Assistência ao parto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Assistência ao parto"

Transcrição

1 Assistência ao parto FATORES DE RISCO NA GESTAÇÃO Características individuais e condições sociodemográficas desfavoráveis: Idade menor que 15 e maior que 35 anos; Ocupação: esforço físico excessivo, carga horária extensa, rotatividade de horário, exposição a agentes físicos, químicos e biológicos, estresse; Situação familiar insegura e não aceitação da gravidez, principalmente em se tratando de adolescente; Situação conjugal insegura; Baixa escolaridade (menor que cinco anos de estudo regular); Condições ambientais desfavoráveis; Altura menor que 1,45 m; Peso menor que 45 kg ou maior que 75 kg; Dependência de drogas lícitas ou ilícitas. História reprodutiva anterior: Morte perinatal explicada ou inexplicada; Recém-nascido com restrição de crescimento, pré-termo ou malformado; Abortamento habitual; Esterilidade/infertilidade; Intervalo interpartal menor que dois anos ou maior que cinco anos; Nuliparidade e multiparidade; Síndromes hemorrágicas; Pré-eclâmpsia/eclâmpsia; Cirurgia uterina anterior; Macrossomia fetal. Intercorrências clínicas crônicas: Cardiopatias; Pneumopatias; Nefropatias; Endocrinopatias (especialmente diabetes mellitus); Hemopatias; Hipertensão arterial moderada ou grave e/ou fazendo uso de antihipertensivo; Epilepsia; Infecção urinária; Portadoras de doenças infecciosas (hepatites, toxoplasmose, infecção pelo HIV, sífilis e outras DST);

2 Doenças auto-imunes (lupus eritematoso sistêmico, outras colagenoses); Ginecopatias (malformação uterina, miomatose, tumores anexiais e outras). Doença obstétrica na gravidez atual: Desvio quanto ao crescimento uterino, número de fetos e volume de líquido amniótico; Trabalho de parto prematuro e gravidez prolongada; Ganho ponderal inadequado; Pré-eclâmpsia/eclâmpsia; Amniorrexe prematura; Hemorragias da gestação; Isoimunização; Óbito fetal. TRABALHO DE PARTO PARTO: Efetivo nascimento do feto. a causa do início do WP não é completamente conhecida; muitas teorias para explicar porque contrações musculares indolores e sem força expulsiva durante a gestação se tornam eficazes; WP parece ser resultado de uma combinação de fatores, que incluem o controle fetal, alterações nos hormônios esteróides, produção de prostaglandinas, estimulação de ocitocina e alterações musculares uterinas

3 Fases Clínicas do Trabalho de Parto Primeira etapa = etapa de dilatação; começa com o início das contrações regulares e termina com a dilatação completa da cérvix. Segunda etapa = etapa de expulsão; começa com a dilatação completa da cérvix e termina com a saída completa do feto. Terceira etapa = etapa placentária; começa imediatamente após a criança nascer e termina quando a placenta é liberada.

4 Duração do Trabalho de Parto pode variar de um tempo curto, consistindo de somente umas poucas contrações, até aproximadamente 24 horas. a média de duração é de 12 ½ horas. WP mais demorado em primíparas quando comparado a multíparas Deve-se a maior resistência oferecida pela cérvix, pelas partes moles da vagina e do assoalho pélvico e pelo períneo. ACLARAMENTO é o movimento do útero para baixo e para diante; ocorre quando a parte que se apresenta para para dentro da pelve por uma distancia grande o bastante para que a aprte se torne fixa, e muitas vezes o bastante para que se torne ajustada;

5 a parte inferior do abdome se torna mais saliente; a época para o aparecimento do aclaramento pode variar de poucas semanas a uns poucos dias antes do início do trabalho de parto; REGRA GERAL o aclaramento é uma evidencia de que cabeça do feto não será muito grande em relação a entrada da pelve. DORES DE FALSO WP contrações mais ou menos regulares que se tornam bastante incomodas, mas que diminuem sem afetar a dilatação do colo do útero; geralmente indica um verdadeiro trabalho de parto iminente, mas podem se suceder por dias antes do WP verdadeiro; se suspeita de falso WP quando as contrações são irregulares, não aparecem com frequencia aumentada e quando sua intensidade não aumenta. VESTÍGIOS DE SANGUE WP; corrimento vaginal mucóide e viscoso pode aparecer pouco depois do início do pode ser de cor rosa-pálido ou ligeiramente listrado de sangue; também conhecido como expulsão da rolha mucosa;

6 este muco (secretado pelas glândulas cervicais) foi acumulado durante a gravidez no canal cervical, onde serviu para fechar a abertura que conduz a cavidade uterina; conforme a cérvix se encurta e o canal aumenta (no fim da gravidez ou início do WP) a rolha mucosa é expelida do canal e expulsa pela vagina; o WP geralmente inicia de 24 a 48 hs depois do aparecimento da rolha mucosa. É importante diferenciar o vestígio de sangue, do sangue verdadeiro, pois qualquer sangramento elevado e mais do que o muco estriado de sangue, antes ou durante o trabalho de parto, é anormal e grave, e exige atenção especial. RUPTURA DAS MEMBRANAS manifestada pela saída de um líquido claro pela vagina; há a possibilidade de infecção intra-uterina aumentada quando da ruptura das membranas; ``parto seco`` = não significa ser mais difícil ou prolongado, pois o líquido segue sendo produzido até o parto; o trabalho de parto pode inciar-se logo após a ruptura das membranas

7 Primeira etapa Etapa de dilatação; Cérvix completamente apagada e dilatada; Contrações uterinas agem como ``motor``, transmitidas pela pressão da bolsa ou da parte que se apresenta. A principal força de resistência nesta fase é a própria cérvix que deve ser dilatada. APAGAMENTO e DILATAÇÃO CERVICAIS = são as principais alterações da primeira etapa do WP. APAGAMENTO = processo pelo qual o canal cervical é progressivamente encurtado até atingir um grau de completa obliteração. - o colo uterino que antes media 1 a 2 cm de comprimento passa a ser tão curto que não existe mais um canal; - tudo o que existe é uma abertura circular cercada por um tecido muito fino.

8 DILATAÇÃO CERVICAL processo pelo qual o orifício externo da cérvix aumenta de um orifício que tem somente poucos milímetros de diâmetro para um que é grande o bastante para permitir que a cabeça do feto passe através dele aproximadamente 10cm. Segunda etapa Etapa da expulsão; os ``motores`` - contração do músculo uterino e da musculatura abdominal; a resistência ao motor vem do canal de parto, onde a cabeça do feto deve se acomodar; as membranas se rompem geralmente no início desta etapa e a parte que se apresenta desce um pouco mais para a pelve. As contrações uterinas na segunda fase são:

9 Terceira etapa Denominada de etapa placentária = há liberação da placenta. Composto de duas fases separação e expulsão da placenta. No início desta fase o útero se contrai para baixo massa rígida e móvel na cavidade abdominal

10

Prevenção Diagnóstico Tratamento

Prevenção Diagnóstico Tratamento Prevenção Diagnóstico Tratamento Pré Nupcial Idade Alimentação Drogas Doença de base Vacinas Ácido fólico São fatores de Risco: Características individuais e condições sócio- econômicas Idade Ocupação

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 034/2014 CT PRCI n 4720 Tickets n 370.701, 370.782 e 383.203

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 034/2014 CT PRCI n 4720 Tickets n 370.701, 370.782 e 383.203 PARECER COREN-SP 034/2014 CT PRCI n 4720 Tickets n 370.701, 370.782 e 383.203 Ementa: Realização da Consulta de Enfermagem para gestante de risco na Atenção Básica. 1. Do fato Enfermeiras solicitam parecer

Leia mais

Incompetência Cervico - Ístmica

Incompetência Cervico - Ístmica Incompetência Cervico - Ístmica Elsa Landim, Gonçalo Dias, Vanessa Santos Serviço de Obstetrícia Diretora: Dra. Antónia Nazaré Hospital Prof. Dr. Fernando Fonseca, E.P.E. 13 de Outubro de 2011 Introdução

Leia mais

Métodos de indução do parto. Marília da Glória Martins

Métodos de indução do parto. Marília da Glória Martins Métodos de indução do parto Marília da Glória Martins Métodos de indução 1.Indução com análogo da prostaglandina - misoprostol. 2.Indução com ocitocina. 3.Indução pela ruptura das membranas ovulares. Indução

Leia mais

Dr. João Marcelo Guedes

Dr. João Marcelo Guedes Dr. João Marcelo Guedes Pós-Datismo IG > 40 semanas Pós-Datismo Gestação Prolongada IG > 42 semanas Insuficiência Adrenocortical Teoria Síndrome Pós-Maturidade [ Ballantynes ] Panículo adiposo escasso

Leia mais

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO O objetivo deste Termo de Esclarecimento e Consentimento Informado, utilizado pelo HOSPITAL E MATERNIDADE SANTA JOANA, é esclarecer

Leia mais

CAPÍTULO 21 ÓBITO FETAL. » Precoce antes da 20ª semana» Intermédio - entre 20ª e a 28ª semana» Tardio após 28ª semana

CAPÍTULO 21 ÓBITO FETAL. » Precoce antes da 20ª semana» Intermédio - entre 20ª e a 28ª semana» Tardio após 28ª semana CAPÍTULO 21 ÓBITO FETAL Deinição (OMS) - morte do produto da concepção ocorrida antes da expulsão ou de sua extração completa do organismo materno, independentemente da duração da gestação. 1. CLASSIfICAçãO»

Leia mais

21.GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA. Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas

21.GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA. Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas X COD PROTOCOLOS DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA ( ) 21.01 Abscesso e Cisto da Glândula de Bartholin ( ) 21.02 Acompanhamento das Gestantes Vacinadas Inadvertidamente (GVI) com a Vacina Dupla Viral (sarampo

Leia mais

Prof. Enf. Obstetra Hygor Elias.

Prof. Enf. Obstetra Hygor Elias. Prof. Enf. Obstetra Hygor Elias. O QUE É O PARTO? Parto é o processo de movimentação do feto, da placenta e das membranas para fora do útero e através do canal de parto. TRABALHO DE PARTO É o processo

Leia mais

PROVA R4 MEDICINA FETAL 18/11/2015

PROVA R4 MEDICINA FETAL 18/11/2015 NOME: PROVA R4 MEDICINA FETAL 18/11/2015 1. Gestante primigesta de 40 semanas é levada ao pronto- socorro referindo perda de grande quantidade de líquido há 25h. Após o exame, com o diagnóstico de amniorrexe

Leia mais

A S S I S T Ê N C I A P R É - N A T A L. O diagnóstico da gravidez pode ser feito pelo médico ou pelo enfermeiro da unidade básica, de acordo com:

A S S I S T Ê N C I A P R É - N A T A L. O diagnóstico da gravidez pode ser feito pelo médico ou pelo enfermeiro da unidade básica, de acordo com: A S S I S T Ê N C I A P R É - N A T A L 3.1. Diagnóstico da Gravidez O diagnóstico da gravidez pode ser feito pelo médico ou pelo enfermeiro da unidade básica, de acordo com: Após confirmação da gravidez

Leia mais

Aborto. Douglas Blanco

Aborto. Douglas Blanco Aborto Douglas Blanco Gravidez Indesejada Hoje em dia o principal motivo do aborto é a gravidez indesejada. A gravidez em adolescente pode ser considerado um exemplo, pois o mundo dos adolescentes se resumi

Leia mais

PARTOGRAMA LITERATURA CLÁSSICA

PARTOGRAMA LITERATURA CLÁSSICA PARTOGRAMA CONCEITOS FISIOLÓGICOS IMPORTANTES Do ponto de vista funcional o fenômeno do parto pode ser dividido em três períodos : preparatório, dilatatório e pélvico (Friedman, 1978). Nos tratados clássicos

Leia mais

RESTRIÇÃO DE CRESCIMENTO FETAL

RESTRIÇÃO DE CRESCIMENTO FETAL RESTRIÇÃO DE CRESCIMENTO FETAL José de Arimatéa Barreto DEFINIÇÃO Para evitar correlação com função mental anormal, atualmente, o termo preferido é restrição de crescimento fetal (RCF), em substituição

Leia mais

REGRA PARA CÁLCULO DE DPP ( REGRA DE NAGELE).

REGRA PARA CÁLCULO DE DPP ( REGRA DE NAGELE). PRIMEIRA CONSULTA DE PRÉ NATAL. HISTÓRIA: Entrevista (nome, idade, procedência, estado civil, endereço e profissão) História familiar de problemas de saúde. História clínica da gestante. História obstétrica.

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Curso Inicial & Integração Novos Representantes 1 SISTEMA REPRODUTOR FEMININO O conjunto de órgãos do sistema reprodutor feminino tem como função principal

Leia mais

UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010

UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010 UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010 CURSO: Fisioterapia DEPARTAMENTO: Fisioterapia DISCIPLINA: Uroginecologia e Obstetrícia SÉRIE: 3º. Ano PROFESSOR RESPONSÁVEL: Prof. Esp.

Leia mais

UNIDADE II: CONDUTA HUMANIZADA NO PARTO E NASCIMENTO

UNIDADE II: CONDUTA HUMANIZADA NO PARTO E NASCIMENTO UNIDADE II: CONDUTA HUMANIZADA NO PARTO E NASCIMENTO Discutiremos nesta unidade a humanização como principio de qualidade, apresentação das condutas humanizadas no parto e nascimento e cuidados durante

Leia mais

Mecanismo e assistência ao parto

Mecanismo e assistência ao parto Mecanismo e assistência ao parto Trabalho de parto (TP): Contrações uterinas regulares, mais de 2 (de 40 segundo aproximadamente) a cada 10 minutos, por mais de 2 horas Colo uterino com mais de 2-3 cm

Leia mais

CARTILHA DA GRÁVIDA 1

CARTILHA DA GRÁVIDA 1 CARTILHA DA GRÁVIDA 1 2 SUMÁRIO SOBRE A FEBRASGO 4 PRIMEIROS SINTOMAS 5 ETAPAS DA GESTAÇÃO 6 IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL 8 OBJETIVOS DO PRÉ-NATAL JUNTO À MÃE 9 OBJETIVOS DO PRÉ-NATAL JUNTO AO BEBÊ 10 OBJETIVOS

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLHA DO PRÉ-NATAL E DO PRÉ- NATALISTA.

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLHA DO PRÉ-NATAL E DO PRÉ- NATALISTA. A IMPORTÂNCIA DA ESCOLHA DO PRÉ-NATAL E DO PRÉ- NATALISTA. Um atendimento pré-natal de qualidade é fundamental para a saúde da gestante e de seu bebê. Logo que você constatar que está grávida, deve procurar

Leia mais

Do nascimento até 28 dias de vida.

Do nascimento até 28 dias de vida. Do nascimento até 28 dias de vida. CONDIÇÕES MATERNAS Idade : Menor de 16 anos, maior de 40. Fatores Sociais: Pobreza,Tabagismo, Abuso de drogas, Alcoolismo. Má nutrição História Clínica: Diabetes materna,

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

Guia de orientação e aconselhamento para contracepção hormonal com Sistema Intrauterino (SIU)

Guia de orientação e aconselhamento para contracepção hormonal com Sistema Intrauterino (SIU) Guia de orientação e aconselhamento para contracepção hormonal com Sistema Intrauterino (SIU) Material distribuído exclusivamente por profissionais de saúde às pacientes usuárias de SIU, a título de orientação.

Leia mais

HEMORRAGIAS DO PRIMEIRO TRIMESTRE

HEMORRAGIAS DO PRIMEIRO TRIMESTRE HEMORRAGIAS DO PRIMEIRO TRIMESTRE Tríade dos sangramentos do Primeiro Trimestre Abortamento Prenhez Ectópica Doença Trofoblástica Gestacional ABORTAMENTO Conceito: Interrupção da gestação antes da viabilidade.

Leia mais

Aborto espontâneo Resumo de diretriz NHG M03 (março 2004)

Aborto espontâneo Resumo de diretriz NHG M03 (março 2004) Aborto espontâneo Resumo de diretriz NHG M03 (março 2004) Flikweert S, Wieringa-de Waard M, Meijer LJ, De Jonge A, Van Balen JAM traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização

Leia mais

MODELO DE BULA PACIENTE RDC 47/09

MODELO DE BULA PACIENTE RDC 47/09 MODELO DE BULA PACIENTE RDC 47/09 ocitocina Medicamento Genérico Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES Embalagem contendo 1, 5, 50 ou 100 ampolas de 1 ml com ocitocina a 5 UI. VIA DE ADMINISTRAÇÃO: INTRAVENOSA

Leia mais

ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL

ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL Agenda aberta à qualquer hora, para atendimento pré-natal por médico ou enfermeiro treinado, ou para atividades em grupo, ampliando-se as possibilidades de recepção e ingresso da

Leia mais

HOSPITAL FEMINA PROVA R4 ENDOSCOPIA GINECOLÓGICA (2016) Nome:

HOSPITAL FEMINA PROVA R4 ENDOSCOPIA GINECOLÓGICA (2016) Nome: HOSPITAL FEMINA PROVA R4 ENDOSCOPIA GINECOLÓGICA (2016) Nome: Data: / / Assinatura do Candidato 1. Segundo as DIRETRIZES PARA O RASTREAMENTO DO CÂNCER DE COLO DO ÚTERO -MINISTÉRIO DA SÁUDE INCA O método

Leia mais

CARTÃO DA GESTANTE. Agendamento. Nome. Endereço. Bairro Município UF. Telefone. Nome da Operadora. Registro ANS. Data Hora Nome do profissional Sala

CARTÃO DA GESTANTE. Agendamento. Nome. Endereço. Bairro Município UF. Telefone. Nome da Operadora. Registro ANS. Data Hora Nome do profissional Sala CARTÃO DA GESTANTE Nome Endereço Bairro Município UF Telefone Nome da Operadora Registro ANS Agendamento Hora Nome do profissional Sala 1 Carta de Informação à Gestante O parto é um momento muito especial,

Leia mais

Riscos e Agravos da Hipertensão Arterial nas Gestantes na Estratégia Saúde da Família (ESF)

Riscos e Agravos da Hipertensão Arterial nas Gestantes na Estratégia Saúde da Família (ESF) Sociedade Universitária Redentor Faculdade Redentor Pós-Graduação Lato-Sensu em Saúde da Família Riscos e Agravos da Hipertensão Arterial nas Gestantes na Estratégia Saúde da Família (ESF) Patrícia Werneck

Leia mais

CARTÃO DA GESTANTE. Agendamento. Nome. Endereço. Bairro Município UF. Telefone. Nome da Operadora. Registro ANS. Data Hora Nome do profissional Sala

CARTÃO DA GESTANTE. Agendamento. Nome. Endereço. Bairro Município UF. Telefone. Nome da Operadora. Registro ANS. Data Hora Nome do profissional Sala CARTÃO DA GESTANTE Nome Endereço Bairro Município UF Telefone Nome da Operadora Registro ANS Agendamento Hora Nome do profissional Sala 1 Carta de Informação à Gestante O parto é um momento muito especial,

Leia mais

Ruptura das membranas antes do trabalho de parto (amniorrexe prematura)

Ruptura das membranas antes do trabalho de parto (amniorrexe prematura) CAPÍTULO 23 Ruptura das membranas antes do trabalho de parto (amniorrexe prematura) 1 Introdução 2 Diagnóstico 2.1 Ruptura das membranas 2.2 Exame vaginal 2.3 Avaliação do risco de infecção 2.4 Avaliação

Leia mais

DISPOSITIVO INTRA-UTERINO (DIU)

DISPOSITIVO INTRA-UTERINO (DIU) DISPOSITIVO INTRA-UTERINO (DIU) É muito eficaz, reversível e de longa duração A eficácia e eventuais complicações dependem, em grande parte, da competência do técnico Alguns dispositivos podem permanecer

Leia mais

Parto pré-termo. 2 Estimativa do peso ou da idade gestacional como base para opções de assistência. 1 Introdução CAPÍTULO 37

Parto pré-termo. 2 Estimativa do peso ou da idade gestacional como base para opções de assistência. 1 Introdução CAPÍTULO 37 CAPÍTULO 37 Parto pré-termo 1 Introdução 2 Estimativa do peso ou da idade gestacional como base para opções de assistência 3 Tipos de parto pré-termo 3.1 Morte pré-parto e malformações letais 3.2 Gravidez

Leia mais

Mario Julio Franco. Declaração de conflito de interesse

Mario Julio Franco. Declaração de conflito de interesse Mario Julio Franco Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

Gravidez. Métodos Anticoncepcionais

Gravidez. Métodos Anticoncepcionais Gravidez Métodos Anticoncepcionais Conhecendo o Corpo da Mulher e do Homem Para entendermos como a gravidez acontece, primeiramente precisaremos conhecer o funcionamento de algumas partes do corpo humano:

Leia mais

A presença simultânea, de 2 ou mais conceptos.

A presença simultânea, de 2 ou mais conceptos. PROTOCOLO - OBS - 017 DATA: 10/01/2005 PÁG: 1 / 4 1. CONCEITO - PRENHEZ MÚLTIPLA A presença simultânea, de 2 ou mais conceptos. - GEMELIDADE MONOZIGÓTICA: fecundação de 1 óvulo com 1 espermatozóide, que

Leia mais

Senhor Presidente PROJETO DE LEI

Senhor Presidente PROJETO DE LEI Senhor Presidente PROJETO DE LEI " INSTITUI O ESTÍMULO À REALIZAÇÃO DO 'EXAME DO COTONETE' (EXAME DE CULTURA DE STREPTOCOCCUS B"), EM TODAS AS GESTANTES QUE REALIZAM O PRÉ-NATAL NOS HOSPITAIS E MATERNIDADES

Leia mais

Capítulo 10 Parto Eminente

Capítulo 10 Parto Eminente Capítulo 10 Parto Eminente 1. Objetivos No final desta unidade modular, os formandos deverão ser capazes de: Identificar as fases do parto. Identificar o parto iminente. Identificar os sinais de parto

Leia mais

SISTEMA GENITAL MASCULINO. Testículos

SISTEMA GENITAL MASCULINO. Testículos SISTEMA GENITAL MASCULINO Testículos - São as gônadas ou glândulas sexuais masculinas. Estes encontram-se alojados numa bolsa de pele, o escroto (saco escrotal); - Na fase embrionária estão dentro da cavidade

Leia mais

TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA MONITORIZAÇÃO DOS BATIMENTOS CARDÍACOS FETAIS PRINCIPIOS DA INTERPRETAÇÃO DA CARDIOTOCOGRAFIA

TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA MONITORIZAÇÃO DOS BATIMENTOS CARDÍACOS FETAIS PRINCIPIOS DA INTERPRETAÇÃO DA CARDIOTOCOGRAFIA TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA MONITORIZAÇÃO DOS BATIMENTOS CARDÍACOS FETAIS PRINCIPIOS DA INTERPRETAÇÃO DA CARDIOTOCOGRAFIA Dr Claire Todd Dr Matthew Rucklidge Miss Tracey Kay Royal Devon and Exeter

Leia mais

GESTANTE CARTÃO DA. Nome: Endereço: Bairro: Telefone: Município: Nome da Operadora: NotreDame Intermédica Saúde S.A. Registro ANS: 359017.

GESTANTE CARTÃO DA. Nome: Endereço: Bairro: Telefone: Município: Nome da Operadora: NotreDame Intermédica Saúde S.A. Registro ANS: 359017. CARTÃO DA GESTANTE Nome: Endereço: Bairro: Telefone: Município: Nome da Operadora: NotreDame Intermédica Saúde S.A. Registro ANS: 359017 Agendamento Data Hora Nome do profissional Sala CARTA DE INFORMAÇÃO

Leia mais

REPRODUÇÃO HUMANA. Profª Fernanda Biazin

REPRODUÇÃO HUMANA. Profª Fernanda Biazin REPRODUÇÃO HUMANA Profª Fernanda Biazin Puberdade: período de transição do desenvolvimento humano, correspondente à passagem da fase da infância para adolescência. Alterações morfológicas e fisiológicas

Leia mais

Dados atuais indicam que não há efeitos biológicos confirmados

Dados atuais indicam que não há efeitos biológicos confirmados 1 ULTRA-SONOGRAFIA OBSTÉTRICA Francisco Pimentel Cavalcante Carlos Augusto Alencar Júnior Procedimento seguro, não-invasivo, inócuo, com grande aceitação pela paciente, que pode fornecer muitas informações

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Professor: João Paulo

SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Professor: João Paulo SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Professor: João Paulo SISTEMA REPRODUTOR FEMININO É constituído por: uma vulva (genitália externa), uma vagina, um útero, duas tubas uterinas (ovidutos ou trompas de Falópio),

Leia mais

CARACTERÍSTICAS EXTERNAS DO FETO

CARACTERÍSTICAS EXTERNAS DO FETO PERÍODO FETAL INTRODUÇÃO Nome Feto: Embrião já se tornou um ser humano reconhecível e já se formaram todos os principais sistemas Características do período fetal: 1) Rápido crescimento do corpo; 2) Diferenciação

Leia mais

Indução do parto Informação destinada às mulheres grávidas, aos seus companheiros e familiares.

Indução do parto Informação destinada às mulheres grávidas, aos seus companheiros e familiares. Portuguese translation of Induction of labour - Information for pregnant women, their partners and families Indução do parto Informação destinada às mulheres grávidas, aos seus companheiros e familiares.

Leia mais

PLANO DE CURSO 7º PERÍODO ANO: 2015.1

PLANO DE CURSO 7º PERÍODO ANO: 2015.1 PLANO DE CURSO 7º PERÍODO ANO: 2015.1 CURSO: MEDICINA COMPONENTE CURRICULAR: OBSTETRÍCIA CARGA HORÁRIA TOTAL: 108 horas Teórica: 72 Prática: 36 PROFESSOR RESPONSÁVEL: Aldo Franklin Ferreira Reis PROFESSORES:

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA EM OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

RESIDÊNCIA MÉDICA EM OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO RESIDÊNCIA MÉDICA EM OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO I. OBJETIVOS Geral Capacitar o médico residente em Obstetrícia e Ginecologia a promover a saúde e prevenir, diagnosticar e tratar as

Leia mais

Anatomia e fisiologia dos Órgãos Reprodutores Femininos. # Divididos em dois grupos: órgãos internos e genitália externa

Anatomia e fisiologia dos Órgãos Reprodutores Femininos. # Divididos em dois grupos: órgãos internos e genitália externa 1 Anatomia e fisiologia dos Órgãos Reprodutores Femininos # Divididos em dois grupos: órgãos internos e genitália externa Órgãos Reprodutores Externos (fig.01) - Monte de Vênus (monte pubiano): Constituído

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO PARTO PRÉ-TERMO

DIAGNÓSTICO DO PARTO PRÉ-TERMO DIAGNÓSTICO DO PARTO PRÉ-TERMO ASPECTOS CLÍNICOS E ECOGRÁFICOS Miguel Branco MBB -CHC Definição é clínica: Contractilidade uterina com alteração características do colo ( mais específico se > 6 /h e >

Leia mais

Novos Critérios para Estratificação de Risco e Acompanhamento da Gestante

Novos Critérios para Estratificação de Risco e Acompanhamento da Gestante Nota técnica Conjunta SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DE MINAS GERAIS SES/MG ASSOCIAÇÃO DE GINECOLOGISTAS E OBSTETRAS DE MINAS GERAIS SOGIMIG ATENÇÃO À SAÚDE DA GESTANTE Novos Critérios para Estratificação

Leia mais

SANGRAMENTO DO TERCEIRO TRIMESTRE Rossana Maria Alves Carlos Augusto Alencar Júnior

SANGRAMENTO DO TERCEIRO TRIMESTRE Rossana Maria Alves Carlos Augusto Alencar Júnior SANGRAMENTO DO TERCEIRO TRIMESTRE Rossana Maria Alves Carlos Augusto Alencar Júnior A hemorragia no terceiro trimestre da gestação é grave ameaça à saúde e vida da mãe e feto. Junto com hipertensão e infecção

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Doenças Sexualmente Transmissíveis são aquelas que são mais comumente transmitidas através da relação sexual. PRINCIPAIS DOENÇAS SEXUALMENTE

Leia mais

Prof. Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com

Prof. Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com Prof. Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com A estatística tem como objetivo fornecer informação (conhecimento) utilizando quantidades numéricas. Seguindo este raciocínio, a estatística

Leia mais

Gestação de Alto Risco. Manual Técnico

Gestação de Alto Risco. Manual Técnico MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas Gestação de Alto Risco Manual Técnico 5ª edição Série A. Normas e Manuais Técnicos Brasília DF 2012 1991

Leia mais

SYNTOCINON ocitocina. APRESENTAÇÕES Syntocinon 5 UI/mL embalagens contendo 50 ampolas de 1 ml de solução injetável. VIA INTRAVENOSA USO ADULTO

SYNTOCINON ocitocina. APRESENTAÇÕES Syntocinon 5 UI/mL embalagens contendo 50 ampolas de 1 ml de solução injetável. VIA INTRAVENOSA USO ADULTO SYNTOCINON ocitocina APRESENTAÇÕES Syntocinon 5 UI/mL embalagens contendo 50 ampolas de 1 ml de solução injetável. VIA INTRAVENOSA USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada ampola de Syntocinon de 1 ml contém 5 UI de

Leia mais

Diabetes Gestacional

Diabetes Gestacional Diabetes Gestacional Introdução O diabetes é uma doença que faz com que o organismo tenha dificuldade para controlar o açúcar no sangue. O diabetes que se desenvolve durante a gestação é chamado de diabetes

Leia mais

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani.

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. O que são DSTS? São as doenças sexualmente transmissíveis (DST), são transmitidas, principalmente, por contato

Leia mais

Obstetrícia. Ant.º Miraldo Mota - IGIF CURSO CLÍNICA

Obstetrícia. Ant.º Miraldo Mota - IGIF CURSO CLÍNICA CURSO CODIFICAÇÃO CLÍNICA 2008 Capitulo 11 Complicações da Gravidez, Parto e Puerperio (Códigos 630 676) Gravidez Ectópica e Molar (630-633) Aborto (634-639) Complicações da Gravidez (640-648) Parto Normal

Leia mais

e Conduta Imediata CRESCIMENTO INTRA-UTERINO RESTRITO ( C.I.U.R. )

e Conduta Imediata CRESCIMENTO INTRA-UTERINO RESTRITO ( C.I.U.R. ) Simpósio Diagnóstico de Risco no Pré-natal e Conduta Imediata CRESCIMENTO INTRA-UTERINO RESTRITO ( C.I.U.R. ) Rosilene da Silveira Betat Hospital Materno Infantil Presidente Vargas Medicina Fetal Gestaçã

Leia mais

Abortamento ou Aborto Interrupção da gravidez antes que o feto alcance a fase da viabilidade. Pode ser espontâneo ou provocado.

Abortamento ou Aborto Interrupção da gravidez antes que o feto alcance a fase da viabilidade. Pode ser espontâneo ou provocado. Abortamento ou Aborto Interrupção da gravidez antes que o feto alcance a fase da viabilidade. Pode ser espontâneo ou provocado. Ao longo do tempo e principalmente em fins do século XX, declinou a incidência

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA Código: ENFAEN2 Disciplina: ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II (Enfermagem ao adulto e ao idoso em doenças tropicais) E ENFAENF (Administração em enfermagem I) Teoria: 60h Prática: 60h Teoria: 3 Prática: 3

Leia mais

PARTO NORMAL: A NATUREZA SE ENCARREGA, MAMÃE E BEBÊ AGRADECEM

PARTO NORMAL: A NATUREZA SE ENCARREGA, MAMÃE E BEBÊ AGRADECEM PARTO NORMAL: A NATUREZA SE ENCARREGA, MAMÃE E BEBÊ AGRADECEM Hospital Materno Infantil Público Tia Dedé *Merielle Barbosa Lobo São nove meses de expectativa e durante a gestação a barriga cresce e a mãe

Leia mais

CENTRO UNIVERSITARIO SERRA DOS ÓRGÃOS UNIFESO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS CURSO DE MEDICINA

CENTRO UNIVERSITARIO SERRA DOS ÓRGÃOS UNIFESO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS CURSO DE MEDICINA CENTRO UNIVERSITARIO SERRA DOS ÓRGÃOS UNIFESO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS CURSO DE MEDICINA PROGRAMA DE INTERNATO EM GINECOLOGIA/OBSTETRÍCIA - 10º Período Corpo docente: Coordenação Obstetrícia: Glaucio

Leia mais

CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO FETAL

CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO FETAL Período embrionário Inicio: após fertilização Termino: quando adquire características para ser reconhecido como ser humano ( duração: 8 semanas ) Para torna se um embrião, você tem que construir-se a partir

Leia mais

MÉTODOS CONTRACETIVOS. Hélder Giroto Paiva - EPL

MÉTODOS CONTRACETIVOS. Hélder Giroto Paiva - EPL MÉTODOS CONTRACETIVOS Hélder Giroto Paiva - EPL MÉTODOS CONTRACETIVOS São processos que permitem evitar uma gravidez não desejada. Alguns destes métodos servem também para evitar doenças sexualmente transmissíveis.

Leia mais

GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO NO TRABALHO DE PARTO E PARTO. Recomendações do Ministério da Saúde Profª.Marília da Glória Martins

GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO NO TRABALHO DE PARTO E PARTO. Recomendações do Ministério da Saúde Profª.Marília da Glória Martins GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO NO TRABALHO DE PARTO E PARTO Recomendações do Ministério da Saúde Profª.Marília da Glória Martins Cerca de 65% dos casos de transmissão vertical do HIV ocorrem durante o trabalho

Leia mais

HIV no período neonatal prevenção e conduta

HIV no período neonatal prevenção e conduta HIV no período neonatal prevenção e conduta O HIV, agente causador da AIDS, ataca as células do sistema imune, especialmente as marcadas com receptor de superfície CD4 resultando na redução do número e

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO A SAÚDE DA MULHER E DO HOMEM II Código: ENF- 213 CH

Leia mais

USB IPANEMA & USB ICARAI 20. CRESCIMENTO INTRA-UTERINO RESTRITO. 20.1. Classificação

USB IPANEMA & USB ICARAI 20. CRESCIMENTO INTRA-UTERINO RESTRITO. 20.1. Classificação USB - CLÍNICA DE ULTRA-SONO- 20. CRESCIMENTO INTRA-UTERINO RESTRITO Por definição, feto com crescimento intra-uterino restrito (CIUR) é aquele que ao nascimento apresenta peso inferior ao 10º percentil

Leia mais

Propess 10 mg dinoprostona

Propess 10 mg dinoprostona Propess 10 mg dinoprostona Pessário vaginal de dose única com liberação controlada com 10 mg de dinoprostona APRESENTAÇÕES Cartucho com 1, 2 ou 5 pessários de uso vaginal com 10 mg de dinoprostona USO

Leia mais

CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE COLO DE UTERO O câncer de colo uterino é o câncer mais comum entre as mulheres no Brasil, correspondendo a, aproximadamente,

Leia mais

PESQUISA NASCER NO BRASIL Inquérito Nacional sobre Parto e Nascimento. Coordenação Maria do Carmo Leal

PESQUISA NASCER NO BRASIL Inquérito Nacional sobre Parto e Nascimento. Coordenação Maria do Carmo Leal Inquérito Nacional sobre Parto e Nascimento Coordenação Maria do Carmo Leal Financiamento: CNPq -Chamada/Edital MCT/CNPq/CT-Saúde/MS/SCTIE/DECIT nº 57/2009 -Parto Cesáreo Processo: 557366/2009-7 MS-SCTIES

Leia mais

Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo.

Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo. 1 INSTRUÇÕES Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo. 2 Este Caderno contém 05 casos clínicos e respectivas

Leia mais

FAZER EXERCÍCIOS NA GRAVIDEZ PREJUDICA O BEBÊ? QUAIS TIPOS DE EXERCÍCIO SÃO INDICADOS?

FAZER EXERCÍCIOS NA GRAVIDEZ PREJUDICA O BEBÊ? QUAIS TIPOS DE EXERCÍCIO SÃO INDICADOS? A gestação é um período em que a mulher passa por diversas emoções e é natural surgirem dúvidas principalmente quando se trata do primeiro filho. Segundo o Ginecologista e Obstetra do Hospital e Maternidade

Leia mais

Termo de Consentimento Livre e Esclarecido

Termo de Consentimento Livre e Esclarecido 6. CONCLUSÕES Conclusões 49 Os resultados deste estudo indicam boa reprodutibilidade do exame de ressonância magnética, por meio da análise da variabilidade intra e interobservadores, na aferição do comprimento

Leia mais

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA GESTANTES

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA GESTANTES TREINAMENTO FUNCIONAL PARA GESTANTES Prof.ª Msc. Clarissa Rios Simoni Mestre em Atividade Física e Saúde UFSC Especialista em Personal Trainer UFPR Licenciatura Plena em Educação Física UFSC Doutoranda

Leia mais

Gestação Detectando o Risco. Dra Ivete Teixeira Canti

Gestação Detectando o Risco. Dra Ivete Teixeira Canti Gestação Detectando o Risco Dra Ivete Teixeira Canti Pré-Natal: Objetivos Melhorar os resultados perinatais, reduzindo a morbi- mortalidade materna e perinatal Preservar a saúde física e mental da gestante

Leia mais

Boas práticas de atenção ao parto e ao nascimento

Boas práticas de atenção ao parto e ao nascimento Boas práticas de atenção ao parto e ao nascimento Em 1996, a Organização Mundial da Saúde (OMS) desenvolveu uma classificação das práticas comuns na condução do parto normal, orientando para o que deve

Leia mais

Tabela de Codificação quanto as Causas de Rejeição (CR) - Referência para o SHTWEB (Portaria 2712/2013-MS e RDC 34/2014-ANVISA) Cód.

Tabela de Codificação quanto as Causas de Rejeição (CR) - Referência para o SHTWEB (Portaria 2712/2013-MS e RDC 34/2014-ANVISA) Cód. Tabela de Codificação quanto as Causas de Rejeição (CR) - Referência para o SHTWEB (Portaria 2712/2013-MS e RDC 34/2014-ANVISA) Cód. Tempo Descrição Sem Rejeição 00-01 Def. Idade superior a 69 anos 11

Leia mais

16/02/2013 ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM ABORDAGEM SINDRÔMICA DAS DST. Prof. Rivaldo lira

16/02/2013 ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM ABORDAGEM SINDRÔMICA DAS DST. Prof. Rivaldo lira ABORDAGEM SINDRÔMICA DAS DST ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM Prof. Rivaldo lira 1 2 Assinale a alternativa que indica todas as afirmativas corretas. a) São corretas apenas as afirmativas 1 e 2. b) São corretas

Leia mais

CARACTERÍSTICAS EXTERNAS DO FETO

CARACTERÍSTICAS EXTERNAS DO FETO PERÍODO FETAL INTRODUÇÃO Nome Feto: Embrião já se tornou um ser humano reconhecível e já se formaram todos os principais sistemas Características do período fetal: 1) Rápido crescimento do corpo; 2) Diferenciação

Leia mais

O que dizem as Evidências? O que diz a Organização Mundial de Saúde?

O que dizem as Evidências? O que diz a Organização Mundial de Saúde? O que dizem as Evidências? As evidências científicas têm vindo a demonstrar que no início e durante o trabalho de parto [TP] as mulheres que adotam posições verticais (em pé) têm menos dores 1, menos necessidade

Leia mais

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs VAMOS FALAR SOBRE AIDS + DSTs AIDS A AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) atinge indiscriminadamente homens e mulheres e tem assumido proporções assustadoras desde a notificação dos primeiros

Leia mais

Nascer no Brasil: Inquérito Nacional sobre Parto e Nascimento. Questionário Hospitalar Puérpera

Nascer no Brasil: Inquérito Nacional sobre Parto e Nascimento. Questionário Hospitalar Puérpera Nascer no Brasil: Inquérito Nacional sobre Parto e Nascimento Questionário Hospitalar Puérpera Estado 11 Rondônia 14 Roraima 16 Amapá 12 Acre 13 Amazonas 15 Pará 17 Tocantins 21 Maranhão 22 Piauí 23 Ceará

Leia mais

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL

A IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL A IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL Programa BemVindo - www.bemvindo.org.br A OMS - Organização Mundial da Saúde diz que "Pré-Natal" é conjunto de cuidados médicos, nutricionais, psicológicos e sociais, destinados

Leia mais

7ª série / 8º ano U. E. 11

7ª série / 8º ano U. E. 11 7ª série / 8º ano U. E. 11 Os sistemas genitais masculino e feminino A espécie humana se reproduz sexuadamente. As células reprodutivas femininas os óvulos são produzidas nos ovários da mulher, e as células

Leia mais

- CAPÍTULO 12 - RESUMO CICLO MENSTRUAL E GRAVIDEZ

- CAPÍTULO 12 - RESUMO CICLO MENSTRUAL E GRAVIDEZ - CAPÍTULO 12 - RESUMO CICLO MENSTRUAL E GRAVIDEZ No início de cada ciclo menstrual (primeiro dia do fluxo menstrual), a hipófise anterior lança no sangue feminino o FSH (hormônio folículo-estimulante),

Leia mais

Métodos de indução do trabalho de parto

Métodos de indução do trabalho de parto CAPÍTULO 40 Métodos de indução do trabalho de parto 1 Introdução 2 Métodos mecânicos 2.1 Descolamento das membranas 2.2 Outros métodos mecânicos 3 Amniotomia 3.1 Amniotomia usada isoladamente 3.2 Amniotomia

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE DA MULHER

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE DA MULHER MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE DA MULHER O Ministério da Saúde, por intermédio da Secretaria de Atenção à Saúde,

Leia mais

Patologias do Líquido Amniótico

Patologias do Líquido Amniótico Patologias do Líquido Amniótico Dr. Dr. Frederico Vitório Lopes Barroso Setor de de Medicina Fetal Fetal do do Serviço de de Obstetrícia e Ginecologia do do HUUFMA Fisiologia do do Líquido Amniótico Função:

Leia mais

Preparando a casa para receber o bebê

Preparando a casa para receber o bebê Preparando a casa Preparando a casa para receber o bebê Vamos ensinar aos pais os direitos das crianças? Está chegando a hora do bebê nascer. A família deve ajudar a gestante a preparar a casa para a chegada

Leia mais

Ficha de Investigação de Óbito Materno

Ficha de Investigação de Óbito Materno MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Análise de Situação de Saúde N do Caso M3 Ficha de Investigação de Óbito Materno Entrevista domiciliar IDENTIFICAÇÃO DA FALECIDA 1

Leia mais

ASSISTÊNCIA AO PARTO PÉLVICO

ASSISTÊNCIA AO PARTO PÉLVICO Serviço de Obstetrícia e Ginecologia do HU-UFMA ASSISTÊNCIA AO PARTO PÉLVICO Prof. Stanley N. Macáu DEMED III - UFMA INCIDÊNCIA: 3-4% dos partos em gestações de termo VARIEDADES DE APRES. PÉLVICA MECANISMO

Leia mais

Assunto: Profilaxia da Isoimunização Rh Nº: 2/DSMIA DATA: 15/01/07. A todos os Estabelecimentos de Saúde que prestam cuidados às grávidas

Assunto: Profilaxia da Isoimunização Rh Nº: 2/DSMIA DATA: 15/01/07. A todos os Estabelecimentos de Saúde que prestam cuidados às grávidas Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Assunto: Profilaxia da Isoimunização Rh Nº: 2/DSMIA DATA: 15/01/07 Para: Contacto na DGS: A todos os Estabelecimentos de Saúde que prestam

Leia mais