BANNER SOBRE DEPRESSÃO PÓS-PARTO. TEMA:BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE DEPRESSÃO PÓS-PARTO:um Estudo Psicossomático Psicanalítico.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BANNER SOBRE DEPRESSÃO PÓS-PARTO. TEMA:BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE DEPRESSÃO PÓS-PARTO:um Estudo Psicossomático Psicanalítico."

Transcrição

1 1 BANNER SOBRE DEPRESSÃO PÓS-PARTO TEMA:BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE DEPRESSÃO PÓS-PARTO:um Estudo Psicossomático Psicanalítico. AUTORA: Marlene da Costa Frota, Psicóloga, Especialista em Psicologia Clínica de Base Psicanalítica. RESUMO Depressão é uma doença de danos psíquicos que causa mal estar ao sujeito, que caracteriza três níveis: leve, moderado e grave. O sujeito sofre um estado rebaixado de humor, negligencia suas atividades, tendo prazer reduzido ao social, por estar com a patologia. O objetivo deste é compreender a Depressão e Depressão Pós-Parto na fase do puerpério, momento marcado pela fragilidade física, psicológica e social da mãe, ao se deparar com a criança, rememora vicissitudes infantis, fonte de conflitos psíquicos primários não elaborados que a leva ao desamparo. A Metodologia foi uma pesquisa bibliográfica de textos freudianos sobre o tema, a função materna e conteúdos psicossomáticos referente ao tratamento como a psicoterapia psicossomática psicanalítica. Conclui-se que, a Depressão Pós-Parto é uma desordem psíquica que paralisa a mulher em suas ações pela chegada do bebê, refletindo a mãe-morta, o morrer psiquicamente para a criança e para as vivências da mãe. Palavras-chave: Depressão. Depressão Pós-Parto. Puerpério. Psicossomática. 1- O QUE É DEPRESSÃO? CONTEÚDO A doença tem em seu repertório uma origem que revela aparentemente sua construção e seu prolongamento na vida doindivíduo,a Depressão é um quadro sintomático que corrobora de forma disfuncional com a estruturação vivencial do sujeito. Para Baptista (2004, p. 62), o termo Depressão não se refere a uma patologia distinta obrigatoriamente por humor deprimido, mas uma síndrome marcada por alterações de humor, de psicomotricidade, bem como por uma variedade de distúrbios somáticos e neurovegetativos. Segundo a Classificação de Transtornos Mentais e de Comportamento da CID-10 (1993, p. 117), o indivíduo usualmente sofre de humor deprimido, perda de interesse, prazer e energia reduzida levando a uma fragilidade aumentada e atividade diminuída. De acordo com as lições de Delouya (2010, p. 15), a Depressão assim como a dor e a angústia, denota um estado afetivo, porém privado, ou que, talvez prive o sujeito da qualidade e figuras singulares que animam e dotam o afeto de sua especificidade.

2 2 Desta forma, o estado depressivo é constituído pela perda de um objeto amoroso, que por sua vez posiciona, o afeto, como oriundo do ambiente humano na sua origem, e sempre dirigido a um outro, ou gerado em relação a ele, abriga em seu bojo uma peculiar disposição para o ser semelhante, uma forma empática de aproximá-lo, que tem no sofrimento um pressuposto fundamental, a Depressão. (DELOUYA, 2010, p. 16). Delouya (2010, p. 28) ressalta que a Depressão expressa o efeito econômico de subtração ou compressão libidinal, ensurdecendo o sentido do viver, sua malha representativa e afetiva, ela nos indica que esta mesma dimensão subentende e condiciona aquilo que é psíquico. 2- OS SINTOMAS DA DEPRESSÃO Beck e Alford (2011, p. 22) enfatizam que a queixa apresentada por pacientes deprimidos com frequência aponta para o diagnóstico de Depressão, embora surja uma alteração física, por meio de uma investigação clínica é possível sinalizar se a sintomatologia depressiva está presente. Geralmente os pacientes queixam-se de condições afetivas desconfortáveis, mudança repentina em sua vivência, sintomas depressivos com reações somáticas, sendo manifestações Emocionais, Cognitivos, Motivacionais e Físico/Vegetativos. - Sintomas Emocionais: Humor deprimido, Sentimentos negativos sobre si, Redução da satisfação, Perda dos vínculos emocionais, Crises de choro e Perda da resposta ao humor. -Sintomas Cognitivos: Autoavaliação negativa, Expectativas negativas, Autorrecriminação e autocrítica, Indecisão e Distorção da imagem corporal. 3- CAUSAS DA DEPRESSÃO - Sintomas Motivacionais: Paralisia da vontade, Desejos de evitação, escapismo e retraimento, Desejos suicidas e Aumento da dependência. - Sintomas Físicos/Vegetativos: Perturbação do sono, Perda da libido, Fadiga, Delírios e Alucinações. O quadro depressivo, independente do gênero, apresenta diferentes hipóteses, são questões vivenciais que permeiam o universo do sujeito que poderá vir a sofrer de um conflito psíquico mediante tais pontos, sendo: Causas Biológica-Genética, Causas Psicossociaise Causas Psíquicas. Baptista (2004, p. 92) observa que os dados patogênicos sobre o desencadeamento da Depressão mostram-se um universo obscuro, logo, as evidências disponíveis permitem antever a existência de heterogeneidade etiológica, assim como os dados bioquímicos, os dadossobre a resposta ao tratamento farmacológico.

3 3 É importante observar que as causas psicossociais estão ligadas ao posicionamento de gênero na sociedade, a mulher absorve os impactos negativos provenientes do meio social o que contribui para o adoecimento físico e psicológico. 4- VISÃO PSICANALÍTICA DA DEPRESSÃO Freud pensou sobre a Depressãoem 1915 e publicou o texto Luto e Melancolia (1917) sobre o estado depressivo, no entanto, se apropria e faz uma descrição das hipóteses a respeito da melancolia, pois lança de forma indireta uma luz sobre a origem e o caráter da Depressão ali presente. (p. 39). Dessa forma, a partir dessa articulação teórica sobre a melancolia no Manuscrito G (1895) sobre um estado normal de luto ou, em outras palavras, o elo da Depressão melancólica com a nostalgia de algo que foi perdido. O traumático pela perda do objeto, segregação e luto parecem constituir um eixo possível para o tema da Depressão (DELOUYA, 2010, p. 39). A Depressão é um transtorno afetivo que possui sintomas característicos e que dependente do grau em que o sujeito se encontra, poderá incapacitá-lo em suas atividades diárias. Delouya (2010, p. 52) observa que a Depressão refere-se, portanto, não a uma perda do objeto, como totalidade perceptivelmente configurada, mas a perda de um espaço de gozo. A perda de um objeto amoroso constitui excelente oportunidade para que a ambivalência nas relações amorosas se faça efetiva e manifesta. Na melancolia, as ocasiões que dão margem à doença vão, em sua maior parte, além do caso nítido de uma perda por morte, incluindo as situações de desconsideração, desprezo ou desapontamento, que podem trazer para a relação sentimentos opostos de amor e ódio, ou reforçar uma ambivalência já existente. Esse conflito devido à ambivalência, que por vezes surge mais de experiências reais, por vezes por fatores constitucionais, não deve ser desprezado entre as precondições da melancolia. (FREUD, 1917, p. 256). O mal-estar na Depressão e na melancolia frente aos sintomas de autoacusações, depreciação, insatisfação da vida, essencialmente gira em torno do meio em que está inserido, pois o sujeito não sabe elaborar o sofrimento que nele se faz presente e projeta

