VISÃO 2011 Estar entre as 03 empresas do Brasil que mais avançaram na universalização dos serviços de água e esgotamento sanitário.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VISÃO 2011 Estar entre as 03 empresas do Brasil que mais avançaram na universalização dos serviços de água e esgotamento sanitário."

Transcrição

1

2 MISSÃO Garantir o acesso aos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário, em cooperação com os municípios, buscando a universalização de modo sustentável, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida e o desenvolvimento do Estado. VISÃO 2011 Estar entre as 03 empresas do Brasil que mais avançaram na universalização dos serviços de água e esgotamento sanitário. VISÃO 2028 Universalizar os serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário no Estado da Bahia.

3 A administração da organização está baseada na descentralização geográfica, através de 13 Unidades Regionais no Interior e seis na RMS, responsáveis pela implementação das políticas, diretrizes, metas e operação dos sistemas nas suas áreas de atuação.

4 GESTÃO OPERACIONAL

5 OBJETIVOS Construção de um Sistema Adutor de Água Bruta constituído: Estação elevatória Adutora de Água Bruta com 11 km de extensão; Minimizar o uso do Reservatório Joanes II para atendimento ao Pólo Petroquímico de Camaçari; Priorizar o uso do Reservatório Joanes II para o abastecimento do SIAA Salvador/Simões Filho/Lauro de Freitas

6 CARACTERIZAÇÃO DO ATENDIMENTO À BRASKEM 1978 início da operação do Pólo Petroquímico de Camaçari representa atualmente 25% do PIB do Estado da Bahia; Criação da Empresa COPENE (atual BRASKEM) realiza o tratamento e a distribuição de água para as Empresas do Pólo Petroquímico; A BRASKEM compra água bruta da EMBASA, retirada do Reservatório do Joanes II (manancial este operado pela EMBASA); Demanda Atual 900 l/s (66% da Unidade de Insumos)

7 SISTEMA ATUAL DE ABASTECIMENTO SISTEMA JOANES Barragem Joanes I regulariza cerca de 1 m 3 /s (V=20 hm 3 ); Barragem Joanes II regulariza cerca de 5 m 3 /s (V=128 hm 3 ) Sistema Joanes representado pelos barramentos em série Joanes I (1930) e Joanes II (1971) alimenta 2 ETA s existentes no Parque da Bolandeira: ETA Vieira de Mello (Capacidade Trat. 2 m 3 /s) ETA Teodoro Sampaio (Capacidade Trat. 2 m 3 /s) 30% do abastecimento do SIAA Salvador/Simões Filho/Lauro de Freitas Sistema Joanes

8 SISTEMA ATUAL DE ABASTECIMENTO SISTEMA JOANES Vista aérea Barragem Joanes II Vista Aérea do Parque da Bolandeira

9 SISTEMA ATUAL DE ABASTECIMENTO SISTEMA JOANES Demandas da Represa Joanes II 1 m 3 /s Braskem; 1,5 m 3 /s ETA Principal (Sistema Pedra do Cavalo) 4,4 m 3 /s ETA Principal (2010) Obra PAC 2,5 m 3 /s Joanes I (calha natural do rio) Em 2000 Reconstrução da Barragem de Santa Helena Vazão regularizada 8,8 m 3 /s (100% de garantia) e 10,0 m 3 /s (95% de garantia); Capacidade de Acumulação 240,6 hm 3 Sistema de Reversão Santa Helena Joanes II 6 CMB s (5 + 1 reserva); Adução até 3 m 3 /s para o reservatório Joanes II; Operado apenas no trimestre (Dez a Fev);

10 SISTEMAS DE ABASTECIMENTO Distribuição SIAA do Recôncavo (Candeias, Madre de Deus e São Francisco do Conde Sistemas responsáveis pelo Abastecimento do SIAA Salvador, SIAA do Recôncavo e Pólo Petroquímico de Camaçari

11 SISTEMAS DE ABASTECIMENTO

12 FATORES MOTIVADORES Seca 2008/2009 maior dos últimos 70 anos (dados do Instituto Nacional de Metereologia) Represa Joanes II próximo limite mínimo de bombeamento; Economia de Energia Elétrica Sistema Adutor de Água Bruta Santa Helena / Braskem Implantado Abril/2009

13 FATORES MOTIVADORES 24,90 Níveis da Barragem Joanes II (2003 a 2009) - Embasa

14 Estação Elevatória SISTEMA IMPLANTADO Foram aproveitados os conjuntos elevatórios existentes da reversão de Santa Helena Joanes II, alimentando a Braskem por meio de derivação na adutora; Posteriormente serão adquiridos novos conjuntos elevatórios de eixo vertical para atendimento exclusivo à Braskem;

15 Adutora de Água Bruta SISTEMA IMPLANTADO m de tubulação assentada; m de tubulações existentes até a Unidade de Tratamento da Braskem; 7 travessias especiais no caminhamento da adutora: 3 rodovias; 1 ferrovia; 1 sob Rio Imbassaí; 1 sobre a tubovia da BRASKEM; 1 sobre canal de drenagem; 1 sob tubovia da TRANSPETRO; Passagem dentro da localidade de Nova Dias D Ávila;

16 SISTEMA IMPLANTADO Adutora de Água Bruta - Concepção A) Estudo do diâmetro econômico da adutora Dn (mm) Vazão (l/s) Vel. (m/s) AMT (m) Extensão (m) Custo Unit. do tubo (R$ / m) Custo Total V.P. (R$) Tubulação Energia Total 900 1,98 103,70 955, , , , ,00 1,60 80, (*) 1.092, , , , ,11 59, , , , ,26 (*) Extensão total considerando m de tubulações existentes B) Prazo para fornecimento das tubulações e equipamentos (DN 900, DN 1000 e DN 1200) fabricação simultânea;

