O Brasil. sem amarras. Lições para a construção de operações internacionais de alto nível

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Brasil. sem amarras. Lições para a construção de operações internacionais de alto nível"

Transcrição

1 O Brasil sem amarras Lições para a construção de operações internacionais de alto nível

2 Sumário executivo... 3 Nossa pesquisa... 8 Diagnóstico de modelos operacionais Estrutura organizacional...10 Liderança...14 Pessoas...17 Cultura corporativa...18 Processos e tecnologia da informação O modelo operacional dinâmico Destravando o potencial de crescimento global Referências

3 Sumário executivo A ascensão das multinacionais de mercados emergentes é uma das características mais marcantes da economia internacional das últimas décadas. As empresas brasileiras, em particular, têm uma longa experiência de exposição à concorrência com multinacionais estrangeiras no mercado doméstico. Mas, de uma maneira geral, só começaram nos anos 90 a investir esforços mais consistentes em sua expansão além das fronteiras nacionais. Esta, porém, é apenas uma manifestação de uma transformação mais ampla ocorrida no mundo dos negócios internacionais nas últimas duas décadas. Nesse período, modelos de negócios aplicados por multinacionais proliferaram graças aos avanços tecnológicos e às menores restrições ao comércio e aos investimentos internacionais. Informação, recursos financeiros, produtos e serviços agora fluem mais facilmente entre os pólos estabelecidos e emergentes de atividade econômica. Em seu planejamento para as próximas rodadas de crescimento, as empresas encontram fontes de oportunidades que muitas vezes são não apenas novas como também mais bem distribuídas ao redor do mundo. Este quadro traz tanto uma enorme oportunidade como um grande desafio para os líderes de negócios globais de nossos dias a construção de modelos operacionais internacionais eficazes. As cadeias de valor de hoje são fragmentadas e espalhadas por diferentes continentes. As empresas sistematicamente decompuseram suas atividades sejam elas cadeias de fornecimento, distribuição, produção industrial ou inovação levando-as para os lugares que oferecem as melhores condições no que diz respeito aos recursos naturais, talento e capital. Este processo permitiu às firmas ganhar eficiência operacional e estabelecer centros de expertise. Ao mesmo tempo, contudo, também criou uma nova série de riscos e desafios inerentes à rede, cada vez mais complexa e interligada, de negócios globais. Trata-se, claramente, de um ambiente operacional difícil para empresas que queiram começar a atuar internacionalmente. Nossa pesquisa revela que as companhias brasileiras sentem-se muito despreparadas para fazê-lo. Conversamos com mais de 100 representantes de empresas brasileiras, tanto multinacionais como firmas em busca da internacionalização. Descobrimos que menos de uma em cada cinco delas (18%) acredita reunir todas as capacidades necessárias para executar suas estratégia de crescimento global. Um dado ainda mais preocupante é o que demonstra que os executivos percebem a falta de preparo em todos os componentes de seus modelos operacionais (ver Figura 1). Ao analisarem seus processos de negócios e suas estruturas organizacionais, sua tecnologia da informação, força de trabalho, cultura e mesmo sua liderança, as empresas brasileiras sentem-se despreparadas para implementar totalmente seus planos de expansão internacional. Isso ajuda a explicar por que empresas nacionais têm se internacionalizado mais lentamente do que aquelas dos demais países do grupo BRIC (Rússia, Índia e China) e de alguns outros mercados de alto crescimento (ver o relatório da Accenture: Naturalmente Global. O imperativo do crescimento global brasileiro: O desafio da internacionalização ). Em um esforço para entender melhor como as barreiras que dificultam a ascensão das multinacionais brasileiras podem ser superadas, analisamos as respostas de nossa amostra de companhias brasileiras que já se internacionalizaram ou desejam fazê-lo. Fizemos um diagnóstico de modelos operacionais, destacando dificuldades comuns e fatores que distinguem as empresas brasileiras bem-sucedidas em seus projetos de internacionalização daquelas cujos esforços nessa área têm sido menos frutíferos. 3

4 Seis lições de empresas bem-sucedidas lá fora As empresas brasileiras que já atuam no exterior ou querem fazê-lo percebem claramente que têm o que melhorar em seus modelos operacionais. Se por um lado o nível de sua insatisfação com as abordagens atuais e sua falta de confiança são surpreendentes, por outro o reconhecimento da existência de dificuldades dá a elas oportunidade de trabalhar ativamente para superá-las. Este relatório revela diferenças de desempenho e identifica práticas de ponta que distinguem as empresas bem-sucedidas no exterior daquelas malsucedidas em mercados estrangeiros, lançando mão de medidas de bom desempenho no Brasil e em outros países. Identificamos seis áreas-chave nas quais as multinacionais brasileiras podem aprender com seus pares de sucesso. Apesar das recentes dificuldades na economia, as empresas brasileiras permanecem, em grande medida, otimistas em relação às oportunidades de internacionalização. De fato, 76% dos entrevistados em nosso estudo acreditam que a expansão global será crucial para o crescimento de suas empresas nos próximos três a cinco anos. A maioria das companhias pesquisadas (74%) disse ter uma estratégia clara para entrar e se expandir em mercados internacionais. O sucesso de companhias brasileiras no cenário global dependerá da força de seu compromisso para construir as capacidades e os modelos operacionais apropriados para a nova era de concorrência global. 1. Equilíbrio entre os imperativos globais e locais. Para empresas que desejam definir e executar uma estratégia de negócios internacionais, nada substitui uma abordagem sistemática do desenho do modelo operacional. Os executivos precisam avaliar todas as atividades da empresa para encontrar oportunidades de melhorar tanto a eficácia global como a capacidade de resposta local. Só assim eles serão capazes de resolver questões complexas relativas ao papel da matriz, nível ideal de padronização e formas de usar o outsourcing. 2. Alinhamento entre mentalidades e ambições. Para gerenciar uma empresa global de maneira eficaz, os executivos precisam desenvolver uma mentalidade global. Nossa pesquisa destaca a necessidade de melhorias nesta área entre os atuais e futuros líderes de negócios brasileiros, bem como entre a força de trabalho de uma forma mais ampla. O cultivo de uma mentalidade global inclui iniciativas como o aprendizado de um idioma estrangeiro e a exposição a culturas de trabalho estrangeiras e práticas de negócios globais. 3. Elaboração de modelos para atrair, desenvolver e reter talento de nível global. Empresas ao redor do mundo estão em uma corrida para melhorar sua competitividade internacional. Neste contexto, a atração e retenção de talento tornou-se uma batalha crucial. De fato, as empresas têm se esforçado para desenvolver atividades que permitam aprimorar seu recrutamento, o desenvolvimento de habilidades e a retenção de talento em todas as operações globais mas sem descuidar da capacidade de resposta às condições locais. As multinacionais brasileiras de sucesso desenvolvem uma visão global de sua gestão de talentos. 4. Investimento na mensuração do desempenho de processos. Essa pesquisa realça a importância de uma gestão cuidadosa do desempenho de processos para conduzir operações internacionais de maneira eficaz. Técnicas analíticas de ponta podem ajudar os executivos tanto a medir, avaliar e prever o desempenho da empresa como a melhorar o desempenho da força de trabalho. 5. Nutrição do sistema nervoso. Uma infraestrutura de tecnologia da informação integrada é fundamental para ajudar pessoas, processos e estruturas a operar de maneira eficaz por toda a empresa. Sistemas de TI são a espinha dorsal dos processos de negócios, pois possibilitam o fluxo eficaz de informação e ideias. Portanto, esses sistemas são cruciais para conectar processos de negócios através de fronteiras corporativas e nacionais. 6. Dinamismo para a promoção da resiliência. Para serem bem-sucedidas no volátil ambiente global de negócios de hoje, as organizações precisam desenvolver modelos operacionais dinâmicos. Multinacionais de sucesso investem em mecanismos que lhes permitem promover a circulação eficaz de pessoas, recursos financeiros e ideias por diferentes países e unidades de negócios. 4

5 As empresas brasileiras são otimistas e confiantes em relação a seus planos de crescimento internacional... 79% veem a expansão internacional como uma fonte fundamental de crescimento para sua firma nos próximos três a cinco anos 74% têm uma estratégia clara para entrada e expansão em mercados internacionais 75% aumentarão seu investimento em expansão internacional nos próximos três a cinco anos...mas não confiam em sua própria capacidade de executar seus planos. 18% acreditam ter as capacidades operacionais necessárias para executar sua estratégia de crescimento internacional A falta de preparo é vista em todos os componentes de seus modelos operacionais. Até que ponto a sua empresa entende os ajustes necessários em seu modelo operacional para garantir uma expansão internacional bem-sucedida? (% dos entrevistados que disseram que a empresa os entende totalmente) 11% 14% 20% 21% 22% 22% Estrutura organizacional Processos Tecnologia da informação Liderança Cultura Pessoas 5

6 Alguns dados importantes revelados por nossa pesquisa: Estrutura organizacional Pessoas 11% 22% Apenas 11% das empresas entendem totalmente os ajustes necessários em sua estrutura organizacional para apoiar uma internacionalização bem-sucedida. 75% A maioria dos entrevistados (75%) está insatisfeita com o atual equilíbrio na tomada de decisão entre a sede e os escritórios locais de sua empresa. Liderança 21% Vinte e um por cento das empresas entendem totalmente os ajustes necessários em seus atuais modelos de liderança para apoiar o crescimento internacional da organização. Bem-sucedidas Malsucedidas 80% 40% vs Em 80% das empresas bem-sucedidas no exterior a alta liderança está comprometida com a entrada e expansão da firma em mercados internacionais o dobro do nível observado entre aquelas que têm sido malsucedidas em suas investidas fora do País (40%). Vinte e dois por cento das empresas entendem totalmente os ajustes necessários em sua abordagem de gestão de pessoas para apoiar o crescimento internacional da organização. Bem-sucedidas Malsucedidas 55% 22% vs Apenas 55% das empresas bem-sucedidas no exterior acreditam que investem tempo, dinheiro e atenção dos gerentes em níveis suficientes no desenvolvimento de uma visão global de gestão de talentos. Entretanto, mesmo esse nível é mais do que o dobro do observado no caso das firmas malsucedidas em seus esforços de internacionalização (22%). Cultura corporativa 22% Vinte e dois por cento das empresas entendem totalmente os ajustes necessários em sua cultura corporativa para apoiar uma internacionalização bem-sucedida. 71% Setenta e um por cento das empresas têm dificuldades para criar uma cultura corporativa que imponha princípios globais compartilhados e, ao mesmo tempo, seja relevante localmente. Há ainda uma crônica falta de investimentos no estabelecimento de valores corporativos globalmente consistentes e na contratação de pessoas que tenham experiência de trabalho em diferentes culturas. 6

7 Processos e tecnologia da informação 14% Quatorze por cento das empresas entendem totalmente os ajustes necessários no desenho de seus processos de negócios para apoiar uma internacionalização bem-sucedida. 90% Mais de 90% das empresas consideram que uma gestão eficaz do desempenho de processos é fundamental para sua expansão internacional. A proporção de firmas bem-sucedidas que investem suficientemente neste aspecto é o dobro da observada no caso das malsucedidas. 20% Vinte por cento das companhias entendem totalmente os ajustes necessários em sua estrutura tecnológica para apoiar o crescimento internacional da organização. 50% Cinquenta por cento dos executivos brasileiros acreditam que não estão investindo suficientemente em uma estrutura de TI integrada. A análise também destaca a importância de as empresas desenharem um modelo operacional internacional dinâmico, que seja capaz de responder a um ambiente operacional diverso e em constante evolução promovendo a circulação de pessoas, recursos financeiros, ideias e práticas de ponta por todas as operações globais da organização. Por exemplo: Circulação de pessoas Bem-sucedidas 52% vs Malsucedidas 14% Apenas 52% das empresas bem-sucedidas no exterior acreditam que investem tempo, dinheiro e atenção dos gerentes em níveis suficientes para garantir a fácil circulação internacional de pessoas. Entretanto, mesmo esse nível é quase quatro vezes mais alto do que o observado no caso das firmas malsucedidas em suas tentativas de internacionalização (14%). Circulação de recursos financeiros Bem-sucedidas Malsucedidas vs 71% 40% Setenta e um por cento das empresas bem-sucedidas no exterior acreditam que investem tempo, dinheiro e atenção dos gerentes em níveis suficientes para garantir a fácil circulação internacional de capital. No caso das malsucedidas, esse número é de apenas 40%. Circulação de ideias e práticas de ponta Bem-sucedidas Malsucedidas vs 54% 29% Apenas 54% das empresas bem-sucedidas no exterior acreditam que investem tempo, dinheiro e atenção dos gerentes em níveis suficientes para garantir que boas práticas sejam compartilhadas globalmente. Entretanto, mesmo esse nível é quase o dobro do observado no caso das firmas malsucedidas em suas tentativas de internacionalização (29%). 7

8 Em foco: Nossa pesquisa Criação do modelo operacional internacional Dadas as dificuldades inerentes ao desenho e gestão de operações internacionais, nós nos propusemos a determinar o que diferencia as companhias bem-sucedidas das malsucedidas no que diz respeito à forma como elas priorizam decisões operacionais, capacidades e investimentos. Para tal, fizemos um diagnóstico dos modelos operacionais, destacando as dificuldades e diferenças significativas de abordagem entre os dois grupos de empresas. A pesquisa abrangeu todos os componentes dos modelos operacionais: Estrutura organizacional Liderança Pessoas Cultura Processos e tecnologia da informação Baseamos nosso diagnóstico de modelos operacionais em pesquisa feita pela Accenture sobre o crescimento internacional de empresas brasileiras. A pesquisa incluiu entrevistas com 102 líderes de negócios em 20 setores da economia, aos quais fizemos perguntas sobre suas percepções acerca do cenário competitivo e sobre os planos de crescimento de suas empresas, bem como sobre suas prioridades no que tange tanto às capacidades operacionais quanto aos investimentos. Acrescentamos a estas entrevistas extensa pesquisa secundária e conversas com clientes. Nossa pesquisa teve como objetivo entender as ações de dois grupos de amostra em particular: Empresas bem-sucedidas em sua internacionalização. Estas são firmas comprometidas com o crescimento fora do Brasil e que têm registrado bom desempenho em suas operações internacionais nos últimos anos. Quase 80% das companhias neste grupo dentro de nosso estudo tiveram crescimento de 5% ou mais em sua receita no exterior no último ano. Elas são definidas pelas seguintes características, com base em suas respostas: Nos últimos três anos, sua receita e seu lucro em mercados estrangeiros cresceram em linha com suas expectativas, ou mesmo as superaram. Elas planejam aumentar seus investimentos em expansão internacional nos próximos três a cinco anos. Empresas malsucedidas em sua internacionalização. Estas firmas também estão comprometidas com o crescimento internacional, mas até agora têm se decepcionado com seu desempenho no exterior. Elas são definidas pelas seguintes características: Nos últimos três anos, sua receita e seu lucro em mercados estrangeiros ficaram abaixo de suas expectativas. Elas planejam aumentar seus investimentos em expansão internacional nos próximos três a cinco anos. 8

9 O que é um modelo operacional internacional? O modelo operacional internacional é o meio pelo qual uma empresa executa seu modelo de negócio e sua estratégia de crescimento global. Figura 1: Modelo operacional da organização Cenário macroeconômico e setorial Estratégia de negócios Modelo operacional Cadeia de valor Apoio corporativo Desenho, venda e marketing Compra, produção e distribuição Transações, serviços e coletas Alavancas do modelo operacional Estrutura organizacional Liderança Pessoas Cultura corporativa Processos e TI Mecanismos de governança, incluindo a forma como responsabilidades, supervisão e prestação de contas são definidas. Abrange os mecanismos estruturais e de controle usados tanto para integrar como para diferenciar unidades e operações. Conjunto de capacidades da alta gerência da empresa, incluindo estilo de liderança, grau de diversidade e forma de tomada de decisão. Abordagem da gestão de talentos ao redor do mundo, incluindo forma de atrair, desenvolver e reter funcionários. Crenças e valores compartilhados da empresa que unem seus integrantes. Atividades de negócios que produzem resultados mensuráveis, bem como aquelas que ajudam na coordenação dentro da empresa. Tecnologia da informação refere-se ao equipamento físico, software e ferramentas que sustentam os processos. Para desenhar seu modelo operacional internacional, uma empresa: Articula seus principais processos, funções e atividades, considerando o posicionamento escolhido para seus segmentosalvo no mercado. Decide o que centralizar e padronizar, e em que se especializar, em todos os níveis dentro da organização. Define a cultura, liderança, capacidades e habilidades necessárias para apoiar o modelo operacional. Identifica e adota elementos cruciais para suas operações, como tecnologia, métricas, estratégia de talento, e sistemas de incentivo e de recompensa. Desenha o modelo operacional para que ele seja dinâmico e capaz de evoluir em resposta às mudanças no ambiente externo e aos imperativos estratégicos. 9

10 Estrutura organizacional 11% Entendem totalmente os ajustes necessários em sua estrutura organizacional para alcançar uma internacionalização bem-sucedida. Equilíbrio entre eficácia global e capacidade de resposta local que o desejo de centralização das empresas varie muito conforme as atividades e unidades de negócios. Uma das decisões mais desafiantes para empresas que se internacionalizam refere-se à determinação de até que ponto a tomada de decisão deve ser centralizada, ou descentralizada, em toda a cadeia de valor. Tomadas de decisão descentralizadas permitem maior flexibilidade e mais capacidade de respostas às condições locais. Já tomadas de decisão mais centralizadas podem ajudar a empresa a aproveitar eficiências de escala e garantir a consistência em fatores fundamentais, como qualidade de produtos e/ou serviços e experiência do cliente. Para resolver este dilema, as empresas precisam fazer escolhas difíceis. como a definição de quanta flexibilidade e capacidade de resposta os executivos estão dispostos a abrir mão para obter um determinado aumento de eficiência. Ou vice-versa. Para complicar ainda mais a situação, a resposta a esta pergunta pode variar quando os líderes de negócios avaliam processos de recrutamento, comparando-os com os processos de vendas e marketing ou de pesquisa e desenvolvimento. O mais provável é Essa pesquisa com empresas brasileiras confirma o desconforto delas com essas questões. De fato, entre todos os componentes do modelo operacional, a estrutura organizacional é o que mais problemas cria para nossos entrevistados. Mesmo entre as companhias mais bem-sucedidas, apenas 11% disseram entender totalmente os ajustes necessários em sua estrutura organizacional para se expandir internacionalmente. Insatisfação em toda a cadeia de valor No nosso estudo, perguntamos aos executivos brasileiros a respeito do papel das sedes na tomada de decisão em uma série de atividades de negócios. Poucos deles expressaram satisfação com a atual distribuição da tomada de decisão entre a sede e os escritórios locais. Para a maioria das atividades de negócios, pelo menos 75% dos executivos acreditam que precisa haver alguma mudança no status quo. Mesmo o resultado mais positivo referente às funções de fornecimento mostra apenas um terço dos entrevistados confortáveis com seus atuais procedimentos de tomada de decisão. Figura 2: Insatisfação com o equilíbrio na tomada de decisão dentro da organização Pense, por favor, na localização da autoridade de tomada de decisão em sua organização internacional. Em quais dos seguintes processos, se houver algum, o/a senhor/a considera serem necessárias mudanças nos próximos três anos? (% dos entrevistados) Gestão operacional Atividades de marketing e vendas Pesquisa e inovação Planejamento operacional e previsões Gestão de talentos Tesouraria e gestão de riscos Logística e distribuição Gestão tributária Manufatura Compras Mudança no equilíbrio da tomada de decisão Não é necessário fazer mudanças PS: Para a pergunta completa feita na pesquisa, ver notas nas referências. Fonte: Pesquisa Accenture de multinacionais brasileiras. 10

11 Tendências Os resultados de nossa pesquisa sugerem que empresas malsucedidas tendem a centralizar a tomada de decisão mais do que as bem-sucedidas. É natural que as sedes queiram assumir o controle em um esforço para melhorar o desempenho, o que implicaria em maior tendência à descentralização quando o desempenho melhora. Isso decorre do ambiente operacional internacional complexo que as organizações enfrentam, o que por sua vez demonstra o quanto é necessário que elas sejam capazes de responder aos desafios que surgem ao redor do mundo. A pesquisa também revelou uma tendência à descentralização das principais funções de negócios (como manufatura e vendas) e centralização das funções de apoio (como de gestão de tesouraria, risco e talento) (ver Figura 3). Muitas firmas brasileiras ainda não aproveitam os benefícios oferecidos pelos centros de serviços compartilhados e estruturas similares que se tornaram típicas das operações de multinacionais estabelecidas. O desejo de centralizar funções de apoio aponta para o fato de que as empresas brasileiras ainda estão em um estágio inicial dentro do ciclo de vida ilustrado pelos modelos organizacionais de multinacionais. Recentemente, soluções globais de serviços de negócios passaram a oferecer oportunidades para ganhar em eficiência em funções tanto principais como de apoio. As empresas brasileiras têm uma série de opções para melhorar seus modelos organizacionais. O desafio, para elas, é entender qual é a melhor configuração para seu setor específico, sua cultura corporativa, a fase em que estão em seu ciclo de vida, e sua tradição em processos e sistemas (ver Em foco: Adequando as estruturas de tomada de decisão às necessidades). Figura 3: Empresas brasileiras, em geral, preferem tomadas de decisão descentralizadas nas principais funções de negócios e centralizadas nas funções de suporte. Pense, por favor, na localização da autoridade de tomada de decisão em sua organização internacional. Que mudanças, se houver alguma, o/a senhor/a acredita serem necessárias nos próximos três anos nos seguintes processos? (% dos entrevistados que responderam centralizar mais ou descentralizar mais ) Principais funções de negócios Manufatura Compras Planejamento operacional e previsões Atividades de marketing e vendas Logística e distribuição Funções de apoio Tesouraria e gestão de risco Gestão de talentos Pesquisa e inovação Gestão tributária Gestão de desempenho operacional Centralizar mais Descentralizar mais Fonte: Pesquisa Accenture de Multinacionais Brasileiras 11

12 Em foco: Adequação das estruturas de tomada de decisão às necessidades Recomendações gerais sobre estruturas de tomada de decisão são inúteis. Cada empresa tem as próprias prioridades e visões estratégicas, e as estruturas corretas para a tomada de decisão são aquelas que permitirem à firma concretizá-las. Mudanças no local e na forma como as decisões são tomadas em diferentes partes da organização respondem às necessidades específicas de um período determinado. Nada substitui uma definição sistemática dessas necessidades ou um diagnóstico completo incluindo todas as atividades de negócios da organização. Para desenhar estruturas de tomada de decisão, executivos precisam levar em conta o papel da sede e o grau desejado de padronização de cada capacidade ou função de negócios, e como esses fatores estão interligados. As perguntas a seguir podem ajudar: Localização da autoridade de tomada de decisão Esta capacidade/função requer respostas rápidas a mudanças no mercado? Que grau de conhecimento local esta capacidade/função requer? Até que ponto esta capacidade/função afeta a experiência do cliente? O setor de fast food é um caso clássico de uma área da economia na qual o desenho de produtos e os canais de atendimento dependem de gostos e preferências locais. Um bom exemplo é o enorme sucesso da KFC na China. A marca da empresa continua sendo definida centralmente em função da imagem e de expectativas em relação ao serviço a clientes, e, portanto, consistente no mundo todo. Já as decisões relativas ao cardápio e ao desenho dos restaurantes são tomadas localmente. O cardápio na China é bem mais amplo do que no mercado doméstico da KFC (os Estados Unidos), e inclui produtos adaptados localmente, como um mingau chinês e pratos à base de carne de porco. 1 Da mesma forma, o McDonald s alcançou sucesso na Índia ao transformar seu hambúrguer tradicional em um sanduíche com aparência idêntica, mas sem a carne. Já no Brasil, o McDonald s oferece uma ampla gama de opções de carne, refletindo o gosto dos consumidores do País pelo ingrediente. Definição dos graus de padronização Qual é o impacto desta capacidade/função no nosso negócio principal? Qual é o grau de restrições regulatórias que pesam sobre esta capacidade/função? Que recursos esta capacidade/função requer para ser bem-sucedida? A cervejeira global AB InBev adota uma abordagem sistemática para determinar o local apropriado para a tomada de decisão. Os executivos começam analisando a importância de cada função para o desempenho da empresa e avaliando os graus atual e desejado de padronização das funções em questão. As atividades de negócios que requerem respostas rápidas às mudanças de mercado e um alto grau de conhecimento especializado permanecem na alçada dos principais tomadores de decisão da empresa. Já as atividades que não estão entre as principais para os negócios e têm baixo valor agregado são candidatas a serem deixadas para um centro de serviços compartilhados, ou até mesmo terceirizadas para um fornecedor de baixo custo (ver Figura 4). Esta forma de reorganizar as operações permite à AB InBev aproveitar sua escala global e processos de padronização. Assim, a empresa obtém eficiências de custo e melhorias no desempenho. 12

13 Figura 4: Uma empresa varejista redesenha suas estruturas de tomada de decisão Ilustração de implicações para capacidades selecionadas CRM pós-venda (futuro) Compras (futuro) Compras (hoje) CRM pós-venda (hoje) local Autoridade de tomada de decisão central Candidato a terceirização Fonte: Accenture Hoje Futuro Perguntas-chave Na medida em que procuram alinhar as estruturas organizacionais de suas empresas com seus objetivos estratégicos, os executivos brasileiros precisam se fazer perguntas essenciais, tais como: É a estratégia da nossa empresa que determina as escolhas de onde e como decisões são tomadas em toda a organização ou essas decisões são determinadas por outras preocupações? Quais atividades de negócios devem ser governadas local ou regionalmente? Quais delas devem ser governadas pela matriz? Até que ponto as capacidades podem ser padronizadas e compartilhadas por diferentes funções/unidades de negócio/países? Onde pode haver oportunidades relevantes para soluções terceirizadas? 13

14 Liderança 21% Entendem totalmente os ajustes necessários em seus atuais modelos de liderança para alcançar uma internacionalização bem-sucedida. Compromisso com o crescimento Executivos de apenas uma em cada cinco empresas brasileiras que entrevistamos dizem ter uma compreensão total dos ajustes necessários em sua estrutura de liderança para executar de forma bem-sucedida sua estratégia internacional. Mesmo entre as companhias bem-sucedidas no exterior apenas um quarto (26%) diz estar completamente à vontade com este desafio. O desenvolvimento de líderes atuais e futuros que se sintam, ajam e se comportem como profissionais internacionais de alto desempenho é um elemento fundamental no caminho do crescimento global. O comprometimento da alta liderança é um ponto de partida fundamental. Oitenta por cento das empresas brasileiras bemsucedidas no exterior afirmam que sua liderança está totalmente comprometida com a entrada e a expansão da companhia no mercado internacional, contra apenas 40% entre as malsucedidas em seus esforços globais. A importância crucial deste fator para o sucesso internacional é confirmada por nossa pesquisa com líderes de negócios ao redor do mundo 2. O comprometimento de pessoas de alta senioridade aumenta a probabilidade de recursos serem alocados em capacidades que são fundamentais para alcançar objetivos estratégicos. Com esse compromisso, as decisões provavelmente também serão tomadas mais rapidamente, aumentando a capacidade de resposta tanto às oportunidades quanto às ameaças. Outro ponto crucial: o acompanhamento próximo por parte dos líderes da empresa garante a execução da estratégia, particularmente em partes da organização que são cultural e geograficamente distantes da sede. Assim, uma liderança atenta e comprometida maximiza as possibilidades de sucesso internacional e minimiza os riscos de execução. A Starwoods Hotels and Resorts Worldwide Inc. é um bom exemplo. Frits van Paasschen assumiu o cargo de presidente em 2007 e deu início a um processo de transformação que estabeleceu a empresa como uma das firmas de ponta no setor de hotelaria e lazer no mundo. Em 2013, dois terços dos novos hotéis da empresa foram abertos em mercados emergentes de rápido crescimento, como China, Índia, Ucrânia e México, embora o grupo também tenha se expandido em algumas grandes cidades europeias 3. Van Paasschen reconheceu o potencial global da empresa desde seu primeiro dia no novo cargo, mas também entendeu que precisava convencer a equipe de liderança a aceitar sua visão. Incutir nela este foco compartilhado e esta ambição foi crucial para a estratégia de expansão. 4 Uma das formas que ele escolheu para mostrar seu compromisso com o crescimento internacional da empresa foi uma mudança temporária de endereço. Em junho de 2011, ele transferiu a sede da empresa de Nova York para Xangai por um mês. A transferência incluiu encontros com parceiros, funcionários e clientes e um ponto fundamental deu à equipe de liderança uma visão em primeira mão das oportunidades de crescimento na China e na região Ásia-Pacífico. 5 Iniciativa similar seguiu-se em março de 2013, quando a equipe de liderança transferiu-se para Dubai. Para mudar a mentalidade global de qualquer empresa, você tem de enfrentar o mundo além das paredes da sala do Conselho, explica Van Paasschen. 6 Embora as transferências tenham se limitado aos executivos e gerentes gerais, o presidente demonstrou seu compromisso com a difusão de seu pensamento por toda a Starwood ao usar redes sociais para transmitir as últimas descobertas e ideias aos funcionários. 14

15 Van Paasschen tem planos para continuar a transformação de uma empresa americana em uma companhia verdadeiramente global. Uma rápida análise dos press releases da empresa dos últimos meses revela planos ambiciosos de expansão no mundo todo, incluindo aumentos de 50% em sua presença na América Latina e de 60% na região Oriente Médio-África nos próximos cinco anos 7. Líderes globais com mentalidades globais Pode-se perguntar se os líderes de negócios brasileiros têm o estofo necessário para serem líderes de negócios globais. A mais recente avaliação da Harvard Business Review sobre os melhores presidentes de empresa do mundo dá razões para otimismo. Há nove brasileiros no top 100 elaborado pela publicação, embora os presidentes de empresa do País formassem apenas 4,5% da amostra global analisada pelos autores 8. Entretanto, fora deste seleto grupo, a maioria das empresas brasileiras não é liderada atualmente por equipes com experiência internacional significativa ou mentalidade global. Estudo da Accenture com cerca de 200 líderes de empresas apontou que os executivos brasileiros não confiam na mentalidade global das equipes de liderança de suas empresas. Os resultados são ainda mais chamativos na comparação com os dos outros cinco países incluídos na pesquisa. De fato, apenas 24% dos entrevistados brasileiros acreditam que as lideranças globais de suas empresas têm uma mentalidade global. Estudos acadêmicos, como os realizados por Reis e Fleury (2011), Cyrino et al. (2010) e Tanure et al. (2009), reforçam esta noção de que executivos, donos de empresas, empreendedores e Conselhos não têm experiência internacional 9. Apesar de algumas melhorias recentes entre um número limitado de executivos, em empresas brasileiras a maioria deles parece ter muito a aprimorar no que diz respeito às suas mentalidades globais. Poderiam fazê-lo com um engajamento mais ativo com o cenário internacional de negócios; por exemplo, morando em seus mercados internacionais e ganhando um entendimento mais profundo sobre eles. O relatório da Accenture Naturalmente global. O imperativo do crescimento global brasileiro: O desafio da internacionalização destaca os perigos da perspectiva insular que caracteriza muitos executivos brasileiros, particularmente em um contexto no qual há crescente concorrência de empresas estrangeiras interessadas em tirar fatia de mercado das firmas domésticas no mercado brasileiro. Nutrindo a próxima geração Não existe uma perspectiva clara de que a próxima geração de líderes de negócios brasileiros vá ser mais preparada para os negócios internacionais do que a geração atual. A pesquisa Accenture de líderes globais apontou que apenas 7% dos executivos brasileiros acreditam que gerentes de alto potencial têm uma mentalidade global forte. Trata-se de um nível substancialmente mais baixo do que o observado na África do Sul, Alemanha, China, Estados Unidos, Índia, Reino Unido e Rússia (ver Figura 5). As empresas brasileiras reconhecem a importância de nutrir líderes prontos para o futuro, mas claramente existem muitas áreas a serem melhoradas. Por onde começar? Nossa pesquisa indicou algumas capacidades específicas que empresas brasileiras bemsucedidas em seus esforços no exterior priorizam mais do que as malsucedidas lá fora (ver Figura 6). Por exemplo, empresas bem-sucedidas enfatizam mais o desenvolvimento de ambição global e de um espírito empreendedor, bem como a construção de um know-how específico para mercados internacionais. A maior diferença entre empresas bem e malsucedidas parece ser em áreas relativas ao desenvolvimento de habilidades multiculturais, como a de trabalhar de maneira eficaz em diferentes grupos culturais. Líderes globais precisam ter credibilidade em cada um dos mercados onde operam. Isto requer uma compreensão das realidades estratégicas e operacionais que os executivos enfrentam nesses mercados. Mesmo firmas estabelecidas internacionalmente desenvolvem de maneira contínua suas abordagens para construir os níveis necessários de exposição e credibilidade entre seus líderes globais. Por exemplo, o grupo de recursos humanos Manpower tem um modelo invertido de expatriados em vários dos mercados emergentes onde opera. A empresa tem interesse em contratar gerentes locais com expertise no mercado local. No entanto, para desenvolver uma mentalidade internacional, ela destaca os recémchegados para projetos em outros países, o que permite que eles se familiarizem com a cultura global da empresa 10. Perguntas-chave Na medida em que procuram alinhar as estruturas de liderança de suas empresas com seus objetivos estratégicos, os executivos brasileiros precisam se fazer perguntas essenciais, tais como: Nossa equipe de liderança está totalmente comprometida com a estratégia internacional da empresa? Nossos líderes são capazes de analisar suposições e implicações de uma série de pontos de vista diferentes, especialmente da perspectiva de culturas estrangeiras? Temos processos formais e informais que encorajem a diversidade de origens e experiências na atual equipe de liderança, bem como em suas sucessoras? Temos mecanismos e processos que construam de maneira eficaz redes de liderança global dentro de toda a organização, em vez de apenas na sede? 15

16 Figura 5: Empresas brasileiras, em geral, acreditam que a mentalidade global de suas equipes de liderança de hoje e do futuro é fraca % Entrevistados que disseram que a equipe de liderança global de sua empresa tem uma mentalidade global forte % entrevistados que disseram ter pessoas em sua empresa com uma mentalidade global forte e alto potencial para assumir cargos de gerência Brasil 24% Brasil 7% Rússia 27% Rússia 27% África do Sul 34% África do Sul 31% Estados Unidos 38% Estados Unidos 38% Índia 45% Alemanha 40% Alemanha 47% China 46% Reino Unido 62% Índia 62% China 64% Reino Unido 62% Fonte: Pesquisa Growing Global Leaders, Accenture, Fonte: Pesquisa Growing Global Leaders, Accenture, Figura 6: Empresas bem-sucedidas enfatizam mais o desenvolvimento da futura geração de líderes Até que ponto esta capacidade de liderança é fundamental para o sucesso internacional? (% dos entrevistados) Habilidades 17% Ambição global e 80% multiculturais 64% (por exemplo, capacidade de espírito empreendedor 97% liderar de forma eficaz em diferentes culturas) 89% 25% Know-how específico de mercados internacionais 72% 19% 91% Diversidade da equipe de liderança (por exemplo, diferentes nacionalidades) 68% 83% 15% Bem-sucedidas Malsucedidas Diferença entre as empresas bem e malsucedidas Fonte: Pesquisa Accenture de multinacionais brasileiras 16

17 Pessoas 22% Entendem totalmente os ajustes necessários em sua abordagem de gestão de pessoas para alcançar uma internacionalização bem-sucedida Investimento na gestão global de talentos O Brasil está atrás de grande parte do mundo na guerra global por talento no que diz respeito às qualificações acadêmicas, proficiência em idiomas estrangeiros e fluxo de trabalhadores qualificados e de estudantes para dentro e para fora do País. Os números contam a história: apenas 7% dos brasileiros entre 25 e 34 anos têm nível superior, uma das percentagens mais baixas entre as economias emergentes. O Brasil ocupa um dos dez últimos lugares em um ranking internacional de proficiência em inglês de negócios. 11 Para completar, o país enfrenta dificuldades para atrair profissionais altamente qualificados do exterior: entre a população estrangeira morando no Brasil, menos de um quarto tem qualificação de nível universitário 12. Fatores externos, como o sistema educacional, e barreiras burocráticas, como as dificuldades para a obtenção de vistos, aumentam a dificuldade que os executivos enfrentam para formar uma força de trabalho preparada para a concorrência global. Assim, não surpreende que mesmo entre as empresas brasileiras mais bem-sucedidas no exterior, apenas um terço (34%) acredite entender totalmente os ajustes pelos quais sua abordagem de gestão de pessoas precisa passar para levar a uma expansão de sucesso além das fronteiras nacionais. Nossa pesquisa sugere que muitas empresas brasileiras não estão nem superando o primeiro obstáculo. Em outras palavras, não estão investindo suficientemente na construção de uma visão global de gestão de talentos (ver Figura 7). Apenas aproximadamente a metade (54%) das firmas brasileiras bem-sucedidas no exterior acredita estar investindo tempo, dinheiro e atenção dos gerentes em níveis suficientes nesta área. As estatísticas são ainda piores entre aquelas malsucedidas lá fora: apenas 22% delas acreditam priorizar suficientemente estes investimentos. A tarefa prática de desenhar e construir um modelo global de gestão de talentos pode ser muito difícil. A perene dificuldade de se encontrar o equilíbrio entre os imperativos globais e locais está no centro deste desafio. Ao analisar formas de atrair novos funcionários, treiná-los e aumentar seu engajamento e sua produtividade, os executivos precisam determinar que processos de recursos humanos e que incentivos devem ser geridos global ou localmente. Precisam ainda decidir quais desses processos e incentivos devem ser padronizados, e quais devem ser específicos de um ou de um grupo países. Por exemplo, um processo de gestão de desempenho que permita igualdade de oportunidades em toda a organização global pode até mesmo infringir leis trabalhistas ou ir de encontro aos costumes de um país. Trata-se da típica situação à qual se aplica a abordagem sistemática e detalhada descrita na seção Em foco: Adequando as estruturas de tomada de decisão às necessidades. Empresas que atingem constantemente alto desempenho já entenderam que os sistemas de RH precisam equilibrar os imperativos globais e locais. Um exemplo é a Diageo, multinacional do setor de bebidas alcóolicas, que desenvolveu um modelo customizado de serviços compartilhados para alcançar esse equilíbrio. O sistema garante serviços de RH consistentes para funcionários no mundo todo, mas pode ser facilmente adaptado para satisfazer requerimentos específicos de mercados locais. Em apenas sete meses, a empresa pôs em funcionamento dois centros um na Europa e outro na América do Norte. Estes atuam como centros virtuais no modelo operacional de estilo radial ( hub and spoke ) usado pela Diageo 13. Os centros fornecem uma visão global de gestão de RH, mas também garantem relevância local. Desta forma, os serviços de RH podem ser prestados aos funcionários de forma mais rápida e consistente. Por exemplo, um depositório de conhecimento ajuda a padronizar funções e materiais, e permite à equipe processar transações de forma consistente e cumprindo as leis locais. Os centros ajudam a Diageo a lidar com leis complexas de proteção de dados e privacidade em diferentes países. Por exemplo, um sistema de arquivamento eletrônico de dados de funcionários garante segurança de informação e, ao mesmo tempo, cumpre os requerimentos legais tanto na União Europeia como na América do Norte. Além disso, facilita o acesso a informações sobre funcionários por parte dos centros de serviço que dão apoio a equipes de RH espalhadas por diferentes países. Figura 7: Empresas brasileiras investem pouco no desenvolvimento de uma visão global de gestão de talentos Capacidade: Visão global de gestão de talentos (% dos entrevistados) Empresas bem-sucedidas Empresas malsucedidas Perguntas-chave 83% Consideram fundamental 54% Dizem investir o suficiente 72% Consideram fundamental 22% Dizem investir o suficiente PS: Para a pergunta completa feita na pesquisa, ver notas nas referências. Fonte: Pesquisa Accenture de multinacionais brasileiras. Na medida em que procuram alinhar a gestão de talento de suas empresas com seus objetivos estratégicos, os executivos brasileiros precisam se fazer perguntas essenciais, tais como: Todos os executivos de nossa mais alta liderança são capazes de articular a estratégia global de talentos da empresa? Como a atração, o desenvolvimento e a retenção de talentos são geridos em toda nossa organização global? Tarefas comuns de RH são identificadas, padronizadas e geridas globalmente? A organização presta atenção suficiente em questões relativas à gestão local de talentos, em termos de recursos financeiros e atenção dos gerentes? Estamos bem posicionados para ter acesso aos pools de talentos relevantes, agora e no futuro, ao redor do mundo? 17

18 Cultura corporativa 22% Entendem totalmente os ajustes necessários em sua cultura corporativa para alcançar uma internacionalização bem-sucedida Dar forma às mentes e crenças Nesta pesquisa, apenas 22% das empresas disseram entender totalmente os ajustes necessários em sua cultura corporativa para ter êxito na internacionalização. O paradoxo é que o Brasil, em si, é visto como um exemplo de integração bem-sucedida entre diferentes culturas: a composição de sua população é global. Entretanto, os dados sugerem que há muito o que melhorar no que diz respeito à relação da cultura de negócios do Brasil com a internacionalização. Para completar, a força de trabalho em geral nas empresas do País também fica devendo no quesito experiência e mentalidade globais. Mesmo se nos concentrarmos exclusivamente nos funcionários cujos trabalhos alcançam vários países, veremos que os níveis de mentalidade global deles são muito mais baixos do que os observados entre seus pares na África do Sul, Alemanha, China, Estados Unidos, Índia, Reino Unido e Rússia. Trata-se de um fator importante, pois existe uma relação positiva e significante, verificada em pesquisa, entre as mentalidades globais transculturais e o desempenho das multinacionais brasileiras. 14 No entanto, poucas empresas brasileiras investem na contratação de pessoas com experiência transcultural. Sessenta por cento das companhias de sucesso acreditam que investem tempo, dinheiro e atenção dos gerentes em níveis suficientes neste esforço. Entre as malsucedidas no cenário internacional, esse número despenca para 30%. As empresas brasileiras também têm dificuldades de priorizar investimentos na construção de uma perspectiva verdadeiramente global. Em nossa pesquisa, apenas 60% das empresas bem-sucedidas disseram acreditar que investem tempo, dinheiro e atenção dos gerentes em níveis suficientes no desenvolvimento de valores corporativos compartilhados globalmente (ver Figura 8). Entre as malsucedidas no exterior, esse número é de 29%. As empresas que levam a cultura corporativa a sério veem o impacto positivo dessa aposta sobre suas operações em diferentes países e sobre o futuro da firma. Um bom exemplo é a Votorantim Industrial, que enfrentou diferenças culturais entre seus gerentes brasileiros e canadenses. 15 Os executivos perceberam que precisavam superar essas diferenças para garantir que todos os funcionários trabalhassem para atingir os objetivos comuns da empresa. Em 2011, a firma lançou um programa A Votorantim em que acreditamos para fortalecer sua cultura organizacional. O programa incluiu treinamento para líderes junto com suas equipes, treinamento para os fornecedores da Votorantim sobre os valores da empresa e uma competição interna para divulgar histórias que demonstrassem as crenças da firma. Em 2012, a Votorantim implementou ao redor do mundo seu sistema de crenças. A equipe de gestão tem se dedicado igualmente à comunicação, incluindo um compromisso com a realização, desde 2006, de encontros virtuais envolvendo todos os chefes de unidade no Brasil e no exterior. 16 Durante esses encontros, o diretor-presidente Raul Calfat, que ganhou em 2012 o prêmio de CEO do ano concedido pela revista Latin Trade, responde às perguntas dos participantes

19 Princípios globais, intepretação local Disseminar princípios globalmente compartilhados por toda a organização é apenas uma parte da batalha. Entretanto, assim como ocorre com os desafios na gestão de talentos, as empresas também precisam atingir um equilíbrio entre princípios globalmente consistentes e interpretação localmente relevante quando moldam sua cultura organizacional. Isso não é fácil: 71% dos nossos entrevistados disseram ter dificuldades para criar uma cultura corporativa que imponha princípios globalmente compartilhados, mas que também seja relevante no nível local. Trata-se de um contínuo desafio que todas as multinacionais enfrentam à medida que crescem e dão forma às suas culturas corporativas, fazendo com que estas incluam uma gama de crenças, regras e comportamentos muitos dos quais também evoluem rapidamente. Para as empresas nos estágios iniciais de internacionalização como a maioria das multinacionais brasileiras a pergunta é como misturar os ingredientes de sucesso da cultura doméstica com as culturas das operações estrangeiras. É uma situação particularmente complicada para países que não tiveram, tradicionalmente, uma forte exposição a formas de fazer negócios estrangeiras, como a China e a Coreia do Sul. Portanto, pode ser instrutivo observar como a sul-coreana Samsung trabalhou para moldar a profunda cultura coreana da empresa, adaptando-a à sua nova realidade global de negócios. Um passo fundamental foi a aceitação, por parte dos executivos da Samsung, de que esta jornada requereria o comprometimento da liderança da empresa com a mudança, e de que o processo demandaria tempo e esforço. A empresa importou várias práticas de negócios ocidentais para sua tradicional cultura de negócios coreana, esforçando-se para reter os benefícios de cada uma delas e deixando de lado os aspectos menos úteis. Por exemplo, a companhia adotou um sistema meritocrático para promoções e pagamento dentro de uma cultura baseada na senioridade e na reverência pelos mais velhos. Também combinou o foco na inovação com expertise na melhoria de processos. Durante esta jornada, os executivos da Samsung aprenderam a adotar novos comportamentos sem deixar de preservar o melhor de sua cultura estabelecida. 18 À medida que traçam seu próprio caminho, é essencial que as empresas brasileiras lembrem-se de que preservar o que já é bom é tão importante quanto absorver novos elementos. Figura 8: Empresas brasileiras não estão priorizando investimentos na construção de valores verdadeiramente globais Capacidade: Estabelecimento de um conjunto de valores corporativos consistentes em toda a empresa (% dos entrevistados) Empresas bem-sucedidas 91% Consideram fundamental 60% Dizem investir o suficiente Empresas malsucedidas 76% Consideram fundamental 29% Dizem investir o suficiente PS: Para a pergunta completa feita na pesquisa, ver notas nas referências. Fonte: Pesquisa Accenture de multinacionais brasileiras Perguntas-chave Na medida em que procuram alinhar a cultura corporativa de suas empresas com seus objetivos estratégicos, os executivos brasileiros precisam se fazer perguntas essenciais, tais como: Quais dos principais pontos fortes culturais da empresa devem ser copiados e impostos globalmente? Quem é responsável por garantir a existência de uma cultura corporativa globalmente consistente em toda a organização? Quem é responsável por garantir a interpretação e a relevância locais dessa cultura? Que ferramentas, processos e mecanismos informais estão disponíveis para a disseminação da cultura corporativa por todos os países onde a empresa atua? 19

20 Processos de Tecnologia da Informação 14% Entendem totalmente os ajustes necessários em suas capacidades de desenho de processos para alcançar uma internacionalização bem-sucedida Sucesso via gestão de desempenho de processos Processos de negócios tornam-se importantes e complexos à medida que uma empresa expande suas operações para mais países. Processos são os meios pelos quais uma empresa coordena suas operações em toda a cadeia de valor e em todos os países onde atua. Eles representam atividades de negócios que produzem resultados mensuráveis para a empresa. É justamente este aspecto do desenho de processos a produção de resultados mensuráveis que parece estar na raiz de muitos problemas enfrentados pelos executivos brasileiros. Quase todas as empresas em nossa amostra acreditam que uma gestão de desempenho eficaz em todas as suas operações é fundamental para o sucesso internacional. De fato, esta foi a capacidade cuja importância foi destacada pelo maior número de executivos brasileiros. Também é neste ponto que as empresas bem-sucedidas se destacam: elas põem essa crença em prática. Em nossa pesquisa, 82% das companhias de sucesso no exterior disseram acreditar que investem o suficiente em gestão de desempenho, contra apenas 44% no caso das malsucedidas (ver Figura 9). Como no caso das demais capacidades, encontrar o equilíbrio entre as tomadas de decisão globais e locais é a dificuldade crucial no que diz respeito à gestão de desempenho de processos. De fato, 96% das firmas decepcionadas com seu desempenho no exterior querem mudar seus modelos de tomada de decisão nesta área. A AB InBev implementou um sistema global de gestão de operações chamado Voyager Plant Optimization (VPO). Este sistema garante uma avaliação globalmente consistente dos processos da empresa, bem como de seus padrões de operações, qualidade, segurança e sustentabilidade. O sistema fornece aos funcionários treinamento para o cumprimento dos padrões globais, mas também encoraja a adaptação a condições e recursos locais. Por exemplo, na unidade de Houston (Texas, Estados Unidos), mais de 70% do combustível usado provém de lixo não reciclável e de metano gerado no tratamento de águas residuais. 19 Outro processo importante que ajuda a empresa a gerir seu desempenho é o Orçamento Base Zero (OBZ), pelo qual no começo de cada ciclo orçamentário todos os projetos precisam ser reavaliados e aprovados. O foco rigoroso na gestão de desempenho permite à AB InBev atingir seus ambiciosos objetivos de sustentabilidade e cumprir metas de eficiência de custo, com uma redução de 30% no uso de água por unidade de produção no mundo todo no período Figura 9: Capacidades de gestão de desempenho são um diferencial fundamental entre empresas bem e malsucedidas Capacidade: Gestão de desempenho efetiva em todas as operações Empresas bem-sucedidas Empresas malsucedidas Dados e analytics como fontes de soluções 94% Consideram fundamental 82% Dizem investir o suficiente 92% Consideram fundamental 44% Dizem investir o suficiente PS: Para a pergunta completa feita na pesquisa, ver notas nas referências. Fonte: Pesquisa Accenture de multinacionais brasileiras A boa notícia é que nunca houve um momento tão propício para usar ferramentas e soluções para melhorar processos de gestão de desempenho. Nos últimos anos, a quantidade de dados disponíveis e acumulados aumentou exponencialmente e levou a avanços notáveis na disponibilidade de ferramentas analíticas com capacidade preditiva. Essas ferramentas são capazes de aumentar tanto a qualidade das tomadas de decisão quanto a velocidade da execução de decisões. Um bom exemplo é o Itaú Unibanco. O maior banco privado da América Latina investe no desenho de uma plataforma de analytics para integrar seus dados, sistemas e metodologias. O objetivo é criar informações mais úteis e acessíveis mais rapidamente para os tomadores de decisão e, ao mesmo tempo, melhorar os processos de aprovação de crédito do banco. 20

