Documento de Avaliação do Ambiente Experimental de VOIP durante o 4 o. WRNP e 21 o. SBRC: Descrição, Resultados, Problemas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Documento de Avaliação do Ambiente Experimental de VOIP durante o 4 o. WRNP e 21 o. SBRC: Descrição, Resultados, Problemas"

Transcrição

1 GT-VOIP Relatório P4.1: Documento de Avaliação do Ambiente Experimental de VOIP durante o 4 o. WRNP e 21 o. SBRC: Descrição, Resultados, Problemas Paulo Henrique de Aguiar Rodrigues, Cesar Cavalheiro Augusto Marcondes, Fabio David, João Carlos Peixoto de Almeida da Costa Junho de 2003 Este relatório consiste da descrição e da análise dos resultados do ambiente de demonstração VOIP montado pelo GT-VoIP durante o Workshop da RNP e o Simpósio Brasileiro de Redes de Computadores em Natal, em maio de RNP/REF/0204

2 Sumário 1. Introdução Infra-Estrutura Instalada Equipamentos Utilizados Topologia Completa do Ambiente Softwares Envolvidos no Ambiente Configuração de QoS nos Roteadores Descrição do Serviço Relatórios de Uso Histórico da Utilização do Ambiente Estatísticas de Uso e Perfil do Tráfego dos Gateways VOIP Problemas Encontrados Conclusões Anexos GT-VoIP Relatório P4.1 2

3 1. Introdução Este relatório técnico descreve a implantação do serviço experimental de telefonia e de voz sobre IP (VOIP), instalado para atender aos participantes do 4 o. Workshop da Rede Nacional de Pesquisa (WRNP) e do 21 o. Simpósio Brasileiro de Redes de Computadores (SBRC). Os dois eventos foram realizados no Hotel Pirâmide em Natal, Rio Grande do Norte, em maio de O objetivo deste experimento foi realizar uma demonstração do serviço VOIP utilizando a estrutura da Rede Nacional de Pesquisa, com uma topologia idêntica à do futuro piloto a ser implementado pelo GT-VOIP, que envolverá várias instituições interligadas através da RNP2. Para a implantação do piloto VOIP é necessário a instalação de equipamento gateway, que conectará o PBX da instituição participante à Internet. O piloto irá envolver diversas instituições e, no momento, estamos aguardando a chegada dos gateways que estão sendo adquiridos pela RNP. Com o uso de gateways emprestados pela Cisco, um instalado na UFRJ e o outro no hotel do evento, foi possível avaliar as configurações adequadas dos equipamentos envolvidos, bem como aspectos associados a segurança, qualidade de serviço (QoS), plano de numeração e gerenciamento (monitoração do serviço e contabilização das chamadas), necessários à implementação do serviço. 2. Infra-Estrutura Instalada A idéia do experimento foi possibilitar que os usuários congressistas do WRNP/SBRC pudessem realizar e receber ligações vindas tanto da Internet como da telefonia convencional, através dos PBXs da UFRJ e do hotel do evento. Deste modo foi montado um ambiente no hotel, onde o evento estava sendo realizado, e outro, na Universidade Federal do Rio de Janeiro, conforme apresentado no esquema abaixo. Fig.1 Esquema adotado no ambiente experimental de Voz sobre IP GT-VoIP Relatório P4.1 3

4 2.1. Equipamentos Utilizados Gateway de Voz sobre IP: Equipamento com capacidade de realizar a tradução entre a sinalização do PBX e a sinalização VOIP da Internet. Gatekeeper: Servidor de registro, autorização e autenticação no Cenário H.323. Suas funções incluem o registro de terminais H.323, de forma que só os clientes autorizados façam uso do serviço; o mapeamento de identificadores (números de telefone E.164, URLs) para endereços IP de gateways ou terminais, para que possa ser localizado o destino das chamadas; e um controle básico de admissão de chamadas. Todos os gateways de Voz sobre IP devem se registrar no Gatekeeper, para que seus prefixos atendidos pelos PBXs conectados fiquem acessíveis. Radius: Servidor de autenticação e contabilização. Sua função é controlar o acesso aos equipamentos VOIP e armazenar as estatísticas associadas às chamadas realizadas através dos gateways de voz. Em sua função de autenticação, este servidor previne que usuários não autorizados tenham acesso à console dos equipamentos de VoIP, ou seja, toda vez que uma mudança na configuração tiver que ser feita, o usuário terá que ser validado e autenticado previamente pelo servidor RADIUS. É importante ressaltar que esta função de autenticação não tem nenhum relacionamento com a autenticação das chamadas telefônicas IP. Sua segunda função consiste em obter as estatísticas de uso, extraindo de cada chamada parâmetros como tempo de ligação, quantidade pacotes transmitidos e perdidos, entre outros. O serviço Radius foi implementado utilizando o pacote FreeRadius instalado em um PC Pentium com sistema operacional Linux Slackware Topologia Completa do Ambiente A Fig. 2 apresenta a topologia completa do ambiente experimental implantado. Foram instalados dois gateways durante o evento: um roteador Cisco 2611 conectado ao PBX do hotel Pirâmide, configurado com 4 interfaces analógicas FXO (Foreign Exchange Office) e uma interface de rede ethernet (10 Mbps), configurada com o IP /24; e um segundo gateway modelo Cisco Access Gateway 4224 instalado no laboratório VOIP do Núcleo de Computação Eletrônica/UFRJ, contendo 1 interface digital E1, com suporte à sinalização CAS R2 e conectada ao PBX do NCE, e uma interface de rede FastEthernet (100 Mbps), configurada com o IP /26. GT-VoIP Relatório P4.1 4

5 Fig.2 - Topologia Completa do Ambiente Experimental de Voz sobre IP Configuração do gateway da UFRJ Configuração da controladora E1 para utilizar a sinalização E1/R2, padrão Brasil (CAS) Foram utilizados somente 12 canais em função do número de DSPs disponíveis no gateway. Todos os canais estavam associados ao ramal 3000 do PBX ( ) controller E1 2/0 framing NO-CRC4 ds0-group 1 timeslots 1-12 type r2-digital r2-compelled ani cas-custom 1 country brazil answer-signal group-b 1 Configuração da Interface Fast Ethernet. Definição do Gatekeeper onde o gateway irá se registrar ( ) com o ID UFRJ-VOIP-E1 interface FastEthernet0/0 ip address h323-gateway voip interface h323-gateway voip id NATALGK ipaddr h323-gateway voip h323-id UFRJ-VOIP-E1 h323-gateway voip bind srcaddr Configuração do plano de discagem Direcionar para o gatekeeper (NATAL) Direcionar para o PBX conectado à porta E1 (discagem direta ao ramal) Direcionar para o PBX conectado à porta E1 (discagem direta ao ramal) 21 Direcionar para o PBX conectado à porta E1 (acrescentar prefixo 0 para GT-VoIP Relatório P4.1 5

6 selecionar linha externa). dial-peer voice 10 pots preference 5 application ring destination-pattern port 2/0:1 prefix 0 dial-peer voice 11 pots preference 1 destination-pattern port 2/0:1 dial-peer voice 12 voip destination-pattern session target ras no vad dial-peer voice 51 pots preference 1 destination-pattern port 2/0:1 gateway Configuração do gateway de Natal Configuração das porta de voz FXO. Os ramais 781, 782, 783 e 784 estavam associados às porta 1/0/0, 10/1, 11/0 e 1/1/1, respectivamente Configurada desconexão na porta ao identificar término da chamada. Foi utilizado o cptone BE (Bélgica) para compatibilizar com o PBX do hotel. voice-port 1/0/0 cptone BE timeouts call-disconnect 1 supervisory disconnect dualtone mid-call no battery-reversal voice-port 1/0/1 cptone BE timeouts call-disconnect 1 supervisory disconnect dualtone mid-call no battery-reversal voice-port 1/1/0 cptone BE timeouts call-disconnect 1 supervisory disconnect dualtone mid-call GT-VoIP Relatório P4.1 6

7 voice-port 1/1/1 cptone BE timeouts call-disconnect 1 supervisory disconnect dualtone mid-call Configuração da Interface Ethernet. Definição do Gatekeeper onde o gateway irá se registrar ( ) com o ID VOIP-NATAL, respondendo pelo prefixo interface Ethernet0/0 ip address h323-gateway voip interface h323-gateway voip id NATALGK ipaddr h323-gateway voip h323-id VOIP-NATAL h323-gateway voip tech-prefix Configuração do plano de numeração prefixo 21 direciona para o gatekeeper (destino Rio de Janeiro) prefixo direciona para as portas FXO Configuração IVR Application ring (olhar capítulo especifico) dial-peer voice 20 pots application ring destination-pattern port 1/1/0 dial-peer voice 21 pots application ring destination-pattern port 1/1/1 dial-peer voice 22 pots application ring destination-pattern port 1/0/0 dial-peer voice 23 pots application ring destination-pattern port 1/0/1 dial-peer voice 16 voip destination-pattern session target ras dtmf-relay h245-alphanumeric no vad Na estrutura montada, o gateway da UFRJ respondeu pelo prefixo 21 (ligações para o Rio de Janeiro), enquanto que o do hotel, pelo GT-VoIP Relatório P4.1 7