17 SISTEMA IMPLANTADO Adutora de Água Bruta - Concepção C) Utilização das tubulações ferro fundido novas trecho de pressões elevadas (trecho inicial); D) Tubulações de menor diâmetro na localidade de Nova Dias D Ávila; E) Aproveitamento das tubulações DN 900, em ferro fundido, do Sistema Cantagalo (desativado EMBASA); F) Utilização das tubulações de PRFV, junta elástica, em locais de menores interferências;

18 SISTEMA IMPLANTADO Adutora de Água Bruta Características Trecho Vazão Diâmetro (mm) (l/s) DN DI Extensão (m) Material Rugosid. K (mm) * Veloc. (m/s) Perda de carga unit. (m/km) , ,00 35,00 Aço Existente 1,00 0,74 0, , , ,00 FoFo Novo 0,20 1,60 1, , , ,30 FoFo Usado 2,65 1,98 5, , , ,70 PRFV Novo 0,12 1,13 0, , ,40 165,00 PRFV Novo 0,12 1,62 1, , ,40 39,40 FoFo Novo 0,20 1,98 3, , , ,00 PRFV Novo 0,12 1,62 1, , ,20 362,60 PRFV Novo 0,12 2,00 3, , ,40 120,00 FoFo Usado 2,65 1,98 5, , ,20 45,40 PRFV Novo 0,12 2,00 3, , , ,60 FoFo Usado 2,65 1,98 5, , // , ,00 Total 1.300, ,00 FoFo Existente// Aço Existente 1,82 1,14 1,2428

19 RESULTADOS Garantia de maior disponibilidade hídrica no Sistema Joanes redução da derivação de vazão direta do lago; Aumento de oferta de água para o Pólo Petroquímico de Camaçari; Flexibilidade operacional, com dois mananciais de bacias hidrográficas distintas: Sistema Joanes II Braskem Sistema Santa Helena - Braskem

20 RESULTADOS Melhoria da qualidade da água Barragem Joanes I; Possibilidade de manutenção preventiva na adutora; Economia de Energia Elétrica;

21 CONCLUSÕES Sucesso do Convênio firmado entre EMBASA/ BRASKEM: Elaboração do projeto executivo, execução das obras e fiscalização; Montante de aproximadamente R$ 20 milhões de reais Agilidade nos processos duração aproximadamente 1 ano e 2 meses (projeto executivo e obra) até início de operação;

22 CONCLUSÕES Trabalho conjunto das equipes técnicas (Embasa / Braskem), com reuniões semanais de acompanhamento das ações; Ação direta dos profissionais da Embasa na concepção e no desenvolvimento do projeto e também no acompanhamento e fiscalização das obras; Ressarcimento dos investimentos à Braskem (pagamento e correção financeira); Pagamento das Contas de Energia Elétrica; Operação e Manutenção da nova adutora;

23 RELATÓRIO FOTOGRÁFICO Adaptação da Estação Elevatória existente para etapa futura

24 RELATÓRIO FOTOGRÁFICO Adaptação da Estação elevatória existente para etapa futura

25 RELATÓRIO FOTOGRÁFICO Lançamento de tubulação em ferro fundido DN 1000 Assentamento de Tubulação PRFV DN 1200

26 RELATÓRIO FOTOGRÁFICO Limpeza dos tubos reaproveitados DN 900 Tubo DN 900 reaproveitado após tratamento com pintura epoxi

27 RELATÓRIO FOTOGRÁFICO Assentamento dos tubos reaproveitados DN 900 Assentamento de Tê em tubo PRFV DN 1200

28 RELATÓRIO FOTOGRÁFICO Interligação com a Adutora Existente Santa Helena Joanes II

29 RELATÓRIO FOTOGRÁFICO Concretagem de Bloco de Ancoragem Blocos de Ancoragem em 2 curvas - adutora DN 900

30 RELATÓRIO FOTOGRÁFICO Construção da Caixa de Ventosa Recuperação de pavimentação em vias urbanas

31 RELATÓRIO FOTOGRÁFICO Assentamento de Tunnel Liner Assentamento de tubulação em Tunnel Liner

32 RELATÓRIO FOTOGRÁFICO Travessia sob Rio Imbassay Trecho de Servidão desapropriado

33 RELATÓRIO FOTOGRÁFICO Trecho sob Dutovia da Transpetro

34 RELATÓRIO FOTOGRÁFICO Entroncamento final da adutora Santa Helena - Braskem

35 AGRADECIMENTOS Dr. Abelardo de Oliveira Filho Diretor Presidente Dr. Eduardo B. de Oliveira Araújo Diretor de Operações Dr. Carlos Ramirez Brandão Superintendente da Região Metropolitana Equipes da OMT Departamento de Apoio Técnico OMP Departamento de Produção e Tratamento OMM Departamento de Manutenção Dr. João Bispo Lins Neto Gerente da Unidade de Insumos Básicos Dr. Pitiguara Moreira Gerente Técnico Dr. Lúcio Nagao Coordenador de Projetos Dr. Raydalvo Landim Eng o Projetista

36 EQUIPE TÉCNICA Eng o Renavan Andrade Sobrinho Tel: (71) Eng o Carlos Ramirez Magalhães Brandão Tel: (71) Eng o Ivonaldo de Almeida Sande Tel: (71)

37

AMPLIAÇÃO DA ESTAÇÃO ELEVATÓRIA DE ÁGUA BRUTA DE PEDRA DO CAVALO: UMA MELHORIA PARA O SISTEMA INTEGRADO DE SALVADOR

AMPLIAÇÃO DA ESTAÇÃO ELEVATÓRIA DE ÁGUA BRUTA DE PEDRA DO CAVALO: UMA MELHORIA PARA O SISTEMA INTEGRADO DE SALVADOR AMPLIAÇÃO DA ESTAÇÃO ELEVATÓRIA DE ÁGUA BRUTA DE PEDRA DO CAVALO: UMA MELHORIA PARA O SISTEMA INTEGRADO DE SALVADOR MISSÃO Garantir o acesso aos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário,

Leia mais

Tratamento de águas de abastecimento urbano e residuária Parte 2 (água)

Tratamento de águas de abastecimento urbano e residuária Parte 2 (água) Tratamento de águas de abastecimento urbano e residuária Parte 2 (água) Curso Técnico em Agropecuária integrado ao ensino médio Disciplina: Gestão Ambiental Prof: Joana Paixão DSc. Geologia Marinha/MSc.

Leia mais

Autores: Renavan Andrade Sobrinho Walter Casaes Martinelli Alberto de Magalhães Ferreira Neto Inês Maria Peixoto Barreto Email: omt@embasa.ba.gov.

Autores: Renavan Andrade Sobrinho Walter Casaes Martinelli Alberto de Magalhães Ferreira Neto Inês Maria Peixoto Barreto Email: omt@embasa.ba.gov. Viabilidades de Abastecimento de Água e de Esgotamento Sanitário: um conceito indispensável no processo de desenvolvimento urbano Autores: Renavan Andrade Sobrinho Walter Casaes Martinelli Alberto de Magalhães

Leia mais

-Torre de tomada d água com dispositivos de comportas e tubulações com diâmetro de 1.200mm;

-Torre de tomada d água com dispositivos de comportas e tubulações com diâmetro de 1.200mm; SISTEMA SUAPE INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: 1982 (Inicialmente atendia apenas ao Complexo Industrial de Suape, e, a partir de 1983, passou a ter a configuração atual). UNIVERSO DE ATENDIMENTO: Produz,

Leia mais

INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: A primeira etapa entrou em operação em 1975 e a segunda, em 1982.

INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: A primeira etapa entrou em operação em 1975 e a segunda, em 1982. SISTEMA TAPACURÁ INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: A primeira etapa entrou em operação em 1975 e a segunda, em 1982. UNIVERSO DE ATENDIMENTO: Produz, aproximadamente, 36% do volume distribuído na Região Metropolitana

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Elaboração de Projetos Procedimento São Paulo Maio - 1999 NTS 024 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 RECOMENDAÇÕES DE

Leia mais

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior Elevatórias de Esgoto Sanitário Profª Gersina N.R.C. Junior Estações Elevatórias de Esgoto Todas as vezes que por algum motivo não seja possível, sob o ponto de vista técnico e econômico, o escoamento

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

Rio Catucá (Barragem de Botafogo), Cumbe, Pilão, Tabatinga, Conga, Arataca/Jardim e ainda os Rios Pitanga e Utinga.

Rio Catucá (Barragem de Botafogo), Cumbe, Pilão, Tabatinga, Conga, Arataca/Jardim e ainda os Rios Pitanga e Utinga. SISTEMA BOTAFOGO INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: 1986 (1ª etapa) UNIVERSO DE ATENDIMENTO: Produz, aproximadamente, 17% do volume distribuído na Região Metropolitana do Recife, abrangendo Igarassu (parcialmente),

Leia mais

DIRETORIA DE ENGENHARIA - DEN

DIRETORIA DE ENGENHARIA - DEN 01 CANTEIRO DE OBRAS 0,00 CANTEIRO DE OBRAS EM BARRACÃO PARA ESCRITÓRIO TIPO A5, CONSTANDO DE CERCA DE 6 FIOS, BARRACÃO ABERTO, SANITÁRIOS E CHUVEIROS, REFEITÓRIO, ALOJAMENTO E MOBILIZAÇÃO E 01.01 DESMOBILIZAÇÃO

Leia mais

Metas de Infraestrutura - Contrato de Programa - Duque de Caxias

Metas de Infraestrutura - Contrato de Programa - Duque de Caxias PRAZO EXECUÇÃO META A SER EXECUTADA DESCRITIVO DA META FÍSICO EXECUTADO 2008 2009 2010 2011 Ampliação e complementação do sistema de produção de água tratada para as localidades de Imbariê e Taquara, na

Leia mais

JOSÉ ALMEIDA COSTA CREA 3364-D

JOSÉ ALMEIDA COSTA CREA 3364-D CURRICULUM VITAE JOSÉ ALMEIDA COSTA CREA 3364-D Rua Amazonas, 801, Apt. 901, Pituba Salvador - BA CEP: 41830-380 Tel.: (71) 248-6475 Cel.: (71) 9979-4005 E-mail: costa@jacengenharia.com EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais: 3.8 SÃO JOÃO NEPOMUCENO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul A Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA, é o órgão responsável pela operação e manutenção

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PARA LOTEAMENTOS URBANOS 1 DO OBJETIVO A presente Norma estabelece os requisitos mínimos a serem obedecidos

Leia mais

O trecho do recalque, relativo à sa ída das bombas, terá diâmetro de 300 mm.

