ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação"

Transcrição

1 ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação Análise Ergonômica do Trabalho - AET Ponto 02 Mario S. Ferreira Março, 2010

2 CONCEITUAÇÃO Análise Ergonômica do Trabalho Intervenção, no ambiente de trabalho, para estudo dos desdobramentos e consequências físicas e psicofisiológicas, decorrentes da atividade humana no meio produtivo. Consiste em: Compreender a situação de trabalho; Confrontar com aptidões e limitações à luz da Ergonomia; Diagnosticar situações críticas à luz da Legislação Oficial; Estabelecer sugestões, alterações e recomendações de: ajustes de processo, ajustes de produto, postos de trabalho, ambiente de trabalho.

3 Compreensão da situação do trabalho Entendimento dos problemas relacionados à organização do trabalho e sua contribuição direta para a ocorrência de lesões e transtornos mentais VARIÁVEIS INTERVENIENTES NA ANÁLISE 1. Meios de Produção (Máquinas e Equipamentos), 2. Matéria-prima (insumos e componentes), 3. Modo de Produção (métodos e processos) 4. Espaços e ambiente de trabalho, 5. Recursos humanos (potencial e treinamento)

4

5 ANÁLISE DA DEMANDA contextualização do problema proposto pela tarefa; cenário interno e externo à empresa. Nível Interno política e estratégia adotada pela empresa, sistema de produção utilizado; modelo de gestão dos recursos humanos; índices de acidentes: saúde ocupacional, tensões e conflitos; análise dos dados de produção da empresa; eventual sobrecarga de trabalho; volume de produção por trabalhador ou posto de trabalho; índices de retrabalho e horas extras. Nível Externo indicadores de saúde; aspectos sociais intervenientes; momento técnico e tecnológico do contexto de inserção da empresa; condicionantes legais vigentes (CLT, NRs/TEM, ABNT).

6 ANÁLISE DA TAREFA O trabalho prescrito (a instrução de trabalho) observação do ambiente de inserção da tarefa (layout, mobiliário, equipamentos e espaços de trabalho); carga de trabalho física e mental requerida; aspectos psico-sociológicos; tempos de produção. Requisitos físicos para execução a tarefa. natureza do trabalho muscular (estático e/ou dinâmico), postura requerida para execução da tarefa; características das superfícies de trabalho e assento (quando necessário); informações das condições de acessibilidade aos sistemas de comunicação e acionamentos.

7 Níveis de Tarefa TRABALHO HUMANO DIFERENTES TIPOS DE TAREFAS MODELO GERAL DE COMPORTAMENTO Trabalho Formal Tarefa prescrita coletivamente Situação de trabalho: prescrição Trabalho Mental Tarefa induzida / atualizada Atividade mental: raciocínios e inferências Trabalho Real Tarefa realizada individualmente Respostas: ações (atividade)

8 Fatores de Organização do Trabalho Variáveis Fadiga Ritmo Treinamento Hábito Adaptação do trabalho ao homem. Princípios ergonômicos na interface homem-meio produtivo. Psicologia Fisiologia Anatomia

9 Fatores de Organização do Trabalho no Diagnóstico de Situações Críticas 1. Programa de produção versus capacidade instalada da área; 2. Planejamento de produção focado em eficiência versus alocação de tempos de recuperação de fadiga e imprevisibilidades no trabalho: exaustão 3. sobrecarga sobre os trabalhadores. Planejamento e gestão de produção adequados: redução da incidência dos distúrbios musculares e de transtornos mentais

10 Tipos e Espécies de Fadiga Variáveis clima, ambiente, relação homem-máquina, relação homem-tarefa. Natureza da fadiga Física Não-Física Trabalho Muscular Dinâmico Trabalho Muscular Estático Nervosa Mental causa Esforço Imobilidade Tensão Atenção adaptação Resistência Conforto Treinamento Hábito solução Repouso Movimento Descanso Distração

11 CONSIDERAÇÕES SOBRE FADIGA Fisiologia: produtividade varia de forma intermitente nas horas do dia Instabilidade no processo produtivo: diferença entre os tempos de produção e tempo padrão humano

12 ANÁLISE DA ATIVIDADE Observação/investigação do trabalho efetivamente realizado: atividades mentais e físicas do trabalhador. Atividades mentais: Levantamento Físico (modo e meios de produção): Percepção das dificuldades; Observação de situações anômalas; Entrevistas com os trabalhadores: execução da tarefa e sobrecargas de Trabalho; Entrevistas com supervisão e gerência: Confrontação com dados levantados junto aos trabalhadores. níveis de detecção, discriminação e interpretação das informações; níveis de tomada de decisão e ação. Atividades Físicas: Postura, Olhar, Freqüência Cardíaca, Demanda Energética, Movimentação de cargas (transporte e/ou elevação), Comunicação;

13 CONFRONTO TAREFA VERSUS ATIVIDADE verificação das diferenças entre o trabalho prescrito e o trabalho realizado; determinação das incorreções da tarefa potencialidades X limitações do ser humano. Identificação das soluções regulatórias nesta relação.

14 DIAGNÓSTICO condições técnicas para a execução do trabalho; condições ambientais e organizacionais para o trabalho. CONSIDERAÇÕES SOBRE O ESPAÇO DE TRABALHO Sobre o arranjo horizontal organização do layout do processo: Mobiliário, equipamentos, espaço para a função específica. Sobre a configuração vertical Espaços verticais ocupados por máquinas e equipamentos; Contribuições significativas na sensação de confinamento; Necessidade de equilíbrio entre espaços ocupados e espaços vazios: Percepção e compreensão visual do espaço de trabalho.

15 DIAGNÓSTICO DIMENSIONAMENTO DE ESPAÇOS E PLANOS DE TRABALHO Etapas a serem consideradas Definição das plantas, estrutura e forma das edificações; Definição dos arranjos físicos internos Elementos que influenciam (leiaute); a determinação do espaço Padrão de expansão da capacidade instalada; de trabalho Definição dos arranjos físicos de detalhamento 1. Organização do trabalho; (mobiliário, equipamentos leves,...). 2. Estrutura temporal das atividades de trabalho; 3. Política de gestão de estoques; 4. Tratamento dos incidentes de produção. 5. Ações de preparação do material; 6. Produção e evacuação de rejeitos de produção; 7. Definição dos locais não produtivos.

16 DIAGNÓSTICO Definição referente à circulação e fluxos 1. pessoal de nível operacional; 2. outro pessoal (visitantes, clientes, fornecedores); 3. peças, matérias-primas, insumos e componentes; 4. veículos e outros sistemas de transportes; 5. informação; Circulação: caminhos possíveis entre a entrada e a saída. Fluxo: circulação adotada no processo produtivo. Precauções a serem tomadas 1. Dimensionamento e disposição dos postos de trabalho; 2. Previsão de locais ditos anexos; 3. Proximidades entre sub-sistemas; 4. Arranjo físico das circulações; 5. Prevenção dos efeitos de barreira arquitetônica.

17 DIAGNÓSTICO Previsão de evoluções posteriores 1. Fase de montagem das máquinas: prever a acessibilidade aos postos de trabalho; 2. Ampliação posterior: prever se possível áreas de ampliação. Condicionantes da concepção arquitetônica 1. Previsão de fundações especiais p/máquinas vibrantes; 2. Previsão de paredes especiais para locais barulhentos; 3. Previsão de sistema de climatização e de ventilação; 4. Previsão de vazios técnicos (forro e pisos falsos); Dados antropométricos de base 1. Definição das características do efetivo futuro; 2. Determinação dos dados antropométricos a utilizar; 3. Utilização de dados antropométricos diretamente; 4. Utilização de dados antropométricos em função das características do trabalho

18 DIAGNÓSTICO Dimensionamento e acessibilidade 1. Dimensionamento dos planos/volumes de trabalho; 2. Acessibilidade aos equipamentos; 3. Proximidade entre dispositivos de comando e controle; 4. Acessibilidade aos diferentes veículos; 5. Localização de instalações perigosas em relação aos postos de trabalho; 6. Acessibilidade para intervenções de manutenção. Planos de trabalho 1. Zonas de alcance proximal e maximal; 2. Dimensões da mesa para trabalho sentado; 3. Dimensões da cadeira para o trabalho sentado.

19 CONSIDERAÇÕES DE ESPAÇO DE TRABALHO

20 Considerações sobre AMBIENTE DE TRABALHO

21 POSTURAS DO TRABALHADOR DE PÉ com flexão dianteira do tronco uma dos maiores causadores de fadigas e doenças profissionais. Atitude postural adequada quando: -necessidade de manuseio de objetos de peso superior a 3,0 kg; -necessidade de deslocamento para frente ou para os lados, no ato de pegar e manipular componentes, ferramentas e dispositivos; -tarefa com operações físicas distintas e movimentação freqüente no posto e entre postos;

22 POSTURAS DO TRABALHADOR CÓCORAS Escolhida pelo indivíduo para alcançar a superfície de trabalho com as mãos Permanência de tempo significativo no mesmo local; Favorece o alongamento da musculatura dorsal; Contribui para a redução da incidência de dores lombares e dorsais; Evitar lesões: levantar para assumir uma nova posição de cócoras. Contra-indicação: possibilidade de ruptura dos ligamentos do joelho, em função de alguma mudança de posição sem alteração de postura;

23 POSTURAS DO TRABALHADOR SEMI-SENTADO Alternância de zonas de alcance proximal e maximal; Alternância freqüente de posição dos membros superiores e inferiores no posto; Atividades de produção intermitente Atividades complementares externas ao posto de trabalho (posto não-fixo); Possibilidade de dores nas costas, nuca, pescoço e braços

24 POSTURAS DO TRABALHADOR SENTADO Alternância de zonas de alcance proximal e maximal; Alternância freqüente de posição dos membros superiores no posto; Atividades de produção contínua Posto de trabalho fixo; Possibilidade de dores nas costas, nuca, pescoço e braços

25 Ambiente de trabalho (com posto fixo) Anos 20 Ambiente de trabalho (com posto fixo) Anos 90 Ambiente de trabalho (sem posto fixo) Anos 70 Ambiente de trabalho (com posto fixo) 2000

26 Fluxograma para AET em Escritórios

27 Fluxograma para AET em Ambientes Fabris

28 1. Levantamento / Compreensão e Análise da Situação de Referência 2. Levantamento de requisitos físicos e psicofisiológicos para atendimento da(s) tarefa(s) 3. Definição de equipamentos que devem compor o ambiente 4. Estudos de postura 5. Áreas livres e/ ou de influência (Envelope Humano) 6. Testes & Ajustes

ERGONOMIA Notas de Aula. Ponto 02 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO Prof. Dr. Mario S. Ferreira, Prof. Dr. Carlos Antônio Ramires Righi Março, 2009.

ERGONOMIA Notas de Aula. Ponto 02 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO Prof. Dr. Mario S. Ferreira, Prof. Dr. Carlos Antônio Ramires Righi Março, 2009. 1. INTRODUÇÃO ERGONOMIA Notas de Aula Ponto 02 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO Prof. Dr. Mario S. Ferreira, Prof. Dr. Carlos Antônio Ramires Righi Março, 2009. A Análise Ergonômica do Trabalho - AET é uma

Leia mais

ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação

ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação Espaços de Trabalho Mario S. Ferreira Maio, 2012 Aspectos Físicos Dimensões Envelope Zonas de Alcance Áreas de Influência Layout Posturas Acessibilidade de Arranjos Dimensionamento

Leia mais

Aula 03 Antropometria Prof. Mario S. Ferreira Junho, 2013

Aula 03 Antropometria Prof. Mario S. Ferreira Junho, 2013 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Curso de Especialização em Arquitetura da Habitação de Interesse Social ERGONOMIA E ACESSIBILIDADE Aplicada à

Leia mais

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc.

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles,

Leia mais

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

Norma Regulamentadora NR 17

Norma Regulamentadora NR 17 Norma Regulamentadora NR 17 17.1. Esta Norma Regulamentadora visa estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

O Dimensionamento do Centro de Produção

O Dimensionamento do Centro de Produção O Dimensionamento do Centro de Produção (posto de trabalho) ANTROPOMETRIA estudo e sistematização das medidas físicas do corpo humano. ANTROPOMETRIA ESTÁTICA - refere-se a medidas gerais de segmentos corporais,

Leia mais

NORMA REGULAMENTADORA NR 17

NORMA REGULAMENTADORA NR 17 NORMA REGULAMENTADORA NR 17 NORMA REGULAMENTADORA - NR 17 ERGONOMIA 17.1. Esta Norma Regulamentadora visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características

Leia mais

Norma NR17 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO. Visão Geral. Prof. Dr. JOÃO GOMES FILHO. 2010

Norma NR17 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO. Visão Geral. Prof. Dr. JOÃO GOMES FILHO. 2010 Norma NR17 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO Visão Geral 1 Prof. Dr. JOÃO GOMES FILHO. 2010 NR 17 17.1 OBJETIVO CONDIÇÕES DE TRABALHO / PARÂMETROS BÁSICOS: Segurança: proteção / prevenção Conforto: saúde

Leia mais

ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação Ponto 06

ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação Ponto 06 ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação Ponto 06 Ergonomia dos Sistemas de Produção FADIGA Mario S. Ferreira Abril, 2012 Caráter Multidisciplinar da Abordagem: produtividade, condições de saúde, segurança e

Leia mais

ERGONOMIA. FACCAMP Tecnologia em Segurança no Trabalho Profº Vitorino

ERGONOMIA. FACCAMP Tecnologia em Segurança no Trabalho Profº Vitorino FACCAMP Tecnologia em Segurança no Trabalho Profº Vitorino O que é ergonomia? (e não ergonometria e muito menos ergologia) Adaptação do trabalho ao ser humano: O trabalho tem todo um pano de fundo de sofrimento:

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DO PROJETO

DESENVOLVIMENTO DO PROJETO INTRODUÇÃO Grupo: DESENVOLVIMENTO DO PROJETO Empresa: Setor da empresa: Produtos: I.Objetivos e metas do projeto: a) quais as razões para a elaboração do projeto (aumento de demanda, segurança, novos equipamentos,

Leia mais

COMPORTAMENTO SEGURO

COMPORTAMENTO SEGURO COMPORTAMENTO SEGURO A experiência demonstra que não é suficiente trabalhar somente com estratégias para se conseguir um ambiente de trabalho seguro. O ideal é que se estabeleça a combinação de estratégias

Leia mais

Ergonomia é o estudo do. relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e. particularmente a aplicação dos

Ergonomia é o estudo do. relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e. particularmente a aplicação dos ERGONOMIA ERGONOMIA relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e conhecimentos de anatomia, fisiologia e psicologia na solução dos problemas surgidos deste relacionamento. Em

Leia mais

Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE. Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho

Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE. Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho Objetivo Objetivo Apresentar os conceitos científicos sobre o Risco Ergonômico e sua relação com o corpo humano. Fazer

Leia mais

Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa

Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa Ms. João Eduardo de Azevedo Vieira Fisioterapeuta (PUC-PR / 2000) Esp. Fisiologia do Exercício e do Desporto (IBPEX / 2001) Esp. Fisioterapia do Trabalho

Leia mais

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Dr. Leandro Gomes Pistori Fisioterapeuta CREFITO-3 / 47741-F Fone: (16) 3371-4121 Dr. Paulo Fernando C. Rossi Fisioterapeuta CREFITO-3 / 65294 F Fone: (16) 3307-6555

Leia mais

Higiene do Trabalho. Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho ERGONOMIA. Programa de Higiene do Trabalho GESTÃO DE PESSOAS. 3o bimestre / 2013

Higiene do Trabalho. Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho ERGONOMIA. Programa de Higiene do Trabalho GESTÃO DE PESSOAS. 3o bimestre / 2013 GESTÃO DE PESSOAS CEFET-MG / DIVINÓPOLIS 3o bimestre / 2013 Prof. MSc. Antônio Guimarães Campos Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho Higiene do Trabalho Conjunto de normas e procedimentos que visa

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. REF.: TERMO DE SUSPENSÃO DE INTERDIÇÃO nº 357863/25-04-2014

RELATÓRIO TÉCNICO. REF.: TERMO DE SUSPENSÃO DE INTERDIÇÃO nº 357863/25-04-2014 RELATÓRIO TÉCNICO REF.: TERMO DE SUSPENSÃO DE INTERDIÇÃO nº 357863/25-04-2014 EMPREGADOR: BRF SA ENDEREÇO: R. Carlos Spohr Filho, 2836 - LAJEADO - CEP 95900-000 CNPJ: 01.838.723/0047-00 CNAE: 1012-1/01

Leia mais

Lesões Músculo-esqueléticas na Medicina Dentária

Lesões Músculo-esqueléticas na Medicina Dentária Lesões Músculo-esqueléticas na Medicina Dentária Paula Carneiro, Mónica Barroso, Ana Cristina Braga Departamento de Produção e Sistemas Escola de Engenharia Universidade do Minho Workshop Atenção! Mais

Leia mais

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente PERFIL PROFISSIONAL Profissional capaz de orientar e intervir na realidade do processo produtivo, promovendo mudanças em relação às aplicações tecnológicas

Leia mais

Adaptação do trabalho às pessoas.

Adaptação do trabalho às pessoas. NR- 17 Estabelece parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a proporcionar um máximo de conforto, segurança e desempenho

Leia mais

SISTEMA GLOBAL DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. firesafetybrasil@gmail.com

SISTEMA GLOBAL DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. firesafetybrasil@gmail.com SISTEMA GLOBAL DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO firesafetybrasil@gmail.com RELAÇÃO ENTRE OS FATORES CONDICIONANTES DE RISCO E AS DISTINTAS CATEGORIAS DE RISCO RELAÇÃO DE INTERDEPENDÊNCIA ENTRE AS CINCO CATEGORIAS

Leia mais

Transformar o trabalho ponos em trabalho ergon. Profa. Linda Nice Gama

Transformar o trabalho ponos em trabalho ergon. Profa. Linda Nice Gama Transformar o trabalho ponos em trabalho ergon Profa. Linda Nice Gama segurança, conforto, bem-estar e a eficácia das atividades humanas Ergonomia de Concepção: projeto posto, instrumento, máquina, sistemas

Leia mais

Aula 04 Normas e Estratégias de Acessibilidade A NBR9050 Setembro, 2013

Aula 04 Normas e Estratégias de Acessibilidade A NBR9050 Setembro, 2013 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Curso de Especialização em Arquitetura da Habitação de Interesse Social ERGONOMIA E ACESSIBILIDADE Aplicada à

Leia mais

/estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050. Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera

/estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050. Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera /estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050 Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera O objetivo desta norma é estabelecer critérios e parâmetros técnicos a serem observados

Leia mais

METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010

METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010 METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010 PROERGO julho/2010 Pág. 1/7. I N D I C E 1. - APRESENTAÇÃO 2. - OBJETIVO 3. - INTRODUÇÃO 4. - EMPRESA BENEFICIADA 5. - CAMPO DE APLICAÇÃO

Leia mais

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010 Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º. Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 15 e 16 Controle e Técnicas de controle de qualidade

Leia mais

DESIGN INDUSTRIAL. ERGONOMIA Aplicada ao Design Gráfico. Sistema técnico de leitura ergonômica. Disciplina: Prof. Dr.

DESIGN INDUSTRIAL. ERGONOMIA Aplicada ao Design Gráfico. Sistema técnico de leitura ergonômica. Disciplina: Prof. Dr. DESIGN INDUSTRIAL Disciplina: ERGONOMIA Aplicada ao Design Gráfico Sistema técnico de leitura ergonômica DESIGN DO PRODUTO Prof. Dr. João Gomes Filho DESIGN DO PRODUTO Leitura Ergonômica EXEMPLOS 1 Leitura

Leia mais

ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO

ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO AET, Estuda uma situação de trabalho visando adaptá-la ao homem a partir da análise das condições técnicas, ambientais e organizacionais, buscando revelar as diferenças entre os trabalhos formal e o real.

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Organização do Trabalho na Produção Projeto do Trabalho -Objetivo: criar um ambiente produtivo e eficiente, onde cada um saiba o que

Leia mais

FORTALECENDO SABERES EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva.

FORTALECENDO SABERES EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Habilidades: Entender os benefícios

Leia mais

Postura. As posturas prolongadas podem prejudicar os músculos e as articulações.

Postura. As posturas prolongadas podem prejudicar os músculos e as articulações. Postura A postura é, freqüentemente, determinada pela natureza da tarefa ou do posto de trabalho. Um porteiro de hotel tem uma postura estática, enquanto um carteiro passa a maior parte do tempo andando.

Leia mais

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR DENOMINAÇÃO DO CARGO: ANALISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Desenvolver e implantar sistemas informatizados, dimensionando requisitos e funcionalidades do

Leia mais

Qualidade de vida laboral

Qualidade de vida laboral Qualidade de vida laboral Qualidade de vida laboral INTRODUÇÃO: Prevenir doenças ocupacionais (DORT Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho / LER Lesões por Esforços Repetitivos) decorrentes

Leia mais

Utilizadores de Computadores Conselhos ergonómicos

Utilizadores de Computadores Conselhos ergonómicos Utilizadores de Computadores Conselhos ergonómicos Ergonomia: Estuda a interacção física entre as pessoas e o seu trabalho adaptando este último, o equipamento e o ambiente de trabalho ao trabalhador.

Leia mais

DESENHO E ARQUITETURA DESENHO ARQUITETÔNICO

DESENHO E ARQUITETURA DESENHO ARQUITETÔNICO CURSO TÉCNICO EM TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS DESENHO E ARQUITETURA DESENHO ARQUITETÔNICO Elisa Furian elisafurian@outlook.com ESCALA É a relação existente entre as dimensões de um desenho e as dimensões reais

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA

CÓPIA NÃO CONTROLADA 2/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. CONDIÇÕES GERAIS... 3 2.1. Campo de Aplicação... 3 2.2. Responsabilidades... 3 2.2.1. Diretor do Projeto... 3 2.2.2. Diretor de Construção... 3 2.2.3. Demais Diretores e

Leia mais

A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES

A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES 1 OBJETIVOS DO PROJETO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO A proteção da vida humana A proteção do patrimônio A continuidade do processo produtivo 2 O CÍRCULO DE PROTEÇÃO

Leia mais

LUCIANO JOSÉ PELOGIA FREZATTI

LUCIANO JOSÉ PELOGIA FREZATTI LUCIANO JOSÉ PELOGIA FREZATTI LEVANTAMENTO E TRANSPORTE DE CARGAS Posição vertical: Dotar o posto de trabalho com regulagem de altura; Suporte para peças; Considerar dados antropométricos, na dúvida colocar

Leia mais

Ergo (trabalho) Nomos (regras)

Ergo (trabalho) Nomos (regras) ERGONOMIA Ergo (trabalho) Nomos (regras) Ergonomia é o estudo do relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamentos, ferramentas e ambiente, visando à solução dos problemas surgidos desse relacionamento

Leia mais

Prof. Paulo C. Barauce Bento. Ergonomia. UFPR 2007 ETAPAS. Prof. Paulo C. Barauce Bento. Ergonomia. UFPR 2007. Prof. Paulo C.

Prof. Paulo C. Barauce Bento. Ergonomia. UFPR 2007 ETAPAS. Prof. Paulo C. Barauce Bento. Ergonomia. UFPR 2007. Prof. Paulo C. Ergonomia Posto de trabalho Menor unidade produtiva Aplicação da antropometria no design do local de trabalho Homem e seu local de trabalho Fábrica / escritório > conjunto de postos Análise do posto Enfoque

Leia mais

Arranjo Físico (Layout)

Arranjo Físico (Layout) Organização, Sistemas e Métodos Arranjo Físico (Layout) Por José Luís Carneiro - www.jlcarneiro.com - Arranjo físico (layout) Arranjo Físico (Layout) 2 - www.jlcarneiro.com - Introdução O espaço físico

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

4. ANÁLISE ERGONÔMICA DOS POSTOS DE TRABALHO

4. ANÁLISE ERGONÔMICA DOS POSTOS DE TRABALHO 4.1 - Estudo do posto de trabalho: abordagem tradicional e ergonômica Posto é uma palavra oriunda da linguagem militar; Indica um local onde alguém é colocado para realizar uma determinada tarefa ou função;

Leia mais

GINÁSTICA LABORAL Prof. Juliana Moreli Barreto

GINÁSTICA LABORAL Prof. Juliana Moreli Barreto GINÁSTICA LABORAL Prof. Juliana Moreli Barreto OFICINA PRÁTICA Aprenda a ministrar aulas de ginástica laboral GINÁSTICA LABORAL - Objetivos e benefícios do programa - Formas de aplicação atualmente - Periodização

Leia mais

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO 1. Objetivos 1.1 Definir critérios para a caracterização e controle dos riscos à saúde dos trabalhadores decorrentes

Leia mais

ERGONOMIA - Adaptação das Condições de Trabalho. Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 18/12/2012. Sumário:

ERGONOMIA - Adaptação das Condições de Trabalho. Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 18/12/2012. Sumário: ERGONOMIA - Adaptação das Condições de Trabalho Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 18/12/2012. Sumário: 1 - Introdução 2 - Conceito e Objetivo 3 - Análise Ergonômica do Trabalho 3.1

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/2013 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/2013 1.ª SÉRIE Curso: Graduação: Regime: Duração: MATRIZ CURRICULAR PROCESSOS GERENCIAIS (Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios) TECNOLÓGICA SERIADO ANUAL - NOTURNO 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

É PERMITIDO O USO DE CALCULADORA PADRÃO NÃO MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA (CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO CORPO

É PERMITIDO O USO DE CALCULADORA PADRÃO NÃO MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA (CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO CORPO MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA (CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO CORPO DE ENGENHEIROS DA MARINHA / CPCEM/2013) É PERMITIDO O USO DE CALCULADORA PADRÃO NÃO CIENTÍFICA E RÉGUA ESCALÍMETRO

Leia mais

Antropometria. A antropometria estuda as dimensões físicas e proporções do corpo humano.

Antropometria. A antropometria estuda as dimensões físicas e proporções do corpo humano. Antropometria A antropometria estuda as dimensões físicas e proporções do corpo humano.. O conhecimento dessas medidas e como saber usá-las é muito importante na determinação dos diversos aspectos relacionados

Leia mais

O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO A EXPOSIÇÃO AO CALOR PRODUZ REAÇÕES NO ORGANISMO

O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO A EXPOSIÇÃO AO CALOR PRODUZ REAÇÕES NO ORGANISMO O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO Muitos trabalhadores passam parte de sua jornada diária diante de fontes de calor. As pessoas que trabalham em fundições, siderúrgicas, padarias, - para citar

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

Segurança Elétrica em. Prof. Ernesto F. F. Ramírez

Segurança Elétrica em. Prof. Ernesto F. F. Ramírez Segurança Elétrica em Ambiente Hospitalar Prof. Ernesto F. F. Ramírez Choque Elétrico Intensidade da corrente circulação de corrente elétrica através do organismo humano Percurso da corrente Duração do

Leia mais

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA REVISÃO DOS DADOS 04 RELAÇÃO DE CARGOS Auxiliar de Montagem Montador Supervisor de Produção Técnico de Programação da Produção Coordenador de Produção IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

DIRETRIZES P/ O PLANEJAMENTO OU EXPANSÃO DAS INSTALAÇÕES 1 - Planeje o futuro layout com todos os detalhes. 2 - Projete as expansões em pelo menos

DIRETRIZES P/ O PLANEJAMENTO OU EXPANSÃO DAS INSTALAÇÕES 1 - Planeje o futuro layout com todos os detalhes. 2 - Projete as expansões em pelo menos CHECK SEU LAYOUT Com a quantidade a produzir, o planejamento do fluxo geral dos materiais, os métodos de trabalho planejados, mais o trabalho padrão especificado, nós podemos determinar e dimensionar os

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa XXXVI CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO. Clique para editar os estilos do texto

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa XXXVI CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO. Clique para editar os estilos do texto Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa Clique para editar os estilos do texto de São Paulo XXXVI CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO 2015 1 Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 1/19 Programa do curso Módulo Designação Duração (h) Componente Sócio-Cultural 1 Legislação, regulamentos e normas de segurança,

Leia mais

LER/DORT. www.cpsol.com.br

LER/DORT. www.cpsol.com.br LER/DORT Prevenção através s da ergonomia DEFINIÇÃO LER: Lesões por Esforços Repetitivos; DORT: Doenças Osteomusculares Relacionadas ao Trabalho; São doenças provocadas pelo uso inadequado e excessivo

Leia mais

Centro de Fitness. Conforme EN1176 e EN957

Centro de Fitness. Conforme EN1176 e EN957 Centro de Fitness Conforme EN1176 e EN957 2 Centro de Fitness Indice MATERIAIS E TECNOLOGIA Pág. 3 MODELOS STANDARD Modelo Twister - 01 Pág. 4 Modelo Bicicleta - 02 Pág. 5 Modelo Stepper - 03 Pág. 6 Modelo

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 88 Município: Garça Eixo Tecnológico: Segurança Habilitação Profissional: Técnico em Segurança do Trabalho Qualificação:

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO CONSULTA PÚBLICA do ANEXO 8 da NR-15 PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES

Leia mais

LISTA DE TABELAS LISTA DE QUADROS

LISTA DE TABELAS LISTA DE QUADROS x LISTA DE TABELAS Tabela 1 Distribuição dos acidentes segundo o agente da lesão... 12 Tabela 2 Dispêndio segundo a importância da carga deslocada, erguida ou subida (kcal/min)... 166 Tabela 3 Avaliação

Leia mais

Métodos Treino e. CEF Cardio - Resumo

Métodos Treino e. CEF Cardio - Resumo Métodos Treino e Máquinas Cardiovasculares CEF Cardio - Resumo 3 Vias de ressíntese Energia (revisão) Conceito Resistência (fadiga) Níveis de Intensidade Metabólica Métodos de Treino Cardiovascular Máquinas

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO. Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM

FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO. Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM A FIBROMIALGIA consiste numa síndrome - conjunto de sinais e sintomas - com manifestações de

Leia mais

Condições de Trabalho

Condições de Trabalho NR-17 Ergonomia OBJETIVO Visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a proporcionar um máximo de conforto,

Leia mais

CENSO DE ERGONOMIA. Autores: Hudson de Araújo Couto e Otacílio dos Santos Cardoso

CENSO DE ERGONOMIA. Autores: Hudson de Araújo Couto e Otacílio dos Santos Cardoso CENSO DE ERGONOMIA Autores: Hudson de Araújo Couto e Otacílio dos Santos Cardoso Descrição Geral Trata-se de uma ferramenta formulada à base de questionário podendo ser auxiliada por entrevista, através

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

Manual Brasileiro NR: MA 7 Pág: 1/1 de Acreditação - ONA Data de Emissão: 01/12/2003. INFRA-ESTRUTURA Data desta Revisão: 06/03/2006

Manual Brasileiro NR: MA 7 Pág: 1/1 de Acreditação - ONA Data de Emissão: 01/12/2003. INFRA-ESTRUTURA Data desta Revisão: 06/03/2006 Manual Brasileiro NR: MA 7 Pág: 1/1 INFRA-ESTRUTURA Esta seção agrupa todos os componentes que se relacionam à gestão e à manutenção da infra-estrutura da organização. Subseções atuais: Gestão de Projetos

Leia mais

Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás.

Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás. Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás. USO DE GÁS NATURAL CANALIZADO NORMAS E LEGISLAÇÃO: ABNT NBR 14570 ABNT NBR 13103 COSCIP código de segurança - decreto estadual nº

Leia mais

Avaliação ergonômica dos postos de trabalho dos funcionários de uma lavanderia industrial área industrial

Avaliação ergonômica dos postos de trabalho dos funcionários de uma lavanderia industrial área industrial Avaliação ergonômica dos postos de trabalho dos funcionários de uma lavanderia industrial área industrial Paolo Cinque Pequini (Faculdade Área 1) ppeqhini@cpunet.com.br Carlos Brasileiro (Faculdade Área

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE UM ESTUDO QUANTO À APLICABILLIDADE DO PROGRAMA PARA COLETORES DE LIXO DO MUNICÍPIO DE NITERÓI ALESSANDRA ABREU LOUBACK, RAFAEL GRIFFO

Leia mais

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura Cuidando da Coluna e da Postura Texto elaborado por Luciene Maria Bueno Coluna e Postura A coluna vertebral possui algumas curvaturas que são normais, o aumento, acentuação ou diminuição destas curvaturas

Leia mais

PUC- RIO CENTRO UNIVERSITÁRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 1028 DESENHO DE ARQUITETURA I

PUC- RIO CENTRO UNIVERSITÁRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 1028 DESENHO DE ARQUITETURA I PUC- RIO CENTRO UNIVERSITÁRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 1028 DESENHO DE ARQUITETURA I Circulações Verticais São meios não mecânicos e mecânicos que permitem a ligação entre planos de níveis

Leia mais

RESOLUÇÃO CPA/SMPED 019/2014 PASSEIO PÚBLICO A Comissão Permanente de Acessibilidade CPA, em sua Reunião Ordinária, realizada em 28 de agosto de 2014.

RESOLUÇÃO CPA/SMPED 019/2014 PASSEIO PÚBLICO A Comissão Permanente de Acessibilidade CPA, em sua Reunião Ordinária, realizada em 28 de agosto de 2014. RESOLUÇÃO CPA/SMPED 019/2014 PASSEIO PÚBLICO A Comissão Permanente de Acessibilidade CPA, em sua Reunião Ordinária, realizada em 28 de agosto de 2014. Considerando o previsto na Constituição da República

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ROTATIVIDADE PESSOAL EM INDÚSTRIA DE PROCESSAMENTO DE CARNES COM INTERVENÇÃO ERGONÔMICA NO PROCESSO

AVALIAÇÃO DA ROTATIVIDADE PESSOAL EM INDÚSTRIA DE PROCESSAMENTO DE CARNES COM INTERVENÇÃO ERGONÔMICA NO PROCESSO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 AVALIAÇÃO DA ROTATIVIDADE PESSOAL EM INDÚSTRIA DE PROCESSAMENTO DE CARNES COM INTERVENÇÃO ERGONÔMICA NO PROCESSO José Maximiano Candido Neto 1, Rafael

Leia mais

ESCOLA JUDICIAL TRT7. 1º Seminário sobre Perícias Judiciais e Acidentes de Trabalho FORTALEZA/CE 13/12/13

ESCOLA JUDICIAL TRT7. 1º Seminário sobre Perícias Judiciais e Acidentes de Trabalho FORTALEZA/CE 13/12/13 ESCOLA JUDICIAL TRT7 1º Seminário sobre Perícias Judiciais e Acidentes de Trabalho FORTALEZA/CE 13/12/13 Painel sobre Perícias em Acidente de Trabalho Engenheiro e Perito Evandro Krebs Juiz do Trabalho

Leia mais

NR 17 - ERGONOMIA. Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07

NR 17 - ERGONOMIA. Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07 NR 17 - ERGONOMIA Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07 Esta Norma Regulamentadora visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

Controle e Mapeamento de Doenças Ósteo-musculares. José Waldemir Panachão Médico do Trabalho Health Total - TRF3

Controle e Mapeamento de Doenças Ósteo-musculares. José Waldemir Panachão Médico do Trabalho Health Total - TRF3 Controle e Mapeamento de Doenças José Waldemir Panachão Médico do Trabalho Health Total - TRF3 O porque da realização do controle no TRF da 3ª região : 1. Procura espontânea dos Servidores 2. Processos

Leia mais

INTRODUÇÃO AO TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO

INTRODUÇÃO AO TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO INTRODUÇÃO AO TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA (Lei 8.213 de 1991 Art. 19) 1º A empresa é responsável pela adoção e uso das medidas coletivas e individuais de proteção e segurança

Leia mais

LER/DORT. Dr. Rodrigo Rodarte

LER/DORT. Dr. Rodrigo Rodarte LER/DORT Dr. Rodrigo Rodarte Há dois lados em todas as questões (Pitágoras, 410 445 a.c.) Definição: As L.E.R. são Lesões por Esforços Repetitivos (definição mais antiga) A D.O.R.T. (conhecidas como doenças

Leia mais

LAUDO ERGONÔMICO DE TRABALHO ERGONOMIA NR-17

LAUDO ERGONÔMICO DE TRABALHO ERGONOMIA NR-17 LAUDO ERGONÔMICO DE TRABALHO ERGONOMIA NR-17 1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: Caixa Econômica Federal Endereço: Setor SBS Quadra 4 Bloco A Lote 3 e 4 Asa Sul Brasília/ DF CEP 70.092-900 CNPJ:

Leia mais

Acessibilidade e Ergonomia

Acessibilidade e Ergonomia Arqta. Dra Maria Elisabete Lopes Arqt a. Dr a. Maria Elisabete Lopes ACESSIBILIDADE Possibilidade e condição de alcance para utilização, com SEGURANÇA E AUTONOMIA (...) por pessoa portadora de deficiência

Leia mais

UNIDADE 2 DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO

UNIDADE 2 DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Universidade Federal de Pelotas Centro de Engenharias Curso de Engenharia Civil e Engenahria Agrícola UNIDADE 2 DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO (AULA 2 AÇÕES E SOLICITAÇÕES) Prof. Estela

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Requisitos necessários a todos as subseções

Leia mais

3 ORIGENS E CONCEITUAÇÃO DA ERGONOMIA

3 ORIGENS E CONCEITUAÇÃO DA ERGONOMIA De acordo com dados da Ergonomics Research Society, Inglaterra, a Ergonomia é o estudo do relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e particularmente a aplicação dos conhecimentos

Leia mais

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta.

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta. Segurança do Trabalho É o conjunto de medidas que versam sobre condições específicas de instalações do estabelecimento e de suas máquinas visando à garantia do trabalhador contra riscos ambientais e de

Leia mais

CICLO VIRTUOSO DA EDUCAÇÃO FÍSICA

CICLO VIRTUOSO DA EDUCAÇÃO FÍSICA CICLO VIRTUOSO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ATUAÇÃO DO PROFESSOR no Nível de Habilidade no Nível de Desempenho DIVERSIDADE DE CONTEÚDO Inserção no Grupo na Auto-estima CONCEITOS E INFORMAÇÕES Comportamentos e Atitudes

Leia mais

METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO. Oportunidades de redução de custos e maior eficiência energética

METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO. Oportunidades de redução de custos e maior eficiência energética METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO Oportunidades de redução de custos e maior eficiência energética A realização de diagnóstico energético envolve um conjunto bastante diversificado de atividades,

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R O QUE SÃO AS LESÕES POR ESFORÇOS REPETITIVOS LER são doenças do trabalho provocadas pelo uso inadequado e excessivo do

Leia mais

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Novo cenário da mobilidade urbana Plano de Mobilidade Urbana:

Leia mais

Adaptação do trabalho ao homem. Pessoas diferentes Capacidades físicas e mentais diferentes.

Adaptação do trabalho ao homem. Pessoas diferentes Capacidades físicas e mentais diferentes. Adaptação do trabalho ao homem. Pessoas diferentes Capacidades físicas e mentais diferentes. Tarefas que exijam elevada acuidade visual Visão desfocada e sensação de olhos a arder. Teclar de forma incorrecta

Leia mais

A relação trabalho, fábricas, máquinas, homens e(m) movimento há alguns

A relação trabalho, fábricas, máquinas, homens e(m) movimento há alguns TÍTULO:PROMOVENDO E RECUPERANDO A SAÚDE DO TRABALHADOR NA EMPRESA: GINÁSTICA LABORAL E CORREÇÃO FUNCIONAL NA ELECTROLUX DO BRASIL. AUTORES: DUARTE, A. C. G. O.; OLIVEIRA, S. B.; ARRUDA, E. A. B.; VENÂNCIO,

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

NORMAS DE ACESSIBILIDADE - Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT

NORMAS DE ACESSIBILIDADE - Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT NORMAS DE ACESSIBILIDADE - Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT 4.2 Pessoas em cadeira de rodas (P.C.R.) 4.2.1 Cadeira de rodas A figura 2 apresenta dimensões referenciais para cadeiras de rodas

Leia mais