MODELAGEM DE UM MECANISMO DE PERCEPÇÃO-EM-AÇÃO PARA OS AGENTES DE SOFTWARE COGNITIVOS SITUADOS E EXTENSÃO DA ARQUITETURA ARTÍFICE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MODELAGEM DE UM MECANISMO DE PERCEPÇÃO-EM-AÇÃO PARA OS AGENTES DE SOFTWARE COGNITIVOS SITUADOS E EXTENSÃO DA ARQUITETURA ARTÍFICE"

Transcrição

1 ANDERSON GRANDI PIRES MODELAGEM DE UM MECANISMO DE PERCEPÇÃO-EM-AÇÃO PARA OS AGENTES DE SOFTWARE COGNITIVOS SITUADOS E EXTENSÃO DA ARQUITETURA ARTÍFICE Belo Horizonte MG Outubro de 2005

2 ANDERSON GRANDI PIRES MODELAGEM DE UM MECANISMO DE PERCEPÇÃO-EM-AÇÃO PARA OS AGENTES DE SOFTWARE COGNITIVOS SITUADOS E EXTENSÃO DA ARQUITETURA ARTÍFICE Dissertação apresentada ao Curso de Mestrado em Modelagem Matemática e Computacional do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais, como requisito parcial à obtenção do título de Mestre em Modelagem Matemática e Computacional. Linha de pesquisa: Sistemas Inteligentes Orientador: Prof. Dr. Henrique Elias Borges Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais Co-orientador: Prof. Dr. Paulo Eduardo Maciel de Almeida Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais MESTRADO EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Belo Horizonte MG Outubro de 2005

3 Folha de aprovação. Esta folha será fornecida pelo Programa de Pós-Graduação.

4 Dedico este trabalho à minha esposa, Eduarda, pela compreensão, paciência, apoio e dedicação oferecidos. À minha filha, Manoela, por se tornar uma das grandes motivações para a conclusão deste trabalho. À meus pais pela confiança e total apoio que sempre demonstraram no curso de toda minha vida.

5 Agradecimentos Ao meu orientador, Prof. Dr. Henrique Elias Borges, pela oportunidade de desenvolver uma pesquisa tão interessante e motivadora, que me possibilitou criar uma paixão intensa pela pesquisa e ciência. Ao meu co-orientador, Prof. Dr. Paulo Eduardo Maciel de Almeida, pela amizade e oportunidades de troca de informações. Também, pelas observações e conselhos a mim oferecidos durante todo o tempo em que este trabalho foi desenvolvido. Ao amigo Bruno André Santos pelas oportunidades de troca de informações, pelo auxílio na compreensão de inúmeros conceitos desenvolvidos neste trabalho e por compartilharmos momentos únicos de investigação científica. Ao amigo e eterno professor Diniz Félix dos Santos pela motivação, confiança e pela ajuda na compreensão de vários dos assuntos aqui abordados. À CAPES pelo apoio financeiro individual recebido. Ao CNPq pelo apoio financeiro do projeto ARTÍFICE, ao qual este trabalho faz parte. Ao Laboratório de Sistemas Inteligentes (LSI) pelos recursos para realização deste trabalho e pela oportunidade de realizar diversas outras investigações e troca de informações. Ao Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG) por participar, mais uma vez, da minha formação acadêmica e pessoal.

6 O que observamos não é a natureza em si, mas a natureza exposta ao nosso método de questionamento HEISENBERG, Werner

7 Resumo A metáfora do processamento de informações metáfora do computador como modelo para o funcionamento do sistema nervoso dos seres vivos tem recebido inúmeras críticas de abordagens que compreendem os processos relacionados à cognição sob uma perspectiva mais contemporânea. Entre as críticas apontadas a dissociação da percepção e da ação constitui um dos pontos que mais se destacam. Inúmeros estudos indicam que a percepção e a ação consistem de processos simultâneos, contínuos e inseparáveis entre si. Diante desse quadro, este trabalho propõe uma extensão da arquitetura ARTÍFICE para a criação de linhagens de Agentes de Software Cognitivos Situados (ASCS), bem como o desenvolvimento de um mecanismo de percepçãoem-ação para esses agentes que opere de modo imbricado. Para tanto, foi realizado um estudo da versão anteriormente disponível da arquitetura ARTÍFICE e uma revisão da literatura relativa às teorias contemporâneas da percepção e da cognição, buscando construir um referencial teórico-conceitual que pudesse embasar o trabalho proposto, nos contextos biológico, filosófico e tecnológico. A partir deste referencial foram elaborados os modelos conceitual e de projeto da nova versão da arquitetura, incluindo a modelagem do mecanismo de percepção-em-ação. Para possibilitar a imbricação, imprescindível para um mecanismo que implementa a percepção-em-ação, cada componente da estrutura interna dos ASCS é executado em uma linha de execução (thread) própria, no entanto, todos os componentes são mantidos acoplados entre si, o que implica que as leis de evolução de cada componente individual são codependentes dos estados dos demais componentes num certo instante. A arquitetura foi modelada de maneira flexível para permitir que os componentes possam ser implementados utilizando diferentes tipos de estruturas, dentre os quais: redes neurais artificiais, sistemas dinâmicos e autômatos finitos, sendo que este último foi completamente implementado no presente trabalho. Visando facilitar a utilização da arquitetura foi elaborada uma metodologia para a instanciação de aplicações. A partir da arquitetura e da metodologia desenvolvida foi criada uma aplicação simples na área de vida artificial (ALife), que serviu para validar as extensões efetuadas na arquitetura, mais especificamente, o funcionamento do mecanismo de percepção-em-ação, bem como a própria metodologia de instanciação proposta. Os comportamentos apresentados pelos ASCS neste mundo artificial criado, resultantes da operação do mecanismo de percepção-em-ação implementado, foram analisados e comparados àqueles dos seres vivos objetos de inspiração biológica da arquitetura. Desta análise, foi constatado algumas limitações no comportamento do agente, impostas tanto pelo domínio de aplicação escolhido, quanto pela simplicidade de implementação de alguns componentes desta aplicação. A despeito dessas limitações, os ASCS apresentaram condutas adequadas em seu ambiente artificial. Além disso, ficou demonstrado o correto funcionamento da arquitetura ARTÍFICE. PALAVRAS-CHAVE: agentes cognitivos, arquitetura de agentes de software, cognição situada, computação bioinspirada, percepção-em-ação, vida artificial.

8 Abstract When modeling the functioning of nervous systems of living beings, the information processing metaphor also known as the computer metaphor has received many criticisms from others approaches which treat the processes related to cognition under a more contemporary perspective. Amongst the criticisms, the dissociation of perception and action is one of greater relevance. A lot of studies indicate that perception and action are simultaneous, continuous, and inseparable processes. From this perspective, this work proposes an extension of the ARTÍFICE architecture for the creation of lineages of Cognitive Situated Software Agents (CSSA), as well as the development of a perception-in-action mechanism to these agents wich operates as an imbricated system. In order to accomplish this task, a literature review of the contemporary theories of perception and cognition from the biological, philosophical and technological perspectives was carried out aiming to constitute a solid theoretical background for this research project, as well as a detailed study of the previously available version of the architecture. From this theoretical basis, conceptual and design model for the new version of the architecture has been elaborated, including the modelling of the perception-in-action mechanism. To simulate the simultaneous and continuous dynamics of the CSSA internal components, wich is essential for a mechanism that implements perception-in-action, each component of the internal CSSA structure executes in its own proper execution context (i.e., its own thread). Nevertheless, all the components are kept coupled to each other, wich implies that the evolution laws for each individual component are co-dependent of the states of the others components at one specific moment. The architecture was modelled as flexible as possible to allow components to be implemented using different types of structures, such as selforganizing neural networks, dynamical systems and finite automata; where the last one was completely implemented in the present work. To facilitate the use of the architecture, a methodology for instantiationing applications was elaborated. Afterwards a simple application in the area or artificial life (ALife) was created, starting from both the architecture and the methodology developed. So, it became possible to validate the extensions implemented in the architecture, more specifically the functioning of the perception-in-action mechanism and the newly proposed instantiation methodology. The behaviours presented by the CSSA in this artificial world, resulting from the operation of the perception-in-action mechanism, were analyzed and compared with those of living beings the biological source of inspiration for the architecture. From this analysis, some limitations on agent behaviour were verified. It was noticed that limitations were imposed, on one hand, by the chosen application domain and, on the other hand, by the simplicity of implementation of some components of the application. In spite of these limitations, the CSSA performed as expected by an observer, presenting proper behaviours in the artificial environment. KEYWORDS: cognitive agents, software agent architecture, situated cognition, bioinspired computing, perception-in-action, artificial life.