O trecho do recalque, relativo à sa ída das bombas, terá diâmetro de 300 mm. 1 CONCEPÇÃO DE PROJETO A nova elevatória de água bruta do Sistema Hermínio Ometto terá como concepção básica a interligação dos quatro conjuntos elevatórios em um barrilete comum para operação de um, dois

Leia mais

Anexo 9.1.1 b) - Diretrizes Técnicas Mínimas

Anexo 9.1.1 b) - Diretrizes Técnicas Mínimas Anexo 9.1.1 b) - Diretrizes Técnicas Mínimas Folha 1 de 14 APRESENTAÇÃO Este Anexo é dividido em duas partes: A Seção I introduz a descrição da Infra-estrutura de Irrigação de Uso Comum do Projeto Pontal,

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO - EST 1

DESCRITIVO TÉCNICO - EST 1 DESCRITIVO TÉCNICO - EST 1 1 DESCRITIVO TÉCNICO 1.1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Todos os cálculos e detalhamentos estão de acordo com o prescrito nas normas NBR 6118:2014 Projeto de Estruturas de Concreto -

Leia mais

SANEAMENTO EM PORTO ALEGRE

SANEAMENTO EM PORTO ALEGRE SANEAMENTO EM PORTO ALEGRE Julho/2015 Antônio Elisandro de Oliveira Diretor-Geral do Dmae PORTO ALEGRE -RS População (2014): 1.472.482 habitantes PIB Brasil (2014): R$ 5,52 trilhões PIB Brasil (2012) per

Leia mais

3.5 SANTOS DUMONT. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local, através da Secretaria de Obras.

3.5 SANTOS DUMONT. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local, através da Secretaria de Obras. Esta unidade compõe-se de três conjuntos moto-bombas idênticos, dos quais dois operam em paralelo, ficando o terceiro como unidade de reserva e/ou rodízio. Estão associados, cada um, a um motor elétrico

Leia mais

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Sistema Condominial de Esgotamento Sanitário Elmo Locatelli Ltda PAC/BNDES BACIA D-E Vila Olinda Instalações dos dispositivos de sinalização para

Leia mais

Garantir o acesso aos serviços de abastecimento de água e. buscando a universalização de modo sustentável, desenvolvimento do Estado.

Garantir o acesso aos serviços de abastecimento de água e. buscando a universalização de modo sustentável, desenvolvimento do Estado. MISSÃO Garantir o acesso aos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário, em cooperação com os municípios, buscando a universalização de modo sustentável, contribuindo para a melhoria da

Leia mais

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO 3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Em Visconde de Rio Branco, o sistema público de abastecimento de água é operado e mantido pela

Leia mais

Saneamento I Adutoras

Saneamento I Adutoras Saneamento I Adutoras Prof Eduardo Cohim ecohim@uefs.br 1 INTRODUÇÃO Adutoras são canalizações que conduzem água para as unidades que precedem a rede de distribuição Ramificações: subadutoras CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO PAC - RIO

PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO PAC - RIO PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO PAC - RIO ARCO METROPOLITANO TRAÇADO GERAL E SEGMENTAÇÃO Ligação entre a BR 101/NORTE em Manilha/Itaboraí a BR-101/SUL (Rod. Rio-Santos) em Itaguaí Extensão de 145

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE OBRAS CONTRA AS SECAS -DNOCS. 54ª Reunião do Fórum Interinstitucional de Defesa da Bacia do Rio São Francisco

DEPARTAMENTO NACIONAL DE OBRAS CONTRA AS SECAS -DNOCS. 54ª Reunião do Fórum Interinstitucional de Defesa da Bacia do Rio São Francisco DEPARTAMENTO NACIONAL DE OBRAS CONTRA AS SECAS -DNOCS DNOCS 103 ANOS. A SUSTENTABILIDADE DO SEMIÁRIDO BRASILEIRO: ONTEM, HOJE E O AMANHÃ 54ª Reunião do Fórum Interinstitucional de Defesa da Bacia do Rio

Leia mais

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Sistema Condominial de Esgotamento Sanitário Elmo Locatelli Ltda PAC/OGU BACIA LUZ D AYARA Coletor Luz D ayara 500 mm Escavações das valas, acompanhando

Leia mais

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Sistema Condominial de Esgotamento Sanitário Elmo Locatelli Ltda PAC/BNDES BACIA D-E Vila Olinda Parque Universitário Sinalização ao longo das

Leia mais

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA Diretoria de Tecnologia, Empreendimentos e Meio Ambiente - T Sistema Produtor de Água Mambu - Branco REUNIÃO DO COMITÊ TÉCNICO

Leia mais

Protegida pelas últimas ramificações da Serra da Mantiqueira, em pleno vale do Rio Camanducaia.

Protegida pelas últimas ramificações da Serra da Mantiqueira, em pleno vale do Rio Camanducaia. MONTEALEGRE ALEGRE DO MONTE DOSUL SUL Protegida pelas últimas ramificações da Serra da Mantiqueira, em pleno vale do Rio Camanducaia. MONTE ALEGRE DO SUL Área 110,306 km² População (estimativa para 2014)

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Reservatórios e Redes de Distribuição de Água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: A elevatória apresenta três conjuntos moto-bombas (Foto 3), dos quais dois operam em paralelo, ficando um de reserva, cada um associado a um motor elétrico de 150 cv de potência e recalcando uma vazão

Leia mais

As Lições da Crise Hídrica na Região Metropolitana de São Paulo João Alberto Viol

As Lições da Crise Hídrica na Região Metropolitana de São Paulo João Alberto Viol As Lições da Crise Hídrica na Região Metropolitana de São Paulo João Alberto Viol Vice Presidente de Gestão e Assuntos Institucionais Resumo Planejamento das atividades de Infraestrutura de Saneamento

Leia mais

A seguir, far-se-á a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas:

A seguir, far-se-á a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas: 3.4 MURIAÉ Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Os sistemas de abastecimento de água e de esgotamento sanitário da cidade de Muriaé são operados e mantidos

Leia mais

1 - Obras programadas

1 - Obras programadas 1 - Obras programadas 1.1 - Região Metropolitana Local: São Gonçalo Recuperação e melhoria na ETE São Gonçalo II com intervenções que visam: otimizar o processo de tratamento, bem como revisão dos equipamentos

Leia mais

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Sistema Condominial de Esgotamento Sanitário Elmo Locatelli Ltda PAC/BNDES BACIA D-E Parque Universitário BACIA I Coletor Vila Goulart 300 mm Instalações

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO 2

MEMORIAL DESCRITIVO 2 R:\Senador Canedo\Produtos 2007\Projeto SAA\PROJETO BÁSICO ÁGUA\HIDRÁULICO\RELATÓRIO\0.doc MEMORIAL DESCRITIVO 2 CONTROLE INTERNO Data JAN/08 Nº Folhas 18 Folhas Rev. Responsável Daniela Verificação Aprovação

Leia mais

RELATÓRIO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS 2º TRIMESTRE DE 2009

RELATÓRIO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS 2º TRIMESTRE DE 2009 PSBJ- Programa de Saneamento da Barra da Tijuca, Jacarepaguá e Recreio dos Bandeirantes RELATÓRIO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS 2º TRIMESTRE DE 2009 As obras (tanto as concluídas quanto as em andamento)

Leia mais

XVIII Congresso Brasileiro de Recursos Hídricos

XVIII Congresso Brasileiro de Recursos Hídricos SECRETARIA DE SANEAMENTO E ENERGIA XVIII Congresso Brasileiro de Recursos Hídricos Mesa redonda: Marco Regulatório do Setor Saneamento Desafios do Saneamento e Regulação dos Serviços no Estado de São Paulo

Leia mais

SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA REDE DE ÁGUA CASAS DE BOMBAS RESERVATÓRIOS

SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA REDE DE ÁGUA CASAS DE BOMBAS RESERVATÓRIOS SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA REDE DE ÁGUA CASAS DE BOMBAS RESERVATÓRIOS NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO HIDRÁULICO E EXECUÇÃO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA POTÁVEL Deverão ser obedecidas as normas

Leia mais

Premissas e Restrições para Implantação do S. P. São Lourenço.

Premissas e Restrições para Implantação do S. P. São Lourenço. SISTEMA PRODUTOR SÃO LOURENÇO Premissas e Restrições para Implantação do S. P. São Lourenço. I- Premissas: 1 Sabesp deve aprovar todos os projetos executivos/especificações técnicas, os fornecedores, e

Leia mais

DISCIPLINA: SISTEMA SANITÁRIO (2/7)

DISCIPLINA: SISTEMA SANITÁRIO (2/7) DISCIPLINA: SISTEMA SANITÁRIO (2/7) Rede de capitação, tratamento e distribuição de água Rede de drenagem de águas pluviais Rede de coleta e tratamento de esgoto Serviço de coleta e tratamento de resíduos

Leia mais

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Sistema Condominial de Esgotamento Sanitário Elmo LocatelliLtda PAC/OGU BACIA LUZ D AYARA Sinalização das ruas onde serão realizadas as escavações

Leia mais

Desafios e metas do Estado de São Paulo

Desafios e metas do Estado de São Paulo 1º Seminário Saneamento Básico Universalização do Saneamento: Desafios e Metas para o Setor 07 de novembro de 2011 Desafios e metas do Estado de São Paulo Edson Giriboni Secretário de Saneamento e Recursos

Leia mais

AÇÕES DA EMBASA NO MUNICÍPIO DO SALVADOR

AÇÕES DA EMBASA NO MUNICÍPIO DO SALVADOR AÇÕES DA EMBASA NO MUNICÍPIO DO SALVADOR Quadro Geral de Investimentos (2007-2014) Empreendimentos População atendida (hab.) Investimentos (R$) Quadro de Investimento (SES) 2.861.819 1.002.813.560,84 Quadro

Leia mais

Capítulo 141-Regionalização hidrográfica

Capítulo 141-Regionalização hidrográfica Capítulo 141-Regionalização hidrográfica 141-1 Capítulo 141-Regionalização hidrográfica 141.1 Introdução O mundo passa por grandes transformações e os recursos hídricos deverão no séeculo XXI ser analisado

Leia mais

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local.

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local. Da caixa de areia a água chega às quatro câmaras onde estão interligadas as tubulações de sucção das bombas, essas unidades de bombeamento são em número de quatro, cada uma com capacidade de recalque de

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Objetivo: DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Representar o processo, possibilitando identificar todos os equipamentos (bombas, válvulas,...), instrumentos (medidores de vazão, nível, pressão, analisadores,...),

Leia mais

DOSSIÊ Sistema Alto Tietê

DOSSIÊ Sistema Alto Tietê Espaço das Águas Fundação Patrimônio Histórico da Energia e Saneamento Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo Sabesp DOSSIÊ Sistema Alto Tietê Fevereiro 2009 1. Histórico da Implantação

Leia mais

- RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp

- RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp III Pré-ENCOB - RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - Sabesp 5ª Maior

Leia mais

COSEMA - FIESP Programas e Ações A para os grandes problemas da RMSP. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp

COSEMA - FIESP Programas e Ações A para os grandes problemas da RMSP. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp COSEMA - FIESP Programas e Ações A da Sabesp para os grandes problemas da RMSP Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp Evolução Populacional - RMSP Reversão da centrifugação Menor pressão

Leia mais

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS Um programa para integrar objetivos ambientais e sociais na gestão das águas Superintendência de Desenvolvimento da Capital -

Leia mais

CONVÊNIO SERLA - COPPE/UFRJ FINANCIAMENTO CEF/BIRD 2975-BR PROJETO PNUD BRA/93/022

CONVÊNIO SERLA - COPPE/UFRJ FINANCIAMENTO CEF/BIRD 2975-BR PROJETO PNUD BRA/93/022 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE E PROJETOS ESPECIAIS FUNDAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA ESTADUAL DE RIOS E LAGOAS - SERLA CONVÊNIO SERLA - COPPE/UFRJ FINANCIAMENTO CEF/BIRD

Leia mais

ANEXO VI DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DE PROPOSTA TÉCNICA

ANEXO VI DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DE PROPOSTA TÉCNICA ANEXO VI DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DE PROPOSTA TÉCNICA As LICITANTES deverão elaborar, observados os termos dos itens 64 e 65 do EDITAL, a PROPOSTA TÉCNICA conforme cada um dos tópicos descritos a seguir.

Leia mais

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Sistema Condominial de Esgotamento Sanitário Elmo Locatelli Ltda PAC/BNDES BACIA A Coletor Marechal Rondon BACIA D-E Parque Universitário Dispositivos

Leia mais

SALVADOR E SUA REGIÃO METROPOLITANA: MUDANÇAS RECENTES, CONFLITOS E PERSPECTIVAS INSTITUCIONAIS

SALVADOR E SUA REGIÃO METROPOLITANA: MUDANÇAS RECENTES, CONFLITOS E PERSPECTIVAS INSTITUCIONAIS Tema 2 Salvador metropolitana: configuração urbana e mobilidade espacial SALVADOR E SUA REGIÃO METROPOLITANA: MUDANÇAS RECENTES, CONFLITOS E PERSPECTIVAS INSTITUCIONAIS Prof. Dr. Sylvio Bandeira de Mello

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO LEI N.º 1.774, DE 24 DE ABRIL DE 2008. Dispõe sobre aprovação e instituição do Plano Municipal de Saneamento destinado à execução dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário no município

Leia mais

INSTITUTO DE ENGENHARIA

INSTITUTO DE ENGENHARIA INSTITUTO DE ENGENHARIA DISCUSSÕES INTERNAS SOBRE A SITUAÇÃO ATUAL E FUTURA DOS RECURSOS HÍDRICOS DA MACROMETRÓPOLE PAULISTA. CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES. AGOSTO 2014 RECURSOS HIDRICOS PARA A MACROMETROPOLE

Leia mais

PLANO DE REDUÇÃO DE PERDAS FÍSICAS NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DE GUARULHOS

PLANO DE REDUÇÃO DE PERDAS FÍSICAS NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DE GUARULHOS PLANO DE REDUÇÃO DE PERDAS FÍSICAS NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DE GUARULHOS TEMA I: ABASTECIMENTO DE ÁGUA AUTORES: Silvano Silvério da Costa: Ex-Diretor de Manutenção e Operação do SAAE de Guarulhos.

Leia mais

: Sistemas de Abastecimento de Água

: Sistemas de Abastecimento de Água PROGRAMA DA DISCIPLINA Fls 01 de 05 UNICAMP CÓDIGO: NOME CV641 : Sistemas de Abastecimento de Água T:02 P:01 L:OO0:01 D:01 E:02 HS:07 SL:03 C:04 EX:S EMENTA: Introdução. Previsão populacional. Consumo

Leia mais

PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA

PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA A PERDA DE ÁGUA NO ABASTECIMENTO PÚBLICO O índice de perdas é um dos principais indicadores da eficiência da operação dos

Leia mais

Audiência Pública. Piedade. 20 de Junho de 2013

Audiência Pública. Piedade. 20 de Junho de 2013 Audiência Pública Piedade 20 de Junho de 2013 Objetivo do Encontro Audiência Pública sobre o Convênio com o Governo do Estado, Contrato de Programa com a Sabesp e Plano Municipal de Saneamento do município

Leia mais

Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini

Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini A Gestão de Recursos Hídricos H e a Regulação da Medição de Água Situação

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO. Professor Afonso Henriques Moreira Santos, D.Sc.

TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO. Professor Afonso Henriques Moreira Santos, D.Sc. TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO Professor Afonso Henriques Moreira Santos, D.Sc. Bacia do Rio São Francisco Reservatório de Furnas Bacia do São Francisco TRÊS MARIAS ITAPARICA SOBRADINHO MOXOTÓ PAULO

Leia mais

Departamento de Águas e Energia Elétrica

Departamento de Águas e Energia Elétrica 13 de Novembro de 2012 Departamento de Águas e Energia Elétrica O DAEE foi criado há 60 anos, em 12/12/1951, tendo como principais competências, no âmbito do Estado de SP: Elaborar o planejamento, os estudos,

Leia mais

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Piracicaba, 07 de Agosto de 2013 Atuação da CAIXA Missão: Atuar na promoção da cidadania e do desenvolvimento sustentável

Leia mais

II-338 PLANO DE MELHORIA OPERACIONAL DO SISTEMA INTEGRADO DOS COLETORES TRONCO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

II-338 PLANO DE MELHORIA OPERACIONAL DO SISTEMA INTEGRADO DOS COLETORES TRONCO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO II-338 PLANO DE MELHORIA OPERACIONAL DO SISTEMA INTEGRADO DOS COLETORES TRONCO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Antônio Simões Teixeira Filho (1) Engenheiro Civil / Sanitarista pela Pontifícia Universidade

Leia mais

3.1. Prolongamento da Avenida Jornalista Roberto Marinho via túnel

3.1. Prolongamento da Avenida Jornalista Roberto Marinho via túnel 3. CARACTERIZAÇÃO DOS EMPREENDIMENTOS Este capítulo apresenta as principais características das obras propostas para o prolongamento da Avenida Roberto Marinho via túnel e o Parque Linear com vias locais,

Leia mais

Paulo Massato Yoshimoto. Diretor Metropolitano - Sabesp

Paulo Massato Yoshimoto. Diretor Metropolitano - Sabesp Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp O papel da SABESP no ciclo de vida da água Redução do volume produzido. Preservação e despoluição dos mananciais. Água de reúso Controle de Perdas

Leia mais

INVESTIMENTOS PAC E PIL BAHIA

INVESTIMENTOS PAC E PIL BAHIA INVESTIMENTOS PAC E PIL BAHIA 1 PAC NA BAHIA R$ 49,4 bilhões entre 2015-2018 Eixo R$ bilhões Transportes 5,8 Energia 30,1 Cidade Melhor 9,4 Comunidade Cidadã 0,9 Urbanização* 0,8 Água e Luz para Todos

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA INDIVIDUAL PARA ATUALIZAÇÃO DOS BALANÇOS HÍDRICOS DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DE JOANES- IPITANGA,

Leia mais

nº 344 novembro 2014 Inova BH completa um ano Odebrecht 70 anos: a história e as perspectivas da Organização em projetos de Água e Esgoto

nº 344 novembro 2014 Inova BH completa um ano Odebrecht 70 anos: a história e as perspectivas da Organização em projetos de Água e Esgoto nº 344 novembro 2014 Inova BH completa um ano Odebrecht 70 anos: a história e as perspectivas da Organização em projetos de Água e Esgoto Livros apoiados pela Organização vencem o Prêmio Jabuti 2014 Água

Leia mais

TÍTULO: DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS EXECUTIVOS DE REDES DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E COLETORAS DE ESGOTO LOTEAMENTOS E CONDOMÍNIOS

TÍTULO: DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS EXECUTIVOS DE REDES DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E COLETORAS DE ESGOTO LOTEAMENTOS E CONDOMÍNIOS TÍTULO: DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS EXECUTIVOS DE REDES DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E COLETORAS DE ESGOTO LOTEAMENTOS E CONDOMÍNIOS TEMA DO TRABALHO: ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO

Leia mais

Implementação do Plano de Segurança da Água na SANASA Campinas

Implementação do Plano de Segurança da Água na SANASA Campinas Implementação do Plano de Segurança da Água na SANASA Campinas Bacia Hidrográfica do Piracicaba, Capivari e Jundiaí Plano de Segurança da Água na SANASA Um Breve Histórico A SANASA sempre se preocupou

Leia mais

Seminário Articulação dos Planos Plurianuais e Agendas de Desenvolvimento Territorial Oficina: Cidades (Saneamento)

Seminário Articulação dos Planos Plurianuais e Agendas de Desenvolvimento Territorial Oficina: Cidades (Saneamento) MP - Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos MCidades - Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Seminário Articulação dos Planos Plurianuais e Agendas de Desenvolvimento Territorial

Leia mais

Manejo de Macrófitas nos reservatórios da Light Energia janeiro 2014

Manejo de Macrófitas nos reservatórios da Light Energia janeiro 2014 Manejo de Macrófitas nos reservatórios da Light Energia janeiro 2014 Complexo hidroelétrico de Lajes sub-sistema Paraíba Piraí Câmara de Válvulas Usina Elevatória de Vigário ( altura 35 m) Reservatório

Leia mais

SANEAMENTO DE MIRASSOL SANESSOL S.A

SANEAMENTO DE MIRASSOL SANESSOL S.A MANUAL DO LOTEADOR SANESSOL S.A Sumário 1. Diretrizes Gerais... 3 2. Diretrizes para apresentação dos Projetos... 5 3. Diretrizes técnicas para Abastecimento de Água... 6 3.1. Abastecimento de Água...

Leia mais

3.1. JUIZ DE FORA. 3.1.1 Sistema Existente de Abastecimento de Água

3.1. JUIZ DE FORA. 3.1.1 Sistema Existente de Abastecimento de Água A adução é feita por gravidade, partindo da barragem que garante a submergência de duas tubulações que encaminham a água captada a duas estruturas de controle (Foto 2), ambas construídas em concreto armado,

Leia mais

AÇÃO INTERSECRETARIAL

AÇÃO INTERSECRETARIAL AÇÃO INTERSECRETARIAL Programas Ambientes Verdes e Saudáveis (PAVS) Fortalecimento da ação integrada entre os setores de meio ambiente, saúde e desenvolvimento social, com enfoque multidisciplinar em saúde

Leia mais

DOSSIÊ Sistema Rio Grande

DOSSIÊ Sistema Rio Grande Espaço das Águas Fundação Patrimônio Histórico da Energia e Saneamento Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo Sabesp DOSSIÊ Sistema Rio Grande Fevereiro 2009 1. Histórico do Sistema Rio

Leia mais

INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA

INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA Reconhecer a água como bem econômico e dar ao usuário uma indicação de seu real valor Incentivar

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

As Diretrizes de Sustentabilidade a serem seguidas na elaboração dos projetos dos sistemas de abastecimento de água são:

As Diretrizes de Sustentabilidade a serem seguidas na elaboração dos projetos dos sistemas de abastecimento de água são: OBJETIVO A SANEPAR busca prestar serviços de Saneamento Ambiental de forma sustentável, a fim de contribuir com a melhoria da qualidade de vida. Portanto evidencia-se a necessidade de considerar o conceito

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 148

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 148 PROGRAMA Nº- 148 GESTÃO E CONTROLE DE PERDAS FUNÇÃO: 17 SANEAMENTO SUB-FUNÇÃO: 512 SANEAMENTO BÁSICO URBANO - Reduzir perdas de água reais e aparentes; reduzir os custos de exploração, produção e distribuição

Leia mais

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Segurança hídrica - Declaração Ministerial do 2o Fórum Mundial da Água, 2001 Acesso físico e econômico à água em quantidade e qualidade suficiente

Leia mais

Informações sobre desenvolvimento de projetos

Informações sobre desenvolvimento de projetos pág.: 1/7 1 Objetivo Regulamentar os procedimentos relativos à produção, distribuição e utilização das informações gerenciais necessárias ao acompanhamento das atividades relacionadas com os em desenvolvimento

Leia mais

I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO

I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO Milton Tomoyuki Tsutiya (1) Engenheiro Civil pela Escola Politécnica da USP (1975). Mestre em Engenharia

Leia mais

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Sistema Condominial de Esgotamento Sanitário Elmo Locatelli Ltda PAC/OGU BACIA LUZ D AYARA Coletor Luz D ayara 500 mm Execução de Poços de Visita

Leia mais

Programa Consumo Responsável. Julho 2015

Programa Consumo Responsável. Julho 2015 Programa Consumo Responsável Julho 2015 PORTO ALEGRE - BRASIL População (2014): 1.472.482 habitantes PIB Brasil (2014): R$ 5,52 trilhões PIB Brasil (2012) per capita: R$ 22,6 mil PIB Rio Grande do Sul

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 001, de 30/07/2007

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 001, de 30/07/2007 INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 001, de 30/07/2007 Atualizada em 01/04/2013 Objeto: Esta Instrução tem por objeto complementar o item 6 da Norma da Portaria DAEE nº 717/96. Trata dos requerimentos, documentação

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO 1. INTRODUÇÃO O Plano Municipal de Saneamento de Patos de Minas abrange a sede municipal, os distritos de Areado, Santana de Patos, Pindaíbas, Bom Sucesso de Patos, Major

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 96 DE 25 DE FEVEREIRIO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 96 DE 25 DE FEVEREIRIO DE 2014 SALVADOR, BAHIA - QUARTA-FEIRA 12 DE MARÇO DE 2014 ANO - XCVIII - N O 21,375 RESOLUÇÃO Nº 96 DE 25 DE FEVEREIRIO DE 2014 Estabelece diretrizes e critérios gerais para a outorga do direito de uso dos recursos

Leia mais

Cadastro Técnico de Sistemas de Abastecimento de Água

Cadastro Técnico de Sistemas de Abastecimento de Água 1 NORMA GT/FE/ Número / versão / ano ENG/CA/049/01/08 Data de aprovação 05 /11 / 2008 Doc. de aprovação Resolução nº 4950/2008 Cadastro Técnico de Sistemas de Abastecimento de Água SUMÁRIO 1 OBJETIVO...

Leia mais

Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 4.1 - Introdução. O tratamento da água começa na sua captação

Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 4.1 - Introdução. O tratamento da água começa na sua captação Sistemas de Água I - Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 22/10/2013 2 Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 4.1 - Introdução O tratamento da água começa na sua captação A parte

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br

Leia mais

Área de Atuação da Caesb

Área de Atuação da Caesb Área de Atuação da Caesb Brasília e 28 setores habitacionais: 2,85 milhões de habitantes Águas Lindas de Goiás: FONTE: IBGE 185 mil habitantes SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA - DF GTPSA PARTICIPANTES

Leia mais

SISTEMA ALTO DO CÉU. INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: 1958 (Primeira etapa de obras).

SISTEMA ALTO DO CÉU. INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: 1958 (Primeira etapa de obras). SISTEMA ALTO DO CÉU INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: 1958 (Primeira etapa de obras). UNIVERSO DE ATENDIMENTO: Produz, aproximadamente, 10% do volume distribuído na Região Metropolitana do Recife, abrangendo

Leia mais

SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETO 1 DATA DE ENTREGA:

SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETO 1 DATA DE ENTREGA: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE ENGENHARIAS SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETO 1 DATA DE ENTREGA: 05/10/2015 1. Objetivo A expansão do sistema de abastecimento de

Leia mais

Compromisso com a Engenharia e o Brasil

Compromisso com a Engenharia e o Brasil Compromisso com a Engenharia e o Brasil Quem Somos SENGE - BA é uma entidade autônoma, sem fins lucrativos, constituída para a coordenação, defesa e representação dos engenheiros e engenheiras da Bahia

Leia mais

SISTEMA DE COLETA DE ESGOTOS SANITÁRIOS

SISTEMA DE COLETA DE ESGOTOS SANITÁRIOS SISTEMA DE COLETA DE ESGOTOS SANITÁRIOS REDES DE ESGOTO NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE REDE DE ESGOTO SANITÁRIO Deverão ser obedecidas as normas NBR 9649, 8160 e 9648 da ABNT sobre o assunto

Leia mais

DELIBERAÇÃO CEIVAP Nº 226/2015 DE 24 DE MARÇO DE 2015.

DELIBERAÇÃO CEIVAP Nº 226/2015 DE 24 DE MARÇO DE 2015. DELIBERAÇÃO CEIVAP Nº 226/2015 DE 24 DE MARÇO DE 2015. Aprova a Deliberação CEIVAP ad referendum nº 225/2015 e dispõe complementarmente sobre à criação do Subcomponente: Ações Emergenciais Estresse Hídrico

Leia mais