Maria Júlia Ladeira 26 de Maio 2007

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Maria Júlia Ladeira 26 de Maio 2007"

Transcrição

1 Jornadas dos Administrativos da Saúde A estratégia té do IGIF para as TI na Saúde Maria Júlia Ladeira 26 de Maio 2007

2 A estratégia do IGIF para as TI na Saúde Programa de Transformação dos SI da Saúde Principais projectos em curso Funções da ACSS

3 O PROJECTO EM CURSO DIAGNÓSTICO DOS STI NO SECTOR DA SAÚDE Perfil da amostra: Participaram 87 entidades; Média de cerca de 14 aplicações por instituição; O ano médio de entrada em produção das aplicações é 2002; A aplicação mais antiga entrou em produção em 1974; 2004 foi o ano em que mais aplicações entraram em produção.

4 Definição do Programa de Transformação dos Sistemas de Informação da Saúde O PROJECTO EM CURSO DIAGNÓSTICO DOS STI NO SECTOR DA SAÚDE Perfil da amostra por região Norte 32% Algarve 2% Alentejo 6% Centro 29% Lisboa e Vale Lisboa e Vale do Tejo 31%

5 Definição do Programa de Transformação dos Sistemas de Informação da Saúde O PROJECTO EM CURSO DIAGNÓSTICO DOS STI NO SECTOR DA SAÚDE Perfil da amostra por tipo de entidade Hospitais 69% ARS+SRS 17% Outros organismos 14%

6 Definição do Programa de Transformação dos Sistemas de Informação da Saúde O PROJECTO EM CURSO DIAGNÓSTICO DOS STI NO SECTOR DA SAÚDE Aplicações Tipologia de desenvolvimento Solução de mercado 43% Desenvolvimento à Desenvolvimento à medida 57%

7 Definição do Programa de Transformação dos Sistemas de Informação da Saúde O PROJECTO EM CURSO DIAGNÓSTICO DOS STI NO SECTOR DA SAÚDE Aplicações Tipo de arquitectura Outra 14% Cliente- Web servidor 26% 60%

8 Definição do Programa de Transformação dos Sistemas de Informação da Saúde O PROJECTO EM CURSO RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DAS APLICAÇÕES DO IGIF Aplicações disponibilizadas pelo IGIF Grau de satisfação global Segurança 2,73 Acessibilidade (física) 2,95 Redundância 2,78 Forma (apresentação) 2,47 Fiabilidade 285 2,85 Actualidade 2,67 Disponibilidade temporal 2,81 Legenda: 1 - Insuficiente 2 - Razoável 3 - Bom 4 - Excelente

9 Definição do Programa de Transformação dos Sistemas de Informação da Saúde O PROJECTO EM CURSO DIAGNÓSTICO DOS STI NO SECTOR DA SAÚDE Disponibilidade temporal Acessibilidade (física) Aplicações Grau de satisfação dos utilizadores Fiabilidade Segurança Actualidade Forma (apresentação) Redundância 2,40 2,57 2,55 2, , ,86 2,85 Legenda: 1 - Insuficiente 2 - Razoável 3 - Bom 4 - Excelente

10 Definição do Programa de Transformação dos Sistemas de Informação da Saúde O PROJECTO EM CURSO DIAGNÓSTICO DOS STI NO SECTOR DA SAÚDE 4 Comparação da avaliação entre o Global das Aplicações e as Aplicações IGIF 3 2,9 2,85 2,7 2,76 2,8 2,91 2,9 2,77 2,5 2,68 2,8 2,19 2,7 2, Acessibilidade (física) Actualidade Disponibilidade temporal Fiabilidade Forma (apresent ação) Redundância Segurança Aplicações IGIF Global das Aplicações na Saúde Legenda: 1 - Insuficiente 2 - Razoável 3 - Bom 4 - Excelente

11 Definição do Programa de Transformação dos Sistemas de Informação da Saúde O PROJECTO EM CURSO DIAGNÓSTICO DOS STI NO SECTOR DA SAÚDE Aplicações Grau de cobertura de processos Processos de gestão 20,48% Processos prestação de cuidados de saúde 46,33% Processos de suporte 33,18%

12 Definição do Programa de Transformação dos Sistemas de Informação da Saúde O PROJECTO EM CURSO DIAGNÓSTICO DOS STI NO SECTOR DA SAÚDE Outsourcing Por tipo de entidade ARS+SRS 26% Hospitais 47% Outros organismos 26% 0% 20% 40% 60% 80% 100%

13 Definição do Programa de Transformação dos Sistemas de Informação da Saúde O PROJECTO EM CURSO DIAGNÓSTICO DOS STI NO SECTOR DA SAÚDE Outsourcing Por região Alentejo 11% Centro 26% Lisboa e Vale do Tejo 42% Norte 21% 0% 20% 40% 60% 80% 100%

14 Definição do Programa de Transformação dos Sistemas de Informação da Saúde O PROJECTO EM CURSO DIAGNÓSTICO DOS STI NO SECTOR DA SAÚDE Outsourcing Avaliação da qualidade por tipo de entidade 4 3,7 3, ,4 1 0 Out tros organi ismos Hosp pitais ARS+S RS Legenda: 1 - Insuficiente 2 - Razoável 3 - Bom 4 - Excelente

15 Definição do Programa de Transformação dos Sistemas de Informação da Saúde O PROJECTO EM CURSO DIAGNÓSTICO DOS STI NO SECTOR DA SAÚDE Grau de adopção de tecnologias de ponta Avaliação da qualidade das tecnologias mais frequentes Sistema de arquivo e distribuição de imagem (PACS) 2,0 Receita electrónica 2,0 Redes de alta velocidade (LAN's, WAN's) 3,5 Sistema de informação de farmácia 2,2 Intranet 25 2,5 Legenda: 1 - Insuficiente 2 - Razoável 3 - Bom 4 - Excelente Sistema de informação de laboratório 2,6

16 Definição do Programa de Transformação dos Sistemas de Informação da Saúde O PROJECTO EM CURSO DIAGNÓSTICO DOS STI NO SECTOR DA SAÚDE Grau de adopção das tecnologias de ponta Avaliação da qualidade das tecnologias de menos frequentes Marcação de consultas por internet (e-booking) 0,1 Consultas pela internet 0,1 Mobilidade 0,3 Tecnologia RFDI (identificação por rádio frequência) Quiosques self-service para utentes 0,2 0,1 Legenda: 1 - Insuficiente 2 - Razoável 3 - Bom 4 - Excelente Call ou contact centre 0,2

