AS PRÁTICAS DA BOA GOVERNANÇA CORPORATIVA NAS EMPRESAS E OS REFLEXOS DESTAS AÇÕES NO TERCEIRO SETOR.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS PRÁTICAS DA BOA GOVERNANÇA CORPORATIVA NAS EMPRESAS E OS REFLEXOS DESTAS AÇÕES NO TERCEIRO SETOR."

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPIRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E ECONÔMICAS - DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO- SENSU GESTÃO DE ENTIDADES SEM FINS LUCRATIVOS 0 HELLIENE SOARES CARVALHO AS PRÁTICAS DA BOA GOVERNANÇA CORPORATIVA NAS EMPRESAS E OS REFLEXOS DESTAS AÇÕES NO TERCEIRO SETOR. VITÓRIA ES 2005

2 1 HELLIENE SOARES CARVALHO AS PRÁTICAS DA BOA GOVERNANÇA CORPORATIVA NAS EMPRESAS E OS REFLEXOS DESTA GESTÃO NO TERCEIRO SETOR. Trabalho de Conclusão de Curso Pós Graduação Lato-Sensu em Gestão de Entidades Sem Fins Lucrativos, apresentado ao Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis da Universidade Federal do Espírito Santo UFES. Orientador: Profº. Dr. Gilvan Ventura. VITÓRIA 2005

3 2 HELLIENE SOARES CARVALHO AS PRÁTICAS DA BOA GOVERNANÇA CORPORATIVA NAS EMPRESAS E OS REFLEXOS DESTA GESTÃO NO TERCEIRO SETOR. BANCA EXAMINADORA Orientador Profº. Dr. Gilvan ventura da SilvaVentura. Revisores: Profº. Dr Fernando José Arrigoni Profº. Dr Leopoldino Vieira neto Vitória de Maio de 2005.

4 3 Ao Professor Dr. Gilvan Ventura pelo apoio e dedicação para o alcance desta importante conquista.

5 4 No próximo século, à medida que as empresas forem criando um mundo sem fronteiras e de mercados globais, o foco se voltará para assegurar que o poder corporativo seja compatível com novos padrões de responsabilidade para com as pessoas e as sociedades. Monks, Robert; e Minow, Nell. Watching the watchers: Corporate Governance for the 21 st Century Oxford Blackwell, 1996.

6 5 AGRADECIMENTOS A DEUS pela força, disciplina, direção, companheirismo e sustentação nos momentos difíceis assim como pela alegria de tê-lo, em meu coração,como único, verdadeiro e iluminado Senhor, Amigo e Ajudador. À minha Mãe, querida e amada companheira que com seu exemplo de empresária, mãe, amiga, lutadora e mulher abençoada por DEUS transferiu-me grandes conhecimentos e força para o alcance de todas as importantes conquistas de minha vida. Aos familiares e colegas de trabalho pelo carinho de sempre. Ao namorado pelo apoio nesta jornada. Aos instrutores, Coordenador e demais membros da Equipe da Universidade Federal do Espírito Santo UFES, que tão brilhantemente nos trouxeram a chance de alargarmos nossos horizontes sobre as importantes missões pessoais, profissionais e humanas de construirmos um Terceiro Setor mais respeitável e digno em suas ações. Aos colegas de pós-graduação que em muito contribuíram para a formação e conhecimento de novos prismas, pensamentos e pelas experiências trazidas de suas vivencias práticas do Terceiro Setor compartilhadas em nossas aulas. Ao Presidente da FEAD Fundação Educacional Antônio Dadalto, que sempre apoiou as iniciativas importantes para o meu crescimento pessoal e profissional. Ao Vice-presidente e demais Diretores que também incentivam as jornadas que tragam crescimento para a equipe da FEAD. Em especial ao meu Orientador Professor Gilvan Ventura pela atenção e direcionamento na escolha de temas, apresentação e composição deste trabalho.

7 6 SUMARIO INTRODUÇÃO TERCEIRO SETOR UMA VISÃO CONCEITUAL FORMA ORGANIZACIONAL DAS ENTIDADES DO TERCEIRO SETOR UMA BREVE PERSPECTIVA HISTÓRICA SOBRE O TERCEIRO SETOR CICLOS DE EVOLUÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS GOVERNANÇA CORPORATIVA NAS EMPRESAS A DIVERSIDADE DE CONCEITOS GOVERNANÇA CORPORATIVA ABORDAGENS ALTERNATIVAS OS TRÊS MARCOS HISTÓRICOS DA GOVERNANÇA CORPORATIVA MUNDIAL GOVERNANÇA CORPORATIVA NO BRASIL AS PRINCIPAIS TENDÊNCIAS DE GOVERNANÇA NO BRASIL: CONVERGÊNCIA, ADESÃO, DIFERENCIAÇÃO E ABRANGÊNCIA A INFLUÊNCIA DA GOVERNANÇA CORPORATIVA NO TERCEIRO SETOR CONCLUSÃO BIBLIOGRAFIA... 45

8 7 RESUMO Neste trabalho dedica-se a conhecer e relatar alguns dados sobre as práticas da boa governança corporativa nas empresas e os reflexos desta gestão nas entidades do Terceiro Setor. Sobre o Terceiro Setor uma breve conceituação sobre a evolução deste Setor no Brasil e as principais mudanças que influenciaram seu desenvolvimento no Brasil. Em relação a Governança Corporativa o trabalho relata textos de alguns mestres e pensadores, marcos históricos, este conceito e suas influências mundiais trazendo o foco dos relatos para uma perspectiva no mercado brasileiro empresarial e a interrelação entre a Governança Corporativa e os reflexos deste processo de gestão empresarial nas Entidades do Terceiro Setor. O objetivo central está direcionado para uma amostragem conceitual de que o processo de gestão com base nos conceitos de Governança Corporativa traz soluções eficientes e inovadoras tanto para as corporações, pois não se desvia dos objetivos de lucro, crescimento e desenvolvimento, assim como beneficia as entidades do Terceiro Setor pois torna as ações empreendidas por este setor em ativos sociais de relevante importância para a sociedade assim como agrega valores aos ativos das corporações a exemplo do ágio de governança para o valor das ações que comprovam, de forma eficaz e satisfatória sua responsabilidade corporativa. No desenvolvimento deste trabalho o foco inicial, tratado no primeiro capítulo, será sobre uma visão global direcionada para a visão conceitual do que é o Terceiro Setor, sua influência na sociedade civil organizada, sua preconização histórica. O segundo Capítulo trata também da visão conceitual do que é Governança Corporativa, sua importância como ferramenta de gestão e as vantagens que podem ser alcançadas pela empresa se estes conceitos forem aplicados e desenvolvidos

