A ARTE DA CRIATIVIDADE NO REAPROVEITAMENTO DE BANNERS: UM ESTUDO DE CASO COM USO DE TECNOLOGIA SOCIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A ARTE DA CRIATIVIDADE NO REAPROVEITAMENTO DE BANNERS: UM ESTUDO DE CASO COM USO DE TECNOLOGIA SOCIAL"

Transcrição

1 A ARTE DA CRIATIVIDADE NO REAPROVEITAMENTO DE BANNERS: UM ESTUDO DE CASO COM USO DE TECNOLOGIA SOCIAL Gleny Terezinha Duro Guimarães 1 Rochele Pedroso de Moraes 2 Lourenço Rodrigues Souza 3 Amanda Sofia de Guimarães e Stepanha 4 RESUMO: O presente artigo traz para o debate os resultados finais da pesquisa qualitativa sobre tecnologia social, inovação e sustentabilidade socioambiental, através de um estudo de caso. A pesquisa foi elaborada pelo Grupo de Estudos e Pesquisas em Trabalho e Assistência Social (GEPsTAS), Núcleo de Estudos e Pesquisas em Trabalho, Saúde e Intersetorialidade (NETSI) da PUCRS, em parceria com a Incubadora de Empreendimentos Solidários e Tecnologia Social da PUCRS, e entre áreas: Serviço Social e Engenharia da PUCRS. No período de maio a dezembro de 2013 acompanhamos um grupo de Economia Solidária, apoiado pela Incubadora Social da PUCRS, com objetivo de pesquisar sobre o uso de tecnologias sociais, bem como sobre a organização do grupo na perspectiva da Economia Solidária. Pretendemos contribuir no debate sobre Capitalismo contemporâneo na América Latina: políticas sociais universais?, no 6º Seminário Nacional Estado e Políticas Sociais e do 2º Seminário de Direitos Humanos, da Unioeste, Campus de Toledo/PR, bem como apreender novos conhecimentos que podem ser inseridos no contexto do Relatório Final dessa pesquisa. PALAVRAS-CHAVE: Tecnologia Social; Inovação; Sustentabilidade e Empreendimento de Economia Solidária. INTRODUÇÃO Pensar sobre tecnologia social e inovadora significa pensar formas de combater a exclusão social e a pobreza, visto que ela pode contribuir no enfrentamento às refrações da questão social. Debater esse tema descobrindo sobre o uso de tecnologias inovadoras no Profª Drª. Docente na Faculdade de Serviço Social e no Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da PUCRS. Coordenadora do GEPsTAS Grupo de Estudos e Pesquisas em Trabalho e Assistência Social, pelo Núcleo de Estudos e Pesquisas em Trabalho, Saúde e Interdiciplinariedade da PUCRS. Assistente Social. Mestranda em Serviço Social, com orientação da professora doutora Gleny Terezinha Duro Guimarães pelo Programa de Pós-Graduação em Serviço Social Faculdade de Serviço Social/ PUCRS. Bolsista CNPq Integral, pesquisadora no NETSI/GEPsTAS da PUCRS. Membro do Grupo de Trabalho Serviço Social na Educação no Conselho Regional de Serviço Social/RS. Graduando na Faculdade de Serviço Social na PUCRS. Atuou como bolsista de iniciação científica no NETSI/GEPsTAS da PUCRS em 2013 na pesquisa intitulada Tecnologia social, inovação e sustentabilidade: um estudo comparado entre Brasil e Argentina. Graduanda na Faculdade de Engenharia na PUCRS. Atuou como bolsista de iniciação científica no NETSI/GEPsTAS da PUCRS em 2013 na pesquisa intitulada Tecnologia social, inovação e sustentabilidade: um estudo comparado entre Brasil e Argentina. 1

2 Brasil, partiu do pressuposto de consolidar a parceria internacional na Pós- Graduação, sob o enfoque epistemológico de integração entre duas áreas do conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas, através do Serviço Social e das Ciências Exatas, através da Engenharia. Na pesquisa buscamos analisar a Tecnologia Social desenvolvida por grupos de geração de renda, tendo como perspectiva a socialização de experiências inovadoras no Brasil. Identificamos experiências de geração de renda que desenvolveram tecnologia social em Empresas Recuperadas ou Grupos de Economia Solidária e analisamos o tipo de acesso ao Sistema de Proteção Social que os empreendimentos viabilizam aos trabalhadores de Empreendimento de Economia Solidária. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS No estudo sobre o uso de tecnologia Social no Brasil utilizamos como tipo de pesquisa a de caráter qualitativo e exploratório, baseado no método dialético crítico. A pesquisa envolveu áreas distintas, mas conjugou atividades específicas para o Serviço Social e para as especificidades da Engenharia. Fizemos um Estudo de caso, e os sujeitos da pesquisa foram mulheres que formaram um grupo com denominação de empreendimento gaúcho de Economia Solidária, incubado em 2013 pela Incubadora Social e Tecnológica da PUCRS. A pesquisa foi realizada através de duas fases, a primeira constituiu uma revisão bibliográfica e a segunda com pesquisa empírica. No levantamento bibliográfico buscamos compreender a forma de organização do Empreendimento de Economia Solidária, aproximando o estudo teórico sobre o Sistema de Proteção Social brasileiro. Aproximamosnos do papel da Incubadora Social Universitária no desenvolvimento de novas Tecnologias Sociais aplicadas aos empreendimentos, vivenciamos alguns momentos de reuniões, capacitações com o grupo, sujeitos de nossa pesquisa e a relação que se construía com a Incubadora da PUCRS. Os instrumentos utilizados para a coleta de informações da pesquisa empírica foram: entrevista, diário de campo e visitas in locu para levantamento de fluxo, verificação de gargalos e problemas operacionais, e procedimentos laboratoriais realizados no Laboratório de Processos Ambientais-LAPA/PUCRS específicos da área da Engenharia, que foram: dois 2

3 procedimentos parciais para a obtenção e análise dos resíduos sólidos: extrato lixiviado (ABNT NBR 10005) e extrato solubilizado (ABNT NBR 10006). Estes mesmos procedimentos parciais foram realizados de forma integral pelo Green Lab (UFRGS). Foi utilizada a Técnica de Análise de Conteúdo segundo Bardin e Moraes (1977), para interpretação das informações coletadas. RESULTADOS O grupo incubado trabalha com diversos materiais que utilizam para a confecção de diversos produtos de artesanato. Mas foi no banner que descobriram a possibilidade de crescimento e visibilidade com produtos diferenciados. Podemos definir a inovação como uma forma de fazer mais com menos, isto é, criar objetos ou produtos a partir de pouco material, fazendo com que o lucro seja maior levando em consideração o custo de produção. O conceito de inovação é bastante variado, dependendo na maioria dos casos da sua forma de aplicação. Nesse caso, podemos entender por inovação uma ideia, método ou objeto que é criado com o intuito de tornar diferente dos padrões anteriores. Ao pensarmos o uso de tecnologias sociais consideramos apenas a parte do resultado. Então não olhamos para o processo na sua totalidade. Existe uma base que permite que a inovação se materialize. (SILVA, 2012, p. 25). O banner passa por um processo de transformação, deixando de ser resíduo para ser produto reciclado em forma de artesanato. O grupo recebe banners de algumas empresas, como a Sinergy, Adesive Print, Banrisul, Petrobras, DMAE e alguns escoteiros. Algumas dessas empresas entregam na residência da integrante, mas a maioria dos banners é a própria integrante que coleta com carro próprio semanalmente. Os banners recebidos e os resíduos são separados e armazenados no porão da residência de uma das componentes do grupo. Este local possui 1,80 metros de altura, por aproximadamente 9 metros de comprimento e 3 metros de largura. Este espaço contém uma porta, uma janela pequena, que nunca é aberta (prejudicando a ventilação, tendo em vista a toxicidade da matéria prima utilizada) e uma entrada de 1 metro de altura para a casa. 3

4 Os banners são separados por marcas, já os que estão em uso, bem como todo o material que está sendo utilizado para a confecção dos produtos, como por exemplo, a máquina de costura e a máquina rebitadeira manual, estão localizados na sala da residência. Nem todos os materiais usados pelo grupo são doados. Alguns precisam ser comprados, entre eles: linha, gorgurão, alça sintética, tecidos e ilhós. Os horários de trabalho são variados, dependendo da quantidade de encomendas pode chegar a oito horas diárias. O grupo se reúne em média duas vezes por semana, sendo que a comunicação entre as casas ocorre via facebook ou telefone. O processo de separação dos materiais era dividido por todas participantes. Cada uma tem uma tarefa a cumprir. Com diversos materiais nas mãos o grupo precisa pensar qual produto pode ser criado a partir dos banners, variando sempre com a quantidade, tamanho e cor. Partindo desse processo o grupo confecciona estojos, bolsas, jogos de toalha americana, niqueleiras, sacolas, entre outros. A partir da visita na residência onde ocorre o maior fluxo foi criado um fluxograma do processo. Segundo a proprietária da residência são coletados em média de 50 banners por mês que ficam armazenados no estoque, separados por marcas. Quando há demanda por estes banner é necessário fazer a sua limpeza, onde são lavados, retiradas as ponteiras, a madeira de suas extremidades e/ou os ilhós, restando assim só a lona limpa. Esta é cortada para ficar no formato desejado do produto. Logo após é transportado para a residência das costureiras, que fazem seu trabalho terceirizado, enviando o produto costurado para o empreendimento, que finaliza a montagem do produto e decora de acordo com a demanda. Assim o produto está pronto para ser comercializado. Os principais problemas e gargalos operacionais encontrados no fluxograma ocorrem no transporte, devido ao grande gasto de tempo e financeiro, considerando que as costureiras residem em outra cidade. O diagrama ideal para o empreendimento de economia solidária seria semelhante à Figura 1, mas sem o transporte, indo do corte para a costura e para o ornamento na mesma residência ou em locais mais próximos. Porém, foi constatado que apesar dos problemas e gargalos operacionais o empreendimento está funcionando de forma satisfatória para os membros do grupo. 4

5 Figura 1 - Fluxograma do processo Fonte: Amanda Sofia de Guimarães e Stepanha (2013) Um dos maiores problemas identificados na visita realizada em uma das residências do empreendimento foi à falta de estrutura física, pois os banners são armazenados no porão, que tem pouca ventilação e a produção é realizada na sala de estar. O armazenamento incorreto dos banners acarreta diversos fatores negativos, como por exemplo, a diminuição de sua utilização por conta de mofos e sujeira em geral. Devido à falta de espaço os banners não são totalmente organizados, são apenas separados por empresa doadora. Outro problema relacionado ao espaço é que os integrantes do empreendimento trabalham nas suas próprias casas, sendo que cada trabalhador reside distante um do outro, o que dificulta a articulação entre eles para o desenvolvimento dos produtos. Não há separação da vida pessoal com a profissional, pois os materiais ficam espalhados na residência, dificultando o convívio familiar e, de certa forma, causando desconforto aos membros e suas famílias, devido ao seu grande acúmulo e espaço utilizado. Outra dificuldade é quanto à qualidade dos banners recebidos, pois os mesmos muitas vezes chegam sujos, arranhados e amassados, portanto não podem ser reutilizados para a confecção de novos produtos. Há uma preocupação entre os membros do empreendimento em relação a toxicidade dos banners, pois ao serem manuseados, conforme relatado, há uma sensação de desconforto, apesar da utilização das luvas. 5

6 Para compreendermos o que o grupo trazia em relação ao uso dos banners precisamos conhecer melhor esse material. Banners são compostos por plástico (lona), tecido (fios de poliéster), tinta, pequenos bastões de madeira em suas extremidades com pequenos plásticos endurecidos em cada ponta desse bastão e ilhós. A lona do banner é composta pelo polímero de cloreto de polivinila, o vinil, ou como são conhecidos popularmente PVC. Pelo fato de ser constituído por um polímero, o vinil tem sua decomposição muito demorada. O vinil (cloreto de polivinila) é um polímero que possui em sua composição mais de um componente. De forma resumida, pode-se dizer que é formado de cloro (extraído do cloreto de sódio) e etileno (derivado do petróleo, um recurso não-renovável). Essa mistura faz do vinil um composto multimaterial, o que dificulta e prolonga a decomposição, assim como a reciclagem. (IMPRENSA DA PREFEITURA DE RIO CLARO-SP, 2012). O empreendimento sabendo que o seu processo gera resíduos e que pode causar danos à natureza procura reaproveitar conscientemente o banner, transformando-o em outros materiais com o objetivo de gerar de renda, e esse processo gera resíduos assim como todo processo pelo viés da engenharia. O grupo objetivando obter resíduo zero, isto é, onde todos os resíduos do processo sejam reaproveitados e pensando na sustentabilidade ambiental tentou utilizar esses resíduos para a produção de uma massa com 60% de restos de banner, 20% de copos plásticos brancos e 20% de cascas de arroz. Essa massa ao ficar pronta endurece muito rápido, por isso achar um destino ou modo de reaproveitamento dessa massa, seria muito difícil. A fim de verificar se o produto feito a partir dos resíduos de banner e outros componentes são perigosos, o laboratório Green Lab realizou o teste de lixiviação para classificar os resíduos como classe I perigosos e classe II- não perigosos, segundo ABNT NBR e o teste solubilização para classificar os resíduos não perigosos como classe II A não inertes e classe II B- inertes, segundo ABNT NBR Estes também foram realizados no Laboratório de Processos Ambientais (LAPA) da PUCRS. A classificação dos resíduos é baseada normalmente na avaliação do comportamento deste em contato com um solvente. Assim, a lixiviação é o procedimento mais utilizado para analisar a potencialidade de transferência de matéria para o meio natural. Os ensaios de lixiviação são utilizados para determinar ou avaliar a estabilidade química dos resíduos, quando em contato com soluções aquosas, permitindo assim verificar o grau de imobilização de contaminantes. 6

7 Encontram-se disponíveis diversos ensaios de lixiviação, mas nenhum deles é capaz de reproduzir, isoladamente, todas as condições variáveis que se observam na natureza. (ROCCA, apud CAUDURO e ROBERTO, 2001, p.1). Os testes de lixiviação e solubilização realizados pelo Green Lab apontam que algumas substâncias tiveram resultados acima do limite máximo permitido, significando que este material pode ser acarretar danos ao ser disposto de maneira incorreta no meio ambiente. Tabela 1-Teste de Lixiviação da massa - Elemento acima do limite máximo permitido de acordo com a NBR :2004 Fonte: Green Lab (2013) Tabela 2-Teste de Solubilização da massa- Elementos acima do limite máximo permitido de acordo com a NBR :2004 Fonte: Green Lab (2013) Após realizar os procedimentos para a obtenção do extrato lixiviado foi o filtrado de banners obteve o ph igual a 4,07 e de luvas igual a 4,67. Depois foram realizados os procedimentos para a obtenção do extrato solubilizado foi o filtrado de banners obteve o ph igual a 7,27 e de luvas igual a 7,63. Então foi escolhido, a partir dos materiais disponíveis no Laboratório de Processos Ambientais, um dos elementos para ser analisado. Segue abaixo o resultado do ferro total nos filtrados: 7

8 Parâmetros de Ferro Tabela 3- Teste do Ferro total nos extratos Unidade Resultado VPM NBR :2004 Solubilizado luvas mg FelL ND 0,3 Solubilzado banners mg FelL ND 0,3 Lixiviado luvas mg FelL ND Lixiviado banners mg FelL 0, ND: Não definido Fonte: Amanda Sofia de Guimarães e Stepanha (2013) Notamos que a utilização do banner vem diminuindo ao longo dos anos por conta da informatização e da conscientização ambiental. Portanto, essa matéria prima pode ficar escassa nos próximos anos. Pesquisas mostram que a produção mundial de plásticos cresce exponencialmente, um exemplo é que em 2010 essa produção cresceu 6% comparado com A demanda brasileira por PVC em 2010 foi de 19%, comparado com a demanda total de plásticos, o que equivale a 1,12 milhões de toneladas de PVC. A demanda por PVC continua crescendo, porém a demanda por banners vem decrescendo devido à conscientização ambiental. Em São Paulo existe uma lei que entrou em vigor em 2007 que proíbe outdoors, painéis eletrônicos, faixas e banners e a sua substituição por meios mais tecnológicos, como os banners virtuais. Em 2010 foi aprovada a Lei Nacional dos Resíduos Sólidos, contribuindo com a política socioambiental e trazendo mudanças na dimensão cultural da sociedade brasileira. Tendo como exemplo a lei paulista, podemos observar que a produção de banners irá diminuir. Porém, não podemos descartar toda a demanda exigida dos mesmos, pois esse processo de diminuição é lento e gradativo. A produção ainda existirá por muito tempo e deve ser pensada como problema ambiental tendo em vista que a lei ainda é regional. 8

9 CONCLUSÕES A presente pesquisa foi realizada a partir de duas áreas distintas do conhecimento, a Engenharia Química e o Serviço Social. Durante a pesquisa podemos observar as convergências de opinião entre as áreas, mas também o crescimento e a construção conjunta do conhecimento. Por serem duas áreas muito diferentes, é importante salientar o papel da interdisciplinaridade nesse processo. Em relação à área do Serviço Social os objetivos específicos foram três. O primeiro foi identificar experiências de geração de renda que desenvolveram tecnologia social Grupos de Economia Solidária ou Cooperativa. A pesquisa aponta que o grupo pesquisado se enquadra na política de Economia Solidária em parte, pois trabalha com terceirização e não com cadeia ou rede produtiva de Economia Solidária. Gera renda e desenvolve uma tecnologia social sustentável, reaplicável e de fácil acesso. Como segundo objetivo, a pesquisa procurou analisar o tipo de acesso ao sistema de proteção social que os empreendimentos viabilizam aos trabalhadores usuários das políticas públicas. O grupo apresenta uma peculiaridade, pois apesar de ser caracterizado como grupo de Economia Solidária seus membros não acessam nenhum tipo de política pública ou previdência social, o que não é comum nesse tipo de empreendimento. O terceiro objetivo pesquisado teve como função verificar as condições de trabalho dos membros do grupo brasileiro. O grupo não possui um local fixo para desenvolver seu trabalho, utilizando a casa dos próprios membros como locais de produção, reuniões e estoque. Essa característica trás a fusão, em parte, da vida pessoal com a profissional, o que pode tanto atrapalhar as relações familiares quanto à produção. Em relação à área da engenharia o objetivo específico era verificar problemas e gargalos operacionais a fim de aprimorar o processo produtivo. A pesquisa aponta que é possível aprimorar o processo produtivo, diminuindo os gastos, situando todo o processo em apenas uma localização. Apesar de ser um grande problema as componentes do grupo se adequaram a situação, mesmo tendo como meta um único local para a armazenagem dos materiais e produção do produto. Foi verificado também que a matéria prima é tóxica, e deve ser manuseada com uso de proteção por questões de saúde e de preservação ao meio ambiente. A meta de resíduo zero não pode ser alcançada sem estudos mais específicos do 9

10 processo produtivo. Empreendimentos ou empresas que possuem essa meta normalmente são geradores de muitos resíduos. Descobrimos que o Empreendimento de Economia Solidária não gera resíduos suficientes para serem reaproveitados. É necessário armazenar resíduos por um longo tempo, até que seja possível conseguir a quantidade adequada. Foi constatado também, que os banners possuem algumas substâncias com o limite acima do máximo permitido, o que torna sua reutilização ainda mais difícil. REFERÊNCIAS ABNT NBR Procedimento para obtenção de extrato lixiviado de resíduos sólidos. Disponível em: <http://professor.ucg.br/sitedocente/admin/arquivosupload/12941/material/nbr% %20%20-%20Lixiviacao%20de%20residuos.pdf>. Acesso em: 19 ago ABNT NBR Procedimento para obtenção de extrato solubilizado de resíduos sólidos. Disponível em: <http://professor.ucg.br/sitedocente/admin/arquivosupload/12941/material/nbr% %20NB%201067%20%20-%20Solubilizacao%20de%20residuos.pdf>. Acesso em: 19 ago IMPRENSA DA PREFEITURA DE RIO CLARO-SP. Rio claro lança projeto de reaproveitamento de lona de vinil, 06 de junho de Disponível em: <http://imprensa.rioclaro.sp.gov.br/?p=13557>. Acesso em: 26 abr NOVA OPERSAN. Soluções Ambientais. Disponível em: <http://info.opersan.com.br/blog/bid/135837/res%c3%adduos-classe-i-ou- Res%C3%ADduos- Classe-II-Qual-%C3%A9-a-diferen%C3%A7a>. Acesso em: 19 ago POLÍMEROS E AMBIENTE. Disponível em: <http://polimeros.no.sapo.pt/ambiente.html>. Acesso em: 07 jun SANTOS, Cassandra Dalle Mulle. Análise de uma tecnologia social de reciclagem mecânica implantada no centro de triagem de Nova Hartz. Disponível em: <http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/35179/ pdf?sequence=1>. Acesso em: 29 ago SILVA, Christian Luiz da. Inovação e Sustentabilidade. Curitiba: Aymará Educação, SILVA, Juliano da. Polímeros. Disponível em: <http://www.ebah.com.br/content/abaaabg8oal/ polimeros>. Acesso em 10 set

RECICLANDO ATITUDES. Ana MariaVenquiaruti 1 ;Janice de Fátima Preuss dacruz 2 ;Natanael Martins Ajala 3 ; Tanise da Silva Moura 4 ;

RECICLANDO ATITUDES. Ana MariaVenquiaruti 1 ;Janice de Fátima Preuss dacruz 2 ;Natanael Martins Ajala 3 ; Tanise da Silva Moura 4 ; RECICLANDO ATITUDES Ana MariaVenquiaruti 1 ;Janice de Fátima Preuss dacruz 2 ;Natanael Martins Ajala 3 ; Tanise da Silva Moura 4 ; 1 Farmacêutica, Bioquímica e Pós Graduada em Educação Ambiental- Professora

Leia mais

Eixo Temático ET-03-016 - Gestão de Resíduos Sólidos

Eixo Temático ET-03-016 - Gestão de Resíduos Sólidos 147 Eixo Temático ET-03-016 - Gestão de Resíduos Sólidos VIABILIDADE DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA NO IFPB CAMPUS PRINCESA ISABEL: CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS Queliane Alves da Silva 1 ; Ana Lígia

Leia mais

FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013

FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013 FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013 DISCIPLINA - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Integrantes: Adriano de Oliveira RA: 14759 Karina

Leia mais

Reciclagem e Valorização de Resíduos Sólidos - Meio Ambiente e Sustentabilidade

Reciclagem e Valorização de Resíduos Sólidos - Meio Ambiente e Sustentabilidade SEMINÁRIO Reciclagem e Valorização de Resíduos Sólidos - Meio Ambiente e Sustentabilidade Universidade de São Paulo Escola Politécnica Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais 27 de maio de

Leia mais

Ideal Qualificação Profissional

Ideal Qualificação Profissional 2 0 1 1 Finalista Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Vencedora Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Finalista Nacional Categoria Serviços de Educação Apresentação O desenvolvimento

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL O presente Programa é um instrumento que visa à minimização de resíduos sólidos, tendo como escopo para tanto a educação ambiental voltada

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

RESÍDUOS COMO ALTERNATIVA DE APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO SÓCIO-AMBIENTAL

RESÍDUOS COMO ALTERNATIVA DE APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO SÓCIO-AMBIENTAL RESÍDUOS COMO ALTERNATIVA DE APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO SÓCIO-AMBIENTAL SOUZA,I.C. ;BUFAIÇAL,D.S.S;SANTOS,M.D.;ARANTES,S.S.;XAVIER,L.;FERREIRA,G.K.S; OLIVEIRA,B.A.;PAGOTTO,W.W.B.S.;SILVA,R.P.;SANTOS.L.G.;SANTOS.F.F.S.;FRANCO,R.

Leia mais

Incubadoras Sociais: O Assistente Social contribuído na viabilização de uma nova economia.

Incubadoras Sociais: O Assistente Social contribuído na viabilização de uma nova economia. Incubadoras Sociais: O Assistente Social contribuído na viabilização de uma nova economia. Autores: Ana Claudia Carlos 1 Raquel Aparecida Celso 1 Autores e Orientadores: Caroline Goerck 2 Fabio Jardel

Leia mais

O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR.

O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR. O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR. Wedell Jackson de Caldas Monteiro E.E.M.I. Auzanir Lacerda wedellprofessor@gmail.com Nadia

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Revista Ceciliana Jun 5(1): 1-6, 2013 ISSN 2175-7224 - 2013/2014 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA COLETA SELETIVA NA FAP

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA COLETA SELETIVA NA FAP PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA COLETA SELETIVA NA FAP SILVA V. L. da 1 ; SOUZA T. R. 1 ; RIBEIRO J. S. G. 1 ; CARDOSO C. F. 1 ; SILVA, C. V. da 2. 1 Discentes do Curso de Ciências Biológicas FAP 2

Leia mais

PROJETO CIÊNCIA VERDE: Unindo Tecnologia, Ambiente e Sociedade

PROJETO CIÊNCIA VERDE: Unindo Tecnologia, Ambiente e Sociedade PROJETO CIÊNCIA VERDE: Unindo Tecnologia, Ambiente e Sociedade 1 IDENTIFICAÇÃO: PROJETO DE EXTENSÃO 1.1 Título da Atividade: Coleta do Lixo Eletrônico 1.1.1 Meios de Divulgação: Mídia local, redes sociais,

Leia mais

Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA

Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA 1 QUALIDADE DA COLETA E A NECESSIDADE DE UMA CONSCIÊNCIA DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL NA CIDADE DE GOIANA Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA RESUMO O consumismo da

Leia mais

HORTA VERTICAL EM GARRAFAS PET NA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS (APAE)/ AREIA - PB

HORTA VERTICAL EM GARRAFAS PET NA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS (APAE)/ AREIA - PB HORTA VERTICAL EM GARRAFAS PET NA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS (APAE)/ AREIA - PB Tatiana Ferreira de Lima Brito; Universidade Federal da Paraíba (UFPB); tathattinha@hotmail.com Introdução

Leia mais

ANEXO I ROTEIRO DE ENTREVISTA PARA LEVANTAMENTOS PRELIMINARES. Data:

ANEXO I ROTEIRO DE ENTREVISTA PARA LEVANTAMENTOS PRELIMINARES. Data: ANEXO I ROTEIRO DE ENTREVISTA PARA LEVANTAMENTOS PRELIMINARES Dados Socioeconômicos: Levantamento das Demandas do Município Responsável Técnico pelo Levantamento: Data: Município: Nome do Informante /

Leia mais

NORMA PARA CEUNSP FACULDADE DE ENGENHARIA E ARQUITETURA - FEA ELABORAÇÃO DE BANNER

NORMA PARA CEUNSP FACULDADE DE ENGENHARIA E ARQUITETURA - FEA ELABORAÇÃO DE BANNER NORMA PARA FACULDADE DE ENGENHARIA E ARQUITETURA - FEA ELABORAÇÃO DE BANNER 1 INDICE 1. Definição de Banner... 3 2. Da Confecção... 3 3. Da Identificação... 3 4. Da Elaboração... 4 4.1. Da Preparação...

Leia mais

ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina

ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina SERVIÇOS DE LIMPEZA URBANA E AS COOPERATIVAS DE CATADORES

Leia mais

COMPOSTAGEM: um terreno fértil para a consciência ambiental.

COMPOSTAGEM: um terreno fértil para a consciência ambiental. COMPOSTAGEM: um terreno fértil para a consciência ambiental. PANZENHAGEN, Liane Margarete 1, VALE, Giovane Maia 2 ; MOREIRA, Ilson 3. Palavras-chave: composteira, meio ambiente, comunidade escolar. Introdução

Leia mais

ESCOLA RUMO A UM FUTURO SUSTENTÁVEL

ESCOLA RUMO A UM FUTURO SUSTENTÁVEL ESCOLA RUMO A UM FUTURO SUSTENTÁVEL Izelia Mayara Maia CASTELLAIN 1, Vitória Imai AMORIM 1, Professora coordenadora Michele C. AREND 2 Identificação autores: 1 Aluna Bolsista PIBIC-EM/CNPq IFC-Campus Camboriú,

Leia mais

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL MENDONÇA, Ana Maria Gonçalves Duarte. Universidade Federal de Campina Grande. E-mail: Ana.duartemendonca@gmail.com RESUMO

Leia mais

A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG.

A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG. A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG. (Projeto InterAção) Introdução Com a tendência de um crescimento mundial da população, gerando um desenvolvimento industrial

Leia mais

PROJETO. Lixo Eletrônico

PROJETO. Lixo Eletrônico CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS Pró-reitora de Graduação e-mail: prograd@unifeb.edu.com PROJETO Lixo Eletrônico JUNHO/2015 Nome do projeto: Lixo Eletrônico (Reciclagem, reaproveitamento

Leia mais

CONSCIENTIZAÇÃO E SENSIBILIZAÇÃO: OS DESAFIOS DO 1º MUTIRÃO DO LIXO ELETRÔNICO NOS MUNICÍPIOS DE SOLÂNEA E BANANEIRAS - PB

CONSCIENTIZAÇÃO E SENSIBILIZAÇÃO: OS DESAFIOS DO 1º MUTIRÃO DO LIXO ELETRÔNICO NOS MUNICÍPIOS DE SOLÂNEA E BANANEIRAS - PB CONSCIENTIZAÇÃO E SENSIBILIZAÇÃO: OS DESAFIOS DO 1º MUTIRÃO DO LIXO ELETRÔNICO NOS MUNICÍPIOS DE SOLÂNEA E BANANEIRAS - PB RESUMO SILVA¹, Adelmo Faustino da ; RODRIGUES, Andreza Alves Guimarães; CAMPELO,

Leia mais

MONITORAMENTO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA NA UFPB

MONITORAMENTO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA NA UFPB MONITORAMENTO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA NA UFPB PAIVA ANDRADE, Leandro DE ARAUJO MORAIS, Joácio Júnior RESUMO A coleta seletiva e a reciclagem de lixo têm um papel muito importante para

Leia mais

DELIMITAÇÃO DO OBJETO Empresa de embalagem em EPS para alimentos, localizada em Arujá/SP, no período compreendido entre agosto e outubro de 2007.

DELIMITAÇÃO DO OBJETO Empresa de embalagem em EPS para alimentos, localizada em Arujá/SP, no período compreendido entre agosto e outubro de 2007. RECICLAGEM DE ISOPOR - ALTERNATIVA DE SUSTENTABILIDADE Talita Cristina Castellani Orientadora: Prof.ª MSc. Maria Cristina Tagliari Diniz Co-Orientação Esp. Ivan Michaltchuk Coordenação Geral do Prof. MSc.

Leia mais

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 PROGRAMA DE CONTROLE DA COLETA SELETIVA E DESTINO DOS MATERIAIS DESCARTADOS

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 PROGRAMA DE CONTROLE DA COLETA SELETIVA E DESTINO DOS MATERIAIS DESCARTADOS ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 PROGRAMA DE CONTROLE DA COLETA SELETIVA E DESTINO DOS MATERIAIS DESCARTADOS PROGRAMA Nº 04/2012 SENAI-SP. Projeto desenvolvido pelo CFP 5.12 Escola SENAI Celso Charuri.

Leia mais

CNPJ: 11.028.088/0001-76

CNPJ: 11.028.088/0001-76 Centro de Vivencia Ecológica e Cultural Entidade da sociedade civil sem fins lucrativos de caráter ecológico, cultural e social. (Fundada em 10 de Julho de 2009) CNPJ: 11.028.088/00-76 1.Nome do projeto

Leia mais

A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL

A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL Ana Maria G. D. MENDONÇA 1, Darling L. PEREIRA 2,,José J. MENDONÇA 3, Aluska M. C. RAMOS 4 Maria S. B. DUARTE

Leia mais

Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza

Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza OConselho da Comunidade Solidária foi criado em 1995 com base na constatação de que a sociedade civil contemporânea se apresenta como parceira indispensável

Leia mais

XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO

XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO COMPARAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO TIJOLO DE SOLO-CIMENTO INCORPORADO COM RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL PROVENIENTES DE CATAGUASES - MG E O RESÍDUO DE BORRA DE TINTA PROVENIENTE DAS INDÚSTRIAS PERTENCENTES

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA. Preciso de informações sobre reciclagem de thinner, fabricante de máquinas para reciclagem e viabilidade.

RESPOSTA TÉCNICA. Preciso de informações sobre reciclagem de thinner, fabricante de máquinas para reciclagem e viabilidade. RESPOSTA TÉCNICA Título Reciclagem de Thinner Resumo Informações de como é feita a reciclagem de solventes orgânicos como o thinner, fornecedores de equipamentos para reciclagem dos mesmos e viabilidade

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: O CASO DE UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: O CASO DE UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: O CASO DE UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA Angelica Raquel Negrele de Faria (UNICENTRO), Izamara de Oliveira Ferreira (UNICENTRO), Prof. Silvio Roberto Stefano (Orientador),

Leia mais

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO Resumo: O presente artigo pretende refletir sobre os problemas ambientais em nossa sociedade, em especial, sobre o

Leia mais

RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: CLASSIFICAÇÃO, NORMAS E RECICLAGEM

RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: CLASSIFICAÇÃO, NORMAS E RECICLAGEM RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: CLASSIFICAÇÃO, NORMAS E RECICLAGEM 1 Régis Budke, 1 Jackson Rainério Cardoso & 2 Silvio Bispo do Vale 1 Graduandos em Engenharia de Minas e Meio Ambiente - UFPA. 2 Prof. da

Leia mais

A TEMÁTICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A TEMÁTICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A TEMÁTICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Geisieli Rita de Oliveira 1 ge_baronesa@hotmail.com Manuela Tavares Moreira 1 manuelamoreira92@gmail.com Catarina Teixeira 2 - catarinabio@hotmail.com

Leia mais

APOIO E REAÇÕES AOS EQUIPAMENTOS DE ENTREGA VOLUNTÁRIA EM TOLEDO - PR

APOIO E REAÇÕES AOS EQUIPAMENTOS DE ENTREGA VOLUNTÁRIA EM TOLEDO - PR APOIO E REAÇÕES AOS EQUIPAMENTOS DE ENTREGA VOLUNTÁRIA EM TOLEDO - PR Tainara IankaMaas Acadêmica de Iniciação Científica do curso de Geografia da Unioeste, campus de Mal. C. Rondon-PR, Integrante do Laboratório

Leia mais

UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO

UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO SOUZA, Caio Henrique Bueno de 1 RODRIGUES, Davi 2 SANTOS, Edna Silva 3 PIRES, Fábio José 4 OLIVEIRA, Jully Gabriela

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL: ESTUDO NO MUNICÍPIO DE PANAMBI/RS 1

GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL: ESTUDO NO MUNICÍPIO DE PANAMBI/RS 1 GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL: ESTUDO NO MUNICÍPIO DE PANAMBI/RS 1 CHRISTMANN, Samara Simon 2 ; RODRIGUES, Paulo Cesar 3. Palavras-Chave: Canteiros de Obras. Resíduos Sólidos. Impacto

Leia mais

ANÁLISE DE MELHORIAS RELACIONADAS À FABRICAÇÃO DE BOLSAS DE LONA DE BANNER

ANÁLISE DE MELHORIAS RELACIONADAS À FABRICAÇÃO DE BOLSAS DE LONA DE BANNER ANÁLISE DE MELHORIAS RELACIONADAS À FABRICAÇÃO DE BOLSAS DE LONA DE BANNER Adriana de Paula Lacerda dos Santos (Doutura em Engenharia de Produção, UFPR, adrianapls1@gmail.com) Marcell Mariano Correa Maceno

Leia mais

TI Verde: Sustentabilidade na área da tecnologia da informação TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TI Verde: Sustentabilidade na área da tecnologia da informação TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Flávio Luiz de Azevedo BRAYNER Paulo Gustavo Sabino RAMOS Patrícia Verônica de Azevedo BRAYNER Resumo: Atualmente a Tecnologia da Informação

Leia mais

TRAÇOS DO PERFIL DOS CATADORES DEMATERIAIS RECICLÁVEIS DO MUNICÍPIO DE CRUZ ALTA/RS 1

TRAÇOS DO PERFIL DOS CATADORES DEMATERIAIS RECICLÁVEIS DO MUNICÍPIO DE CRUZ ALTA/RS 1 TRAÇOS DO PERFIL DOS CATADORES DEMATERIAIS RECICLÁVEIS DO MUNICÍPIO DE CRUZ ALTA/RS 1 SILVA, Enedina Maria Teixeira 2, VIRGOLIN, Isadora Cadore 3, ISRAEL, Ana Lúcia Pinheiro 4, VERISSIMO, Fabiane 5, GUMA,

Leia mais

ATENÇÃO. Apresentação

ATENÇÃO. Apresentação Apresentação O tema logística reversa vem crescendo em importância entre as empresas desde a regulamentação da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Com as novas exigências, as empresas precisam buscar

Leia mais

Autores: RG 3062164367; RG 73302005000400015; RG 73302005000400015

Autores: RG 3062164367; RG 73302005000400015; RG 73302005000400015 Autores: RG 3062164367; RG 73302005000400015; RG 73302005000400015 Instituição: Universidade Feevale - Novo Hamburgo-RS Titulação: Doutorando; Doutoranda; Doutora Título do trabalho: Uma experiência interdisciplinar

Leia mais

A economia solidária como estratégia de inclusão produtiva no Programa Bolsa Família

A economia solidária como estratégia de inclusão produtiva no Programa Bolsa Família A economia solidária como estratégia de inclusão produtiva no Programa Bolsa Família Adriane Vieira Ferrarini Docente e pesquisadora do Programa de Pós graduação em Ciências Sociais da Unisinos Estelamaris

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS TERESA D ÁVILA NÚCLEO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Formulário para Registro de Projetos de Extensão Universitária

FACULDADES INTEGRADAS TERESA D ÁVILA NÚCLEO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Formulário para Registro de Projetos de Extensão Universitária FACULDADES INTEGRADAS TERESA D ÁVILA NÚCLEO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Formulário para Registro de Projetos de Extensão Universitária Ano Base: 2014 Título do Projeto: Extensão Corpus Christ Tipo de Projeto:

Leia mais

cintiademarcosantos@gmail.com

cintiademarcosantos@gmail.com ECOEFICIÊNCIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMA DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA NA CONSTRUÇÃO DE UM CONJUNTO DE CASAS DE ALTO PADRÃO NA CIDADE DE PELOTAS/RS Cíntia de Marco Santos Instituto Federal Sul-rio-grandense,

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO CAMPUS UBERABA

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO CAMPUS UBERABA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO CAMPUS UBERABA GOMIDES, J.E. 1 ; SCHENKEL, C.A. 2 ; SOUSA, J.S. 3 1 Acadêmica do Curso Superior de

Leia mais

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA CIDADE DE POÁ, SP.

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA CIDADE DE POÁ, SP. TÍTULO: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA CIDADE DE POÁ, SP. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO

Leia mais

Postes de Eucalipto Tratados

Postes de Eucalipto Tratados Postes de Eucalipto Tratados - Considerações - Destinação de Resíduos de Madeira Tratada 3º Simpósio Madeira e Construção- Agosto 2015 Flavio C. Geraldo ABPM Workshop Presidente ABRADEE Maio 2015 Flavio

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos

Gerenciamento de Resíduos Gerenciamento de Resíduos ANVISA RDC 306/04 - REGULAMENTO TÉCNICO PARA GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE SAÚDE veronica.schmidt@ufrgs.br O perigo do lixo hospitalar. Resíduos biológicos - culturas de microrganismos

Leia mais

V Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014

V Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GERENCIAMENTO DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS DOMÉSTICOS EM ÁREA URBANA: ESTUDO DE CASO EM MUNICÍPIO DE PEQUENO PORTE Aline Ferrão Custodio Passini (*), Guilherme Barros,

Leia mais

Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE

Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE Preservação e Conservação A preservação é o esforço para proteger um ecossistema e evitar que ele seja modificado. Depende também da presença e ação do homem sobre

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA DESCARGA DE CARVÃO COMPACTADO

OTIMIZAÇÃO DA DESCARGA DE CARVÃO COMPACTADO OTIMIZAÇÃO DA DESCARGA DE CARVÃO COMPACTADO 1 RESUMO O agarramento de material no fundo dos vagões sempre foi um dos maiores gargalos operacionais enfrentados na descarga de carvão mineral. Problema que

Leia mais

Programa Permanente de Coleta Seletiva. Solidária do Arquivo Nacional

Programa Permanente de Coleta Seletiva. Solidária do Arquivo Nacional Solidária do Arquivo Nacional Programa Permanente de Coleta Seletiva Amparado pelo Decreto Federal 5.940/ 2006 - que prevê que todas as instituições federais passem a doar seus materiais recicláveis descartados

Leia mais

Shopping Iguatemi Campinas Reciclagem

Shopping Iguatemi Campinas Reciclagem Shopping Iguatemi Campinas Reciclagem 1) COMO FUNCIONA? O PROBLEMA OU SITUAÇÃO ANTERIOR Anteriormente, todos os resíduos recicláveis ou não (com exceção do papelão), ou seja, papel, plásticos, vidros,

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES Maria Helena Machado de Moraes - FURG 1 Danilo Giroldo - FURG 2 Resumo: É visível a necessidade de expansão da Pós-Graduação no Brasil, assim

Leia mais

ENSAIO PRELIMINAR DE FITOTOXICIDADE EM AMOSTRAS DE RESÍDUOS QUÍMICOS PRODUZIDOS EM AULAS PRÁTICAS DE GRADUAÇÃO EM QUÍMICA

ENSAIO PRELIMINAR DE FITOTOXICIDADE EM AMOSTRAS DE RESÍDUOS QUÍMICOS PRODUZIDOS EM AULAS PRÁTICAS DE GRADUAÇÃO EM QUÍMICA ENSAIO PRELIMINAR DE FITOTOXICIDADE EM AMOSTRAS DE RESÍDUOS QUÍMICOS PRODUZIDOS EM AULAS PRÁTICAS DE GRADUAÇÃO EM QUÍMICA Thalita da Silva Copelli (1) Graduanda, curso de Tecnologia em Processos Ambientais

Leia mais

Prêmio Planeta Casa 2012 Regulamento categoria Produtos de decoração

Prêmio Planeta Casa 2012 Regulamento categoria Produtos de decoração Prêmio Planeta Casa 2012 Regulamento categoria Produtos de decoração O Prêmio Planeta Casa 2012 busca valorizar empresas, organizações da sociedade civil e profissionais das áreas de arquitetura, design,

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO PROJETO GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA ETEC JOAQUIM FERREIRA DO AMARAL: UMA ESCOLA SUSTENTÁVEL

RELATÓRIO FINAL DO PROJETO GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA ETEC JOAQUIM FERREIRA DO AMARAL: UMA ESCOLA SUSTENTÁVEL RELATÓRIO FINAL DO PROJETO GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA ETEC JOAQUIM FERREIRA DO AMARAL: UMA ESCOLA SUSTENTÁVEL Profª responsável: Ana Rosária Macedo Rodrigues Aniceto O referido projeto foi desenvolvido

Leia mais

O poder. proteger. para. mundo. o seu. 3M Cuidado Institucional. Sorbents

O poder. proteger. para. mundo. o seu. 3M Cuidado Institucional. Sorbents 3M Cuidado Institucional Sorbents O poder para proteger o seu mundo A 3M é pioneira no conceito de microfibra e polipropileno, com mais de 25 anos de experiência na fabricação de respiradores descartáveis.

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE ADMINISTRAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA UFMG

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE ADMINISTRAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA UFMG IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE ADMINISTRAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA UFMG Ilka Soares Cintra (1) Eng a Civil pela Escola de Engenharia da UFMG-1979; Prof a Assistente do Dept o de Cartografia

Leia mais

Relatório de Sustentabilidade 2014

Relatório de Sustentabilidade 2014 1 Relatório de Sustentabilidade 2014 2 Linha do Tempo TAM VIAGENS 3 Política de Sustentabilidade A TAM Viagens uma Operadora de Turismo preocupada com a sustentabilidade, visa fortalecer o mercado e prover

Leia mais

LIXO ELETRÔNICO: Problema, discussão e conscientização trabalhados de forma interdisciplinar

LIXO ELETRÔNICO: Problema, discussão e conscientização trabalhados de forma interdisciplinar LIXO ELETRÔNICO: Problema, discussão e conscientização trabalhados de forma interdisciplinar Silviana Izabel Freire Severo 1 Débora da Silva de Lara 2 Maurício Ramos Lutz 3 Resumo: O presente relato tem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO INTERINSTITUCIONAL EM DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO INTERINSTITUCIONAL EM DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO INTERINSTITUCIONAL EM DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE RESÍDUOS QUÍMICOS E O PROCESSO DE DESCARTE EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

Leia mais

ANÁLISE DA IMPLEMENTAÇÃO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL UTILIZADOS EM PLANOS DIRETORES DE LIMPEZA URBANA EM TRÊS CIDADES DA BAHIA

ANÁLISE DA IMPLEMENTAÇÃO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL UTILIZADOS EM PLANOS DIRETORES DE LIMPEZA URBANA EM TRÊS CIDADES DA BAHIA ANÁLISE DA IMPLEMENTAÇÃO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL UTILIZADOS EM PLANOS DIRETORES DE LIMPEZA URBANA EM TRÊS CIDADES DA BAHIA Waleska Garcia Mendes Luiz Roberto Santos Moraes INTRODUÇÃO A Partir

Leia mais

MEU NEGÓCIO É RECICLAR A EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOINHAS - BAHIA NO APOIO AO MOVIMENTO DE CATADORES DE RUA

MEU NEGÓCIO É RECICLAR A EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOINHAS - BAHIA NO APOIO AO MOVIMENTO DE CATADORES DE RUA MEU NEGÓCIO É RECICLAR A EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOINHAS - BAHIA NO APOIO AO MOVIMENTO DE CATADORES DE RUA Patrícia Cristina de Lima Moreira (1) Assistente Social (UNIT), Assistente Social do Serviço

Leia mais

SUSTENTABILIDADE NO COTIDIANO ESCOLAR: Desafios da construção de uma proposta interdisciplinar

SUSTENTABILIDADE NO COTIDIANO ESCOLAR: Desafios da construção de uma proposta interdisciplinar SUSTENTABILIDADE NO COTIDIANO ESCOLAR: Desafios da construção de uma proposta interdisciplinar Mariely Rodrigues Anger 1 Ana Carla Ferreira Nicola Gomes 2 Jussara Aparecida da Fonseca 3 Resumo: Apresentam-se

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER?

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER? O QUE ESTÁ ACONTECENDO? O futuro é uma incógnita. As tendências são preocupantes, mas uma coisa é certa: cada um tem de fazer sua parte. Todos somos responsáveis. A atual forma de relacionamento da humanidade

Leia mais

TÍTULO: PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FACULDADE ANHANGUERA DE ANÁPOLIS

TÍTULO: PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FACULDADE ANHANGUERA DE ANÁPOLIS TÍTULO: PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FACULDADE ANHANGUERA DE ANÁPOLIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FARMÁCIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE ANÁPOLIS AUTOR(ES):

Leia mais

DESAFIOS E OPORTUNIDADES DA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE COOPERATIVAS POPULARES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ (INTECOOP/UNIFEI)

DESAFIOS E OPORTUNIDADES DA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE COOPERATIVAS POPULARES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ (INTECOOP/UNIFEI) DESAFIOS E OPORTUNIDADES DA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE COOPERATIVAS POPULARES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ (INTECOOP/UNIFEI) Área Temática: Trabalho Responsável pelo trabalho: H. H. COUTINHO Instituição:

Leia mais

Práticas Verdes Para Condomínios

Práticas Verdes Para Condomínios Guia de Práticas Verdes Para Condomínios A economia que faz bem para o seu bolso e para o meio ambiente Com o objetivo de incentivar e disseminar práticas sustentáveis em condomínios, o Secovi Rio criou

Leia mais

DESTINO FINAL AMBIENTALMENTE CORRETO DAS EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICOS

DESTINO FINAL AMBIENTALMENTE CORRETO DAS EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 DESTINO FINAL AMBIENTALMENTE CORRETO DAS EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICOS Raquel Ströher 1, Ana Paula Ströher 2, João Walker Damasceno 3 RESUMO: No Brasil,

Leia mais

PRÊMIO ESTANDE SUSTENTÁVEL ABF EXPO 2014

PRÊMIO ESTANDE SUSTENTÁVEL ABF EXPO 2014 PRÊMIO ESTANDE SUSTENTÁVEL ABF EXPO 2014 1. APRESENTAÇÃO Com o intuito de disseminar práticas de responsabilidade socioambiental entre as empresas do sistema de franchising, a Associação Brasileira de

Leia mais

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência Página 1 de 9 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 01 20/05/2009 30/09/2009 16/12/09 Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos

Leia mais

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Gisele Dorneles Fernandes 2 RESUMO: O presente artigo tem por finalidade esclarecer

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar EDSON MANOEL DA SILVA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar EDSON MANOEL DA SILVA 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar Introdução EDSON MANOEL DA SILVA O projeto de Educação Ambiental realizado na Escola Antônio Firmino, rede municipal

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

TÍTULO: A ALFACE E O LIXO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ARQUITETURA E URBANISMO

TÍTULO: A ALFACE E O LIXO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ARQUITETURA E URBANISMO TÍTULO: A ALFACE E O LIXO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: INSTITUIÇÃO: FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS AUTOR(ES): CÁSSIA QUÉREN HAPUQUE AZEVEDO DE ALMEIDA, CARLOS CESAR

Leia mais

Eixo Temático ET-03-035 - Gestão de Resíduos Sólidos IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUO SÓLIDO NO MUNICIPIO DE BONITO DE SANTA FÉ-PB

Eixo Temático ET-03-035 - Gestão de Resíduos Sólidos IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUO SÓLIDO NO MUNICIPIO DE BONITO DE SANTA FÉ-PB 203 Eixo Temático ET-03-035 - Gestão de Resíduos Sólidos IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUO SÓLIDO NO MUNICIPIO DE BONITO DE SANTA FÉ-PB Tarcísio Valério da Costa Universidade Federal da Paraíba/Pró

Leia mais

How To. Introdução. Volume 3 - Número 3 Dezembro 2010 SBC HORIZONTES 26

How To. Introdução. Volume 3 - Número 3 Dezembro 2010 SBC HORIZONTES 26 Como planejar uma Pesquisa Científica Sugestões para o desenvolvimento de uma pesquisa científica Jane Aparecida Buzzi Pereira Neves, janeabp@gmail.com, Faculdades Expoente, Curitiba, PR. Luiz Antônio

Leia mais

Data do início da implementação da experiência: fevereiro de 1997

Data do início da implementação da experiência: fevereiro de 1997 Experiência: PROJETO DE RECICLAGEM DE PAPEL DE ESCRITÓRIO Ministério da Previdência e Assistência Social INSS/Superintendência Estadual em São Paulo Coordenação de Recursos Humanos Responsável: Marli Penteado

Leia mais

ALGUNS ASPECTOS QUE INTERFEREM NA PRÁXIS DOS PROFESSORES DO ENSINO DA ARTE

ALGUNS ASPECTOS QUE INTERFEREM NA PRÁXIS DOS PROFESSORES DO ENSINO DA ARTE 7º Seminário de Pesquisa em Artes da Faculdade de Artes do Paraná Anais Eletrônicos ALGUNS ASPECTOS QUE INTERFEREM NA PRÁXIS DOS PROFESSORES DO ENSINO DA ARTE Bruna de Souza Martins 96 Amanda Iark 97 Instituto

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO - ABC INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA - IICA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E

Leia mais

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE Rafaela Souza SANTOS, Valquiria Rodrigues do NASCIMENTO, Dayane Graciele dos SANTOS, Tamíris Divina Clemente URATA, Simara Maria Tavares

Leia mais

LIXO PARA VOCÊ: ARTE PARA NÓS UM PROJETO DE REEDUCAÇÃO AMBIENTAL

LIXO PARA VOCÊ: ARTE PARA NÓS UM PROJETO DE REEDUCAÇÃO AMBIENTAL LIXO PARA VOCÊ: ARTE PARA NÓS UM PROJETO DE REEDUCAÇÃO AMBIENTAL Rafael Antônio Nunes COURA³;Milena Alves da Silva SOUZA³; Isabela Fatima Silveira MARTINS³; Cássia Maria Silva NORONHA¹ e Eriks Tobias VARGAS².

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM SANTA TEREZINHA DE ITAIPU - PR. Coleta Seletiva, nem tudo é lixo, pense, separe, recicle e coopere.

DIAGNÓSTICO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM SANTA TEREZINHA DE ITAIPU - PR. Coleta Seletiva, nem tudo é lixo, pense, separe, recicle e coopere. DIAGNÓSTICO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM SANTA TEREZINHA DE ITAIPU - PR Coleta Seletiva, nem tudo é lixo, pense, separe, recicle e coopere. Março de 2015 DESCRIÇÃO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA HISTÓRICO

Leia mais

ESTRATÉGIAS E DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

ESTRATÉGIAS E DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ESTRATÉGIAS E DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Geraldo Antônio Reichert Coordenador da Câmara Temática de Resíduos Sólidos ABES Associação Brasileira de Engenharia Sanitária

Leia mais

o ojet Pr a Consciênci 1 Resíduos

o ojet Pr a Consciênci 1 Resíduos Projeto Consciência Resíduos 1 Qual é a diferença entre resíduo e lixo? 2 Qual é a diferença entre resíduo e lixo? Resíduo pode ser considerado qualquer material que sobra após uma ação ou processo produtivo.

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA COM A RECURSOS. PARTICIPAÇÃO DE COOPERATIVAS DE CATADORES: A legislação aplicada na prática

LOGÍSTICA REVERSA COM A RECURSOS. PARTICIPAÇÃO DE COOPERATIVAS DE CATADORES: A legislação aplicada na prática LOGÍSTICA REVERSA COM A RECURSOS PARTICIPAÇÃO DE COOPERATIVAS DE CATADORES: A legislação aplicada na prática REALIZAÇÃO Ana Maria Domingues Luz Ambientalista Mestra em Ciência Ambiental PROCAM/USP Presidente

Leia mais

Para se implantar totalmente um processo verde precisamos de produtos químicos verdes, e que tenham sustentabilidade, temas já discutidos

Para se implantar totalmente um processo verde precisamos de produtos químicos verdes, e que tenham sustentabilidade, temas já discutidos PROCESSOS VERDES Para se implantar totalmente um processo verde precisamos de produtos químicos verdes, e que tenham sustentabilidade, temas já discutidos anteriormente, mas podemos iniciar o processo

Leia mais

Comissão de Sustentabilidade Campus Verde UNIFAL-MG. Ações realizadas em 2014 SUBCOMISSÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Comissão de Sustentabilidade Campus Verde UNIFAL-MG. Ações realizadas em 2014 SUBCOMISSÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG Comissão de Sustentabilidade Campus Verde Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700 Alfenas/MG - CEP 37.130-000 Fone (35) 3299-1062 http://www.unifal-mg.edu.br/sustentabilidade

Leia mais

O ENSINO DE FÍSICA NA VISÃO DOS ALUNOS DE UMA TURMA DE 2º ANO DO ENSINO MÉDIO: ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE ABAETETUBA PARÁ.

O ENSINO DE FÍSICA NA VISÃO DOS ALUNOS DE UMA TURMA DE 2º ANO DO ENSINO MÉDIO: ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE ABAETETUBA PARÁ. O ENSINO DE FÍSICA NA VISÃO DOS ALUNOS DE UMA TURMA DE 2º ANO DO ENSINO MÉDIO: ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE ABAETETUBA PARÁ. Alessandra da Costa Marques; Najara Siva; Lúcia Maria Assunção

Leia mais

FACULDADE LUCIANO FEIJÃO COORDENADORIA DE EXTENSÃO

FACULDADE LUCIANO FEIJÃO COORDENADORIA DE EXTENSÃO FACULDADE LUCIANO FEIJÃO COORDENADORIA DE EXTENSÃO PROJETO DE EXTENSÃO A Responsabilidade Social e a Inclusão Social - Grande Área de Conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas - Área Temática: Direitos

Leia mais

PROJETO DIDÁTICO: O LIXO QUE VIROU LUXO

PROJETO DIDÁTICO: O LIXO QUE VIROU LUXO PROJETO DIDÁTICO: O LIXO QUE VIROU LUXO Maria do Socorro dos Santos EEEFM José Soares de Carvalho socorrosantosgba@gmail.com Paula Priscila Gomes do Nascimento Pina EEEFM José Soares de Carvalho paulapgnascimento@yahoo.com.br

Leia mais

PERFIL DOS DOCENTES DE PÓS-GRADUAÇÕES COM ENFOQUES EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA

PERFIL DOS DOCENTES DE PÓS-GRADUAÇÕES COM ENFOQUES EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PERFIL DOS DOCENTES DE PÓS-GRADUAÇÕES COM ENFOQUES EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA Humarah Danielle de Lima Vasconcelos e-mail: humarah@hotmail.com Alda Leaby dos Santos Xavier

Leia mais

EDITAL 191/2015 Programa de Iniciação Científica Voluntária/IFSP Campus Itapetininga

EDITAL 191/2015 Programa de Iniciação Científica Voluntária/IFSP Campus Itapetininga EDITAL 191/2015 Programa de Iniciação Científica Voluntária/IFSP Campus Itapetininga A Direção Geral do campus Itapetininga do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP), torna

Leia mais

I-070 - DIAGNÓSTICO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇO DE SAÚDE EM UM HOSPITAL PÚBLICO EM BELÉM/PA

I-070 - DIAGNÓSTICO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇO DE SAÚDE EM UM HOSPITAL PÚBLICO EM BELÉM/PA I-070 - DIAGNÓSTICO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇO DE SAÚDE EM UM HOSPITAL PÚBLICO EM BELÉM/PA Lana Tais da Silva Coelho (1) Estudante do curso de Engenharia Ambiental do Instituto de

Leia mais