II Seminário Brasileiro Livro e História Editorial

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "II Seminário Brasileiro Livro e História Editorial"

Transcrição

1 II Seminário Brasileiro Livro e História Editorial Políticas do Livro e Leitura para a Educação de Jovens e Adultos: o quadro atual. Paulo Eduardo Dias de Mello 1 Universidade de São Paulo - Faculdade de Educação Resumo Neste trabalho apresentamos um levantamento dos programas, projetos e ações executadas pelo Ministério da Educação (MEC) para a Educação Básica de modo geral e, de modo particular, das ações da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, SECAD, que envolvem políticas do livro e leitura para a Educação de Jovens e Adultos (EJA). Nosso escopo é propor indagações sobre como estas políticas estão sendo encaminhadas, destacando duas características que consideramos centrais: a primeira sublinha o caráter descentralizado e diversificado das ações que envolvem políticas de leitura e do livro e que podem ser agrupadas nas seguintes linhas: 1) ações relativas à produção e fomento à produção de livros didáticos, conteúdos educacionais digitais, acervos de obras literárias e tecnologias educacionais; 2) promoção do acesso a materiais educativos; 3) formação continuada de professores; 4) avaliação. A segunda característica é a ausência de referenciais teóricos comuns que definam o léxico e as acepções adotadas quando se trata de termos relacionados a leitura, livro didático, ou material didático e que possam ser utilizados como parâmetro para os agentes internos do Ministério, suas secretarias e autarquias. O levantamento possibilitou identificar divergências de uso sobre alguns termos adotados quando se trata desses temas. Palavras-chave Políticas Públicas; Leitura; Livro; Educação de Jovens e Adulto Introdução Desde a década de 90 do século passado, a democratização da leitura é uma demanda política e ideológica presente na agenda dos documentos e conferências internacionais e dos encontros nacionais sobre a educação de jovens e adultos, com os quais 1 Bacharel e Licenciado em História, Mestre e Doutorando em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. Atualmente é consultor da Diretoria de Políticas da Educação de Jovens e Adultos DPEJA, da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade SECAD, do Ministério da Educação MEC, para área de materiais didáticos. Tem experiência na pesquisa e elaboração de currículos e materiais didáticos para a Educação de Jovens e Adultos, e na coordenação de cursos de formação inicial e continuada de professores.

2 o governo brasileiro firmou compromisso. De fato, durante a V Conferência Internacional de Educação de Adultos Confintea, ocorrida em 1997, o governo brasileiro assumiu o compromisso de assegurar o direito universal à alfabetização, à educação básica e à aprendizagem ao longo da vida, concebida para além da escolarização ou da educação formal, como premissas da democratização e redução das desigualdades sociais nas sociedades contemporâneas, marcadas pela forte presença da escrita, dos meios de informação e comunicação. Desde então, várias ações, projetos e programas voltados ao livro e a leitura voltados ao público jovem, adulto e idoso da EJA foram desenvolvidas, mas poucos tornaram-se efetivamente políticas de estado, ou seja, adquiriram o caráter de permanência, independentemente das mudanças ocorridas nas instâncias políticas de governo. Contribuiu para este quadro, a posição fragilizada da EJA no âmbito do Ministério da Educação, e a ação pontual, concorrente, e, por vezes, superposta de diversos outros setores do governo federal, cujo escopo era o atendimento de demandas específicas do público da educação de jovens, adultos e idosos. De certo modo, a criação da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade SECAD, em 2004, possibilitou no âmbito do Ministério da Educação uma maior articulação de políticas para a EJA. Na estrutura da SECAD, coube à Diretoria de Políticas de Educação de Adultos DPEJA, através de suas duas coordenações, a Coordenação Geral de Educação de Jovens e Adultos - COEJA e a Coordenação de Leitura e Formação, a formulação de uma Política de Materiais Didáticos com iniciativas voltadas à produção, aquisição e distribuição de materiais didáticos para a EJA e a criação de uma Política de Leitura capaz de oferecer alternativas para estimular práticas de leitura entre as pessoas jovens e adultas recém-alfabetizadas e, para alfabetizandos que estão no processo inicial de alfabetização, ou que ainda possuem um domínio básico da leitura e da escrita fortalecendo o processo de alfabetização iniciado no Programa Brasil Alfabetizado (PBA) ou em outros ambientes de aprendizagem. 2 2 Ainda que as políticas de materiais didáticos e de leitura sejam concebidas para atingir gradualmente a totalidade do público da EJA, efetivamente, no momento, elas atingem principalmente as pessoas jovens e adultas em processo de alfabetização. 2

3 Nosso escopo nesse texto é propor algumas indagações sobre como estas políticas, desenvolvidas no âmbito da Diretoria de Políticas da Educação de Jovens e Adultos (DPEJA), estão sendo encaminhadas, destacando duas características que consideramos centrais: a primeira sublinha o caráter diversificado das ações, projetos e programas que envolvem políticas de leitura e do livro e que podem ser agrupadas em quatro linhas: 1) ações relativas à produção e fomento à produção de livros didáticos, conteúdos educacionais digitais, acervos de obras literárias e tecnologias educacionais; 2) promoção do acesso a materiais educativos; 3) formação continuada de professores; 4) avaliação e pesquisa. A segunda característica é a ausência de referenciais teóricos comuns que defina o léxico e as acepções adotadas quando se trata de termos relacionados a leitura, livro didático, ou material didático e que possam ser utilizados como parâmetro para os agentes internos do Ministério, suas secretarias e autarquias. A seguir descreveremos as ações, projetos e programas do Ministério da Educação relativos à leitura, ao livro e demais matérias didáticos. Leitura, livros e Materiais Didáticos nos Programas do MEC para EJA Atualmente, dentre as atuações da DPEJA, no âmbito da política de materiais didáticos e de leitura e que se traduz em programas, projetos e ações relativas à produção e fomento à produção de livros didáticos, conteúdos educacionais digitais, acervos de obras literárias e tecnologias educacionais, temos: 1) o Concurso Literatura para Todos; 2) a produção dos Cadernos Literários; 3) a produção de material pedagógico formativo sobre o tema da Economia Solidária (Resolução n.51); 4) o fomento a produção de materiais didáticos para neoleitores (Resolução n. 44); e 5) o Guia de Tecnologias Educacionais. O Guia de Tecnologias Educacionais é na realidade produto de uma ação da Secretaria da Educação Básica, a SEB, que realiza a pré-qualificação, ou seja, uma avaliação inicial que atesta a qualidade de métodos, plataformas, softwares, conteúdos digitais, e apresenta um rol dos elementos recomendados para eventual escolha dos sistemas de educação através do Plano de Ações Articuladas, o PAR. A inserção de tecnologias da educação voltadas ao público da EJA na publicação do Guia em 2009, e sua participação efetiva no edital de chamada pública para o ano de 2010, representa a 3

4 iniciativa de articulação da DPEJA com parceiros internos ao ministério de modo a inserir a EJA nos programas e ações da Educação Básica. O conceito de tecnologias educacionais também é utilizado na Resolução/FNDE/CD/ N 44, de 17 de outubro de Esta resolução estabelece critérios e procedimentos para a execução de projetos de fomento à leitura para neoleitores jovens, adultos e idosos, mediante assistência financeira aos Estados, Municípios, Distrito Federal, Instituições Públicas de Ensino Superior e Entidades sem fins lucrativos. Consideram-se neoleitores 3 os educandos que foram alfabetizados e pretendem dar continuidade a seus estudos. Os projetos de que trata a Resolução deveriam contemplar, necessariamente, as seguintes linhas de ação: 1. Promoção de acesso à leitura; 2. Formação de leitores e mediadores de leitura; 3. Produção e distribuição de tecnologias educacionais de fomento à leitura; 4. Pesquisa e avaliação sobre leitura. A Resolução/FNDE/CD/N 51, de 15 de dezembro de 2008, estabelece critérios para a apresentação, seleção e apoio financeiro a projetos que visem o fomento à produção de material pedagógico-formativo e de apoio didático de EJA, à formação de educadores, coordenadores e gestores da EJA e à publicação de experiências de EJA, todos com ênfase na Economia Solidária. Os projetos devem contemplar, obrigatoriamente, as 3 (três) linhas de ação definidas na Resolução 51, sendo elas: 1. Produção de material pedagógico-formativo e de apoio didático para a Educação de Jovens e Adultos (EJA) que necessariamente a economia Solidária (linha de ação I); e 2. Formação de educadores, coordenadores e gestores da Educação de Jovens e Adultos com ênfase na Economia Solidária (linha de ação II); e 3. Publicação de experiências de Educação de Jovens e Adultos com ênfase na Economia Solidária (linha de ação III). A linha de ação I - Produção de material pedagógico-formativo e de material de apoio didático que incorporem a proposta de Economia Solidária na EJA visa assegurar a criação e produção de materiais pedagógico-formativos e de apoio didático específicos para os processos de formação de educadores, coordenadores e gestores da EJA e da Economia 3 O conceito será discutido adiante. 4

5 Solidária. Do ponto de vista do material didático ela traz como novidade uma concepção ou tipo de material, denominado de material-pedagógico formativo, que é o material criado, produzido e avaliado ao longo do processo de formação que envolve professores e os alunos de EJA na perspectiva da Economia Solidária. Outra iniciativa na linha de política de fomento à leitura é a produção da coleção Cadernos Literários. A coleção visa à produção de obras literárias destinadas especificamente ao público de EJA. Os volumes da coleção estão em processo de elaboração, e sua produção editorial será coordenada pela DPEJA. Os títulos da coleção estão vinculados aos temas da diversidade como cultura indígena, RAP e cordel. O propósito é a produção de material literário que dialogue com temas e características de determinados públicos específicos. O Concurso Literatura para Todos tem como escopo a seleção de obras de natureza literária para produção, publicação, divulgação e distribuição de acervo literário às escolas públicas. Dentre os objetivos anunciados pelo Concurso está estimular a criação de obras literárias específicas para neoleitores, reafirmando o valor da leitura e da palavra escrita e a necessidade de favorecer o acesso de jovens e adultos em processo de alfabetização a obras literárias de qualidade. No II concurso, realizado em 2008, foram selecionadas duas obras, de autores brasileiros, e uma de autor africano de país de Língua Portuguesa, para as seguintes modalidades: - Prosa (Conto, novela ou crônica) - Poesia - Biografia - Textos da tradição oral (em prosa ou em verso) 4 Nesse contexto, o conceito de neoleitor, tem sido utilizado como um recurso para afirmação positiva dos sujeitos da EJA, no sentido de frisar a necessidade de elaboração de obras literárias preocupadas em atender as necessidades e especificidades desses sujeitos. 4 Em sua primeira versão o concurso oferecia um maior número de modalidades e gêneros literários: conto ou novela, crônica, poesia, biografia ou relato de viagem, ensaio ou reportagem; textos da tradição oral: esquetes, scripts, peças teatrais, roteiros de vídeo, cinema, quadrinhos; texto utilizando linguagem das tecnologias de informação e comunicação ( , blog, comunidades virtuais, grupos de discussão etc.). 5

6 Uma definição mais detalhada pode ser encontrada no Manual de Orientações da Rede de Formação para a Diversidade: Podemos considerar neoleitores os/as jovens, adultos e idosos que ainda não desenvolveram plenamente suas habilidades e competências de leitura e escrita e que, independente do nível de escolarização, estejam iniciando sua caminhada de leitores. Nessa delimitação cabem desde aqueles que estão saindo do Programa Brasil Alfabetizado, os analfabetos funcionais (que estudaram até a 4ª série, mas atingem no máximo o grau rudimentar de alfabetismo), os 26% dos que completaram entre 5ª a 8ª séries do ensino fundamental, mas permanecem no nível rudimentar, além dos 45% que cursaram ou estão cursando o Ensino Médio, mas permanecem no nível básico de domínio da leitura e da escrita. 5 A segunda categoria de agrupamento dos programas, projetos e ações da DPEJA é daqueles que buscam promover o acesso das pessoas jovens e adultas a materiais educativos. Os programas utilizam duas estratégias básicas para a realização deste propósito: a aquisição e distribuição de livros didáticos e acervos literários e a disponibilização de acervos e materiais virtuais através da rede mundial de computadores. A disponibilização de acervos e materiais virtuais via internet é feita através do Portal MEC e, nele, do Portal do Professor. Dentre os materiais didáticos disponibilizados está a Coleção Cadernos de EJA elaborada para o ensino fundamental de jovens e adultos, da alfabetização até a 8ª série. A coleção organiza os componentes e conteúdos curriculares em torno de eixos temáticos, tais como cultura, diversidade, economia solidária, dentre outros, sempre articulados ao tema trabalho, que funciona como eixo integrador. A proposta da coleção se caracteriza pela flexibilidade, para oferecer liberdade ao professor decidir o que quer ou não utilizar, em que ordem, com que finalidade. A coleção foi disponibilizada para ser utilizada, integralmente ou em partes, em outras situações de ensino, como nas experiências de educação não-formal, apesar de seu foco ser o ensino fundamental de jovens e adultos ofertado pelas escolas públicas. A distribuição de livros didáticos e acervos literários a partir de aquisição são realizados através de dois programas: o Programa Nacional do Livro de Alfabetização, o PNLA, e do Programa Nacional da Biblioteca da Escola, o PNBE. 5 Manual Operacional da Rede de Educação para a Diversidade, 2009, p

7 Criado pela Resolução Nº. 18, de 24 de abril de 2007, o Programa Nacional do Livro de Alfabetização, o PNLA se desenvolveu, inicialmente, no âmbito do Programa Brasil Alfabetizado, com a finalidade de distribuir, a título de doação, obras didáticas destinadas a alfabetização de jovens, adultos e idosos, às entidades que estabeleceram parceria com o Ministério da Educação, por intermédio da SECAD/MEC, na execução das ações do Programa Brasil Alfabetizado, quais sejam: Estados, Distrito Federal e Municípios. O programa atendeu em 2008 o total de alfabetizadores, tendo adquirido exemplares dentre as 19 obras didáticas de alfabetização selecionadas para comporem o Guia do PNLA Para 2009, está previsto que o PNLA proverá além das entidades parceiras do Programa Brasil Alfabetizado, às escolas de ensino público que possuam turmas de alfabetização na modalidade de Educação de Jovens e Adultos, das redes estaduais e municipais e do Distrito Federal. O Programa Nacional Biblioteca da Escola PNBE é voltado à distribuição de acervos de obras de literatura, de pesquisa e de referência ao público escolar. A execução do programa é de responsabilidade do FNDE em parceria com a Secretaria de Educação Básica do Ministério da Educação. Existente desde 1998, o programa passou a incluir a EJA em 2003, através da ação Palavras da Gente Educação de Jovens e Adultos, que distribuiu uma coleção específica para EJA, aos alunos da última série, termo, módulo ou similar, correspondentes à última etapa do 2º segmento da Educação de Jovens e Adultos dos cursos presenciais e com avaliação no processo, do ensino fundamental, no ano letivo de Além de quatro coleções específicas para jovens e adultos, compostas de seis volumes de obras de literatura e de informação, para cada uma das escolas públicas que possuíam mais de quatro alunos na última série ou equivalente do curso presencial de educação de jovens e adultos do ensino fundamental. Entre o período de 2005 e 2008 as ações do PNBE concentraram-se no atendimento ao Ensino Fundamental, sem contemplar a EJA. Em 2009, a EJA voltou a ser incluída no programa, com a previsão de distribuição de obras literárias para todas as etapas do ensino fundamental e médio na modalidade EJA. A distribuição atingirá todas as escolas públicas que ofertam a EJA. A perspectiva é que a ação se repita em 2010, e que a partir de então, a distribuição seja realizada a cada ciclo de dois anos. 7

8 De certo modo, as ações, projetos e programas agrupados nas duas primeiras categorias, ou seja, que visam à produção ou fomento à produção, e a promoção do acesso a livros e demais materiais didáticos, podem ser resumidas nesta última categoria. Afinal, o escopo da produção ou do fomento à produção de materiais e obras literárias, é superar a situação de desigualdade de acesso ao livro e à informação, condicionada pelo poder aquisitivo e pela escolaridade das pessoas jovens e adultas que buscam a EJA. Além disso, é preciso que os livros disponibilizados para o período pós-alfabetização de jovens e adultos sejam adequados para atender o perfil sociocultural desses sujeitos jovens e adultos. A linha correspondente a formação continuada de professores para a EJA tem sido concretizada através da Universidade Aberta do Brasil, a UAB, que oferta cursos à distância, por meio de universidades públicas cadastradas. Atualmente a Rede de Educação para a Diversidade, que agrega os cursos da SECAD no âmbito da UAB, oferta dois cursos especificamente relacionados a leitura e materiais didáticos. O primeiro é o curso de formação de professores mediadores de leitura. O propósito do curso é a formação de professores para atuarem como mediadores do processo de formação de leitores, seja em contextos escolares ou não. O segundo curso é o de produção de materiais didáticos para a diversidade. O curso visa formar professores e profissionais da educação para avaliar materiais didáticos existentes, realizar projetos de produção de recursos didáticos e elaborar estratégias metodológicas para o uso de diferentes materiais didáticos para os temas da diversidade, em particular tendo em conta as características locais e regionais e as especificidades dos educandos e os temas: cidadania, direitos humanos, gênero e relações étnico-raciais. A linha que agrupa ações, programas e projetos relativos a avaliação e pesquisa sobre leitura e materiais didáticos encontra-se, na realidade definida no corpo de uma diversidade de programas e projetos. A avaliação e a realização de pesquisas são previstos como momento estratégico dos programas e ações, e são apoiadas por resoluções específicas, ou ocorrem através da contratação de instituições ou pesquisadores para a realização de produtos específicos. Pesquisas de específicas foram realizadas no âmbito do PNBE, do PNLA, e do Concurso Literatura para Todos. 8

9 A avaliação de materiais didáticos para a Educação de Jovens e Adultos EJA, realizada no âmbito do Ministério da Educação MEC, se restringe atualmente a dois grupos de materiais didáticos impressos: os livros didáticos e as obras literárias. São eles: 1) os livros de alfabetização inscritos no Programa Nacional do Livro de Alfabetização para Jovens e Adultos PNLA; 2) as obras literárias do Concurso Literatura para Todos e que formam a Coleção Literatura para Todos. Dessa forma, como podemos verificar a SECAD, através da DPEJA, tem realizado importantes iniciativas que colocam a política de leitura, livro e demais materiais didáticos como um elemento estratégico de sua política para a EJA. Existem algumas diretrizes que precisam ser seguidas, dadas as características das políticas destinadas a pessoas jovens, adultas e idosas, e mesmo, políticas do livro e leitura que ocorrem no âmbito federal. 6 É fundamental a necessidade de articulação das ações, projetos e programas da DPEJA a outros existentes em outras esferas do governo federal, e especialmente, dentro do próprio MEC. Este é caso da inserção da EJA nas ações da Secretaria da Educação Básica SEB, ou da Secretaria de Educação a Distância - SEED, através dos programas do livro e das tecnologias educacionais. 7 Esta integração exige um diálogo e sinergia entre parceiros internos e externos ao ministério, envolvendo técnicos do FNDE, da SEB e da DPEJA/SECAD e demais secretarias e ministérios. Esta tem sido, por exemplo, a direção adotada com a integração da EJA ao PNBE, e do PNLA ao Programa Nacional do Livro Didático, o PNLD. No âmbito do MEC, um dos obstáculos a serem superados é a ausência de referenciais teóricos comuns que defina o léxico e as acepções adotadas quando se trata de termos relacionados a leitura, livro didático, ou material didático e que possam ser utilizados como parâmetro para os agentes internos do Ministério, suas secretarias e autarquias. O levantamento aqui apresentado possibilitou identificar divergências de uso sobre alguns termos adotados quando se trata desses temas. 6 Existem programas para pessoas jovens e adultos em diferentes âmbitos do governo federal, como por exemplo, o Projovem, e ações voltadas a leitura, como o Pró-ler mo Ministério da Cultura. 7 A SEED é encarregada, por exemplo, do PROEJA Programa de Educação de Jovens e Adultos Integrada a Formação Profissionalizante. 9

10 De modo geral, a ausência de um documento norteador para a política de materiais didáticos, que defina, por exemplo, o que se considera como material didático de qualidade faz com que, na prática, tal definição obedeça a princípios pragmáticos determinados pelos programas a serem executados pelas secretarias e seus colaboradores. Podemos verificar que, em alguns casos, a definição de um determinado conceito pode ter diferentes significados conforme os critérios adotados por dada secretaria do MEC. Tomemos como exemplo o conceito de tecnologias educacionais. O uso do conceito no documento produzido pela Secretaria de Educação Básica SEB, o edital de chamada para o Guia de Tecnologias Educacionais e na Resolução de Fomento a Leitura proposta pela Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade SECAD revela uma divergência de concepção entre as secretarias. Como vimos a DPEJA/SECAD utiliza o conceito de tecnologias educacionais na Resolução/FNDE/CD/N 44 de 17 de outubro de De acordo com a Resolução 44, entende-se o incentivo à produção e distribuição de tecnologias educacionais de fomento à leitura como sendo a atuação de estimular a produção de materiais de leitura, em diversos suportes, e sua distribuição para jovens, adultos e idosos neoleitores. Tais como: a) Produção de tecnologias educacionais de fomento à leitura considerando não apenas o suporte livro, mas também aqueles baseados em textos, som e imagens como, DVD, CD-ROM, vídeo, filme, jogo eletrônico, plataforma de ensino à distância, gravação de livros falados, livro em Braille, rádio, mp3 e todo conteúdo por meio de novas tecnologias de acesso à informação e ao conhecimento; b) Criação de tecnologias educacionais de fomento à leitura produzidas por alfabetizandos jovens, adultos e idosos e por alfabetizadores; c) Criação de material literário específico para o público de jovens, adultos e idosos neoleitores, considerando os diversos gêneros; d) Criação de material de registro da história oral das comunidades rurais e demais populações que tenham reconhecida tradição oral; e) Formas de distribuição que integrem a mediação de leitura. Enquanto a Resolução da SECAD, supracitada define as tecnologias educacionais incluindo dentre elas o livro, o Aviso de Chamamento Público MEC/SEB Nº 1/2008 que teve como objetivo selecionar e pré-qualificar tecnologias educacionais adota outro recorte sobre este tipo de recurso educacional: (...) entende-se por tecnologia educacional: práticas, métodos ou técnicas de ensino acompanhadas de aparatos, aparelhos ou ferramentas instrumentais, inclusive já em uso por redes ou estabelecimentos de ensino, que apresentem 10

11 potencial impacto positivo na melhoria da qualidade da educação básica pública, a serem empregadas como mecanismo de apoio aos sistemas de ensino e aos processos de ensino-aprendizagem desenvolvidos em sala de aula. Não se enquadram como tecnologias educacionais as práticas e recursos já amplamente difundidos e incorporados à rotina das redes de educação básica (tais como, por exemplo: livros didáticos, apostilas, livros de literatura, livros paradidáticos, atlas, dicionários, mapas, enciclopédias e cursos modulares, em meio impresso ou digital). 8 (grifo nosso) O ponto de divergência entre os documentos é a inclusão ou não dos livros didáticos e demais obras no conceito de tecnologias educacionais. Para a SEB, os livros impressos ou digitais devem ser excluídos deste conceito, já para a SECAD, o livro é uma das tecnologias mais significativas para o público neoleitor. Uma possível explicação para esta divergência não está no campo conceitual, mas no campo das ferramentas da política educacional. O fato é que a aquisição de livros didáticos, de literatura ou referência já é contemplada pelos programas que formam o arco do PNLD, assim, em tese, não caberia ao Guia de Tecnologias da SEB avaliar e pré-qualificar obras didáticas para as quais já existem programas estruturados. Pode-se supor que objetivo da SEB seria incluir um conjunto de recursos didáticos ainda não atendidos pelos demais programas dos livros, e vinculá-los ao Plano de Ações Articuladas, o PAR, elaborado pelos municípios, no âmbito do Plano de Metas Compromisso Todos pela Educação 9. Dessa forma, podemos entender que em relação às chamadas tecnologias educacionais os propósitos de cada secretaria são bastante distintos. Para a SEB o edital tinha como propósito oferecer aos sistemas de ensino, orientações pedagógicas sobre a aquisição e o uso de tecnologias educacionais nas escolas públicas e, portanto, o conceito de tecnologias educacionais deveria alargar para além do livro didático ou de referência o espectro de recursos e materiais didáticos que poderiam ser objeto de avaliação pelo MEC. Para a SECAD, o edital deveria estimular a produção de livros para um público escolar específico e que não conta no mercado editorial com uma oferta diversificada de títulos Aviso de Chamamento Público MEC/SEB Nº 1/ Outro aspecto do Guia de Tecnologias é que ele exclui das tecnologias educacionais os sistemas apostilados de ensino, ou seja, materiais impressos que se constituem em modalidade de livro didático. 10 A Resolução n. 44 estabelece quatro linhas de ação que induzem à produção de materiais didáticos, formação e avaliação são elas: Promoção de acesso à leitura; Formação de leitores e mediadores de leitura; Produção e distribuição de tecnologias educacionais de fomento à leitura; Pesquisa e avaliação sobre leitura. 11

