RODRIGO LIKES LOCKS SARAH BERNHARDT OZELAME

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RODRIGO LIKES LOCKS SARAH BERNHARDT OZELAME"

Transcrição

1 0 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE ODONTOLOGIA RODRIGO LIKES LOCKS SARAH BERNHARDT OZELAME ANÁLISE DA MORFOLOGIA DE ESMALTE DENTAL HUMANO SUBMETIDO A CLAREAMENTO COM PERÓXIDO DE HIDROGÊNIO A 7,5% ATRAVÉS DE MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE VARREDURA (MEV). Itajaí (SC) 2011

2 1 RODRIGO LIKES LOCKS SARAH BERNHARDT OZELAME ANÁLISE DA MORFOLOGIA DE ESMALTE DENTAL HUMANO SUBMETIDO A CLAREAMENTO COM PERÓXIDO DE HIDROGÊNIO A 7,5% ATRAVÉS DE MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE VARREDURA (MEV). Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como requisito parcial para obtenção do título de cirurgião-dentista do Curso de Odontologia da Universidade do Vale do Itajaí. Orientadora: Profª Lídia Morales Justino Itajaí (SC) 2011

3 2 RODRIGO LIKES LOCKS SARAH BERNHARDT OZELAME ANÁLISE DA MORFOLOGIA DE ESMALTE DENTAL HUMANO SUBMETIDO A CLAREAMENTO COM PERÓXIDO DE HIDROGÊNIO A 7,5% ATRAVÉS DE MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE VARREDURA (MEV) Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como requisito parcial para obtenção do título de cirurgião-dentista, Curso de Odontologia da Universidade do Vale do Itajaí, ao terceiro dia do mês de maio do ano de dois mil e onze, é considerado aprovado. Profª MSc. Lídia Conceição Morales Justino (Presidente) Curso de Odontologia da Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI) Prof. David Rivero Tames Curso de Odontologia da Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI) Prof. Dr. Fábio Garcia Lima Faculdade de odontologia da Universidade Federal de Pelotas - UFPel

4 3 Dedico este trabalho aos meus avós que hoje não estão presentes junto a nós, mas sei que estão me vendo lá de cima, e aos meus pais que me proporcionaram essa grande vitória. Rodrigo Likes Locks Dedico este trabalho ao meu avô Wilmar Bernhardt e minha mãe Joscilene Bernhardt, que desde cedo despertaram meu amor pela Odontologia. Sarah Bernhardt Ozelame

5 4 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus, meus pais, Arno e Lorete, por sempre terem sido estas pessoas espetaculares, por terem me educado, por acreditarem em mim e fazerem de tudo para que os meus desejos se realizassem. Agradeço também ao meu irmão, Leonardo, que passou grande parte dessa trajetória ao meu lado. A todos os meus amigos, os amigos de tempos e também aos que eu criei aqui dentro, obrigado por tudo. Ao Sérginho e ao Josué pela força durante a confecção do trabalho, ao Pacheco por ajudar com a coleta dos dentes para o estudo, a todos os funcionários, a Prof a Bete por toda a ajuda que nos deu na parte da metodologia, ao Prof o David por ter nos disponibilizado seu tempo para ajudar-nos com a leitura da microscopia, ao Fábio, da Universidade de Pelotas que realizou a leitura da microscopia, e não menos importante a nossa Prof a, orientadora, amiga e parceira de todas as horas, Prof a Lídia, uma mulher que não tem explicação, uma pessoa adorável, muito amiga, que nos orientou de maneira esplendorosa e nos ajudou durante a confecção desse nosso trabalho. Rodrigo Likes Locks Obrigado a todos que de alguma forma contribuíram para a conclusão deste trabalho: família, amigos, funcionários e professores da UNIVALI. Ao professor David e Fábio pela ajuda e conhecimentos divididos conosco. Em especial a professora Bete e a Lídia, que com carinho e paciência me ajudaram a crescer e vencer. Agradeço aos meus pais, José e Joscilene, por terem me passado valores necessários para driblar todas as adversidades e por acreditarem SEMPRE em mim e no meu potencial. Obrigada pelas palavras sábias e abraços, pelos puxões de orelha e conversas, necessárias e nas horas certas. Espelho-me no sucesso de vocês! Matheus, muito obrigada pelo companheirismo, cumplicidade e principalmente por me mostrar o real significado da palavra "irmão". Obrigada Luan, por ter tornado esta jornada mais simples, leve e divertida. Obrigada pela paciência, confiança, compreensão, amor e carinho. Muito obrigada, amo vocês! Sarah Bernhardt Ozelame

6 5 ANÁLISE DA MORFOLOGIA DE ESMALTE DENTAL HUMANO SUBMETIDO A CLAREAMENTO COM PERÓXIDO DE HIDROGÊNIO A 7,5% ATRAVÉS DE MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE VARREDURA (MEV). Rodrigo Likes LOCKS; Sarah Bernhardt OZELAME Orientadora: Prof a. Lídia Conceição Morales JUSTINO Defesa: maio 2011 Resumo O objetivo deste trabalho foi avaliar a morfologia do esmalte dental humano clareado com peróxido de hidrogênio a 7,5 % através de microscopia eletrônica de varredura (MEV). Foram utilizados noventa fragmentos removidos de quarenta e cinco molares humanos, que foram divididos em três grupos (A, B e C). Os dentes foram obtidos junto ao banco de dentes da UNIVALI. O grupo A foi o grupo controle e contou com trinta fragmentos que ficaram estocados em água destilada e deionizada, desde o preparo até a análise; no grupo B, in situ, foram confeccionados cinco aparelhos intraorais, cada um com seis fragmentos, que foram clareados com peróxido de hidrogênio a 7,5% e logo após, eram submetidos à ação do meio bucal de cinco voluntários; o grupo C foi submetido a clareamento in vitro. Os fragmentos foram analisados através da microscopia eletrônica de varredura para se comparar a morfologia entre os grupos. O grupo in vitro revelou uma superfície irregular, com áreas erosionadas e padrão de remoção mineral, em que sítios apresentaram superfície relativamente lisa e outros mostraram irregularidades em profundidades diferentes. No grupo in situ observou-se características de desmineralização compatíveis também com remoção de minerais da estrutura de esmalte sendo que poucas áreas apresentaram relativa lisura superficial, sendo visualizado os corpos dos prismas de esmalte. Concluímos que em ambos grupos houve desmineralização e alterações morfológicas no esmalte. Palavra chave: Clareamento de Dente, Peróxido de Hidrogênio, Microscopia Eletrônica de Varredura.

7 6 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO REVISÃO DE BIBLIOGRAFIA MATERIAIS E MÉTODOS APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS GRUPO CONTROLE GRUPO CICLADO IN VITRO GRUPO CICLADO IN SITU CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS... 55

8 7 1 INTRODUÇÃO Com a crescente valorização da estética atualmente, um sorriso branco, dentes alinhados e sem manchas são os principais focos de quem busca o tratamento odontológico. (ARAÚJO et al., 2007) Diversos produtos estão disponíveis em mercados e farmácias, como enxaguatórios e cremes dentais, que prometem resultados rápidos e seguros para o clareamento caseiro, utilizados sem o acompanhamento ou supervisão, baseados somente em informações, pouco esclarecedoras, contidas nas embalagens. O avanço tecnológico coloca no mercado diferentes produtos, com diferentes concentrações e formulações buscando atingir esta parcela de consumidores. O cirurgião-dentista tem à sua disposição duas técnicas de clareamento: em consultório e caseiro. O primeiro é realizada pelo profissional no consultório, com peróxidos de concentrações elevadas (30 a 50%). O tratamento clareador caseiro é realizado com peróxidos de concentrações menores, e por isso pode ser realizado pelo próprio paciente. (ESPINA et al., 2008) Como agentes clareadores, podemos citar o peróxido de hidrogênio e peróxido de carbamida, este uma composição de peróxido de hidrogênio com uréia, comprovadamente eficazes e amplamente utilizados na odontologia. Muitos trabalhos de pesquisa são realizados e, apesar disso, os resultados ainda são contraditórios, dada a diversidade de produtos e metodologias utilizados. (AGOSTINHO; GUIMARÃES; SILVA, 2003) Estudos em microscopia eletrônica de varredura relatam aumento de irregularidades que se traduzem em rugosidade superficial (ESBERARD, et al., 2004; PINTO et al., 2004; MIRANDA et al., 2005). Uma tendência de maior alteração da superfície de esmalte foi constatada por Yamashita et al. (2005), quando se utiliza um agente clareador com maior concentração de oxigênio, se comparado aos de menores concentrações Considerando-se a importância da temática, realizou-se este trabalho de investigação científica com o objetivo de avaliar a morfologia do esmalte dental

9 8 humano clareado com peróxido de hidrogênio a 7,5% mediante análise microscopia eletrônica de varredura.

10 9 2 REVISÃO DE LITERATURA O esmalte é, essencialmente, uma massa de cristais de hidroxiapatita estreitamente reunidos. Realmente, a unidade estrutural básica do esmalte o bastão deve sua existência ao padrão altamente organizado da orientação dos cristais. O formato do bastão é algo semelhante a um cilindro composto de cristais com longos eixos dispostos, em sua maioria, paralelos ao eixo longitudinal do bastão, particularmente os cristais ao longo do eixo central do bastão. Entretanto, os cristais mais distantes do eixo central dispõem-se em um grau cada vez mais inclinado, conforme se aproximam da periferia do bastão. A região interbastões é uma área que circunda cada bastão, na qual os cristais são orientados em uma direção diferente daquela do bastão. Tal grau de diferença é acentuado em torno, aproximadamente, de três quartos da circunferência do bastão. (TEN CATE, 1998). Para avaliar o efeito de agentes clareadores na superfície de esmalte com microscopia de força atômica, Hegedüs et al. (1999) utilizaram três agentes; Opalescence, Nite White e solução de peróxido de hidrogênio 30%. A superfície vestibular foi avaliada microscopicamente, antes e após o clareamento. Cada grupo foi clareado por 28 horas. Os resultados evidenciaram alterações superficiais nos três grupos. Muitos sulcos presentes inicialmente tornaram-se mais profundos após o procedimento. Sua profundidade foi variável, sendo mais pronunciada nos espécimes submetidos à solução de peróxido de hidrogênio 30%. Hipotéticamente, os agentes que contém peróxidos afetam a fase orgânica do esmalte, não somente na superfície, mas também sub-superficialmente, pelo seu baixo peso molecular e capacidade de penetração e deslocamento. Logo, o efeito oxidativo interno pode até ser mais pronunciado do que na superfície, pois mais material orgânico está presente. Um estudo realizado por Akal et al. (2001) teve como objetivo avaliar os efeitos do tratamento clareador realizado pela técnica caseira na superfície de esmalte. Foram utilizados dois agentes clareadores Karisma (Confi-Dental-USA) e Yotuel (Bioscometicis-Spain) os quais contém diferentes concentrações e composições. Foram utilizados 40 dentes previamente examinados por um

11 10 microscópio para eliminação daqueles que apresentavam maiores alterações na superfície dentária. A amostra foi dividida em 2 grupos. No grupo 1 o produto clareador foi o Karisma (peróxido de carbamida a 10%), já no grupo 2 o gel clareador escolhido foi Youtel (peróxido de carbamida a 12% com xilitol e fluoreto de potássio em sua composição). O tratamento clareador do grupo 1 foi realizado com exposição ao produto por 6 horas diárias, enquanto o grupo 2 exposto por 3 horas. O procedimento foi repetido diariamente durante 4 semanas em ambos os grupos. Cada fragmento era clareado com a espessura de 2mm de agente clareador e, após o tratamento os mesmos eram lavados com água de torneira e depois imersos em saliva artificial. Para a avaliação da morfologia do esmalte, foram separados 10 fragmentos de cada grupo para exame ao microscópico eletrônico. Os outros fragmentos foram submetidos ao teste de microdureza. Os resultados mostraram que a morfologia da superficial do esmalte submetido ao tratamento clareador de ambos os grupos, foi consideravelmente alterada quando comparada a uma amostra que não foi submetida ao tratamento. Algumas amostras tratadas com Karisma demonstraram uma dissolução de superfície do esmalte. Já o produto Yotuel causou uma ligeira alteração na morfologia. A deposição de cálcio no esmalte foi observado através das amostras do Grupo 2. O objetivo de John e Rosa (2001) foi avaliar o efeito do peróxido de carbamida a 16% sobre o esmalte dental através da microscopia eletrônica de varredura (MEV). Foram utilizados 22 fragmentos (face vestibular de incisivos humanos), divididos em dois grupos experimentais (10 fragmentos para ciclagem in vitro e 10 fragmentos para ciclagem in situ) e um grupo controle (2 fragmentos para verificação da morfologia inicial através de MEV). Durante o experimento, o grupo experimental para ciclagem in vitro e o grupo controle ficaram armazenados em água deionizada e o grupo experimental in situ ficou em contato com a saliva na cavidade oral, através da utilização de aparelhos intra-orais usados por 2 voluntários, com padrões semelhantes de higienização e alimentação. Após o experimento, 2 fragmentos de cada ciclagem foram sorteados e avaliados ao MEV. As condições cicladas in vitro e in situ, apresentaram remoção mineral, porém in vitro o aspecto reticulado é claramente visualizado e in situ, as estruturas reticulares foram cobertas (o que pode ser decorrência da deposição de material amorfo). Concluíram que a morfologia do esmalte dental clareado com

12 11 peróxido de carbamida a 16% sofreu alteração, com aspecto indicativo de remoção mineral, sendo que a na condição in situ, todos os aspectos de remoção são mais suavizados quando comparado ao grupo in vitro. Haeser e Corrêa (2002) avaliaram a morfologia do esmalte dental clareado com peróxido de carbamida 16% e submetido à aplicação de fluoreto de sódio 0,2%, em microscopia eletrônica de varredura (MEV). Foram utilizados 16 fragmentos de esmalte dental, provindos de incisivos humanos, remanescentes de outro trabalho de pesquisa, onde foram submetidos ao clareamento com peróxido de carbamida 16%. Dos 16 fragmentos, 7 foram ciclados in vitro, 7 in situ e 2 serviram de controle. As amostras cicladas in situ e in vitro foram submetidas a aplicações de fluoreto de sódio 0,2% duas vezes ao dia, durante um minuto, por catorze dias, com trocas periódicas da água deionizada. O grupo controle, sem sofrer clareamento nem fluoretação, ficou armazenado em água deionizada. Após o término do experimento, foram sorteados dois fragmentos de cada ciclagem, para verificação da morfologia em MEV. Tanto as amostras in situ quanto in vitro apresentaram remoção mineral, sendo que na condição in vitro esta situação se mostrava em maiores proporções e mais evidentes. Foram observados depósitos de fosfato de cálcio, os quais se mostraram mais acentuados na condição in situ e não tão evidentes na condição in vitro. Agostinho, Guimarães e Silva (2003) referiram que os agentes clareadores são veículos instáveis de radicais de oxigênio que quando em contato com os tecidos, promovem ora oxidação, ora redução dos pigmentos que vão sendo fracionadas em cadeias cada vez menores, sendo total ou parcialmente eliminadas da estrutura dental por difusão. Os autores realizaram um estudo revisando 40 trabalhos experimentais publicados com o objetivo de analisar os achados sobre as alterações na estrutura do esmalte após o clareamento dental. Concluíram que na maioria dos trabalhos (59%) o clareamento dental promoveu alterações significativas na morfologia de superfície do esmalte. Dos trabalhos científicos experimentais analisados neste estudo, 22 realizaram pesquisas específicas sobre a morfologia da estrutura superficial do esmalte pós-clareado. Destes, 13 encontraram alterações significativas na morfologia superficial do esmalte, enquanto 9 afirmam que estatisticamente o esmalte pós-clareado não apresenta alterações significativas na sua morfologia de superfície.

13 12 Ribeiro e Langer Filho (2003) avaliaram a microdureza do esmalte dental bovino, submetido a clareamento dental com peróxido de carbamida a 16% com e sem aplicação de fluoreto de sódio a 0,05%. Foram confeccionados trinta fragmentos de dentes bovinos, inseridos em resina ortoftálica, e depois feito o aplainamento e polimento superficial da estrutura do esmalte dental. Os fragmentos foram divididos aleatoriamente em dois grupos: grupo A composto pelos fragmentos que foram somente clareados e grupo B composto pelos fragmentos clareados e submetidos à aplicação de flúor. Após a divisão e confecção dos corpos-de-prova para ambos os grupos, foi realizado o teste inicial de microdureza do esmalte dental. Obtidos os resultados, os corpos de prova do grupo B foram submetidos 14 vezes ao processo de clareamento dental com peróxido de carbamida a 16% com posterior aplicação de fluoreto de sódio a 0,05%, sendo que no grupo A foi somente aplicado o gel de peróxido de carbamida. O gel clareador que foi aplicado em todos os corpos-de-prova, ficou em contato com a superfície de esmalte dental durante 2 horas, sendo removido com água deionizada. Para o grupo B foi realizado todo o procedimento de clareamento e remoção do gel, mais imersão dos corpos-de-prova em solução de fluoreto de sódio a 0,05% durante um período de 30 minutos. Após realização do procedimento, foram feitas as medidas finais de microdureza do esmalte dental bovino. Os resultados obtidos foram analisados segundo a escala de dureza de Vickers. A partir dos dados verificou-se que o procedimento clareador promoveu uma redução da microdureza de 9,71 (3,211%) para o grupo B e 19,03 (5,94%) para o grupo A. Pode-se concluir que o clareamento dental promove redução de microdureza do esmalte dental, que a solução de fluoreto de sódio na concentração e tempo utilizados, estatisticamente não teve influência sobre os resultados obtidos. O objetivo de Silveira e Tagliari (2003) foi avaliar através de microscopia eletrônica de varredura (MEV) a morfologia do esmalte dental humano clareado com peróxido de carbamida a 16% e submetido à aplicação de fluoreto de sódio a 0,05% e do flúor gel neutro 2%. Foram utilizados 27 fragmentos de esmalte dental, provindos de 12 terceiros molares humanos, erupcionados, indicados para a exodontia, de pacientes entre 18 e 25 anos de idade, onde foram submetidos ao clareamento com peróxido de carbamida a 16%. Dos 27 fragmentos, foram

14 13 selecionados 11 para submersão em solução de fluoreto de sódio (NaF) a 0,05% por 1 minuto uma vez ao dia, 11 para a cobertura com flúor gel neutro 2% por um minuto uma vez ao dia, e cinco para controle, os quais foram só clareados. A remoção dos fluoretos foi feita com água deionizada contida em seringa descartável, em seguida, os fragmentos foram mergulhados novamente em água deionizada, em recipientes separados, até a aplicação seguinte. Esses procedimentos foram repetidos durante quatorze dias e os fragmentos clareados durante 8 horas por dia. Após o término do experimento foram sorteados quatro fragmentos para análise da ação do fluoreto de sódio a 0,05%, quatro para análise do flúor gel neutro e dois para o grupo controle, verificados através de MEV. A superfície do esmalte dental apresentou perda mineral, sendo que foi menor do que a registrada em outros trabalhos com metodologia semelhante. Foram observadas estruturas compatíveis com depósito de fluoretos de cálcio nas amostras submetidas à ação do flúor, e estes depósitos foram maiores nas amostras submetidas ao flúor gel neutro 2% comparado à solução de NaF a 0,05%. Concluiu-se então que a aplicação de flúor após a remoção do gel clareador poderá reforçar o esmalte dental, diminuindo a perda de mineral nas aplicações subsequentes do clareador. Esberard et al. (2004) estudaram os efeitos dos agentes clareadores na superfície do esmalte através da análise da junção amelocementária após a clareação dentaria externa. Os dentes foram divididos em três grupos: grupo I, clareado com peróxido de carbamida 10%, grupo II foi clareado com peróxido de hidrogênio 35% e o grupo III foi o grupo controle. Após o término de todos os tratamentos os dentes foram imersos em hipoclorito de sódio a 2,5% por 30 minutos, para eliminação de eventuais resíduos adquiridos após o experimento e posteriormente foram examinados em microscópio eletrônico de varredura. No grupo controle, o esmalte dos dentes, normalmente, apresenta-se com os poros de desenvolvimento (marcas dos processos de Tomes) e com suas periquimácias mostrando seus términos suaves, denominados estrias de Retzius. Observa-se ainda que, nessas condições de normalidade, o esmalte termina de forma irregular junto à junção amelocementária, como consequência do achatamento das periquimácias, formando a alça cervical. O grupo I o esmalte sofreu erosão, aumentando os seus poros de desenvolvimento e realçando as periquimácias,

15 14 assim como provocando uma dissolução das partes terminais do esmalte da junção amelocementária. No grupo II o esmalte apresentou-se mais irregular, quando comparado com o grupo controle, indicando uma acentuação das periquimácias. Além disso, houve uma grande erosão sobre o esmalte. Pode-se concluir que, independente do agente clareador e técnica utilizada, as alterações morfológicas na estrutura do esmalte foram evidentes, ocorrendo erosão do esmalte, com o aumento dos seus poros de desenvolvimento e realce das periquimácias. O potencial dos efeitos adversos causados pelo uso de peróxido de carbamida a 10% em tratamentos clareadores foi avaliado por Justino, Tames e Demarco (2004) em uma pesquisa in vitro e in situ. Testes de microdureza, perda de cálcio e a análise morfológica foram estudadas em 24 unidades amostrais de esmalte obtido em pré-molares recém extraídos. O tratamento ocorreu durante 14 dias, com a utilização do agente clareador durante 8 horas por dia. Metade das unidades amostrais após o tratamento foi colocada em água deionizada (in vitro) e a outra metade foi incluída em aparelhos intraorais para uso por quatro voluntários (in situ). A dosagem de cálcio através da coleta do gel foi realizada no primeiro dia de tratamento; do segundo e sétimo dia e do oitavo ao 14º dia usando um espectrofotômetro de absorção atômica nas duas diferentes situações (in vitro e in situ). A análise do gel demonstrou que a maior remoção de cálcio ocorreu no primeiro dia de tratamento em ambas as situações, e que esse valor diminuía com o tempo, sugerindo que o agente clareador atacou primeiro a camada superficial do dente. Os resultados mostraram que a perda de cálcio foi 2,5 vezes maior in vitro do que in situ. O teste de microdureza revelou diferenças entre as condições in vitro e in situ e, entre o pré e pós-tratamento (p<0,01). Os espécimes em condições in vitro tiveram valores menores de microdureza. As amostras in situ tiveram valores similares ao grupo que não teve a ação clareadora. Através da MEV, observou-se que a superfície de esmalte nos espécimes in situ apresentava aspecto similar à superfície não clareada (em condições normais). Maiores evidências de depressões foram vistas nas condições in vitro, o que indica maior perda mineral devido à dissolução do esmalte. Os autores concluíram que os efeitos remineralizantes da saliva podem recuperar os efeitos desmineralizantes causados pelo tratamento clareador em dentes humanos in situ.

16 15 Pinto et al. (2004) conduziram um trabalho de pesquisa com o objetivo de avaliar a rugosidade, microdureza e morfologia superficial do esmalte dental humano tratado com seis agentes clareadores. Amostras de esmalte dental humano foram obtidas de terceiros molares e aleatoriamente distribuídas em sete grupos (n = 11): controle, Whiteness Perfect - peróxido de carbamida a 10% (PC 10%), Colgate Platinum - PC 10%, Day White 2Z - peróxido de hidrogênio a 7,5% (PH 7,5%), Whiteness Super - PC 37%, Opalescence Quick - PC 35% e Whiteness HP - PH 35%. Os agentes clareadores foram aplicados de acordo com as instruções dos fabricantes. O grupo controle permaneceu sem tratamento e armazenado em saliva artificial. Os resultados revelaram uma redução significante nos valores de microdureza e um aumento significante da rugosidade de superfície após o clareamento. Observações morfológicas realizadas através de microscopia eletrônica de varredura (MEV), mostraram alterações na morfologia do esmalte após o clareamento. Concluiu-se que os agentes clareadores podem alterar a microdureza, rugosidade e morfologia superficial do esmalte dental. Azevedo (2005) avaliou o desgaste e a alteração de rugosidade superficial do esmalte bovino submetido a três diferentes técnicas clareadoras e escovação simulada. Foram obtidos fragmentos de esmalte em que metade da porção de esmalte recebeu tratamento clareador e escovação simulada, ficando a outra metade como controle. A rugosidade aritmética (Ra) inicial foi determinada por rugosímetro. Os espécimes foram divididos em quatro grupos, de acordo com o tratamento empregado. Grupo 1: saliva artificial (controle); Grupo 2: peróxido de hidrogênio (PH) 35% ativado com luz híbrida (LED e laser de diodo); Grupo 3: PH 35% ativado com luz halógena; Grupo 4: clareamento com peróxido de carbamida (PC) 16% por 2h diárias durante 14 dias. Os espécimes foram imersos em saliva artificial pelo restante do tempo. Após o clareamento, a rugosidade foi determinada e os corpos-de-prova armazenados em saliva artificial por sete dias, com troca diária para remineralização, e submetidos a ciclos de escovação simulada. Posteriormente, foram determinados a rugosidade final e o desgaste superficial, o qual foi verificado utilizando a perfilometria através do rugosímetro. As médias de rugosidade superficial foram submetidas à análise de variância a dois critérios e teste de Tuckey. Como resultado, os autores encontraram que não houve diferença significante entre a rugosidade inicial e

17 16 após o clareamento. Verificou-se diferença significante após escovação simulada para os grupos avaliados, em que o G4 apresentou aumento significante da rugosidade em relação ao G2. O G1 apresentou menor desgaste que os demais grupos. Concluiu-se que o clareamento leva a superfície do esmalte a uma maior susceptibilidade, ao aumento de rugosidade e desgaste superficial, quando submetido à escovação simulada. De acordo com Basting (2005), as alterações subclínicas da micromorfologia superficial e rugosidade do esmalte, dentina e cemento podem levar a um aumento da porosidade dental e consequentemente, maior sensibilidade e retenção de placa bacteriana durante o tratamento. Este trabalho discutiu, através de um levantamento bibliográfico, o emprego do peróxido de carbamida nas técnicas de clareamento dental e seus efeitos na micromorfologia e rugosidade superficial das estruturas dentais. Apesar da possibilidade de alterações subclínicas das estruturas dentais, ainda não se determinou se elas são reversíveis microscopicamente, apesar de serem perceptíveis clinicamente. Além disso, a supervisão do profissional pode assegurar a correta indicação da técnica e do material para a obtenção de resultados satisfatórios. Foi conduzida por Miranda et al. (2005) uma análise qualitativa in vitro do esmalte dental humano após clareamento com agentes para consultório, por meio de Microscopia Eletrônica de Varredura (MEV). Para isso, 20 terceiros molares humanos hígidos foram utilizados. Os dentes foram divididos em quatro grupos: as unidades amostrais do grupo 1 foram armazenadas em saliva artificial; as amostras do grupo 2 foram clareados com peróxido de carbamida a 35% por 30 minutos; no grupo 3, foram clareados com peróxido de carbamida a 35% por 2 horas; já no grupo 4 foi aplicado peróxido de hidrogênio a 35% fotoativado com lâmpada halógena de 700mW/cm 2. A pesquisa resultou na constatação de alterações morfológicas devido ao processo erosivo, o aparecimento de porosidades, irregularidades no esmalte, formação de crateras e exposição dos prismas de esmalte. Oliveira, Leme e Giannini (2005) avaliaram a microdureza superficial do esmalte após o clareamento com peróxido de carbamida a 10% contendo cálcio ou flúor. Foram selecionadas 98 amostras de terceiros molares que receberam diferentes concentrações de agentes clareadores aplicados por seis horas

18 17 durante 14 dias. Os blocos dentais foram divididos em sete grupos. O primeiro grupo foi imerso em saliva artificial e não sofreu clareamento; o segundo grupo foi clareado com peróxido de carbamida 10%; o grupo três foi submetido a clareamento com PC + 0,05% de cálcio; o quarto grupo foi clareado com PC + 0,1% de cálcio; o grupo cinco: PC + 0,2% de cálcio; o grupo seis foi submetido a clareamento com PC + 0,2% de flúor; e o sétimo e último grupo com PC + 0,5% de flúor. A obtenção de dados foi feita durante o sétimo, décimo quarto dia e uma semana após o fim do tratamento. Foi comprovada a redução significativa de microdureza em todas as leituras de dados e em todos os grupos, mesmo aqueles com adição de cálcio e flúor. Portoloni Júnior e Cândido (2005) fizeram uma revisão de literatura para relatar possíveis efeitos causados pelos agentes clareadores nas estruturas dentais (esmalte, dentina, cemento e polpa). Concluíram que se pode esperar alguma alteração dental por tratamento clareador. O efeito cumulativo de tratamentos clareadores repetitivos, ao longo dos anos, quando executados de forma irracional, descontrolados, com indicação incorreta, pode levar a alterações irreversíveis na estrutura dental, e qualquer técnica de clareamento deve ser supervisionada pelo cirurgião-dentista. De acordo com Yamashita et al. (2006), os tratamentos clareadores com peróxido de hidrogênio a 35% levam o esmalte a alterações morfológicas, tornando-o mais rugoso e irregular. O objetivo deste trabalho foi avaliar a eficiência de dois tipos de polimento coronário. Foram utilizados 12 dentes incisivos de bovinos. Os dentes apresentavam coroas hígida e ficaram armazenados em solução de formol a 10% até o momento de sua utilização. A partir desses dentes, seccionando-se suas faces vestibulares e utilizando-se áreas entre o terço cervical e médio, foram confeccionados corpos de prova retangulares. O polimento coronário melhora o aspecto morfológico de lisura superficial do esmalte submetido ao tratamento clareador com peróxido de hidrogênio a 35% (p<0,01). O polimento com disco abrasivo ou disco de feltro, junto à pasta diamantada, mostrou resultados semelhantes entre si (p>0,05). Clinicamente, é recomendado um polimento coronário após o tratamento clareador.

19 18 Araújo, Lima e Araújo (2007) fizeram uma revisão de literatura para relatar a ação dos agentes clareadores contendo peróxido de hidrogênio e peróxido de carbamida sobre o esmalte dental humano. Face aos relatos destacados, concluíram que a literatura científica que aborda o surgimento de lesões que atingem a morfologia do esmalte dental em conseqüência da ação dos agentes clareadores tem se limitado a descrevê-las de forma significativamente heterogênea, sendo que diversos autores consideram que estas sequelas não têm ressonância clínica. Por não ser consensual, este pressuposto é questionável, daí a importância em se investigar a superfície do esmalte comprovadamente lesado pelo peróxido de carbamida e pelo peróxido de hidrogênio, fotoativado ou não, com base em procedimentos de micro-análise de alta precisão tecnológica dentre os quais a espectrometria de energia dispersiva de raios X com vistas ao estudo da profundidade das lesões e sua constituição, o que poderá contribuir para elucidar mais claramente o grau de severidade das sequelas produzidas. Berger (2007) avaliou os efeitos de agentes clareadores de alta concentração (peróxido de hidrogênio a 35%) utilizados em consultório na dureza, composição química e estrutural do esmalte humano. Foram utilizados para o estudo sessenta e cinco terceiros molares humanos hígidos, que tiveram removidos das faces vestibular e lingual, dois fragmentos de esmalte, totalizando cento e trinta fragmentos. Todos os fragmentos foram avaliados quanto a valores de microdureza superficial e trinta fragmentos foram excluídos, obtendo-se assim, cem fragmentos com valores semelhantes, divididos em dez grupos (n=10). As amostras foram polidas e submetidas ao teste de microdureza Knoop (KHN) e análise em Espectroscopia Raman Transformada de Fourier (ERTF) para determinação da relação de fosfato (PO4) e carbonato (CO3) presente no esmalte não tratado. Para o clareamento foram utilizados três diferentes agentes clareadores: Whiteness HP Maxx (W), Pola Office (P) e Opalescence Xtra (O); e três diferentes formas de irradiação: sem irradiação (SI), irradiação com lâmpada halógena (LH), irradiação com LED + Laser Diodo (L). O grupo controle não foi submetido ao tratamento clareador. Após a aplicação, os géis de clareamento eram coletados com a solução de enxágue para avaliar a concentração de cálcio através de espectrofometria de absorção atômica. As amostras em seguida,

20 19 foram submetidas novamente a espectroscopia, ao teste de microdureza superficial, e logo após, observadas em microscopia eletrônica de varredura e microscopia em luz polarizada. Na microscopia eletrônica de varredura, com exceção do grupo controle, todos os grupos apresentaram alterações morfológicas na superfície. Em microscopia de luz polarizada, os grupos Whiteness sem irradiação, com luz halógena e LED/laser, Pola Office com LED/laser e Opalescence com luz halógena e LED/laser apresentaram desmineralização em profundidade. Foi concluído com este trabalho que houve alterações no conteúdo mineral pela diminuição significativa dos valores de microdureza, perda de cálcio e desmineralização visualizada em microscopia de luz polarizada, além de alterações morfológicas na superfície do esmalte visualizadas em microscopia eletrônica de varredura. Caballero, Navarro e Lorenzo (2007) referiram que o peróxido de carbamida 10% utilizado inicialmente como agente de branqueamento, tem disponível considerável variedade de produtos com concentrações altas (entre 15% e 30%) e com baixas concentrações de peróxido de hidrogênio (entre 3,5% e 10%). A utilização generalizada deste tipo de tratamento de clareamento dental é principalmente devido à sua simplicidade, facilidade, segurança e eficácia terapêutica. O objetivo deste trabalho foi determinar os efeitos sobre a superfície do esmalte in vivo de dois clareadores de baixa concentração. Foram utilizados para clareamento caseiro em pacientes atendidos na Clínica Odontológica da Universidade de Valência. Um dos produtos continha peróxido de hidrogênio a 3,5% (FKD Kin, Barcelona, Espanha) e o outro peróxido de carbamida a 10% (Vivastyle Vivadent, Schaan, Liechtenstein). Os 20 pacientes selecionados para este estudo foram atribuídos aleatóriamente para cada um dos dois grupos de tratamento. Na análise das superfícies dentárias clareadas in vivo com produtos de baixa concentração, a microscopia eletrônica de varredura, mostrou que não ocorreram alterações morfológicas no esmalte dos dentes. Murakami (2007) avaliou em humanos, a efetividade clínica e a sensibilidade pós-clareamento dentário, e in vitro, as alterações morfológicas e na composição química do esmalte após clareamento. Estas avaliações foram realizadas após clareamento com peróxidos de hidrogênio ou carbamida 35%, com ou sem fotoativação com LED e aplicação tópica de flúor. Concluiram que: a)

21 20 O clareamento com peróxido de hidrogênio foi significativamente mais efetivo e provocou maior sensibilidade pós-operatória do que o peróxido de carbamida; b) O clareamento com peróxido de hidrogênio provocou maiores alterações morfológicas no esmalte e níveis de cálcio significantemente menores do que os grupos clareados com peróxido de carbamida; c) A fotoativação com LED não melhorou o efeito clareador e, embora sem diferenças estatisticamente significantes, aumentou a sensibilidade pós-operatória; d) Embora sem diferenças estatisticamente significantes, o uso do flúor diminuiu a sensibilidade pósoperatória. Espina et al. (2008) compararam a superfície do esmalte antes e após clareamento com dois diferentes agentes em um estudo clínico. Foram examinados pacientes do setor de atendimento odontológico do Serviço Social da Indústria (SESI Porto Alegre) que possuíam indicação e estavam interessados em clarear seus dentes. Os pacientes que atendiam todos os critérios de inclusão foram informados previamente sobre os procedimentos que seriam realizados e assinaram o termo de consentimento livre e esclarecido. No total, 20 pacientes, 8 homens e 12 mulheres totalizaram a amostra e foram divididos em dois grupos de forma randomizada. Grupo 1: 10 pacientes tratados através da técnica de clareamento caseiro e Grupo 2: 10 pacientes tratados através da técnica de consultório. Os 10 pacientes do Grupo 1 foram tratados com peróxido de carbamida a 10 % Whiteness Perfect (FGM Produtos Odontológicos) em moldeiras individuais 4 a 6 horas diárias consecutivas de segundo pré-molar a segundo pré-molar do lado oposto. Todos os pacientes realizaram o tratamento durante 14 dias consecutivos. Os 10 pacientes do Grupo 2 foram tratados com Peróxido de Hidrogênio a 35 % Whiteness HP (FGM Produtos Odontológicos) em uma única sessão, com a realização de três aplicações, conforme instrução do fabricante. Imediatamente após serem submetidos ao clareamento caseiro 9 dos 10 dentes apresentaram alterações na superfície do esmalte dos incisivos superiores. Esse número diminui para 6 quando analisaram os dentes submetidos ao tratamento de consultório. Após trinta dias do tratamento, o grupo do clareamento caseiro apresentou 3 dentes com alteração, enquanto o grupo do clareamento de consultório apresentou 2. Conclui-se que o clareamento de dentes vitais, realizado com as técnicas e os produtos utilizados, produz

22 21 alterações na superfície do esmalte. Trinta dias após o tratamento, em ambas as técnicas, caseira e de consultório, na maior parte dos casos, a superfície do esmalte apresentou aspecto visual semelhante ao do período pré-tratamento. Simões (2008) pesquisou a efetividade do clareamento caseiro com peróxido de hidrogênio de 6 a 7,5% e seu efeito sobre a rugosidade e a microdureza do esmalte dental humano em função do tempo. Foram selecionados 80 fragmentos de esmalte dental humano em tamanhos de 4x4mm, que foram manchadas com sangue equino, polidos e determinadas a cor segundo a escala Vita. Os corpos-de-prova foram aleatoriamente distribuídos em cinco grupos, sendo o Grupo 1 clareado com peróxido de carbamida a 10% Whiteness Perfect; Grupo 2 clareado com peróxido de hidrogênio a 6% White Class; Grupo 3 clareado com peróxido de hidrogênio a 7,5% White Class; Grupo 4 clareado com peróxido de hidrogênio a 6% Mix Day e o Grupo 5 clareado com peróxido de hidrogênio a 6,5% em tiras Whitestrips. O gel clareador de peróxido de carbamida a 10% foi aplicado diariamente durante seis horas. Os demais foram aplicados durante trinta minutos, duas vezes ao dia, conforme recomendação dos fabricantes. Todos os produtos foram aplicados durante três semanas e em seguida, foram estocados em saliva artificial. A rugosidade inicial foi avaliada utilizando perfilômetro e a microdureza utilizou o microdurômetro do tipo Knoop. Os resultados mostraram que após sete dias de clareamento, apenas os agentes clareadores à base de peróxido de carbamida a 10 % e peróxido de hidrogênio a 6% promoveram clareamento significativo. Aos vinte e um dias de tratamento, todos os grupos apresentaram clareamento significativo comparando com a cor inicial, exceto o grupo do produto de tiras de peróxido de hidrogênio a 6,5%, que não promoveu clareamento significativo. Ao final do experimento, a maior efetividade de clareamento foi observada nos grupos tratados com peróxido de carbamida a 10% (Whiteness Perfect) e peróxido de hidrogênio a 6% (White Class e Mix Day). O agente clareador menos efetivo foi o Whitestrips. Na avaliação da estrutura superficial, os agentes clareadores de peróxido de hidrogênio a 7,5% e a 6% causaram aumento significativo na rugosidade do esmalte, porém, após 14 dias do término do tratamento, o produto a 6% permaneceu com a rugosidade aumentada, enquanto o peróxido de hidrogênio a 7,5% teve sua rugosidade diminuída e não diferiu da rugosidade inicial. Aos 21

23 22 dias após o clareamento todos os produtos apresentaram um valor significativamente menor do que no início do tratamento. Antón, Lima e Araújo (2009) avaliaram in vitro o grau de clareamento e de desmineralização do esmalte humano submetido à ação de dentifrício clareador. Foram utilizados 72 pré-molares de humanos divididos em 6 grupos. Os dentes foram imersos em soluções concentradas de café, vinho tinto, chá preto, e outras substâncias para escurecê-los. Para avaliar a eficiência dos diferentes agentes clareadores, uma parte das amostras foi escovada com dentifrícios contendo H 2 O 2 ou bicarbonato de sódio por 28 dias, a outra parte foi clareada com gel de peróxido de carbamida. A determinação do clareamento foi obtida por espectrofotometria, já a desmineralização por laser de diodo. Foi constatado que, 14 dias após a realização do tratamento clareador com gel de peróxido de carbamida, o grupo atingiu sua máxima eficácia clareadora; com 28 dias de escovação foi comprovada a redução da desmineralização e aumento de luminosidade. O dentifrício com NaHCO 3 sódio não tem eficácia clareadora e resulta em desmineralização, já o dentifrício com peróxido de hidrogênio tem efeito clareador a partir do 14º dia, porém não consegue reduzir a cor amarela. Araújo et al. (2009) afirmam que diversas alterações observadas na morfologia do esmalte estão associadas aos procedimentos clareadores, tais como: áreas de depressão, formação de crateras, decapeamentos da estrutura clareada, porosidades superficiais, expansão das estrias incrementais de Retzius, redução dos valores de microdureza e exposição de prismas. O estudo teve por finalidade a melhor compreensão da natureza e da de possíveis sequelas que podem atingir a morfologia da superfície do esmalte dental humano advindas de aplicações de agentes clareadores presentes na formulação de dois cremes dentais. Foram utilizados vinte e cinco faces vestibulares de pré-molares superiores e inferiores, sendo divididos em 5 grupos, sendo 3 grupos-teste: GT 1, sendo utilizado Mentadent peróxido de hidrogênio, GT 2, utilizando Rembrandt peróxido de carbamida e GT 3 usando colgate com bicarbonato de sódio. Foi feito um grupo controle negativo (GC 1 ), cujo esmalte foi submetido apenas à escovação com dentifrício sem agente clareador (Colgate total 12) e um grupo controle repetitividade (GDC 2 ), escovado com dentifrício sem agente clareador. Os corpos de prova dos 3 grupos teste e do grupo controle repetitividade foram

24 23 submetidos a escurecimento, mediante imersão numa mistura constituída de partes iguais de café, chá preto, bebida à base de cola, vinho tinto e tabaco. Durante 21 dias, procedeu-se a aplicação dos dentifrícios mediante três escovações técnicas diárias adaptadas às condições experimentais deste trabalho. Após o tratamento, foram lavados com água destilada e deionizada, secos em estufa a 37 o C durante 24h. e analisados através do MEV. Os espécimes do grupo GC 1 revelam a presença marcante de camada aprismática, algumas irregularidades na superfície do esmalte, com eventuais porosidades e ranhuras. O grupo GC 2 apresentou mais regularidades, sendo possível visualizar que os prismas permaneceram intactos, não havendo significativa perda de componentes minerais. Já os corpos de prova do grupo GT 1, mostraram severas alterações na superfície do esmalte dental caracterizando expressiva agressão à integridade dos prismas, e ainda, foi possível visualizar uma rigorosa corrosão das áreas alcançadas pelo produto clareador. No grupo GT 2 foram constatadas alterações de menor severidade. Já no grupo GT 3 houve um maior número de áreas afetadas. Constata-se uma remoção quase completa da camada aprismática com perda de identidade das regiões prismáticas. Pode-se concluir que as ações químicas das substâncias presentes nos dentifrícios D 1 e D 2, embora tenham eficácia clareadora, produzem lesões com intensidades distintas. O creme dental contendo o abrasivo bicarbonato de sódio produziu lesões consideradas de maior gravidade. O objetivo de Oliveira (2009) foi avaliar os efeitos dos agentes clareadores externos utilizados na técnica de consultório e caseira nos tecidos dentários e na junção amelocementária, através de análise por microscópio eletrônico de varredura (MEV). Constituíram da amostra, quinze pré molares humanos hígidos, que foram seccionados em dois fragmentos em sua face vestibular: mesial e distal, totalizando trinta fragmentos. Estes espécimes foram separados em dois grupos: grupo A (parte mesial) sofreu ação dos agentes clareadores; e grupo B (parte distal) como grupo controle, onde os espécimes foram mantidos em saliva artificial, em estufa bacteriológica a 37ºC. O grupo A foi subdivido em outros três grupos (n=5): grupo A-I, recebeu clareamento com o produto Whiteness Standart 10 (FGM ), a base de peróxido de carbamida; no grupo A-II foi aplicado o gel Whiteness Standart 16 (FGM ), a base de peróxido de carbamida a 16%. Todos

25 24 os espécimes destes dois grupos receberam aplicação de gel clareador, na região de esmalte, junção amelocementária e cemento, por quatro horas diárias durante 14 dias consecutivos. Já no grupo A-III, os fragmentos foram clareados gel Whiteness HP Maxx (FGM ), a base de peróxido de hidrogênio 35%, indicado para o clareamento dental em consultório. O gel permaneceu na estrutura por 15 minutos, e então era aplicada luz de fotopolimerizador por 20 segundos duas vezes a cada aplicação de gel. Os resultados foram submetidos a avaliação estatística pelos testes não paramétricos de KrusKal-Wallis e Mann-Whitney, com índice de significância de 5% (p<0,05). Verificou-se que em esmalte, não houve alterações significantes. Foram observadas perda de estrutura, com formação de gaps e exposição dentinária na junção amelocementárias dos espécimes do grupo A, sendo mais acentuada no grupo A-III. Concluiu-se que na técnica realizada em consultório ocorreu uma maior perda de estrutura após o processo de clareamento, quando comparada a técnica caseira (peróxido de carbamida a 10%). Por isso são necessários critérios e cautela do cirurgião-dentista, principalmente em pacientes que possuem recessão gengival. Sasaki et al. (2009) referiram que o efeito do peróxido de carbamida utilizado na técnica de clareamento com moldeiras sobre a superficial da estrutura dentária em esquemas de duração superior a um 1 h, analisados através de MEV podem mostrar alterações na micromorfologia da superfície do esmalte, como a presença de erosões e porosidade. O objetivo deste estudo foi avaliar a microdureza e micromorfologia superficial do esmalte submetido a um tratamento de clareamento com marcas comerciais de agentes contendo peróxido de carbamida a 10% (Colgate Platinum) e peróxido de hidrogênio 7,5% (Day White 2Z). Foram utilizados 30 fragmentos de esmalte (3 mm x 3 mm), sendo fixados em resina e lixados com discos de óxido de alumínio e pastas de diamante e discos de feltro sob refrigeração de óleo mineral, a fim de obter superfícies planas e lisas. Os fragmentos foram divididos em 3 grupos, grupo 1 controle, grupo 2 clareado com peróxido de carbamida a 10% e grupo 3 com peróxido de hidrogênio 7,5% e foram analisados por MEV. O grupo 1 (controle) apresentou a menor proporção de alterações na micromorfologia superficial (20%), seguido pelo grupos 3 (peróxido de hidrogênio) com 50% e grupo 2 (peróxido de carbamida) com 80%. Concluiu-se que agentes clareadores contendo peróxido de

26 25 carbamida 10% e 7,5% de peróxido de hidrogênio podem levar a micro-alterações na micromorfologia superficial do esmalte. D Almeida (2010) mediu cálcio no gel de peróxido de hidrogênio a 7,5 %, removido durante o processo de clareamento. Foram utilizados 60 fragmentos de dentes humanos, divididos em dois grupos de 30 fragmentos cada, sendo um grupo submetido a ciclagem in situ e outro grupo à ciclagem in vitro. Para a ciclagem in vitro os fragmentos foram incluídos em resina ortoftálica, resultando nos corpos de prova. O gel foi aplicado por 1 hora durante 14 dias. A leitura do cálcio removido dos fragmentos foi feita do primeiro ao sétimo dia (primeira leitura) e do oitavo ao décimo quarto dia (segunda leitura) através da espectofotometria de absorção atômica. Os resultados mostraram que a remoção de cálcio não seguiu um padrão. Na condição in vitro, a primeira leitura apresentou maior remoção de cálcio do que a segunda. Na ciclagem in situ, a maior remoção de cálcio foi verificada na segunda leitura.

27 26 3 MATERIAIS E MÉTODOS O projeto desta pesquisa foi previamente submetido à Comissão de Ética em pesquisa da UNIVALI, tendo recebido parecer de aprovação n o 551/09a. Através de uma lupa foram selecionados quarenta e cinco molares humanos com tempo de extração variável, que não apresentavam trincas ou desmineralização, provenientes do Banco de Dentes do Curso de Odontologia da UNIVALI. Destes elementos dentais, foram obtidos noventa fragmentos de esmalte, dois de cada dente, com área de 9mm², (3mm x 3mm) e 3mm de espessura confeccionados com o auxílio de um disco diamantado dupla face (Figura 1), montado em ponta reta, sob refrigeração e em baixa velocidade (Figura 2). Figura 1 Disco diamantado dupla face para recorte dos fragmentos.

28 27 Figura 2 Recorte dos fragmentos dentários. Usou-se um especímetro para medir os fragmentos. A face superficial de esmalte foi planificada com sistema de lixas de granulação 600, e com água, sendo feito movimentos leves sempre na mesma direção (Figura 3). Figura 3 Uso do sistema de lixas d água.

29 28 O acabamento das faces laterais dos fragmentos foi feito também com disco diamantado (Figura 4). Figura 4 Acabamento com disco diamantado dupla face. Os noventa fragmentos foram assim distribuídos: trinta para ciclagem in situ (grupo A); trinta fragmentos para ciclagem in vitro (grupo B) e trinta formaram o grupo controle (grupo C). A ciclagem in situ foi realizada através de aparelhos intraorais, confeccionados com resina acrílica e fios ortodônticos, utilizados por cinco voluntários, acadêmicos de Odontologia, com padrão semelhante de higiene oral e alimentação e que não faziam uso de flúor adicional. Para confeccionar os aparelhos intraorais, foram realizadas moldagens com alginato das arcadas dentárias superiores dos voluntários e realizado o vazamento em gesso pedra. Obtidos os modelos, foram confeccionados grampos retentivos e acrilizados os aparelhos. (Figura 5). O acabamento foi efetivado com lixas de diferentes granulações e o polimento com pedra-pomes e branco de Espanha, em torno de polimento, nesta sequência.

TODO PACIENTE PODE QUAL DEVE SER A IDADE. Clareamento Dental. Odontologia Cosmética REALIZAR O TRATAMENTO CLAREADOR? MÍNIMA?

TODO PACIENTE PODE QUAL DEVE SER A IDADE. Clareamento Dental. Odontologia Cosmética REALIZAR O TRATAMENTO CLAREADOR? MÍNIMA? Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Odontologia Programa de Educação Tutorial Clareamento Dental Um dos tratamentos mais populares estéticos realizados em dentes escurecidos (Klaric, 2014).

Leia mais

O TRATAMENTO PROFISSIONAL DA HIPERSENSIBILIDADE.

O TRATAMENTO PROFISSIONAL DA HIPERSENSIBILIDADE. O TRATAMENTO PROFISSIONAL DA HIPERSENSIBILIDADE. VOCÊ RESOLVENDO O PROBLEMA DO SEU PACIENTE. CONTÉM NANO- HIDROXIAPATITA Pasta Dessensibilizante e Remineralizante AF. folder 40x7 nano p.indd 6/6/0 :40:49

Leia mais

TRANSFORMAÇÃO DA FORMA DOS LATERAIS CONÓIDES UTILIZANDO RESINA COMPOSTA (ESTHET-X)

TRANSFORMAÇÃO DA FORMA DOS LATERAIS CONÓIDES UTILIZANDO RESINA COMPOSTA (ESTHET-X) TRANSFORMAÇÃO DA FORMA DOS LATERAIS CONÓIDES UTILIZANDO RESINA COMPOSTA (ESTHET-X) Caso clínico realizado pelo especialista em Dentística Restauradora HECTOR GREGORY SOCIAS JUNIOR (República Dominicana).

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RUGOSIDADE

AVALIAÇÃO DA RUGOSIDADE AVALIAÇÃO DA RUGOSIDADE SUPERFICIAL DE RESINA COMPOSTA APÓS A AÇÃO DE AGENTES CLAREADORES IMEDIATOS William Kabbach* Flávia Magnani Bevilacqua** Juliana Alvares Duarte Bonini Campos*** Welingtom Dinelli****

Leia mais

27/05/2014. Dentística I. Classe III. Classe I. Classe V. Terapêutica ou protética; Simples, composta ou complexa.

27/05/2014. Dentística I. Classe III. Classe I. Classe V. Terapêutica ou protética; Simples, composta ou complexa. Mauro A Dall Agnol UNOCHAPECÓ mauroccs@gmail.com Classe I Classe II Classe III Classe IV Classe V Classe I Classe II Classe III Classe IV Classe V Dentística I Terapêutica ou protética; Simples, composta

Leia mais

MILHÕES P O O S A I S O M E N I T M U 8DE SORRISOS. www.fgm.ind.br 0800 644 6100 PROMOÇÕES VÁLIDAS ENQUANTO DURAREM OS ESTOQUES.

MILHÕES P O O S A I S O M E N I T M U 8DE SORRISOS. www.fgm.ind.br 0800 644 6100 PROMOÇÕES VÁLIDAS ENQUANTO DURAREM OS ESTOQUES. MILHÕES 8DE SORRISOS M U I T M U O I T M A I S O M E N P O O S R BRINDES DESCONTOS ECONOMIA QUALIDADE www.fgm.ind.br 0800 644 6100 PROMOÇÕES VÁLIDAS ENQUANTO DURAREM OS ESTOQUES. LEVE AGORA! WHITE CLASS

Leia mais

avaliação dos modos de descolagem e a presença de fraturas no esmalte, após os ensaios mecânicos.

avaliação dos modos de descolagem e a presença de fraturas no esmalte, após os ensaios mecânicos. da resistência ao cisalhamento destes materiais, com e sem condicionamento ácido do esmalte, após 48 horas e 10 dias; verificação da influência do período dos ensaios mecânicos sobre a resistência ao cisalhamento;

Leia mais

MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB -

MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB - 1 MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB - Porto Alegre, 2014. 1 2 S ODONTOLÓGICOS PARA AUXILIARES E TÉCNICOS EM SAÚDE BUCAL Tabela 1: Tipos de Procedimentos Odontológicos para

Leia mais

Materiais e Técnicas com Wanderley de Almeida Cesar Jr.

Materiais e Técnicas com Wanderley de Almeida Cesar Jr. Artigos Materiais e Técnicas com Wanderley de Almeida Cesar Jr. Agregando valor aos procedimentos diários: do clareamento à fratura dental. Atualmente, observa-se que as novas idéias e a avaliação contínua

Leia mais

YOTUEL ALL IN ONE. Instruções de uso: Escovar os dentes 3 vezes por dia, durante 3 minutos.

YOTUEL ALL IN ONE. Instruções de uso: Escovar os dentes 3 vezes por dia, durante 3 minutos. YOTUEL ALL IN ONE Dentífrico branqueador para a higiene dentária Yotuel All In One é o primeiro dentífrico com peróxido de carbamida, para uso diário, que ajuda a proteger o esmalte dentário das agressões

Leia mais

ALTERAÇÕES NA MICRODUREZA DO ESMALTE DENTAL HUMANO TRATADO IN VITRO E IN SITU COM DIFERENTES SISTEMAS CLAREADORES E ESPESSANTES

ALTERAÇÕES NA MICRODUREZA DO ESMALTE DENTAL HUMANO TRATADO IN VITRO E IN SITU COM DIFERENTES SISTEMAS CLAREADORES E ESPESSANTES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO CURSO DE MESTRADO EM ODONTOLOGIA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM DENTÍSTICA ALTERAÇÕES NA MICRODUREZA DO ESMALTE DENTAL HUMANO TRATADO IN VITRO E IN SITU COM DIFERENTES

Leia mais

Introdução à análise de dados longitudinais

Introdução à análise de dados longitudinais Prof Caio Azevedo Prof Caio Azevedo Introdução (Dados de) Medidas repetidas: medidas feitas nas mesmas unidades experimentais ao longo de alguma condição de avaliação (distância, peso, tempo etc) Dados

Leia mais

ilecris@univap.br munin@univap.br

ilecris@univap.br munin@univap.br AVALIAÇÃO DO CLAREAMENTO DENTAL COM PERÓXIDO DE CARBAMIDA A 16%, SUBMETIDOS A DIFERENTES PIGMENTOS, ATRAVÉS DE ANÁLISE DE FOTORREFLECTÂNCIA E RUGOSIDADE Ana Paula Borges Ramos 1,Ilene Cristine Rosia Cesar

Leia mais

Nova linha Close Up Diamond Attraction White. Dentes mais brancos * em um instante

Nova linha Close Up Diamond Attraction White. Dentes mais brancos * em um instante Nova linha Close Up Diamond Attraction White Dentes mais brancos * em um instante *O efeito branqueador instantâneo é ótico e temporário, e pode variar de pessoa para pessoa, dependendo da cor inicial

Leia mais

ESTUDO DOS EFEITOS DO CLAREAMENTO DENTAL SOBRE O ESMALTE: UMA REVISÃO DAS EVIDÊNCIAS PARA A INDICAÇÃO CLÍNICA

ESTUDO DOS EFEITOS DO CLAREAMENTO DENTAL SOBRE O ESMALTE: UMA REVISÃO DAS EVIDÊNCIAS PARA A INDICAÇÃO CLÍNICA ESTUDO DOS EFEITOS DO CLAREAMENTO DENTAL SOBRE O ESMALTE: UMA REVISÃO DAS EVIDÊNCIAS PARA A INDICAÇÃO CLÍNICA ESTUDO DOS EFEITOS DO CLAREAMENTO DENTAL SOBRE O ESMALTE: UMA REVISÃO DAS EVIDÊNCIAS PARA A

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Analisando-se a imagem de um dente íntegro, todas as suas partes são facilmente identificáveis, pois já conhecemos sua escala de radiopacidade e posição

Leia mais

RESIDÊNCIA PEDIÁTRICA

RESIDÊNCIA PEDIÁTRICA Residência Pediátrica 2012;2(2):12-9. RESIDÊNCIA PEDIÁTRICA Use of fluoride toothpaste by preschoolers: what pediatricians should know? ; Ana Paula Pires dos Santos pré-escolar. Resumo Resultados e conclusões:

Leia mais

CAPÍTULO 5. Materiais e Métodos 97. Errar é humano. Botar a culpa nos outros, também. Millôr Fernandes (76 anos), humorista brasileiro

CAPÍTULO 5. Materiais e Métodos 97. Errar é humano. Botar a culpa nos outros, também. Millôr Fernandes (76 anos), humorista brasileiro Materiais e Métodos 97 CAPÍTULO 5 Errar é humano. Botar a culpa nos outros, também. Millôr Fernandes (76 anos), humorista brasileiro Toda a empresa precisa ter gente que erra, que não tem medo de errar

Leia mais

Resultados e Discussões 95

Resultados e Discussões 95 Resultados e Discussões 95 É interessante observar, que a ordem de profundidade máxima não obedece à ordem de dureza Shore A. A definição de dureza é exatamente a dificuldade de se penetrar na superfície

Leia mais

5 Discussão dos Resultados

5 Discussão dos Resultados 87 5 Discussão dos Resultados No procedimento de análises das imagens gráficas obtidas nas simulações pelo método de elementos finitos, comparou-se a distribuição das tensões nas restaurações com material

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

A QUÍMICA E A CONSERVAÇÃO DOS DENTES RESUMO

A QUÍMICA E A CONSERVAÇÃO DOS DENTES RESUMO A QUÍMICA E A CONSERVAÇÃO DOS DENTES Lidiani Terenciani Nazaro¹; Jandira Aparecida Simoneti² UEMS - Caixa postal 351 - CEP: 79804-970 Dourados - MS¹ E-mail: lidi.nazaro@gmail.com, Bolsista de Extensão.

Leia mais

BÁRBARA PRISCILLA SÁ ROBERTA ALINY SANTOS BENDINI AVALIAÇÃO DO ESMALTE BOVINO CLAREADO E ESCOVADO COM DENTIFRÍCIO COM E SEM BICARBONATO DE SÓDIO

BÁRBARA PRISCILLA SÁ ROBERTA ALINY SANTOS BENDINI AVALIAÇÃO DO ESMALTE BOVINO CLAREADO E ESCOVADO COM DENTIFRÍCIO COM E SEM BICARBONATO DE SÓDIO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE ODONTOLOGIA BÁRBARA PRISCILLA SÁ ROBERTA ALINY SANTOS BENDINI AVALIAÇÃO DO ESMALTE BOVINO CLAREADO E ESCOVADO COM DENTIFRÍCIO COM E SEM

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 23

PROVA ESPECÍFICA Cargo 23 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 23 QUESTÃO 31 Com relação aos tecidos dentários, analise as afirmativas abaixo: 1) O esmalte é um tecido duro, que constitui a maior parte do dente, determinando a forma da coroa.

Leia mais

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DENTÍSTICA ANDRESSA WINSCH TESCHE

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DENTÍSTICA ANDRESSA WINSCH TESCHE 0 UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DENTÍSTICA ANDRESSA WINSCH TESCHE INFLUÊNCIA DO USO DE PIGMENTOS DURANTE O CLAREAMENTO DENTAL PASSO FUNDO 2011 1 ANDRESSA

Leia mais

Têm o Prazer de Apresentar

Têm o Prazer de Apresentar Têm o Prazer de Apresentar A Família de Produtos Branqueamento por LED Caneta StarBright Sistema de Branqueamento Doméstico UVBleachbright Porquê Branquear os Dentes? O sorriso é a primeira coisa em que

Leia mais

IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Em um dente íntegro, suas imagens são facilmente identificáveis, pois já conhecemos a escala de radiopacidade. Estudamos as imagens das estruturas anatômicas, suas

Leia mais

Genéricos - Guia Básico. Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461

Genéricos - Guia Básico. Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461 Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461 Versão 3.00 2001 Introdução: Este guia visa a orientar o profissional farmacêutico sobre os genéricos, e como este deve proceder na hora de aviar uma receita nesta nova

Leia mais

Para todos os casos! Implantes-ANKYLOS. Informação ao paciente. Degussa Dental

Para todos os casos! Implantes-ANKYLOS. Informação ao paciente. Degussa Dental Para todos os casos! Implantes-ANKYLOS Informação ao paciente Degussa Dental Fornecido pelo seu cirurgião-dentista: Prezado(a) paciente, Mais cedo ou mais tarde acontece com cada um de nós: os primeiros

Leia mais

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA. Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA. Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola A avaliação e promoção de saúde bucal é ação essencial que integra o Componente I do Programa Saúde

Leia mais

Curso de Extensão em Clínica Odontológica Faculdade de Odontologia de Piracicaba - UNICAMP

Curso de Extensão em Clínica Odontológica Faculdade de Odontologia de Piracicaba - UNICAMP Restauração Indireta em Dente Posterior Associando Adesivo e Compósito com Nanopartículas Mario Fernando de Góes Cristiana Azevedo Vinicius Di Hipólito Luís Roberto Martins Cláudio Bragoto Curso de Extensão

Leia mais

Escrito por Administrator Ter, 02 de Fevereiro de 2010 09:14 - Última atualização Qua, 10 de Março de 2010 08:44

Escrito por Administrator Ter, 02 de Fevereiro de 2010 09:14 - Última atualização Qua, 10 de Março de 2010 08:44 Mitos e Verdades da Odontologia Mitos: Quanto maior e colorida for nossa escova dental, melhor! Mentira. A escova dental deve ser pequena ou média para permitir alcançar qualquer região da nossa boca.

Leia mais

Técnica de impressão em dois tempos Técnica de afastamento com duplo fio

Técnica de impressão em dois tempos Técnica de afastamento com duplo fio ESTÉTICA ESTÉTICA ESTÉTICA ESTÉTICA ESTÉTICA Técnica de impressão em dois tempos Técnica de afastamento com duplo fio Prof. Dr. Glauco Rangel Zanetti Doutor em Clínica Odontológica - Prótese Dental - FOP-Unicamp

Leia mais

HIPERSENSIBILIDADE. Pasta Dessensibilizante Colgate Sensitive Pró-Alívio TM com tecnologia Pro-Argin TM

HIPERSENSIBILIDADE. Pasta Dessensibilizante Colgate Sensitive Pró-Alívio TM com tecnologia Pro-Argin TM Pasta Dessensibilizante Colgate Sensitive Pró-Alívio TM com tecnologia Pro-Argin TM HIPERSENSIBILIDADE Produto em processo de aprovação junto à ANVISA www.colgateprofissional.com.br Apresentando Pro-Argin

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL 23/2014

PROCESSO SELETIVO EDITAL 23/2014 PROCESSO SELETIVO EDITAL 23/2014 CARGO E UNIDADES: Odontólogo (Unidade Móvel) Atenção: NÃO ABRA este caderno antes do início da prova. Tempo total para resolução desta prova: 3 (três) horas. I N S T R

Leia mais

ODONTOLOGIA ESTÉTICA

ODONTOLOGIA ESTÉTICA ODONTOLOGIA ESTÉTICA O sorriso enaltece os dentes que podem assim como outros elementos da face denunciar a idade cronológica do ser humano por meio de desgastes ou mesmo pela alteração da cor. Nesse contexto,

Leia mais

manter um dente recém- período suficientemente prolongado correção ortodôntica que se conceito polêmico.

manter um dente recém- período suficientemente prolongado correção ortodôntica que se conceito polêmico. Introdução CONTENÇÕES EM ORTODONTIA em ortodontia é o procedimento para manter um dente recém- movimentado em posição por um período suficientemente prolongado para assegurar a manutenção da correção ortodôntica

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MANCHAMENTO CAUSADO POR PIGMENTOS PROVENIENTES DE BEBIDAS EM DENTES CLAREADOS

AVALIAÇÃO DO MANCHAMENTO CAUSADO POR PIGMENTOS PROVENIENTES DE BEBIDAS EM DENTES CLAREADOS JULIANA GONÇALVES MAGALHÃES AVALIAÇÃO DO MANCHAMENTO CAUSADO POR PIGMENTOS PROVENIENTES DE BEBIDAS EM DENTES CLAREADOS Dissertação apresentada à Faculdade de Odontologia de São José dos Campos Universidade

Leia mais

Microabrasão do esmalte: procedimento estético como busca de recuperação da auto-estima

Microabrasão do esmalte: procedimento estético como busca de recuperação da auto-estima Artigo Clínico Microabrasão do esmalte: procedimento estético como busca de recuperação da auto-estima Wanderley de Almeida Cesar Jr.*, Cinthya Dutra de Almeida Cesar** Resumo Em muitos casos no dia-a-dia

Leia mais

VEJA COMO A CÁRIE É FORMADA

VEJA COMO A CÁRIE É FORMADA VEJA COMO A CÁRIE É FORMADA E AJUDE A PREVENÍ-LA Sua dieta e seus hábitos de saúde bucal podem fazer uma grande diferença A RELAÇÃO ENTRE OS DENTES, BACTÉRIAS E OS ÁCIDOS DO AÇÚCAR Esses fatores desencadeiam

Leia mais

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Desenvolvimento da Gestão Descentralizada ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL DIAGNÓSTICO PRECOCE E PREVENÇÃO DO CÂNCER BUCAL RELATÓRIO

Leia mais

AV. TAMBORIS ESQUINA COM RUA DAS PEROBAS, S/Nº - SETOR SÃO LOURENÇO CEP 76530-000 MUNDO NOVO GOIÁS FONES:

AV. TAMBORIS ESQUINA COM RUA DAS PEROBAS, S/Nº - SETOR SÃO LOURENÇO CEP 76530-000 MUNDO NOVO GOIÁS FONES: SAÚDE BUCAL INTRODUÇÃO A evolução da Odontologia enquanto ciência da saúde é uma realidade incontestável. Dentro deste contexto de mudanças de paradigma, no qual a Promoção de Saúde toma o lugar da prática

Leia mais

INSTRUMENTAL E INSTRUMENTAÇÃO EM PERIODONTIA

INSTRUMENTAL E INSTRUMENTAÇÃO EM PERIODONTIA Aplicação do t Manual INSTRUMENTAL E INSTRUMENTAÇÃO EM PERIODONTIA Classificação Geral Identificação dos instrumentos t SONDAS PERIODONTAIS EXPLORADORES CURETAS ENXADAS FOICES LIMAS Instrumentos Exploradores

Leia mais

RELATÓRIO DE ANÁLISE DO COMPORTAMENTO

RELATÓRIO DE ANÁLISE DO COMPORTAMENTO CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE SANTO ANDRÉ Ana Paula Sampaio Valera Damaris Lima de Oliveira.. RELATÓRIO DE ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Santo André Novembro/2011 CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE SANTO

Leia mais

A) a existência do oceano líquido é uma hipótese possível, pois um sal solúvel só forma uma mistura homogênea com a água, quando ela está líquida.

A) a existência do oceano líquido é uma hipótese possível, pois um sal solúvel só forma uma mistura homogênea com a água, quando ela está líquida. TEXTO PARA A QUESTÃO 1. Sonda espacial detecta sal de cozinha em lua de Saturno A análise da composição química do anel mais externo de Saturno revelou a presença de 98% de água, 1% de cloreto de sódio,

Leia mais

Clareamento dental Associação de técnicas para obtenção de efetividade e naturalidade

Clareamento dental Associação de técnicas para obtenção de efetividade e naturalidade CASO CLÍNICO A linha inovadora de clareamento dental da Angelus TÍTULO Clareamento dental Associação de técnicas para obtenção de efetividade e naturalidade AUTOR AUTORES Jorge Eustáquio Mestre em Dentística

Leia mais

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA ENGENHARIA MECÂNICA INDUSTRIAL Análise dos Parâmetros que Influenciaram a Falha dos Parafusos Calibrados Aço1045 A do Acoplamento de Engrenagem da Mesa Giratória ria do Laminador

Leia mais

Bebida constituída de frutos de açaí e café: Uma alternativa viável

Bebida constituída de frutos de açaí e café: Uma alternativa viável Bebida constituída de frutos de açaí e café: Uma alternativa viável O açaí constitui-se a base da alimentação cotidiana de diversas famílias da região Norte do Brasil e oferece grande disponibilidade de

Leia mais

A Integração da Equipe de Saúde Bucal nos Serviços de Saúde

A Integração da Equipe de Saúde Bucal nos Serviços de Saúde A Integração da Equipe de Saúde Bucal nos Serviços de Saúde Trabalho em Saúde Economia globalizada transforma o trabalho afeta os meios e as relações de trabalho substituindo trabalho individual trabalho

Leia mais

INSTALAÇÃO DE UNIDADES DE DESFLUORETAÇÃO PARA AS ÁGUAS DE CAPTAÇÃO SUBTERRÂNEA NAS LOCALIDADES SANTA MARIA E TIBAGÍ DAE SÃO CAETANO DO SUL

INSTALAÇÃO DE UNIDADES DE DESFLUORETAÇÃO PARA AS ÁGUAS DE CAPTAÇÃO SUBTERRÂNEA NAS LOCALIDADES SANTA MARIA E TIBAGÍ DAE SÃO CAETANO DO SUL INSTALAÇÃO DE UNIDADES DE DESFLUORETAÇÃO PARA AS ÁGUAS DE CAPTAÇÃO SUBTERRÂNEA NAS LOCALIDADES SANTA MARIA E TIBAGÍ DAE SÃO CAETANO DO SUL 1 SÍNTESE DO TRABALHO A SER APRESENTADO A existência de dois poços

Leia mais

DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO

DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO Igor Fernandes de Abreu (*), Giovane César

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DO POSSÍVEL METEORITO DE SÃO MAMEDE PB

ANÁLISE PRELIMINAR DO POSSÍVEL METEORITO DE SÃO MAMEDE PB ANÁLISE PRELIMINAR DO POSSÍVEL METEORITO DE SÃO MAMEDE PB HISTÓRICO Por volta de 12h do dia 19 de junho de 2015, o Sr. Jonas Tiburtino Nóbrega, de 32 anos, que trabalha na operação tapaburacos do Departamento

Leia mais

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários Nosso consultório odontológico está equipado para oferecer ao produtor rural todos os tratamentos odontológicos disponíveis na atualidade. Segue abaixo uma discriminação detalhada de cada tratamento oferecido

Leia mais

ESTUDO PARA IMPERMEABILIZAÇÃO NA INTERFACE ESTRUTURA METÁLICA E ALVENARIA

ESTUDO PARA IMPERMEABILIZAÇÃO NA INTERFACE ESTRUTURA METÁLICA E ALVENARIA ESTUDO PARA IMPERMEABILIZAÇÃO NA INTERFACE ESTRUTURA METÁLICA E ALVENARIA Joel Henrique Rohr 1 Resumo: Uma das patologias existentes na construção civil são as infiltrações. Um dos pontos críticos das

Leia mais

59 Brunimento, lapidação, polimento

59 Brunimento, lapidação, polimento A U A UL LA Brunimento, lapidação, polimento Apesar de todos os cuidados, as peças usinadas e mesmo as de acabamento em máquina, como é o caso da retificação, apresentam sulcos ou riscos mais ou menos

Leia mais

ODONTO IDÉIAS Nº 07. As 100 Melhores Idéias da Odontologia CALIBRADORES DE ESPAÇO INTERPROXIMAL

ODONTO IDÉIAS Nº 07. As 100 Melhores Idéias da Odontologia CALIBRADORES DE ESPAÇO INTERPROXIMAL ODONTO IDÉIAS Nº 07 As 100 Melhores Idéias da Odontologia CALIBRADORES DE ESPAÇO INTERPROXIMAL Nossa intenção com esta coluna é reconhecer o espírito criativo do Cirurgião Dentista brasileiro, divulgando

Leia mais

Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB

Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB 6º SINPLO Simpósio Internacional de Planos Odontológicos Fabiana Car Pernomiam 2011 Ergonomia racionalizar o trabalho, possibilitar

Leia mais

Retificação: conceitos e equipamentos

Retificação: conceitos e equipamentos Retificação: conceitos e equipamentos A UU L AL A Até a aula anterior, você estudou várias operações de usinagem executadas em fresadora, furadeira, torno, entre outras. A partir desta aula, vamos estudar

Leia mais

PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS

PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS MANUAL DE BOAS PRÁTICAS E DICAS PARA UMA PINTURA EFICIENTE DE PISO Sempre que desejamos fazer uma pintura de piso, Industrial ou não, devemos ter em mente quais são os objetivos

Leia mais

Características e informação nutricional do ovo

Características e informação nutricional do ovo Características e informação nutricional do ovo Há muito tempo foi confirmada a eficácia e grande importância do ovo na alimentação das pessoas. De fácil preparação e digestão não foi difícil incorporar

Leia mais

5 Conclusão e discussões

5 Conclusão e discussões 5 Conclusão e discussões O presente estudo procurou entender melhor o universo dos projetos de patrocínio de eventos, principalmente com o objetivo de responder a seguinte questão: quais são as principais

Leia mais

4.Materiais e métodos

4.Materiais e métodos 4.Materiais e métodos 4.1. Material em estudo O material em estudo, de procedência sueca (Sandvik), foi adquirido como chapa laminada a quente de 3mm de espessura, recebendo posteriormente tratamento térmico

Leia mais

Ensaio de fadiga. Em condições normais de uso, os produtos. Nossa aula. Quando começa a fadiga

Ensaio de fadiga. Em condições normais de uso, os produtos. Nossa aula. Quando começa a fadiga A U A UL LA Ensaio de fadiga Introdução Nossa aula Em condições normais de uso, os produtos devem sofrer esforços abaixo do limite de proporcionalidade, ou limite elástico, que corresponde à tensão máxima

Leia mais

Controle da qualidade em uma fábrica de sorvetes de pequeno porte

Controle da qualidade em uma fábrica de sorvetes de pequeno porte Controle da qualidade em uma fábrica de sorvetes de pequeno porte Fernanda Lima Pereira 1, Suelem Correia Garcia 1, Tiago Rodrigues da Costa 1, Rodrigo Herman da Silva 2 ¹Estudante do curso de Engenharia

Leia mais

Segundo a Portaria do Ministério da Saúde MS n.o 1.469, de 29 de dezembro de 2000, o valor máximo permitido (VMP) da concentração do íon sulfato (SO 2

Segundo a Portaria do Ministério da Saúde MS n.o 1.469, de 29 de dezembro de 2000, o valor máximo permitido (VMP) da concentração do íon sulfato (SO 2 11 Segundo a Portaria do Ministério da Saúde MS n.o 1.469, de 29 de dezembro de 2000, o valor máximo permitido (VMP) da concentração do íon sulfato (SO 2 4 ), para que a água esteja em conformidade com

Leia mais

Dicas rápidas para visitas a crianças de 5 a 7 anos

Dicas rápidas para visitas a crianças de 5 a 7 anos Sorriso Saudável, Futuro Brilhante Dicas rápidas para visitas a crianças de 5 a 7 anos Para essa visita básica à sala de aula ou instituição, apresente-se, fale com as crianças sobre o Dr. Dentuço, e faça

Leia mais

As forças atrativas entre duas moléculas são significativas até uma distância de separação d, que chamamos de alcance molecular.

As forças atrativas entre duas moléculas são significativas até uma distância de separação d, que chamamos de alcance molecular. Tensão Superficial Nos líquidos, as forças intermoleculares atrativas são responsáveis pelos fenômenos de capilaridade. Por exemplo, a subida de água em tubos capilares e a completa umidificação de uma

Leia mais

Palavras-Chave Cor, Espectrofotometria, Própolis, Resina composta, Café

Palavras-Chave Cor, Espectrofotometria, Própolis, Resina composta, Café Ciências da Vida - Odontologia AVALIAÇÃO ATRAVÉS DA ESPECTROFOTOMETRIA DAS ALTERAÇÕES DE COR EM DUAS RESINAS COMPOSTAS COM O USO DE SOLUÇÃO A BASE DE PRÓPOLIS TIPIFICADA ASSOCIADA OU NÃO À INGESTÃO DE

Leia mais

Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph

Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph À prova de fogo Reparos externos e reabilitação estrutural para infraestruturas

Leia mais

DUREZA DE CORPOS SINTERIZADOS Por Domingos T. A. Figueira Filho

DUREZA DE CORPOS SINTERIZADOS Por Domingos T. A. Figueira Filho DUREZA DE CORPOS SINTERIZADOS Por Domingos T. A. Figueira Filho 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS. Como os corpos sinterizados são compostos de regiões sólidas e poros, os valores de macrodureza determinados pelos

Leia mais

Visão Clínica. A odontologia Interdisciplinar na Estética Dental Anterior The interdisciplinary dentistry at the anterior dental aesthetics

Visão Clínica. A odontologia Interdisciplinar na Estética Dental Anterior The interdisciplinary dentistry at the anterior dental aesthetics Visão Clínica A odontologia Interdisciplinar na Estética Dental Anterior The interdisciplinary dentistry at the anterior dental aesthetics Cláudio Pinho*, Patricia N. R. Pereira**, José Maria Gratone***

Leia mais

Papel. Etapa 6- Esta etapa trata-se do papel sendo utilizado por seus consumidores em diversas formas, como em livros, cartas, jornais, etc.

Papel. Etapa 6- Esta etapa trata-se do papel sendo utilizado por seus consumidores em diversas formas, como em livros, cartas, jornais, etc. Ciclo de Vida Papel Há divergência quanto ao período de surgimento do papel, pois foi um processo que foi sendo desenvolvido ao longo dos anos, porém há registros deste sendo utilizado primeiramente pelos

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Bioquímica, aula prática, efeito do ph, hidroxiapatita.

PALAVRAS-CHAVE Bioquímica, aula prática, efeito do ph, hidroxiapatita. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO 098-ETE PHILADELPHO GOUVEA NETTO - São José do Rio Preto SP

Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO 098-ETE PHILADELPHO GOUVEA NETTO - São José do Rio Preto SP CEETEPS Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO 098-ETE PHILADELPHO GOUVEA NETTO - São José do Rio Preto SP APOSTILA DE MATERIAIS DE PROTESE MATERIAIS DE MOLDAGEM

Leia mais

ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL

ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL Vamos descrever a seguir as principais imagens das alterações da raiz dental. As ocorrências, em sua maioria, são provenientes de causas patológicas. FORMA

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2003 (Do Sr. Rubens Otoni) CAPÍTULO I. Disposições Preliminares

PROJETO DE LEI Nº, DE 2003 (Do Sr. Rubens Otoni) CAPÍTULO I. Disposições Preliminares PROJETO DE LEI Nº, DE 2003 (Do Sr. Rubens Otoni) Regulamenta o exercício das profissões detécnico em Higiene Dental e de Atendente de Consultório Dentário. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I Disposições

Leia mais

Companhia Hidro Elétrica do São Francisco DIRETORIA ADMINISTRATIVA. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI

Companhia Hidro Elétrica do São Francisco DIRETORIA ADMINISTRATIVA. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Companhia Hidro Elétrica do São Francisco DIRETORIA ADMINISTRATIVA Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Número Sistema : RECURSOS HUMANOS Sub-Sistema : Vigência : 01/12/2014 Emissão : 01/12/2014

Leia mais

Profilaxia. Verniz de flúor transparente com fluoreto de cálcio e de sódio. Bifluorid 12 em embalagens Single Dose. Indicações: Indicações:

Profilaxia. Verniz de flúor transparente com fluoreto de cálcio e de sódio. Bifluorid 12 em embalagens Single Dose. Indicações: Indicações: Bifluorid 12 Bifluorid 12 Single Dose Verniz de flúor transparente com fluoreto de cálcio e de sódio Bifluorid 12 em embalagens Single Dose Reparação de cerâmica directa Tratamento de hipersensibilidade

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

Experimento 2: CONDUTIVIDADE ELÉTRICA DE ALGUNS MATERIAIS

Experimento 2: CONDUTIVIDADE ELÉTRICA DE ALGUNS MATERIAIS PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID/UNICAMP Experimento 2: CONDUTIVIDADE ELÉTRICA DE ALGUNS MATERIAIS Professores responsáveis: Prof. Dr. Adriana Vitorino Rossi Prof. Márcia Zanchetta

Leia mais

II-109 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO

II-109 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO II-19 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO Marcelo Hemkemeier (1) Químico Industrial pela Universidade

Leia mais

Placa bacteriana espessa

Placa bacteriana espessa A IMPORTÂNCIA DA SAÚDE BUCAL A saúde bucal é importante porque a maioria das doenças e a própria saúde começam pela boca. Por exemplo, se você não se alimenta bem, não conseguirá ter uma boa saúde bucal,

Leia mais

Protemp TM 4. Material Provisório à Base de Bisacril. Restauração provisória. qualidade. com a 3M ESPE

Protemp TM 4. Material Provisório à Base de Bisacril. Restauração provisória. qualidade. com a 3M ESPE Protemp TM 4 Material Provisório à Base de Bisacril Restauração provisória com a qualidade 3M ESPE Protemp TM 4 Com 40 anos de experiência em materiais provisórios e amplo conhecimento em produtos com

Leia mais

Aspectos microbiológicos da Cárie Dental

Aspectos microbiológicos da Cárie Dental Curso Técnico em Saúde Bucal Aula disponível: www.portaldoaluno.bdodonto.com.br Aspectos microbiológicos da Cárie Dental Prof: Bruno Aleixo Venturi 1 O que é a doença cárie? 2 CÁRIE DENTAL Do#La&m# Carious

Leia mais

CUIDE DOS SEUS DENTES

CUIDE DOS SEUS DENTES SENADO FEDERAL CUIDE DOS SEUS DENTES SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Cuide dos seus dentes apresentação Pesquisas científicas comprovam que dentes estragados provocam outras doenças que aparentemente não têm

Leia mais

ESTUDO DA SUBSTITUIÇÃO DE AGREGADOS MIÚDOS NATURAIS POR AGREGADOS MIÚDOS BRITADOS EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND

ESTUDO DA SUBSTITUIÇÃO DE AGREGADOS MIÚDOS NATURAIS POR AGREGADOS MIÚDOS BRITADOS EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND GUILHERME TEODORO BUEST NETO ESTUDO DA SUBSTITUIÇÃO DE AGREGADOS MIÚDOS NATURAIS POR AGREGADOS MIÚDOS BRITADOS EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND Dissertação apresentada ao Programa de Pós - Graduação em

Leia mais

COMO OS LIVROS DIDÁTICOS DE ENSINO MÉDIO ABORDAM O EFEITO ESTUFA

COMO OS LIVROS DIDÁTICOS DE ENSINO MÉDIO ABORDAM O EFEITO ESTUFA COMO OS LIVROS DIDÁTICOS DE ENSINO MÉDIO ABORDAM O EFEITO ESTUFA Elizabeth Cristina Tavares Veloso 1, Juracy Regis de Lucena Junior 2. 1 Departamento de Química, Universidade Estadual da Paraíba -UEPB,

Leia mais

JATEAMENTO - INTRODUÇÃO APLICAÇÃO

JATEAMENTO - INTRODUÇÃO APLICAÇÃO www.sinto.com.br JATEAMENTO - INTRODUÇÃO APLICAÇÃO O Jateamento com abrasivo é um método de trabalho a frio que consiste no arremesso de partículas contra uma determinada superfície, a elevadas velocidades,

Leia mais

ULTRA-SOM MEDIÇÃO DE ESPESSURA PROCEDIMENTO DE END PR 036

ULTRA-SOM MEDIÇÃO DE ESPESSURA PROCEDIMENTO DE END PR 036 Página: 1 de 5 1. OBJETIVO Este procedimento fixa as condições mínimas do ensaio não destrutivo por meio de ultra-som para medição de espessura em materiais metálicos, em exames de qualificação do Sistema

Leia mais

ANÁLISE DOS EFEITOS DOS AGENTES CLAREADORES SOBRE A ESTRUTURA DENTAL

ANÁLISE DOS EFEITOS DOS AGENTES CLAREADORES SOBRE A ESTRUTURA DENTAL UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA INDUSTRIAL - CPGEI ANNABELLA BORGONHONI ANÁLISE DOS EFEITOS DOS AGENTES CLAREADORES SOBRE A ESTRUTURA

Leia mais

FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006

FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006 FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006 Joaquim Pereira Quintela PETROBRAS/CENPES Victor Solymossy PETROBRAS/CENPES INTRODUÇÃO Vantagens do emprego de revestimentos

Leia mais

Pesquisa sobre o Perfil dos Empreendedores e das Empresas Sul Mineiras

Pesquisa sobre o Perfil dos Empreendedores e das Empresas Sul Mineiras Pesquisa sobre o Perfil dos Empreendedores e das Empresas Sul Mineiras 2012 2 Sumário Apresentação... 3 A Pesquisa Perfil dos Empreendedores Sul Mineiros Sexo. 4 Estado Civil.. 5 Faixa Etária.. 6 Perfil

Leia mais

Técnicas em Higiene Dental

Técnicas em Higiene Dental Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal Técnicas em Higiene Dental Professor: Bruno Aleixo Venturi Aulas práticas Lista de materiais Aulas práticas - Lista de materiais Roupa

Leia mais

Fibras, Esponjas e Panos

Fibras, Esponjas e Panos 3M Soluções Comerciais Núcleo Profissional Fibras, Esponjas e Panos Food Service O mercado de Profissional é um dos que mais cresce no país e, com ele, cresce também a demanda por padrões cada vez mais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR FUNÇÃO: Recuperação / Reabilitação SUBFUNÇÃO OU COMPONENTE CURRICULAR:

Leia mais

APLICAÇÃO DE EXTRATO DE AÇAÍ NO ENSINO DE QUÍMICA.

APLICAÇÃO DE EXTRATO DE AÇAÍ NO ENSINO DE QUÍMICA. APLICAÇÃO DE EXTRATO DE AÇAÍ NO ENSINO DE QUÍMICA. Deangelis Damasceno 1,3 ; Juliana Correa de Oliveira 1;3 ; Pollyana Godoy Pinto 1;3 ; Geralda G. Lemes 2,3 ; Vanessa Carneiro Leite 2,3 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

CONTROLE MECÂNICO DO BIOFILME DENTAL

CONTROLE MECÂNICO DO BIOFILME DENTAL CONTROLE MECÂNICO DO BIOFILME DENTAL PLACA DENTAL OU BACTERIANA = BIOFILME DENTAL BIOFILME pode ser definido como uma comunidade bacteriana, em uma matriz composta por polímeros extracelulares, aderidas

Leia mais

Estudo comparativo de tintas e vernizes na flexografia: curável por raios ultravioletas e à base de solventes

Estudo comparativo de tintas e vernizes na flexografia: curável por raios ultravioletas e à base de solventes Estudo comparativo de tintas e vernizes na flexografia: curável por raios ultravioletas e à base de solventes Ana Paula Alves da Silva 1, a, Aline Resmini Melo 1,b, Carolina Resmini Melo 1,c. 1 Engenharia

Leia mais

Transmissão de Movimento

Transmissão de Movimento Universidade Estadual do Norte Fluminense Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias Laboratório de Engenharia Agrícola EAG 03204 Mecânica Aplicada * Transmissão de Movimento 1. Introdução A transmissão

Leia mais

! 1. Alterar forma e/ou cor vestibular dos dentes; 2. Realinhar dentes inclinados para lingual. Restaurações estéticas anteriores diretas.

! 1. Alterar forma e/ou cor vestibular dos dentes; 2. Realinhar dentes inclinados para lingual. Restaurações estéticas anteriores diretas. Restaurações estéticas anteriores diretas. O crescente desenvolvimento de materiais resinosos e técnicas adesivas, possibilita o planejamento e execução de restaurações de resina composta na dentição anterior.

Leia mais