cons (Cons ([Create], 7), 9) = Cons ([7], 9) = [7, 9] Ian Sommerville - Software Engineering TraduçãoProf Pedro Fernandes - Métodos Formais, 6o Período Slide 21

22 Especificações recursivas (*Funcao adiciona um item na lista, ListDadoTempo*) fun adic(item,[]) = [item] adic(item,item1::lista) = [item]^^([item1]^^lista); (*Funcao adiciona um item na lista, ListDadoTempoS*) fun adic1((item,tsr,s),[]) = [(item,agora(),s)] adic1((item,tsr,s),(item1,tsr1,sn)::listdadotempos) = [(item,agora(),s)]^^([(item1,tsr1,sn)]^^listdadotempos); Ian Sommerville - Software Engineering TraduçãoProf Pedro Fernandes - Métodos Formais, 6o Período Slide 22

23 Especificações recursivas (*Funcao retira um item da lista, ListDadoTempoS*) fun retira([]) = 0 retira((s1,item1,tsr)::lis) = item1; fun retira1([]) = 0 retira1((item1,tsr,s)::lis) = Tsr; Ian Sommerville - Software Engineering TraduçãoProf Pedro Fernandes - Métodos Formais, 6o Período Slide 23

24 Especificações recursivas (*Funcao que define a capacidade maxima de armazenamento do sensor*) (*A lista eh invertida (rev), depois eh retirado o 1o elemento dela (tl) e depois ela eh invertida mais uma vez pra voltar a ordem original*) fun memoria(list:listdadotempos):listdadotempos = if length(list) > 8 then rev(tl(rev(list))) else list; Ian Sommerville - Software Engineering TraduçãoProf Pedro Fernandes - Métodos Formais, 6o Período Slide 24

Capítulo 10. Especificações Formais

Capítulo 10. Especificações Formais Capítulo 10 Especificações Formais Baseado nos slides Traduzidos por Jacinta Pereira em 2007.1 do livro do Sommerville de 2000 Revisado e modificado por Rossana Andrade em 2009.1 Ian Sommerville 2000 Software

Leia mais

ERACE-TOOL - UMA FERRAMENTA BASEADA EM CENÁRIOS PARA À ENGENHARIA DE REQUISITOS

ERACE-TOOL - UMA FERRAMENTA BASEADA EM CENÁRIOS PARA À ENGENHARIA DE REQUISITOS ERACE-TOOL - UMA FERRAMENTA BASEADA EM CENÁRIOS PARA À ENGENHARIA DE REQUISITOS João Caldas Júnior FIL- Fundação Paulista de Educação e Tecnologia Paulo C. Masiero ICMC - Universidade de São Paulo masiero@icmsc.sc.usp.br

Leia mais

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2 Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Engenharia de Software Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma revisão sobre o

Leia mais

Um modelo é uma simplificação da realidade. Construímos modelos para compreender melhor o sistema que estamos desenvolvendo.

Um modelo é uma simplificação da realidade. Construímos modelos para compreender melhor o sistema que estamos desenvolvendo. UML - Motivação - O que é um modelo? Um modelo é uma simplificação da realidade. Construímos modelos para compreender melhor o sistema que estamos desenvolvendo. O que é um modelo? O que é um modelo? O

Leia mais

Objetivos. Requisitos de Software. Tipos de Requisitos. O que é um requisito? Requisitos Funcionais e Não- Funcionais. Requisitos Funcionais

Objetivos. Requisitos de Software. Tipos de Requisitos. O que é um requisito? Requisitos Funcionais e Não- Funcionais. Requisitos Funcionais Objetivos de Software Gidevaldo Novais (gidevaldo.vic@ftc.br) Introduzir os conceitos do usuário e do Descrever requisitos funcionais e nãofuncionais (domínio) Apresentar um esqueleto de documento e notas

Leia mais

Engenharia de Software 01 - Introdução. Márcio Daniel Puntel marciopuntel@ulbra.edu.br