12 Pode-se afirmar que o público a que se destina o edital é o que define, em última instância, o conceito de tecnologias educacionais utilizado em cada uma das secretarias. Para a SECAD o público final é o neoleitor, para a SEB o público alvo são os sistemas de ensino. Assim, o conceito de tecnologias educacionais utilizado pela SEB deveria incluir técnicas, aparatos, ferramentas e utensílios com potencial de uso no apoio aos processos educativos abrangendo um leque maior de áreas educacionais. Eram elas: a) ensinoaprendizagem (metodologia e avaliação referentes aos componentes curriculares); b) alfabetização: anos iniciais do ensino fundamental; c) ampliação da jornada escolar; d) formação continuada de professor; e) fluxo escolar; f) leitura: promoção e formação de mediadores; g) avaliação institucional; e h) gestão educacional. Outra forma de avaliar o uso do conceito de tecnologias educacionais é verificar como ele foi recebido pelos sujeitos envolvidos no processo. Isto pode ser verificado, por exemplo, pelo tipo de obras e recursos inscritos excluídos ou selecionados ao final do processo. No caso do edital da SECAD, este tipo de avaliação ainda não pode ser realizada, pois o processo está em andamento, mas no caso da SEB este processo já se encerrou e o documento final foi produzido. O processo de elaboração do Guia de Tecnologias Educacionais desenvolvido pela SEB foi executado com a chamada pública de tecnologias, sua avaliação foi feita por uma equipe de especialistas e resultou na publicação de um manual contendo resenhas e informações sobre as tecnologias aprovadas. Uma análise preliminar das tecnologias pré-qualificadas pela SEB revela aspectos importantes sobre formas de agrupamento dos materiais ou recursos didáticos considerados como tecnologia educacional. O primeiro aspecto é a definição do tipo de material que o termo abrange, pois como podemos verificar, o termo agrupa um conjunto de recursos pedagógicos diversificados e que por sua natureza implicam no uso de suportes tecnológicos: computador, aparelhos de som ou DVD, etc. Mas o termo também abriga metodologias ou sistemas de ensino cujo uso não implica necessariamente recursos ou aparatos tecnológicos. Outro aspecto é a possibilidade de participação de diferentes sujeitos produtores de tecnologias, desde pessoas físicas, instituições não-governamentais ou universidades e empresas. 12

13 No exemplo aqui analisado, mostramos algumas divergências entre documentos de secretarias no uso do conceito de tecnologias educacionais. Por outro lado há iniciativas no âmbito do MEC voltadas à busca ativa de materiais didáticos que utilizam aparatos eletrônicos ou tecnológicos e que, no entanto, não mencionam o conceito de tecnologias educacionais. Para alimentar o Portal do Professor, a Secretaria de Educação a Distância SEED publicou uma chamada pública para apoio financeiro à produção de conteúdos educacionais digitais multimídia nas áreas de Matemática, Língua Portuguesa, Física, Química e Biologia do Ensino Médio. Foram contemplados projetos para a elaboração de softwares educacionais, recursos de áudio, produções audiovisuais, experimentos educacionais. A especificidade do portal reside no propósito de disponibilizar conteúdos educacionais digitais de acesso público. Estes conteúdos foram organizados nas seguintes modalidades: áudio, vídeo, imagem, experimento, mapa, animação e simulação. Os documentos da SEED, ou mesmo o Portal do Professor, não mencionam o conceito de tecnologia educacional, ainda que, a rigor, várias tecnologias educacionais apresentadas no Guia de Tecnologias Educacionais pudessem ser consideradas como conteúdos educacionais digitais multimídia e disponibilizados no Portal. Considerações Finais Pelos exemplos aqui apresentados, consideramos relevante desenvolver um exame cuidadoso acerca dos referenciais teóricos e diretrizes que deve subsidiar a formulação e execução de políticas voltadas à leitura, aos livros e demais materiais didáticos no âmbito do MEC. Tal exame deve ter em consideração as recentes pesquisas e diretrizes definidas nos documentos nacionais e internacionais sobre o tema. Tanto a experiência internacional de alguns ministérios de educação quanto indicações de organismos internacionais, permite perceber que os materiais didáticos ocupam uma posição significativa no âmbito das políticas educacionais. Além disso, a formulação das políticas para materiais didáticos tem exigido a elaboração de documentos norteadores para o processo de avaliação dos materiais com indicações relevantes aos atores sociais sobre critérios de qualidade. Estes são alguns 13

14 dos desafios a serem enfrentados para a consolidação das políticas de leitura e materiais didáticos para a Educação Básica e, especialmente para a Educação de Jovens e Adultos. Referências Bibliográficas BRASIL. Ministério da Educação. Guia de livros didáticos PNLD 2008: apresentação / Ministério da Educação. Brasília: MEC, BRASIL. Ministério da Educação. Aviso de Chamamento Público MEC/SEB nº 1/2008. Brasília: MEC, FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO. Conselho Deliberativo. Dispõe sobre o Programa Nacional do Livro Didático para a Alfabetização de Jovens e Adultos PNLA Resolução nº 18 de 24 de abril de FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO. Conselho Deliberativo. Estabelece critérios para a apresentação, seleção e apoio financeiro a projetos que visem o fomento à produção de material pedagógico-formativo e de apoio didático de EJA, à formação de educadores, coordenadores e gestores da EJA e à publicação de experiências de EJA todos com ênfase na Economia Solidária. Resolução nº 51, de 15 de dezembro de FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO. Conselho Deliberativo. Estabelece critérios e procedimentos para a execução de projetos de fomento à leitura para neoleitores jovens, adultos e idosos, mediante assistência financeira aos Estados, Municípios, Distrito Federal, Instituições Públicas de Ensino Superior e Entidades sem fins lucrativos. Resolução n 44 de 16 de outubro de BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Manual da Rede de Educação para a Diversidade, Disponível em: Acesso em: 25/04/2009. BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. III CONCURSO PÚBLICO LITERATURA PARA TODOS. Edital n.º 07/2009/SECAD/MEC. Disponível em: Acesso em: 25/04/2009. CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO DE ADULTOS CONFINTEA. V.; 1997, Hamburgo. Declaração Final e Agenda para o Futuro. Disponível em: Agenda_Futuro.pdf. Acesso em: 02/03/2009. PORTAL DE PROFESSOR. 14

Leitura e Literatura

Leitura e Literatura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICAB Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e de Tecnologias para Educação BásicaB Leitura e Literatura Dia e Semana Nacional da Leitura

Leia mais

A construção da. Base Nacional Comum. para garantir. Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento

A construção da. Base Nacional Comum. para garantir. Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento A construção da Base Nacional Comum para garantir Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Política pública de Educação ESTADO dever de educar legislação planejamento instituições CIDADÃO

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

Leia mais

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal.

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal. Educação Não-Formal Todos os cidadãos estão em permanente processo de reflexão e aprendizado. Este ocorre durante toda a vida, pois a aquisição de conhecimento não acontece somente nas escolas e universidades,

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO NO SISTEMA PRISIONAL PLANO DE AÇÃO

PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO NO SISTEMA PRISIONAL PLANO DE AÇÃO EIXO: GESTÂO Fortalecer a parceria entre e instituições parceiras para o desenvolvimento de ações educacionais Formalização de Termo de Cooperação Técnica entre e SEC do Estado para a efetivação de políticas

Leia mais

Formulário de inscrição para Unidades Escolares:

Formulário de inscrição para Unidades Escolares: Presidência da República Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Secretaria de Políticas de Ações Afirmativas 1. Contextualização: Formulário de inscrição para Unidades Escolares: a) Descreva

Leia mais

ANEXO I DIRETRIZES PARA O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DOS CURSOS

ANEXO I DIRETRIZES PARA O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DOS CURSOS ANEXO I DIRETRIZES PARA O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DOS CURSOS 1. Introdução As instituições porão propor o senvolvimento três cursos formação, na modalida cursos extensão: a) curso formação inicial para os

Leia mais

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO:

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1. Profissionais da educação: formação inicial e continuada 1.1. Implantar

Leia mais

Programa Nacional Alfabetização na Idade Certa PNAIC 30/05/12

Programa Nacional Alfabetização na Idade Certa PNAIC 30/05/12 Programa Nacional Alfabetização na Idade Certa PNAIC 30/05/12 Alguns dados disponíveis sobre analfabetismo Objetivo e principais componentes Objetivo O PNAIC é um programa integrado cujo objetivo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 867, DE 4 DE JULHO DE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 867, DE 4 DE JULHO DE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 867, DE 4 DE JULHO DE 2012 Institui o Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa e as ações do Pacto e define suas diretrizes gerais. O MINISTRO

Leia mais

PNBE Programa Nacional Biblioteca da Escola: análise descritiva e crítica de uma política de formação de leitores

PNBE Programa Nacional Biblioteca da Escola: análise descritiva e crítica de uma política de formação de leitores PNBE Programa Nacional Biblioteca da Escola: análise descritiva e crítica de uma política de formação de leitores EMENTA Apresentação e discussão do processo de avaliação e seleção de obras de literatura

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura

Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA (TOR) N.º e Título do Projeto BRA 06/005 A Educação Como Fator de Coesão Social Natureza do Serviço Modalidade Localidade de Trabalho Consultoria Produto Brasília/DF Objetivo da Contratação

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA N.º

TERMO DE REFERÊNCIA N.º MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE DIRETORIA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL, DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA COORDENAÇÃO GERAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Ensino PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. SECADI Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Macaé Maria Evaristo

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. SECADI Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Macaé Maria Evaristo MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECADI Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Macaé Maria Evaristo SECADI - DESAFIOS I. Superação do analfabetismo, elevação da escolaridade da população

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Formulação de Conteúdos Educacionais Programa Nacional de Tecnologia Educacional

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Formulação de Conteúdos Educacionais Programa Nacional de Tecnologia Educacional Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Formulação de Conteúdos Educacionais Programa Nacional de Tecnologia Educacional SEB DCE CGMID COGTEC PROINFO SEB SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013

PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013 PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013 Regulamenta o Decreto nº 7.385, de 8 de dezembro de 2010, que instituiu o Sistema Universidade Aberta do Sistema Único de Saúde (UNA-SUS). Os MINISTROS

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

Dossiê Ensino Fundamental no Brasil. Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas

Dossiê Ensino Fundamental no Brasil. Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas Segundo substitutivo do PNE, apresentado pelo Deputado Angelo Vanhoni, Abril de 2012 Profa. Dra. Rosilene Lagares PPGE/PET PedPalmas Palmas,

Leia mais

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido.

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Criar novos mecanismos de intercâmbio e fortalecer os programas de intercâmbio já existentes,

Leia mais

EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM

EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1.2. Universalização do ensino fundamental de nove anos

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

APolíticade Materiais Didáticos para Educação de Jovens e Adultos

APolíticade Materiais Didáticos para Educação de Jovens e Adultos APolíticade Materiais Didáticos para Educação de Jovens e Adultos Resgate dos principais eixos da Declaração de Hamburgo sobre Educação e Formação de Adultos: Os objetivos da educação de jovens

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL FICHA DE APRESENTAÇÃO SISTEMA INTERATIVO DE MONITORAÇÃO E PARTICIPAÇÃO PARA O APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DA PLATAFORMA DE C O O P E R A Ç Ã O A M B I

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA e AÇÕES DO PACTO

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA e AÇÕES DO PACTO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA e AÇÕES DO PACTO Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa É um compromisso formal assumido pelos governos federal, do Distrito Federal, dos estados

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher TERMO DE REFERENCIA Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Supervisão Geral No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial

Leia mais

Currículo em Movimento: o compromisso com a qualidade da educação básica

Currículo em Movimento: o compromisso com a qualidade da educação básica Currículo em Movimento: o compromisso com a qualidade da educação básica Ministério da Educação Secretaria da Educação Básica Diretoria de Concepções e Orientações Curriculares para Educação Básica Qualidade

Leia mais

PNAIC. CEAD-UFOP: Coordenadora Geral: Profa. Dra. Gláucia Jorge Coordenador Adjunto: Prof. Dr. Hércules Corrêa

PNAIC. CEAD-UFOP: Coordenadora Geral: Profa. Dra. Gláucia Jorge Coordenador Adjunto: Prof. Dr. Hércules Corrêa PNAIC POLO DE POÇOS OS DE CALDAS Equipe do PNAIC-CEAD CEAD-UFOP: Coordenadora Geral: Profa. Dra. Gláucia Jorge Coordenador Adjunto: Prof. Dr. Hércules Corrêa Supervisão de avaliação ão: Profa. Dra. Carla

Leia mais

Prof. Dr. Carlos Rinaldi Cuiabá, UFMT, 2014

Prof. Dr. Carlos Rinaldi Cuiabá, UFMT, 2014 Sistema Universidade Aberta do Brasil (UAB) na UFMT Prof. Dr. Carlos Rinaldi Cuiabá, UFMT, 2014 Hoje, no Brasil, são inúmeras as Instituições de Ensino credenciadas para oferecer cursos na modalidade de

Leia mais

Pronatec EJA: o Proeja no Pronatec

Pronatec EJA: o Proeja no Pronatec Pronatec EJA: o Proeja no Pronatec MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Anna Catharina da Costa Dantas dpept.setec@mec.gov.br Brasília/DF, 02 de julho de 2013. PNE 2011-2020:

Leia mais

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ (IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ Resumo O presente trabalho objetiva apresentar uma pesquisa em andamento que

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Programa 1374 Desenvolvimento da Educação Especial Numero de Ações 16 Ações Orçamentárias 0511 Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial Produto: Projeto apoiado UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

Agendas Estaduais de Desenvolvimento Integrado de Alfabetização e de Educação de Jovens e Adultos

Agendas Estaduais de Desenvolvimento Integrado de Alfabetização e de Educação de Jovens e Adultos Agendas Estaduais de Desenvolvimento Integrado de Alfabetização e de Educação de Jovens e Adultos PROGRAMA BRASIL ALFABETIZADO As Agendas Estaduais de Desenvolvimento Integrado de Alfabetização e Educação

Leia mais

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE BIBLIOTECAS ESCOLARES NA CIDADE DE GOIÂNIA

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE BIBLIOTECAS ESCOLARES NA CIDADE DE GOIÂNIA PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE BIBLIOTECAS ESCOLARES NA CIDADE DE GOIÂNIA APRESENTAÇÃO Toda proposta educacional cujo eixo do trabalho pedagógico seja a qualidade da formação a ser oferecida aos estudantes

Leia mais

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 Ação Educativa Organização não governamental fundada por um

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2606 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL Nº

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2606 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL Nº Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 13/09/2013-17:59:14 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2606 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 02/2010 Estabelece Normas Operacionais Complementares em conformidade com o Parecer CNE/CEB nº 06/2010, Resoluções CNE/CEB nº 02/2010

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TOR)

TERMO DE REFERÊNCIA (TOR) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO, DIVERSIDADE E INCLUSÃO DIRETORIA DE POLÍTICAS PARA EDUCAÇÃO DO CAMPO E DIVERSIDADE COORDENAÇÃO GERAL DE EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA

Leia mais

A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Resumo: Dolores Follador Secretaria de Estado da Educação do Paraná e Faculdades Integradas do Brasil - Unibrasil doloresfollador@gmail.com

Leia mais

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 11 de maio de 2011 Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 1 ANÁLISE DOS RESULTADOS DO SPAECE-ALFA E DAS AVALIAÇÕES DO PRÊMIO ESCOLA NOTA DEZ _ 2ª Etapa 1. INTRODUÇÃO Em 1990, o Sistema de Avaliação

Leia mais

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO Andrelisa Goulart de Mello Universidade Federal de Santa Maria andrelaizes@gmail.com Ticiane

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE SONDAGEM DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

QUESTIONÁRIO DE SONDAGEM DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA ADJUNTA DE ENSINO SECRETARIA ADJUNTA DE PROJETOS ESPECIAIS QUESTIONÁRIO DE SONDAGEM DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO URE: ESCOLA:

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA DIVERSIDADE E INCLUSÃO SOCIAL EJA E INCLUSÃO SOCIAL / À

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA DIVERSIDADE E INCLUSÃO SOCIAL EJA E INCLUSÃO SOCIAL / À EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA DIVERSIDADE E INCLUSÃO SOCIAL EJA E INCLUSÃO SOCIAL Nível: Especialização Modalidade: Presencial / À distância Parte 1 Código / Área Temática 34/Educação de Jovens e Adultos

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental TRANSVERSALIDADE Os temas transversais contribuem para formação humanística, compreensão das relações sociais, através de situações de aprendizagens que envolvem a experiência do/a estudante, temas da

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE CULTURA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PLANO SETORIAL DO LIVRO E LEITURA

PLANO ESTADUAL DE CULTURA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PLANO SETORIAL DO LIVRO E LEITURA PLANO ESTADUAL DE CULTURA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PLANO SETORIAL DO LIVRO E LEITURA Introdução O Plano Setorial da Superintendência da Leitura e do Conhecimento do Estado do Rio de Janeiro é fruto

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE CIENCIAS DA SAUDE COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

ESCOLA SUPERIOR DE CIENCIAS DA SAUDE COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESCOLA SUPERIOR DE CIENCIAS DA SAUDE COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO DO TRABALHO E EDUCAÇÃO NA SAÚDE 1- Introdução: contextualização a iniciativa O curso

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Termo de Referência Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico No âmbito do Programa Pernambuco Trabalho e Empreendedorismo da Mulher conveniado

Leia mais

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca Projetos de informatização educacional Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca O uso do computador como instrumento de educação ainda não é uma realidade para muitos no Brasil, mas aqui

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

Dias 12 e 13 de fevereiro de 2014 João Pessoa - Paraíba

Dias 12 e 13 de fevereiro de 2014 João Pessoa - Paraíba Realização: Apoio Técnico e Institucional Secretaria do Estado da Educação Dias 12 e 13 de fevereiro de 2014 João Pessoa - Paraíba Dia 12 de fevereiro de 2014 15h Novas e antigas tecnologias devem se combinar

Leia mais

CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET

CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET 1 CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET 04/2007 Mílada Tonarelli Gonçalves CENPEC - Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EXTERNA DO PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR 1. Breve Histórico do Projeto de Cooperação Técnica

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS Perguntas mais frequente e respostas do Departamento de Políticas Educacionais. 1. Qual é a nomenclatura adequada para o primeiro ano do ensino fundamental

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO BÁSICA: EDUCAÇÃO BÁSICA: 1. Definir os padrões mínimos de qualidade estabelecidos pela LDB, considerando as especificidades

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico Secretaria de Educação a Distância Departamento de Planejamento em EAD Coordenação Geral de Planejamento de EAD Programa TV Escola Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola Projeto Básico