8 2.3. Softwares Envolvidos no Ambiente Interactive Voice Response (IVR) O desenvolvimento de um script, utilizando o suporte à linguagem TCL presente nos gateways de voz dos equipamentos Cisco, permitiu que uma mensagem audível fosse apresentada ao usuário, orientando-o sobre o uso do serviço. O usuário, ao discar para um ramal conectado ao gateway, recebia a mensagem e através da discagem normal, que também interpretada pelo IVR, podia chamar qualquer dispositivo utilizando o protocolo H.323. Esta facilidade permitiu que o serviço pudesse ser oferecido aos usuários sem alterações na configuração do PBX e sem que os usuários precisassem ter qualquer treinamento no uso do serviço. A configuração do gateway para que seja utilizado o script ring.tcl é apresentada a seguir. O código fonte do script é apresentado no anexo 1. Configuração do script IVR TCL nos gateways de VOZ Cisco ## Definição da aplicação ring, cujo carga do código (script TCL) será feita a partir do servidor ## TFTP Router(config)# call application voice ring tftp:// /tcl/ring.tcl ## Configuração do Dial-Peer 1 pots para acionar automaticamente o IVR quando receber ## ligações através da porta de voz 2/0:1 (CAS-group 1 associado à controladora E1 2/0) ## Esta porta está associada ao ramal 3000 no PBX da UFRJ Router(config)# dial-peer voice 1 pots application ring port 2/0:1 Dentre as dificuldades enfrentadas, podemos relatar que os scripts TCL IVR só funcionam quando assinados com a ferramenta lockscript da Cisco, cuja única versão disponível é para plataforma Sun Solaris. Alternativamente, pode ser desativada a opção de verificação de assinaturas com o comando test voip scripts. No nosso ambiente, utilizamos a ferramenta lockscript, obtida do site da Cisco, para assinar o script ring.tcl. As mensagens de áudio utilizadas no serviço IVR foram gravadas no Laboratório de Multimídia do NCE/UFRJ. (http://videolab.nce.ufrj.br/). Por restrição do gateway, os arquivos tiveram que ser codificados utilizando o padrão.au do UNIX. Na primeira bateria de testes do ambiente, verificamos que os espaços de silêncio dentro de cada mensagem foram suprimidos pelo gateway, descaracterizando a mensagem. Para solucionar este problema, colocamos um som de fundo durante a mensagem, para que não tivéssemos nenhum período de silêncio absoluto. As mensagens de voz adotadas no ambiente seguiram os seguintes textos: Texto 1 (arquivo welcome.au) Bem-vindo ao Sistema Experimental de Telefonia sobre IP do GT-VOIP Maiores informações podem ser obtidas no site Todas as chamadas estão sendo contabilizadas, e existe um tempo máximo de utilização por chamada. Aproveite o serviço. Após o sinal disque o número desejado. GT-VoIP Relatório P4.1 8

9 Texto 2 (arquivo (user_busy.au) Número Ocupado, por favor tente mais tarde. Acesse nosso website (http://www.voip.nce.ufrj.br) para saber mais informações sobre o uso GnuGK No experimento foi utilizado apenas um Gatekeeper, localizado em Natal e instalado em um PC Desktop com sistema operacional Linux Conectiva utilizando o software GNUGK v O GnuGK é um software de gatekeeper de código-fonte aberto, apresentando uma série de vantagens e flexibilidades para nosso ambiente VoIP experimental. Com ele, foi criada uma zona administrativa H.323, à qual os gateways VOIP e clientes H.323 que quisessem fazer uso do serviço deveriam se registrar. O gatekeeper pode ser configurado para permitir que somente clientes registrados possam fazer chamadas usando o(s) gateway(s) VOIP também registrados nele. Outras facilidades desta implementação de gatekeeper incluem a operação como proxy de mídia e a convivência com NATs na rede, facilitando a configuração de firewalls. O GnuGK pode ainda limitar o registro a clientes autorizados através do endereço IP ou somente a usuários pré-cadastrados. Configuração do GnuGK durante o evento WRNP/SBRC [Gatekeeper::Main] Fourtytwo=42 # Aqui temos o Identificador do Gatekeeper = NATALGK Name=NATALGK [RoutedMode] # Para uma análise de problemas durante o evento, optamos por redirecionar toda a # sinalização H.225/H.245 através do Gatekeeper, facilitando a configuração do # Firewall GKRouted=1 H245Routed=1 AcceptNeighborsCalls=1 AcceptUnregisteredCalls=1 SupportNATedEndpoints=1 [Proxy] # O gatekeeper foi configurado para atuar como proxy, de forma que todo o tráfego H.323 # proveniente ou destinado à rede interna ( ) passasse necessariamente através # do gatekeeper, possibilitando uso de H.323 através do NAT. É necessário que o # gatekeeper tenha conectividade com a rede interna, seja através de conexão direta, # ou através de roteamento Enable=1 ProxyForNAT=1 ProxyForSameNAT=0 InternalNetwork= /16 # Esta seção mapeia estaticamente prefixos ao gateway que será utilizado para # alcança-los. Esta configuração é necessária com as versões mais recentes de IOS GT-VoIP Relatório P4.1 9

10 # Cisco registrados no gnugk (o problema ocorre porque o gnugk ainda não interpreta # corretamente as mensagens enviadas pelo Cisco (H.323 versão 4). [RasSrv::GWPrefixes] VOIP-NATAL= UFRJ-VOIP-E1=21;212598; # Nesta seção temos os endereços IPs dos Gateways e Clientes H.323 autorizados # a usar o ambiente VoIP Demo durante o evento # Endereços IP fora desta faixa automaticamente recebem uma rejeição no seu registro [RasSrv::RRQAuth] VOIP-NATAL=sigip: :1719 VOIP-UFRJ=sigip: : = sigip: : = sigip: : = sigip: : = sigip: : = sigip: : = sigip: : = sigip: :1719 default=reject # Limitamos o acesso à console de gerenciamento do gatekeeper (porta TCP 7000) # Foi permitido o acesso a qualquer máquina da rede [GkStatus::Auth] rule=regex regex=^200\.19\.164\. # O Gatekeeper vizinho é o DGK (Directory Gatekeeper) que permite realizar ligações # internacionai. [RasSrv::Neighbors] UFRJGK= :1719;00 [RasSrv::LRQFeatures] AlwaysForwardLRQ=1 # Mensagens ARQ e RRQ podem ser autenticadas através do protocolo H.235 com o # uso de senhas, se o cliente tiver suporte a esta funcionalidade, ou através das regras # definidas na seção RasSrv::RRQAuth. O cadastro das senhas pode ser realizado # através do programa addpasswd [Gatekeeper::Auth] SimplePasswordAuth=optional;RRQ;ARQ AliasAuth=required;RRQ default=allow # Habilitamos o mecanismo de análise destino para limitar as ligações para celulares # locais, cujas regras estão na seção CallTable [Gatekeeper::DestAnalysis] default=allow GT-VoIP Relatório P4.1 10

11 # Aqui temos as regras de permissão e negação dependendo do número discado [CallTable] =allow ipv4:0/0 21=allow alias:^77.* allow ipv4:0/0 # ligação local = permitida para qualquer IP 219=deny ipv4:0/0 # ligação para celular local = proibida para qualquer IP O GNUGK oferece uma console de gerenciamento através da porta TCP/7000, onde pode ser controlada a operação do gatekeeper, visualizados os gateways e clientes registrados e gerenciadas as chamadas em curso. Várias mensagens de console são apresentadas, incluindo o CDR (Call Detail Record), que apresenta informações sobre as chamadas, quando estas terminam. Exemplo das Estatísticas Coletadas pelo GnuGK ao longo do evento: CDR d 56 f1 87 c6 11 d cd a5 4d 5c c Sat, 17 May :47: Sat, 17 May :47: : _endp :1721 oz_1008_endp :dialedDigits 782: dialeddigits=voip-natal:h323_id NATALGK; Onde: CDR = Call Detail Record 111 = Call number 91 7d 56 f1 87 c6 11 d cd a5 4d 5c c3 69 = Call ID Sat, 17 May :47:19 = Data /Hora do início da chamada Sat, 17 May :47:58 = Data /Hora do término da chamada :1720 = Endereço IP do terminal chamador :1721 = Endereço IP do terminal chamado = Número telefônico chamado 782 = Número telefônico do chamador Servidor FreeRadius O software FreeRadius v foi utilizado para implementar o serviço que permitiu manter uma descrição de todas as chamadas realizadas através dos dois gateways de voz, permitindo identificar o tempo da chamada e o tráfego gerado por cada uma. A contabilização é realizada através de informações recebidas nos CDRs (Call Detail Record), registros que podem ser enviados pelos gateways quando é iniciada ou encerrada uma chamada. O IETF (Internet Engineering Task Force) definiu, através da RFC 2866, um conjunto de atributos básico para fins de contabilização, incluindo o tempo da sessão e o tráfego (bytes e pacotes) recebido e enviado. Entretanto, os fabricantes podem incluir novos atributos aos básicos, chamados de Vendor Specific Attributes (VSA). Os gateways Cisco podem incluir VSAs que fornecem dados sobre a qualidade da chamada, como por exemplo, pacotes perdidos, pacotes atrasados, pacotes adiantados, round trip time (RTT), receive delay, entre outros. para coletar estas informações foram utilizados os comandos a seguir na configuração dos gateways: (config)#gw-accounting aaa (config-gw-accounting-aaa)# acct-template callhistory-detail As informações básicas obtidas pelo FreeRadius provenientes dos gateways de voz podem ser vistas a seguir, as quais incluem atributos definidos pelo IETF e VSAs (informações H.323). GT-VoIP Relatório P4.1 11