Engenharia de Software 01 - Introdução. Márcio Daniel Puntel marciopuntel@ulbra.edu.br Engenharia de Software 01 - Introdução Márcio Daniel Puntel marciopuntel@ulbra.edu.br Engenharia de Software Nações desenvolvidas dependem de software; Cada vez mais sistemas são controlados por software;

Leia mais

e à Linguagem de Programação Python

e à Linguagem de Programação Python Introdução a Algoritmos, Computação Algébrica e à Linguagem de Programação Python Curso de Números Inteiros e Criptografia Prof. Luis Menasché Schechter Departamento de Ciência da Computação UFRJ Agosto

Leia mais

Descrição Formal de Linguagens -Sumário - Descrição Formal de Linguagens. -Overview- -Overview- - Fundamentos das Linguagens de Programação -

Descrição Formal de Linguagens -Sumário - Descrição Formal de Linguagens. -Overview- -Overview- - Fundamentos das Linguagens de Programação - Descrição Formal de Linguagens Linguagens de Programação Ciência da Computação DIN UEM CTC Prof. Jucimar Aula 4 Descrição Formal de Linguagens -Sumário - 1. Fundamentos de Linguagens de Programação 2.

Leia mais

Introdução à Engenharia de Software

Introdução à Engenharia de Software Introdução à Engenharia de Software Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Imagem Clássica Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma visão sobre o que é a engenharia

Leia mais

LINGUAGENS E PARADIGMAS DE PROGRAMAÇÃO. Ciência da Computação IFSC Lages. Prof. Wilson Castello Branco Neto

LINGUAGENS E PARADIGMAS DE PROGRAMAÇÃO. Ciência da Computação IFSC Lages. Prof. Wilson Castello Branco Neto LINGUAGENS E PARADIGMAS DE PROGRAMAÇÃO Ciência da Computação IFSC Lages. Prof. Wilson Castello Branco Neto Conceitos de Linguagens de Roteiro: Apresentação do plano de ensino; Apresentação do plano de

Leia mais

Introdução a UML. Hélder Antero Amaral Nunes haanunes@gmail.com

Introdução a UML. Hélder Antero Amaral Nunes haanunes@gmail.com Introdução a UML Hélder Antero Amaral Nunes haanunes@gmail.com Introdução a UML UML (Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada) é uma linguagem-padrão para a elaboração da estrutura de

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Conceitos de Software Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.br Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma visão sobre o conceitos

Leia mais

Requisitos de Software. Teresa Maciel DEINFO/UFRPE

Requisitos de Software. Teresa Maciel DEINFO/UFRPE Requisitos de Software Teresa Maciel DEINFO/UFRPE 1 Requisito de Software Características que o produto de software deverá apresentar para atender às necessidades e expectativas do cliente. 2 Requisito

Leia mais

HABILITAÇÃO COMPONENTE TITULAÇÃO

HABILITAÇÃO COMPONENTE TITULAÇÃO Operação de Software Aplicativo Científica Engenharia da Produção Engenharia de Engenharia de Produção Matemática Aplicada às Matemática Aplicada e Científica Matemática com Tecnologia em - Ênfase em Gestão

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Centro de Informática - Universidade Federal de Pernambuco Kiev Gama kiev@cin.ufpe.br Slides originais elaborados por Ian Sommerville e adaptado pelos professores Márcio Cornélio,

Leia mais

Especificação Formal de Software

Especificação Formal de Software Especificação Formal de Software Carlos Figueiredo, Jorge Neves, Luís Magalhães, Vitor Pinto Licenciatura em Engenharia Informática e Computação Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto E-mail:

Leia mais

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software.

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software. Processos de Software Objetivos Apresentar os modelos de processo de software Conjunto coerente de atividades para especificar, projetar, implementar e testar s de software Descrever os diferentes modelos

Leia mais

Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Banco de Dados Processamento e Otimização de Consultas

Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Banco de Dados Processamento e Otimização de Consultas Processamento e Otimização de Consultas Banco de Dados Motivação Consulta pode ter sua resposta computada por uma variedade de métodos (geralmente) Usuário (programador) sugere uma estratégia para achar

Leia mais

Sintaxe e Semântica. Fases da Compilação. programa fonte

Sintaxe e Semântica. Fases da Compilação. programa fonte Sintaxe e Semântica mleal@inf.puc-rio.br Fases da Compilação programa fonte tokens parse tree árvore anotada ou outra forma intermediária código intermediário código objeto código objeto otimizado scanner

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Programação Funcional. Capítulo 1. Introdução. José Romildo Malaquias. Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2015.

Programação Funcional. Capítulo 1. Introdução. José Romildo Malaquias. Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2015. Programação Funcional Capítulo 1 Introdução José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2015.1 1/13 1 Paradigmas de programação 2 Programação funcional 3 A Crise

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 6 Slide 1 Objetivos Apresentar os conceitos de requisitos de usuário e de sistema Descrever requisitos funcionais

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Rede de Computadores II Slide 1 SNMPv1 Limitações do SNMPv1 Aspectos que envolvem segurança Ineficiência na recuperação de tabelas Restrito as redes IP Problemas com SMI (Structure Management Information)

Leia mais

Aula 02 Modelagem de Dados. Banco de Dados. Aula 02 Modelagem de Dados. Superior /2011 Redes Computadores - Disciplina: Banco de Dados -

Aula 02 Modelagem de Dados. Banco de Dados. Aula 02 Modelagem de Dados. Superior /2011 Redes Computadores - Disciplina: Banco de Dados - Banco de Dados Aula 02 Modelagem de Dados Roteiro Definição Evolução Projeto de BD Abstração Esquema e Instância Definição É uma representação, normalmente gráfica, de estruturas de dados reais. Auxilia

Leia mais

Introdução. Hardware X Software. Corpo Humano Parte Física. Capacidade de utilizar o corpo em atividades especificas explorando seus componentes

Introdução. Hardware X Software. Corpo Humano Parte Física. Capacidade de utilizar o corpo em atividades especificas explorando seus componentes Introdução Hardware X Software Corpo Humano Parte Física Componentes 18 Capacidade de utilizar o corpo em atividades especificas explorando seus componentes Hardware Introdução Parte física: placas, periféricos,

Leia mais

Programação de Computadores

Programação de Computadores Programação de Computadores INTRODUÇÃO AOS ALGORITMOS E À PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES PARTE 1 Renato Dourado Maia Instituto de Ciências Agrárias Universidade Federal de Minas Gerais Programas e Programação

Leia mais

AMBIENTE PARA AUXILIAR O DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS MONOLÍTICOS

AMBIENTE PARA AUXILIAR O DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS MONOLÍTICOS UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO BACHARELADO AMBIENTE PARA AUXILIAR O DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS MONOLÍTICOS Orientando: Oliver Mário

Leia mais

Introdução à Engenharia de. Software. Introdução à Engenharia de. Software. O que é a Engenharia de Software? Software

Introdução à Engenharia de. Software. Introdução à Engenharia de. Software. O que é a Engenharia de Software? Software Introdução à Engenharia de Gidevaldo Novais (gidevaldo.vic@ftc.br) Introdução à Engenharia de Objetivo Depois desta aula você terá uma noção geral do que é a engenharia de software e dos seus objetivos

Leia mais

PROVA DE NÍVEL SUPERIOR. CARGO: Técnico de Nível Superior Júnior II - TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

PROVA DE NÍVEL SUPERIOR. CARGO: Técnico de Nível Superior Júnior II - TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PROVA DE NÍVEL SUPERIOR CARGO: Técnico de Nível Superior Júnior II - TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1. O ambiente Delphi suporta o desenvolvimento de aplicações orientadas a objetos por meio da linguagem Object

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

Introdução à Programação

Introdução à Programação Introdução à Programação Introdução a Linguagem C Construções Básicas Programa em C #include int main ( ) { Palavras Reservadas } float celsius ; float farenheit ; celsius = 30; farenheit = 9.0/5

Leia mais

Softwares Aplicativos Banco de Dados

Softwares Aplicativos Banco de Dados Softwares Aplicativos Banco de Dados INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Estrutura 1. Definições 2. Serviços 3. Usuários 4. Evolução 5. Exemplos 03 Banco

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 01 de Novembro de 2013. Revisão aula passada Projeto de Arquitetura Decisões de projeto de Arquitetura

Leia mais

Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Exemplos de Estilos Arquiteturais. Estilo: Pipe e Filtros

Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Exemplos de Estilos Arquiteturais. Estilo: Pipe e Filtros Em geral sistemas seguem um estilo, ou padrão, de organização estrutural Os estilos diferem: nos tipos de componentes que usa na maneira como os componentes interagem com os outros (regras de interação)

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Introdução à Programação Carga horária total: 60 Carga horária teórica: 0 Carga horária prática: 60 Código da Disciplina: CCMP0041 Período de oferta: 2010.2 Turma: CA

Leia mais

Algoritmia e Estruturas de Dados

Algoritmia e Estruturas de Dados JOSÉ BRAGA DE VASCONCELOS JOÃO VIDAL DE CARVALHO Algoritmia e Estruturas de Dados Programação nas linguagens C e JAVA Portugal/2005 Reservados todos os direitos por Centro Atlântico, Lda. Qualquer reprodução,

Leia mais

Engenharia de Software: Introdução. Mestrado em Ciência da Computação 2008 Profa. Itana Gimenes

Engenharia de Software: Introdução. Mestrado em Ciência da Computação 2008 Profa. Itana Gimenes Engenharia de Software: Introdução Mestrado em Ciência da Computação 2008 Profa. Itana Gimenes Programa 1. O processo de engenharia de software 2. UML 3. O Processo Unificado 1. Captura de requisitos 2.

Leia mais

Algoritmos e Programação (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br

Algoritmos e Programação (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Introdução O computador como ferramenta indispensável: Faz parte das nossas vidas; Por si só não faz nada de útil; Grande capacidade de resolução

Leia mais

Interpretação e Compilação de Linguagens de Programação Sintaxe e Semântica

Interpretação e Compilação de Linguagens de Programação Sintaxe e Semântica Interpretação e Compilação de Linguagens de Programação Sintaxe e Semântica 28 de Fevereiro de 2013 Nesta aula apresentam-se dois dos aspetos fundamentais das linguagens de programação, sintaxe e semântica.

Leia mais

Linguagens Formais e Autômatos

Linguagens Formais e Autômatos Linguagens Formais e Autômatos SLIDE 1 Professor Júlio Cesar da Silva juliocesar@eloquium.com.br site: http://eloquium.com.br/ twitter: @profjuliocsilva facebook: https://www.facebook.com/paginaeloquium

Leia mais

Software. Professora Milene Selbach Silveira Prof. Celso Maciel da Costa Faculdade de Informática - PUCRS

Software. Professora Milene Selbach Silveira Prof. Celso Maciel da Costa Faculdade de Informática - PUCRS Software Professora Milene Selbach Silveira Prof. Celso Maciel da Costa Faculdade de Informática - PUCRS ESQUEMA DE UM SISTEMA DE COMPUTADOR Unidades de Entrada - Teclado - Scanner - Caneta Ótica - Leitora

Leia mais

IntroduçãoaoGuia SWEBOK. Ernani Lopes Isensee 2014

IntroduçãoaoGuia SWEBOK. Ernani Lopes Isensee 2014 IntroduçãoaoGuia SWEBOK Ernani Lopes Isensee 2014 Conhecendo o SWEBOK Guide to the Software Engineering Body of Knowledge IEEE Institute of Electrical and Electronic Engineers Conhecendo o SWEBOK O guia

Leia mais

Introdução. A verificação de tipos pode ser estática e dinâmica

Introdução. A verificação de tipos pode ser estática e dinâmica Análise Semântica Introdução Verifica se as construções sintaticamente corretas possuem significado lógico dentro da linguagem Verifica a consistência da declaração e uso dos identificadores Além disso,

Leia mais

Processo Seletivo 2016 Conteúdo Programático - 1º ano do Ensino Fundamental

Processo Seletivo 2016 Conteúdo Programático - 1º ano do Ensino Fundamental Conteúdo Programático - 1º ano do Ensino Fundamental Avaliação do Desenvolvimento e Desempenho da Criança nos aspectos cognitivo, afetivo, socialização e psicomotor, através de atividades compatíveis com

Leia mais

Organizaçãoe Recuperação de Informação GSI521. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU

Organizaçãoe Recuperação de Informação GSI521. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Organizaçãoe Recuperação de Informação GSI521 Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Introdução Organização e Recuperação de Informação(GSI521) Tópicos Recuperação de informação (RI); Breve histórico; O

Leia mais

Geração de código intermediário. Novembro 2006

Geração de código intermediário. Novembro 2006 Geração de código intermediário Novembro 2006 Introdução Vamos agora explorar as questões envolvidas na transformação do código fonte em uma possível representação intermediária Como vimos, nas ações semânticas

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Análise dos Requisitos de Software Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução Tipos de requisitos Atividades Princípios da

Leia mais

Geração de código. Ivan Ricarte INTRODUÇÃO À COMPILAÇÃO

Geração de código. Ivan Ricarte INTRODUÇÃO À COMPILAÇÃO Geração de código Ivan Ricarte 2008 Sumário Geração de código intermediário Código de três endereços Notação pós-fixa Otimização de código Heurísticas de otimização Geração de código em linguagem simbólica

Leia mais

Introdução à Programação de Computadores

Introdução à Programação de Computadores 1. Objetivos Introdução à Programação de Computadores Nesta seção, vamos discutir os componentes básicos de um computador, tanto em relação a hardware como a software. Também veremos uma pequena introdução

Leia mais

Aula Prática 1: Introdução ao Ambiente de Programação Dev-C++

Aula Prática 1: Introdução ao Ambiente de Programação Dev-C++ Aula Prática 1: Introdução ao Ambiente de Programação Dev-C++ 1. Introdução Em nossa primeira aula prática de programação em linguagem C iremos escrever e testar programas de computador básicos. Mas antes,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

Algoritmos. Cláudio Barbosa contato@claudiobarbosa.pro.br

Algoritmos. Cláudio Barbosa contato@claudiobarbosa.pro.br Algoritmos Partes básicas de um sistema computacional: Hardware, Software e Peopleware Hardware - Componentes físicos de um sistema de computação, incluindo o processador, memória, dispositivos de entrada,

Leia mais

Programação de Computadores III

Programação de Computadores III Programação de Computadores III Introdução a Linguagens de Programação Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2013.1/tcc-00.157

Leia mais

INE5317 Linguagens Formais e Compiladores. AULA 2: Es trutura geral dos Compiladores

INE5317 Linguagens Formais e Compiladores. AULA 2: Es trutura geral dos Compiladores INE5317 Linguagens Formais e Compiladores AULA 2: Es trutura geral dos Compiladores bas eado em material produzido pelo prof Olinto Jos é Varela Furtado Ricardo Azambuja Silveira INE-CTC-UFSC E-Mail: silveira@inf.ufsc.br

Leia mais

Web Semântica. Web Semântica. uma introdução @yaso

Web Semântica. Web Semântica. uma introdução @yaso Web Semântica uma introdução @yaso O que é SEMÂNTICA Semântica é o estudo do signifcado. Incide sobre a relação entre signifcantes, tais como palavras, frases, sinais e símbolos, e o que eles representam,

Leia mais

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias:

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias: Arquitetura de Computadores Estrutura e Funcionamento da CPU Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Revisão dos conceitos básicos O processador é o componente vital do sistema de

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL. Sondagem 2014 6º ANO. Língua Portuguesa

ENSINO FUNDAMENTAL. Sondagem 2014 6º ANO. Língua Portuguesa ENSINO FUNDAMENTAL O processo de sondagem Colégio Sion busca detectar, no aluno, pré-requisitos que possibilitem inseri-lo adequadamente no ano pretendido. As disciplinas de Língua Portuguesa e são os

Leia mais

Computabilidade 2012/2013. Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto

Computabilidade 2012/2013. Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Computabilidade 2012/2013 Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Capítulo 1 Computabilidade 1.1 A noção de computabilidade Um processo de computação

Leia mais

Parte II Introdução a Linguagens de Programação

Parte II Introdução a Linguagens de Programação Programação de Computadores III Aula 1 Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2011.1/tcc-03.063 Roteiro da Aula

Leia mais

Conceitos de Linguagens de Programação

Conceitos de Linguagens de Programação Conceitos de Linguagens de Programação Aula 07 Nomes, Vinculações, Escopos e Tipos de Dados Edirlei Soares de Lima Introdução Linguagens de programação imperativas são abstrações

Leia mais

Protótipo de sistema de consultas utilizando a linguagem SPARQL

Protótipo de sistema de consultas utilizando a linguagem SPARQL Protótipo de sistema de consultas utilizando a linguagem SPARQL Aluno(a): André Luiz Nunes Orientador: Roberto Heinzle Roteiro Introdução Objetivos Web semântica Tecnologias para web semântica Trabalhos

Leia mais

Introdução. Introdução. Introdução. Organização Estruturada de Computadores. Introdução. Máquinas Multiníveis

Introdução. Introdução. Introdução. Organização Estruturada de Computadores. Introdução. Máquinas Multiníveis Ciência da Computação Arq. e Org. de Computadores Máquinas Multiníveis Prof. Sergio Ribeiro Computador digital máquina que resolve problemas executando uma série de instruções. Programa conjunto de instruções

Leia mais

Compiladores. A seção das regras. Especificação (F)lex. Plano da aula. Escolha das regras. Compilação típica com FLEX

Compiladores. A seção das regras. Especificação (F)lex. Plano da aula. Escolha das regras. Compilação típica com FLEX Compilação típica com FLX Compiladores Análise sintática (1) Noções sobre Gramáticas Livres de conteto dição do teto de especificação No arquivo minhas_regras.l 3 partes: Declarações Regras (Rs -> Ação)

Leia mais

Especificação Operacional.

Especificação Operacional. Especificação Operacional. Para muitos sistemas, a incerteza acerca dos requisitos leva a mudanças e problemas mais tarde no desenvolvimento de software. Zave (1984) sugere um modelo de processo que permite

Leia mais

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Processos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Objetivos Apresentar modelos de processos de software Descrever três modelos genéricos de processo e quando

Leia mais

1.6. Tratamento de Exceções

1.6. Tratamento de Exceções Paradigmas de Linguagens I 1 1.6. Tratamento de Exceções Uma exceção denota um comportamento anormal, indesejado, que ocorre raramente e requer alguma ação imediata em uma parte do programa [GHE 97, DER

Leia mais

Curso de C. Introdução. Copyright @ 2005 by Arnaldo V. Moura e Daniel F. Ferber

Curso de C. Introdução. Copyright @ 2005 by Arnaldo V. Moura e Daniel F. Ferber Curso de C Introdução Introdução Roteiro: Recordando Algoritmos Linguagem de Programação O computador Instruções de Máquina Níveis de Abstração Compilação Algoritmos Recordando: Algoritmo: conjunto finito

Leia mais

1.1. Organização de um Sistema Computacional

1.1. Organização de um Sistema Computacional 1. INTRODUÇÃO 1.1. Organização de um Sistema Computacional Desde a antiguidade, o homem vem desenvolvendo dispositivos elétricoeletrônicos (hardware) que funciona com base em instruções e que são capazes

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Ementa Introdução a Banco de Dados (Conceito, propriedades), Arquivos de dados x Bancos de dados, Profissionais de Banco de dados,

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Requisitos de Software Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.br Requisito O que é um REQUISITO? Em software: É a CARACTERIZAÇÃO do que o

Leia mais

Introdução. INF1005 Programação I 33K Prof. Gustavo Moreira gmoreira@inf.puc-rio.br

Introdução. INF1005 Programação I 33K Prof. Gustavo Moreira gmoreira@inf.puc-rio.br Introdução INF1005 Programação I 33K Prof. Gustavo Moreira gmoreira@inf.puc-rio.br introdução Tópicos conceitos básicos o que é um programa um programa na memória decifrando um código referência Capítulo

Leia mais

Engenharia de Software 2013/2

Engenharia de Software 2013/2 2013/2 Thiago P. da Silva thiagosilva@ufmt.br Agenda Software Sistema Engenharia de Sistemas 2 Importância do Software no mundo moderno Infraestrutura e serviços são controlados por sistemas computacionais.

Leia mais

Aula 06 Introdução à Teste de Módulos II e Exercícios. Alessandro Garcia LES/DI/PUC-Rio Março 2014

Aula 06 Introdução à Teste de Módulos II e Exercícios. Alessandro Garcia LES/DI/PUC-Rio Março 2014 Aula 06 Introdução à Teste de Módulos II e Exercícios Alessandro Garcia LES/DI/PUC-Rio Março 2014 Princípios Discutidos até aqui Cada módulo deveria implementar uma única abstração similarmente: cada função

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Projeto de Sistemas de Tempo Real

Projeto de Sistemas de Tempo Real Projeto de Sistemas de Tempo Real Centro de Informática - Universidade Federal de Pernambuco Engenharia da Computação Kiev Gama kiev@cin.ufpe.br Slides elaborados pelo professor Marcio Cornélio O autor

Leia mais

natureza do projeto e da aplicação métodos e ferramentas a serem usados controles e produtos que precisam ser entregues

natureza do projeto e da aplicação métodos e ferramentas a serem usados controles e produtos que precisam ser entregues Modelo De Desenvolvimento De Software É uma representação abstrata do processo de desenvolvimento que define como as etapas relativas ao desenvolvimento de software serão conduzidas e interrelacionadas

Leia mais

Algoritmos e Linguagem de Programação de Computadores I

Algoritmos e Linguagem de Programação de Computadores I Algoritmos e Linguagem de Programação de Computadores I Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br OBJETIVOS Apresentar conceitos básicos de algoritmos e sua importância na elaboração de soluções

Leia mais

Gerenciamento de configuração. Gerenciamento de Configuração. Gerenciamento de configuração. Gerenciamento de configuração. Famílias de sistemas

Gerenciamento de configuração. Gerenciamento de Configuração. Gerenciamento de configuração. Gerenciamento de configuração. Famílias de sistemas Gerenciamento de Gerenciamento de Configuração Novas versões de sistemas de software são criadas quando eles: Mudam para máquinas/os diferentes; Oferecem funcionalidade diferente; São configurados para

Leia mais

UFRPE Prof. Gustavo Callou gcallou@gmail.com

UFRPE Prof. Gustavo Callou gcallou@gmail.com UFRPE Prof. Gustavo Callou gcallou@gmail.com 1 Algoritmos Representação Exercícios Linguagens de Programação Compilador Interpretador Ambiente de Desenvolvimento Python Característica Para que serve Onde

Leia mais

Introdução à Simulação

Introdução à Simulação Introdução à Simulação O que é simulação? Wikipedia: Simulação é a imitação de alguma coisa real ou processo. O ato de simular algo geralmente consiste em representar certas características e/ou comportamentos

Leia mais

FundamentosemInformática

FundamentosemInformática FundamentosemInformática 04 Software Conteúdo Conceito de Software Classificação de Softwares Conceito de Sistema Operacional(S.O.) FunçõesBásicasdeumS.O. um Arquivos Atributos Diretórios 1 -Conceitos

Leia mais

Processamento da Informação Teoria. Algoritmos e Tipos de dados

Processamento da Informação Teoria. Algoritmos e Tipos de dados Processamento da Informação Teoria Algoritmos e Tipos de dados Semana 01 Prof. Jesús P. Mena-Chalco 24/04/2013 (*) Slides adaptados das aulas do Prof. Harlen Costa Batagelo Algumas definições de algoritmo

Leia mais

Algoritmos e Estrutura de Dados II

Algoritmos e Estrutura de Dados II Universidade Federal do Vale do São Francisco Algoritmos e Estrutura de Dados II Professor: Marcelo Santos Linder E-mail: marcelo.linder@univasf.edu.br Ementa Árvores B, grafos e tabelas de hash: alocação

Leia mais

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1 1 / 58 - Parte 1 Erick Nilsen Pereira de Souza T017 - Arquitetura e Design de Aplicações Análise e Desenvolvimento de Sistemas Universidade de Fortaleza - UNIFOR 11 de fevereiro de 2015 2 / 58 Agenda Tópicos

Leia mais

Conceitos de Banco de Dados

Conceitos de Banco de Dados Conceitos de Banco de Dados Autor: Luiz Antonio Junior 1 INTRODUÇÃO Objetivos Introduzir conceitos básicos de Modelo de dados Introduzir conceitos básicos de Banco de dados Capacitar o aluno a construir

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DAS PROVAS / ATIVIDADES PEDAGÓGICAS Processo Seletivo 2016 para Ensino Fundamental e Ensino Médio

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DAS PROVAS / ATIVIDADES PEDAGÓGICAS Processo Seletivo 2016 para Ensino Fundamental e Ensino Médio / ATIVIDADES PEDAGÓGICAS 1º Ano do Ensino Fundamental (Alunos concluintes do 2º Período da Educação Infantil) Escrita do nome completo; Identificar e reconhecer as letras do alfabeto; Identificar e diferenciar

Leia mais

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini Banco de Dados Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados Profa. Flávia Cristina Bernardini Relembrando... Vantagens da Utilização de SGBD Redundância controlada Consistência dos dados armazenados

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução a Engenharia de Software: histórico, evolução, aplicações e os principais tipos de software Prof. MSc. Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Estrutura de Dados. Introdução a Ponteiros. Prof. Gerson Borges Estrutura de Dados I 1

Estrutura de Dados. Introdução a Ponteiros. Prof. Gerson Borges Estrutura de Dados I 1 Estrutura de Dados Introdução a Ponteiros Prof. Gerson Borges Estrutura de Dados I 1 Sumário è Explicação da importância do planejamento de ensino; è Métodos e técnicas que iremos trabalhar durante o semestre;

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Universidade São Judas Tadeu Profª Dra. Ana Paula Gonçalves Serra Engenharia de O Processo Uma Visão Genérica Capítulo 2 (até item 2.2. inclusive) Engenharia de - Roger Pressman 6ª edição McGrawHill Capítulo

Leia mais

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações 1 Introdução A Organização é a forma pela qual nós coordenamos nossos recursos de todos os tipos para realizar o trabalho que nos propusemos a fazer. A estrutura de nossas organizações manteve-se basicamente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II BANCO DE DADOS II AULA 1 Linguagem SQL Linguagem de definição de dados (DDL) DISCIPLINA: Banco de Dados

Leia mais

Processo de Desenvolvimento Unificado

Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento de Software? Conjunto de atividades bem definidas; com responsáveis; com artefatos de entrada e saída; com dependências entre as mesmas

Leia mais

Engenharia de Software-2003

Engenharia de Software-2003 Engenharia de Software-2003 Mestrado em Ciência da Computação Departamento de Informática - UEM Profa. Dra. Elisa H. M. Huzita eng. de software-2003 Elisa Huzita Produto de Software Conceitos Software

Leia mais

UMA BREVE INTRODUÇÃO AO ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE COMPILADORES

UMA BREVE INTRODUÇÃO AO ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE COMPILADORES UMA BREVE INTRODUÇÃO AO ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE COMPILADORES 1 BRANCO; Guido Aparecido Junior, 2 TAMAE, Rodrigo Yoshio 1-Discente do Curso Sistemas de Informação FAEG/Garça 2-Docente do Curso Sistemas

Leia mais