17 Definição do Programa de Transformação dos Sistemas de Informação da Saúde O PROJECTO EM CURSO DIAGNÓSTICO DOS STI NO SECTOR DA SAÚDE As 3 principais razões para utilização do sítio da Internet 69% 67% 57% 57% 53% 54% Promover e divulgar a organização Divulgar informação geral Ligação a outros portais de saúde Actualmente

18 Definição do Programa de Transformação dos Sistemas de Informação da Saúde DIAGNÓSTICO DOS STI NO SECTOR DA SAÚDE Principais preocupações relativas a segurança de informação electrónica Legenda: 0 Não existe 5 Preocupação máxima 3,1 2,9 3,0 83% 83% 83% Média da classificação % de ocorrências Quebra interna de segurança Limitações na tecnologia de segurança existente Quebra externa de segurança

19 Definição do Programa de Transformação dos Sistemas de Informação da Saúde DIAGNÓSTICO DOS STI NO SECTOR DA SAÚDE Prioridades de investimento em STI para Formação de pessoal em STI a implementar Formação de pessoal em STI actualmente implementados Segurança Definir e implementar um Plano Estratégico de STI Gestão documental e conteúdos Implementar soluções web based Legenda: 0 Não existe 5 Preocupação máxima 67% 66% 64% 64% 63% 59% 3,3 3,2 3,2 % de ocorrências Média da classificação 3,7 3,8 3,8

20 Ponto de situação dos principais projectos em curso Base de dados de utentes / Cartão do Cidadão Informatização das USF Instalação do SAM/CIT/P / Prescrição electrónica Consulta a Tempo e Horas/SIMPLEX 2006/2007

21 Cartão do cidadão /centralização base de dados de utentes Cartão Cidadão Interface de Serviços BD Nacional de UTENTE Interface de Serviços Entidades (MS,MJ, MTSS,... ) Instituições de Saúde Interface de Serviços Madeira Açores 400 CS SINUS ou outras aplicações

22 Cartão do cidadão dã Início do Projecto na Região Autónoma dos Açores 14 de Fevereiro Região piloto até ao fim do 1º semestre Solução provisória ainda não totalmente integrada pesquisa automática à actual bd utentes Utente encontrado devolve o número Não se encontra inserido o utente na bd regional do cartão de utente Pendentes tratados manualmente c/ a Saúdaçor

23 Informatização das USF Apoio na aquisição e instalação dos postos de trabalho Apoio nas alterações necessárias nas bases de dados Garantimos a ligação à RIS Em colaboração com a UMCSP definiram-se as funcionalidades mínimas do SI Desenvolveu-se um sistema de indicadores centralizado Acompanhamento do projecto articulando com as empresas

24

25 CIT Circuito da Informação

26 SAM/CITs Evolução 2006

27 Consulta a Tempo e Horas SIMPLEX 2007 Objectivos Marcação de 1ªs consultas de especialidade por via electrónica Marcação das consultas por prioridade clínica Redução tempos de espera Solução Tecnológica Processo Organizativo

28 Consulta a Tempo e Horas Lista de Hospitais i 2006 REGIÃO HOSPITAL N.º Centros de Saúde Norte H. S. João 10 H. Sto António 5 Centro CHC Hospital Pediátrico 6 LVT H D de Santarém 8 H do Litoral Alentejano 5 Alentejo HdeÉvora 14 CH do Baixo Alentejo 13 Algarve H de Faro 8 Hd de Portimão 8

29 2º grupo de hospitais REGIÃO HOSPITAL N.º Centros de Saúde Norte Chaves 5 Vale do Sousa 7 Vila Nova de Famalicão 2 Guimarães 6 CH Vila Real / Peso da Régua 16 Centro Centro Hospitalar de Coimbra 11 Caldas da Rainha 4 Viseu 3 CH Cova da Beira (Covilhã + Fundão) 4 LVT CH Lisboa Central 18 Setúbal 6 Alentejo Portalegre 11 Elvas 2

30 3º grupo de hospitais i REGIÃO HOSPITAL N.º Centros de Saúde Norte Centro Hospitalar Povoa do Varzim, Vila do Conde Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia Espinho Hospital Distrital de S. João da Madeira H. Nossa Senhora da Conceição de Valongo H. S. Marcos Braga CH Alto Minho V. do Castelo e Ponte de Lima C H Nordeste- Bragança, M Cavaleiros, Mirandela C H Médio Ave Sto Tirso H. Francisco Zagalo Ovar Centro H. Infante D. Pedro Aveiro H. Cantanhede LVT CH Médio Tejo Tomar, Torres Novas e Abrantes

31 Consulta a Tempo e Horas

32 Consulta a Tempo e Horas SIMPLEX Especialidades com maior número de pedidos registados Cirurgia Geral Oftalmologia Ortopedia Otorrinolaringologia

33 Certificação de aplicações (Actividade estratégica da ACSS) Internalização de conhecimento procedimentos baseados na observação das recomendações e práticas de teste (verificação, validação e aceitação do software) definidas pelos organismos internacionais de normalização e certificação, neste caso o ISTQB - International Software Testing Qualifications Board - Aquisição de serviços à SQS do grupo do ISQ- Instituto da Qualidade e Soldadura

34 Outros projectos RIS Intranet PULSAR Estudo de Benchmarking europeu EHR Novo projecto de conferência de facturas Objectivo: Sistema totalmente electrónico (externalizado) Prescrição electrónica Recepção de consumos e facturação electrónica Conferência electrónica Fase actual: Em preparação o caderno de encargos Fase de transição Melhorias nos actuais sistemas Pilotos de conferência electrónica

35 Papel da ACSS nos SI Assegurar o alinhamento dos SI aos objectivos e prioridades do Sector, em estreita colaboração com os Serviços e Organismos da Saúde; Liderar a direcção executiva da implementação do Programa de Transformação dos Sistemas de Informação da Saúde (PTSIS); Definir arquitecturas dos SI para a Saúde; Definir metodologias, estratégias, políticas, princípios, normas e procedimentos a serem respeitados por todos os Serviços e Organismos da Saúde;

36 Papel da ACSS nos SI Acreditar fornecedores de SI para o Sector; Certificar SI a serem implementados no Sector; Actuar como Autoridade de Informação, coordenando a definição de políticas e princípios de gestão da informação da Saúde e controlar a sua execução; Coordenar as actividades de normalização e harmonização de conceitos, definições e terminologias da Saúde, em estreita colaboração com os serviços e organismos do Sector;

37 Papel da ACSS nos SI Efectuar auditorias aos sistemas de informação das entidades do Sector; Desenvolver e gerir sistemas e bases de dados de informação, nomeadamente as de natureza nacional ou transversal ao sector; Exercer as competências de entidade de coordenação sectorial;