12 Acct-Session-Id = "000003F6" h323-setup-time = "h323-setup-time=.06:29: BRST Wed May " h323-gw-id = "h323-gw-id=voip-natal." h323-conf-id = "h323-conf-id=973ad848 8AA511D7 82F3CC5B BEEA20B3" h323-call-origin = "h323-call-origin=originate" h323-call-type = "h323-call-type=voip" Cisco-AVPair = "h323-incoming-conf-id=973ad848 8AA511D7 82F3CC5B BEEA20B3" Cisco-AVPair = "subscriber=regularline" Cisco-AVPair = "session-protocol=cisco" h323-connect-time = "h323-connect-time=.06:30: BRST Wed May " Acct-Input-Octets = Acct-Output-Octets = Acct-Input-Packets = 2071 Acct-Output-Packets = 9104 Acct-Session-Time = 182 h323-disconnect-time = "h323-disconnect-time=.06:33: BRST Wed May " h323-disconnect-cause = "h323-disconnect-cause=1b" h323-remote-address = "h323-remote-address= " Cisco-AVPair = "release-source=1" h323-voice-quality = "h323-voice-quality=9" Detalhes Específicos Coletados pelos CDRs gerados pelos equipamentos Cisco (AVPairs) Cisco-AVPair = "remote-media-address= " Cisco-AVPair = "outgoing-area=natalgk" Cisco-AVPair = "gw-final-xlated-cdn=21xxxxxxxx" Cisco-AVPair = "gw-final-xlated-cgn=783" Cisco-AVPair = "charged-units=0" Cisco-AVPair = "disconnect-text=destination out of order (27)" Cisco-AVPair = "peer-address=21xxxxxxxx " Cisco-AVPair = "info-type=speech" Cisco-AVPair = "peer-id=16" Cisco-AVPair = "peer-if-index=21" Cisco-AVPair = "logical-if-index=0" Cisco-AVPair = "codec-bytes=20" Cisco-AVPair = "coder-type-rate=g729r8" Cisco-AVPair = "ontime-rv-playout=39780" Cisco-AVPair = "remote-udp-port=1721" Cisco-AVPair = "remote-media-udp-port=19280" Cisco-AVPair = "vad-enable=disable" Cisco-AVPair = "receive-delay=57 ms" Cisco-AVPair = "round-trip-delay=74 ms" Cisco-AVPair = "hiwater-playout-delay=70 ms" Cisco-AVPair = "lowater-playout-delay=57 ms" Cisco-AVPair = "gapfill-with-interpolation=0 ms" Cisco-AVPair = "gapfill-with-prediction=80 ms" Cisco-AVPair = "gapfill-with-redundancy=0 ms" Cisco-AVPair = "gapfill-with-silence=20 ms" Cisco-AVPair = "early-packets=1" GT-VoIP Relatório P4.1 12

13 Cisco-AVPair = "late-packets=0" Cisco-AVPair = "lost-packets=3" User-Name = "783" Acct-Status-Type = Stop Calling-Station-Id = "783" Called-Station-Id = "21XXXXXXXX " Service-Type = Login-User NAS-IP-Address = Acct-Delay-Time = 0 Client-IP-Address = Timestamp = A fim de limitar o tempo das chamadas foi desenvolvido um script perl que controlava as chamadas através da console de gerenciamento do gatekeeper (porta TCP/7000). O código desse script é apresentado abaixo: Código-Fonte do script KillConn.pl #/usr/sbin/perl -w use Socket; use Net::Telnet (); $timeout = ($ARGV[0]? $ARGV[0]:5) * 60; $arquivolog = "killconn.log"; $port = 7000; $host = ' '; # Abre a conexao com o GateKeeper $t = new Net::Telnet; $t->open(host => $host, Port => $port) or die "Erro na conexao com GK"; while ($t) { $line = $t->getline; $t->open(host => $host, Port => $port) or die "Erro na conexao com GK"; for (;;) { if ($t->getline =~ /^;/o) { last; $now = `date`; chomp($now); if ( $now =~ /.* (.*) (.*) (.*):(.*):(.*).* (.*)/o ) { $horaatual = converteparasegundos ($6, $1, $2, $3, $4, $5); $t->print("cv"); while ($t) { $line = $t->getline; GT-VoIP Relatório P4.1 13

14 if ($line =~ /^;/o ) { last; if ($line =~ /^Call No. (\d*)/o ) { $call = $1; if ($line =~ /^\#.*\.*\.*\.*, (.*) (.*) (.*) (.*):(.*):(.*) -.*/o ) { $iniciochamada = converteparasegundos ($3, $2, $1, $4, $5, $6); $duracao = $horaatual - $iniciochamada; if ( $duracao >= $timeout) { open (LOG, ">>$arquivolog") or die ("Erro na abertura do arquivo de log"); print LOG "$now *** Timeout ($timeout) conexao $call com duracao $duracao\n"; print LOG $line; close LOG; $t->print("disconnectcall $call"); $t->close; Foi também desenvolvido outro script perl que permitia a visualização dos equipamentos registrados no GK, as chamadas ativas e os CDRs associados às últimas chamadas terminadas. Código-Fonte do script de Visualização de Registros Código-Fonte do script de Visualização de Chamadas Ativas # Manda o comando (seja ele RV registros ativos ou CV ligações ativas) $t->print($cmd); while ($t) { $line = $t->getline; if ($line =~ /RCF\ (.*):.*\ (.*):.*\ gateway/o ) { print "<TR><nobr><TD style=\"color: black; BACKGROUND-COLOR: #66ff99\" align=left>gateway</nobr></td><td align=left><nobr>$2</ nobr></td>"; elsif ($line =~ /^Prefixes: (.*)/o ) { print "<TD align=left><nobr>prefixos: $1</nobr></TD></TR>"; elsif ($line =~ /^RCF\ (.*):.*\ (.*):.*=(.*):.*terminal/o ) { print "<TR><TD style=\"color: black; BACKGROUND-COLOR: #ffcc00\" align=left><nobr>terminal</nobr></td><td align=left><nobr>$2< /nobr></td><td align=left><nobr>$3</nobr></td></tr>"; elsif ($line =~ /^;/o ) { last; 2.4. Configuração de QoS nos Roteadores O serviço VOIP é sensível a problemas como atraso, variação no atraso (jitter) e perda de pacotes. Desta forma, é necessário que a rede onde o serviço é implementado ofereça mecanismos de QoS que tratem os pacotes de Voz com a maior prioridade possível. De acordo com as RFCs 2597 e 2598 é recomendável que o tráfego de voz seja marcado como serviço expedited forwarding (EF, DSCP GT-VoIP Relatório P4.1 14

15 46). O tráfego associado à sinalização de voz deve ser marcado com serviço AF31, DSCP 26, para que também possa priorizado. No experimento, só o roteador do POP-RN estava preparado para dar tratamento diferenciado ao tráfego de voz. A identificação do serviço era realizada através de listas de acesso que identificavam a origem dos pacotes (IPs e 3). Este tráfego era classificado como EF e era tratado por uma fila de baixa latência (Low Latency Queue LLQ). No entanto, a mesma marcação foi incorretamente adotada para o tráfego de vídeo, quando o recomendável seria que este fosse classificado com o serviço AF41, DSCP34, de prioridade abaixo da de voz. É importante lembrar que o tráfego de vídeo, diferentemente do tráfego de voz, gera pacotes maiores e requer uma grande banda, podendo impactar significativamente na qualidade da voz. A voz por seu lado. Gera pacotes pequenos e a banda total associada a uma sessão de voz está, em geral, abaixo de 100 kbps. Durante o evento, o tráfego de vídeo estava sendo roteado somente para São Paulo, não havendo competição direta com o de voz, em boa parte da rota utilizada. O restante dos roteadores, no caminho entre Natal e a UFRJ, não foram configurados com nenhuma opção de priorização de tráfego. Também não existia nenhuma priorização para o tráfego de voz no sentido UFRJ Natal, pela própria impossibilidade de suportar QoS no roteador da RNP no Rio. Para a implantação do serviço de VOIP na RNP é recomendado o uso de duas LLQs, a primeira utilizada exclusivamente para voz e a segunda para vídeo. Configuração de QoS no roteador do POP-RN class-map match-any Gateway-VoIP match access-group 170 policy-map VoIP class Gateway-VoIP priority 600 interface ATM4/0/0.111 point-to-point description Conexao PoP-RN <--> PoP-RJ pvc RJ 0/111 service-policy out VoIP access-list 170 permit ip host any access-list 170 permit ip host any 3. Descrição do Serviço A divulgação do serviço aos participantes do WRNP e do SBRC foi realizada através da própria página do evento e de avisos colocados em vários locais do hotel, que orientavam como fazer uso do serviço. Através da página havia a possibilidade de se cadastrar para receber um número de telefone virtual para que as ligações pudessem ser feitas de/para clientes H.323 instalados em micros. Os usuários que fizeram cadastro receberam um com instruções de como usar o serviço. Uma cópia do e das instruções de uso do serviço são apresentadas no anexo 2. GT-VoIP Relatório P4.1 15

16 4. Relatórios de Uso 4.1. Histórico da Utilização do Ambiente São apresentadas abaixo as estatísticas obtidas através dos CDRs gerados pelo gatekeeper. Foram consideradas somente as chamadas que conseguiram iniciar com sucesso, sendo expurgadas as chamadas realizadas durante os testes. Na seqüência podem ser observados os quadros contendo o número de chamadas, os tempos totais das chamadas e a média de duração de cada chamada, englobando: Todas as chamadas realizadas no período; As chamadas realizadas do Rio de Janeiro para Natal; As chamadas realizadas de Natal para o Rio de Janeiro; As chamadas realizadas de ramais da UFRJ para Natal, não incluídas nas chamadas do Rio para Natal; As chamadas realizadas a partir de clientes H.323 (ramais virtuais). Total Global de Chamadas realizadas utilizando o serviço VOIP no SBRC Natal Dia Número de ligações Tempo total de uso do Duração Média das realizadas serviço (segundos) Chamadas (segundos) 17/mai /mai /mai /mai /mai /mai /mai TOTAL Chamadas realizadas do Rio de Janeiro para Natal Dia Número de ligações Tempo total de uso do Duração Média das realizadas serviço (segundos) Chamadas (segundos) 17/mai /mai /mai /mai /mai /mai /mai TOTAL GT-VoIP Relatório P4.1 16

17 Chamadas realizadas de Natal para o Rio de Janeiro Dia Número de ligações Tempo total de uso do Duração Média das realizadas serviço (segundos) Chamadas (segundos) 17/mai /mai /mai /mai /mai /mai /mai TOTAL Chamadas realizadas de ramais internos do NCE para Natal Dia Número de ligações Tempo total de uso do Duração Média das realizadas serviço (segundos) Chamadas (segundos) 17/mai 18/mai 19/mai 20/mai /mai /mai /mai TOTAL Chamadas realizadas utilizando ramais virtuais Dia Número de ligações Tempo total de uso do Duração Média das realizadas serviço (segundos) Chamadas (segundos) 17/mai 18/mai 19/mai 20/mai 21/mai /mai 23/mai TOTAL Estatísticas de Uso e Perfil do Tráfego dos Gateways VOIP Os CDRs recebidos pelo servidor Radius relativos a todas as chamadas, incluindo as que não foram iniciadas por algum motivo, foram armazenados para análise. Com as informações recebidas, foi GT-VoIP Relatório P4.1 17

18 possível gerar um histograma com a distribuição das chamadas realizadas por dia. A maior incidência de chamadas ocorria no final do dia, entre 19:00 e 20:00 hs, quando terminavam as atividades dos eventos. Durante o experimento foi possível observar problemas como degradação na qualidade da voz durante a chamada, normalmente sentida somente por um dos lados, e o término anormal das chamadas. Através dos dados dos CDRs foram detectados alguns fatores que poderiam explicar estes problemas. Foram analisados a princípio, o round-trip time (RTT) e a perda de pacotes, já que a qualidade de ligações VOIP é afetada diretamente por estes dois fatores. Uma chamada VOIP está associada pelo menos a dois fluxos de mídia independentes, um para cada sentido da conversa. Desta forma, a análise foi realizada nos fluxos gerados nos dois sentidos: Rio de Janeiro/Natal e Natal/Rio de Janeiro. No sentido Natal/Rio de Janeiro foi possível observar uma perda grande no domingo (18/05/03) e na segunda (19/05/03), o que explica uma perda na qualidade na voz recebida pelos usuários no Rio de Janeiro. Após um trabalho realizado em conjunto com a equipe da RNP (Marcel e Ari Frazão), foram identificados vários fluxos saindo da Natalnet ocupando completamente o PVC da RNP (limitado a 2.5Mbps) no sentido Natal-Rio de Janeiro. Por limitações impostas pela interface ATM do roteador Cisco do POP-RN, não pudemos determinar precisamente a ocorrência de descartes naquele ponto, embora soubéssemos que as estatísticas de perda do tráfego de voz indicavam perdas acima de 20% e elevado RTT. As perdas poderiam estar ocorrendo por problemas de policiamento na Embratel, ou em algum ponto intermediário na rota. A partir da noite de domingo, todo o tráfego de Natal direcionado ao gateway VOIP localizado na UFRJ, passou a ser roteado por São Paulo, já que havia uma suspeita no comportamento do PVC Natal/Rio. Entretanto, foi observado que este caminho acabava sendo pior, o que pôde ser visto pelo RTT coletado nos dois sentidos. O RTT persistiu elevado na segunda-feira, o que pode ser explicado pela mudança no roteamento por São Paulo e pelo gargalo existentes na rede da UFRN, cuja existência somente seria desvendada mais tarde. Em uma reunião de emergência na noite de segunda feira, envolvendo o POP-RNP, Natal-Net, UFRN, GT-VOIP e VT-Vídeo, o tráfego saturante foi identificado como experimento do GT-Vídeo a partir de estações de trabalho internas da UFRN, que, inadvertidamente, estavam gerando tráfego pesado de testes para vários destinos na RNP, ocupando banda além da capacidade em enlaces na UFRN e saturando a conexão para o POP-RN. Esta geração desenfreada de tráfego certamente estava provocando provavelmente descartes em switch na UFRN com entrada em portas de 100 Mbps e saída em 10 Mbps. Por este switch na UFRN estava passando todo o tráfego do hotel (inclusive o de VOIP), com exceção do tráfego de vídeo de geração local, que utilizava um PVC de 155Mbps direto com o POP-RN. de VOIP. O roteamento voltou à situação original na noite de segunda-feira. Na noite da segunda-feira, todo o tráfego proveniente do hotel passou a ser roteado através do mesmo PVC dedicado anteriormente aos experimentos de vídeo, evitando a rede local da UFRN. Estas alterações puderam explicar algumas melhoras nas condições da rede. Nos outros dias, o RTT médio esteve dentro de valores mais aceitáveis em ambos os sentidos. Ao serem removidos os fluxos saturantes na manhã de terça-feira, houve uma redução na perda de pacotes e uma melhora significativa na qualidade de voz obtida. De qualquer forma, o tratamento de filas configurado no roteador do POP-RN deveria dar preferência aos fluxos associados a VOIP, o que não foi observado. As suspeitas sobre este comportamento estavam associadas a problemas no IOS, GT-VoIP Relatório P4.1 18

19 que só foi trocado na quarta-feira (21/05/03), e à rede ATM da Embratel, onde poderia estar havendo algum descarte em função da configuração de policing, como já mencionado. A fim de verificar o motivo do término anormal das chamadas, foram mapeados os motivos de desconexão das chamadas VOIP através de informações obtidas do Radius. Estas informações estão ainda sendo estudadas de forma a correlacionar as chamadas terminadas de forma anormal e os motivos da desconexão. Distribuição horária das chamadas realizadas Gráfico de uso do canal Natal/Rio de Janeiro Tráfego Rio de Janeiro/ Natal (Limitado a 5Mbps) Tráfego Natal/Rio de Janeiro (Limitado a 2.5Mbps) (Extraído da página de estatística da RNP. Gráfico original produzido através do software MRTG) GT-VoIP Relatório P4.1 19

20 Perda de Pacotes Fluxos de mídia Rio de Janeiro Natal Fluxos Natal Rio de Janeiro GT-VoIP Relatório P4.1 20

Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura

Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura Maio de 2005 Esse documento descreve a arquitetura do serviço fone@rnp. RNP/REF/0343a Versão Final Sumário 1. Arquitetura... 3 1.1. Plano de numeração... 5 1.1.1.

Leia mais

Documento de Avaliação do Ambiente Experimental de VoIP durante o 5 o WRNP e o 22 o SBRC em Gramado

Documento de Avaliação do Ambiente Experimental de VoIP durante o 5 o WRNP e o 22 o SBRC em Gramado GT-VoIP Relatório Técnico P4.1a: Documento de Avaliação do Ambiente Experimental de VoIP durante o 5 o WRNP e o 22 o SBRC em Gramado Descrição, Resultados e Avaliação Paulo Henrique de Aguiar Rodrigues,

Leia mais

GT-VOIP. Especificação de Compra de Gateways VoIP. Fevereiro de 2003

GT-VOIP. Especificação de Compra de Gateways VoIP. Fevereiro de 2003 GT-VOIP Especificação de Compra de Gateways VoIP Fevereiro de 2003 Este relatório apresenta a especificação de cenários e do hardware necessário para a implantação do piloto VOIP na Rede Nacional de Pesquisa.

Leia mais

Arquitetura de Monitoração de Chamadas Telefônicas IP

Arquitetura de Monitoração de Chamadas Telefônicas IP Arquitetura de Monitoração de Chamadas Telefônicas IP NCE - UFRJ Leandro C. G. Lustosa Paulo Henrique de A. Rodrigues Fabio David Douglas G. Quinellato Importância de Estatísticas de Qualidade Monitoramento

Leia mais

Ambiente Atual (GT-VoIP)

Ambiente Atual (GT-VoIP) Ambiente Atual (GT-VoIP) Operação baseada em H.323 Cada instituição possui um GK para implantação de plano de numeração local DGK centralizado armazena os prefixos E.164 de cada uma das instituições GT-VOIP

Leia mais

GT-VOIP: Balanço de Atividades

GT-VOIP: Balanço de Atividades GT-VOIP: Balanço de Atividades Paulo Aguiar GT-VOIP/RNP 19/05/2003 4o. WRNP GT-VOIP 1 Objetivos do GT-VOIP Piloto VOIP Implantar um piloto de telefonia sobre IP no backbone da RNP Premissas Aquisição de

Leia mais

Manual de Configuração

Manual de Configuração Manual de Configuração Linksys SPA 2102 Versão 1.4 Guia de instalação do Linksys SPA 2102 O Linksys SPA 2102 possui: 01 Entrada de alimentação DC 5V (100-240V~) 01 Porta Ethernet (LAN) conector RJ 45 01

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

LINKSYS SPA3102 E PAP2T

LINKSYS SPA3102 E PAP2T CONFIGURANDO TELEFONE PONTO A PONTO COM LINKSYS SPA3102 E PAP2T CONFIGURANDO SPA3102 e PAP2T Conteúdo: 1 Apresentação pag 3 2 Estudo de caso pag 4 3 Conexão dos ATAs pag 6 4 Configurando pag 8 5 SPA 3102

Leia mais

Telefonia IP na UFSC Experiências e Perspectivas

Telefonia IP na UFSC Experiências e Perspectivas Telefonia IP na UFSC Experiências e Perspectivas BoF VoIP Experiências de Perspectivas RNP, Rio de Janeiro, 22 Agosto 2011 Edison Melo SeTIC/UFSC PoP-SC/RNP edison.melo@ufsc.br 1 Histórico Serviço VoIP4All

Leia mais

QoS em roteadores Cisco

QoS em roteadores Cisco QoS em roteadores Cisco Alberto S. Matties 1, André Moraes 2 1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Rua Gonçalves Chaves 602 96.015-000 Pelotas RS Brasil 2 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC

Leia mais

GT-VOIP Avançado. Paulo Aguiar Tel. (0xx21) 2598-3165 e-mail: aguiar@nce.ufrj.br Núcleo de Computação Eletrônica da UFRJ

GT-VOIP Avançado. Paulo Aguiar Tel. (0xx21) 2598-3165 e-mail: aguiar@nce.ufrj.br Núcleo de Computação Eletrônica da UFRJ GT-VOIP Avançado Paulo Aguiar Tel. (0xx21) 2598-3165 e-mail: aguiar@nce.ufrj.br Núcleo de Computação Eletrônica da UFRJ GT-VoIP (maio/02-maio/04) Capacitar instituições para disseminação de VoIP Implantar

Leia mais

Manual do Radioserver

Manual do Radioserver Manual do Radioserver Versão 1.0.0 Alex Farias (Supervisão) Luiz Galano (Comercial) Vinícius Cosomano (Suporte) Tel: (011) 9393-4536 (011) 2729-0120 (011) 2729-0120 Email: alex@smartptt.com.br suporte@smartptt.com.br

Leia mais

Guia do Usuário. Embratel IP VPBX

Guia do Usuário. Embratel IP VPBX Índice Guia do Usuário EMBRATEL IP VPBX 3 Tipos de Ramais 4 Analógicos 4 IP 4 FACILIDADES DO SERVIÇO 5 Chamadas 5 Mensagens 5 Bloqueio de chamadas 5 Correio de Voz 5 Transferência 6 Consulta e Pêndulo

Leia mais

LINKSYS SPA3102 E PAP2T

LINKSYS SPA3102 E PAP2T CONFIGURANDO TELEFONE PONTO A PONTO COM LINKSYS SPA3102 E PAP2T Infottecnica Telecom & infor www.infottecnica.com.br Pirapora MG Tel. 38 8404-4430 1 CONFIGURANDO SPA3102 e PAP2T Conteúdo: 1 Apresentação

Leia mais

Manual básico de configuração. ATA (Adaptador de Terminal Analógico) Modelo Linksys PAP2T

Manual básico de configuração. ATA (Adaptador de Terminal Analógico) Modelo Linksys PAP2T Manual básico de configuração ATA (Adaptador de Terminal Analógico) Modelo Linksys PAP2T Índice 1 Objetivo deste documento... 3 2 Entendendo o que é um ATA... 3 3 Quando utilizar o ATA... 4 4 Requisitos

Leia mais

Entendendo a Comparação de Correspondentes de Discagem de Entrada e Saída em Plataformas IOS

Entendendo a Comparação de Correspondentes de Discagem de Entrada e Saída em Plataformas IOS Entendendo a Comparação de Correspondentes de Discagem de Entrada e Saída em Plataformas IOS Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Usados Convenções Comparando Correspondentes de Discagem

Leia mais

Abra o software de programação. Clique na opção VOIP, depois opção configuração conforme as imagens:

Abra o software de programação. Clique na opção VOIP, depois opção configuração conforme as imagens: Caro cliente, atendendo a sua solicitação de auxílio no processo de configuração da placa VoIP na central Impacta, segue um passo-a-passo para ajudar a visualização. Abra o software de programação. Clique

Leia mais

Laboratório - Gerenciamento de arquivos de configuração de roteador com software de emulação de terminal

Laboratório - Gerenciamento de arquivos de configuração de roteador com software de emulação de terminal Laboratório - Gerenciamento de arquivos de configuração de roteador com software de emulação de terminal Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway

Leia mais

Intelbras GKM 2210T. 1. Instalação

Intelbras GKM 2210T. 1. Instalação 1 Intelbras GKM 2210T 1. Instalação 1º Conecte a fonte de alimentação na entrada PWR, o LED Power acenderá; 2º Conecte a porta WAN do GKM 2210 T ao seu acesso à internet (porta ethernet do modem). O LED

Leia mais

EXPERIMENTO EM REDE LOCAL

EXPERIMENTO EM REDE LOCAL EXPERIMENTOS A realização de experimentos é essencial a qualquer plano de implementação de uma tecnologia. Para a implementação da tecnologia IP multicast foram realizados vários experimentos que abordaram

Leia mais

Serviço fone@rnp: descrição geral

Serviço fone@rnp: descrição geral Serviço fone@rnp: descrição geral Este documento descreve o serviço de Voz sobre IP da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa. RNP/REF/0347 Versão Final Sumário 1. Apresentação... 3 2. Definições... 3 3. Benefícios

Leia mais

Listas de Acesso (ACL).

Listas de Acesso (ACL). Raphael Guimarães Gonçalves raphagg@cbpf.br Nilton Alves Jr. naj@cbpf.br http://mesonpi.cat.cbpf.br/naj. Resumo Neste trabalho serão apresentadas as Listas de Acesso, que são uma ferramenta que existem

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DO ATA ZINWELL ATA ZT-1000

CONFIGURAÇÃO DO ATA ZINWELL ATA ZT-1000 CONFIGURAÇÃO DO ATA ZINWELL ATA ZT-1000 Características Protocolos Interface de Rede Características das Chamadas Codecs Instalação Física Configuração Acessando o ATA pela primeira vez Modificações a

Leia mais

Lojamundi CNPJ: 17.869.444/0001-60 Av. Paranoá Qd. 09 conj. 01 lote 01 sala 304, Paranoá DF CEP: 71.571-012 www.lojamundi.com.br

Lojamundi CNPJ: 17.869.444/0001-60 Av. Paranoá Qd. 09 conj. 01 lote 01 sala 304, Paranoá DF CEP: 71.571-012 www.lojamundi.com.br CONFIGURAÇÃO GRANDSTREAM GXW 4104 + ELASTIX A Grandstream Networks Inc é reconhecidamente mundialmente como, uma empresa inovadora e tem um dos melhores custo benefício do setor de telefonia IP, sendo

Leia mais

Laboratório 11.2.3b Listas de acesso estendidas para DMZ simples

Laboratório 11.2.3b Listas de acesso estendidas para DMZ simples Laboratório 11.2.3b Listas de acesso estendidas para DMZ simples Objetivo Situação Neste laboratório, será explorado o uso de listas de acesso estendidas para criação de uma Zona Desmilitarizada (DMZ).

Leia mais

Diretoria de Operações RNP

Diretoria de Operações RNP Alexandre Grojsgold Diretoria de Operações RNP I Workshop POP-RS julho/2005 O que é VoIP? Conversas telefônicas feitas sobre a Internet, sem passar pela rede de telefonia convencional em oposição a...

Leia mais

NECESSIDADES TÉCNICAS - INTERCONEXÃO TELEFÔNICA!

NECESSIDADES TÉCNICAS - INTERCONEXÃO TELEFÔNICA! NECESSIDADES TÉCNICAS - INTERCONEXÃO TELEFÔNICA TUTORIAL NECESSIDADES TÉCNICAS - INTERCONEXÃO TELEFÔNICA NECESSIDADES TÉCNICAS - INTERCONEXÃO TELEFÔNICA AVISO LEGAL: As informações contidas neste documento

Leia mais

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário Índice 1. Introdução...3 2. Requisitos Mínimos de Instalação...3 3. Instalação...3 4. Inicialização do Programa...5 5. Abas de Configuração...6 5.1 Aba Serial...6 5.2 Aba TCP...7 5.2.1 Opções Cliente /

Leia mais

Load Balance / Route Policy (para series Vigor 2860 / Vigor 2925)

Load Balance / Route Policy (para series Vigor 2860 / Vigor 2925) Load Balance / Route Policy (para series Vigor 2860 / Vigor 2925) Route Policy (também conhecido como PBR, policy-based routing) é um recurso que permite configurar estratégias de roteamento. Os pacotes

Leia mais

Servidor IIS. Sorayachristiane.blogspot.com

Servidor IIS. Sorayachristiane.blogspot.com Servidor IIS Servidor IIS IIS Serviço de informação de Internet; É um servidor que permite hospedar um ou vários sites web no mesmo computador e cria uma distribuição de arquivos utilizando o protocolo

Leia mais

Atividade PT 5.3.4: Configurando ACLs estendidas Diagrama de topologia

Atividade PT 5.3.4: Configurando ACLs estendidas Diagrama de topologia Diagrama de topologia All contents are Copyright 2007-2009 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. This document is Cisco Public Information. Página 1 de 8 Tabela de endereçamento Dispositivo Interface

Leia mais

Configuração dos softphones Zoiper e Linphone para uso. no projeto INOC-DBA.

Configuração dos softphones Zoiper e Linphone para uso. no projeto INOC-DBA. Configuração dos softphones Zoiper e Linphone para uso no projeto INOC-DBA. 1. ZOIPER Disponível para: Windows (Vista, 7 e 8), Mac OSX, Linux, Android (2.1 ou superior), ios (4.3 ou superior), Windows

Leia mais

Introdução Fourth level à Tecnologia Cisco

Introdução Fourth level à Tecnologia Cisco Instituto Federal do Ceará IFCE Campus de Canindé Prof. DSc. Rodrigo Costa - rodrigo.costa@ifce.edu.br Introdução à Tecnologia Cisco Definições Básicas Mercado em Redes Componentes Básicos Funcionamento

Leia mais

Autenticação modo Roteador. Após finalizar a configuração, seu computador obterá o IP e a página de configuração do ATA poderá ser acessada.

Autenticação modo Roteador. Após finalizar a configuração, seu computador obterá o IP e a página de configuração do ATA poderá ser acessada. 2. Conecte a porta WAN do GKM 2210 T ao seu acesso à internet (porta ethernet do modem). O LED WAN acenderá; 3. Conecte a porta LAN à placa de rede do PC. O LED LAN acenderá; 4. Conecte o(s) telefone(s)

Leia mais

TACTIUM IP com Integração à plataforma Dígitro EasyCall. Guia de Funcionalidades. Tactium IP IP

TACTIUM IP com Integração à plataforma Dígitro EasyCall. Guia de Funcionalidades. Tactium IP IP IP TACTIUM IP com Integração à plataforma Dígitro EasyCall Guia de Funcionalidades 1 Independência de localização e redução de custos: o TACTIUM IP transforma em realidade a possibilidade de uso dos recursos

Leia mais

CoIPe Telefonia com Tecnologia

CoIPe Telefonia com Tecnologia CoIPe Telefonia com Tecnologia A proposta Oferecer sistema de telefonia digital com tecnologia que possibilita inúmeras maneiras de comunicação por voz e dados, integrações, recursos e abertura para customizações.

Leia mais

Manual de configuração do OpenPhone para o uso no serviço fone@rnp

Manual de configuração do OpenPhone para o uso no serviço fone@rnp Manual de configuração do OpenPhone para o uso no serviço fone@rnp Autor: Marcelo Arza Lobo da Costa Índice Índice... 2 1. Introdução... 3 2.... 4 3. Fazendo uma ligação com o OpenPhone... 7 4. Atendendo

Leia mais

Manual de instalação Priority HIPATH 1100 versão 7.0

Manual de instalação Priority HIPATH 1100 versão 7.0 Manual de instalação Priority HIPATH 1100 versão 7.0 2014 Innova Soluções Tecnológicas Este documento contém 28 páginas. Elaborado por: Innova Tecnologia de Soluções. Liberado em Novembro de 2014. Impresso

Leia mais

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Introdução a Redes Convergentes. Camadas de uma rede convergente. Desafios na implementação de redes convergentes. Introdução a Redes Convergentes.

Leia mais

RingStar Zinwell ZT-1000

RingStar Zinwell ZT-1000 1 RingStar Zinwell ZT-1000 1. Características O ZT-1000 é um ATA (Adaptador de Terminal Analógico) que quando ligado a um telefone convencional passa a ter todas as funcionalidades de um telefone IP. É

Leia mais

TACTIUM IP com Integração à plataforma n-iplace. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM IP Guia de Funcionalidades com n-iplace

TACTIUM IP com Integração à plataforma n-iplace. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM IP Guia de Funcionalidades com n-iplace Tactium Tactium IP IP TACTIUM IP com Integração à plataforma n-iplace Guia de Funcionalidades 1 Independência de localização e redução de custos: o TACTIUM IP transforma em realidade a possibilidade de

Leia mais

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul 1 ANEXO VII QUADRO DE QUANTITATIVOS E ESPECIFICAÇÕES DOS ITENS Item Produto Quantidade 1 Aparelhos IP, com 2 canais Sip, visor e teclas avançadas, 2 70 portas LAN 10/100 2 Servidor com HD 500G 4 GB memória

Leia mais

WRNP 2009. Proxies e Gateways. Núcleo de Computação Eletrônica/UFRJ

WRNP 2009. Proxies e Gateways. Núcleo de Computação Eletrônica/UFRJ WRNP 2009 Proxies e Gateways Núcleo de Computação Eletrônica/UFRJ Tópicos Proxy Troca de tráfego com outras redes Princípios do Proxy do serviço fone@rnp Configuração para operação com o Proxy Conexões

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO PÉGASUS (ETHERNET) STUDIO V2.02 MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO Rua Coronel Botelho, 64 - Alto da Lapa - CEP: 05088-020 São Paulo - SP - Brasil +55 (11) 3832-6102 PÉGASUS (ETHERNET) STUDIO V2.02 - MANUAL

Leia mais

Tutorial de Voz sobre IP

Tutorial de Voz sobre IP Tutorial de Voz sobre IP VIII Seminário de Capacitação Interna Cesar Marcondes GT-VOIP/RNP Capacitação Interna RNP GT-VOIP Tópicos Introdução sobre VOIP (atraso, jitter, perda) Cenários básicos (PC-PC,

Leia mais

TUTORIAL PARA CONFIGURAÇÃO MIKROTIK UTILIZANDO ROTEAMENTO DINÂMICO COM OSPF E AUTENTIÇÃO RADIUS EM NOSSO SISTEMA IXCPROVEDOR.

TUTORIAL PARA CONFIGURAÇÃO MIKROTIK UTILIZANDO ROTEAMENTO DINÂMICO COM OSPF E AUTENTIÇÃO RADIUS EM NOSSO SISTEMA IXCPROVEDOR. TUTORIAL PARA CONFIGURAÇÃO MIKROTIK UTILIZANDO ROTEAMENTO DINÂMICO COM OSPF E AUTENTIÇÃO RADIUS EM NOSSO SISTEMA IXCPROVEDOR. Neste senário temos um roteador de internet que vai ser nosso gateway do MK1,

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 SÃO CAETANO DO SUL 06/06/2014 SUMÁRIO Descrição do Produto... 3 Características... 3 Configuração USB... 4 Configuração... 5 Página

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS PROJETO INTEGRADOR. Projeto de Redes de Computadores. 5º PERÍODO Gestão da Tecnologia da Informação GOIÂNIA 2014-1

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS PROJETO INTEGRADOR. Projeto de Redes de Computadores. 5º PERÍODO Gestão da Tecnologia da Informação GOIÂNIA 2014-1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS PROJETO INTEGRADOR Projeto de Redes de Computadores 5º PERÍODO Gestão da Tecnologia da Informação Henrique Machado Heitor Gouveia Gabriel Braz GOIÂNIA 2014-1 RADIUS

Leia mais

Implantação de QoS no fone@rnp

Implantação de QoS no fone@rnp III Workshop VoIP Marcel R. Faria & Fábio Okamura Maio 2008 Agenda Introdução Backbone RNP rede Ipê QoS na rede Ipê - Serviço Premium Aplicação no fone@rnp Introdução A fim de atender a crescente demanda

Leia mais

18/05/2014. Problemas atuais com o IPv4

18/05/2014. Problemas atuais com o IPv4 Problemas atuais com o IPv4 Fundamentos de Redes de Computadores Prof. Marcel Santos Silva Falhas de segurança: A maioria dos ataques contra computadores hoje na Internet só é possível devido a falhas

Leia mais

Tutorial de Configuração do ATA Grandstream HT-503

Tutorial de Configuração do ATA Grandstream HT-503 Tutorial de Configuração do ATA Grandstream HT-503 Este é um ATA (Adaptador para Telefone Analógico) com interfaces WAN e LAN com rede de 10/100 Mbps, permitindo você conectar um aparelho telefônico tradicional,

Leia mais

Segurança de Redes. Firewall. Filipe Raulino filipe.raulino@ifrn.edu.br

Segurança de Redes. Firewall. Filipe Raulino filipe.raulino@ifrn.edu.br Segurança de Redes Firewall Filipe Raulino filipe.raulino@ifrn.edu.br Introdução! O firewall é uma combinação de hardware e software que isola a rede local de uma organização da internet; Com ele é possível

Leia mais

Recomendações da Cisco para Implantação de QoS para VOIP

Recomendações da Cisco para Implantação de QoS para VOIP Recomendações da Cisco para Implantação de QoS para VOIP Consumo de Banda Codec Taxa de Amostragem (ms) Payload de voice (bytes) Pacotes por segundo Largura de banda consumida G.711 20 160 50 80 kbps G.711

Leia mais

Configurando UCM6104 com GXW4104

Configurando UCM6104 com GXW4104 Configurando UCM6104 com GXW4104 Olá pessoal, hoje iremos aprender como configurar um UCM6104 com GXW4104. Antes de começarmos, irei fala um pouco sobre cada um. UCM61xx: O UCM6100 séries aparelho IP PBX

Leia mais

MANUAL VOIP VOIP. Coordenação Tecnológica. Manual de Instalação de Softphones. Voice Over Internet Protocolo

MANUAL VOIP VOIP. Coordenação Tecnológica. Manual de Instalação de Softphones. Voice Over Internet Protocolo MANUAL o Este documento definirá como é feita a instalação e utilização de clientes VoIP na plataforma PC, operando sobre Windows e Linux, e em dispositivos móveis funcionando sobre a plataforma Android

Leia mais

Segurança de Rede Prof. João Bosco M. Sobral 1

Segurança de Rede Prof. João Bosco M. Sobral 1 1 Sinopse do capítulo Problemas de segurança para o campus. Soluções de segurança. Protegendo os dispositivos físicos. Protegendo a interface administrativa. Protegendo a comunicação entre roteadores.

Leia mais

Protocolos Sinalização

Protocolos Sinalização Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com São protocolos utilizados para estabelecer chamadas e conferências através de redes via IP; Os

Leia mais

Aplicativo para configuração da interface de celular ITC 4000

Aplicativo para configuração da interface de celular ITC 4000 MANUAL DO USUÁRIO Aplicativo para configuração da interface de celular ITC 4000 Este aplicativo roda em plataforma Windows e comunica-se com a ITC 4000 via conexão USB. Através do ITC 4000 Manager, o usuário

Leia mais

Relatório Asterisk. Pedro Brito 100503279

Relatório Asterisk. Pedro Brito 100503279 Relatório Asterisk Unidade Curricular: SCOM Ano Letivo: 2014/2015 Docente: João Manuel Couto das Neves Alunos: Diogo Guimarães 100503158 Pedro Brito 100503279 Índice Introdução... 2 Instalação e Configuração

Leia mais

Manual B.P.S ATA 5xxx Índice

Manual B.P.S ATA 5xxx Índice Manual B.P.S ATA 5xxx Índice 1. Conectando o Adaptador para Telefone Analógico (ATA)...02 2. Configurações básicas...05 2.1 Configuração dos parâmetros de usuário e senha para acessos de banda larga do

Leia mais

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO FACSENAC SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO Projeto Lógico de Rede Versão: 1.2 Data: 25/11/2011 Identificador do documento: Documento de Visão V. 1.7 Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição 1.0 10/10/2011

Leia mais

Serviços Prestados Infovia Brasília

Serviços Prestados Infovia Brasília Serviços Prestados Infovia Brasília Vanildo Pereira de Figueiredo Brasília, outubro de 2009 Agenda I. INFOVIA Serviços de Voz Softphone e Asterisk INFOVIA MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO INFOVIA MINISTÉRIO

Leia mais

Proposta de Numeração VoIP Nacional

Proposta de Numeração VoIP Nacional GT-VOIP Relatório I.5: Proposta de Numeração VoIP Nacional Janeiro de 2003 Este relatório apresenta o plano de numeração preliminar definido com base na experiência em montar e gerenciar o ambiente VOIP

Leia mais

Extensão de linhas analógicas através de gateways IP sem uso de servidor SIP

Extensão de linhas analógicas através de gateways IP sem uso de servidor SIP Extensão de linhas analógicas através de gateways IP sem uso de servidor SIP Cenário Gateway ponto-a-ponto: Extendendo linhas analógicas sobre IP com os GATEWAYS GXW410X FXO & GXW400X FXS DESCRIÇÃO Esta

Leia mais

VERSÃO: DIREITOS DE USO: Tellfree Brasil Telefonia IP S.A Tellfree Brasil Telefonia IP S.A

VERSÃO: DIREITOS DE USO: Tellfree Brasil Telefonia IP S.A Tellfree Brasil Telefonia IP S.A VERSÃO: Março, 2015. DIREITOS DE USO: Publicação de uso exclusivo, classificada quanto ao nível de sigilo como RESERVADA. A presente documentação é propriedade da Tellfree Brasil Telefonia IP S.A., tem

Leia mais

Aula 03 Comandos Básicos do IOS Cisco

Aula 03 Comandos Básicos do IOS Cisco Disciplina: Dispositivos de Rede I Professor: Jéferson Mendonça de Limas 3º Semestre Aula 03 Comandos Básicos do IOS Cisco 2014/1 Roteiro de Aula Correção Exercícios Aula Anterior O que é o Roteador? Componentes

Leia mais

H.323. Laboratório VoIP Núcleo de Computação Eletrônica/UFRJ

H.323. Laboratório VoIP Núcleo de Computação Eletrônica/UFRJ H.323 Laboratório VoIP Núcleo de Computação Eletrônica/UFRJ Histórico de H.323 Início: SG-16 do ITU-T (Maio 1995) H.323 v1, Jun 1996 H.323 v2, Fev 1998 H.323: Packet-based multimedia communication systems

Leia mais

1 Introdução. O sistema permite:

1 Introdução. O sistema permite: A intenção deste documento é demonstrar as possibilidades de aplicação da solução INCA Insite Controle de Acesso - para controle de conexões dia-up ou banda larga à Internet e redes corporativas de forma

Leia mais

Cliente Microsoft Outlook do Avaya Modular Messaging Versão 5.0

Cliente Microsoft Outlook do Avaya Modular Messaging Versão 5.0 Cliente Microsoft Outlook do Avaya Modular Messaging Versão 5.0 Importante: as instruções contidas neste guia só serão aplicáveis se seu armazenamento de mensagens for Avaya Message Storage Server (MSS)

Leia mais

Laboratório 2.3.4 Configurando a Autenticação OSPF

Laboratório 2.3.4 Configurando a Autenticação OSPF Laboratório 2.3.4 Configurando a Autenticação OSPF Objetivo Configurar um esquema de endereçamento IP para a área OSPF (Open Shortest Path First). Configurar e verificar o roteamento OSPF. Introduzir a

Leia mais

Segurança de Redes de Computadores

Segurança de Redes de Computadores Segurança de Redes de Computadores Aula 10 Segurança na Camadas de Rede Redes Privadas Virtuais (VPN) Prof. Ricardo M. Marcacini ricardo.marcacini@ufms.br Curso: Sistemas de Informação 1º Semestre / 2015

Leia mais

Tactium IP. Tactium IP. Produtividade para seu Contact Center.