9 por seus gestores em parceria com colaboradores, investidores, fornecedores e demais interessados em se tratando da esfera de ambientação da empresa. 8 No capítulo três vamos conhecer as performances das Ferramentas de Gestão oferecidas pela Governança já adaptadas ao mercado Brasileiro e suas expectativas de crescimento e expansão. O quarto e último capítulo há considerações atuais sobre os ativos financeiros e sociais que a governança corporativa trouxe para o terceiro setor no panorama financeiro do Brasil. Este trabalho está constituído em forma de estudo do estado da questão e traz relatos interessantes sobre as práticas da boa governança corporativa nas empresas e os reflexos desta gestão no Terceiro Setor

10 9 INTRODUÇÃO As demandas sociais existem é uma realidade a ser enfrentada com a máxima urgência por todos os países do mundo. Em parcelas diferenciadas e conflitos eqüidistantes, cada nação enfrenta um desequilíbrio social ora exagerado, ora moderado, mais sempre demandando ações que possam diminuir a POBREZA Hoje uma questão inadiável. São milhões de pessoas que dependem de ações concretas, políticas públicas eficientes, eficazes e inovadoras para a construção de uma nova ordem social com parâmetros melhor definidos sobre saúde, saneamento básico, alimentação, educação, etc. Para alcançarmos estes patamares toda a ajuda, ferramentas, experiências e experimentações, assim como possíveis soluções precisam ser pensadas, discutidas, adaptadas e empregadas. O ideal é a conciliação entre interesses e grupos interessados tais como governo, iniciativa privada e o terceiro setor para que soluções sejam pensadas e trabalhadas em prol da construção de uma sociedade mais justa e equilibrada para melhor atender às demandas da sociedade em geral. Dentre as soluções mais modernas e de resultados comprovados, apontados por estudiosos e especialistas em gestão, está a Governança Corporativa que em si soma a união de interesses dos acionistas das corporações e os grupos de interesse diretamente ligados a estas empresas. É importante pontuar que este sistema organizacional abrange processos de gestão de responsabilidade social, responsabilidade corporativa e contempla ainda, a necessidade de subsistência, crescimento e geração de lucro das incorporações. É um processo de gestão muito interessante do ponto de vista teórico.

11 Logicamente não são os fatores teóricos que exclusivamente constroem as boas práticas de governança corporativa. 10 A ciência necessita ser trabalhada por mãos humanas e estas têm os mais diversos interesses, entendimentos e paradigmas para interagir com este sistema de gestão. Ou melhor, esta forma de gestão atende aos diversos interesses porque apresenta vantagens para as empresas agregando valores a seus ativos financeiros, além de apoiar iniciativas sociais que contribuem para a execução das ações sociais empreendidas pelo terceiro setor. A tendência destas proposições caminha a partir da premissa de beneficência ou filantropia casual das corporações para o emprego de técnicas profissionais de transparência, de compromissos sociais da empresa com seus consumidores, fornecedores, trazendo resultados financeiros e ágios de governança para os ativos da empresa, buscando, ainda envolver fornecedores com credenciais e certificações como a S.A 8000 ( Social Acountability), além de apoio, financiamento e gestão compartilhada para as Entidades do Terceiro Setor.

12 11 1. TERCEIRO SETOR UMA VISÃO CONCEITUAL Quando é que uma sociedade progride? A pergunta parece óbvia. No entanto, durante muito tempo foram confundidos indicadores abstratos, que escondem desigualdades, com bem-estar das pessoas. Existe progresso quando as condições de vida das pessoas melhoram, quando se avança no Desenvolvimento Humano. FERNANDO ZUMBADO Diretor para a América Latina e Caribe do programa das Nações Unidas para o desenvolvimento O Terceiro Setor traz em sua trajetória o conhecido desejo humano de ajuda ao próximo sem que, necessariamente, se exija deste próximo algo em troca a não ser benefícios como a confraternização, o amor, a integração social, etc. A palavra caridade tem origem latina caritas e significa o amor ao próximo. Outros similares também trazem o significado de boa vontade para com os outros, a exemplo: filantropia, de origem grega. Enquanto a sociedade era organizada em pequenos nichos, tribos ou clãs, este tipo de apoio mútuo era bastante eficaz na resolução das demandas sociais existentes nesta época. Com o passar do tempo as famílias foram se dissipando, imigrando, formando grupos maiores e as formas de convivência geraram novos e mais difíceis desafios sociais.

13 Há relatos históricos importantes a serem analisados tais como a forma de organização social da primeira civilização conhecida - Mesopotâmia e também sobre os egípcios que desenvolveram um severo código moral de convivência com base na justiça social. Este código encorajou as pessoas a ajudarem os outros em suas necessidades. 12 Na índia antiga, o imperador Budista Asoka (aproximadamente a.c.) proporcionou instalações médicas e também realizou medidas preventivas para a proteção do meio ambiente. Os gregos, nos primórdios de sua civilização, ofereciam abrigo e comida aos viajantes que por suas cidades estavam de passagem, entre outros tantos exemplos. O ser humano tem em si a necessidade de fraternidade embora esta tarefa seja bastante abrangente quando as demandas sociais estão muito além do controle exercido pela sociedade e pelo governo. Os conflitos gerados pelo desequilíbrio social, má distribuição de renda, fome, miséria, analfabetismo, desinformação e exclusão social não são de simples resolução. As soluções precisam ser estudadas e cenários diferenciados precisam ser construídos para a busca de soluções que possibilitem a construção de uma nova ordem social mundial. Estas questões e conflitos também estão presentes nas organizações sem fins lucrativos que têm a sua fundamentação descrita na necessidade de suprir as demandas sociais não resolvidas no seio da sociedade. Enfatizando o tema, Drucker ( 2001,p.15) mostra que: [...] As instituições do terceiro setor são o grande sucesso corporativo nos últimos 50 anos. Elas são essenciais à qualidade de vida, à cidadania e, na verdade, trazem consigo os valores e a tradição da sociedade como um todo. A pressão por um serviço comunitário eficaz só aumentará, conforme a