38 Muito Agradecida

Programa Nacional de Erradicação da Poliomielite - Plano de Ação Pós-Eliminação

Programa Nacional de Erradicação da Poliomielite - Plano de Ação Pós-Eliminação MODELO 4 - Norte : Região Unidades Hospitalares (15) MÊS NORTE J F M A M J J A S O N D CH Nordeste, EPE CH Trás-os-Montes e Alto Douro, EPE CH Alto Ave, EPE CH Médio Ave, EPE CH Tâmega e Sousa, EPE CH

Leia mais

Lista de Associados. > Hospital do Montijo + Hospital Nossa Senhora do Rosário, EPE CENTRO HOSPITALAR DE ENTRE O DOURO E VOUGA, EPE

Lista de Associados. > Hospital do Montijo + Hospital Nossa Senhora do Rosário, EPE CENTRO HOSPITALAR DE ENTRE O DOURO E VOUGA, EPE ADMINISTRAÇÃO CENTRAL DO SISTEMA DE SAÚDE (ACSS) ARS DE LISBOA E VALE DO TEJO, IP ARS DO ALENTEJO, IP ARS DO ALGARVE, IP ARS DO CENTRO, IP ARS DO NORTE, IP CENTRO DE MEDICINA E REABILITAÇÃO DA REGIÃO CENTRO

Leia mais

Relatório de Integração 11/2013 VMER & SIV. Despacho n.º 14898/2011, de 3 de novembro

Relatório de Integração 11/2013 VMER & SIV. Despacho n.º 14898/2011, de 3 de novembro 11/2013 Despacho n.º 14898/2011, de 3 de novembro Ponto 7: O INEM, I. P., apresentar um relatório anual ao membro do Governo responsável pela área da saúde que permita a análise interna e a melhoria contínua

Leia mais

IMPLEMENTAMOS PROJECTOS QUE ACRESCENTAM VALOR

IMPLEMENTAMOS PROJECTOS QUE ACRESCENTAM VALOR IMPLEMENTAMOS PROJECTOS QUE ACRESCENTAM VALOR Saúde do Produto para a Solução BIQ Consultores QUEM SOMOS E O QUE FAZEMOS 2011 Internacionalização 1998 Sistemas de Gestão e Organização 2010 Segurança dos

Leia mais

DESPACHO N.º 187 / 2007

DESPACHO N.º 187 / 2007 DESPACHO N.º 187 / 2007 Os deveres de assiduidade e de pontualidade são basilares em qualquer relação de trabalho, pelo que a verificação do seu cumprimento tem de ser sempre encarada como uma medida imprescindível

Leia mais

27 de Janeiro de 2006. - A Secretária de Estado Adjunta e da Saúde, Carmen Madalena da Costa Gomes e Cunha Pignatelli.

27 de Janeiro de 2006. - A Secretária de Estado Adjunta e da Saúde, Carmen Madalena da Costa Gomes e Cunha Pignatelli. Despacho n.º 3845/2006 (2.ª série). - O Decreto-Lei n.º 112/98, de 24 de Abril, na alínea b) do n.º 1 do artigo 9.º, prevê a prorrogação do contrato administrativo de provimento dos internos que à data

Leia mais

Projecto: Definição do Programa de Transformação dos Sistemas de Informação da Saúde

Projecto: Definição do Programa de Transformação dos Sistemas de Informação da Saúde IGIF Instituto de Gestão Informática e Financeira da Saúde Projecto: Definição do Programa de Transformação dos Sistemas de Informação da Saúde Memorando de análise e diagnóstico da situação actual resumida

Leia mais

Ranking de eficiência energética e hídrica Hospitais do SNS

Ranking de eficiência energética e hídrica Hospitais do SNS Ranking de eficiência energética e hídrica Hospitais do SNS 2012 PEBC Plano Estratégico do Baixo Carbono ECO.AP Programa de Eficiência Energética na Administração Pública 28 de agosto de 2013 www.acss.min-saude.pt

Leia mais

Relatório de Integração VMER & SIV 11/2012

Relatório de Integração VMER & SIV 11/2012 11/2012 Despacho n.º 14898/2011, de d 3 de novembro Pontoo 7: O INEM,, I. P., apresentar um relatório anual ao membro do Governo responsável pela área da saúde que permita a análise interna e a melhoria

Leia mais

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação A transcrição ou reprodução deste documento não é permitida sem a prévia autorização escrita do IGIF PRINCIPAIS MENSAGENS O IGIF, na vertente SI,

Leia mais

Mapa de Vagas IM - 2011 A - FE

Mapa de Vagas IM - 2011 A - FE Mapa de IM - 2011 A - FE Anatomia Patológica Centro Hospitalar de São João, EPE 2 Centro Hospitalar de Trás os Montes e Alto Douro, EPE Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho, EPE 1 1 Centro Hospitalar

Leia mais

sobre o Número de Utentes Inscritos nos de Saúde Primários

sobre o Número de Utentes Inscritos nos de Saúde Primários Título da Apresentação Publicação Periódica Dados Editoriais sobre o Número de Utentes Inscritos nos Dados Editoriais Dados Cuidados Editoriais de Saúde Primários 16 de fevereiro de 2015 Nota introdutória

Leia mais

Escolha o tipo de entidade: Clínicas Consultórios Hospitais Privados Ordens e Misericórdias

Escolha o tipo de entidade: Clínicas Consultórios Hospitais Privados Ordens e Misericórdias Escolha o tipo de entidade: Clínicas Consultórios Hospitais Privados Ordens e Misericórdias ICare-EHR (ASP) ou Application Service Provider, é uma subscrição de Serviço online não necess ICare-EHR (Clássico)

Leia mais

Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O

Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O INQUÉRITO AOS DIPLOMADOS EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS 2011/2012 traçar o perfil

Leia mais

Centros de Recursos. Profissional de Vila Real TORRE DE MONCORVO. Centro de Emprego de Barcelos BARCELOS APACI

Centros de Recursos. Profissional de Vila Real TORRE DE MONCORVO. Centro de Emprego de Barcelos BARCELOS APACI DELEGAÇÃO REGIONAL DO NORTE Profissional de Vila Real VILA REAL TORRE DE MONCORVO A2000 ARDAD Centro de Emprego do Baixo Ave VILA NOVA DE FAMALICÃO ACIP SANTO TIRSO Centro de Emprego de Barcelos BARCELOS

Leia mais

Hospital Distrital de Águeda Sub Região de Saúde de Aveiro

Hospital Distrital de Águeda Sub Região de Saúde de Aveiro Início do contrato: Maio 2004 Duração: Coordenador: Parceiros: 32 meses Hospital Infante D. Pedro Universidade de Aveiro Hospital Distrital de Águeda Sub Região de Saúde de Aveiro SUMÁRIO EXECUTIVO Relatório

Leia mais

- Avaliação da Cultura de Segurança do Doente em Hospitais -

- Avaliação da Cultura de Segurança do Doente em Hospitais - - Avaliação da Cultura de Segurança do Doente em Hospitais - A segurança do doente é uma preocupação crescente nos Hospitais Portugueses, tal como acontece noutros países da Europa e do resto do mundo.

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DAS UNIDADES HOSPITALARES NA REGIÃO NORTE

O DESENVOLVIMENTO DAS UNIDADES HOSPITALARES NA REGIÃO NORTE O DESENVOLVIMENTO DAS UNIDADES HOSPITALARES NA REGIÃO NORTE Fernando Araújo, Mário Abreu Fernandes Administração Regional de Saúde do Norte, IP - Maio, 2009 Hospitais da ARSN Viana do Castelo 1. Centro

Leia mais

Anexo C. Estabelecimentos de Ensino Superior. Índice

Anexo C. Estabelecimentos de Ensino Superior. Índice Anexo C Estabelecimentos de Ensino Superior Índice Anexo C1 - Estabelecimentos de Ensino Superior: Situação em 1980...c.2 Anexo C2 - Estabelecimentos de Ensino Superior: Situação em 1990...c.4 Anexo C3

Leia mais

e-justiça Eng.ª Júlia Ladeira ( ITIJ )

e-justiça Eng.ª Júlia Ladeira ( ITIJ ) e justiça O que o sector da justiça em Portugal tem a ganhar com o desenvolvimento da SI 12 e 13 de Janeiro de 2004 Fundação Calouste Gulbenkian Eng.ª Júlia Ladeira ( ITIJ ) Patrocínio O que o sector da

Leia mais

Jornadas do Socialismo 2010 Braga, 28 e 29 de Agosto Heitor de Sousa, Economista de Transportes

Jornadas do Socialismo 2010 Braga, 28 e 29 de Agosto Heitor de Sousa, Economista de Transportes Jornadas do Socialismo 2010 Braga, 28 e 29 de Agosto Heitor de Sousa, Economista de Transportes 1 Pressupostos e condicionantes Estratégia de Mobilidade nacional para o transporte de passageiros e de mercadorias:

Leia mais

Portugal Mapas e Números

Portugal Mapas e Números Plano Anual de Atividades 2011-12 Portugal Mapas e Números Código da atividade ogf3 Destinatários Toda a comunidade educativa da ESSM Intervenientes Responsáveis Prof. Augusto Cebola e Prof. Jorge Damásio

Leia mais

Pediatria Médica. Junho de 2005 Colégio de Pediatria pg 1 de 10

Pediatria Médica. Junho de 2005 Colégio de Pediatria pg 1 de 10 Pediatria Médica Idoneidade e de Serviços, para os s do Internato Complementar de Pediatria no ano 2006, atribuídas pela Direcção do Colégio de Especialidade de Pediatria Junho de 2005 Colégio de Pediatria

Leia mais

PROGRAMA ESPECÍFICO PARA MELHORIA DO ACESSO AO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA INFERTILIDADE Documento de Suporte à Contratualização

PROGRAMA ESPECÍFICO PARA MELHORIA DO ACESSO AO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA INFERTILIDADE Documento de Suporte à Contratualização 2009 Documento de Suporte à Contratualização do Programa Específico para melhoria do ACSS DGS PROGRAMA ESPECÍFICO PARA MELHORIA DO ACESSO AO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA INFERTILIDADE Documento de Suporte

Leia mais

Processo Clínico. O próximo passo

Processo Clínico. O próximo passo Processo Clínico Electrónico: O próximo passo Sumário 1. Saúde: Uma Realidade Complexa 2. Implementação de SI na Saúde 2.1. Uma estratégia conjunta 2.2. Benefícios, constrangimentos e, desafios 3. Processo

Leia mais

AUDITORIA EXTERNA Onde estamos e para onde vamos. Amélia Gracias

AUDITORIA EXTERNA Onde estamos e para onde vamos. Amélia Gracias AUDITORIA EXTERNA Onde estamos e para onde vamos Amélia Gracias CICLO Formação Auditoria Externa Adesão Protocolo Triagem Auditoria Interna Onde estamos e para onde vamos 2005 2 Auditorias 2015 16 Auditorias

Leia mais

Esta opção irá voltar ao original a home e restaurar todos os widgets e categorias fechados.

Esta opção irá voltar ao original a home e restaurar todos os widgets e categorias fechados. Esta opção irá voltar ao original a home e restaurar todos os widgets e categorias fechados. Reiniciar 13 de Janeiro de 2011 Ficha técnica Política de Privacidade RSS feed Home Temas Aveiro Arouca Espinho

Leia mais

A Rede de Ensino Superior em Portugal e a sua cobertura geográfica com critérios de distância e temporais

A Rede de Ensino Superior em Portugal e a sua cobertura geográfica com critérios de distância e temporais A Rede de Ensino Superior em Portugal e a sua cobertura geográfica com critérios de distância e temporais Maria Cristina Canavarro Teixeira Instituto Politécnico de Castelo Branco Escola Superior Agrária,

Leia mais

Cardiologia Cardiologia Pediátrica Cirurgia Cardíaca Cirurgia Geral 1 Cirurgia Maxilofacial Cirurgia Pediátrica

Cardiologia Cardiologia Pediátrica Cirurgia Cardíaca Cirurgia Geral 1 Cirurgia Maxilofacial Cirurgia Pediátrica Anatomia Patológica Anestesiologia Angiologia e Cirurgia Cardiologia Cardiologia Pediátrica Cirurgia Cardíaca Cirurgia Geral Cirurgia Maxilofacial Cirurgia Pediátrica Cir. Plástica Cirurgia Torácica Dermatovenereologia

Leia mais

Prontuário Eletrônico do Paciente

Prontuário Eletrônico do Paciente Prontuário Eletrônico do Paciente a experiência portuguesa Paulino Sousa Unidade de Investigação e Desenvolvimento em Sistemas de Informação em Enfermagem (USINE) Porto - Portugal CBIS 2006 porque a é

Leia mais

A experiência no domínio dos Serviços Partilhados em Saúde

A experiência no domínio dos Serviços Partilhados em Saúde A experiência no domínio dos Serviços Partilhados em Saúde Joaquina Matos Vilamoura, 23 Maio 2009 Quem Somos O que Somos? Visão Missão Ser referência como entidade de Serviços Partilhados na área da Saúde,

Leia mais

Centro Nacional de Observação em Dor

Centro Nacional de Observação em Dor INQUÉRITO SOBRE AS CONDIÇÕES HOSPITALARES EXISTENTES PARA O TRATAMENTO DA: DOR CRÓNICA DOR AGUDA PÓS-OPERATÓRIA DOR DO PARTO Relatório Final Novembro de 2010 Índice Objectivos 2 Métodos e Participantes

Leia mais

INATEL TURISMO PARA TODOS 267 A PREÇOS ECONÓMICOS

INATEL TURISMO PARA TODOS 267 A PREÇOS ECONÓMICOS www.inatel.pt FUNDAÇÃO INATEL TURISMO PARA TODOS PORTUGAL 2013 Desde 267 INCLUI: TRANSPORTE TERRESTRE + 5 NOITES ALOJAMENTO, REFEIÇÕES, PASSEIOS, ANIMAÇÃO E SEGURO. Descubra o que Portugal tem de melhor

Leia mais

CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2011 SUPLEMENTO N.º 1 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS DO ENSINO SUPERIOR

CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2011 SUPLEMENTO N.º 1 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS DO ENSINO SUPERIOR ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS DO ENSINO SUPERIOR CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2011 SUPLEMENTO N.º 1 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES CURSOS CONGÉNERES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR JULHO DE 2011

Leia mais

Nova Rede de Urgências

Nova Rede de Urgências Nova Rede de Urgências Objectivos Reunião da Comissão Técnica com a Comunicação Social O processo de definição da Rede de Urgências A Comissão Técnica de Apoio ao Processo de Requalificação das Urgências

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2012

CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2012 ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS DO ENSINO SUPERIOR CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2012 SUPLEMENTO N.º 1 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES CURSOS CONGÉNERES DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR JULHO DE 2012

Leia mais

Minhas Senhoras e meus senhores

Minhas Senhoras e meus senhores Cerimónia de entrega de Certificados de Qualidade ISO 9001 Centro Hospitalar de Entre o Douro e Vouga 30 de junho de 2015 Senhor Presidente da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira Dr. Emídio Sousa

Leia mais

SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais

SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais Derechos Quem Somos O Serviço de Utilização Comum dos Hospitais é uma associação privada sem fins lucrativos, organizada e posicionada para a oferta integrada de Serviços Partilhados para o sector da Saúde.

Leia mais

Anexos do Relatório da Actividade Cirúrgica em Neoplasias Malignas em 2007

Anexos do Relatório da Actividade Cirúrgica em Neoplasias Malignas em 2007 Unidade Central de Gestão de Inscritos para Cirurgia Anexos do Relatório da Actividade Cirúrgica em Neoplasias Malignas em 2007 Página 1 de 93 Índice Introdução... 4 Conceitos e Fórmulas utilizadas no

Leia mais

Programa Nacional de Diagnóstico Pré-Natal Contratualização Processo de Monitorização e Acompanhamento

Programa Nacional de Diagnóstico Pré-Natal Contratualização Processo de Monitorização e Acompanhamento Introdução A saúde materna e infantil em Portugal tem vindo a registar melhorias significativas nos últimos anos, verificando-se expressiva diminuição das taxas de mortalidade perinatal e infantil por

Leia mais

REDE DE REFERENCIAÇÃO DE OFTALMOLOGIA - SERVIÇO DE URGÊNCIA ANO DE 2008

REDE DE REFERENCIAÇÃO DE OFTALMOLOGIA - SERVIÇO DE URGÊNCIA ANO DE 2008 REDE DE REFERENCIAÇÃO DE OFTALMOLOGIA - SERVIÇO DE URGÊNCIA ANO DE 2008 A. No âmbito da política de requalificação dos Serviços de Urgência, no sentido de racionalizar recursos humanos disponíveis, tentando

Leia mais

Regras gerais. Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde

Regras gerais. Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde Unidade Operacional de Normalização e Certificação de Sistemas e Tecnologias da Informação Os

Leia mais

Adenda ao Acordo Modificativo 2009

Adenda ao Acordo Modificativo 2009 Adenda ao Acordo Modificativo 2009 Programa Específico para Melhoria do Acesso ao Diagnóstico e Tratamento da Infertilidade CENTRO HOSPITALAR VILA NOVA DE GAIA/ESPINHO, EPE A infertilidade, reconhecida

Leia mais

2010 Unidade: % Total 98,7 94,9 88,1

2010 Unidade: % Total 98,7 94,9 88,1 03 de Novembro 2010 Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nos Hospitais 2010 96% dos Hospitais que utilizam a Internet dispõem de

Leia mais

Unidade Operacional de Normalização e Certificação de Sistemas e Tecnologias de Informação

Unidade Operacional de Normalização e Certificação de Sistemas e Tecnologias de Informação Procedimento de concessão e acompanhamento da atribuição da Marca ACSS-Software Certificado a produtos de software para utilização nas instituições e Unidade Operacional de Normalização e Certificação

Leia mais

O CHCB emprega mais de 1400 colaboradores;

O CHCB emprega mais de 1400 colaboradores; Inaugurado em 17 Janeiro de 2000, o CHCB foi construído segundo padrões de alta qualidade, sujeito às mais rigorosas exigências tecnológicas. É a maior e mais sofisticada Unidade de Saúde de toda a Região

Leia mais

Documentos indexados no ISI Web of Knowledge, 2000-2007

Documentos indexados no ISI Web of Knowledge, 2000-2007 Documentos indexados no ISI Web of Knowledge, 2000-2007 - Universidades do CRUP - Institutos Politécnicos públicos - Hospitais H. Nouws, J.T. Albergaria, E.S. Vieira, C. Delerue-Matos, J.A.N.F. Gomes Relatório

Leia mais

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO FUNCIONALIDADES TÉCNICAS INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA OBJECTIVO Dispor de um sistema de informação, que articule

Leia mais

Paulo Alves / CEO. paulo.alves@proside.pt

Paulo Alves / CEO. paulo.alves@proside.pt Paulo Alves / CEO paulo.alves@proside.pt Sistemas Integrados de Atendimento O que fazemos A Empresa Concepção, Arquitectura e Implementação de Sistemas de Informação; Consultoria Tecnológica de Sistemas

Leia mais

RELATÓRIO DOS REGISTOS DAS INTERRUPÇÕES DA GRAVIDEZ AO ABRIGO DA LEI 16/2007 DE 17 DE ABRIL

RELATÓRIO DOS REGISTOS DAS INTERRUPÇÕES DA GRAVIDEZ AO ABRIGO DA LEI 16/2007 DE 17 DE ABRIL RELATÓRIO DOS REGISTOS DAS INTERRUPÇÕES DA GRAVIDEZ AO ABRIGO DA LEI 16/2007 DE 17 DE ABRIL Dados referentes ao período de Janeiro a Dezembro de 2008 Edição revista DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE DIVISÃO DE SAÚDE

Leia mais

Paulo Alves / CEO. paulo.alves@proside.pt

Paulo Alves / CEO. paulo.alves@proside.pt Paulo Alves / CEO paulo.alves@proside.pt Sistemas Integrados de Atendimento O que fazemos A Empresa Concepção, Arquitectura e Implementação de Sistemas de Informação; Consultoria Tecnológica de Sistemas

Leia mais

SISTEMA DE INTEGRADO DE GESTÃO DE INSCRITOS EM CIRURGIA - SIGIC - INDICADORES

SISTEMA DE INTEGRADO DE GESTÃO DE INSCRITOS EM CIRURGIA - SIGIC - INDICADORES SISTEMA DE INTEGRADO DE GESTÃO DE INSCRITOS EM CIRURGIA - SIGIC - I Introdução INDICADORES O SIGIC é um sistema regulador da actividade cirúrgica programada que visa melhorar o acesso à prestação de cuidados

Leia mais

Protocolos firmados no âmbito das Autarquias: Igualdade de Oportunidades entre Mulheres e Homens

Protocolos firmados no âmbito das Autarquias: Igualdade de Oportunidades entre Mulheres e Homens 1 Abrantes Santarém 2 Águeda Aveiro 3 Albufeira Faro 4 Alcanena Santarém 5 Alcobaça Leiria 6 Alcoutim Faro 7 Alenquer Lisboa 8 Alfândega da Fé Bragança 9 Aljustrel Beja 10 Almada Setúbal 11 Almodôvar Beja

Leia mais

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1 Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas João Varajão 1, Daniela Santana 2, Manuela Cunha 3, Sandra Castro 4 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Departamento de Engenharias, Universidade

Leia mais

Relatório de Análise de Processos e Fluxos de Informação

Relatório de Análise de Processos e Fluxos de Informação Início do contrato: Maio 2004 Duração: Coordenador: Parceiros: 32 meses Hospital Infante D. Pedro Universidade de Aveiro (Responsável por este Documento) Hospital Distrital de Águeda Sub Região de Saúde

Leia mais

Investimento na Rede Ferroviária Nacional 2009-2013

Investimento na Rede Ferroviária Nacional 2009-2013 Investimento na Rede Ferroviária Nacional 2009-2013 Porto, 1 de Outubro de 2009 António Viana 2 Plano da Apresentação Missão OESF 2006 Investimentos 2009-2013 3 Missão da REFER Proporcionar ao mercado

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE QUALIDADE NOS SERVIÇOS DE APOIO CLÍNICO DO CENTRO HOSPITALAR DO BARLAVENTO ALGARVIO

SISTEMA INTEGRADO DE QUALIDADE NOS SERVIÇOS DE APOIO CLÍNICO DO CENTRO HOSPITALAR DO BARLAVENTO ALGARVIO SERVIÇOS FARMACÊUTICOS SERVIÇO IMUNOHEMOTERAPIA SISTEMA INTEGRADO DE QUALIDADE NOS SERVIÇOS DE APOIO CLÍNICO DO CENTRO HOSPITALAR DO BARLAVENTO ALGARVIO SERVIÇO RADIOLOGIA SERVIÇO CENTRAL ESTERILIZAÇÃO

Leia mais

Resultado do Processo de candidatura a apoio financeiro 2015/2016 a conceder no âmbito do Contrato de Patrocínio Lista Provisória Área da Música

Resultado do Processo de candidatura a apoio financeiro 2015/2016 a conceder no âmbito do Contrato de Patrocínio Lista Provisória Área da Música com AMVP - Academia de Música de Vilar do Paraíso 89,5 44 86 0 287 1 8 0 14 1.857.320,00 b) Cávado Escola de Música de Esposende Academia de Música de Espinho Conservatório Regional de Gaia Conservatório

Leia mais

IPBeja - Cursos de Especialização Tecnológica que dão acesso ao curso de Ciência e Tecnologia dos Alimentos

IPBeja - Cursos de Especialização Tecnológica que dão acesso ao curso de Ciência e Tecnologia dos Alimentos Universitário R.A.Açores Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo 7264 - Corte e Tecnologia de Carnes 541 - Indústrias es Universitário R.A.Açores Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo 7109 -

Leia mais

INSTITUTO DE GESTÃO INFORMÁTICA E FINANCEIRA DA SAÚDE

INSTITUTO DE GESTÃO INFORMÁTICA E FINANCEIRA DA SAÚDE PROTOCOLO Entre INSTITUTO DE GESTÃO INFORMÁTICA E FINANCEIRA DA SAÚDE, instituto público, com sede em Lisboa, na Av. da República, nº 61, representado por José António de Matos Taborda Farinha, na qualidade

Leia mais

9718 Comunicação Social e Cultura 9720 Comunicação, Cultura e Organizações

9718 Comunicação Social e Cultura 9720 Comunicação, Cultura e Organizações Congénere 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 8083 Ciclo Básico de Medicina 8083 Ciclo Básico de Medicina 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada

Leia mais

Case Study CHTS. Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa. Redes Privadas

Case Study CHTS. Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa. Redes Privadas GoTelecom, Lda 4400-408 Vila Nova de Gaia geral@gotelecom.pt www.gotelecom.pt Lisboa Aveiro Porto CHTS Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa Redes Privadas Interligamos os hospitais, com instalação de infra-estruturas

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 2009 3 ÍNDICE I INTRODUÇÃO 4 II MODELO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 5 III ÂMBITO DE APLICAÇÃO 8 IV OBJECTIVO GERAL 8 V OBJECTIVOS ESPECÍFICOS 8 VI ESTRATÉGIAS

Leia mais

Projecto Nestum Rugby nas Escolas. Balanço 2009/2010

Projecto Nestum Rugby nas Escolas. Balanço 2009/2010 Projecto Nestum Rugby nas Escolas Balanço 2009/2010 No segundo ano (2009/2010) de implementação do projecto Nestum Rugby nas Escolas, projecto este que resulta da parceria entre a Federação Portuguesa

Leia mais

Orçamento da saúde 2012 para onde vai o seu dinheiro?

