Curso Análise de dados e uso da informação no SUS. Introdução à análise de dados

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Curso Análise de dados e uso da informação no SUS. Introdução à análise de dados"

Transcrição

1 Curso Análise de dados e uso da informação no SUS Introdução à análise de dados

2 Análise: definições Aurélio -Decomposição de um todo em suas partes constituintes -exame de cada parte de um todo tendo em vista conhecer sua natureza, suas proporções, suas funções, suas relações, etc -estudo pormenorizado, exame, crítica.

3 Japiassu & Marcondes Divisão ou decomposição de um todo ou de um objeto em suas partes, seja materialmente (análise química de um corpo), seja mentalmente (análise de conceitos) Opõe-se à síntese, ato de composição que consiste em unir em um todo diversos elementos dados separadamente. Procedimento pelo qual fornecemos a explicação sensata de um conjunto complexo

4 Dois alunos olham para uma tabela... _Professor, eu vi a tabela, mas não sei analisar. Eu olho pra ela, mas não vejo nada _Nossa! Demais, heim!? Exatamente o que nós estávamos achando! O que difere estas duas falas?

5 Contexto prévio Conhecimento do tema O que estou procurando? _Já tenho todas as respostas, mas qual era a pergunta mesmo?

6 Método Levantamento de dados/informações Comparação Levantamento de dados exige etapa prévia. O que quero saber? O que procuro? O que levantar? O que tabular? Após levantamento de dados Construção de informações Comparação: percepção de diferenças ou regularidades

7 Conhecimento das bases de dados Conceitos: conteúdo e significado Formatos: conversões e domínio da tecnologia Tipo/articulação: unitária ou relacional Estrutura: variáveis, tipos e tamanhos Tabelas de conversão

8 Instrumentos auxiliares Indicador: Destaca o aspecto, ampliando a capacidade de percepção Parâmetros: Padrão de comparação Estatística: Validação de diferenças/regularidades Conhecimento acumulado/cultura: treino do olhar

9 PROCESSO DE TRABALHO Matéria Prima Trabalhador Projeto Modelo de Organização do Processo de Trabalho Ferramenta Manipular Produto Projeto Produção de Sentido (utilidade)

10 PROCESSO DE TRABALHO DE PRODUÇÃO DA INFORMAÇÃO Profissional de Saúde Objetivo Modelo de Organização do Processo de Trabalho Dados Conhecimentos e Métodos Organizar, tabular, analisar Indicador Informação Sujeito/Equipe Projeto Produção de Sentido (saúde)

11 Sujeito/Equipe Projeto Produção de Sentido É o trabalhador de saúde (sujeito) que dá sentido à informação. De acordo com uma determinada visão de mundo (pressupostos, intenções, objetivos, projeto) Informação é uma representação da realidade para um sujeito Um mesmo dado pode gerar informações diferentes

12 Sujeito/Equipe Projeto Produção de Sentido Indicador É o que indica Indicador ideal informa sobre o aspecto mais relevante e coerente com o objetivo

13 Os indicadores refletem o sistema de valores das pessoas que o constroem, o que implica em que formulem certas hipóteses e perguntas e não outras.

14 Indicador como mediação O que indica? Dado Informação Indicador

15 Tema geral Aspecto do tema Aspecto específico Indicador Medida - valor Medida - unidade Saúde da criança / mulher / idoso Vigilância sanitária Adequação do Pré-natal Qualidade do parto e condução Qualidade da assistência ao RN Vínculo com a unidade Sobrevivência no pós-parto imediato Manejo do RN com septicemia Coefic Mort Infantil Neonatal Precoce Presença neonatologista na sala do parto 9 Óbitos < 7 dias/1000 nv

16 Aspectos a considerar na escolha de indicadores Validade: É válido? reflete o que se quer? Sensibilidade e especificidade Característica do indicador / teste Confiabilidade/reprodutividade: é confiável? Característica do instrumento Representatividade/cobertura: representa todos que queremos que represente? Fatores administrativos: oportunidade, simplicidade, facilidade de obtenção e custo compatível

17 Comparação Escolha do indicador adequado Número absoluto? Proporção? Taxa? Quociente? Diferença? Qual variável? Preciso comparar comparáveis

18 Parâmetro a média o mais baixo o adequado o aceitável o valor de referência: necessário ou estimado a tendência

19 Validação das diferenças/comparações Intervalo de confiança: acaso Associação: variáveis qualitativas Correlação: variáveis quantitativas Concentração E no dia a dia? Olhar qui-quadrado

20 Apresentação de resultados Tabelas r Tabulaçã ção o simples r Tabulaçã ção o com respostas múltiplasm r Tabulaçã ção o de perguntas encadeadas r Tabulaçã ção o de perguntas abertas r Tabulaçã ção o de perguntas cruzadas

21 Tabulação simples Apenas uma alternativa. Normalmente, a soma das categorias é igual ao número de indivíduos, no entanto, podem ocorrer os casos ignorados. Ex.: Amostra: 277 questionários Pergunta: Qual a sua idade? 15 a 19 anos 20 a 29 anos 30 a 39 anos 40 a 49 anos 50 a 59 anos acima de 60 anos Total Ignorado freqüência % 12,3 27,5 22,5 13,0 17,4 7,2 100 A análise dos resultados demonstra que a maioria dos entrevistados está na faixa etária de 20 a 29 anos (27,5%), seguida dos que têm 30 a 39 anos (22,5%).

