PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO"

Transcrição

1 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE PEDERNEIRAS/SP 1. Trata o presente Relato dos resultados gerenciais dos exames realizados sobre os 26 Programas de Governo executados na base municipal de PEDERNEIRAS/SP em decorrência do 10º Evento do Projeto de Fiscalização a partir de Sorteios Públicos. 2. As fiscalizações tiveram como objetivo analisar a aplicação dos recursos federais no Município sob a responsabilidade de órgãos federais, estaduais, municipais ou entidades legalmente habilitadas. 3. Os trabalhos foram realizados in loco no Município, por técnicos da Controladoria- Geral da União CGU em parceria com servidores do Ministério da Saúde, sob a Coordenação da CGU, no período de 14 a 18 de JUNHO de 2004, sendo utilizados em sua execução técnicas e procedimentos tais como, análise documental, inspeções físicas, entrevistas e registros fotográficos. 4. Os Programas de Governo que foram objeto das ações de fiscalização, estão apresentados no quadro a seguir, por Ministério Supervisor, discriminando, a quantidade de fiscalizações realizadas e os recursos aproximados aplicados, por Programa. 4.1 Recursos recebidos e quantidade de fiscalizações realizadas Ministério Supervisor Ministério das Comunicações Ministério da Educação Programa/Ação Fiscalizado Quantidade de Fiscalizações Valores envolvidos [R$] Fiscalização da Prestação dos Serviços de Telecomunicações 01 Não se aplica Fiscalização da Universalização dos 01 Não se aplica Serviços de Telecomunicações Programa Nacional de Alimentação Escolar 01 R$ ,60 Programa Nacional para Transporte Escolar 01 R$ ,00 PROMED 01 R$ ,00 SAS Q. 1 Bl A, Ed. Darcy Ribeiro, 9º andar, Brasília - DF - CEP: ( Fax (61)

2 Ministério do Trabalho e Emprego Ministério da Previdência Social Estudos e Pesquisas na Área do Trabalho 01 Não se aplica Pagamento de Aposentadorias e Pensões 02 Não se aplica Fiscalização do Recolhimento das Contribuições Previdenciárias ,79 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Atendimento à Criança em Creche e Outras Alternativas Comunitárias Atendimento à criança e ao adolescente em jornada escolar ampliada Construção de um centro de geração de rendas Atendimento a pessoa portadora de deficiência física em estado de pobreza Atendimento à Pessoa idosa em situação de pobreza 01 R$44.768,82 01 R$ ,00 01 R$ ,78 01 R$45.900,00 01 R$11.026,20 Bolsa Família 01 R$ 8.335,00 Ministério de Minas e Energia Ministério das Cidades Ministério do Desenvolvimento Agrário Ministério da Agricultura, pec. E abastecimento Ministério dos Transportes Ministério da Integração Nacional Capacitação de Conselheiros, Gestores e Técnicos de Assistência Social Fiscalização e controle da produção mineral Implantação, ampliação e melhorias de obras de infra-estrutura urbana Ação de reestruturação urbana e adequação de vias Financiamento e equalização de juros para a agricultura familiar - PRONAF 01 Não se aplica 01 R$ 6.382, R$ ,19 01 R$60.000,00 02 R$ ,57 Estímulo à produção agropecuária 02 R$54.000,00 Liquidação da Rede Ferroviária Federal 01 R$ ,00 Construção de obras de contenção de enchentes 01 R$ ,08 2

3 Ministério da Saúde Atendimento assistencial básico referente a parte fixa do Piso de Atenção Básica - PAB, nos municípios em gestão plena da atenção básica Incentivo financeiro a municípios habilitados a parte variável do Piso de Atenção Básica - PAB, para a saúde da família nacional Incentivo financeiro a municípios habilitados a parte variável do Piso de Atenção Básica - PAB para assistência farmacêutica básica - farmácia básica Incentivo financeiro a municípios habilitados a parte variável do Piso de Atenção Básica - PAB, para ações de prevenção e controle das doenças transmissíveis nacional Atenção à saúde da população - gestão plena 01 R$ ,00 01 R$ ,00 01 R$ ,00 01 R$ ,20 01 R$ ,20 Aquisição de unidade básica de saúde 01 R$ ,00 R$ ,91 5. Os resultados das fiscalizações realizadas, sempre que os trabalhos tenham evidenciado fatos relevantes que indiquem impropriedades/irregularidades na aplicação dos recursos federais examinados, são demonstrados a seguir, em fascículos específicos por Ministério. Assim sendo, não foi preparado fascículo sobre os recursos oriundos do Ministério da Agricultura, abastecimento e Pecuária e do Ministério das Cidades. 6. Os fascículos a seguir contemplam um detalhamento das seguintes constatações: Ministério da Educação: 1.1 Ausência de processos licitatórios formalmente constituídos, nos casos de dispensa de licitação 1.2 Adjudicação de objeto na modalidade convite com menos de três propostas válidas por item licitado, sem que tenha sido repetida a licitação. 2.1 Inscrição no veículo em desacordo com o previsto em contrato; 3.1 Aquisição de bens originários de país não-membro do Banco Interamericano de Desenvolvimento BID; 3.2 Ausência de previsão, no edital de 31 de janeiro de 2001, realizado pela Associação de Pais e Mestres da EE Anchieta, referente a Carta Convite para aquisição de 5 microcomputadores, quanto a necessidade dos bens licitados serem originários de países membros do BID; 3

4 Ministério das Comunicações: 1.1 Inexistência do posto de atendimento telefônico aos usuários do Serviço Telefônico Fixo Comutado - STFC. Ministério do Trabalho e Emprego: 1.1 Falta de desempenho das atribuições legais pela Comissão Municipal de Emprego Ministério de Minas e Energia: 1.1 Extração de areia sem autorização do Departamento Nacional de Produção Mineral DNPM; 1.2 Não recolhimento da Contribuição Financeira Pela Exploração de Recursos Minerais CFEM 1.3 Ausência de ficha de apuração da CFEM Ministério do Desenvolvimento social e Combate à Fome: 1.1 Aplicação em despesas não elegíveis. 2.1 Entidade não portadora do Certificado de Entidade Beneficente e do Registro no CNAS 3.1 Aplicação em despesas não elegíveis 4.1 Deficiências na capacitação dos monitores da Jornada Ampliada do Programa Erradicação do Trabalho Infantil 4.2 Deficiências nos treinamentos, cursos ou palestras, oferecidos pelo Município, aos beneficiários do PETI 4.3 Deficiências no acompanhamento dos beneficiários do PETI 4.4 Pagamento de beneficiários de forma avulsa 4.5 Não apresentação de comprovantes na aplicação de recursos do PETI e saldo elevado em caixa 5.1 Duplicidade de cadastro com o Programa Bolsa Família 6.1 Parte do imóvel beneficiado é utilizada para abrigar atividades com finalidades diversas das previstas no programa 7.1 Pagamento em duplicidade Ministério da Previdência Social 1.1 Três beneficiários falecidos. 1.2 Quatro beneficiários não localizados. 1.3 Incompatibilidade entre a amostra e o documento apresentado quanto ao número do benefício. 4

5 Ministério da Saúde: 1.1 Falta de enfermeiros e auxiliares de enfermagem na equipe de saúde da família 1.2 Carga horária do médico da equipe de saúde da família inferior a 40 horas semanais. 1.3 Dados cadastrais da equipe de saúde da família desatualizados no Sistema SIAB/MS. 2.1 Alteração de procedimentos médicos sem preenchimento do laudo. 2.2 Falta de cobrança do módulo pré-transfusional. 2.3 Informação incorreta no BDAIH sobre a existência de UTI na Santa Casa de Misericórdia de Pederneiras. Ministério da Integração Regional 1.1 Divergência entre obra executada e prestação de contas aprovada. Ministério do Desenvolvimento Agrário 1.1 Cobrança de contrapartida por parte do agente financeiro. 1.2 Não execução de objeto financiado Ministério das Cidades 1.1 Divergência entre obra demonstrada como executada e prestação de contas aprovada. São Paulo, 25 de junho de

6 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO N.º 155 MUNICÍPIO DE PEDERNEIRAS SP MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO 10º Sorteio do Projeto de Fiscalização a Partir de Sorteios Públicos 26/MAIO/2004

7 RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO N.º 155 MUNICÍPIO DE PEDERNEIRAS SP Na Fiscalização realizada a partir de Sorteios Públicos de Municípios dos Programas de Governo financiados com recursos federais foram examinadas, no período de 14 a 18 de junho de 2004, as seguintes Ações sob responsabilidade do Ministério da Educação: Programa Nacional de Alimentação Escolar PNAE Programa Nacional de Transporte Escolar PNTE Expansão e Melhoria da Rede Escolar - PROMED Este relatório, de caráter preliminar, destinado aos órgãos e entidades da Administração Pública Federal, gestores centrais dos programas de execução descentralizada, contempla, em princípio, constatações de campo que apontam para o possível descumprimento de dispositivos legais e contratuais estabelecidos para esse tipo de execução. Esclarecemos que os Executores Municipais dos Programas, quanto aos Programas sob sua responsabilidade, já foram previamente informados sobre os fatos relatados, cabendo ao Ministério supervisor, nos casos pertinentes, adotar as providências corretivas visando à consecução das políticas públicas, bem como à apuração das responsabilidades. Constatações da Fiscalização 1 Programa: Toda Criança na Escola Ação: Programa Nacional de Alimentação Escolar PNAE Objetivo da Ação de Governo: Suprir parcialmente as necessidades nutricionais dos alunos, com vistas a contribuir para a melhoria do desempenho escolar, para a redução da evasão e da repetência, e, para formar bons hábitos alimentares. Ordem de Serviço: e Objeto Fiscalizado: Processos de aquisição dos alimentos, fornecimento de alimentação aos alunos, armazenagem e preparo dos alimentos, e atuação do controle social. Agente Executor Local: Prefeitura Municipal de Pederneiras Qualificação do Instrumento de Transferência: Repasse direto à Prefeitura (Fundo a Fundo) Montante dos Recursos Financeiros: R$ ,00 (ano de 2003) e R$78.173,60 (ano de 2004). Extensão dos Exames: Foram realizadas visitas às escolas beneficiárias, analisados os processos de aquisição de merenda escolar, verificados os extratos bancários e notas fiscais comprobatórias de despesas, e realizadas entrevistas com representantes da Prefeitura, funcionários das escolas e da cozinha piloto e representantes do Conselho de Alimentação Escolar. 1.1) Ausência de processos formalmente constituídos, nos casos de dispensa de licitação. Fato: Algumas compras efetuadas em 2003 e 2004, por dispensa de licitação, não possuíam os correspondentes processos. Evidência: Pagamentos de compras de alimentos para a merenda escolar efetuados no exercício de 2003 e

8 Manifestação do Prefeito: As compras efetuadas em 2003 e 2004, por dispensa de licitação, na hipótese prevista no artigo 24, inciso II, da Lei nº 8.666/93, não possuem os correspondentes processos por entendermos serem os mesmos desnecessários. Tratam-se de compras realizadas na maioria das vezes para atendimento de necessidades urgentes das unidades solicitantes, realizadas através de cotações via telefone ou fax, em vários fornecedores, cujos preços estão de acordo com o mercado, bem como abaixo daqueles registrados quando é o caso de Registro de Preços, como pode ser verificado in loco pela fiscalização da CGU Controladoria Geral da União. A formalização de processos para compras diretas demandaria a necessidade de mais funcionários e materiais, tornando a aquisição um procedimento oneroso para a Administração. Ademais, salvo engano, a Lei nº 8.666/93 não prescreve que as compras por dispensa de licitação, na hipótese acima elencada, deverão obedecer a processos formalizados. O artigo 38 da Lei nº 8.666/93 que trata da formalização dos procedimentos relativos às aquisições e contratações somente prescreve o procedimento formal para licitações. O artigo 38 da Lei nº 8.666/93 prescreve: O procedimento da licitação será iniciado com a abertura de processo administrativo, devidamente autuado, protocolado e numerado, contendo a autorização respectiva, a indicação sucinta de seu objeto e do recurso próprio para a despesa, e ao qual serão juntados oportunamente: I - original das propostas(...) Análise da Equipe: O artigo 38 da Lei nº8.666/93, por meio do seu inciso VI, indica a necessidade de juntada de parecer técnico e jurídico a ser emitido no caso de dispensa, ficando então subentendido que o procedimento indicado em seu caput também seria válido para os casos de dispensa de licitação. Como os casos de dispensa devem ainda obedecer ao disposto nos artigos 14 a 16 da mesma lei e aos artigos 58, 60 a 64 da Lei nº4320/64, entre outros, supõe-se que a documentação produzida nestes casos deva ser reunida em algum lugar; neste caso é lógico supor que o processo administrativo previsto no artigo 38 é adequado para conter toda a documentação relacionada aos casos de dispensa de licitação. Pelo exposto, entendemos que a constatação relatada deve ser mantida. 1.2) Adjudicação de objeto na modalidade convite com menos de três propostas válidas por item licitado, sem que tenha sido repetida a licitação. Fato: Adjudicação de objeto na modalidade convite com menos de três propostas válidas por item licitado, contrariando entendimento do Tribunal de Contas da União nas Decisões 472/1999 e 1102/2001. Evidência Processos relativos a licitações realizadas na modalidade convite nos exercícios de 2003 e Manifestação do Prefeito: Quanto à adjudicação de objeto em licitação na modalidade de Convite com menos de 03 (três) propostas por item licitado, temos a esclarecer que a Lei nº 8.666/93 autoriza tal procedimento no artigo 22, 7º. 2

9 Pela leitura do referido dispositivo legal entendemos que uma vez não obtido o número mínimo de três propostas, por desinteresse dos convidados, a Administração Pública pode prosseguir com o certame desde que devidamente justificado no processo. Nas situações em que ocorreu este fato, o mesmo foi devidamente justificado no processo, estando-o, ainda, acompanhado dos comprovantes de entrega e recebimento do edital. O 7º do artigo 22 da Lei nº 8.666/93 prescreve: Quando, por limitações do mercado ou manifesto desinteresse dos convidados, for impossível a obtenção do número mínimo de licitantes exigidos no 3º deste artigo, essas circunstâncias deverão ser devidamente justificadas no processo, sob pena de repetição do convite. Repetir a licitação, neste caso seria tornar o procedimento mais oneroso para a Administração e conseqüentemente beneficiar aquele licitante desinteressado ou oportunista, em prejuízo daquele que agiu prontamente na primeira licitação, tendo que despender novamente com tempo e serviço na obtenção de nova documentação e proposta. Análise da Equipe: Em relação à justificativa apresentada, entendemos que a situação prevista no 7º do artigo 22 da Lei nº8.666/93 trata de um caso extraordinário, e por isso devidamente previsto pelo legislador, desde que as circunstâncias previstas ocorram e sejam devidamente justificadas no processo. Entretanto, os processos analisados não continham tal justificativa, assim como em muitos processos, cujos objetos eram similares, verificou-se a existência de fornecedores suficientes para obtenção das três propostas válidas, motivo pelo qual fica mantida a constatação relatada, em conformidade com a jurisprudência do Tribunal de Contas da União, por exemplo, na Decisão 1102/2001 Plenário: parágrafos 9º e 11º e decisão do Tribunal contido na item 8.2.2: sempre que realizar licitação na modalidade convite proceda à repetição do certame sempre que não for atingido o número mínimo de três propostas válidas, consoante o disposto nos 3º e 7º do art. 22 da Lei nº 8.666/93. 2 Programa: Toda Criança na Escola Ação: Programa Nacional de Transporte Escolar PNTE Objetivo da Ação de Governo: Aquisição de veículo zero quilômetro destinado exclusivamente ao transporte dos alunos do ensino fundamental e da educação especial de modo a garantir o seu acesso à escola Ordem de Serviço: Objeto Fiscalizado: Aquisição de veículo automotor de transporte coletivo Agente Executor Local: Prefeitura Municipal de Pederneiras Qualificação do Instrumento de Transferência: Convênio n.º /2001 Siafi Montante dos Recursos Financeiros: R$ ,00 Extensão dos Exames: Análise do processo licitatório e inspeção in loco 2.1) Inscrição no veículo em desacordo com o previsto em contrato Fato: A inscrição que deveria constar nas partes laterais e traseira do veículo está pintada apenas nas laterais do veículo e sem a parte referente ao Disque Denúncia. O contrato do Convênio n.º /2001 prevê que nas partes laterais e traseira do veículo deve constar a inscrição: MEC/FNDE/PREFEITURA MUNICIPAL DE... USO EXCLUSIVO DO ESCOLAR DISQUE DENÚNCIA

10 Evidência: Processo licitatório referente ao Convênio n.º /2001; verificação in loco. Manifestação do Prefeito: Estamos providenciando novos adesivos com a inscrição constante do convênio que será aplicado, nas laterais e traseira do veículo. Análise da Equipe: Entendemos que as providências prometidas devam ser objeto de futuras fiscalizações no município. 3 - Programa/Ação: PROMED Expansão e Melhoria da Rede Escolar Objetivo da Ação de Governo: Apoiar a implementação da reforma curricular e estrutural e a expansão do atendimento no ensino médio pela Unidades da Federação do País, visando à melhoria de sua qualidade e à ampliação de seu grau de cobertura, como forma de garantir maior equidade social Objeto Fiscalizado: Implementação das ações de expansão e melhoria da rede de ensino médio estadual. Agente Executor Local: Secretaria Estadual de Educação Qualificação do Instrumento de Transferência: Convênio nº 177/2000 Montante de Recursos Financeiros Aplicados: R$ ,00 Extensão dos exames: Verificação da execução do programa em três escolas da rede estadual de ensino em Pederneiras. 3.1) Aquisição de bens originários de país não-membro do Banco Interamericano de Desenvolvimento BID. Fato(s): Dentre os bens permanentes adquiridos, constatamos a existência de bens originários de países não-membros do BID, portanto despesas não elegíveis para o PROMED, conforme segue: EE Anchieta Equipamento Fornecedor Nota Fiscal Valor Origem Microsystem Aiwa Antonio Ruiz ME NF 237 R$740,00 Indonésia Evidências: Cópias das prestações de contas dos recursos recebidos pela escolas EE Anchieta, EE Neuza Cestari Fabri e EE Profª. Alva Fabri Miranda; verificação física, por amostragem, dos bens permanentes adquiridos pela escolas supracitadas; resposta da Secretaria de Educação Estadual à solicitação de informações sobre as ações do PROMED realizadas no município de Pederneiras. 3.2) Ausência de previsão, no edital de 31 de janeiro de 2001, realizado pela Associação de Pais e Mestres da EE Anchieta, referente a Carta Convite para aquisição de 5 microcomputadores, quanto à necessidade dos bens licitados serem originários de países membros do BID. Fato: Não constava no referido edital menção a respeito da obrigatoriedade dos bens licitados serem originários de países membros do BID. 4

11 Evidências: Cópia do edital datado de 31 de janeiro de 2001, cópias das prestações de contas dos recursos recebidos pela escolas EE Anchieta, EE Neuza Cestari Fabri e EE Profª. Alva Fabri Miranda; verificação física, por amostragem, dos bens permanentes adquiridos pela escolas supracitadas; resposta da Secretaria de Educação Estadual à solicitação de informações sobre as ações do PROMED realizadas no município de Pederneiras. São Paulo, 25 de junho de

12 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Nº 155 MUNICÍPIO DE PEDERNEIRAS - SP MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES 10º Sorteio do Projeto de Fiscalização a Partir de Sorteios Públicos 26/MAIO/2004

13 RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Nº 155 MUNICÍPIO DE PEDERNEIRAS SP Na Fiscalização realizada a partir de Sorteios Públicos de Municípios dos Programas de Governo financiados com recursos federais foram examinadas, no período de 14 a 18 de junho de 2004, as seguintes Ações sob responsabilidade do Ministério das Comunicações: Fiscalização da Prestação dos Serviços de Telecomunicações Fiscalização da Universalização dos Serviços de Telecomunicações Este relatório, de caráter preliminar, destinado aos órgãos e entidades da Administração Pública Federal, gestores centrais dos programas de execução descentralizadas, contempla em princípio, constatações de campo que apontam para o possível descumprimento de dispositivos legais e contratuais estabelecidos para esse tipo de execução. Esclarecemos que os Executores Municipais dos Programas, quanto aos Programas sob sua responsabilidade, já foram previamente informados sobre os fatos relatados, cabendo ao Ministério supervisor, nos casos pertinentes, adotar as providências corretivas visando à concepção das políticas públicas, bem como à apuração das responsabilidades. Constatações da Fiscalização 1 - Programa: Oferta dos Serviços de Telecomunicações Ação: Fiscalização da Prestação dos Serviços de Telecomunicações Objetivo da Ação de Governo: Obrigações contratuais a cargo das concessionárias Ordem de Serviço: Objeto Fiscalizado: Posto de Atendimento ao Usuário Agente Executor Local: Prefeitura Municipal de Pederneiras Qualificação do Instrumento de Transferência: Concessão. Montante dos Recursos Financeiros: Não se aplica Extensão dos Exames: Verificação in loco, do posto de atendimento aos usuários, pela prestadora dos serviços de telefonia fixa. 1.1) Inexistência do posto de atendimento telefônico aos usuários do Serviço Telefônico Fixo Comutado - STFC. Fato(s): Não há posto de atendimento pessoal aos usuários do serviço telefônico fixo comutado no município de Pederneiras, em desacordo com o Plano Geral de Metas e Qualidade PGQM, estabelecido entre a Agência Nacional de Telecomunicações - ANATEL e a Concessionária. Evidência(s): Quando da verificação in loco, para que fosse localizado o posto de atendimento aos usuários da telefonia fixa, e em entrevista que foram realizadas com a comunidade local, constatamos que inexiste um posto de atendimento telefônico, que deveria estar atendendo à comunidade de Pederneiras. 1

14 A forma utilizada para a comunicação com a concessionária, para solicitar serviços, é por meio da Telefônica S.A na cidade de Bauru (telefone: 0800 ). Esse é o meio que vem atendendo às reais necessidades na comunidade, conforme se apurou através de entrevistas junto à comunidade. São Paulo, 25 de junho de

15 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Nº 155 MUNICÍPIO DE PEDERNEIRAS - SP MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO 10º sorteio do Projeto de Fiscalização a Partir de Sorteios Públicos 26/MAIO/2004

16 RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Nº 155 MUNICÍPIO DE PEDERNEIRAS SP Na Fiscalização realizada a partir de Sorteios Públicos de Municípios, dos Programas de Governo financiados com recursos federais foram examinadas no período 14 a 18 de junho de 2004, as seguintes Ações sob responsabilidade do Ministério do Trabalho e Emprego: Estudos e Pesquisas na Área do Trabalho. Este relatório, de caráter preliminar, destinado aos órgãos e entidades da Administração Pública Federal, gestores centrais dos programas de execução descentralizada, contempla, em princípio, constatações de campo que apontam para o possível descumprimento de dispositivos legais e contratuais estabelecidos para esse tipo de execução. Esclarecemos que os Executores Municipais dos Programas, quanto aos Programas sob sua responsabilidade, já foram previamente informados sobre os fatos relatados, cabendo ao Ministério supervisor, nos casos pertinentes, adotar as providências corretivas visando à consecução das políticas públicas, bem como à apuração das responsabilidades. Constatações da Fiscalização 1 Programa: Gestão da Política de Trabalho, Emprego e Renda Ação: Estudos e Pesquisas na Área do Trabalho Objetivo da Ação de Governo: Verificar se a Comissão Municipal de Emprego - CME acompanha a utilização dos recursos financeiros administrados pelo sistema nacional de emprego e no âmbito do programa de geração de emprego e renda. Ordem de Serviço: Objeto Fiscalizado: Atuação da Comissão Municipal de Emprego. Agente Executor Local: Prefeitura Municipal de Pederneiras - SP Extensão dos exames: Atuação da Comissão Municipal de Emprego durante o exercício de ) Falta de desempenho das atribuições legais pela Comissão Municipal de Emprego Fato(s): A Comissão Municipal de Emprego CME do Município de Pederneiras SP, não está desempenhando as atribuições legais definidas pelo Ministério do Trabalho e Emprego, embora tenha sido formalmente instituída pelo Decreto Municipal nº 1.845, de 19 de junho de 1997, pois, não há atas de atuações durante o período de agosto/2001 a junho/2004. Dessa forma, a CME não está cumprindo as atribuições estabelecidas na Resolução CODEFAT nº 80, de 19 de abril de Manifestação do Prefeito: Por meio do Ofício n.º 182/2004-GAB, de 07/07/2004, o Prefeito Municipal de Pederneiras apresentou a seguinte justificativa: A Comissão Municipal de Emprego do nosso município é legalmente constituída e atuante no que concerne as suas atribuições. Efetua levantamento das necessidades profissionais da cidade e região com a finalidade de recolocação profissional. Desenvolveu efetivo trabalho visando o combate ao trabalho infantil. Atuou na recriação da Legião Mirim e, na criação do PAT Posto de Atendimento do Trabalhador e do Banco do Povo Paulista. 1

17 Digno de nota é o fato que desde o ano de 2001 não se tem recebido verbas especificas do programa em referencia, da esfera federal. Análise da Equipe: Não acolhemos a justificativa do Prefeito, devido a inexistência de ata que comprove a atuação da Comissão Municipal de Emprego. Evidências: Informações do Presidente da Comissão Municipal de Emprego do Município de Pederneiras, Decreto Municipal nº 1.845, de 19 de julho de São Paulo, 08 de julho de

18 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Nº 155 MUNICÍPIO DE PEDERNEIRAS - SP MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA 10º sorteio do Projeto de Fiscalização a Partir de Sorteios Públicos 26/MAIO/2004

19 RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Nº 155 MUNICÍPIO DE PEDERNEIRAS SP Na Fiscalização realizada a partir de Sorteios Públicos de Municípios, dos Programas de Governo financiados com recursos federais foram examinadas, no período de 14 a 18 de junho de 2004, as seguintes Ações sob responsabilidade do Ministério de Minas e Energia: Fiscalização da atividade minerária. Este relatório, de caráter preliminar, destinado aos órgãos e entidades da Administração Pública Federal, gestores centrais dos programas de execução descentralizada, contempla, em princípio, constatações de campo que apontam para o possível descumprimento de dispositivos legais e contratuais estabelecidos para esse tipo de execução. Esclarecemos que os Executores Municipais dos Programas, quanto aos Programas sob sua responsabilidade, já foram previamente informados sobre os fatos relatados, cabendo ao Ministério supervisor, nos casos pertinentes, adotar as providências corretivas visando à consecução das políticas públicas, bem como à apuração das responsabilidades. Constatações da Fiscalização 1 Programa: Fiscalização da Atividade Minerária Objetivo da Ação de Governo: verificar o cumprimento pelas Prefeituras Municipais quanto ao cumprimento da legislação referente à aplicação dos recursos da CFEM repassados ao município pelo DNPM, oriundo do recolhidos pelos agentes econômicos envolvidos no processo de produção mineral nacional (fases de pesquisa e de exploração mineral). Ordem de Serviço: Objeto Fiscalizado: atividade minerária. Agente Executor Local: Departamento Nacional de Produção Mineral - DNPM e Prefeitura Municipal. Qualificação do Instrumento de Transferência: não se aplica. Montante de Recursos Financeiros: R$ 6.382,48. Extensão dos exames: O trabalho operacional foi desenvolvido a partir de inspeções in loco nos setores administrativos e operacionais das três maiores empresas de mineração em atividade no Município (duas pedreiras e um porto de areia) e nos sistemas de controle de posturas e tributação da Prefeitura Municipal de Pederneiras. 1

20 1.1) Extração de areia sem autorização do Departamento Nacional de Produção Mineral DNPM. Fato: Trata-se de ação de controle visando avaliar a atuação do Departamento Nacional de Produção Mineral DNPM e do Poder Público local nos assuntos concernentes à produção, comercialização e fiscalização da produção mineral nas fronteiras do Município de Pederneiras. Cabe esclarecer que efetuamos ainda testes substantivos visando apurar as modalidades de aplicação das receitas originárias destinadas ao Erário Municipal. Com relação à autorização legal de exploração mineral, as duas pedreiras estão regulares, enquanto o porto de areia não possui nenhum instrumento legal que autorize a extração. Evidência: Informações do DNPM/SP e inspeções in loco nos setores administrativo e operacional da empresa mineradora. 1.2) Não recolhimento da Contribuição Financeira Pela Exploração de Recursos Minerais CFEM. Fato: A Compensação Financeira Pela Exploração de Recursos Minerais CFEM, só é recolhida por uma das empresas, as outras duas não recolhem a CFEM há mais de uma década. Evidência: Informações apresentadas pelas empresas inspecionadas e comprovantes de recolhimento exibidos à equipe da CGU/SP. 1.3) Ausência de ficha de apuração da CFEM. Fato: Não há ficha de apuração da CFEM em nenhuma das três empresas inspecionadas, os sistemas administrativos e contábeis não estão adaptados para a elaboração correta e tempestiva do tributo parafiscal. Evidência: Inspeções in loco nos estabelecimentos das empresas mineradoras. São Paulo, 25 de junho de

21 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO N.º 155 MUNICÍPIO DE PEDERNEIRAS - SP MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME 10º sorteio do Projeto de Fiscalização a Partir de Sorteios Públicos 26/MAIO/2004

22 RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO N.º 155 MUNICÍPIO DE PEDERNEIRAS SP Na Fiscalização realizada a partir de Sorteios Públicos de Municípios dos Programas de Governo financiados com recursos federais foram examinadas no período de 21 a 25 de junho de 2004 as seguintes Ações sob responsabilidade do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome: Atendimento à criança em creche ou outras alternativas comunitárias Atendimento à pessoa idosa em situação de pobreza Atendimento à pessoa portadora de deficiência em situação de pobreza. Atendimento à criança e ao adolescente em jornada escolar ampliada Capacitação de conselheiros, gestores e técnicos de assistência social Bolsa Família - Transferência de renda diretamente às famílias em condições de pobreza e extrema pobreza Bolsa Escola Participação em Programas Municipais de Garantia de Renda Mínima Associados a Ações Sócio-Educativas Este relatório, de caráter preliminar, destinado aos órgãos e entidades da Administração Pública Federal, gestores centrais dos programas de execução descentralizada, contempla, em princípio, constatações de campo que apontam para o possível descumprimento de dispositivos legais e contratuais estabelecidos para esse tipo de execução. Esclarecemos que os Executores Municipais dos Programas, quanto aos Programas sob sua responsabilidade, já foram previamente informados sobre os fatos relatados, cabendo ao Ministério supervisor, nos casos pertinentes, adotar as providências corretivas visando à consecução das políticas públicas, bem como à apuração das responsabilidades. Constatações da Fiscalização 1 - Programa: Atenção à criança Ação: Atendimento à criança em creche e outras alternativas comunitárias Objetivo da Ação de Governo: Assegurar o atendimento a crianças carentes de até seis anos em creches, pré-escolas ou outras alternativas comunitárias, tais como: Projeto Roda Moinho, que visa à implementação de brinquedotecas no Município Ordem de Serviço: Objeto Fiscalizado: Atendimento à criança em creche e outras alternativas comunitárias Agente Executor Local: Prefeitura Municipal de Pederneiras Qualificação do Instrumento de Transferência: fundo a fundo Montante dos Recursos Financeiros: Valor liberado em 2003: R$ ,06 Valor liberado em 2004: R$ ,76 (até maio) Extensão dos Exames: Verificar a atuação do gestor municipal no tocante à aplicação/destinação dos recursos recebidos pelo município, o atendimento das metas pactuadas com organizações administradas pelo município OG, e organizações não-governamentais ONG, a qualidade das instalações e do atendimento prestado aos beneficiários, bem como a realização de supervisão. 1

23 1.1) Aplicação em despesas não elegíveis. Fato(s): Constatou-se que a entidade, Assistência Vicentina de Pederneiras, apresentou como aplicação de recursos em 2003 despesas consideradas inelegíveis pelo programa, a saber: despesas com vale transporte pagos à Alexandre Quaggio Transportes Ltda NFS nº 263, emitida em 30/04/2003, no valor de R$ 120,00, como também NFS nº 310, emitida em 08/12/2003, no valor considerado para despesas de R$ 118,13. Evidência(s): Cópia das notas fiscais apresentadas como aplicação de recursos na prestação de contas de Manifestação do Prefeito: Através do nosso Departamento de Assistência e Desenvolvimento Social a Entidade foi orientada a proceder dentro da legalidade. Cabe registrar que em face do importante e sério trabalho desenvolvido por aquela Entidade, o fato constatado não demonstra má fé. Análise da Equipe: Constatação mantida, pois a houve concordância, por parte da prefeitura, de que a Entidade deveria ser melhor orientada. 2 - Programa: Valorização e saúde do idoso Ação: Atendimento à pessoa idosa em situação de pobreza Objetivo da Ação de Governo: Assegurar o atendimento ao idoso em situação de pobreza, risco pessoal ou social, com a finalidade de promover a sua autonomia, integração e participação efetiva na sociedade, gerando atividades que visem à sua promoção, melhoria da qualidade de vida, inclusão social e igualdade de oportunidades, sendo que estas ações serão centralizadas na família e, ainda, a renda mensal familiar per capita seja de até ½ salário mínimo, priorizando os idosos com renda familiar per capita de até ¼ do salário mínimo. Ordem de Serviço: Objeto Fiscalizado: Atendimento à pessoa idosa em situação de pobreza Agente Executor Local: Prefeitura Municipal de Pederneiras Qualificação do Instrumento de Transferência: fundo a fundo Montante dos Recursos Financeiros: Valor liberado em 2003: R$ 7.134,60 Valor liberado em 2004: R$ 3.891,60 (até maio) Extensão dos Exames: Verificar a atuação do gestor municipal no tocante à aplicação/destinação dos recursos recebidos pelo município, o atendimento das metas pactuadas com organizações administradas pelo município OG, e organizações não-governamentais ONG, a qualidade das instalações e do atendimento prestado aos beneficiários, bem como a realização de supervisão. 2.1 ) Entidade não portadora do Certificado de Entidade Beneficente e do Registro no CNAS. Fato(s): Constatou-se que a entidade beneficiada pelo programa, Clube da Terceira Idade Renascer de Pederneiras, não possui nem o Certificado de Entidade Beneficente, nem o registro no CNAS (Lei n.º 8.742/93 e Decreto n.º 2536/98), conforme informações prestadas pela direção das entidades. 2

24 Evidência(s): Questionário aplicado junto à direção da entidade e verificação documental. Manifestação do Prefeito: Notificada pelo nosso Departamento de Assistência e Desenvolvimento Social sob pena de não perceber novas parcelas pertinentes ao programa, a Entidade se prontificou a proceder à regularização no menor espaço de tempo possível. Vale a lembrança de que a Entidade Clube da Terceira Idade Renascer de Pederneiras tem desenvolvido relevante trabalho em prol da valorização do idoso. Análise da Equipe: Embora a Entidade tenha se prontificado a proceder à regularização de sua situação, a constatação deve ser mantida, pois o fato relatado persiste. 3 - Programa: Atenção à pessoa portadora de deficiência Ação: Atendimento à pessoa portadora de deficiência em situação de pobreza Objetivo da Ação de Governo: Assegurar a proteção, a promoção e a inclusão social das pessoas portadoras de deficiência vulnerabilizadas pela situação de pobreza, com a centralidade das ações na família, além de elaborar, coordenar, acompanhar e apoiar, técnica e financeiramente, as ações de Atenção à Pessoa Portadora de Deficiência, cuja renda mensal familiar per capita seja de até ½ salário mínimo e/ ou aquelas que se encontram em condição de privação econômica ou risco pessoal e social, com prioridade para as pessoas com renda familiar per capita de até ¼ do salário mínimo. Ordem de Serviço: Objeto Fiscalizado: Atendimento à Pessoa Portadora de Deficiência Agente Executor Local: Prefeitura Municipal de Pederneiras Qualificação do Instrumento de Transferência: fundo a fundo Montante dos Recursos Financeiros: Valor liberado em 2003: R$ ,00 Valor liberado em 2004: R$ ,00 (até maio) Extensão dos Exames: Verificar a atuação do gestor municipal no tocante à aplicação/destinação dos recursos recebidos pelo município, o atendimento das metas pactuadas com organizações administradas pelo município OG, e organizações não-governamentais ONG, a qualidade das instalações e do atendimento prestado aos beneficiários, bem como a realização de supervisão. 3.1) Aplicação em despesas não elegíveis. Fato(s): Constatou-se que a entidade, Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais - APAE de Pederneiras, apresentou como aplicação de recursos em 2003 despesas consideradas inelegíveis pelo programa, a saber: despesa com rescisão contratual de trabalho da funcionária Marli de Jesus Oliveira em 13/05/2003 no valor de R$ 725,37, e despesas com vale transporte pago à Alexandre Quaggio Transportes Ltda NFS nº 443, emitida em 22/09/2003, no valor de R$ 50,00. Evidência(s): Cópia das notas fiscais apresentadas como aplicação de recursos na prestação de contas de Manifestação do Prefeito: Através do nosso Departamento de Assistência e Desenvolvimento Social, a Entidade foi orientada a proceder dentro da legalidade. 3

25 Esclarecemos que a Entidade desenvolve excelente trabalho junto aos portadores de deficiências mental e física em nosso município, fato que, no nosso entendimento releva a constatação apontada. Análise da Equipe: Constatação mantida, pois a houve concordância, por parte da prefeitura, de que a Entidade deveria se melhor orientada. 4 Programa: Erradicação do Trabalho Infantil PETI. Ação: Atendimento à Criança e ao Adolescente em Jornada Escolar Ampliada Objetivo da Ação de Governo: Busca eliminar o trabalho infantil por meio ofertas de a atividades culturais, esportivas e de lazer, desenvolvidas nos locais de Jornada Escolar Ampliada, no horário complementar ao da escola. Ordem de Serviço: Objeto Fiscalizado: Atuação do gestor municipal e à verificação da atuação das entidades governamentais e não-governamentais. Agente Executor Local: Prefeitura Municipal de Pederneiras Qualificação do Instrumento de Transferência: Repasse direto à Prefeitura (Fundo a Fundo) Montante de Recursos Financeiros: R$ ,00 (falta a parte da bolsa banco) Extensão dos exames: a) Verificar a atuação do gestor municipal no tocante à aplicação/destinação dos recursos recebidos pelo município, o atendimento das metas pactuadas com organizações administradas pelo município - OG, e organizações não-governamentais ONG, bem como a realização de supervisão. b) Verificar a execução da jornada escolar ampliada urbana e rural - atendimento às crianças e adolescentes, atendimento às famílias, pagamento da bolsa criança-cidadã. c) Verificar a execução da jornada, observando o que estabelecem as regras do programa, e verificar as ações desenvolvidas junto às famílias, como a oferta de cursos de capacitação e pagamento da bolsa criança-cidadã. d) Verificação da atuação da Comissão Municipal de Erradicação do Trabalho Infantil. 4.1) Deficiências na capacitação dos monitores da Jornada Ampliada do Programa Erradicação do Trabalho Infantil. Fato(s): O gestor não comprovou a participação dos monitores em cursos de capacitação sobre o funcionamento do Programa, bem como não apresentou controles sobre a capacitação técnica dos mesmos. Evidência: Entrevista com os monitores da Jornada Ampliada e com o gestor. Manifestação do Prefeito: Muito embora não haja comprovação documental de cursos, o Departamento de Assistência e Desenvolvimento Social realiza, periodicamente, reuniões de orientação aos monitores envolvidos. A partir desta data, as reuniões e/ou cursos, serão registrados em documentos para a devida comprovação. Análise da Equipe: Embora o gestor afirme que realizava cursos, como não há possibilidade de comprovação de que tais cursos foram realizados fica mantida a constatação. 4

26 4.2) Deficiências nos treinamentos, cursos ou palestras, oferecidos pelo Município, aos beneficiários do PETI. Fato(s): Não foram apresentados controles sobre a participação da família dos beneficiários em treinamento, curso ou palestra oferecido pelo Município para geração de renda, bem como uma programação anual de treinamentos. Segundo entrevistas com os beneficiários, o último treinamento foi executado em Evidência: Entrevistas com os familiares dos beneficiários do PETI. Manifestação do Prefeito: No exercício de 2003, não foi realizado treinamento, cursos e/ou palestras às famílias dos beneficiários do programa por não ter havido alteração da grade em relação ao exercício anterior, ocasião em que, os treinamentos aconteceram conforme a fiscalização dessa CGU pôde comprovar em loco. Consta da agenda do Departamento de Assistência e Desenvolvimento Social do Município a realização de treinamentos, cursos e palestras referentes ao programa, já para o presente exercício. Análise da Equipe: Vale ressaltar que a deficiência constatada é no acompanhamento dos treinamentos realizados para as famílias, pois o município não tinha controle sobre quais pessoas tinham realizado o treinamento e não saberia informar quais pessoas faltam ser treinadas, motivo pelo qual a constatação deve ser mantida. 4.3) Deficiências no acompanhamento dos beneficiários do PETI. Fato(s): A jornada ampliada se realiza em três lugares distintos: Casa da Solidariedade, Pequena Obra e Associação Leonor Mendes. Na Casa da Solidariedade realizam-se atividades oriundas de programas da prefeitura onde também atende-se os alunos do PETI. Os controles de freqüência tanto da jornada como da escola são falhos e não são separados dos demais. A Pequena Obra é uma ONG que recebe recursos do PETI para realização da jornada ampliada, e, também como na Casa da Solidariedade, a Pequena Obra atende outras crianças. Entretanto, existe controle separado, porém falho no controle de freqüência dos alunos na escola. Não foi apresentado pelo gestor um acompanhamento individualizado por beneficiário demonstrando o efetivo acompanhamento da freqüência na jornada e na escola de todos os beneficiários. Evidência: Inspeção in loco, verificação de documentação e entrevistas com o gestor, monitores e beneficiários. Manifestação do Prefeito: A partir do mês de julho/2004, os controles de freqüência da jornada ampliada, bem como a escolar, serão efetuados em separado e de acordo com as orientações recebidas dessa CGU. Análise da Equipe: Constatação mantida, pois a houve concordância, por parte da prefeitura, de que os controles de freqüência existentes são falhos. 5

27 4.4) Pagamento de beneficiários de forma avulsa. Fato(s): Em 2003 foram pagos via cheque avulso com autorização da Prefeitura o valor de R$ 2.925,00 a beneficiários do PETI que não estão cadastrados no sistema. Havia 7 famílias de um total de 26 recebendo desta forma no ano passado e o problema ainda persiste em Evidência: Análise da prestação de contas de 2003 e pagamentos em Manifestação do Prefeito: Esta Prefeitura autorizou e efetuou o pagamento a beneficiários do PETI sem o devido cadastramento no sistema, em virtude da dificuldade encontrada na utilização via Internet do sistema PETI no site da Caixa Econômica Federal, fato que ocorre até a presente data. Análise da Equipe: Além do problema persistir, como não foi encaminhada documentação (por exemplo, registro de comunicação do gestor com os órgãos competentes) que comprovasse as dificuldades mencionadas, entendemos que a constatação deve ser mantida. 4.5) Não apresentação de comprovantes na aplicação de recursos do PETI e saldo elevado em caixa. Fato(s): Em 2003 foi aplicado o montante de R$ ,22. Destas aplicações consta despesa no valor de R$ ,00 efetuada em 07/01/2003 como pagamento avulso de bolsa criança cidadã; porém, não é apresentada nenhuma relação contendo os nomes das pessoas beneficiadas que justifique tal gasto. Também existem valores repassados para a jornada da Pequena Obra no montante de R$ 5.200,00 para os quais não foi apresentado nenhum documento referente à prestação dos gastos desta jornada. Outro assunto importante é o saldo alto na conta do PETI. No final de 2003, o saldo em conta era de R$ ,80. Evidência: Análise da prestação de contas de Manifestação do Prefeito: Quanto à alegação de pagamento avulso da despesa no valor de R$ ,00, efetuada em 07/01/2003 esclarecemos que tão somente não foi apresentado a relação contendo a lista de beneficiários correspondente ao valor acima citado (anexos: XII à XIX). O valor de R$ 5.200,00, correspondente a 10 parcelas do exercício de 2003, repassado à Entidade Pequena Obra da Divina Providencia, refere-se à Jornada Ampliada do PETI cuja prestação de contas nos foi devidamente apresentada, estando à disposição para averiguação em nossos arquivos. O saldo existente na conta do PETI, considerado alto por essa CGU, decorre do não cumprimento do total de metas estabelecidas ao nosso município em exercícios anteriores, fato que foi devidamente comunicado ao Ministério, através da Coordenadoria do PETI da Secretaria Estadual de Assistência e Desenvolvimento Social, oportunidade em colocamos à disposição o referido valor para recolhimento ou aplicação. Análise da Equipe: Embora a justificativa apresentada tenha sido em parte satisfatória, não foi disponibilizada à época da fiscalização, nem nos foi encaminhada posteriormente, documentação que comprovasse os 6

28 gastos referentes aos recursos repassados à Entidade Pequena Obra da Divina Providência, motivo pelo qual constatação referente a este item deve ser mantida. 5- Programa: Toda Criança na Escola Ação: Bolsa Escola Participação em Programas Municipais de Garantia de Renda Mínima Associados a Ações Sócio-Educativas Objetivo da Ação de Governo: Incentivar financeiramente, o progresso educacional das crianças de famílias de menor renda, estimulando a universalização do ensino e contribuindo para a redução da evasão escolar e da repetência. Ordem de serviço: Objeto Fiscalizado: execução do programa BOLSA ESCOLA no período de 01/10/2003 até 31/12/2003. Agente Executor Local: Prefeitura Municipal de Pederneiras-SP. Qualificação do Instrumento de Transferência: Fundo a fundo. Montante de Recursos Financeiros: R$ 8.335,00 Extensão dos exames: O Município beneficiário, famílias e alunos beneficiados pelo programa e o Conselho Municipal instituído para atuar na aprovação da seleção e cadastro das famílias e do Relatório de Freqüência Escolar. 5.1) Duplicidade de cadastro com o Programa Bolsa Família. Fato(s): Nas entrevistas a beneficiários do programa, verificamos que uma delas recebia recursos por dois cartões, um referente ao Bolsa Escola NIS e outro ao Bolsa Família NIS , no valor de R$30,00 por cartão. Evidência: Entrevista com o beneficiário, verificação nos cadastros. Manifestação do Prefeito: Após verificação nos arquivos, constatamos a distinção de beneficiários, sendo que o NIS pertence a Edite Rezende dos Santos e refere-se ao programa Bolsa Escola e que o NIS pertence à Elisa Aparecida da Silva Oliveira e refere-se ao programa Bolsa Família. Averiguando in loco, constatamos a existência de duplicidade no caso da beneficiária Elisa Aparecida da Silva Oliveira que porta dois cartões, quais sejam os NIS e Informamos que já foi providenciado o cancelamento do NIS junto à Caixa Econômica Federal. Análise da Equipe: Embora a Prefeitura tenha providenciado o cancelamento do NIS , fica mantida a constatação, pois esta evidencia que o controle de cadastros realizado é falho. 7 Programa: Transferência de Renda - Bolsa Família Ação: Transferência de renda diretamente às famílias em condições de pobreza e extrema pobreza. Objetivo da Ação de Governo: Transferência de renda às famílias em situação de pobreza e extrema pobreza, com renda per capita até R$ 100,00 mensais que visa combater a fome, a pobreza e outras formas de privação das famílias e promover a segurança alimentar e nutricional e o acesso à rede de serviços públicos de saúde, educação e assistência social, criando possibilidades de emancipação sustentada dos grupos familiares e de desenvolvimento local dos territórios. Ordem de Serviço: Nº

29 Objeto Fiscalizado: O recebimento dos valores pelas famílias beneficiárias, bem como as participações relativas à Prefeitura e à Caixa Econômica Federal. Agente Executor Local: Prefeitura Municipal de Pederneiras Qualificação do Instrumento de Transferência: Transferência direta ao cidadão. Montante dos Recursos Financeiros: R$ ,00 Extensão dos Exames: O período de janeiro a maio de ) Pagamento em duplicidade. Fato(s): De acordo com as informações apresentadas pelo Gestor sobre a relação de pagamentos do Bolsa Família efetuados no mês de maio/2004, constatou-se o pagamento em duplicidade das seguintes pessoas: NIS DO RESP. VALOR , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,00 Evidência: Relação de pagamentos apresentada pela CEF e disponibilizada pelo Gestor. Manifestação do Prefeito: Dos pagamentos em duplicidade, constantes da relação apresentadas, referentes ao mês de maio/2004, informamos que estamos solicitando a regularização junto ao órgão competente, e que, parte já havia sido solicitado nos meses de fevereiro, março e abril/2004 (anexos: XX à XXII). Análise da Equipe: Embora a Prefeitura já tivesse percebido que parte dos pagamentos estavam sendo realizados em duplicidade, entendemos que deve ser mantida a constatação, pois tais pagamentos evidenciam a existência de falhas no controle do cadastro. São Paulo, 28 de maio de

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE IEPÊ - SP

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE IEPÊ - SP PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE IEPÊ - SP 1. Trata o presente Relato dos resultados gerenciais dos exames realizados

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA REGIONAL DA UNIÃO NO ESTADO DO ACRE

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA REGIONAL DA UNIÃO NO ESTADO DO ACRE PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA REGIONAL DA UNIÃO NO ESTADO DO ACRE RELATO GERENCIAL ESTADO DO ACRE 1. Trata o presente Relato

Leia mais

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI)

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) Presidência da República Controladoria-Geral da União Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL (PETI) O PETI é um programa do Governo Federal que

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE BARRA DE SÃO FRANCISCO/ES

Leia mais

Número: 00190.010534/2012-04. Unidade Examinada: Município de Diadema/SP

Número: 00190.010534/2012-04. Unidade Examinada: Município de Diadema/SP Número: 00190.010534/2012-04 Unidade Examinada: Município de Diadema/SP Relatório de Demandas Externas n 00190.010534/2012-04 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

Número: 00220000037-2008-17 Unidade Examinada: Município de Cerejeiras/RO

Número: 00220000037-2008-17 Unidade Examinada: Município de Cerejeiras/RO Número: 00220000037-2008-17 Unidade Examinada: Município de Cerejeiras/RO Relatório de Demandas Externas n 00220000037-2008-17 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DA BAHIA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DA BAHIA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DA BAHIA RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE PINDOBAÇU/BA 1. Trata o presente

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE GOIÁS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE GOIÁS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE GOIÁS RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE GOUVELÂNDIA/GO 1. Trata o presente

Leia mais

Programa de Fiscalização a Partir de Sorteio Público

Programa de Fiscalização a Partir de Sorteio Público Presidência da República Controladoria-Geral da União Programa de Fiscalização a Partir de Sorteio Público 1º Sorteio Público Relato de Fiscalização Município Balneário Arroio do Silva/SC BALNEÁRIO ARROIO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO DO PINHAL/SP

Leia mais

Gestor - FNAS - Fundo Nacional de Assistência Social

Gestor - FNAS - Fundo Nacional de Assistência Social Gestor - FNAS - Fundo Nacional de Assistência Social O que é o FNAS - Fundo Nacional de Assistência Social? O FNAS, instituído pela Lei nº. 8.742, de 7 de dezembro de 1993, tem por objetivo proporcionar

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE PIRATININGA/SP 1. Trata o

Leia mais

TREINAMENTO PARA OS NOVOS DIRETORES DE DEPARTAMENTOS DA UNIVERSIDADE

TREINAMENTO PARA OS NOVOS DIRETORES DE DEPARTAMENTOS DA UNIVERSIDADE TREINAMENTO PARA OS NOVOS DIRETORES DE DEPARTAMENTOS DA UNIVERSIDADE Salvador, 21 e 22 de julho de 2010 CONVÊNIOS EQUIPE: Alessandro Chaves de Jesus Ana Lucia Alcântara Tanajura Cristiane Neves de Oliveira

Leia mais

ipea políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 133 ASSISTÊNCIA SOCIAL

ipea políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 133 ASSISTÊNCIA SOCIAL ASSISTÊNCIA SOCIAL Regulamento da Organização e do Custeio da Seguridade Social Decreto n o 2.173, de 5 de março de 1997 aprova o Regulamento da Organização e do Custeio da Seguridade Social. Decreto n

Leia mais

Número: 00213.000058/2010-38 Unidade Examinada: Município de Portel/PA.

Número: 00213.000058/2010-38 Unidade Examinada: Município de Portel/PA. Número: 00213.000058/2010-38 Unidade Examinada: Município de Portel/PA. Relatório de Demandas Externas n 00213.000058/2010-38 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO TOCANTINS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO TOCANTINS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO TOCANTINS RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE AGUIARNÓPOLIS/TO 1. Trata o presente

Leia mais

RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE VISTA ALEGRE DO PRATA/RS

RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE VISTA ALEGRE DO PRATA/RS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE VISTA ALEGRE DO PRATA/RS

Leia mais

Número: 00205.000107/2010-31 Unidade Examinada: Município de Santo Amaro/BA.

Número: 00205.000107/2010-31 Unidade Examinada: Município de Santo Amaro/BA. Número: 00205.000107/2010-31 Unidade Examinada: Município de Santo Amaro/BA. Relatório de Demandas Externas n 00205.000107/2010-31 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de

Leia mais

RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE JULIO DE CASTILHOS/RS

RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE JULIO DE CASTILHOS/RS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE JULIO DE CASTILHOS/RS

Leia mais

Número: 00224.000897/2010-27 Unidade Examinada: Município de Belo Horizonte/MG e Associação para Organização e Administração de Eventos, Educação e

Número: 00224.000897/2010-27 Unidade Examinada: Município de Belo Horizonte/MG e Associação para Organização e Administração de Eventos, Educação e Número: 00224.000897/2010-27 Unidade Examinada: Município de Belo Horizonte/MG e Associação para Organização e Administração de Eventos, Educação e Capacitação CAPACITAR. Relatório de Demandas Externas

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 545/2009.

LEI MUNICIPAL Nº 545/2009. LEI MUNICIPAL Nº 545/2009. EMENTA: INSTITUI O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA, NA EMANCIPAÇÃO SUSTENTADA DAS FAMÍLIAS QUE VIVEM EM SITUAÇÃO DE EXTREMA POBREZA, CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA,

Leia mais

O Programa Bolsa Família

O Programa Bolsa Família Painel sobre Programas de Garantia de Renda O Programa Bolsa Família Patrus Ananias de Sousa Ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome República Federativa do Brasil Comissão de Emprego e Política

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FMAS

FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FMAS FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Vinculação: Finalidade: FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FMAS FUNDO SECRETARIA MUNICIPAL DO TRABALHO, ASSISTÊNCIA SOCIAL E DIREITOS

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL - PETI

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL - PETI - PETI Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do governo para que adotem medidas

Leia mais

O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Presidência da República Controladoria-Geral da União O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA O Programa Bolsa Família foi instituído pelo Governo Federal, pela Lei nº 10.836, de 9 de janeiro

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

Número: 00190.004342/2013-31 Unidade Examinada: Município de Marília/SP

Número: 00190.004342/2013-31 Unidade Examinada: Município de Marília/SP Número: 00190.004342/2013-31 Unidade Examinada: Município de Marília/SP Relatório de Demandas Externas n 00190.004342/ 2013-31 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE MINAS GERAIS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE MINAS GERAIS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE MINAS GERAIS RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE SABINÓPOLIS 1. Trata o

Leia mais

CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DO FUNDEB. Marcelo Augusto Sabbatini Passos Técnico Contábil MPGO Março/2009

CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DO FUNDEB. Marcelo Augusto Sabbatini Passos Técnico Contábil MPGO Março/2009 CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DO FUNDEB Marcelo Augusto Sabbatini Passos Técnico Contábil MPGO Março/2009 FISCALIZAÇÃO DO FUNDEB pelo órgão de Controle Interno no âmbito da União (Controladoria Geral da União

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA MUNICÍPIO: ESTADO: DATA: / / PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA MUNICÍPIO: ESTADO: DATA: / / PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do

Leia mais

Prefeitura Municipal de Itanhangá Gestão 2005/2008

Prefeitura Municipal de Itanhangá Gestão 2005/2008 LEI Nº 019/2005 DATA: 10 DE MARÇO DE 2005. SÚMULA: CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTENCIA SOCIAL DA OUTRAS PROVIDÊNCIS. O Sr. VALDIR CAMPAGNOLO, Prefeito Municipal de Itanhangá, Estado de Mato Grosso,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO 01365 MUNICIPIO DE NOVA CANAA PAULISTA - SP E02º Sorteio do Projeto de Fiscalização

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO MERENDA ESCOLAR. MERENDA ESCOLAR Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE)

QUESTIONÁRIO DO MERENDA ESCOLAR. MERENDA ESCOLAR Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) Este questionário tem por objetivo orientar a participação do cidadão na gestão pública a partir do controle das despesas públicas efetuadas e da oferta de sugestões aos órgãos do governo, para que estes

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MATINHOS Estado do Paraná CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE MATINHOS Estado do Paraná CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO INSTRUÇÃO NORMATIVA CG Nº 001 DE 02 de junho de 2014 Institui o Plano de atividades de Auditoria Interna no ano de 2014 e dá outras providências. O CONTROLADOR GERAL DO MUNICPIO DE MATINHOS, no uso de

Leia mais

Número: 00225.000175/2012-24 Unidade Examinada: Município de Mogi Guaçu/SP

Número: 00225.000175/2012-24 Unidade Examinada: Município de Mogi Guaçu/SP Número: 00225.000175/2012-24 Unidade Examinada: Município de Mogi Guaçu/SP Relatório de Demandas Externas n 00225.000175/2012-24 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural REGULAMENTO DOS PROCEDIMENTOS PARA CELEBRAÇÃO DE TERMOS DE COOPERAÇÃO Estabelece diretrizes, normas e procedimentos para celebração, execução e prestação de contas

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NA APLICAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS PÚBLICOS DE CONVÊNIOS

BOAS PRÁTICAS NA APLICAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS PÚBLICOS DE CONVÊNIOS GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO AUDITORIA GERAL DO ESTADO BOAS PRÁTICAS NA APLICAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS PÚBLICOS DE CONVÊNIOS APLICAÇÃO DE RECURSOS PÚBLICOS DE CONVÊNIOS

Leia mais

PORTARIA Nº. 224 DE 25 DE JUNHO DE 2007 PUBLICADA NO DOU EM 27 DE JUNHO DE 2007

PORTARIA Nº. 224 DE 25 DE JUNHO DE 2007 PUBLICADA NO DOU EM 27 DE JUNHO DE 2007 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº. 224 DE 25 DE JUNHO DE 2007 PUBLICADA NO DOU

Leia mais

LEI Nº 467 DE 26 DE MARÇO DE 2014.

LEI Nº 467 DE 26 DE MARÇO DE 2014. LEI Nº 467 DE 26 DE MARÇO DE 2014. DISPÕE SOBRE O SERVIÇO VOLUNTÁRIO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE IRAMAIA, ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições legais, faz saber que a Câmara

Leia mais

Incentivos do Poder Público à atuação de entidades civis sem fins lucrativos, na área social. (1) renúncia fiscal

Incentivos do Poder Público à atuação de entidades civis sem fins lucrativos, na área social. (1) renúncia fiscal Incentivos do Poder Público à atuação de entidades civis sem fins lucrativos, na área social Associação Fundação Privada Associação Sindical Partidos Políticos (1) renúncia fiscal Subvencionada 1 Entidades

Leia mais

SÓLAZER CLUBE DOS EXECEPCIONAIS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE ESPORTE CNPJ 28.008.530/0001-03

SÓLAZER CLUBE DOS EXECEPCIONAIS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE ESPORTE CNPJ 28.008.530/0001-03 SÓLAZER CLUBE DOS EXECEPCIONAIS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE ESPORTE CNPJ 28.008.530/0001-03 Capítulo I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS Art. 1º - O presente regulamento tem por finalidade

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE PERNAMBUCO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE PERNAMBUCO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE PERNAMBUCO RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE SIRINHAÉM/PE 1. Trata o presente

Leia mais

Pagamento da Renda Mensal Vitalícia por Idade

Pagamento da Renda Mensal Vitalícia por Idade Programa 1282 Proteção Social ao Idoso Objetivo níveis de complexidade e demandas do território, em conformidade com os pressupostos do Sistema Único de Assistência Social, e primando pela convivência

Leia mais

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009.

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE SAÚDE, CRIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL, DA DIVISÃO DE MEIO-AMBIENTE E

Leia mais

PROJETO DE LEI N. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

PROJETO DE LEI N. O CONGRESSO NACIONAL decreta: PROJETO DE LEI N Institui o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego PRONATEC, altera as Leis n. 7.998, de 11 de janeiro de 1990, n. 8.121, de 24 de julho de 1991 e n. 10.260, de 12 de julho

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO TOCANTINS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO TOCANTINS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO TOCANTINS RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE SÍTIO NOVO TO 1. Trata o presente

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 01350.000002/2007-76 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

CONVÊNIO DE COLABORAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO E O INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DE PASSO FUNDO - SOLIDARIEDADE - IDPF

CONVÊNIO DE COLABORAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO E O INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DE PASSO FUNDO - SOLIDARIEDADE - IDPF CONVÊNIO DE COLABORAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO E O INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DE PASSO FUNDO - SOLIDARIEDADE - IDPF 032/2014 - PGM O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO, pessoa jurídica

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE BANNACH

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE BANNACH PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE BANNACH 1. Trata o presente Relato dos resultados gerenciais dos exames realizados

Leia mais

PORTARIA Nº 375, DE 10 DE MARÇO DE 2014

PORTARIA Nº 375, DE 10 DE MARÇO DE 2014 PORTARIA Nº 375, DE 10 DE MARÇO DE 2014 Regulamenta a aplicação das emendas parlamentares que adicionarem recursos à Rede SUS no exercício de 2014 para aplicação em obras de ampliação e construção de entidades

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 23036.000146/2007-28 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTENCIA SOCIAL - CMAS EDITAL 001/2014. Conselho Municipal de Assistência Social- CMAS

CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTENCIA SOCIAL - CMAS EDITAL 001/2014. Conselho Municipal de Assistência Social- CMAS EDITAL 001/2014 Conselho Municipal de Assistência Social- CMAS O CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CMAS TORNA PÚBLICO O PROCESSO DE SELEÇÃO DE ENTIDADES E ORGANIZAÇÃO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, PROGRAMAS,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE MINAS GERAIS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE MINAS GERAIS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE MINAS GERAIS RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE ESMERALDAS/MG 1. Trata

Leia mais

, Prefeito Municipal de. FAÇO saber a todos os habitantes deste Município que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

, Prefeito Municipal de. FAÇO saber a todos os habitantes deste Município que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº Dispõe sobre o Sistema de Controle Interno, cria a Controladoria Municipal e dá outras providências., Prefeito Municipal de FAÇO saber a todos os habitantes deste Município

Leia mais

Número: 00225.000795/2012-63 Unidade Examinada: Município de Taubaté/SP

Número: 00225.000795/2012-63 Unidade Examinada: Município de Taubaté/SP Número: 00225.000795/2012-63 Unidade Examinada: Município de Taubaté/SP Relatório de Demandas Externas n 00225.000795/2012-63 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

Entenda o Fundo Municipal de Assistência Social!

Entenda o Fundo Municipal de Assistência Social! Entenda o Fundo Municipal de Assistência Social! CONSELHEIROS ROSA DE FÁTIMA BARGE HAGE Presidente JOSÉ CARLOS ARAÚJO Vice - Presidente MARA LÚCIA BARBALHO DA CRUZ Corregedora ALCIDES DA SILVA ALCÂNTARA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE ITIRAPINA/SP 1. Trata o presente

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE GOIÁS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE GOIÁS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE GOIÁS RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE POSSE-GOIÁS 1. Trata o presente

Leia mais

REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 562-A, DE 2012 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 10 DE 2012

REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 562-A, DE 2012 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 10 DE 2012 REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 562-A, DE 2012 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 10 DE 2012 O CONGRESSO NACIONAL decreta: Dispõe sobre o apoio técnico ou financeiro da União no âmbito do Plano de Ações

Leia mais

PROCESSO SELETIVO Edital 01/2015 Serviço de Inclusão Produtiva

PROCESSO SELETIVO Edital 01/2015 Serviço de Inclusão Produtiva PROCESSO SELETIVO Edital 01/2015 Serviço de Inclusão Produtiva A Casa de Acolhimento e Orientação à Crianças e Adolescentes (CAOCA), em parceria com a Secretaria de Assistência Social de Vitória (Semas),

Leia mais

INDAIAL SANTA CATARINA CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESOLUÇÃO Nº 001/2010

INDAIAL SANTA CATARINA CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESOLUÇÃO Nº 001/2010 INDAIAL SANTA CATARINA CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESOLUÇÃO Nº 001/2010 DISPÕE SOBRE APROVAÇÃO DO BENEFÍCIO ALIMENTAÇÃO. O Conselho Municipal de Assistência Social de Indaial, no uso de suas

Leia mais

Número: 00190.012047/2013-59 Unidade Examinada: Instituto Benjamin Constant - RJ

Número: 00190.012047/2013-59 Unidade Examinada: Instituto Benjamin Constant - RJ Número: 00190.012047/2013-59 Unidade Examinada: Instituto Benjamin Constant - RJ Relatório de Demandas Externas n 00190.012047/2013-59 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações

Leia mais

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS FEDERAIS TRANSFERIDOS AOS MUNICÍPIOS A PARTIR DAS AÇÕES DE AUDITORIA REALIZADAS PELO DENASUS EM 2012

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS FEDERAIS TRANSFERIDOS AOS MUNICÍPIOS A PARTIR DAS AÇÕES DE AUDITORIA REALIZADAS PELO DENASUS EM 2012 Ministério da Saúde Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa Departamento Nacional de Auditoria do SUS DENASUS ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS FEDERAIS TRANSFERIDOS AOS MUNICÍPIOS A PARTIR DAS

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Page 1 of 6 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.013, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2009. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO JOÃO DE MERITI

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO JOÃO DE MERITI PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO JOÃO DE MERITI PROCESSO: 0007733-93.2015.4.02.5110 (2015.51.10.007733-0) AUTOR: MINISTERIO PUBLICO FEDERAL REU: MUNICIPIO DE BELFORD ROXO Fls

Leia mais

SUBCHEFIA DE ASSUNTOS PARLAMENTARES

SUBCHEFIA DE ASSUNTOS PARLAMENTARES SUBCHEFIA DE ASSUNTOS PARLAMENTARES PROJETO DE LEI Institui o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego - PRONATEC; altera as Leis n os 7.998, de 11 de janeiro de 1990, que regula o Programa

Leia mais

CAPÍTULO I DA FINALIDADE

CAPÍTULO I DA FINALIDADE LEI Nº 1.392, DE 11 DE SETEMBRO DE 2009. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DO IDOSO, CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO E O FUNDO MUNICIPAL DOS DIREITOS DO IDOSO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. (Alterado pela

Leia mais

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Transferência de recursos financeiros do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE)

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Transferência de recursos financeiros do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Transferência de recursos financeiros do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) Coordenação-Geral do Programa Nacional de Alimentação Escolar (CGPAE)

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Gabinete do Ministro

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Gabinete do Ministro Edição Número 251 de 30/12/2005 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Gabinete do Ministro GABINETE DO MINISTRO PORTARIA N o 666, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2005 Disciplina a integração entre

Leia mais

EDITAL Nº. 01/2014 DE SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS A SEREM FINANCIADOS PELO FUNDO DA INFÂNCIA E DA ADOLESCÊNCIA DO MUNICÍPIO DE MARABÁ-PARÁ.

EDITAL Nº. 01/2014 DE SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS A SEREM FINANCIADOS PELO FUNDO DA INFÂNCIA E DA ADOLESCÊNCIA DO MUNICÍPIO DE MARABÁ-PARÁ. PREÃMBULO 1994 EDITAL Nº. 01/2014 DE SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS A SEREM FINANCIADOS PELO FUNDO DA INFÂNCIA E DA ADOLESCÊNCIA DO MUNICÍPIO DE MARABÁ-PARÁ. A Prefeitura Municipal de Marabá, por intermédio

Leia mais

EDITAL N.º01/2015 1. APRESENTAÇÃO

EDITAL N.º01/2015 1. APRESENTAÇÃO EDITAL N.º01/2015 O Conselho Municipal do Idoso CMI, no uso das atribuições legais que lhe confere a Lei Municipal N.º 3.548 de 24 de março de 2009, torna público que está disponibilizando recursos oriundos

Leia mais

MERENDA ESCOLAR Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE)

MERENDA ESCOLAR Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) Presidência da República Controladoria-Geral da União MERENDA ESCOLAR Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) MERENDA ESCOLAR O Programa Nacional de Alimentação Escolar PNAE, conhecido como Merenda

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TOMADA DE CONTAS ANUAL AGREGADA TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº : 71000.010766/2007-25

Leia mais

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Maceió -Setembro/2013 HISTÓRICO PORTARIA GM/MS nº 3.916/98 POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS ESTABELECEU DIRETRIZES

Leia mais

Orientações para o. Alexandre Lages Cavalcante Controlador Geral do Estado. Juliana Barros da Cruz Oliveira Superintendente de Controle Financeiro

Orientações para o. Alexandre Lages Cavalcante Controlador Geral do Estado. Juliana Barros da Cruz Oliveira Superintendente de Controle Financeiro Orientações para o Controle de Convênios Alexandre Lages Cavalcante Controlador Geral do Estado Juliana Barros da Cruz Oliveira Superintendente de Controle Financeiro Maio/2010 Devolução de recursos de

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Conversão da MPv nº 411-07 Presidência da Dispõe sobre o Programa Nacional de Inclusão de Jovens - Projovem, instituído pela Lei n o 11.129, de 30 de junho de 2005; altera a Lei n o 10.836, de 9 de janeiro

Leia mais

ROTEIRO DAS FISCALIZAÇÕES

ROTEIRO DAS FISCALIZAÇÕES ROTEIRO DAS FISCALIZAÇÕES A) CONHECER OS PROGRAMAS E POLÍTICAS PÚBLICAS B) PLANEJAR A AÇÃO DE CONTROLE/FISCALIZAÇÃO C) SOLICITAR INFORMAÇÕES PRÉVIAS D) VISITA AO LOCAL / INSPEÇÕES / ENTREVISTAS (TÉCNICAS

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

1º Encontro de Capacitação das Controladorias Internas Municipais de Santa Catarina - Florianópolis Introdução

1º Encontro de Capacitação das Controladorias Internas Municipais de Santa Catarina - Florianópolis Introdução BOA TARDE! 1º Encontro de Capacitação das Controladorias Internas Municipais de Santa Catarina - Florianópolis Introdução Experiência consolidada ao longo de 33 Fiscalizações a partir de Sorteios Públicos;

Leia mais

Como se Tornar um Município Amigo do Idoso. Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso

Como se Tornar um Município Amigo do Idoso. Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso Como se Tornar um Município Amigo do Idoso Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso 2 3 GERALDO ALCKMIN Governador do Estado de São Paulo ROGERIO HAMAM Secretário de Estado de Desenvolvimento

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do governo para que adotem medidas que realmente

Leia mais

CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS

CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS VERIFICAÇÕES PRELIMINARES Art. 3, caput e 1 ; 1. O objeto do convênio ou contrato de repasse guarda relação com a atividade do convenente? 2.

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO GOIÁS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO GOIÁS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO GOIÁS RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE SANCLERLÂNDIA/GO 1. Trata o presente

Leia mais

Banco Mundial. Capacitação em Gestão de Convênios e Projetos

Banco Mundial. Capacitação em Gestão de Convênios e Projetos Banco Mundial Capacitação em Gestão de Convênios e Projetos Versão: Agosto/2011 O QUE É O PROGRAMA PRODUZIR? O PRODUZIR é um programa do Governo do Estado da Bahia, coordenado pela CAR - Companhia de Desenvolvimento

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO TOCANTINS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO TOCANTINS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO TOCANTINS RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE GOIATINS/TO 1. Trata o presente

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX. FGTS Débitos Dos Empregadores Regularização Procedimentos

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX. FGTS Débitos Dos Empregadores Regularização Procedimentos VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX Orientador Empresarial FGTS Débitos Dos Empregadores Regularização Procedimentos CIRCULAR CAIXA Nº 351, DE 04 DE ABRIL DE 2005 - DOU

Leia mais

Brincar de ler e escrever

Brincar de ler e escrever I Edital FNA 2015 Brincar de ler e escrever A Fundação Negro Amor - FNA foi criada em 2008 e, desde então, desenvolve ações na área socioeducativa e cultural, com foco na promoção da educação infantil

Leia mais

PROGRAMA DE FORTALECIMENTO DA GESTÃO PÚBLICA PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES ÁREA: PROGRAMAS DA ASSISTÊNCIA SOCIAL

PROGRAMA DE FORTALECIMENTO DA GESTÃO PÚBLICA PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES ÁREA: PROGRAMAS DA ASSISTÊNCIA SOCIAL PROGRAMA DE FORTALECIMENTO DA GESTÃO PÚBLICA PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES ÁREA: PROGRAMAS DA ASSISTÊNCIA SOCIAL CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO 2010 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 7 CONSTATAÇÕES ÁREA ASSISTÊNCIA SOCIAL

Leia mais

Histórico da transferência de renda com condicionalidades no Brasil

Histórico da transferência de renda com condicionalidades no Brasil Brasil População: 184 milhões habitantes Área: 8.514.215,3 km² República Federativa com 3 esferas de governo: Governo Federal, 26 estados, 1 Distrito Federal e 5.565 municípios População pobre: 11 milhões

Leia mais

d) participação em competições esportivas, incluídos gastos com treinamento;

d) participação em competições esportivas, incluídos gastos com treinamento; CAPÍTULO : 10 - Viagens Internacionais, Cartões de Uso Internacional e Transferências Postais SEÇÃO : 1 - Viagens Internacionais 1. Esta seção trata das compras e das vendas de moeda estrangeira, inclusive

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.880, DE 9 DE JUNHO DE 2004. Conversão da MPv nº 173, de 2004 Institui o Programa Nacional de Apoio ao Transporte do Escolar

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.572, DE 28 DE SETEMBRO DE 2011. Regulamenta dispositivos da Medida Provisória n o 535, de 2 de junho de 2011, que tratam

Leia mais

Número: 00213.000123/2010-25 Unidade Examinada: Município de Bujaru/PA

Número: 00213.000123/2010-25 Unidade Examinada: Município de Bujaru/PA Número: 00213.000123/2010-25 Unidade Examinada: Município de Bujaru/PA Relatório de Demandas Externas n 00213.000123/2010-25 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000.

LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. Institui o Plano de Custeio do Regime de Previdência dos Servidores Municipais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE DUQUE DE CAXIAS decreto e eu sanciono

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010.

INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010. AUDITORIA GERAL DO ESTADO ATOS DO AUDITOR-GERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010. Estabelece normas de organização e apresentação das prestações de contas de convênios que impliquem

Leia mais

RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE CANELA

RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE CANELA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE CANELA 1. Trata o

Leia mais

AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL

AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL REGULAMENTO DE COMPRAS A AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL ADES, pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com sede na Av. Dom Luís, 685, sala 101 Bairro Meireles CEP 60.160-230

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE PERNAMBUCO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE PERNAMBUCO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE PERNAMBUCO RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE POMBOS/PE 1. Trata o presente

Leia mais

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 2030 DE 10/02/2014 DECRETO N. 240/2014

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 2030 DE 10/02/2014 DECRETO N. 240/2014 PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 2030 DE 10/02/2014 DECRETO N. 240/2014 Regulamenta a Lei Complementar n 975/2013 que dispõe sobre a criação do Programa ISS Tecnológico, que institui benefícios

Leia mais