Leia mais

LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento

LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento PNE PME LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento locais e nacionais (prova Brasil e IDEB) 10% do

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO. Secretaria de Educação Especial/ MEC

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO. Secretaria de Educação Especial/ MEC POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO Secretaria de Educação Especial/ MEC Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva Objetivo Orientar os sistemas

Leia mais

ANEXO IV - Configuração tecnológica exigida... 15 ANEXO V Ficha de Inscrição... 16

ANEXO IV - Configuração tecnológica exigida... 15 ANEXO V Ficha de Inscrição... 16 EDITAL DE SELEÇÃO SUMÁRIO 1. Apresentação... 01 2. Objetivo geral... 04 3. Objetivo específico... 04 4. Duração... 04 5. Público-alvo... 04 6. Critérios de seleção dos municípios... 04 7. Contrapartidas

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS

A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS Prof. Dra. Simone Sendin Moreira Guimarães Instituto de Ciências Biológicas/ICB Universidade Federal

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO Projeto do Curso de Extensão ORGANIZAÇÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO

Leia mais

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 Modelo 2: resumo expandido de relato de experiência Resumo expandido O Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de São

Leia mais

Catálogo do Curso de Educação Ambiental Dimensões da Sustentabilidade na Escola

Catálogo do Curso de Educação Ambiental Dimensões da Sustentabilidade na Escola Catálogo do Curso de Educação Ambiental Dimensões da Sustentabilidade na Escola 1. Dados Gerais 1. Área Temática: Educação Ambiental 2. Nome do curso: Educação Ambiental: Dimensões da Sustentabilidade

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

EDITAL Nº 06 SECAD/MEC, DE 1º DE ABRIL DE 2009

EDITAL Nº 06 SECAD/MEC, DE 1º DE ABRIL DE 2009 EDITAL Nº 06 SECAD/MEC, DE 1º DE ABRIL DE 2009 SELEÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR PARA FOMENTO DA REDE DE EDUCAÇÃO PARA A DIVERSIDADE NO ÂMBITO DO SISTEMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UAB A União,

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES ATIVIDADES COMPLEMENTARES A partir das Diretrizes Curriculares, as Atividades Complementares constituem-se, também, em um dos componentes dos Cursos Superiores. As Diretrizes Curriculares objetivam servir

Leia mais

Instruções para preenchimento do formulário de CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO

Instruções para preenchimento do formulário de CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO Instruções para preenchimento do formulário de CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO As instruções a seguir orientam a elaboração de propostas de Cursos de Aperfeiçoamento para aprovação e registro no Sistema de Informações

Leia mais

A GESTÃO ADMINISTRATIVA DA SEB NO CONTEXTO DO PLANO DE AÇÕES ARTICULADAS PAR. Florianópolis/SC. Maio, 2014

A GESTÃO ADMINISTRATIVA DA SEB NO CONTEXTO DO PLANO DE AÇÕES ARTICULADAS PAR. Florianópolis/SC. Maio, 2014 A GESTÃO ADMINISTRATIVA DA SEB NO CONTEXTO DO PLANO DE AÇÕES ARTICULADAS PAR. Florianópolis/SC. Maio, 2014 SUM ÁRIO 1. Estrutura da SEB localização; 2. O PAR e o alcance das Metas do PNE; 3. Sistemática

Leia mais

PLANO NACIONAL DE DANÇA

PLANO NACIONAL DE DANÇA PLANO NACIONAL DE DANÇA I APRESENTAÇÃO II - DIRETRIZES E AÇÕES II HISTÓRICO DO SETOR NO PAÍS III DIAGNOSE DE POTENCIAL E PONTOS CRÍTICOS DO SETOR IV DADOS DO SETOR PARA O SISTEMA DE INFORMAÇÕES E INDICADORES

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.755, DE 29 DE JANEIRO DE 2009. Institui a Política Nacional de Formação de Profissionais do Magistério da Educação Básica,

Leia mais

REALIDADES, POSSIBILIDADES E PERSPECTIVAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

REALIDADES, POSSIBILIDADES E PERSPECTIVAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS REALIDADES, POSSIBILIDADES E PERSPECTIVAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MEC/SECADI/DPAEJA Insira O Brasil tem uma população de 42,3 milhões de pessoas com 15 anos ou mais de idade que não frequentam

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

EDITAL Nº 077/ 2014 EDITAL DE CHAMADA PARA SELEÇÃO DE ALUNOS PARA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO DE PRODUÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS EJA NA DIVERSIDADE

EDITAL Nº 077/ 2014 EDITAL DE CHAMADA PARA SELEÇÃO DE ALUNOS PARA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO DE PRODUÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS EJA NA DIVERSIDADE EDITAL Nº 077/ 2014 EDITAL DE CHAMADA PARA SELEÇÃO DE ALUNOS PARA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO DE PRODUÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS EJA NA DIVERSIDADE A Universidade Federal do Paraná (UFPR), por meio do, da

Leia mais

REGULAMENTO CURSO DESCENTRALIZADO

REGULAMENTO CURSO DESCENTRALIZADO REGULAMENTO CURSO DESCENTRALIZADO I Nome do curso PROTAGONISMO JUVENIL - GRÊMIO ESTUDANTIL E A FORMAÇÃO CIDADÃ NO ESPAÇO ESCOLAR II Apresentação: descrição do curso O curso capacitará os participantes

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO-GERAL DO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA ORIENTAÇÕES PARA

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica 15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME Política Nacional de Educação Infantil Mata de São João/BA Junho/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores urbanos e rurais

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA DE CRIAÇÃO: 29/07/2013

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA DE CRIAÇÃO: 29/07/2013 Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 07/08/2013-18:06:16 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO COM ÊNFASE EM ECONOMIA SOLIDÁRIA EJA CAMPO/ECOSOL Nível: Especialização Modalidade: Presencial / A distância

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO COM ÊNFASE EM ECONOMIA SOLIDÁRIA EJA CAMPO/ECOSOL Nível: Especialização Modalidade: Presencial / A distância EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO COM ÊNFASE EM ECONOMIA SOLIDÁRIA EJA CAMPO/ECOSOL Nível: Especialização Modalidade: Presencial / A distância Parte 1 Código / Área Temática 34/Educação de Jovens e

Leia mais

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP São Paulo - SP - maio 2011 Rita Maria Lino Tarcia, Universidade Federal

Leia mais