José Leon Machado. Jardim sem Muro. Contos na cama e noutros sítios. Vercial. Edições

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "José Leon Machado. Jardim sem Muro. Contos na cama e noutros sítios. Vercial. Edições"

Transcrição

1

2 José Leon Machado Jardim sem Muro Contos na cama e noutros sítios Edições Vercial

3 Só um sonho me liga a mim O sonho atrasado e obscuro Do que eu devera ser muro Do meu deserto jardim. Fernando Pessoa, poema Andaime

4 Jardim sem muro O sr. Lindolfo e a esposa costumavam passar quinze dias de férias na Quinta de Pardilhó, nos arredores de Castro Daire. Era um empreendimento de turismo rural de que ambos gostavam devido às boas instalações, à simpatia com que eram tratados pelo pessoal de serviço e sobretudo ao sossego. Depois de um ano de canseiras a administrar o negócio de tintas e vernizes com estabelecimento comercial em Gaia, era com grande prazer que o sr. Lindolfo partia no Mercedes com a Dona Soraia rumo a Castro Daire. A Quinta de Pardilhó ficava à face da estrada municipal. Atravessava-se uma entrada com o portão sempre aberto e seguia-se por um caminho em terra batida até à recepção. Os hóspedes estacionavam as viaturas sob as árvores à face do caminho ou num telheiro para três lugares. Naquelas férias, porque os lugares do telheiro estavam ocupados, o sr. Lindolfo estacionou o Mercedes debaixo de uma nogueira, esperando vir a mudá-lo para o telheiro à primeira oportunidade. Nos dias que passava na quinta, o sr. Lindolfo raramente descia à piscina. Enquanto a esposa ocupava as manhãs e as tardes em banhos de sol e de água, ele sentava-se na esplanada em frente à recepção a ler o jornal ou no sofá da sala de convívio a ver televisão. Quando já tinha lido o jornal de ponta a ponta e não lhe apetecia ver televisão, sentava-se à sombra do castanheiro perto do telheiro, num banco de pedra, as pernas estendidas, o cigarro esquecido nos dedos, a observar a paisagem de campos e montes ao longe ou, mais perto, o movimento da piscina e dos hóspedes que passavam. 7

5 José Leon Machado Comparava os hóspedes às plantas de um jardim. Cada planta tinha gostos, manhas e caprichos que a distinguiam das demais. A empregada de limpeza ficara de regar-lhe o jardim da casa dia sim, dia não, enquanto as férias durassem, aliás como sempre acontecia. Apesar disso, quando regressava, ia encontrar algumas plantas em muito más condições. É que não bastava regá-las. Era preciso equilibrar a quantidade de água. Não pode ser de mais nem de menos. E depois era preciso ter em atenção a pressão da mangueira, para não remover a terra das raízes. E nisso a empregada era uma descuidada. De momento, estavam hospedados na quinta, além das galinhas, um galo, três gatos, duas éguas e as rãs do charco ao lado da piscina, um jovem casal com uma miúda de cinco anos, duas senhoras quarentonas com dois miúdos na pré- -adolescência, um tipo cabeludo com um miúdo de quatro anos ou à volta disso, e dois pares de namorados, certamente amigos entre si, pois passavam grande parte do tempo juntos. Ao todo estavam hospedados na quinta onze adultos, contando consigo e com a esposa, e quatro crianças. Três dias após a sua chagada, o sr. Lindolfo tinha já uma noção bastante nítida de toda aquela gente, sem ter trocado com a maior parte mais do que os bons dias ou as boas noites. Com os dois pares de namorados nem isso. Eram lisboetas emproados que não saudavam ninguém. O casal com a miúda de cinco anos era gente educada. A Dona Soraia, quando estava na piscina, costumava conversar com a mãe da criança. Parece que era professora. O marido, mais calado, passava o tempo a ler com os óculos na ponta do nariz um calhamaço de capa negra. Devia ser professor como ela, mas o sr. Lindolfo não estava certo disso. É que ele tinha mais o aspecto de pastor protestante do que de 8

6 Jardim sem Muro professor, sabendo, como sabia, que a leitura de livros não era uma coisa de que normalmente a classe docente gostasse de fazer. A miúda, muito alegre e agitada, brincava com o filho do cabeludo, ora dentro ora fora da piscina. Já dava umas braçadas e mergulhava destemidamente. O miúdo ainda não sabia nadar e o pai obrigava-o a vestir um colete salva-vidas que, embora não o deixasse ir ao fundo, atrapalhava-lhe os movimentos na água. Ele bracejava e não saía do sítio. A miúda empurrava-o como a um pequeno barco e ambos divertiam-se imenso com isso. Era estranho que o pai estivesse hospedado apenas com o miúdo. O mais lógico seria estar também com a esposa. Ali, segundo lhe explicou a Dona Soraia, havia história de divórcio. Era um tipo bastante entroncado, o cabelo castanho comprido aos caracóis e grandes tatuagens nos braços. Se não era um baterista de uma dessas bandas de heavy metal, passava muito bem por um jogador de rêguebi. Deitava-se à sombra de um guarda-sol de lona junto à piscina e dormitava. À noite, deixava o miúdo no quarto a dormir e saía. Era bem provável que fosse até à discoteca mais próxima. Voltava às tantas da madrugada e reparava o sono durante o dia. Quanto às duas senhoras quarentonas, metia dó olhar para elas, especialmente quando vestiam o fato-de-banho. Uma era animadora cultural e a outra trabalhava no departamento de águas e saneamento de uma câmara municipal. Os miúdos, ele sobrinho de uma e ela filha de outra, eram problemáticos. Faziam perrices por tudo e por nada, sovavam-se entre si e chegaram a ameaçar os outros dois miúdos mais pequenos quando andavam na piscina em mergulhos e natações. O rapaz, no charco ao lado coberto de folhas de nenúfar, dedicava-se a apanhar as rãs e a arrancar-lhes as patas. Num serão em que as duas senhoras se tinham ido 9

7 10 José Leon Machado deitar, o sr. Lindolfo viu os dois catraios na piscina. Estava escuro a piscina tinha apenas luzes de presença e ele, que tinha ido dar um pequeno passeio pelo jardim, ouviu uma voz que dizia: Não faças isso, que dói. Aproximou-se da cerca de canas que separava o jardim da piscina, espreitou e viu a mocita debruçada sobre o miúdo estendido numa das espreguiçadeiras. De início não percebeu o que se estava a passar. Ter-se-ia o rapaz magoado e ela estava a ver o que ele tinha? Quando se apercebeu de que não era nada disso, deu meia volta sem que eles se apercebessem e lá os deixou a explorar os segredos do amor. Quanto às senhoras, depressa descobriu por que razão se iam deitar e deixavam os miúdos sem vigilância, especialmente junto à piscina, que à noite era um local de perigo redobrado. Assim estariam mais à vontade no quarto que partilhavam. Um serão, sentado sob o castanheiro, viu-as entrar no edifício de mão dada, confiadas de que ninguém as estaria a ver. Mas para o sr. Lindolfo, os mais estranhos hóspedes da quinta eram os dois casais de lisboetas. Que eram lisboetas, ele não tinha qualquer dúvida. Primeiro pela fala arrebicada de simplificarem os ditongos e de fecharem as vogais abertas; segundo pelo vocabulário estranhíssimo e muitas vezes inglesado que empregavam para nomear as coisas mais corriqueiras; depois por aquelas manias de se mostrarem educadíssimos e finíssimos para com os funcionários do hotel e absolutamente insolentes para com os restantes hóspedes que abrissem mais as vogais e que, segundo eles, deviam pertencer à escumalha do norte. O quarto de um dos casais ficava por cima do seu e ele e a esposa sentiam-se por vezes incomodados com o barulho.

8 Jardim sem Muro Foi aliás esse barulho que levou o sr. Lindolfo a concluir que eles eram realmente gente estranha. Aparentemente, cada casal tinha o seu próprio quarto. No entanto, juntavam-se à noite no quarto que ficava por cima. Ouviam-se gargalhadas, arrastar de pés e de cadeiras, chiares de cama e, o que era mais curioso, gemidos e gritos. Não os gemidos e gritos habituais de um homem e de uma mulher que bastas vezes se ouviam por esses hotéis portugueses de má construção; mas os gemidos e os gritos de dois homens e de duas mulheres. De início, ele não percebia o que se estava a passar. Foi preciso a dona Soraia fazer-lhe um desenho com o dedo no ar. Ele tinha visto sexo em grupo em revistas pornográficas mal impressas ou nalgumas cenas de filmes de primeiro escalão que ele uma vez por outra visionava à socapa da Dona Soraia. Mas era a primeira vez que assistia esteriofonicamente ao vivo a uma actuação. A Dona Soraia apercebeu-se de que havia qualquer coisa que não batia certo. É claro que não batia certo, dizia-lhe ele. Dois homens e duas mulheres a comerem-se no mesmo quarto não era uma coisa que estivesse bem. Mas a Dona Soraia não se referia a isso. Era outra coisa. O quê? perguntou o sr. Lindolfo a coçar a virilha debaixo do lençol. Ela não sabia ao certo. Tinha a ver com o barulho. O barulho? O barulho que eles faziam no momento dos trabalhos, tentou explicar ela. Parecia que num momento se ouviam as vozes femininas e no outro as masculinas. Isso é porque estão no mesmo rimo observou o marido. Se estivessem no mesmo ritmo, contestou a esposa, o barulho haveria de ser diferente. O sr. Lindolfo não tinha ouvido de músico e não 11

9 José Leon Machado notou nada de extraordinário nos gemidos e gritos. Pareciam-lhe normais e bem distribuídos. Nos dias que se seguiram, passou, contudo, a ter os casalinhos debaixo de olho. À hora do pequeno-almoço, costumava encontrar os dois sujeitos na sala a comer torradas e a beber canecas de café. As duas companheiras nunca iam tomar o pequeno-almoço. Enquanto barrava um pedaço de pão com doce de pêssego caseiro, o sr. Lindolfo afilava o ouvido para captar a conversa. Um deles devia ser dono de uma loja de roupa e o outro era costureiro, pois falavam de coisas que tinham a ver com isso. Sobre os bacanais nem uma palavra. Os dois lisboetas depois saíam de carro com máquinas fotográficas a tiracolo e só apareciam à hora do almoço. Elas, a meio da manhã, desciam à piscina e, sem molhar os pés, estendiam a toalha sobre a relva ou nalguma espreguiçadeira que estivesse livre e deitavam-se ao sol esturricante. Moviam-se apenas para mudar de posição, acender ou apagar um cigarro, ou espalhar bronzeador nas costas uma da outra. Ao meio-dia, os outros hóspedes abandonavam a piscina, excepto elas, que ali ficavam à espera dos marmanjos para irem os quatro almoçar. Eram ambas altas. Vistas de costas metidas no fato-de- -banho, punham qualquer homem normal a salivar. Uma tinha o cabelo liso comprido que prendia com um elástico azul. A outra tinha-o encaracolado como as marroquinas. De frente não eram nada bonitas. Raramente sorriam e uma delas, quando o fazia, mostrava os dentes escurecidos pelo cigarro. O sr. Lindolfo pensava que elas, embora enxutas de carnes, deviam estar mais rodadas do que a carrinha lá da firma que ele utilizava para distribuir as tintas e os vernizes. As rugas à volta dos olhos e na comissura dos lábios pareciam 12

10 Jardim sem Muro dar prova disso. À tarde, costumavam levar comida para a piscina. Uma vez levaram um melão de casca verde e comeram-no sentadas na borda, o sumo a pingar para a água, o que levou alguns hóspedes a fazer comentários indignados que elas ignoraram. Uma tarde, o sr. Lindolfo teve de ir ao quarto buscar os óculos de que se tinha esquecido. Escutou vozes no quarto de cima. Eram os dois tipos a falar, a rir e a gemer. Sentou-se na cama um pedaço a tentar perceber o que se passava. Os dois parecia que estavam a... Sim, pois claro!, exclamou ele. A Dona Soraia tinha razão. Havia ali alguma coisa que não batia certo. Os dois tipos andavam a comer-se mutuamente e elas se calhar até sabiam. Ou não sabiam? Depois de ouvir um ronco final, saiu. A meio do corredor, lembrou-se dos óculos. Com o incidente, esquecera-se mais uma vez deles. Voltou ao quarto e verificou, com espanto, que a borga no quarto de cima continuava. Devem ter mudado de posição, conjecturou. Um dava e o outro levava. Agora o que dava leva e o que levava dá. Não esperou muito para ouvir o segundo ronco final. O sr. Lindolfo era um homem de escassos estudos e, talvez por isso, pouco aberto no que dizia respeito às modernices sexuais. Custava-lhe a aceitar que dois homens se juntassem para gozar os prazeres da carne. Ele sabia que a mariquice não era um sinal dos tempos. Sempre a houve. Num programa de televisão, ficou a saber que os chimpanzés, os animais mais próximos do homem, também tinham práticas homossexuais. Por outro lado, não era raro ver os cães vadios da rua onde morava a lamberem-se uns aos outros e a encavalitarem-se simulando o coito na falta de fêmea. A Bíblia também falava nisso. Deus não destruiu Sodoma e Gomorra por causa dessas porcalhices? 13

11 José Leon Machado Seria a sodomia de homem com homem mais excitante do que de homem com mulher? O sr. Lindolfo admirava-se como podiam aqueles dois tipos andar a sodomizar-se um ao outro quando tinham dois mulherões onde podiam satisfazer todos os caprichos sexuais. O mais provável, pensou, era as duas andarem a esfregar-se uma na outra. Não se admiraria nada de que assim fosse. Ele sabia que num jardim, entre as plantas, podiam surgir ervas daninhas. Não havia monda ou herbicida que as erradicasse definitivamente. O tratador virava as costas dois ou três dias aos canteiros e lá começavam elas a arrebitar os cornos verdes cheios de viço. As chamadas plantas benignas, se não se tratassem, definhavam e acabavam por sufocar no meio das ervas daninhas. Estas vingavam e multiplicavam-se sem qualquer tratamento especial. Os manuais de jardinagem explicavam que um jardim sem muro era mais propenso ao ataque das ervas daninhas. Com um muro alto, era mais difícil as sementes disseminarem-se pela acção do vento. Por outro lado, a sombra do muro impedia a proliferação dessas ervas que, por serem endémicas, preferiam o sol. Havia espécies de plantas ornamentais que se davam bem à sombra e os manuais aconselhavam o seu plantio. Nada disto, porém, era exacto. Apesar do muro, no jardim do sr. Lindolfo proliferavam os dentes-de-leão, as leitugas, as macelas e os beldros. Enquanto isso, as rosas, as petúnias e os amores-perfeitos, se não fossem constantemente vigiados, estiolavam. O jardim humano, mesmo assim, era bem mais complexo. Os muros que a sociedade foi construindo para salvaguardar uma pretensa moral iam desabando. Nenhum herbicida, nenhuma monda seria capaz de expurgar os dentes-de-leão da sociedade. Simplesmente porque deixaram de 14

12 Jardim sem Muro ser considerados ervas daninhas. São ervas entre outras, com a sua especificidade, as suas características próprias, fruto dos mil caprichos da natureza. Foi a pensar nisto que o sr. Lindolfo passou o resto daquela tarde, sentado à sombra do castanheiro a chupar cigarros com baixo teor de nicotina e alcatrão. Andava a tentar parar de fumar, embora tivesse a certeza de que nunca o conseguiria, talvez por falta de verdadeira vontade e porque, além das flores e do pensamento, o cigarro era a companhia que mais o distraía. E depois porque achava que já não valia a pena. Teria, quê?, mais dez anos de vida? Se o pulmão esquerdo se aguentasse, disse-lhe o médico, talvez mais quinze. O mais provável era morrer de um acidente de viação. A esposa lá estava na piscina, deitada de costas numa espreguiçadeira, em conversa com a mulher do pastor, sentada noutra ao lado. Tinha umas belas mamas, ou pelo menos parecia. O pastor, ou lá o que era, continuava, à sombra de um guarda-sol, a leitura do calhamaço de capa negra. Assim passava aquele tipo os dias de férias, a olhar para as letras do livro como se lá estivesse guardada a explicação dos mistérios da vida. Não seria muito mais esclarecedor olhar à volta? Tantas folhas de papel se enchiam inutilmente de parvoíces que faziam inchar de vaidade os seus autores, esses pobres diabos que imaginavam ser os únicos e autênticos intérpretes da vida e dos seus mistérios! As duas quarentonas desciam agora até à piscina. Devem ter ido dormir a sesta, provavelmente na mesma cama. Ao passar, cumprimentaram o sr. Lindolfo. Pelo menos eram educadas. Que importância tinha se andavam a consolar-se uma à outra? O mais importante era cada um ser feliz, ou tentar sê-lo. Ele era um homem razoavelmente feliz. Tinha uma mulher carinhosa e, apesar dos cinquenta e dois, ainda 15

13 José Leon Machado elegante. Os filhos estavam criados e não davam consumições. Não lhe faltava dinheiro, tinha uma boa casa, um carro potente e confortável, que mais queria? Era difícil ser-se feliz sabendo-se que se está em contagem decrescente. Mas não está todo o ser humano, desde que nasce, em contagem decrescente? Por vezes pensava como seria o momento de morrer. Provavelmente não sentiria nada. Estaria a dormir, drogado pelos médicos, que não gostam que ninguém no hospital se passe para o outro lado aos gritos, para não perturbar os outros doentes. Mas não queria pensar agora nisso. Em casa, quando por vezes a morte lhe vinha à ideia, ia cavar para o jardim. Saía de lá retemperado. Era isso o que lhe faltava naquelas férias. Haveria de pedir ao gerente da quinta autorização para, nos dias que ainda ali passaria, tratar do jardim. Nos pequenos passeios que ia fazendo, constatava o seu abandono. A erva daninha crescia abundante entre as roseiras; as dálias e as zínias secavam com a falta de rega e as ervilheiras, a abarrotar de semente, pediam que as arrancassem. Sempre era preferível vigiar e cuidar um jardim de plantas, mesmo sem muro como aquele, do que andar a espiar os outros hóspedes, embora, considerava, não fosse tão divertido. Era sem dúvida mais saudável. Ergueu-se do banco de pedra, esmagou a prisca e foi procurar o gerente. 16

14 Jardim sem Muro A olhar para a chuva Um sábado à tarde, o Santos levou o filho ao tai kondo e, enquanto esperava, foi dar um passeio pelo parque junto ao rio. Para se distrair, comprou uma revista de Informática num quiosque perto do local onde estacionou o carro. Chovera bastante durante a manhã, as árvores e a relva estavam húmidas e nalguns pontos havia poças de água. O céu mantinha-se acinzentado, com as nuvens a correr ligeiras para o interior. O Santos gostava de caminhar junto à margem do rio, onde havia um passeio empedrado. Ia levantando uma vez por outra os olhos das páginas da revista para olhar o rio, naquele dia bastante caudaloso e de águas barrentas. Os patos e os gansos que costumavam ser um ponto de atracção estavam na outra margem, aninhados e olhando desconsolados a corrente acastanhada. Havia pouca gente por ali. Cruzou com um senhor idoso, encolhido numa gabardina, um par de rapazes de fato-de-treino a fazer corrida de manutenção, uma senhora que andava a passear o cão vestido de casaco impermeável, e um homem que procurava trevos de quatro folhas na relva mal tratada. Mas o que mais lhe chamou a atenção foi uma rapariga que se dirigia apressadamente para o rio. Viu-a de perfil, a uns vinte metros. Vestia uma saia ligeiramente comprida, branca e de um tecido leve e esvoaçante. A blusa era preta e combinava com o branco da saia num contraste que fazia ora lembrar um tabuleiro de xadrez, ora o ying e o yang. Parou a observá-la. A rapariga aproximou-se da margem e desceu até um pequeno ancoradouro de madeira suspenso nas águas onde 17

15 José Leon Machado no Verão se podia alugar um pequeno barco de passeio. Depois sentou-se num dos degraus, tirou as botas, arregaçou a saia e meteu os pés na água. O Santos retomou a marcha e foi-se aproximando. Estava agora a uns dez metros. Ela olhava para a outra margem. Estaria a sentir-se bem?, perguntou-se o Santos. Estava demasiado frio para alguém se pôr ali a molhar os pés. Sempre com a rapariga debaixo de olho, foi andando para cima e para baixo ao longo da margem. Os dois rapazes da corrida de manutenção viram-na e dirigiram-se para o ancoradouro a armarem-se em galãs. A sua entrada abrupta e barulhenta fez estremecer o ancoradouro, mas ela manteve-se imóvel e alheada. Eles deram meia volta e afastaram-se. O Santos pôs-se a reflectir no comportamento da rapariga. Por que iria ela lembrar-se de meter os pés na água? Se fosse num dia de calor, ainda se poderia compreender. Mas num dia chuvoso e frio como aquele, era um disparate. Começava a pensar se a moça não estava transtornada com alguma coisa. Talvez se tivesse zangado com o namorado e fosse ali desafogar as mágoas. Mas molhar os pés no rio não era a melhor forma de desafogar mágoas de amor. O mais certo era apanhar um resfriado. A rapariga deve ter estado uns dez minutos sentada, de olhar ausente. O Santos viu-a por fim a tirar os pés da água e a limpá-los àquilo que lhe pareceu ser um lenço de papel que retirou da pequena bolsa que levava. Enquanto calçava as botas, pôde admirar-lhe a brancura das pernas e das coxas. A rapariga, ou pensava que estava ali sozinha, ou não se importava que alguém a estivesse a ver. Já com as botas calçadas, deixou-se estar mais alguns minutos a olhar em frente como se na outra margem, além dos salgueiros e 18

16 Jardim sem Muro dos patos, houvesse algo mais que lhe prendesse a atenção. Foi por essa altura que um tipo de bicicleta desceu o ancoradouro. Deve tê-la visto ao longe e decidiu exibir-se com umas piruetas. A manobra foi suficientemente arriscada para ele, ao dar a volta, quase cair ao rio. Ela ignorou-o. O Santos reduziu a distância das idas e vindas para poder tê-la debaixo de olho. A rapariga podia lembrar-se de se atirar ao rio e ele, embora não lhe agradasse ter de se meter na água barrenta e fria para a salvar, entendia ser esse o seu dever. Nas páginas abertas da revista sobre um artigo da nova versão do sistema Linux, descobriu entretanto duas pingas, depois três. Ali próximo havia um grande plátano e dirigiu-se para lá antes que a chuva começasse a cair a sério. Já sob a protecção da árvore, viu a rapariga a levantar-se, endireitar a saia e abandonar o ancoradouro. O Santos pensou que ela continuaria em frente, por onde viera. Mas ela acabou por voltar à esquerda em sua direcção. Começou a chover intensamente e a rapariga dirigiu-se à pressa para debaixo do plátano com a pequena bolsa sobre a cabeça. O velhote, a senhora do cão e o colector de trevos tinham desaparecido. Os dois rapazes da corrida de manutenção aceleraram por entre as árvores do parque e o da bicicleta pedalava num sprint ao longo da margem para fugir à borrasca. Enquanto a rapariga se aproximava, o Santos pôde vê-la de frente. Tinha a cara miúda, os lábios eram carnudos e estavam pintados de vermelho escuro. O cabelo, castanho, era não muito longo e apresentava caracóis nas pontas. Não devia ter mais de vinte anos e era, segundo os padrões e gostos do Santos, uma bela rapariga. Quando ela chegou ao plátano, o Santos desviou-se um pouco para lhe dar espaço e estiveram os dois por alguns 19

17 José Leon Machado momentos a olhar para os ramos que impediam a água de passar. À volta, a chuva desabava em grandes bátegas. Daí a pouco, o plátano começou a escorrer água e as pingas caíam nas cabeças de ambos. O Santos cobriu a dele com a revista. A rapariga encolheu-se, com os braços cruzados no peito. A bolsa era inútil e tinha-a posto ao ombro. Por gentileza, o Santos decidiu separar a revista em duas partes e ofereceu-lhe uma. Ela aceitou e cobriu a cabeça, agradecendo com um sorriso discreto. Nestes dias, é um erro sair de casa sem guarda-chuva comentou o Santos. Esse é um erro pequeno e sem grande importância acrescentou a rapariga. Sempre se pode apanhar uma gripe contrapôs o Santos. Há erros de consequências bem mais graves. As suspeitas do Santos pareciam confirmar-se. A moça tinha um problema qualquer e fora até ali para desanuviar. Gostaria de perguntar-lhe o que se passava. Mas não lhe pareceu ser a melhor estratégia. Ela podia muito bem dizer-lhe que não era da sua conta. Por isso, optou pelo comentário. Os erros têm remédio. Veja a menina que nos esquecemos do guarda-chuva e acabámos por solucionar o problema abrigando-nos debaixo desta árvore e improvisando um resguardo com a revista que eu trazia para ler. Devemos parecer ridículos com isto na cabeça. A menina a mim não me parece ridícula. Pareço-lhe eu ridículo? Parece respondeu ela com um breve sorriso. Deve ter razão. Os chapéus nunca me ficaram bem. Especialmente os que têm forma de telhado. 20

18 Jardim sem Muro Ambos riram discretamente da piada. O Santos reparou que a roupa que ela trazia vestida era de cerimónia. A blusa, a saia, as botas, a bolsa, o colar, as pulseiras e os anéis não eram coisas para andar no dia-a-dia. Como era sábado, considerou o Santos, era provável que tivesse ido a um casamento. Hoje está um dia péssimo para casamentos comentou, dando um tiro no escuro. A quem o diz! respondeu ela. Bingo!, disse para consigo o Santos. Depois voltou-se para ela e acrescentou: Diz-se que casamento com chuva é felicidade até à morte. Tanto quanto sei, isso aplica-se aos noivos, não aos convidados. Sim, deve aplicar-se aos noivos. Mas a felicidade dos noivos, parece-me, também é a felicidade dos convidados. Depende. Pode haver entre os convidados alguém que não queira bem aos noivos. O Santos preferiu não comentar. Seria ela uma das convidadas que não queria bem aos noivos? Talvez a noiva fosse sua irmã ou prima e ela estivesse apaixonada pelo noivo e houvesse ali um caso de ciúmes. Desse modo se explicava o estranho comportamento da rapariga, que foi até ao rio desafogar as mágoas e o ressentimento. Eu sei no que está a pensar disse ela depois de cerca de meio minuto de silêncio. O Santos mexeu o sobrolho interrogativamente. O senhor... André Santos. Mas pode tratar-me por André. Matilde. É um prazer, Matilde. Mas dizia... 21

19 José Leon Machado Eu ia a dizer que sei no que estava a pensar. E no que estava eu a pensar? Que eu sou uma pessoa que quer mal aos noivos. Longe de mim pensar isso de si, Matilde! Pois fique o André a saber que eu realmente quero mal aos noivos. Houve mais meio minuto de silêncio. A chuva continuava a cair e as pingas que escorriam por entre a ramagem do plátano tornavam-se mais pesadas e frequentes. Talvez tenha exagerado. Eu não quero mal ao noivo. Ele não tem culpa continuou a Matilde olhando o chão molhado. Mas ela... ela é uma traidora e uma ingrata. A Matilde não precisa de se atormentar com isso. Homens há muitos. E bonita como é, de certeza que não terá dificuldade em arranjar um novo namorado. Namorado? Eu quero lá um namorado! Imagino que deve estar a passar um período difícil. Eu também já passei por isso, sabe? Já? Sim, já. Quanto eu tinha a sua idade, apaixonei-me por uma rapariga. Chegámos a namorar uns meses. Mas depois ela entrou para a universidade, passámos a ver-nos com menos frequência e ela arranjou outro. Eu sofri muito com isso. Mas acabei por esquecer. Conheci uma outra rapariga e casámos. É a mãe do meu filho. É uma bonita história. Até parece das telenovelas. O problema é que não tem nada a ver comigo. Mas a Matilde não disse?... O André vai-me desculpar, mas não percebeu nada. Pelos vistos não percebi. Os homens nunca percebem nada. E é tudo tão simples... 22

20 Jardim sem Muro A rapariga retirou da cabeça as páginas da revista e sacudiu a água. Tinha as pontas do cabelo molhadas. O Santos, que não ficou ofendido com as maneiras dela, disse: Estamos aqui a abrigar-nos da chuva e só por mero acaso é que começámos a falar. Logo que a chuva pare, cada um vai à sua vida. É bem provável que nunca mais nos encontremos. Se quiser contar-me o que lhe vai dentro, pode fazê-lo. E para que haveria de contar? Para se sentir melhor. Mas eu não me quero sentir melhor. A Matilde lá sabe. Fiquemos então calados a olhar para a chuva. Duas adolescentes passaram debaixo do mesmo guarda-chuva agarradas uma à outra. Pareciam divertir-se no meio da chuva. O Santos achou insólito o olhar que a Matilde lhes deitou e só então começou a compreender. As miúdas entretanto desapareceram. Eles devem ter ficado ali mais uns cinco minutos até que a chuva diminuísse de intensidade. Foi nessa altura que a Matilde estendeu ao Santos o pedaço da revista e lhe disse: Obrigada. Tenho de ir. Espere mais um pouco. A chuva ainda não parou e vai de certeza molhar-se. Não tem importância. A festa da boda já deve ter terminado e eu vou para casa. Se quiser que eu a acompanhe... Está a atirar-se a mim? Oh, não! Compreendeu-me mal. Então quer dizer que eu não o atraio? É claro que me atrai. É uma bonita rapariga, já lhe disse. Mas eu não me atiro a todas as raparigas bonitas que 23

21 José Leon Machado conheço. E muito menos às que estão com problemas. O que eu queria dizer era que poderia acompanhá-la. Tenho de ir buscar o meu filho à aula de tai kondo e talvez o meu caminho seja o seu. Não creio. Então leve o pedaço da revista. Sempre resguarda a cabeça. Se a molhar um pouco mais, talvez aclare as ideias. Não vai fazer nenhum disparate, pois não? Por que diz isso? Pela conversa que tivemos, não me parece que a Matilde esteja bem. O facto de não estar bem não quer dizer que eu faça um disparate. E para o tranquilizar, digo-lhe o que penso fazer quando chegar a casa: vou despir esta roupa e meter-me na banheira com a água bem quente a dar-me pelo queixo. É uma boa ideia. Mas sugiro que não se deixe adormecer. Pode afogar-se. A Matilde disse com um ar atrevido e pouco sincero: Se o André quiser fazer-me companhia, não me importo de partilhar a banheira consigo. De certeza que assim não adormeceria. Tenho de ir buscar o meu filho... respondeu o Santos com algum embaraço. E se não tivesse, fazia-me companhia? perguntou ela desafiadora. O Santos ponderou alguns segundos e depois respondeu: Não, acho que não. E porquê? Porque a minha companhia não era aquela que a 24

22 Jardim sem Muro Matilde gostaria de ter. Especialmente numa banheira. Ela sorriu e disse: Obrigado por me ter feito companhia debaixo desta árvore. Não é a mesma coisa que numa banheira. Mas não deixou de ser interessante. O prazer foi meu. A rapariga afastou-se e caminhou apressada ao longo da margem. A cerca de cem metros, parou, olhou o rio e o Santos pensou o pior. Iria atirar-se à água barrenta? Viu-a estender o braço e a atirar qualquer coisa à água. Devia ser um objecto pequeno. Talvez um dos vários anéis que levava nos dedos ou qualquer coisa do mesmo tamanho. Depois voltou-se para o lado do plátano, levantou a mão a dizer adeus, atravessou o parque e desapareceu entre as árvores. 25

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história.

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Nem um sopro de vento. E já ali, imóvel frente à cidade de portas e janelas abertas, entre a noite vermelha do poente e a penumbra do jardim,

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Solidão PROCURA-SE MULHER PROCURA-SE MULHER

Solidão PROCURA-SE MULHER PROCURA-SE MULHER Edna estava caminhando pela rua com sua sacola de compras quando passou pelo carro. Havia um cartaz na janela lateral: Ela parou. Havia um grande pedaço de papelão grudado na janela com alguma substância.

Leia mais

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu 5 L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu subir monte, pés d Eu molhados em erva fria. Não haver erva em cima em monte. Só haver terra, em volta, monte como cabeça de homem sem cabelo.

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

Anexo II - Guião (Versão 1)

Anexo II - Guião (Versão 1) Anexo II - Guião (Versão 1) ( ) nº do item na matriz Treino História do Coelho (i) [Imagem 1] Era uma vez um coelhinho que estava a passear no bosque com o pai coelho. Entretanto, o coelhinho começou a

Leia mais

Dar de comer a quem tem fome 1º E 2º CICLOS. 3ª feira, dia 26 de abril de 2016 INTRODUÇÃO

Dar de comer a quem tem fome 1º E 2º CICLOS. 3ª feira, dia 26 de abril de 2016 INTRODUÇÃO 3ª feira, dia 26 de abril de 2016 Dar de comer a quem tem fome 1º E 2º CICLOS Bom dia a todos. Preparados para mais um dia de aulas?! Muito bem! Hoje vamos falar como é importante dar comida a quem não

Leia mais

Rosana! Rosanaaa! Ô menina! Onde que cê se meteu, diacho de moleca!!

Rosana! Rosanaaa! Ô menina! Onde que cê se meteu, diacho de moleca!! A Promessa N.Lym Consegui um bom emprego em São Paulo! Não posso levar você comigo, mas você pode me esperar. Prometo que vou voltar, vamos nos casar e morar juntos, bem longe daqui! Rosana ficou a pensar

Leia mais

Um havia um menino diferente dos outros meninos: tinha o olho direito preto, o esquerdo azul e a cabeça pelada. Os vizinhos mangavam dele e gritavam: Ó pelado! Tanto gritaram que ele se acostumou, achou

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

LEITURA ORIENTADA NA SALA DE AULA

LEITURA ORIENTADA NA SALA DE AULA LEITURA ORIENTADA NA SALA DE AULA Uma Aventura na Serra da Estrela Coleção UMA AVENTURA Atividades Propostas Leitura em voz alta de um ou dois capítulos por aula. Preenchimento das fichas na sequência

Leia mais

UNIFORMES E ASPIRINAS

UNIFORMES E ASPIRINAS SER OU NÃO SER Sujeito desconfiava que estava sendo traído, mas não queria acreditar que pudesse ser verdade. Contratou um detetive para seguir a esposa suspeita. Dias depois, se encontrou com o profissional

Leia mais

NOVE SEGREDOS SOBRE A MANHÃ

NOVE SEGREDOS SOBRE A MANHÃ NOVE SEGREDOS SOBRE A MANHÃ 1 Prefácio A página está em branco e não é página digna do nome que lhe dou. É vidro. Écran. Tem luz baça e fere os olhos pretos. Eu tenho demasiado sono para escrever papel.

Leia mais

O Tomás, que não acreditava no Pai Natal

O Tomás, que não acreditava no Pai Natal O Tomás, que não acreditava no Pai Natal Era uma vez um menino que não acreditava no Pai Natal e fazia troça de todos os outros meninos da escola, e dos irmãos e dos primos, e de qualquer pessoa que dissesse

Leia mais

Quantas línguas existem no mundo?, perguntava -se

Quantas línguas existem no mundo?, perguntava -se A VOZ DAS COISAS Quantas línguas existem no mundo?, perguntava -se Marta, naquela noite, a sós na cama. Há as línguas que as pessoas falam: francês, alemão, espanhol, chinês, italiano. Para indicar a mesma

Leia mais

O GIGANTE EGOÍSTA. Autor: Oscar Wilde Nacionalidade: Irlandesa

O GIGANTE EGOÍSTA. Autor: Oscar Wilde Nacionalidade: Irlandesa O GIGANTE EGOÍSTA Autor: Oscar Wilde Nacionalidade: Irlandesa Todas as tardes, quando vinham da escola, as crianças costumavam ir brincar para o jardim do Gigante. Era um grande e belo jardim, todo atapetado

Leia mais

As 12 Vitimas do Medo.

As 12 Vitimas do Medo. As 12 Vitimas do Medo. Em 1980 no interior de São Paulo, em um pequeno sítio nasceu Willyan de Sousa Filho. Filho único de Dionizia de Sousa Millito e Willian de Sousa. Sempre rodeado de toda atenção por

Leia mais

Unidades de sentido Indicadores Unidades de Sentido Indicadores

Unidades de sentido Indicadores Unidades de Sentido Indicadores das dos tratamentos sobre a Imagem o que me incomodou foi a perda do cabelo quando me começou a cair o cabelo, eu tive 2 ou 3 dias que não me quis ver ao espelho (M1); e custou-me muito, quando o médico

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

Este testemunho é muito importante para os Jovens.

Este testemunho é muito importante para os Jovens. Este testemunho é muito importante para os Jovens. Eu sempre digo que me converti na 1ª viagem missionária que fiz, porque eu tinha 14 anos e fui com os meus pais. E nós não tínhamos opção, como é o pai

Leia mais

Gostava de redacções, como gostava! Dos seis filhos da família Santos apenas ele e a Nazaré (que andava no 9. ano) gostavam de escrever; de resto

Gostava de redacções, como gostava! Dos seis filhos da família Santos apenas ele e a Nazaré (que andava no 9. ano) gostavam de escrever; de resto 1 Gostava de redacções, como gostava! Dos seis filhos da família Santos apenas ele e a Nazaré (que andava no 9. ano) gostavam de escrever; de resto eram também os únicos que passavam horas a ler, nos tempos

Leia mais

Trabalho Individual. Sessão de Leitura da História O Pedro e o Lobo

Trabalho Individual. Sessão de Leitura da História O Pedro e o Lobo Trabalho Individual Sessão de Leitura da História O Pedro e o Lobo Destinatários Alunos com idades entre os cinco, seis anos a frequentar o Ensino Pré-Escolar pela terceira vez. Local da Sessão de leitura

Leia mais

PORQUE É QUE NÃO DANÇAM?

PORQUE É QUE NÃO DANÇAM? PORQUE É QUE NÃO DANÇAM? Na cozinha, ele serviu se de mais uma bebida e olhou para a mobília de quarto de cama que estava no pátio da frente. O colchão estava a descoberto e os lençóis às riscas estavam

Leia mais

O homem que tinha uma árvore na cabeça

O homem que tinha uma árvore na cabeça O homem que tinha uma árvore na cabeça Era uma vez um homem que tinha uma árvore na cabeça. No princípio era apenas um arbusto com folhas esguias e acastanhadas. Depois os ramos começaram a engrossar e

Leia mais

Gratuidade com os outros

Gratuidade com os outros 2ª feira, dia 21 de setembro de 2015 Gratuidade com os outros Bom dia! Com certeza, todos nós já experimentamos como é bom brincar com amigos, como nos faz felizes trocar jogos e brinquedos, como sabe

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

- Papá, é hoje! É hoje, papá! Temos que montar o nosso pinheirinho de Natal. disse o rapaz, correndo na direção de seu pai.

- Papá, é hoje! É hoje, papá! Temos que montar o nosso pinheirinho de Natal. disse o rapaz, correndo na direção de seu pai. Conto de Natal Já um ano havia passado desde o último Natal. Timóteo estava em pulgas para que chegasse o deste ano. Menino com cara doce, uma tenra idade de 10 aninhos, pobre, usava roupas ou melhor,

Leia mais

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter Distribuição digital, não-comercial. 1 Três Marias Teatro Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter O uso comercial desta obra está sujeito a direitos autorais. Verifique com os detentores dos direitos da

Leia mais

Era um peixe tão feio que nem parecia um peixe. Uma pedra

Era um peixe tão feio que nem parecia um peixe. Uma pedra Era um peixe tão feio que nem parecia um peixe. Uma pedra feita de carne fria musgosa e invasiva, salpicada de verde e branco. A princípio não o vi, mas depois encostei a cara ao vidro e tentei ficar mais

Leia mais

A INDA RESTAM AVELEIRAS

A INDA RESTAM AVELEIRAS CAPÍTULO I ESTARIA EU, naquela manhã, mais ou menos feliz do que nos outros dias? Não tenho a menor ideia, e a palavra felicidade não faz mais muito sentido para um homem de 74 anos. Em todo caso, a data

Leia mais

Rosie. DE ACADEMIA A Charlie olhou para o letreiro e sorriu.

Rosie. DE ACADEMIA A Charlie olhou para o letreiro e sorriu. Rosie DANÇA DE ACADEMIA A Charlie olhou para o letreiro e sorriu. Estava finalmente numa verdadeira escola de dança. Acabaram as aulas de dança no gelado salão paroquial. Acabaram as banais aulas de ballet

Leia mais

MARK CARVALHO. Capítulo 1

MARK CARVALHO. Capítulo 1 MARK CARVALHO Capítulo 1 Mark era um menino com altura média, pele clara, pequenos olhos verdes, cabelos com a cor de avelãs. Um dia estava em casa vendo televisão, até que ouviu: Filho, venha aqui na

Leia mais

Conto a Soraia Ramalli

Conto a Soraia Ramalli Conto a Soraia Ramalli (...) Não sei se a vida é pouco ou demais pra mim. Não sei se sinto demais ou de menos. Seja como for a vida, de tão interessante que é a todos os momentos, a vida chega a doer,

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN

POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN "Pr. Williams Costa Jr.- Pastor Bullón, por que uma pessoa precisa se batizar? Pr. Alejandro Bullón - O Evangelho de São Marcos 16:16 diz assim: "Quem crer e for batizado,

Leia mais

SOUL LOVE, A NOITE O CÉU É PERFEITO

SOUL LOVE, A NOITE O CÉU É PERFEITO SOUL LOVE, A NOITE O CÉU É PERFEITO ALUNA: LAIANE ZANOTTO GEMELLI ANO: 2012 LOCAL: Chapecó DESCRIÇÃO DOS PERSONAGENS PRINCIPAIS Jenna: 17 anos, alta, magra, ruiva, cabelos lisos, olhos verdes, traços delicados,

Leia mais

O porco é fisicamente incapaz de olhar o céu. ( 7 )

O porco é fisicamente incapaz de olhar o céu. ( 7 ) O porco é fisicamente incapaz de olhar o céu. Isso o Ricardo me disse quando a gente estava voltando do enterro do tio Ivan no carro da mãe, que dirigia de óculos escuros apesar de não fazer sol. Eu tinha

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

início contos e poemas que não deveriam ser esquecidos na gaveta Mariana Pimenta

início contos e poemas que não deveriam ser esquecidos na gaveta Mariana Pimenta início contos e poemas que não deveriam ser esquecidos na gaveta Mariana Pimenta Início contos e poemas que não deveriam ser esquecidos na gaveta Mariana Pimenta Lagoa Santa, 2015 Mariana Pimenta 2015

Leia mais

Inês. A cidade chama-se Marcala. Mar-ca-la, um nome tão bonito como os gladíolos que aqui nascem espontaneamente nos prados.

Inês. A cidade chama-se Marcala. Mar-ca-la, um nome tão bonito como os gladíolos que aqui nascem espontaneamente nos prados. Alegria Alegria Sempre que começares o teu dia, lembra-te dos inúmeros dons que vais receber, desde o alimento à saúde do corpo. Lembra-te também do afecto que te tem sido dado, e de como é importante

Leia mais

Pensar incomoda como andar à chuva Quando o vento cresce e parece que [chove mais.

Pensar incomoda como andar à chuva Quando o vento cresce e parece que [chove mais. I Eu nunca guardei rebanhos, Mas é como se os guardasse. Minha alma é como um pastor, Conhece o vento e o sol E anda pela mão das Estações A seguir e a olhar. Toda a paz da Natureza sem gente Vem sentar-se

Leia mais

História Para as Crianças. A menina que caçoou

História Para as Crianças. A menina que caçoou História Para as Crianças A menina que caçoou Bom dia crianças, feliz sábado! Uma vez, do outro lado do mundo, em um lugar chamado Austrália vivia uma menina. Ela não era tão alta como algumas meninas

Leia mais

Fotografias de Raquel Porto

Fotografias de Raquel Porto Fotografias de Raquel Porto A RAPARIGA QUE SABIA ANTES Não se lembra da primeira vez que aconteceu. Foi talvez na infância, não se lembra ao certo. Para ela sempre foi assim. Vê as coisas acontecerem antes

Leia mais

E ra bonita a tartaruguinha. Forte, pernas roliças, tinha

E ra bonita a tartaruguinha. Forte, pernas roliças, tinha E ra bonita a tartaruguinha. Forte, pernas roliças, tinha um verde que saía da metade do casco e se espalhava manso até a beirada. Viviam dizendo que ela era lerda, preguiçosa até. É preciso reconhecer

Leia mais

Exame unificado de acesso (Línguas e Matemática) às 4 Instituições do Ensino Superior (2017)

Exame unificado de acesso (Línguas e Matemática) às 4 Instituições do Ensino Superior (2017) Exame unificado de acesso (Línguas e Matemática) às 4 Instituições do Ensino Superior (2017) Português B 澳 門 四 高 校 聯 合 入 學 考 試 ( 語 言 科 及 數 學 科 )2017 Exame unificado de acesso (Línguas e Matemática) às

Leia mais

Nada de telefone celular antes do sexto ano

Nada de telefone celular antes do sexto ano L e i n º1 Nada de telefone celular antes do sexto ano Nossos vizinhos da frente estão passando uma semana em um cruzeiro, então me pediram para buscar o jornal e a correspondência todos os dias, enquanto

Leia mais

Shué também cantou na Festa de Natal da Escola O Gotinhas...fim 42 43

Shué também cantou na Festa de Natal da Escola O Gotinhas...fim 42 43 O Gotinhas 43 Era uma vez um País feito de nuvens. Ficava no cimo de uma enorme montanha impossível de expugnar. Lá viviam muitos meninos. Cada um tinha a sua própria nuvem. Uma enorme cegonha do espaço

Leia mais

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe?

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Trecho do romance Caleidoscópio Capítulo cinco. 05 de novembro de 2012. - Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Caçulinha olha para mim e precisa fazer muita força para isso,

Leia mais

EMPREGO DE PALAVRAS E EXPRESSÕES

EMPREGO DE PALAVRAS E EXPRESSÕES EMPREGO DE PALAVRAS E EXPRESSÕES ASPECTOS TEÓRICOS. POR QUE /POR QUÊ / PORQUE / PORQUÊ a) POR QUE: Equivale a POR QUAL MOTIVO ou a pelo qual e variações; vem também depois de EIS e DAÍ. b) POR QUÊ: Equivale

Leia mais

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem.

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem. Pais e filhos 1º cena: música ambiente (início da música pais e filhos legião urbana - duas pessoas entram com um mural e começam a confeccionar com frases para o aniversário do pai de uma delas (Fátima),

Leia mais

Cercado de verde por todos os lados

Cercado de verde por todos os lados Cercado de verde por todos os lados Verde-claro. Verde-escuro. Verde-musgo. Verde pálido. Verde superanimado. Verde sendo bicado por passarinhos. Verde sendo engolido por macacos. Verde subindo pelos troncos

Leia mais

A SENSITIVA E A MULHER MACACO

A SENSITIVA E A MULHER MACACO A SENSITIVA E A MULHER MACACO Esquetes cômicos de Luís Alberto de Abreu CENA ÚNICA A AÇÃO SE PASSA NO INTERIOR DE UM ÔNIBUS. ENTRA UM APRESEN- TADOR. Silêncio. Um momento de silêncio por favor. Essa é

Leia mais

Índice Geral. Índice de Autores

Índice Geral. Índice de Autores Victor Fernandes 1 Índice Geral A perua-galinha 3 A vida de um porco chamado Ricky 4 Um burro chamado Burro 5 O atrevido 6 O Burro que abandonou a família por causa de uma rã 7 A burra Alfazema 8 Índice

Leia mais

Brincar às guerras. Está muito calor para jogar basquete. Vamos fazer outra coisa sugeriu Luke.

Brincar às guerras. Está muito calor para jogar basquete. Vamos fazer outra coisa sugeriu Luke. Brincar às guerras Está muito calor para jogar basquete. Vamos fazer outra coisa sugeriu Luke. Os amigos sentaram-se à sombra do salgueiro a decidir o que fazer. Tens mais balões de água? perguntou Danny.

Leia mais

Sinopse I. Idosos Institucionalizados

Sinopse I. Idosos Institucionalizados II 1 Indicadores Entrevistados Sinopse I. Idosos Institucionalizados Privação Até agora temos vivido, a partir de agora não sei Inclui médico, enfermeiro, e tudo o que for preciso de higiene somos nós

Leia mais

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes All You Zombies Wendel Coelho Mendes Versão Portuguesa, Brasil Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959 Esse conto é minha versão sobre a verdadeira história de All You Zombies,

Leia mais

DOCE BALANÇO. Novela de Antonio Figueira. Escrita por. Antonio Figueira. Personagens deste capítulo: DIANA PADRE MARCOS D. SANTINHA BEATA 1 BEATA 2

DOCE BALANÇO. Novela de Antonio Figueira. Escrita por. Antonio Figueira. Personagens deste capítulo: DIANA PADRE MARCOS D. SANTINHA BEATA 1 BEATA 2 DOCE BALANÇO Novela de Antonio Figueira Escrita por Antonio Figueira Personagens deste capítulo: DIANA PADRE MARCOS D. SANTINHA BEATA 1 BEATA 2 DOCE BALANÇO CAPÍTULO 10 PÁGINA 1 DOCE BALANÇO CAPÍTULO 10

Leia mais

ÁREA DA AUTONOMIA. Objectivos

ÁREA DA AUTONOMIA. Objectivos ÁREA DA AUTONOMIA Ser autónomo ao nível da alimentação Preparar o seu lanche: barrar fatias de pão Descascar fruto: banana Esmagar a banana Comer o iogurte sem apoio ACTIVIDADE 1: Quais são os frutos iguais?

Leia mais

"Os Emigrantes" Texto escritos por alunos do 7º ano (Professora Rute Melo e Sousa)

Os Emigrantes Texto escritos por alunos do 7º ano (Professora Rute Melo e Sousa) "Os Emigrantes" Texto escritos por alunos do 7º ano (Professora Rute Melo e Sousa) Estava um dia lindo na rua. O sol brilhava como nunca brilhou, e, no cais, havia muitas pessoas As pessoas estavam tristes

Leia mais

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Prova de certificação de nível de proficiência linguística no âmbito do Quadro de Referência para o Ensino Português no Estrangeiro,

Leia mais

1. Substitui as palavras assinaladas pelos sinónimos (ao lado) que consideres mais adequados.

1. Substitui as palavras assinaladas pelos sinónimos (ao lado) que consideres mais adequados. 1. Substitui as palavras assinaladas pelos sinónimos (ao lado) que consideres mais adequados. É bonita a história que acabaste de contar. Vou dar este livro ao Daniel, no dia do seu aniversário. Ele adora

Leia mais

A luva sem par. Lá fora estão menos dez graus e a cidade asfixiada pela neve.

A luva sem par. Lá fora estão menos dez graus e a cidade asfixiada pela neve. A luva sem par Se as mesas das janelas estão ocupadas procura sentar-se numa das mais próximas das janelas, numa cadeira virada para as janelas. Se todas elas estiverem ocupadas sai, dá uma volta devagar

Leia mais

O LEÃO, A FEITICEIRA E O GUARDA-ROUPA

O LEÃO, A FEITICEIRA E O GUARDA-ROUPA C. S. LEWIS O LEÃO, A FEITICEIRA E O GUARDA-ROUPA ILUSTRAÇÕES DE PAULINE BAYNES Martins Fontes São Paulo 1997 CAPÍTULO I Uma estranha descoberta ERA uma vez duas meninas e dois meninos: Susana, Lúcia,

Leia mais

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento Eu e umas amigas íamos viajar. Um dia antes dessa viagem convidei minhas amigas para dormir na minha casa. Nós íamos para uma floresta que aparentava ser a floresta do Slender-Man mas ninguém acreditava

Leia mais

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER Atividades Lição 5 NOME: N º : CLASSE: ESCOLA É LUGAR DE APRENDER 1. CANTE A MÚSICA, IDENTIFICANDO AS PALAVRAS. A PALAVRA PIRULITO APARECE DUAS VEZES. ONDE ESTÃO? PINTE-AS.. PIRULITO QUE BATE BATE PIRULITO

Leia mais

PROVA ERASMUS DA LINGUA PORTUGUESA 25 DE ABRIL DE 2014 25 DE ABRIL DE 2014

PROVA ERASMUS DA LINGUA PORTUGUESA 25 DE ABRIL DE 2014 25 DE ABRIL DE 2014 PROVA ERASMUS DA LINGUA PORTUGUESA 25 DE ABRIL DE 2014 Nome completo: 25 DE ABRIL DE 2014 PARTE 1: Compreensão da leitura e expressão escrita 1. Leia o seguinte texto e responda com verdadeiro ou falso

Leia mais

1 de outubro de 2012

1 de outubro de 2012 I Aproximou-se da mulher e enquanto punha as mãos abertas no cabelo dela, dizia: Sempre me esqueço de trazer uma lente para ver como são as plantas que tem no verde destes olhos; mas já sei que a cor da

Leia mais

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A O LIVRO SOLIDÁRIO Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A 1 Era uma vez um rapaz que se chamava Mau-Duar, que vivia com os pais numa aldeia isolada no Distrito de Viqueque, que fica

Leia mais

CLÁSSICOS PARA CRIANÇAS. Alice no País. das Maravilhas

CLÁSSICOS PARA CRIANÇAS. Alice no País. das Maravilhas CLÁSSICOS PARA CRIANÇAS Alice no País das Maravilhas Índice Capítulo Um Pela Toca do Coelho Abaixo 7 Capítulo Dois A Chave de Ouro 13 Capítulo Três O Mar de Lágrimas 19 Capítulo Quatro A História do Rato

Leia mais

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas).

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Titulo - VENENO Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Corta para dentro de um apartamento (O apartamento é bem mobiliado. Estofados

Leia mais

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA LENDA DA COBRA GRANDE Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA CRUZEIRO DO SUL, ACRE, 30 DE ABRIL DE 2012. OUTLINE Cena 1 Externa;

Leia mais

É a pior forma de despotismo: Eu não te faço mal, mas, se quisesse, fazia

É a pior forma de despotismo: Eu não te faço mal, mas, se quisesse, fazia Entrevista a Carlos Amaral Dias É a pior forma de despotismo: Eu não te faço mal, mas, se quisesse, fazia Andreia Sanches 04/05/2014 O politicamente correcto implica pensar que a praxe é uma coisa horrível.

Leia mais

CAPÍTULO PRIMEIRO. Num dia de Abril de 1957, pela hora da tarde, apareceu em certa aldeola da costa um automóvel aberto, rápido como o pensamento.

CAPÍTULO PRIMEIRO. Num dia de Abril de 1957, pela hora da tarde, apareceu em certa aldeola da costa um automóvel aberto, rápido como o pensamento. CAPÍTULO PRIMEIRO Num dia de Abril de 1957, pela hora da tarde, apareceu em certa aldeola da costa um automóvel aberto, rápido como o pensamento. Já alguém tinha dado por ele quando ainda vinha à distância,

Leia mais

O dia em que ele nasceu

O dia em que ele nasceu O dia em que ele nasceu E le nasceu no verão mais seco dos últimos quarenta anos. O sol cozinhava a argila vermelha do Alabama, transformando-a em pó, e não havia água por quilômetros ao redor. A comida

Leia mais

Escola EB1 de Brunheiras

Escola EB1 de Brunheiras Escola EB1 de Brunheiras O dia dos namorados Era uma vez uma princesa chamada Francesca que estava apaixonada pelo príncipe Marco. Um dia o príncipe foi salvar a Francesca que estava presa na torre do

Leia mais

Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI)

Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI) Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI) II 1 Indicadores Desqualificação Não poder fazer nada do que preciso, quero fazer as coisas e não posso ; eu senti-me velho com 80 anos. Aí é que eu já

Leia mais

Dia da Conservação do Solo - 15 de Abril

Dia da Conservação do Solo - 15 de Abril Dia da Conservação do Solo - 15 de Abril Tema: Comemoração do Dia da Conservação do Solo Destinatários: Crianças dos 6 aos 10 anos - 1º ciclo Objectivo: Pretende-se que no final das actividades as crianças

Leia mais

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos.

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos. Contos Místicos 1 Contos luca mac doiss Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12 Prefácio A história: esta história foi contada por um velho pescador de Mongaguá conhecido como vô Erson. A origem:

Leia mais

Os primeiros passos de uma Geisy que não tinha como não acontecer

Os primeiros passos de uma Geisy que não tinha como não acontecer Como tudo comecou ~ Os primeiros passos de uma Geisy que não tinha como não acontecer Entrei com o fichário numa mão, a bolsa na outra, e todo mundo na minha sala ficou sem entender nada. Caraca, você

Leia mais

A ABDUZIDA. CELIORHEIS Página 1

A ABDUZIDA. CELIORHEIS Página 1 CELIORHEIS Página 1 A Abduzida um romance que pretende trazer algumas mensagens Mensagens estas que estarão ora explícitas ora implícitas, dependendo da ótica do leitor e do contexto em que ela se apresentar.

Leia mais

Cortar a meta para colar sorrisos

Cortar a meta para colar sorrisos Cortar a meta para colar sorrisos É domingo e o Sol já brilha. O frio matinal típico de um novo Outono que se aproxima já se faz sentir. Mas nem o frio, nem o facto de prescindirem de mais algumas horas

Leia mais

Modos de agir na interacção Conteúdos. Aprendizagem dos alunos

Modos de agir na interacção Conteúdos. Aprendizagem dos alunos Modos de agir na interacção Conteúdos Aprendizagem dos alunos Conteúdos a trabalhar 1. [Nas reuniões mensais] Aproveito para fazer uma análise dos conhecimentos que estamos a fazer, dos conteúdos que estão

Leia mais

QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com

QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com Antônio, Sara, Vânia e César. Sala da casa de Antônio e Sara. 1 Um longo silêncio. ANTÔNIO. Vai me deixar falando sozinho? Sara o fita e fica

Leia mais

Apoio: Patrocínio: Realização:

Apoio: Patrocínio: Realização: 1 Apoio: Patrocínio: Realização: 2 O ANJO Hans Christian Andersen 3 Contos de Hans Christian Andersen Hans Christian Andersen nasceu em Odensae, em 2 de abril de 1805, e faleceu em Conpenhague em 1875.

Leia mais

SEGREDO NO CAIR DA TARDE

SEGREDO NO CAIR DA TARDE SEGREDO NO CAIR DA TARDE Ele chegou a galope, num alazão que eu não conhecia. Depois o alazão ergueu-se em duas patas e desapareceu e meu irmão também desapareceu. Fazia tempo que eu o chamava e ele não

Leia mais

Alta Performance Como ser um profissional ou ter negócios de alta performance

Alta Performance Como ser um profissional ou ter negócios de alta performance Sobre o autor: Meu nome é Rodrigo Marroni. Sou apaixonado por empreendedorismo e vivo desta forma há quase 5 anos. Há mais de 9 anos já possuía negócios paralelos ao meu trabalho e há um pouco mais de

Leia mais

Fortaleza digital 6 MM 08.08.07 10:37 Page 3 FORTALEZA DIGITAL. Dan Brown

Fortaleza digital 6 MM 08.08.07 10:37 Page 3 FORTALEZA DIGITAL. Dan Brown Fortaleza digital 6 MM 08.08.07 10:37 Page 3 FORTALEZA DIGITAL Dan Brown Fortaleza digital 6 MM 08.08.07 10:37 Page 5 Para meus pais... meus mentores e heróis Fortaleza digital 6 MM 08.08.07 10:37 Page

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

Olá. Esta é minha casa em São Miguelito. São Miguelito é uma pequena cidade com cerca de 50 ou 60 famílias. A cidade tem uma escola, um campo de futebol e algumas igrejas, mas não tem um centro, como a

Leia mais

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração da Escola Municipal Jornalista Jaime Câmara e alusiva à visita às unidades habitacionais do PAC - Pró-Moradia no Jardim do Cerrado e Jardim Mundo

Leia mais

DIANA + 3. Roteiro de Henry Grazinoli

DIANA + 3. Roteiro de Henry Grazinoli DIANA + 3 Roteiro de Henry Grazinoli EXT. CALÇADA DO PORTINHO DIA Sombra de Pablo e Dino caminhando pela calçada do portinho de Cabo Frio. A calçada típica da cidade, com suas ondinhas e peixes desenhados.

Leia mais

- Estou à espera que apareça alguém para passar a Noite de Natal comigo. E o Burro disse ao seu Dono: - Como também estamos sozinhos podíamos

- Estou à espera que apareça alguém para passar a Noite de Natal comigo. E o Burro disse ao seu Dono: - Como também estamos sozinhos podíamos Um Natal Solidário Era uma vez Uns dias antes da Consoada de Natal, estava um Esquilo que vivia sozinho na floresta, a pensar Como é que vai ser o meu Natal? nisto sentiu o cheiro ao bacalhau e decidiu

Leia mais

POEMAS DE JOVITA NÓBREGA

POEMAS DE JOVITA NÓBREGA POEMAS DE JOVITA NÓBREGA Aos meus queridos amigos de Maconge Eu vim de longe arrancada ao chão Das minhas horas de menina feliz Fizeram-me estraçalhar a raiz Da prima gota de sangue Em minha mão. Nos dedos

Leia mais

David pensou que o pai, às vezes, dizia coisas raras, estranhas. A mãe suspirou fundo ao enfiar de novo a agulha.

David pensou que o pai, às vezes, dizia coisas raras, estranhas. A mãe suspirou fundo ao enfiar de novo a agulha. ESTRELAS DE NATAL David acordou. O pai tinha aberto a janela e estava a olhar para as estrelas. Suspirava. David aproximou-se. Ouviu novo suspiro. O que tens, pai? perguntou. O pai pôs-lhe as mãos nos

Leia mais

PACIENTE DO OUTRO MUNDO

PACIENTE DO OUTRO MUNDO PACIENTE DO OUTRO MUNDO Os dois médicos conversavam e um queria ser mais importante que o outro. Diz o primeiro: O colega há de ouvir que eu sou realmente um grande cirurgião. Só pra você ter uma idéia,

Leia mais

RECADO AOS PROFESSORES

RECADO AOS PROFESSORES RECADO AOS PROFESSORES Caro professor, As aulas deste caderno não têm ano definido. Cabe a você decidir qual ano pode assimilar cada aula. Elas são fáceis, simples e às vezes os assuntos podem ser banais

Leia mais

A televisão estava uma bodega. Os meus pais continuavam os dois a trabalhar no escritório e eu es tava ali sozinho com o meu avô, que já dormia,

A televisão estava uma bodega. Os meus pais continuavam os dois a trabalhar no escritório e eu es tava ali sozinho com o meu avô, que já dormia, FICHA TÉCNICA Título: O Peixe Azul Autora: Margarida Fonseca Santos Copyright by Margarida Fonseca Santos e Editorial Presença, Lisboa, 2003 Capa: Lupa Design Danuta Wojciechowska Composição, impressão

Leia mais