Projeto CELCOM: Uma alternativa tecnológica de baixo custo para desenvolvimento de EaD em comunidades rurais isoladas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto CELCOM: Uma alternativa tecnológica de baixo custo para desenvolvimento de EaD em comunidades rurais isoladas"

Transcrição

1 Projeto CELCOM: Uma alternativa tecnológica de baixo custo para desenvolvimento de EaD em comunidades rurais isoladas Jeferson Leite1, Marcel Cabral2, Edgleyson Nunes3, Francisco Müller4, Aldebaro Klautau5 Universidade Federal do Pará (UFPA) / 1 Universidade Federal do Pará (UFPA) / 2 Universidade Federal do Pará (UFPA) / 3 Universidade Federal do Pará (UFPA) / 4 Universidade Federal do Pará (UFPA) / 5 Resumo Este trabalho apresenta um projeto de telefonia celular comunitária de baixo custo, o CELCOM, e tem como objetivo oferecer, além de uma opção barata de telefonia móvel, uma alternativa de acesso à Internet através da tecnologia GPRS, podendo assim ser utilizada em aplicações de EaD (Educação à Distância) em comunidades isoladas das áreas rurais. Como será abordado ao longo do trabalho, existem diversos programas de inclusão digital que pretendem fornecer acesso à Internet banda larga para municípios das áreas rurais, no entanto, tais programas tem como alvo apenas as sedes desses municípios, negligenciando as comunidades mais afastadas que deles fazem parte, o trabalho aqui apresentando visa atender justamente essas comunidades isoladas, fornecendo não só uma alternativa para levar educação como também integrando-as ao resto do mundo. Palavras-chave: Hardware, GSM, GPRS, comunidades rurais, educação à distância. Abstract This paper presents project of a low cost mobile community telephony service called CELCOM, which aims to offer, beyond an inexpensive option of mobile service, an alternative of access to the Internet through the GPRS technology, it could be used in Distance Education (DE) applications in isolated communities in rural areas. As will be discussed throughout the paper, there are many digital inclusion programs that claim to provide broadband Internet access to cities from rural areas, however, such programs must target only the seats of these municipalities, neglecting the most remote communities that make them part, the work presented here aims to address precisely these isolated communities, providing not only an alternative to take education as well as integrating them with the rest of the world. Keywords: Hardware, GSM, GPRS, rural communities, distance education. 1

2 1. Introdução Um dos maiores desafios no cenário atual é levar educação às regiões mais remotas do país, mais especificamente às comunidades rurais que são parcial ou totalmente desprovidas de meio de comunicação com o mundo externo. Uma das alternativas usadas para integrar essas comunidades e promover essa inclusão social é o uso da Educação à Distância (EaD). Como o próprio nome já diz, a Educação à Distância (EaD) é uma modalidade de educação na qual professor e alunos estão separados espacial ou temporalmente no processo de ensino-aprendizagem, promovendo educação independente da distância. Graças às novas Tecnologias da Informação e Comunicação, a EaD é uma realidade que vem rapidamente tomando conta do cenário tanto nacional quanto global. Existem diversas plataformas que permitem usuários comuns compartilharem conhecimento ou aprenderem sobre os mais diversos campos. Além disso, instituições educacionais, dentre elas universidades e faculdades, oferecem diversos cursos com parcial ou sem a necessidade de aulas presenciais. Embora este tipo de ferramenta não venha de modo algum substituir o ensino presencial, seu advento e atual sucesso dá-se sobretudo devido às diversas alternativas que ela oferece tanto aos professores quanto aos alunos, permitindo um ensino muito mais dinâmico e interessante. Além disso, permite ao aluno construir conhecimento por si próprio, pois o professor, antes um orientador em tempo integral, passa a ser apenas um mediador ora a distância, ora em um ambiente físico, incentivando ao aluno a desenvolver competências e atitudes relativas ao estudo diferentes das adquiridas no ensino tradicional. No entanto, apesar de se tratar de EaD, existem inúmeras regiões afastadas sobretudo nas áreas rurais que não são alcançadas por esse tipo de iniciativa, o principal motivo é a indisponibilidade do acesso à banda larga nesses locais. Com o objetivo de amenizar tais carências existem projetos, no Brasil e no mundo, que visam promover a inclusão digital por meio da massificação do acesso à Internet. Contudo, como será visto, as ações existentes atualmente não preveem a disponibilização do acesso à Internet para regiões que estão localizadas afastadas até mesmo das sedes dos municípios, regiões essas que, devido ao seu próprio isolamento, carecem ainda mais de projetos de EaD, mas que não são atendidas, pois as suas baixas densidades populacionais não justificam os altos custos de levar um link de Internet a esses locais. Este trabalho apresenta uma opção barata, tanto para instalação quanto para manutenção do sistema, que pode, sobretudo em paralelo com os projetos atuais de popularização de acesso à banda larga, suprir a necessidade dessas comunidades isoladas. Essa alternativa que será detalhada mais adiante é o projeto CELCOM (telefonia CELular COMunitária) que pretende fornecer uma rede telefonia móvel e acesso à Internet para as comunidades rurais mais afastadas. As próximas seções estão organizadas da seguinte forma: na Seção 2, será feita uma análise do cenário atual da inclusão digital no Brasil. A Seção 3 apresenta o projeto CELCOM e uma descrição do funcionamento desse sistema. Na Seção 4, é feito um estudo dos custos envolvidos na implantação do projeto comparando-o às atuais soluções existentes. A Seção 5 2

3 apresenta um estudo de caso, mostrando a potencialidade do uso da solução proposta. Por fim, na Seção 6 são feitas as considerações finais a respeito do sistema proposto. 2. Cenário atual No dias atuais, o uso da tecnologia como meio de desenvolvimento e inclusão vem ganhando cada vez mais destaque no cenário mundial (Nungu et al, 2011) (Cecchini, 2012), governos de diversos países em desenvolvimento, como o Brasil e a Colômbia, vêm apresentando iniciativas buscando massificar o acesso à Internet. Em se tratando de Brasil, que é o maior país da América do Sul, devido sua extensão continental e suas diversas regiões com características bastante particulares e diversificadas, o desafio de disponibilizar Internet para todos é ainda maior, sobretudo quando se trata da região Norte, uma região que possui baixa densidade demográfica, gigantescas áreas florestais e dimensões geográficas enormes. Apesar disso, como é possível verificar na Figura 1, verifica-se que houve uma evolução ao longo dos anos no que diz respeito ao acesso à Internet no Brasil, ocorrendo um aumento considerável nos acessos banda larga e SCM (Serviços de Comunicação Multimídia) que englobam tanto acessos banda larga quanto banda estreita (menor que 64 kbps). Um dos fatores que permitiram essa evolução foi a expansão das redes das provedoras de acesso à Internet nos últimos anos. Como visto na Figura 2, as cinco maiores provedoras de Internet banda larga no Brasil possuem mais de 91% do mercado nacional no 4 trimestre de 2012 (Teleco, 2013). Assim, com o objetivo de incentivar a expansão das redes bem como a competição entre as provedoras de acesso à Internet e elevar a disponibilidade de acesso banda larga nas regiões rurais, governos federal e estaduais têm procurado desenvolver cada vez mais projetos voltados para a inclusão digital. A seguir, serão mostradas duas iniciativas nesse sentido que estão ocorrendo no Brasil, uma em âmbito nacional, o Programa Nacional de Banda Larga (PNBL), e outra a nível estadual, o Navegapará, aplicada no Estado do Pará localizado na região Norte do Brasil. 3

4 Figura 1 - Acessos SCM e banda larga no Brasil (Teleco, 2013). Figura 2 - Distribuição de banda larga no Brasil Programa Nacional de Banda Larga (PNBL) Em 12 de maio de 2010, através do Decreto n 7.715, foi criado o Programa Nacional de Banda Larga (PNBL) no Brasil. O objetivo do programa é proporcionar até 2014 acesso barato à banda larga de no mínimo 1 Mbps a mais de 40 milhões de brasileiros. O modelo de desenvolvimento do PNBL pode ser dividido em três níveis: 1. Nível nacional: consiste na expansão do backbone brasileiro através da ampliação da rede de fibra óptica tal como ilustrado na Figura 3, alcançando 4

5 diversas cidades que ainda hoje não possuem tal infraestrutura; 2. Nível regional: a partir da expansão da rede de fibra óptica, espera-se ampliar essa rede criando diversos backhauls para municípios localizados na região; 3. Nível local: a Telebrás juntamente com seus parceiros (responsáveis por levar o link de Internet até o cliente final caso haja deficiência de tais serviços na região) esperam fornecer acesso banda larga de no mínimo 1 Mbps por um preço de cerca de R$ 35,00. Portanto, o PNBL trata-se de um plano de inclusão digital que tem como objetivo aumentar a oferta do serviço de banda larga no Brasil, através da melhoria da infraestrutura da rede e incentivos fiscais, aumentando a velocidade de acesso em regiões afastadas e diminuindo o preço do serviço. Dessa forma, o governo federal espera atender 76% dos municípios brasileiros o que corresponde a 88% da população. No entanto, embora tal projeto tenha como previsão alcançar grande parte da população brasileira, quando se trata apenas das regiões mais afastadas dos grandes centros populacionais, a realidade é outra. Assim como mostrado na Figura 4, o PNBL pretende alcançar os 8 Estados pertencentes às regiões Norte e Centro-Oeste que possuem grande deficiência na cobertura banda larga no Brasil que são: Acre, Amazonas, Amapá, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins. Contudo, apesar de alcançar todos esses Estados, ao contrário da média nacional, apenas 31% do municípios serão atendidos, o que corresponde a cerca 54% da população, deixando ainda uma grande parcela de pessoas à margem dos benefícios desse projeto. 5

6 Figura 3 - Expansão da rede de fibra óptica no Brasil prevista pelo Programa Nacional de Banda Larga. Figura 4 Estados da região Norte e Centro-Oeste com grande deficiência em acesso banda larga cobertos pelo Programa Nacional de Banda Larga. 6

7 2.2. Navegapará O Navegapará é um exemplo de programa de inclusão digital a nível estadual. Trata-se de um programa do governo do Estado do Pará que visa promover a democratização do acesso à Internet pelos órgãos do governo e pela sociedade, expandido o acesso à Internet para municípios que possuem deficiência ou que antes não eram atendidos por esse tipo de serviço. A infraestrutura do Navegapará é algo semelhante ao PNBL. O governo do Estado assinou um acordo de cooperação técnica com o Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) e pode utilizar e expandir a rede óptica metropolitana de Belém (MetroBel). A infraestrutura da Metrobel é basicamente constituída de duas topologias: uma parte central com a topologia em anel (backbone) e a outra em topologia estrela na qual derivações ligadas diretamente ao anel central atendiam órgãos dele afastados, sendo que antes essa rede era utilizada apenas para serviços locais de telemedicina, EaD, videoconferência, acesso banda larga e etc. Como mostrado na Figura 5, com a adesão do governo, a rede que antes possuía cerca de 40 km de fibra óptica aumentou em cerca de 152 km de cabo de fibra óptica lançados (55 km de backbone e 97 km de derivações) (Navegapará, 2013), permitindo que diversos pontos agora possam usufruir dessa rede. Figura 5 Expansão da rede MetroBel com o desenvolvimento do Navegapará. Além disso, o projeto consiste na instalação de redes rádio de alta capacidade a fim de 7

8 distribuir o link do Navegapará em diversos municípios da região metropolitana e do Interior, as chamadas cidades digitais. Diferente do PNBL, o Navegapará não prevê distribuir acesso banda larga diretamente nas residências dos habitantes dos municípios por ele cobertos. Tratase de um programa voltado sobretudo para órgãos governamentais, sua política de inclusão digital está no fornecimento do acesso à Internet via pontos de acesso público localizados nas cidades digitais, além da instalação de infocentros nos quais os habitantes da localidade podem não só acessar à Internet como participar de cursos básicos de tecnologia. Embora não exista uma estatística de quantas pessoas já foram beneficiadas por esse programa, atualmente, o Navegapará já alcança cerca de 60 municípios tal como mostrado na Tabela 1 e continua em expansão, sendo que todos os municípios por ele alcançados possuem pelo menos um ponto de acesso público com velocidade de 2 Mbps. Quando comparado com as previsões do PNBL no Estado do Pará mostradas na Tabela 2 (PNBL, 2013), verifica-se que o Navegapará já chega a mais do que os previstos para serem cobertos pelo programa federal. Municípios já atendidos atualmente pelo Navegapará São Caetano de Odivelas São Domingos do Capim Abaetetuba Capanema Jacundá São João de Pirabas Acará Castanhal Marabá Primavera Alenquer Colares Maracanã Quatipuru São Francisco Algodoal Concórdia do Pará Marapanim Rurópolis São João da Ponta Altamira Curuçá Marituba Salinópolis São Miguel Ananindeua Goianésia Marudá Salvaterra Soure Augusto Côrrea Igarapé-Açu Moju Santa Bárbara Tailândia Barcarena Igarapé-Miri Santa Isabel Terra Alta Belém Inhangapi Santa Maria Tracuateua Benevides Irituia Pacajá Santarém Tucuruí Bragança Itaituba Paragominas Santarém Novo Uruará Bujaru Itupiranga Peixe-Boi Santo Antônio do Tauá Vigia Nova Timboteua Novo Repartimento Tabela 1 Lista dos municípios atendidos atualmente pelo programa Navegapará. 8

9 Municípios previstos (além da capital Belém) para serem atendidos pelo PNBL no Pará Ananindeua Garrafão do Norte Ponta de Pedras São Francisco do Pará Augusto Corrêa Inhangapi Primavera São João da Ponta Aurora do Pará Ipixuna do Pará Quatipuru São Miguel do Guamá Benevides Irituia Salinópolis São Sebastião da Boa Vista Bonito Limoeiro do Ajuru Bujaru Mãe do Rio Cachoeira do Piriá Marapanim Concórdia no Pará Moju Curralinho Muaná Dom Eliseu Nova Timboteua Santa Isabel do Pará Santa Luzia do Pará Santarém Novo Santo Antônio do Tauá São Caetano de Odivelas São Domingos do Capim Soure Terra Alta Tracuateua Ulianópolis Vigia Viseu Tabela 2 Lista com a previsão de municípios que serão atendidos pelo PNBL no Estado do Pará. 3. Projeto CELCOM Embora os projetos citados sejam promissores e estejam realmente contribuindo para a popularização do acesso à Internet, é importante destacar que, apesar de alcançar um grande número de municípios em regiões rurais afastadas, esses projetos resumem-se em atender as sedes desses municípios, deixando à margem de tais benefícios diversas comunidades afastadas por quilômetros dessas sedes, comunidades estas que sequer possuem serviços de telefonia móvel. O projeto CELCOM (Telefonia CELular COMunitária) surgiu como uma alternativa barata para suprir essa carência. Sua ideia principal é fornecer serviços básicos de telefonia móvel GSM (conversação e SMS) e acesso à Internet via GPRS (General Packet Radio Service) que fornece uma taxa média de 40 kbps (equivalente a uma conexão discada) sem custos para o usuário, dado que os moradores dessas comunidades não teriam recursos para pagar esses serviços. Ainda que a tecnologia GPRS forneça uma velocidade baixa comparada aos padrões atuais, essas comunidades rurais em sua maioria são desprovidas de qualquer rede de acesso à Internet e, devido suas distâncias das sedes das cidades e sua baixa densidade populacional, não tem qualquer previsão de evolução nesse sentido, na verdade, a própria dispersão geográfica nessas regiões dificulta a expansão das redes de telecomunicações de forma a 9

10 alcançar essas comunidades. Portanto, o CELCOM é uma opção válida para essa parcela da sociedade que, apesar de todos os projetos em vista, deve continuar digitalmente marginalizada Funcionamento do CELCOM O projeto CELCOM é um projeto de rede de telefonia móvel GSM baseado em software livre e hardware aberto, o que já torna nativamente seu custo menor. A Figura 6 mostra a estrutura básica do CELCOM assim como seus principais componentes. Figura 6 Estrutura básica de funcionamento do CELCOM (Range Networks, 2012). Conforme visto na Figura 6 a estação base ou BTS (Base Transceiver Station), que é o equipamento utilizado para fornecer o acesso à rede de telefonia móvel, é o openbts (Range Networks, 2011), este equipamento utiliza uma plataforma de software livre chamada GNU Radio (Fahnle, 2010) e um hardware aberto conhecido como USRP (Universal Software Radio Peripheral), somado a isso existe um servidor VoIP (usado para trafegar voz e dados sobre o protocolo de Internet IP) chamado Asterisk (Digium, 2013) que funciona tanto como núcleo da rede GSM como interface com as redes de telecomunicações externas. O funcionamento da rede é simples e objetivo. Tendo um aparelho celular GSM na 10

11 aérea de cobertura, a BTS irá identificá-lo e conectá-lo à rede, para isto basta mudar a configuração de rede do celular, escolhendo a operadora do CELCOM. Como se trata de uma rede comunitária, não há restrições de registro. Assim, todos os aparelhos que estiverem ao alcance do sinal transmitido pela BTS poderão se registrar, mas, caso seja necessário, o equipamento permite o cadastro dos usuários que poderão utilizar ou não o sistema. Como se trata de um sistema ainda simples, o mesmo possui algumas restrições, como a duração máxima de uma chamada ser de 72h e limitação de apenas 7 ligações simultâneas. Para as mensagens de texto o limite é de 84 SMS/minuto Utilização de GPRS Atualmente, o openbts possui uma versão avançada chamada openbsc que permite a transmissão de dados, provendo Internet móvel aos dispositivos celulares. Utilizando essa nova versão, uma vez que o usuário esteja conectado à rede GSM seria possível acessar à Internet via GPRS. Como dito anteriormente, a velocidade média obtida na prática com o GPRS é de 40 kbps comparável a uma conexão discada. Embora essa velocidade possa ser considerada lenta, seria suficiente para que comunidades isoladas tivessem acesso à Internet e pudessem usufruir de programas de Educação à Distância, por exemplo, integrando essas pessoas ao resto do mundo. 4. Estudo comparativo dos custos envolvidos Neste tópico aborda-se questões envolvendo custos de soluções tecnológicas para EaD abrangendo áreas isoladas. Como citado em tópicos anteriores, é necessário buscar soluções com a melhor relação custo benefício para implementar soluções de Internet em comunidades isoladas e carentes, onde há pouco ou nenhum interesse em se explorar economicamente o serviço Soluções de conectividade para o CELCOM A Tabela 3 abaixo mostra os valores estimados de custos para instalação do CELCOM usando GPRS, utilizando várias opções de backhaul (ou meio de acesso ou ainda meio de interconexão). O custo do equipamento GSM/GPRS é fixo (já otimizado para ser o menor possível), logo o custo variável é o enlace de acesso, onde os valores de enlaces exibidos na tabela são valores médios, pois modificam-se de acordo com a localidade que se deseja atender. 11

12 SOLUÇÕES DE INTERCONEXÃO PARA O CELCOM CAPEX (CUSTO FIXO: EQUIPAMENTO DO CELCOM) OPEX (MANUTENÇÃO + ALUGUEL DE BACKHAUL) TOTAL R$ 7.022,68 R$ 1.200,00 R$ 8.222,68 R$ 7.022,68 R$ 2.265,72 R$ 9.288,40 R$ 7.022,68 R$ 6.181,25 R$ ,93 R$ 7.022,68 R$ ,00 R$ ,68 CELCOM COM USO DE INTERCONEXÃO VIA E1 (2 Mbps) TERRESTRE CELCOM COM USO DE INTERCONEXÃO VIA RÁDIO PONTO A PONTO (PTP) CELCOM COM USO DE INTERCONEXÃO VIA FRAÇÃO DE E1 (512 kbps) SATELITAL CELCOM COM USO DE INTERCONEXÃO VIA E1 (2 Mbps) SATELITAL Tabela 3 Comparação estimada de custos de implantação do CELCOM. Observa-se que a solução mais barata é se utilizar o CELCOM com interconexão via E1 terrestre (enlace de 2 Mbps provido por fibra ótica ou outra tecnologia cabeada). Entretanto muitos municípios não possuem essa capilaridade das redes de telecomunicações cabeadas existentes (das operadoras comerciais ou mesmo da Telebrás com o mais recentemente lançado PNBL), o que em muitos casos inviabiliza técnica e economicamente a implantação do sistema com esse tipo de enlace. A segunda opção mais barata seria um enlace PTP (Ponto a Ponto) interconectando o CELCOM à Internet, onde há um acréscimo de custo de aproximadamente 13% com relação a solução por E1 terrestre. Contudo, o enlace PTP precisa ter capilaridade suficiente no seu backbone e um raio de alcance razoável para permitir que o sistema interconecte-se a rede mundial de computadores. Localidades isoladas, especialmente na Amazônia, muitas vezes estão envoltas por regiões de mata ou floresta densa ou ainda em regiões de alta / baixa altitude (exemplo: morros, serras, vales, etc), onde essas particularidades geográficas podem representar obstáculos de propagação e ao estabelecimento do enlace de rádio PTP. A solução ideal para essas regiões isoladas seria um enlace de satélite, cuja cobertura global pode alcançar as regiões mais remotas. Entretanto, como o objetivo do CELCOM é desenvolver um sistema de comunicação de baixo custo, o preço elevado de um E1 satelital torna inviável a utilização desta tecnologia. Com relação ao E1 terrestre o custo é quase quatro vezes maior. Pensou-se em utilizar frações de E1 (um E1 representa 32 canais de voz de 64 kbps cada, o que resulta em 2 Mbps), pois a banda mínima que o CELCOM necessita para funcionar é de 512 kbps (¼ de E1), posto que cada um dos sete canais GSM de 13 kbps na interface aérea será transformado em um canal VoIP de 64 kbps no Asterisk (7x64 kbps = 448 kbps, onde sobra um canal de 64 kbps para sinalização). Porém, mesmo se utilizando frações de E1 satelital o custo continua elevado (aproximadamente duas vezes maior que o E1 terrestre). 12

13 4.2. Soluções de conectividade para áreas isoladas Comparações entre tecnologias distintas não são triviais, pois o número de aspectos envolvidos é enorme. Alguns destes aspectos são discutidos a seguir. A tabela abaixo (Tabela 4) faz uma breve comparação entre o CELCOM e a tecnologia de rede sem fio (WIFI), pois a mesma seria uma outra alternativa de fornecimento de Internet em locais isolados. Pode-se imaginar que se o objetivo é prover, além de telefonia móvel, o serviço de GPRS (Internet) em uma localidade isolada, por que não utilizar a tecnologia de rede sem fio, pois poderia se utilizar o VoIP pelo WIFI? SOLUÇÃO DE INTERNET PARA COMUNIDADES ISOLADAS CELCOM (GPRS) + E1 TERRESTRE CELCOM (GPRS) + E1 SATELITAL CELCOM (GPRS) + PTP (NAVEGAPARÁ) CELCOM (GPRS) kbps SATELITAL WIFI + E1 TERRESTRE WIFI + E1 SATELITAL WIFI + PTP (NAVEGAPARÁ) WIFI kbps SATELITAL R$ 8.222,68 R$ ,68 R$ 9.288,40 R$ ,93 R$ 8.915,97 R$ ,97 R$ 9.981,69 R$ ,22 Tabela 4 Comparação de custos CELCOM vs WIFI. Ao analisar a Tabela 4 observa-se que o CELCOM ainda tem um custo menor comparado ao WIFI. Um equipamento WIFI profissional que tenha cobertura razoável para a comunidade (incluindo serviço de instalação) adicionado ao mesmo a interconexão por um E1 terrestre, resulta num custo um pouco superior ao CELCOM (cerca de 8% maior). Todavia, o problema da falta de capilaridade da rede de E1s terrestres inviabiliza o projeto em muitos municípios. O WIFI utilizando rádio PTP como meio de interconexão ainda resulta em um valor maior do que seria utilizar o CELCOM com GPRS para prover Internet a essas localidades (aproximadamente 8% também). Teoricamente haverá uma velocidade maior no WIFI, porém a um custo também maior. Entretanto, a tecnologia GPRS promete em condições ideais (ou bastante favoráveis) um alcance de velocidade de 144 kbps, com média de 40 kbps. Em uma região onde o acesso a tecnologias digitais é quase nulo, isso representa um avanço significativo, permitindo o uso de aplicações de EaD. Além disso, o WIFI trabalha com uma frequência mais alta que o GSM/GPRS (2,4 GHz no WIFI e 900 MHz no CELCOM), assim a região de cobertura do WIFI seria mais restrita, visto que quanto maior a frequência menor a área de cobertura da mesma. Os custos das soluções de interconexões satelitais tanto para o CELCOM quanto para o WIFI encarecem bastante o sistema, tendo como única vantagem a cobertura global. Mesmo assim, o CELCOM ainda é uma solução mais barata que o WIFI caso se decida investir em um enlace de satélite para operacionalizar o sistema. Deve-se também ter em mente que o custo de manutenção de um equipamento WIFI profissional é bastante superior ao apresentado pelo CELCOM. Este último pode ter sua 13

14 manutenção feita remotamente, o que representa um custo quase zero para se manter o sistema funcionando (excetua-se o caso de dano físico ao equipamento, onde seria necessária manutenção in loco). 5. Estudo de caso O município de Irituia localizado na região Norte do Brasil é um exemplo de área rural afastada que antes não tinha qualquer meio de acesso à Internet. Atualmente, esse município é atendido pelo programa Navegapará e conta, além de acesso à Internet para escolas e órgãos governamentais, com um ponto de acesso público a partir do qual qualquer pessoa com um computador ou celular pode conectar-se à rede mundial. Apesar disso, tais benefícios só podem usufruídos pelo moradores da sede do município. Conforme pode-se observar no mapa da Figura 7, a cidade de Irituia possui diversas comunidades ao redor de sua sede, sendo que dos habitantes do município (IBGE, 2013) apenas cerca de 21% estão na sede, enquanto os demais (mais de 78% da população) encontram-se espalhados pelas suas 48 comunidades que não tem qualquer previsão de serem atendidas pelos programas de inclusão digital já citados neste artigo. Figura 7 Mapa do município de Irituia e suas comunidades rurais. 14

15 A partir de uma visita à região, realizada em março desse ano, foi constatado que essas 48 comunidades, apesar de serem parte integrante do município de Irituia, são em sua maioria quase ou totalmente desprovidas de qualquer meio de telecomunicação. Em alguns poucos casos, existem telefones públicos, no entanto, a cobertura das duas únicas operadoras de telefonia móvel que atendem a localidade continua apenas alcançando a sede da cidade. Há uma torre de uma terceira operadora no entroncamento entre uma rodovia federal e uma rodovia estadual (Figura 8) que dá acesso ao município, porém esta dista de cerca de 14 km da sede do município e provê cobertura para a rodovia e não para o município em si. Figura 8 Operadoras comerciais que cobrem parcialmente o município de Irituia. Assim, a implantação de um projeto como o CELCOM forneceria meios viáveis e de baixo custo para atender essa população isolada, permitindo que os moradores desses locais se beneficiem tanto do acesso à rede de telefonia móvel quanto do acesso à Internet que, apesar de não se tratar de banda larga, já é um grande avanço para essas regiões que antes não tinham qualquer perspectiva de possuírem tais serviços. 6. Considerações finais Atualmente, projetos que visam a integração social e o acesso à informação têm ganhado cada vez mais importância no cenário mundial. No que diz respeito ao Brasil, existem tanto na esfera estadual quanto federal iniciativas buscando integrar e fornecer meios de acesso à informação para áreas rurais desprovidas desses recursos. Porém, devido à grande dispersão populacional de determinadas regiões, como é o caso da região Norte do Brasil, uma parcela 15

16 considerável da população deixa de ser atendida por esses programas e, portanto, permanece sem qualquer aproveitamento dos benefícios que estes possam vir a oferecer, tratam-se de regiões tão remotas que sequer possuem cobertura de telefonia móvel. O projeto CELCOM aqui proposto mostrou uma alternativa para prover telefonia celular de baixo custo em localidades remotas e acesso à Internet via a tecnologia GPRS. Portanto, as possibilidades do uso dessa tecnologia vão muito além da simples conversação (voz) e troca de mensagens de texto. Ela permitirá que, em regiões sem qualquer meio de comunicação com o mundo externo, seja possível oferecer serviços de telemedicina, chamadas de emergência, EaD, navegação da Internet, avisos por SMS entre outros, abrindo possibilidades para que muitas famílias se sintam social e digitalmente incluídas e amparadas. Referências NUNGU, A.; OLSSON, R; PEHRSON, B. On Powering Communication Networks in Developing Regions. 1st International Conference on e-technologies and Networks for Development (ICeND), Tanzânia, CECCHINI, S. Information and Communication Technology for Poverty Reduction. Lessons from Rural India. Poverty Reduction Group, The World Bank. IEEE Technology and Society Magazine, pp , TELECO. Estatísticas de banda larga no Brasil <http://www.teleco.com.br/blarga.asp> Acesso: 09 de abril de NAVEGAPARA. Cidades Digitais <http://www.navegapara.pa.gov.br> Acesso: 06 de abril de Disponível Disponível em: em: PNBL. Programa Nacional de Banda Larga (PNBL): municípios atendidos. Disponível em: <http://www.mc.gov.br > Acesso: 06 de abril de RANGE NETWORKS. White paper: OpenBTS and the Future of Cellular Networks Disponível em: <http://www.rangenetworks.com>. Acesso: 05 de abril de FAHNLE, M. Software-Defined Radio with GNU Radio and USRP/2 Hardware Frontend: Setup and FM/GSM Applications. Bachelor Thesis. Hochschule Ulm University of Applied Sciences, Institute of Communication Technology, Ulm, Alemanha, DIGIUM. The Asterisk Company Disponível <http://www1.digium.com/en/products/asterisk >. Acesso: 06 de janeiro de em: RANGE NETWORKS. OpenBTS P2.8 User s manual, <http://www.rangenetworks.com>. Acesso: 01 de março de Disponível em: IBGE, Censo demográfico Disponível <http://www.ibge.gov.br/cidadesat/topwindow.htm?1> Acesso: 11 de maio de em: 16

Redes GSM/GPRS de baixo custo baseadas em software livre e hardware aberto para comunidades carentes

Redes GSM/GPRS de baixo custo baseadas em software livre e hardware aberto para comunidades carentes Redes GSM/GPRS de baixo custo baseadas em software livre e hardware aberto para comunidades carentes Jeferson B. N. Leite 1, Edgleyson Dias 2, Willian Rocha 2, Francisco C. F. B. Müller 1, Aldebaro Klautau

Leia mais

Tabela 6 - Estabelecimentos com Bibliotecas, Laboratório de Informática, Sala para TV e Video por Municípios do Estado do Pará - 2007

Tabela 6 - Estabelecimentos com Bibliotecas, Laboratório de Informática, Sala para TV e Video por Municípios do Estado do Pará - 2007 Tabela 6 - Estabelecimentos com s, Laboratório de, Sala para TV e Video por do Estado do Pará - 2007 Estado do Pará 1.311 607 4.169 468 305 816 Abaetetuba 42 12 83 12 7 16 Abel Figueiredo 3 2 6 1 1 1 Acará

Leia mais

Escolas com Computadores. Esc com Lab de Informática

Escolas com Computadores. Esc com Lab de Informática Tabela 6 - Estabelecimentos com s, Laboratório de, e Acesso por Regiões Adiministrativas do Ministério Público do Estado do Pará - 2009 Acesso Estado do Pará 18.682 1.474 1.030 2.613 1.269 520 480 602

Leia mais

Comissão de Ciência, Tecnologia, Comunicação e Informática

Comissão de Ciência, Tecnologia, Comunicação e Informática Comissão de Ciência, Tecnologia, Comunicação e Informática Audiência Pública 30/03/2010 Plenário 13 Requerimento 217/2009 - Deputada Luiza Erundina Tema: Discutir os efeitos, as implicações e a viabilidade

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESPECIAL DE PROMOÇÃO SOCIAL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCACÃO EDITAL Nº007 /2014

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESPECIAL DE PROMOÇÃO SOCIAL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCACÃO EDITAL Nº007 /2014 GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESPECIAL DE PROMOÇÃO SOCIAL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCACÃO EDITAL Nº007 /2014 O Governo do Estado do Pará através da SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO/SEDUC, inscrita

Leia mais

Telebras Institucional

Telebras Institucional Telebras Institucional Ibirubá-RS, Setembro 2011 A Telebrás Quem somos A TELEBRAS é uma S/A de economia mista, vinculada ao Ministério das Comunicações, autorizada a usar e manter a infraestrutura e as

Leia mais

CETEM - Centro de Tecnologia Mineral

CETEM - Centro de Tecnologia Mineral CETEM - Centro de Tecnologia Mineral Sustentabilidade 2013 INDÚSTRIA & SUSTENTABILIDADE SUSTENTABILIDADE NA MINERAÇÃO Alberto Rogério Benedito da Silva ARBS Consultoria - Belém-Pará rogerio@supridados.com.br

Leia mais

Revisão dos Contratos de Concessão. O PGMU. Desafio do Backhaul 390 Encontro Tele.Síntese

Revisão dos Contratos de Concessão. O PGMU. Desafio do Backhaul 390 Encontro Tele.Síntese Revisão dos Contratos de Concessão. O PGMU. Desafio do Backhaul 390 Encontro Tele.Síntese Mario Dias Ripper F&R Consultores Brasília, 02 de setembro de 2014. PGMU III Geografia Características do Brasil

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

Sugestão de Política Pública para o Atendimento Rural via Satélite

Sugestão de Política Pública para o Atendimento Rural via Satélite Sugestão de Política Pública para o Atendimento Rural via Satélite Sindicato Nacional das Empresas de Telecomunicações por Satélite SINDISAT Suporte: TELECO - Inteligência em Telecomunicações Brasília,

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK)

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) 1. VPN Segundo TANENBAUM (2003), VPNs (Virtual Private Networks) são redes sobrepostas às redes públicas, mas com

Leia mais

Keynote speech by Senator Walter Pinheiro

Keynote speech by Senator Walter Pinheiro II LATIN AMERICAN PUBLIC POLICY FORUM ON INTERNET, E- COMMERCE AND MOBILE TECHNOLOGIES Economic, Social and Cultural Impact on Latin America's Development Keynote speech by Senator Walter Pinheiro Discussion

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 9 Desde o nascimento do telemóvel e o seu primeiro modelo vários se seguiram e as transformações tecnológicas que estes sofreram ditaram o nascimento de várias gerações. O Motorola DynaTac 8000X é

Leia mais

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA 1 Banda Estreita A conexão de banda estreita ou conhecida como linha discada disponibiliza ao usuário acesso a internet a baixas velocidades,

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

Programa Nacional de Banda Larga 18 meses depois

Programa Nacional de Banda Larga 18 meses depois Programa Nacional de Banda Larga 18 meses depois Caio Bonilha Telebras 1 Câmara dos Deputados, 06/12/2011 Mercado de Banda Larga no Brasil Conexões Banda Larga por região 9% 2% 17% 63% 9% Norte Nordeste

Leia mais

Relatório. Relatório 5 CONSERVAÇÃO

Relatório. Relatório 5 CONSERVAÇÃO Relatório Relatório 5 CONSERVAÇÃO SETEMBRO DE 2010 2 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO.................................................... 3 2. OBJETIVOS......................................................... 4

Leia mais

Alinhando os Planos de Educação do Pará

Alinhando os Planos de Educação do Pará Planejando a Próxima Década: adequação/elaboração dos Planos de Educação Estadual e Municipal ao PLC 103/2012. Alinhando os Planos de Educação do Pará JOÃO BATISTA MILENA MONTEIRO NAIR MASCARENHAS SANDRA

Leia mais

AÇÕES GOVERNAMENTAIS DE FOMENTO PARA O SETOR DE TI NA BAHIA

AÇÕES GOVERNAMENTAIS DE FOMENTO PARA O SETOR DE TI NA BAHIA AÇÕES GOVERNAMENTAIS DE FOMENTO PARA O SETOR DE TI NA BAHIA PARQUE TECNOLÓGICO DA BAHIA ÁREAS DE ATUAÇÃO BIOTECNOLOGIA E SAÚDE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ENERGIAS E ENGENHARIAS TECNOCENTRO

Leia mais

Pesquisa sobre Provedores de Serviços Internet no Brasil. São Paulo, 30 de novembro de 2011

Pesquisa sobre Provedores de Serviços Internet no Brasil. São Paulo, 30 de novembro de 2011 Pesquisa TIC Provedores 2011 Coletiva de Imprensa Pesquisa sobre Provedores de Serviços Internet no Brasil São Paulo, 30 de novembro de 2011 CGI.br Comitê Gestor da Internet no Brasil NIC.br Núcleo de

Leia mais

Transparência e Internet, as Telecomunicações apoiando a Administração Pública Case Prefeitura de São Paulo

Transparência e Internet, as Telecomunicações apoiando a Administração Pública Case Prefeitura de São Paulo Transparência e Internet, as Telecomunicações apoiando a Administração Pública Case Prefeitura de São Paulo Data:17 de Julho de 2009 Índice 01 Evolução da Internet - História (comercialização dos Backbones)

Leia mais

SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES

SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES NO BRASIL COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA SENADO FEDERAL EDUARDO LEVY BRASÍLIA, 04 DE NOVEMBRO DE 2014 crescimento do setor de telecomunicações

Leia mais

Projeto RuralMAX. Soluções para massificação do acesso à Internet em Banda Larga para Áreas Rurais

Projeto RuralMAX. Soluções para massificação do acesso à Internet em Banda Larga para Áreas Rurais Projeto RuralMAX Soluções para massificação do acesso à Internet em Banda Larga para Áreas Rurais Rural Connectivity Forum 2011 15 a 17/11 - Maputo - Moçambique NEGER Tecnologia e Sistemas Fundada em 1987

Leia mais

BGAN. Transmissão global de voz e dados em banda larga. Banda larga para um planeta móvel

BGAN. Transmissão global de voz e dados em banda larga. Banda larga para um planeta móvel BGAN Transmissão global de voz e dados em banda larga Banda larga para um planeta móvel Broadband Global Area Network (BGAN) O firm das distâncias O serviço da Rede Global de Banda Larga da Inmarsat (BGAN)

Leia mais

Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação. Parte 4 - Programas Prioritários em Informática

Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação. Parte 4 - Programas Prioritários em Informática Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação Parte 4 - Programas Prioritários em Informática Rede Nacional de Pesquisa Ministério da Ciência e Tecnologia Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

VOIP A REVOLUÇÃO NA TELEFONIA

VOIP A REVOLUÇÃO NA TELEFONIA VOIP A REVOLUÇÃO NA TELEFONIA Introdução Saiba como muitas empresas em todo mundo estão conseguindo economizar nas tarifas de ligações interurbanas e internacionais. A História do telefone Banda Larga

Leia mais

Evolução Futura da Rede de Transportes

Evolução Futura da Rede de Transportes Evolução Futura da Rede de Transportes 1.1 AVALIAÇÃO POR JANELA ADMINISTRATIVA O processo que se descreve a partir daqui é referenciado pelos períodos administrativos (governos), de acordo com o que estabelece

Leia mais

Tecnologias de Banda Larga

Tecnologias de Banda Larga Banda Larga Banda larga é uma comunicação de dados em alta velocidade. Possui diversas tecnologia associadas a ela. Entre essas tecnologias as mais conhecidas são a ADSL, ISDN, e o Cable Modem. Essas tecnologias

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações CIDADES DIGITAIS CONSTRUINDO UM ECOSSISTEMA DE COOPERAÇÃO E INOVAÇÃO Cidades Digitais Princípios

Leia mais

7 Modelos de Négocio para o PLC

7 Modelos de Négocio para o PLC 87 7 Modelos de Négocio para o PLC Há basicamente três modelos de negócio que podem ser usados para o PLC baseados no valor de investimento e nível de risco que as empresas de energia se dispõem em aceitar

Leia mais

Sugestão de Política Pública para o Atendimento Rural via Satélite. Sindicato Nacional das Empresas de Telecomunicações por Satélite SINDISAT

Sugestão de Política Pública para o Atendimento Rural via Satélite. Sindicato Nacional das Empresas de Telecomunicações por Satélite SINDISAT Sugestão de Política Pública para o Atendimento Rural via Satélite Sindicato Nacional das Empresas de Telecomunicações por Satélite SINDISAT Rio de Janeiro, 16 de Agosto de 2011 2 Referência Internacional

Leia mais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 1: Etapas de Projeto e Dimensionamento do Sistema INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 Etapas de projeto e dimensionamento

Leia mais

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014 GEOGRAFIA QUESTÃO 1 A Demografia é a ciência que estuda as características das populações humanas e exprime-se geralmente através de valores estatísticos. As características da população estudadas pela

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Programa Nacional de Banda Larga: principais ações e resultados Brasília, novembro de 2014

Programa Nacional de Banda Larga: principais ações e resultados Brasília, novembro de 2014 Programa Nacional de Banda Larga: principais ações e resultados Brasília, novembro de 2014 Meta do PNBL Se pacote PNBL de 1 Mbps for ofertado por R$ 15 em todos os municípios Se pacote PNBL de 1 Mbps for

Leia mais

O direito à tecnologia da informação: perspectivas e desafios. Prof. José Carlos Vaz EACH-USP

O direito à tecnologia da informação: perspectivas e desafios. Prof. José Carlos Vaz EACH-USP O direito à tecnologia da informação: perspectivas e desafios Prof. José Carlos Vaz EACH-USP 1 1. A importância da democratização do acesso à TI A desigualdade no acesso à tecnologia é um fator adicional

Leia mais

A sigla ADSL refere-se a: Linha Digital Assimétrica para Assinante.

A sigla ADSL refere-se a: Linha Digital Assimétrica para Assinante. ADSL ADSL A sigla ADSL refere-se a: Linha Digital Assimétrica para Assinante. Trata-se de uma tecnologia que permite a transferência digital de dados em alta velocidade por meio da linha telefônica. É

Leia mais

Como criar um modelo de negócio WiMAX de sucesso

Como criar um modelo de negócio WiMAX de sucesso Como criar um modelo de negócio WiMAX de sucesso Exemplo São Paulo, 19 de novembro de 2008 Copyright 2008 PromonLogicalis. Todos os direitos reservados. Agenda 1 2 3 4 Oportunidade de negócio Análise Técnico-econômica

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Késsia Marchi

Redes de Computadores. Prof. Késsia Marchi Redes de Computadores Prof. Késsia Marchi Redes de Computadores Redes de Computadores Possibilita a conexão entre vários computadores Troca de informação Acesso de múltiplos usuários Comunicação de dados

Leia mais

Desafios para a construção" de uma rede de telecomunicações governamental no Estado

Desafios para a construção de uma rede de telecomunicações governamental no Estado Desafios para a construção" de uma rede de telecomunicações governamental no Estado Cristiane Lima Guadagnin Cardoso I Semana Estadual de Tecnologia da Informação e Comunicação - TIC Maio 2015. 1 AGENDA

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Profª. Kelly Hannel Novas tecnologias de informação 2 HDTV WiMAX Wi-Fi GPS 3G VoIP Bluetooth 1 HDTV 3 High-definition television (também conhecido por sua abreviação HDTV):

Leia mais

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona SDH A SDH, Hierarquia Digital Síncrona, é um novo sistema de transmissão digital de alta velocidade, cujo objetivo básico é construir um padrão internacional unificado, diferentemente do contexto PDH,

Leia mais

POLOS PARFOR. PROCESSO SELETIVO Licenciatura em Língua Portuguesa Letras UFPA CURSOS OFERTADOS

POLOS PARFOR. PROCESSO SELETIVO Licenciatura em Língua Portuguesa Letras UFPA CURSOS OFERTADOS GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO SECRETARIA ADJUNTA DE ENSINO PLANO DE FORMAÇÃO DOCENTE DO ESTADO DO PARÁ POLOS PARFOR LEGENDA Polos UAB gerenciados pelo Estado Polos UAB gerenciados

Leia mais

Transmissão de Vídeo Monitoramento. Aplicativo. Vídeo-Monitoramento de alta qualidade, sem fio e para qualquer localidade

Transmissão de Vídeo Monitoramento. Aplicativo. Vídeo-Monitoramento de alta qualidade, sem fio e para qualquer localidade Aplicativo Transmissão de Vídeo Monitoramento Vídeo-Monitoramento de alta qualidade, sem fio e para qualquer localidade Desde o ocorrido em 11 de Setembro, a necessidade de projetos de segurança com vídeo

Leia mais

Tutorial NEGER Telecom COMO IMPLANTAR REDES WIFI EM VEÍCULOS

Tutorial NEGER Telecom COMO IMPLANTAR REDES WIFI EM VEÍCULOS Tutorial NEGER Telecom COMO IMPLANTAR REDES WIFI EM VEÍCULOS Julho/2010 Objetivo Este tutorial tem como objetivo fornecer informações técnicas e recomendações na utilização de roteadores 3G para implantação

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I Introdução a Redes de Computadores Prof. Esbel Tomás Valero Orellana Usos de Redes de Computadores Uma rede de computadores consiste de 2 ou mais computadores e/ou dispositivos

Leia mais

Conexão Sem Fio Guia do Usuário

Conexão Sem Fio Guia do Usuário Conexão Sem Fio Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registrada da Microsoft Corporation nos Estados Unidos. Bluetooth é marca comercial dos respectivos

Leia mais

Larga Brasil 2005-2010

Larga Brasil 2005-2010 Barômetro Cisco de Banda Larga Brasil 2005-2010 Resultados de Junho de 2010 Preparado para Meta de Banda Larga em 2010 no Brasil: 15 milhões de conexões Elaborado por IDC Copyright 2010 IDC. Reproduction

Leia mais

Relatório. Relatório 6 CADASTRO AMBIENTAL RURAL

Relatório. Relatório 6 CADASTRO AMBIENTAL RURAL Relatório Relatório 6 CADASTRO AMBIENTAL RURAL OUTUBRO DE 2010 2 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO.................................................... 3 2. OBJETIVOS.........................................................

Leia mais

Evento Huawei Águas de São Pedro Cidade Digital e Inteligente

Evento Huawei Águas de São Pedro Cidade Digital e Inteligente Evento Huawei Águas de São Pedro Cidade Digital e Inteligente São Paulo, 2 de Julho de 2015 Eduardo Koki Iha Smart Cities & Inovação IoT eduardo.iha@telefonica.com - @kokiiha 1 Por que Cidades Inteligentes?_

Leia mais

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Composição Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Aterramento Fio de boa qualidade A fiação deve ser com aterramento neutro (fio Terra) trabalhando em tomadas tripolares Fio negativo,

Leia mais

III Fórum Lusófono das Comunicações ARCTEL-CPLP

III Fórum Lusófono das Comunicações ARCTEL-CPLP III Fórum Lusófono das Comunicações ARCTEL-CPLP Tendências, Panorama e Desafios do Roaming Internacional II Painel Que Mercado na CPLP? Agenda Sobre a Oi Que Mercado na CPLP Panorama Roaming Internacional

Leia mais

Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo.

Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo. 1 TEMA Assunto: Redes de computadores. Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo. 2 PROBLEMA Problema: Qual a importância de criar uma rede estruturada em instituições

Leia mais

19/07/2013. Camadas. Camadas de Enlace e Física. Camadas de Enlace e Física. Topologias de Rede NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA

19/07/2013. Camadas. Camadas de Enlace e Física. Camadas de Enlace e Física. Topologias de Rede NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA 2 Camadas NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA Introdução à Microinformática Prof. João Paulo Lima Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Estatística e Informática Aplicação Transporte

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO DE LANÇAMENTO DO NOVO PRODUTO CONEXÃO À INTERNET EM BANDA LARGA 3G COM IP PROFISSIONAL

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO DE LANÇAMENTO DO NOVO PRODUTO CONEXÃO À INTERNET EM BANDA LARGA 3G COM IP PROFISSIONAL REGULAMENTO DA PROMOÇÃO DE LANÇAMENTO DO NOVO PRODUTO CONEXÃO À INTERNET EM BANDA LARGA 3G COM IP PROFISSIONAL 1. Das Partes, das Definições da Promoção: 1.1. 14 BRASIL TELECOM CELULAR S.A., autorizatária

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Sloan School of Management

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Sloan School of Management MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Sloan School of Management 15.565 INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: FATORES TECNOLÓGICOS, ESTRATÉGICOS E ORGANIZACIONAIS Panorama Funcional CP0 -- INTRODUÇÃO AO

Leia mais

Ações do Ministério das Comunicações

Ações do Ministério das Comunicações Ações do Ministério das Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Brasília, março de 2012. Crescimento do setor alguns destaques Serviço Número de Acessos Taxa de Crescimento

Leia mais

Governo do Estado do Pará Secretaria Especial de Estado de Promoção Social Secretaria de Estado de Educação EDITAL Nº 001/2014-GS/SEDUC

Governo do Estado do Pará Secretaria Especial de Estado de Promoção Social Secretaria de Estado de Educação EDITAL Nº 001/2014-GS/SEDUC EDITAL Nº 001/2014-GS/SEDUC Publicação IOEPA nº 643598, de 05 de fevereiro de 2014 O Governo do Estado do Pará através da SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO/SEDUC, inscrita no CNPJ n 05054937/0001-63, com

Leia mais

ADSL BÁSICO ADSL. A sigla ADSL refere-se a: Linha Digital Assimétrica para Assinante.

ADSL BÁSICO ADSL. A sigla ADSL refere-se a: Linha Digital Assimétrica para Assinante. ADSL ADSL A sigla ADSL refere-se a: Linha Digital Assimétrica para Assinante. Trata-se de uma tecnologia que permite a transferência digital de dados em alta velocidade por meio da linha telefônica. É

Leia mais

UNIVERSALIZAÇÃO DAS TELECOMUNICAÇÕES

UNIVERSALIZAÇÃO DAS TELECOMUNICAÇÕES UNIVERSALIZAÇÃO DAS TELECOMUNICAÇÕES Marcelo Rodrigues Superintendência de Universalização SUN São Paulo, 18 de Julho de 2011 Universalização - LGT é garantir o direito de acesso de toda pessoa ou instituição,

Leia mais

Comunicação Sem Fio (Somente em Determinados Modelos)

Comunicação Sem Fio (Somente em Determinados Modelos) Comunicação Sem Fio (Somente em Determinados Modelos) Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft é uma marca registrada da Microsoft Corporation nos Estados Unidos.

Leia mais

Acesso à Internet e direitos do consumidor: balanço e perspectivas

Acesso à Internet e direitos do consumidor: balanço e perspectivas Acesso à Internet e direitos do consumidor: balanço e perspectivas Mesa 1: Acesso à banda larga: onde chegamos com o PNBL e o que temos pela frente Brasília, 3 de Junho de 14 CGI.br Comitê Gestor da Internet

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

1 - HUGHES PROPRIETARY

1 - HUGHES PROPRIETARY PROJETO SEDUC-AMAZONAS 1 - HUGHES PROPRIETARY O CLIENTE O CLIENTE SEDUC-AM Secretaria de Educação do Estado do Amazonas Maior estado Brasileiro 1,5 milhões de km² Estado coberto pela floresta amazônica

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

Introdução. ISP: Internet Service Provider O provedor de acesso oferece serviço de acesso à internet, agregando a ele outros serviços como:

Introdução. ISP: Internet Service Provider O provedor de acesso oferece serviço de acesso à internet, agregando a ele outros serviços como: Introdução ISP: Internet Service Provider O provedor de acesso oferece serviço de acesso à internet, agregando a ele outros serviços como: Correio Eletrônico; Hospedagem de sites; Blogs; DNS; Voip. Introdução

Leia mais

Introdução. ISP Local

Introdução. ISP Local Introdução ISP: Internet Service Provider O provedor de acesso oferece serviço de acesso à internet, agregando a ele outros serviços como: Correio Eletrônico; Hospedagem de sites; Blogs; DNS; Voip. Introdução

Leia mais

Serviço fone@rnp: descrição geral

Serviço fone@rnp: descrição geral Serviço fone@rnp: descrição geral Este documento descreve o serviço de Voz sobre IP da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa. RNP/REF/0347 Versão Final Sumário 1. Apresentação... 3 2. Definições... 3 3. Benefícios

Leia mais

Comissão Especial PL nº 1.481/2007. AUDIÊNCIA PÚBLICA 13 de Maio de 2008. Vilson Vedana Presidente do Conselho Consultivo da Anatel

Comissão Especial PL nº 1.481/2007. AUDIÊNCIA PÚBLICA 13 de Maio de 2008. Vilson Vedana Presidente do Conselho Consultivo da Anatel Comissão Especial PL nº 1.481/2007 AUDIÊNCIA PÚBLICA 13 de Maio de 2008 Vilson Vedana Presidente do Conselho Consultivo da Anatel 1 O QUE É O CONSELHO CONSULTIVO DA ANATEL Art.33 da Lei nº 9.472, de 1997:

Leia mais

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão Os meios físicos de transmissão são compostos pelos cabos coaxiais, par trançado, fibra óptica, transmissão a rádio, transmissão via satélite e são divididos em duas

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

4G no Brasil: Demanda dos Usuários e Exemplos de Aplicações. Alexandre Jann FIESP. Marketing & Strategy General Manager NEC Latin America

4G no Brasil: Demanda dos Usuários e Exemplos de Aplicações. Alexandre Jann FIESP. Marketing & Strategy General Manager NEC Latin America 5º Encontro de Telecomunicações Respeito ao Consumidor 4G no Brasil: FIESP Demanda dos Usuários e Exemplos de Aplicações Alexandre Jann Marketing & Strategy General Manager NEC Latin America Tópicos Perfil

Leia mais

Comunicação sem fio (somente para determinados modelos)

Comunicação sem fio (somente para determinados modelos) Comunicação sem fio (somente para determinados modelos) Guia do Usuário Copyright 2006 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft e Windows são marcas registradas da Microsoft Corporation nos

Leia mais

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com. 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.br RESUMO A tele-medição de

Leia mais

O Brasil e a Internet Ubíqua: Avanços e Perspectivas

O Brasil e a Internet Ubíqua: Avanços e Perspectivas ARTIGO O Brasil e a Internet Ubíqua: Avanços e Perspectivas AUTORES Antonio Eduardo Ripari Neger Presidente da Associação Brasileira de Internet (ABRANET). Engenheiro formado pela Unicamp, advogado formado

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Padrão 802.11 Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Arquitetura Wireless Wi-Fi

Leia mais

Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas:

Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas: Redes Sem Fio Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas: Redes sem fio fixa são extremamente bem adequado para implantar rapidamente uma conexão de banda larga, para

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - WPAN: Bluetooth www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Bluetooth (IEEE 802.15.1) O Bluetooth é o nome comercial que faz referência ao Padrão IEEE 802.15.1

Leia mais

O uso da radiofrequência para a inclusão social: alternativas para o regime jurídico da radiofrequência no Brasil

O uso da radiofrequência para a inclusão social: alternativas para o regime jurídico da radiofrequência no Brasil O uso da radiofrequência para a inclusão social: alternativas para o regime jurídico da radiofrequência no Brasil IV Acorn-Redecom Conference Brasília, 14 de maio de 2010 Gabriel Boavista Laender Universidade

Leia mais

VoIP em Redes PLC (PowerLine( Communications)

VoIP em Redes PLC (PowerLine( Communications) VoIP em Redes PLC (PowerLine( Communications) Christiane Borges Santos Doutoranda em Ciência da Computação - UNB Mestre em Eng. Elétrica e de Computação - EEEC/UFG Tecnóloga em Redes de Comunicação CEFETGO

Leia mais

História da Habitação em Florianópolis

História da Habitação em Florianópolis História da Habitação em Florianópolis CARACTERIZAÇÃO DAS FAVELAS EM FLORIANÓPOLIS No início do século XX temos as favelas mais antigas, sendo que as primeiras se instalaram em torno da região central,

Leia mais

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado. 2 o Trimestre/2006. 3 a Edição Setembro/2006

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado. 2 o Trimestre/2006. 3 a Edição Setembro/2006 Barômetro Cisco Banda Larga da Análise de mercado 2 o Trimestre/2006 3 a Edição Setembro/2006 Barômetro Cisco da Banda Larga Introdução Você está recebendo a nova edição do Barômetro Cisco da Banda Larga,

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

LIGUE TELECOM SOLUÇÕES INOVADORAS PARA QUEM BUSCA COMUNICAÇÃO SEM LIMITES.

LIGUE TELECOM SOLUÇÕES INOVADORAS PARA QUEM BUSCA COMUNICAÇÃO SEM LIMITES. v8.art.br LIGUE TELECOM SOLUÇÕES INOVADORAS PARA QUEM BUSCA COMUNICAÇÃO SEM LIMITES. www.liguetelecom.com.br 0800 888 6700 VOIP FIXO INTERNET LIGUE TELECOM SOLUÇÕES INOVADORAS PARA QUEM BUSCA COMUNICAÇÃO

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

MAPA DO FIM DA FOME. Metas Metas Sociais Contra Miséria nos Municípios Paraenses MAPA DO FIM DA FOME: Julho CPS Centro de Políticas Sociais

MAPA DO FIM DA FOME. Metas Metas Sociais Contra Miséria nos Municípios Paraenses MAPA DO FIM DA FOME: Julho CPS Centro de Políticas Sociais CPS Centro de Políticas Sociais MAPA DO FIM DA FOME MAPA DO FIM DA FOME: Metas Metas Sociais Contra Miséria nos nos Municípios Paraenses Grande Belém - PME 2000 Julho 2001 Estado do Pará PNAD (1998-99)

Leia mais

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes Conceitos de Redes Locais A função básica de uma rede local (LAN) é permitir a distribuição da informação e a automatização das funções de negócio de uma organização. As principais aplicações que requerem

Leia mais

INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES. Dois ou mais computadores conectados um ao outro por um meio de transmissão.

INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES. Dois ou mais computadores conectados um ao outro por um meio de transmissão. INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES O que é uma Rede? Dois ou mais computadores conectados um ao outro por um meio de transmissão. Uma Rede de Computadores é constituída por vários computadores conectados

Leia mais

Programa Nacional de Banda Larga

Programa Nacional de Banda Larga Programa Nacional de Banda Larga Metas e eixos de ação Comissão de Ciência e Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Senado Federal Brasília, 31 de agosto de 2011 Dados de acesso à Internet em

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2008

PROJETO DE LEI N o, DE 2008 PROJETO DE LEI N o, DE 2008 (Da Sra. Elcione Barbalho) Altera a Lei n.º 9.998, de 17 de agosto de 2000, estendendo o uso dos recursos do Fundo de Universalização das Telecomunicações (Fust) à prestação

Leia mais

FleetBroadband. O referencial em comunicações móveis via satélite

FleetBroadband. O referencial em comunicações móveis via satélite FleetBroadband O referencial em comunicações móveis via satélite A toda velocidade para um futuro com banda larga FleetBroadband é o primeiro serviço de comunicações marítimas a fornecer voz e dados em

Leia mais

Audiência Pública CFFC - Comissão de Fiscalização Financeira e Controle

Audiência Pública CFFC - Comissão de Fiscalização Financeira e Controle Audiência Pública CFFC - Comissão de Fiscalização Financeira e Controle Brasília, 17 de abril de 2012 Visão Geral AC Rio Branco Venezuela Boa Vista Manaus AM Hub Satélite RR Porto Velho Rede de fibra ótica

Leia mais