9 Lista de Figuras 1 Abordagens para o desenvolvimento de mecanismos artificiais.... p Agente em seus domínios fenomênicos p Organização da dissertação p Proposta inicial para a arquitetura ARTÍFICE p Modelo da arquitetura retratando um ASCS-em-seu-ambiente.... p Conceito de estímulos incorporado ao modelo da arquitetura..... p Metáfora do computador como modelo da cognição p Organização do ASCS p Componentes do sistema nervoso p Componentes do sistema nervoso p Mapeamento das possibilidades de transição de estados de um autômato em uma matriz de adjacências p Árvore sintática utilizada para composição das regras dos autômatos p Organização hierárquica dos estímulos p Modelo conceitual da arquitetura ARTÍFICE versão p Dinâmica de evolução do mundo artificial p Ciclo de evolução dos componentes de um mundo artificial p Dinâmica da sensação de estímulos por parte das estruturas..... p Dinâmica da mudança de estados das estruturas p Modelo de projeto da árvore sintática abstrata p Dinâmica do acoplamento entre as estruturas p Dinâmica da percepção-em-ação p. 71

10 22 Modelo esquemático da percepção-em-ação p Modelo de projeto preliminar da arquitetura ARTÍFICE p Pacote da estrutura autômato finitos p Pacote de ferramentas para manipulação dos autômatos p Organização da estrutura do ASCS em pacotes p Organização hierárquica dos estímulos e o respectivo pacote stimuli. p Pacote design (organização atual) p Modelo conceitual do Mundo Artificial p Modelo esquemático do Mundo Artificial p Componentes do ALifeWorld p Especialização da hierarquia de estímulos com a criação de estímulo visual p Alguns componentes do sistema nervoso dos ASCS p Componentes do sistema periférico do agente p Organização da hierarquia de estruturas definidas p Autômato de translação: estados e regras de transição p Autômato de visão: estados e regras de transição p Autômato de rotação: estados e regras de transição p Autômato emocional: estados e regras de transição p Discretização do campo de visão em regiões p Exemplo da evolução da estrutura interna do ASCS p Modelo de projeto da classe ALifeWorld p Especializações dos componentes sensores e efetores p Extensões do sistema periférico do agente p Estratégia utilizada pelo componente emocional p Estruturas definidas para o domínio de aplicação p. 98

11 47 Modelagem explícita do autômato emocional p Matriz de adjacências da estrutura do componente emocional..... p Pacote que representa a camada de apresentação do domínio de aplicação p Pacote design criado em simetria ao pacote de mesmo nome no modelo da arquitetura p Organização em pacotes do mundo artificial p Domínio das relações e interações do ASCS p Possibilidades de locomoção do ASCS p Possibilidades reais de locomoção do ASCS p Percurso do agente com probabilidade uniforme para os estados do autômato de rotação p Percurso do agente com probabilidade maior para o estado NR do autômato de rotação p Ampliação da tela gráfica com ênfase no rastro deixado pelo agente com distribuição uniforme das probabilidades p Ampliação da tela gráfica com ênfase no rastro deixado pelo agente com probabilidade maior para o estado NR do autômato de rotação p Posição e disposição iniciais do ASCS nas simulações p Algumas simulações com o percurso efetuado pelo ASCS p Desenvolvimento do trabalho p Modelo de projeto da arquitetura ARTÍFICE p Modelo de projeto da instância da arquitetura ARTÍFICE ALifeWord p. 127

12 Lista de Tabelas 1 Tabela de estados dos componentes da estrutura interna dos ASCS. p Tabela de estados globais do agente e a respectiva definição de estabilidade p. 88

13 Lista de Abreviaturas e Siglas AF autômatos finitos ALife vida artificial (do inglês, Artificial Life) ASCS Agentes de Software Cognitivos Situados CSSA Cognitive Situated Software Agents CVS Concurrent Versions System FPGA Field-Programmable Gate Array GBSB Generalized Brain-State-in-a-Box GPSI Grupo de Pesquisa em Sistemas Inteligentes HTML Hypertext Markup Language IA inteligência artificial JVM máquina virtual Java (do inglês, Java virtual machine) LSI Laboratório de Sistemas Inteligentes RNA redes neurais artificiais TNGS teoria de seleção dos grupos neuronais (do inglês, Theory of Neuronal Group Selection) TSD teoria dos sistemas dinâmicos UML linguagem de modelagem unificada (do inglês, Unified Modeling Language)

14 Sumário 1 INTRODUÇÃO p O problema de pesquisa p Relevância p Objetivos p Metodologia p Organização da dissertação p FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA p Arquitetura ARTÍFICE p Teorias da percepção p As teorias da percepção revisitadas p A percepção aplicada ao desenvolvimento de mecanismos artificiais p Domínio de aplicação p Considerações finais p MODELAGEM DE UM MECANISMO DE PERCEPÇÃO-EM-AÇÃO PARA OS AGENTES DE SOFTWARE COGNITIVOS SITUADOS p Modelagem conceitual da arquitetura ARTÍFICE versão p Projeto de um mecanismo de percepção-em-ação p Dinâmica da operação dos ASCS p Dinâmica do mecanismo de percepção-em-ação p Algumas considerações a respeito do projeto da arquitetura.. p. 75

15 3.3 Considerações finais p ALIFEWORLD: UMA APLICAÇÃO EM VIDA ARTIFICIAL p Modelagem da estrutura interna dos Agentes de Software Cognitivos Situados p Modelo de projeto do mundo artificial e de seus respectivos elementos p Modelo de projeto da estrutura interna dos Agentes de Software Cognitivos Situados p Alguns aspectos a respeito do projeto do mundo artificial... p Considerações finais p RESULTADOS: ANÁLISE E DISCUSSÃO p Considerações finais p CONCLUSÃO p Dificuldades encontradas p Trabalhos futuros p Considerações finais p. 119 Referências p. 120 Anexo A -- Modelo de projeto da arquitetura ARTÍFICE p. 126 Anexo B -- Modelo de projeto da instância da arquitetura ALifeWorld p. 127 Anexo C -- Metodologia para criação de uma instância da arquitetura p. 128 C.1 Definição das características do domínio de aplicação p. 128 C.2 Definição dos componentes participantes da estrutura interna do ASCSp. 129 C.3 Estabelecimento da dinâmica estrutural interna dos componentes.. p. 130 Índices p. 132

16 Índice Onomástico p. 132 Índice Remissivo p. 134

17 16 1 INTRODUÇÃO A tempos que os seres humanos procuram desenvolver artefatos que utilizam os seres vivos como objeto de inspiração. Inúmeros desenvolvimentos foram feitos nessa direção, entre eles: os robôs insetos (BEER et al., 1997; KINGSLEY; QUINN, 2001; MORREY et al., 2003) e os robôs humanóides (BROOKS, 2002). Um dos aspectos que influencia diretamente o resultado desses desenvolvimentos se refere ao estatuto ontológico 1 e ao princípio epistemológico 2 utilizado na concepção de tais artefatos. De acordo com o paradigma escolhido para o projeto dos artefatos, determinados resultados são mais prováveis de serem alcançados em detrimento de outros. As ciências cognitivas constituem um amplo conjunto de disciplinas que se interessam por estudos relacionados à filosofia da mente (DUPUY, 1996; GARDNER, 2003; VARELA; THOMPSON; ROSCH, 2003). Entre essas disciplinas, encontra-se a área de estudo da inteligência artificial (IA), área na qual um esforço considerável já foi empregado na confecção de mecanismos inspirados nos seres vivos, embora a maior parcela desse desenvolvimento se encontre no âmbito de abordagens consideradas tradicionais (RUMELHART, 1989; BICKARD; TERVEEN, 1995). Em decorrência dessas pesquisas, um vasto material de referência, relativo ao desenvolvimento de componentes tradicionais, foi produzido. As abordagens consideradas tradicionais são baseadas nos princípios da objetividade, sendo freqüentemente denotadas de abordagens representacionistas. Nessas abordagens o conhecimento é representado por um conjunto de símbolos e as regras que os manipulam (programa de pesquisa cognitivista) ou por um conjunto de pesos sinápticos entre unidades funcionais concebidos em analogia aos neurônios naturais (programa de pesquisa conexionista). Essas abordagens são consideradas simbólicas por criarem representações internas das propriedades das entidades do mundo externo. 1 ramo da filosofia referente às reflexões sobre o ser. 2 ramo da filosofia que procura explicar o fenômeno do conhecer.

18 1 INTRODUÇÃO 17 Entre as áreas de estudo da IA encontram-se aquelas que desenvolvem mecanismos físicos (robots) e outras que se concentram no desenvolvimento de artefatos de software (softbots). Em se tratando de robots, alguns trabalhos utilizando teorias que abordam o fenômeno cognitivo numa perspectiva contemporânea, numa área que vem sendo conhecida como robótica co-evolucionária, encontram-se em desenvolvimento. Dentre esses, destacam-se: a arquitetura subsumption de Brooks (1986), a neuroetologia computacional de Cliff (1990) e os trabalhos de robótica situada de Matarić (2002). Esses trabalhos se desenvolvem em uma perspectiva situada com relação ao ser e o seu ambiente. Essas abordagens contemporâneas, também denotadas de abordagens situacionistas, são baseadas nos princípios da não-objetividade e, sendo assim, comumente referenciadas como abordagens não-representacionistas. Por não compartilharem dos conceitos de representação, as abordagens situacionistas são não-simbolistas. Desse modo, os mecanismos desenvolvidos nessas abordagens não representam o mundo em que habitam mas criam-no dinamicamente a partir da interação com ele. As abordagens situacionistas compreendem a inseparabilidade ser-ambiente como uma característica essencial para o fenômeno da cognição, o que as caracterizam como abordagens holísticas ou ecológicas. A figura 1 apresenta um paralelo entre as abordagens tradicionais e situacionistas. Figura 1: Abordagens para o desenvolvimento de mecanismos artificiais O desenvolvimento de mecanismos inteligentes pode ser baseado nas abordagens

19 1 INTRODUÇÃO 18 denominadas tradicionais ou nas abordagens consideradas contemporâneas (situacionistas). No âmbito das abordagens tradicionais dois programas de pesquisa se destacam: o cognitivismo e o conexionismo. No cognitivismo, a cognição é compreendida em analogia à manipulação de símbolos como a dos computadores digitais. Esse programa de pesquisa normalmente utiliza o modelo computacional dos sistemas especialistas para armazenar o conhecimento do sistema. No conexionismo, a cognição consiste da emergência de estados globais em uma rede de componentes simples, semelhantes a neurônios. Nesse programa de pesquisa são utilizados modelos computacionais baseados na conectividade desses componentes (redes neurais artificiais). As abordagens situacionistas, por sua vez, compreendem a cognição de maneira situada e com isso apresentam uma perspectiva diferente daquela utilizada pelas abordagens tradicionais para a constituição dos mecanismos. A arquitetura subsumption elaborada por Brooks (1986), a arquitetura ARTÍFICE concebida por Santos (2003) e a neuroetologia computacional formulada por Cliff (1990) consistem de alguns modelos computacionais desenvolvidos no âmbito das abordagens situacionistas. A caracterização de uma abordagem como tradicional ou situacionista não está relacionada ao caráter temporal, mas sim à fundamentação que embasa essa abordagem. Senso assim, abordagens desenvolvidas recentemente podem compartilhar das características das abordagens tradicionais e, devido a isso, não serem consideradas abordagens contemporâneas (situacionistas). O termo abordagem contemporânea, quando utilizado para caracterizar as abordagens situacionistas, não está relacionado à abordagens novas (recentes), mas sim à abordagens que compartilham os fundamentos teórico-conceituais das abordagens situacionistas. Entretano, o termo contemporâneo tem sido utilizado devido ao fato de que somente recentemente essas teorias tem despertado um interesse maior dos pesquisadores para utilização desses fundamentos no desenvolvimento de mecanismos inteligentes. Na perspectiva dos softbots, pesquisas têm sido desenvolvidas por intermédio de agentes de software (FRANKLIN, 1995; FRANKLIN; GRAESSER, 1997; RUSSELL; NOR- VIG, 2003). Um consenso para a definição do termo agentes de software ainda não foi estabelecido, o que o possibilita ser conotado de acordo com o contexto em que o mesmo se apresenta. Embora inúmeras pesquisas utilizando agentes de software tenham sido realizadas, o desenvolvimento de agentes que compartilham os conceitos das abordagens contemporâneas para o fenômeno da cognição ainda é incipiente. Este trabalho encontra-se inserido no contexto do projeto ARTÍFICE Arquitetura

20 1 INTRODUÇÃO 19 Flexível para a Criação de Linhagens de Agentes de Software Cognitivos e Situados (BORGES, 2002), o qual vem sendo desenvolvido pelo Grupo de Pesquisa em Sistemas Inteligentes (GPSI) no Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG). Um dos objetivos desse projeto é o desenvolvimento de referenciais teórico-conceituais relativos aos Agentes de Software Cognitivos Situados doravante referenciados como ASCS. Em Santos (2003) é apresentada uma revisão de literatura a respeito do desenvolvimento de agentes de software, incluindo uma contextualização dos Agentes de Software Cognitivos Situados. Os Agentes de Software Cognitivos Situados (ASCS) estão fundamentados em teorias contemporâneas das ciências cognitivas, algumas das quais denominadas: Biologia do Conhecer (MATURANA; VARELA, 2003), Cognição Situada (CLANCEY, 1997), Enaction (VARELA; THOMPSON; ROSCH, 2003) e Teoria de Seleção dos Grupos Neuronais (EDELMAN, 1987). A recontextualização adequada dos fundamentos advindos das mais diversas teorias da cognição possibilita a criação de linhagens de agentes de software que, sob a perspectiva contemporânea, apresentam comportamentos emergentes, resultantes de processos cognitivos. Em conseqüência disso, inúmeras teorias contribuem para a formação do arcabouço teórico-conceitual em desenvolvimento no projeto ARTÍFICE (BORGES, 2002). Em cada teoria, os aspectos mais relevantes são utilizados como inspiração para a elaboração de uma arquitetura, a qual permitirá a criação dos ASCS. O termo cognição situada tem sido utilizado para caracterizar o desenvolvimento de componentes de hardware e/ou software que utilizam os conceitos das teorias contemporâneas da cognição como referencial teórico-conceitual. A utilização do termo cognição situada para denotar esse tipo de desenvolvimento se deve, possivelmente, ao fato desse termo ter sido denotado no contexto computacional, o que não acontece, por exemplo, com a Biologia do Conhecer que possui um caráter biológico. Embora essas diversas teorias contemporâneas abordem o fenômeno da cognição sob perspectivas diferentes, as mesmas compartilham bases ontológicas e princípios epistemológicos semelhantes. Assim, tais teorias podem ser utilizadas no mundo do hardware/software através de uma transferência (recontextualização) de seus conceitos. Também, neste trabalho, o termo cognição situada será utilizado para se referir a esse conjunto de teorias que estudam o fenômeno da cognição a partir de uma perspectiva contemporânea. Assim, a denominação Agentes de Software Cognitivos Situados pretende estabelecer uma clara distinção, de princípios e constituição, dos demais agentes de software, esses por alguns denominados, agentes de software

