Tecnologia para crescer Projetos de P&D fazem parte da estratégia de mercado da Cemig

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tecnologia para crescer Projetos de P&D fazem parte da estratégia de mercado da Cemig"

Transcrição

1

2

3 Índice GESTÃO TECNOLÓGICA Tecnologia para crescer Projetos de P&D fazem parte da estratégia de mercado da Cemig 7 DISTRIBUIÇÃO Transformadores verdes Equipamentos revitalizados geram mais eficiência e benefícios para a sociedade Cidades do futuro Projeto prevê melhorias no processo de distribuição de energia Interação total Clientes da Cemig poderão contar com uma opção inovadora de atendimento Expansão eficiente e ambientalmente correta Light trabalha para diminuir tempo de restabelecimento de energia GERAÇÃO A força do sol Sete Lagoas receberá usina pioneira de energia solar Transformação que gera resultado Gases de carbonização serão utilizados para gerar energia TRANSMISSÃO Monitoramento nas alturas Aeronave autônoma será utilizada nas inspeções das linhas de transmissão da Cemig De olho no céu Projeto busca a redução de desligamentos na rede provocados por raios e trovões Conhecer para atuar Livro reúne trabalhos voltados para inovação nas linhas de transmissão Comunicação em rede Transporte de dados e informações a baixo custo é foco de pesquisa da TBE BATE-PAPO Incentivo à inovação Alexandre Bueno fala sobre as vantagens da Lei do Bem Projetos de P&D Cemig/Aneel

4 Expediente Diretoria Diretor-Presidente: Djalma Bastos de Morais Sede da Cemig, em Belo Horizonte. Diretor Vice-Presidente: Arlindo Porto Neto Diretor Comercial: José Raimundo Dias Fonseca Diretor de Distribuição e Comercialização: José Carlos de Mattos Diretor de Desenvolvimento de Negócios: Fernando Henrique Schuffner Neto Diretor de Finanças e Relações com Investidores: Luiz Fernando Rolla Diretor de Gás: Fuad Jorge Noman Filho Diretor de Gestão Empresarial: Frederico Pacheco de Medeiros Diretor de Geração e Transmissão: Luiz Henrique de Castro Carvalho Diretora Jurídica: Maria Celeste Morais Guimarães Diretor de Relações Institucionais e Comunicação: Luiz Henrique Michalick Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico Informativo do Programa de Gestão Estratégica de Tecnologia da Cemig e dos Projetos de P&D Aneel Superintendência de Tecnologia e Alternativas Energéticas Alexandre Francisco Maia Bueno Editada pela Superintendência de Comunicação Empresarial Av. Barbacena, º andar - Belo Horizonte-MG - Editor Responsável Luiz Henrique Michalick - Reg. Nº 2211 Coordenação de Edição Elizeth Nunes da Silva Edição Licia Linhares Textos Adriana Duarte Revisão Cláudia Rezende Projeto Gráfico É editora! Editoração Press Comunicação Empresarial Fotografia Eugenio Paccelli Foto de capa Centro Administrativo de Minas Gerais Impressão Gráfica Del Rey Tiragem 15 mil exemplares 4

5 Editorial Otimizando esforços Inovação e tecnologia são insumos essenciais para o desenvolvimento de qualquer negócio. No setor energético, são imprescindíveis. A cada ano, assistimos ao surgimento de novas tecnologias e projetos inovadores, que contribuem para o aprimoramento do setor. No entanto, no caso da Cemig, assistir não é o melhor verbo. A Empresa, que tem o pioneirismo imbricado em seus genes, busca diariamente aplicar recursos e desenvolver pesquisas com vistas ao incremento do setor de energia elétrica. Somente nos últimos 11 anos, a Cemig movimentou quase R$ 500 milhões por meio do Programa de P&D. No início de 2011, a Empresa e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig) assinaram convênio para o desenvolvimento de pesquisas relacionadas ao setor elétrico, com previsão de investimentos da ordem de R$ 150 milhões em estudos específicos. E também com o objetivo de trocar experiências, compartilhar resultados e, principalmente, otimizar a gestão tecnológica das empresas do Grupo Cemig, criamos, em 2010, o Grupo de Trabalho de Pesquisa & Desenvolvimento do Grupo Cemig. Participam do Grupo Light, Taesa, TBE e Transmineira, além da Cemig, é claro. Essa interação tem fortalecido, de forma ampla, o Programa de P&D, por meio da realização e da divulgação de projetos mais consistentes e mais alinhados às estratégias empresariais. Definitivamente, os ganhos são imensos e vão desde a realização de projetos com potencial maior de retorno e aplicabilidade até a melhoria no processo de gestão da tecnologia e do conhecimento. Uma vez mais, nosso gene da vanguarda se manifesta. E, uma vez mais, ganham as empresas do Grupo, ganham os nossos consumidores e ganha a sociedade. Arlindo Porto Neto Diretor Vice-Presidente 5

6 GESTÃO TECNOLÓGICA

7 GESTÃO TECNOLÓGICA Tecnologia para crescer Projetos de P&D fazem parte da estratégia de mercado da Cemig A Cemig, empresa que figura há 11 anos consecutivos no índice Dow Jones de sustentabilidade da Bolsa de Nova Iorque, pretende estar, em 2020, entre os dois maiores grupos de energia do Brasil em valor de mercado, com presença relevante nas Américas e líder mundial em sustentabilidade do setor. Para tanto, vem utilizando a metodologia de Gestão Estratégica de Tecnologia (GET) como um dos vetores de alavancagem do crescimento e da maximização da eficiência operacional. Duas das principais atividades dessa metodologia são coordenar o Programa de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) e buscar permanentemente financiamentos para o desenvolvimento tecnológico da Empresa. Além disso, a Cemig procura consolidar as parcerias para a execução dos projetos, por meio do Programa de Criação de Centros de Excelência, e utilizar benefícios fiscais voltados à inovação, como os tratados pela Lei , mais conhecida como Lei do Bem. No caso do Programa de P&D, já se pode dizer que a Cemig caminha para a excelência no setor. No início, em 1999, a Empresa desenvolveu sete projetos, que totalizaram R$ 680 mil. No ano passado, foram selecionados 48 projetos, com recursos previstos da ordem de R$ 110 milhões. São 313 projetos até 2010, que totalizam aproximadamente R$ 500 milhões, se considerarmos, além dos valores aportados pela Cemig, as contrapartidas dos parceiros, De acordo com Alexandre Bueno, os investimentos em inovação são um diferencial para a Cemig no mercado. 7

8 GESTÃO TECNOLÓGICA 8 lembra Alexandre Francisco Maia Bueno, superintendente de Tecnologia e Gestão Tecnológica. Para o gerenciamento de recursos dessa ordem, a estrutura responsável pela coordenação da metodologia de GET também teve que inovar. O Comitê de Gestão Estratégica de Tecnologia (CoGET), criado em 2001 e composto por representantes de todas as diretorias da Empresa e a Gerência de Gestão Tecnológica reforçaram as políticas e iniciativas de inovação, de forma a garantir o alinhamento dos programas de pesquisa às diretrizes estratégicas empresariais. Dessa forma, a Concessionária passou a tratar a inovação como parte integrante da estratégia empresarial, inclusive, com sua inclusão no Mapa Estratégico Corporativo, buscando assegurar a utilização das mais adequadas tecnologias, com respostas ágeis às alterações de cenários, e preparando-se para as frequentes mudanças em um mercado dinâmico e competitivo, complementa Bueno. Recentemente, a Cemig criou um Grupo de Trabalho (GT) composto pelas empresas do Grupo, com obrigatoriedade de investimento no Programa de P&D, dando mais um passo importante para o aprimoramento da metodologia de GET no Grupo. Esse GT composto pelas empresas Cemig, Light, Taesa, TBE e Transmineira foi formado com o objetivo de aproveitar as sinergias que o trabalho em equipe pode proporcionar e que poderia ser traduzido em diversas ações, como a divulgação dos resultados de projetos de P&D entre as empresas do Grupo; a divisão de esforços na participação nos Projetos Estratégicos lançados pela Aneel e a cooperação em projetos de interesse comum; o aproveitamento do conhecimento acumulado ao longo dos projetos de forma a evitar a redundância de recursos; o compartilhamento do know-how relativo ao gerenciamento de Programa de P&D; a utilização de incentivos fiscais e o aumento da robustez institucional no cenário nacional de inovação. A Cemig acredita tanto no poder da inovação como alavanca de transformação da sociedade que, além da aplicação dos recursos previstos na Lei 9.991/2000 e dos investimentos próprios, a Empresa busca outras fontes, como é o caso de recursos captados na Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), na Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig) e no Fundo para o Desenvolvimento Tecnológico das Telecomunicações (Funttel). Parceria de resultado Com essa filosofia, o ano de 2011 já se iniciou com uma marca de sucesso. No dia 5 de janeiro, foi assinado um convênio entre a Cemig e a Fapemig, com vistas ao desenvolvimento de pesquisas relacionadas ao setor elétrico. Nos próximos cinco anos, estão previstos investimentos da ordem de R$ 150 milhões em estudos, sendo R$ 100 milhões, recursos vindos da Cemig, e os outros R$ 50 milhões, aportados pela Fapemig. As pesquisas serão ligadas às áreas de atuação da Empresa nos seus negócios de geração, transmissão, distribuição e comercialização de energia elétrica, além de buscarem o desenvolvimento de fontes alternativas renováveis e limpas, como solar, eólica e de biomassa. Estão previstos, ainda, estudos sobre a proteção do meio ambiente, o uso racional da energia e a eficiência dos processos da Companhia. Segundo Alexandre Bueno, superintendente da Cemig, o convênio vai intensificar as sinergias entre os programas de pesquisa das duas organizações, de forma a garantir o desenvolvimento de Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I) em Minas Gerais, com benefícios permanentes para a sociedade. Essa não é a primeira vez que a Cemig e a Fapemig trabalham juntas em projetos de interesse comum. A viabilização de tecnologias para a produção de energia solar (purificação

9 GESTÃO TECNOLÓGICA do silício e produção de células solares) e biocombustíveis (biodiesel, carvão vegetal, entre outros), por meio da parceria com a Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais (Cetec), é um exemplo disso. O trabalho junto à Cemig é de suma importância para o Estado, pois potencializa os recursos financeiros de duas grandes instituições em prol da ciência, além de contribuir de forma significativa para a indução de parcerias entre governo e instituição de ensino e pesquisa, explica Ricardo Luiz Barbosa Guimarães, chefe de gabinete da Presidência da Fapemig. Ele ressalta, ainda, que não há como existir uma nação desenvolvida se não houver investimentos robustos e uma política pública consolidada no campo de educação, ciência, tecnologia e inovação. Esses pilares, vistos, equivocadamente, por alguns como despesas, são os pontos de partida para o desenvolvimento social e econômico do país. Parabenizamos a Cemig, por acreditar nessa premissa, e a Fapemig, que completa neste ano, 25 anos de existência, vem consolidar a importância de CT&I para o desenvolvimento do nosso Estado. Com a ampliação da capacidade de produção científica e tecnológica, não apenas as empresas de energia elétrica e as instituições de pesquisas serão beneficiadas com os projetos mas também a sociedade civil e os consumidores. São ganhos socioambientais, de melhoria na qualidade dos serviços prestados, adoção de novos serviços, redução de custos, ganhos de produtividade, otimização de recursos, modicidade tarifária, novos negócios e aumento de receita. Toda a cadeia se beneficia com os projetos, lembra o superintendente Alexandre Bueno. Ricardo Guimarães apoia o incentivo da Cemig para o desenvolvimento da ciência e da tecnologia em Minas. 9

10 GESTÃO TECNOLÓGICA 10

11 GESTÃO TECNOLÓGICA DISTRIBUIÇÃO 11

12 DISTRIBUIÇÃO Transformadores verdes Equipamentos revitalizados geram mais eficiência e benefícios para a sociedade Polímero sintético e fibra de aramida utilizados como isolante em equipamentos elétricos. Em parceria com a ABB, líder global em tecnologias de potência e de automação, a Cemig, por meio da Gerência de Serviços em Subestações da Distribuição da Diretoria de Distribuição e Comercialização, deu início à nova etapa do projeto de Revitalização e Repotenciação de Transformadores de Potência e desenvolvimento de Transformadores de Corrente a óleo vegetal. Os chamados trafos verdes são transformadores de potência com tensão de V e usam isolação híbrida, Nomex e óleo vegetal, em substituição ao óleo mineral. O investimento se caracteriza como uma importante ação estratégica para a política de sustentabilidade da Empresa. Iniciado em 2002, o projeto se encontra na etapa denominada de cabeça de série, que deverá ser concluída até outubro de Júlio Henrique Costa Guimarães, gerente do projeto e responsável pela oficina de manutenção de transformadores de potência onde estão sendo desenvolvidos os trabalhos, explica as características da fase atual. Ela tem esse nome por se caracterizar pelo aperfeiçoamento de um projeto anterior, um protótipo. O que buscamos, agora, é Qualidade e confiabilidade no fornecimento são algumas das características do transformador verde destacadas por Júlio Guimarães. 12

13 DISTRIBUIÇÃO aperfeiçoar o desenho e as especificações do protótipo para eliminar peças e componentes que apresentaram dificuldades para a reprodução. Uma das vantagens do óleo vegetal em relação ao mineral está vinculada ao meio ambiente. Isso porque, ao contrário do segundo componente, que é classificado como produto tóxico e não biodegradável, segundo a NBR 10004, e comumente usado em equipamentos elétricos, o óleo vegetal tende a se dissolver mais rapidamente. Esse fator reduz significativamente os riscos de um acidente ambiental em caso de vazamentos, destaca o gerente do projeto. A reserva de 70% da potência nominal do transformador, obtida no protótipo, também é citada por Júlio como motivação para o desenvolvimento do projeto, bem como sua expectativa de vida útil de 200 anos. Equivalente a cinco vezes a vida útil de um transformador padrão. Destaque mundial A fase cabeça de série é uma continuidade do projeto intitulado Revitalização de Transformadores, cujo resultado foi o desenvolvimento inédito no mundo de um transformador preenchido com 100% de óleo vegetal isolante e materiais isolantes de última geração. O gerente do projeto Júlio Henrique Costa Guimarães explica as vantagens obtidas com a aplicação dessa tecnologia. A combinação permite a elevação da potência do transformador, trazendo maior O equipamento utiliza óleo vegetal em substituição ao mineral, o que reduz riscos de acidentes ambientais. Norma Técnica Brasileira que conceitua a periculosidade de um resíduo, em função de suas propriedades físicas, químicas ou infectocontagiosas. 13

14 DISTRIBUIÇÃO suportabilidade. Essa característica aumenta a disponibilidade do transformador, a qualidade e a confiabilidade do fornecimento de energia para os consumidores a ele conectados. Segundo ele, a expectativa é reproduzir seis unidades cabeça de série, a serem instaladas, juntamente com os transformadores de corrente, em diferentes pontos do sistema elétrico da Cemig Distribuição. Assim, poderemos avaliar sua relação custo-benefício, em comparação com os atuais transformadores comercializados, além de ganhar velocidade na obtenção da resposta sobre o comportamento do óleo vegetal como isolante de equipamentos elétricos. Nessa etapa, um dos principais desafios da Cemig é a necessidade de desenvolver técnicas preditivas, para monitorar as condições operacionais do transformador com óleo vegetal, que sejam equivalentes às utilizadas em equipamentos com o óleo mineral. Benefícios para todos Para o representante da ABB, Marcelo da Silva Pinto, a sociedade será a grande beneficiada pela aplicação do projeto, uma vez que haverá melhoria na qualidade do serviço prestado pela Concessionária, mais segurança para as comunidades próximas às subestações e menor risco para o meio ambiente. A Cemig poderá reutilizar os equipamentos em final de vida útil, aproveitar melhor a sua mão de obra disponível e aumentar a confiabilidade do sistema elétrico. Para a ABB, o projeto também será importante, pois irá favorecer a capacitação dos profissionais envolvidos e o crescimento da empresa, com a aplicação de novas tecnologias e o pioneirismo. É um ganho também para o setor, que desenvolve uma técnica inovadora para a revitalização e a repotenciação de transformadores, completa Marcelo. O projeto também vai contribuir para a capacitação dos profissionais da ABB, segundo Marcelo Pinto. 14