4 4 no outro a danosa culpa, permanecendo em uma manifestação sádica do conflito (FREUD, 1917). 5- DEFINIÇÕES DE PUERPÉRIO E DEPRESSÃO PÓS-PARTO O período gestacional é uma revivescência dos conteúdos infantis, os cuidados afetivos são postos em prática devido à forma como a futura mãe foi constituída enquanto sujeito na passagem do Édipo. Após o parto, a mãe se depara com a imagemreal da criança; diante disso, serão vivenciados novos comportamentos, pensamentos acerca dessa nova experiência, ao contemplar o bebê real a mãe encontra-se envolvida em atender as necessidades da criança e, portanto, esse período corresponde ao Puerpério. Maldonado (2005 apud MORAES, 2010 p. 46) ressalta que os primeiros dias do puerpério correspondem ao período de recuperação do parto, com desconfortos afetivos e físicos, sendo que a labilidade emocional revela uma alternância entre euforia e depressão, podendo ser mais ou menos intensa, isso corresponde às mudanças fisiológicas e psíquicas no corpo da mulher. Erikson (1976 apud ARRAIS, 2005, p. 15) afirma que o Puerpério é um período vulnerável, com risco psiquiátrico aumentado no ciclo de vida da mulher. Após esse período, a mulher será envolvida por sentimentos ambivalentes que marcam o Pós-parto, e assim, cabe uma avaliação das condições psíquicas para se ter uma visão da configuração subjetiva da mulher, o que poderá ser um fator determinante para a Depressão Pós-Parto. O quadro da Depressão Pós-Parto revela sua intensidade quando há uma negativa em relação à criança, a função materna e ao prolongamento de vida juntamente com o bebê. A cronicidade desses fatores é um fio condutor para a intolerável angústia, deixando a mãe incapacitada para o enfrentamento de suas funções. Por ora, essa regressão primária mobiliza inconscientemente a mulher em busca de privilegiada atenção acarretando mal-estar na família (MALDONADO, 2005 apud MORAES, 2010). Moraes (2010) aponta que a Depressão Pós-Parto é um conjunto de sintomas conflituosos desencadeados após o nascimento do bebê, o que traz para a realidade da mulher o sofrimento psíquico recalcado dos cuidados de sua mãe.

5 5 6- SINTOMATOLOGIA DA DEPRESSÃO PÓS-PARTO Na Sintomatologia da Depressão Pós-Parto, existem outros desdobramentos sintomáticos da clínica do obsessivo-compulsivo, dentre os quais se podem citar a agressividade materna para com a criança, pensamentos obsessivos negativos e recorrentes em relação a contaminações da criança, ao trabalho de parto, imagens envolvendo morte ou algo terrível ocorrendo ao bebê e compulsões de checagem, para saber se o bebê está respirando e de lavagem (CHAMACHO, 2006; ZAMBALDI, CANTILINO, SOUGEY, 2008 apud MORAES, 2010, p. 54). O quadro sintomático da Depressão Pós-Parto se caracteriza por uma somatória de conflitos com a chegada do bebê na dinâmica familiar, bem como a posição materna diante das vicissitudes com a própria mãe, a Depressão pós-parto assim entendida se caracteriza, entre outros traços, por sentimentos de culpa em relação ao bebê, pela dúvida da capacidade de ser uma boa mãe, proveniente da manifestação de um superego crítico e punitivo por seus sentimentos ambivalentes em relação ao bebê a sua mãe, o que determina uma baixa autoestima. (MORAES, 2010, p. 57). 7- ETIOLOGIA DA DEPRESSÃO PÓS-PARTO O CID-10 (1997) versa que o quadro da Depressão Pós- Parto se encontra sob a legenda F53 Transtornos mentais e de comportamentos associados ao puerpério, (MORAES, 2010). O DSM IV (2002) não diferencia os transtornos do humor do pós-parto dos que acontecem em outros períodos (Episódio Depressivo Maior, Episódios Maníacos e Transtorno Bipolar I e II), exceto como especificador, com início no pós-parto, utilizado quando os sintomas ocorrem no período de até quatro semanas após o parto (MORAES, 2010, p. 50). O assunto da Depressão Pós-Parto é de grande importância para estudiosos da área da saúde mental. Assim, Moraes (2010, p. 51) aponta que, na Europa, na Inglaterra, foi criada a MarcéSociety em 1982; na França aprofundou-se o conhecimento das questões emocionais relativas à vivência da maternidade através de estudos psicanalíticos e da criação da ciência e técnica de tratamento chamada Maternologia, nesse estudo, explicitada no capítulo sobre tratamento da Depressão Pós-Parto. No Brasil, existe uma organização semelhante à MarcéSocietey denominada Amigas do Peito, e

6 6 tem se instituído projetos de prevenção perinatal em vários Centros de Saúde e Maternidades, como a do Hospital Universitário em Florianópolis. 8- A FUNÇÃO MATERNA NO PÓS-PARTO E NO PUERPÉRIO Na Psicanálise o ser humano se constitui a partir do outro, portanto é capaz de ser fonte de saúde e doença. Na Depressão, a pulsão de morte é acentuada em detrimento da pulsão de vida, assim a mulher no período gestacional é envolvida por várias manifestações sintomáticas, que o soma poderá acentuar este agravo no pósparto. A função materna como momento primordial, registra com maestria as necessidades biológicas, afetivas e psíquicas do bebê, que ainda está sob a supervisão do poder absoluto do outro, a mãe é o fio condutor da construção subjetiva da imago do bebê. Nasio (1995) pontua o funcionamento da mãe nesta relação afetiva com o bebê,winnicottdiz que a figura materna poderá moldar-se em uma mãe suficientemente boa para o desenvolvimento da criança, desta maneira o seio bom é aquele que representa o duplo vínculo especular para o bebê, pois a criança se configura a partir da estruturação psicológica que conduz a função materna para o fortalecimento do Eu. Dolto (2013, p. 152) afirma que, o duplo é construído já na primeira infância segundo uma dialética do outro, em geral a mãe, nos olhos do qual a criança se mira como estando conforme ao que a mãe espera dela. Efetivamente, a criança começa a desejar vendo o rosto da mãe. Para a criança, o duplo é o Eu-Você. Seu rosto é, essencialmente, o rosto da mãe. 9- OS AGRAVOS NA FUNÇÃO MATERNA A Depressão Pós-Parto é um agravo psicológico entre a figura materna e os cuidados com o bebê, pois a mãe não obtendo a capacidade de satisfazer as demandas da criança sente-se incapaz. A incapacidade materna é o desequilíbrio na maneira de projetar o amor para o bebê, acarretando angústia e sofrimento psíquico, deixando o bebê em total estado de desamparo. Soifer (1980, p. 83) afirma que,em situações de agravo psíquico,para a mulher em estado de puerpério maléfico ou Depressão Puerperal as consequências sintomatológicas são as mais danosas possíveis: a mulher torna-se ensimesmada, afastada, triste, rejeita o filho, em geral declara que não pode vê-lo, sofre insônia,

7 7 inapetência, descuida-se da própria aparência, não se veste, não se banha nem se penteia. As ideias são delirantes do tipo paranoide: alguém vem roubar a paciente, matála, envenená-la. Nesse contexto, há incidência de sentimentos depreciativos, esgotando qualquer possibilidade de criar seu filho; suas características são sempre estados melancólicos. A gravidade do quadro às vezes causa pânico na família, a solução é recorrer à clínica psiquiátrica.esse comportamento de desiquilíbrio da mãe puérpera, pode gerar pensamentos de suicídio, que menciona um alerta para o ataque ao bebê (SOIFER, 1980, p. 83). André Green (1988, p. 239) denominou de mãe morta a função materna proveniente de uma Depressão que impossibilita essa mãe de cuidar de seu bebê. Para ele, não se trata das consequências psíquicas da morte real da mãe, mas sim de uma imago que se constitui na psique da criança, em consequência de uma Depressão materna, transformando brutalmente o objeto vivo, fonte da vitalidade da criança, em figura distante, átona, quase inanimada [...] a mãe morta é, portanto, ao contrário do que se poderia crer, uma mãe que permanece viva, mas que está, por assim dizer, morta psiquicamente aos olhos da pequena criança de quem ela cuida. 10- TRATAMENTO PSICANALÍTICO A intervenção na abordagem psicanalítica se utiliza dos parâmetros da interpretação dos conteudos inconscientes, sendo que o paciente verbaliza o que vier a sua mente por meio da associação livre. A proposta interventiva é mediada pelo enquadre técnico analítico mediante as sessões e principalmente pelo momento subjetivo do paciente em transferir para o analista seus conteúdos (PAULO, 2005). O adoecer na depressão é um espelho da angústia e principalmente do desamparo vivido pelo sujeito na fase infantil, o analista se empenha nas demandas relacionais do paciente, o analisando muita vezes coloca o analista no lugar do suposto saber, ademais essa relação é capaz de mobilizar impulsos ambivalentes de amor e ódio. Assim, Volich (2010, p. 317) afirma que os destinos do ato terapêutico são determinados por essa transferência e pelas reações que ela mobiliza no terapeuta. O trabalho da picossomática se caracteriza pela compreensão das manifestações inconscientes, adentrando nos processo íntimos do paciente e revelando por meio das dinâmicas psíquicas o empobrecimento subjetivo que ameça as defesas vivenciais do

8 8 sujeito. Volich (2004, p. 97) sinaliza que o sinal clínico de uma evolução favorável da psicoterapia é a modificação da natureza das angústias: inicialmente difusas ; nesse momento,o analista ajudará o paciente a restabelecer seu funcionamento psíquico e enfrentar as demandas e experiências do dia a dia. Para a Psicanálise o tratamento requer períodos espaçados de tempo para que se possa permitir ao paciente uma escuta de qualidade e uma devolutiva consistente; considera também que o início do tratamento envolve disponibilidade pessoal para elaboração dos conflitos psíquicos (FREUD, 1913). CONSIDERAÇÕES FINAIS A Depressão é uma condição psicopatológica responsável pela disfunção psíquica, acarretando alterações de humor, cognição e percepção, adoecendo o sujeito e possibilitando a perda de interesse social. O tema sobre adepressão Pós-Parto ressalta a desorganização psíquica que paralisa as ações da mulher com a chegada do bebê. O trabalho perpassou pela sintomatologia psicossomática, fomentando que a mãe no estado de Depressão fica impossibilitada de cuidar da criança e de sua própria imagem, devido a falta de investimento primário ao Eu da mulher adoecida. A gravidez é um momento subjetivo, cada sujeito encontra uma defesa psíquica para lidar contra o adoecimento, por isso o apoio psicológico psicanalítico é primordial para elaborar a sintomatologia da Depressão Pós-Parto. Este trabalho permitiu o aprimoramento científico que servirá de base na construção de possibilidades clínicas para pacientes, é importante escutar o paciente e desvelar o sofrimento psíquico, pois a teoria analítica possibilita a associação livre dos pensamentos para que o paciente possa ressignificar seus conflitos, passando a desejar e caminhar pela pulsão de vida. A construção deste trabalho possibilitou-me através do universo de informações pesquisadas e que promoveram conteúdos informacionais, permitindo solidificar conhecimentos e, a partir de então, maior aprendizado sobre a clínica psicossomática psicanalítica. Ainda assim, serão necessários mais estudos a respeito do tema para formação de novas formas de intervenções e tratamentos.

9 9 REFERÊNCIAS ARRAIS, Alessandra da Rocha. As Configurações Subjetivas da Depressão Pós- Parto: para além da padronização patologizante. Tese (Doutorado) Universidade de Brasília, Departamento de Psicologia Clínica. Instituto de Psicologia. 158 p. Brasília, DF, BECK, Aaron T. ALFORD, Brad A. Depressão: causas e tratamento. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, BAPTISTA, Makilim Nunes. Suicídio e Depressão: atualizações. Rio de Janeiro. Editora Guanabara Koogan, CID-10.Classificação de Transtornos Mentais e de Comportamento da CID- 10:descrições clínicas e diretrizes diagnósticas. Porto Alegre: Artes Médicas, DELOUYA, Daniel. Depressão. 5. ed. rev. São Paulo: Casa do Psicólogo, DOLTO, Françoise. Seminário de Psicanálise de crianças. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, FREUD, Sigmund (1917). Luto e Melancolia. Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas (ESB), v. XIV. Rio de Janeiro: Imago, FREUD, Sigmund (1913). Sobre o início do tratamento. Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas (ESB), v. XII. Rio de Janeiro: Imago, GREEN, André. Narcisismo de vida, Narcisismo de morte. São Paulo: Editora Escuta, MORAES, Maria Helena Cruz. A clínica da maternidade: os significados psicológicos dadepressão pós-parto. Tese (Doutorado) Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação de Psicologia. 176 p. Florianópolis, SC, NASIO, Juan David. Introdução às obras de Freud, Ferenczi, Groddeck, Klein, Winnicott, Dolto, Lacan. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., PAULO, Maria Salete Lopes Legname de. Depressão e Psicodiagnóstico Interventivo: proposta de atendimento. 1. ed. São Paulo: Vetor, SOIFER, Raquel. Psicologia da gravidez, parto e puerpério. Porto Alegre: Artes Médicas, VOLICH, Rubens Marcelo. Psicossomática: de Hipócrates à Psicanálise. 7. ed. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2010.

10 10 VOLICH, Rubens Marcelo. Psicossoma I: Psicanálise e Psicossomática / Flávio Carvalho Ferraz (org.). São Paulo: Casa do Psicólogo, Monografia apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Especialista, pelo curso de Pós- Graduação latu sensu em Depressão Pós- Parto: um estudo Psicossomático Psicanalítico, pelos Estudos Psicanalíticos do Pará do Instituto Investy Faculdade da Amazônia.

Sobre a intimidade na clínica contemporânea

Sobre a intimidade na clínica contemporânea Sobre a intimidade na clínica contemporânea Flávia R. B. M. Bertão * Francisco Hashimoto** Faculdade de Ciências e Letras de Assis, UNESP. Doutorado Psicologia frbmbertao@ibest.com.br Resumo: Buscou-se

Leia mais

INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA NO PERÍODO PÓS-PARTO EM UMA MATERNIDADE

INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA NO PERÍODO PÓS-PARTO EM UMA MATERNIDADE 98 INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA NO PERÍODO PÓS-PARTO EM UMA MATERNIDADE Resumo Cássia Ferrazza Alves Ana Paula Santos Camille Haslinger Elenara Farias Lazzarotto Da Costa Lígia Andrea Rivas Ramirez e Cristina

Leia mais

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde Tatiana Thiago Mendes Psicóloga Clínica e do Trabalho Pós-Graduação em Saúde e Trabalho pelo HC FM USP Perita Judicial em Saúde Mental Panorama da Saúde dos Trabalhadores

Leia mais

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH:

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH: OQUEÉOTRANSTORNOBIPOLARDO HUMOR(TBH)? O transtorno bipolar do humor (também conhecido como psicose ou doença maníaco-depressiva) é uma doença psiquiátrica caracterizada por oscilações ou mudanças de humor

Leia mais

Urgência Psicológica em Gestantes com Hiperêmese Gravídica que Desenvolveram Síndrome de Wernicke-Korsakov i

Urgência Psicológica em Gestantes com Hiperêmese Gravídica que Desenvolveram Síndrome de Wernicke-Korsakov i Urgência Psicológica em Gestantes com Hiperêmese Gravídica que Desenvolveram Síndrome de Wernicke-Korsakov i Marcia Ferreira Amendola Patrícia Mara Danan ii OBJETIVO O presente trabalho tem como objetivo

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

UNIVERSIDAD ARGENTINA JOHN F. KENNEDY. Mestranda em Psicanálise Joana S. Oliveira Psicóloga CRP 06/114168

UNIVERSIDAD ARGENTINA JOHN F. KENNEDY. Mestranda em Psicanálise Joana S. Oliveira Psicóloga CRP 06/114168 UNIVERSIDAD ARGENTINA JOHN F. KENNEDY Mestranda em Psicanálise Joana S. Oliveira Psicóloga CRP 06/114168 Considerações psicanalíticas sobre a imagem corporal, algumas conseqüências após intervenções sobre

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO PRIMÁRIA DE SINTOMAS DO TRANSTORNO DEPRESSIVO MAIOR E A BUSCA POR PROFISSIONAIS ESPECIALIZADOS

IDENTIFICAÇÃO PRIMÁRIA DE SINTOMAS DO TRANSTORNO DEPRESSIVO MAIOR E A BUSCA POR PROFISSIONAIS ESPECIALIZADOS IDENTIFICAÇÃO PRIMÁRIA DE SINTOMAS DO TRANSTORNO DEPRESSIVO MAIOR E A BUSCA POR PROFISSIONAIS ESPECIALIZADOS Cayla Aparecida de Sousa 1 ; Cícero Marcelo Félix Junior 1 ; Sandra Cristina Catelan- Mainardes

Leia mais

DEPRESSÃO. O que você precisa saber. Fênix Associação Pró-Saúde Mental

DEPRESSÃO. O que você precisa saber. Fênix Associação Pró-Saúde Mental DEPRESSÃO O que você precisa saber Fênix Associação Pró-Saúde Mental Eu admito que preciso de ajuda, pois sozinho não consigo... (Grupo Fênix: Os 6 Passos para a Recuperação) a 1 Edição São Paulo 2010

Leia mais

DEPRESSÃO - Segundo a Classificação Internacional das Doenças (CID) 10ª revisão

DEPRESSÃO - Segundo a Classificação Internacional das Doenças (CID) 10ª revisão DEPRESSÃO - Segundo a Classificação Internacional das Doenças (CID) 10ª revisão - F32 Episódios depressivos Nos episódios típicos de cada um dos três graus de depressão: leve, moderado ou grave, o paciente

Leia mais

Como tem sido seus estudos? Tem conseguido manter a disciplina necessária para assegurar o nível de aprendizado exigido?

Como tem sido seus estudos? Tem conseguido manter a disciplina necessária para assegurar o nível de aprendizado exigido? Saudações concurseiro, Como tem sido seus estudos? Tem conseguido manter a disciplina necessária para assegurar o nível de aprendizado exigido? É muito importante estabelecer uma frequência no estudo,

Leia mais

TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE

TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE Laís Rosiak 1 Rebeca Bueno dos Santos ¹ Mara Regina Nieckel da Costa 2 RESUMO O presente artigo apresenta o estudo realizado sobre o Transtorno Obsessivo

Leia mais

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com 803 AS CONTRIBUIÇÕES DO LÚDICO PARA O DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL INFANTIL NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia Cristiane Silva Wiezzel Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Inovação em psicanálise: rumos e perspectivas na contemporaneidade Quarta-feira 10/6 10h30-12h Mesa-redonda Saúde mental e psicanálise

Leia mais

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição IDENTIFICANDO A DEPRESSÃO Querida Internauta, Lendo o que você nos escreveu, mesmo não sendo uma profissional da área de saúde, é possível identificar alguns sintomas de uma doença silenciosa - a Depressão.

Leia mais

22ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2008 DEPRESSÃO E TRABALHO. MARIA CRISTINA PALHARES MACHADO PSIQUIATRA MÉDICA DO TRABALHO mcris1989@hotmail.

22ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2008 DEPRESSÃO E TRABALHO. MARIA CRISTINA PALHARES MACHADO PSIQUIATRA MÉDICA DO TRABALHO mcris1989@hotmail. 22ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2008 DEPRESSÃO E TRABALHO MARIA CRISTINA PALHARES MACHADO PSIQUIATRA MÉDICA DO TRABALHO mcris1989@hotmail.com DEPRESSÃO 1. Afeta pelo menos 12% das mulheres e 8% dos homens

Leia mais

silêncio impresso pela família. Os sentimentos são proibidos por serem muito doloridos e causarem muito incômodo. O medo e a vergonha dominam.

silêncio impresso pela família. Os sentimentos são proibidos por serem muito doloridos e causarem muito incômodo. O medo e a vergonha dominam. Introdução O objetivo deste trabalho é compreender a possível especificidade das famílias nas quais um ou mais de seus membros apresentam comportamento adictivo a drogas. Para isto analisaremos que tipos

Leia mais

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA)

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA) TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA) SERVIÇO DE PSIQUIATRIA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE (HCPA) DEPARTAMENTO DE PSIQUIATRIA UNIVERSIDADE

Leia mais

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável.

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável. Transtornos mentais: Desafiando os Preconceitos Durante séculos as pessoas com sofrimento mental foram afastadas do resto da sociedade, algumas vezes encarcerados, em condições precárias, sem direito a

Leia mais

HISTÓRIA HISTÓRIA DIAGNÓSTICO E CLASSIFICAÇÃO DOS TRANSTORNOS MENTAIS. Paradigma da alienação mental. Paradigma das doenças mentais

HISTÓRIA HISTÓRIA DIAGNÓSTICO E CLASSIFICAÇÃO DOS TRANSTORNOS MENTAIS. Paradigma da alienação mental. Paradigma das doenças mentais DIAGNÓSTICO E CLASSIFICAÇÃO DOS TRANSTORNOS MENTAIS Prof. José Reinaldo do Amaral Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Psicologia PSICOPATOLOGIA GERAL 2013 / 2 HISTÓRIA Paradigma da

Leia mais

TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE. Prof. Me. Jefferson Cabral Azevedo

TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE. Prof. Me. Jefferson Cabral Azevedo TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE Prof. Me. Jefferson Cabral Azevedo PSICOPATOLOGIA Psicopatologia é uma área do conhecimento que objetiva estudar os estados psíquicos relacionados ao sofrimento mental. É a

Leia mais

O IDOSO EM CONTEXTO INSTITUCIONAL DE CURTA E LONGA PERMANÊNCIA

O IDOSO EM CONTEXTO INSTITUCIONAL DE CURTA E LONGA PERMANÊNCIA O IDOSO EM CONTEXTO INSTITUCIONAL DE CURTA E LONGA PERMANÊNCIA Aline Arruda da Fonseca Maria do Socorro Lemos de Oliveira Maria Isabel Alves Batista Oliveira Samara Melo Silva Thiago dos Santos Aguiar

Leia mais

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica.

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. Silvana Maria de Barros Santos Entre o século XVI a XIX, as transformações políticas, sociais, culturais e o advento da

Leia mais

Seminários Psicanalíticos 2014

Seminários Psicanalíticos 2014 Seminários Psicanalíticos 2014 CONSIDERAÇÕES SOBRE O MUNDO MENTAL BODERLINE: Teoria e manejo técnico Mara Guimarães Pereira Lima Degani Breve histórico Borderline = Limítrofe = Fronteiriço Conhecidos também

Leia mais

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO 2015 Marcell Felipe Alves dos Santos Psicólogo Clínico - Graduado pela Centro Universitário Newton Paiva (MG). Pós-graduando em

Leia mais

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Eliane Maria Monteiro da Fonte DCS / PPGS UFPE Recife PE - Brasil Pesquisa realizada pelo NUCEM,

Leia mais

Depressão e Espiritualidade. Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH)

Depressão e Espiritualidade. Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH) Depressão e Espiritualidade Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH) Conceitos Tristeza emoção natural. Resposta à frustração, decepção ou fracasso.

Leia mais

Reflexões sobre Impasses e Possibilidades da Psicanálise no Hospital Público

Reflexões sobre Impasses e Possibilidades da Psicanálise no Hospital Público Reflexões sobre Impasses e Possibilidades da Psicanálise no Hospital Público Ludmila Stalleikem Sebba 1 e Ademir Pacelli Ferreira 2 Resumo A partir do referencial da psicanálise procura-se apontar elementos

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DE OCORRÊNCIA DE DEPRESSÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS.

AVALIAÇÃO DE OCORRÊNCIA DE DEPRESSÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS. V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 AVALIAÇÃO DE OCORRÊNCIA DE DEPRESSÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS. Ângela Mari Rauth 1, Arlinda Jesus Sampaio¹,

Leia mais

A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO

A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO 2014 Olga Cristina de Oliveira Vieira Graduada em Psicologia pela Universidade Presidente Antônio Carlos. Docente no Centro Técnico de Ensino Profissional (CENTEP). Especialização

Leia mais

PARENTALIDADE NA FAVELA: UMA EXPERIÊNCIA COM CONSULTAS TERAPÊUTICAS

PARENTALIDADE NA FAVELA: UMA EXPERIÊNCIA COM CONSULTAS TERAPÊUTICAS PARENTALIDADE NA FAVELA: UMA EXPERIÊNCIA COM CONSULTAS TERAPÊUTICAS Daniel Kauffmann 1 Tereza Marques de Oliveira 2 Resumo O objetivo deste trabalho é relatar nossa experiência na clínica do social, junto

Leia mais

A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA

A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA BUCK, Marina Bertone Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: marina.bertone@hotmail.com SANTOS, José Wellington

Leia mais

A função especular da fala materna e suas referências. ao psiquismo e à constituição do si mesmo.

A função especular da fala materna e suas referências. ao psiquismo e à constituição do si mesmo. A função especular da fala materna e suas referências ao psiquismo e à constituição do si mesmo. Alexandre Socha No artigo O papel de espelho da mãe e da família no desenvolvimento infantil (1967), Winnicott

Leia mais

TRANSTORNOS ANSIOSOS. Prof. Humberto Müller Saúde Mental

TRANSTORNOS ANSIOSOS. Prof. Humberto Müller Saúde Mental TRANSTORNOS ANSIOSOS Prof. Humberto Müller Saúde Mental Porque nos tornamos ansiosos? Seleção natural da espécie Ansiedade e medo... na medida certa, ajuda! Transtornos de Ansiedade SINTOMAS: Reação exagerada

Leia mais

ASSÉDIO MORAL: Por: Claudia Regina Martins Psicóloga Organizacional CRP 08/13638

ASSÉDIO MORAL: Por: Claudia Regina Martins Psicóloga Organizacional CRP 08/13638 ASSÉDIO MORAL: Por: Claudia Regina Martins Psicóloga Organizacional CRP 08/13638 DEFINIÇÕES Moral: É o conjunto de regras adquiridas através da cultura, da educação, da tradição e do cotidiano, e que orientam

Leia mais

A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira

A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira Transtornos Neuróticos Aspectos históricos A distinção neuroses e psicoses foi, durante

Leia mais

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Fernanda Marques Paz 1 Dependência Química: prevenção, tratamento e politicas públicas (Artmed; 2011; 528 páginas) é o novo livro de Ronaldo

Leia mais

PACIENTES COM RISCO DE SUICÍDIO: A COMUNICAÇÃO ENTRE EQUIPE, PACIENTES E FAMILIARES NA UNIDADE DE EMERGÊNCIA

PACIENTES COM RISCO DE SUICÍDIO: A COMUNICAÇÃO ENTRE EQUIPE, PACIENTES E FAMILIARES NA UNIDADE DE EMERGÊNCIA PACIENTES COM RISCO DE SUICÍDIO: A COMUNICAÇÃO ENTRE EQUIPE, PACIENTES E FAMILIARES NA UNIDADE DE EMERGÊNCIA Ferreira CLB¹ 1 *, Gabarra LM². Hospital Universitário Profº Polydoro Ernani de São Thiago,

Leia mais

PONTA DELGADA AÇORES 08 a 10 de MAIO de 2013 Emmanuel Fortes S. Cavalcanti 3º Vice Presidente CFM - Brasil

PONTA DELGADA AÇORES 08 a 10 de MAIO de 2013 Emmanuel Fortes S. Cavalcanti 3º Vice Presidente CFM - Brasil PONTA DELGADA AÇORES 08 a 10 de MAIO de 2013 Emmanuel Fortes S. Cavalcanti 3º Vice Presidente CFM - Brasil Trabalho de educação continuada desenvolvido pelo CRM-AL em 2002. Atendimento de profissionais

Leia mais

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 I Introdução O objetivo deste trabalho é pensar a questão do autismo pelo viés da noção de estrutura, tal como compreendida

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO: CAPACITAÇÃO PARA EDUCADORES DA PRIMEIRA INFÂNCIA,

Leia mais

Cuidados paliativos e a assistência ao luto

Cuidados paliativos e a assistência ao luto Cuidados paliativos e a assistência ao luto O processo de luto tem início a partir do momento em que é recebido o diagnóstico de uma doença fatal ou potencialmente fatal. As perdas decorrentes assim se

Leia mais

O TER E O FAZER: A PSICOPATOLOGIA DA OBESIDADE INFANTIL. Carolina Mendes Cruz Ferreira. Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima

O TER E O FAZER: A PSICOPATOLOGIA DA OBESIDADE INFANTIL. Carolina Mendes Cruz Ferreira. Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima O TER E O FAZER: A PSICOPATOLOGIA DA OBESIDADE INFANTIL Carolina Mendes Cruz Ferreira Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima Profa. Dra. Valéria Barbieri INTRODUÇÃO A obesidade infantil é considerada uma patologia

Leia mais

O Escutar através do Desenho

O Escutar através do Desenho 1 O Escutar através do Desenho Neide M.A.Corgosinho 1 RESUMO: O artigo aqui apresentado baseia-se em algumas experiências de trabalho na internação pediátrica do Hospital Militar de Minas Gerais no período