22 Tabulação com respostas múltiplas Mais de uma alternativa deve ser considerada para cada pergunta ou registro Ex.: Amostra: 319 questionários Pergunta: Indique três problemas de saúde que teve no último mês freqüência % Primeiro IVAS 47 14,7 Segundo Cefaléia 29 9,1 Terceiro Diarréia 25 7,8 Nesse caso, são geradas três tabelas, que devem ser condensadas em uma só.

23 Tabulação de perguntas encadeadas Nesse caso, a segunda pergunta é respondida em função da primeira. Ex.: Amostra: 277 questionários Pergunta 1: Tem filhos? Pergunta 2: Se sim, quantos? freqüência % freqüência % Sim ,1 Até 2 filhos 97 52,2 Não 91 32,9 De 3 a 4 filhos 61 32,8 Total De 5 a 6 filhos 20 10,8 A análise dos resultados deve ser feita em função das duas perguntas. De 7 a 8 filhos A partir de 9 filhos Total ,7 1,6 100,0 Dos respondentes que são pais (67,1%), a maioria tem até dois filhos (52,2%).

24 Tabulação de perguntas abertas Padronizam-se as respostas por categoria e procede-se à tabulação como tabulação de pergunta simples. Ex.: Amostra: 277 questionários Pergunta: O que o Sr. (a) acha que falta em Cajueiro Seco, quando o assunto é lazer? Respostas: praça praças praça praças boas dança cantor na praça festas pagode quadra de futebol quadra quadra quadra de basquete

25 biblioteca cinema, teatro clube festas igreja limpeza nada não sei parque praça quadra segurança tudo Total Tabulação de perguntas abertas freqüência % 0,4 3,6 2,5 1,8 1,8 1,1 2,9 22,4 4,0 36,5 5,8 6,1 11,2 100,0 A análise dos resultados demonstra que a maioria dos respondentes acha que faltam praças (36,5%) quando o assunto é lazer em Cajueiro Seco. 22,4% dos entrevistados não souberam responder à questão, ao passo que 11,2% dos respondentes acreditam que falta tudo quando a questão é o lazer na comunidade.

26 Tabulação de perguntas cruzadas É a tabulação e análise de duas perguntas simultaneamente. Ex.: Perguntas que serão cruzadas: Gênero e Estado Civil Solteiro Casado Separado Viúvo Outros Total Masculino Feminino Total É possível dizer que, em relação ao gênero x estado civil, a maioria das mulheres são solteiras (66) e os homens são casados (66). No entanto, verifica-se que a maior parte dos respondentes que são separados e viúvos são mulheres.

27 Apresentação de resultados Gráficos: -linhas -barras -pizza -barra de 100% -dispersão

28 Razão dos riscos ou das quantidades Medida da relação Razão dos números absolutos Exemplo: Razão de mortalidade padronizada Comparo o número de óbitos observado com o número esperado sob certas condições Observado/esperado (* 100) IAM em metalúrgicos e IAM em metalúrgicos se eles estivessem submetidos aos riscos da população geral

29 Razão dos coeficientes Risco relativo ou razão dos coeficientes Expostos e não expostos Uma região em relação à outra. Região periférica da cidade tem CMI de X. Na área nobre o CMI é Y Razão dos riscos ou dos coeficientes é X/Y Me diz o quanto é maior o risco em X

30 Diferença (subtração) dos riscos ou das quantidades Diferença de números absolutos Exemplo 1: excesso de casos/mortes Observados esperados / esperados dá o excesso de mortes Razão de mortalidade excessiva Observado esperado / esperado * 100

31 Exemplo 2: Como calcular queda? Tendência entre 2 pontos Tive 30 mortes este ano e 35 no ano passado Diferença é = -5 Posso dar a proporção da queda = -5/35*100 = -14,3 %

32 Diferença dos coeficientes: risco atribuível ou fração etiológica Exemplo: Risco de morte por câncer de pulmão entre fumantes é 90/ hab Risco de morte por câncer de pulmão entre não fumantes é 30/ hab Risco relativo é X/Y= 90/30 = 3 Risco atribuível é X-Y= = 60 mortes / hab podem ser atribuídas ao fumo

33 Posso calcular risco atribuível proporcional = 60/90*100 = 66,6 % do total de mortes entre fumantes pode ser atribuído ao fumo Risco atribuível populacional: Incidência na população Incidência em não expostos Risco atribuível populacional proporcional: Diferença / Incidência na população * 100

34 Cálculo do intervalo de confiança para um coeficiente populacional IC95% = coeficiente +/- (1,96 EP) EP = Erro Padrão = Coeficiente / Raiz Quadrada do nº de óbitos Mortalidade Infantil de Santo André em ,2 / nv (142 óbitos) IC95% = 14,2 +/- (1,96*(14,2/RQ(142))) IC95% = 14,2 +/- (1,96*1,19) IC95% = 14,2 +/- 2,33 = 11,9-16,5 / 1000 nv

35 Cuidados nas análises Artefatos -Qualidade dos dados: numerador e denominador -Conhecimento da base, das suas definições, da cobertura, evasão e invasão, etc Regra geral: Não condene sem julgamento próprio! Cuidado com os mitos!

36 Real -Pequenos números: flutuações aleatórias Estabilização: média de mais períodos Tendência: média móvel

37 Análise - exemplo Geral: Nº, % e taxas Sexo e Faixa etária Escolaridade e Ocupação Tipo de unidade ou prestador etc, etc Tendência Mesmas variáveis Espaço Mesmas variáveis

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010 Briefing Boletim Epidemiológico 2010 1. HIV Estimativa de infectados pelo HIV (2006): 630.000 Prevalência da infecção (15 a 49 anos): 0,61 % Fem. 0,41% Masc. 0,82% 2. Números gerais da aids * Casos acumulados

Leia mais

Nota técnica sobre as tabelas abreviadas de sobrevivência no Rio de Janeiro - 1980 e 1991

Nota técnica sobre as tabelas abreviadas de sobrevivência no Rio de Janeiro - 1980 e 1991 ISSN 1984-7203 C O L E Ç Ã O E S T U D O S C A R I O C A S Nota técnica sobre as tabelas abreviadas de sobrevivência no Rio de Janeiro - 1980 e 1991 Nº 20010504 Maio - 2001 Kaizô Beltrão - IBGE PREFEITURA

Leia mais

Epidemiologia. Profa. Heloisa Nascimento

Epidemiologia. Profa. Heloisa Nascimento Epidemiologia Profa. Heloisa Nascimento Medidas de efeito e medidas de associação -Um dos objetivos da pesquisa epidemiológica é o reconhecimento de uma relação causal entre uma particular exposição (fator

Leia mais

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Epidemiologia e Informação - CEInfo Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet Mortalidade Taxa ou Coeficiente

Leia mais

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3.

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. 1 1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. Modelo de Resultados Potenciais e Aleatorização (Cap. 2 e 3

Leia mais

Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década

Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década 1 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO PROFESSOR BAHIA TEXTO DE CULTURA GERAL FONTE: UOL COTIDIANO 24/09/2008 Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década Fabiana Uchinaka Do UOL Notícias

Leia mais

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR 8 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR Secretaria de Vigilância em Saúde/MS 435 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA/COR MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS Evolução da mortalidade por causas externas

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado. EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador. CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde

LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado. EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador. CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde LESTER PEREIRA Diretor Geral WINSTON LUIZ ZOMKOWSKI Superintendente

Leia mais

Tabagismo e Câncer de Pulmão

Tabagismo e Câncer de Pulmão F A C U L D A D E D E S A Ú D E P Ú B L I C A D E P A R TA M E N T O D E E P I D E M I O L O G I A U N I V E R S I D A D E D E S Ã O P A U L O Série Vigilância em Saúde Pública E X E R C Í C I O N º 3

Leia mais

Brasil é 2º em ranking de redução de mortalidade infantil 3

Brasil é 2º em ranking de redução de mortalidade infantil 3 Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2011(3). Edição 38 Aline da Silva Oliveira 1 Cristiana Maria de Sousa Macedo 1 Mércia da Silva Sousa 1 Márcia Andrea Lial Sertão

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA. CONCEITOS EPIDÊMICOS Professor Esp. André Luís Souza Stella

EPIDEMIOLOGIA. CONCEITOS EPIDÊMICOS Professor Esp. André Luís Souza Stella EPIDEMIOLOGIA CONCEITOS EPIDÊMICOS Professor Esp. André Luís Souza Stella CONCEITOS EPIDÊMICOS - ENDEMIA ENDEMIA: É uma doença localizada em um espaço limitado denominado faixa endêmica. Isso quer dizer

Leia mais

CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO

CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO Morrem mais brancos por causa naturais e negros por motivos externos. A s estatísticas de morbidade e mortalidade têm sido utilizadas por epidemiologistas, demógrafos

Leia mais

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 *

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * Andréa Branco Simão UFMG/Cedeplar Luiza de Marilac de Souza UFMG/Cedeplar Palavras Chave:

Leia mais

INFORMATICA PARA A VIGILANCIA E GESTAO DE INFORMACOES EM SAUDE: Prof. Dr. Joao Bosco Siqueira

INFORMATICA PARA A VIGILANCIA E GESTAO DE INFORMACOES EM SAUDE: Prof. Dr. Joao Bosco Siqueira INFORMATICA PARA A VIGILANCIA E GESTAO DE INFORMACOES EM SAUDE: Epi-INFO Prof. Dr. Joao Bosco Siqueira No nosso exercício, vamos investigar um surto de gastroenterite aguda ocorrido após um jantar. Vamos

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Centro Universitário Franciscano Material elaborado por: Professora Leandra Anversa Fioreze e Professor Clandio Timm Marques.

Centro Universitário Franciscano Material elaborado por: Professora Leandra Anversa Fioreze e Professor Clandio Timm Marques. Conceitos Introdutórios 1. Definindo Estatística: Ciência que fornece métodos para a coleta, organização, descrição, análise e interpretação de dados, utilizando-os na tomada de decisões. 2. Divisão da

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

TABAGISMO E CÂNCER DE PULMÃO *

TABAGISMO E CÂNCER DE PULMÃO * 1 05/06 TABAGISMO E CÂNCER DE PULMÃO * OBJETIVOS Este exercício utiliza o estudo clássico de Doll e Hill que demonstrou a relação entre tabagismo e câncer de pulmão. Depois de completar este exercício,

Leia mais

PERFIL DO PROCURADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO

PERFIL DO PROCURADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO PROCURADORIA GERAL 8% 8% 8% CORREGEDORIA SECRETARIA GERAL 4% CENTRO DE ESTUDOS 12% PROCURADORIA DE APOIO PROCURADORIA CONSULTIVA 23% PROCURADORIA CONTENCIOSO 37% PROCURADORIA DA FAZENDA PROCURADORIA REGIONAL

Leia mais

LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL

LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL José Francisco de Gois 1 Vera Lúcia dos Santos 2 A presente pesquisa

Leia mais

Especificidades das mortes violentas no Brasil e suas lições. Maria Cecília de Souza Minayo

Especificidades das mortes violentas no Brasil e suas lições. Maria Cecília de Souza Minayo Especificidades das mortes violentas no Brasil e suas lições Maria Cecília de Souza Minayo 1ª. característica: elevadas e crescentes taxas de homicídios nos últimos 25 anos Persistência das causas externas

Leia mais

Acidentes de transportes passam a ser a principal causa de morte não natural do Estado de São Paulo

Acidentes de transportes passam a ser a principal causa de morte não natural do Estado de São Paulo Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 10 nº 2 Março 2010 Acidentes de transportes passam a ser a principal causa de morte não natural do Estado de São Paulo Hoje, os acidentes de transporte

Leia mais

Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO 3 Claudomilson F. BRAGA 4 Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO

Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO 3 Claudomilson F. BRAGA 4 Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO Estudo da proporção e o nível de conhecimento dos alunos de graduação do período vespertino do Campus II da UFG sobre o Programa Coleta Seletiva Solidária 1 Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO nº 04 HIV/AIDS 2015

BOLETIM INFORMATIVO nº 04 HIV/AIDS 2015 BOLETIM INFORMATIVO nº 04 HIV/AIDS 2015 AIDS O Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde estima que aproximadamente 734 mil pessoas vivam com HIV/aids no país, o que corresponde

Leia mais

Perfil das mulheres brasileiras em idade fértil e seu acesso à serviços de saúde Dados da PNDS 2006

Perfil das mulheres brasileiras em idade fértil e seu acesso à serviços de saúde Dados da PNDS 2006 Perfil das mulheres brasileiras em idade fértil e seu acesso à serviços de saúde Dados da PNDS 2006 José Cechin Superintendente Executivo Francine Leite Carina Martins A Pesquisa Nacional de Demografia

Leia mais

UNIÃO HOMOAFETIVA. Tâmara Barros

UNIÃO HOMOAFETIVA. Tâmara Barros UNIÃO HOMOAFETIVA Tâmara Barros O relacionamento entre pessoas do mesmo sexo ainda é uma questão controversa para a maior parte da população da Grande Vitória, conforme pode ser averiguado através de pesquisa

Leia mais

Tópicos Abordados. Pesquisa de Mercado. Aula 2. Contextualização. Qualitativa X Quantitativa. Instrumentalização. 1. Diferença entre qualitativa

Tópicos Abordados. Pesquisa de Mercado. Aula 2. Contextualização. Qualitativa X Quantitativa. Instrumentalização. 1. Diferença entre qualitativa Tópicos Abordados Pesquisa de Mercado Aula 2 Prof. Me. Ricieri Garbelini 1. Diferença entre qualitativa e quantitativa 2. Dados X informação 3. Tipos de coleta 4. Classificação dos dados 5. Amostragem

Leia mais

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer 2 Saúde reprodutiva: gravidez, assistência pré-natal, parto e baixo peso ao nascer SAÚDE BRASIL 2004 UMA ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE SAÚDE INTRODUÇÃO No Brasil, as questões relativas à saúde reprodutiva têm

Leia mais

Análise Exploratória de Dados

Análise Exploratória de Dados Análise Exploratória de Dados Profª Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva email: alcione.miranda@gmail.com Introdução O primeiro passo

Leia mais

CURSO MACRORREGIONAL DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DO CORRIMENTO URETRAL E SIFÍLIS EM VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA. Rozidaili dos Santos Santana Penido

CURSO MACRORREGIONAL DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DO CORRIMENTO URETRAL E SIFÍLIS EM VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA. Rozidaili dos Santos Santana Penido CURSO MACRORREGIONAL DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DST: SÍNDROME S DO CORRIMENTO URETRAL E SIFÍLIS CONCEITOS BÁSICOS B EM VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Rozidaili dos Santos Santana Penido 1 O que é Vigilância

Leia mais

Estatística: Conceitos e Organização de Dados. Introdução Conceitos Método Estatístico Dados Estatísticos Tabulação de Dados Gráficos

Estatística: Conceitos e Organização de Dados. Introdução Conceitos Método Estatístico Dados Estatísticos Tabulação de Dados Gráficos Estatística: Conceitos e Organização de Dados Introdução Conceitos Método Estatístico Dados Estatísticos Tabulação de Dados Gráficos Introdução O que é Estatística? É a parte da matemática aplicada que

Leia mais

Ministério da Saúde. Caderneta de. Saúde. Pessoa Idosa

Ministério da Saúde. Caderneta de. Saúde. Pessoa Idosa Ministério da Saúde Caderneta de Saúde da Pessoa Idosa CADERNETA DE SAÚDE DA PESSOA IDOSA 1. APRESENTAÇÃO O Estatuto do Idoso representou uma grande conquista social e um marco na garantia de direitos.

Leia mais

1. OUTROS INDICADORES DEMOGRÁFICOS E DE SAÚDE

1. OUTROS INDICADORES DEMOGRÁFICOS E DE SAÚDE 1. OUTROS INDICADORES DEMOGRÁFICOS E DE SAÚDE INDICADORES DE DESNUTRIÇÃO Peso e altura são duas das principais características antropométricas sensíveis às condições de vida e nutrição de crianças e adolescentes

Leia mais

Opinião da População Sobre a Cobrança das Sacolas Plásticas Reutilizáveis. Agosto de 2015

Opinião da População Sobre a Cobrança das Sacolas Plásticas Reutilizáveis. Agosto de 2015 Opinião da População Sobre a Cobrança das Sacolas Plásticas Reutilizáveis Agosto de 2015 2 A Lei nº 15.374 de 2011 proíbe a disponibilização de sacolas plásticas descartáveis nos estabelecimentos comerciais

Leia mais

AULAS 08, 09 E 10 Metodologia da avaliação

AULAS 08, 09 E 10 Metodologia da avaliação 1 AULAS 08, 09 E 10 Metodologia da avaliação Ernesto F. L. Amaral 06, 08 e 13 de setembro de 2011 Avaliação de Políticas Públicas (DCP 046) Fonte: Cohen, Ernesto, e Rolando Franco. 2000. Avaliação de Projetos

Leia mais

OS CUIDADOS PALIATIVOS EM PORTUGAL. Resultados Quantitativos

OS CUIDADOS PALIATIVOS EM PORTUGAL. Resultados Quantitativos OS CUIDADOS PALIATIVOS EM PORTUGAL Resultados Quantitativos Outubro 2008 1 METODOLOGIA FICHA TÉCNICA Total da Amostra: 606 Entrevistas telefónicas, realizadas por CATI (computer assisted telephone interview).

Leia mais

ESTATÍSTICA. O que é Estatística? É o ramo da Matemática que se encarrega de coletar dados sobre determinado assunto,

ESTATÍSTICA. O que é Estatística? É o ramo da Matemática que se encarrega de coletar dados sobre determinado assunto, ESTATÍSTICA O que é Estatística? É o ramo da Matemática que se encarrega de coletar dados sobre determinado assunto, organizá-los e expôlos na forma de tabelas ou gráficos. Apresentando uma estatística

Leia mais

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros 1 of 5 11/26/2010 2:57 PM Comunicação Social 26 de novembro de 2010 PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009 Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros O número de domicílios

Leia mais

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS O presente levantamento mostra a situação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) nos municípios brasileiros. Para realizar a comparação de forma mais precisa,

Leia mais

COBERTURA DO SAÚDE DA FAMÍLIA E CITOPATOLÓGICO DE Avaliação da cobertura da Estratégia Saúde da Família nos municípios do Rio Grande do Sul sobre a Razão de Exames Citotopalógicos de Colo Uterino Paulo

Leia mais

A MULHER EMPREENDEDORA DA REGIÃO METROPOLITANA DE MARINGÁ

A MULHER EMPREENDEDORA DA REGIÃO METROPOLITANA DE MARINGÁ A MULHER EMPREENDEDORA DA REGIÃO METROPOLITANA DE MARINGÁ 1.0 Introdução Prof. Dr. Joilson Dias Assistente Científica: Cássia Kely Favoretto Costa Departamento de Economia Universidade Estadual de Maringá

Leia mais

HIV/aids no Brasil - 2012

HIV/aids no Brasil - 2012 HIV/aids no Brasil - 2012 Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Novembro de 2012 HIV Dados gerais Prevalência do HIV maior entre homens (15

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ.

RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ. RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ. Apresentação Este relatório contém os resultados da 1ª pesquisa de Qualidade de Vida na cidade de Aracruz solicitada pela FACE. O objetivo

Leia mais

Resultados Finais da 2ª Pesquisa de Opinião do blog Diário do Verde. Dezembro de 2011 / Janeiro de 2012

Resultados Finais da 2ª Pesquisa de Opinião do blog Diário do Verde. Dezembro de 2011 / Janeiro de 2012 2ª Pesquisa de Opinião - Diário do Verde (Ano de 2011) Veículo de Comunicação Ambiental na Internet - www.diariodoverde.com 30 respostas VISÃO GERAL - PERFIL DOS USUÁRIOS Sexo: Feminino Idade: 26-34 anos

Leia mais

CANCER INCIDENCE IN THE MINAS GERAIS STATE WITH EMPHASIS IN THE REGION OF POÇOS DE CALDAS PLATEAU

CANCER INCIDENCE IN THE MINAS GERAIS STATE WITH EMPHASIS IN THE REGION OF POÇOS DE CALDAS PLATEAU Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais CANCER INCIDENCE IN THE MINAS GERAIS STATE WITH EMPHASIS IN THE REGION OF POÇOS DE CALDAS PLATEAU Berenice Navarro Antoniazzi Epidemiologista Coordenadora

Leia mais

UERGS Administração de Sistemas e Serviços de Saúde Introdução ao Método Epidemiológico

UERGS Administração de Sistemas e Serviços de Saúde Introdução ao Método Epidemiológico UERGS Administração de Sistemas e Serviços de Saúde Introdução ao Método Epidemiológico 1. Assunto: Indicadores epidemiológicos, de morbidade: incidência, prevalência, taxa de ataque e taxa de ataque secundária..

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde

Pesquisa Nacional de Saúde Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Pesquisa Nacional de Saúde 21/08/15 Histórico INVESTIGAÇÃO DO TEMA SAÚDE... 1998 2003 2008 2013 PNAD Características da PNS Pesquisa Domiciliar

Leia mais

Vacinação contra a gripe em idosos não institucionalizados: estudo de base populacional

Vacinação contra a gripe em idosos não institucionalizados: estudo de base populacional Vacinação contra a gripe em idosos não institucionalizados: estudo de base populacional Renata Maciulis Dip Prof. Dr. Marcos A. Sarria Cabrera Maíra O. Furlan Sara L. Rodrigues UNIVERSIDADE ESTADUAL DE

Leia mais

RESULTADOS DE OUTUBRO DE 2013

RESULTADOS DE OUTUBRO DE 2013 1 RESULTADOS DE OUTUBRO DE 2013 Pesquisa realizada pelo Uni-FACEF em parceria com a Fe-Comércio mede o ICC (Índice de confiança do consumidor) e PEIC (Pesquisa de endividamento e inadimplência do consumidor)

Leia mais

Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus

Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus Dia Mundial da diabetes 14 de novembro 1983-2013 EMBARGO ATTÉ 13 DE NOVEMBRO DE 2014,, ÀS 11 HORAS Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus Em 2013, as doenças endócrinas,

Leia mais

3 Metodologia. 3.1. Introdução

3 Metodologia. 3.1. Introdução 3 Metodologia 3.1. Introdução Este capítulo é dedicado à forma de desenvolvimento da pesquisa. Visa permitir, através da exposição detalhada dos passos seguidos quando da formulação e desenvolvimento do

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004

Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004 Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004 Fontes de informação: A. População Todos os dados de população foram obtidos a partir do existente no site do Datasus www.datasus.gov.br/cgi/ibge/popmap.htm.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 *

Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 * Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 * Maria Elizete Gonçalves Alexandar de Brito Barbosa Palavras-chave: mortalidade;

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013 1 AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO Temas 2 Objetivo e metodologia Utilização dos serviços do plano de saúde e ocorrência de problemas Reclamação ou recurso contra o plano de

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

Estudos de Coorte: Definição

Estudos de Coorte: Definição Estudos de Coorte: Definição São estudos observacionais onde os indivíduos são classificados (ou selecionados) segundo o status de exposição, sendo seguidos para avaliar a incidência de doença. São conduzidos

Leia mais

INDICADORES SOCIAIS (AULA 1)

INDICADORES SOCIAIS (AULA 1) 1 INDICADORES SOCIAIS (AULA 1) Ernesto Friedrich de Lima Amaral Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia ESTRUTURA DO CURSO 2 1. Conceitos básicos relacionados a indicadores

Leia mais

Expectativas dos Pequenos Negócios para 2015

Expectativas dos Pequenos Negócios para 2015 Expectativas dos Pequenos Negócios para 2015 Relatório Final Brasília, Novembro/2014 Método Objetivo geral: Levantar as expectativas para 2015 dos pequenos negócios atendidos pelo SEBRAE Método: Pesquisa

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

Pesquisa Nacional Fiesp/IBOPE sobre o Perfil do Consumo de Alimentos no Brasil

Pesquisa Nacional Fiesp/IBOPE sobre o Perfil do Consumo de Alimentos no Brasil Pesquisa Nacional Fiesp/IBOPE sobre o Perfil do Consumo de Alimentos no Brasil Introdução e objetivo Para avaliar o grau de aderência do consumidor brasileiro às tendências internacionais, a Fiesp encomendou

Leia mais

NORMA ATUARIAL Nº. 1

NORMA ATUARIAL Nº. 1 NORMA ATUARIAL Nº. 1 SELEÇÃO DE HIPÓTESES DEMOGRÁFICAS, BIOMÉTRICAS E OUTRAS NÃO-ECONÔMICAS PARA MENSURAÇÃO DE OBRIGAÇÕES DE UM PLANO DE BENEFÍCIOS Versão 001 PARA: Atuários MIBAS e CIBAS e outras Pessoas

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Relatório Técnico PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA O Estatuto do Idoso três anos depois da promulgação 16 a 22 de agosto de 2006 Dados Técnicos Pesquisa Pesquisa de opinião pública de abrangência restrita ao

Leia mais

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS 2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS Neste capítulo se pretende avaliar os movimentos demográficos no município de Ijuí, ao longo do tempo. Os dados que fomentam a análise são dos censos demográficos, no período 1920-2000,

Leia mais

Probabilidade. Renata Souza. Introdução. Tabelas Estatísticas. População, Amostra e Variáveis. Gráficos e Distribuição de Freqüências

Probabilidade. Renata Souza. Introdução. Tabelas Estatísticas. População, Amostra e Variáveis. Gráficos e Distribuição de Freqüências Probabilidade Introdução Tabelas Estatísticas População, Amostra e Variáveis Gráficos e Distribuição de Freqüências Renata Souza Conceitos Antigos de Estatística stica a) Simples contagem aritmética Ex.:

Leia mais

Elementos de Estatística

Elementos de Estatística Elementos de Estatística Lupércio F. Bessegato & Marcel T. Vieira UFJF Departamento de Estatística 2013 Séries Séries Temporais 1 Exemplo Número de visitas ao Facebook e Google no período de 15/10/2011

Leia mais

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Em 2012, ocorreram 2.767 óbitos por Aids no Estado de São Paulo, o que representa importante queda em relação ao pico observado em 1995 (7.739). A

Leia mais

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Diretoria de Epidemiológica Gerência de Doenças Imunopreveníveis e Programa de Imunizações ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Nesta Edição: 1. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2. Intensificação das Ações

Leia mais

TEXTO 10: ANÁLISE DE DADOS, CRONOGRAMA,RESULTADOS ESPERADOS, CONSIDERAÇÕES ÉTICAS E LIMITAÇÕES.

TEXTO 10: ANÁLISE DE DADOS, CRONOGRAMA,RESULTADOS ESPERADOS, CONSIDERAÇÕES ÉTICAS E LIMITAÇÕES. 1 Laboratório de Psicologia Experimental Departamento de Psicologia UFSJ Disciplina: Métodos de Pesquisa Quantitativa TEXTO 10: ANÁLISE DE DADOS, CRONOGRAMA,RESULTADOS ESPERADOS, CONSIDERAÇÕES ÉTICAS E

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas

AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas 1 AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas Ernesto F. L. Amaral 19 e 28 de agosto de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de Janeiro:

Leia mais

Pesquisa Científica e Método. Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin

Pesquisa Científica e Método. Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin Pesquisa Científica e Método Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin A Pesquisa e o Metodo Cientifico Definir modelos de pesquisa Método, entre outras coisas, significa caminho para chegar a um fim ou pelo qual

Leia mais

Alguns Indicadores de Saúde da Cidade do Rio de Janeiro segundo a variável Raça/Cor

Alguns Indicadores de Saúde da Cidade do Rio de Janeiro segundo a variável Raça/Cor Subsecretaria de Ações e Serviços de Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Informações Epidemiológicas Alguns Indicadores de Saúde da Cidade do Rio de Janeiro segundo a variável Raça/Cor

Leia mais

Convênio Fapesp CNPq SUS

Convênio Fapesp CNPq SUS Indicadores de mortalidade por doenças cardiovasculares e diabetes mellitus: o papel da regionalização do Sistema de Saúde no Estado de São Paulo, Brasil Tereza Etsuko da Costa ROSA, Ana Aparecida BERSUSA,

Leia mais

MORADORES DE RUA E FLANELINHAS

MORADORES DE RUA E FLANELINHAS 1 MORADORES DE RUA E FLANELINHAS Leandro de Souza Lino À margem da sociedade, a quantidade de moradores de rua tem sido crescente no cotidiano das grandes cidades. E aliado a isso, a presença de flanelinhas

Leia mais

Pesquisa Aplicada à Estatística

Pesquisa Aplicada à Estatística Pesquisa Aplicada à Estatística Tatiene Correia de Souza / UFPB tatiene@de.ufpb.br September 14, 2014 Souza () Pesquisa Aplicada à Estatística September 14, 2014 1 / 23 Estatística: ideias gerais O que

Leia mais

Estatística Aplicada ao Serviço Social

Estatística Aplicada ao Serviço Social Estatística Aplicada ao Serviço Social Prof a. Juliana Freitas Pires Departamento de Estatística Universidade Federal da Paraíba - UFPB juliana@de.ufpb.br Introdução O que é Estatística? Coleção de métodos

Leia mais

O que é a estatística?

O que é a estatística? Elementos de Estatística Prof. Dr. Clécio da Silva Ferreira Departamento de Estatística - UFJF O que é a estatística? Para muitos, a estatística não passa de conjuntos de tabelas de dados numéricos. Os

Leia mais

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional 08/09/2010-10h00 Pesquisa visitou mais de 150 mil domicílios em 2009 Do UOL Notícias A edição 2009 da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia

Leia mais

O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE I

O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE I O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE I! A utilização de escores na avaliação de crédito! Como montar um plano de amostragem para o credit scoring?! Como escolher as variáveis no modelo de credit

Leia mais

CÂNCER DE MAMA Complementar ao documento já disponibilizado em 2007: NEOPLASIAS 2006

CÂNCER DE MAMA Complementar ao documento já disponibilizado em 2007: NEOPLASIAS 2006 Comentários sobre a mortalidade por CÂNCER DE MAMA Complementar ao documento já disponibilizado em 2007: NEOPLASIAS 2006 Porto Alegre 2007 1 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeito José Fogaça Secretaria

Leia mais

Medidas de Variação ou Dispersão

Medidas de Variação ou Dispersão Medidas de Variação ou Dispersão Estatística descritiva Recapitulando: As três principais características de um conjunto de dados são: Um valor representativo do conjunto de dados: uma média (Medidas de

Leia mais

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP (1 a 3 de dezembro de 2010) Objetivos da Pesquisa: 1) Gerais: Conhecer mais profundamente a saúde e condições de trabalho

Leia mais

Vigilância Epidemiológica da aids e mortalidade

Vigilância Epidemiológica da aids e mortalidade Vigilância Epidemiológica da aids e mortalidade Seminário: Estudos e Pesquisas em DST/HIV/Aids determinantes epidemiológicos e sóciocomportamentais Porto Alegre 14-16/12/09 Ângela Tayra Divisão de Vigilância

Leia mais

Novembro é um mês de reestruturação do padrão do endividamento e da inadimplência das famílias: uma preparação para o salto das vendas em dezembro

Novembro é um mês de reestruturação do padrão do endividamento e da inadimplência das famílias: uma preparação para o salto das vendas em dezembro Novembro é um mês de reestruturação do padrão do endividamento e da inadimplência das famílias: uma preparação para o salto das vendas em dezembro Na comparação mensal entre outubro e novembro, o percentual

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Pesquisa Mensal de Emprego PME Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Algumas das principais

Leia mais

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores Capítulo 3 Fichas de Qualificação de Indicadores A Demográficos População total A.1................................... 58 Razão de sexos A.2................................... 60 Taxa de crescimento da

Leia mais

Alta Mortalidade Perinatal

Alta Mortalidade Perinatal Alta Mortalidade Perinatal SMS de Piripiri CONASEMS Conselho Consultivo EVIPNet Brasil Capacitação do Núcleo de Evidências em Saúde / Estação BVS de Belo Horizonte em Formulação de Políticas de Saúde e

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

SUMÁRIO. Localidades da pesquisa, amostra e entrevistas realizadas por Área de Planejamento AP s 2. Caracterização do entrevistado sem carteira 04

SUMÁRIO. Localidades da pesquisa, amostra e entrevistas realizadas por Área de Planejamento AP s 2. Caracterização do entrevistado sem carteira 04 Pesquisa de Opinião Pública sobre as Campanhas Educativas para o Trânsito & da I m a g e m I n s t i t u c i o n a l da CET- RIO Relatório de Pesquisa 2008 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 03 PRINCIPAIS RESULTADOS

Leia mais

Pesquisa revela o sonho de consumo dos paulistas

Pesquisa revela o sonho de consumo dos paulistas Pesquisa revela o sonho de consumo dos paulistas As empresas Sampling Pesquisa de Mercado e Limite Pesquisa de Marketing saíram às ruas em Junho e Julho de 2005 para saber qual o sonho de consumo dos Paulistas.

Leia mais