15 DISTRIBUIÇÃO Cidades do futuro Projeto prevê melhorias no processo de distribuição de energia Conhecidas como smart grids, as redes inteligentes de energia (RI) são consideradas um avanço na rede elétrica tradicional, pois baseiam-se no uso mais intensificado de sensores na rede. A nova arquitetura irá aprimorar a gestão das redes, permitindo sua reconfiguração automática e o restabelecimento da energia elétrica, de forma total ou parcial, após uma interrupção. A evolução dos sistemas de medição também contribuirá para o processo de restabelecimento e de comunicação com o cliente, pois, antes mesmo que a Cemig seja avisada da falta de energia, o próprio medidor (ou conjunto de medidores) enviará um alarme, automaticamente, para os centros de controle da Empresa. A localização, o isolamento e a restauração da energia acontecerão de forma automatizada, refletindo-se no aprimoramento da qualidade do serviço prestado. A Cemig se prepara para um novo conceito de distribuição de energia e relacionamento com os clientes. Trata-se do projeto Cidades do Futuro, concebido em parceria com a Fundação Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPqD) e a Fundação para Inovações Tecnológicas (FITec), cujos convênios foram assinados em novembro de Esse é um dos mais abrangentes projetos de pesquisa e desenvolvimento da arquitetura de Redes Inteligentes (RI) da América Latina e servirá de subsídio à Cemig para a análise da viabilidade de aplicação em toda a sua área de concessão. O Cidades do Futuro tem como objetivo validar, em escala adequada e representativa para a Cemig, os produtos, os serviços e as soluções inovadoras inerentes à arquitetura das redes inteligentes de energia. Assim, por meio de projetos de P&D dentro do Programa da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e de parcerias com o mercado, serão desenvolvidos equipamentos, aplicativos computacionais e metodologias, além da implantação de provas de conceito em campo. A Cemig pretende testar, medir e validar as tendências do mercado em suas instalações elétricas, de telecomunicações, sistemas computacionais e de relacionamento com consumidores e geradores distribuídos, explica Daniel Senna Guimarães, gerente do projeto, da Cemig. Todas essas ações buscam identificar as oportunidades de melhoria do desempenho operacional da Distribuidora e do relacionamento com os clientes a partir da implantação das RI. Isso será feito a partir da redução de tempo de atendimento e de recuperação da rede, da diminuição de Daniel Senna explica que o Cidades do Futuro vai melhorar o relacionamento com os clientes. 15

16 DISTRIBUIÇÃO perdas, da otimização do uso dos ativos implantados e da maior participação dos clientes, que também obterão benefícios pela melhor gestão do seu consumo de energia, destaca Daniel. A cidade de Sete Lagoas (MG) foi escolhida para receber o projeto-piloto. Entre os motivos para escolha do município, estão as suas características representativas de mercado, a proximidade com Belo Horizonte e o fato de abrigar a UniverCemig, universidade corporativa da Empresa, que conta com rede-modelo e laboratórios, ideais para os testes que serão desenvolvidos. Metodologia Segundo Luiz Hernandes, do CPqD, uma das instituições parceiras da Cemig no projeto Cidades do Futuro, o conceito e as tecnologias de redes inteligentes vêm sendo desenvolvidos em diversos países do mundo. É um modelo que deverá atender muito bem ao Brasil por suas características socioeconômicas. O mercado consumidor e as distribuidoras necessitam de projetos de pesquisa e desenvolvimento que apontem as melhores tecnologias e os respectivos benefícios produzidos para a nossa realidade, destaca. Ele explica que a metodologia aplicada no projeto consiste em identificar os principais objetivos e desafios para a melhoria operacional da Cemig e a maneira como o conceito de redes inteligentes poderá contribuir com o aperfeiçoamento dos processos. Serão implantados campos de testes de tecnologias para avaliar a arquitetura técnica de comunicação mais adequada, além de uma infraestrutura avançada de medição e recursos de automação inteligente da rede. Haverá, ainda, interação da Cemig com seus clientes, por meio de canais de relacionamento multimídia, para avaliação do grau de satisfação e aceitação das soluções. Em rede Outro projeto de P&D que compõe o Cidades do Futuro é o de Desenvolvimento de Ambiente de Homologação e Certificação de Dispositivos e Sistemas Smart Grid. De acordo com Daniel Senna Guimarães, um dos objetivos do projeto, que é executado pela FITec, é a criação de um ambiente de homologação e certificação para dispositivos e sistemas smart grid. 16 Pontos de melhoria operacional da Cemig serão identificados pelo projeto, ressalta Luiz Hernandes. O laboratório de teste de interoperabilidade, cuja função é demonstrar o desenvolvimento das soluções em smart grid executadas pela Cemig, será estruturado na UniverCemig. Segundo Rodrigo Lacerda, coordenador do projeto na FITec, o espaço será dotado de uma Plataforma de Testes de Interoperabilidade (PTI) e vai se focar em questões referentes a protocolos de medição e automação de rede envolvidos no smart grid.

17 DISTRIBUIÇÃO A plataforma possibilitará a verificação da interoperabilidade não só das redes inteligentes de energia mas de todos os equipamentos em desenvolvimento para o Programa de Pesquisa e Desenvolvimento da Cemig. Poderemos verificar a funcionalidade de produtos oferecidos por diferentes fabricantes, além de homologar, certificar ou depurar tais equipamentos, acrescenta Lacerda. Entre os resultados esperados com esse trabalho, está a elevação do grau de segurança do sistema para os usuários, o que será feito por meio do desenvolvimento de contramedidas nos pontos fracos identificados pela equipe. É fundamental garantir que não haverá roubo de informações ou fraudes na rede smart grid, ressalta o coordenador. Elevar o grau de segurança do sistema para usuários é um dos resultados previstos. Outra diretriz do projeto, que irá contribuir para a execução de testes de interoperabilidade, é a construção de uma rede inteligente em ambiente controlado, conforme explica Rodrigo Lacerda. Esse ambiente, além de elementos comuns de uma rede de energia elétrica, vai agregar o conceito de casa inteligente. Nesse modelo de residência, há conectividade de equipamentos eletrônicos e eletrodomésticos à rede doméstica e à internet, redes sem fio, entretenimento, conservação de energia e monitoramento remoto, além de iluminação, aquecimento, condicionamento do ar e sistemas de segurança automatizados. O objetivo da construção dessas casas é verificar a aceitação de nossos clientes. Para Daniel Senna Guimarães, a implantação das redes inteligentes de energia vai desencadear um processo de transformação das concessionárias, principalmente no que diz respeito à sua cadeia de suprimentos e relacionamento com o consumidor. A Cemig precisa estar preparada para esse novo patamar. As diversas tecnologias testadas em laboratório e aplicadas em campo serão avaliadas do ponto de vista técnico, econômico, mercadológico e comportamental. As avaliações subsidiarão o desenvolvimento de modelos de smart grid que darão suporte a decisões estratégicas de implantações em larga escala. 17

18 DISTRIBUIÇÃO Interação total Clientes da Cemig poderão contar com uma opção inovadora de atendimento Capati: entre as vantagens do sistema, está a possibilidade de implantação de um canal de comunicação direto com o consumidor. Combinar tecnologias para beneficiar o consumidor final e gerar facilidades para o sistema de distribuição de energia. Com esse mote, a Cemig desenvolve mais um projeto relacionado às smart grids. Denominado de Sistema Interativo Integrado AMI/TV Digital, o projeto prevê a transformação do receptor de TV (set-top-box) em um terminal interativo para atendimento aos clientes da Cemig. O projeto, iniciado em 2010, está sendo desenvolvido em parceria com a Senergy Sistemas de Medição S.A. e a Fundação para Inovações Tecnológicas (FITec). Entre as diretrizes do projeto, está a criação de um novo modelo de set-top-box para TV digital que seja, ao mesmo tempo, capaz de captar e exibir os sinais digitais transmitidos pelas emissoras de TV e de permitir a comunicação dos consumidores com a Concessionária e seus serviços. Em linhas gerais, o aparelho vai permitir que o cliente solicite serviços comerciais e obtenha informações, em tempo real, de sua instalação elétrica. O gerente do projeto na Cemig, Luis Fernando Capati de Aquino, destaca as vantagens que a tecnologia 18

19 DISTRIBUIÇÃO irá trazer para a Empresa. Por meio dela, serão possíveis aplicações inteligentes no gerenciamento de energia, processos de leitura e faturamento automático, impressão de contas, redução do índice de fraudes, inadimplência, avisos de cobrança, interrupção programada e corte/religamento a distância. O novo sistema integrado AMI/TV Digital vai proporcionar outras vantagens. O próprio aparelho será armazenador da conta eletrônica de energia elétrica. Além disso, poderá implantar planos de consumo diferenciados, com tarifa variável por horário, e ter à sua disposição um canal de comunicação direto com o consumidor. Segundo o coordenador do projeto na Senergy Sistemas de Medição S.A, Fabiano Chapuis de Oliveira, inicialmente está prevista a criação de 300 protótipos do novo aparelho, que serão instalados em pontos de atendimento da Cemig. O equipamento será dotado de todo o conteúdo dos serviços on-line da agência virtual Cemig (transpostos para o formato de TV Digital) e estará apto a realizar os serviços de corte, religamento, leitura, aviso de corte e interrupção programada a partir do sistema de operação da UTR (Unidade Terminal Remota com modem celular) e do set-top-box. De acordo com Capati, o produto, que é inédito no mercado, vai oferecer diversas possibilidades às distribuidoras de energia, que poderão disponibilizar uma gama de serviços de alto valor tecnológico agregado. A Cemig poderá compartilhar a infraestrutura instalada para ter acesso a um universo selecionado de consumidores de outros produtos e serviços, não apenas àqueles relacionados à energia elétrica. O produto encontra-se em processo de patenteamento no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI). Fabiano Oliveira confere uma conta de luz na TV, uma das aplicações do projeto. FAbiano ou Leonardo xxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxx 19

20 DISTRIBUIÇÃO Expansão eficiente e ambientalmente correta Light trabalha para diminuir tempo de restabelecimento de energia Jorge Carvalho está envolvido no projeto que prevê mais eficiência econômica na distribuição e no fornecimento de energia. Humberto Teski Distribuidora de energia que atende mais de 70% dos consumidores do Estado do Rio de Janeiro. A Cemig é uma das suas maiores acionistas. A implantação dos smart grid, ou redes inteligentes, representa uma nova e importante etapa para o setor elétrico do país. Para garantir que a tecnologia seja adotada com segurança e confiabilidade, a Light, em parceria com a Axxiom Soluções Tecnológicas, a Engenharia Assistida por Computador (Enacom) e a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), está trabalhando em um novo projeto de P&D. No foco dos estudos, estão a otimização dos processos, a redução no tempo de reestabelecimento e a oferta de serviços de qualidade para o consumidor. De acordo com o consultor de P&D Jorge Ricardo de Carvalho, da Gerência de Planejamento, Ambiente e Inovação da Light, o projeto consiste no desenvolvimento de um software inovador, baseado em metodologia e algoritmos de otimização, que vai favorecer a elaboração de projetos de expansão de redes de distribuição de energia. Além disso, as 20

21 DISTRIBUIÇÃO pesquisas englobam estudos elétricos (fluxo de potência, corrente de curto-circuito, queda de tensão, sobrecarga) e simulações de falhas ou paralisações programadas de forma a diminuir o tempo de reparo. O projeto, iniciado em outubro do ano passado, tem conclusão prevista para 2012 e vai receber o investimento de cerca de R$ 1,3 milhão. De acordo com dados do estudo, a rede de distribuição tem potencial para gerar significativo retorno econômico, pela otimização das eventuais expansões e pela redução de perdas técnicas. Segundo Miguel Sarmento, diretor comercial da Axxiom Soluções Tecnológicas, estão previstas 14 etapas consecutivas para a realização dos trabalhos. Os pesquisadores envolvidos no projeto propuseram, nos últimos anos, diversas técnicas para otimização multiobjetivo, capazes de apresentar a robustez necessária para enfrentar problemas práticos. Expectativas Além de mais qualidade, confiabilidade e eficiência econômica na distribuição e no fornecimento de energia, Jorge Carvalho acrescenta que, dentre os benefícios que serão gerados com o desenvolvimento do projeto, estão a redução dos impactos ambientais no processo de distribuição e a otimização de recursos econômicos no processo de expansão. Em caso de emergências, o sistema em desenvolvimento permitirá a reconfiguração das chaves de manobra da rede, o que irá reduzir o número de consumidores afetados, além de minimizar outros transtornos, como cargas desligadas, tempo para reestabelecimento, perdas, sobrecargas e desbalanceamento entre alimentadores. Estão programadas 14 etapas para otimizar as técnicas e enfrentar os problemas práticos, conforme explica Miguel Sarmento. 21

22 22 DISTRIBUIÇÃO

23 DISTRIBUIÇÃO GERAÇÃO 23

24 GERAÇÃO A força do sol Sete Lagoas receberá usina pioneira de energia solar 24 Bruno Marciano: em breve, a energia fotovoltaica irá se tornar competitiva no mercado. É uma fonte de energia renovável obtida pela conversão de energia luminosa em energia elétrica. A Cemig sai na frente quando o assunto é produção de energia limpa e renovável. Com previsão para iniciar suas atividades em novembro deste ano, a Usina Experimental de Geração Solar Fotovoltaica, que será instalada no município de Sete Lagoas (MG), é a maior da América Latina e uma das primeiras a serem integradas à rede pública convencional. A usina tem capacidade de geração de 3 MW, energia suficiente para o abastecimento de até 3 mil residências. O projeto, cujo período de duração é de 60 meses, tem custo de R$ 42 milhões, com um aporte de R$ 12,5 milhões de seu proponente, a Solaria, empresa espanhola fornecedora de painéis fotovoltaicos e executora do projeto, em parceria com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Alguns dos itens que mais encarecem a sua execução são as placas necessárias para a produção de energia elétrica, que contêm silício com elevado grau de pureza. Minas Gerais é um dos maiores produtores desse material, respondendo por 60% das exportações nacionais. Apesar disso, ainda não possui capacidade de purificá-lo em escala, argumenta o gerente do projeto, Bruno Marciano Lopes, da Cemig. Contudo, ele pondera que, mesmo que apresente custos elevados, a energia fotovoltaica, em breve, irá se tornar competitiva. Os custos são reduzidos de forma progressiva. O sistema é instalado junto aos consumidores, ou seja, não onera a infraestrutura de transmissão, e, além disso, alivia o sistema de distribuição de energia elétrica.

Classificação: Público

Classificação: Público Classificação: Público Classificação: Público Empresa Um dos maiores e mais sólidos grupos de energia elétrica do Brasil e América Latina, que completa 60 anos em 2012. Principais Atividades Energia: geração,

Leia mais

Gestão da Inovação - CEMIG. Arlindo Porto Neto Diretor Vice-Presidente (DVP) Data:03/06/2011

Gestão da Inovação - CEMIG. Arlindo Porto Neto Diretor Vice-Presidente (DVP) Data:03/06/2011 Gestão da Inovação - CEMIG Arlindo Porto Neto Diretor Vice-Presidente (DVP) Data:03/06/2011 Sustentabilidade Mineirão Solar Cemig classificada no Índice Dow Jones de Sustentabilidade DJSI World nos últimos

Leia mais

Projeto Cidades do Futuro Convênio D423 Cemig D

Projeto Cidades do Futuro Convênio D423 Cemig D Projeto Cidades do Futuro Convênio D423 Cemig D Tadeu Batista Coordenador Projeto Cidades do Futuro tbatista@cemig.com.br cidadesdofuturo@cemig.com.br www.cemig.com.br/smartgrid facebook.com/cemig.energia

Leia mais

Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG

Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG Roberto Proença da Silva Carlos Alberto Moura Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG Superintendência de Tecnologia da Informação - TI Gerência de

Leia mais

A 1ª Cidade Inteligente da América Latina

A 1ª Cidade Inteligente da América Latina A 1ª Cidade Inteligente da América Latina Imagine... gerar somente a energia que precisamos em nossas casas através de fontes renováveis... saber o consumo de energia de cada aparelho elétrico conectado

Leia mais

Sistema de Aeronaves Remotamente Pilotadas Multiplataforma para Inspeção de Linhas de Transmissão

Sistema de Aeronaves Remotamente Pilotadas Multiplataforma para Inspeção de Linhas de Transmissão Sistema de Aeronaves Remotamente Pilotadas Multiplataforma para Inspeção de Linhas de Transmissão Willian Ramires Pires Bezerra Companhia Hidro Elétrica do São Francisco Chesf Geraldo José Adabo Instituto

Leia mais

Programas Sistemas Projetos

Programas Sistemas Projetos Programas Sistemas Projetos A Cemig Maior empresa integrada do setor de energia elétrica do País, a Cemig também é o maior grupo distribuidor, responsável por aproximadamente 12% do mercado nacional. A

Leia mais

Sm S a m r a t r t Gr G i r d Bruno Erik Cabral

Sm S a m r a t r t Gr G i r d Bruno Erik Cabral Bruno Erik Cabral Smart Grid Agenda Introdução Definição Características Confiabilidade Flexibilidade Eficiência Sustentabilidade Medidores Inteligentes Controle avançado Cenário Internacional Cenária

Leia mais

Objetivo. 0 Conceitos. 0 Funcionalidades. 0 Desafios. 0 Experiências de Implantação

Objetivo. 0 Conceitos. 0 Funcionalidades. 0 Desafios. 0 Experiências de Implantação Objetivo 0 Conceitos 0 Funcionalidades 0 Desafios 0 Experiências de Implantação Smart Grid Conceitos 0 NÃO é só Medição Eletrônica e Telecom!! 0 Envolve conhecimentos sobre: 0 Tecnologia, Padrões, Normas

Leia mais

A Atuação da Finep em Energia e Tecnologias Limpas DENE

A Atuação da Finep em Energia e Tecnologias Limpas DENE A Atuação da Finep em Energia e Tecnologias Limpas DENE Agenda FINEP Departamento de Energia e Tecnologias Limpas DENE Programas Setoriais Inova Energia A Finep A Finep é uma empresa pública vinculada

Leia mais

PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES

PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES GRUPO DE ESTUDOS DE GERAÇÃO HIDRÁULICA GGH É necessário o aprofundamento dos estudos para o uso de unidades geradoras hidráulicas que permitam a otimização do uso da água Geradores

Leia mais

TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO SISTEMA ELETROBRÁS

TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO SISTEMA ELETROBRÁS TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO SISTEMA ELETROBRÁS Ubirajara Rocha Meira Diretor de Tecnologia 12ª Feira Internacional da Indústria Elétrica e Eletrônica Belo Horizonte MG 19-22 AGOSTO 2008 Sumário O Sistema

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL GE Distributed Power Jose Renato Bruzadin Sales Manager Brazil T +55 11 2504-8829 M+55 11 99196-4809 Jose.bruzadini@ge.com São Paulo, 11 de Julho de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: GE Distributed Power AGÊNCIA

Leia mais

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SUPERINTENDÊNCIA DE PROJETOS DE GERAÇÃO (SPG) CHESF 1 TEMAS ABORDADOS PERFIL DA CHESF MATRIZ ENERGÉTICA FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS & NUCLEAR ASPECTOS ECONÔMICOS

Leia mais

Crescimento com Sustentabilidade

Crescimento com Sustentabilidade Crescimento com Sustentabilidade Djalma Bastos de Morais Diretor Presidente Maio de 2008 1/XX Investimentos asseguram agregação de valor Nossa política de investimentos garante crescimento sustentável:

Leia mais

A SILENCIOSA MUDANÇA DO MODELO DE NEGÓCIOS DO SETOR ELÉTRICO MUNDIAL (*)

A SILENCIOSA MUDANÇA DO MODELO DE NEGÓCIOS DO SETOR ELÉTRICO MUNDIAL (*) A SILENCIOSA MUDANÇA DO MODELO DE NEGÓCIOS DO SETOR ELÉTRICO MUNDIAL (*) A evolução tecnológica proporcionada pelas Smart Grids já colocou em plena marcha, mundialmente e silenciosamente, uma grande mudança

Leia mais

Setor Elétrico Brasileiro Um Breve histórico. Pontos Básicos da regulação para a Distribuição. Desafios regulatórios Associados à Distribuição

Setor Elétrico Brasileiro Um Breve histórico. Pontos Básicos da regulação para a Distribuição. Desafios regulatórios Associados à Distribuição viii SUMÁRIO Apresentação Prefácio e Agradecimentos Introdução C a p í t u l o 1 Setor Elétrico Brasileiro Um Breve histórico 1.1 Mudanças ocorridas nos anos 1990 1.2 Avanços e aprimoramentos em 2003 C

Leia mais

- Projeto & Concepção - Solicitação de Acesso - Venda de Equipamentos - Instalação - Conexão com Distribuidora. Campinas

- Projeto & Concepção - Solicitação de Acesso - Venda de Equipamentos - Instalação - Conexão com Distribuidora. Campinas A Blue Sol Energia Solar visa disseminar a tecnologia fotovoltaica e o conhecimento sobre os temas no Brasil promovendo, portanto, uma fonte limpa, renovável e inesgotável de energia, alinhada com a crescente

Leia mais

Pesquisa e Desenvolvimento que geram avanços

Pesquisa e Desenvolvimento que geram avanços P&D O compromisso das empresas com o desenvolvimento sustentável por meio da energia limpa e renovável será demonstrado nesta seção do relatório. Nela são disponibilizados dados sobre a Pesquisa, Desenvolvimento

Leia mais

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa

Leia mais

Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE

Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE Richard Lee Hochstetler Instituto Acende Brasil Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE MERCADO DE ENERGIA:

Leia mais

Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR. Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br

Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR. Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br Agenda Os Institutos Lactec Projetos nas áreas de Smart Grids Piloto Programa Smart Grid Light

Leia mais

Gestão de Ativos de Distribuição

Gestão de Ativos de Distribuição Gestão de Ativos de Distribuição Smart Grid na Cemig Denys Cláudio Cruz de Souza Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição O que é Smart Grid? Sistema elétrico inteligente, que integra

Leia mais

Aspectos Regulatórios de Redes Inteligentes no Brasil

Aspectos Regulatórios de Redes Inteligentes no Brasil IEEE Workshop SMART GRID Trends & Best Practices Aspectos Regulatórios de Redes Inteligentes no Brasil Marco Aurélio Lenzi Castro Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD/ANEEL Salvador,

Leia mais

Chegou Kwara. para o Brasil brilhar cada vez mais

Chegou Kwara. para o Brasil brilhar cada vez mais Chegou Kwara. para o Brasil brilhar cada vez mais Chegou Kwara, uma nova geração em energia. Uma empresa de eficiência energética que presta serviços especializados de manutenção em plantas de geração

Leia mais

AES ELETROPAULO. Workshop Smart Grid - FIESP 29/07/2015

AES ELETROPAULO. Workshop Smart Grid - FIESP 29/07/2015 AES ELETROPAULO Workshop Smart Grid - FIESP 29/07/2015 1 AES Eletropaulo AES Eletropaulo % Brasil Area Concessão 4,526 (km 2 ) 0,05% Brazil Consumidores 6,8 (milhões) 9% Brasil Energia 46 (TWh) 11% São

Leia mais

VI Forum Latino Americano de Smart Grid Estratégias e Tecnologias de Tranformação do Negócio. Claudio T Correa Leite

VI Forum Latino Americano de Smart Grid Estratégias e Tecnologias de Tranformação do Negócio. Claudio T Correa Leite VI Forum Latino Americano de Smart Grid Estratégias e Tecnologias de Tranformação do Negócio 27nov2013 Claudio T Correa Leite CPqD na Dinâmica de Transformação do Setor Elétrico A Dinâmica dos Mercados

Leia mais

Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014

Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014 1 Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014 O Conselho de Administração aprovou o Plano de Negócios 2010-2014, com investimentos totais de US$ 224 bilhões, representando a média de US$ 44,8 bilhões

Leia mais

Investimentos da AES Brasil crescem 32% e atingem R$ 641 milhões nos primeiros nove meses do ano

Investimentos da AES Brasil crescem 32% e atingem R$ 641 milhões nos primeiros nove meses do ano Investimentos da AES Brasil crescem 32% e atingem R$ 641 milhões nos primeiros nove meses do ano Valor faz parte de plano de investimentos crescentes focado em manutenção, modernização e expansão das operações

Leia mais

Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94

Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94 Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94 Apesar de pouco explorada, a biomassa florestal pode ser uma das alternativas para a diversificação da matriz energética Por

Leia mais

Soluções inteligentes em energia. Energia para a vida

Soluções inteligentes em energia. Energia para a vida Soluções inteligentes em energia Energia para a vida O Brasil e o mundo contam com a nossa energia. A Prátil é uma empresa de soluções inteligentes em energia, que atua nos segmentos de infraestrutura

Leia mais

SISTEMAS DE MEDIÇÃO CENTRALIZADA

SISTEMAS DE MEDIÇÃO CENTRALIZADA SISTEMAS DE MEDIÇÃO CENTRALIZADA Estado da arte Aplicações atuais Perspectivas Landulfo Mosqueira Alvarenga Consultor Técnico Diretoria de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação CEPEL 1 Seminário Internacional

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO Luiz Eduardo Barata Secretário-Executivo CÂMARA DOS DEPUTADOS Brasília, 22 de setembro de 2015 Energia

Leia mais

Greenpeace/Otávio Almeida. Cartilha. Solar

Greenpeace/Otávio Almeida. Cartilha. Solar Greenpeace/Otávio Almeida Cartilha Solar E nergia elétrica é essencial para a vida moderna, e é preciso produzi-la em larga escala para atender toda a população de um país. Porém, o processo de produção

Leia mais

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Civil

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Civil Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Civil O Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Infraestrutura do ITA (PG-EIA) é um dos pioneiros do país em sua área e lançou as bases para

Leia mais

Entenda a Indústria de Energia Elétrica

Entenda a Indústria de Energia Elétrica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DISTRIBUIDORES DE ENERGIA ELÉTRICA Entenda a Indústria de Energia Elétrica Módulo 4 transmissão Entenda a Indústria de Energia Elétrica Módulo 4 5 O transporte da energia elétrica:

Leia mais

Energia Solar: Energia Solar: Principais aplicações. Principais aplicações

Energia Solar: Energia Solar: Principais aplicações. Principais aplicações Energia Solar: Principais aplicações Marcio Eli M. Souza Gerência de Engenharia de Desenvolvimento e Ativos da Distribuição TWh X100 MATRIZ ENERGÉTICA GLOBAL Evolução e Perspectivas 60 40 20 Fonte: Shell

Leia mais

Energias Alternativas e as atividades do Ideal. Mauro Passos Sustentabilidade Palmas Solar

Energias Alternativas e as atividades do Ideal. Mauro Passos Sustentabilidade Palmas Solar Energias Alternativas e as atividades do Ideal Mauro Passos Sustentabilidade Palmas Solar Contexto Internacional Crescimento de investimento em renovável no mundo (Frankfurt School- UNEP Centre/BNEF) 17%

Leia mais

Eficiência Energética

Eficiência Energética Eficiência Energética Smart Grid - Redes Inteligentes Anderson D. Carvalho, Helionay F. Rocha, Jeiza P. Bittencourt, Jéssica M. Ribeiro, Luiz F. Rocha, Wellerson C. Leite, Vinicius M. Pacheco. Centro Universitário

Leia mais

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa MME Secretaria de Planejamento Energético Brasília Março de 2010 Roteiro 1. Cenário da Expansão 2. Características 3. Políticas Energéticas 4. Leilões

Leia mais

Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes. Djalma M. Falcão

Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes. Djalma M. Falcão Smart Grid Trends & Best Practices 17 e 18 de Outubro de 2013 Salvador-BA Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes Djalma M. Falcão Redes Elétricas Inteligentes

Leia mais

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A visão corrente de que o Brasil possui um dos maiores parques de energia hidrelétrica do mundo, nos afasta de uma realidade um pouco distante disto.

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

Apimec Florianópolis. Dezembro 2013

Apimec Florianópolis. Dezembro 2013 Apimec Florianópolis Dezembro 2013 Exoneração de Responsabilidades Esta apresentação não constitui uma oferta, convite ou pedido de qualquer forma, para a subscrição ou compra de ações ou qualquer outro

Leia mais

Smart Energy Energias Inteligentes A Visão da Indústria, Instituições de P&D e Especialistas Álvaro Dias Júnior

Smart Energy Energias Inteligentes A Visão da Indústria, Instituições de P&D e Especialistas Álvaro Dias Júnior Smart Energy Energias Inteligentes Álvaro Dias Júnior 8 de maio de 2014, Curitiba Cenário Econômico Brasileiro A importância do Brasil tanto na área econômica quanto política, tem aumentado nos últimos

Leia mais

Capítulo VIII. Antecipando o futuro para atender à demanda de smart grid. Smart grids Redes Inteligentes

Capítulo VIII. Antecipando o futuro para atender à demanda de smart grid. Smart grids Redes Inteligentes 40 Apoio Smart grids Redes Inteligentes Capítulo VIII Antecipando o futuro para atender à demanda de smart grid Por Flavio Roberto Antonio* As distribuidoras possuem uma necessidade de modernização não

Leia mais

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Duas importantes medidas foram anunciadas no fim de março pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para tornar mais

Leia mais

Lista dos tópicos tecnológicos

Lista dos tópicos tecnológicos Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Energia Anexo 1 Lista dos tópicos tecnológicos 1 2 Energia 1. Tecnologias para a geração de energia elétrica Combustíveis fósseis

Leia mais

DEMANDA GT. Arranjos alternativos para geração eólica

DEMANDA GT. Arranjos alternativos para geração eólica DEMANDA GT Arranjos alternativos para geração eólica OBJETIVOS Desenvolver uma turbina eólica de eixo vertical de pás fixas, de pequeno porte e custo reduzido. Realizar ensaios de rendimento do equipamento

Leia mais

AGENDA. Sobre a Cemig O Setor Elétrico Brasileiro Energia Solar: alguns aspectos Algumas iniciativas da Cemig sobre o assunto Considerações finais

AGENDA. Sobre a Cemig O Setor Elétrico Brasileiro Energia Solar: alguns aspectos Algumas iniciativas da Cemig sobre o assunto Considerações finais AGENDA Sobre a Cemig O Setor Elétrico Brasileiro Energia Solar: alguns aspectos Algumas iniciativas da Cemig sobre o assunto Considerações finais Posição no Mercado CEMIG: UMA GRANDE EMPRESA Maior rede

Leia mais

LEILÃO A-3/2015: TOPOLOGIA, PREMISSAS E CRITÉRIOS PARA O CÁLCULO DA CAPACIDADE DE ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA, DIT E ICG

LEILÃO A-3/2015: TOPOLOGIA, PREMISSAS E CRITÉRIOS PARA O CÁLCULO DA CAPACIDADE DE ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA, DIT E ICG LEILÃO A-3/2015: TOPOLOGIA, PREMISSAS E CRITÉRIOS PARA O CÁLCULO DA CAPACIDADE DE ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA, Empresa de Pesquisa Energética Av. Rio Branco, 001 - Centro 20090-003

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-13 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002.

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-13 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002. COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

ASPECTOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM REDES INTELIGENTES SMART GRIDS PROJETO DE PESQUISA 01: ANÁLISE DA MEDIÇÃO INTELIGENTE DE ENERGIA VIA PLC

ASPECTOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM REDES INTELIGENTES SMART GRIDS PROJETO DE PESQUISA 01: ANÁLISE DA MEDIÇÃO INTELIGENTE DE ENERGIA VIA PLC PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS, AMBIENTAIS E DE TECNOLOGIAS CEATEC PUC-CAMPINAS ASPECTOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM REDES INTELIGENTES SMART GRIDS PROJETO DE PESQUISA

Leia mais

Soluções Completas para Pequenas Centrais Hidrelétricas

Soluções Completas para Pequenas Centrais Hidrelétricas Soluções Completas para Pequenas Centrais Hidrelétricas Answers for energy. Turbina Francis, gerador síncrono e unidade hidráulica Cubículos de média tensão Transformadores de distribuição Uma completa

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras ANEXO VI DESCRIÇÃO DO PROJETO ENERGIA+

Ministério de Minas e Energia Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras ANEXO VI DESCRIÇÃO DO PROJETO ENERGIA+ Ministério de Minas e Energia Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras ANEXO VI DESCRIÇÃO DO PROJETO ENERGIA+ CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ORGANIZAÇÃO DE CONGRESSOS, EXPOSIÇÕES,

Leia mais

PROPOSIÇÕES PARA O FORTALECIMENTO DA INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS PARA GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TEMPOS DE CRISE

PROPOSIÇÕES PARA O FORTALECIMENTO DA INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS PARA GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TEMPOS DE CRISE 1ºTri 00 3ºTri 00 1ºTri 01 3ºTri 01 1ºTri 02 3ºTri 02 1ºTri 03 3ºTri 03 1ºTri 04 3ºTri 04 1ºTri 05 3ºTri 05 1ºTri 06 3ºTri 06 1ºTri 07 3ºTri 07 1ºTri 08 3ºTri 08 1ºTri 09 3ºTri 09 1ºTri 10 3ºTri 10 1ºTri

Leia mais

Plano Estratégico para Investimentos em Projetos de P&D ANEEL 2011-2016. Gerência de Tecnologia e Inovação

Plano Estratégico para Investimentos em Projetos de P&D ANEEL 2011-2016. Gerência de Tecnologia e Inovação Plano Estratégico para Investimentos em Projetos de P&D ANEEL 2011-2016 Gerência de Tecnologia e Inovação Plano Estratégico para Investimentos em Projetos de P&D ANEEL 2011-2016 O que a Light pretende

Leia mais

MONITORAMENTO DE SUBESTAÇÕES - A EXPERIÊNCIA CESP

MONITORAMENTO DE SUBESTAÇÕES - A EXPERIÊNCIA CESP GSE/ 2 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO VIII SUBESTAÇÕES E EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS (GSE) MONITORAMENTO DE SUBESTAÇÕES - A EXPERIÊNCIA CESP Antônio Carlos T. Diogo (*) Manabu

Leia mais

Smart Grid e Net Metering no Brasil

Smart Grid e Net Metering no Brasil Smart Grid e Net Metering no Brasil Daniel Vieira Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD/ANEEL Cidade do México 30/01/2013 Sistema de Distribuição 63 concessionárias de distribuição

Leia mais

Eficiência Energética

Eficiência Energética www.siemens.com.br/eficiencia-energetica Siemens Ltda. Av. Mutinga, 3800 05110-902 Pirituba São Paulo - SP Eficiência Energética www.siemens.com.br/eficiencia-energetica Sustentabilidade e Eficiência Energética

Leia mais

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Anexo III da Resolução n o 1 da CIMGC Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução A atividade de projeto do Projeto de MDL das Usinas Eólicas Seabra, Novo Horizonte

Leia mais

Seja dono. da sua ENERGIA

Seja dono. da sua ENERGIA Seja dono AV Afonso Vaz De melo 677 Sala 301 CEP: 30.640-070 Belo Horizonte (MG) Tel. +55 31 3689-7452 info@solarfast.it www.solarfast.it da sua ENERGIA Energia solar Fontes renováveis, economia de energia,

Leia mais

Diário do Nordeste 23/01/2015 Consumidor parte para gerar a própria energia

Diário do Nordeste 23/01/2015 Consumidor parte para gerar a própria energia Diário do Nordeste 23/01/2015 Consumidor parte para gerar a própria energia http://diariodonordeste.verdesmares.com.br/cadernos/negocios/consumidor-parte-para-gerar-apropria-energia-1.1203880 Em um ano

Leia mais

Pensamento estratégico Percepções/Visão

Pensamento estratégico Percepções/Visão UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL - LAPEM 36.570-000 VIÇOSA MG - BRASIL (Texto oferecido ao CGEE em 20/5/2014 pela profa. Angélica de Cássia

Leia mais

A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica

A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica Elbia Melo 1 No ano de 2012, o Brasil figurou no cenário internacional

Leia mais

INOVA ENERGIA. Plano Conjunto de Apoio à Inovação Propostas para atuação ANEEL BNDES FINEP

INOVA ENERGIA. Plano Conjunto de Apoio à Inovação Propostas para atuação ANEEL BNDES FINEP INOVA ENERGIA Plano Conjunto de Apoio à Inovação Propostas para atuação ANEEL BNDES FINEP Elementos de Articulação INOVA ENERGIA: Elementos da Proposta Fontes de Recursos Linhas Temáticas Subvenção, Crédito

Leia mais

A CRISE ENERGÉTICA E AS EMPRESAS DE ENERGIA DO FUTURO (*)

A CRISE ENERGÉTICA E AS EMPRESAS DE ENERGIA DO FUTURO (*) A CRISE ENERGÉTICA E AS EMPRESAS DE ENERGIA DO FUTURO (*) Enquanto o Brasil vinha insistindo em uma política energética privilegiando grandes usinas e extensas linhas de transmissão, cada vez mais distantes

Leia mais

BNDESPAR INGRESSA NO CAPITAL SOCIAL DA RENOVA ENERGIA

BNDESPAR INGRESSA NO CAPITAL SOCIAL DA RENOVA ENERGIA BNDESPAR INGRESSA NO CAPITAL SOCIAL DA RENOVA ENERGIA Por meio de um investimento estratégico de até R$314,7 milhões, a BNDESPAR ingressa no capital social da Renova Energia. Parceria de Longo Prazo A

Leia mais

SOL Maior fonte de energia da Terra. A Cadeia de Valor para a Geração Fotovoltaica no Brasil Newton Duarte Vice Presidente Executivo da COGEN

SOL Maior fonte de energia da Terra. A Cadeia de Valor para a Geração Fotovoltaica no Brasil Newton Duarte Vice Presidente Executivo da COGEN termosolar fotovoltaica SOL Maior fonte de energia da Terra A Cadeia de Valor para a Geração Fotovoltaica no Brasil Newton Duarte Vice Presidente Executivo da COGEN 17/09/2014 Relatório GT COGEN SOLAR

Leia mais

2. Energia Eólica em uma Empresa e sua Viabilização

2. Energia Eólica em uma Empresa e sua Viabilização 2. Energia Eólica em uma Empresa e sua Viabilização 2.1. Definições Para utilização de conversores de energia eólica numa empresa, a avaliação exata da vida útil de seus componentes estruturais e de todo

Leia mais

Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial. Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887

Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial. Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887 Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887 COGEN Associação da Indústria de Cogeração de Energia A COGEN Associação

Leia mais

Programa de Racionalização do Uso de Energia PRUEN

Programa de Racionalização do Uso de Energia PRUEN Proponente: Fundação de Amparo à Pesquisa e Extensão Universitária - FAPEU Executor: Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Financiamento: Financiadora de Estudos e Projetos - FINEP Coordenação:

Leia mais

Para-raios CATÁLOGO DE SERVIÇOS. www.tel.com.br

Para-raios CATÁLOGO DE SERVIÇOS. www.tel.com.br PÁGINA 1 RAIOS 4 2 NORMAS E CERTIFICAÇÕES 6 2.1 EXIGÊNCIAS REGULAMENTARES 7 3 A EMPRESA 9 4 SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ENGENHARIA 4.1 PROJETO DE SPDA 4.2 MEDIÇÃO DE CONTINUIDADE ELÉTRICA EM ARMADURA DE

Leia mais

POLÍTICA DE PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA ELETROSUL

POLÍTICA DE PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA ELETROSUL POLÍTICA DE PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA ELETROSUL Departamento de Planejamento, Pesquisa e Desenvolvimento - DPD Diretoria de Engenharia 1 ÍNDICE 1 PÚBLICO ALVO... 3 2 FINALIDADE...3 3 FUNDAMENTOS...

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos 1 Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos António Farinha, Managing Partner São Paulo, 11 de junho de 2012 2 As medidas do Sustainable Energy for All endereçam as

Leia mais

Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015. Manoel Arlindo Zaroni Torres

Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015. Manoel Arlindo Zaroni Torres Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015 Manoel Arlindo Zaroni Torres São Paulo, 1 de outubro de 2014 Aviso importante Este material pode incluir declarações

Leia mais

Isaias Quaresma Masetti. Gerente Geral de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica masetti@petrobras.com.br

Isaias Quaresma Masetti. Gerente Geral de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica masetti@petrobras.com.br Inovação Tecnológica Frente aos Desafios da Indústria Naval Brasileira Isaias Quaresma Masetti Gerente Geral de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica masetti@petrobras.com.br ... O maior obstáculo à indústria

Leia mais

Conceito Geral. Produção de eletricidade em pequena escala por intermédio de instalações de pequena potência.

Conceito Geral. Produção de eletricidade em pequena escala por intermédio de instalações de pequena potência. Microgeração Conceito Geral Produção de eletricidade em pequena escala por intermédio de instalações de pequena potência. Meio para produção de energia através de instalações de pequena escala, utilizando

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014

CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014 CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014 Descrição: Obter subsídios para identificar a necessidade de criação

Leia mais

TECNOLOGIA PARA MONITORAMENTO E CONTROLE DO CONSUMO DE ENERGIA VIA INTERNET. Fábio Gonçalves Jota

TECNOLOGIA PARA MONITORAMENTO E CONTROLE DO CONSUMO DE ENERGIA VIA INTERNET. Fábio Gonçalves Jota TECNOLOGIA PARA MONITORAMENTO E CONTROLE DO CONSUMO DE ENERGIA VIA INTERNET Fábio Gonçalves Jota Professor Titular do Departamento de Engenharia Eletrônica UFMG 30/11/2010 1 Sumário Histórico Plataforma

Leia mais

Desafios e Oportunidades para Energias Renováveis nos Programas Nacionais de Eficiência Energética e Mudanças Climáticas no Brasil

Desafios e Oportunidades para Energias Renováveis nos Programas Nacionais de Eficiência Energética e Mudanças Climáticas no Brasil Desafios e Oportunidades para Energias Renováveis nos Programas Nacionais de Eficiência Energética e Mudanças Climáticas no Brasil Alcides Codeceira Neto Terminal Marítimo de Passageiros Docas do Ceará

Leia mais

Apoio em projetos de Geração Distribuída (GD)

Apoio em projetos de Geração Distribuída (GD) Apoio em projetos de Geração Distribuída (GD) Parte 2 Apoio na elaboração das regras da Campanha Selo Solar Elaboração Roberto Devienne Filho Consultor Coordenação Dr.-Ing. Johannes Kissel Coordenador

Leia mais

Gerenciamento de Energia

Gerenciamento de Energia Gerenciamento de Energia Mapa do Cenário Brasileiro Capacidade total de quase 88.500MW; Geração de 82.000MW; Transmissão de 80.000Km maiores que 230kV; mais de 530 usinas e subestações; 47 milhões de consumidores.

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Audiência Pública P - Senado Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle Brasília/DF 19 de junho de 2008 Energia: importância

Leia mais

Orçamento ANEXO III ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS CONTROLADAS PELO ESTADO

Orçamento ANEXO III ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS CONTROLADAS PELO ESTADO Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Qualidade do Gasto Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária

Leia mais

Panorama do Mercado Livre de Energia Elétrica

Panorama do Mercado Livre de Energia Elétrica Panorama do Mercado Livre de Energia Elétrica Aspectos Regulatórios Luiz Fernando Leone Vianna 08.08.2011 A Apine Perfil dos Sócios geradores privados de energia elétrica concessionárias de geração estaduais

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA DE PROPOSTAS DE PROJETOS DE P&D NA ÁREA DE GERAÇÃO RENOVÁVEL

EDITAL DE CHAMADA DE PROPOSTAS DE PROJETOS DE P&D NA ÁREA DE GERAÇÃO RENOVÁVEL EDITAL DE CHAMADA DE PROPOSTAS DE PROJETOS DE P&D NA ÁREA DE GERAÇÃO RENOVÁVEL Aplicação massiva de Geração Distribuída Solar em diferentes tipologias de telhados na cidade de Campinas Sumário 1 Apresentação...

Leia mais

Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa!

Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa! Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa! Programa de Comunicação Social e Educação Ambiental Sonora-MS Outubro/2012 ONDE ESTAMOS?

Leia mais

Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador

Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador Soluções de análise da SAP Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador Índice 3 Um caso para análise preditiva

Leia mais

A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL -

A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL - Inova FV Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL - Armando

Leia mais

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com. 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.br RESUMO A tele-medição de

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

Eficiência energética, como ser competitivo, sustentável e inovador na atualidade

Eficiência energética, como ser competitivo, sustentável e inovador na atualidade Eficiência energética, como ser competitivo, sustentável e inovador na atualidade O papel do Governo do ES por meio da Secretaria da Ciência, Tecnologia, Inovação, Educação Profissional e Trabalho 1 Planejamento

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Soluções em Energia Solar

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Soluções em Energia Solar Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas www.weg.net Tecnologia para minimizar o consumo das indústrias. Sustentabilidade para maximizar a qualidade de vida das pessoas. O sol é uma

Leia mais

VARELLA, João. As cidades do futuro. Isto é Dinheiro. São Paulo, 15 de fevereiro de 2014.

VARELLA, João. As cidades do futuro. Isto é Dinheiro. São Paulo, 15 de fevereiro de 2014. As cidades do futuro VARELLA, João. As cidades do futuro. Isto é Dinheiro. São Paulo, 15 de fevereiro de 2014. O mundo passa por um processo de urbanização nunca visto na história. Metade da população

Leia mais

Capítulo 1 Introdução ao Guia de Ferramentas

Capítulo 1 Introdução ao Guia de Ferramentas Capítulo 1 Introdução ao Guia de Ferramentas 1. OBJETIVO DO GUIA DE FERRAMENTAS Então você está pensando em começar ou expandir um negócio de energia limpa? Este é um guia passo a passo para que seu negócio

Leia mais

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Projeto: Geração de eletricidade a partir de fontes

Leia mais

DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL

DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL Humberto César Busnello A SITUAÇÃO ENERGÉTICA DO RIO GRANDE DO SUL TEM QUE SER VISTA NO CONTEXTO DO MODELO DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO, ESPECIALMENTE

Leia mais