14 13 sociedade atravessa um período de acentuada transformação. A partir de uma necessidade de envolvimento pessoal, o número de voluntários também aumentará. A organização do terceiro setor está se tornando rapidamente o novo centro de ação social, de compromisso ativo e de contribuição significativa. [...] [...] O século XXl é um período de mudanças agudas. As pessoas nascidas há 50 anos não conseguem imaginar o mundo no qual seus próprios avós nasceram. A sociedade está reorganizando sua visão de mundo, seus valores básicos, sua estrutura social e política, suas artes, suas principais instituições. As organizações do terceiro setor serão ainda mais importantes nas próximas décadas, conforme as necessidades aumentam. [...] 1.1 FORMA ORGANIZACIONAL DAS ENTIDADES DO TERCEIRO SETOR As organizações do Terceiro Setor, que tem a possibilidade de instituir sua forma de organização, prestação de contas e política de atuação encontram, historicamente complexos dilemas organizacionais. Na história das civilizações existem alguns exemplos de instituições que trabalharam com estas situações de risco social, conforme citação abaixo. Hudson ( 2004,p.2) nos apresenta que : [...] Os mosteiros medievais britânicos tendiam a distribuir donativos indiscriminadamente. Conseqüentemente, fomentavam uma classe de mendigos profissionais que acabou contribuindo para a derrocada desse sistema de ajuda. Problemas similares ocorreram quando hospitais destinados a pobres foram colocados a serviço de ricos. A questão de testar os recursos demonstra claramente que essas questões preocupavam as organizações antigas assim como preocupa as instituições de caridade modernas.

15 14 Discussões sobre papeis conflitantes entre o setor público e o setor da filantropia foram tumultuadas durante século XVI, quando Henrique VIII e Eduardo VI confiscaram hospitais e propriedades de associações. Na época, a Reforma minou o sistema de bem-estar social centrado na igreja e a lacuna foi preenchida por uma interferência maior do Estado por meio do aumento de impostos. Esse processo incluiu dinheiro doado a instituições de caridade, hospitais, universidades e esquemas de empréstimos para ajudar as pessoas começarem um negócio próprio, assim como o capital para construção de pontes e reparo de estradas. De fato o papel do Estado era uma questão de discussão na época tanto quanto é hoje. Por exemplo, em 1572, Elizabeth I aprovou uma lei que permita às paróquias importarem uma taxa de pobreza para ajudar na manutenção de instituições de caridade e dos locais de trabalho, subsidiando efetivamente a provisão caritativa com dinheiro público.[...] Ainda citando Hudson ( 2004,p.21) : [...] Este setor consiste em organizações cujos objetivos principais são sociais, em vez de econômicos. A essência do setor engloba instituições de caridade, organizações religiosas, entidades voltadas para as artes, organizações comunitárias, sindicatos, associações profissionais e outras organizações voluntárias. O termo Terceiro Setor diferencia essas organizações do setor privado e do setor público. O traço comum que une todas essas organizações é que são orientadas por valores: são criadas e mantidas por pessoas que acreditam que mudanças são necessárias e que desejam, elas mesmas, tomar providencias nesse sentido. [...] Essas organizações tem duas características principais. Ao contrário de organizações do setor privado. Não distribuem lucros a seus proprietários e, diferente das organizações do setor público, não estão sujeitas a controle político direto. Essas organizações têm independência para determinar seu próprio futuro. [...] Continua Mike Hudson, em sua obra supramencionada, falando sobre a importância da administração nas organizações sem fins lucrativos, conforme exarado na página 13 da referida obra:

16 15 [...] Entretanto, administração é igualmente importante para o sucesso dessas organizações. Até a metade da década de 70, administração não era uma palavra muito usada pelas pessoas ao referirem-se a organizações do terceiro setor. A administração era vista como parte da cultura do mundo dos negócios e não parecia ser apropriada para organizações orientadas por outros valores. O grande crescimento e a abordagem cada vez mais profissional dessas organizações mudaram completamente esse ponto de vista. Hoje em dia, a administração está sendo adaptada para organizações orientadas por valores. Sua linguagem e seus conceitos estão começando a brotar da língua das pessoas tão eloqüentemente quanto os discursos sobre a causa. [...] Tais informações são demonstradas, dentro de uma visão otimista e também pessimista, sobre a tendência para as modificações nas estruturas organizacionais do terceiro setor. Conforme Ancona-Lopes (2001, p.09), é possível observar que: [...] Há mais de três décadas sociólogos e pesquisadores de megatendências apontam modificações nas estruturas das organizações sociais de trabalho. Anunciam a auto dissolução da sociedade industrial e das instituições paternalistas. O discurso de alguns destes cientistas, grande parte das vezes, vem carregado de um tom pessimista que salienta o aumento do desemprego, o encerramento dos benefícios trabalhistas e a falta de segurança e garantia das condições de trabalho. Tais modificações refletiriam individualmente na quebra de projetos de vida que prometem uma velhice tranqüila e protegida após anos de atividade junto a alguma empresa de bom porte cuja imagem assume características de perenidade. O rompimento de projeções alimentadas social e individualmente por gerações gera crises individuais e familiares, marcadas pela perda dos significados antes atribuídos aos atos do cotidiano com a conseqüente desestrutura das relações, desânimos e depressões ou violências e agressões gratuitas e generalizadas, patologias essas características de nossa época.[...]

17 Mas, em contrapartida, no mesmo volume supramencionado (2001, p.09), estão demonstradas visões mais otimistas para o surgimento de novos paradigmas para os rumos das estruturas organizacionais do Terceiro Setor, a saber: 16 Outras falas, no entanto mais otimistas, dizem dos benefícios das mudanças sociais. Apontam o surgimento de um novo paradigma, ou seja, de novos valores e pressupostos que constituem o modo de ser e de compreender o mundo e suas relações. [...] É esse outro paradigma que permite afirmar que vivemos, hoje, em uma sociedade pós-industrial. Nela emergem novas formas de organização do trabalho que atravessem as vidas pessoais e, de modo inicialmente sutil, vão alterando rotinas e cotidianos. Modos de viver que vão se instalando no dia-a-dia e que são objeto de estudo dos cientistas sociais. É nesse sentido que as falas mais otimistas oferecem esperança e apontam para um novo futuro, possibilitando a cada pessoa a reorganização de seus planos e projetos e a criação de uma nova rede de significados para a sua existência. [...] 1.2 UMA BREVE PERSPECTIVA HISTÓRICA SOBRE O TERCEIRO SETOR O Terceiro Setor hoje está muito bem representado pelas organizações não governamentais, sem fins lucrativos, que trabalham para o bem social. A consultora Tanya Linda Rothgiesser 1,muito bem evidencia as fases e a evolução histórica do Terceiro Setor no Brasil: Terceiro Setor: iniciativas privadas que não visam ao lucro, iniciativas na esfera pública que não são feitas pelo Estado. Nem empresa nem governo, cidadãos participando, de modo espontâneo e voluntário, em um sem-número de ações que visam ao interesse comum: ONGs, organizações comunitárias, entidades beneficentes, braços sociais de empresas, como fundações e institutos, e outras organizações que nascem na Sociedade Civil. E que nos fazem pensar em uma nova experiência de democracia tecida no cotidiano, através de um novo padrão de atuação. 1 Tanya Linda Rothgiesser, Administradora de Empresas pela Universidade Cândido Mendes, Analista de Organização & Métodos Furnas Centrais Elétricas, Construtora Norberto Odebrecht e Rede Globo de Televisão, em texto publicado na Internet, através de seu Site: na data de Data 07 de janeiro de

18 17 Um fenômeno de dimensões globais e fator potencial de democratização nas relações sociais. Emergência de tal relevância, que se pode falar de uma virtual revolução a implicar mudanças gerais nos modos de agir e pensar. Alguns dados conceituais são importantes para que o Terceiro Setor seja mais facilmente entendido quanto a sua atuação, conforme demonstrado na segunda parte do texto supramencionado: [...] A expressão Sociedade Civil saiu dos livros de história européia e começou, efetivamente, a penetrar o vocabulário dos ativistas sociais latino-americanos apenas ao final dos anos 70. Após estudos nas principais bibliotecas do Rio de Janeiro, a pesquisadora Leilah Landim, do Instituto Superior de Estudos da Religião (Iser) relata que os fichários, em 1993, organizados por assunto, não incluíam palavras como filantropia, não-governamental, sem fins lucrativos, fundações ou voluntário. Entretanto, uma longa lista de títulos poderia ser encontrada sob a categoria caridade e serviço social, este último quase sempre ligado a programas governamentais. Não se pretende que a vida associativa autônoma seja um fenômeno novo. A novidade estaria nos números - em expansão geométrica - e nos padrões de relacionamento. Mais do que a informações e idéias referenciadas ao Terceiro Setor, números e padrões nos remetem, sobretudo, a acontecimentos das últimas duas décadas. Rigorosamente não se fez, ainda, uma história. A filantropia sim, marca em termos de Brasil uma antecedência lógica e histórica. Não é um fenômeno recente. Remonta à colonização portuguesa; ao domínio da Igreja Católica até o século XIX; ao Estado Novo de Vargas; e mantêm-se vigorosa ao longo da ditadura militar brasileira. Se fortalece e expande, vinculada a ações de defesa da cidadania, nos movimentos sociais da década de 70 e nos anos 80 - já agora inserida no segmento mais amplo do Terceiro Setor. [...]

19 Para melhor compreensão dos acontecimentos que nortearam, historicamente, as transformações do Terceiro Setor no Brasil, a Professora Tanya Linda Rothgiesser 2, apresenta em estudo definido em seis fases os principais acontecimentos: 18 1ª fase - Império até a Iª República: Data de 1543, a primeira entidade do país criada para atender desamparados, a Irmandade da Misericórdia, instalada na Capitania de São Vicente. O Brasil era constitucionalmente vinculado à Igreja Católica e a utilização dos recursos, principalmente os privados, passavam por seu crivo. Era a época das Ordens Terceiras, das Santas Casas, das Benemerências atuando, principalmente, nas áreas de saúde e previdência. A rigor, o que o Estado não provia, os líderes das principais comunidades portuguesas e espanholas de imigrantes proviam. Com esmolas se constituíam pequenos dotes para órfãos e se compravam caixões para os pobres. Beneditinos, franciscanos e carmelitas, assim como a Santa Casa, foram exemplos expressivos da ação social das ordens religiosas predominantes. Vinculam-se às ações sociais desenvolvidas, à época, expressões tais como mutualismo, benemerência e outras ainda hoje utilizadas, tais como, assistencialismo, caridade etc. A fase de 1930 a 1960 traz como ícone a industrialização. O Presidente Getúlio Vargas editou em 1935 a primeira lei brasileira que regulamentava as regras para a declaração de Utilidade Pública Federal. Em 1938, formalizou-se a relação do Estado com a assistência social com a criação do Conselho Nacional do Serviço Social. Já nos idos de 1960 a 1970, a presença da ditadura militar bloqueava a participação popular na esfera pública, micro-iniciativas na base da sociedade foram inventando novos espaços de liberdade e reivindicação. A partir dos anos 70, multiplicam-se as ONGs. Com o fortalecimento da sociedade civil, o Brasil dava início à transição de uma ditadura militar para um regime democrático. 2 Tanya Linda Rothgiesser, Administradora de Empresas pela Universidade Cândido Mendes, Analista de Organização & Métodos Furnas Centrais Elétricas, Construtora Norberto Odebrecht e Rede Globo de Televisão, em texto Publicado na Internet, através de seu Site: na data de Data 07 de janeiro de

20 19 Nos anos 90 surge um novo padrão de relacionamento entre os três setores da sociedade. O Estado começa a reconhecer que as organizações não governamentais têm um diferencial importante a oferecer: elas acumularam um capital de recursos, experiências e conhecimentos, sob formas inovadoras de enfrentamento das questões sociais, que as qualificam como parceiros e interlocutores das políticas governamentais. Marcam-se, portanto, nesse período, as palavras parceria, cidadania corporativa, responsabilidade social, investimento social privado. Formas de expressão deste novo movimento de encontro dos três setores da economia brasileira. Com propriedade, a Consultora Tanya Linda Rothgiesser 3 relata de forma resumida a história dos anos 90 sob o enfoque social: [...] Amplia-se, fortemente, o conceito de Terceiro Setor: para além do círculo das ONGs, valorizam-se outros atores sociais como as fundações e institutos (os braços sociais das empresas), as associações beneficentes e recreativas, também as iniciativas assistenciais das igrejas e o trabalho voluntário de maneira geral. A ampliação das áreas de convergência não implicando no apagamento das diferenças entre os setores. Ao contrário, por serem diferentes, canalizando recursos e competências específicas e complementares. Cria-se, no governo de Fernando Henrique Cardoso, o Programa Comunidade Solidária com o propósito de articular trabalhos sociais em vários ministérios. E, em 1998, é regulamentada a Lei do Voluntariado. A ONU - Organização das Nações Unidas decreta 2001 como o "Ano Internacional do Voluntário". Acontecem, no Brasil, o I e II Fórum Social Mundial, implementadores de idéias alternativas de ação econômica e social. Promove-se o desenvolvimento social a partir do incentivo a projetos auto-sustentáveis - em oposição às tradicionais práticas de caráter assistencialista geradoras de dependência - e em propostas de superação de padrões injustos de desigualdade social e econômica. [...] (Grifos adicionados) 3 Tanya Linda Rothgiesser, Administradora de Empresas pela Universidade Cândido Mendes, Analista de Organização & Métodos Furnas Centrais Elétricas, Construtora Norberto Odebrecht e Rede Globo de Televisão, em texto publicado na Internet, através de seu Site: na data de Data 07 de janeiro de

21 1.3.CICLOS DE EVOLUÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS 20 A administração das organizações sem fins lucrativos, quanto ao aspecto evolução, compreende diferentes estágios. Este conceito sobre o desenvolvimento das organizações através de estágios foi aludido, inicialmente, há cerca de 20 anos num artigo da Harvard Business Review, intitulado Evolução e Revolução nas Organizações. Este conceito evidencia o principio de que nas organizações, períodos uniformes de crescimento evolutivo e desenvolvimento são seguidos de períodos de desenvolvimento revolucionário. É lógico que a idéia de um ciclo perfeito de evolução não pode ser comum a todas as organizações do terceiro setor até porque o componente humano, através das decisões dos conselhos, dos líderes em tempos diferentes é que vão conduzir seus padrões de comportamento, missões, etc. Mas este estudo é interessante porque a pesquisa sobre as entidades sem fins lucrativos, nos últimos quinze anos, mostra que a idéia do ciclo de evolução pode ser uma ferramenta importante para o estudo de questões comuns no enfrentamento de contextos amplos vivenciados pelas entidades, numa visão global por exemplo, de providencias que precisam ser adotadas para ajudar a organização a progredir na direção de sua próxima fase de desenvolvimento. O processo de evolução é importante para que possamos estabelecer um liame entre as fases de evolução da organização e as vantagens oferecidas como ferramentas neste processo através do conceito e prática da Governança Corporativa. É oportuno salientar que o conceito apresentado estabelece uma visão ampla sobre cada fase e que características individualizadas ao se estabelecer este estudo sobre uma única organização ou sobre esta e sua rede de apoiadores, stakeholders, etc., poderá apresentar mais detalhamentos em cada fase estudada.

22 Alguns aspectos são importantes neste processo. Pontuados os detalhes estratégicos de cada fase, é possível visualizar melhor a transição de cada fase. 21 Na primeira fase o fundador é vital para o desenvolvimento da organização. Ele tem a visão geral de objetivos, o carisma para que a entidade possa definir suas estratégias de atuação em busca da realização da missão a que se predestina esta organização. Normalmente estes líderes são persistentes em suas metas e não querem ser vencidos pelos obstáculos interpostos em suas trajetórias. O lado desfavorável desta liderança está na dificuldade de delegação, a postura de não dividir opiniões, consensos e informações para a busca da capacitação da equipe de colaboradores, etc. Durante a juventude, o líder normalmente, envolvido em outras questões ou mesmo as novas lideranças insurgidas trazem um perfil diferenciado e os novos colaboradores desenham um cenário diferenciado do modelo de gestão da entidade em sua fase de nascimento. Novas experimentações criam a necessidade de aperfeiçoar o planejamento, de formalizar processos de tomada de decisões, de criar melhores sistemas de informações e de uma administração mais estruturada. Por fim as organizações acabam entrando na fase adulta, muitas vezes após uma mudança de liderança. Nesta fase o ideal seria que as organizações separassem governo e administração, estabelecessem missão e estratégias claras, sistemas de tomadas de decisões eficientes, capacitação e qualificação profissional voltadas para o melhor desenvolvimento e produção dos colaboradores da entidade. É importante lembrar, ainda, que há retrocessos. Algumas entidades voltam ao estágio da juventude e, mais tarde, já retornando para a fase adulta, precisam trabalhar seus pontos frágeis para que se mantenham neste estágio. Quando as organizações atingem a maturidade, o ideal é que as causas: missão e objetivos estejam bem definidos para que a organização possa estar centrada em

Glossário do Investimento Social*

Glossário do Investimento Social* Glossário do Investimento Social* O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como missão promover e estruturar o investimento

Leia mais

1ª SESSÃO. A evolução da teoria sobre a criação de valor através de boas práticas de Governança Corporativa

1ª SESSÃO. A evolução da teoria sobre a criação de valor através de boas práticas de Governança Corporativa 1ª SESSÃO A evolução da teoria sobre a criação de valor através de boas práticas de Governança Corporativa PROF. JOSÉ PASCHOAL ROSSETTI PROFESSOR E PESQUISADOR DA FUNDAÇÃO DOM CABRAL AUTOR DE GOVERNANÇA

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA Vitória, ES Janeiro 2010. 1ª Revisão Janeiro 2011. 2ª Revisão Janeiro 2012. POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA REDE GAZETA IDENTIDADE CORPORATIVA Missão

Leia mais

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

Francisco Chaves, Presidente Ibolyka Elizabeth, Diretora Executiva. www.iaap.org.br Lorena-SP

Francisco Chaves, Presidente Ibolyka Elizabeth, Diretora Executiva. www.iaap.org.br Lorena-SP Diretoria Francisco Chaves, Presidente Ibolyka Elizabeth, Diretora Executiva. www.iaap.org.br Lorena-SP O Terceiro Setor no Brasil Sumário: Histórico e Legislação Bandeira: a figura da Filantropia (do

Leia mais

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES Por cerca de 50 anos, a série Boletim Verde descreve como a John Deere conduz os negócios e coloca seus valores em prática. Os boletins eram guias para os julgamentos e as

Leia mais

Unidade III ESPECIALIZAÇÕES. Profa. Cláudia Palladino

Unidade III ESPECIALIZAÇÕES. Profa. Cláudia Palladino Unidade III ESPECIALIZAÇÕES DO MARKETING Profa. Cláudia Palladino Marketing social Atuação das empresas hoje e a Responsabilidade social: Obtenção de insumos e processamento de matéria prima de maneira

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 03/08/2010 Pág.01 POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 1. INTRODUÇÃO 1.1 A Política de Comunicação da CEMIG com a Comunidade explicita as diretrizes que

Leia mais

Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil. Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC

Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil. Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC QUEM SOMOS? INSTITUTO GESC - IGESC Fundação da AMBA, pelos alunos do primeiro curso de MBA. Serviços

Leia mais

Fundação Libertas. Nova denominação da entidade. Manual de Governança Corporativa

Fundação Libertas. Nova denominação da entidade. Manual de Governança Corporativa Manual de Governança Corporativa Sumário 1. Definição.... Objetivo... 3. Da Contextualização da PREVIMINAS... 3.1. Arcabouço Legal e Regulatório... 3.. A Identidade da PREVIMINAS... A Filosofia Empresarial

Leia mais

Governança Corporativa O papel do Administrador Profissional na gestão eficaz e na liderança de performance

Governança Corporativa O papel do Administrador Profissional na gestão eficaz e na liderança de performance Governança Corporativa O papel do Administrador Profissional na gestão eficaz e na liderança de performance Adm. Valter Faria São Paulo, 27 de novembro de 2014 Jornal de Hoje Que habilidades serão exigidas

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS IBGC - CCI

CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS IBGC - CCI CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS IBGC - CCI SINÔNIMO DE EXCELÊNCIA EM GOVERNANÇA CORPORATIVA O PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS IBGC IRÁ APRIMORAR E CONFERIR MAIOR EFICÁCIA À ATIVIDADE PROFISSIONAL

Leia mais

ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL Camila Cristina S. Honório 1 Maristela Perpétua Ferreira 1 Rosecleia Perpétua Gomes dos Santos 1 RESUMO O presente artigo tem por finalidade mostrar a importância de ser

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA Profa. Ligia Vianna Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA ADMINISTRAÇÃO Num passado não muito distante, a ordem sociopolítica compreendia apenas dois setores, ou seja, um público e outro privado. Esses setores

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO

GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO O QUE É GOVERNANÇA CORPORATIVA? Conselho de Família GOVERNANÇA SÓCIOS Auditoria Independente Conselho de Administração Conselho Fiscal

Leia mais

FÓRUM EMPRESARIAL SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE CORPORATIVA: UM PASSO ADIANTE

FÓRUM EMPRESARIAL SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE CORPORATIVA: UM PASSO ADIANTE AMCE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS www.amce.com.br PROJETOS ESPECIAIS FÓRUM EMPRESARIAL SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE CORPORATIVA: UM PASSO ADIANTE 10º EVENTO TEMA: Investimento Social Privado: é possível

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ²

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² A Responsabilidade Social tem sido considerada, entre muitos autores, como tema de relevância crescente na formulação de estratégias empresarias

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DO BANCO DA AMAZÔNIA

CÓDIGO DE ÉTICA DO BANCO DA AMAZÔNIA CÓDIGO DE ÉTICA DO BANCO DA AMAZÔNIA APRESENTAÇÃO O Banco da Amazônia S.A., consciente da importância da ética nas relações com a comunidade em que atua, divulga este Código de Ética, que contém os padrões

Leia mais

Unisal - Semana de Estudos de Administração e Contábeis - 2013

Unisal - Semana de Estudos de Administração e Contábeis - 2013 Governança e Sucessão nas Empresas Familiares Governança e Sucessão nas empresas familiares Os Marcos históricos da Governança 1. O Relatório Cadbury 2. Os Princípios da OCDE 3. A Difusão Mundial dos Códigos

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 INDICADORES ETHOS De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 Instrumento de avaliação e planejamento para empresas que buscam excelência e sustentabilidade em seus negócios Abril/2000

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO Resumo: Reafirma o comportamento socialmente responsável da Duratex. Índice 1. OBJETIVO 2. ABRANGÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 3.1. PARTE INTERESSADA 3.2. ENGAJAMENTO DE PARTES INTERESSADAS 3.3. IMPACTO 3.4. TEMAS

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE NAS EMPRESAS CONTÁBEIS É POSSÍVEL?

A SUSTENTABILIDADE NAS EMPRESAS CONTÁBEIS É POSSÍVEL? A SUSTENTABILIDADE NAS EMPRESAS CONTÁBEIS É POSSÍVEL? JOSÉ HENRIQUE DOMINGUES CARNEIRO (Professor Rico) professor_rico@yahoo.com.br Fanpage: Professor RICO (48) 9969-7330 O Cenário atual das desigualdades

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA COMO PAUTAMOS NOSSOS RELACIONAMENTOS COM AS PARTES INTERESSADAS DO NOSSO NEGÓCIO

CÓDIGO DE ÉTICA COMO PAUTAMOS NOSSOS RELACIONAMENTOS COM AS PARTES INTERESSADAS DO NOSSO NEGÓCIO CÓDIGO DE ÉTICA COMO PAUTAMOS NOSSOS RELACIONAMENTOS COM AS PARTES INTERESSADAS DO NOSSO NEGÓCIO Elaborado por: Patrícia Amato e Kátia Périco Alberto Couto & Associados Transformando pessoas para vender

Leia mais

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Nome Desarrollo de Sistemas de Gobierno y Gestión en Empresas de Propiedad Familiar en el Perú Objetivo Contribuir

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA. Zig Koch

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA. Zig Koch DOCUMENTO DE REFERÊNCIA Zig Koch O Programa E-CONS, Empreendedores da Conservação, é uma iniciativa idealizada pela SPVS - Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental e implementada em

Leia mais

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7 ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7 Índice 1. Ética empresarial...3 2 1. ÉTICA EMPRESARIAL É neste contexto, e com o objetivo de o mundo empresarial recuperar a confiança, que vai surgindo a ética Empresarial.

Leia mais

Responsabilidade Social

Responsabilidade Social Responsabilidade Social Profa. Felicia Alejandrina Urbina Ponce A questão principal é debater: o que torna uma empresa socialmente responsável? É o fato de ela ser ética? Ou fi lantrópica? Ou porque ela

Leia mais

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS Inter-American Development Bank Banco Interamericano de Desarrollo Banco Interamericano de desenvolvimento Banque interámericaine de développment BR-P1051 Departamento de Países do Cone Sul (CSC) Rascunho

Leia mais

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Samira Santana de Almeida 1 RELATÓRIO 1. Apresentação O presente

Leia mais

PROGRAMA DE ADOÇÃO DE PRINCÍPIOS SOCIOAMBIENTAIS

PROGRAMA DE ADOÇÃO DE PRINCÍPIOS SOCIOAMBIENTAIS A Copagaz A Copagaz, primeira empresa do Grupo Zahran, iniciou suas atividades em 1955 distribuindo uma tonelada de Gás Liquefeito de Petróleo - GLP por dia nos estados de São Paulo, Mato Grosso e Mato

Leia mais

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS)

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) INTRODUÇÃO A Organização das Nações Unidas (ONU) está conduzindo um amplo debate entre governos

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Sustentabilidade e Competitividade SUSTENTABILIDADE pode ser entendida como

Leia mais

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS 2014 1 Índice 1. Contexto... 3 2. O Programa Cidades Sustentáveis (PCS)... 3 3. Iniciativas para 2014... 5 4. Recursos Financeiros... 9 5. Contrapartidas... 9 2 1. Contexto

Leia mais

Sustentabilidade nos Negócios

Sustentabilidade nos Negócios Sustentabilidade nos Negócios Apresentação O programa Gestão Estratégica para a Sustentabilidade foi oferecido pelo Uniethos por nove anos. Neste período os temas ligados à sustentabilidade começam a provocar

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Resumo. O caminho da sustentabilidade

Resumo. O caminho da sustentabilidade Resumo O caminho da sustentabilidade Termos recorrentes em debates e pesquisas, na mídia e no mundo dos negócios da atualidade, como sustentabilidade, desenvolvimento sustentável, responsabilidade empresarial

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

Vida Segura Empresarial Bradesco:

Vida Segura Empresarial Bradesco: PRÊMIO ANSP 2005 Vida Segura Empresarial Bradesco: A democratização do acesso ao Seguro de Vida chega às Micro e Pequenas Empresas. 1 SUMÁRIO 1. Sinopse 3 2. Introdução 4 3. O desafio de ser o pioneiro

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Dimensão Social

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Dimensão Social DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Dimensão Social Por Daiane Fontes 1 A preocupação da sociedade com relação aos temas ética, cidadania, direitos humanos, desenvolvimento econômico, Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

PROJETOS SOCIAIS E OS OBJETIVOS DO MILÊNIO

PROJETOS SOCIAIS E OS OBJETIVOS DO MILÊNIO PROJETOS SOCIAIS E OS OBJETIVOS DO MILÊNIO DIFERENCIANDO OS TRÊS SETORES Primeiro Setor A origem e a destinação dos recursos são públicos. Segundo Setor Corresponde ao capital privado, sendo a aplicação

Leia mais

AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa. Informações gerais

AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa. Informações gerais AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa Informações gerais Produzido por BSD Brasil. Pode ser reproduzido desde que citada a fonte. Introdução Lançada em novembro de 1999, em versão

Leia mais

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde Rio de Janeiro, Brasil - 21 de outubro de 2011 1. Convidados pela Organização Mundial da Saúde, nós, Chefes de Governo, Ministros e representantes

Leia mais

MBA em Desenvolvimento Humano de Gestores

MBA em Desenvolvimento Humano de Gestores REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Desenvolvimento Humano de Gestores Coordenação Acadêmica: Prof. Edmarson Bacelar Mota, M. A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014

CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014 CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014 PALAVRA DA DIRETORIA Apresentamos, com muito prazer, o do Grupo Galvão, que foi elaborado de maneira participativa com representantes dos colaboradores

Leia mais

A Conjuntura dos Regimes Próprios de Previdência Social no Brasil

A Conjuntura dos Regimes Próprios de Previdência Social no Brasil Seminário Gestão Municipal e os Fundos de Previdência A Conjuntura dos Regimes Próprios de Previdência Social no Brasil Reflexos na Gestão Municipal Certificado de Regularidade Previdenciária CRP e Certidão

Leia mais

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão 1 V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Painel: Desenvolvimento Institucional Mudanças na Cultura de Gestão Roteiro: 1. Perfil das organizações do PAD. 2. Desenvolvimento Institucional:

Leia mais

ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015

ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015 ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015 1 Destaques do levantamento de referências de associações internacionais Além dos membros associados, cujos interesses são defendidos pelas associações, há outras

Leia mais

Disciplina: Governança Corporativa Professora: Rosely Gaeta

Disciplina: Governança Corporativa Professora: Rosely Gaeta Disciplina: Governança Corporativa Professora: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 ORIGENS E FUNDAMENTOS DA GOVERNANÇA CORPORATIVA - FUNDAMENTOS Fonte: Nota de Aula 05 Governança Corporativa - Prof Fábio Gomes

Leia mais

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento 1 2 Planejamento Estratégico: conceitos e evolução; administração e pensamento estratégico Profª Ms Simone Carvalho simonecarvalho@usp.br Profa. Ms. Simone Carvalho Conteúdo 3 1. Origens e Surgimento 4

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Profa. Cláudia Palladino. Unidade I RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS

Profa. Cláudia Palladino. Unidade I RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS Profa. Cláudia Palladino Unidade I RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES Antes de falarmos sobre RSE Ambiente das empresas: Incertezas Pressões das partes interessadas em: desempenho global que promova

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Desenvolvimento Humano de Gestores

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Desenvolvimento Humano de Gestores NÚCLEO AVANÇADO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Desenvolvimento Humano de Gestores De acordo com a Resolução n o 1 de 08/06/2007 da CES do CNE do MEC Coordenação

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO

A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Bruna Medeiros David de Souza Advogada. Pós-graduanda em Direito Civil pela Faculdade de Direito Milton Campos. A função social da

Leia mais

Governança Corporativa e Familiar Desafios e Oportunidades

Governança Corporativa e Familiar Desafios e Oportunidades Governança Corporativa e Familiar Desafios e Oportunidades Luiz Marcatti Fevereiro/2009 GOVERNANÇA CORPORATIVA É o sistema pelo qual as sociedades são dirigidas e monitoradas, envolvendo os relacionamentos

Leia mais

Relatório de Comunicação de Progresso (COP Report) 2009-2010

Relatório de Comunicação de Progresso (COP Report) 2009-2010 Relatório de Comunicação de Progresso (COP Report) 2009-2010 1 2010 2009-2010 2 Pacto Global das Nações Unidas Relatório de Comunicação de Progresso (COP) Carta da Presidente Declaração de apoio contínuo

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Módulo Unidade 01 Tópico 01 Políticas na Atenção do Idoso Introdução as Políticas Públicas Políticas Públicas Ao longo do tempo o papel do Estado frente

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. ANS nº 41431.0

CÓDIGO DE ÉTICA. ANS nº 41431.0 CÓDIGO DE ÉTICA Aprovado pelo Conselho Consultivo da Saúde BRB Caixa de Assistência em sua 37ª Reunião Extraordinária, realizada em 10.12.2010. Brasília, 22 de fevereiro de 2011 I - APRESENTAÇÃO CÓDIGO

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL. A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social

RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL. A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social Ana Paula P. Mohr Universidade do Vale do Rio dos Sinos ana.mohr@gerdau.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

ISO 26000: Diretrizes sobre Responsabilidade Social

ISO 26000: Diretrizes sobre Responsabilidade Social ISO 26000: Diretrizes sobre Responsabilidade Social Características essenciais de Responsabilidade Social Incorporação por parte da organização de considerações sociais e ambientais nas suas decisões tornando-se

Leia mais

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA O papel das Micro e Pequenas Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA PROF. LÍVIO GIOSA Especialista em modelos de Gestão Empresarial Presidente do CENAM: Centro Nacional de Modernização

Leia mais

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável Este artigo é cópia fiel do publicado na revista Nu e va So c i e d a d especial em português, junho de 2012, ISSN: 0251-3552, . Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO. Programa de Responsabilidade Social

INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO. Programa de Responsabilidade Social INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO Programa de Responsabilidade Social APRESENTAÇÃO 2 O equilíbrio de uma sociedade em última instância, é formada pelo tripé: governo, família e empresa. Esperar

Leia mais

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA 1. INTRODUÇÃO 1.1 A CAIXA A Caixa Econômica Federal é uma instituição financeira sob a forma de empresa pública, vinculada ao Ministério da Fazenda. Instituição integrante do Sistema Financeiro Nacional

Leia mais

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro A CONTRIBUIÇÃO DO CDES PARA O DEBATE DA CONSOLIDAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES.

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 417 CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Alice da Silva

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em

Leia mais

Empreendedora. Inovação e Gestão. Introdução ao empreendedorismo

Empreendedora. Inovação e Gestão. Introdução ao empreendedorismo Inovação e Gestão Empreendedora atuação empreendedora no brasil desenvolvimento da teoria do empreendedorismo diferenças entre empreendedores, empresários, executivos e empregados Introdução ao empreendedorismo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

- Terceiro Setor e Sociedade Civil Organizada -

- Terceiro Setor e Sociedade Civil Organizada - - Terceiro Setor e Sociedade Civil Organizada - 1 Terceiro Setor Denominação de um setor além governo e do privado/empresas. Define a atuação de organizações não estatais e sem fins lucrativos. Divisão

Leia mais

Empreendedorismo social Missão social Concebe a riqueza como meio para alcançar determinado fim.

Empreendedorismo social Missão social Concebe a riqueza como meio para alcançar determinado fim. Empreendedorismo privado geração de riquezas Empreendedorismo social Missão social Concebe a riqueza como meio para alcançar determinado fim. 1 Modelo de gestão com mais de 80 anos, originalmente relacionado

Leia mais

operacional que, na maioria das vezes, é realizada por voluntários, a fim de manter baixo o custo da operação.

operacional que, na maioria das vezes, é realizada por voluntários, a fim de manter baixo o custo da operação. 5 INTRODUÇÃO O terceiro setor é composto por uma grande diversidade de organizações do setor privado que realizam atividades para o público em geral, isto é, para a sociedade. Estas organizações não têm

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS Capacitação dos pobres para a obtenção de meios de subsistência sustentáveis Base para

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

O futuro da filantropia no Brasil

O futuro da filantropia no Brasil O futuro da filantropia no Brasil 09/01/06 Criando um setor mais diversificado CANDACE ('CINDY') LESSA Diretora do Programa Brasil do Instituto Synergos FERNANDO ROSSETTI Secretário geral do GIFE (Grupo

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE BANRISUL

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE BANRISUL POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE BANRISUL A Política de Sustentabilidade Banrisul, aprovada pela Diretoria e pelo Conselho de Administração em 08.10.2012 e em 06.11.2012, respectivamente, tem como finalidade

Leia mais

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Este Tratado, assim como a educação, é um processo dinâmico em permanente construção. Deve portanto propiciar a reflexão,

Leia mais

Referente a qualidade e eficiência dos serviços prestados conceituam-se os seguintes meios para obtenção da eficácia nos serviços.

Referente a qualidade e eficiência dos serviços prestados conceituam-se os seguintes meios para obtenção da eficácia nos serviços. 191 Volume produzido; Volume Micromedido e Estimado; Extravasamentos; Vazamentos; Consumos Operacionais Excessivos; Consumos Especiais; e Consumos Clandestinos. A partir do conhecimento dos fatores elencados

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais