RODRIGO HIGA SIMULADOR GRÁFICO DE ÁRVORE B

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RODRIGO HIGA SIMULADOR GRÁFICO DE ÁRVORE B"

Transcrição

1 RODRIGO HIGA SIMULADOR GRÁFICO DE ÁRVORE B PUC-CAMPINAS 2005

2 RODRIGO HIGA SIMULADOR GRÁFICO DE ÁRVORE B Monografia apresentada como exigência da disciplina Projeto Final II, ministrada no curso de Engenharia de Computação, Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Orientador: Prof. Dr. Carlos Miguel Tobar Toledo PUC-CAMPINAS 2005

3 BANCA EXAMINADORA Presidente e Orientador: Prof. Dr. Carlos Miguel Tobar Toledo 1º Examinador: Prof. Dr. Omar Carvalho Branquinho Campinas, 20 de dezembro de 2005.

4 AGRADECIMENTOS Agradeço ao orientador Prof. Dr.Carlos Miguel Tobar Toledo, pelo apoio e encorajamento contínuos na pesquisa, para a finalização do projeto final II. Pelo apoio e incentivo durante minha permanecia no curso. Aos demais Mestres, Doutores e Professores da casa, pelos conhecimentos transmitidos durante esses cinco anos juntos. À Diretoria do curso de Engenharia de Computação da Pontifica Universidade Católica de Campinas, pelo apoio institucional e pelas facilidades oferecidas na academia. À minha família, pelo apoio, incentivo, nos momentos difíceis, sempre entendendo os meus longos períodos longe de casa. A Srta. Tatiane Kurokawa Gomes Bizarra, que mesmo nos momentos mais difíceis esteve sempre ao meu lado até o final do curso. Pela sua compreensão e incentivo e muito carinho Aos meus amigos da faculdade pelos momentos de alegria, descontração e trabalho, onde pudemos fortalecer nossos laços de amizade. Aos meus amigos de moradia, pela cooperando em todos os momentos tristes e principalmente nos momentos felizes, proporcionando ambiente altamente confiável e saudável, ajudando em muitos casos a suportar a distância da família nos momentos mais fortes.

5 RESUMO HIGA, Rodrigo. Simulador Gráfico de Árvore B. Campinas, Monografia - Curso de Engenharia de Computação, Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Campinas, Os simuladores gráficos de estruturas de dados visam apresentar graficamente o funcionamento de uma determinada estrutura, tendo como principal objetivo facilitar o seu aprendizado. Em virtude do dinamismo que esses simuladores oferecem, eles estão sendo utilizados com bastante freqüência no meio acadêmico, visto que tais softwares auxiliam o aluno a entender as diferentes estruturas de dados. O porquê dessa utilização nas academias ocorre devido à insuficiência da metodologia de ensino convencional em abranger a diversidade de capacidade de aprendizado dos alunos. Portanto, para suprir essa deficiência os professores começaram a utilizar ferramentas de auxilio ao aprendizado, sendo uma delas os simuladores gráficos. O objetivo desse trabalho é justamente construir um simulador gráfico para a estrutura de dados árvore B. A estratégia de desenvolvimento que foi adotada foi a Prototipação. O sistema foi inteiramente desenvolvido na linguagem Java, construindo-se um applet. Também possui a utilização da tecnologia RMI, utilizada para invocação remota de métodos em Java. Para verificar se o sistema final desenvolvido atingiu seu objetivo, foi elaborada uma estratégia para realizar a avaliação e validação considerando fatores como: disposição dos componentes do sistema, usabilidade, apresentação da árvore B e seu algoritmo, ou seja, tudo o quê contribui para uma melhor interação do sistema com o usuário. Termos de indexação: Simulador Gráfico, Árvore B, Estruturas de Dados, Sistemas Web.

6 ABSTRACT HIGA, Rodrigo. A B-Tree Graphic Simulator. Campinas, Monografia - Curso de Engenharia de Computação, Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Campinas, The idea behind graphic simulators is to help people to understand how the data structures function, through graphical representations. The main idea of the simulators is to make easier the learning of this complex data structure. Simulators provide a dynamic manipulation of the data structure that normally books do not have. Nowadays, there is a kind of deficiency on the educational methodology to condider the diferent learning capabilities of the students. So the teachers start to use some tools to help their strudents on data structures learning, and graphic simulators are one of them. The objective of this work is to create a B-Tree Data simulator, to solve the definciency of the convetional educational methodology. To develop this system it was used the Prototype strategy. The system was developed as an using the Java language. It was used the RMI technology for remote method invocations in Java. The evaluation and validation focus on aspects to prove how helpfully is the software. Index terms: Graphic Simulators, B-Tree, Data Structers, Web System.

7 LISTA DE FIGURAS Figura 1. Tela de apresentação do sistema... 9 Figura 2. Arquitetura do Simulador Figura 3. Fluxo de dados Figura 4. Seqüência de Eventos na Prototipação Figura 5. Primeiro protótipo do Simulador Figura 6. Demonstração do segundo protótipo do simulador Figura 7. Demonstração da ultimo protótipo gerado no trabalho Figura 8. Demonstração da tela do servidor de operações... 23

8 LISTA DE TABELAS Tabela 1. Margem das notas consideradas...29

9 LISTA DE ABREVIATURAS E SIMBOLOS JVM = Java Virtual Machine RMI = Remote Method Invocation RPC = Remote Procedure Calls NIST = National Institute of Standards and Technology

10 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO Caracterização do Problema Objetivo Solução proposta Estado da Arte Conteúdo da Monografia O SIMULADOR GRÁFICO Conhecendo o Sistema Arquitetura O Cliente O Servidor O Funcionamento do Sistema METOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO Prototipação de Software Etapas do desenvolvimento Coleta e Refinamento de Requisitos: Projeto Rápido e Construção do Protótipo Avaliação do Protótipo pelo Usuário Refinamento do Protótipo Engenharia do Produto AVALIAÇÃO E VALIDAÇÃO A Avaliação Questionário da Avaliação A Validação Dificuldades da Avaliação e Validação CONCLUSÃO Dificuldades encontradas Futuras implementações ou melhorias REFERÊNCIAS ANEXOS...38

11 1. INTRODUÇÃO

12 Os simuladores gráficos de estruturas de dados são programas de software que visam abstrair o funcionamento de uma estrutura de dados, visto que este seu funcionamento não é visível. Estes simuladores estão sendo utilizados cada vez mais em instituições de ensino superior, como ferramentas de auxílio ao aprendizado. Eles auxiliam os novos aprendizes a entender como se comportam as estruturas de dados, por exemplo, mediante as manipulações que são realizadas sobre elas, com uma facilidade e dinamismo que os livros convencionais não possuem. Uma dessas estruturas de dados complexas que são lecionadas em Universidades é a árvore B, uma das mais utilizadas hoje em aplicações de diversos tipos. A estrutura de dados árvore B foi criada com o intuito de melhorar o desempenho dos algoritmos que realizam acesso a dados em disco. Esta melhora se dá na minimização do número de acessos que um determinado algoritmo precisa realizar na manipulação de uma seqüência de dados, visto que todo acesso a disco é relativamente lento. É comum encontrar a utilização dessa estrutura de dados em banco de dados e sistema de arquivos, áreas de grande interesse de empresas de tecnologia de informação. O responsável pela criação dessa estrutura chama-se Rudolf Bayer, professor de Informática na Universidade de Tecnologia de Munique desde Rudolf tornou-se famoso por essa invenção. O mais curioso é que o criador dessa estrutura ainda não explicou o porquê do nome árvore B. Existem diferentes pensamentos com relação a isso, como: B de árvore Balanceada, ou B de Bayer, 2

13 ou até mesmo B de Boeing, porque Rudolf trabalhou no Laboratório de Pesquisa Científica Boeing (Wikipeddia, 2005a). A melhora que essa estrutura de dados proporciona ocorre pelo fato de a árvore B possuir um grau de ramificação bastante grande, ocasionando um número considerável de nós em uma mesma altura. Com isso, pode-se dizer que a altura de uma árvore B cresce lentamente, tendo em seu pior caso uma altura O(log n), onde n corresponde ao número de nós da árvore. Como a velocidade de manipulações em uma árvore é calculada em relação à sua altura, podemos dizer que uma determinada ação (inserção de dados, consulta, etc.) levaria o tempo de O(log n) para ser realizada. Portanto, o acesso a disco de um sistema que utiliza essa estrutura é consideravelmente mais veloz em relação a sistemas que possuem velocidade linear, que é típica de acesso seqüencial. Outra característica da árvore B, que melhora ainda mais o seu desempenho, é que nas operações de inserção de dados, estes são automaticamente inseridos ordenadamente, procurando-se sempre manter o balanceamento da mesma. Isto a difere de outras estruturas de árvore convencional, que após realizar a operação de inserção, verifica-se a sua estrutura, para posteriormente balanceála. 1.1 Caracterização do Problema No meio acadêmico, o ensino convencional de estruturas de dados complexas, como a árvore B, através de aulas expositivas e estudos teóricos, está ficando insuficiente, pois como existem diferentes tipos de alunos, com diferentes capacidades de aprendizado, a abstração de seu funcionamento não é 3

14 realizada facilmente por qualquer aluno. Esse problema ocasiona um mau aproveitamento dos alunos com relação ao aprendizado dessas estruturas. Portanto, surge a necessidade de ferramentas adicionais que auxiliem o aprendizado dos alunos, fazendo com que o mesmo fique menos difícil. 1.2 Objetivo Visando minimizar a insuficiência da metodologia de ensino convencional citada acima, esse projeto tem como objetivo criar uma ferramenta que auxilia o aprendizado de um aluno, em relação ao entendimento da estrutura de dados árvore B, proporcionando um material que servirá de apoio para os estudos do aluno. 1.3 Solução proposta Para conseguirmos atingir o objetivo, parte-se do princípio que uma ferramenta que realmente agregaria valor à metodologia de ensino, proporcionando uma maior facilidade de entendimento por parte do aluno, seria uma ferramenta gráfica. Essa ferramenta representa gráfica e dinamicamente o funcionamento de ações relacionadas à manipulação de dados da árvore B. A idéia foi representar as diferentes disposições que os nós da árvore podem apresentar, de acordo com uma determinada ação. Juntamente com a apresentação da estrutura de dados, é mostrado o algoritmo relacionado à ação requisitada, destacando os pontos que o sistema efetivamente executou. 4

15 1.4 Estado da Arte Existem diferentes tipos de trabalhos e projetos relacionados à tentativa de utilizar, explicar e esclarecer uma árvore B. Há trabalhos acadêmicos, não diretamente relacionados ao objetivo desse projeto, que visam o esclarecimento da estrutura de dados, explicando o seu funcionamento, em fundamento teórico, como artigos publicados na Web (como por exemplo, Wikipedia (Wikipedia, 2005a), Whatis (Whatis, 2005), Answers (Answers, 2005), National Institute of Standards and Technology (Nist, 2005). Existem também trabalhos relacionados diretamente com o objetivo desses projetos, ou seja, trabalhos que mostram graficamente o funcionamento de uma árvore B, na linguagem Java. Pode-se pegar como exemplo um grupo chamado Ozer s Programming Projects (Ozer s, 2005), o qual possui diferente tipos de aplicações desenvolvidas, em diferentes linguagens, e em uma delas existe um projeto de um simulador do funcionamento de uma árvore B. Um problema encontrado com esse projeto é a sua interface de integração com o usuário, que não é muito simples de usar. Se o seu objetivo era de explicar o funcionamento da árvore B, esse objetivo foi dificilmente atingido, pois sua usabilidade não é fácil e o funcionamento de árvore B propriamente dito, não é explicado. 1.5 Conteúdo da Monografia Nesta monografia descreve-se como foi feito o desenvolvimento desse trabalho, abordando os seguintes tópicos: 5

16 A Metodologia onde é apresentada a estratégia utilizada para o desenvolvimento do produto esperado. Desde a análise de requisitos, onde é feito um trabalho com o cliente, buscando documentar todas as suas necessidades, até à sua fase final de engenharia de produto. O Simulador Gráfico de Árvore B com a descrição de toda a estratégia de planejamento de seu desenvolvimento, o sistema desenvolvido em si, sua arquitetura e funcionalidades (apresentadas com exemplos). A Avaliação e Validação onde se apresenta os métodos utilizados para verificar a sucesso ou o fracasso dos objetivos desse trabalho, apresentado todos os pontos considerados e abordados. A Conclusão onde são abordadas todas as conclusões obtidas ao longo do desenvolvimento do trabalho, bem como resultados esperados de abordagens geradas ao longo do ano. São discutidas também todas as dificuldades encontradas para a realização do desenvolvimento do trabalho, coisas que impactaram ou não do produto gerado final. E também são citadas e discutidas as melhorias para o sistema. 6

17 2. O SIMULADOR GRÁFICO

18 O trabalho do Simulador Gráfico de Árvore B foi focado em seu objetivo: melhorar o aprendizado da estrutura de dados árvore B. Para isso, buscou-se aumentar a facilidade de uso do mesmo, para que assim a atenção do usuário fosse inteiramente voltada para ao aprendizado da estrutura e não ao funcionamento do sistema. Visto isso, foi planejada a realização de um desenvolvimento voltado para aplicações Web, na qual o usuário não necessita instalar o sistema, basta simplesmente executa-lo em navegador de internet. Foi desenvolvida uma aplicação Applet, com a linguagem de programação Java. Esta linguagem possui um amplo suporte para aplicações que necessitam de ambientes gráficos avançados, que o simulador precisa para realizar a apresentação da árvore B. 2.1 Conhecendo o Sistema O Simulador Gráfico de Árvore B é composto por botões que determinam funções específicas que o sistema realiza, referente à árvore B, e campos de entrada de dados, relacionados a cada ação de manipulação da mesma. Essa facilidade de entrada de dados e requisição de ações retira do usuário a preocupação de como o sistema funciona, ficando assim com sua atenção voltada para o funcionamento da estrutura de dados em si, tornando-se assim um sistema de fácil uso, contribuindo assim com o objetivo final. O simulador visa apresentar dinamicamente o comportamento de uma árvore, apresentando os diferentes estados pelos qual a árvore pode passar, após o processamento de cada requisição realizada pelo usuário. Isto é, dada uma requisição realizada pelo usuário, o sistema apresenta o resultado de tal 8

19 requisição, redesenhando o gráfico da árvore e mostrando os pontos do algoritmo pelos quais o sistema passou. Os campos do simulador estão dispostos da seguinte maneira, como pode ser observado na figura 1: Figura 1. Tela de apresentação do sistema. Região 1: A região 1 (esquerda superior) é composta pelo local de entrada de dados do Simulador Gráfico de Árvore B; é através dessa região que se inserem os dados de acordo com uma ação desejada. Cada botão de ação possui um local de entrada de dados associado ao seu lado, sendo obrigatório o seu preenchimento para que a correspondente ação seja executada com sucesso. 9

20 A função Reset reinicializa o simulador, removendo todos os nós da árvore. Região 2: A região 2 (esquerda inferior) é apenas informativa, composta pelo status de cada ação realizada. Região 3: A região 3 (localizada ao meio) é composta pela apresentação gráfica da Árvore B, sendo atualizada após a realização de cada operação. Região 4: A região 4 (à direita) é composta pela apresentação do algoritmo executado pelo simulador, referente à ação realizada; visa explicar ao aprendiz o que o simulador está realizando por trás de cada ação executada. Todos os trechos pelo qual o sistema passou estão destacados nessa região, facilitando assim o acompanhamento do aprendiz de cada ação realizada. Apontador para introdução: O apontador (esquerda superior) é apenas um link para uma breve descrição do que é e o que faz o Simulador. O usuário pode facilmente utilizar o sistema acompanhando as mudanças de estados pelos quais a árvore pode passar, visualizando a parte do algoritmo executado pelo sistema para determinar o estado atual da árvore. Apresenta-se, além de um simulador gráfico normal, um sistema informativo, sua 10

21 característica diferencial dentro dos simuladores comuns, adequando-se à utilização dentro da academia. 2.2 Arquitetura Os applets, assim como todos os sistemas desenvolvidos na linguagem java, normalmente possuem todo o seu processamento diretamente na JVM do cliente, onde o seu bytecode (HALFHILL, 2005) é processado. Na interação com o servidor que as aplicações Web, feitas em applet, realizam no primeiro contato do cliente com o servidor, as classes da aplicação são importadas pelo cliente, para assim serem processadas no cliente. A arquitetura desenvolvida para este simulador possui sua implementação baseada em RMI, no qual se invocam métodos do servidor para realizar os cálculos de operações da árvore. Assim, o simulador, possui uma integração com o servidor a todo o momento em que é realizada alguma requisição pelo cliente, tendo o seu funcionamento um pouco diferente do modo usual dos applets, citado no começo deste tópico. Isso ocorre porque a aplicação acaba tendo o seu processamento dividido. Todo o processamento, referente à apresentação gráfica da árvore B e do algoritmo executado, é realizado no lado do cliente. E todo o cálculo para se determinar o próximo estado da árvore, mediante uma operação requisitada, é realizado no servidor, que tem o seu método invocado remotamente pelo cliente. A tecnologia RMI é parte da plataforma Java 2 Plataform, Standard Edition e provê a facilidade de se desenvolver sistemas distribuídos na linguagem Java. Segundo os autores Deitel e Deitel (2005), a RMI está baseada em uma 11

22 tecnologia anterior semelhante à programação procedural, chamada de chamada de procedimento remoto (remote procedure call- RPC) desenvolvida nos anos 80. Essa tecnologia de programação visa prover a transparência de uma invocação remota de um método Java, tratando-a como uma chamada local qualquer, tornando assim transparente a comunicação entre o cliente e o servidor pela rede. Figura 2. Arquitetura do Simulador. Conforme ilustra a figura 2, a arquitetura do simulador se compõe basicamente de dois módulos, o cliente, responsável pela interação com o usuário e o servidor, responsável pelos cálculos das operações da árvore B. O módulo do cliente possui duas funções: a função responsável pela apresentação da árvore e do algoritmo executado, e a responsável pela interface com o servidor. O módulo do servidor é responsável pelos cálculos das operações requisitadas pelo usuário, que são: Inserir, Remover, Buscar, Reiniciar (Reset). A interface entre o cliente e o servidor é baseada no estado atual da árvore, conforme mostram as setas da figura 2. 12

23 2.2.1 O Cliente O módulo do lado do cliente é responsável pela integração direta com o usuário do sistema, que por meio desta realizará as entradas de dados necessárias para alimentar o sistema. Esse módulo comunica-se com o servidor, sempre que for requisitada uma ação pelo usuário. No momento de enviar os dados ao servidor, o cliente realiza a validação de todos os dados a serem enviados, verificando basicamente os tipos das variáveis enviadas, evitando assim o envio de dados inválidos. Feito o envio, o cliente aguarda a resposta do servidor, que ao recebê-la, fica responsável em realizar todo o tratamento dos dados recebidos, tomando as decisões necessárias, realizando todo o processamento referente à apresentação gráfica da árvore e do algoritmo executado O Servidor O servidor, antes de tudo, deve definir os protótipos dos métodos que irá servir, através de uma classe conhecida como interface. A única coisa que o cliente possui de informação do servidor é essa classe interface, ou seja, o cliente não tem conhecimento de como estão sendo implementados os métodos disponibilizados pelo servidor. Isso garante certo grau de segurança na comunicação do cliente-servidor, pois o cliente não possui acesso à implementação dos métodos. 13

24 Assim, para o servidor informar que está conectado, aguardando alguma invocação remota de seus métodos, este se registra no chamado Servidor de Registros do RMI, que fica disponível na mesma máquina do servidor. É ele que irá informar ao cliente se o servidor de operações está conectado ou não. Caso o servidor de operações estiver conectado, o Servidor de Registros do RMI informa ao cliente qual é a porta de comunicação que ele deverá utilizar. A porta padrão do RMI é a Todo esse processo é necessário somente para o cliente iniciar o processo de comunicação com o servidor de operações. Ao receber a invocação remota, o servidor simplesmente recebe a requisição do cliente e invoca o método desejado e executa-o. Feito isso, retorna o valor calculado para o cliente. 2.3 O Funcionamento do Sistema Como mostra a figura 3, o cliente somente fica responsável pelo processamento do ambiente gráfico informativo ao usuário, o que corresponde à apresentação do estado atual da árvore. O algoritmo é executado no servidor. O cálculo referente a cada requisição feita pelo usuário, no lado do cliente, é processado no lado do servidor. Após realizar todo o processamento necessário, o servidor retorna o estado atual da árvore para o cliente. Distribuindo assim o processamento de cada requisição. 14

25 Figura 3. Fluxo de dados Com o RMI, quando o cliente realiza a invocação de um método que se encontra no servidor de operações, o objeto, chamado Stub, percebe que esta é uma chamada de um objeto remoto. O Stub então verifica inicialmente no Servidor de Registros se o servidor de operações possui os seus objetos registrados, ou seja, verifica se o servidor desejado encontra-se realmente conectado à rede. Feito isso, como resultado da consulta no Servidor de Registros, o cliente agora possui a número da porta com a qual irá iniciar sua conexão com servidor. Na comunicação com o servidor, o Stub (do cliente) serializa os dados que são passados como parâmetro para a invocação do método remoto. Os 15

26 dados então são transportados via rede para o servidor remoto. O objeto chamado Skeleton recebe esses dados e percebe a invocação, feita pelo cliente, de um método do servidor; ele então desserializa esses dados enviados pelo cliente, invoca o método do servidor localmente e realiza as operações invocadas. Feito isso, o servidor serializa sua resposta e envia a resposta para o cliente que invocou o método. O servidor é identificado por um nome alfanumérico no Servidor de Registro do RMI. Portanto, percebe-se que um mesmo host pode manter diferentes servidores, com suas funcionalidades, podendo ser invocados por qualquer cliente. Toda a comunicação via rede, do cliente e do servidor, é controlada pelos objetos Stub e Skeleton criados pelo Java (comando rmic), fornecendo ao programador uma transparência da comunicação pela rede. Portanto, o programador não tem a preocupação de manter o controle da conexão feita entre o cliente e o servidor. Isso é uma facilidade proporcionada pelo RMI, deixando a invocação remota dos métodos transparente para o programador, podendo ele então se preocupar com as funcionalidades de seu sistema. 16

27 3. METOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO

28 Nesse trabalho foi necessária a utilização da metodologia Prototipação de Software, responsável por guiar quase todo o desenvolvimento do trabalho. 3.1 Prototipação de Software Essa metodologia de desenvolvimento visa, através de construção de protótipos de software, melhorar a definição dos requisitos do cliente, pois é muito difícil conseguir expressar todos os reais requisitos desejados pelo cliente. Portanto um protótipo é uma versão inicial de um sistema de software utilizada para mostrar conceitos, experimentar opções de projeto e, em geral, para conhecer mais sobre os problemas e suas possíveis soluções (PRESSMAN, 2002). Esse tipo de metodologia é baseado em uma série de definições feitas juntamente com o cliente, procurando mostrar da melhor maneira possível, com os protótipos, os resultados gerados de uma determinada requisição do usuário. 3.2 Etapas do desenvolvimento Para se chegar na construção de um protótipo, de acordo com as exigências do cliente, deve-se realizar um desenvolvimento cíclico para refinar as requisições do cliente, buscando assim o ideal. Basicamente segue-se o ciclo mostrado na figura 4. Segue agora a descrição de todas as etapas realizadas, bem como os produtos por elas gerados. 18

29 Figura 4. Seqüência de Eventos na Prototipação Coleta e Refinamento de Requisitos: É nessa etapa que o cliente define o conjunto de objetivos gerais para o sistema, especificando também quais suas expectativas com relação ao produto final. Aqui também são documentados todos os requisitos que teoricamente estão claros para o cliente (que ele consegue identificar). Esses requisitos são especificados e são identificados quais necessitam de um maior detalhamento. É a partir daí que foi gerado um documento chamado Análise de Requisitos, onde se tentou especificar todos os requisitos que o cliente tinha identificado. Nesse documento foi especificado qual era a visão da solução do cliente perante o problema que ele tinha. A partir daí, iniciou-se o processo de proposta de solução e definição do sistema, realizada entre o cliente e o 19

30 desenvolvedor do trabalho, sendo então especificada a funcionalidade que o sistema deveria conter. Como não há um número grande de funcionalidades dentro do Simulador Gráfico de Árvore B, sua especificação no primeiro ciclo foi bem completa, ocasionando apenas uma alteração no segundo ciclo, onde foi removida uma funcionalidade que teoricamente não iria fazer diferença no objetivo do trabalho, que era a geração randômica de nós Projeto Rápido e Construção do Protótipo Para este trabalho foram considerados dois tipos de protótipos, sendo um construído em papel, esboçando como a tela final iria ficar e o outro executável, este já sendo uma implementação básica do sistema. A partir disso, foram realizados três ciclos de refinamento, gerando conseqüentemente três diferentes protótipos, sendo um em papel e os outros dois executáveis. Essas duas etapas, Projeto Rápido e Construção do Protótipo, foram citadas aqui em conjunto, pois a etapa Projeto Rápido não foi refinada nenhuma vez. Porém, a sua criação, no primeiro ciclo de desenvolvimento, foi realizada em conjunto com o primeiro protótipo. protótipo. A figura 5 mostra um exemplo do que foi construído como primeiro 20

31 Figura 5. Primeiro protótipo do Simulador. A segunda versão do protótipo foi a criação de um executável. Implementaram-se todas as funcionalidades especificadas na Análise de Requisitos e tentou-se seguir o mais fiel possível o projeto rápido. Basicamente o segundo protótipo, em termos de disposição de componentes, era igual ao primeiro protótipo, salvo algumas restrições de implementação. A figura 6 é a tela do protótipo. A modificação mais expressiva entre o primeiro protótipo e o segundo é a apresentação do algoritmo, que foi requisitado pelo cliente. Pediu-se que fosse mostrado em mais baixo nível do que no primeiro protótipo. Na terceira e última versão houve modificações na apresentação do algoritmo, pois agora o sistema apresenta o algoritmo destacando o local onde a execução do servidor efetivamente passou. Mas, a modificação mais significativa que ocorreu foi a implementação do RMI para reajustar a complexidade deste trabalho, que foi considerada baixa no final do primeiro semestre, surgindo 21

32 portanto, o cliente e o servidor. Essa modificação não alterou os outros documentos como Análise de Requisitos e Projeto Rápido. A tela apresentada no lado do cliente é mostrada na figura 7. Figura 6. Segundo protótipo do simulador. Figura 7. Último protótipo gerado no trabalho. 22

33 E a figura 8 corresponde à tela desenvolvida para a parte do servidor de operações. Ela é composta de campos informativos como: endereço de IP do servidor, nome de registro do servidor, status do servidor. Sua finalidade é apenas informativa e serve para iniciar o servidor, conectando-o. Figura 8. Tela do servidor de operações Avaliação do Protótipo pelo Usuário A etapa de teste é o momento no qual o protótipo é submetido à utilização pelo cliente para realizar a avaliação de acordo com suas requisições. Esta é a etapa que permite ao cliente manipular o protótipo e verificar se suas requisições foram implementadas corretamente e se existe a necessidade de refiná-las ou, ainda, de criar novas funcionalidades. Nessa etapa, os requisitos são refinados de acordo com as necessidades e novos requisitos podem ou não aparecer. Todas as modificações que surgem nessa etapa devem ser anotadas para os documentos necessários serem atualizados na próxima etapa. Neste trabalho, nas três vezes que o sistema foi submetido aos testes do cliente, houve refinamento dos requisitos, sempre visando e melhorando o modo no qual a estrutura de dados e seu algoritmo eram apresentados. Não houve mudanças como adição de novas funcionalidades. Desde o primeiro protótipo, todas as funcionalidades propostas foram mantidas. 23

34 3.3.4 Refinamento do Protótipo Aqui ocorre a atualização de todos os documentos que necessitam ser alterados para contemplar as modificações geradas na etapa anterior. Feita essa atualização, o ciclo reinicia-se, e volta à etapa de Coleta e Refinamento de Requisitos. Como dito na seção 3.3.2, no desenvolvimento do sistema, não houveram modificações (refinamentos) que alterassem consideravelmente o funcionamento do sistema, não havendo, portanto, necessidade de atualizações dos documentos gerados inicialmente Engenharia do Produto Quando o desenvolvimento atingir esse ponto, a nova versão do sistema é gerada e o ciclo é completado. No caso desse sistema, o terceiro protótipo gerado foi considerado estável e suficientemente bom para ser avaliado de acordo com o objetivo. Sendo então finalizada a primeira versão do sistema. Outro ponto a se considerar, com relação a esse fechamento de versão, foi o termino do prazo estipulado para sua entrega na Universidade, deixando-se de desenvolver alguns novos refinamentos que surgiram nesse último protótipo. 24

Software Tutorial sobre Sistema Solar

Software Tutorial sobre Sistema Solar Software Tutorial sobre Sistema Solar Alan Correa, Antônio Rocir, Sandro Niederauer Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) Rua 24 de maio, 141 95520-000 Osório RS Brasil {sandroniederauer, alan.sms}@hotmail.com,

Leia mais

COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD

COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD TUTORIAL MOODLE VERSÃO ALUNO Machado/MG 2013 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. EDITANDO O PERFIL... 5 2.1 Como editar o perfil?... 5 2.2 Como mudar a senha?... 5 2.3

Leia mais

Desenvolvendo para WEB

Desenvolvendo para WEB Nível - Básico Desenvolvendo para WEB Por: Evandro Silva Neste nosso primeiro artigo vamos revisar alguns conceitos que envolvem a programação de aplicativos WEB. A ideia aqui é explicarmos a arquitetura

Leia mais

1. DOTPROJECT. 1.2. Tela Inicial

1. DOTPROJECT. 1.2. Tela Inicial 1 1. DOTPROJECT O dotproject é um software livre de gerenciamento de projetos, que com um conjunto simples de funcionalidades e características, o tornam um software indicado para implementação da Gestão

Leia mais

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria 1 Sumário Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria... 1 1 Sumário... 1 2 Lista de Figuras... 5 3 A Janela principal...

Leia mais

Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01)

Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01) Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01) Submissão de Relatórios Científicos Sumário Introdução... 2 Elaboração do Relatório Científico... 3 Submissão do Relatório Científico... 14 Operação

Leia mais

1ª PARTE DIÁRIOS ELETRÔNICOS

1ª PARTE DIÁRIOS ELETRÔNICOS 1 1ª PARTE DIÁRIOS ELETRÔNICOS 1.ACESSANDO O SITE DA FEOL 1.1 Endereço do Site O endereço para acessar o site da Fundação Educacional de Oliveira é: www.feol.com.br Obs: experimente digitar apenas feol.com.br

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução

1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução 1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução Este tutorial tem a finalidade de guiar o aluno, dando orientações necessárias para o acesso, navegação e utilização das ferramentas principais. Um ambiente

Leia mais

Manual do Usuário 2013

Manual do Usuário 2013 Manual do Usuário 2013 MANUAL DO USUÁRIO 2013 Introdução Um ambiente virtual de aprendizagem é um programa para computador que permite que a sala de aula migre para a Internet. Simula muitos dos recursos

Leia mais

Exemplos práticos do uso de RMI em sistemas distribuídos

Exemplos práticos do uso de RMI em sistemas distribuídos Exemplos práticos do uso de RMI em sistemas distribuídos Elder de Macedo Rodrigues, Guilherme Montez Guindani, Leonardo Albernaz Amaral 1 Fábio Delamare 2 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS Kelly Cristina de Oliveira 1, Júlio César Pereira 1. 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil kristhinasi@gmail.com,

Leia mais

Ambiente de Aprendizagem Moodle FPD Manual do Aluno

Ambiente de Aprendizagem Moodle FPD Manual do Aluno Ambiente de Aprendizagem Moodle FPD Manual do Aluno Maio 2008 Conteúdo 1 Primeiros passos...4 1.1 Tornando-se um usuário...4 1.2 Acessando o ambiente Moodle...4 1.3 O ambiente Moodle...4 1.4 Cadastrando-se

Leia mais

Manual de Usuário. Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.1 NRC

Manual de Usuário. Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.1 NRC Manual de Usuário Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.1 NRC Manual do Usuário GLPI 1. Introdução 3 2. Acessando o GLPI 4 3. Entendendo o processo de atendimento

Leia mais

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA Guia rápido A PLATAFORMA MOODLE Moodle (Modular Object Oriented Distance LEarning) é um Sistema para Gerenciamento de Cursos (SGC). Trata-se de um programa para computador

Leia mais

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido Arquitetura Roteiro Arquitetura Tipos de Arquitetura Centralizado Descentralizado Hibrido Questionário 2 Arquitetura Figura 1: Planta baixa de uma casa 3 Arquitetura Engenharia de Software A arquitetura

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS Guia Inicial de Acesso e Utilização Para Docentes Versão 1.0b Outubro/2010 Acesso e utilização do Ambiente Virtual de Ensino

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

Guia de Acesso Rápido AVA Ambiente Virtual de Aprendizagem Aluno

Guia de Acesso Rápido AVA Ambiente Virtual de Aprendizagem Aluno Guia de Acesso Rápido AVA Ambiente Virtual de Aprendizagem Aluno Introdução O Ambiente de Aprendizagem, ou AVA, é um aplicativo web onde os educadores e alunos podem disponibilizar materiais didáticos,

Leia mais

Registro e Acompanhamento de Chamados

Registro e Acompanhamento de Chamados Registro e Acompanhamento de Chamados Contatos da Central de Serviços de TI do TJPE Por telefone: (81) 2123-9500 Pela intranet: no link Central de Serviços de TI Web (www.tjpe.jus.br/intranet) APRESENTAÇÃO

Leia mais

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental Ajuda ao SciEn-Produção 1 Este texto de ajuda contém três partes: a parte 1 indica em linhas gerais o que deve ser esclarecido em cada uma das seções da estrutura de um artigo cientifico relatando uma

Leia mais

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 3º PERÍODO - 5º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 23/04/2009 ENGENHARIA DE SOFTWARE Dados de identificação do Acadêmico: Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

mbiente Virtua de Aprendizagem

mbiente Virtua de Aprendizagem mbiente Virtua de Aprendizagem Apresentação Este é o Ambiente Virtual de Aprendizagem - o AVA da Unisuam Online. É nosso desejo que a UNISUAM lhe proporcione uma qualificação acadêmica condizente com suas

Leia mais

GUIA BÁSICO DA SALA VIRTUAL

GUIA BÁSICO DA SALA VIRTUAL Ambiente Virtual de Aprendizagem - MOODLE GUIA BÁSICO DA SALA VIRTUAL http://salavirtual.faculdadesaoluiz.edu.br SUMÁRIO 1. Acessando Turmas 4 2. Inserindo Material 4 3. Enviando Mensagem aos Alunos 6

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

MANUAL PARA UTILIZAÇÃO DO MOODLE FACULDADE INTERAÇÃO AMERICANA VIRTUAL - Versão: Aluno

MANUAL PARA UTILIZAÇÃO DO MOODLE FACULDADE INTERAÇÃO AMERICANA VIRTUAL - Versão: Aluno 1 MANUAL PARA UTILIZAÇÃO DO MOODLE FACULDADE INTERAÇÃO AMERICANA VIRTUAL - Versão: Aluno Acessando o sistema 1- Para acessar a Faculdade Interação Americana Virtual digite o seguinte endereço: http://ead.fia.edu.br/

Leia mais

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3 ENSINO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DO MOODLE COMO INSTRUMENTO NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE (IFC) - CÂMPUS ARAQUARI

Leia mais

Tutorial 5 Questionários

Tutorial 5 Questionários Tutorial 5 Questionários A atividade Questionário no Moodle pode ter várias aplicações, tais como: atividades de autoavaliação, lista de exercícios para verificação de aprendizagem, teste rápido ou ainda

Leia mais

Ferramenta Colaborativa para Groupware

Ferramenta Colaborativa para Groupware Ferramenta Colaborativa para Groupware Rodolpho Brock UFSC Universidade Federal de Santa Catarina INE Deparrtamento de Informática e Estatística Curso de Graduação em Sistema de Informação rbrock@inf.ufsc.br

Leia mais

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3 1 DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS Maio/2005 216-TC-C3 José Antonio Gameiro Salles UNISUAM / CCET / Desenv. de Softwares & UNISUAM/LAPEAD - antoniosalles@gmail.com

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS

SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1 2 Caracterização de Sistemas Distribuídos: Os sistemas distribuídos estão em toda parte. A Internet permite que usuários de todo o mundo acessem seus serviços onde quer que possam estar. Cada organização

Leia mais

Manual de Usuário. Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.0 Afonso Ueslei da Fonseca

Manual de Usuário. Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.0 Afonso Ueslei da Fonseca Manual de Usuário Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.0 Afonso Ueslei da Fonseca Manual do Usuário GLPI 1. Introdução 3 2. Acessando o GLPI 4 3. Entendendo

Leia mais

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 Este tutorial não tem como finalidade esgotar todas as funcionalidades do Ambiente, ele aborda de forma prática

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Adriano Lima Belo Horizonte 2011 SUMÁRIO Apresentação... 3 Acesso ao Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA ESP-MG... 3 Programação do curso no AVA-ESPMG

Leia mais

Manual UNICURITIBA VIRTUAL para Professores

Manual UNICURITIBA VIRTUAL para Professores Manual UNICURITIBA VIRTUAL para Professores 1 2 2015 Sumário 1 Texto introdutório... 3 2 Como Acessar o UNICURITIBA VIRTUAL... 3 3 Tela inicial após login... 3 3.1) Foto do perfil... 4 3.2) Campo de busca...

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE

Leia mais

Footprints Service Core. Manual de uso do sistema

Footprints Service Core. Manual de uso do sistema Footprints Service Core Manual de uso do sistema Sumário Acessando o sistema... 3 Visão geral... 4 Criação de chamados... 5 Acompanhamento de chamados... 7 Compartilhamento de chamados... 8 Notificações...

Leia mais

Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem

Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem Ambiente Virtual de Aprendizagem (Moodle) - - Atualizado em 29/07/20 ÍNDICE DE FIGURAS Figura Página de acesso ao SIGRA... 7 Figura 2 Portal de Cursos... 8

Leia mais

SOFTWARE EDUCATIVO DE MATEMÁTICA: SHOW MATH

SOFTWARE EDUCATIVO DE MATEMÁTICA: SHOW MATH SOFTWARE EDUCATIVO DE MATEMÁTICA: SHOW MATH Anderson Clavico Moreira Profª. Ms. Deise Deolindo Silva short_acm@hotmail.com deisedeolindo@hotmail.com Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de

Leia mais

Construtor de sites SoftPixel GUIA RÁPIDO - 1 -

Construtor de sites SoftPixel GUIA RÁPIDO - 1 - GUIA RÁPIDO - 1 - Sumário Introdução...3 Por que utilizar o Construtor de Sites?...3 Vantagens do Construtor de Sites...3 Conceitos básicos...3 Configuração básica do site...5 Definindo o layout/template

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO. PROJETO FINAL I e II PLANO DE TRABALHO

FACULDADE DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO. PROJETO FINAL I e II PLANO DE TRABALHO <NOME DO TRABALHO> <Nome do Aluno> <Nome do Orientador> FACULDADE DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO PROJETO FINAL I e II PLANO DE TRABALHO O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) a ser desenvolvido

Leia mais

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem 2.1 Introdução Caro Pós-Graduando, Nesta unidade, abordaremos o Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) que será utilizado no curso: o Moodle. Serão

Leia mais

Manual Operacional AVA (Ambiente Virtual de Aprendizagem)

Manual Operacional AVA (Ambiente Virtual de Aprendizagem) Manual Operacional AVA (Ambiente Virtual de Aprendizagem) ead.clinicajulioperes.com.br Sumário navegável Como acesso o ambiente?... Como assisto aos vídeos?... Como preencher meu perfil?...

Leia mais

SISTEMA DE E-LEARNING. efaculdade MANUAL DO ALUNO

SISTEMA DE E-LEARNING. efaculdade MANUAL DO ALUNO SISTEMA DE E-LEARNING efaculdade MANUAL DO ALUNO Conteúdo Tela de acesso... 2 Dados de Cadastro... 3 Dados cadastrais... 3 Alterar meu email... 4 Alterar minha senha... 4 Minha agenda... 5 Lista de cursos...

Leia mais

Manual Portal Ambipar

Manual Portal Ambipar Manual Portal Ambipar Acesso Para acessar o Portal Ambipar, visite http://ambipar.educaquiz.com.br. Login Para efetuar o login no Portal será necessário o e-mail do Colaborador e a senha padrão, caso a

Leia mais

Faculdades Santa Cruz - Inove. Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira.

Faculdades Santa Cruz - Inove. Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira. Período letivo: 4 Semestre. Quinzena: 5ª. Faculdades Santa Cruz - Inove Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira. Unidade Curricular Sistemas Distribuídos Processos

Leia mais

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 1 EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 NADINE WASSMER TREINA E-LEARNING treina@treina.com.br ROSANA GOMES CONTEÚDOS E HABILIDADES EDUCAÇÃO CORPORATIVA DESCRIÇÃO DE PROJETO

Leia mais

Realidade Virtual Aplicada à Educação

Realidade Virtual Aplicada à Educação Realidade Virtual Aplicada à Educação Sandra Dutra Piovesan 1, Camila Balestrin 2, Adriana Soares Pereira 2, Antonio Rodrigo Delepiane de Vit 2, Joel da Silva 2, Roberto Franciscatto 2 1 Mestrado em Informática

Leia mais

CONCEITO: Moodle Moodle Moodle Moodle

CONCEITO: Moodle Moodle Moodle Moodle NE@D - Moodle CONCEITO: O Moodle é uma plataforma de aprendizagem a distância baseada em software livre. É um acrônimo de Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment (ambiente modular de aprendizagem

Leia mais

Manual de Utilização Moodle

Manual de Utilização Moodle Manual de Utilização Moodle Perfil Professor Apresentação Esse manual, baseado na documentação oficial do Moodle foi elaborado pela Coordenação de Tecnologia de Informação CTI do câmpus e tem como objetivo

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução 14

Capítulo 1 - Introdução 14 1 Introdução Em seu livro Pressman [22] define processo de software como um arcabouço para as tarefas que são necessárias para construir software de alta qualidade. Assim, é-se levado a inferir que o sucesso

Leia mais

Guia de Ambientação Março/2011

Guia de Ambientação Março/2011 Guia de Ambientação Março/2011 APRESENTAÇÃO Caro cursista, Bem vindo ao Guia de Ambientação. Este documento é dirigido a você, participante. Com ele, você conhecerá como está estruturada a interface de

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

Aplicação Prática de Lua para Web

Aplicação Prática de Lua para Web Aplicação Prática de Lua para Web Aluno: Diego Malone Orientador: Sérgio Lifschitz Introdução A linguagem Lua vem sendo desenvolvida desde 1993 por pesquisadores do Departamento de Informática da PUC-Rio

Leia mais

Árvore B UNITINS ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS 3º PERÍODO 43

Árvore B UNITINS ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS 3º PERÍODO 43 AULA A 3 ESTRUTURA RA DE DADOS Árvore B Esperamos que, ao final desta aula, você seja capaz de: identificar as vantagens da árvore B em relação às árvores binária de busca e AVL; conhecer as funções de

Leia mais

Tutorial Moodle Visão do Aluno

Tutorial Moodle Visão do Aluno Tutorial Moodle Visão do Aluno A P R E S E N T A Ç Ã O A sigla MOODLE significa (Modular Object Oriented Dynamic Learning Environment), em inglês MOODLE é um verbo que descreve a ação ao realizar com gosto

Leia mais

Sumário GUIA DO ALUNO. Primeiro Acesso... 3. Roteiro de Estudos Modalidade SEPI... 4. Roteiro de Estudos Modalidade SEI... 6

Sumário GUIA DO ALUNO. Primeiro Acesso... 3. Roteiro de Estudos Modalidade SEPI... 4. Roteiro de Estudos Modalidade SEI... 6 Sumário Primeiro Acesso... 3 Roteiro de Estudos Modalidade SEPI... 4 Roteiro de Estudos Modalidade SEI... 6 Acesso ao Ambiente Acadêmico Blackboard... 8 1 - Ferramentas... 9 1.1 - Calendário... 11 1.2

Leia mais

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF.

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF. ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I Máquina Virtual Instalação de S.O. em dual boot 1º Semestre 2010 PROF. AMARAL Na ciência da computação, máquina virtual é o nome dado a uma máquina,

Leia mais

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL Pelotas RS Maio 2010 Letícia Marques Vargas IFSul le.mvargas@gmail.com Gabriela

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Soquetes Um soquete é formado por um endereço IP concatenado com um número de porta. Em geral, os soquetes utilizam uma arquitetura cliente-servidor. O servidor espera por pedidos

Leia mais

Guia de Uso. O Pro-Treino tem uma divisão clara de funções, apresentada a seguir: E três tipos de usuários que executam as funções descritas acima:

Guia de Uso. O Pro-Treino tem uma divisão clara de funções, apresentada a seguir: E três tipos de usuários que executam as funções descritas acima: Sumário 1. Introdução... 2 2. Conceitos básicos... 2 2.1. Fluxo do sistema... 3 2.2. Acesso ao sistema... 4 2.2.1. Login... 4 2.2.2. Logoff... 4 2.2.3. Esqueci minha senha... 5 2.3. Conhecendo o Sistema...

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelo Cliente-Servidor: Introdução aos tipos de servidores e clientes Prof. MSc. Hugo Souza Iniciando o módulo 03 da primeira unidade, iremos abordar sobre o Modelo Cliente-Servidor

Leia mais

Metodologia e Gerenciamento do Projeto na Fábrica de Software v.2

Metodologia e Gerenciamento do Projeto na Fábrica de Software v.2 .:: Universidade Estadual de Maringá Bacharelado em Informática Eng. de Software III :. Sistema de Gerenciamento de Eventos - Equipe 09 EPSI Event Programming System Interface Metodologia e Gerenciamento

Leia mais

Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos de Minas.

Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos de Minas. PALAVRA DO COORDENADOR Estimado, aluno(a): Seja muito bem-vindo aos Cursos Livres do UNIPAM. Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos

Leia mais

PLANO DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM CURSOS TÉCNICOS. Walter André de Almeida Pires. Silveira

PLANO DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM CURSOS TÉCNICOS. Walter André de Almeida Pires. Silveira PLANO DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM CURSOS TÉCNICOS 1. Identificação Curso Técnico em Informática Unidade São José Coordenador da S.A Walter André de Almeida Pires Unidade(s) Curricular(es) Envolvida(s)

Leia mais

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br MANUAL DO ALUNO Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA http://www.fgf.edu.br Sala Virtual TelEduc O TelEduc é um ambiente virtual desenvolvido Unicamp para apoiar professores

Leia mais

MANUAL DO ALUNO PARA NAVEGAR NO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM - AVA

MANUAL DO ALUNO PARA NAVEGAR NO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM - AVA MANUAL DO ALUNO PARA NAVEGAR NO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM - AVA MANUAL DO ALUNO PARA ACESSO AO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Conteúdo Tela de acesso... 4 Dados de Cadastro... 5 Dados cadastrais...

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia.

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia. 1 Introdução aos Sistemas de Informação 2002 Aula 4 - Desenvolvimento de software e seus paradigmas Paradigmas de Desenvolvimento de Software Pode-se considerar 3 tipos de paradigmas que norteiam a atividade

Leia mais

VERSÃO 1 PRELIMINAR - 2010 MÓDULO 3 - PRESENCIAL

VERSÃO 1 PRELIMINAR - 2010 MÓDULO 3 - PRESENCIAL MÓDULO 3 - PRESENCIAL CmapTools É um software para autoria de Mapas Conceituais desenvolvido pelo Institute for Human Machine Cognition da University of West Florida1, sob a supervisão do Dr. Alberto J.

Leia mais

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Julho / 2.012 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/07/2012 1.0 Versão inicial Ricardo Kiyoshi Página 2 de 11 Conteúdo 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EAD 1

MANUAL DO ALUNO EAD 1 MANUAL DO ALUNO EAD 1 2 1. CADASTRAMENTO NO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Após navegar até o PORTAL DA SOLDASOFT (www.soldasoft.com.br), vá até o AMBIENTE DE APRENDIZAGEM (www.soldasoft.com.br/cursos).

Leia mais

[PÚBLICA] Manual Operacional. Sistema GEUI Gestão de Usuários da Internet. Produto: Consignado

[PÚBLICA] Manual Operacional. Sistema GEUI Gestão de Usuários da Internet. Produto: Consignado 1 [PÚBLICA] Manual Operacional Sistema GEUI Gestão de Usuários da Internet Produto: Consignado ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1. Objetivo do Manual... 3 1.2. Público Alvo... 3 1.3. Conteúdo do Manual... 3

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: TÉCNICO EM INFORMÁTICA Qualificação:

Leia mais

Manual de Operação do Simulador EONSim - Elastic Optical Networks Simulator

Manual de Operação do Simulador EONSim - Elastic Optical Networks Simulator Manual de Operação do Simulador EONSim - Elastic Optical Networks Simulator Autores: Paulo César Barreto da Silva e Marcelo Luís Francisco Abbade Dezembro de 2012 Versão 1 1. Como executa-lo O EONSim foi

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Fabrício Viero de Araújo, Gilse A. Morgental Falkembach Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção - PPGEP Universidade

Leia mais

Guia do Aluno Disciplinas EAD. UNIPs

Guia do Aluno Disciplinas EAD. UNIPs Guia do Aluno Disciplinas EAD UNIPs Sumário GUIA DO ALUNO / DISCIPLINAS EAD - UNIPs 3 1. ACESSO... 3 2. AULA INSTRUCIONAL / INTRODUÇÃO À EAD... 5 3. DISCIPLINA EAD... 8 4. COMO ESTUDAR NA EAD... 10 5.

Leia mais

Sistemas distribuídos:comunicação

Sistemas distribuídos:comunicação M. G. Santos marcela@estacio.edu.br Faculdade Câmara Cascudo - Estácio de Sá 16 de abril de 2010 Formas de comunicação Produtor-consumidor: comunicação uni-direccional, com o produtor entregando ao consumidor.

Leia mais

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20 Guia de utilização Índice Introdução... 3 O que é o sistema BlueTalk... 3 Quem vai utilizar?... 3 A utilização do BlueTalk pelo estagiário do Programa Acessa Escola... 5 A arquitetura do sistema BlueTalk...

Leia mais

Guia Rápido de Utilização. Ambiente Virtual de Aprendizagem. Perfil Aluno

Guia Rápido de Utilização. Ambiente Virtual de Aprendizagem. Perfil Aluno Guia Rápido de Utilização Ambiente Virtual de Aprendizagem Perfil Aluno 2015 APRESENTAÇÃO O Moodle é um Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) open source¹. Esta Plataforma tornouse popular e hoje é utilizada

Leia mais

Satélite. Manual de instalação e configuração. CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br

Satélite. Manual de instalação e configuração. CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br Satélite Manual de instalação e configuração CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br Índice Índice 1.Informações gerais 1.1.Sobre este manual 1.2.Visão geral do sistema 1.3.História

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Infracontrol versão 1.0

Infracontrol versão 1.0 Infracontrol versão 1.0 ¹Rafael Victória Chevarria ¹Tecnologia em Redes de Computadores - Faculdade de Tecnologia SENAC (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial) Rua Gonçalves Chaves 602-A Centro 96015-560

Leia mais

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO PARA AUTOMATIZAR O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UTILIZANDO A LINGUAGEM C#.NET

Leia mais

Ensino técnico Integrado ao médio.

Ensino técnico Integrado ao médio. PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino técnico Integrado ao médio. Código: 262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Componente Curricular: Programação para Web I Eixo Tecnológico:

Leia mais

Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal

Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal 29/11/2012 Índice ÍNDICE... 2 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. O QUE É E-COMMERCE?... 4 3. LOJA FOCCO... 4 4. COMPRA... 13 5. E-MAILS DE CONFIRMAÇÃO... 14 6.

Leia mais

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO Tecnologia em Sistemas de Informação Tecnologia em Desenvolvimento Web Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Sistemas

Leia mais

Sumário. Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web

Sumário. Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Sumário Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Fazendo Login no Sistema Tela inicial do Portal WEB Criando um

Leia mais

TRANSFORMAÇÕES LINEARES NO PLANO E O SOFTWARE GEOGEBRA

TRANSFORMAÇÕES LINEARES NO PLANO E O SOFTWARE GEOGEBRA TRANSFORMAÇÕES LINEARES NO PLANO E O SOFTWARE GEOGEBRA Débora Dalmolin Universidade Federal de Santa Maria debydalmolin@gmail.com Lauren Bonaldo Universidade Federal de Santa Maria laurenmbonaldo@hotmail.com

Leia mais

Modelagemde Software Orientadaa Objetos com UML

Modelagemde Software Orientadaa Objetos com UML Modelagemde Software Orientadaa Objetos com UML André Maués Brabo Pereira Departamento de Engenharia Civil Universidade Federal Fluminense Colaborando para a disciplina CIV 2802 Sistemas Gráficos para

Leia mais

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho vi http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Administração de Redes de Computadores Resumo de Serviços em Rede Linux Controlador de Domínio Servidor DNS

Leia mais

Centro de Agricultura Alternativa CAA Manual do Usuário do Portal Ypadê Balaio Digital Tecnologia em Gestão Ltda ME. Manual do Usuário Portal Ypadê

Centro de Agricultura Alternativa CAA Manual do Usuário do Portal Ypadê Balaio Digital Tecnologia em Gestão Ltda ME. Manual do Usuário Portal Ypadê Centro de Agricultura Alternativa CAA Manual do Usuário Portal Ypadê Montes Claros, 16 de Julho de 2011 Revisão 3 Sumário 1. Apresentação do portal e escopo deste documento... 2 2. Acessando o Portal Ypadê...

Leia mais

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r i t i l advanced Todos os direitos reservados à Constat. Uso autorizado mediante licenciamento Qualitor Porto Alegre RS Av. Ceará, 1652 São João 90240-512

Leia mais

Artur Patitucci Sobroza, Engenheiro Eletricista e Gerente do Produto @aglance da SoftBrasil Automação.

Artur Patitucci Sobroza, Engenheiro Eletricista e Gerente do Produto @aglance da SoftBrasil Automação. Artigos Técnicos Gestão de informações em tempo real Artur Patitucci Sobroza, Engenheiro Eletricista e Gerente do Produto @aglance da SoftBrasil Automação. Conectividade é a palavra do momento. A troca

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais