Segurança em Redes sem Fio

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Segurança em Redes sem Fio"

Transcrição

1 Segurança em Redes sem Fio Aprenda a proteger suas informações em ambientes Wi-Fi e Bluetooth Nelson Murilo de Oliveira Rufino Novatec

2 Copyright 2005, 2011 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer processo, sem prévia autorização, por escrito, do autor e da Editora. Editor: Rubens Prates Editoração eletrônica: Camila Kuwabata e Carolina Kuwabata Revisão gramatical: Débora Facin Capa: Casa de Tipos Fotos: Estudio Alexandre Magno ISBN: Histórico de impressões: Agosto/2011 Terceira edição (ISBN: ) Maio/2007 Segunda edição (ISBN: ) Dezembro/2005 Primeira reimpressão Abril/2005 Primeira edição (ISBN: ) Novatec Editora Ltda. Rua Luís Antônio dos Santos São Paulo, SP Brasil Tel.: Fax: Site: Twitter: twitter.com/novateceditora Facebook: facebook.com/novatec LinkedIn: linkedin.com/in/novatec Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Rufino, Nelson Murilo de Oliveira Segurança em redes sem fio : aprenda a proteger suas informações em ambientes Wi-Fi e Bluetooth / Nelson Murilo de Oliveira Rufino ed. -- São Paulo : Novatec Editora, Bibliografia. ISBN Redes de computadores - Medidas de segurança 2. Redes locais sem fio - Medidas segurança 3. Segurança de computadores I. Título CDD Índices para catálogo sistemático: 1. Redes sem fio : Segurança : Computadores OGF

3 capítulo 1 Conceitos A cor do sol me compõe O mar azul me dissolve A equação me propõe Computador me resolve. Mutantes, Dois mil e um Inúmeras tecnologias estão incluídas na categoria de redes sem fio. Estão incluídas desde redes simples, como infravermelho, em que normalmente a rede é composta de apenas dois dispositivos e estes, em geral, devem estar um em frente ao outro. Passando por tecnologias mais recentes, como Bluetooth, WiMax, 4G, RFID e ZigBee; a ênfase do livro, entretanto, recairá sempre nas relacionadas com o padrão (conhecido genericamente como Wi-Fi). Porém, algumas outras serão tratadas ao longo do livro, para estabelecer semelhanças e diferenças entre elas. 1.1 Fundamentos de redes sem fio Fatores externos ocasionam muito mais interferência nas redes sem fio que as redes convencionais. Tal situação acontece, obviamente, por não existir proteção em relação ao meio por onde as informações trafegam. Nas redes convencionais, os cabos podem-se valer de diversos tipos de materiais para proteção física, isolando, tanto quanto for a qualidade do material, o que ali trafega do resto do ambiente. Já com as redes sem fio, a informação não dispõe de nenhuma proteção física, mas, por outro lado, pode atingir, sem muito esforço, locais de difícil acesso para redes cabeadas. A seguir iremos conceituar os principais elementos que compõem os protocolos das redes sem fio Frequências Sinais de radiofrequência são utilizados pelos mais variados tipos de serviços, que vão desde as infraestruturas comerciais (estações de rádio e TVs, operadoras de telefonia móvel etc.) até as de uso militar, passando por serviços 19

4 20 Segurança em redes sem fio comunitários e de rádio amador. Porém, a maioria das faixas destinadas a cada um desses serviços não é padronizada internacionalmente. Uma faixa livre em determinado país pode ser usada, por exemplo, em uma aplicação militar em outro, o que torna a comercialização e o uso de algumas dessas soluções por vezes complicados. Quando falamos de frequências de rádio, temos em mente que um sinal será propagado no espaço por alguns centímetros ou por vários quilômetros. A distância percorrida está diretamente ligada às frequências do sinal. Em tese, quanto mais alta a frequência, menor será a distância alcançada. A fórmula geral que define essa proporção é: PS = (20 log D) + (20 log F) Onde: PS = perda do sinal D = distância em quilômetros F = frequência em MHz Canais O espectro de radiofrequência é dividido em faixas, que são intervalos reservados, normalmente, para determinado tipo de serviço, definido por convenções internacionais e/ou por agências reguladoras. Uma faixa é, em geral, subdividida em frequências menores, para permitir a transmissão em paralelo de sinais diferentes em cada uma delas. Essas frequências menores (ou subfrequências) são chamadas de canais, que já fazem parte do nosso dia a dia há bastante tempo, como os canais de rádio (AM/FM) e televisão. Ao navegar pelo dial do rádio é fácil perceber que não existem emissoras muito próximas umas das outras, da mesma forma que os canais de TV aberta, até há bem pouco tempo, não usavam canais adjacentes (se havia um canal 4, um canal novo não alocava o 3 ou o 5); em geral se mantinham dois ou três canais de distância. Tal fato ocorria porque um canal muito próximo de outro causava interferência neste. Em aparelhos de TV mais antigos era possível, por meio do seletor de sintonia fina, sintonizar determinado canal em outro anterior ou posterior a este. Algo semelhante ocorre com os canais de rede sem fio: canais de transmissão em frequências muito próximas podem causar interferência mútua.

5 Capítulo 1 Conceitos Spread Spectrum Essa tecnologia, originalmente desenvolvida para uso militar, distribui o sinal por toda a faixa de frequência de maneira uniforme. Consome mais banda, porém garante maior integridade ao tráfego das informações e está muito menos sujeita a ruídos e interferências que outras tecnologias que utilizam frequência fixa predeterminada, já que um ruído em determinada frequência afetará apenas a transmissão nessa frequência, e não a faixa inteira. Dessa maneira, o sinal necessitaria ser retransmitido somente quando e se fizer uso daquela frequência. Pelo fato de preencher toda a faixa, pode ser mais facilmente detectada, mas, se o receptor não conhecer o padrão de alteração da frequência, tudo que receber será entendido como ruído. O padrão de comunicação para todos os tipos de redes sem fio atuais usa essa tecnologia Frequency-Hopping Spread Spectrum (FHSS) Nesse modelo, a banda 2,4 GHz é dividida em 75 canais, e a informação é enviada utilizando todos esses canais em uma sequência pseudoaleatória,em que a frequência de transmissão dentro da faixa vai sendo alterada em saltos. Essa sequência segue um padrão conhecido pelo transmissor e pelo receptor, que, uma vez sincronizados, estabelecem um canal lógico. O sinal é recebido por quem conhece a sequência de saltos e aparece como ruído para outros possíveis receptores. Com essa técnica, limita-se a velocidade de transmissão a 2Mbps, já que todo o espectro é utilizado e as mudanças de canais constantes causam grande retardo na transmissão do sinal Direct Sequence Spread Spectrum (DSSS) Utilizado no padrão b, o DSSS utiliza uma técnica denominada code chips, que consiste em separar cada bit de dados em 11 subbits, que são enviados de forma redundante por um mesmo canal em diferentes frequências, e a banda 2,4 GHz é dividida em três canais. Essa característica torna o DSSS mais suscetível a ataques diretos em uma frequência fixa e a ruídos que ocupem parte da banda utilizada Orthogonal Frequency Division Multiplexing/Modulation (OFDM) Trata-se de outro tipo de modo de transmissão (mais eficiente) utilizado não somente por equipamentos sem fio, mas também por redes cabeadas, como ADSL, cujas características de modulação do sinal e isolamento de interferências podem também ser bem aproveitadas. A maioria dos padrões atuais de redes 21

6 22 Segurança em redes sem fio sem fio adota esse modo de transmissão, principalmente por sua capacidade de identificar interferências e ruídos, permitindo troca ou isolamento de uma faixa de frequência, ou mudar a velocidade de transmissão Bandas de radiofrequência públicas Seguindo-se convenções internacionais (a padronização completa será vista no tópico 1.4), há pelo menos três diferentes segmentos de radiofrequência que podem ser usados sem a necessidade de obter licença da agência reguladora governamental (no caso do Brasil, esse órgão é a Anatel). Esses segmentos foram reservados a uso industrial, científico e médico (Industrial, Scientific e Medical ISM), portanto podem ser utilizados de maneira irrestrita por qualquer aplicação que se adapte a uma dessas categorias. As frequências disponíveis em cada uma das três faixas são: MHz; 2,4 2,485 GHz (2,4 a 2,5 GHz no Brasil); 5,150 5,825 GHz Frequência 2,4 GHz Faixa de frequência utilizada por uma vasta quantidade de equipamentos e serviços, por isso se diz que é poluída ou suja, por ser usada também por aparelhos de telefone sem fio, Bluetooth, forno de micro-ondas, babás eletrônicas e pelos padrões b e g Frequência 5 GHz No Brasil, existem ainda outras faixas reservadas para ISM (24 24,25 GHz e 61 61,5 GHz, por exemplo). Uma das principais diferenças dessa faixa diz respeito ao alcance do sinal, comparativamente menor em relação ao das outras frequências, o que tanto pode ser um problema em ambientes amplos quanto uma vantagem adicional quando não se deseja que o sinal atinja áreas muito maiores que as necessárias para o funcionamento dos equipamentos da rede Frequências licenciadas Algumas soluções de redes sem fio optam por utilizar faixas de radiofrequências menos sujeitas à interferência e, principalmente, que tenham maior alcance.

7 Capítulo 1 Conceitos 23 Para utilizar essas aplicações, o fornecedor da solução deve requerer da agência reguladora autorização e, normalmente, pagar uma taxa de atualização. O padrão a (WiMax), por exemplo, utiliza a faixa de 2 a 11 GHz e pode atingir 50 km a uma velocidade de 10 a 70 Mb. Os fornecedores de serviço de telefonia móvel (celulares) no padrão GSM utilizam, no Brasil, a faixa de 1,8 GHz. Já em países como Canadá, México e Estados Unidos a faixa utilizada é de 1,9 GHz. Referências na Internet Anatel asp?numeropublicacao=98580&assuntopublicacao=quadro%20de%20 Atribui%E7%E3o%20&caminhoRel=Cidadao&filtro=1&documentoPath=ra diofrequencia/qaff.pdf 1.2 Características Alguns conceitos são restritos às redes sem fio, alguns são adaptados das redes convencionais cabeadas, até porque foram esses padrões que nortearam o modelo Wi-Fi. Porém, a maioria deles é própria para redes sem fio em virtude de suas características peculiares e relaciona-se às camadas mais próximas do hardware, ou seja, 2 e 3 no modelo de referência OSI Carrier Sense Multiple Access with Collision Avoidance (CSMA/CA) Em redes Ethernet, um meio de prevenir colisões é fazer com que todos os participantes consigam ouvir o segmento de rede, para saber se podem ou não iniciar um diálogo. Essa técnica é conhecida como Carrier Sense Multiple Access with Collision Detection (CSMA/CD). Para estabelecer uma equivalência em relação às redes cabeadas, pensou-se no mesmo procedimento para redes sem fio. Entretanto, essa equivalência não pode ser completa, tendo em vista a dificuldade de reprodução desse mecanismo em redes sem fio. Para tanto, seria necessário ter dois canais, um para recepção e outro para transmissão. E, ainda assim, haveria outros problemas, por exemplo, se duas estações em lados opostos do concentrador quisessem estabelecer comunicação. A forma encontrada para resolver essa questão foi adotar uma solução que garantisse que no momento da liberação do meio, para que uma estação trafegasse informações, não houvesse nenhuma outra transmissão. O CSMA/CA é semelhante ao CSMA/CD quanto à liberação imediata do meio, caso não exista tráfego, e à geração de retardo para consulta, caso esteja havendo transmissão

8 24 Segurança em redes sem fio no momento do pedido. Essas características geram acessos rápidos em redes com tráfego pequeno, os quais passam a ter resposta mais lenta quanto maior for o volume de tráfego da rede em questão. Só que, diferentemente do CSMA/ CD, quando uma estação não consegue acesso ao meio após o período aleatório de espera, não recebe um novo prazo, e, sim, entra em uma fila de prioridade. Quando o meio estiver liberado, a fila vai sendo processada, o que permite que estações que estão esperando há mais tempo tenham vantagem de uso do meio para transmissão em relação aos pedidos mais recentes Extended Service Set Identifier (ESSID) Também denominado o nome da rede, é a cadeia que deve ser conhecida tanto pelo concentrador, ou grupo de concentradores, quanto pelos clientes que desejam conexão. Em geral, o concentrador envia sinais com ESSID, que é detectado pelos equipamentos na região de abrangência, fazendo com que estes enviem um pedido de conexão. Quando o ESSID não está presente, ou seja, quando os concentradores não enviam seu ESSID de forma gratuita, os clientes têm de conhecer de antemão os ESSIDs dos concentradores disponíveis no ambiente, para, então, requerer conexão BEACON Concentradores enviam sinais informando sobre sua existência, para que clientes que estejam procurando por uma rede percebam sua presença e estabeleçam corretamente conexão com determinado concentrador. Essas informações são conhecidas como Beacon frames, sinais enviados gratuitamente pelos concentradores para orientar os clientes. Entretanto, essas características podem não existir em alguns ambientes, já que a inibição do envio desses sinais é facilmente configurável nos concentradores atuais, a despeito dessa ação, em alguns casos, comprometer a facilidade de uso e retardar a obtenção da conexão em determinados ambientes Meio compartilhado Da mesma maneira que em redes Ethernet, também em redes Wi-Fi o meio é compartilhado entre todas as estações conectadas a um mesmo concentrador. Dessa forma, quanto maior o número de usuários, menor será a banda disponível para cada um deles. Essa mesma característica faz com que o tráfego fique visível para todas as interfaces participantes. Portanto, de forma similar às redes cabeadas, uma estação pode capturar o tráfego não originado em si ou

9 Capítulo 1 Conceitos 25 que lhe é destinado. Se o envio do sinal para todas as estações tem um grande risco associado em redes cabeadas, em redes sem fio ganha uma dimensão muito maior: para ter acesso ao meio, um atacante não precisa estar presente fisicamente ou ter acesso a um equipamento da rede-alvo. Como o meio de transporte é o próprio ar, basta que um atacante esteja na área de abrangência do sinal. Porém, continuando a nossa analogia com as redes cabeadas, o uso de swiches permite isolar o tráfego para grupos de um ou mais elementos. Essa característica está presente em concentradores mais recentes, que permitem da mesma forma isolar o tráfego de cada cliente sem fio conectado. A tecnologia mais difundida para redes sem fio é o padrão Spread Spectrum, desenvolvido para uso militar, tendo como características de projeto a segurança e o uso em comunicações em situações adversas. Existem várias formas de comunicação que utilizam Spread Spectrum, como o Code Division Multiple Access (CDMA) para telefonia móvel. O uso de radiotransmissão faz com que o equipamento receptor tenha de conhecer a exata frequência da unidade transmissora para que a comunicação seja estabelecida corretamente. Em termos organizacionais, o padrão define dois modos distintos de operação: Ad-Hoc e infraestrutura Ad-Hoc Funciona de forma a prescindir de um ponto central de conexão. Os equipamentos conectam-se diretamente uns aos outros, de maneira mais ou menos análoga às antigas redes feitas com cabo coaxial, onde um único cabo interligava vários equipamentos e permitia a comunicação de um ponto com qualquer outro da rede. A analogia não é perfeita, pois no caso do cabo, quando ocorria um rompimento ou mau contato, a comunicação da rede inteira (ligada pelo mesmo cabo) era prejudicada, diferentemente do modo Ad-Hoc, em que apenas o equipamento com problemas deixa de se comunicar com o restante da rede. Esse modo de operação pode ser mais apropriado em situações nas quais não haja um concentrador disponível ou mesmo em pequenas redes, porém deve-se enfatizar que a ausência do concentrador cria vários problemas de segurança, administração e gerência da rede. Contudo, por outro lado, pode resolver questões pontuais, como acesso momentâneo para troca de arquivos em um aeroporto ou permitir comunicação rápida em um campo de batalha etc. A figura 1.1 ilustra essa topologia.

10 26 Segurança em redes sem fio Infraestrutura Figura 1.1 Topologia de rede no modelo Ad-Hoc. O concentrador é o equipamento central de uma rede que se utiliza dessa topologia. Assim, um ponto único de comunicação é rodeado de vários clientes, fazendo com que todas as configurações de segurança fiquem concentradas em um só ponto. Tal fato permite controlar todos os itens (autorização, autenticação, controle de banda, filtros de pacote, criptografia etc.) em um único ponto. Outra vantagem desse modelo é facilitar a interligação com redes cabeadas e/ ou com a Internet, já que, em geral, o concentrador também desempenha o papel de gateway ou ponte. Em uma configuração na qual exista um concentrador, as estações precisarão de menos esforço para cobrir uma mesma área (Figura 1.2). Figura 1.2 Topologia de rede no modelo infraestrutura.

11 Capítulo 1 Conceitos 1.3 Padrões atuais O Institute of Electrical and Electronics Engineers (IEEE) formou um grupo de trabalho com o objetivo de definir padrões de uso em redes sem fio. Um desses grupos de trabalho foi denominado , que reúne uma série de especificações que basicamente define como deve ser a comunicação entre um dispositivo cliente e um concentrador ou a comunicação entre dois dispositivos clientes. Ao longo do tempo foram criadas várias extensões, nas quais foram incluídas novas características operacionais e técnicas. O padrão original (também conhecido como Wi-Fi), em termos de velocidade de transmissão, provê, no máximo, 2Mbps, trabalhando com a banda de 2,4 GHz. A família conta com as principais extensões (ou subpadrões) descritas na ordem que foram especificadas Padrão b O primeiro subpadrão a ser definido permite 11 Mbps de velocidade de transmissão máxima, porém pode comunicar-se a velocidades mais baixas, como 5,5, 2 ou mesmo 1 Mbps. Opera na frequência de 2,4 GHz e usa somente DSSS. Permite um número máximo de 32 clientes conectados. Foi ratificado em 1999 e definiu padrões de interoperabilidade bastante semelhantes aos das redes Ethernet. Há limitação em termos de utilização de canais, sendo ainda hoje o padrão mais popular e com a maior base instalada, com mais produtos e ferramentas de administração e segurança disponíveis. Porém, está claro que esse padrão chegou ao limite e já está sendo preterido em novas instalações e em atualizações do parque instalado. Na tabela 1.1 consta a associação entre canal e respectiva frequência. Tabela 1.1 Associação entre canal e respectiva frequência Canal Frequência 1 2, , , , , , , , ,452 27

12 28 Segurança em redes sem fio Canal Frequência 10 2, , , , ,484 O comando iwconfig, no Linux, mostra qual o canal conectado, como no exemplo a seguir: # iwconfig wlan0 wlan0 IEEE ESSID:"Homenet54" Nickname:"Homenet54" Mode:Managed Frequency:2.462GHz Access Point: 00:07:40:4D:1A:5C Bit Rate:54Mb/s Tx-Power:2346 dbm Retry min limit:8 RTS thr:off Fragment thr:off Encryption key:off Link Quality:91/92 Signal level:-46 dbm Noise level:-100 dbm Rx invalid nwid:0 Rx invalid crypt:0 Rx invalid frag:0 Tx excessive retries:0 Invalid misc:0 Missed beacon:0 Onde a frequência de 2,462 GHz equivale ao canal 11 (Tabela 1.1) Padrão a Definido após os padrões e b e tentando resolver os problemas existentes nestes, o a tem como principal característica o significativo aumento da velocidade para um máximo de 54 Mbps (108 Mbps em modo turbo), mas pode operar em velocidades mais baixas. Outra diferença é a operação na faixa de 5 GHz, uma faixa com poucos concorrentes, porém com menor área de alcance. Oferece também aumento significativo na quantidade de clientes conectados (64) e ainda no tamanho da chave usada com WEP, chegando, em alguns casos, a 256 bits (mas tem compatibilidade com os tamanhos menores, como 64 e 128 bits). Finalmente, adota o tipo de modulação OFDM, diferentemente do DSSS usado no b. Outra vantagem desse padrão consiste na quantidade de canais não sobrepostos disponíveis, um total de 12, diferentemente dos 3 canais livres disponíveis nos padrões b e g, o que permite cobrir uma área maior e mais densamente povoada, em melhores condições que outros padrões.

13 Capítulo 1 Conceitos 29 O principal problema relacionado à expansão desse padrão tem sido a inexistência de compatibilidade com a base instalada atual (802.11g), já que esta utiliza faixas de frequência diferentes. A despeito disso, vários fabricantes têm investido em equipamentos nesse padrão, e procedimento similar começa a ser usado em redes novas, nas quais não é necessário fazer atualizações nem há redes sem fio preexistentes Padrão g Esse padrão é mais recente do que os comentados anteriormente e equaciona a principal desvantagem do a, que é utilizar a faixa de 5GHz e não permitir interoperação com b. O fato de o g operar na mesma faixa (2,4 GHz) permite que equipamentos de ambos os padrões (b e g) coexistam no mesmo ambiente, possibilitando assim evolução menos traumática do parque instalado. Além disso, o g incorpora várias das características positivas do a, como utilizar também modulação OFDM e velocidade, cerca de 54 Mb nominais Padrão i Homologado em junho de 2004, esse padrão diz respeito a mecanismos de autenticação e privacidade e pode ser implementado em vários de seus aspectos aos protocolos existentes. O principal protocolo de rede definido nesse padrão é o Robust Security Network (RSN), que permite meios de comunicação mais seguros que os difundidos atualmente. Está inserido nesse padrão também o protocolo WPA, desenhado para prover soluções de segurança mais robustas, em relação ao padrão WEP, além do WPA2, que tem por principal característica o uso do algoritmo criptográfico Advanced Encryption Standard (AES). Várias características desse padrão, como os problemas já constatados e de vários de seus métodos de promover maior nível de segurança, estão detalhados nos capítulos subsequentes Padrão n Também conhecido como World Wide Spectrum Efficiency (WWiSE), esse padrão tem como foco principal o aumento da velocidade (cerca de 100 a 500 Mbps). Paralelamente, deseja-se um aumento da área de cobertura. Em relação aos padrões atuais há poucas mudanças. A mais significativa delas diz respeito a uma modificação de OFDM, conhecida como Multiple Input,

14 30 Segurança em redes sem fio Multiple Out-OFDM (MIMO-OFDM). Outra característica desse padrão é a compatibilidade retroativa com os padrões vigentes atualmente. O n pode trabalhar com canais de 40 Mhz e, também, manter compatibilidade com os 20 MHz atuais, mas, nesse caso, as velocidades máximas oscilam em torno de 135 Mbps. Esse padrão foi homologado no último trimestre de E, apesar de vários fabricantes terem se antecipado, lançando equipamentos antes da homologação, a atualização para o padrão definitivo é bastante simples e se reduz (quando necessário) a uma atualização de firmware. Uma forma simples de identificar equipamentos (Access Points) que utilizam esse padrão é geralmente a presença de 3 antenas Padrão 802.1x Mesmo não sendo projetado para redes sem fio (até por ter sido definido antes desses padrões), o 802.1x tem características que são complementares a essas redes, pois permite autenticação com base em métodos já consolidados, como o Remote Authentication Dial-in User Service (RADIUS), de forma escalável e expansível. Dessa maneira, é possível promover um único padrão de autenticação, independentemente da tecnologia (vários padrões de redes sem fio, usuários de redes cabeadas e discadas etc.), e manter a base de usuários em um repositório único, seja em banco de dados convencional, LDAP, seja qualquer outro reconhecido pelo servidor de autenticação. É importante notar que para essa infraestrutura funcionar, basta que os componentes concentrador, servidor RADIUS e outros opcionais, como: LDAP, Active Directory, banco de dados convencionais etc. estejam interligados por meio de uma rede. A localização física de cada elemento tem pouca importância. Esse padrão pressupõe a presença de um elemento autenticador, tipicamente um servidor RADIUS, e um requerente, ou seja, o elemento que requer autenticação, no caso o equipamento cliente. Essa autenticação é feita antes de qualquer outro serviço de rede estar disponível ao usuário requerente. Este, primeiramente, solicita autenticação ao autenticador, que verifica em sua base de dados as credenciais apresentadas pelo cliente, e, conforme a validade ou não dessas credencias (normalmente o binômio usuário/senha), permite ou não o acesso a estas. Uma autenticação bem-sucedida deflagrará todos os outros processos para permitir ao usuário o acesso aos recursos da rede, o que pode incluir receber um endereço via DHCP ou outro protocolo de atribuição de endereços IP, com informações de roteamentos, servidores DNS, liberar roteamento na porta do switch etc.

15 Capítulo 1 Conceitos 31 É fácil visualizar o uso desse padrão para coibir o uso não autorizado de pontos de rede, pois, em geral, pontos de rede desocupados estão ativos e operacionais. Para isso, basta conectar um equipamento de rede para ter acesso total ou parcial aos serviços da rede da organização ou mesmo acesso à Internet. Em se tratando de redes sem fio, a mecânica é semelhante: só estará apto a fazer uso dos serviços da rede o usuário (e/ou equipamento) que estiver devidamente autenticado no servidor RADIUS. O 802.1x pode utilizar vários métodos de autenticação no modelo Extensible Authentication Protocol (EAP), que define formas de autenticação com base em usuário e senha, senhas descartáveis (OneTime Password), algoritmos unidirecionais (hash) e outros que envolvam algoritmos criptográficos. 1.4 Conclusões Cabe notar que vários fornecedores estão optando por fabricar equipamentos que podem operar em ambos os padrões (802.11a e g), tornando a escolha por um desses padrões pouco traumática e menos definitiva, pois a opção por um padrão em determinado momento pode ser trocada sem problemas futuramente. Também, pode permitir ao administrador utilizar ambos os padrões (802.11a/g) simultaneamente, para atender a diferentes demandas. Pelo fato de o g interoperar com o b, é possível que clientes que só têm esse padrão disponível façam uso dos recursos de redes sem fio da instalação. Além da possibilidade de combinação dos vários padrões no mesmo equipamento, essas características podem ser integradas a uma autenticação robusta e flexível fornecida pelo padrão 802.1x, para, com métodos de criptografia forte quando adotado o i, complementar os dispositivos necessários para montar realmente um modelo de segurança para redes sem fio.

Segurança em Redes sem Fio

Segurança em Redes sem Fio Segurança em Redes sem Fio Aprenda a proteger suas informações em ambientes Wi-Fi e Bluetooth Nelson Murilo de Oliveira Rufino Novatec Capítulo 1 Conceitos A cor do sol me compõe O mar azul me dissolve

Leia mais

Segurança em Redes sem Fio

Segurança em Redes sem Fio Segurança em Redes sem Fio Aprenda a proteger suas informações em ambientes Wi-Fi e Bluetooth Nelson Murilo de Oliveira Rufino Novatec Copyright 2005, 2011, 2015 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos

Leia mais

Segurança em redes sem fio Freqüências

Segurança em redes sem fio Freqüências Segurança em redes sem fio Freqüências Carlos Lamb Fausto Levandoski Juliano Johann Berlitz Vagner Dias Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS) 16/08/2011 AGENDA INTRODUÇÃO ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO

Leia mais

Capítulo 7 - Redes Wireless WiFi

Capítulo 7 - Redes Wireless WiFi Capítulo 7 - Redes Wireless WiFi Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 55 Roteiro Definição Benefícios Tipos de Redes Sem Fio Métodos de Acesso Alcance Performance Elementos da Solução

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I REDES SEM FIO CARACTERÍSTICAS DE ENLACE LAN S SEM FIO 802.11 Slide 1 Elementos de uma Rede Sem Fio Hospedeiros sem fio Equipamentos de sistemas finais que executam aplicações Enlaces

Leia mais

Protocolo wireless Ethernet

Protocolo wireless Ethernet Protocolo wireless Ethernet Conceituar as variações de redes sem fio (wireless) descrevendo os padrões IEEE 802.11 a, b, g e n. Em meados de 1986, o FCC, organismo norte-americano de regulamentação, autorizou

Leia mais

Tecnologias Wireless WWAN Wireless Wide Area Network WLAN Wireless Local Area Network WPAN Wireless Personal Area Network

Tecnologias Wireless WWAN Wireless Wide Area Network WLAN Wireless Local Area Network WPAN Wireless Personal Area Network Fundamentos de Tecnologias Wireless Parte 1 Assunto Tecnologias Wireless Introdução à Wireless LAN Algumas questões e desafios Tecnologias Wireless WWAN Wireless Wide Area Network WLAN Wireless Local Area

Leia mais

Wireless LAN (IEEE 802.11x)

Wireless LAN (IEEE 802.11x) Wireless LAN (IEEE 802.11x) WLAN: Wireless LAN Padrão proposto pela IEEE: IEEE 802.11x Define duas formas de organizar redes WLAN: Ad-hoc: Sem estrutura pré-definida. Cada computador é capaz de se comunicar

Leia mais

Comunicação Sem Fio REDES WIRELES. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio 06/05/2014

Comunicação Sem Fio REDES WIRELES. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio 06/05/2014 REDES WIRELES Prof. Marcel Santos Silva Comunicação Sem Fio Usada desde o início do século passado Telégrafo Avanço da tecnologia sem fio Rádio e televisão Mais recentemente aparece em Telefones celulares

Leia mais

Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk. Camada Física: Redes Sem Fio. Equipamentos de Rede. O que já conhecemos.

Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk. Camada Física: Redes Sem Fio. Equipamentos de Rede. O que já conhecemos. Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Camada Física: Redes Sem Fio Equipamentos de Rede O que já conhecemos. Cabos; Atenas; Tipos de transmissão; 1 O que vamos conhecer. Equipamentos

Leia mais

Orientações para implantação e uso de redes sem fio

Orientações para implantação e uso de redes sem fio Orientações para implantação e uso de redes sem fio Define requisitos e orientações técnicas para implantação e uso de redes sem fio na Universidade Estadual de Campinas. I. Introdução Este documento apresenta

Leia mais

FACULDADE DE JAGUARIUNA BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MAURICIO PANINI DE OLIVEIRA RA:0300441 / 8ª SEMESTRE

FACULDADE DE JAGUARIUNA BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MAURICIO PANINI DE OLIVEIRA RA:0300441 / 8ª SEMESTRE FACULDADE DE JAGUARIUNA BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MAURICIO PANINI DE OLIVEIRA RA:0300441 / 8ª SEMESTRE Segurança de Rede Banda Larga Wi-Fi ou IEEE 802.11(Wireless Fidelity) JAGUARIUNA 2006 MAURICIO

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação INF-108 Segurança da Informação Segurança em Redes Sem Fio Prof. João Henrique Kleinschmidt Redes sem fio modo de infraestrutura estação-base conecta hospedeiros móveis à rede com fio infraestrutura de

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes Sem Fio Fabricio Breve Tipos de transmissão sem fio Rádio Infravermelho Laser Aplicações Em ambientes internos: Ideal para situações onde não é possível utilizar cabeamento

Leia mais

Redes Sem Fio (Wireless): Fundamentos e Padrões

Redes Sem Fio (Wireless): Fundamentos e Padrões Redes Sem Fio (Wireless): Fundamentos e Padrões As redes locais sem fio (WLANs) constituem-se como uma alternativa às redes convencionais com fio, fornecendo as mesmas funcionalidades, mas de forma flexível,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Comunicação Wireless Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Maio de 2012 1 / 30 Redes sem Fio Nas redes sem fio (wireless), não exite uma conexão cabeada

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

TELECOMUNICAÇÕES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 4 - Padrão 802.11 - WIRELESS 1. INTRODUÇÃO O padrão IEEE 802.11 estabelece os padrões para redes locais sem fio. O modelo tem como premissa o funcionamento da rede de duas formas: - Na presença

Leia mais

Wireless. Leandro Ramos www.professorramos.com

Wireless. Leandro Ramos www.professorramos.com Wireless Leandro Ramos www.professorramos.com Redes Wireless Interferências Access-Point / ROUTER Wireless Ponto de Acesso Numa rede wireless, o hub é substituído pelo ponto de acesso (access-point em

Leia mais

Visão geral das redes sem fio

Visão geral das redes sem fio Visão geral das redes sem fio 1 - Introdução O termo redes de dados sem fio pode ser utilizado para referenciar desde dispositivos de curto alcance como o Bluetooth à sistemas de altas taxas de transmissão

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Rádio Spread Spectrum Este tutorial apresenta os aspectos técnicos dos Rádios Spread Spectrum (Técnica de Espalhamento Espectral) aplicados aos Sistemas de Transmissão de Dados. Félix Tadeu Xavier de Oliveira

Leia mais

Redes IEEE 802.11. Makoto Miyagawa 1. Manaus Amazonas Brasil

Redes IEEE 802.11. Makoto Miyagawa 1. Manaus Amazonas Brasil Redes IEEE 802.11 Makoto Miyagawa 1 1 Faculdade de Tecnologia Universidade Federal do Amazonas Manaus Amazonas Brasil Resumo. A mobilidade oferecida pelas redes sem fio aos usuários, aliada ao baixo custo

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Redes Sem Fio e Redes Móveis. Alexandre Augusto Giron

REDES DE COMPUTADORES Redes Sem Fio e Redes Móveis. Alexandre Augusto Giron REDES DE COMPUTADORES Redes Sem Fio e Redes Móveis Alexandre Augusto Giron ROTEIRO Introdução CDMA e CSMA/CA Mobilidade Wi-Fi: LANs sem fio 802.11 Acesso celular à Internet Roteamento móvel IP móvel Segurança

Leia mais

ROTEIRO. Introdução. Introdução. Conceitos. Introdução 07/11/2014. REDES DE COMPUTADORES Redes Sem Fio e Redes Móveis

ROTEIRO. Introdução. Introdução. Conceitos. Introdução 07/11/2014. REDES DE COMPUTADORES Redes Sem Fio e Redes Móveis REDES DE COMPUTADORES Redes Sem Fio e Redes Móveis Alexandre Augusto Giron ROTEIRO Introdução CDMA e CSMA/CA Mobilidade Wi-Fi: LANs sem fio 802.11 Acesso celular à Internet Roteamento móvel IP móvel Segurança

Leia mais

Unidade 1. Bibliografia da disciplina 15/11/2008. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores

Unidade 1. Bibliografia da disciplina 15/11/2008. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1 Conceitos básicos de Redes de Computadores 2

Leia mais

Redes Sem Fio. 1. Introdução. 2. Conceitos e Terminologias. 2.1. Rede Sem Fio. 2.2. Zona de Cobertura. Tecnologias Atuais de Redes Redes Sem Fio

Redes Sem Fio. 1. Introdução. 2. Conceitos e Terminologias. 2.1. Rede Sem Fio. 2.2. Zona de Cobertura. Tecnologias Atuais de Redes Redes Sem Fio 1. Introdução Geralmente, a forma mais rápida de se implementar uma rede de computadores é por meio da utilização de cabos, sejam eles de par trançado ou de fibra óptica. Para pequenas redes, com poucos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ CURSO DE REDES DE COMPUTADORES PROFESSOR MARCELO BERRÊDO NOTAS DE AULA PADRÃO IEEE 802.11 REVISÃO ABRIL/2004 IEEE 802.11 WIRELESS LAN 1. INTRODUÇÃO O Grupo de trabalho IEEE 802.11

Leia mais

ATIVIDADE 1. Definição de redes de computadores

ATIVIDADE 1. Definição de redes de computadores ATIVIDADE 1 Definição de redes de computadores As redes de computadores são criadas para permitir a troca de dados entre diversos dispositivos estações de trabalho, impressoras, redes externas etc. dentro

Leia mais

Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco. Jonas Odorizzi. Curso de Redes e Segurança de Sistemas. Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco. Jonas Odorizzi. Curso de Redes e Segurança de Sistemas. Pontifícia Universidade Católica do Paraná Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco Jonas Odorizzi Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Abril de 2010 RESUMO Este artigo tem o objetivo

Leia mais

INF-111 Redes Sem Fio Aula 04 Tecnologias para WLAN Prof. João Henrique Kleinschmidt

INF-111 Redes Sem Fio Aula 04 Tecnologias para WLAN Prof. João Henrique Kleinschmidt INF-111 Redes Sem Fio Aula 04 Tecnologias para WLAN Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, outubro de 2014 Roteiro Introdução Camada física Subcamada MAC Estrutura do quadro Segurança Introdução

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores é um conjunto de equipamentos que são capazes de trocar informações e compartilhar recursos entre si, utilizando protocolos para se comunicarem e

Leia mais

Unidade 1. Bibliografia da disciplina. Introdução. O que compartilhar? Exemplo 12/10/2009. Conceitos básicos de Redes de Computadores

Unidade 1. Bibliografia da disciplina. Introdução. O que compartilhar? Exemplo 12/10/2009. Conceitos básicos de Redes de Computadores Faculdade INED Unidade 1 Conceitos básicos de Redes de Computadores Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados, Sistemas para Internet e Redes de Computadores Disciplina: Fundamentos de Redes Prof.:

Leia mais

Wireless Red e e d s e s s e s m e m fi f o

Wireless Red e e d s e s s e s m e m fi f o Wireless Redes sem fio A tecnologia Wireless (sem fio) permite a conexão entre diferentes pontos sem a necessidade do uso de cabos (nem de telefonia, nem de TV a cabo, nem de fibra óptica), através da

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 2 Redes Sem Fio Tecnologias Atuais de Redes - Redes Sem Fio 1 Conteúdo Conceitos e Terminologias Alcance Interferência Padrões Segurança Tecnologias Atuais de Redes - Redes

Leia mais

Proposta de Implementação de hotspot wireless na Unipac -Campus Magnus

Proposta de Implementação de hotspot wireless na Unipac -Campus Magnus Proposta de Implementação de hotspot wireless na Unipac -Campus Magnus Daniel Ferreira Silva 1, Luis Augusto Mattos Mendes 2 Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio

Leia mais

A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações.

A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações. Topologia em estrela A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações. Como esta estação tem a responsabilidade de controlar

Leia mais

Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis

Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis Todo o material copyright 1996-2009 J. F Kurose e K. W. Ross, Todos os direitos reservados slide 1 2010 2010 Pearson Prentice Hall. Hall. Todos Todos os os direitos

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Padrão 802.11 Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Arquitetura Wireless Wi-Fi

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS PROJETO INTEGRADOR. Projeto de Redes de Computadores. 5º PERÍODO Gestão da Tecnologia da Informação GOIÂNIA 2014-1

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS PROJETO INTEGRADOR. Projeto de Redes de Computadores. 5º PERÍODO Gestão da Tecnologia da Informação GOIÂNIA 2014-1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS PROJETO INTEGRADOR Projeto de Redes de Computadores 5º PERÍODO Gestão da Tecnologia da Informação Henrique Machado Heitor Gouveia Gabriel Braz GOIÂNIA 2014-1 RADIUS

Leia mais

Redes Locais Sem Fio

Redes Locais Sem Fio Redes Locais Sem Fio Prof. Rafael Guimarães Redes sem Fio Aula 13 Aula 13 Rafael Guimarães 1 / 63 Sumário Sumário 1 Motivação e Objetivos 2 Introdução 3 Terminologia 4 WiFi 5 Arquitetura 802.11 6 Padrões

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

Redes sem fio e interligação com redes cabeadas UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br

Redes sem fio e interligação com redes cabeadas UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br e interligação com redes cabeadas UNIP rffelix70@yahoo.com.br A comunicação portátil tornou-se uma expectativa em muitos países em todo o mundo. Existe portabilidade e mobilidade em tudo, desde teclados

Leia mais

Manual de Configuração de Rede sem Fio.

Manual de Configuração de Rede sem Fio. IFBA: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA Manual de Configuração de Rede sem Fio. 2010 T U R M A : 93631. IFBA - Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia Prof.: Rafael Reale Disciplina:

Leia mais

Rede Wireless Para LAN e WAN

Rede Wireless Para LAN e WAN Rede Wireless Para LAN e WAN Marcos Macoto Iwashita CERNET Tecnologia e Sistemas macoto@cernet.com.br www.cernet.com.br INTRODUÇÃO Toda a tecnologia wireless não é nova, porém, em nossos dias apresenta

Leia mais

Redes Locais de Computadores

Redes Locais de Computadores Redes Locais de Computadores Pós Graduação em Redes de Computadores e Telecomunicações Controle de Acesso Múltiplo Prof. Josafá de Jesus Silva A tecnologia Ethernet AlohaNet inicio da década de 1960 -

Leia mais

Soluções de Segurança em ambientes heterogêneos

Soluções de Segurança em ambientes heterogêneos 2013 Soluções de Segurança em ambientes heterogêneos Protocolos de Segurança de Redes WI-FI Este documento destina-se a ser uma resenha crítica tendo como base o texto Entenda WEP e WPA, protocolos de

Leia mais

802.11a 802.11b 802.11g 802.11n Domínio de colisão Domínio de broadcast

802.11a 802.11b 802.11g 802.11n Domínio de colisão Domínio de broadcast 802.11a Chega a alcançar velocidades de 54 Mbps dentro dos padrões da IEEE. Esta rede opera na frequência de 5 GHz e inicialmente suporta 64 utilizadores por Ponto de Acesso (PA). As suas principais vantagens

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

WPAN ZigBee & Bluetooth SDIC Cap6. Redes Sem Fios

WPAN ZigBee & Bluetooth SDIC Cap6. Redes Sem Fios Redes Sem Fios As recomendações do IEEE (Institute of Electrical and Eletronics Engineers), particularmente as recomendações da série IEEE 802.11, são os exemplos mais conhecidos para os padrões de redes

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

PROTOCOLO 802.1X COM FRERADIUS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

PROTOCOLO 802.1X COM FRERADIUS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO WISLIY LOPES JULIANO PIROZZELLI TULIO TSURUDA LUIZ GUILHERME MENDES PROTOCOLO 802.1X COM FRERADIUS GOIÂNIA JUNHO DE 2014 Sumário 1.

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

Roteador Sem Fio. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Roteador Sem Fio. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Roteador Sem Fio Prof. Marciano dos Santos Dionizio Roteador Sem Fio Um roteador wireless é um dispositivo de redes que executa a função de um roteador mas também inclui as funções de um access point.

Leia mais

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Composição Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Aterramento Fio de boa qualidade A fiação deve ser com aterramento neutro (fio Terra) trabalhando em tomadas tripolares Fio negativo,

Leia mais

2ª Edição Alexandre Keller

2ª Edição Alexandre Keller Asterisk na prática 2ª Edição Alexandre Keller Novatec Copyright 2011 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra,

Leia mais

Comunicação sem Fio WLAN (802.11) Edgard Jamhour

Comunicação sem Fio WLAN (802.11) Edgard Jamhour Comunicação sem Fio WLAN (802.11) Edgard Jamhour WLAN: Parte I Técnicas de Modulação, Taxas de Transmissão e Alcance Faixa de Freqüências faixa desde até comprimento da onda ELF 30 Hz 300 Hz 10 7 metros

Leia mais

SSC0748 - Redes Móveis

SSC0748 - Redes Móveis - Redes Móveis Introdução Redes sem fio e redes móveis Prof. Jó Ueyama Agosto/2012 1 Capítulo 6 - Resumo 6.1 Introdução Redes Sem fo 6.2 Enlaces sem fo, características 6.3 IEEE 802.11 LANs sem fo ( wi-f

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M MORAES, C. C. Engenharia de Automação Industrial, Cap. 6 Tanenbaum, Redes de Computadores, Cap. 1.2 AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 15.3 Escravo é um

Leia mais

802.11 PROTOCOLO DE SEGURANÇA

802.11 PROTOCOLO DE SEGURANÇA UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ 802.11 PROTOCOLO DE SEGURANÇA Nome: Micaella Coelho Valente de Paula Matrícula: 201207115071 2 o Período Contents 1 Introdução 2 2 802.11 3 3 Seu Funcionamento 3 4 História 4

Leia mais

Guia das Cidades Digitais

Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 4: Tecnologia Wi-Fi INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 Este módulo trata da tecnologia de acesso sem fio mais amplamente

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Esta dúvida foi esclarecida através da simulação em laboratório dos diversos mecanismos de segurança propiciados pelos Padrões IEEE 802.

Esta dúvida foi esclarecida através da simulação em laboratório dos diversos mecanismos de segurança propiciados pelos Padrões IEEE 802. 6 Conclusão As inúmeras vantagens proporcionadas pela WLAN contribuem para a expansão das redes sem fio IEEE 802.11 nos ambientes empresariais, governamentais e residenciais. Porém, estas redes possuem

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

WiMAX. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

WiMAX. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com WiMAX é uma tecnologia padronizada de rede sem fio que permite substituir as tecnologias de acesso de banda larga por cabo e ADSL. O WiMAX permite a

Leia mais

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Magistério Superior Especialista em Docência para Educação

Leia mais

2. Componentes básicos (Hardware) Redes Sem Fio (Wireless) 1

2. Componentes básicos (Hardware) Redes Sem Fio (Wireless) 1 2. Componentes básicos (Hardware) Redes Sem Fio (Wireless) 1 Ementa 1. Introdução a Tecnologias Sem Fio WLAN 2. Componentes básicos (Hardware) 3. Conceitos de espectro de Frequência e tecnologia de sinais

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Padrão IEEE 802.11 Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores IEEE 802.11 Aula 12 Modelo para arquiteturas wireless (1997) Especifica a camada de nível físico (PHY) e seu controle de

Leia mais

João Eriberto Mota Filho

João Eriberto Mota Filho João Eriberto Mota Filho Novatec Copyright 2013 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

8/3/2009. TE155-Redes de Acesso sem Fios. TE155-Redes de Acesso sem Fios

8/3/2009. TE155-Redes de Acesso sem Fios. TE155-Redes de Acesso sem Fios Panorama atual das Redes de Acesso sem Fios para Computadores Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr.br Computação do Passado Computadores

Leia mais

Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas:

Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas: Redes Sem Fio Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas: Redes sem fio fixa são extremamente bem adequado para implantar rapidamente uma conexão de banda larga, para

Leia mais

1 Introdução. 1.1 Características do Produto 1.1.1 REQUISITOS DO SISTEMA 1.1.2 ANTES DE COMEÇAR 1.1.3 CONECTANDO SEU ADAPTADOR NO COMPUTADOR

1 Introdução. 1.1 Características do Produto 1.1.1 REQUISITOS DO SISTEMA 1.1.2 ANTES DE COMEÇAR 1.1.3 CONECTANDO SEU ADAPTADOR NO COMPUTADOR - 2 - Índice 1 Introdução...- 3-1.1 Características do Produto...- 3-1.1.1 Requisitos do Sistema...- 3-1.1.2 Antes de Começar...- 3-1.1.3 Conectando seu Adaptador no Computador...- 3-1.1.4 Conheça o adaptador

Leia mais

Redes Sem Fio. Prof. Othon M. N. Batista (othonb@yahoo.com) Mestre em Informática

Redes Sem Fio. Prof. Othon M. N. Batista (othonb@yahoo.com) Mestre em Informática Redes Sem Fio Prof. Othon M. N. Batista (othonb@yahoo.com) Mestre em Informática Tópicos Introdução Modelos de Propagação de Rádio Padrões do IEEE IEEE 802.11 IEEE 802.15 IEEE 802.16 Mobilidade Introdução

Leia mais

Capítulo 11: Redes de Computadores. Prof.: Roberto Franciscatto

Capítulo 11: Redes de Computadores. Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 11: Redes de Computadores Prof.: Roberto Franciscatto REDES - Introdução Conjunto de módulos de processamento interconectados através de um sistema de comunicação, cujo objetivo é compartilhar

Leia mais

João Eriberto Mota Filho

João Eriberto Mota Filho João Eriberto Mota Filho Novatec Copyright 2013 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer

Leia mais

RCO2. Redes Locais (LANs): Características e requisitos

RCO2. Redes Locais (LANs): Características e requisitos RCO2 Redes Locais (LANs): Características e requisitos 1 Aplicações de LANs LANs para computadores pessoais Baixo custo Taxas de transmissão limitadas Redes de conexão Interconexão de sistemas maiores

Leia mais

Redes de Computadores I - Meios de Transmissão. por Helcio Wagner da Silva

Redes de Computadores I - Meios de Transmissão. por Helcio Wagner da Silva Redes de Computadores I - Meios de Transmissão por Helcio Wagner da Silva Classificação Meios guiados: Par trançado. Cabo coaxial. Fibra óptica. Meios Não-guiados: Transmissão por rádio. Microondas. Infravermelho.

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro Material de Apoio II PADRÃO ETHERNET

Leia mais

Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs

Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs UERJ-FEN-DETEL Técnicas de Acesso Múltiplo na Comunicação sem Fio Vários esquemas de acesso múltiplo tem sido utilizados para permitir que vários

Leia mais

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores Apresentação do professor, da disciplina, dos métodos de avaliação, das datas de trabalhos e provas; introdução a redes de computadores; protocolo TCP /

Leia mais

O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet

O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet O Nível de Enlace nas Redes Locais Como já foi visto, o nível de enlace deve fornecer uma interface de serviço bem definida para o nível de rede. deve determinar como os bits do nível físico serão agrupados

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ESTUDO DE UM AMBIENTE SEGURO PARA DISTRIBUIÇÃO DE ÁUDIO E VÍDEO, VIA REDE SEM FIO, NO SENADO FEDERAL AUDRIM MARQUES

Leia mais

Segurança de Aplicativos. Android. Jeff Six. Novatec

Segurança de Aplicativos. Android. Jeff Six. Novatec Segurança de Aplicativos Android Jeff Six Novatec Authorized Portuguese translation of the English edition of titled Application Security for the Android Plataform, First Edition ISBN 9781449315078 2012

Leia mais

ANÁLISE DE REDES HIERÁRQUICAS PARA ATENDIMENTO DE LOCAIS REMOTOS

ANÁLISE DE REDES HIERÁRQUICAS PARA ATENDIMENTO DE LOCAIS REMOTOS ANÁLISE DE REDES HIERÁRQUICAS PARA ATENDIMENTO DE LOCAIS REMOTOS Fabiana da Silva Podeleski Faculdade de Engenharia Elétrica CEATEC podeleski@yahoo.com.br Prof. Dr. Omar Carvalho Branquinho Grupo de Pesquisa

Leia mais

IEEE 802.11a. IEEE 802.11b. IEEE 802.11a/b/g. IEEE 802.11g. IEEE 802.11n 23/09/2015. Histórico Funcionamento Padrões Equipamentos Wimax PLC

IEEE 802.11a. IEEE 802.11b. IEEE 802.11a/b/g. IEEE 802.11g. IEEE 802.11n 23/09/2015. Histórico Funcionamento Padrões Equipamentos Wimax PLC Redes de Computadores Fabricio Alessi Steinmacher Histórico Funcionamento Padrões Wimax PLC H I S T Ó R I C O Wire (cabo, fio) + Less (sem) IEEE 802.11a IEEE 802.11b IEEE 802.11g IEEE 802.11n Faixa 5GHZ

Leia mais

Sistemas de Comunicação Wireless

Sistemas de Comunicação Wireless Sistemas de Comunicação Wireless Definição Uma conexão wireless é qualquer forma de conexão entre dois sistemas transmissor e receptor de dados que não requeira o uso de fios. Para tanto são utilizadas

Leia mais

Problemas de segurança na internet enfrentados pelas redes sem fio

Problemas de segurança na internet enfrentados pelas redes sem fio Problemas de segurança na internet enfrentados pelas redes sem fio Alunos: Adriano Cesar Braga Borges Fabrício Gonçalves de Azevedo Fernando Matheus Marqus Belo Horizonte 08 de Novembro de 2010 1 Sumário

Leia mais

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO Marcelo Pessoa Engenheiro de soluções para saneamento Introdução As indústrias buscam eficiência, aumento da qualidade e a redução de custos. Para alcançar isto investem

Leia mais

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV:

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV: IFPB Concurso Público/Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (Edital 24/2009) CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 06 UCs de Comunicações Móveis e/ou de Processamento de Sinais de Áudio e Vídeo

Leia mais

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Fundamentos em Sistemas de Computação Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Camada Física Primeira cada do modelo OSI (Camada 1) Função? Processar fluxo de dados da camada 2 (frames) em sinais

Leia mais

Brampton Telecom, PhD em Engenharia de Telecomunicações (Unicamp).

Brampton Telecom, PhD em Engenharia de Telecomunicações (Unicamp). Wireless LAN (WLAN) Este tutorial apresenta alguns aspectos da arquitetura e protocolos de comunicação das Redes Locais sem fio, ou Wireless Local Area Networks (WLAN's), que são baseados no padrão IEEE

Leia mais

Wilson Moraes Góes. Novatec

Wilson Moraes Góes. Novatec Wilson Moraes Góes Novatec Copyright 2014 Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer processo,

Leia mais

Informática de Gestão - Redes de Computadores Professor: Alexandre Unterstell - prof.alex@uniuv.edu.br - www.alex.inf.br

Informática de Gestão - Redes de Computadores Professor: Alexandre Unterstell - prof.alex@uniuv.edu.br - www.alex.inf.br Informática de Gestão - Redes de Computadores Professor: Alexandre Unterstell - prof.alex@uniuv.edu.br - www.alex.inf.br Redes de computadores Coleção de computadores interconectados, permitindo a troca

Leia mais

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES O sistema digital de radiocomunicação será constituído pelo Sítio Central, Centro de Despacho (COPOM) e Sítios de Repetição interligados

Leia mais

Rede sem fio. Pollyana do Amaral Ferreira polly@ pop-mg.rnp.br

Rede sem fio. Pollyana do Amaral Ferreira polly@ pop-mg.rnp.br I Workshop do POP-MG Rede sem fio Pollyana do Amaral Ferreira polly@ pop-mg.rnp.br Sumário Introdução Principais aplicações O padrão IEEE 802.11 Segurança e suas diferentes necessidades Conclusão 2/36

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

Rede de Computadores

Rede de Computadores Escola de Ciências e Tecnologia UFRN Rede de Computadores Prof. Aquiles Burlamaqui Nélio Cacho Luiz Eduardo Eduardo Aranha ECT1103 INFORMÁTICA FUNDAMENTAL Manter o telefone celular sempre desligado/silencioso

Leia mais