Orçamento da saúde 2012 para onde vai o seu dinheiro? Orçamento da saúde 2012 para onde vai o seu dinheiro? José Carlos Caiado 26 de Outubro de 2011 Introdução Elaboração do orçamento da saúde Monitorização e divulgação de informação Melhoria do desempenho

Leia mais

Qualidade de Serviço como Vantagem Competitiva

Qualidade de Serviço como Vantagem Competitiva Qualidade de Serviço como Vantagem Competitiva Como as novas tecnologias aplicadas a Excelência de Serviço criaram o negócio de Sucesso O Grupo S24 O S24 Group é um grupo empresarial de Serviços de Saúde

Leia mais

CAPELANIAS HOSPITALARES estimativa de despesas (mensais e anuais) do Estado com vencimentos dos capelães

CAPELANIAS HOSPITALARES estimativa de despesas (mensais e anuais) do Estado com vencimentos dos capelães Estimativa (por aproximação grosseira e por defeito) do custo mensal para o Estado de cada capelão em funções nos estabelecimentos de saúde civis (nota: capelães coordenadores auferem vencimentos mais

Leia mais

9718 Comunicação Social e Cultura 9720 Comunicação, Cultura e Organizações

9718 Comunicação Social e Cultura 9720 Comunicação, Cultura e Organizações 0130 0130 0130 0130 0130 0130 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 8083 Ciclo Básico de Medicina 8083 Ciclo Básico de Medicina Universidade dos Açores - Ponta Delgada Universidade dos Açores -

Leia mais

Fevereiro 2009 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL

Fevereiro 2009 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL INQUÉRITO AO CRÉDITO Fevereiro 2009 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL Introdução O Inquérito ao Crédito Fevereiro 2009, realizado pela AIP-CE, teve como base uma amostra constituída

Leia mais

DISTRITO DE AVEIRO. Início de Tipologia de Recurso atividade Unidade de Cuidados Paliativos (internamento) CH Baixo Vouga Estarreja (a criar) 2015

DISTRITO DE AVEIRO. Início de Tipologia de Recurso atividade Unidade de Cuidados Paliativos (internamento) CH Baixo Vouga Estarreja (a criar) 2015 DISTRITO DE AVEIRO CH Baixo Vouga Estarreja (a criar) 2015 EISHCP do Hospital Dr. Francisco Zagalo - Ovar 2014 EIHSCP do Centro Hospitalar Entre Douro e Vouga 2014 ECSCP do Hospital Dr. Francisco Zagalo

Leia mais

IPBeja - Cursos de Especialização Tecnológica que dão acesso ao curso de Engenharia Informática

IPBeja - Cursos de Especialização Tecnológica que dão acesso ao curso de Engenharia Informática IPBeja - s de Especialização Tecnológica que dão acesso ao de Engenharia Informática Área Barcelos ACIB - Associação Comercial e Industrial de Barcelos Aplicações Informáticas de Gestão AFTEBI - Associação

Leia mais

Os Serviços Partilhados do SUCH

Os Serviços Partilhados do SUCH Os Serviços Partilhados do SUCH ONI e-powered: 1ª Conferência sobre Soluções Integradas para o Sector Público 8 de Abril de 2008 Serviço de Utilização Comum dos Hospitais 7 áreas de negócio Todas operando

Leia mais

Anexo I EDITAL FINANCIAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DO ENSINO PARTICULAR E COOPERATIVO QUE MINISTRAM CURSOS DO ENSINO ARTÍSTICO ESPECIALIZADO DA MÚSICA

Anexo I EDITAL FINANCIAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DO ENSINO PARTICULAR E COOPERATIVO QUE MINISTRAM CURSOS DO ENSINO ARTÍSTICO ESPECIALIZADO DA MÚSICA Anexo I EDITAL FINANCIAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DO ENSINO PARTICULAR E COOPERATIVO QUE MINISTRAM CURSOS DO ENSINO ARTÍSTICO ESPECIALIZADO DA MÚSICA Abertura ao regime de acesso ao apoio financeiro a

Leia mais

Sociedades de Garantia Mútua (SGM) são:

Sociedades de Garantia Mútua (SGM) são: Sociedades de Garantia Mútua (SGM) são: Operadores financeiros que prestam às instituições bancárias as garantias que lhes permitem disponibilizar às PME empréstimos em condições mais favoráveis. Ao partilhar

Leia mais

Iniciativa Move-te, faz Acontecer

Iniciativa Move-te, faz Acontecer Iniciativa Move-te, faz Acontecer Entidades Promotoras: Associação CAIS (Projecto Futebol de Rua): Fundada em 1994, a Associação CAIS tem como Missão contribuir para o melhoramento global das condições

Leia mais

Gestão Ambiental no Sector da Saúde da Região do Algarve

Gestão Ambiental no Sector da Saúde da Região do Algarve Gestão Ambiental no Sector da Saúde da Região do Algarve Organização dos Serviços de Saúde Região do Algarve Nacional Ministério da Saúde Regional ARS Algarve ARS Alentejo ARS Lisboa e Vale do Tejo ARS

Leia mais

Mapa de Adesão à Greve - Ministério da Saude. Trabalhadores

Mapa de Adesão à Greve - Ministério da Saude. Trabalhadores Data da greve: 30-11-2007 Mapa de Adesão à Greve - Ministério da Saude Trabalhadores Serviços desconcentrados ou periféricos Serviços Total Total - Adesão à Greve Total Encerrados devido à Greve Administração

Leia mais

Instituição da R.A. dos Açores Curso Superior. Instituição de Ensino Superior Curso Superior Congénere. 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada

Instituição da R.A. dos Açores Curso Superior. Instituição de Ensino Superior Curso Superior Congénere. 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 0201 Universidade do Algarve - Faculdade de Ciências Humanas e Sociais 9219 Psicologia 9219 Psicologia 0203 0203 0203 0204 0204 0204 0300 0300 0300 0300 0300 0300 0300 0300 Universidade do Algarve - Faculdade

Leia mais

9020 Ciência Política e Relações Internacionais

9020 Ciência Política e Relações Internacionais 0201 Universidade do Algarve - Faculdade de Ciências Humanas e Sociais 9219 Psicologia 9219 Psicologia 0203 Universidade do Algarve - Faculdade de Ciências e Tecnologia 0110 Universidade dos Açores - Angra

Leia mais

Ministério da Economia e da Inovação Secretaria-Geral

Ministério da Economia e da Inovação Secretaria-Geral Apresentação Data: 6 de Novembro de 2006 Organismos do MEI Organismos do MEI no projecto-piloto de Factura Electrónica: (integrando a prestação centralizada de serviços a 10 organismos do MEI) IAPMEI ICEP

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

Serviços Partilhados em Saúde. Interface Jornadas da Saúde Paula Nanita

Serviços Partilhados em Saúde. Interface Jornadas da Saúde Paula Nanita Serviços Partilhados em Saúde Interface Jornadas da Saúde Paula Nanita Lisboa, 22 de Maio de 2007 Unidades de Serviços Partilhados Processos A divisão dos processos entre actividades locais e actividades

Leia mais

Centro de Saúde da Figueira da Foz

Centro de Saúde da Figueira da Foz Centro de Saúde da Figueira da Foz PT Prime e HIS implementam Solução integrada de Processo Clínico Electrónico, Gestão de Atendimento, Portal e Mobilidade. a experiência da utilização do sistema VITA

Leia mais

1. PARES ESCOLA/CURSO REGISTADOS INST. POLITÉC./ UNIVERSIDADE ESTABELECIMENTO DE ENSINO

1. PARES ESCOLA/CURSO REGISTADOS INST. POLITÉC./ UNIVERSIDADE ESTABELECIMENTO DE ENSINO 1. PARES ESCOLA/CURSO REGISTADOS INST. POLITÉC./ UNIVERSIDADE ESTABELECIMENTO DE ENSINO CURSO PRÉ-BOLONHA ESPECIALIDADE LICENCIATURA PÓS-BOLONHA ESPECIALIDADE INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA Eng.ª Alimentar

Leia mais

Internet vs Agências Tradicionais Vantagens e Desvantagens

Internet vs Agências Tradicionais Vantagens e Desvantagens IV Encontro BCD Travel / Diário Económico Internet vs Agências Tradicionais Vantagens e Desvantagens PERSPECTIVA DE UM CLIENTE Direcção de Serviços de Recursos Humanos 27.05.2009 Este documento é propriedade

Leia mais

A Requisitos das Unidades Hemodinâmicas (Recomendações Internacionais).46. B Pessoal Médico... 47. C Pessoal do Laboratório... 47

A Requisitos das Unidades Hemodinâmicas (Recomendações Internacionais).46. B Pessoal Médico... 47. C Pessoal do Laboratório... 47 Contents I - Enquadramento Legislativo e Histórico... 4 II Conceito de Rede de Referenciação... 9 III A Especialidade de Cardiologia... 0 IV Impacto Epidemiológico das Doenças Cardiológicas em Portugal...

Leia mais

Programa do Medicamento Hospitalar. Projectos Estratégicos:

Programa do Medicamento Hospitalar. Projectos Estratégicos: Programa do Medicamento Hospitalar Projectos Estratégicos: Boas Práticas na Área do Medicamento Hospitalar; Circuito Integrado do Plano Terapêutico; Comissões de Farmácia e Terapêutica. a. Áreas de intervenção;

Leia mais

RESULTADOS DO CONCURSO NACIONAL DE BOAS PRÁTICAS NA ADMINISTRAÇÃO LOCAL 2007/2008 CATEGORIA A ADMINISTRAÇÃO AUTÁRQUICA E MODERNIZAÇÃO

RESULTADOS DO CONCURSO NACIONAL DE BOAS PRÁTICAS NA ADMINISTRAÇÃO LOCAL 2007/2008 CATEGORIA A ADMINISTRAÇÃO AUTÁRQUICA E MODERNIZAÇÃO RESULTADOS DO CONCURSO NACIONAL DE BOAS PRÁTICAS NA ADMINISTRAÇÃO LOCAL 2007/2008 CATEGORIA A ADMINISTRAÇÃO AUTÁRQUICA E MODERNIZAÇÃO Nota de Abertura Em 2007/2008 teve lugar a 2.ª edição do Concurso Nacional

Leia mais

1.as Jornadas da Qualidade Centro Hospitalar da Cova da Beira

1.as Jornadas da Qualidade Centro Hospitalar da Cova da Beira 1.as Jornadas da Qualidade Centro Hospitalar da Cova da Beira Os Sistemas de Gestão por Processos Certificação ISO ( e outras) 13 de Novembro de 2009 pág. 1 Fontes de referência: do sistema e processos

Leia mais

e-municípios 2009 Serviços Online Municipais Avaliação dos

e-municípios 2009 Serviços Online Municipais Avaliação dos Avaliação dos Serviços Online Municipais e-municípios 2009 2 3 A. Metodologia 5 6 Serviços a avaliar Feiras e mercados Taxas municipais Certidão para efeitos de IMI Consulta de informação georreferenciada

Leia mais

Índice de estabelecimentos Ensino Superior Público - Universitário 6800 Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa

Índice de estabelecimentos Ensino Superior Público - Universitário 6800 Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa Índice de estabelecimentos Ensino Superior Público - Universitário 6800 Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa Universidade dos Açores 0110 Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo

Leia mais

Direcção Regional do Norte

Direcção Regional do Norte BRAGANÇA Direcção Regional do Norte BRAGA Lojas Institucionais IPJ Lojas Parceiras Direcção Regional do Norte BRAGA GUIMARÃES Rua de Santa Margarida, n.º 6 4710-306 Braga Tel: 253 204 250 Fx: 253 204 259

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE

ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE ESTUDO SOBRE QUALIDADE DA CIRURGIA DE AMBULATÓRIO DEZEMBRO DE 2008 R u a S. J o ã o d e B r i t o, 6 2 1 L 3 2, 4 1 0 0 4 5 5 P O R T O e-mail: g e r a l @ e r s. p t telef.:

Leia mais

Análise To-Be Emissão de Certidões/Informações e Outros Documentos

Análise To-Be Emissão de Certidões/Informações e Outros Documentos Anexo 2-C Análise To-Be Emissão de Certidões/Informações e Outros Aquisição de Bens e Serviços para a Implementação do Novo Sistema de Informação de Registo Automóvel - no contexto da Nova Plataforma Integrada

Leia mais

Região Norte. Instituição Instituição local Contexto de Prática Clínica. Cuidados de Saúde Primários. ACeS Douro I - Marão e Douro Norte

Região Norte. Instituição Instituição local Contexto de Prática Clínica. Cuidados de Saúde Primários. ACeS Douro I - Marão e Douro Norte Região Norte Instituição Instituição local Contexto de Prática Clínica Cuidados de Saúde Primários ACeS Douro I - Marão e Douro Norte Unidade de Cuidados na Comunidade de Mateus Unidade de Cuidados de

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação Departamento de Relações Públicas e Comunicação Regulamento 1. Do Departamento de Relações Públicas e Comunicação 1.1 Definição 1.2. Constituição 1.3. Articulação e procedimentos 1.4. Local de funcionamento

Leia mais

ORDEM DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS CURSOS DE ENGENHARIA REGISTADOS - Bacharelatos e Licenciaturas

ORDEM DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS CURSOS DE ENGENHARIA REGISTADOS - Bacharelatos e Licenciaturas ESCOLA CURSO GRAU ESPECIALIDADE NORMAS REGISTO OBS. ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E G ÁGUEDA Engenharia Electromecânica B Mecânica a) do n.º 2 Universidade de Aveiro Engenharia Electrotécnica B ESP a)

Leia mais

Information on the videoconferencing equipment in the courts of Portugal

Information on the videoconferencing equipment in the courts of Portugal Information on the videoconferencing equipment in the courts Portugal No Court name & city Equipment type and make 1 Abrantes Tribunal Judicial 3 2 Abrantes Tribunal do Trabalho 1 3 Águeda Juízo de Instrução

Leia mais