Tactium IP. Tactium IP. Produtividade para seu Contact Center. TACTIUM IP com Integração à plataforma Asterisk Vocalix Guia de Funcionalidades 1 Independência de localização e redução de custos: o TACTIUM IP transforma em realidade a possibilidade de uso dos recursos

Leia mais

Capítulo 11: NAT para IPv4

Capítulo 11: NAT para IPv4 Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 11: NAT para IPv4 Roteamento e Switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers Presentation_ID 1 Capítulo 11 11.0

Leia mais

GT-VOIP Relatório I.9: Avaliação do Ambiente Sphericall da Marconi. Setembro de 2002

GT-VOIP Relatório I.9: Avaliação do Ambiente Sphericall da Marconi. Setembro de 2002 GT-VOIP Relatório I.9: Avaliação do Ambiente Sphericall da Marconi Setembro de 2002 Objetivo deste estudo é realizar testes de análise de performance, funcionalidade, confiabilidade e sinalização com o

Leia mais

ProRAE Guardian V1.5 Guia de referência rápida

ProRAE Guardian V1.5 Guia de referência rápida ProRAE Guardian V1.5 Guia de referência rápida Para obter uma descrição completa das funções do programa, consulte o guia do usuário do ProRAE Guardian (incluso no CD de software). SUMÁRIO 1. Principais

Leia mais

FIREWALL. Prof. Fabio de Jesus Souza. fabiojsouza@gmail.com. Professor Fabio Souza

FIREWALL. Prof. Fabio de Jesus Souza. fabiojsouza@gmail.com. Professor Fabio Souza FIREWALL Prof. Fabio de Jesus Souza fabiojsouza@gmail.com Professor Fabio Souza O que são Firewalls? Os firewalls são sistemas de segurança que podem ser baseados em: um único elemento de hardware; um

Leia mais

PÉGASUS (ETHERNET POCKET) STUDIO V1.00 MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO

PÉGASUS (ETHERNET POCKET) STUDIO V1.00 MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO PÉGASUS (ETHERNET POCKET) STUDIO V1.00 MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO Rua Coronel Botelho, 64 - Alto da Lapa - CEP: 05088-020 São Paulo - SP - Brasil +55 (11) 3832-6102 PÉGASUS (ETHERNET POCKET) STUDIO

Leia mais

CST em Redes de Computadores

CST em Redes de Computadores CST em Redes de Computadores Dispositivos de Rede I Aula 03 Configuração Básica Cisco IOS Prof: Jéferson Mendonça de Limas O que é um Roteador? O roteador é composto de: CPU (Processador) RAM ROM Sistema

Leia mais

GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9

GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9 GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9 Pela grande necessidade de controlar a internet de diversos clientes, a NSC Soluções em Informática desenvolveu um novo produto capaz de gerenciar todos os recursos

Leia mais

Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host

Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host Topologia Objetivos Parte 1: Acessar a tabela de roteamento de host Parte 2: Examinar as entradas da tabela de roteamento de host IPv4 Parte

Leia mais

PROTOCOLO 802.1X COM FRERADIUS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

PROTOCOLO 802.1X COM FRERADIUS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO WISLIY LOPES JULIANO PIROZZELLI TULIO TSURUDA LUIZ GUILHERME MENDES PROTOCOLO 802.1X COM FRERADIUS GOIÂNIA JUNHO DE 2014 Sumário 1.

Leia mais

VQuality: Uma Biblioteca Multiplataforma para Avaliação de Qualidade de Chamadas Telefônicas IP

VQuality: Uma Biblioteca Multiplataforma para Avaliação de Qualidade de Chamadas Telefônicas IP VQuality: Uma Biblioteca Multiplataforma para Avaliação de Qualidade de Chamadas Telefônicas IP NCE - UFRJ Leandro C. G. Lustosa Paulo Henrique de A. Rodrigues Fabio David Douglas G. Quinellato Importância

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Configuração TCP/IP no Windows 7

Professor: Macêdo Firmino Configuração TCP/IP no Windows 7 Professor: Macêdo Firmino Configuração TCP/IP no Windows 7 Se você tem mais que um computador ou outros dispositivos de hardware, como impressoras, scanners ou câmeras, pode usar uma rede para compartilhar

Leia mais

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 3 - Configurando um Roteador 1 Objetivos do Capítulo Dar nome a um roteador; Definir senhas; Examinar comandos show; Configurar uma interface

Leia mais

TRBOnet MDC Console. Manual de Operação

TRBOnet MDC Console. Manual de Operação TRBOnet MDC Console Manual de Operação Versão 1.8 ÍNDICE NEOCOM Ltd 1. VISÃO GERAL DA CONSOLE...3 2. TELA DE RÁDIO...4 2.1 COMANDOS AVANÇADOS...5 2.2 BARRA DE FERRAMENTAS...5 3. TELA DE LOCALIZAÇÃO GPS...6

Leia mais

Intelbras TIP 100. 1. Instalação

Intelbras TIP 100. 1. Instalação 1 Intelbras TIP 100 1. Instalação É necessário que o TIP 100 e seu computador estejam conectados à Internet através de banda larga. A conexão pode ser feita com hub ou switch ligado ao modem roteador ou

Leia mais

Na Figura a seguir apresento um exemplo de uma "mini-tabela" de roteamento:

Na Figura a seguir apresento um exemplo de uma mini-tabela de roteamento: Tutorial de TCP/IP - Parte 6 - Tabelas de Roteamento Por Júlio Cesar Fabris Battisti Introdução Esta é a sexta parte do Tutorial de TCP/IP. Na Parte 1 tratei dos aspectos básicos do protocolo TCP/IP. Na

Leia mais

Procedimentos para Configuração de Redirecionamento de Portas

Procedimentos para Configuração de Redirecionamento de Portas 1 Procedimentos para Configuração de Redirecionamento de Portas O DIR 635 tem duas opções para liberação de portas: Virtual server: A opção Virtual Server permite que você defina uma única porta pública

Leia mais

Capítulo 9: Listas de Controle de Acesso

Capítulo 9: Listas de Controle de Acesso Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 9: Listas de Controle de Acesso Roteamento e switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers Presentation_ID 1

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração do Sistema Cali LAB View

Manual de Instalação e Configuração do Sistema Cali LAB View Manual de Instalação e Configuração do Sistema Cali LAB View www.cali.com.br - Manual de Instalação e Configuração do Sistema Cali LAB View - Página 1 de 29 Índice INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO (FIREBIRD E

Leia mais

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes Roteiro 2: Conceitos Básicos de Redes: parte 1 Neste roteiro são detalhados os equipamentos componentes em uma rede de computadores. Em uma rede existem diversos equipamentos que são responsáveis por fornecer

Leia mais

Semestre 4 do CCNA Prova final baseada em habilidades Treinamento do aluno Diretrizes para o instrutor Visão geral e administração da prova

Semestre 4 do CCNA Prova final baseada em habilidades Treinamento do aluno Diretrizes para o instrutor Visão geral e administração da prova Semestre 4 do CCNA Prova final baseada em habilidades Treinamento do aluno Diretrizes para o instrutor Visão geral e administração da prova Esta prova deve ser utilizada nas aulas regulares do CCNA ministradas

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Antes de começar a configurar o seu switch, você deve estabelecer suas conexões. Existem dois tipos de conexões: através da porta de console e através da porta Ethernet. A porta

Leia mais

Aula Prática Roteador

Aula Prática Roteador Aula Prática Roteador INTRODUÇÃO Os roteadores são os equipamentos empregados na função de interconexão das redes como, por exemplo, redes IP. Diferentes redes IPs enviam suas informações/tráfego por meio

Leia mais

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP)

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Telefonia Tradicional PBX Telefonia Pública PBX Rede telefônica tradicional usa canais TDM (Time Division Multiplexing) para transporte da voz Uma conexão de

Leia mais