Inovação da Gestão em Saneamento IGS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Inovação da Gestão em Saneamento IGS"

Transcrição

1 Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento PNQS Inovação da Gestão em Saneamento IGS GESTÃO DE GASES DE EFEITO ESTUFA (GEE) Ciclo 2013

2 2 Organograma Simplificado Organograma simplificado da OC, com ênfase na área responsável pelo controle e aprendizado da prática, DMA Diretoria de Meio Ambiente e Desenvolvimento, APD Assessoria de Pesquisa e Desenvolvimento. Diretoria da Presidência Gabinete da Presidência U Serviço (3) Ouvidoria Assessoria (1) Diretoria de Operações Diretoria Comercial Diretoria de Meio Ambiente E Ação Social Diretoria de Relações com Investidores Diretoria Administrativa Diretoria de Investimento Diretoria Financeira Ger. Metropol. (2) U Regional (22) U Serviço (12) U Serviço (1) Assessorias (2) U Serviço (3) Assessoria de Pesquisa e Desenvolvimento Assessorias (2) U Serviço (5) Assessoria (1) U Serviço (8) Assessorias (2) U Serviço (2) Assessoria (1) Assessoria (1) Área responsável pela prática

3 3 A. A OPORTUNIDADE A.1 Qual foi a oportunidade de melhoria de gestão (problema, desafio, dificuldade) solucionada pela prática de gestão implementada? A política ambiental da OC, coordenada pela Diretoria de Meio Ambiente e Ação Social - DMA, afirma que a OC deve buscar a sustentabilidade ambiental, social e econômica de suas atividades, e tem como compromisso melhorar constantemente o desempenho ambiental dos processos; prevenir e reduzir os riscos e danos ambientais; atender à legislação ambiental aplicável; conservar os recursos hídricos; promover a gestão dos objetivos e metas ambientais; promover e consolidar as ações socioambientais internas e externas. Hoje um dos grandes problemas ambientais discutidos é o efeito estufa, que apesar de ser um processo natural da terra pode ser potencializado através das ações antrópicas. O principal gás de efeito estufa é o dióxido de carbono (CO 2 ), no entanto outros gases também são bastante relevantes neste processo, como é o caso do metano (CH 4 ). O mesmo apresenta uma contribuição significativa para as mudanças climáticas e, ao mesmo tempo, pode ter suas emissões reduzidas por meio de ações que minimizam suas emissões. Neste contexto foram verificados estudos que afirmam que o saneamento é um grande emissor de gases de efeito estufa, em especial o metano, gerado através dos processos de tratamentos anaeróbios de esgoto. Dados da USEPA (2008) apontam que o manejo de resíduos, aqui entendido como tratamento de efluentes e a disposição de resíduos sólidos em aterros sanitários estão entre os principais emissores de metano para a atmosfera. Alguns autores afirmam que as emissões de metano originadas do tratamento de esgotos domésticos são equivalentes a 5% das emissões globais deste gás. A figura 1 apresenta as emissões relativas de metano no Brasil para o ano de Figura 1: Contribuição relativa de diversas fontes de emissão de CH 4 Fonte: Adaptado de BRASIL (2010).

4 4 Dados do Ministério da Ciência e Tecnologia do Brasil reafirmam a participação do setor de saneamento na matriz de emissões de metano no Brasil. As emissões do setor de tratamento de resíduos representaram 11% do total das emissões de CH 4 em 2005, sendo a disposição de resíduos sólidos e o tratamento de esgoto responsáveis por 70% e 30% desse valor, respectivamente. Ainda segundo estes dados, o setor apresentou aumento de 84% de emissões no período de 1990 a 2005 (BRASIL, 2010). Apesar de ainda não haver nenhum marco legal no contexto nacional com exigências para a redução, existe uma crescente pressão da sociedade por ações relacionadas à mitigação das mudanças climáticas, que ocasiona uma busca constante das empresas em reduzirem as emissões de seus processos ou serviços e de adotarem metas voluntárias de redução. Para se chegar a estes números, é necessária a elaboração de inventários, que permite conhecer o perfil e realizar um diagnóstico das emissões que possibilitará estabelecer estratégias, planos e metas para redução e gestão das emissões de gases de efeito estufa. Assim, a oportunidade analisada pela OC de realizar a gestão dos Gases de Efeito Estufa (GEE) da empresa de forma sistematizada e de acordo com metodologias reconhecidas, pode ser replicada para outras empresas prestadoras de serviços de saneamento que possuem uma visão de futuro focada em resultados orientados para sustentabilidade ambiental de suas atividades. A prática consiste em inventariar as atividades de toda empresa que possam gerar, direta ou indiretamente, gases de efeito estufa na atmosfera; posteriormente, converter estes gastos a uma base única dióxido de carbono equivalente - CO 2eq para a qual são estabelecidos fatores de emissão atmosférica correspondentes, onde o produto entre estes fatores e as quantificações energéticas resulta na emissão total calculada. A.2 De que maneira as causas do problema foram identificadas? Para realizar o inventário de GEE dos sistemas da OC, desde 2008, foram avaliadas várias metodologias dentre as quais foi selecionada a metodologia baseada na WRI - World Resources Institute, que consistia em inventariar os processos de toda empresa que possam gerar, direta ou indiretamente, gases de efeito estufa na atmosfera e posteriormente converter estes gastos a uma base única, o dióxido de carbono equivalente. Em seguida foram revistos os limites organizacionais e operacionais do inventário e definidos os processos nos quais ocorrem emissões diretas e indiretas. Após a primeira etapa de sistematização da gestão de gases de efeito estufa, ainda em 2008 foi elaborado o primeiro inventário corporativo da OC, que teve 2007 como ano base de cálculo e utilizando a metodologia do WRI. Contou com a participação de representantes de todas as diretorias da empresa. Para a realização deste inventário não foram consideradas as emissões advindas das represas, da disposição final do lodo na agricultura e do deslocamento dos funcionários para suas residências. Neste inventário foi possível identificar o total de CO 2 equivalente emitido naquele ano que foi de ton de CO 2eq. Dentre essas, o metano correspondeu a 70%, combustíveis a 3,2%, energia a 8,7% e outros a 18,1%. Para reduzir as emissões da OC foi planejado um treinamento da comissão de GEE OC para definir e capacitar uma equipe de cálculo, estabelecer as unidades que fornecerão determinados dados, bem como o prazo para obtenção dos mesmos.

5 5 Após a identificação da oportunidade de melhoria, em 2009 buscou-se por novas metodologias, e foram identificadas que as Especificações do Programa Brasileiro GHG Protocol se adequavam melhor à realidade da empresa. Em 2010 foi firmada uma parceria com o EPC - Empresas pelo Clima, que tem como objetivo tratar os assuntos relacionados às mudanças climáticas, em especial, as emissões de gases de efeito estufa e também um convênio com o Programa Brasileiro - GHG Protocol, que estimula a cultura corporativa para a elaboração e publicação de inventários de emissões de gases de efeito estufa (GEE) por proporcionar aos participantes o acesso aos instrumentos e padrões de qualidade internacional. Através deste programa a OC tem a oportunidade de trocar informações e conhecimento de gestão de GEE entre as empresas membros sobre metodologias de cálculo, conhecimento a respeito dos processos de geração de GEE interno, transparência em relação aos processos ambientais junto à stakeholders e desenvolvimento de processos internos voltados a gestão com baixo carbono. As principais ferramentas utilizadas para a realização do inventário são as Especificações do Programa Brasileiro GHG Protocol - EPB, desenvolvidas pela Fundação Getúlio Vargas - FGV em parceria com World Resources Institute WRI. Enquanto os fatores de emissão utilizados foram obtidos pela metodologia do International Panel on Climate Change IPCC 2006, bem como fontes oficiais brasileiras e organizações nacionalmente reconhecidas, para dados brasileiros. B. A IDÉIA B.1 De que forma a solução foi planejada, concebida, desenvolvida e verificada? Ao apresentar o inventário em 2008, tinha-se como expectativa implantar e consolidar a metodologia na OC, integrar grupos técnicos para discussão dos fatores de conversão e acompanhamento das referências mundiais, incluir metas e resultados no planejamento estratégico e utilizar uma metodologia padrão para o setor de saneamento ambiental. Dessa forma, a Assessoria de Planejamento e Desenvolvimento Ambiental APDA, designou uma equipe para tratar dos assuntos relacionados à Gestão de Gases de Efeito Estufa. A função dessa equipe é receber e consolidar os dados encaminhados por todos os setores da OC, estes dados são analisados conforme os princípios metodológicos descritos nas bibliografias utilizadas e anualmente as emissões são contabilizadas e publicadas através de relatórios internos que são encaminhados para todos os setores e também através de relatório público. No inventário de 2009, referente ao ano de 2008, foi dada continuidade ao programa, utilizando as novas alterações nas metodologias disponíveis, como por exemplo, a inclusão do cálculo de óxido nitroso. Neste ano optou-se ainda por não calcular o escopo 3, pois trata das emissões de toda a cadeia de valor das organizações, o que seria equivalente a inventariar as emissões de outras empresas que fornecem produtos para a OC, o que dificulta a rastreabilidade e não são responsabilidade direta da OC, portanto não é obrigatório reportar no inventário. Os dados utilizados pelo cálculo foram obtidos junto aos sistemas de dados oficiais das unidades da OC. Alguns deles, por falta de informação oficial, tiveram que ser calculados. No entanto mesmo estes

6 6 foram baseados em dados operacionais e no histórico dos sistemas. Ainda através deste inventário percebeu-se a necessidade de calcular as incertezas referentes ao seu cálculo, para tanto foi sugerida a aquisição de equipamentos capazes de medir a quantidade de metano produzido nos reatores anaeróbios e medições da Demanda Bioquímica de Oxigênio - DBO no lodo encaminhando para agricultura, possibilitando assim medições mais exatas das emissões provenientes destes processos. Também foi sugerida a inclusão do gás liquefeito de petróleo e a incorporação do consumo de óleo lubrificante e óleo dois tempos no sistema de informações da OC, para a determinação exata do consumo destes combustíveis. No inventário de 2010, referente ao ano de 2009, foi dada continuidade ao programa com a particularidade de que neste ano o inventário foi publicado conforme os preceitos do Programa Brasileiro GHG Protocol, recebendo o selo Prata do Programa. Neste ano foi realizada a disposição dos dados de forma sistemática, com rastreabilidade, o que contribuiu para a precisão dos dados e também foi incorporada a metodologia IPCC 2006, volume 5, capítulo 6, a qual foi decisiva para podermos estabelecer a quantidade de metano e óxido nitroso gerados no processo de esgotamento sanitário. Outro fato importante ocorrido foi a inauguração de duas unidades para Destinação Final de Resíduos Sólidos. Já em 2011, ao realizar o inventário referente ao ano de 2010, foi feita uma análise comparativa em relação as emissões no período de 2009 e 2010 que indicaram que as emissões totais de gases de efeito estufa pela OC em 2010 foram superiores às emissões em Neste ano, além da publicação oficial a OC, optou-se ainda por realizar uma verificação independente do inventário através de uma auditoria externa, o que rendeu à OC o selo Ouro do Programa Brasileiro GHG Protocol. O inventário realizado em 2012, referente ao ano de 2011, destacou-se as ações realizadas para a queima controlada ou aproveitamento energético do biogás produzido nas estações de tratamento de esgoto. Dando continuidade às atividades, este inventário também foi publicado oficialmente através do Programa Brasileiro GHG Protocol, recebendo novamente o selo Prata. O inventário 2012 traz também importantes melhorias metodológicas refletindo diretamente na precisão dos resultados apresentados. Entre os novos critérios adotados destacam-se: (a) alinhamento dos parâmetros populacionais com os valores de economias com esgoto tratado utilizados como referência pela companhia e (b) cálculo descentralizado das emissões de GEE por unidade operacional. Mais uma vez o inventário foi publicado oficialmente e recebeu o selo Prata do Programa Brasileiro GHG Protocol. B.2 Como funciona a prática de gestão? O estabelecimento dos padrões de funcionamento para gestão dos gases de efeito estufa da da OC segue as orientações corporativas, descritos no sistema normativo. O inventário de gases de efeito estufa é uma quantificação das emissões destes gases por uma empresa no desenvolvimento de suas atividades. Os GEE considerados pela OC para a

7 7 realização dos inventários foram o gás carbônico (CO 2 ), o metano (CH 4 ), o óxido nitroso (N 2 O) e os hidrofluorcarbonos (HFCs). Conforme estabelece a metodologia, o primeiro passo é definir os limites organizacionais e operacionais do inventário, a fim de delimitar o seu alcance. A definição seguiu os critérios da metodologia GHG Protocol e a decisão estratégica da OC. Para a definição do limite organizacional foi adotada a abordagem de controle operacional, ou seja, é aquela em que a empresa responde por 100% das emissões de GEE das operações que controla. Desta forma, o limite organizacional deste inventário inclui todas as unidades da OC que executam serviços de saneamento básico (Abastecimento de Água, Esgotamento Sanitário e Coleta e Disposição Final de Resíduos Sólidos Urbanos). A definição dos limites operacionais tem como objetivo identificar as emissões que estão associadas com as suas operações. No caso da OC, foram contemplados os serviços de abastecimento de água, esgotamento sanitário e coleta e disposição final de resíduos sólidos urbanos, bem como as atividades administrativas e operacionais envolvidas na execução destes serviços. Conforme as EPB, as emissões podem ser classificadas como de natureza direta ou indireta. As emissões diretas são aquelas emitidas diretamente pela empresa no desenvolvimento de suas atividades, em sua área e/ou com equipamentos de sua propriedade, constituindo-se emissões do Escopo 1. As atividades desenvolvidas pela OC contempladas neste escopo são: esgotamento sanitário, abastecimento de água, coleta e disposição final de resíduos sólidos urbanos e consumo de combustível dos veículos e equipamentos da OC. As emissões indiretas são aquelas geradas em outro local, por outras empresas, porém as atividades da OC concorrem para sua emissão, sendo o caso de energia elétrica, consumo de combustíveis em veículos e equipamentos de terceiros, produção de materiais e produtos químicos utilizados ou tratamento de resíduos por terceiros. Em virtude da importância e do impacto ambiental, a energia é uma emissão indireta calculada em separada das demais e constitui o Escopo 2, as demais emissões indiretas, que não são de responsabilidade direta da empresa, são classificadas como Escopo 3. Para fins de inventário não foram contabilizadas as emissões do Escopo 3, sendo a inclusão desta categoria ainda de caráter opcional conforme as EPB. Os limites operacionais do Inventário de Gases de Efeito Estufa - IGEES são descritos no quadro a seguir: Tipo de Emissão Escopo Categoria Atividades/Fontes Direta 1 Esgotamento sanitário Tratamento de esgoto (CH 4 e N 2O) Direta 1 Disposição final de RSU Aterros sanitários: Cianorte e Apucarana (CH 4)

8 8 Direta 1 Combustão móvel e estacionária Veículos e equipamentos da OC, e operantes em aterros sanitários (CO 2, CH 4 e N 2O) Direta 1 Emissões Fugitivas Equipamentos de refrigeração e ar condicionado (RAC) (CO2) Indireta 2 Compra de eletricidade do Sistema Interligado Nacional (SIN) Abastecimento de água Esgotamento sanitário Atividades administrativas Aterros sanitários: Cianorte e Apucarana (CO 2) Biomassa - Combustão móvel e estacionária Veículos e equipamentos da OC e operantes em aterros sanitários (CO 2, CH 4 e N 2O) Em 2012, a OC aplicou uma meta para o indicador de intensidade carbônica na Diretoria de Meio Ambiente e Ação Social - DMA. O indicador é a relação entre a quantidade de dióxido de carbono equivalente emitido em todas as atividades da DMA por ano. A meta foi inserida no Sistema de Informações da OC e é contabilizada anualmente, pois alguns fatores de emissão que são utilizados nos cálculos do inventário só são divulgados no fim do ciclo. Após o envio dos relatórios, os responsáveis pelo relatório apresentam os pontos fortes, as oportunidades de melhoria, o que deve ser mantido, o que deve ser excluído e o que deve ser incluído no próximo ciclo. Por meio de reunião de brainstorming, os participantes discutem os resultados da tabulação e elegem as ações de melhoria que devem ser realizadas para o próximo ciclo. Após esta seleção, as ações são priorizadas e são eleitos os responsáveis por cada uma, com prazo para conclusão. Toda discussão é registrada em ata. B.3 Como funciona a sistemática de avaliação e de melhoria da prática? A sistemática de avaliação e de melhoria da prática de Gestão de Gases de Efeito Estufa da OC segue a prática da melhoria contínua, que passa por um grade esforço de adaptação de metodologia, conforme é mostrado na figura 2. Após o encerramento de cada ciclo, que é anual, é elaborado um relatório com os resultados do inventário o qual é enviado para a equipe gestora do GHG para avaliação metodológica. Após avaliação do GHG o relatório é enviado aos gerentes dos setores para a realização de análise crítica. Em 2009 também foram introduzidos indicadores de desempenho nas avaliações, o primeiro indicador trata a relação entre a quantidade de dióxido de carbono equivalente emitido nas atividades da OC (com exceção das atividades envolvidas com a disposição final de resíduos sólidos) pela quantidade de água consumida em m 3. O segundo indicador trata da relação entre a quantidade de dióxido de carbono equivalente emitido nas atividades envolvidas pela quantidade de esgoto tratado em m 3. Em 2010, quando iniciou a operação dos aterros para destinação de resíduos sólidos urbanos, criou-se também um indicador que trata da relação entre a quantidade de dióxido de carbono equivalente emitido nas atividades envolvidas pela quantidade de resíduos sólidos dispostos em toneladas.

9 9 - Inventário Corporativo público - Inventários regionais - Indicadores Figura 2: Ciclo de implantação da metodologia. C. OS RESULTADOS O primeiro inventário da OC, realizado em 2008, tinha como expectativa implantar e consolidar a metodologia na OC, integrar grupos técnicos para discussão dos fatores de conversão e acompanhamento das referências mundiais, incluir metas e resultados no planejamento estratégico e utilizar uma metodologia padrão para o setor de saneamento ambiental. A partir deste trabalho deuse inicio a grupos de pesquisa dentro da OC, através da Assessoria de Pesquisa e Desenvolvimento, com o intuito de desenvolver projetos de mitigação das emissões de gases de efeito estufa. Entre eles, o desenvolvimento de projeto de aproveitamento energético do biogás de esgoto principal emissor da OC. Com os resultados apresentados no inventário em 2009 novas ações foram propostas, como a introdução de queimadores de gás em todas ETE s, que no último inventário atingiu 44% das ETE s, além da continuidade dos programas de pesquisa. Além disso, destaca-se a mudança de metodologia que passou a utilizar dados IPCC 2006, volume 5, capítulo 6, a qual foi decisiva para o estabelecimento da quantidade de metano e óxido nitroso gerados no processo de esgotamento sanitário. Já o inventário divulgado em 2010, apresentou com maior precisão as emissões dos sistemas da OC em 2009, por considerar a representatividade e precisão dos dados obtidos, bem como as fontes seguras dos fatores de emissão e a utilização da metodologia GHG Protocol, utilizada para a elaboração do inventário que permite a replicabilidade no setor. Além disso, destaca-se o fato das informações passarem a ser organizadas sistematicamente permitindo a rastreabilidade. O inventário apresentado em 2011 por sua vez mostrou a necessidade de calcular as incertezas referentes ao calculo do inventário, em especial no que tange aos dados estimados devido

10 10 à impossibilidade de medição, o que levou a uma nova linha de pesquisa. Além disso este inventário foi alvo de uma auditoria que verificou a confiabilidade dos dados apresentados. Tudo isso foi corroborado através do inventário apresentado em 2012, que levou a OC a instituir a redução de emissões por parte da diretoria responsável, a DMA, através da redução do consumo de combustível fóssil, fazendo com que todos os setores da diretoria em questão se envolvessem com o assunto. Por fim, o último inventário realizado, em 2013, demonstrou o desafio imposto para a empresa e para o setor de saneamento, para a transição do cenário atual para uma economia de baixo carbono. Da mesma forma, ressalta a importância da implantação de projetos de mitigação de GEE seja através de sistemas mais eficientes de captura e combustão controlada do biogás ou aproveitamento energético deste subproduto. E por fim neste inventário optou-se ainda por desagregar os dados, gerando resultados de emissões de GEE por unidade operacional. Abaixo (Figura 3) temos a evolução das emissões de Gases de Efeito Estufa na OC calculados desde o primeiro inventário que, apesar de mostrar o constante aumento nas emissões, também demonstra que a mudança de metodologia foi essencial para calcular com maior exatidão estas emissões: Figura 3: Evolução das Emissões de Gases de Efeito na OC. Na Figura 4 apresentamos os indicadores conforme foram introduzidos na avaliação dos inventários. Esse indicador foi elaborado em 2009, em 2010 tem-se o início da operação dos aterros para destinação de resíduos sólidos urbanos.

11 11 Figura 4: Indicadores. Na Figura 5 temos a relação entre as emissões de Escopo 1, das quais mais de 90% são representadas pelos gases emitidos durante o tratamento de esgotos, e instalação de queimadores automáticos de gás nestas estações. Observa-se que houve um grande aumento no número de queimadores. Figura 5: Relação entre as emissões e a instalação de queimadores automáticos. C.2 Quais são outros benefícios intangíveis decorrentes da prática, baseados em fatos, depoimento ou reconhecimentos? A política ambiental da OC, coordenada pela Diretoria de Meio Ambiente e Ação Social, entende que as emissões de gases de efeito estufa - GEE provenientes das atividades diretas e indiretas da empresa devem ter suas emissões geridas, e a elaboração e publicação de inventários

12 12 de emissões de gases do efeito estufa (GEE) é uma ótima ferramenta para estimular a cultura corporativa para de gestão ambiental. A prática de gestão dos gases de efeito estufa tem trazido benefícios como a troca de informações e conhecimento sobre o assunto além do próprio conhecimento a respeito dos processos de geração de GEE interno, transparência em relação aos processos ambientais junto aos stakeholders e desenvolvimento de processos internos voltados à gestão com baixo carbono. Além dos benefícios como a contribuição ao desenvolvimento da cultura da sustentabilidade e a possibilidade de traçar metas para a diminuição das emissões e ações de Neutralização de Carbono para as emissões inventariadas no período. Glossário APDA Assessoria de Planejamento de Desenvolvimento Ambiental CH 4 - Metano CO 2 - Gás Carbônico CO 2eq gás carbônico equivalente DBO Demanda Bioquímica de Oxigênio DMA Diretoria De Meio Ambiente e ação Social EPB Especificações do Programa Brasileiro FGV - Fundação Getúlio Vargas GEE Gás de Efeito Estufa GGEE Gestão de Gases de Efeito Estufa GHG Protocol - ferramenta utilizada para entender, quantificar e gerenciar emissões de GEE. HFC - Hidrofluorcarbonos IGEE Inventário de Gases de Efeito Estufa IPCC Intergovernmental Panel on Climate Change m 3 metro cúbico N 2 O - óxido nitroso OC Organização Candidata PNQS Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento RAC Refrigeradores e Ar Condicionado SIN Sistema Interligado Nacional Ton - Tonelada WRI World Recourses Institute Referências BRASIL. Inventário de emissões e remoções antrópicas de gases de efeito estufa não controlados pelo Protocolo de Montreal: Segunda Comunicação Nacional do Brasil à Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança de Clima. Brasília: Ministério da Ciência e Tecnologia, 518 p PROGRAMA BRASILEIRO GHG PROTOCOL, Especificações do Programa Brasileiro GHG Protocol: Contabilização, Quantificação e Publicação de Inventários Corporativos de Emissões de Gases de Efeito Estufa, 2ª edição, 2010a. Disponível em: < Último acesso em 28 de setembro de IPCC (Intergovernmental Panel on Climate Change) - IPCC Guidelines for National Greenhouse Gas Inventories. Prepared by the National Greenhouse Gas Inventories Programme. EGGLESTON, H.S., BUENDIA, L., MIWA, K., NGARA, T., TANABE, K. (Eds.). Published: IGES, Japan The Greenhouse Gases Protocol (WRI/WBCSD): A Corporate Accounting and Reporting Standard. USEPA. Adapting Boilers to Utilize Landfill Gas: An Environmentally and Economically Beneficial Opportunity. Washington, D.C.: U.S. Environmental Protection Agency Disponível em: < Acesso em 18/02/2013.

INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2013

INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2013 INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2013 A liberação de gases de efeito estufa (GEE) associada às atividades humanas em todo o mundo é reconhecida como a principal causa das mudanças climáticas que vem sendo observadas

Leia mais

INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2014

INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2014 INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2014 A liberação de gases de efeito estufa (GEE) associada às atividades humanas em todo o mundo é reconhecida como a principal causa das mudanças climáticas que vem sendo observadas

Leia mais

Empresas e as mudanças climáticas

Empresas e as mudanças climáticas Empresas e as mudanças climáticas O setor empresarial brasileiro, por meio de empresas inovadoras, vem se movimentando rumo à economia de baixo carbono, avaliando seus riscos e oportunidades e discutindo

Leia mais

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras Emilio Lèbre La Rovere Coordenador, CentroClima/LIMA/PPE/COPPE/UFRJ 2º Encontro dos Secretários

Leia mais

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010 Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010 Resumo Este documento apresenta o Inventário corporativo de Emissões Diretas e Indiretas

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2013 Ford Nome fantasia: Ford - CNPJ: 03.470.727/0001-20 Tipo da empresa: Matriz Setor econômico: C. Indústrias de transformação

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ Abril de 2015 Sumário Resumo Executivo 03 1. INTRODUÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 06 3. OBJETIVO 06 4. MATERIAL E MÉTODOS

Leia mais

Sumário. Resumo Executivo 1 INTRODUÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 06 3. OBJETIVO 06 4. MATERIAL E MÉTODOS 06. 4.1 Limites Organizacionais 06

Sumário. Resumo Executivo 1 INTRODUÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 06 3. OBJETIVO 06 4. MATERIAL E MÉTODOS 06. 4.1 Limites Organizacionais 06 INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED dezembro de 2011. Sumário Resumo Executivo 03 1 INTRODUÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 06 3. OBJETIVO 06 4. MATERIAL E MÉTODOS

Leia mais

JULIETA ALCIATI DEPARTAMENTO DE RELAÇÕES COM O MERCADO

JULIETA ALCIATI DEPARTAMENTO DE RELAÇÕES COM O MERCADO JULIETA ALCIATI DEPARTAMENTO DE RELAÇÕES COM O MERCADO Agenda Introdução Definição dos limites de um inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa Limites Operacionais Identificando e Calculando emissões

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2012

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2012 Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2012 Plural Editora e Gráfica Ltda. Nome fantasia: Plural - CNPJ: 01.306.088/0001-37 Tipo da empresa: Holding Setor econômico:

Leia mais

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011 Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011 Resumo Este documento apresenta o Inventário corporativo de Emissões Diretas e Indiretas

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2014. Inventário Parcial

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2014. Inventário Parcial Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2014 1. Dados do inventário Banco Santander S.A. (Brasil) Tipo de preenchimento: 1.1 Responsável pela elaboração do inventário

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Gases de Efeito Estufa Inventário de Gases de Efeito Estufa Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Nicole Celupi - Three Phase Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Institucional A Three Phase foi criada em

Leia mais

EMISSÕES DO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS E EFLUENTES LÍQUIDOS (2009-2010)

EMISSÕES DO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS E EFLUENTES LÍQUIDOS (2009-2010) EMISSÕES DO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS E EFLUENTES LÍQUIDOS (2009-2010) Sumário Executivo De acordo com a Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC), adotada em 1992, as mudanças

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ Abril de 2014 Sumário Resumo Executivo 03 1. INTRODUÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 06 3. OBJETIVO 06 4. MATERIAL E MÉTODOS

Leia mais

Roberto Strumpf 01.06.2011. Mensuração e Gestão de GEE

Roberto Strumpf 01.06.2011. Mensuração e Gestão de GEE Roberto Strumpf 01.06.2011 Mensuração e Gestão de GEE Conteúdo A economia de baixo carbono Mensuração de emissões Programa Brasileiro GHG Protocol Gestão de emissões Plataforma Empresas Pelo Clima Economia

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ Abril de 2016 Av. Historiador Rubens de Mendonça, 4193 Bosque da Saúde Cuiabá/MT www.acaoverde.org.br (65) 3611 1606 Sumário

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2014 B2W - Companhia Digital Nome fantasia: B2W - CNPJ: 00.776.574/0001-56 Tipo da empresa: Controlada Setor econômico:

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2014

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2014 Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2014 Lojas Americanas SA Nome fantasia: Lojas Americanas - CNPJ: 33.014.556/0001-96 Tipo da empresa: Matriz Setor econômico:

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA Versão resumida BANCO BRADESCO S.A.

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA Versão resumida BANCO BRADESCO S.A. INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA Versão resumida BANCO BRADESCO S.A. 2008 1 Inventário de GEE O Inventário de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) permite que uma

Leia mais

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa [Quimicryl S/A] [2013]

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa [Quimicryl S/A] [2013] Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa [Quimicryl S/A] [2013] INVENTÁRIO: X Completo INVENTÁRIO VERIFICADO POR: X Terceira parte Data: 10/03/2014 Preparador de Relatório: EGGEE/Quimicryl Simone

Leia mais

CGD. Relatório de Compensação de Emissões de GEE

CGD. Relatório de Compensação de Emissões de GEE CGD 1 RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE GEE CGD S.A. 2014 2 CGD Relatório de Compensação de Emissões de GEE - CGD S.A. 2014 1.1 Introdução O Programa de Baixo Carbono, pioneiro no setor da banca

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa do Festival de Turismo das Cataratas do Iguaçu 2015

Inventário de Gases de Efeito Estufa do Festival de Turismo das Cataratas do Iguaçu 2015 Inventário de Gases de Efeito Estufa do Festival de Turismo das Cataratas do Iguaçu 2015 Nome da instituição: De Angeli Feiras & Eventos Tipo de instituição: Evento Setor econômico: Turismo Endereço: Edifício

Leia mais

As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações

As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações WORKSHOP ASPECTOS RELEVANTES DA PRÁTICA EMPRESARIAL EM GESTÃO AMBIENTAL CAMPINAS, 17 DE ABRIL 2010 As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações Profa. Josilene T.V.Ferrer Estado de São

Leia mais

Título. Mudanças Climáticas. Programa Corporativo de Gestão das Emissões de Gases de Efeito Estufa

Título. Mudanças Climáticas. Programa Corporativo de Gestão das Emissões de Gases de Efeito Estufa Mudanças Climáticas Título Programa Corporativo de Gestão das Emissões de Gases de Efeito Estufa Wanderley da Silva Paganini Superintendente de Gestão Ambiental - Sabesp São Paulo, 13 de junho de 2013.

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA. Metodologia, resultados e ações

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA. Metodologia, resultados e ações INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA Metodologia, resultados e ações CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS CARTA ABERTA AO BRASIL Compromissos Assumidos A. Publicar anualmente o

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GEE 2014

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GEE 2014 INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GEE 2014 Outubro/2014 VERSÃO 01 AUTOR Guilherme Pacheco Schuchter Belo Horizonte, MG Brasil guilherme@waycarbon.com COLABORADORES Jussara Utsch Belo Horizonte, MG Brasil jussara.utsch@scdcbrasil.com.br

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO COMUNICAÇÃO ESTADUAL EMISSÕES NO SETOR DE ENERGIA: ABORDAGEM DE REFERÊNCIA (TOP DOWN)

SUMÁRIO EXECUTIVO COMUNICAÇÃO ESTADUAL EMISSÕES NO SETOR DE ENERGIA: ABORDAGEM DE REFERÊNCIA (TOP DOWN) COMUNICAÇÃO ESTADUAL 1º INVENTÁRIO DE EMISSÕES ANTRÓPICAS DE GASES DE EFEITO ESTUFA DIRETOS E INDIRETOS DO ESTADO DE SÃO PAULO EMISSÕES NO SETOR DE ENERGIA: ABORDAGEM DE REFERÊNCIA (TOP DOWN) SUMÁRIO EXECUTIVO

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2014 MULTIDISPLAY COMERCIO E SERVICOS TECNOLOGICOS S.A. Nome fantasia: MULTIDISPLAY COMERCIO E SERVICOS TECNOLOGICOS S.A.

Leia mais

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa. Evento: CORRIDA ESPERANÇA - 2011

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa. Evento: CORRIDA ESPERANÇA - 2011 2011 Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa Evento: CORRIDA ESPERANÇA - 2011 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. A GREEN CO 2.... 3 2.1. VISÃO.... 3 2.2. MISSÃO.... 3 2.3. OBJETIVOS.... 3 2.4. VALORES....

Leia mais

White Paper Inventário de Gases de Efeito Estufa

White Paper Inventário de Gases de Efeito Estufa White Paper Inventário de Gases de Efeito Estufa O que você precisa saber? Inventário de Gases de Efeito Estufa O que você precisa saber? Sumário Objetivo... 2 Parte 1 - Entendendo o Inventário de Gases

Leia mais

Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010

Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010 Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010 UNIDADE DE NEGÓCIO CARBONO - UNICAR Efluentes e Resíduos Inventários

Leia mais

Estimativa de emissões de poluentes e GEE em frotas: Aplicação Prática.

Estimativa de emissões de poluentes e GEE em frotas: Aplicação Prática. Estimativa de emissões de poluentes e GEE em frotas: Aplicação Prática. Marcelo Pereira Bales (1) ; Cristiane Dias (1) ; Silmara Regina da Silva (1) (1) CETESB Companhia Ambiental do Estado de São Paulo

Leia mais

Empresas brasileiras emitiram 85,2 milhões de toneladas de gases de efeito estufa no ano passado

Empresas brasileiras emitiram 85,2 milhões de toneladas de gases de efeito estufa no ano passado Empresas brasileiras emitiram 85,2 milhões de toneladas de gases de efeito estufa no ano passado (Dados divulgados hoje no lançamento do programa Empresas pelo Clima, do GVCes, estão disponíveis em www.fgv.br/ces/epc

Leia mais

estufa para setores agropecuários

estufa para setores agropecuários Simpósio de Mercado de Carbono pós COP15 e Código Florestal para o Sistema Cooperativista Inventário de gases de efeito fi estufa para setores agropecuários Inventário de gases de efeito estufa para setores

Leia mais

Gestão dos Gases de Efeito Estufa

Gestão dos Gases de Efeito Estufa Gestão dos Gases de Efeito Estufa Um Novo Mercado para Pequenas e Médias Empresas 29 de Outubro 2013 FIBRA COMPONENTE 2 Gestão dos Gases de Efeito Estufa: Desenvolvimento e Implementação do Programa de

Leia mais

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa da Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro. Ano de Referência 2013

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa da Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro. Ano de Referência 2013 Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa da Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro Ano de Referência 2013 Junho de 2014 RELATÓRIO TÉCNICO Inventário de Gases de Efeito Estufa da Fundação

Leia mais

Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa

Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa Inventário Corporativo de Gases do Efeito Estufa 2011 Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa Gerente do Projeto: Iris Gobato Gercov Consultora: Adriane Elise de Assunção Flausino Consultor:

Leia mais

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Inventário das de Gases de Efeito Estufa SADIA S/A 2009 INVENTÁRIO: Completo Preliminar INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Data: 01/04/2010 Preparador

Leia mais

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3.1. Metodologia Neste capítulo, com base na Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro, é apresentada a metodologia utilizada para as estimativas de emissões de

Leia mais

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa Setor de Construção Civil

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa Setor de Construção Civil Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa Setor de Construção Civil Rachel Biderman Furriela Coordenadora Adjunta Centro de Estudos em Sustentabilidade EAESP FGV rachel.biderman@fgv.br www.fgv.br/ces

Leia mais

O projeto de Neutralização das Emissões de Carbono do Camarote Expresso 2222 envolve as seguintes etapas:

O projeto de Neutralização das Emissões de Carbono do Camarote Expresso 2222 envolve as seguintes etapas: Relatório de Emissões de Carbono Camarote Expresso 2222 Carnaval Salvador 2010 Introdução As atividades da humanidade têm aumentado como nunca visto a concentração de gases poluidores na atmosfera. Alguns

Leia mais

RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2

RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2 RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2 XIV Simpósio Nacional de Auditoria de Obras Públicas (SINAOP) Centro de Eventos do Pantanal - Cuiabá 1 Novembro 2011 Nome do Evento: XIV SINAOP 2011 Cuiabá

Leia mais

2 Documento de Referência CarbonOk

2 Documento de Referência CarbonOk 2 Documento de Referência CarbonOk SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO... 5 2 PROGRAMA CARBONOK... 6 2.1 Missão... 6 2.2 Objetivos... 6 2.3 Valores... 7 2.4 Metodologia... 7 2.5 Atuação... 8 2.6 Responsável... 9 3

Leia mais

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS CONTEÚDO CRITÉRIO I - POLÍTICA... 2 INDICADOR 1: COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 2 CRITÉRIO II GESTÃO... 3 INDICADOR 2: RESPONSABILIDADES... 3 INDICADOR 3: PLANEJAMENTO/GESTÃO

Leia mais

Inventário Municipal de Emissões de GEE Belo Horizonte. João Marcelo Mendes jmendes@waycarbon.com

Inventário Municipal de Emissões de GEE Belo Horizonte. João Marcelo Mendes jmendes@waycarbon.com Inventário Municipal de Emissões de GEE Belo Horizonte João Marcelo Mendes jmendes@waycarbon.com Sobre a WayCarbon 7 anos no mercado sul-americano de consultoria em mudanças climáticas Portifólio de projetos

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa do Festival de Turismo das Cataratas do Iguaçu 2013

Inventário de Gases de Efeito Estufa do Festival de Turismo das Cataratas do Iguaçu 2013 Inventário de Gases de Efeito Estufa do Festival de Turismo das Cataratas do Iguaçu 2013 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. GHG PROTOCOL... 2 2.1 Premissas... 3 2.1.1 Definições... 3 2.1.1.1. Período... 3

Leia mais

V I S Ã O GERAL D AS DIRETRIZES DO IPCC

V I S Ã O GERAL D AS DIRETRIZES DO IPCC V I S Ã O GERAL D AS DIRETRIZES DO IPCC Este documento é um dos volumes das Diretrizes Revisadas do IPCC de 1996 para Inventários Nacionais de Gases de Efeito Estufa. A série é composta por três livros:

Leia mais

Evento Anual 2015. Programa Brasileiro GHG Protocol

Evento Anual 2015. Programa Brasileiro GHG Protocol Evento Anual 2015 Programa Brasileiro GHG Protocol Agenda 9h30 Abertura 9h40 Resultados do Ciclo 2015 10h10 11h10 11h35 11h45 11h55 12h00 Painel: Por que e como as empresas estão reduzindo suas emissões

Leia mais

PNQS 2012 Categoria IGS. Inovação da Gestão em Saneamento. RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão. Conselho de Clientes

PNQS 2012 Categoria IGS. Inovação da Gestão em Saneamento. RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão. Conselho de Clientes 1 PNQS 2012 Categoria IGS Inovação da Gestão em Saneamento RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão Conselho de Clientes Setembro 2012 ORGANOGRAMA 2 PRESIDÊNCIA ASSESSORIAS 1 2 3 4 5 ORGANIZAÇAO

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa da Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro

Inventário de Gases de Efeito Estufa da Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro RELATÓRIO TÉCNICO Inventário de Gases de Efeito Estufa da Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro Ano de referência: 2012 Outubro de 2013 RIO DE JANEIRO - RJ Rio de Janeiro RJ. Telefone: +55-21-3256-7968

Leia mais

Metodologias para medir pegada carbônica. Stephen Russell World Resources Institute

Metodologias para medir pegada carbônica. Stephen Russell World Resources Institute Metodologias para medir pegada carbônica Stephen Russell World Resources Institute O que é uma pegada carbônica? Empresa Fonte Instalação GHG Protocol Inventário Nacional Ferramentas de cálculo GHG Protocol

Leia mais

Dimensão Mudanças Climáticas

Dimensão Mudanças Climáticas Dimensão Mudanças Climáticas Dimensão Mudanças Climáticas 2 Sumário CRITÉRIO I POLÍTICA... 3 INDICADOR 1. COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 3 CRITÉRIO II GESTÃO... 5 INDICADOR 2. RESPONSABILIDADE...

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA IPOJUCATUR TRANSPORTES E TURISMO LTDA ANO BASE 2009

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA IPOJUCATUR TRANSPORTES E TURISMO LTDA ANO BASE 2009 INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA IPOJUCATUR TRANSPORTES E TURISMO LTDA ANO BASE 2009 ÍNDICE 1. A Empresa 03 2. Objetivo 03 3. Inventário segundo a ISO 14.064-01 03 4. Identificação dos

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2012 JBS Nome fantasia: JBS S/A - CNPJ: 02.916.265/0001-60 Tipo da empresa: Holding Setor econômico: C. Indústrias de

Leia mais

Inventário de Emissões de GEE: Ferramenta Estratégica para uma Economia de Baixo Carbono

Inventário de Emissões de GEE: Ferramenta Estratégica para uma Economia de Baixo Carbono Inventário de Emissões de GEE: Ferramenta Estratégica para uma Economia de Baixo Carbono Temas abordados 1. Quem somos 2. Efeito estufa e aquecimento global 3. Marco regulatório 4. O inventário de emissões

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS, PROGRAMA DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS DO ESP - PROCLIMA

MUDANÇAS CLIMÁTICAS, PROGRAMA DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS DO ESP - PROCLIMA MUDANÇAS CLIMÁTICAS, PROGRAMA DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS DO ESP - PROCLIMA Josilene Ticianelli Vannuzini Ferrer PROCLIMA - CETESB, 2010 SP, a Agenda Climática e a CETESB 40 milhões de habitantes 18 milhões

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE ADESÃO CICLO 2015

INFORMAÇÕES SOBRE ADESÃO CICLO 2015 INFORMAÇÕES SOBRE ADESÃO CICLO 2015 Conteúdo Sobre o GVces Sobre o Programa Brasileiro GHG Protocol e o Registro Público de Emissões Política de qualificação dos inventários (Novo critério para o selo

Leia mais

Proposta metodológica para cálculo de emissões de gases de efeito estufa e de plano de mitigação em eventos realizados no estado de Minas Gerais

Proposta metodológica para cálculo de emissões de gases de efeito estufa e de plano de mitigação em eventos realizados no estado de Minas Gerais Nota Técnica Nº 1/2013 GEMUC/DPED/FEAM Proposta metodológica para cálculo de emissões de gases de efeito estufa e de plano de mitigação em eventos realizados no estado de Minas Gerais Maio 2013 Carolina

Leia mais

RELATÓRIO DE SITUAÇÃO DO PROGRAMA DE REGISTRO PÚBLICO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS Ano 2014

RELATÓRIO DE SITUAÇÃO DO PROGRAMA DE REGISTRO PÚBLICO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS Ano 2014 SISTEMA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS SECRETARIA DE ESTADO MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO GERÊNCIA

Leia mais

Inventários e monitoramento das emissões e remoções de GEE. Gustavo Luedemann Coordenação-Geral de Mudanças Globais de Clima

Inventários e monitoramento das emissões e remoções de GEE. Gustavo Luedemann Coordenação-Geral de Mudanças Globais de Clima Inventários e monitoramento das emissões e remoções de GEE Gustavo Luedemann Coordenação-Geral de Mudanças Globais de Clima HISTÓRICO UNFCCC IPCC Comunicação Nacional do Brasil Política Nacional sobre

Leia mais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais VANTAGES PROJETO PEGASUS E RECICLAGEM ENERGÉTICA O problema do lixo é extremamente grave em nosso país. Estimativas baseadas nos dados do IBGE mostram que no País são geradas diariamente cerca de 140 mil

Leia mais

Inventário de emissões de gases de efeito estufa. Elaboração e uso como ferramenta de gestão

Inventário de emissões de gases de efeito estufa. Elaboração e uso como ferramenta de gestão Inventário de emissões de gases de efeito estufa Elaboração e uso como ferramenta de gestão 25 de agosto de 2011 Programa Brasileiro GHG Protocol Origens Metodologia mais utilizada mundialmente para a

Leia mais

Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo

Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo 1º Período de compromisso do Protocolo de Quioto (2008-2012) (Data final de coleta de dados: 12/02/2014) O

Leia mais

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa RL Sistemas de Higiene Ltda. 2009 INVENTÁRIO: Completo Preliminar INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada

Leia mais

Dimensão Mudanças Climáticas

Dimensão Mudanças Climáticas Dimensão Mudanças Climáticas Dimensão Mudanças Climáticas 2 Sumário CRITÉRIO I POLÍTICA... 3 INDICADOR 1. COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 3 CRITÉRIO II GESTÃO... 5 INDICADOR 2. RESPONSABILIDADE...

Leia mais

Inventário de Emissão de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Emissão de Gases de Efeito Estufa Inventário de de Gases de Efeito Estufa Projeto Coral Vivo Priscila G. C. Sette Moreira CREA 49.354/D Inventário de de Gases de Efeito Estufa 1 Introduça o A variação do clima é um fenômeno natural que

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE - DMA/FIESP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO FIESP

DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE - DMA/FIESP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO FIESP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO FIESP Inventário GEE- São Paulo MAIO - 2014 Sumário - Base Legal Inventário - Sugestão para elaboração de inventário 2/40 Base Legal Lei 13.798 de 09 de

Leia mais

INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3. Uma visão geral dos requisitos da norma

INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3. Uma visão geral dos requisitos da norma INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3 Uma visão geral dos requisitos da norma FORTALECEMOS PROCESSOS, SISTEMAS E PESSOAS SGS é líder mundial em inspeções, testes, certificações

Leia mais

CDP - SUPPLY CHAIN BRASIL DESAFIOS E CONQUISTAS - 2014 BUSINESS CASES

CDP - SUPPLY CHAIN BRASIL DESAFIOS E CONQUISTAS - 2014 BUSINESS CASES CDP - SUPPLY CHAIN BRASIL DESAFIOS E CONQUISTAS - 2014 BUSINESS CASES Profa. Dra. Priscila Borin de Oliveira Claro priscila.claro@insper.edu.br 05/02/2015 Apoio: Agenda Apresentação Parceria CDP e Insper

Leia mais

Indicadores de Sustentabilidade Ambiental. Roberta Bruno S. Carneiro Monsanto Mariana R. Sigrist - BASF

Indicadores de Sustentabilidade Ambiental. Roberta Bruno S. Carneiro Monsanto Mariana R. Sigrist - BASF Indicadores de Sustentabilidade Ambiental Roberta Bruno S. Carneiro Monsanto Mariana R. Sigrist - BASF Indicadores de Sustentabilidade Ambiental Grupo de Trabalho: Fernanda - Solvay Lorena Oxiteno Luis

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2014 JBS Nome fantasia: JBS S/A - CNPJ: 02.916.265/0001-60 Tipo da empresa: Matriz Setor econômico: C. Indústrias de transformação

Leia mais

Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono. Fórum Permanente "Meio Ambiente e Sociedade"

Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono. Fórum Permanente Meio Ambiente e Sociedade Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono Fórum Permanente "Meio Ambiente e Sociedade" São Paulo, Brasil 15 de Outubro de 2013 Sumário MDL & Créditos de Carbono Panorama do Mercado

Leia mais

MERCADO DE CARBONO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

MERCADO DE CARBONO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO MERCADO DE CARBONO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO III SISCA 21 e 22 de agosto de 2013 Felipe Jané Bottini Green Domus Desenvolvimento Sustentável felipe@greendomus.com.br +55 (11) 5093 4854 http://storymaps.esri.com//globalfootprint/

Leia mais

Mais clima para todos

Mais clima para todos Mais clima para todos 1 Mais clima para todos Na União Europeia, entre 1990 e 2011, o setor dos resíduos representou 2,9% das emissões de gases com efeito de estufa (GEE), e foi o 4º setor que mais contribuiu

Leia mais

Marcio Halla marcio.halla@fgv.br

Marcio Halla marcio.halla@fgv.br Marcio Halla marcio.halla@fgv.br POLÍTICAS PARA O COMBATE ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA AMAZÔNIA Programa de Sustentabilidade Global Centro de Estudos em Sustentabilidade Fundação Getúlio Vargas Programa de

Leia mais

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Em 2013, a Duratex lançou sua Plataforma 2016, marco zero do planejamento estratégico de sustentabilidade da Companhia. A estratégia baseia-se em três

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Relatório de Atividades em Evento de Sustentabilidade FIESC 2012

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Relatório de Atividades em Evento de Sustentabilidade FIESC 2012 Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa Relatório de Atividades em Evento de Sustentabilidade FIESC 2012 Julho de 2012 A natureza criou o tapete sem fim que recobre a superfície da terra. Dentro

Leia mais

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa Companhia Energética de São Paulo - CESP 2009 INVENTÁRIO: Completo Preliminar INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira

Leia mais

Prêmio Nacional de Qualidade em Saneamento PNQS. Inovação da Gestão em Saneamento IGS 2013

Prêmio Nacional de Qualidade em Saneamento PNQS. Inovação da Gestão em Saneamento IGS 2013 Prêmio Nacional de Qualidade em Saneamento PNQS Inovação da Gestão em Saneamento IGS 2013 RELATÓRIO DE DESCRIÇÃO DE PRÁTICA DE GESTÃO: FROTA AZUL Setembro/2013 1 Estrutura Organizacional da OC 2 A Organização

Leia mais

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa LOJAS AMERICANAS S.A. 2010 Item na versão 2008 Item na versão 2009 Lista de modificações 2008-2009 Modificação nesta versão 1 1 Inserção de box com multipla

Leia mais

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa [Gazin Auto Posto] [2012]

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa [Gazin Auto Posto] [2012] Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa [Gazin Auto Posto] [2012] INVENTÁRIO: X Completo INVENTÁRIO VERIFICADO POR: X Terceira parte Data: 21/01/2014 Preparador de Relatório: EGGEE/GAZIN Airton

Leia mais

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa COPASA - 2013

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa COPASA - 2013 Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa COPASA - 2013 Belo Horizonte MG Abril de 2014 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Perfil das Emissões de GEE no ano de 2009. 14 Figura 2: Perfil das Emissões de

Leia mais

Inventário Municipal de Emissões e Remoções Antrópicas de Gases de Efeito Estufa (GEE) e outros Produtos no Município de São Paulo

Inventário Municipal de Emissões e Remoções Antrópicas de Gases de Efeito Estufa (GEE) e outros Produtos no Município de São Paulo Inventário Municipal de Emissões e Remoções Antrópicas de Gases de Efeito Estufa (GEE) e outros Produtos no Município de São Paulo Apoio Organização Realização Política de clima e inventário de GEE de

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa (GEE) do Grupo Abril -2010-

Inventário de Gases de Efeito Estufa (GEE) do Grupo Abril -2010- Inventário de Gases de Efeito Estufa (GEE) do Grupo Abril -2010- ÍNDICE Impactos das Mudanças Climáticas Conceitos Inventário de Gases de Efeito Estufa do Grupo Abril Ano 2010 Impactos das Mudanças Climáticas

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2014 Banco Bradesco S.A Nome fantasia: Organização Bradesco - CNPJ: 60.746.948/0001-12 Tipo da empresa: Matriz Setor econômico:

Leia mais

PRIMEIRO INVENTÁRIO DE EMISSÕES ANTRÓPICAS DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DA BAHIA. Secretaria do Meio Ambiente do Estado da Bahia - SEMA 2010

PRIMEIRO INVENTÁRIO DE EMISSÕES ANTRÓPICAS DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DA BAHIA. Secretaria do Meio Ambiente do Estado da Bahia - SEMA 2010 PRIMEIRO INVENTÁRIO DE EMISSÕES ANTRÓPICAS DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DA BAHIA Secretaria do Meio Ambiente do Estado da Bahia - SEMA 2010 O Governo do Estado da Bahia, através da Secretaria do

Leia mais

Mudanças Climáticas na Vale

Mudanças Climáticas na Vale 30/09/2011 Mudanças Climáticas na Vale Gerência de Nova Economia e Mudanças Climáticas Departamento de Desenvolvimento Sustentável Política de Sustentabilidade Operador Sustentável Legado Econômico, Social

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2012 Anidro do Brasil Extrações S/A Nome fantasia: Grupo Centroflora - CNPJ: 66.715.459/0002-60 Tipo da empresa: Holding

Leia mais

RELATÓRIO DE SITUAÇÃO DO PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE REGISTRO PÚBLICO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS Ano 2012

RELATÓRIO DE SITUAÇÃO DO PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE REGISTRO PÚBLICO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS Ano 2012 SISTEMA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS SECRETARIA DE ESTADO MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO GERÊNCIA

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento PNQS 2010 IGS SETEMBRO/2010 ORGANOGRAMA DA ORGANIZAÇÃO CANDIDATA Vice-presidência de GO Superintendência T Gerência Prod. e Desenvolvimento

Leia mais

Inventário de Emissões e Estratégias de Neutralização. Desafios dos Projetos de Crédito de Carbono

Inventário de Emissões e Estratégias de Neutralização. Desafios dos Projetos de Crédito de Carbono Inventário de Emissões e Estratégias de Neutralização Desafios dos Projetos de Crédito de Carbono Julho 2009 Sobre a GSS Empresa com atuação focada no desenvolvimento de projetos e prestação de consultorias

Leia mais

PROGRAMA BRASILEIRO GHG PROTOCOL. Utilizando o inventário de emissões de GEE como ferramenta de gestão corporativa

PROGRAMA BRASILEIRO GHG PROTOCOL. Utilizando o inventário de emissões de GEE como ferramenta de gestão corporativa PROGRAMA BRASILEIRO GHG PROTOCOL Utilizando o inventário de emissões de GEE como ferramenta de gestão corporativa São Paulo, 03 de setembro de 2013 VI SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS - SHS 2013 EMISSÕES

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2011

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2011 Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2011 Mercur S/A Nome fantasia: Mercur - CNPJ: 93.896.397/0001-22 Tipo da empresa: Matriz Setor econômico: C. Indústrias

Leia mais

Padrões de produção e consumo

Padrões de produção e consumo INDICADORES AMBIENTAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO 113 Padrões de produção e consumo Recicloteca da COMLURB - Gávea 114 INDICADORES AMBIENTAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO ÁGUA ATMOSFERA SOLO BIODIVERSIDADE

Leia mais

Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa

Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa Gerente do Projeto: Luis F. M. Serrano Consultor: Victor Sette Gripp Período de Referência: 2012 São Paulo, Abril de 2013 Elaboração: INTRODUÇÃO

Leia mais

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa GEE Sabesp: Ano Base 2007

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa GEE Sabesp: Ano Base 2007 Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa GEE Sabesp: Ano Base 2007 1º Seminário Estadual sobre Mudanças Climáticas e Saneamento Diretoria de Tecnologia, Empreendimentos e Meio Ambiente T Superintendência

Leia mais