21 1 INTRODUÇÃO 20 inteligentes. A inclusão do termo Cognitivos Situados na denotação de tais agentes busca, explicitamente, indicar que os mesmos utilizam os conceitos da cognição situada. Em Santos (2003, p. 60), é estabelecido um conjunto de propriedades que um agente de software precisa satisfazer para ser referenciado como ASCS. É importante salientar que tais propriedades não são intrínsecas elas constituem uma descrição, na linguagem, feita por um observador. Um ASCS existe apenas, e tão somente, em acoplamento estrutural (MATURANA; VA- RELA, 2003, p. 87) com seu meio ambiente, nesse caso, um mundo artificial. Ambos, agente e mundo, evoluem de modo imbricado (co-evoluem). Devido ao fato do projeto ARTÍFICE buscar a construção de uma arquitetura para desenvolvimento de mecanismos de software, o mundo real não precisa ser simulado, pois tal mundo constitui o próprio mundo virtual (artificial), sendo o sujeito referenciado um agente de software (TERRA; GRANDI; BORGES, 2004). Face ao exposto, ao se mencionar um ASCS referencia-se, implicitamente, um ASCS-em-seu-ambiente. Conforme apresentado em Santos (2003), um ASCS pode existir em dois domínios o domínio das relações e interações e o domínio de sua dinâmica estrutural (Figura 2). No primeiro, também referenciado como domínio comportamental, o ASCS se apresenta como uma totalidade, ou seja, uma unidade simples. Através do mecanismo de distinção (MATURANA; VARELA, 2003, p. 47), um ASCS pode identificar as demais entidades inseridas no meio em que se encontra. Nesse domínio, tanto os ASCS quanto os demais entes são descritos como totalidades. É no domínio das relações e interações que um observador poderá, utilizando seu próprio mecanismo de distinção, examinar o operar de um ASCS, ou seja, os comportamentos de um ASCS em operação. Por outro lado, no domínio da dinâmica estrutural interna, o ASCS é compreendido como uma composição unidade composta de vários componentes e suas correlações. Os componentes do ASCS, nesse domínio, participam da dinâmica interna do agente possibilitando a emergência de comportamentos observáveis no domínio comportamental. As alterações, por evolução, da estrutura interna de um agente não determinam o comportamento do mesmo mas, sim, geram-no, no domínio das relações e interações. Estes dois domínios são ortogonais, o que acarreta na impossibilidade da definição de um domínio a partir do outro (MATURANA; VARELA, 2003). De acordo com o exposto, um ASCS é compreendido como uma composição no domínio de sua dinâmica estrutural. Através de um processo de distinção recursiva sobre

22 1 INTRODUÇÃO 21 Figura 2: Agente em seus domínios fenomênicos Fonte SANTOS, 2003, p. 59. um agente, é possível a identificação (distinção) das partes componentes do mesmo. Internamente, os diversos componentes estão fortemente correlacionados, sendo codependentes. Dessa maneira, mudanças estruturais em um dado componente são refletidas no todo mudanças ocorrem simultaneamente. Um ASCS pode ser composto de outros agentes além de componentes cognitivos e não-cognitivos. A viabilidade de se compor um agente a partir de outros pode representar uma das possibilidades de criação de sistemas multiagentes. Os componentes cognitivos dos ASCS são análogos aos componentes constituintes do sistema nervoso de um ser vivo (realizam funções cognitivas). Por outro lado, os componentes não-cognitivos assemelham-se aos demais órgãos que compõem um organismo vivo, não estando diretamente relacionados às funções cognitivas do mesmo. A principal inspiração para a constituição da estrutura interna dos ASCS advém da teoria de seleção dos grupos neuronais (TNGS), formulada por Edelman (1987). Em Santos (2003) são apresentados os conceitos essenciais dessa teoria, além de uma recontextualização dos mesmos para utilização no escopo do projeto ARTÍFICE. O processo de interação do agente com o seu ambiente é possibilitado pelos componentes cognitivos denominados sensores e efetores. Esses componentes participam da estrutura interna dos ASCS, formando uma interface entre os sistemas nervoso e periférico. Tais componentes são responsáveis pela dinâmica de mudanças entre o agente e seu ambiente. A apresentação de um comportamento observável, no domínio comportamental, surge através de uma correlação sensório-efetora, modulada emocionalmente, possibilitada por componentes correlacionadores da estrutura interna dos ASCS. Essas correlações internas correspondem aos processos cogni-

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS RESUMO Este artigo apresenta a especificação de um sistema gerenciador de workflow, o ExPSEE, de acordo com a abordagem de desenvolvimento baseado

Leia mais

Projeto de Serviços: proposta de modelo teórico para sites de compras coletivas

Projeto de Serviços: proposta de modelo teórico para sites de compras coletivas Iris Campos Martins Projeto de Serviços: proposta de modelo teórico para sites de compras coletivas Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

Modelagem OO com UML. Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza

Modelagem OO com UML. Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza Modelagem OO com UML Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza Departamento de Informática Centro Tecnológico Universidade Federal do Espírito Santo Modelos Maneira

Leia mais

Uma arquitetura baseada em agentes de software para a automação de processos de gerênciadefalhasemredesde telecomunicações

Uma arquitetura baseada em agentes de software para a automação de processos de gerênciadefalhasemredesde telecomunicações Adolfo Guilherme Silva Correia Uma arquitetura baseada em agentes de software para a automação de processos de gerênciadefalhasemredesde telecomunicações Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - MÓDULO 3 - MODELAGEM DE SISTEMAS ORIENTADA A OBJETOS COM UML 1. INTRODUÇÃO A partir de 1980, diversos métodos de desenvolvimento de sistemas surgiram para apoiar o paradigma orientado a objetos com uma

Leia mais

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade;

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; 1 ARQUITETURA E DESIGN DE SOFTWARE O que é Arquitetura? do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; do dicionário: Arte de projetar e construir prédios,

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS / INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio Professor: Clarindo Isaías Pereira

Leia mais

PALOMA MAIRA DE OLIVEIRA UMA APLICAÇÃO EM 3D DE VIDA ARTIFICIAL BASEADA EM AGENTES DE SOFTWARE COGNITIVOS E SITUADOS

PALOMA MAIRA DE OLIVEIRA UMA APLICAÇÃO EM 3D DE VIDA ARTIFICIAL BASEADA EM AGENTES DE SOFTWARE COGNITIVOS E SITUADOS PALOMA MAIRA DE OLIVEIRA UMA APLICAÇÃO EM 3D DE VIDA ARTIFICIAL BASEADA EM AGENTES DE SOFTWARE COGNITIVOS E SITUADOS Belo Horizonte - MG Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais Agosto de

Leia mais

Marcelo Novaes Coutinho. Um Processo de Gerência de Estratégia de Rastreabilidade: Um Caso em Ambiente Oracle. Dissertação de Mestrado

Marcelo Novaes Coutinho. Um Processo de Gerência de Estratégia de Rastreabilidade: Um Caso em Ambiente Oracle. Dissertação de Mestrado Marcelo Novaes Coutinho Um Processo de Gerência de Estratégia de Rastreabilidade: Um Caso em Ambiente Oracle Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau

Leia mais

Wilson Moraes Góes. Novatec

Wilson Moraes Góes. Novatec Wilson Moraes Góes Novatec Copyright 2014 Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer processo,

Leia mais

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 ARQUITETURA DE COMPUTADORES... 4 02 FILOSOFIA... 4 03 FUNDAMENTOS MATEMÁTICOS PARA COMPUTAÇÃO...

Leia mais

Table 1. Dados do trabalho

Table 1. Dados do trabalho Título: Desenvolvimento de geradores de aplicação configuráveis por linguagens de padrões Aluno: Edison Kicho Shimabukuro Junior Orientador: Prof. Dr. Paulo Cesar Masiero Co-Orientadora: Prof a. Dr. Rosana

Leia mais

ERACE-TOOL - UMA FERRAMENTA BASEADA EM CENÁRIOS PARA À ENGENHARIA DE REQUISITOS

ERACE-TOOL - UMA FERRAMENTA BASEADA EM CENÁRIOS PARA À ENGENHARIA DE REQUISITOS ERACE-TOOL - UMA FERRAMENTA BASEADA EM CENÁRIOS PARA À ENGENHARIA DE REQUISITOS João Caldas Júnior FIL- Fundação Paulista de Educação e Tecnologia Paulo C. Masiero ICMC - Universidade de São Paulo masiero@icmsc.sc.usp.br

Leia mais

Geração automática de suíte de teste para GUI a partir de Rede de Petri

Geração automática de suíte de teste para GUI a partir de Rede de Petri Raquel Jauffret Guilhon Geração automática de suíte de teste para GUI a partir de Rede de Petri Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre pelo

Leia mais

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho.

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. - DSI DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. Preocupação: Problema técnicos Mudança na natureza e conteúdo do trabalho

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

Desenvolvimento de uma Plataforma Gráfica para a Descrição de Modelos de Sistemas Ambientais

Desenvolvimento de uma Plataforma Gráfica para a Descrição de Modelos de Sistemas Ambientais Desenvolvimento de uma Plataforma Gráfica para a Descrição de Modelos de Sistemas Ambientais Tiago F. M. Lima 1,2, Tiago G. S. Carneiro 2, Sérgio D. Faria 3 1 Programa de Pós-Graduação em Análise e Modelagem

Leia mais

3 OOHDM e SHDM 3.1. OOHDM

3 OOHDM e SHDM 3.1. OOHDM 32 3 OOHDM e SHDM Com a disseminação em massa, desde a década de 80, de ambientes hipertexto e hipermídia, principalmente a Web, foi identificada a necessidade de elaborar métodos que estruturassem de

Leia mais

Desenvolvimento de um Mecanismo Atencional-Motivacional-Emocional para Organismos Artificiais: uma abordagem a partir da cognição situada

Desenvolvimento de um Mecanismo Atencional-Motivacional-Emocional para Organismos Artificiais: uma abordagem a partir da cognição situada Daniela Costa Terra Desenvolvimento de um Mecanismo Atencional-Motivacional-Emocional para Organismos Artificiais: uma abordagem a partir da cognição situada Belo Horizonte MG Dezembro de 2007 Daniela

Leia mais

LUCIANA MARIA DE ASSIS CAMPOS MODELAGEM DO PROCESSO COGNITIVO-EMOCIONAL DE UM ORGANISMO ARTIFICIAL NUMA PERSPECTIVA DINÂMICO-INTERACIONISTA

LUCIANA MARIA DE ASSIS CAMPOS MODELAGEM DO PROCESSO COGNITIVO-EMOCIONAL DE UM ORGANISMO ARTIFICIAL NUMA PERSPECTIVA DINÂMICO-INTERACIONISTA LUCIANA MARIA DE ASSIS CAMPOS MODELAGEM DO PROCESSO COGNITIVO-EMOCIONAL DE UM ORGANISMO ARTIFICIAL NUMA PERSPECTIVA DINÂMICO-INTERACIONISTA Belo Horizonte MG Agosto de 2006 LUCIANA MARIA DE ASSIS CAMPOS

Leia mais

Algumas propriedades dos objetos:

Algumas propriedades dos objetos: Orientação a Objetos Vivemos num mundo de objetos. Esses objetos existem na natureza, nas entidades feitas pelo homem, nos negócios e nos produtos que usamos. Eles podem ser categorizados, descritos, organizados,

Leia mais

Um Modelo de Componentes de Software com Suporte a Múltiplas Versões

Um Modelo de Componentes de Software com Suporte a Múltiplas Versões Hugo Roenick Um Modelo de Componentes de Software com Suporte a Múltiplas Versões Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pós graduação em Informática do Departamento de Informática

Leia mais

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia.

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia. 1 Introdução aos Sistemas de Informação 2002 Aula 4 - Desenvolvimento de software e seus paradigmas Paradigmas de Desenvolvimento de Software Pode-se considerar 3 tipos de paradigmas que norteiam a atividade

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

Andrew Diniz da Costa. Automação do Processo de Gerência do Teste de Software. Tese de Doutorado

Andrew Diniz da Costa. Automação do Processo de Gerência do Teste de Software. Tese de Doutorado Andrew Diniz da Costa Automação do Processo de Gerência do Teste de Software Tese de Doutorado Tese apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Doutor pelo Programa de Pós-graduação em

Leia mais

IC Inteligência Computacional Redes Neurais. Redes Neurais

IC Inteligência Computacional Redes Neurais. Redes Neurais Universidade Federal do Rio de Janeiro PÓS-GRADUAÇÃO / 2008-2 IC Inteligência Computacional Redes Neurais www.labic.nce.ufrj.br Antonio G. Thomé thome@nce.ufrj.br Redes Neurais São modelos computacionais

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA

UNIVERSIDADE DE LISBOA UNIVERSIDADE DE LISBOA Faculdade de Ciências Departamento de Informática SOLUÇÃO MIDDLEWARE PARA INTEGRAÇÃO COM SISTEMA LEGACY Rui Manuel Correia Sá Gonçalves TRABALHO DE PROJETO Versão Pública MESTRADO

Leia mais

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Otavio Rezende da Silva Uma Arquitetura para Sistemas Multi- Agentes Baseada em Espaços de Tuplas Reflexivos DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Programa de Pós-Graduação em Informática Rio de Janeiro, dezembro de

Leia mais

PROTÓTIPO DE SOFTWARE PARA APRENDIZAGEM DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS

PROTÓTIPO DE SOFTWARE PARA APRENDIZAGEM DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS Anais do XXXIV COBENGE. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo, Setembro de 2006. ISBN 85-7515-371-4 PROTÓTIPO DE SOFTWARE PARA APRENDIZAGEM DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS Rejane de Barros Araújo rdebarros_2000@yahoo.com.br

Leia mais

PX: Um Processo de Desenvolvimento de Software Adaptado para Projetos de Pequeno Porte

PX: Um Processo de Desenvolvimento de Software Adaptado para Projetos de Pequeno Porte PX: Um Processo de Desenvolvimento de Software Adaptado para Projetos de Pequeno Porte Renata Burmeister Bäuerle Faculdade de Informática Centro Universitário Ritter dos Reis (UniRitter) 98.840-440 Porto

Leia mais

guia prático 2a Edição Gilleanes T.A. Guedes Novatec

guia prático 2a Edição Gilleanes T.A. Guedes Novatec guia prático 2a Edição Gilleanes T.A. Guedes Novatec Copyright 2007, 2014 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta

Leia mais

O Poder da Tecnologia de Workflow e dos Mapas Conceituais no Processo de Ensino e Aprendizagem da UML

O Poder da Tecnologia de Workflow e dos Mapas Conceituais no Processo de Ensino e Aprendizagem da UML O Poder da Tecnologia de Workflow e dos Mapas Conceituais no Processo de Ensino e Aprendizagem da UML Simone Sawasaki Tanaka 1,2, Rodolfo Miranda de Barros 1, Sergio Akio Tanaka 2 1 Universidade Estadual

Leia mais

Ontologia Aplicada ao Desenvolvimento de Sistemas de Informação sob o Paradigma da Computação em Nuvem

Ontologia Aplicada ao Desenvolvimento de Sistemas de Informação sob o Paradigma da Computação em Nuvem Ontologia Aplicada ao Desenvolvimento de Sistemas de Informação sob o Paradigma da Computação em Nuvem Luiz Cláudio Hogrefe Orientador: Prof. Roberto Heinzle, Doutor Roteiro Introdução Fundamentação teórica

Leia mais

2. Energia Eólica em uma Empresa e sua Viabilização

2. Energia Eólica em uma Empresa e sua Viabilização 2. Energia Eólica em uma Empresa e sua Viabilização 2.1. Definições Para utilização de conversores de energia eólica numa empresa, a avaliação exata da vida útil de seus componentes estruturais e de todo

Leia mais

SISTEMATIZAÇÂO DOS TIPOS DE INFORMAÇÂO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL E DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO E COMUNICAÇÂO

SISTEMATIZAÇÂO DOS TIPOS DE INFORMAÇÂO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL E DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO E COMUNICAÇÂO SISTEMATIZAÇÂO DOS TIPOS DE INFORMAÇÂO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL E DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO E COMUNICAÇÂO Danilo Freitas Silvas Sistemas de informação CEATEC danilofs.ti@gmail.com Resumo:

Leia mais

Uma Extensão da Disciplina de Requisitos do OpenUP/Basic para a Construção de Ontologias Aplicadas à Web Semântica

Uma Extensão da Disciplina de Requisitos do OpenUP/Basic para a Construção de Ontologias Aplicadas à Web Semântica SEMINÁRIO DE PESQUISA EM ONTOLOGIA NO BRASIL 11 e 12 de Agosto Universidade Federal Fluminense Departamento de Ciência da Informação Niterói Rio de Janeiro Brasil [X] Tema 2 Técnicas e Ferramentas em Ontologias

Leia mais

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo?

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo? O que é a UML? Introdução a UML Linguagem Gráfica de Modelagem para: Visualizar Especificar Construir Documentar Comunicar Artefatos de sistemas complexos Linguagem: vocabulário + regras de combinação

Leia mais

O modelo unificado de processo. O Rational Unified Process, RUP.

O modelo unificado de processo. O Rational Unified Process, RUP. Cursos: Sistemas de Informação Disciplina: Administração ADM Prof. Jarbas Avaliação: Prova B1, 5º/6º semestres Data: 27/09/2010 Nome: Gabarito RA: Assinatura: Turma: 1) Segundo as afirmações a seguir,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora OpenGL Uma Abordagem Prática e Objetiva Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour Novatec Editora Capítulo 1 Introdução A Computação Gráfica é uma área da Ciência da Computação que se dedica ao estudo e ao desenvolvimento

Leia mais

8 Considerações finais

8 Considerações finais 8 Considerações finais Neste trabalho, propusemo-nos a elaborar uma ferramenta epistêmica de apoio ao design de SiCo s, fundamentada na EngSem, que ajude o designer a elaborar seu projeto da comunicação

Leia mais

UM PROTÓTIPO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE BIBLIOTECAS POR MEIO DE PÁGINAS WEB DINÂMICAS 1

UM PROTÓTIPO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE BIBLIOTECAS POR MEIO DE PÁGINAS WEB DINÂMICAS 1 UM PROTÓTIPO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE BIBLIOTECAS POR MEIO DE PÁGINAS WEB DINÂMICAS 1 Daniel de Faveri HONORATO 2, Renato Bobsin MACHADO 3, Huei Diana LEE 4, Feng Chung WU 5 Escrito para apresentação

Leia mais

UML 2. Guia Prático. Gilleanes T.A. Guedes. Novatec. Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2

UML 2. Guia Prático. Gilleanes T.A. Guedes. Novatec. Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2 UML 2 Guia Prático Gilleanes T.A. Guedes Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2 Novatec capítulo 1 Introdução à UML A UML (Unified Modeling Language ou Linguagem de Modelagem

Leia mais

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML.

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML. APLICAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS PARA COMPREENSÃO DE DOMÍNIO DO PROBLEMA PARA SISTEMA DE CONTROLE COMERCIAL LEONARDO DE PAULA SANCHES Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas RENAN HENRIQUE

Leia mais

Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação

Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação Use of UML modeling in a management system for a food franchising Richard B. N. Vital, Tatiane M. Vital.

Leia mais

Capítulo 1. Introdução. 1.1 Linguagens. OBJETIVOS DO CAPÍTULO Ao final deste capítulo você deverá ser capaz de:

Capítulo 1. Introdução. 1.1 Linguagens. OBJETIVOS DO CAPÍTULO Ao final deste capítulo você deverá ser capaz de: i Sumário 1 Introdução 1 1.1 Linguagens....................................... 1 1.2 O que é um Compilador?................................ 2 1.3 Processadores de Programas: Compiladores, Interpretadores

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS Lilian R. M. Paiva, Luciene C. Oliveira, Mariana D. Justino, Mateus S. Silva, Mylene L. Rodrigues Engenharia de Computação - Universidade de Uberaba (UNIUBE)

Leia mais

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas.

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas. UTILIZAÇÃO DA UML NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE CONTROLE DE VENDAS E ESTOQUE GILBERTO FRANCISCO PACHECO DOS SANTOS Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas JACKSON LUIZ ARROSTI Discente

Leia mais

Introdução a UML. Hélder Antero Amaral Nunes haanunes@gmail.com

Introdução a UML. Hélder Antero Amaral Nunes haanunes@gmail.com Introdução a UML Hélder Antero Amaral Nunes haanunes@gmail.com Introdução a UML UML (Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada) é uma linguagem-padrão para a elaboração da estrutura de

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE RESUMO Carlos Eduardo Spolavori Martins 1 Anderson Yanzer Cabral 2 Este artigo tem o objetivo de apresentar o andamento de uma pesquisa

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC CURSO: Bacharelado em Ciência da Computação DISCIPLINA: ANPS Análise e Projeto de Sistemas AULA NÚMERO: 3 DATA: PROFESSOR: Murakami Sumário 1 APRESENTAÇÃO...1 2 DESENVOLVIMENTO...1 2.1 Revisão...1 2.1.1

Leia mais

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Software Sequencia de Instruções a serem seguidas ou executadas Dados e rotinas desenvolvidos por computadores Programas

Leia mais

Unified Software Development Process

Unified Software Development Process 59/170 Unified Software Development Process Sumário Breve história do Unified Process O Unified Process O ciclo de vida do Unified Process O RUP (Rational Unified Process) 60/170 Breve História do Unified

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE SOFTWARE

CONSTRUÇÃO DE SOFTWARE CONSTRUÇÃO DE SOFTWARE Náthilla Tavares Fagundes, Pablo Galvão, Wytor Venancio Rodrigues Faculdade de Tecnologia SENAC Goiânia/GO (SENAC/GO) Av. Independência número 1002 - CEP 74645-010 Setor Leste Vila

Leia mais

WebUML: Uma Ferramenta Colaborativa de Apoio ao Projeto e Análise de Sistemas Descritos em Classes UML

WebUML: Uma Ferramenta Colaborativa de Apoio ao Projeto e Análise de Sistemas Descritos em Classes UML Carlos Henrique Pereira WebUML: Uma Ferramenta Colaborativa de Apoio ao Projeto e Análise de Sistemas Descritos em Classes UML Florianópolis - SC 2007 / 2 Resumo O objetivo deste trabalho é especificar

Leia mais

build UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas 3 Prof.Marcelo Nogueira A produção de Software é uma atividade build and fix.

build UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas 3 Prof.Marcelo Nogueira A produção de Software é uma atividade build and fix. UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas Prof.Marcelo Nogueira Análise Essencial de Sistemas 1 Introdução A produção de Software é uma atividade build and fix. Análise Essencial de Sistemas

Leia mais

Uma proposta de um processo prático para apoiar o reuso de software

Uma proposta de um processo prático para apoiar o reuso de software Uma proposta de um processo prático para apoiar o reuso de software Rosangela Kronig (UNIP) rkronig.mes.engprod@unip.br Ivanir Costa (UNIP) icosta@unip.br Mauro Spínola (UNIP) mspinola@unip.br Resumo A

Leia mais

MODELAGEM VISUAL DE UM SOFTWARE PARA O GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES EM GESTÃO DE PROJETOS

MODELAGEM VISUAL DE UM SOFTWARE PARA O GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES EM GESTÃO DE PROJETOS 127 MODELAGEM VISUAL DE UM SOFTWARE PARA O GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES EM GESTÃO DE PROJETOS VISUAL MODELING OF SOFTWARE FOR COMMUNICATION MANAGEMENT IN PROJECT MANAGEMENT Ricardo Rall 1 Arilson José

Leia mais

A história de UML e seus diagramas

A história de UML e seus diagramas A história de UML e seus diagramas Thânia Clair de Souza Vargas Departamento de Informática e Estatística Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Florianópolis, SC Brazil thania@inf.ufsc.br Abstract.

Leia mais

Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 03 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO)

Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 03 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO) Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 03 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO) Parte: 1 Prof. Cristóvão Cunha Objetivos de aprendizagem

Leia mais

Engenharia de Software no Curso de Ciência da Computação

Engenharia de Software no Curso de Ciência da Computação Engenharia de Software no Curso de Ciência da Vera Maria B. Werneck; Rosa Maria E. M. da Costa; Maria Clicia Stelling de Castro; Alexandre Sztajnberg; Paulo Eustáquio D. Pinto; Roseli S.Wedemann Departamento

Leia mais

O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no

O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no 1.1 RATIONAL UNIFIED PROCESS (RUP) O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no processo que atende pelo nome de Processo Unificado (ou UP do inglês Unified

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software O software é algo abstrato, pois são as instruções que quando executadas atingem o propósito desejado no sistema computacional. (Algoritmo). As principais características são: Complexidade:

Leia mais

A contribuição do coaching executivo para o aprendizado individual: a percepção dos executivos

A contribuição do coaching executivo para o aprendizado individual: a percepção dos executivos Bianca Snaiderman A contribuição do coaching executivo para o aprendizado individual: a percepção dos executivos Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Administração

Leia mais

FAP - Faculdade de Apucarana Curso de Sistemas de Informação RESUMO EXPANDIDO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO -

FAP - Faculdade de Apucarana Curso de Sistemas de Informação RESUMO EXPANDIDO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - FAP - Faculdade de Apucarana Curso de Sistemas de Informação RESUMO EXPANDIDO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO RESUMO EXPANDIDO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - PLATAFORMA ARES: UMA PLATAFORMA VIRTUAL

Leia mais

Representando Características Autonômicas nos Processos de Negócio

Representando Características Autonômicas nos Processos de Negócio Representando Características Autonômicas nos Processos de Negócio Karolyne Oliveira, Tarcísio Pereira, Emanuel Santos, Jaelson Castro Universidade Federal de Pernambuco UFPE, Recife, PE 50 740-560, Brazil

Leia mais

Introduçãoa Engenhariade. Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA

Introduçãoa Engenhariade. Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA Introduçãoa Engenhariade Software Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA O que é Software? O que é software? São programas de computadores, em suas diversas formas, e a documentação associada. Um programa

Leia mais

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2 Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Engenharia de Software Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma revisão sobre o

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento de Sistemas para Web

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento de Sistemas para Web Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento de Sistemas para Web } Com o forte crescimento do comércio eletrônico por

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE E SEU USO NO EXÉRCITO BRASILEIRO

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE E SEU USO NO EXÉRCITO BRASILEIRO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE E SEU USO NO EXÉRCITO BRASILEIRO LAURO DE SOUZA SILVA * Resumo: O presente trabalho versa sobre a importância de um processo de desenvolvimento padronizado na instituição

Leia mais

Considerações sobre uso de ambientes para ensino a distância

Considerações sobre uso de ambientes para ensino a distância Tânia Martins Preto 85 Considerações sobre uso de ambientes para ensino a distância Tânia Martins Preto (Mestre) Curso de Tecnologia em Processamento de Dados - Universidade Tuiuti do Paraná 86 Considerações

Leia mais

UNIVERSIDADE DE ÉVORA

UNIVERSIDADE DE ÉVORA UNIVERSIDADE DE ÉVORA MESTRADO EM INTERVENÇÃO SÓCIO-ORGANIZACIONÀL NA SAÚDE Curso ministrado em parceria com a Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (DR Série, n.. 250 de 29 de Outubro de 2002)

Leia mais

UML e a Ferramenta Astah. Profa. Reane Franco Goulart

UML e a Ferramenta Astah. Profa. Reane Franco Goulart UML e a Ferramenta Astah Profa. Reane Franco Goulart História da UML o Percebeu-se a necessidade de um padrão para a modelagem de sistemas, que fosse aceito e utilizado amplamente. o Alguns esforços nesse

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas de Informação. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Análise e Projeto de Sistemas de Informação. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Análise e Projeto de Sistemas de Informação Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Roteiro Sistemas de Informação Ciclo de Desenvolvimento de SI Projeto Análise Estruturada Análise Orientada a Objetos Como

Leia mais

Sistema Tutor Inteligente baseado em Agentes. Pedagógicas da Universidade Aberta do Piauí. Prof. Dr. Vinicius Ponte Machado

Sistema Tutor Inteligente baseado em Agentes. Pedagógicas da Universidade Aberta do Piauí. Prof. Dr. Vinicius Ponte Machado Sistema Tutor Inteligente baseado em Agentes na Plataforma MOODLE para Apoio às Atividades Pedagógicas da Universidade Aberta do Piauí Prof. Dr. Vinicius Ponte Machado Parnaíba, 14 de Novembro de 2012

Leia mais

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE RESUMO Fazer um bom levantamento e especificação de requisitos é algo primordial para quem trabalha com desenvolvimento de sistemas. Esse levantamento

Leia mais

USO DA ARQUITETURA AURA - AUTONOMOUS ROBOT ARCHITECTURE EM UM ROBÔ EXPLORADOR DE LABIRINTO CONTROLADO POR RASPBERRY PI.

USO DA ARQUITETURA AURA - AUTONOMOUS ROBOT ARCHITECTURE EM UM ROBÔ EXPLORADOR DE LABIRINTO CONTROLADO POR RASPBERRY PI. USO DA ARQUITETURA AURA - AUTONOMOUS ROBOT ARCHITECTURE EM UM ROBÔ EXPLORADOR DE LABIRINTO CONTROLADO POR RASPBERRY PI. Resumo João Paulo Fernandes da Silva¹, Willame Balbino Bonfim 1. joaopauloibge@hotmail.com

Leia mais

! Introdução. " Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do Processo Unificado

! Introdução.  Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP)  Definições  RUP x USDP  Características do Processo Unificado Agenda! Introdução " Motivação para Processos de Software! (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do! Descrição detalhada do! Processos Derivados! Templates simplificados! Conclusões 2 Processo

Leia mais

Identificação de Modelos GARCH Usando Inteligência Computacional

Identificação de Modelos GARCH Usando Inteligência Computacional André Machado Caldeira Identificação de Modelos GARCH Usando Inteligência Computacional Tese de Doutorado Tese apresentada ao Programa de Pós-graduação em Engenharia Elétrica do Departamento de Engenharia

Leia mais

Documentação de um Produto de Software

Documentação de um Produto de Software Documentação de um Produto de Software Versão 3.0 Autora: Profª Ana Paula Gonçalves Serra Revisor: Prof. Fernando Giorno 2005 ÍNDICE DETALHADO PREFÁCIO... 4 1. INTRODUÇÃO AO DOCUMENTO... 6 1.1. TEMA...

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE TÉCNICAS DE MODELAGEM DE REQUISITOS DE SOFTWARE PARA SISTEMA EMBARCADO

18º Congresso de Iniciação Científica UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE TÉCNICAS DE MODELAGEM DE REQUISITOS DE SOFTWARE PARA SISTEMA EMBARCADO 18º Congresso de Iniciação Científica UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE TÉCNICAS DE MODELAGEM DE REQUISITOS DE SOFTWARE PARA SISTEMA EMBARCADO Autor(es) MARINA CALÇA Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS

Leia mais

Análise de Sistemas de Planejamento Avançado (APS): conceituação e avaliação

Análise de Sistemas de Planejamento Avançado (APS): conceituação e avaliação Gisele Gomes Aguilar Análise de Sistemas de Planejamento Avançado (APS): conceituação e avaliação Dissertação de Mestrado (Opção profissional) Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção

Leia mais

JOSÉ AUGUSTO FABRI. Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software

JOSÉ AUGUSTO FABRI. Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software JOSÉ AUGUSTO FABRI Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software São Paulo 2007 JOSÉ AUGUSTO FABRI Uma Proposta de Modelo para a Criação

Leia mais

Modelos de processos de desenvolvimento de software

Modelos de processos de desenvolvimento de software Definição Um modelo de processo de software é uma representação abstrata de um processo. Os modelos de processo podem ser desenvolvidos a partir de várias perspectivas e podem mostrar as atividades envolvidas

Leia mais

12 EXCEL MACROS E APLICAÇÕES

12 EXCEL MACROS E APLICAÇÕES INTRODUÇÃO O principal objetivo deste livro é auxiliar o leitor na sua aprendizagem sobre os recursos avançados do Excel em especial na interligação com o Visual Basic for Applications (VBA). Pretende-se

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO A atuação do homem no meio ambiente, ao longo da história, fornece provas de suas ações em nome do progresso. Esta evolução tem seu lado positivo, pois abre novos horizontes, novas

Leia mais

Especificação de um Sistema Gerenciador de Workflow de Acordo com a Abordagem de Desenvolvimento Baseado em Componentes

Especificação de um Sistema Gerenciador de Workflow de Acordo com a Abordagem de Desenvolvimento Baseado em Componentes Especificação de um Sistema Gerenciador de Workflow de Acordo com a Abordagem de Desenvolvimento Baseado em Componentes Edson Alves de Oliveira Junior 1, Itana Maria de Souza Gimenes 1 1 Departamento de

Leia mais

Dublin Core e MARC 21 : um estudo de correspondência de elementos de metadados

Dublin Core e MARC 21 : um estudo de correspondência de elementos de metadados Dublin Core e MARC 21 : um estudo de correspondência de elementos de metadados Maria das Dores Rosa Alves¹, Marcia Izabel Fugisawa Souza¹ ¹Embrapa Informática Agropecuária Caixa postal 6014 Campinas, SP

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Engenharia de Software I Informática 2009 Profa. Dra. Itana Gimenes RUP: Artefatos de projeto Modelo de Projeto: Use-Case Realization-projeto

Leia mais

Uma Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas de Informações em Empresas de Pequeno e Médio Porte

Uma Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas de Informações em Empresas de Pequeno e Médio Porte Uma Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas de Informações em Empresas de Pequeno e Médio Porte Autoria: Denis Silveira, Eber Schmitz Resumo: Este artigo apresenta uma Metodologia Rápida de Desenvolvimento

Leia mais

Ontologia de Domínio da Biodisponibilidade de Ferro: Uma Experiência no Projeto Nutri-Fuzzy-Orixás

Ontologia de Domínio da Biodisponibilidade de Ferro: Uma Experiência no Projeto Nutri-Fuzzy-Orixás Ontologia de Domínio da Biodisponibilidade de Ferro: Uma Experiência no Projeto Nutri-Fuzzy-Orixás Alessandra Brito F. Oliveira 1; Vera Maria Benjamim Werneck 1 ; Regina Serrão Lanzillotti 1 ; Haydée Serrão

Leia mais

Modelos de Sistema. 2007 by Pearson Education. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 8 Slide 1.

Modelos de Sistema. 2007 by Pearson Education. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 8 Slide 1. Modelos de Sistema Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 8 Slide 1 Objetivos Explicar por que o contexto de um sistema deve ser modelado como parte do processo de RE Descrever

Leia mais

Aplicação de um Metamodelo de Contexto a uma Tarefa de Investigação Policial

Aplicação de um Metamodelo de Contexto a uma Tarefa de Investigação Policial Aplicação de um Metamodelo de Contexto a uma Tarefa de Investigação Policial Lucas A. de Oliveira, Rui A. R. B. Figueira, Expedito C. Lopes Mestrado em Sistemas e Computação Universidade de Salvador (UNIFACS)

Leia mais

UMA BREVE INTRODUÇÃO AO ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE COMPILADORES

UMA BREVE INTRODUÇÃO AO ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE COMPILADORES UMA BREVE INTRODUÇÃO AO ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE COMPILADORES 1 BRANCO; Guido Aparecido Junior, 2 TAMAE, Rodrigo Yoshio 1-Discente do Curso Sistemas de Informação FAEG/Garça 2-Docente do Curso Sistemas

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS SECRETARIADO DE CIÊNCIAS DOCUMENTAIS

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS SECRETARIADO DE CIÊNCIAS DOCUMENTAIS UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS SECRETARIADO DE CIÊNCIAS DOCUMENTAIS A WEB 2.0 NAS BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS PORTUGUESAS: UM ESTUDO DA IMPLEMENTAÇÃO DO PARADIGMA DA BIBLIOTECA 2.0 Helena Sofia

Leia mais

UM COMPOSITOR MUSICAL TANGÍVEL USANDO O ARTOOLKIT

UM COMPOSITOR MUSICAL TANGÍVEL USANDO O ARTOOLKIT UM COMPOSITOR MUSICAL TANGÍVEL USANDO O ARTOOLKIT Marcelo Fernandes França (Bolsista PIBIC/CNPq) Felipe Afonso de Almeida (Orientador) Davi D Andréa Baccan (Co-orientador) Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Leia mais

SIGECO07 Sistema Integrado de Gestão de Contas Universidade Federal de Lavras PLANO DE PROJETO 23/09/2007 SIGECO07/GERENCIA/PROJETOS/

SIGECO07 Sistema Integrado de Gestão de Contas Universidade Federal de Lavras PLANO DE PROJETO 23/09/2007 SIGECO07/GERENCIA/PROJETOS/ SIGECO07 Sistema Integrado de Gestão de Contas Universidade Federal de Lavras PLANO DE PROJETO 23/09/2007 SIGECO07/GERENCIA/PROJETOS/ ModeloPlanoProjeto_2007_04_24 SIGECO07_PlanoProjeto_2007_09_23 Página

Leia mais