Avaliação de desempenho do PBX Asterisk. Luís António Pereira de Sousa. Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Avaliação de desempenho do PBX Asterisk. Luís António Pereira de Sousa. Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em"

Transcrição

1 Avaliação de desempenho do PBX Asterisk Luís António Pereira de Sousa Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia de Redes de Comunicações Júri Presidente: Prof. Luís Eduardo Teixeira Rodrigues Orientador: Prof. Paulo Rogério Barreiros D'Almeida Pereira Vogal: Prof. Fernando Corte-Real Mira da Silva Setembro 2008

2 Resumo Actualmente, as centrais telefónicas ou PBX (Private Branch exchange) são uma ferramenta quase indispensável no mundo empresarial. As centrais telefónicas permitem aos colaboradores efectuar ligações entre telefones internos, ou ainda efectuar chamadas para a rede externa. Com o aumento de utilização da Internet, existe o interesse em perceber quais os serviços oferecidos, saber como configurar e avaliar o desempenho de um PBX com suporte para voz sobre IP (VoIP). O Asterisk é um PBX open source e gratuito, em software, para Linux, que suporta múltiplos protocolos (SIP, SCCP, H.323, IAX2, etc). O principal foco da dissertação incide sobre o software Asterisk, que é descrito em detalhe. São dadas instruções para a sua configuração e apresentados resultados de testes realizados com várias configurações, tendo em vista a avaliação do desempenho. São ainda descritos os aspectos fundamentais sobre o VoIP, e analisadas algumas ferramentas para análise de tráfego IP. Conclui-se que para um computador com um CPU a 2.6 GHz são obtidos valores capazes de satisfazer algumas empresas de dimensão baixa ou média, o PBX Asterisk pode suportar cerca de 125 chamadas G.711 ponto a ponto em simultâneo. Se houver transcodificação, o consumo de CPU aumenta e este valor baixa no pior caso 75%, para 25 chamadas simultâneas. Uma série de outros serviços são possíveis implementar no PBX Asterisk, dos quais foram testados as chamadas em conferência, e chamadas de resposta interactiva. Com recurso ao codec G.711 é possível efectuar uma chamada em conferência com 90 participantes, sendo o número total de chamadas simultâneas reduzido quando outras chamadas em conferência surgem, bem como no caso de se utilizar codecs mais complexos. O número máximo de chamadas suportadas pelo sistema está assim fortemente dependente dos codecs que são utilizados e consequentemente a capacidade de processamento do computador onde está instalado o PBX Asterisk. Palavras-chave: Voice over IP (VoIP), Asterisk, PBX, SIP.

3 Abstract Currently PBX (Private Branch exchange) are an almost indispensable tool in the enterprise world. The PBXs allow collaborators to make connections among the internal telephones of an enterprise and also connect them to the public switched telephone network (PSTN). With the increased use of Internet, there is a need to understand what are the services offered, how to configure and evaluate the performance of a PBX with support for voice over IP (VoIP). The Asterisk PBX is a cost free and open source software for Linux, which supports multiple protocols (SIP, SCCP, H.323, IAX2, etc). The main focus of this thesis is the Asterisk software, which is described in detail. Instructions about installation and configuration are given and results of tests with various configurations with the aim of evaluating the performance of the Asterisk PBX are presented. The key issues of VoIP are described, and some tools for analyzing IP traffic are examined. We conclude that to a computer with a 2.6 GHz CPU the values obtained are able to meet some low and medium enterprises, the Asterisk PBX may support 125 point to point G.711 calls simultaneously. In case of transcoding, the consumption of CPU increases and that value decrease 75 % to 25 calls in worst case. A great number of other services are possible to implement in Asterisk PBX, which were tested the conference calls and Interactive voice Response (IVR). Using the G.711 codec, it s possible a conference call with 90 users, with the total number of simultaneous calls reduced when other conference call arise, as well as in the case of using more complex codecs. The maximum number of calls supported by the system is so heavily dependent on the codecs that are used and hence the ability of processing of the computer where Asterisk PBX is installed. Keywords: Voice over IP (VoIP), Asterisk, PBX, SIP.

4 Índice Resumo.i Abstract.ii Siglas.iv 1 Introdução Voice Over Internet Protocol (VoIP) Protocolos SIP SDP RTP: Codecs Terminais Utilizador Gateway/Gatekeepers VoIP Servidor VoIP / IP PBX PBX Asterisk Características do PBX Asterisk Arquitectura detalhada Estrutura de organização e configuração de ficheiros Requisitos de sistema e considerações necessários para implementar o PBX Asterisk Software para análise e captura de tráfego Avaliação de desempenho PBX Asterisk Chamadas ponto a ponto Chamadas em conferência Interactive Voice Response (IVR) Análise global de resultados Conclusão e trabalhos futuros. 55 Referências... 57

5 Siglas AGI Asterisk Gateway Interface ATA Analog Telephone Adaptor HTTP Hyper Text Transfer Protocol IETF Internet Engineering Task Force ISDN Integrated Services Digital Network ITU International Telecommunication Union ITU-T ITU Telecommunication Standardization Sector IVR Interactive Voice Response MOS Mean Opinion Score NAT Network Address Translation PBX Private Branch exchange PSTN Public Switched Telephone Network QoS Quality of Service RTCP RTP Control Protocol RTP Real-time Transport Protocol SDP Session Description Protocol SIP Session Inititation Protocol SER SIP Express Router SMTP Simple Mail Tranfer Protocol UAC User Agent Client UAS User Agent Server UDP User Datagram Protocol URI Uniform Resource Identifier VoIP Voice over IP

6 1 Introdução O aumento da utilização da Internet fez com que surgissem várias tecnologias de voz sobre IP (VoIP). Em relação à telefonia tradicional (comutação de circuitos), o VoIP é actualmente mais escalável, permite a integração de novas funcionalidades e a possibilidade de redução de custos. Na perspectiva das redes de dados, o VoIP vem tornar a voz em apenas mais uma aplicação. Em relação a uma central telefónica tradicional, uma central telefónica VoIP permite para além das funcionalidades tradicionais, novas funcionalidades como por exemplo, conectar colaboradores a trabalhar a partir de casa com a central telefónica do escritório sobre conexões de banda larga, conectar facilmente escritórios em localizações geográficas distintas, oferecer voic integrado com o . Sendo estas funcionalidades realizadas com recurso à Internet ou através de uma rede IP privada. Nesta tese são analisadas, com algum detalhe, questões que devem ser levadas em consideração para se implementar um sistema PBX (Private Branch exchange) VoIP, mais concretamente o PBX Asterisk, bem como questões sobre a avaliação do seu desempenho. O Asterisk é um PBX, em software open source e gratuito, para Linux, que suporta múltiplos protocolos (SIP, IAX, H.323, etc). O Asterisk permite tanto a utilização de telefones em software como dispositivos telefónicos VoIP. São apresentadas várias configurações para o PBX Asterisk, utilizando vários cenários de utilização: chamadas ponto a ponto, chamadas em conferência e chamadas de resposta interactiva (interactive voice response, IVR). Entende-se por chamada ponto a ponto a situação em que um utilizador (emissor da chamada) telefona para outro utilizador (receptor da chamada) e estabelecem uma chamada telefónica, sendo estes os únicos intervenientes da chamada, para além do PBX Asterisk. Numa chamada em conferência, a chamada pode ter vários interlocutores, permitindo a qualquer altura a sua entrada ou saída, desde que a conferência esteja activa. No cenário de chamadas de resposta interactiva, IVR, o PBX Asterisk tem a capacidade de atender as chamadas e interagir com o interlocutor através de áudio pré-gravado, permitindo, por exemplo, instruir o interlocutor das acções a tomar. É analisado o desempenho do PBX Asterisk consoante o tipo de codificação de som utilizada, número de chamadas em simultâneo, nos vários cenários. São medidos parâmetros como: a carga na rede, utilização de recursos computacionais (cpu e memória) e tempo de resposta do PBX Asterisk. A dissertação está organizada da seguinte forma. O próximo capítulo apresenta uma introdução do VoIP e às tecnologias associadas. O capítulo 3 descreve em detalhe o que é o PBX Asterisk e os componentes que o constituem. O capítulo 4 apresenta os requisitos necessários para se implementar o PBX Asterisk, e apresenta algumas considerações úteis. O capítulo 5 apresenta uma descrição sobre o tipo de software necessário para análise e captura de tráfego IP, bem como a apresentação de alguns exemplos. O capítulo 6 apresenta a avaliação de desempenho do PBX Asterisk e os resultados obtidos para os vários cenários de teste. No capítulo 7 são apresentadas as conclusões sobre os resultados obtidos e que trabalhos futuros são relevantes para complementar esta dissertação.

7 2 Voice Over Internet Protocol (VoIP) Voz sobre IP, ou VoIP, pode ser definido com um conjunto de tecnologias e componentes que, em conjunto, disponibilizam ao utilizador a possibilidade de estabelecer chamadas de voz através de uma rede de comutação de pacotes IP. O uso do VoIP permite a utilizadores de redes de comutação de pacotes IP efectuar chamadas de voz para outros utilizadores VoIP e/ou para telefones tradicionais (PSTN - Public Switched Telephone Network). Através do VoIP é possível obter vários serviços adicionais para além de chamadas de voz, como voice mail, fax, IVR (Interactive Voice Response), chamadas em conferência, instant messaging, etc. Por forma a possibilitar a existência destes serviços, estão definidos vários protocolos, dos quais se destacam o SIP (Session Initiation Protocol), um dos protocolos de sinalização mais utilizados em VoIP, e o RTP (Real Time Transport Protocol), que ajuda a assegurar a transmissão de pacotes em aplicações tempo real. Os melhores resultados para o VoIP são garantidos utilizando redes de comutação de pacotes privadas (destinadas ao tráfego de voz), ou com recurso a fornecedores de serviços VoIP, sendo, neste caso, necessária ligação à Internet, preferencialmente de banda larga. Para analisar de forma conveniente o desempenho de um software com suporte VoIP, como o PBX Asterisk, é necessário entender quais as condições de rede que podem afectar negativamente o desempenho para VoIP. Estas são principalmente a latência, o jitter e a perda de pacotes. A latência é o tempo que um pacote demora a viajar de um ponto A para um ponto B da rede. O jitter é a variação da latência sobre uma série de pacotes. A perda de pacotes é o número de pacotes enviados de um dado ponto A da rede que nunca alcançam o ponto B. Devido ao áudio em VoIP ser enviado em tempo real por UDP, um pacote que é recebido fora de ordem tem de ser descartado se um pacote posterior já tiver sido processado pelo receptor. [1][7] Neste capítulo serão descritos os principais componentes VoIP, tais como o protocolo de sinalização de chamadas SIP, o protocolo de descrição de sessões, SDP, e o protocolo de transmissão de dados em tempo real, RTP. São descritos os vários tipos de terminais utilizador existentes, a importância dos codecs em VoIP, bem como outros componentes essenciais.

8 2.1. Protocolos SIP O protocolo de iniciação de sessão SIP (Session Initiation Protocol) é um protocolo de sinalização que opera na camada de aplicação e é desenvolvido pelo Internet Engineering Task Force (IETF)(RFC 3261)[2]. O SIP permite a criação e gestão de sessões de comunicação interactivas, como voz, vídeo e mensagens de texto sobre rede IP, tipicamente sobre UDP ou TCP, onde uma sessão é considerada como troca de dados entre uma associação de participantes. Possibilitando a entrada de participantes para uma sessão estabelecida, como conferências em multicast. O protocolo SIP é inspirado noutros protocolos de Internet com um modelo de transacção do tipo pedido/resposta semelhante ao HTTP e SMTP. Cada transacção consiste num pedido que invoca um método particular, ou uma função, no servidor e pelo menos uma resposta. O SIP é um componente que pode ser usado com outros protocolos para construir uma arquitectura multimédia. Tipicamente, estas arquitecturas incluem protocolos como o Real-time Transport Protocol (RTP) (RFC 1889) para transporte de dados tempo real e providenciar feedback acerca da qualidade de serviço (QoS) e o Session Description Protocol (SDP) que serão descritos mais à frente. Exemplo de cenário SIP O exemplo seguinte mostra as funções básicas do SIP, num cenário típico, em que existe um terminal que deseja comunicar com outro, sendo necessários parâmetros de negociação de uma sessão, estabelecimento da sessão e, por fim, o encerramento da sessão. A figura 1 mostra este exemplo típico com uma troca de mensagens SIP entre dois utilizadores, Alice e o Rui. (Cada mensagem está identificada com a letra "F" e um número para referenciar a partir do texto). Neste exemplo, Alice utiliza uma aplicação SIP no seu PC (referido como Softphone) para efectuar uma chamada para o Rui no seu telefone SIP, através da Internet. Existem ainda dois servidores proxy's SIP que actuam em nome da Alice e do Rui de forma a facilitar o estabelecimento da sessão.

9 Figura 1. Cenário exemplo, sessão SIP entre a Alice e o Rui. Descrição do cenário: A Alice telefona ao Rui (através de um softphone) utilizando a sua identidade SIP, um tipo de Uniform Resource Identifier (URI) chamado SIP URI. O SIP URI tem uma forma similar a um endereço de e- mail, tipicamente contendo o username e o hostname do utilizador. Neste caso será onde inesc é o domínio do SIP service provider (fornecedor do serviço SIP) do Rui. A Alice tem o SIP URI No exemplo da figura 1, a transacção começa quando o softphone da Alice envia um pedido INVITE endereçado para o SIP URI do Rui. INVITE é um exemplo de um método SIP que especifica a acção que o pedinte (Alice) pretende que o receptor (Rui) aceite. O pedido INVITE contém um número com os campos do cabeçalho. Os campos do cabeçalho fornecem informação adicional sobre as mensagens. Os campos presentes num INVITE incluem um identificador único da chamada, o endereço de destino, e informação sobre os tipos de sessão que a Alice gostaria de estabelecer com o Rui. O INVITE (mensagem F1 na figura 1) será semelhante ao apresentado na figura 2:

10 INVITE SIP/2.0 Via: SIP/2.0/UDP pc33.ist.utl.pt;branch=z9hg4bk776asdhds Max-Forwards: 70 To: Rui From: Alice Call-ID: CSeq: INVITE Contact: Content-Type: application/sdp Content-Length: 142 (SDP da Alice não apresentado) Figura 2 Exemplo de uma mensagem INVITE. Arquitectura SIP Os elementos básicos do SIP são os user agents, proxies, registrars, e redirect servers. Estes elementos são normalmente entidades lógicas. Sendo vantajoso localizá-los no mesmo computador, permitindo assim uma maior velocidade de processamento, no entanto a sua localização pode depender duma implementação e configuração em particular. Descrição dos principais elementos SIP: - User Agents: User agents podem ser definidos como terminais IP que utilizam SIP para se encontrarem mutuamente e negociarem as características para se estabelecer uma sessão. User agents podem residir nos computadores dos utilizadores sobre a forma de uma aplicação ou em telemóveis, PSTN gateways, PDAs, sistemas de atendimento automático, como IVR, entre outros. Cada User Agent é constituído por duas entidades lógicas, o User Agent Server (UAS) e o User Agent Client (UAC). UAC é a parte do user agent que envia pedidos e recebe respostas. UAS é a parte do user agent que recebe pedidos e envia respostas. Por exemplo, quando uma entidade está a iniciar uma chamada, o user agent comporta-se como UAC quando envia o pedido INVITE e recebe respostas ao pedido. Para quem recebe uma chamada, o user agent comporta-se como UAS aquando da recepção de um pedido INVITE e envia respostas. - Proxy servers: Na infra-estrutura de rede de um host pode ser criado um proxy server. Os proxy servers actuam como um programa intermediário, permitindo que os pedidos sejam servidos internamente ou passem para o exterior após tradução para outros servidores. Uma das funcionalidades é mapear endereços de para uma extensão do PBX para cada chamada. Um proxy server fornece ainda mecanismos de autenticação, de contabilidade, entre outras funções relevantes.

11 - Registrar: O Registrar é uma entidade SIP que recebe registos de utilizadores, extrai informação acerca da sua localização actual (endereço IP, porto, nome de utilizador, entre outros) e guarda a informação numa base de dados de localização. O propósito da base de dados de localização é fazer o mapeamento de para algo como por exemplo. A base de dados de localização será então usada pelo proxy server de inesc.pt. Quando o proxy recebe um pedido INVITE para a tradução do endereço será procurada na base de dados, após encontrar o endereço real o INVITE será enviado para lá. Cada registo tem um tempo de vida limitado. O campo do cabeçalho Expire ou o parâmetro expires do campo Contact do cabeçalho determinará por quanto tempo o registo será válido. Assim, o user agent deve renovar o registo periodicamente, por forma a que não fique indisponível. - Redirect Servers: O Redirect Server, ou servidor de redireccionamento, é uma entidade SIP que recebe um pedido e envia de volta a resposta contendo uma lista com a localização/endereços do destinatário. A sua função é fornecer resolução de nomes e localização do utilizador, recorrendo à base de dados de localização criada pelo registrar. Desta forma, o cliente poderá contactar o endereço de um utilizador directamente. O redirect server permite reduzir o processamento no proxy server que é responsável pelo encaminhamento dos pedidos e tornar mais robusto o encaminhamento da sinalização. Figura 3. Exemplo de fluxo de pedido e resposta SIP numa chamada. Na figura 3 são ilustrados os fluxos de mensagens SIP, existem vários tipos mensagem de pedido e mensagem de resposta, são descritos os principais, essências para efectuar chamadas VoIP quando se utiliza como protocolo de sinalização o SIP: Pedidos SIP: INVITE (convidar) - mensagem utilizada quando se pretende estabelecer uma sessão. ACK (confirmar) - mensagem utilizada para confirmar a resposta final do pedido INVITE. Indica que o utilizador está disponível para comunicar. BYE (despedir) - mensagem utilizada para desligar de forma ordeira uma sessão. O interveniente que pretende desligar a sessão envia uma mensagem BYE à outra parte.

12 CANCEL (cancelar) - mensagem utilizada para cancelar uma sessão que ainda não está confirmada. Tipicamente utilizado quando um pedido a resposta a um INVITE demora demasiado. REGISTER (registo) - o propósito desta mensagem é informar o registrar acerca da localização do utilizador. Os dados indicados são o nome, endereço IP e porto. Respostas SIP: Quando um user agent recebe um pedido é devolvida sempre uma resposta, à excepção do pedido ACK. O tipo de resposta é identificado por um número inteiro entre 100 e 699 e existem 6 classes de respostas: 1xx - respostas do tipo informativa, informa que o pedido associado foi recebido mas o resultado final ainda não é conhecido. Tipicamente os proxy servers enviam a mensagem 100 quando se inicia o processo de INVITE e o user agent enviam a mensagem 180 Ringing que significa que o telefone do receptor da chamada está a chamar (a tocar). 2xx - respostas finais positivas, ou de confirmação. Este tipo de resposta indica que esta será a última resposta acerca do pedido feito pelo originador, e que o pedido foi processado com sucesso e aceite. Por exemplo a mensagem 200 OK é enviada quando um utilizador aceita o convite para uma sessão (pedido INVITE). 3xx - respostas em que o objectivo é redireccionar o originador da chamada. Uma resposta deste tipo informa acerca da nova localização do utilizador ou sobre um serviço alternativo que poderá satisfazer a chamada. Geralmente enviadas por proxy servers. O originador da chamada deve reenviar um novo pedido para a nova localização. 4xx - respostas negativas, que indicam que um pedido não foi satisfeito. Informa que o problema está do lado do originador do pedido, ou este pedido não pode ser processado porque contém sintaxe incorrecta ou não pode ser satisfeita no servidor. 5xx - resposta que indica que o problema está no servidor. O pedido é aparentemente válido, mas o servidor falhou ao tentar satisfazê-lo. 6xx - respostas deste tipo indicam que um pedido não pode ser satisfeito em nenhum servidor. Por exemplo, um user agent pode enviar uma resposta 603 Decline quando este não quer participar numa sessão SDP O SDP (Session Description Protocol) é um protocolo que fornece uma representação standard para a descrição dos parâmetros de inicialização para uma sessão, como por exemplo, chamadas VoIP, streaming vídeo, teleconferências multimédia. Este protocolo foi publicado pela IETF como RFC

13 4566[3] e é apropriado para incorporar diferentes protocolos, como o SIP (Session Initiation Protocol), RTSP (Real Time Streaming Protocol), HTTP (Hypertext Transport Protocol), entre outros. A negociação dos parâmetros para uma sessão, em termos de conteúdo ou codificação, está fora do âmbito da descrição de sessão feita pelo SDP. Este protocolo é utilizado em SIP para se proceder à descrição de sessão, que permite aos participantes acordarem a compatibilidade dos tipos de dados a utilizar. Uma descrição de sessão SDP deve conter a seguinte informação: - O tipo de dados (vídeo, áudio, etc.) - O protocolo de transporte (RTP/UDP/IP, H.320, etc.) - O formato do tipo de dados utilizado (vídeo H.261, vídeo MPEG, etc.) Adicionalmente ao formato dos dados e ao protocolo de transporte, o SDP requer o endereço e porto utilizados. Uma descrição de sessão SDP consiste num conjunto de linhas de texto na seguinte forma: <tipo>=<valor> Exemplo de descrição SDP: c=in IP m=audio RTP/AVP 0 O exemplo mostra a informação, transmitida no payload de uma mensagem INVITE de SIP, para uma conexão de voz, que se pretende estabelecer. É indicado o endereço IP de origem, onde o emissor pretende receber a transmissão de voz e o tipo de dados (áudio), número do porto, protocolo e lista de formatos de dados suportados, segundo a sintaxe: c=<network type> <address type> <connection address> m=<media> <port>/<number of ports> <transport> <fmt list> Existem vários parâmetros para descrever uma sessão no caso de uma chamada VoIP (parâmetros opcionais marcados com * ): m= nome do media e endereço para transporte. i=* designação do media. c=* informação sobre a conexão. b=* informação sobre largura de banda. k=* chave de cifra a=* atributos do media RTP O RTP (Real-time Transport Protocol), é um protocolo de rede da camada de aplicação utilizado para transferência de dados de tempo real, tais como áudio e vídeo. O RTP é geralmente o protocolo utilizado para transmitir o fluxo de voz para VoIP, oferecendo mecanismos de associação de

14 numeração de sequência, identificação do formato de codificação e informação temporal. O RTP deixa o processamento desta informação a cargo da aplicação, não oferecendo por si mecanismos de garantia de entrega, sequência ou QoS. Este protocolo foi publicado pela IETF com o RFC 3550[4] e pode ser usado sobre qualquer protocolo de transporte, sendo normalmente utilizado sobre UDP, multicast ou unicast. Associado ao protocolo RTP está associado o protocolo RTCP (RTP Control Protocol), utilizado para monitorizar a qualidade de serviço e para transmitir informações sobre os participantes numa sessão em curso. A quantidade de largura de banda utilizada pelo RTCP deve ser pequena, de forma a não comprometer o transporte dos dados de tempo real. Especificações do IETF recomendam que a fracção de largura de banda usada pelo RTCP deve ser 5% da banda utilizada pelo RTP. A mensagem RTP possui um cabeçalho com um mínimo de 12 bytes contendo informação referente aos dados contidos no pacote, sendo ainda necessário passar informação de controlo através dos cabeçalhos dos protocolos utilizados para transportar o pacote RTP. No caso de se utilizar UDP, o pacote UDP (incluindo o pacote RTP) é encapsulado num pacote IP, possuindo por sua vez um cabeçalho do MAC (media access control) utilizado, conforme o exemplo da figura 3. Figura 3. Ilustração de uma mensagem RTP. 2.2 Codecs No âmbito VoIP, codec (abreviatura de coder/decoder), pode ser definido como um algoritmo usado para codificar e descodificar fluxos de voz. A voz e o som como nós o ouvimos é analógico e tem de ser convertido (ou codificado) para o formato digital, de forma a poder ser transmitido numa rede de comutação de pacotes IP. Da mesma forma, no extremo oposto (receptor) é necessário descodificar a voz para que o utilizador possa ouvir o que foi transmitido. Existem diversas formas de codificar e descodificar os fluxos de voz, muitas das quais utilizam compressão de forma a reduzir a largura de banda necessária para uma conversação VoIP. Para possibilitar uma compressão elevada, torna-se necessário agrupar blocos de amostras e processar estes blocos. Estas duas operações introduzem atrasos na conversação. Um bom codec deve codificar e descodificar o fluxo de voz no menor tempo possível, mantendo a qualidade nos fluxos de voz. O objectivo dos vários algoritmos de codificação é alcançar o melhor compromisso qualidade/eficiência. Dado que largura de banda é sempre finita, o número de chamadas de voz simultâneas que uma conexão permite está directamente relacionada com o tipo de codec utilizado. Alguns codecs suportam a detecção/supressão de silêncio, permitindo uma diminuição na utilização da rede quando não há som para transmitir. Pode ser utilizada geração de ruído de conforto(comfort Noise Generation), o comfort noise é utilizado para que os utilizadores não pensem que a chamada caiu. Geralmente corresponde a uma transmissão a um ritmo muito mais baixo.

15 Existem vários codecs disponíveis, destacando-se: G.711, G.726, G.723.1, G.729A, GSM, ilbc, Speex, MP3.[5] A tabela 1 mostra os parâmetros principais dos codecs utilizados em chamadas VoIP. A frequência de amostragem corresponde ao dobro da frequência mais elevada do som que pode ser reproduzida, de acordo com o teorema da amostragem. O atraso algorítmico corresponde ao atraso que obteríamos no som ligando directamente um codificador a um descodificador, se o processamento das amostras fosse instantâneo. O Mean Opinion Score corresponde à opinião média sobre a qualidade do som produzido pelo codec, sendo 5 o valor máximo e 1 o mínimo. A capacidade de processamento necessária para o codec funcionar é dada como o número de milhões de instruções por segundo. Freq. Ritmo Atraso Mean amostragem binário algorítmico Opinion Processamento Codec Algoritmo (KHz) (kbit/s) (ms) Score (MIPS) G.711 PCM G.722 ADPCM 16 48/56/ G Siren /32 40 G ACELP / G.726 ADPCM 8 16/24/32/ a kbit/s G.728 LD_CELP G.729A ACELP GSM- FR GSM- EFR GSM- AMR RPE-LTP ACELP ACELP e outras (a 12.2 kbit/s) ilbc LPC / Speex CELP 8/16/ Tabela 1. Síntese dos principais codecs utilizados em VoIP.[6] 2.3 Terminais Utilizador Os sistemas terminais VoIP, constituem a interface pessoa máquina, permitindo ao utilizador efectuar chamadas VoIP e utilizar todos os serviços disponíveis. [1][5][7][8] Existem diversos tipos de terminais utilizador:

16 - ATA (analog telephone adaptor) - É um adaptador para telefones analógicos, que permite converter sinais analógicos para digitais. Permitindo assim ligar um telefone standard (analógico) a um computador ou à ligação de rede IP para utilizar VoIP. Figura 4. Adaptador para telefones analógicos da marca Cisco. - Telefones IP Têm um aspecto semelhante aos telefones tradicionais (analógicos), mas ao invés de terem um conector RJ-11, os telefones IP têm um conector RJ-45 Ethernet, ou USB. Podem ser ligados directamente a um router e possuem todo o software e hardware necessário para efectuar uma chamada de voz sobre a rede IP. Figura 5. Telefone IP da marca Cisco. - Softphones São aplicações software, que quando instaladas num computador permitem utilizar os serviços VoIP. Para além do software é necessário hardware adicional como: placa de som, dispositivos de saída áudio (altifalantes) e microfone, geralmente utiliza-se um headset ligado à placa de som. Neste caso os componentes de áudio in/out são utilizados para controlar a voz, ou seja, são a interface física do telefone. Figura 6. Softphone xten a correr em Windows XP.

17 2.4 Gateway/Gatekeepers VoIP Os gateways VoIP permitem que sejam efectuadas chamadas entre terminais que normalmente não poderiam inter-operar (SIP/ISDN, IPv4/IPv6, diferentes sistemas de codificação de voz). Os gateways mais utilizados são os que ligam telefones IP aos telefones tradicionais (comutação de circuitos). Gatekeepers são responsáveis pela admissão de chamadas e controlo de largura de banda. [1][7] 2.5 Servidor VoIP / IP PBX Um Servidor VoIP/IP PBX é um sistema onde são processadas as chamadas de voz, bem como os serviços adicionais, como por exemplo: chamadas em conferência, integração do sistema de mensagens voic / , presença, redireccionamento/forking, IVR, instant messaging, etc. Estes serviços podem estar em máquinas diferentes. Um PBX (Private Branch Exchange ou ainda PABX para Private Automatic Branch Exchange) pode ser definido como um sistema de troca automática de ramais privados, e centro de distribuição telefónica privada, isto numa rede tradicional (circuitos comutados). De modo análogo, um IP PBX fornece todas as funções que um PBX tradicional oferece, mas neste caso também suporta VoIP. Um IP PBX é baseado em software, que pode correr em diversas plataformas, como Linux e Windows. [1][7]

18 3 PBX Asterisk O Asterisk é um software open source gratuito para Linux, desenvolvido por Mark Spencer. Este software apresenta todas as funcionalidades de um PBX (Private Branch exchange) tradicional, bem como funcionalidades adicionais como o IVR (Interactive Voice Response). O Asterisk é essencialmente um PBX VoIP que suporta múltiplos protocolos utilizados em VoIP (SIP, SCCP, H.323, IAX2, etc). Permite tanto a utilização de telefones em software como dispositivos telefónicos VoIP. Sendo também possível inter-operar com os sistemas de telefonia tradicionais, sendo neste caso necessário hardware adicional. [5][8][9][12][13] 3.1 Características do PBX Asterisk - Distribuição de chamada recebida: O Asterisk permite receber uma chamada telefónica, olhar para os atributos da mesma e tomar decisões de encaminhamento com base no seu conteúdo. Exemplos de como encaminhar uma chamada podem ser: enviar para uma extensão única, um grupo de extensões, gravar a chamada, entre outros. - Informação detalhada de chamada: O Asterisk mantém o registo completo de detalhe de chamadas. Esta informação pode ser guardada num flat file, ou em base de dados permitindo uma apresentação mais formatada e com maior facilidade de análise. A partir desta informação podemos monitorizar a utilização do Asterisk, podendo detectar padrões ou anomalias. - Sistema IVR: O Asterisk permite configurar um sistema IVR (Interactive Voice Response), este permite que seja programado de forma flexível o atendimento de chamadas, de forma a dar algum tipo de resposta às mesmas sem interacção humana. Sendo o emissor da chamada a escolher uma das opções que lhe são expostas. O Asterisk permite que este sistema reproduza ficheiros áudio, faça leitura de texto, e até devolver informação a partir de uma base de dados. Através do toque em teclas do telefone é possível interagir com sistema, por exemplo um sistema de votação via telefone, ou aceder a uma conta no banco, inserindo o número de conta e palavra secreta através do teclado, seguindo ordens do sistema telefónico. - Sistema de correio de voz: O Asterisk inclui um sistema de voice mail completo. São suportados contextos, permitindo que múltiplas entidades possam estar hospedadas no mesmo servidor. Suporta diferentes fusos horários permitindo aos utilizadores perceber quando as chamadas chegaram ao voice mail. Existe também a capacidade de notificar o destinatário sobre uma nova mensagem de voz por , com a possibilidade de anexar a mensagem áudio gravada.

19 - SIP Proxy limitado: Através do Asterisk podem ser efectuadas e recebidas chamadas SIP. Em SIP, os dispositivos registam-se num servidor SIP. E este servidor permite aos dispositivos localizarem-se mutuamente para estabelecer comunicações. Quando um número elevado de dispositivos SIP é utilizado, um proxy SIP é implementada para manipular os registos e conexões de forma eficiente. Contudo, o Asterisk, não actua como SIP Proxy. Os dispositivos SIP podem registar-se com o Asterisk, mas com o aumento do número de dispositivos SIP, o Asterisk não escala de forma conveniente. Por exemplo, para um sistema com cerca de 100 dispositivos SIP, o Asterisk não será apropriado.[8] O Asterisk pode ser configurado para utilizar um proxy para registos. Um dos proxys SIP mais utilizadas é o SER (SIP Express Router).[21] O SER é um proxy SIP open source que permite ao Asterisk escalar em instalações de larga escala. 3.2 Arquitectura detalhada O núcleo do Asterisk manipula os seguintes componentes internamente: - PBX Switching: A essência do Asterisk é o Private Branch Exchange Switching system, permitindo interconexão de chamadas para os vários utilizadores e automação de tarefas. O Switching Core conecta de forma transparente as chamadas efectuadas em várias interfaces hardware e software. - Application Launcher: O Application Launcher é responsável por lançar aplicações que executam serviços, como o voice mail e playback de ficheiros. - Codec Translator: O componente Codec Translator utiliza o módulo codec para codificar e descodificar vários formatos de compressão existente na indústria telefónica. - Scheduler and I/O Manager: Este componente é um calendarizador de input, output e é responsável por manipular as tarefas de baixo nível agendadas e pela gestão do sistema de forma a optimizar o desempenho para todas as condições de carga. No Asterisk estão definidas quatro APIs para os módulos carregáveis, facilitando a abstracção ao nível de protocolos e hardware. Com os módulos carregáveis, o núcleo Asterisk não tem de se preocupar com os detalhes sobre como o emissor de uma chamada se está a conectar, que codec está a utilizar, etc. - Channel API: O Channel API manipula o tipo de conexões que o emissor de uma chamada efectua, seja esta uma conexão VoIP, ISDN, PRI, ou através de outra tecnologia. Módulos dinâmicos são carregados para manipular os detalhes da camada inferior destas conexões. Cada chamada em Asterisk é feita sobre uma interface num canal distinto.

20 - Application API: A API de aplicação permite que várias aplicações como voice mail, chamada em conferência, transmissão de dados, chamada em espera, entre outras, sejam carregadas a partir de módulos específicos consoante a aplicação. - Codec Translator API: A API de tradução de codec s, é responsável por carregar os módulos de codecs, tornando possível traduzir o sinal de voz a processar para outro formato desejado. Existem vários formatos de codificação áudio como o GSM, G.711, G.722, mp3, etc. - File Format API: A API de formato de ficheiros permite a manipulação de ficheiros de vários formatos para leitura e escrita, e para armazenamento de dados fisicamente no sistema. Por exemplo, ficheiros áudio podem ser utilizados como toques de chamada, para música em espera ou para utilizar no voice mail. O Asterisk permite ler e reproduzir sons em diferentes formatos entre os quais, WAV, AU, e MP Estrutura de organização e configuração de ficheiros A flexibilidade do Asterisk é controlada através de ficheiros de configuração em formato ASCII, localizados na directoria /etc/asterisk. Estes ficheiros apresentam uma sintaxe fácil de entender. Tendo um formato muito similar ao formato win.ini utilizado no antigo Microsoft Windows 3.1. Os ficheiros de configuração estão divididos em secções, em que o nome da secção se encontra entre parêntesis rectos. Um simples exemplo da sintaxe dos ficheiros de configuração é apresentado na figura 7. ; Um ficheiro de configuração deve ; começar pelo nome da secção ; excepto se for um comentário [seccao1] identificador = valor [seccao2] identificador = valor objecto => valor ; atribuir valor a uma variável ; declaração de objectos Figura 7. Ficheiro de configuração exemplo. Embora todos os ficheiros de configuração Asterisk partilhem a mesma sintaxe, existem pelo menos três grupos gramaticais distintos tipicamente usados: Grupos simples: O formato de ficheiros de configuração nos grupos simples é o formato mais simples que podemos encontrar de entre os grupos gramaticais, no qual os objectos são declarados com todas as opções

Instituto Superior Técnico. Projecto VoIP. Sistema IVVR

Instituto Superior Técnico. Projecto VoIP. Sistema IVVR Instituto Superior Técnico Projecto VoIP Sistema IVVR 68239 Rui Barradas 68477 Helton Miranda 68626 Ludijor Barros 72487 Bruna Gondin Introdução O objectivo deste projecto é desenvolver um sistema de Interactive

Leia mais

Introdução ao protocolo SIP*

Introdução ao protocolo SIP* Introdução ao protocolo SIP* 1. SIP (Session Initiation Protocol) Pode se dizer que SIP trata se de um protocolo de controle referente à camada de aplicações do Modelo de Referência OSI (Open System Interconnection),

Leia mais

REDES INTEGRADAS DE COMUNICAÇÕES. Enunciado do Projecto de. VoIP

REDES INTEGRADAS DE COMUNICAÇÕES. Enunciado do Projecto de. VoIP REDES INTEGRADAS DE COMUNICAÇÕES Enunciado do Projecto de VoIP Paulo Rogério Pereira, SETEMBRO DE 2011 1. Objectivo Este trabalho tem como objectivo desenvolver um sistema de Interactive Video Voice Response

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 5 VoIP Tecnologias Atuais de Redes - VoIP 1 Conteúdo Conceitos e Terminologias Estrutura Softswitch Funcionamento Cenários Simplificados de Comunicação em VoIP Telefonia

Leia mais

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha As principais tecnologias de Voz sobre Rede de dados: Voz sobre Frame Relay Voz sobre ATM Voz sobre IP VoIP sobre MPLS VoIP consiste no uso das redes de dados

Leia mais

Implementação de Asterisk (IP PBX) Henrique Cavadas 200803845 José Figueiredo 200604114

Implementação de Asterisk (IP PBX) Henrique Cavadas 200803845 José Figueiredo 200604114 Implementação de Asterisk (IP PBX) Henrique Cavadas 200803845 José Figueiredo 200604114 20 de Dezembro de 2014 Serviços de Comunicações Conteúdo 1 Introdução 2 2 Contextualização 3 2.1 PBX...................................

Leia mais

Contribuição acadêmica

Contribuição acadêmica Contribuição acadêmica Origem deste trabalho em cadeiras do curso de mestrado na COPPE/UFRJ; Continuidade da contribuição acadêmica através do laboratório RAVEL: desenvolvimento de sw para apoio; intercâmbio

Leia mais

SIP Session Initiation Protocol

SIP Session Initiation Protocol SIP Session Initiation Protocol Pedro Silveira Pisa Redes de Computadores II 2008.2 Professores: Luís Henrique Maciel Kosmalski Costa Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Outubro de 2008 Índice Introdução

Leia mais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 3: VoIP INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 As telecomunicações vêm passando por uma grande revolução, resultante do

Leia mais

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H.

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H. Departamento de Engenharia de Telecomunicações - UFF Aplicações Multimídia Distribuídas Aplicações Multimídia Distribuídas Videoconferência Padrão H.323 - ITU Padrão - IETF Profa. Débora Christina Muchaluat

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº7 Análise do tráfego na rede Protocolos TCP e UDP Objectivo Usar o Ethereal para visualizar

Leia mais

11. VOZ SOBRE IP. VoIP. 25 Capitulo 11

11. VOZ SOBRE IP. VoIP. 25 Capitulo 11 11. VOZ SOBRE IP 11.1 INTRODUÇÃO Voz com qualidade de operador (carrier-grade voice) significa o seguinte: - Elevada disponibilidade. Um operador tem a rede disponível 99.999% do tempo (down-time< 5min.

Leia mais

Protocolo de Sinalização SIP

Protocolo de Sinalização SIP Protocolos de Sinalização Protocolos com processamento distribuído e clientes/terminais inteligentes SIP - Session Initiation Protocol, desenvolvido pelo IETF para comunicação multimídia pela Internet

Leia mais

SIP Session Initiation Protocol

SIP Session Initiation Protocol Session Initiation Protocol Carlos Gustavo A. da Rocha Session Initiation Protocol Desenvolvido pelo IETF RFC 2543 (Fev 1999) RFC 3261 (Jun 2002) É um protocolo de sinalização para sessões multimídia Negociação;

Leia mais

HTVix HA 211. Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro)

HTVix HA 211. Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro) 1 HTVix HA 211 1. Interfaces Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro) Conector RJ11 para conexão de aparelho telefônico analógico ou o adaptador para telefone e rede de telefonia convencional

Leia mais

Redes de Acesso Telefone VoIP WiFi baseado em Windows Mobile

Redes de Acesso Telefone VoIP WiFi baseado em Windows Mobile Telefone VoIP WiFi baseado em Windows Mobile Trabalho realizado pelos alunos: Grupo 17 Índice A Introdução...3 B Objectivos...3 C Especificações, Desenvolvimento e Testes...3 C.1 Especificações...3 C.2

Leia mais

Arquitecturas Multimédia

Arquitecturas Multimédia Arquitecturas Multimédia FEUP/DEEC/RBL 2002/03 José Ruela Arquitecturas para Comunicações Multimédia Arquitectura Multimédia IETF» Session Initiation Protocol (SIP)» Session Announcement Protocol (SAP)»

Leia mais

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP Introdução ao TCP/IP 2 Modelo TCP/IP O Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD) desenvolveu o modelo de

Leia mais

Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são?

Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são? Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são? Aplicações Multimédia: áudio e vídeo pela rede ( meios contínuos ) QoS a rede oferece às aplicações o nível de desempenho necessário para funcionarem.

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática 1 Este é o seu teste de avaliação de frequência. Leia as perguntas com atenção antes de responder. Escreva as suas respostas nesta folha de teste, marcando um círculo em volta da opção ou opções que considere

Leia mais

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP)

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Telefonia Tradicional PBX Telefonia Pública PBX Rede telefônica tradicional usa canais TDM (Time Division Multiplexing) para transporte da voz Uma conexão de

Leia mais

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Introdução a Redes Convergentes. Camadas de uma rede convergente. Desafios na implementação de redes convergentes. Introdução a Redes Convergentes.

Leia mais

Introdução à voz sobre IP e Asterisk

Introdução à voz sobre IP e Asterisk Introdução à voz sobre IP e Asterisk José Alexandre Ferreira jaf@saude.al.gov.br Coordenador Setorial de Gestão da Informática CSGI Secretaria do Estado da Saúde SES/AL (82) 3315.1101 / 1128 / 4122 Sumário

Leia mais

Contato FreeBSD Brasil LTDA Configuração VoIP de Exemplo FreeBSD Brasil LTDA Instrucões Conf VoIP Versão 1.1 PUBLICO pg 1/22

Contato FreeBSD Brasil LTDA Configuração VoIP de Exemplo FreeBSD Brasil LTDA Instrucões Conf VoIP Versão 1.1 PUBLICO pg 1/22 Contato Instrucões Conf VoIP Versão 1.1 pg 1/22 CLASSIFICAÇÃO: X NÃO CLASSIFICADO NÃO CLASSIFICADO PRIVADO X PÚBLICO SECRETO PARTICULAR ALTAMENTE SECRETO PRIVADO Contato Instrucões Conf VoIP Versão 1.1

Leia mais

Protocolos Sinalização

Protocolos Sinalização Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com São protocolos utilizados para estabelecer chamadas e conferências através de redes via IP; Os

Leia mais

Aplicações e redes multimédia

Aplicações e redes multimédia Aplicações e redes multimédia Aplicações multimédia Streaming de áudio e vídeo RTSP, RTP Telefonia pela Internet RTCP, RTP, SIP Disciplinas de serviço e policiamento de tráfego Serviços integrados RSVP

Leia mais

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed quality of service Resumo para a disciplina de Processamento Digital de

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Introdução VoIP (Voice over Internet Protocol) A tecnologia VoIP vem sendo largamente utilizada

Leia mais

Tecnologias da Internet (T) Avaliação de Frequência (v1) 60 minutos * 09.05.2012

Tecnologias da Internet (T) Avaliação de Frequência (v1) 60 minutos * 09.05.2012 1 Este é o seu teste de avaliação de frequência. Leia as perguntas com atenção antes de responder e tenha atenção que algumas perguntas podem ter alíneas de resposta em páginas diferentes. Escreva as suas

Leia mais

Vodafone ADSL Station Manual de Utilizador. Viva o momento

Vodafone ADSL Station Manual de Utilizador. Viva o momento Vodafone ADSL Station Manual de Utilizador Viva o momento 3 4 5 5 6 6 7 8 9 12 12 14 16 17 18 19 20 21 22 22 23 23 24 24 24 25 26 27 Ligar o Router LEDs Configuração do Router Aceder à ferramenta de configuração

Leia mais

Relatório Asterisk. Pedro Brito 100503279

Relatório Asterisk. Pedro Brito 100503279 Relatório Asterisk Unidade Curricular: SCOM Ano Letivo: 2014/2015 Docente: João Manuel Couto das Neves Alunos: Diogo Guimarães 100503158 Pedro Brito 100503279 Índice Introdução... 2 Instalação e Configuração

Leia mais

Sistemas Multimédia. Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações

Sistemas Multimédia. Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações Sistemas Multimédia Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP Redes e Comunicações Francisco Maia famaia@gmail.com Já estudado... Motivação Breve História Conceitos Básicos Tipos de Redes Componentes

Leia mais

Protocolos Multimídia. Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano

Protocolos Multimídia. Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano Exemplos de Aplicações Multimídia Mídia Armazenada: conteúdo gravado e armazenado play/pause/rewind/forward Streaming : vê o conteúdo enquanto baixa o arquivo evita

Leia mais

A recomendação H.323 define um arcabouço (guarda-chuva) para a estruturação dos diversos

A recomendação H.323 define um arcabouço (guarda-chuva) para a estruturação dos diversos Videoconferência: H.323 versus SIP Este tutorial apresenta uma avaliação técnica e as tendências que envolvem os serviços providos pela pilha de protocolos do padrão H.323, especificados pelo ITU-T, e

Leia mais

Redes de Comunicação Modelo OSI

Redes de Comunicação Modelo OSI Redes de Comunicação Modelo OSI Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia, Electrónica, Telecomunicações e Computadores Redes de Computadores Processos que comunicam em ambiente

Leia mais

Sony lança PCS-HG90, o novo modelo de videoconferência no mercado

Sony lança PCS-HG90, o novo modelo de videoconferência no mercado Sony lança PCS-HG90, o novo modelo de videoconferência no mercado Objectivo A Sony possui um leque muito variado de equipamentos de videoconferência que abrange praticamente todas as necessidades do Mercado.

Leia mais

Introdução ao VoIP Codecs

Introdução ao VoIP Codecs Introdução ao VoIP Codecs Carlos Gustavo A. da Rocha Introdução ao VoIP Relembrando Telefonia analógica usa frequências captadas como voz humana na faixa de 0 a 4000Khz Para digitalizar a voz é necessário

Leia mais

Prof. Sandrina Correia

Prof. Sandrina Correia Tecnologias de I informação de C omunicação 9º ANO Prof. Sandrina Correia TIC Prof. Sandrina Correia 1 Objectivos Definir os conceitos de Hardware e Software Identificar os elementos que compõem um computador

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

Um Pouco de História

Um Pouco de História Telefonia IP Um Pouco de História Uma Breve Introdução às Telecomunicações Telefonia Tradicional Conversão analógica-digital nas centrais (PCM G.711) Voz trafega em um circuito digital dedicado de 64 kbps

Leia mais

Streaming na pratica Shoutcast Flumotion

Streaming na pratica Shoutcast Flumotion Streaming na pratica Shoutcast Flumotion Felipe Santos dos Santos 1 1 Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas(FATEC) Rua Gonçalves Chaves, 602 Centro CEP: 96.015-560 Pelotas RS Brasil Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

O protocolo H.323 UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br

O protocolo H.323 UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br UNIP rffelix70@yahoo.com.br Este protocolo foi projetado com o intuito de servir redes multimídia locais com suporte a voz, vídeo e dados em redes de comutação em pacotes sem garantias de Qualidade de

Leia mais

ASTERISK. João Cepêda & Luís Borges SCOM 2013

ASTERISK. João Cepêda & Luís Borges SCOM 2013 ASTERISK João Cepêda & Luís Borges SCOM 2013 VISÃO GERAL O que é Como funciona Principais Funcionalidades Vantagens vs PBX convencional O QUE É Software open-source, que corre sobre a plataforma Linux;

Leia mais

Serviços Prestados Infovia Brasília

Serviços Prestados Infovia Brasília Serviços Prestados Infovia Brasília Vanildo Pereira de Figueiredo Brasília, outubro de 2009 Agenda I. INFOVIA Serviços de Voz Softphone e Asterisk INFOVIA MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO INFOVIA MINISTÉRIO

Leia mais

USO DO ASTERISK COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO PRÁTICO DE TELEFONIA

USO DO ASTERISK COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO PRÁTICO DE TELEFONIA USO DO ASTERISK COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO PRÁTICO DE TELEFONIA Caio Fernandes Gabi cfgabi@hotmail.com Intituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba IFPB Av. 1º de Maio, nº. 720,

Leia mais

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP.

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP. Exercícios: Redes WAN Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é

Leia mais

GT-VOIP Relatório I.9: Avaliação do Ambiente Sphericall da Marconi. Setembro de 2002

GT-VOIP Relatório I.9: Avaliação do Ambiente Sphericall da Marconi. Setembro de 2002 GT-VOIP Relatório I.9: Avaliação do Ambiente Sphericall da Marconi Setembro de 2002 Objetivo deste estudo é realizar testes de análise de performance, funcionalidade, confiabilidade e sinalização com o

Leia mais

PABX IP utilizando Asterisk

PABX IP utilizando Asterisk PABX IP utilizando Asterisk Hélio Loureiro [helio AT loureiro DT eng DT br] [hloureiro AT dlinkbrasil DT com DT br] Palestrante Debian desde 2.0 (Hamm) Moderador da lista linux br Hélio Loureiro http://helio.loureiro.eng.br

Leia mais

Protocolo SIP. Licenciatura em Engenharia de Sistemas Informáticos PL. Comunicação de Dados. Pedro Fernandes 7839 Nuno Costa 3676 1

Protocolo SIP. Licenciatura em Engenharia de Sistemas Informáticos PL. Comunicação de Dados. Pedro Fernandes 7839 Nuno Costa 3676 1 Pedro Fernandes 7839 Nuno Costa 3676 1 Protocolo SIP Licenciatura em Engenharia de Sistemas Informáticos PL Comunicação de Dados Resumo Neste documento pretende-se explicar o funcionamento do protocolo

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Guia de funcionamento do projector em rede

Guia de funcionamento do projector em rede Guia de funcionamento do projector em rede Tabela de conteúdos Preparação...3 Ligar o projector ao seu computador...3 Ligação sem fios (para alguns modelos)... 3 QPresenter...5 Requisitos mínimos do sistema...5

Leia mais

O endereço IP (v4) é um número de 32 bits com 4 conjuntos de 8 bits (4x8=32). A estes conjuntos de 4 bits dá-se o nome de octeto.

O endereço IP (v4) é um número de 32 bits com 4 conjuntos de 8 bits (4x8=32). A estes conjuntos de 4 bits dá-se o nome de octeto. Endereçamento IP Para que uma rede funcione, é necessário que os terminais dessa rede tenham uma forma de se identificar de forma única. Da mesma forma, a interligação de várias redes só pode existir se

Leia mais

Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura

Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura Maio de 2005 Esse documento descreve a arquitetura do serviço fone@rnp. RNP/REF/0343a Versão Final Sumário 1. Arquitetura... 3 1.1. Plano de numeração... 5 1.1.1.

Leia mais

Serviços de Comunicações RELATÓRIO LABORATORIAL IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO IP PBX

Serviços de Comunicações RELATÓRIO LABORATORIAL IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO IP PBX Serviços de Comunicações RELATÓRIO LABORATORIAL IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO IP PBX 19 de Dezembro de 2014 Carlos Leocádio - ee09313@fe.up.pt Tiago Ferreira - ee10085@fe.up.pt Departamento de Engenharia Electrotécnica

Leia mais

Suporte: http://www.mkkdigital.pt/support/upload/index.php

Suporte: http://www.mkkdigital.pt/support/upload/index.php Website: http://www.mkkdigital.pt Suporte: http://www.mkkdigital.pt/support/upload/index.php Introdução As centrais telefónicas 3CX foram desenvolvidas para o tecido empresarial, com sistemas de última

Leia mais

SCOM 2014/2015. Asterisk. João Teixeira 070503247

SCOM 2014/2015. Asterisk. João Teixeira 070503247 SCOM 2014/2015 Asterisk João Teixeira 070503247 19 de dezembro de 2014 Índice Introdução... 1 Instalação... 2 Instalação do software Asterisk:... 2 Configuração... 5 Criação de extensões... 5 Registo de

Leia mais

Modelo de Camadas OSI

Modelo de Camadas OSI Modelo de Camadas OSI 1 Histórico Antes da década de 80 -> Surgimento das primeiras rede de dados e problemas de incompatibilidade de comunicação. Década de 80, ISO, juntamente com representantes de diversos

Leia mais

TELEFONIA IP E ANYPBX SISTEMA DE GESTÃO DE CHAMADAS

TELEFONIA IP E ANYPBX SISTEMA DE GESTÃO DE CHAMADAS TELEFONIA IP E ANYPBX SISTEMA DE GESTÃO DE CHAMADAS GANASCIM, R.; FERNANDES, F. N. RESUMO O artigo apresenta um estudo relacionado a tecnologias de voz sobre IP, ou telefonia IP, que tratam do roteamento

Leia mais

Manual do utilizador. Aplicação de agente

Manual do utilizador. Aplicação de agente Manual do utilizador Aplicação de agente Versão 8.0 - Otubro 2010 Aviso legal: A Alcatel, a Lucent, a Alcatel-Lucent e o logótipo Alcatel-Lucent são marcas comerciais da Alcatel-Lucent. Todas as outras

Leia mais

ETI/Domo. Português. www.bpt.it. ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14

ETI/Domo. Português. www.bpt.it. ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14 ETI/Domo 24810180 www.bpt.it PT Português ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14 Configuração do PC Antes de realizar a configuração de todo o sistema, é necessário configurar o PC para que esteja pronto

Leia mais

Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores

Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores Interligações de LANs: Equipamentos Elementos de interligação de redes Aplicação Apresentação Sessão Transporte Rede Ligação Física LLC MAC Gateways

Leia mais

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web João Alexandre Oliveira Ferreira Dissertação realizada sob a orientação do Professor Doutor Mário de Sousa do Departamento de Engenharia

Leia mais

Mobilidade na camada de Aplicação. Session Initiation Protocol (SIP)

Mobilidade na camada de Aplicação. Session Initiation Protocol (SIP) Mobilidade na camada de Aplicação usando o Session Initiation Protocol (SIP) Referências: RFC 3261, IETF SIP Working Group http://www.radvision.com www.cs.columbia.edu/hgs/ www.networkcomputing.com Introdução

Leia mais

Manual básico de configuração. ATA (Adaptador de Terminal Analógico) Modelo Linksys PAP2T

Manual básico de configuração. ATA (Adaptador de Terminal Analógico) Modelo Linksys PAP2T Manual básico de configuração ATA (Adaptador de Terminal Analógico) Modelo Linksys PAP2T Índice 1 Objetivo deste documento... 3 2 Entendendo o que é um ATA... 3 3 Quando utilizar o ATA... 4 4 Requisitos

Leia mais

VoIP. 1. Introdução. 2. Conceitos e Terminologias. Tecnologias Atuais de Redes VoIP

VoIP. 1. Introdução. 2. Conceitos e Terminologias. Tecnologias Atuais de Redes VoIP 1. Introdução Muitas empresas ao redor do mundo estão conseguindo economizar (e muito) nas tarifas de ligações interurbanas e internacionais. Tudo isso se deve a uma tecnologia chamada (Voz sobre IP).

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores TCP/IP Adriano Lhamas, Berta Batista, Jorge Pinto Leite Março de 2007 Pilha TCP/IP Desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos EUA Objectivos: garantir a comunicação sob quaisquer circunstâncias garantir

Leia mais

SIP. Fabrício Tamusiunas. Comitê Gestor Internet BR

SIP. Fabrício Tamusiunas. Comitê Gestor Internet BR SIP Fabrício Tamusiunas Comitê Gestor Internet BR SIP RFC 3261 (antiga RFC 2543) Protocolo de controle que trabalha na camada de aplicação Permite que EndPoints encontrem outros EndPoints Gerencia sessões

Leia mais

Asterisk MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES EEC0048 SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES 2014/2015

Asterisk MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES EEC0048 SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES 2014/2015 MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES EEC0048 SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES 2014/2015 RELATÓRIO DO TRABALHO PRÁTICO FINAL Asterisk PEDRO DE SERPA CAIANO ROCHA GONÇALVES TIAGO DOS

Leia mais

GT-VOIP. Especificação de Compra de Gateways VoIP. Fevereiro de 2003

GT-VOIP. Especificação de Compra de Gateways VoIP. Fevereiro de 2003 GT-VOIP Especificação de Compra de Gateways VoIP Fevereiro de 2003 Este relatório apresenta a especificação de cenários e do hardware necessário para a implantação do piloto VOIP na Rede Nacional de Pesquisa.

Leia mais

Voz sobre IP I: A Convergência de Dados e Voz

Voz sobre IP I: A Convergência de Dados e Voz Voz sobre IP I: A Convergência de Dados e Voz A tecnologia Voz sobre IP (VoIP) permite que o tráfego de uma comunicação telefônica ocorra numa rede de dados, como a Internet. Portanto, as ligações podem

Leia mais

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Curso Profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos MÓDULO VI Programação de Sistemas de Comunicação Duração: 30 tempos Conteúdos 2 Construção

Leia mais

Telefone sem fios Manual de configuração Office

Telefone sem fios Manual de configuração Office Telefone sem fios Manual de configuração Office Índice Configurar o Office sem fios 5 Configurar o seu telefone sem fios 5 Configurar a base do telefone 5 Associar o telefone à base 8 Configurar uma conta

Leia mais

Uma arquitectura IPtel baseada no protocolo SIP

Uma arquitectura IPtel baseada no protocolo SIP Uma arquitectura IPtel baseada no protocolo SIP João Paulo Sousa Instituto Politécnico de Bragança R. João Maria Sarmento Pimentel, 5370-326 Mirandela, Portugal + 351 27 820 13 40 jpaulo@ipb.pt RESUMO

Leia mais

Recursos, Características e Especificações Técnicas. Telefonia

Recursos, Características e Especificações Técnicas. Telefonia Telefonia 2 Canais de ligação 1 Conta SIP Rediscar Lista dos últimos números discados Histórico de ligações Suspender Microfone Suspender Alto-falante Hold Transferência de ligações Configuração automática

Leia mais

Teia de alcance mundial (World Wide Web WWW) Web composta de

Teia de alcance mundial (World Wide Web WWW) Web composta de Web Teia de alcance mundial (World Wide Web WWW) Web composta de Agentes de usuário para a Web (browsers) Servidores Web Protocolo de transferência de hipertexto (HyperText Transfer Protocol HTTP) Web

Leia mais

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP Redes de Computadores Protocolos de comunicação: TCP, UDP Introdução ao TCP/IP Transmission Control Protocol/ Internet Protocol (TCP/IP) é um conjunto de protocolos de comunicação utilizados para a troca

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é VOIP Se você nunca ouviu falar do VoIP, prepare-se para mudar sua maneira de pensar sobre ligações de longa distância. VoIP, ou Voz sobre Protocolo de Internet, é um método para pegar sinais de áudio analógico,

Leia mais

MODELO 827 CARACTERÍSTICAS. Controlador Trunking

MODELO 827 CARACTERÍSTICAS. Controlador Trunking MODELO 827 Controlador Trunking CARACTERÍSTICAS Obedece completamente ao Standard MPT1327/1343 e é compatível com os radiotelefones MPT1352/1327. Tem estrutura modular e o seu sistema de controlo com informação

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

Criado por Mark Spencer em 1999. Criador do GAIM (actualmente Pidgin) e do daemon L2TP t2tpd (ambos para Linux) In computer networking, Layer 2

Criado por Mark Spencer em 1999. Criador do GAIM (actualmente Pidgin) e do daemon L2TP t2tpd (ambos para Linux) In computer networking, Layer 2 Criado por Mark Spencer em 1999. Criador do GAIM (actualmente Pidgin) e do daemon L2TP t2tpd (ambos para Linux) In computer networking, Layer 2 Tunneling Protocol (L2TP) is a tunneling protocol used to

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática 90 minutos * 24.05.2013 =VERSÃO A= 1 1. Esta teste serve como avaliação de frequência às aulas teóricas. 2. Leia as perguntas com atenção antes de responder. São 70 perguntas de escolha múltipla. 3. Escreva

Leia mais

Relatório de performance do Disc-OS 2.0 e Ubuntu server 8.10

Relatório de performance do Disc-OS 2.0 e Ubuntu server 8.10 Relatório de performance do Disc-OS 2.0 e Ubuntu server 8.10 Sumário 1.Resumo...3 2.Objetivo...3 3.Introdução...3 4. Testes...4 4.1) Descrição do cenário de teste:...4 5. Resultados...5 5.1) Teste A: Uma

Leia mais

Conceptronic C100BRS4H Guia de Instalação Rápida. Parabéns pela compra do seu Router de Banda Larga com 4 portas da Conceptronic.

Conceptronic C100BRS4H Guia de Instalação Rápida. Parabéns pela compra do seu Router de Banda Larga com 4 portas da Conceptronic. Conceptronic C100BRS4H Guia de Instalação Rápida Parabéns pela compra do seu Router de Banda Larga com 4 portas da Conceptronic. O seguinte Guia de Instalação de Hardware explica-lhe passo-a-passo como

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

TP 318 Introdução às Redes Multimídia

TP 318 Introdução às Redes Multimídia Especialização em Telecomunicações TP 318 Introdução às Redes Multimídia Prof. Antônio M. Alberti Prof. José Marcos C. Brito 1 Tópicos Introdução RTP RSTP RTCP Arquitetura SIP Arquitetura OPT Referências

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Nuno Cruz Infra-Estrutura VoIP

Nuno Cruz <ncruz@net.ipl.pt> Infra-Estrutura VoIP Nuno Cruz Infra-Estrutura VoIP Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Semana Informática 2007 Cronologia Setembro 2002 Primeira aproximação ao VoIP no ISEL, relacionado com um Projecto

Leia mais

Redes de Computadores. 1 Questões de múltipla escolha. TE090 - Prof. Pedroso. 30 de novembro de 2010. Exercício 1: Considere:

Redes de Computadores. 1 Questões de múltipla escolha. TE090 - Prof. Pedroso. 30 de novembro de 2010. Exercício 1: Considere: TE090 - Prof. Pedroso 30 de novembro de 2010 1 Questões de múltipla escolha Exercício 1: Considere: I. O serviço de DNS constitui-se, em última instância, de um conjunto de banco de dados em arquitetura

Leia mais

WebSphere MQ Everyplace V2.0.2

WebSphere MQ Everyplace V2.0.2 WebSphere MQ Everyplace V2.0.2 ii WebSphere MQ Everyplace V2.0.2 Índice Configurando Comunicações..... 1 Considerações sobre o Sistema Operacional....1 Atributos...............1 Mensagens...............1

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

03.04 Streaming de Vídeo

03.04 Streaming de Vídeo 03.04 Streaming de Vídeo Redes de Serviços e Comunicações Multimédia RSCM/ISEL-DEETC-SRC/2004 1 Streaming Dados multimédia que são consumidos à mesma velocidade que é enviado pela Internet ou outro tipo

Leia mais

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul 1 ANEXO VII QUADRO DE QUANTITATIVOS E ESPECIFICAÇÕES DOS ITENS Item Produto Quantidade 1 Aparelhos IP, com 2 canais Sip, visor e teclas avançadas, 2 70 portas LAN 10/100 2 Servidor com HD 500G 4 GB memória

Leia mais

VoIP @ IRICUP Telefonia IP na Universidade do Porto

VoIP @ IRICUP Telefonia IP na Universidade do Porto VoIP @ IRICUP Telefonia IP na Universidade do Porto Orientador: Prof. Dr. Mário Leitão Co-Orientador: Eng.º Mário Serrão Ricardo Carvalho PSTFC LEEC FEUP Junho, 2006 1 Sumário Objectivos do estágio Vantagens

Leia mais

Módulo 1 Introdução às Redes

Módulo 1 Introdução às Redes CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 1 Introdução às Redes Ligação à Internet Ligação à Internet Uma ligação à Internet pode ser dividida em: ligação física; ligação lógica; aplicação. Ligação física

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais