Ministério dos Transportes

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ministério dos Transportes"

Transcrição

1 Secretaria de Política Nacional de Transportes Pesquisa Nacional de Tráfego 2011: Volumétrica e Origem e Destino Luiz Carlos Rodrigues Ribeiro Coordenador Geral de Planejamento

2 OBJETIVO Elaboração de estudos e pesquisas de tráfego rodoviário para atualização das informações da base de dados georreferenciada do Plano Nacional de Logística e Transportes PNLT

3 FINALIDADE DA PESQUISA Subsidiar as seguintes análises: Uso das informações obtidas para o volume de tráfego na calibração do volume diário médio anual utilizado na rede rodoviária do PNLT; Avaliação do uso dos tipos de veículos pesados por tipo de mercadoria, por regiões produtoras e seus destinos; Comparação do crescimento do tráfego e do tipo de circulação de mercadorias pelo modal rodoviário, por região do país e por vetores logísticos;

4 FINALIDADE DA PESQUISA Avaliação na ampliação do uso do transporte rodoviário para o transporte de contêineres e suas motivações, por região; Distribuição percentual das mercadorias por tipo de caminhão e avaliação das distâncias médias percorridas e seus custos operacionais e os fretes praticados; Análisedasmotivaçõesparaousodoautomóvelesuaclassificaçãoporfaixa de renda; Análise das motivações para o uso de coletivos e sua classificação por faixa de renda;

5 FINALIDADE DA PESQUISA Avaliação estratégica dos principais fatores considerados como problemas estruturantes na visão dos usuários do modal rodoviário, considerando informações da pesquisa socioeconômica; Avaliação comparativa dos resultados consolidados do PNLT com os resultados obtidos pela alocação dos fluxos na rede rodoviária; Descrição de procedimentos para o uso das informações de campo, seus dados tabulados e matrizes geradas pelo PNLT.

6 PESQUISAS São contados e classificadosos veículos durante 24 horas, no período de sete dias Das 06:00 h as 18:00 h são coletadas informações sobre as origense os destinos das viagens, com entrevistas realizadas diretamente com os usuários das rodovias Nas entrevistas de origem e destino, também são coletadas informações socioeconômicas

7 PESQUISAS Foram previstas 3 pesquisasem momentos distintos, para se obter indicadores de sazonalidade do tráfego A primeira pesquisa e a terceira serão compostas por 22 postos cada uma A segunda pesquisa será composta de 120 postos Serão utilizados cerca de homens do Exército Brasileiro

8 PESQUISAS Os períodos das pesquisas, previamente propostos são: A primeira MAIO/2011 A segunda SETEMBRO/2011 A terceira NOVEMBRO/2011 Período de menor intensidade de chuvas, de escoamento de safra e que não coincide com a movimentação de transferência de militares entre Organizações Militares

9 MATERIAL EMPREGADO NA PESQUISA Pesquisa de Origem e Destino: Tablet(do tipo IPad); Pesquisa de Contagem Volumétrica e Classificatória: 2 tipos de formulários, com o auxílio de contadores manuais.

10 ORIGEM E DESTINO

11 EXPERIÊNCIA DO EXÉRCITO BRASILEIRO EM PESQUISAS DE TRÁFEGO O Exército Brasileiro acumulou experiências importantes na realização de pesquisas sobre tráfego a exemplo da Semana Nacional de Contagem de Tráfego(2005), Operação Safra(2006), Experiência do EB em Pesquisa de Tráfego e nas rodovias que compõem o Polo Pelotas(2008) A primeira pesquisa contou com 109 postos e a segunda com 20 postos. Essas pesquisas embasaram os resultados consistentes quanto aos fluxos médios anuais de veiculosnas rodovias, em especial os adotados no PNLT

12 Equipamentos Resende (RJ) Pesquisa CVC Cunha Porã (SC) Experiência do EB em Pesquisa de Tráfego Pesq. CVC e OD Formosa (GO) Pesquisa Gen Carneiro (PR)

13 Pesquisa OD Dourados (MS) Pesquisa OD Cambará (PR) Pesquisa OD Cubatão (SP) Acampamento Gen Carneiro (PR)

14 Pesquisa CVC (Posto 3) Pesquisa CVC (Posto 2) Experiência do EB em Pesquisa de Tráfego Pesquisa OD (Posto 1) Pesquisa OD (Posto 1)

15 COMPOSIÇÃO DA EQUIPE Chefe do Posto de Pesquisa Chefe da Pesquisa Origem / Destino OD Chefe da Pesquisa de Contagem Volumétrica Classificatória CVC Pesquisador Origem / Destino Pesquisador Contagem Volumétrica Classificatória Motorista

16 DIMENSIONAMENTO DA EQUIPE A quantidade de pesquisadores OD varia de acordo com o tipo de posto de pesquisa, variando de 1 a 4 pesquisadores, por sentido e por turno de trabalho.

17 Esquema Geral para a Sinalização dos Postos de Pesquisa Chefe de Posto Pesquisador es CVC Chefe de Pesquisa CVC Polícia Rodoviária Federal Chefe de Pesquisa OD Pesquisadores OD ATENÇÃO PESQUISA DE TRÁFEGO A 300m DIMINUA A VELOCIDADE

18 DIVULGAÇÃO DA PESQUISA A Rádio Verde Oliva do CComSEx: produz spot de rádio disponibilizando-o na Radiobras e na Agência Nacional, possibilitando o alcance em todas as rádios do Brasil; A CNT e a NTC: realiza divulgação da pesquisa na programação da Rede Transporte e na Rede Vida; Reportagens escritas, faladas e televisionadas por veículos de grande circulação e de cunho nacional e suas diversas sucursais.

19

20

21 Distribuição dos 120 Postos de Pesquisa de Tráfego

22 ORIENTAÇÃO PARA LOCALIZAÇÃO POSTOS Mapa de orientação para reconhecimento de campo Utilizado pelos militares para validação das condições de localização dos postos de pesquisas, antes da mobilização da tropa

23 TREINAMENTO CHEFES DE POSTO DE PESQUISA Realizado no período de 03 a 05 de maio de 2011 em Brasília, no Batalhão de Polícia do Exército de Brasília BPEB; Treinamento dividido em 5 módulos: apresentação do Projeto Pesquisa de Tráfego; procedimentos operacionais e montagem do posto de pesquisa; treinamento da Pesquisa Volumétrica Classificatória; treinamento da Pesquisa Origem-Destino; Plataforma do Ensino a Distância, revisão de conceitos e procedimentos, e simulação da montagem de um posto.

24 PRIMEIRA PESQUISA: MAIO/2011 Posto BR Rio Grande, RS Posto BR Paranaguá, PR

25 Posto BR Cubatão, SP

26 Posto BR Paranaguá, PR

27 SISTEMA DE INFORMAÇÕES DA PESQUISA NACIONAL DE TRÁFEGO PNT 2011 Telainicialdeacessoaobancodedados

28 SISTEMA DE INFORMAÇÕES DA PESQUISA NACIONAL DE TRÁFEGO PNT 2011 Possibilita acompanhamento dos resultados de campo durante a pesquisa Permite a visualização dos resultados qualitativos e quantitativos Subsidia as análises estatísticas

29 Exemplo de tela de visualização de resultados da pesquisa Origem/Destino

30 RESULTADOS DAS PESQUISAS Origem/Destino

31 RESULTADOS DAS PESQUISAS Contagem Volumétrica e Classificatória TRÁFEGO DE VEÍCULOS - DISTRIBUIÇÃO PASSAGEIROS E CARGAS Postos Volume Tráf Volume Tráf Volume Tráf Veíc Pass Veíc Carga Total % Veíc Pass % Veíc Cargas ,56 0, ,36 0, ,47 0, ,38 0, ,76 0, ,43 0, ,56 0, ,21 0, ,74 0, ,63 0, ,55 0, ,65 0, ,45 0, ,60 0, ,61 0, ,58 0, ,44 0, ,58 0, ,68 0, ,83 0, ,27 0, ,65 0,35

32 Variação horária tráfego Posto Categoria Passeio e Caminhões Variação horária tráfego Posto Categoria Passeio e Caminhões

33 Alocação do tráfego da Região Sudeste

34 CONCLUSÕES O Plano Nacional de Logística e Transportes -PNLT subsidia a tomada de decisões sobre as prioridades dos projetos governamentais nos vários modais. A demanda de transportes é o elemento base na avaliação dos resultados do PNLT, daí a importância e necessidade das pesquisas de tráfego. O Exército Brasileiro tem experiências prévias bem sucedidas na realização de pesquisas de tráfego.

35

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013 QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL Agosto de 2013 PRINCIPAIS CADEIAS PRODUTIVAS Soja, milho e bovinos AGROPECUÁRIA AÇÚCAR E ÁLCOOL Soja, milho e bovinos Cana de açúcar MINERAÇÃO E SIDERURGIA

Leia mais

RACIONALIZAÇÃO DO TRANSPORTE DE CARGA

RACIONALIZAÇÃO DO TRANSPORTE DE CARGA 7º Seminário de Transporte Urbano de Carga São Paulo, 9 de junho de 2011 RACIONALIZAÇÃO DO TRANSPORTE DE CARGA Pesquisa Origem e Destino de Cargas em São Paulo Mauricio Losada Execução da Pesquisa Origem

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO - PDTU AGOSTO - 2014

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO - PDTU AGOSTO - 2014 PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO - PDTU AGOSTO - 2014 NO PAÍS, OS INCIPIENTES SISTEMAS PÚBLICOS DE PLANEJAMENTO FORAM DESMOBILIZADOS, SEUS QUADROS FUNCIONAIS SÃO MÍNIMOS.

Leia mais

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS SETEMBRO DE 2015 1 2 PRODUTOS PARTICIPAÇÃO NO PIB 2013 Outros Serviços 33,7% Administração, saúde e educação públicas

Leia mais

TRANSPORTES: REDES MATERIAIS

TRANSPORTES: REDES MATERIAIS TRANSPORTES: REDES MATERIAIS TRANSPORTES desenvolvimento da tecnologia e a busca de economia de energia e tempo criação de equipamentos para transportar grandes volumes de carga e menor gasto de energia;

Leia mais

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos José Newton Barbosa Gama Assessor Especial Dezembro de 2011 SUMÁRIO Problemática

Leia mais

Cidade: Curitiba Data: 12 de Julho de 2012

Cidade: Curitiba Data: 12 de Julho de 2012 CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Plano de Transporte e de Mobilidade Urbana para Mitigação da Mudança do Clima - PSTM Cidade: Curitiba Data: 12 de Julho de

Leia mais

Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a

Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a Módulo I Conhecimentos Básicos do Setor de Transporte de Cargas O Transporte Rodoviário

Leia mais

23 DE NOVEMBRO DE 2010

23 DE NOVEMBRO DE 2010 Reunião APIMEC - MG 23 DE NOVEMBRO DE 2010 ECORODOVIAS ESTRUTURA SOCIETÁRIA A EcoRodovias é uma das maiores empresas de infraestrutura logística integrada do Brasil, cujo foco é operar ativos de logística

Leia mais

SP 18/01/80 NT 051/80. Programação de Semáforos a Tempo Fixo para Ônibus. Eduardo Antonio Moraes Munhoz. 1. Apresentação

SP 18/01/80 NT 051/80. Programação de Semáforos a Tempo Fixo para Ônibus. Eduardo Antonio Moraes Munhoz. 1. Apresentação SP 18/01/80 NT 051/80 Programação de Semáforos a Tempo Fixo para Ônibus Eduardo Antonio Moraes Munhoz 1. Apresentação Dado o atual estágio de desenvolvimento e implantação do programa Semco, onde a utilização

Leia mais

Tipos de Cargas e Veículos - 10h/a

Tipos de Cargas e Veículos - 10h/a Conhecer a evolução do Transporte no mundo, relacionando as características econômicas, sociais e culturais. Compreender a função social do transporte e o papel da circulação de bens e pessoas. Conhecer

Leia mais

PESQUISA DE MOBILIDADE DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO PRINCIPAIS RESULTADOS PESQUISA DOMICILIAR DEZEMBRO DE 2013

PESQUISA DE MOBILIDADE DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO PRINCIPAIS RESULTADOS PESQUISA DOMICILIAR DEZEMBRO DE 2013 PESQUISA DE MOBILIDADE DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO PRINCIPAIS RESULTADOS PESQUISA DOMICILIAR DEZEMBRO DE 2013 SUMÁRIO Página Capítulo 3 Objetivos, conceitos utilizados e metodologia 12 Dados socioeconômicos

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade IV GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Prof. Altair da Silva Transporte em area urbana Perceba o volume de caminhões que circulam nas áreas urbanas em nosso país. Quais são os resultados para as empresas

Leia mais

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Gestão de Custos X Gastos; 3. Custo Direto, Indireto, Fixo e Variável; 4. Custo Marginal, Histórico, Orçado. 5. Etapas do Custeio;

Leia mais

Reunião Pública APIMEC-SP NOVEMBRO DE 2011

Reunião Pública APIMEC-SP NOVEMBRO DE 2011 Reunião Pública APIMEC-SP NOVEMBRO DE 2011 Maringá Armazéns Gerais Ltda. e Maringá Serviços Auxiliares de Transporte Aéreo Ltda. Porto Seco Maringá -67.000 m² de área total -7.000 m² de armazéns -760m³

Leia mais

Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy

Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy Tabulação dos Resultados da Pesquisa Objetivos: Diagnosticar a situação atual dos municípios

Leia mais

Veículo de Diagnóstico de Rodovias (VDR)

Veículo de Diagnóstico de Rodovias (VDR) Veículo de Diagnóstico de Rodovias (VDR) Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) Ministério dos Transportes (MT) Para cobrir os 55 mil km de rodovias federais eram precisos 18 meses

Leia mais

Impactos dos investimentos previstos no PIL 2015 nos corredores logístico de exportação. Apoio

Impactos dos investimentos previstos no PIL 2015 nos corredores logístico de exportação. Apoio Impactos dos investimentos previstos no PIL 2015 nos corredores logístico de exportação Apoio s previstos no PIL 2015 no Corredor Logístico Centro-Norte s estimados em R$ 29,5bilhões com o PIL 2015 Rodovias

Leia mais

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO AGENDA PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO O PROGRAMA PROGRAMA PARA DESENVOLVIMENTO DA CABOTAGEMNO BRASIL, COM A PARTICIPAÇÃO DOS ORGÃOS INTERVENIENTES, ATRAVÉS DE UM GRUPO

Leia mais

Demanda por um sistema integrado de mobilidade urbana, acessível por órgãos gestores, operadoras de transporte e população!

Demanda por um sistema integrado de mobilidade urbana, acessível por órgãos gestores, operadoras de transporte e população! Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico - Turma 17 Sistema de Informação de Usuários Michel Costa da Silva (*) No Brasil, o crescimento demográfico das grandes capitais, o apoio governamental

Leia mais

Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009

Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009 Gargalos no Sistema de Transporte de Cargas no Brasil Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009 Panorama do Transporte Composição da Matriz de Transportes comparação outros países

Leia mais

De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012.

De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012. De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012. Os casos de Invalidez Permanente representaram a maioria das indenizações pagas

Leia mais

Pesquisa de Remuneração. Pesquisa de Remuneração Edição 2012

Pesquisa de Remuneração. Pesquisa de Remuneração Edição 2012 Pesquisa de Remuneração Edição 2012 Consultoria - Gestão de Capital Humano Pesquisa de Remuneração A Deloitte conta com importantes métodos e parâmetros para ajudá-lo a definir mais adequadamente as estratégias

Leia mais

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Novo cenário da mobilidade urbana Plano de Mobilidade Urbana:

Leia mais

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 5 a 8 de outubro, 2009 131 RESUMOS EXPANDIDOS...132

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 5 a 8 de outubro, 2009 131 RESUMOS EXPANDIDOS...132 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 5 a 8 de outubro, 2009 131 RESUMOS EXPANDIDOS...132 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 5 a 8 de outubro, 2009 132

Leia mais

Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 2013. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD.

Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 2013. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 203. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. GESTÃO EAD Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico

Leia mais

LABORATÓRIO DE TRANSPORTES E LOGÍSTICA

LABORATÓRIO DE TRANSPORTES E LOGÍSTICA LABORATÓRIO DE TRANSPORTES E LOGÍSTICA Departamento de Engenharia Civil Universidade Federal de Santa Catarina Engenheiro André Ricardo Hadlich andre.labtrans@yahoo.com.br Maio de 2014 Engenharia Civil

Leia mais

Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES

Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 1 Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 2 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL 3 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL POUCAS SEGURADORAS OPERANDO POUCOS CORRETORES ESPECIALIZADOS SINISTRALIDADE

Leia mais

Universidade Presidente Antônio Carlos Faculdade de Ciências Humanas e Exatas Curso de Administração Campus VI

Universidade Presidente Antônio Carlos Faculdade de Ciências Humanas e Exatas Curso de Administração Campus VI A) Área de Administração Geral ÁREAS E ATIVIDADES DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO O estagiário desta área de interesse deverá participar de atividades essenciais de uma empresa, tais como: marketing, produção,

Leia mais

PESQUISAS E PRÁTICAS INOVADORAS EM PROJETO GEOMÉTRICO RODOVIÁRIO

PESQUISAS E PRÁTICAS INOVADORAS EM PROJETO GEOMÉTRICO RODOVIÁRIO PESQUISAS E PRÁTICAS INOVADORAS EM PROJETO GEOMÉTRICO RODOVIÁRIO UM POUCO DE HISTÓRIA 1894 Primeiro carro produzido no mundo, Benz Motor Car Velocipede Of 1894 Fonte: emercedesbenz.com Tropas do exército,

Leia mais

Preços de Frete Rodoviário no Brasil

Preços de Frete Rodoviário no Brasil Preços de Frete Rodoviário no Brasil Maria Fernanda Hijjar O Brasil é um país fortemente voltado para o uso do modal rodoviário, conseqüência das baixas restrições para operação e dos longos anos de priorização

Leia mais

1 de 5 ESPELHO DE EMENDAS DE INCLUSÃO DE META

1 de 5 ESPELHO DE EMENDAS DE INCLUSÃO DE META COMISSÃO MISTA DE PLANOS, ORÇAMENTOS E FISCALIZ S AO PLN 0001 / 2008 - LDO Página: 2726 de 2993 1 de 5 ESPELHO DE S DE INCLUSÃO DE META AUTOR DA 71260001 1220 Assistência Ambulatorial e Hospitalar Especializada

Leia mais

Competitividade da Plataforma Logística do Rio de Janeiro. Desafios e as Oportunidades a partir do PELC

Competitividade da Plataforma Logística do Rio de Janeiro. Desafios e as Oportunidades a partir do PELC Competitividade da Plataforma Logística do Rio de Janeiro SECRETARIA DE TRANSPORTES SECRETARIA DE TRANSPORTES Desafios e as Oportunidades a partir do PELC SECRETARIA DE TRANSPORTES JULHO / 2015 SECRETARIA

Leia mais

Plano Municipal de Transporte Coletivo Urbano de Itapoá - SC AUDIÊNCIA PÚBLICA

Plano Municipal de Transporte Coletivo Urbano de Itapoá - SC AUDIÊNCIA PÚBLICA Plano Municipal de Transporte Coletivo - SC AUDIÊNCIA PÚBLICA Maio - 2012 1 - Apresentação A Administração Municipal de Itapoá contratou este estudo técnico com o objetivo de melhorar a qualidade do serviço

Leia mais

SELEÇÃO DE PROFESSOR PARA CURSOS DE GRADUAÇÃO

SELEÇÃO DE PROFESSOR PARA CURSOS DE GRADUAÇÃO EDITAL 002/2015 - DA SELEÇÃO DE PROFESSOR PARA CURSOS DE GRADUAÇÃO O Diretor Acadêmico da Faculdade Metropolitana da Grande Fortaleza FAMETRO, no uso de suas atribuições regimentais, torna pública a realização

Leia mais

O papel da mobilidade e da acessibilidade no Desenvolvimento de Aparecida de Goiânia

O papel da mobilidade e da acessibilidade no Desenvolvimento de Aparecida de Goiânia O papel da mobilidade e da acessibilidade no Desenvolvimento de Aparecida de Goiânia Os processos econômicos, tanto na fase de produção como na fase de consumo, são dependentes do deslocamento de cargas

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA IPEA/PNPD Nº 102/2013 - SELEÇÃO DE CANDIDATOS PARA CONCESSÃO DE BOLSAS

CHAMADA PÚBLICA IPEA/PNPD Nº 102/2013 - SELEÇÃO DE CANDIDATOS PARA CONCESSÃO DE BOLSAS CHAMADA PÚBLICA IPEA/PNPD Nº 102/2013 - SELEÇÃO DE CANDIDATOS PARA CONCESSÃO DE BOLSAS O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), fundação pública vinculada à Secretaria de Assuntos Estratégicos

Leia mais

SUMÁRIO. Apresentação... IX Prefácio... XI

SUMÁRIO. Apresentação... IX Prefácio... XI SUMÁRIO Apresentação... IX Prefácio... XI 1. INTRODUÇÃO À GESTÃO DE FROTAS... 1 1.1. Introdução... 1 1.2. Considerações sobre a Estrutura do Transporte Rodoviário no Brasil... 2 1.3. A Estrutura Organizacional

Leia mais

MBA em Logística. Distribuição e Transportes DTA04 sala 22

MBA em Logística. Distribuição e Transportes DTA04 sala 22 MBA em Logística Distribuição e Transportes DTA04 sala 22 Prof. MBA em Logística Prof. Distribuição e Transportes DTA04 sala 22 NOMENCLATURA DE CARGAS Classificação de Cargas Classes de Cargas Sub-Classes

Leia mais

IIIª Circunferência de Mobilidade Urbana de Florianópolis

IIIª Circunferência de Mobilidade Urbana de Florianópolis Documento confidencial para uso e informação do cliente IIIª Circunferência de Mobilidade Urbana de Florianópolis Dia Mundial sem Carro Divulgação Preliminar dos Resultados das Pesquisas Parte I Visão

Leia mais

PLANO SETORIAL DE TRANSPORTE E DE MOBILIDADE URBANA PARA MITIGAÇÃO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS - TRANSPORTE DE CARGAS

PLANO SETORIAL DE TRANSPORTE E DE MOBILIDADE URBANA PARA MITIGAÇÃO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS - TRANSPORTE DE CARGAS PLANO SETORIAL DE TRANSPORTE E DE MOBILIDADE URBANA PARA MITIGAÇÃO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS - TRANSPORTE DE CARGAS Rio de Janeiro 11 de Dezembro de 2012 PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PSTM - Lei 12.187/2009,

Leia mais

Questionário para Aplicação da Pesquisa de Campo

Questionário para Aplicação da Pesquisa de Campo Pesquisa Origem e Destino de Carga no Município de São Paulo Questionário para Aplicação da Pesquisa de Campo Modelo Empresas Grandes e Médias Junho de 2014 Introdução Questionário da Pesquisa OD de São

Leia mais

Sistema de localização e bloqueio veicular por célula de comunicação Objetivo Principal

Sistema de localização e bloqueio veicular por célula de comunicação Objetivo Principal de comunicação Objetivo Principal Prover uma solução de baixo custo para Identificação, localização, bloqueio e recuperação de veículos roubados ou procurados, através de micro circuitos embarcados de

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Rua Adualdo Batista, 1550 Parque Iracema Fortaleza Ceará CEP: 60.824-140 Fone: (85) 3218.7020 www.cogerh.com.

TERMO DE REFERÊNCIA. Rua Adualdo Batista, 1550 Parque Iracema Fortaleza Ceará CEP: 60.824-140 Fone: (85) 3218.7020 www.cogerh.com. TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA EM PRODUÇÃO DE VÍDEO PARA ROTEIRIZAÇÃO, EDIÇÃO, GRAVAÇÃO DE LOCUÇÕES PROFISSIONAIS E MONTAGEM DE MATRIZ DE DVD COM MENU DE OPÇÕES DE ACESSO A CONTEÚDOS

Leia mais

Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na

Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na ampliação do número de terminais portuários, rodovias, ferrovias

Leia mais

Origem do SCO O SCO é baseado no ICS, desenvolvido nos EUA durante as décadas de 70/80, inicialmente para coordenar a resposta a incêndios florestais.

Origem do SCO O SCO é baseado no ICS, desenvolvido nos EUA durante as décadas de 70/80, inicialmente para coordenar a resposta a incêndios florestais. APRESENTAÇÃO DO SCO Conceito de SCO O Sistema de Comando em Operações é uma ferramenta gerencial para planejar, organizar, dirigir e controlar as operações de resposta em situações críticas, fornecendo

Leia mais

Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes DNIT

Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes DNIT Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes DNIT Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Laboratório de Transportes e Logística LabTrans Núcleo de Estudos de Tráfego NET Convênio 0056/2007

Leia mais

SÃO PAULO GANHA PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO PEDESTRE PARA REDUZIR ATROPELAMENTOS

SÃO PAULO GANHA PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO PEDESTRE PARA REDUZIR ATROPELAMENTOS SÃO PAULO GANHA PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO PEDESTRE PARA REDUZIR ATROPELAMENTOS Em 2010, a cidade de São Paulo registrou 7.007 atropelamentos resultando na morte de 630 pedestres. Apesar de representar uma

Leia mais

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES?

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? Os indicadores permitem avaliação do desempenho da instituição, segundo três aspectos relevantes: controle, comunicação e melhoria. (MARTINS & MARINI, 2010,

Leia mais

Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta

Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta Renata de Oliveira Carvalho. Dissertação de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Negócios da Universidade

Leia mais

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS ESPECIAIS - EXCEDENTES EM PESO E DIMENSÕES

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS ESPECIAIS - EXCEDENTES EM PESO E DIMENSÕES TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS ESPECIAIS - EXCEDENTES EM PESO E DIMENSÕES Por Jailton Santos * Quando falamos em transporte rodoviário de cargas talvez tenhamos como referência o conceito básico que o

Leia mais

Tecnologia e Comércio de Equipamentos Eletrônicos LTDA PORTAL DE TELEMETRIA SYSTEMTEK PARA GERENCIAMENTO DE FROTAS

Tecnologia e Comércio de Equipamentos Eletrônicos LTDA PORTAL DE TELEMETRIA SYSTEMTEK PARA GERENCIAMENTO DE FROTAS PORTAL DE TELEMETRIA SYSTEMTEK PARA GERENCIAMENTO DE FROTAS Características Design inovador Controle de acesso Permite criar usuários com senhas podendo-se definir no sistema quais as funcionalidades cada

Leia mais

O Sistema Way foi além, idealizou uma forma não só de garantir a qualidade do produto final, como deotimizar a logística de transporte e entrega.

O Sistema Way foi além, idealizou uma forma não só de garantir a qualidade do produto final, como deotimizar a logística de transporte e entrega. A Way Data Solution se especializou em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) para criar um sistema inovador de logística e monitoramento de temperatura/ umidade, através do qual empresas poderão

Leia mais

14 de dezembro de 2012 MONITORAMENTO DO PROGRAMA APRENDIZ LEGAL/ FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO

14 de dezembro de 2012 MONITORAMENTO DO PROGRAMA APRENDIZ LEGAL/ FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO 14 de dezembro de 2012 MONITORAMENTO DO PROGRAMA APRENDIZ LEGAL/ FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO 1. APRESENTAÇÃO A presente proposta de projeto refere-se ao Monitoramento do Programa Aprendiz Legal idealizado

Leia mais

PROBLEMAS ATUAIS DA LOGÍSTICA URBANA NA ENTREGA DE MATERIAIS HOSPITALARES UM ESTUDO INVESTIGATIVO

PROBLEMAS ATUAIS DA LOGÍSTICA URBANA NA ENTREGA DE MATERIAIS HOSPITALARES UM ESTUDO INVESTIGATIVO PROBLEMAS ATUAIS DA LOGÍSTICA URBANA NA ENTREGA DE MATERIAIS HOSPITALARES UM ESTUDO INVESTIGATIVO Frederico Souza Gualberto Rogério D'Avila Edyr Laizo Leise Kelli de Oliveira PROBLEMAS ATUAIS DA LOGÍSTICA

Leia mais

10 Passos para o Relatório de Sustentabilidade da sua Empresa

10 Passos para o Relatório de Sustentabilidade da sua Empresa Curso Prático para Elaboração de Relatório de Sustentabilidade GRI 4.0 Taubaté- São Paulo 10 Passos para o Relatório de Sustentabilidade da sua Empresa 10 Passos para o seu Relatório de Sustentabilidade

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES RELATÓRIO I ESTUDO DE DEMANDA

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES RELATÓRIO I ESTUDO DE DEMANDA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES RELATÓRIO I ESTUDO DE DEMANDA TRECHO Estrela D Oeste (SP) - Dourados (MS) Audiência Pública nº 139/2013

Leia mais

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos 2012 Apresentação Luiz José de Souza Neto Union Modal Logística Integrada Rua Teixeira de Freitas, 72, cj. 23 Santos / SP - Tel.: 13 30613387 luiz@unionmodal.com.br A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA.

Leia mais

Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema

Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema Mais de 100 mil km percorridos Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema Estudo da CNT mostra que 57,3% têm alguma deficiência no estado geral; 86,5% dos trechos são de pista simples e

Leia mais

Projeto DNIT PNCT. Panorama do projeto. (Modelo de trabalho, dificuldades e resultados) Velsis Sistemas e Tecnologia Viária

Projeto DNIT PNCT. Panorama do projeto. (Modelo de trabalho, dificuldades e resultados) Velsis Sistemas e Tecnologia Viária Projeto DNIT PNCT Panorama do projeto (Modelo de trabalho, dificuldades e resultados) Velsis Sistemas e Tecnologia Viária 1 Sediada em Curitiba PR, às margens da BR 277, a VELSIS atua no segmento de ITS

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO O Scotiabank Brasil (SBB), em atendimento à Resolução CMN 3.464 e alinhado a política global do grupo, implementou estrutura de Gerenciamento

Leia mais

Estratégias para a implantação do T&V

Estratégias para a implantação do T&V 64 Embrapa Soja, Documentos, 288 Estratégias para a implantação do T&V Lineu Alberto Domit 1 A estratégia de ação proposta está baseada na experiência acumulada na implantação do sistema T&V no estado

Leia mais

II Seminário Portos e vias navegáveis

II Seminário Portos e vias navegáveis II Seminário Portos e vias navegáveis Plano Nacional de Integração Hidroviária PNIH Adalberto Tokarski Superintendente da Navegação interior da ANTAQ Brasília, 22 de setembro de 2011 Parceiros Estratégicos

Leia mais

.~~~l~'j).~v:l!g~ije;,,'q-;'

.~~~l~'j).~v:l!g~ije;,,'q-;' IJOI042 141/2009 :àí'~ ~ liiií:;,m:~e\1l,u~'". ;~&1!&fft.~~~l~'J).~V:l!g~IJE;,,'Q-;' IJOI042 141/2009 1. OBJETIVOS A presente proposta de trabalho visa dar continuidade ao processo de planejamento integrado

Leia mais

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. 31 de julho de 2013

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. 31 de julho de 2013 QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL 31 de julho de 2013 PRINCIPAIS CADEIAS PRODUTIVAS Soja, milho e bovinos AGROPECUÁRIA AÇÚCAR E ÁLCOOL Soja, milho e bovinos Cana de açúcar MINERAÇÃO E SIDERURGIA

Leia mais

Desenvolvimento Tecnológico e o Transporte Ferroviário 14 de Novembro de 2014 Jorge Sousa

Desenvolvimento Tecnológico e o Transporte Ferroviário 14 de Novembro de 2014 Jorge Sousa Desenvolvimento Tecnológico e o Transporte Ferroviário 14 de Novembro de 2014 Jorge Sousa Índice Visão Ferroviária; Arquitectura de Sistemas de Informação; Desafios; Pág. 2 Visão Ferroviária - Introdução

Leia mais

IP 02/2004 CLASSIFICAÇÃO DAS VIAS

IP 02/2004 CLASSIFICAÇÃO DAS VIAS 1. OBJETIVO O objetivo desde documento é apresentar as diretrizes para a classificação de vias em função do tráfego, da geometria e do uso do solo do entorno de vias urbanas da Prefeitura do Município

Leia mais

Sistema de Informações da Mobilidade Urbana de Belo Horizonte (SisMob-BH)

Sistema de Informações da Mobilidade Urbana de Belo Horizonte (SisMob-BH) modo ônibus metrô Sistema de Informações da Mobilidade Urbana de Belo Horizonte (SisMobBH) suplementar táxi distribuição modal com base em pesquisas Tabela 211 Indicadores de distribuição modal em Belo

Leia mais

As melhores oportunidades de negócios a partir de análises das novas demandas do país

As melhores oportunidades de negócios a partir de análises das novas demandas do país A nova unidade de negócios da Urban Systems Brasil APRESENTAÇÃO 5 de maio de 2009 As melhores oportunidades de negócios a partir de análises das novas demandas do país Thomaz Assumpção Marco Versiani Modelo

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

ESTUDO DA CRIAÇÃO DE UMA PLATAFORMA MULTIMODAL Prof. Ph.D. Cláudio Farias Rossoni Área delimitada onde em um mesmo local se encontram disponibilizados: DUTOVIAS HIDROVIAS RODOVIAS AEROVIAS FERROVIAS Área

Leia mais

Desafios para Melhoria da Mobilidade Urbana

Desafios para Melhoria da Mobilidade Urbana Desafios para Melhoria da Mobilidade Urbana O Desafio da CET 7,2 milhões de veículos registrados 12 milhões de habitantes 7,3 milhões de viagens a pé 156 mil viagens de bicicleta 15 milhões de viagens

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DO PROJETO

DESENVOLVIMENTO DO PROJETO INTRODUÇÃO Grupo: DESENVOLVIMENTO DO PROJETO Empresa: Setor da empresa: Produtos: I.Objetivos e metas do projeto: a) quais as razões para a elaboração do projeto (aumento de demanda, segurança, novos equipamentos,

Leia mais

famílias de baixa renda com acesso aos direitos

famílias de baixa renda com acesso aos direitos Acompanhamento das Condicionalidades do Programa Bolsa Família Na Saúde Seminário Regional Programa Bolsa Família na Saúde - 2009 Programa Bolsa Família Programa de transferência de renda para famílias

Leia mais

Plano de Logística Encontro da Frente Nacional de Prefeitos Pré-projeto Estrutura do documento 1. Introdução 2. Características do evento

Plano de Logística Encontro da Frente Nacional de Prefeitos Pré-projeto Estrutura do documento 1. Introdução 2. Características do evento Plano de Logística Encontro da Frente Nacional de Prefeitos Pré-projeto Estrutura do documento 1. Introdução O Encontro dos Municípios com o Desenvolvimento Sustentável (EMDS) é um evento organizado pela

Leia mais

Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES

Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 1 Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 2 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL 3 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL POUCAS SEGURADORAS OPERANDO POUCOS CORRETORES ESPECIALIZADOS SINISTRALIDADE

Leia mais

ALOCAÇÃO DE DEMANDA ESCOLAR USANDO TECNOLOGIA SIG

ALOCAÇÃO DE DEMANDA ESCOLAR USANDO TECNOLOGIA SIG ALOCAÇÃO DE DEMANDA ESCOLAR USANDO TECNOLOGIA SIG Daniel da Silva Marques (UFAM) daniel.ufam2009@hotmail.com Caio Ronan Lisboa Pereira (UFAM) caioronan@hotmail.com Almir Lima Caggy (UFAM) almir_kggy@hotmail.com

Leia mais

Fase 2 (setembro 2012) Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012

Fase 2 (setembro 2012) Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012 Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012 Apresentação A sondagem Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário 2012 Fase 2 apresenta a visão do empresário do transporte

Leia mais

3 o. Relatório de Acompanhamento dos Estudos BR-101/ES, BR-101/BA e BR-470/SC. 08 de Julho de 2009

3 o. Relatório de Acompanhamento dos Estudos BR-101/ES, BR-101/BA e BR-470/SC. 08 de Julho de 2009 3 o. Relatório de Acompanhamento dos Estudos BR-101/ES, BR-101/BA e BR-470/SC 08 de Julho de 2009 Fases e principais atividades dos estudos Estudo de tráfego Estudo de engenharia Estudo jurídicoregulatório

Leia mais

Simpósio Latino Americano da Associação Internacional para a Proteção de Alimentos -IAFP -

Simpósio Latino Americano da Associação Internacional para a Proteção de Alimentos -IAFP - Simpósio Latino Americano da Associação Internacional para a Proteção de Alimentos -IAFP - VII Simpósio Associação Brasileira de Proteção dos Alimentos ABRAPA - Melhorando a inocuidade da carne de aves

Leia mais

IMAGEM DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL

IMAGEM DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL IMAGEM DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL PESQUISA QUANTITATIVA APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS PÚBLICOS-ALVO: POPULAÇÃO e FORMADORES DE OPINIÃO FÓRUM VOLVO DE SEGURANÇA NO TRÂNSITO 24 DE SETEMBRO

Leia mais

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes. Disque Denúncia Nacional: DDN 100

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes. Disque Denúncia Nacional: DDN 100 Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual Contra Crianças

Leia mais

QUAL O NÚMERO DE VEÍCULOS QUE CIRCULA EM SÃO PAULO?

QUAL O NÚMERO DE VEÍCULOS QUE CIRCULA EM SÃO PAULO? QUAL O NÚMERO DE VEÍCULOS QUE CIRCULA EM SÃO PAULO? RESENHA Carlos Paiva Qual o número de veículos que circula em um dia ou a cada hora do dia na Região Metropolitana, no município e no centro expandido

Leia mais

Indenizações Pagas Quantidades

Indenizações Pagas Quantidades Natureza da Indenização Jan a Dez 2011 % Jan a Dez 2012 % Jan a Dez 2012 x Jan a Dez 2011 Morte 58.134 16% 60.752 12% 5% Invalidez Permanente 239.738 65% 352.495 69% 47% Despesas Médicas (DAMS) 68.484

Leia mais

Ensino Técnico. Plano de Trabalho Docente 2015. ETEC Paulino Botelho ( Extensão Esterina Placco ) Código: 091.01. Município: São Carlos

Ensino Técnico. Plano de Trabalho Docente 2015. ETEC Paulino Botelho ( Extensão Esterina Placco ) Código: 091.01. Município: São Carlos Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC Plano de Trabalho Docente 2015 ETEC Paulino Botelho ( Extensão Esterina Placco ) Ensino Técnico Código: 09101 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão de

Leia mais

ALGUNS DIFERENCIAIS. Operadores a Diretoria.

ALGUNS DIFERENCIAIS. Operadores a Diretoria. A EMPRESA Desde nossa fundação em 1987, nos especializamos em Sistemas de Segurança. Ao longo destes anos de atuação no mercado, acumulamos experiência também em várias áreas como: Monitoramento, Logística,

Leia mais

RESULTADO DEFINITIVO DA SELEÇÃO DE PROPOSTAS Após o julgamento dos recursos administrativos segue a lista final dos projetos.

RESULTADO DEFINITIVO DA SELEÇÃO DE PROPOSTAS Após o julgamento dos recursos administrativos segue a lista final dos projetos. RESULTADO DEFINITIVO DA SELEÇÃO DE PROPOSTAS Após o julgamento dos recursos administrativos segue a lista final dos projetos. CHAMADA PÚBLICA SENAT/TRANSPORTES Nº 001/2013 Em Ordem Alfabética A) PROPOSTAS

Leia mais

O ECONOMISTA Fundamental em qualquer empresa por quê?

O ECONOMISTA Fundamental em qualquer empresa por quê? O profissional mais estratégico que a empresa precisa ter: O ECONOMISTA Fundamental em qualquer empresa por quê? Diagnostica. Avalia. Cria. Planeja. Resolve. O Economista é um profissional imprescindível

Leia mais

Transporte Rodoviário de Cargas. Panorama do Setor Eficiência Energética e Metodologia de Avaliação de Empresas

Transporte Rodoviário de Cargas. Panorama do Setor Eficiência Energética e Metodologia de Avaliação de Empresas Transporte Rodoviário de Cargas Panorama do Setor Eficiência Energética e Metodologia de Avaliação de Empresas Panorama do Segmento de Transporte Rodoviário de Carga Brasileiro Panorama TRC Infraestrutura

Leia mais

PIC. Projeto de Incentivo à CABOTAGEM. Projeto de Incentivo à Cabotagem PIC

PIC. Projeto de Incentivo à CABOTAGEM. Projeto de Incentivo à Cabotagem PIC Projeto de Incentivo à Cabotagem PIC PORTO DE PELOTAS - RS 08/JULHO/2010 Projeto de Incentivo à CABOTAGEM LUIZ HAMILTON Coordenador Geral de Gestão da Informação do Departamento de Sistemas de Informações

Leia mais

1 Elaborar o Plano Diretor de Mobilidade Urbana (PDMU) Objetivo Indicador Métrica Proposta Entraves Ações Viabilizadoras

1 Elaborar o Plano Diretor de Mobilidade Urbana (PDMU) Objetivo Indicador Métrica Proposta Entraves Ações Viabilizadoras PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS GT DE MOBILIDADE URBANA E RODOVIAS -"A SANTA MARIA QUE QUEREMOS" Visão: Que Santa Maria tenha em 2050 um Sistema Viário e de transporte público sustentável,

Leia mais

1 Elaborar o Plano Diretor de Mobilidade Urbana (PDMU) 2 Adequar/Ampliar o Sistema Viário

1 Elaborar o Plano Diretor de Mobilidade Urbana (PDMU) 2 Adequar/Ampliar o Sistema Viário PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS GT DE MOBILIDADE URBANA E RODOVIAS - "A SANTA MARIA QUE QUEREMOS" Visão: Que Santa Maria tenha em 2050 um Sistema Viário e de transporte público sustentável,

Leia mais

TÍTULO: SIMULAÇÃO DE SISTEMA LOGÍSTICO DE APOIO PARA EXPORTAÇÃO DE PARA-CHOQUES PARA OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

TÍTULO: SIMULAÇÃO DE SISTEMA LOGÍSTICO DE APOIO PARA EXPORTAÇÃO DE PARA-CHOQUES PARA OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: SIMULAÇÃO DE SISTEMA LOGÍSTICO DE APOIO PARA EXPORTAÇÃO DE PARA-CHOQUES PARA OS ESTADOS UNIDOS

Leia mais

Quantidade de pedidos registrados por mês

Quantidade de pedidos registrados por mês Relatório de Pedidos de Acesso à Informação e Solicitantes (*) Informações adicionais para o correto entendimento do relatório podem ser encontradas na última seção. Órgão(s) de referência: MinC - Ministério

Leia mais

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI) Instituto de Engenharia de Produção e Gestão www.rslima.unifei.edu.br rslima@unifei.edu.br Conceituacão Sistema de Distribuição um para um

Leia mais

5º ENCONTRO DA NACIONAL DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - ReNOP

5º ENCONTRO DA NACIONAL DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - ReNOP 5º ENCONTRO DA NACIONAL DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - ReNOP Histórico Criada através da Lei 8.029 de 12 de abril de 1990; Fusão de 3 empresas. CONAB CIBRAZEM CFP COBAL Criação da Superintendência Criada

Leia mais

O AUMENTO DA COMPETITIVIDADE DO POLO INDUSTRIAL DE CUBATÃO. Marco Paulo Penna Cabral Effectio, associada a Fundação Dom Cabral na Baixada Santista

O AUMENTO DA COMPETITIVIDADE DO POLO INDUSTRIAL DE CUBATÃO. Marco Paulo Penna Cabral Effectio, associada a Fundação Dom Cabral na Baixada Santista O AUMENTO DA COMPETITIVIDADE DO POLO INDUSTRIAL DE CUBATÃO Marco Paulo Penna Cabral Effectio, associada a Fundação Dom Cabral na Baixada Santista NA BAIXADA SANTISTA E ALTO TIETÊ Conheça a Fundação Dom

Leia mais

Gestão de Transporte. Gestão do Transporte: Próprio ou Terceiros? Gestão de Transporte Avaliação das modalidades. Que fatores a serem considerados?

Gestão de Transporte. Gestão do Transporte: Próprio ou Terceiros? Gestão de Transporte Avaliação das modalidades. Que fatores a serem considerados? Gestão de Transporte Que fatores a serem considerados? A Atividade de Transporte: Sua Gestão Barco Trem Caminhão Peso Morto por T transportada 350 kg 800kg 700 kg Força de Tração 4.000 kg 500 kg 150 kg

Leia mais