GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA E DA DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA E DA DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR"

Transcrição

1 GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA E DA DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR PORTARIA Nº 153/2014 GAB CMDO/CBMRN O COMANDANTE GERAL DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso de suas atribuições previstas nos arts. 12 e 13, incisos IV e XIV, ambos do Decreto nº , de 02 de maio de 2002, c/c o disposto no art. 21, V, da Lei Complementar nº 230, de 22 de março de 2002, e ainda c/c o art. 5º, 1º, letras b e d, 2 e 4, e o art. 16, d, do Decreto nº de 02 de fevereiro de 1982, e Considerando a promulgação do Decreto Estadual nº , de 16 de outubro de 2012, que Regulamenta a obrigatoriedade dos uniformes no âmbito das corporações militares do Estado do Rio Grande do Norte (CBMRN) e dá outras providências; Considerando que a supracitada norma, em seu art. 3º, delega competência ao Comandante Geral para disciplinar o uso de uniformes militares, bem como de seus correspondentes distintivos, insígnias e emblemas; Considerando a necessidade de modernizar o atual regulamento de uniformes do Corpo de Bombeiros Militar do Rio Grande do Norte; RESOLVE: Art. 1º. Aprovar o Regulamento de Uniforme do Corpo de Bombeiros Militar do Rio Grande do Norte RUCBM, peças complementares, insígnias, distintivos, identificações e condecorações, regulando a sua posse, composição e uso, conforme o Anexo I, que faz parte integrante desta Portaria, com base no Decreto nº de 16 de outubro de 2012; Art. 2º - O uso correto dos uniformes é fator primordial na boa apresentação individual e coletiva dos militares do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio Grande do Norte, contribuindo para o fortalecimento da

2 disciplina, desenvolvimento do espírito de corpo e bom conceito da Corporação no seio da sociedade. Art. 3º - É dever de todo Bombeiro Militar zelar por seus uniformes e pela sua correta apresentação. 1º - A apresentação pessoal do (a) militar é premissa indispensável para a consolidação da disciplina na caserna e contribui para melhorar a credibilidade da Instituição perante a opinião pública. Art. 4º - Os uniformes de que trata o RUCBM constituem privilégio absoluto do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio Grande do Norte, sendo vedado o uso de suas cores e modelos, descritos no regulamento em anexo, por qualquer outra organização pública ou privada. 1º - É expressamente proibido o uso dos uniformes especificados no RUCBM e suas peças complementares por pessoas não autorizadas. 2º - Cabe ao Comando Geral, disciplinar as ações fiscalizadoras junto a estabelecimentos de ensino, corporações, empresas e organizações de qualquer natureza que usem uniformes, de modo a não permitir que esses possam ser confundidos com os previstos no RUCBM. Art. 5º - É proibido alterar as características dos uniformes, bem como sobrepor aos mesmos, peças, insígnias ou distintivos não previstos neste regulamento. 1º - Excetuam-se os equipamentos de proteção individual, de sinalização, aprovados pelo Comandante Geral, que poderão ser usados exclusivamente em operações que justifiquem o seu uso. 2º- O Bombeiro Militar que encontrar-se fora do Estado do Rio Grande do Norte, quando o indicarem as condições particulares de sua área de operação ou em atividades de ensino externas à corporação, poderá utilizar peças de uniformes, condecorações e distintivos não previstos neste regulamento, mediante autorização expressa e publicada em expediente regulamentar do Comandante Geral do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio Grande do Norte.

3 Art. 6º - Os Bombeiros Militares das diferentes Organizações Bombeiros Militares (OBMs) que comparecerem fardados a solenidades militares e atos sociais devem fazê-lo com um mesmo uniforme. 1º - Excetuam-se os casos especiais em que o Bombeiro Militar, por necessidade, tenha que usar um uniforme que a situação exija. 2º - Em solenidade interna, cabe ao Comandante Geral, Diretores, Comandantes e Chefes das respectivas unidades, especificarem o uniforme a ser usado na cerimônia, de acordo com as determinações do escalão superior, caso a unidade participe da solenidade. 3º - Em solenidades ou atos sociais externos, a designação do uniforme é competência do Comandante da Unidade, em correspondência, quando for o caso, com o traje previsto para o civil ou com o uniforme determinado por outra força singular responsável pela solenidade ou ato. Art. 7º - Quaisquer modificações de detalhes dos uniformes, alterações de matéria-prima e criação, modificações ou extinção de insígnias ou distintivos, só poderão ser feitas mediante expresso estudo preliminar de Comissão designada para tal e posterior autorização do Comandante Geral. Art. 8º - Para os fins do RUCBM, estendem-se aos Aspirantes a Oficial e aos Cadetes as prescrições referentes aos Oficiais, salvo quando houver exceções expressas. Art.9º - Alguns uniformes previstos no RUCBM serão complementados para uso em paradas e atividades especiais, por peças de uniformes e equipamentos cuja distribuição se fará de acordo com a necessidade. Art É permitido ao Bombeiro Militar: 1º - A entrada e saída dos aquartelamentos em trajes civis para tratar de assuntos de serviço, devendo ali permanecer somente o tempo necessário para a solução daqueles. Entende-se como traje civil, neste caso, o passeio formal completo, o social ou esporte, vestido, saia e blusa ou conjunto de calça comprida. No gozo desta concessão não deverá ser tolerada qualquer excentricidade em relação aos trajes da época e da localidade em que se encontrarem;

4 2º - Uso nos aquartelamentos de trajes e artigos desportivos, diversos dos estabelecidos nesta Portaria, tais como chuteiras, meiões e outros apropriados para determinados esportes, desde que deva participar de competições oficiais ou de práticas desportivas previamente autorizadas; 3º - A permanência, em trajes civis, desde que este pertença às seções de informações e na execução de tarefas inerentes à natureza do serviço por ele desempenhado; 4º - A entrada e saída dos aquartelamentos, e até mesmo a permanência em trajes civis, no cumprimento de dispensa ou licença médica, desde que haja recomendação neste sentido pelo profissional habilitado que o atendeu; 5º - Comparecimento, em trajes civis, aos hospitais, ambulatórios e órgãos assistenciais da Corporação, desde que estes locais não se encontrem inseridos em Quarteis; 6º - Comparecimento aos aquartelamentos, solenidades e outros atos de serviço em trajes civis, desde que se encontre à disposição de órgão civil e esteja a serviço ou representando aquele órgão; 7º - Se inativo, o comparecimento fardado às solenidades e eventos oficiais, desde que devidamente autorizado pelo Comandante Geral; Art É proibido ao Bombeiro Militar: 1º - O uso de uniformes em circunstâncias ou condições diferentes das que são estabelecidas em legislação específica ou nesta Portaria; 2º - O uso, nos uniformes, de qualquer peça, brevês, insígnias e distintivos não previstas no RUCBM ou em ato dele decorrente; 3º - O uso de uniforme demasiadamente justo ou folgado e em desacordo com as especificações técnicas previstas; 4º - O uso de roupas íntimas sumárias ou com estamparia e cores que transpareçam no uniforme; 5º - O uso de qualquer sinal de luto nos uniformes, salvo quando houver determinação do Comando neste sentido;

5 6º - Quando uniformizado, apresentar-se com aspecto fisionômico diferente daquele com que está identificado na cédula de identidade expedida pela Corporação; 7º - O uso de peças ou uniformes de Corporação estrangeira, salvo as condecorações e distintivos devidamente autorizados pelo Comandante Geral; 8º - O emprego, de forma visível nos uniformes, de qualquer objeto de uso de adorno, tais como relógio de corrente, chaveiro, prendedor de gravata, lenço, broche, cordão, pulseira, etc.; 9º - o uso de peças de uniformes juntamente com trajes civis; 10º - A utilização de brevês de conselho de classes, cursos civis sejam eles: operacionais; administrativos; acadêmicos ou de especialização, exceto os regulamentados pela Instituição. Art A Corporação poderá autorizar a confecção de artigos adequados à condução de peças dos uniformes, de modo a padronizar o transporte de tais peças, de acordo com normatização interna. Art Apresentação pessoal quando uniformizado(a): 1º - É vedado o uso de aplicativos do tipo piercing e/ou assemelhados, localizados em partes do corpo que fiquem à mostra quando trajando os uniformes previstos no RUCBM; 2º - Os desenhos e/ou pinturas do tipo tatuagem, os aplicativos do tipo piercing e/ou assemelhados, não poderão afetar a honra pessoal ou o decoro da classe, exigido dos militares do CBMRN, em conformidade com os princípios de ética previstos no Estatuto dos Bombeiros Militares, apresentando símbolos e/ou inscrições alusivos a: I - ideologias terroristas ou extremistas contrárias às instituições democráticas ou que preguem a violência e a criminalidade; II - discriminação ou preconceito de raça, credo, sexo ou origem; III - idéias ou atos libidinosos; IV - idéias ou atos ofensivos às instituições militares. Art. 14- É vedado o uso de lentes de contato coloridas ou que apresentem desenhos, mesmo que de grau. Art. 15 Militares, do sexo feminino, observarão que:

6 1º - As unhas podem ser tratadas e pintadas com esmalte em cores claras ou vermelha, em cor única, não sendo permitidos desenhos, pedras, ou outros adereços, sendo vedado o uso de cores extravagantes, como por exemplo: azul, roxa, violeta, preta, verde, amarela ou assemelhadas. 2º - A maquiagem deve ser usada com moderação e em tons discretos, sempre em conformidade com as condições e exigências do ambiente (baile, representação, formatura, instrução, serviço). I - Maquiagem é o conjunto de beleza aplicado no rosto de forma a realçar os seus traços, tornando-os visualmente adornados, sendo dois tipos: a) - Maquiagem completa - é aquela que no seu conjunto compõe-se dos seguintes produtos: pó compacto e/ou base, corretivo, sombra, batom, rímel, lápis para os olhos e delineador; b) - Maquiagem simples é aquela que no seu conjunto compõem-se dos seguintes produtos: batom, rimel, lápis para os olhos. 3º - Os cabelos curtos podem ser usados soltos, com todos os uniformes, sendo considerado cabelo curto, aquele cujo comprimento se mantenha acima da gola dos uniformes; 4º - Os cabelos médios e longos deverão ser usados em coque, ou presos na parte posterior da cabeça como rabo de cavalo ou tranças. O modelo rabo de cavalo ou trança será permitido nas atividades internas das Unidades Operacionais e nos deslocamentos entre a unidade e a residência. Para o serviço operacional deve-se prender o cabelo com coque, com rede na cor do cabelo ou trança nos serviços de Combate a Incêndio; I - A rede mencionada deverá ser discreta, observando se a formalidade do uniforme. Não poderá conter brilho, pedrarias, laços de adorno ou qualquer outro tipo de adereço, exceto com uso dos primeiros uniformes em solenidades e formaturas; II - com a cobertura as orelhas devem ficar à mostra; III - O penteado pode ter franja, desde que a mesma não apareça quando com cobertura; IV - A coloração artificial do cabelo deve ser feita com moderação, utilizando cores naturais, em tonalidade discreta e compatível com o uso do uniforme militar;

7 V - Os acessórios de cabelo permitidos são grampos simples e elásticos na cor preta ou marrom e rede na cor do cabelo. VI em eventos, desfiles cívicos onde sejam utilizados Capacetes Operacionais, serão permitidos o uso do rabo de cavalo ou trança. VII Quando da participação em bailes militares, formaturas, solenidades de casamento e eventos similares, onde a militar estiver trajando os primeiros uniformes, serão permitidos o uso de penteados especiais, desde que mantenha a maior parte do cabelo preso. VIII - Para alunas nos cursos de formação e aperfeiçoamento, só será permitido o uso do cabelo com coque, exceto em atividades de Educação Física, onde as mesmas poderão usar o estilo Rabo de Cavalo para àquelas que possuam cabelos lisos e estilo trança para àquelas que possuam cabelos ondulados, cacheados ou cheios. Todos os estilos devem estar bem penteados, fixos e em perfeito alinho. Art. 16 Militares, do sexo masculino, observarão que: 1º - O corte de cabelo estabelecido como limite máximo é o denominado aparado curto, cortado a máquina nas laterais com o pente nº 2 ou 6mm e na parte superior da cabeça com pente nº 8 ou 25mm, exceto nos cursos/ estágios/ nivelamentos previstos no CSFA, que terá norma própria estipulada no plano de curso; 2º - É vedado o uso de penteado tipo topete ou cabelo levantado na parte anterior da cabeça, com ou sem gel fixador; 3º - A costeleta (porção de barba e cabelo que se deixa crescer na parte lateral do rosto) deve ser mantida a dois centímetros abaixo do ponto superior de união da orelha com a cabeça, conservando sua largura natural (é vedado o estreitamento da costeleta); 4º - É permitido o uso de bigode a todos os militares, com exceção dos alunos dos cursos/ estágios/ nivelamentos previstos no CSFA, desde que esteja aparado e que seu comprimento não ultrapasse a parte de cima do lábio superior; 5º - É vedado o uso de barba, cavanhaque ou barbicha no queixo; 6º - É vedado o uso de brincos.

8 Art. 17 Havendo a necessidade do uso de corte de cabelo e/ou barba, com a finalidade de encobrir lesão fisionômica, o (a) militar deverá requerer autorização ao respectivo Comandante, Chefe ou Diretor, fundamentando sua solicitação. Parágrafo Único Os (As) militares que tiverem suas fisionomias modificadas, em virtude do disposto no artigo 18, deverão ser novamente identificados(as). Art. 18 Durante os cursos de formação os militares do sexo masculino deverão utilizar o corte de cabelo com a utilização de no máximo a máquina com pente nº01 nas laterais e com o pente nº02 na parte superior da cabeça. Art. 19 São permitidos o uso dos seguintes adornos: 1º - Um relógio em tamanho e modelo discretos e funcionais, em qualquer pulso; 2º - Aliança, na cor prateada e/ou dourada; 3º - Aparelho celular ou assemelhado, se preso ao cinto, envolto em capa na cor preta sem detalhes aparentes; 4º - Óculos com lentes de grau, em armações discretas; 5º - Óculos com lentes de proteção solar, com lentes em cor única e em armações discretas com tonalidades escuras ou metálicas, sendo que no caso de formaturas, seu uso só será permitido mediante recomendação médica, devidamente publicada em BGCB; 6º - Guarda - chuva na cor única preta. Art. 20 Às militares é permitido o uso de brincos pequenos e discretos, um em cada orelha, não podendo ter argolas e pingentes e não ultrapassando o tamanho do lóbulo inferior da orelha. Art. 21 Quando usando uniformes, aos (às) militares é vedado o uso de: 1º - Chaveiro ou chave pendurado na farda; 2º - Mochilas, pochetes ou coletes, exceto se previstos em norma interna, quando em exercício ou operação de socorro, com a finalidade de portar materiais operacionais ou equipamentos de proteção individual;

9 3º - Joelheiras, tornozeleiras ou cotoveleiras, exceto as previstas em norma interna com a finalidade de proteção dos membros e articulações durante a execução de procedimentos operacionais e apenas nessas ocasiões. Art. 22 Caso a OBM do (a) militar adote sistema de cartões magnéticos para acesso e/ou identificação, ou no caso de visita a outras organizações que adotem este sistema, este deverá ser fixado por presilha no bolso direito da farda, ficando seu uso restrito ao âmbito da organização. Art. 23 O anexo II deste Regulamento, que trata das peças complementares e suas descrições será publicado em data posterior. Art Os casos omissos nesta Portaria serão solucionados pelo Comandante Geral do Corpo Bombeiros Militar do Estado do Rio Grande do Norte, através de ato próprio. Art. 25 Esta Portaria passa a vigorar na data de sua publicação, devendo os militares da corporação se adequar as normas vigentes em um período de seis meses (180 dias) após a data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário, sua aplicabilidade se dará em conformidade com a disponibilidade financeira e orçamentária da Instituição. Quartel em Natal/RN, 02 de setembro de Elizeu Lisboa Dantas Cel BM Comandante Geral do CBMRN

II - NORMAS PARA O PENTEADO E O CORTE DE CABELO FEMININO PARA OFICIAIS E PRAÇAS DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO RIO GRANDE DO NORTE (CBMRN).

II - NORMAS PARA O PENTEADO E O CORTE DE CABELO FEMININO PARA OFICIAIS E PRAÇAS DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO RIO GRANDE DO NORTE (CBMRN). II - NORMAS PARA O PENTEADO E O CORTE DE CABELO FEMININO PARA OFICIAIS E PRAÇAS DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO RIO GRANDE DO NORTE (CBMRN). 1. FINALIDADE Estabelecer procedimentos uniformes para a apresentação

Leia mais

Anexo ao Decreto XXXXXXXXX. CAPÍTULO I Das Disposições Gerais

Anexo ao Decreto XXXXXXXXX. CAPÍTULO I Das Disposições Gerais Anexo ao Decreto XXXXXXXXX CAPÍTULO I Das Disposições Gerais Art. 1º - O presente Regulamento contém as prescrições sobre os uniformes, peças complementares, insígnias e distintivos do Corpo de Bombeiros

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DA BAHIA. Subcomando Geral - Nº 012-12 de agosto de 2003 LEGISLAÇÃO JURISPRUDÊNCIA E NORMAS GERAIS LJNG

POLÍCIA MILITAR DA BAHIA. Subcomando Geral - Nº 012-12 de agosto de 2003 LEGISLAÇÃO JURISPRUDÊNCIA E NORMAS GERAIS LJNG POLÍCIA MILITAR DA BAHIA Subcomando Geral - Nº 012-12 de agosto de 2003 LEGISLAÇÃO JURISPRUDÊNCIA E NORMAS GERAIS LJNG SUMÁRIO SUPLEMENTO LJNG N.º 012 06 DE AGOSTO DE 2003 QUARTA - FEIRA 1 - PORTARIA N.º

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL PORTARIA Nº 005/BM-1/07

ESTADO DE MATO GROSSO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL PORTARIA Nº 005/BM-1/07 ESTADO DE MATO GROSSO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL PORTARIA Nº 005/BM-1/07 Aprova as Normas Gerais de Ação (NGA) para o Corpo Feminino do Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Mato Grosso.

Leia mais

PORTARIA Nº 12/GCG/PMMT/07 BCG N. 3393 DE 21-01-2008.

PORTARIA Nº 12/GCG/PMMT/07 BCG N. 3393 DE 21-01-2008. PORTARIA Nº 12/GCG/PMMT/07 BCG N. 3393 DE 21-01-2008. Dispõe sobre aprovação do Regulamento para Apresentação Pessoal dos Policiais Militares da Polícia Militar do Estado de Mato Grosso. O COMANDANTE GERAL

Leia mais

DIRETORIA DE EDUCAÇÃO ESCOLAR E ASSISTÊNCIA SOCIAL. Capítulo I Das disposições preliminares

DIRETORIA DE EDUCAÇÃO ESCOLAR E ASSISTÊNCIA SOCIAL. Capítulo I Das disposições preliminares DIRETORIA DE EDUCAÇÃO ESCOLAR E ASSISTÊNCIA SOCIAL INSTRUÇÃO 02 / 2012. DEEAS Regula o uso de uniformes do Colégio Tiradentes da Policial Militar de Minas Gerais. Capítulo I Das disposições preliminares

Leia mais

Art. 1º. Fica aprovado o Regulamento de Uniformes do Corpo de Bombeiros Militar do Rio Grande do Norte(RUCBM/RN), anexo ao presente Decreto.

Art. 1º. Fica aprovado o Regulamento de Uniformes do Corpo de Bombeiros Militar do Rio Grande do Norte(RUCBM/RN), anexo ao presente Decreto. Decreto nº 16.039, de 3 de maio de 2002. Dispõe sobre o Regulamento de Uniformes do Corpo de Bombeiros Militar do Rio Grande do Norte(RUCBM/ RN). O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, usando da

Leia mais

REGULAMENTO DE UNIFORMES

REGULAMENTO DE UNIFORMES POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS ANEXO III REGULAMENTO DE UNIFORMES TÍTULO I Generalidades Art. 1º O presente Regulamento

Leia mais

DESCRIÇÃO DOS UNIFORMES, INSÍGNIAS E DISTINTIVOS DO RUCBMRN

DESCRIÇÃO DOS UNIFORMES, INSÍGNIAS E DISTINTIVOS DO RUCBMRN CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO RIO GRANDE DO NORTE REGULAMENTO DE UNIFORMES DO CBMRN (RUCBM) ANEXO I DA PORTARIA Nº 153 GAB CMDO, DE 29 DE AGOSTO DE 2014. DESCRIÇÃO DOS UNIFORMES, INSÍGNIAS E DISTINTIVOS

Leia mais

Profissionalismo, organização, asseio, segurança, confiança. Muitas são as mensagens que uma equipe uniformizada passa para clientes e fornecedores e

Profissionalismo, organização, asseio, segurança, confiança. Muitas são as mensagens que uma equipe uniformizada passa para clientes e fornecedores e Manual de Uniformes Profissionalismo, organização, asseio, segurança, confiança. Muitas são as mensagens que uma equipe uniformizada passa para clientes e fornecedores e que justificam o investimento no

Leia mais

REGULAMENTO DE UNIFORMES DO CBMAL

REGULAMENTO DE UNIFORMES DO CBMAL 2014 REGULAMENTO DE UNIFORMES DO CBMAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DE ALAGOAS Maceió-AL 1 COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO NOVO REGULAMENTO DE UNIFORMES DO CBMAL Presidente Cel. QOBM/Comb. Mat. 139983-4 - Adriano

Leia mais

DECRETO Nº 39.034, DE FEVEREIRO DE 2006

DECRETO Nº 39.034, DE FEVEREIRO DE 2006 1 DECRETO Nº 39.034, DE FEVEREIRO DE 2006 APROVA O REGULAMENTO DE UNIFORMES DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO,

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA ICA 168-6/2011 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA PESSOAL-MILITAR RCA 35-2 REGULAMENTO DE UNIFORMES PARA OS MILITARES DA AERONÁUTICA (RUMAER) 2012 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DIRETORIA

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR MEDALHA SERVIÇO BOMBEIRO MILITAR ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DECRETO Nº 18.428 São Luís, 03 de dezembro de 2001. Regulamenta o art. 158,

Leia mais

COMANDANTE DO EXÉRCITO PORTARIA Nº 134, DE 19 DE MARÇO DE 2007.

COMANDANTE DO EXÉRCITO PORTARIA Nº 134, DE 19 DE MARÇO DE 2007. COMANDANTE DO EXÉRCITO PORTARIA Nº 134, DE 19 DE MARÇO DE 2007. Aprova as Instruções Gerais para o Funcionamento dos Hotéis de Trânsito do Exército (IG 30-52). O COMANDANTE DO EXÉRCITO, no uso das atribuições

Leia mais

ENXOVAL PARA OS ALUNOS QUE IRÃO INICIAR O CURSO: Bacharelado em Ciências Policiais de Segurança e Ordem Pública

ENXOVAL PARA OS ALUNOS QUE IRÃO INICIAR O CURSO: Bacharelado em Ciências Policiais de Segurança e Ordem Pública ENXOVAL PARA OS ALUNOS QUE IRÃO INICIAR O CURSO: Bacharelado em Ciências Policiais de Segurança e Ordem Pública 1. MATERIAL ESCOLAR BÁSICO - Caneta esferográfica azul, preta e vermelha; - lápis preto,

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ 2008 CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E FINALIDADE Art. 1º. Respeitada a legislação vigente, as normas específicas aplicáveis a cada curso e, em

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA E DA DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL

GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA E DA DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA E DA DEFESA SOCIAL COMANDO GERAL PORTARIA Nº 019 /2014 GAB CMDO CBMRN. (BGCB Nº 019, de 04 de fevereiro de 2014) Aprova

Leia mais

POLÍTICA DE F E M I N I N O

POLÍTICA DE F E M I N I N O POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DO UNIFORME F E M I N I N O PROPOSTA O Grupo Villela já conta com mais de 160 profissionais em seu quadro funcional, por isso estamos trabalhando pela padronização e pela profissionalização

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 1390/2006

LEI COMPLEMENTAR Nº 1390/2006 LEI COMPLEMENTAR Nº 1390/2006 "Cria a Guarda Municipal e dá outras providências" A CÂMARA MUNICIPAL DE SANTA BÁRBARA, por seus Representantes legais, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA COMISSÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2010/CPG

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA COMISSÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2010/CPG INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2010/CPG Estabelece procedimento para o reconhecimento e o registro de diploma de conclusão de curso de Pós-Graduação expedidos por instituições de ensino superior estrangeiras.

Leia mais

Art. 3º - Compete ainda, ao Comandante Geral estabelecer normas para aplicação do Regulamento ora aprovado.

Art. 3º - Compete ainda, ao Comandante Geral estabelecer normas para aplicação do Regulamento ora aprovado. DECRETO N.º 18.063, de 06 de agosto de 1986 Aprova o Regulamento de Uniformes da Polícia Militar do Ceará e dá outras providências O GOVERNADOR DO ESTADO DO CEARÁ, no uso de suas atribuições legais que

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE GESTÃO E PLANEJAMENTO GABINETE

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE GESTÃO E PLANEJAMENTO GABINETE 1 2 ANEXO I REGULAMENTO INTERNO DA UNIDADE PADRÃO DE ATENDIMENTO VAPT VUPT DO PROCON-GOIÁS FINALIDADE Art. 1º A Unidade Padrão de Atendimento Vapt Vupt do PROCON - Goiás tem por finalidade: I. Responsabilizar-se

Leia mais

MUNICÍPIO DE GUARANIAÇU Estado do Paraná CNPJ 76.208.818/0001-66

MUNICÍPIO DE GUARANIAÇU Estado do Paraná CNPJ 76.208.818/0001-66 LEI N.º 809/2014 SÚMULA: Disciplina procedimentos de controle da frota e transporte municipal e da outras providências. aprovou, e eu, Prefeito Municipal sanciono a seguinte A Câmara Municipal de Guaraniaçu,,

Leia mais

ATOS DO PODER EXECUTIVO

ATOS DO PODER EXECUTIVO ESTADO DA PARAÍBA Nº 14.621 João Pessoa - Domingo, 17 de Abril de 2011 Preço: R$ 2,00 ATOS DO PODER EXECUTIVO DECRETO Nº 32.101, DE 15 DE ABRIL DE 2011 Aprova o Regulamento de Uniformes do Corpo de Bombeiros

Leia mais

CÓDIGO DE INDUMENTÁRIA

CÓDIGO DE INDUMENTÁRIA CÓDIGO DE INDUMENTÁRIA Estas regras são válidas para todos os eventos autorizados ou sob a tutela da APPDSI A APPDSI reserva-se o direito de impor regras adicionais ou permitir exceções em eventos específicos.

Leia mais

COMUNICADO N o 06/2015-CEV/UECE (13 de janeiro de 2015)

COMUNICADO N o 06/2015-CEV/UECE (13 de janeiro de 2015) Fundação COMUNICADO N o 06/2015-CEV/UECE (13 de janeiro de 2015) Dispõe sobre a convocação para a matrícula no Curso de Formação Profissional referente a Turma Única de Agente de Defesa Civil e dá outras

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL DIRETORIA EXECUTIVA COORDENAÇÃO-GERAL DE CONTROLE DE SEGURANÇA PRIVADA

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL DIRETORIA EXECUTIVA COORDENAÇÃO-GERAL DE CONTROLE DE SEGURANÇA PRIVADA MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL DIRETORIA EXECUTIVA COORDENAÇÃO-GERAL DE CONTROLE DE SEGURANÇA PRIVADA PORTARIA N.º 33.284, DE 4 DE FEVEREIRO DE 2015 (DOU de 06/02/2015 Seção I Pág.

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR MEDALHA ALFERES MORAES SANTOS

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR MEDALHA ALFERES MORAES SANTOS ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR MEDALHA ALFERES MORAES SANTOS ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DECRETO Nº 18.430 São Luís, 03 de dezembro de 2001. Regulamenta o art. 158, da

Leia mais

Regulamento de Uniformes APLICÁVEL AO CBM/AP

Regulamento de Uniformes APLICÁVEL AO CBM/AP COLETÂNEA DA Regulamento de Uniformes APLICÁVEL AO CBM/AP VOLUME 1 GOVERNADOR DO ESTADO DO AMAPÁ Antônio Waldez Góes da Silva SECRETÁRIO ESPECIAL DE DESENVOLVIMENTO DA DEFESA SOCIAL Aldo Alves Ferreira

Leia mais

I PARTE (SERVIÇOS DIÁRIOS) II PARTE (ENSINO E INSTRUÇÃO) III PARTE (ASSUNTOS GERAIS E ADMINISTRATIVOS)

I PARTE (SERVIÇOS DIÁRIOS) II PARTE (ENSINO E INSTRUÇÃO) III PARTE (ASSUNTOS GERAIS E ADMINISTRATIVOS) GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA E DEFESA SOCIAL POLÍCIA MILITAR DO PARÁ AJUDÂNCIA GERAL ADITAMENTO AO BG Nº 064 03 ABR 2012 Para conhecimento dos Órgãos subordinados

Leia mais

Instituir um padrão único de grafismo para os veículos no âmbito do Corpo de Bombeiros Militar do Rio Grande do Norte e dá outras providências.

Instituir um padrão único de grafismo para os veículos no âmbito do Corpo de Bombeiros Militar do Rio Grande do Norte e dá outras providências. GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA E DA DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR GABINETE DO COMANDO GERAL PORTARIA Nº 104/2015 GAB CMDO CBMRN Dispõe sobre

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA BANDEIRA ACREANA

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA BANDEIRA ACREANA LEI N. 1.170, DE 22 DE DEZEMBRO DE 1995 Regulamenta e define a forma e apresentação da Bandeira do Estado do Acre, e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa

Leia mais

EMEMDA DE REDAÇÃO. Deputado OSMAR SERRAGLIO Relator JUSTIFICAÇÃO

EMEMDA DE REDAÇÃO. Deputado OSMAR SERRAGLIO Relator JUSTIFICAÇÃO COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 2.844-C DE 2011 Dispõe sobre os requisitos para ingresso nos cursos de formação de militares de carreira do Exército. EMEMDA

Leia mais

Departamento de Educação Física, Esporte e Lazer

Departamento de Educação Física, Esporte e Lazer COLÉGIO GUILHERME DUMONT VILLARES Morumbi I Das Finalidades São Paulo Departamento de Educação Física, Esporte e Lazer TREINOS ESPORTIVOS ELETIVOS REGULAMENTO GERAL Este documento tem como finalidade estabelecer

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PROVIMENTO Nº 001 /98 Estabelece normas e procedimentos para o controle dos bens patrimoniais existentes na Universidade. O CONSELHO DE CURADORES, no uso de sua competência, atribuída através do artigo

Leia mais

ANEXO 1 75ª Reunião do Conselho de Pós-Graduação Stricto Sensu

ANEXO 1 75ª Reunião do Conselho de Pós-Graduação Stricto Sensu REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ADMINISTRAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI TÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS DO PROGRAMA E SEUS OBJETIVOS Art. 1º - Este Regulamento complementa as

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 37/2009

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 37/2009 DISPÕE SOBRE CRITÉRIOS PARA O EXAME DE IDENTIDADE OU EQUIVALÊNCIA DE DISCIPLINAS PARA EFEITO DE APROVEITAMENTO DE ESTUDOS O Presidente do Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão CONSEPE, no uso

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 463, DE 03 DE JANEIRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 463, DE 03 DE JANEIRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 463, DE 03 DE JANEIRO DE 2012. Dispõe sobre o subsídio dos Militares do Estado e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA RESOLUÇÃO Nº 04/2010 Dispõe sobre procedimentos para expedição e uso do

Leia mais

Instruçoes para fotos biométricas - República da Eslovênia

Instruçoes para fotos biométricas - República da Eslovênia Instruçoes para fotos biométricas - República da Eslovênia Recomendações do Ministério das Relações Exteriores da República da Eslovênia para as fotos biométricas: o o tamanho da foto: 3,5 x 4,5 cm o o

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA PRESIDÊNCIA RESOLUÇÃO CONJUNTA N 4, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2014

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA PRESIDÊNCIA RESOLUÇÃO CONJUNTA N 4, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2014 CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA PRESIDÊNCIA RESOLUÇÃO CONJUNTA N 4, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2014 Regulamenta, no âmbito do Poder Judiciário e do Ministério Público, os arts. 6º, inciso XI, e 7 -A, ambos da

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DE SANTA CATARINA CENTRO DE ENSINO BOMBEIRO MILITAR ACADEMIA DE BOMBEIRO MILITAR

SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DE SANTA CATARINA CENTRO DE ENSINO BOMBEIRO MILITAR ACADEMIA DE BOMBEIRO MILITAR SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DE SANTA CATARINA CENTRO DE ENSINO BOMBEIRO MILITAR ACADEMIA DE BOMBEIRO MILITAR Caro futuro Cadete, Nós, da Academia de Bombeiro Militar

Leia mais

DECRETO nº 53.464 de 21-01-1964

DECRETO nº 53.464 de 21-01-1964 DECRETO nº 53.464 de 21-01-1964 Regulamenta a Lei nº 4.119, de agosto de 1962, que dispõe sobre a Profissão de Psicólogo. O Presidente da República, usando das atribuições que lhe confere o art.87, item

Leia mais

PM-1 RESOLUÇÃO Nº 013/PM-1/EMG-PMMT/94, DE 14/3/94 (Publicado no BCG n.º 059 DE 29/03/94).

PM-1 RESOLUÇÃO Nº 013/PM-1/EMG-PMMT/94, DE 14/3/94 (Publicado no BCG n.º 059 DE 29/03/94). PM-1 RESOLUÇÃO Nº 013/PM-1/EMG-PMMT/94, DE 14/3/94 (Publicado no BCG n.º 059 DE 29/03/94). Regula a concessão de Férias na PMMT e dá outras providências. O Comandante-Geral no uso de suas atribuições previstas

Leia mais

CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DEPCT DIREN COSEA COLÉGIO MILITAR DOM PEDRO II

CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DEPCT DIREN COSEA COLÉGIO MILITAR DOM PEDRO II CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DEPCT DIREN COSEA COLÉGIO MILITAR DOM PEDRO II NORMAS REGULAMENTADORAS DAS GRADUAÇÕES NO CORPO DE ALUNOS Normatiza os procedimentos a serem adotados na concessão

Leia mais

PORTARIA Nº 565, 23 DE AGOSTO DE 2006

PORTARIA Nº 565, 23 DE AGOSTO DE 2006 MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO GABINETE DO COMANDANTE PORTARIA Nº 565, 23 DE AGOSTO DE 2006 Aprova as Instruções Gerais sobre a Concessão de Auxílio Financeiro pela Diretoria de Assistência ao

Leia mais

ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL O Japão e a República Federativa do Brasil, Desejosos de regular suas relações mútuas na área de Previdência Social, Acordaram

Leia mais

INSTITUCIONALIZA O UNIFORME

INSTITUCIONALIZA O UNIFORME DECRETO Nº29.482, de 03 de outubro de 2008. INSTITUCIONALIZA O UNIFORME DO PROGRAMA RONDA DO QUARTEIRÃO E MODIFICA O DECRETO Nº18.063, DE 06 DE AGOSTO DE 1986 (REGULAMENTODE UNIFORMES DA POLÍCIA MILITAR

Leia mais

PORTARIA DETRAN Nº 1.310, DE 1 DE AGOSTO DE 2014

PORTARIA DETRAN Nº 1.310, DE 1 DE AGOSTO DE 2014 PORTARIA DETRAN Nº 1.310, DE 1 DE AGOSTO DE 2014 A Diretora Vice Presidente, respondendo pelo expediente da Presidência do Departamento Estadual de Trânsito - DETRAN-SP, considerando as disposições dos

Leia mais

REGRAS PARA FORMAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DE ATLETAS NA SELEÇÃO BRASILEIRA DE TRIATHLON

REGRAS PARA FORMAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DE ATLETAS NA SELEÇÃO BRASILEIRA DE TRIATHLON REGRAS PARA FORMAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DE ATLETAS NA SELEÇÃO BRASILEIRA DE TRIATHLON Conforme lei federal n 9.615 de 24 de março de 1998 e decreto n 2.574 de 29 de abril de 1998, Estatutos e regulamentos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO CONSELHO SUPERIOR

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO CONSELHO SUPERIOR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 032/2009, de 03 de setembro de 2009. Aprova, ad referendum do Conselho Superior, as

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.736, DE 15 DE SETEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 3.736, DE 15 DE SETEMBRO DE 2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO RESOLUÇÃO Nº 3.736, DE 15 DE SETEMBRO DE 2011 Dispõe sobre o afastamento do país e concessão de passagens para servidores da UNIRIO. O Conselho de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei 5.152 de 21/10/1966 São Luís Maranhão

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei 5.152 de 21/10/1966 São Luís Maranhão RESOLUÇÃO Nº 104- CONSAD, de 05 de março de 2010. Aprova as normas e os procedimentos ora adotados para a concessão de Licença para Capacitação Profissional de servidores técnico-administrativos e docentes

Leia mais

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 06/2010

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 06/2010 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS Campus Universitário Viçosa, MG 36570-000 Telefone: (31) 3899-2127 - Fax: (31) 3899-1229 - E-mail: soc@ufv.br RESOLUÇÃO

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015. Série. Número 34

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015. Série. Número 34 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015 Série Sumário SECRETARIA REGIONAL DO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS Portaria n.º 50/2015 Aprova o Regulamento do Fardamento

Leia mais

ATO PGJ N.º 230/2010

ATO PGJ N.º 230/2010 ATO PGJ N.º 230/2010 REGULAMENTA AS ATRIBUIÇÕES DA ASSESSORIA DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAZONAS. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS, no uso de suas

Leia mais

RESOLUÇÃO CA Nº 0086/2009. CONSIDERANDO a implantação do Plano de Capacitação dos Agentes Universitários;

RESOLUÇÃO CA Nº 0086/2009. CONSIDERANDO a implantação do Plano de Capacitação dos Agentes Universitários; RESOLUÇÃO CA Nº 0086/2009 Regulamenta o afastamento do serviço para capacitação dos Agentes Universitários da Carreira Técnica Universitária e dá outras providências. CONSIDERANDO a implantação do Plano

Leia mais

http://www.sgex.eb.mil.br/sistemas/be/boletins.php http://www.sgex.eb.mil.br/sistemas/be/separatas.php Continue lendo...

http://www.sgex.eb.mil.br/sistemas/be/boletins.php http://www.sgex.eb.mil.br/sistemas/be/separatas.php Continue lendo... SECRETARIA-GERAL DO EXÉRCITO INFORMAÇÃO As Portarias do Comandante do Exército, todas de 6 de março de 2014, abaixo listadas, alteram, revogam e incluem dispositivos no Regulamento de Uniformes do Exército

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE PROPRIEDADE DE MATERIAL AERONÁUTICO DO DAC

IDENTIFICAÇÃO DE PROPRIEDADE DE MATERIAL AERONÁUTICO DO DAC REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO TÉCNICO INSTRUÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL IAC 180-1003 IDENTIFICAÇÃO DE PROPRIEDADE DE MATERIAL AERONÁUTICO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 156/2011-CEPE, DE 4 DE AGOSTO DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº 156/2011-CEPE, DE 4 DE AGOSTO DE 2011. RESOLUÇÃO Nº 156/2011-CEPE, DE 4 DE AGOSTO DE 2011. Normas para revalidação de diplomas de graduação e de pós-graduação stricto sensu expedidos por instituições de ensino superior estrangeiras. O CONSELHO

Leia mais

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM DECRETO nº 1098, de 12 de fevereiro de 2009 Dispõe sobre alocação, denominação e atribuições dos órgãos que compõem a estrutura organizacional do Gabinete da Prefeita e dá outras providências. A PREFEITA

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL DIRETORIA EXECUTIVA COORDENAÇÃO GERAL DE CONTROLE DE SEGURANÇA PRIVADA PORTARIA Nº- 12

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL DIRETORIA EXECUTIVA COORDENAÇÃO GERAL DE CONTROLE DE SEGURANÇA PRIVADA PORTARIA Nº- 12 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL DIRETORIA EXECUTIVA COORDENAÇÃO GERAL DE CONTROLE DE SEGURANÇA PRIVADA PORTARIA Nº- 12.620, DE 13 DEZEMBRO DE 2012 (Alterada pela Portaria nº 30.536/13

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 11/99

ORDEM DE SERVIÇO Nº 11/99 ORDEM DE SERVIÇO Nº 11/99 O DIRETOR-GERAL DA SECRETARIA DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, no uso das atribuições que lhe conferem o art. 24, inciso VII, e o art. 41 do Regulamento da Secretaria, com a redação

Leia mais

o artigo 13, VIII do Estatuto da UEPG;

o artigo 13, VIII do Estatuto da UEPG; Certifico que a presente Resolução foi disponibilizada neste local no dia 05/12/2014 Graziela de Fátima Rocha Secretaria da Reitoria RESOLUÇÃO UNIV. N o 43, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014. Aprova o Regimento

Leia mais

ESTADO DE PERNAMBUCO POLÍCIA MILITAR QUARTEL DO COMANDO GERAL

ESTADO DE PERNAMBUCO POLÍCIA MILITAR QUARTEL DO COMANDO GERAL ESTADO DE PERNAMBUCO POLÍCIA MILITAR QUARTEL DO COMANDO GERAL SEXTA-FEIRA - RECIFE, - SUNOR Nº G 1.0.00.018 ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DO CURSO DE PSICOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES LEGAIS

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DO CURSO DE PSICOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES LEGAIS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DO CURSO DE PSICOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES LEGAIS Art. 1. Os estágios supervisionados específicos, obrigatórios e não-obrigatórios

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA INSTITUTO GEIPREV DE SEGURIDADE SOCIAL REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA Regulamento aprovado pelo Conselho Deliberativo do GEIPREV na 123ª reunião realizada em 27/11/2009. 1 SUMÁRIO

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 821/97 Aprova a NBC P 1 Normas Profissionais de Auditor Independente com alterações e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais

Leia mais

Portaria Inmetro nº 480, de 30 de setembro de 2015. CONSULTA PÚBLICA

Portaria Inmetro nº 480, de 30 de setembro de 2015. CONSULTA PÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria Inmetro nº 480, de 30 de setembro de 2015. CONSULTA PÚBLICA OBJETO:

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. Dispõe sobre concessão de incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no âmbito do Estado do Rio Grande do Norte.

Leia mais

O CONSELHO DO MERCADO COMUM DECIDE:

O CONSELHO DO MERCADO COMUM DECIDE: MERCOSUL/CMC/DEC. N 8/95 PROTOCOLO DE HARMONIZAÇÃO DE NORMAS SOBRE PROPRIEDADE INTELECTUAL NO MERCOSUL, EM MATÉRIA DE MARCAS, INDICAÇÕES DE PROCEDÊNCIA E DENOMINAÇÕES DE ORIGEM. TENDO EM VISTA: O Artigo

Leia mais

CRUZ AZUL DE SÃO PAULO

CRUZ AZUL DE SÃO PAULO 1. TABELA DE SERVIÇOS INSTRUÇÕES DA ESCOLA PERMANÊNCIA (pós-horário) (1) R$ 27,40 LANCHE DIÁRIO avulso (2) R$ 4,40 ALMOÇO DIÁRIO avulso (2) R$ 7,70 CONTRATO DE REFEIÇÃO MENSAL ALMOÇO (2) R$ 161,00 CONTRATO

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 025/DAT/CBMSC) REDE PÚBLICA DE HIDRANTES

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 025/DAT/CBMSC) REDE PÚBLICA DE HIDRANTES ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 025/DAT/CBMSC)

Leia mais

UNIFORME DE OFICIAL R/2 (ORIENTAÇÕES)

UNIFORME DE OFICIAL R/2 (ORIENTAÇÕES) UNIFORME DE OFICIAL R/2 (ORIENTAÇÕES) PEÇA ESPECIFICAÇÃO USO AQUISIÇÃO OBSERVAÇÕES SAPATO Social preto, padrão militar, com cadarço. Preferencialmente em lojas militares Evitar uso de sapato social com

Leia mais

NORMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

NORMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN n 042/DAT/CBMSC)

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.210, DE 26 DE OUTUBRO DE 2004

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.210, DE 26 DE OUTUBRO DE 2004 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.210, DE 26 DE OUTUBRO DE 2004 Estabelece diretrizes para a revalidação e reconhecimento, pela

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 032/DAT/CBMSC) CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 032/DAT/CBMSC) CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 032/DAT/CBMSC)

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA I - INTRODUÇÃO Art. 1º Art. 2º O presente regulamento tem por finalidade normatizar as Atividades Complementares do Curso de

Leia mais

O Congresso Nacional, invocando a proteção de Deus, decreta e promulga a seguinte

O Congresso Nacional, invocando a proteção de Deus, decreta e promulga a seguinte 1967/69 Constituição da República Federativa do Brasil (de 24 de janeiro de 1967) O Congresso Nacional, invocando a proteção de Deus, decreta e promulga a seguinte CONSTITUIÇÃO DO BRASIL TÍTULO I Da Organização

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.169, DE 23 DE AGOSTO DE 2011

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.169, DE 23 DE AGOSTO DE 2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.169, DE 23 DE AGOSTO DE 2011 Disciplina o afastamento de servidores docentes e técnico-administrativos

Leia mais

PROFLETRAS R E G I M E N T O

PROFLETRAS R E G I M E N T O PROFLETRAS R E G I M E N T O CAPÍTULO I - CAPITULO II - CAPÍTULO III - CAPÍTULO IV - CAPÍTULO V - CAPÍTULO VI - CAPÍTULO VII - CAPÍTULO VIII - Das Finalidades Das Instituições Associadas Da Organização

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 301/CDEP.SEGPES.GDGSET.GP, DE 24 DE JUNHO DE 2016

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 301/CDEP.SEGPES.GDGSET.GP, DE 24 DE JUNHO DE 2016 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 301/CDEP.SEGPES.GDGSET.GP, DE 24 DE JUNHO DE 2016 Dispõe sobre a participação de servidores do Tribunal Superior do Trabalho em ações de educação corporativa

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA RESOLUÇÃO COEMA N 116, DE 03 DE JULHO DE 2014. Dispõe sobre as atividades de impacto ambiental

Leia mais

LEI N.º 10.348 DE 4 DE SETEMBRO DE 1987

LEI N.º 10.348 DE 4 DE SETEMBRO DE 1987 LEI N.º 10.348 DE 4 DE SETEMBRO DE 1987 Dispõe sobre instalação e funcionamento de elevadores e outros aparelhos de transporte, e dá outras providências. Jânio da Silva Quadros, Prefeito do Município de

Leia mais

Brasileira (UNILAB).

Brasileira (UNILAB). RESOLUÇÃO N 029/2013, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2013. Aprova o Regimento da Unidade de Auditoria Interna da Brasileira (UNILAB). Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro- O VICE-REITOR, PRO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Edital nº 285 de 29 de agosto de 2013 Teste de Verificação de Habilidade Específica THE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Edital nº 285 de 29 de agosto de 2013 Teste de Verificação de Habilidade Específica THE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Edital nº 285 de 29 de agosto de 2013 Teste de Verificação de Habilidade Específica THE O Reitor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), no uso de suas

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA E DA DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO GERAL CENTRO DE RECURSOS HUMANOS CONCURSO PÚBLICO

Leia mais

(Publicada no DOU de 20/12/2012 (nº 245, Seção 1, pág. 123)

(Publicada no DOU de 20/12/2012 (nº 245, Seção 1, pág. 123) (Publicada no DOU de 20/12/2012 (nº 245, Seção 1, pág. 123) PORTARIA N o 12.620, DE 13 DEZEMBRO DE 2012. Dispõe sobre as normas relacionadas ao credenciamento de instrutores dos cursos voltados à formação,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE ENSINO

SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE ENSINO SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE ENSINO EDITAL Nr 256-15-DE/CBMSC (Processo Nr 293-15-DE) SELEÇÃO PARA O MÓDULO DE INSTRUÇÃO GERAL PARA

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC)

Leia mais

CAPÍTULO III DA REESTRUTURAÇÃO

CAPÍTULO III DA REESTRUTURAÇÃO LEI N 3934 DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO E REORGANIZAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICIPIO DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM E DÁ OUTRA PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal de Cachoeiro de Itapemirim,

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO APRESENTAÇÃO Dispõe sobre as normas para realização de Estágio Supervisionado pelos acadêmicos da Faculdade de Belém FABEL. O presente regulamento normatiza o Estágio

Leia mais

O CONSELHO UNIVERSITÁRIO - CONSU DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO, no uso de suas atribuições estatutárias e regimentais, RESOLVE:

O CONSELHO UNIVERSITÁRIO - CONSU DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO, no uso de suas atribuições estatutárias e regimentais, RESOLVE: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO Uberaba-MG RESOLUÇÃO N 4 DE 29 DE JUNHO DE 2015, DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UFTM Estabelece normas para realização de Estágio Pós- Doutoral

Leia mais

Manual de Formatura. Manual de Formatura NOVA Faculdade

Manual de Formatura. Manual de Formatura NOVA Faculdade Manual de Formatura Direção Diretora Executiva Renata Carla Castro Diretor Geral Pablo Bittencourt Diretor Acadêmico Ricardo Medeiros Ferreira Este manual tem a finalidade de orientar os procedimentos

Leia mais

DECRETO Nº 2.134, DE 24 DE JANEIRO DE

DECRETO Nº 2.134, DE 24 DE JANEIRO DE DECRETO Nº 2.134, DE 24 DE JANEIRO DE 1997 (Revogado Pelo Decreto nº 4.553, de 27.12.2002) Regulamenta o art. 23 da Lei nº 8.159, de 8 de janeiro de 1991, que dispõe sobre a categoria dos documentos públicos

Leia mais

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS DE MEDICAMENTOS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de 26 de NOVEmbro de 2009 1 Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE GUARAPARI / ES IPG

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE GUARAPARI / ES IPG INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 002/2010 ESTABELECE NORMAS DE ADMINISTRAÇÃO PATRIMONIAL DO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE GUARAPARI / ES IPG E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Diretor Presidente

Leia mais

COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR PORTARIA Nº 156, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2014

COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR PORTARIA Nº 156, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2014 COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR PORTARIA Nº 156, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2014 Aprova o regulamento do Programa de Apoio à Pós-graduação PROAP, que se destina a proporcionar melhores

Leia mais