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Janeiro 2011 Exclusivamente para empresas de médio porte Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Relatório para o Brasil Panorama global: Pesquisa com 2.112 líderes do mercado de

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

ORGANIZATI ONAL AGILITY

ORGANIZATI ONAL AGILITY PMI PULSO DA PROFISSÃO RELATÓRIO DETALHADO A VANTAGEM COMPETITIVA DO GERENCIAMENTO EFICAZ DE TALENTOS ORGANIZATI ONAL ORGANIZATI ONAL AGILITY AGILITY MARÇO DE 2013 Estudo Detalhado Pulse of the Profession

Leia mais

Saúde e produtividade: um olhar sobre o cenário brasileiro. Cesar Lopes Líder de Saúde e Benefícios em Grupo, Towers Watson

Saúde e produtividade: um olhar sobre o cenário brasileiro. Cesar Lopes Líder de Saúde e Benefícios em Grupo, Towers Watson Saúde e produtividade: o valor de uma força de trabalho saudável para o sucesso nos negócios Saúde e produtividade: um olhar sobre o cenário brasileiro Cesar Lopes Líder de Saúde e Benefícios em Grupo,

Leia mais

Criando Oportunidades

Criando Oportunidades Criando Oportunidades Clima, Energia & Recursos Naturais Agricultura & Desenvolvimento Rural Mercados de Trabalho & Sector Privado e Desenvolvimento Sistemas Financeiros Comércio & Integração Regional

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial Sumário executivo À medida que as organizações competem e crescem em uma economia global dinâmica, um novo conjunto de pontos cruciais

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

um RH estratégico para hoje e para o futuro Construindo

um RH estratégico para hoje e para o futuro Construindo Construindo um RH estratégico para hoje e para o futuro ado o crescente foco executivo no capital humano, o RH tem uma oportunidade sem precedentes de se posicionar como um verdadeiro parceiro estratégico

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO PMI PULSO DA PROFISSÃO RELATÓRIO DETALHADO GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO Destaques do Estudo As organizações mais bem-sucedidas serão aquelas que encontrarão formas de se diferenciar. As organizações estão

Leia mais

Nossa atuação no setor financeiro

Nossa atuação no setor financeiro Nossa atuação no setor financeiro No mundo No Brasil O porte da equipe de Global Financial Services Industry (GFSI) da Deloitte A força da equipe do GFSI da Deloitte no Brasil 9.300 profissionais;.850

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

Estratégia de Desenvolvimento de Pessoas em Ação

Estratégia de Desenvolvimento de Pessoas em Ação Estratégia de Desenvolvimento de Pessoas em Ação Caros colegas, orienta o modo como nossa organização trabalha para selecionar, desenvolver, motivar e valorizar o bem mais importante da Bausch + Lomb nossas

Leia mais

Executive Business Process Management

Executive Business Process Management Executive Business Process Management Executive Business Consulting 1 Executive Business Process Management (EBPM) O aumento da competitividade das organizações passa pela melhoria dos processos, principalmente

Leia mais

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão Esse artigo tem como objetivo apresentar estratégias para assegurar uma equipe eficiente em cargos de liderança, mantendo um ciclo virtuoso

Leia mais

Connections with Leading Thinkers

Connections with Leading Thinkers Instituto de Alta Performance Connections with Leading Thinkers O especialista em inovação Bruno Moreira analisa as dificuldades que impedem um maior nível de colaboração por parte das empresas brasileiras

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

O Supply Chain Evoluiu?

O Supply Chain Evoluiu? O Supply Chain Evoluiu? Apresentação - 24º Simpósio de Supply Chain & Logística 0 A percepção de estagnação do Supply Chain influenciada pela volatilidade do ambiente econômico nos motivou a entender sua

Leia mais

Você dispõe da base necessária para desenvolver a confiança dos funcionários? Terceirização de RH e o líder empresarial SUMÁRIO EXECUTIVO

Você dispõe da base necessária para desenvolver a confiança dos funcionários? Terceirização de RH e o líder empresarial SUMÁRIO EXECUTIVO Terceirização de RH e o líder empresarial SUMÁRIO EXECUTIVO Você dispõe da base necessária para desenvolver a confiança dos funcionários? EM ASSOCIAÇÃO COM Empresas com funcionários envolvidos superam

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

Como melhorar a produtividade de sua equipe

Como melhorar a produtividade de sua equipe Como melhorar a produtividade de sua equipe Conteúdo - Contexto consumidor no Brasil e no mundo - A importância da gestão de pessoas na visão dos CEOs - HR Analytics suportando a geração de insights e

Leia mais

EMPRESA COM CONHECIMENTO EM TI

EMPRESA COM CONHECIMENTO EM TI EMPRESA COM CONHECIMENTO EM TI Referência Conhecimento em TI : O que executivos precisam saber para conduzirem com sucesso TI em suas empresas. Peter Weill & Jeanne W. Ross Tradução M.Books, 2010. 2 O

Leia mais

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi Controles Internos e Governança de TI Para Executivos e Auditores Charles Holland e Gianni Ricciardi Alguns Desafios da Gestão da TI Viabilizar a inovação em produtos e serviços do negócio, que contem

Leia mais

Liderança, Cultura e Segurança

Liderança, Cultura e Segurança Liderança, Cultura e Segurança Uma Introdução à Abordagem Liderando Com Segurança (LWS ) da BST A obtenção de melhores resultados em segurança está associada à capacidade da organização de conectar as

Leia mais

Mensagem do presidente

Mensagem do presidente Mensagem do presidente A giroflex-forma está em um novo momento. Renovada, focada em resultados e nas pessoas, ágil e mais competitiva no mercado de assentos e de mobiliário corporativo. Representando

Leia mais

LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 1

LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 1 LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 Visão Brasil As cinco principais tendências em atração de talentos que você precisa saber 2013 LinkedIn Corporation. Todos os direitos reservados.

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

ACTION LEARNING. O que é Action Learning? FUN D A MEN T OS D O

ACTION LEARNING. O que é Action Learning? FUN D A MEN T OS D O C L E O W O L F F O que é Action Learning? Um processo que envolve um pequeno grupo/equipe refletindo e trabalhando em problemas reais, agindo e aprendendo enquanto atuam. FUN D A MEN T OS D O ACTION LEARNING

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas 10 Minutos sobre práticas de gestão de projetos Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas Destaques Os CEOs de setores que enfrentam mudanças bruscas exigem inovação

Leia mais

Vivendo de acordo com nossos valores...

Vivendo de acordo com nossos valores... Vivendo de acordo com nossos valores... o jeito Kinross Nossa empresa, Kinross, é uma empresa internacional de mineração de ouro sediada no Canadá, com operações nos Estados Unidos da América, Rússia,

Leia mais

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N Dan Vesset Vice-presidente de Programa, Business Analytics P r át i cas recomendadas para uma estr a t ég i a d e B u s i n e s s I n teligence e An a l yt i c s

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos.

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. 2015 Manual de Parceiro de Educação Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. Prêmios Reais, a Partir de Agora Bem-vindo ao Intel Technology Provider O Intel Technology Provider é um programa

Leia mais

Módulo 2. Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios

Módulo 2. Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios Módulo 2 Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios Origem do BSC Cenário Competitivos CONCORRENTE A CONCORRENTE C VISÃO DE FUTURO ESTRATÉGIA

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

Horizons. O impacto financeiro da consumerização de TI As 10 principais percepções do Cisco IBSG Horizons Study. Introdução

Horizons. O impacto financeiro da consumerização de TI As 10 principais percepções do Cisco IBSG Horizons Study. Introdução O impacto financeiro da consumerização de TI As 10 principais percepções do Study Jeff Loucks/Richard Medcalf Lauren Buckalew/Fabio Faria O número de dispositivos de consumerização de TI nos seis países

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa Como implementar Social Media na empresa 1 As razões: Empresas ainda desconhecem benefícios do uso de redes sociais Das 2,1 mil empresas ouvidas em estudo do SAS Institute e da Harvard Business Review,

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING 1 ÍNDICE 03 04 06 07 09 Introdução Menos custos e mais controle Operação customizada à necessidade da empresa Atendimento: o grande diferencial Conclusão Quando

Leia mais

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Avaliação de: Sr. José Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: 11/06/2014 Perfil Caliper Gerencial e Vendas

Leia mais

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS?

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS? PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS? As ofertas de nuvem pública proliferaram, e a nuvem privada se popularizou. Agora, é uma questão de como aproveitar o potencial

Leia mais

Escolhendo a melhor opção para sua empresa

Escolhendo a melhor opção para sua empresa www.pwc.com.br Escolhendo a melhor opção para sua empresa Auditoria Interna Auditoria Interna - Co-sourcing atende/supera as expectativas da alta administração? A função de Auditoria Interna compreende

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

Position Paper. As Melhores Práticas Globais no Desenvolvimento de Trainees e Jovens Talentos. Edição Nº1. www.ipledu.com +55 11 2364 9355

Position Paper. As Melhores Práticas Globais no Desenvolvimento de Trainees e Jovens Talentos. Edição Nº1. www.ipledu.com +55 11 2364 9355 Position Paper Edição Nº As Melhores Práticas Globais no Desenvolvimento de Trainees e Jovens Talentos www.ipledu.com +55 64 955 O ipl Institute of Performance and Leadership é uma empresa especializada

Leia mais

Oficina de Gestão de Portifólio

Oficina de Gestão de Portifólio Oficina de Gestão de Portifólio Alinhando ESTRATÉGIAS com PROJETOS através da GESTÃO DE PORTFÓLIO Gestão de portfólio de projetos pode ser definida como a arte e a ciência de aplicar um conjunto de conhecimentos,

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

Receita do Network PwC cresce 6% e atinge US$ 34 bilhões no ano fiscal encerrado em junho

Receita do Network PwC cresce 6% e atinge US$ 34 bilhões no ano fiscal encerrado em junho Press release Data Contato EMBARGO 00h01min (horário Brasília) Terça-feira, 7 de outubro de 2014 Márcia Avruch Tel: +55 11 3674 3760 Email: marcia.avruch@br.pwc.com Pages 4 Receita do Network PwC cresce

Leia mais

Relatório de Competências

Relatório de Competências ANÁLISE CALIPER DO POTENCIAL DE DESEMPENHO PROFISSIONAL Relatório de Competências LOGO CLIENTE CALIPER Avaliação de: Sr. Márcio Modelo Preparada por: Consultora Especializada Caliper e-mail: nome@caliper.com.br

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

Como atrair e reter talentos

Como atrair e reter talentos Como atrair e reter talentos na Panificação PORQUE A DISCUSSÃO DE TALENTOS É IMPORTANTE PARA ORGANIZAÇÕES COMPETITIVAS? Em toda a história do mundo empresarial, nunca houve tanta preocupação e cuidados

Leia mais

Curso Empreendedorismo Corporativo

Curso Empreendedorismo Corporativo Curso Empreendedorismo Corporativo Todos os fatores relevantes atuais mostram que a estamos em um ambiente cada vez mais competitivo, assim as pessoas e principalmente as organizações devem descobrir maneiras

Leia mais

Transforme. Transforme a TI. a empresa. Três imperativos da TI para a transformação da empresa realizada pelo CIO em um mundo dinâmico.

Transforme. Transforme a TI. a empresa. Três imperativos da TI para a transformação da empresa realizada pelo CIO em um mundo dinâmico. TECH DOSSIER Transforme a TI Transforme a empresa Três imperativos da TI para a transformação da empresa realizada pelo CIO em um mundo dinâmico. Consolidar para conduzir a visibilidade da empresa e a

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

As Novas Competências de RH: Parceria de Negócios de Fora para Dentro

As Novas Competências de RH: Parceria de Negócios de Fora para Dentro As Novas Competências de RH: Parceria de Negócios de Fora para Dentro DAVE ULRICH, JON YOUNGER, WAYNE BROCKBANK E MIKE ULRICH Qualquer bom profissional de RH quer ser melhor. Isto começa com um desejo

Leia mais

Rumo à transformação digital Agosto de 2014

Rumo à transformação digital Agosto de 2014 10Minutos - Tecnologia da Informação 6ª Pesquisa Anual sobre QI Digital Rumo à transformação digital Agosto de 2014 Destaques O QI Digital é uma variável para medir quanto valor você pode gerar em sua

Leia mais

Governança Corporativa e o Escritório de Projetos

Governança Corporativa e o Escritório de Projetos Governança Corporativa e o Escritório de Projetos OBJETIVOS Conhecer a Governança Corporativa Entender os tipos de estruturas organizacionais Compreender o modelo de Escritório de Projetos O que é Governança

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation.

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. O SoftExpert PPM Suite é a solução mais robusta, funcional e fácil para priorizar, planejar, gerenciar e executar projetos, portfólios

Leia mais

Inscrições abertas. Programa Essencial de Desenvolvimento Fundamentos de Liderança

Inscrições abertas. Programa Essencial de Desenvolvimento Fundamentos de Liderança Inscrições abertas Programa Essencial de Desenvolvimento Fundamentos de Liderança Fundamentos de Liderança O Programa Fundamentos de Liderança foi especialmente desenhado para quem pretende iniciar uma

Leia mais

AULA 16 Marketing de Serviços

AULA 16 Marketing de Serviços AULA 16 Marketing de Serviços A cadeia de lucro de serviço Ligações da cadeia de lucro de serviço Fidelidade do cliente estimula lucratividade e crescimento. Satisfação do cliente estimula sua fidelidade.

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

www.pwc.com Os Avanços da Gestão Pública no Brasil Os Desafios para a Gestão de Pessoas Novembro de 2011

www.pwc.com Os Avanços da Gestão Pública no Brasil Os Desafios para a Gestão de Pessoas Novembro de 2011 www.pwc.com Os Avanços da Gestão Pública no Brasil Os Desafios para a Gestão de Pessoas Novembro de 2011 Agenda 1. Demanda por profissionais e a estratégia de gestão de pessoas 2. Gestão de pessoas tendências

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Anexo F: Ratificação de compromissos

Anexo F: Ratificação de compromissos Anexo F: Ratificação de compromissos 1. Este documento constitui uma Ratificação de compromissos (Ratificação) do Departamento de Comércio dos Estados Unidos ("DOC") e da Corporação da Internet para Atribuição

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

7 motivos pelos quais as Redes Sociais Corporativas vão se consolidar na América Latina.

7 motivos pelos quais as Redes Sociais Corporativas vão se consolidar na América Latina. 7 motivos pelos quais as Redes Sociais Corporativas vão se consolidar na América Latina. Não é possível voltar atrás. As Redes Sociais Corporativas (RSC) chegaram à América Latina para ficar, e irão se

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Porque Educação Executiva Insper

Porque Educação Executiva Insper 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil O futuro é (deveria ser) o sucesso Como estar preparado? O que você NÃO verá nesta apresentação Voltar

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas na Guatemala. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas na Guatemala. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas na Guatemala Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Na Guatemala, existem várias definições fornecidas por diferentes instituições

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

A compra de TI e as redes sociais

A compra de TI e as redes sociais Solicitada por A compra de TI e as redes sociais Como as redes sociais transformaram o processo de compras B2B e as melhores práticas para adaptar as suas estratégias de marketing à nova realidade BRASIL

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

O sucesso na Interaçao com o Conselho

O sucesso na Interaçao com o Conselho 24-09-2013 14:45 O sucesso na Interaçao com o Conselho Jose Francisco Moraes QAIP Team Leader IIA Brasil ESTOU PREPARADO PARA: SER PROMOVIDO? Promovido = dar publicidade a uma imagem pessoal desejada Foco

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo

Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo Com a competição por talentos e a cobrança maior por resultados financeiros, as empresas vem procurando criar ou alterar

Leia mais

BAXTER ANUNCIA PLANOS PARA CRIAR DUAS EMPRESAS MUNDIAIS SEPARADAS LÍDERES DE SAÚDE

BAXTER ANUNCIA PLANOS PARA CRIAR DUAS EMPRESAS MUNDIAIS SEPARADAS LÍDERES DE SAÚDE PARA DIVULGAÇÃO IMEDIATA Contatos da mídia Brian Kyhos Deborah Spak (224) 948-5353 media@baxter.com Contatos com investidores Mary Kay Ladone, (224) 948-3371 Clare Trachtman, (224) 948-3085 BAXTER ANUNCIA

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação. O que significa para a TI e a linha de negócios (LOB)

A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação. O que significa para a TI e a linha de negócios (LOB) A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação Maio de 2014 O novo comprador de tecnologia e a mentalidade de aquisição Existe hoje um novo comprador de tecnologia da informação Esse comprador

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Os papéis do executivo de RH Pessoas são os principais ativos de uma empresa e o executivo de Recursos Humanos (RH), como responsável por administrar

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais