UNCISAL UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE ALAGOAS PROVA DE SELEÇÃO PARA RESIDÊNCIA EM AUDIOLOGIA 2015

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNCISAL UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE ALAGOAS PROVA DE SELEÇÃO PARA RESIDÊNCIA EM AUDIOLOGIA 2015"

Transcrição

1 UNCISAL UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE ALAGOAS Transformada pela Lei n de 28 de dezembro de 2005 Campus Governador Lamenha Filho Rua Jorge de Lima, 113, Trapiche da Barra, CEP , Maceió/AL PROVA DE SELEÇÃO PARA RESIDÊNCIA EM AUDIOLOGIA 2015 DATA: 04/02/2015 HORÁRIO: 14 às 18 horas TEMPO DE EXECUÇÃO DA PROVA: 04 horas INSTRUÇÕES: 1. Você deve receber do fiscal de prova o seguinte material: a) Um caderno de prova com 40 (quarenta) questões de Audiologia e duas folhas com linhas para a prova dissertativa (onze folhas); b) Um cartão de resposta destinado à marcação das questões. 2. Verifique se este material está completo. 3. Após a conferência, você deverá assinar seu nome completo e legível no espaço próprio do cartão resposta, utilizando caneta esferográfica azul ou preta. 4. No cartão resposta, a marcação da letra correspondente à sua opção deverá ser feita sem rasuras. 5. Tenha cuidado com o cartão resposta, não dobre e/ou amasse-o, pois ele não será substituído. 6. Para cada questão são apresentadas 05 (cinco) alternativas classificadas com as letras (A), (B), (C), (D) e (E). Somente uma responde adequadamente ao quesito proposto. Você deve assinalar apenas uma alternativa para cada questão; a marcação de mais de uma alternativa anula a questão, mesmo que uma das respostas esteja correta. 7. Os fiscais não estão autorizados a emitir opinião e nem a prestar esclarecimentos sobre o conteúdo da prova. Cabe única e exclusivamente ao candidato interpretar e decidir a este respeito. 8. Por motivo de segurança, os 03 (três) últimos candidatos só poderão ausentar-se da sala em conjunto. Boa Prova! Página 1/11

2 UNCISAL UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE ALAGOAS Transformada pela Lei n de 28 de dezembro de 2005 Campus Governador Lamenha Filho Rua Jorge de Lima, 113, Trapiche da Barra, CEP , Maceió/AL PROVA DE SELEÇÃO PARA RESIDÊNCIA EM AUDIOLOGIA O fonoaudiólogo deve estar atento quando recebe um paciente que deseja realizar o implante coclear. Existe uma recomendação da equipe do programa de implante coclear para o tempo de retorno do paciente com o objetivo de ativação dos eletrodos, após a etapa cirúrgica. Qual a opção abaixo descreve o tempo ideal para a ativação dos eletrodos? (A) 10 semanas (B) 04 semanas (C) 08 semanas (D) 06 semanas (E) 02 semanas 02. O fonoaudiólogo deve conhecer os critérios de seleção dos candidatos para o implante coclear, orientando, dessa maneira, as famílias que questionam a possibilidade do uso deste recurso de amplificação auditiva. Qual a opção abaixo que descreve a recomendação para cirurgia de implante coclear para as crianças? (A) A partir de 12 meses de idade, com perda auditiva neurossensorial, somente de grau profundo. (B) A partir de 06 meses de idade, com perda auditiva neurossensorial de qualquer grau. (C) A partir de 06 meses de idade, com qualquer tipo e grau de perda auditiva. (D) A partir de 12 meses de idade, com perda auditiva neurossensorial de grau severo ou profundo. (E) A partir de 02 anos de idade, com perda auditiva neurossensorial, após o uso de AASI, por no mínimo 06 meses. 03. O fonoaudiólogo deve utilizar protocolos de avaliação específicos para crianças implantadas. Qual a opção abaixo que descreve o protocolo e a idade adequada para sua aplicação? (A) GASP para crianças a partir de 05 anos de idade. (B) TACAM para bebês até 02 anos de idade. (C) TACAM para os familiares de bebês até 01 ano de idade. (D) GASP para crianças a partir de 04 anos de idade. (E) GASP para crianças a partir de 03 anos de idade. 04. O funcionamento da compressão envolve características relacionadas ao seu modo e tempo de ação; desta forma, diferentes características estáticas geram diferentes sistemas de compressão. Quais as características estáticas comuns em um sistema WDRC? (A) Razão de compressão e limiar de compressão baixos. (B) Razão de compressão e limiar de compressão elevados. (C) Região de compressão e limiar de compressão baixos. (D) Razão de compressão elevada e limiar de compressão baixo. (E) Razão de compressão baixa e limiar de compressão elevado. 05. Ventilações são: (A) Modificações acústicas nos moldes auriculares cuja finalidade é enfatizar sons da fala. (B) Modificações acústicas nos moldes auriculares cuja finalidade é reduzir frequências graves. (C) Modificações acústicas nos moldes auriculares cuja finalidade é amplificar frequências agudas. (D) Modificações acústicas nos moldes auriculares cuja finalidade é reduzir frequências em 1Khz e 3Khz. (E) Modificações acústicas nos moldes auriculares cuja finalidade é reduzir as frequências agudas. 06. A região de compressão: (A) É a razão entre os sinais de entrada. (B) É o NPS de entrada que aciona compressão. (C) É um algoritmo que quanto mais curto melhor, pois reduz o risco de desconforto causado por sons intensos. (D) É a razão entre o sinal de entrada e saída. (E) Representa a faixa de intensidades de entrada para as quais o ganho é reduzido. 07. A utilização de medidas in situ na adaptação de crianças tem sido consideradas como fundamentais para garantir o sucesso da adaptação do AASI. Neste contexto RECD Real Ear Coupler Difference é: Página 2/11

3 (A) A diferença em db, em função da frequência, entre intensidade de saída dado de um estímulo sonoro dado por um fone de ouvido medido in situ e a posição indicada no dial do audiômetro. (B) A diferença em db, em função de frequência, entre a REAG e a REUG, realizada no mesmo ponto de mensuração e para as mesmas condições de campo livre. (C) A diferença em db, em função da frequência, entre o NPS entre a saída do AASI medida in situ e no acoplador de 2ml, com a mesma intensidade do sinal de entrada e controle de volume na mesma posição. (D) A diferença em db entre o NPS, em função da frequência, em um ponto específico do meato acústico externo e o NPS em um ponto de referência do campo para um determinado campo sonoro, com o molde auricular inserido no meato acústico externo e o AASI ligado. (E) Todas as alternativas estão corretas. 08. Sistemas de compressão por diodo são: (A) Dispositivos de ajuste de saída máxima utilizados em aparelhos com amplificação não linear. (B) Dispositivos de ajuste de saída máxima utilizados em aparelhos com amplificação linear. (C) Dispositivos que gerenciam o feedback acústico dos AASIs evitando a microfonia. (D) Dispositivos utilizados em aparelhos digitais que permitem a audibilidade de sons de altas frequências. (E) Nenhuma alternativa está correta. 09. Qual a principal diferença entre as crianças usuárias de AASI e as usuárias de implante coclear na reabilitação auditiva? (A) Abordagem escolar e grau da perda auditiva (B) Dinâmica familiar e grau de perda auditiva (C) Abordagem escolar (D) Condição de oralidade (E) Tempo e esforço gastos para o desenvolvimento das habilidades auditivas 10. Criança de 2 meses de idade cronológica, nascida de 35 semanas de idade gestacional, com peso ao nascimento de 1900g. Apresentou EOAT ausentes bilateralmente e RCP presente. Realizou avaliação ORL, a qual não apresentou sem alterações. Qual a conduta? (A) Realizar apenas o teste de imitancia acústica, já que apenas as EOAT estão ausentes e o RCP presente. (B) Realizar teste de imitancia acústica, PEATE com pesquisa de integridade de via auditiva e limiar eletrofisiológico. (C) Realizar PEATE com pesquisa de integridade de via auditiva e limiar eletrofisiológico. (D) Realizar teste de imitancia acústica, PEATE com pesquisa de integridade de via auditiva e limiar eletrofisiológico, além da avaliação comportamental. (E) As alternativas B e C estão corretas. 11. Criança de 1 mês de idade, nascida de 37 semanas de idade gestacional, com peso ao nascimento 2600g, APGAR 8 e 9. Apresenta apenas como indicador de risco história de surdez na família, primos maternos surdos. Realizou TAN com EOAT a qual estiveram ausentes bilateralmente e RCP presente. Foi encaminhada para avaliação otorrinolaringológica sem alteração e teste de imitância acústica com sonda de 1000Hz, que se apresentaram com compliância de 0,5 e pressão em -50daPa e reflexos contralaterais presentes em 100, 105, 110 e 115, nas frequências de 500, 1000, 2000 e 4000Hz respectivamente, bilateralmente. Realizou ainda PEATE obtendo-se como respostas limiar eletrofisiológico em 50dBnHL com ausência apenas da onda I e latência absoluta da onda III e V normal e interpico também normal. Qual diagnóstico? (A) Perda auditiva condutiva moderado bilateral (B) Perda auditiva sensórioneural de grau moderado bilateral (C) Perda auditiva sensorial coclear. (D) Perda auditiva neural. (E) Perda auditiva condutiva leve bilateral 12. Criança de 2 anos e 9 meses, compareceu para realizar avaliação audiológica. Mãe relata que a criança não escuta muito bem, mas é bastante inteligente. Quais exames poderão ser realizados? (A) Audiometria com reforço visual, teste de imitancia acústica e EOA. (B) Audiometria tonal condicionada infantil em campo livre, teste de imitancia acústica, EOA e PEATE. (C) Avaliação comportamental, EOA e imitancia acústica e PEATE. (D) Audiometria tonal condicionada infantil com fones, teste de imitancia acústica, EOA e PEATE. (E) Audiometria com reforço visual, EOA e PEATE. Página 3/11

4 De acordo com o padrão de normalidade, analise as questões de 13 a 17, e marque a resposta correta: I 1,5ms III 3,5ms V 5,5ms I-III = 2,2ms III-V = 2,2ms I-V = 4,4ms 13. Paciente com otalgia apresentando na audiometria perda auditiva unilateral na OD, com Timpanograma B e ausência de reflexo estapédico na mesma orelha, teve o seguinte resultado no PEATE da referida orelha: (A) I 1,5ms; III 3,5ms; V 5,5ms; I-III = 2,2ms; III-V = 2,2ms; I-V = 4,4ms (B) I 1,5ms; III 4,5ms; V 6,5ms; I-III = 3,0ms; III-V = 2,0ms; I-V = 5,0ms (C) I 1,5ms; III 3,5ms; V 6,5ms; I-III = 2,2ms; III-V = 3,0ms; I-V = 5,0ms (D) I 2,5ms; III 3,5ms; V 6,5ms; I-III = 2,2ms; III-V = 2,5ms; I-V = 5,0ms (E) I 2,5ms; III 4,5ms; V 6,5ms; I-III = 2,2ms; III-V = 2,2ms; I-V = 4,4ms 14. RN pré-termo, com taxa de bilirrubina aumentada, passou no teste da orelhinha, porém apresentou RCP ausente e não reagiu na avaliação comportamental. Imitância acústica com curva tipo A e ausência de reflexo estapédico contra e ipsi bilateral. Marque o possível resultado do PEATE: (A) Ausência de todas as ondas por dessincronia neural (B) Limiar eletrofisiológico a 20dBnHL (C) Limiar eletrofisiológico a 50dBnHL (D) Limiar eletrofisiológico a 70dBnHL (E) Limiar eletrofisiológico a 60 dbnhl 15. Assinale a alternativa correta: (A) A maturação da via auditiva não interfere nas latências, amplitude e forma da onda. (B) O traçado característico da perda condutiva é atraso nas latências absolutas e nas latências de interpicos. (C) O traçado característico da perda sensorioneural é atraso nas latências absolutas com interpicos normais. (D) A ausência de respostas no PEATE não exclui audição normal em frequências graves. (E) As alternativas A e D estão corretas. 16. Paciente com perda auditiva condutiva apresenta os seguintes limiares de VA na audiometria tonal (2KHz=40dBNA; 3KHz=45dBNA; 4KHz=45dBNA). Marque o limiar esperado no PEATE: (A) 20dBnHL (B) 30dBnHL (C) 40dBnHL (D) 50dBnHL (E) 60dBnHL 17. Paciente de 3 meses de vida falhou no teste da orelhinha. Foi encaminhado para o PEATE, no qual apresentou limiar por VA a 50dB bilateralmente. Quais os outros recursos em PEATE que podemos utilizar para colaborar com o diagnóstico? (A) PEATE com tone burst (B) PEATE por VO (C) PEATE com click (D) Opções A e B estão corretas (E) Nenhuma das alternativas está correta 18. Qual ou quais etapas do teste dicótico de dígitos que podemos realizar com uma criança de 7 anos: (A) Escuta direcionada para direita (B) Escuta direcionada para esquerda (C) Atenção livre (D) Atenção livre, escuta direcionada para direito e escuta direcionada para esquerda. (E) Escuta direcionada para a direita e a esquerda 19. O efeito de ordem é calculado baseado na soma das colunas: (A) (A+B+E+F) (C+D+G+H) (B) (A+B+C+D) (E+F+G+H) (C) (A+B+C+D) : (E+F+G+H) (D) (A+B+E+F) : (C+D+G+H) (E) Nenhuma das alternativas está correta. 20. No SSW, quando temos o padrão tipo A alterado e teste de fala com ruído normal, o processo gnósico afetado é: (A) Codificação (B) Decodificação (C) Organização (D) Ordenação temporal (E) Codificação e decodificação 21. Qual a habilidade auditiva afetada quando o teste dicótico não verbal está alterado? (A) Fechamento (B) Organização (C) Localização (D) Memória (E) Figura-fundo Página 4/11

5 22. Quanto ao reflexo vestíbulo-ocular, assinale a alternativa incorreta: (A) Quando a cabeça gira para a direita, o fluxo endolifático deflete a cúpula para a esquerda. (B) É responsável pela estabilização do olhar. (C) Mantém a visão estável durante o movimento cefálico. (D) Tem como objetivo estabilizar o corpo. (E) Nenhuma das alternativas acima. 23. É correto afirmar sobre VPPB pós cupulolitíase: (A) Início imediato da vertigem ao movimentar a cabeça para o lado afetado. (B) Ao realizar a manobra de diagnóstico, o nistagmo tende a ser fatigável. (C) Ausência de vertigem durante a manobra de diagnóstico. (D) Vertigem muito intensa, porém com latência diferente para o surgimento do Nistagmo. (E) As alternativas B e D estão corretas. 24. Norré (1979) afirmou que a Reabilitação vestibular é baseada no seguinte conceito: é um processo fisiológico caracterizado pelo declínio progressivo de respostas às estimulações repetitivas. Isso descreve qual dos fenômenos abaixo: (A) Compensação (B) Adaptação (C) Habituação (D) Restauração do Equilíbrio (E) Vertigem 25. Marque a alternativa que não corresponde a um objetivo da reabilitação vestibular: (A) Promover a estimulação visual durante os movimentos de cabeça. (B) Melhorar a interação vestibulovisual durante a movimentação cefálica. (C) Diminuir a estabilidade postural estática e dinâmica nas condições que produzem informações sensoriais conflitantes. (D) Diminuir a sensibilidade individual à movimentação cefálica. (E) Nenhuma das alternativas anteriores. 26. Os melhores resultados da RV são relacionados a qual prognóstico abaixo: (A) Avaliação Vestibular Normal. (B) Disfunção Vestibular Periférica Irritativa bilateral. (C) Disfunção Vestibular Periférica Deficitária bilateral. (D) Disfunção Vestibular Periférica Irritativa. (E) Disfunção Vestibular Periférica Deficitária unilateral. VENG Parâmetros da VENG: - Hiporreflexia: menor que 3 /s - Hiperreflexia: igual ou maior que 45 /s - Arreflexia: igual a 0 /s - PDN e PL: 33% - N. Optocinético: 20% 27. O Nistagmo registrado na VENG pode ser: (A) Horizontal: registro bem definido nos canais I, II e III, com a mesma direção. (B) Horizontal: registro bem definido nos canais I, II e III, com a mesma direção nos canais I e III, e com direção oposta no canal II. (C) Vertical: registro nos canais II e III, com a mesma direção. (D) Oblíquo: registro mais nítido nos canais I e II, com direção oposta. (E) As alternativas B e C estão corretas. 28. Quais são os canais semicirculares que fazem pares sinérgicos? (A) Cabeça 60º para trás e 45º para esquerda: CSC anterior direito e posterior esquerdo. (B) Cabeça 60º para trás e 45º para direita: CSC laterais. (C) Cabeça 60º para trás e 45º para esquerda: CSC laterais. (D) Cabeça 60º para trás e 45º para direita: CSC posterior direito e anterior esquerdo. (E) Cabeça 60º para trás e 45º para direita: CSC anterior direito e posterior esquerdo. 29. Dê o Laudo do caso abaixo: Calibração: regular Nistagmo espontâneo: ausente de AO e de OF Nistagmo semi-espontâneo: presente apenas para cima Rastreio Pendular: Tipo II Nistagmo Optocinético: 10º/s 13 /s Nistagmo pós-calórico: 44º 30º OD 15º/s 22º/s OE 7º/s 11º/s (A) Avaliação Vestibular Normal. Página 5/11

6 (B) Disfunção Vestibular Periférica Deficitária à direita. (C) Disfunção Vestibular Periférica Irritativa à esquerda. (D) Disfunção Vestibular Periférica Deficitária à esquerda. (E) Disfunção Vestibular Periférica Irritativa. 30. Dê o Laudo do caso abaixo: Calibração: regular Nistagmo espontâneo: ausente de AO e de OF Nistagmo semi-espontâneo: ausente Rastreio Pendular: Tipo I Nistagmo Optocinético: 08º/s 10 /s Nistagmo pós-calórico: 44º 30º OD 20º/s 33º/s OE 28º/s 47º/s (A) Avaliação Vestibular Normal. (B) Disfunção Vestibular Periférica Deficitária à direita. (C) Disfunção Vestibular Periférica Deficitária à esquerda. (D) Disfunção Vestibular Periférica Irritativa. (E) Não é possível fazer o laudo. 31. Assinale a afirmativa correta: (A) A admitância acústica corresponde ao fluxo de energia absorvido pelo sistema e está relacionada com a condutância e reactância. (B) A impedância acústica corresponde ao transferência de energia entre os sistemas e está relacionado com o atrito, massa e a rigidez. (C) A imitância acústica corresponde à absorção do fluxo de energia que é transferido de um sistema para o outro e está relacionado à admitância e impedância. (D) A condutância, que está relacionada à admitância acústica, não depende da massa e rigidez do sistema. (E) Nenhuma das alternativas está correta. 32. Com base na classificação dos timpanogramas segundo Jeger (1970), assinale a alternativa falsa. (A) O timpanograma do tipo A indica uma mobilidade normal do sistema tímpano-ossicular. (B) O timpanograma do tipo Ad indica uma hipermobilidade do sistema tímpano-ossicular. (C) O timpanograma do tipo A indica ausência de doenças no sistema tímpano-ossicular. (D) O timpanograma do tipo B indica ausência de mobilidade no sistema tímpano-ossicular. (E) O timpanograma tipo Ad indica uma mobilidade normal do sistema tímpano-ossicular. 33. Sobre o Gradiente Timpanométrico pode-se afirmar: I. É uma forma de se obter informações diagnósticas adicionais acerca do timpanograma. II. É uma forma de se obter uma descrição quantitativa da forma do timpanograma nas regiões vizinhas ao pico. III. É uma mudança no valor da imitância do pico em relação aos valores de imitância obtidos no intervalo de 50 dapa em cada lado do pico. (A) As alternativas I e II estão corretas. (B) As alternativas I e III estão corretas. (C) As alternativas II e III estão corretas. (D) Todas as alternativa acima estão incorretas. (E) Todas as alternativas acima estão corretas. 34. Ao se pesquisar a função tubária em pacientes membranas com timpânicas íntegras, observa-se: (A) No segundo timpanograma traçado uma diferença de até 10 dapa mais positiva, quando comparado ao primeiro, constatando uma integridade na função da tuba auditiva. (B) No segundo timpanograma traçado uma diferença acima de 10 dapa mais positiva, quando comparado ao primeiro, constatando uma integridade na função da tuba auditiva. (C) No segundo timpanograma traçado uma diferença acima de 15 dapa mais positiva, quando comparado ao primeiro, constatando uma integridade na função da tuba auditiva. (D) No segundo timpanograma traçado uma diferença de até 15 dapa mais positiva, quando comparado ao primeiro, constatando uma integridade na função da tuba auditiva. (E) Nenhuma das alternativas está correta. 35. De acordo com o Art. 2º da Política Nacional de Atenção à Saúde Auditiva, é permitido: I. Identificar os fatores de risco que levam à deficiência auditiva; II. Promover amplo atendimento aos deficientes auditivos do Brasil III. Definir critérios mínimos para o funcionamento dos serviços de saúde auditiva, como também de avaliação e reabilitação. Assinale o item correto: (A) I e II estão corretos Página 6/11

7 (B) II e III estão corretos (C) I, II e III estão corretos (D) I, II e III estão errados (E) Todos os itens estão corretos. 36. No Brasil, um dos critérios para a realização da cirurgia do implante coclear em deficientes auditivos pré-linguais é a faixa etária, a qual é recomendada: (A) Até seis meses de idade (B) Até um ano de idade (C) Até dois ano de idade (D) Até dois anos e meio (E) Até três anos de idade 37. A importância da família na reabilitação auditiva é fundamental para o desenvolvimento do deficiente auditivo. A família vive vários sentimentos que interferem no tratamento. Qual deles é considerado o responsável por impulsionar os pais a procurar vários profissionais da mesma área? (A) Culpa (B) Negação (C) Impotência (D) Vergonha (E) Medo (C) Somente as afirmativas I, II e V são verdadeiras. (D) Todas as afirmativas são falsas. (E) Todas as afirmativas são verdadeiras. 39. A Emissão Otoacústica Produto de Distorção é definida por Kemp (1979) como energias acústicas no CAE geradas por uma interação não linear de dois tons puros simultâneos, aplicados dentro da cóclea. Portanto é errado afirmar que: (A) f 1 e f 2 = frequências primárias (B) Em humanos usa-se: 2 f 1 -f 2, onde f 1 <f 2 (C) S/R = 3 a 12 dbns (D) Estímulo utilizado é o clique (E) Todas as afirmativas estão corretas. 40. Qual é o único teste na avaliação vestibular que não avalia a VACL? (A) Nistágmo Semi-espontâneo (B) Nistágmo Optocinético (C) Rastreio Pendular (D) Prova Calórica (E) Nenhum dos anteriores 38. Leia as alterativas abaixo e, ao final, assinale a alternativa correta: I. Um trauma acústico pode atingir as estruturas da OM e OI, ruptura da MT, disjunção da cadeia ossicular e do órgão de Corti. II. Uma das funções do fonoaudiólogo na audiologia ocupacional é a elaboração de propostas de melhorias ambientais e medidas administrativas no ambiente exposto a níveis de pressão sonora elevados. III. Como consequência do ruído no trabalho podemos observar: perturbação na comunicação, diminuição do rendimento no trabalho e falta de vigilância e atenção. IV. A Norma Regulamentadora 6 é referente as normas para a indicação e o uso do equipamento de proteção ocupacional. V. O Programa de Controle Médico de Saúde ocupacional (PCMSO): tem como objetivo promover e preservar a saúde como um todo, articulando um Programa de Prevenção de Riscos Ambientais. (A) Somente as afirmativas I, II e IV são verdadeiras. (B) Somente as afirmativas I, II e III são verdadeiras. Página 7/11

8 Página 8/11

9 UNCISAL UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE ALAGOAS Transformada pela Lei n de 28 de dezembro de 2005 Campus Governador Lamenha Filho Rua Jorge de Lima, 113, Trapiche da Barra, CEP , Maceió/AL SELEÇÃO PARA RESIDÊNCIA EM AUDIOLOGIA PROVA DISSERTATIVA Temas da Prova Dissertativa: 1. Audiometria tonal liminar, logoaudiometria e imitanciometria. 2. Testes eletrofisiológicos. 3. Avaliação do processamento auditivo. 4. Patologias cocleares, retrococleares e do sistema tímpano-ossicular. 5. Deficiência da audição, reabilitação e prótese auditiva. 6. Deficiência da audição, reabilitação e implante coclear. 7. Otoneurologia 8. Terapia fonoaudiológica da criança surda. 9. Reabilitação vestibular. 10. Triagem auditiva neonatal e acompanhamento do desenvolvimento da audição. TEMA SORTEADO: Página 9/11

10 Página 10/11

11 Página 11/11

A IMPORTÂNCIA DO LAUDO AUDIOLÓGICO NA SAÚDE DO TRABALHADOR FGA DRA MARCIA MENDES

A IMPORTÂNCIA DO LAUDO AUDIOLÓGICO NA SAÚDE DO TRABALHADOR FGA DRA MARCIA MENDES A IMPORTÂNCIA DO LAUDO AUDIOLÓGICO NA SAÚDE DO TRABALHADOR FGA DRA MARCIA MENDES LAUDO AUDIOLÓGICO LAUDO: peça escrita fundamentada, onde os peritos expõem suas observações.. PARECER: opinião fundamentada

Leia mais

EMISSÕES OTOACÚSTICAS EVOCADAS TRANSIENTES (EOET):

EMISSÕES OTOACÚSTICAS EVOCADAS TRANSIENTES (EOET): EMISSÕES OTOACÚSTICAS EVOCADAS É a energia mecânica produzida vibração de células ciliadas externas na cóclea que voltará de forma reversa pela orelha média e será captada no condutivo auditivo externo.

Leia mais

AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA

AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA Laboratório de Psicofísica e Percepção AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA Fga. Joseane dos Santos Piola Doutoranda do Programa de Pós graduação em Psicobiologia 2009 AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA CLÍNICA: sentimentos-k-sinto-no-coraxao.blogspot.com

Leia mais

PORTARIA Nº 589, DE 08 DE OUTUBRO DE 2004

PORTARIA Nº 589, DE 08 DE OUTUBRO DE 2004 PORTARIA Nº 589, DE 08 DE OUTUBRO DE 2004 O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria GM nº 2.073, de 28 de setembro de 2004, que institui a Política Nacional de

Leia mais

ESPECTRO DA NEUROPATIA AUDITIVA Profa. Dra. Doris R. Lewis dorislewis@pucsp.br drlewis@uol.com.br

ESPECTRO DA NEUROPATIA AUDITIVA Profa. Dra. Doris R. Lewis dorislewis@pucsp.br drlewis@uol.com.br 4a. Conferência Latino Americana de Adaptação Pediátrica ESPECTRO DA NEUROPATIA AUDITIVA Profa. Dra. Doris R. Lewis dorislewis@pucsp.br drlewis@uol.com.br São Paulo 21 de Agosto de 2015 Definições Distúrbios

Leia mais

PROTOCOLO DE ADAPTAÇÃO DE APARELHOS DE AMPLIFICAÇÃO SONORA INDIVIDUAIS AASI- EM ADULTOS

PROTOCOLO DE ADAPTAÇÃO DE APARELHOS DE AMPLIFICAÇÃO SONORA INDIVIDUAIS AASI- EM ADULTOS PROTOCOLO DE ADAPTAÇÃO DE APARELHOS DE AMPLIFICAÇÃO SONORA INDIVIDUAIS AASI- EM ADULTOS 1 Introdução: Dentre as diversas áreas de atuação do profissional fonoaudiólogo, a audiologia compreende desde o

Leia mais

DOENÇAS DO OUVIDO E DA APÓFISE MASTÓIDE (H60 H95) Justificativa Tipos N máximo de sessões Pedido médico + Laudo médico + Exames complementares

DOENÇAS DO OUVIDO E DA APÓFISE MASTÓIDE (H60 H95) Justificativa Tipos N máximo de sessões Pedido médico + Laudo médico + Exames complementares DOENÇAS DO OUVIDO E DA APÓFISE MASTÓIDE (H60 H95) Guias SP/SADT Protocolo Conduta Indicação Clinica Perda Auditiva Justificativa Tipos N máximo de sessões Pedido médico + Laudo médico + Exames complementares

Leia mais

Sound for a Young Generation Second Latin American Pediatric Conference

Sound for a Young Generation Second Latin American Pediatric Conference Sound for a Young Generation Second Latin American Pediatric Conference Foto criança Espectro da Neuropatia Auditiva Santiago - Chile 26-27 Novembro de 2010 Phonak Profa. Dra. Doris R. Lewis Pontifícia

Leia mais

Olá, Pessoal!!! Tenhamos todos olhos e ouvidos bem abertos. AUDITORIA EM ALTA COMPLEXIDADE SAÚDE AUDITIVA

Olá, Pessoal!!! Tenhamos todos olhos e ouvidos bem abertos. AUDITORIA EM ALTA COMPLEXIDADE SAÚDE AUDITIVA Olá, Pessoal!!! Tenhamos todos olhos e ouvidos bem abertos. AUDITORIA EM ALTA COMPLEXIDADE SAÚDE AUDITIVA FONTES: TREINAMENTO DE AUDITORIA EM ALTA COMPLEXIDADE - (SAÚDE AUDITIVA) BRASÍLIA / DF 10 a 14/03/2008

Leia mais

Ouvir melhor é viver melhor. Descobrindo sua audição

Ouvir melhor é viver melhor. Descobrindo sua audição Ouvir melhor é viver melhor Descobrindo sua audição O mundo o está chamando A capacidade de ouvir é uma parte tão importante da nossa vida e a maioria das pessoas nem se dá conta disso. Ouvir é um dom,

Leia mais

Ana Paula Bruner Novembro 2012

Ana Paula Bruner Novembro 2012 Ana Paula Bruner Novembro 2012 Laudo Audiológico Grau de Perda Auditiva Baseado na média aritmética entre os limiares tonais das frequências de 500, 0 e 2000 Hz em cada orelha. Laudo Audiológico Grau de

Leia mais

Texto apresentado para consulta pública. PROTOCOLO DE ADAPTAÇÃO DE AASI EM ADULTOS (com adendo para idosos)

Texto apresentado para consulta pública. PROTOCOLO DE ADAPTAÇÃO DE AASI EM ADULTOS (com adendo para idosos) Fórum: AASI / Protocolo de Adaptação de AASI em Adultos Data: 15 de abril de 2012 EIA Bauru 10h30 as 12h00 Coordenadores: Maria Cecilia Bevilacqua, Thelma Costa, Sonia Bortoluzzi Convidados: Deborah Ferrari,

Leia mais

A surdez é uma deficiência que fisicamente não é visível, e atinge uma pequena parte da anatomia do indivíduo.

A surdez é uma deficiência que fisicamente não é visível, e atinge uma pequena parte da anatomia do indivíduo. A surdez é uma deficiência que fisicamente não é visível, e atinge uma pequena parte da anatomia do indivíduo. Porém, traz para o surdo consequências sociais, educacionais e emocionais amplas e intangíveis.

Leia mais

Um pouco sobre nós. Tecnologia e modernas instalações

Um pouco sobre nós. Tecnologia e modernas instalações Um pouco sobre nós. Referência em Medicina Ocupacional, Saúde do Trabalhador em Uberlândia e Região. Nosso objetivo é solucionar os problemas ligados à preservação da saúde e segurança do trabalhador,

Leia mais

POTENCIAIS EVOCADOS AUDITIVOS DE TRONCO ENCEFÁLICO PEATE

POTENCIAIS EVOCADOS AUDITIVOS DE TRONCO ENCEFÁLICO PEATE POTENCIAIS EVOCADOS AUDITIVOS DE TRONCO ENCEFÁLICO PEATE Os Potenciais Evocados Auditivos (PEA) são extraídos computadorizadamente da atividade biolétrica a partir da superfície do couro cabeludo e dos

Leia mais

TEMA: Intervenção cirúrgica para tratamento de otosclerose coclear

TEMA: Intervenção cirúrgica para tratamento de otosclerose coclear NTRR 79/2014 Solicitante: Juiz Dr Eduardo Soares de Araújo Comarca de Andradas Número do processo: 0019642-3.2014.8.13.0026 Réu: Estado de Minas Data: 03/05/2014 Medicamento Material Procedimento x Cobertura

Leia mais

Justificativa e demonstração da abordagem correta para adaptação dos aparelhos audtivos em 2012

Justificativa e demonstração da abordagem correta para adaptação dos aparelhos audtivos em 2012 Justificativa e demonstração da abordagem correta para adaptação dos aparelhos audtivos em 2012 Marilisa Zavagli Diretora de Marketing e Produtos Talita Donini Gerente de Produto para Adaptação Pediátrica

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA CONCURSO DE PROVAS E TÍTULOS Nº 0 0 1 / 2 0 1 3 AUDIOLOGIA MANHÃ

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA CONCURSO DE PROVAS E TÍTULOS Nº 0 0 1 / 2 0 1 3 AUDIOLOGIA MANHÃ SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA CONCURSO DE PROVAS E TÍTULOS Nº 0 0 1 / 2 0 1 3 AUDIOLOGIA MANHÃ ESPECIALIDADE: AUDIOLOGIA 01 Acerca da anátomo-fisiologia e desenvolvimento da

Leia mais

Tabela 1. Fatores de Risco para Perda Neurossensorial (Bailey)

Tabela 1. Fatores de Risco para Perda Neurossensorial (Bailey) Triagem Auditiva A deficiência auditiva permanente, de acordo com o Consenso Europeu em Triagem Auditiva Neonatal (DAP), é definida quando a média dos limiares auditivos obtidos nas freqüências 500, 1000

Leia mais

Ministério da Saúde - MS Secretaria de Atenção à Saúde Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais do SUS

Ministério da Saúde - MS Secretaria de Atenção à Saúde Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais do SUS Ministério da Saúde - MS Secretaria de Atenção à Saúde Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais do SUS 01.01.01.001-0 01.01.01.002-8 01.01.01.003-6 01.01.03.002-9

Leia mais

PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM

PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM O que o sistema processamento auditivo

Leia mais

http://www.kwiksurveys.com/results-overview.php?mode=1&survey_id...

http://www.kwiksurveys.com/results-overview.php?mode=1&survey_id... Results Area Página 1 de 7 Invitations Invitations Sent: 0 Invitations Accepted: 0 Untracked Responses: 49 Total Completed s Received: 49 Total Incomplete s Received: 0 Total Responses Received: 49 Results

Leia mais

2.1. Guia de adaptação rápida - Início. Preparação dos aparelhos auditivos

2.1. Guia de adaptação rápida - Início. Preparação dos aparelhos auditivos Guia de adaptação rápida - Início Este guia fornece instruções detalhadas para adaptação de aparelhos auditivos com o Phonak Target. Veja também [Novidades] na tela inicial do Phonak Target. Os dados do

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.303, DE 2 DE AGOSTO DE 2010. Dispõe sobre a obrigatoriedade de realização do exame denominado Emissões Otoacústicas Evocadas.

Leia mais

4.2. Guia de adaptação rápida. Conteúdo. Agosto 2015

4.2. Guia de adaptação rápida. Conteúdo. Agosto 2015 4.2 Agosto 2015 Guia de adaptação rápida Este guia fornece instruções detalhadas para adaptação de aparelhos auditivos com o Phonak Target. www.phonakpro.com/target_guide Veja também [Novidades] na tela

Leia mais

Guia do sistema de implante coclear Nucleus para educadores

Guia do sistema de implante coclear Nucleus para educadores Guia do sistema de implante coclear Nucleus para educadores GUIA PARA EDUCADORES 3 Índice Capítulo 1: Introdução aos implantes cocleares...4 Capítulo 2: Histórico dos implantes cocleares...8 Capítulo

Leia mais

Apresentação do projecto alusivo ao Mês da Perda Auditiva Audiologia Psicologia Clinica Terapia da Fala

Apresentação do projecto alusivo ao Mês da Perda Auditiva Audiologia Psicologia Clinica Terapia da Fala A Perda Auditiva como um Problema de Saúde Pública em Angola Apresentação do projecto alusivo ao Mês da Perda Auditiva Audiologia Psicologia Clinica Terapia da Fala Sumário I. Introdução II. Objectivos

Leia mais

Phonak Target. Este guia fornece instruções detalhadas para adaptação de aparelhos auditivos com o Phonak Target.

Phonak Target. Este guia fornece instruções detalhadas para adaptação de aparelhos auditivos com o Phonak Target. Phonak Target 3.0 Guia de adaptação rápida Início Este guia fornece instruções detalhadas para adaptação de aparelhos auditivos com o Phonak Target. Veja também [Novidades] na tela inicial do Phonak Target.

Leia mais

AVALIAÇÃO AUDITIVA DE BOLSISTAS VINCULADOS A UM PROJETO EXTENSIONISTA SOBRE SAÚDE AUDITIVA DESENVOLVIDO NA CIDADE DE MACAÉ, RIO DE JANEIRO.

AVALIAÇÃO AUDITIVA DE BOLSISTAS VINCULADOS A UM PROJETO EXTENSIONISTA SOBRE SAÚDE AUDITIVA DESENVOLVIDO NA CIDADE DE MACAÉ, RIO DE JANEIRO. AVALIAÇÃO AUDITIVA DE BOLSISTAS VINCULADOS A UM PROJETO EXTENSIONISTA SOBRE SAÚDE AUDITIVA DESENVOLVIDO NA CIDADE DE MACAÉ, RIO DE JANEIRO. VIVIAN DE OLIVEIRA SOUSA 1 IZABELLA MENDES NOGUEIRA1 ARIADNE

Leia mais

Processamento Auditivo (Central)

Processamento Auditivo (Central) Processamento Auditivo (Central) O QUE É PROCESSAMENTO AUDITIVO (CENTRAL)? É o conjunto de processos e mecanismos que ocorrem dentro do sistema auditivo em resposta a um estímulo acústico e que são responsáveis

Leia mais

Audiometria Tonal de Alta-Frequência (AT-AF) em crianças ouvintes normais

Audiometria Tonal de Alta-Frequência (AT-AF) em crianças ouvintes normais Audiometria Tonal de Alta-Frequência (AT-AF) em crianças ouvintes normais Palavras Chave: Audiometria, limiar auditivo, criança. Introdução: Além do exame audiométrico convencional, que testa as freqüências

Leia mais

Perda Auditiva Induzida pelo Ruído - PAIR

Perda Auditiva Induzida pelo Ruído - PAIR Perda Auditiva Induzida Disciplina Medicina Social e do Trabalho MLS 0412 Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Graduação 3º Ano Grupo A1 Trata-se de uma perda auditiva do tipo neuro-sensorial,

Leia mais

PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL

PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL EM AUDIOMETRIA INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION (ISO) 8253-1 Versão 2010 Neste material você encontrará informações sobre a ISO 8253 Parte 1 versão 2010 e sua relação

Leia mais

Equipamentos Audiológicos

Equipamentos Audiológicos Equipamentos Audiológicos TRIAGEM AUDITIVA Equipamentos portáteis para realização de Emissões Otoacústicas e/ou ABR. Podem combinar módulos de TEOAE, DPOAE e AABR (BERA automático). OTOPORT TEOAE TEOAE

Leia mais

SÍNDROME DE USHER: ESTUDO CLÍNICO E GENÉTICO NA ESPANHA

SÍNDROME DE USHER: ESTUDO CLÍNICO E GENÉTICO NA ESPANHA SÍNDROME DE USHER: ESTUDO CLÍNICO E GENÉTICO NA ESPANHA Conceito A Síndrome de Usher é um grupo de doenças hereditárias (autossômicas recessivas) caracterizada por surdez neurosensorial com ou sem disfunção

Leia mais

Teste de Habilidade Específica - THE

Teste de Habilidade Específica - THE LEIA COM ATENÇÃO 1. Só abra este caderno após ler todas as instruções e quando for autorizado pelos fiscais da sala. 2. Preencha os dados pessoais. 3. Autorizado o inicio da prova, verifique se este caderno

Leia mais

SURDEZ NO IDOSO. Dr. Décio Gomes de Souza Prof. da Fac. de Med. da PUC

SURDEZ NO IDOSO. Dr. Décio Gomes de Souza Prof. da Fac. de Med. da PUC SURDEZ NO IDOSO www.sorocaba.pucsp.br/atn/apostilas/otorrino/index.htm www.dgsotorrinolaringologia.med.br Imagens particulares e de livros e artigos de vários autores. Dr. Décio Gomes de Souza Prof. da

Leia mais

Potencial Evocado Auditivo de Tronco Encefálico / Neuro-Audio. Fga. Mara Rosana Araújo mara@neurosoftbrasil.com.br

Potencial Evocado Auditivo de Tronco Encefálico / Neuro-Audio. Fga. Mara Rosana Araújo mara@neurosoftbrasil.com.br Potencial Evocado Auditivo de Tronco Encefálico / Neuro-Audio Fga. Mara Rosana Araújo mara@neurosoftbrasil.com.br Atividade bioelétrica provocada por uma estimulação auditiva. Os potenciais evocados auditivos

Leia mais

Medidas de imitância acústica de banda larga em crianças com perda auditiva sensorial severa e profunda e diferentes achados timpanométricos

Medidas de imitância acústica de banda larga em crianças com perda auditiva sensorial severa e profunda e diferentes achados timpanométricos Medidas de imitância acústica de banda larga em crianças com perda auditiva sensorial severa e profunda e diferentes achados timpanométricos Introdução: A avaliação da integridade do sistema tímpano-ossicular

Leia mais

Ruído. 1) Introdução. 2) Principais grandezas e parâmetros definidores do som

Ruído. 1) Introdução. 2) Principais grandezas e parâmetros definidores do som 1) Introdução A movimentação mecânica de cargas pode ser definida como o conjunto de ações, de materiais e de meios que permitem, de um modo planeado e seguro, movimentar cargas de um determinado local

Leia mais

XXVII CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO

XXVII CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO XXVII CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO NECESSIDADES DAS DIFERENTES POPULAÇÕES E POSSIBILIDADES DE RESPOSTAS NA CONSTRUÇÃO DA REDE DE CUIDADOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

Leia mais

PROVA de Cursos 2003 1. Instruções

PROVA de Cursos 2003 1. Instruções S SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR ENC Exame Nacional PROVA de Cursos 2003 1 Instruções 1 - Você está recebendo o seguinte material: a) este caderno com o enunciado das questões objetivas, das

Leia mais

4.0. Este guia fornece instruções detalhadas para adaptação de aparelhos auditivos com o Phonak Target.

4.0. Este guia fornece instruções detalhadas para adaptação de aparelhos auditivos com o Phonak Target. 4.0 Outubro 2014 Guia de adaptação rápida Este guia fornece instruções detalhadas para adaptação de aparelhos auditivos com o Phonak Target. Veja também [Novidades] na tela inicial do Phonak Target. Conteúdo

Leia mais

Perda Auditiva Induzida Por Ruído Ocupacional (PAIR-O)

Perda Auditiva Induzida Por Ruído Ocupacional (PAIR-O) Perda Auditiva Induzida Por Ruído Ocupacional (PAIR-O) Objetivos da Aula Saber Reconhecer: Características do som e do ruído ocupacional Noções de fisiologia auditiva e de audiometria clínicas Tipos de

Leia mais

Engenharia Biomédica - UFABC

Engenharia Biomédica - UFABC Engenharia de Reabilitação e Biofeedback Deficiência Auditiva Professor: Pai Chi Nan 1 2 1 Ouvido externo Orelha Canal auditivo externo Função Coleta de sons 3 Ouvido médio Tímpano Ossículos Martelo Bigorna

Leia mais

1. CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA

1. CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA GRUPO 5.2 MÓDULO 6 Índice 1. Crianças com Deficiência Auditiva...3 1.1. Os Ouvidos... 3 1.2. Mecanismo da Audição... 3 2. Saúde Auditiva...4 3. Definição de Deficiência Auditiva...5 3.1. Classificação...

Leia mais

Deficiência Auditiva. Definição. Definição, Classificação, Características e Causas

Deficiência Auditiva. Definição. Definição, Classificação, Características e Causas Deficiência Auditiva Definição, Classificação, Características e Causas Definição Impossibilidade total ou parcial de ouvir, e possui níveis de graduação que vão do leve ao profundo. Diferença existente

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá

Universidade Estadual de Maringá Universidade Estadual de Maringá SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ REFERENTE AOS EDITAIS 003/2009, 004/2009 e 005/2009 QUESTÕES OBJETIIVAS N ọ DE ORDEM: NOME DO CANDIDATO: N ọ DE INSCRIÇÃO: IINSTRUÇÕES

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

Anatomia e Fisiologia Humana OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) Anatomia e Fisiologia Humana OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição novembro/2006 OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO SUMÁRIO Sobre a Bio Aulas... 03

Leia mais

SISTEMA FREQUENCIA MODULADA (FM)

SISTEMA FREQUENCIA MODULADA (FM) SISTEMA FREQUENCIA MODULADA (FM) CONCEITO: O Sistema de Frequência Modulada (Sistema FM) consiste de um transmissor com uma frequência de rádio específica, com uma antena e um receptor compatível, sendo

Leia mais

O Ouvido Humano e a Audição

O Ouvido Humano e a Audição 36 Capítulo 4 O Ouvido Humano e a Audição Neste capítulo faremos um estudo sobre o ouvido humano, a fisiologia da audição e a sensibilidade do nosso sistema auditivo. 1. Conceitos básicos sobre a anatomia

Leia mais

Treinamento de Prot. Auditiva. Treinamento aos usuários de protetores auriculares

Treinamento de Prot. Auditiva. Treinamento aos usuários de protetores auriculares Treinamento de Prot. Auditiva Treinamento aos usuários de protetores auriculares 1 Objetivo Reconhecer o agente físico ruído Conhecer os efeitos à saúde causado por exposição ao ruído Conhecer os tipos

Leia mais

file:///w:/fono_usp/texto/conteudo/5_politicas_publicas_ok/legislaca... Portaria nº 432 de 14 de novembro de 2000.

file:///w:/fono_usp/texto/conteudo/5_politicas_publicas_ok/legislaca... Portaria nº 432 de 14 de novembro de 2000. 1 de 5 7/7/2009 14:02 Portaria nº 432 de 14 de novembro de 2000. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando ser do âmbito ambulatorial o diagnóstico e o acompanhamento

Leia mais

Relações entre handicap

Relações entre handicap Relações entre handicap auditivo, desempenho dos aparelhos de amplificação sonora individuais, benefício e satisfação em adultos atendidos por um programa de saúde auditiva credenciado ao SUS. Palavras

Leia mais

Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros

Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros CATECE Comissão de Análise de Títulos de Especialistas e Cursos de Especialização Complexidade da especialidade O

Leia mais

Phonak TargetTM 3.1. Guia de adaptação rápida - Início. Preparação dos aparelhos auditivos

Phonak TargetTM 3.1. Guia de adaptação rápida - Início. Preparação dos aparelhos auditivos Phonak TargetTM 3.1 Guia de adaptação rápida - Início Este guia fornece instruções detalhadas para adaptação de aparelhos auditivos com o Phonak Target. Índice 1 Estrutura de navegação 2 Preparação dos

Leia mais

Grupo de Rastreio e Intervenção da Surdez Infantil GRISI Documento de Trabalho

Grupo de Rastreio e Intervenção da Surdez Infantil GRISI Documento de Trabalho Grupo de Rastreio e Intervenção da Surdez Infantil GRISI Documento de Trabalho PARTICIPANTES: Adelina Lopes Motta da Cruz Enfermeira Ana Sena Alvarenga Audiologista Eunice Soares - Pediatra Eusébio Gamez

Leia mais

Considerando a necessidade de Cursos de Treinamento para formação de médicos otorrinolaringologistas para realização cirurgias de implante coclear;

Considerando a necessidade de Cursos de Treinamento para formação de médicos otorrinolaringologistas para realização cirurgias de implante coclear; NORMAS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE OTORRINOLARINGOLOGIA E CIRURGIA CÉRVICO FACIAL (ABORL-CCF) E DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE OTOLOGIA (SBO) PARA ACREDITAÇÃO DE CURSOS DE FORMAÇÃO E TREINAMENTO DE MÉDICOS

Leia mais

CURSO NACIONAL 1: MÚSICA E AUDIÇÃO: NÍVEIS SONOROS E EFEITOS AUDITIVOS E NÃO AUDITIVOS

CURSO NACIONAL 1: MÚSICA E AUDIÇÃO: NÍVEIS SONOROS E EFEITOS AUDITIVOS E NÃO AUDITIVOS CURSO NACIONAL 1: MÚSICA E AUDIÇÃO: NÍVEIS SONOROS E EFEITOS AUDITIVOS E NÃO AUDITIVOS ANA CLAUDIA FIORINI A saúde auditiva da população é uma das prioridades da Organização Mundial de Saúde (OMS-WHO),

Leia mais

O Sentido da Audição Capítulo10 (pág. 186)

O Sentido da Audição Capítulo10 (pág. 186) O Sentido da Audição Capítulo10 (pág. 186) - Possibilita a percepção de sons diversos (fala, canto dos pássaros, barulho das ondas do mar, chacoalhar das folhas ao vento); - Os sons são transmitidos por

Leia mais

CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM

CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM Terapia Fonoaudiológica com Ênfase na Estimulação do Processamento Auditivo Fonoaudióloga. Mestra. Adriana de Souza Batista Ouvir é... Habilidade que

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F.B. Moreira Fonoaudióloga

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F.B. Moreira Fonoaudióloga PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR Ana Cláudia F.B. Moreira Fonoaudióloga O QUE É? A Perda Auditiva Induzida por Ruído (PAIR), relacionada ao trabalho, é uma diminuição gradual da acuidade auditiva

Leia mais

Fga. Maria Aurélia de F. Coimbra Amatucci. out/2012

Fga. Maria Aurélia de F. Coimbra Amatucci. out/2012 Fga. Maria Aurélia de F. Coimbra Amatucci out/2012 É o que fazemos com que ouvimos. (Katz, 1996) É como a orelha conversa com o cérebro. (Musiek, 1994) Compreensão de como as orelhas comunicam-se com o

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO. Distribuidor: Starkey do Brasil LTDA Rua Manoel Francisco Mendes, 347 Jardim do Trevo - Campinas. Fabricantes:

INSTRUÇÕES DE USO. Distribuidor: Starkey do Brasil LTDA Rua Manoel Francisco Mendes, 347 Jardim do Trevo - Campinas. Fabricantes: INSTRUÇÕES DE USO Aparelho Digital Para Surdez Retroauricular STARKEY LABORATORIES, INC STARKEY MEXICO, S.A. de C.V. STARKEY (SUZHOU)HEARING TECHNOLOGY CO. LTD Distribuidor: Starkey do Brasil LTDA Rua

Leia mais

Complexidade da especialidade. Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros. Complexidade da especialidade

Complexidade da especialidade. Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros. Complexidade da especialidade Complexidade da especialidade Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros CATECE Comissão de Análise de Títulos de Especialistas e Cursos de Especialização O

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA PROGRAD - Pró-Reitoria de Graduação DIRPS - Diretoria de Processos Seletivos

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA PROGRAD - Pró-Reitoria de Graduação DIRPS - Diretoria de Processos Seletivos UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA PROGRAD - Pró-Reitoria de Graduação DIRPS - Diretoria de Processos Seletivos PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS FAEPU 24 de janeiro de 2010

Leia mais

PATOLOGIAS DO APARELHO AUDITIVO ANDERSON CELSO LUANA MUNIQUE PRISCILA PAMELA

PATOLOGIAS DO APARELHO AUDITIVO ANDERSON CELSO LUANA MUNIQUE PRISCILA PAMELA PATOLOGIAS DO APARELHO AUDITIVO ANDERSON CELSO LUANA MUNIQUE PRISCILA PAMELA 1 INTRODUÇÃO A audição possibilita a aquisição da linguagem e a conseqüente integração do homem com o mundo sonoro e social.

Leia mais

Audição e Trabalho. Marcelo Madureira

Audição e Trabalho. Marcelo Madureira Audição e Trabalho Marcelo Madureira Som Qualquer perturbação vibratória em meio elástico, a qual produz uma sensação auditiva Energia transmitida por vibrações no ar (ou outros materiais) e que causa

Leia mais

O que fazemos com o que ouvimos? Danos auditivos para uma sociedade contemporânea

O que fazemos com o que ouvimos? Danos auditivos para uma sociedade contemporânea O que fazemos com o que ouvimos? Danos auditivos para uma sociedade contemporânea Ms Andréa Carla Lima Coelho Fgª Coordenadora do Núcleo de Acessibilidade e Profª nos Cursos da Escola de Saúde e Educação

Leia mais

EDITAL Nº 05 PARA SEGUNDO ANO DE RESIDÊNCIA EM AUDIOLOGIA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA

EDITAL Nº 05 PARA SEGUNDO ANO DE RESIDÊNCIA EM AUDIOLOGIA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE ALAGOAS Transformada pela Lei 6660 de Dezembro de 2005 Campus Governador Lamenha Filho. Rua Jorge de Lima, 113, Trapiche da Barra, CEP 57.010.382, Maceió/AL.

Leia mais

PROVA DE SELEÇÃO PARA RESIDÊNCIA EM AUDIOLOGIA 2016

PROVA DE SELEÇÃO PARA RESIDÊNCIA EM AUDIOLOGIA 2016 UNCISAL UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE ALAGOAS Transformada pela Lei n 6.660 de 28 de dezembro de 2005 Campus Governador Lamenha Filho Rua Jorge de Lima, 113, Trapiche da Barra, CEP 57.010.382,

Leia mais

Roteiro 25 Interferência sonora e batimento sonoro

Roteiro 25 Interferência sonora e batimento sonoro Roteiro 25 Interferência sonora e batimento sonoro 1 INTRODUÇÃO A interferência sonora consiste em um recebimento de duas ou mais ondas de fontes diferentes. Neste caso, teremos uma região do espaço na

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO (PAIR). CID 10 (H 83.3) 1 CARACTERÍTICAS GERAIS

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO (PAIR). CID 10 (H 83.3) 1 CARACTERÍTICAS GERAIS PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO (PAIR). CID 10 (H 83.3) 1 CARACTERÍTICAS GERAIS As doenças otorrinolaringológicas relacionadas ao trabalho são causadas por agentes ou mecanismos irritativos, alérgicos

Leia mais

SOM. Ruído. Frequência. Ruído. Amplitude da vibração. Ruído. Isabel Lopes Nunes FCT/UNL. Som - produz vibrações (ondas) que entram no ouvido interno

SOM. Ruído. Frequência. Ruído. Amplitude da vibração. Ruído. Isabel Lopes Nunes FCT/UNL. Som - produz vibrações (ondas) que entram no ouvido interno SOM Isabel Lopes Nunes FCT/UNL toda a vibração mecânica que se propaga num meio elástico (ar, metais, líquidos ), desde que as frequências que a compõem se encontrem dentro de uma determinada faixa audível

Leia mais

PERDA AUDITIVA EM AMBIENTES DE TRABALHO. PALAVRAS-CHAVE: Perda Auditiva. Saúde Auditiva. Aparelhos Telefônicos. Traçado Audiométrico.

PERDA AUDITIVA EM AMBIENTES DE TRABALHO. PALAVRAS-CHAVE: Perda Auditiva. Saúde Auditiva. Aparelhos Telefônicos. Traçado Audiométrico. PERDA AUDITIVA EM AMBIENTES DE TRABALHO Aleciane Aleni Thomazi 1 Dr. Euclides Antônio Pereira Lima 2 RESUMO A perda auditiva em ambientes de trabalho é a alteração mais frequente à saúde dos trabalhadores

Leia mais

Proteção Auditiva Moderna e Aparelhos Auditivos Modernos Eles Podem Funcionar Bem Juntos

Proteção Auditiva Moderna e Aparelhos Auditivos Modernos Eles Podem Funcionar Bem Juntos Proteção Auditiva Moderna e Aparelhos Auditivos Modernos Eles Podem Funcionar Bem Juntos Por Robert M. Ghent, Jr., Au.D. Honeywell Safety Products. Introdução Você alguma vez se deparou com um trabalhador

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 8 Programa de ConservaÇÉo Auditiva

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 8 Programa de ConservaÇÉo Auditiva Curso Técnico Segurança do Trabalho Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 8 Programa de ConservaÇÉo Auditiva O ouvido humano pode ser separado em três grandes partes, de acordo com

Leia mais

AUDIOMETRIA TONAL, LOGOAUDIOMETRIA E MEDIDAS DE IMITÂNCIA ACÚSTICA

AUDIOMETRIA TONAL, LOGOAUDIOMETRIA E MEDIDAS DE IMITÂNCIA ACÚSTICA AUDIOMETRIA TONAL, LOGOAUDIOMETRIA E MEDIDAS DE IMITÂNCIA ACÚSTICA ORIENTAÇÕES DOS CONSELHOS DE FONOAUDIOLOGIA PARA O LAUDO AUDIOLÓGICO ABRIL 2009 AUDIOMETRIA TONAL, LOGOAUDIOMETRIA E MEDIDAS DE IMITÂNCIA

Leia mais

Informação do Produto

Informação do Produto Informação do Produto Perfeição da Adaptação Aberta SwissEar combina a melhor das soluções de adaptação aberta com a tecnologia de aparelho Auditivo patenteada pela Bernafon dentro da Perfeição da Adaptação

Leia mais

Ruído. Acção de Formação. Associação de Municípios do Oeste. Outubro de 2008

Ruído. Acção de Formação. Associação de Municípios do Oeste. Outubro de 2008 Ruído Acção de Formação Associação de Municípios do Oeste Outubro de 2008 Objectivos Impacte do Ruído no Ser Humano; Introdução à Acústica; Quantificação do Ruído; Legislação Aplicável (D.L. n.º 9/2007

Leia mais

Profa Silvia Mitiko Nishida Depto de Fisiologia SENTIDO VESTIBULAR

Profa Silvia Mitiko Nishida Depto de Fisiologia SENTIDO VESTIBULAR Profa Silvia Mitiko Nishida Depto de Fisiologia SENTIDO VESTIBULAR Orelha Interna -Sistema Vestibular Movimentos rotacionais (aceleração angular) As células sensoriais são ciliadas mas são estimuladas

Leia mais

ATA DO FÓRUM DE APARELHOS DE AMPLIFICAÇÃO SONORA INDIVIDUAL 27º. ENCONTRO INTERNACIONAL DE AUDIOLOGIA, BAURU SÃO PAULO - 15 DE ABRIL DE 2012

ATA DO FÓRUM DE APARELHOS DE AMPLIFICAÇÃO SONORA INDIVIDUAL 27º. ENCONTRO INTERNACIONAL DE AUDIOLOGIA, BAURU SÃO PAULO - 15 DE ABRIL DE 2012 ATA DO FÓRUM DE APARELHOS DE AMPLIFICAÇÃO SONORA INDIVIDUAL 27º. ENCONTRO INTERNACIONAL DE AUDIOLOGIA, BAURU SÃO PAULO - 15 DE ABRIL DE 2012 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23

Leia mais

FÓRUM DE POLÍTICAS PÚBLICAS 27 ENCONTRO INTERNACIONAL DE AUDIOLOGIA RECOMENDAÇÕES

FÓRUM DE POLÍTICAS PÚBLICAS 27 ENCONTRO INTERNACIONAL DE AUDIOLOGIA RECOMENDAÇÕES FÓRUM DE POLÍTICAS PÚBLICAS 27 ENCONTRO INTERNACIONAL DE AUDIOLOGIA RECOMENDAÇÕES INTRODUÇÃO O serviço de assistência à população com deficiência auditiva teve seu início no extinto Instituto Nacional

Leia mais

Estudo do perfil audiológico de pacientes com idade acima de 60 anos

Estudo do perfil audiológico de pacientes com idade acima de 60 anos Estudo do perfil audiológico de idade acima de 60 anos Ana Paula Krempel Jurca 1 Fernanda Carla Chagas Pinheiro 1 Karina de Castro Martins 1 Lilian Francisca Herrera 1 Luciane Marins Colleone Sandra de

Leia mais

O SOM. 2. Um fenómeno vibratório que produz essa sensação;

O SOM. 2. Um fenómeno vibratório que produz essa sensação; O SOM Segundo a Diciopédia, o som pode ser: 1. Física: sensação auditiva produzida por vibrações mecânicas de frequência compreendida entre determinados valores (20 e 20 000 vibrações por segundo, em média);

Leia mais

PARECER TÉCNICO Nº 16/GEAS/GGRAS/DIPRO/2016 COBERTURA: IMPLANTE COCLEAR

PARECER TÉCNICO Nº 16/GEAS/GGRAS/DIPRO/2016 COBERTURA: IMPLANTE COCLEAR PARECER TÉCNICO Nº 16/GEAS/GGRAS/DIPRO/2016 COBERTURA: IMPLANTE COCLEAR Nos termos do art. 4º, inciso III, da Lei nº 9.961, de 2000, compete à Agência Nacional de Saúde Suplementar ANS elaborar o Rol de

Leia mais

INFORMAÇÃO DO PRODUTO OTICON INTIGA 10, 8 E 6

INFORMAÇÃO DO PRODUTO OTICON INTIGA 10, 8 E 6 INFORMAÇÃO DO PRODUTO OTICON INTIGA 10, 8 E 6 O Intiga foi desenvolvido para atender as necessidades especiais dos usuários que estão em busca de um aparelho auditivo não-tradicional: discreto, pequeno

Leia mais

ReSound Filosofia do Produto

ReSound Filosofia do Produto ReSound Verso ReSound Filosofia do Produto Deixe o usuário esquecer que tem uma perda auditiva e que estão usando aparelhos auditivos. Nosso objetivo final é dar-lhes de volta os prazeres e as possibilidades

Leia mais

TRIAGEM AUDITIVA NEONATAL OPCIONAL: RESULTADOS DE UMA MATERNIDADE EM MARINGÁ-PR

TRIAGEM AUDITIVA NEONATAL OPCIONAL: RESULTADOS DE UMA MATERNIDADE EM MARINGÁ-PR TRIAGEM AUDITIVA NEONATAL OPCIONAL: RESULTADOS DE UMA MATERNIDADE EM MARINGÁ-PR Autores: Ana Angelica Melo do Nascimento Fonoaudióloga,especialista em audiologia clínica. Título obtido pela Especialização

Leia mais

Resumo sobre o Sistema Auditivo Humano

Resumo sobre o Sistema Auditivo Humano Universidade Federal de Minas Gerais Pampulha Ciências da Computação Resumo sobre o Sistema Auditivo Humano Trabalho apresentado à disciplina Processamento Digital de Som e Vídeo Leonel Fonseca Ivo 2007041418

Leia mais

PORTARIA Nº 1.278, DE 20 DE OUTUBRO DE

PORTARIA Nº 1.278, DE 20 DE OUTUBRO DE MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.278, DE 20 DE OUTUBRO DE 1999 DO 202, de 21/10/99 O Ministro de Estado da Saúde, interino, no uso de suas atribuições legais e, Considerando a importância

Leia mais

Verificação das próteses auditivas

Verificação das próteses auditivas Verificação das próteses auditivas Karina Souza e Equipe de Treinamento ReSound Mini Microphone: Increased Understanding in Many Situations Verificação das próteses auditivas A verificação das próteses

Leia mais

Achados Audiológicos em Policiais Militares: Avaliação Audiológica Básica e Emissões Otoacústicas Produto de Distorção. Introdução Material e Método

Achados Audiológicos em Policiais Militares: Avaliação Audiológica Básica e Emissões Otoacústicas Produto de Distorção. Introdução Material e Método Achados Audiológicos em Policiais Militares: Avaliação Audiológica Básica e Emissões Otoacústicas Produto de Distorção. Palavras Chaves: Perda auditiva induzida por ruído, audição, militares. Introdução

Leia mais

ESTUDO DA PREVALÊNCIA DA INDICAÇÃO DE PRÓTESE AUDITIVA BINAURAL NA CIDADE DE TERESINA

ESTUDO DA PREVALÊNCIA DA INDICAÇÃO DE PRÓTESE AUDITIVA BINAURAL NA CIDADE DE TERESINA ESTUDO DA PREVALÊNCIA DA INDICAÇÃO DE PRÓTESE AUDITIVA BINAURAL NA CIDADE DE TERESINA INTRODUÇÃO Aline de Miranda Santos Graduanda em Fonoaudiologia - NOVAFAPI Mirian da Silva Rios Graduando em Fonoaudiologia

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE ALAGOAS UNCISAL Transformada pela Lei 6660 de Dezembro de 2005

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE ALAGOAS UNCISAL Transformada pela Lei 6660 de Dezembro de 2005 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE ALAGOAS UNCISAL Transformada pela Lei 6660 de Dezembro de 2005 EDITAL 002.2/2015 COMPLEMENTAR AO EDITAL N.º 002/2015 DE 14 DE OUTUBRO DE 2015 A REITORA DA

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

IMPLANTE COCLEAR: CURA OU POSSIBILIDADE? RESUMO

IMPLANTE COCLEAR: CURA OU POSSIBILIDADE? RESUMO 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 IMPLANTE COCLEAR: CURA OU POSSIBILIDADE? Luciane Fernandes Vieira (lufernandes@seed.pr.gov.br) RESUMO O surdo vive a margem da sociedade, como excluído e

Leia mais

Manual de Operações CIC ITC ITE

Manual de Operações CIC ITC ITE Manual de Operações CIC ITC ITE ÍNDICE CIC Parabéns O seu aparelho auditivo Funções e controles Identificação Baterias Inserção e remoção Liga, desliga e nível de volume Funções opcionais Utilizando o

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F. B. Moreira

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F. B. Moreira PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR Ana Cláudia F. B. Moreira O QUE É? A Perda Auditiva Induzida por Ruído (PAIR), relacionada ao trabalho, é uma diminuição gradual da acuidade auditiva decorrente da

Leia mais

Parecer CRFa-4ª Região nº 003/2015

Parecer CRFa-4ª Região nº 003/2015 Parecer CRFa-4ª Região nº 003/2015 Dispõe sobre a atuação fonoaudiológica na área hospitalar privada, pública e filantrópica e em atendimento domiciliar e dá outras providências O presente Parecer tem

Leia mais