Leia mais

a justifique. Em resumo, a IASP reconhece que a dor poderia existir apenas no plano do vivido e na queixa que a exprime.

a justifique. Em resumo, a IASP reconhece que a dor poderia existir apenas no plano do vivido e na queixa que a exprime. No livro A DOR FÍSICA, Nasio se preocupa com as origens psicológicas da dor corporal, mais claramente falando, se preocupa com aquela parte enigmática que vem descrita nos artigos médicos como o fator

Leia mais

TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR

TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR e Prática Clínica TRATAMENTO ANALÍTICO-COMPORTAMENTAL DO TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR TRATAMENTO ANALÍTICO-COMPORTAMENTAL DO TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR Maria Rita Zoéga Soares Samir Vidal Mussi e cols. Coordenação

Leia mais

Procedimentos médicoadministrativos em distúrbios. mentais relacionados ao trabalho

Procedimentos médicoadministrativos em distúrbios. mentais relacionados ao trabalho Procedimentos médicoadministrativos em distúrbios mentais relacionados ao trabalho Dra Ana Paula Schmidt Waldrich Médica do Trabalho CRM-SC 13.384 Doença Ocupacional Quais as formas de caracterização de

Leia mais

A TÉCNICA COGNITIVA DE REGISTRO DE PENSAMENTOS DISFUNCIONAIS NA DEPRESSÃO

A TÉCNICA COGNITIVA DE REGISTRO DE PENSAMENTOS DISFUNCIONAIS NA DEPRESSÃO 1 A TÉCNICA COGNITIVA DE REGISTRO DE PENSAMENTOS DISFUNCIONAIS NA DEPRESSÃO Giuliana Silva Ferrão Fernanda Pasquoto Souza Resumo: Este artigo apresenta o relato da prática e uma revisão teórica da disciplina

Leia mais

INSTITUTO DOS ADVOGADOS BRASILEIROS III Curso do IAB Formação de Agentes Multiplicadores em Prevenção às Drogas

INSTITUTO DOS ADVOGADOS BRASILEIROS III Curso do IAB Formação de Agentes Multiplicadores em Prevenção às Drogas INSTITUTO DOS ADVOGADOS BRASILEIROS III Curso do IAB Formação de Agentes Multiplicadores em Prevenção às Drogas Módulo IV O AFETO NA PRÁTICA TERAPÊUTICA E NA FORMAÇÃO DO MULTIPLICADOR Regina Lucia Brandão

Leia mais

GRADE E CONTEÚDO PROGRAMÁTICO/ DATAS E HORÁRIOS. C/H: 8 horas. Data/horário: 29/06 e 30/06 das 18:30 às 22:30 (2ª e 3ª)

GRADE E CONTEÚDO PROGRAMÁTICO/ DATAS E HORÁRIOS. C/H: 8 horas. Data/horário: 29/06 e 30/06 das 18:30 às 22:30 (2ª e 3ª) GRADE E CONTEÚDO PROGRAMÁTICO/ DATAS E HORÁRIOS MÓDULO I: PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO C/H: 8 horas. Data/horário: 29/06 e 30/06 das 18:30 às 22:30 (2ª e 3ª) 04/07 das 8 às 16h (sábado). Bibliografia

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE.

A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE. A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE. Cléa Maria Ballão Lopes 1 Nos últimos tempos venho trabalhando com gestantes e puérperas, diretamente via atendimento

Leia mais

SÍNDROMES ANSIOSAS E NEURÓTICAS. Profª Melissa Rodrigues de Almeida Psicopatologia II DEPSI-UFPR

SÍNDROMES ANSIOSAS E NEURÓTICAS. Profª Melissa Rodrigues de Almeida Psicopatologia II DEPSI-UFPR SÍNDROMES ANSIOSAS E NEURÓTICAS Profª Melissa Rodrigues de Almeida Psicopatologia II DEPSI-UFPR Referências Psicopatologia e Semiologia dos Transtornos Mentais (Capítulos 26 e 29) Paulo Dalgalarrondo Manual

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física ATIVIDADE FÍSICA ASILAR Departamento de Psicologia e Educação Física 1. INTRODUÇÃO Compreensivelmente, à medida que envelhecemos podemos observar várias mudanças, tanto com relação aos nossos órgãos e

Leia mais

PSICOTERAPIA INFANTIL

PSICOTERAPIA INFANTIL PSICOTERAPIA INFANTIL Claudia Ribeiro Boneberg 1 Demarcina K. Weinheimer 2 Ricardo Luis V. de Souza 3 Ramão Costa 4 Me. Luiz Felipe Bastos Duarte 5 1 TEMA Psicoterapia psicanalítica infantil 1.1 DELIMITAÇÃO

Leia mais

TÍTULO: SÍNDROME DE BURNOUT VOLTADO À PROFISSIONAIS DO SETOR DE NEONATOLOGIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

TÍTULO: SÍNDROME DE BURNOUT VOLTADO À PROFISSIONAIS DO SETOR DE NEONATOLOGIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: SÍNDROME DE BURNOUT VOLTADO À PROFISSIONAIS DO SETOR DE NEONATOLOGIA CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

PONTOS FUNDAMENTAIS QUE O MÉDICO DO TRABALHO PRECISA SABER SOBRE O TRABALHADOR COM TRANSTORNO MENTAL

PONTOS FUNDAMENTAIS QUE O MÉDICO DO TRABALHO PRECISA SABER SOBRE O TRABALHADOR COM TRANSTORNO MENTAL PONTOS FUNDAMENTAIS QUE O MÉDICO DO TRABALHO PRECISA SABER SOBRE O TRABALHADOR COM TRANSTORNO MENTAL Das Informações Éticas na Participação de Médicos em Seminários, Fóruns, Conferências, Congressos e

Leia mais

DORES SILENCIOSAS: o sintoma da automutilação como possível consequência de quadros de depressão

DORES SILENCIOSAS: o sintoma da automutilação como possível consequência de quadros de depressão DORES SILENCIOSAS: o sintoma da automutilação como possível consequência de quadros de depressão Lucivani Soares Zanella* Patricia Zimermann** JUSTIFICATIVA De acordo com Giusti (2013), a automutilação

Leia mais

ESTIMULAR BRINCANDO: DESENVONVIMENTO DE BRINQUEDO, FERRAMENTA DE AUXILIO LÚDICO-EDUCATIVO NO TRATAMENTO DO CÂNCER INFANTIL

ESTIMULAR BRINCANDO: DESENVONVIMENTO DE BRINQUEDO, FERRAMENTA DE AUXILIO LÚDICO-EDUCATIVO NO TRATAMENTO DO CÂNCER INFANTIL ESTIMULAR BRINCANDO: DESENVONVIMENTO DE BRINQUEDO, FERRAMENTA DE AUXILIO LÚDICO-EDUCATIVO NO TRATAMENTO DO CÂNCER INFANTIL INTRODUÇÃO Amara Holanda Fabiane Romana Fernanda Oliveira Karen Trage Máuren Mássia

Leia mais

SUICÍDIO: da identificação com a mãe morta ao resgate narcísico: um estudo psicanalítico do personagem Richard Brown, do filme As Horas.

SUICÍDIO: da identificação com a mãe morta ao resgate narcísico: um estudo psicanalítico do personagem Richard Brown, do filme As Horas. SUICÍDIO: da identificação com a mãe morta ao resgate narcísico: um estudo psicanalítico do personagem Richard Brown, do filme As Horas. 12 Maria Cristina da Silva Ferreira (PA) 3 RESUMO O tema do trabalho

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DA PERSONALIDADE

DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DA PERSONALIDADE Rede7 Mestrado em Ensino do Inglês e Francês no Ensino Básico ÁREAS DE DESENVOLVIMENTO: DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DA PERSONALIDADE Teorias Psicodinâmicas A Psicanálise de Sigmund Freud A perspectiva de

Leia mais

Processos Borderline: confiança que se estende ao ambiente. Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima 1. Roberta Cury de Paula 2

Processos Borderline: confiança que se estende ao ambiente. Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima 1. Roberta Cury de Paula 2 Processos Borderline: confiança que se estende ao ambiente Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima 1 Roberta Cury de Paula 2 Profa. Dra. Valéria Barbieri 3 Resumo Apesar do amplo estudo dos aspectos biológicos

Leia mais

PLANO DE CURSO. Código: Carga Horária: 80h (Teoria: 60h; Prática: 20h) Créditos: 04 Pré-requisito(s): ------ Período: VII Ano: 2015.

PLANO DE CURSO. Código: Carga Horária: 80h (Teoria: 60h; Prática: 20h) Créditos: 04 Pré-requisito(s): ------ Período: VII Ano: 2015. PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Assistência de Enfermagem em Saúde Mental Professor: Tito Lívio Ribeiro E-mail: thitolivio@gmail.com Código: Carga

Leia mais

A psicologia tem uma dimensão prática que se integra em vários contextos e instituições sociais: escolas, hospitais, empresas, tribunais, associações

A psicologia tem uma dimensão prática que se integra em vários contextos e instituições sociais: escolas, hospitais, empresas, tribunais, associações PSICOLOGIA APLICADA A psicologia tem uma dimensão prática que se integra em vários contextos e instituições sociais: escolas, hospitais, empresas, tribunais, associações Os níveis de intervenção vão desde

Leia mais

AUTOVIOLÊNCIA. Dalila Santos Daniela Soares Colombi

AUTOVIOLÊNCIA. Dalila Santos Daniela Soares Colombi AUTOVIOLÊNCIA Dalila Santos Daniela Soares Colombi Automutilação Conceito: Comportamento autolesivo deliberado, causando dano tissular, com a intenção de provocar lesão não fatal para obter alívio de tensão.

Leia mais

Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version

Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version O CUIDAR DE ENFERMAGEM A PUERPERA APRESENTANDO DEPRESSÃO PÓS-PARTO HOLANDA, Eliane Rolim de ARAUJO, Tereza Lourença Matias de RIBEIRO, Francica Sanches Tavares SANTOS, Kamila Késsia Gomes dos SILVA, Gerson

Leia mais

Decio Tenenbaum Vitória, 2012

Decio Tenenbaum Vitória, 2012 O diagnóstico psicodinâmico 1 Decio Tenenbaum Vitória, 2012 Roteiro 2 1- O que é diagnóstico? 2- O que é psicodinâmica? 3- Para que servem os diagnósticos? 4- A construção do diagnóstico psicodinâmico

Leia mais

Aplicação da terapia cognitiva na depressão: análise de caso clínico

Aplicação da terapia cognitiva na depressão: análise de caso clínico Aplicação da terapia cognitiva na depressão: análise de caso clínico * Ana Carolina Diethelm Kley Introdução O objetivo do tratamento em terapia cognitiva no caso dos transtornos afetivos, grupo que engloba

Leia mais

A triagem como instrumento de comunicação entre Psicanálise e Psiquiatria

A triagem como instrumento de comunicação entre Psicanálise e Psiquiatria A triagem como instrumento de comunicação entre Psicanálise e Psiquiatria Thaís Augusto Gonçales Zanoni thaisagz.psi@gmail.com Psicóloga. Especialista em Saúde Mental, Psicopatologia e Psicanálise pela

Leia mais

O que é psicanálise?

O que é psicanálise? 1 O que é psicanálise? Bem, se você está buscando por cursos de psicanálise, já tem uma ideia básica a seu respeito. Portanto, não vou me alongar aqui na definição da psicanálise, das técnicas e das teorias.

Leia mais

Sexualidade e Câncer de Mama

Sexualidade e Câncer de Mama Sexualidade e Câncer de Mama LÚCIO FLAVO DALRI GINECOLOGIA MASTOLOGIA CIRURGIA PÉLVICA MÉDICO EM RIO DO SUL - SC PRESIDENTE DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE MASTOLOGIA REGIONAL DE SC CHEFE DO SERVIÇO DE MASTOLOGIA

Leia mais

Considerações acerca da transferência em Lacan

Considerações acerca da transferência em Lacan Considerações acerca da transferência em Lacan Introdução Este trabalho é o resultado um projeto de iniciação científica iniciado em agosto de 2013, no Serviço de Psicologia Aplicada do Instituto de Psicologia

Leia mais

PRÁTICAS ADAPTATIVAS, POLÍTICAS PÚBLICAS E O LUGAR DA PSICANÁLISE NO TRATAMENTO DO AUTISMO

PRÁTICAS ADAPTATIVAS, POLÍTICAS PÚBLICAS E O LUGAR DA PSICANÁLISE NO TRATAMENTO DO AUTISMO PRÁTICAS ADAPTATIVAS, POLÍTICAS PÚBLICAS E O LUGAR DA PSICANÁLISE NO TRATAMENTO DO AUTISMO Ana Elizabeth Araujo Luna Roseane Freitas Nicolau O presente trabalho é fruto de uma experiência realizada no

Leia mais

DEPRESSÃO COMO MAL-ESTAR CONTEMPORÂNEO

DEPRESSÃO COMO MAL-ESTAR CONTEMPORÂNEO DEPRESSÃO COMO MAL-ESTAR CONTEMPORÂNEO NASCIMENTO, Nilva Teresinha Gonçalves do Nascimento 2 ; 1 Depressão como Mal-Estar Contemporâneo; 2 Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia; 3 Universidade Luterana

Leia mais

"Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica". 1

Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica. 1 V Congresso de Psicopatologia Fundamental "Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica". 1 Autora: Lorenna Figueiredo de Souza. Resumo: O trabalho apresenta

Leia mais

TRANSTORNO DE PÂNICO: ENTENDENDO MELHOR COMO ACONTECE O TRATAMENTO NA ABORDAGEM COGNITIVO COMPORTAMENTAL.

TRANSTORNO DE PÂNICO: ENTENDENDO MELHOR COMO ACONTECE O TRATAMENTO NA ABORDAGEM COGNITIVO COMPORTAMENTAL. TRANSTORNO DE PÂNICO: ENTENDENDO MELHOR COMO ACONTECE O TRATAMENTO NA ABORDAGEM COGNITIVO COMPORTAMENTAL. * Danielle Moraes; Juliana Vieira; Marcos Fagundes. ** Cláudia Mazzoni * Alunos do curso de graduação

Leia mais

Prevenção em saúde mental

Prevenção em saúde mental Prevenção em saúde mental Treinar lideranças comunitárias e equipes de saúde para prevenir, identificar e encaminhar problemas relacionados à saúde mental. Essa é a característica principal do projeto

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PSICOLOGIA NO ATENDIMENTO A MÃES E PAIS NA MATERNIDADE

A IMPORTÂNCIA DA PSICOLOGIA NO ATENDIMENTO A MÃES E PAIS NA MATERNIDADE 6 A IMPORTÂNCIA DA PSICOLOGIA NO ATENDIMENTO A MÃES E PAIS NA MATERNIDADE Ana Paula Santos; Camile Haslinger Cássia Ferrazza Alves Elenara Farias Lazzarotto Da Costa Ligia Andrea Rivas Ramirez Cristina

Leia mais

Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos

Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos Edna Bedani Edna Bedani Mestre em Administração, Pós Graduada em Administração, com especialização em Gestão Estratégica de RH, graduada em

Leia mais

O DESENHO COMO EXPRESSÃO DA SUBJETIVIDADE EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

O DESENHO COMO EXPRESSÃO DA SUBJETIVIDADE EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA O DESENHO COMO EXPRESSÃO DA SUBJETIVIDADE EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Trabalho de curso 2014 Herminia Dias de Freitas Lahana Giacomini de Vasconcellos Luciana Stefano Acadêmica

Leia mais

Quando o medo transborda

Quando o medo transborda Quando o medo transborda (Síndrome do Pânico) Texto traduzido e adaptado por Lucas Machado Mantovani, mediante prévia autorização do National Institute of Mental Health, responsável pelo conteúdo original

Leia mais

A MORTE COMO OpçÃO PESSOAL OU REFLEXO DE UMA DOENÇA

A MORTE COMO OpçÃO PESSOAL OU REFLEXO DE UMA DOENÇA A MORTE COMO OpçÃO PESSOAL OU REFLEXO DE UMA DOENÇA Por Dr. Paulo F. M. Nicolau Há estudos pormenorizados demonstrativos de que pessoas com constantes distúrbios emocionais caracterizam-se principalmente

Leia mais

A POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO EM ANÁLISE RESUMO. pela Psicanálise. No trabalho com pessoas que têm dificuldade na integração de amoródio

A POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO EM ANÁLISE RESUMO. pela Psicanálise. No trabalho com pessoas que têm dificuldade na integração de amoródio A POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO EM ANÁLISE RESUMO Sandra C. Tschirner 1 Winnicott compreende que as técnicas psicanalíticas clássicas atenderiam a um grupo específico de pacientes, aos neuróticos, que

Leia mais

Suplementar após s 10 anos de regulamentação

Suplementar após s 10 anos de regulamentação Atenção à Saúde Mental na Saúde Suplementar após s 10 anos de regulamentação Kátia Audi Congresso Brasileiro de Epidemiologia Porto Alegre, 2008 Mercado de planos e seguros de saúde: cenários pré e pós-regulamentap

Leia mais

PROTEÇÃO DA SAÚDE MENTAL EM SITUAÇÕES DE DESASTRES E EMERGÊNCIAS (1)

PROTEÇÃO DA SAÚDE MENTAL EM SITUAÇÕES DE DESASTRES E EMERGÊNCIAS (1) Curso Lideres 2004 Salvador Bahia Brasil 29 de novembro a 10 de dezembro de 2004. PROTEÇÃO DA SAÚDE MENTAL EM SITUAÇÕES DE DESASTRES E EMERGÊNCIAS (1) Capítulo 1: Antecedentes e considerações gerais Considerando-se

Leia mais

Qualidade de vida no Trabalho

Qualidade de vida no Trabalho Qualidade de Vida no Trabalho Introdução É quase consenso que as empresas estejam cada vez mais apostando em modelos de gestão voltados para as pessoas, tentando tornar-se as empresas mais humanizadas,

Leia mais

Palavras-chave: sonho, análise funcional, terapia comportamental. A análise dos sonhos é uma questão antiga na história da humanidade, sendo

Palavras-chave: sonho, análise funcional, terapia comportamental. A análise dos sonhos é uma questão antiga na história da humanidade, sendo SONHOS: uma questão de contingências Renata Cristina Rodrigues Alves 1 Resumo: O comportamento de sonhar, para a Análise do Comportamento, está associado a eventos privados cujo acesso se dá através do

Leia mais

MECANISMOS DE DEFESA

MECANISMOS DE DEFESA 1 MECANISMOS DE DEFESA José Henrique Volpi O Ego protege a personalidade contra a ameaça ruim. Para isso, utilizase dos chamados mecanismos de defesa. Todos estes mecanismos podem ser encontrados em indivíduos

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015 PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU Ano: 2014/2015 1 - JUSTIFICATIVA A hospitalização pode ser experienciada como um dos momentos mais delicados e difíceis do processo do adoecer. Isso porque

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

Terapia Comportamental de Casais

Terapia Comportamental de Casais CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Terapia Comportamental de Casais Ana Paula M. Carvalho Cinthia Cavalcante

Leia mais

TÍTULO: A CRIANÇA E A TECNOLOGIA: PENSANDO E REPENSANDO SOBRE A FORMAÇÃO PSIQUICA NO CONTEXTO TECNOLÓGICO ATUAL

TÍTULO: A CRIANÇA E A TECNOLOGIA: PENSANDO E REPENSANDO SOBRE A FORMAÇÃO PSIQUICA NO CONTEXTO TECNOLÓGICO ATUAL Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: A CRIANÇA E A TECNOLOGIA: PENSANDO E REPENSANDO SOBRE A FORMAÇÃO PSIQUICA NO CONTEXTO TECNOLÓGICO

Leia mais

A depressão como paixão da alma Psicanálise depressão emoção - psiquiatria

A depressão como paixão da alma Psicanálise depressão emoção - psiquiatria A depressão como paixão da alma Psicanálise depressão emoção - psiquiatria Márcio Peter de Souza Leite Membro da EBP A depressão na psiquiatria No contexto da psicopatologia existem muitos usos diferentes

Leia mais

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico Mariana Antoniuk 1 Dêivid Marques 2 Maria Angela Barbato Carneiro ( orientação) 3 Abordando as diferentes linguagens da criança neste ano, dentro do

Leia mais

ESPIRITUALIDADE E SAÚDE: UMA PERSPECTIVA BIOENERGÉTICA

ESPIRITUALIDADE E SAÚDE: UMA PERSPECTIVA BIOENERGÉTICA 1 ESPIRITUALIDADE E SAÚDE: UMA PERSPECTIVA BIOENERGÉTICA Périsson Dantas do Nascimento RESUMO O trabalho tem como objetivo principal elaborar um diálogo entre a Psicossomática e a Análise Bioenergética,

Leia mais

SUPERANDO A DEPRESSÃO RESUMO

SUPERANDO A DEPRESSÃO RESUMO SUPERANDO A DEPRESSÃO Andreza do Ouro Corrêa - andreza.correa@ymail.com Mayara Cristina Costa Mariângela Pinto da Silva Gislaine Lima da Silva - gilisilva@ig.com.br Curso de Psicologia Unisalesiano/ Lins

Leia mais

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana Fome de quê? Daniela Goulart Pestana O trabalho a seguir fruto de um Cartel sobre sintomas alimentares, propõe a ser uma reflexão dos transtornos alimentares mais comuns de nossa contemporaneidade. O eixo

Leia mais

Avaliação Psicossocial: conceitos

Avaliação Psicossocial: conceitos Avaliação Psicossocial: conceitos Vera Lucia Zaher Pesquisadora do LIM 01 da FMUSP Programa de pós-graduação de Bioética do Centro Universitário São Camilo Diretora da Associação Paulista de Medicina do

Leia mais