Washington, D. Co, EUA, 27de setembro-1 de outubro Tema da agenda provisoria CD45/4 (port. 13 de setembro de 2004 ORIGINAL: ESPANHOL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Washington, D. Co, EUA, 27de setembro-1 de outubro 2004. Tema da agenda provisoria CD45/4 (port. 13 de setembro de 2004 ORIGINAL: ESPANHOL"

Transcrição

1 - - A Co C1) t~' j ORGANIZAC;~O PAN-AMERICANA, DA SAODE ORGANIZACAO MUNDIAL DA SAUDE 45O CONSELHO DIRETOR 568 SESSAO DO COMITt REGIONAL Washington, D. Co, EUA, 27de setembro-1 de outubro 2004 Tema da agenda provisoria CD45/4 (port. 13 de setembro de 2004 ORIGINAL: ESPANHOL A SAiJDE, COMPONENTE ESSENCIAL DAS MET AS DE DESENVOL VIMENTO EXPRESSAS NA DECLARAc;AO DO MILtNIO RELATORIO ANUAL DA DIRETORA 2004 Aos paises-membros. De acordo com estabelecido na Constitui~Ao da Organiza~Ao Pan-Americana da Saude, tenho a honra de apresentar 0 relat6rio anual correspondente a sabre as atividades da Reparti~ao Sanitaria Pan-Americana, Escrit6rio Regional da Organiza~ao Mundial da Saude. Neste sao analisados, na esfera do PIano Estrategico da Reparti~ao Sanitaria Pan-Americana para 0 periodo definido pelos 6rgaos Diretivos da Organiza~ao Pan-Americana da Saude, os fates de destaque no cumprimento do programa de coopera~ao tecnica neste periodo. Este relat6rio e complementado com 0 Relatorio Financeiro do Diretor e Relatorio do Auditor Externo, 10. dejaneirode dedezembro de Mirta Roses Periago Diretora

2 ndlce Um ana de realizac;oes e novas desafios A saude, componente essencial das. Metas de Desenvolvimento expresses na Declarac;Ao do Mil6nio... 0 marco da cooperac;ao t6cnica da Organizac;aoPan- Americana da Saude Cooperac;Ao tecnica centrada nos paises Alianc;as estrategicas em prof da saude A Organizac;Ao Pan-Americana da Saude em ac;ao Siglas 0'.

3 As Metas de Desenvolvimento expressfjs na Declara~ao do Milenio das Na~(jes Unidas refletem um consenso politico sem precedentes sabre situa~ao mundial sua perspectiva para futuro. Foram estabelecidos metas mensuraveis prazos especificos para progresso da humanidade. Estas metas podem ser alcan~adas se formes capazes de transforma-ias na bandeira sonho, aspira~ao reivindica~ao de pessoas, grupos, famflias, comunidades na~(jes. Podem ser alcan~adas se formes capazes de incentivar envolver os esfor~os individuais coletivos de varias redes com idiomas, cren~as realidades diversas. Se formes capazes de restaurar confian~a, entendimento solidariedade entre os paises. Ora. Mirta Roses Periago

4 ... UM ANO DE REALIZAc;6ES E NOVOS DESAFIOS Devemos fazer cerrato. Devemos faze-ie nos lugares apropriados. E devemos faze-ie corretamente. Dr. Lee Jong-wook, diretor-geral da OMS Vamos impelir, como uma onda de otimismo determinaybo, toda sociedade do continente seus amigos aliados em um arroubo de esperanya vontade Dra. Mirta Roses Periago, diretora da OPAS Para a Organizay~o Pan-Americana da Saude, 2003 foi um ano de grandes desafios e importantes realizayoes relativas a saude publica, em que 0 trabalho conjunto dos parses demonstrou uma vez mais que 0 major bem da Regi~o e sua genie, sua criatividade e sua capacidade de trabalho. Foi assim um ano em que foram renovados os compromissos para promover a saude para todos e reduzir a exclus~o social e iniquidades em saude, caracterrsticas ainda muito marcantes da dinamica social, pohtica e economica da Regi~o. Tambem foi 0 ano em que assumi a Diretoria em 10. de fevereiro, para liderar desde ent~o os destinos da Organizay~o. Minha gest~o tern-sa concentrado em cumprir a agenda inacabada conservar as realizayoes alcanyadas e enfrentar os novos desafios no ambito da saude com a finalidade de alcanyar as metas de desenvolvimento do milenio, com a renovay~o da ateny~o primaria, ampliay~o da protey~o social e busca da equidade em saude. A srndrome respirat6ria aguda grave (SARS), primeira epidemia do seculo XXI, demonstrou que 0 trabalho solidario, coordenado, transparente e conjunto de instituiyoes e parses pode reduzir 0 dano provocado pelas novas doenyas nas populayoes. Por sua vez, os parses centro-americanos e andinos negociaram coletivamente com a industria farmaceutica preyos mais acessrveis para a compra de medicamentos anti-retrovirais, obtendo assim reduyoes significativas nos custos com a finalidade de ampliar 0 acesso ao tratamento para as pessoas vivendo com a HIV/Aids. Em dezembro de 2003, a America Central foi declarada regi~o livre da c61era, cinco anos depois que os mandataries dos parses centro-americanos se comprometeram a elimina-, assinando a Declaray~o da Costa do Sol, em res posta aos efeitos devastadores do furac~o Mitch. Pela primeira vez na Regi~o, 19 parses fixaram uma data comum para vacinar as populayoes suscetrveis e fez-sa a vacinay~o de mais de 16 milhoes de crianyas. Na Semana de Vacinayao das

5 Americas-2004, mais de 40 milhoes de pessoas foram vacinados em toda a Regiao, na segunda atividade coletiva simultanea que contou com a participayao de todos os parses das Americas. 0 Haiti, apesar de sua grave crise pohtica, conseguiu vacinar 150 mil pessoas em municipios selecionados. Em toda a Regiao, trabalhadores da area da saude, lideres comunitarios, dirigentes e grupos indrgenas, religiosos, academicos e profissionais, voluntarios, autoridades sanitarias e pohticas de todos os nrveis comemoraram os 25 anos da Conferencia Internacional sobre Atenyao Primaria de Saude realizada em Alma-Ata em Na testa da Saude para Todos, houve musica, danya, poesias, debates e analises. Homenagearam-se os participantes da convocat6ria hist6rica, seus adeptos, seus incentivadores pioneiros e dedicados e os cham ados "ministros da saude de Alma-Ata, que deram inrcio e aceleraram a aplicacfao da estrategia de atencf80 primaria em saude em seus respectivos parses.!l. Assim, em cumprimento aos compromissos de gestao assumidos pel a RepartiCfao, estabeleceuse uma linha de ay80 que privilegia a transparencia, eficiencia e efetividade, com base em resultados perceptrveis quanto ao avanyo mais acelerado e eqoitativo do desenvolvimento regional da saude. Novos processos e instrumentos estao sendo criados com criterios de equilibrio e ponderayao na gestao dos recursos da Organizayao. Ha muito ainda a fazer. Entre outras metas, estao eliminar 0 estigma e discriminayao que ainda sofrem as pessoas vivendo com HIV/Aids, melhorar a qualidade do meio ambiente (0 tema central da Semana da Saude de 2003 foi: "0 futuro da vida: ambientes saudaveis para as crianyas ), conseguir que a populacfao do continente seja mais ativa (s6 50% da populay80 faz exercrcios fisicos como atividade cotidiana) e melhorar a prevenyao e 0 controle das doencfas nao-transmissiveis. Juntos demos um importante passo para 0 exito da convocacfao conjunta. Formamos um (mico grupo para alcanyar uma mesma meta: a saude das populayoes das Americas.

6 A SAUDE, COMPONENTE ESSENCIAL DAS MET AS DE DESENVOL VIMENTO EXPRESSAS NA ECLARA c;a. DO MILENIO As Metas de Desenvolvimento da Declarayao do Milenio (MDM) deram um lugar de destaque ao investimento na saude das pessoas no programa de desenvolvimento do seculo XXI e proporcionam a saude publica comunitaria um acesso inestimavel a fim de melhorar a situay80 da saude da populay~o. Tres das oito MDM se referem explicitamente a t6picos de saude: redu~ao da mortalidade infantil; melhoria da saude materna e controle do HIV/Aids, malaria e outras doenyas infecciosas. Sete das 18 metas estao diretamente relacionadas a responsabilidade do setor da saude: desnutriyao, mortalidade infantil, mortalidade materna, HIV/Aids, malaria e outras doen~as infecciosas, aqua potavel e medicamentos essenciais. A prioridade determinada a saude revela um novo consenso de que a saude nao e apenas resultado ou consequencia do desenvolvimento, mas um fator vital para alcanya- Io. Alguns dos majores obstaculos enfrentados pel os paises das Americas para atingir as MDM estao na area da saude. Dada a forte e dinamica relayao entre pobreza e situa~ao da saude, 0 cumprimento das MDM depende de uma tarefa ditrcil que e 0 avan~o na meta de reduzir pela metade a pobreza e a tome ate 0 ano A reduyao das desigualdades tern importancia especial para as Americas. As projeyoes atuais para toda a Regiao indicam que, mantida a tendencia atual, as metas estabelecidas para mortalidade infantil e mortalidade materna nao poderao ser alcanyadas, embora a situayao varie muito entre parses e diferentes grupos populacionais, bem como entre os indicadores projetados. Por exemplo: Mortalidade infantil. Um estudo de caso realizado pela OPAS mostra que, se persistirem as tendencias atuais, mortalidade de crianyas menores de cinco anos seria reduzida em 54%, abaixo dos do is teryos (67%) estabelecidos como meta. Em 2003, a taxa de mortalidade infantil variou de 5, 3 por nascidos vivos no Canada a 80, 3 por nascidos vivos no Haiti. Mortalidade materna. As taxas de mortalidade maternas tambem apresentam variayoes extremas, sando de 16 por nascidos vivos em Cuba a 680 por nascidos vivos no Haiti. Na ultima decada, a mortalidade materna aumentou em alguns parses e

7 diminuiu de maneira significativa em outros. Estima-se que a redu9so anual necessaria, como reflexo do esfor90 extra requerido entre os anos 2000 e 2015 para alcan9ar a meta, varia de 6% no Uruguai a 15, 1% no Panama. HIV/Aids. A epidemia de HIV/Aids esta bem enraizada nas Americas, com uma prevalencia nacional de infec9so pelo HIV de palo menos 1 % em 12 parses, todos do Caribe, e uma prevalencia de infec9so pelo HIV entre mulheres gravidas que ultrapassa 2% em seis deles. Na maioria dos outros parses da Regiso, a epidemia se concentra mais em certas areas ou grupos populacionais. Malaria. Estima-se que, em 2002, 31 % da populayso das Americas residia em zonas com risco potencial de transmissso da doenya. Mais de 80% dos casos notificados atualmente sso originarios de em nove parses que compartilham a selva tropical amazonica na America do SuI. Dada a ampla varia9so da incidencia na ultima decada, e ditrcil fazer uma previsso da sua evolu9s0 e sera necessario um esforyo coordenado entre os parses atingidos para atingir a meta de fazer a epidemia recuar. Agua e saneamento. De acordo com recentes relat6rios sobre 0 progresso regional e mundial quanto as metas para aqua potavel adequada ao consumo humano e saneamento basico, na America Latina e Caribe 89% da populayso tinham acesso a fontes de aqua potavel adequada ao consumo humano em 2002, 0 que representa um aumento de 6% comparado a A cobertura com saneamento basico adequado era de 75%, 6% a mais em comparayso a Isto significa que aproximadamente 59 milhoes de pessoas na America Latina e Caribe nso tern acesso a uma fonte de aqua potavel adequada ao consumo humano e 134 milhoes nso dispoem de saneamento basico adequado. Medicamentos essenciais. Estima-se que 0 numero de pessoas com acesso a medicamentos essenciais em todo 0 mundo tenha aumentado de 2 1 bilhoes a 4 bilhoes entre 1997 e Na Regiso das Americas, menos de 53% das pessoas vivendo com HIV/Aids que precisam de tratamento com medicamentos anti-retrovirais tern acesso a eles, apesar da consideravel redu9so do preyo destes medicamentos nos ires ultimos anos. A compra de medicamentos chega ate 25% das despesas domesticas em alguns parses da Regiso, ao passo que em outros se verificou que os medicamentos representam de 50% a 60% das despesas diretas de saude por unidade familiar.

8 Atualmente, a OPAS realiza um intenso esforyo para integrar as MDM em seu programa de trabalho, tanto em ambito nacional como regional, e fortalecer 0 apoio aos parses para 0 cumprimento das metas estabelecidas. METAS ESTRATEGICAS DA OPAS PARA 0 CUMPRIMENTO DAS METAS DE DESENVOLVIMENTO NA REGIAO DAS AMERICAS Defesa da causa: Oifundir as prioridades de saude estabelecidas pelas MOM mediante uma ampla serie de dicfllogos de pohtica, alian~as e a~ao intersetorial. Politica: Intensificar as atividades quanta ao desenvolvimento da saude nacional, abordar os t6picos com escasso financiamento nos sistemas de saude dog paises prioritarios e assegurar a prote~o social em saude no ambito regional e local para apoiar 0 progresso para 0 cumprimento das MOM com iniciativas de pohticas de saude orientadas a resultados. Coopera~io tecnica: Apoiar os paises a identificar e implementar estrategias nacionais para 0 cumprimento das MOM relativas a saude. Integra~io: Integrar 0 trabalho vinculado as MOM com outras atividades estrategicas no campo do desenvolvimento da saude, tais como a participa~ao na Comissao de Macroeconomia e Saude, esforyos de integra~ao sub-regionais e identifica~ao dog bans publicos regionais feita palo grupo A OPAS no seculo XXI" Associa~oes: Promover alian~as e estimular a coopera~ao com Quiros parceiros, sobretudo com formuladores de po Hticas, ministros da Fazenda e Planejamento e coordenadores de desenvolvimento, pohtica social e outras institui~es e agentes-chave para a implementa~ao e cumprimento das MOM em ambito nacional. Poder de decisio: Promover a educa~ao em saude da popula~o e 0 poder de decisao das comunidades mediante uma intensa participa~ao da sociedade civil em lodes os niveis para cumprir as MOM com um criteria especial de inclusao de grupos etnicos, popula~oes indigenas e mulheres. Monitoramento: Melhorar a medi~ao e 0 monitoramento do progresso per maio de dados de saude desagregados em ambito regional, sub-regional e nacional. Pesquisa: Iniciar pesquisas para fortalecer a base de comprova~oes cientificas e produzir novas conhecimentos e estudar a sinergia entre a saude e 0 desenvolvimento. Nestas metas estrategicas estao envolvidos todos os niveis da OrganiZay80 - os escrit6rios nacionais, centros pan-americanos e a Sede regional - alem dos governos, instituiyoes de referencia e as autoridades, com a finalidade de responder a urgencia imposta pel a realidade inaceitavel da iniquidade em termos de renda que atinge 0 continente americano. Criou-se na Repartiyao um grupo estrategico para coordenar as a(foes relacionadas as MDM, formado por um assessor principal de politica e um grupo de trabalho para as areas-chave para 0 cumprimento das MDM. 0 assunto foi discutido nas reunifies dos Orgaos Diretivos da OPAS e nas dos gerentes regionais e sub-regionais realizadas na Guiana, Nicaragua e Chile.

9 Varias areas de trabalho reorientaram suas atividades para 0 cumprimento das MDM. A area da Saude da Familia e Comunidade reavalioo - 0 seu oryamento-programa parav cincluir os desafios oriundos das MDM. 0 novo grupo' ~e trabalho para ateny80 primaria de saude considerouv a importancia das MDM em suas deliberayoes estrategicas. A area do Desenvolvimento Sustentavel e da Saude fez um novo planejamento das suas atividades para apoiar 0 cumprimento das MDM e definiu a inclusao do movimento dos municrpios saudaveis. Por tim, estao sendo aplicadas a experiencia e a infra-estrutura obtidas na elaborayao dos dados basicos de saude I par-a facilitar 0 acompanhamento dos indicadores das MDM relativos a saude. -.JC Embora 0 empenho da OPAS para 0 cumprimento dasmdm esteja concentrado especialmente nos parses prioritarios, todos os nrveis est8o respondendo ativamente e contribuindo para a res posta em cada pars. Ha uma estreita colaboray80 com 0 sistema das Nayoes Unidas para fazer avanyar a formulay80 de ' pohticas nacionais de saude com uma-.ampla participayao interinstitucional, intersetorial. Esta colaboray80 inclui a interveny~o no planejamento e formulay80 i das bases para pohticas nacionais de desenvolvimento definidas pelas Nayoes Unidas e instituiyoes de Bretton Woods dentro do sistema de Avaliayao Comum para os Parses e das diretivas de Assistencia das Nayoes Unidas para 0 Desenvolvimento e os Documentos de Estrategia de Reduy80 da Pobreza, do Banco Mundial. A sincronizay80 do conteudo destes esta sendo reorientada para permitir a cooperay80 para identificar os grupos mais vulneraveis, bem como na realizay80 dos exercrcios de apoio e seminarios nacionais para a harmonizay80 e coleta dos dados e indicadores necessarios para 0 monitoramento das metas da Declaray80 do Milenio. As MDM tern sido tema de discuss80 em diferentes f6runs destinados a obter a integray80 subregional, tais como a Reuni80 do Setor Saude da America Central e Republica Dominicana (RESSCAD), Reuni80 de Ministros da Saude da Regiao Andina, Reuni80 de Ministros da Saude do Mercosul e da America do Sui, e 0 Conselho de Desenvolvimento Humano e Social do CARICOM. Constam tambem da Agenda Conjunta da iniciativa conjunta do Banco Mundial, BID e OPAS.

10 fiw MARCO DA COOPERAc;AO TECNICA DA ORGANIZAc;A.O PAN-AMERICANA DA SAUDE Agenda inacabada A Regiao das Americas continua orgulhosamente exibindo os avanyos na area da saude conseguidos pela maioria de seus parses. Entretanto, em determinadas areas ha ainda importantes discrepancias entre os parses e as regioes do interior dos parses, que revel am a imensa drvida social existente na Regiao. Os atrasos que demonstram alguns indicadores de saude dos parses e grupos populacionais com relayao as medias da Regiao servem de ponto de partida da agenda inacabada, entendida como a expressao da vontade politica da OPAS e de seus parses-membros de concentrar sua atenyao em um grupo de metas prioritarias, entre os quais as Metas de Desenvolvimento para 0 Milenio (MDM) ocupam uma posiyao vital. A agenda inacabada reflete os principios de eqoidade e respeito ao direito individual e coletivo de dispor de condi~oes dignas de vida, tal como foi definido na convoca~ao de Saude para Todos. Combate a miseria e fame. Esta meta e fundamental, porque quase todas as outras metas dependem da supera~ao do Onus de gerayoes de exclusao e da reduyao das desigualdades. No enquadramento da Iniciativa dos Parses Pobres Altamente Endividados, BoHvia, Guiana, Honduras e Nicaragua incorporaram as respectivas estrategias de redu~ao da pobreza as suas prioridades de saude e contam com 0 apoio da comunidade internacional para sua aplicayao. Brasil ColOmbia, Jamaica e Mexico estao implementando pohticas para a redu~ao da pobreza que preveem ayoes multissetoriais com a participayao ativa do setor da saude. Redu~io da mortalidade em crian~as menores de cinco anos. 0 fortalecimento da estrategia AIDPI com seu componente perinatal, aprovado pelo 440 Conselho Diretor da OPAS, e a contribuiyao mais importante realizada durante este periodo quanto a meta de reduzir em do is teryos a mortalidade de crian~as menores de cinco anos entre 1990 e Como a estrategia AIDPI concentra sua atenyao no controle de doen~as e problemas de saude que causam dois ter~os da mortalidade em crianyas menores de cinco anos, e uma das intervenyoes principais que merece atenyao especial dos parses para diminuir a taxa de mortalidade infantil.

11 Melhora da saude materna. Apesar dos esforc;os significativos e continuados realizados para ampliar e melhorar os serviyos de saude materna na Regiao entre ales, a implementac;80 nos ultimos anos de seguros de financiamento para a assistencia da mae e da crianc;a -, as taxas de mortalidade materna apresentaram apenas mudanyas discretas na ultima decada. No entanto, na Bolivia, a taxa de mortalidade materna caiu para 41 %, ao passar de 390 por nascidos vivos em 1993 para 230 por nascidos vivos no periodo Sistema de Dados Perinatais, desenvolvido pelo Centro Latino-Americano de Perinatologia (CLAP), tern tido um efeito significativo ao fortalecer os sistemas de vigilancia para a morbidade e mortalidade materna e perinatal na Regiao. A Repartiyao esta aplicando a nova estrategia para a reduc;ao da morbidade e mortalidade maternas na America Latina e Caribe aprovada na 268. Conferencia Sanitaria Pan-Americana levando em considerayao que tanto a Conferencia como 0 grupo de trabalho para mortalidade materna do Comite Coordenador Interinstitucional Regional recomendaram como meta regional a medio prazo uma reduc;ao abaixo de 100 6bitos maternos por nascidos vivos. Combate ao HIV/Aids. 0 compromisso regional com a iniciativa para que tres milhoes de pessoas no mundo em desenvolvimento tenham acesso ao tratamento anti-retroviral ate fins de 2005 representa um ponto-chave da resposta a epidemia do HIV. A OPAS esta trabalhando com todos os parses para ampliar 0 acesso a terapia anti-retroviral as pessoas vivendo com HIV, sobretudo nos parses da America Central e Caribe. Os chefes de Estado dos parses das Americas, com a assessoria tecnica da OPAS, assumiram 0 compromisso de garantir 0 tratamento anti-retroviral para 600 mil pessoas em 2005 na DeclaraC;80 de Nuevo Le6n, assinada pelos 34 parses reunidos na Cupula Especial das Americas realizada no Mexico em janeiro de A elaborac;ao de uma analise da situac;80 regional permite priorizar os parses com major Onus e menor cobertura de tratamento anti-retroviral. Estes S80: Haiti, Republica Dominicana, Belize, Jamaica, Trinidad e Tobago, Guiana, Suriname, Honduras, Guatemala e EI Salvador. A OPAS ap6ia continuamente os parses da Regiao na elaborayao de novas propostas a serem apresentadas no Fundo Global de Combate a Aids, Tuberculose e Malaria (FGA TM) e mantem seu compromisso contribuir com os parses para a implementayao e seguimento das propostas ja beneficiadas por subvenyoes do Fundo. Acesso a medicamentos essenciais. Os resultados bem-sucedidos das primeiras rodadas de negociac;oes sobre os prec;os dos medicamentos anti-retrovirais no Caribe, America Central e parses da Regiao Andina revelaram a necessidade de adotar um enfoque integral para promover 0 acesso

12 aos medicamentos em toda a Regiao. A Repartiyao iniciou um processo de consultas em julho de 2003, fazendo um exame preliminar como base para a definiy80 das prioridades de ateny80 no acesso aos medicamentos e provisoes de saude publica considerados essenciais. Em junho de 2004 foi apresentada a 1348 sessao do Comite Executivo uma proposta visando a melhorar a disponibilidade de provisoes de saude publica de qualidade e 0 seu aces so na Regiao. As linhas estrategicas definidas sao as seguintes: PrOmOy80 de uma pohtica coerente de medicamentos genericos para aumentar a disponibilidade e 0 uso de medicamentos essenciais de qualidade. Elaborayao de estrategias de conteny80 de custos para as provisoes essenciais de saude publica, que abordem os temas de fixay80 de preyos e propriedade intelectual. Fortalecimento dos sistemas de distribuiy80 de produtos basicos de saude publica para assegurar a continuidade do fornecimento. Estabelecimento de mecanismos de aquisiyoes entre ales, 0 Fundo Rotativo Regional para Provisoes Estrategicas de Saude Publica da OPAS (Fundo Estrategico) que fortaleyam a capacidade, programay80 e planejamento em ambito nacional. Iniciativa de saude dos povos indigenas. Foram seiad as alianyas estrategicas regionais, subregionais e nacionais com enfase a uma abordagem multidirecional da problematica indrgena. Isto se reflete na colaboray80 em outros projetos regionais como a Iniciativa Fazer Retroceder a Malaria e a estrategia AIDPI; formay80 de coalizoes intra e intersetoriais com os ministerios da Saude, Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Banco Mundial, Fundo Indigena e outras instancias governamentais e n80-governamentais, e a participay80 da OPAS em foruns regionais e mundiais, tais como a V Conferencia Ibero-Americana sobre Infancia Marginalizada Indrgena e Afrodescendente (2003) e a 28. (2003) e 38. (2004) Sessoes do Forum Permanente das Nayoes Unidas para Assuntos Indrgenas. incorporay80 do enfoque intercultural nos modelos de ateny80, entendido como a harmonizay80 entre os sistemas de saude indigenas e convencionais, continuou sendo priorizado oeste perrodo. Este enfoque demonstrou ser uma estrategia valida para melhorar a qualidade e 0 acesso a ateny80 a saude em geral, e solucionar problemas prioritarios, tais como a mortalidade materna, mortalidade infantil, falta de abastecimento de aqua e saneamento, malaria, tuberculose infecyoes sexualmente transmitidas e HIV/Aids. progresso na disponibilidade de dados desagregados segundo as variaveis etnicidade e genero em parses como 0 Brasil, Equador, Guatemala e Nicaragua tern fortalecido a capacidade gerencial e a adaptay80 de estrategias e intervenyoes ao contexto sociocultural da populay80. A

13 ') : avaliayao da Decada Internacional dos Povos Indigenas, 0 compromisso renovado com a atenyao primaria da saude e 0 trabalho para cumprir as MDM sao oporturridades para avanyar no sentido de alcanc;ar a eqoidade em um contexto de respeito e reconhecimenftlaia diversidade cultural des povos das Americas. ~er Ao longo de 2003, de acordo com as recomendac;oes do Comite Executivo, foi iniciada a incorporac;ao do enfoque de sensibilidade e transversalidade etnicas nas politicas publicas de saude. Os objetivos especificos no enquadramento da eqoidade em saude sao contribuir para a inclusao social das minorias etnicas e raciais, melhorar suas condiyoes de saude e de vida, e contribuir para superar osfatores de dtscriminac;ao~e persistem por razoes hist6ricas e constituem. barreiras, a igualdade de condiyoesna areada saude e no acesso aos serviyos. As areas prioritarias definidas pel a OPAS paraconseguir a incorporac;ao da sensibilidade etnica nas politicas de saude sao: colaborar com as instituiyoes encarregadas de obter dados estatisticos e com os ministerios da Saude com 0 prop6sito de introduzir a variavel etnica nas estatisticas nacionais; coletar e sistematizar experiencias bem-sucedidas no campo da informac;ao e organizac;ao de servic;os; apoiar os ministerios da Saude na reformulayao de politicas, pianos e programas de saude com sensibilidade etnica; promover 0 desenvolvimento de aptidoes na sociedade civil que permitam a participayao eficaz na elaborac;ao dos pianos de saude com sensibilidade etnica; trabalhar coordenadamente com 0 Projeto das Nac;oes Unidas para 0 Desenvolvimento (PNUD) e outros organismos e instituic;oes financeiras internacionais com a finalidade de introduzir a sensibilidade etnica nos pianos para alcanc;ar as MDM. Doen~as desassistidas em popula~oes desassistidas. As populac;oes pobres tendem sofrer com 0 Onus da alia morbidade por uma serie de doenyas transmissrveis. Tambem tendem a ser marginalizadas pelo setor da saude e 0 mesmo acontece com as doenyas que as atingem. Este conjunto, conhecido como as "doenyas desassistidas em populac;oes desassistidas, representa um enorme desafio quanto ao cumprimento das MDM e dos compromissos assumidos pelos parsesmembros, alguns dos quais persistem desde a realizac;ao da Conferencia de Alma-Ata em 1978, razao pela qual constam da agenda inacabada. A OPAS tern dado muita atenyao a elaborayao de uma estrategia capaz de abordar estas doenyas por meio de um enfoque integrado e interprogramatico com a finalidade de controlar os numerosos riscos para a saude e favorecer os fatores protetores a curto e medio prazo. A filariose linfatica, geo-helmintiases, esquistossomose e oncocercose tern sido abordadas pela Organizac;ao dada sua condiyao de doenc;as erradicaveis. Outras doenyas e problemas de saude publica

14 desassistidos como a peste e tifo, ser~o futuramente incorporados no trabalho conjunto e de cooperay~o horizontal. Conserva~io das realiza~oes alcan~adas As crises economicas e politicas que atingem varios parses da Regi~o t~m revelado a fragilidade e vulnerabilidade dos sistemas de saude, bem como a necessidade de prosseguir a dar ateny~o a manuteny~o das importantes realizayoes alcanyadas relativas a saude. Por essa raz~o faz-se necessario continuar contribuindo para a preservay~o de todas as conquistas, com 0 objetivo de melhorar a eficiencia dos sistemas de saude e promover um aumento dos oryamentos nacionais para saude e a mobilizay~o de mais recursos de cooperay~o externa na Regi~o. Redu~io da morbidade devido a tuberculose. A America Latina e 0 Caribe obtiveram exitos consideraveis no controle da tuberculose por maio da estrategia DOTS (tratamento de curta dura~o sob supervis~o direta), aplicada atualmente em 25 parses com diferentes nrveis de cobertura. Na ultima decada, 0 numero de casos de tuberculose tern permanecido estavel com uma leva e constanta reduy~o entre 1999 e Em 2002, foram registrados casos, dos quais foram comprovados por baciloscopia positiva. No mesmo ana, a America Latina e 0 Caribe contribuiram com 4 2% do total de novos casos de tuberculose registrados no mundo. A Regi~o das Americas obteve major exito na detecy~o de casos com uma porcentagem geral de detecy~o por baciloscopia positiva superior a 70%, em comparay~o com a media mundial de 44%. 0 sucesso no tratamento e de 81% nas areas onde a estrategia DOTS e aplicada, comparado com 58% nas areas on de asia n~o e aplicada. objetivo do Piano de Ay~o Regional ( ) e ampliar a estrategia DOTS em todos os parses, sobretudo na Guiana, Suriname e outros parses de lingua inglesa do Caribe, e manter os resultados regionais. Em 2003, 73% da populay~o tinha acesso ao tratamento DOTS; a meta e chegar a 80% em Fortalecimento e amplia~io dos programas de vacina~io. A OPAS continua oferecendo seu apoio para 0 controle apropriado, eliminay~o e erradicay~o das doenyas preveniveis pela vacinay~o com enfase a estrategias voltadas a reduzir as desigualdades de saude, fortalecer 0 compromisso politico com a vacinay~o e promover a preveny~o. Com a finalidade de reduzir as disparidades de cobertura, em 2003, a OPAS e os parses da Regi~o Andina institurram uma semana de vacinay~o anual nas Americas, que em 2004 foi adotada por todos os parses da Regi~o.

15 influenzae No campo de novas vacinas, a introduy80 bem-sucedida de vacinas contra Haemophilus tipo b e a hepatite B em 34 e 33 parses, respectivamente, tern servido de incentive para fortalecer os serviyos regulares de vacinacf80 e avaliar a possrvel introducf80 de outras vacinas que venham a surgir. Em 2003, foram estabelecidos criterios de vigilancia epidemiol6gica para rotavirus, principais causadores dos casos de gastroenterite grave em lactentes. Com essa informacfbo sera possivel avaliar 0 cusic efetivo da introducf80 de uma vacina nos parses. Da mesma forma, sera avaliada a introduy~o de outras vacinas. A OPAS formou um grupo de trabalho tecnico para estimular a rapida introducf80 de uma vacina contra 0 papilomavrrus humano, que terti 0 potencial de reduzir extraordinariamente a incidencia do cancer do colo do utero, uma das principais causas de mortalidade de mulheres nas Americas. Quase todos os parses dispoem de fundos nacionais dedicados ao Programa Ampliado de ImunizaCf80; em 22 dos 24 parses que enviaram seus dados, estes fundos cobrem mais de 90% do custo dos programas regulares de vacinay80. Entretanto, ha ainda 0 obstaculo do alto custo das novas vacinas e da manuteny80 dos outros componentes do programa. 0 Fundo Rotativo da OPAS estabeleceu contratos para 18 vacinas e, em 2003, geriu compras para 38 paises no valor de US$ 145 milhoes. Estimulado pelo exito obtido no combate a poliomielite e sarampo, Conselho Diretor da OPAS aprovou, como proposto pelos parses do Caribe, uma resoluy80 em apoio a meta de eliminar a rubeola e srndrome da rubeola congenita ate Ate 0 memento, 42 paises e territ6rios incorporaram a vacinacf80 contra a rubeola em seus programas de vacinay80, e alguns vem realizando com exito campanhas de vacinay80 conjunta contra 0 sarampo e rubeola. A eliminay80 da sindrome da rubeola congenita exige que a cobertura seja estendida aos adultos. Ainda que ditrcil esta tarefa e possrvel, como demonstrado pela experiencia da Costa Rica, code em 2001 foram vacinados 98% dos homens e mulheres de 15 a 39 anos, e pelas campanhas bem-sucedidas realizadas no Equador e EI Salvador em Febre aftosa. Ao longo de 2003 continuaram em curso os programas de preveny80, controle e erradicacf80 da febre aftosa incluidos no Piano Hemisferico de Erradicay80 da Febre Aftosa. As atividades foram estendidas a um universo de 5, 3 milhoes de rebanhos que compreenderam 325 mil hoes de bovinos, 52 milhoes de ovinos, 17 milhoes de caprinos, 40 milhoes de surnos e 7 milhoes de camelideos. 0 piano esta sob a gest80 dos serviyos veterinarios nacionais, que para cobrir seu territ6rio e executar as ayoes mobilizaram um total de unidades locais de atencf80 e 114 veterinarios. Ao todo, em 2003, as iniciativas publicas e privadas investiram mais de US$ 300 milhoes na preveny80, controle e erradicay80 da doenya.

16 Iniciativa regional de dados basicos de saude. Com esta Iniciativa, lanyada em 1995, a OPAS tern conseguido consolidar 0 processo de coletar dados basicos de saude em ambito regional e nacional com a participay80 ativa das autoridades nacionais, escrit6rios nacionais e centros panamericanos. Como resultado, dispoe-se de um conjunto mrnimo de 109 indicadores coletados anualmente que permitem caracterizar a situay80 e as tendencias da saude nos parses das Americas. iniciativa responde aos mandatos dos parses-membros e as diferentes necessidades de monitoramento da OPAS. Por meio desta e possivel avaliar 0 avanyo dos indicadores nas metas de saude, entre os quais se destacam 12 relativos ao cumprimento das MDM. Em 2003, uma avaliay80 realizada pela OPAS sobre 0 alcance e 0 impacto da Iniciativa revelou que asia havia sido implantada em 30 parses-membros da Regi80 atraves da Iniciativa Nacional de Dados Basicos de Saude, e que era utilizada para mensurar desigualdades e necessidades, definir prioridades e avaliar programas, 0 que demonstra a diversidade de seu impacto. Entre 1995 e 2003, 0 numero de parses que atualizaram e distriburram periodicamente folhetos ou outros meios impressos ou eletronicos para divulgar os indicadores basicos cresceu de 5 para 24. Alem disso, diversas atividades sub-regionais e parses da regi80 tern resultado na publica980 de folhetos de indicadores basicos da situay80 da saude na America Central e Republica Dominicana e na fronteira entre Mexico e os Estados Unidos, respectivamente. Monitoramento e analise das iniquidades de saude. Foram desenvolvidos importantes recursos relacionados a mediy80 de iniqoidades quanto aos determinantes socioeconomicos pobreza, genero, etnicidade, localizay80 geografica, educay80, emprego, moradia e saneamento - e suas implica9oes, inclusive para a saude. Tais recursos concentram-se na realizay80 peri6dica de diferentes levantamentos domiciliares, como pesquisa das condiyoes de vida (promovidas pelo Banco Mundial, Banco Interamericano de Desenvolvimento e Comiss80 EconOmica para a America Latina e 0 Caribe, CEPAL), levantamentos demograficos e de saude (promovidos pela USAID), pesquisas nacionais da pobreza (promovidas pelo Banco de Desenvolvimento do Caribe) e pesquisa mundial de saude (promovida pela OMS em coordenay80 com a OPAS). Alem de colaborar com os centros nacionais de estatistica e censo na elaboray80 de tais pesquisas, 0 setor da saude utiliza cada vez mais os resultados destas para a elabora980 e avalia980 de suas pohticas de saude. Alem disso, estas pesquisas contribuem para que os sistemas de informay80 em saude sejam mais sensrveis aos determinantes socioeconomicos das condiyoes de saude das respectivas populayoes nacionais. Biblioteca virtual de saude. Em 2003, as atividades mais destacadas da Repartiy80 oeste campo foram 0 lanyamento e construy80 conjunta com os parses da Regi8o da Biblioteca Virtual em Ciencia e Saude (http://cys. bvsalud. org); ativay80 da Rede de Fontes de informayao para a gestao da

17 ciencia, tecnologia e inovayao, denominada Rede ScienTI, com a participa~ao de oito parses da Regiao (Argentina, Brasil, ColOmbia, Chile, Equador, Panama, Peru e Venezuela), e a realizayao em Santiago, Chile, da 18, Conferencia de Consenso Cidadao em Ciencia, Tecnologia e Inovayao em Saude. Esta ultima atividade, que contou com 0 apoioda Biblioteca do Congresso da Republica, Conselho Nacional de Ciencia e Tecnologia e Ministerio da Saude do Chile, significou um avan~o no estabelecimento de mecanismos de consulta cidada sobre problemas tratados pela ciencia e desenvolvimento tecnol6gico e que repercutem diretamente sobre a saude da popula~ao. Informa~io e gestio do conhecimento. Entre as mudanyas introduzidas na Reparti~ao asia a instituiyao da Area. de.4nformayao e Gestao do Conhecimento. A Area tern como. objetivo assegurar que as pohticas, processos, tecnologia e recursos humanos sejam coordenados e administrados de maneira tal que favoreyam a gerayao do conhecimento e a utiliza~ao e difusao das informayoes. Destaquee dado a processes que gerem e,assegurem valor agregado a partir do capital intelectual e do conhecimento disponrvel dentro da pr6pria Organizayao, para os quais e preciso organizar, coletar e difundir 0 conhecimento e assegurar seu fluxo contrnuo e qualidade atraves das diversas redes e alianyas institucionais e de especialistas criadas na Regiao. Cad a nrvel da Organiza~Bo deve definir um enfoque estrategico para sua participaybo na gestbo aberta e coletiva da informa~ao e conhecimento. Foi criado um grupo para a difusbo do conhecimento que identificou varios obstaculos, entre eles a compartimentalizayao das opera~oes, falta de interoperabilidade e ausencia de colaboraybo entre os grupos. Uma proposta foi elaborada para solucionar esta situayao e resultar no avanyo rapido para uma Organizayao baseada no conhecimento eficaz em conformidade com quatro condiyoes pretendidas de funcionamento: ser uma fonte autorizada de conhecimento e informaybo de saude; basear-se na colabora~bo efetiva entre todos os nrveis; concentrar-se no aprendizado permanente e criar alian~as e redes. Alivio dos efeitos provocados pelas emergincias e desastres. A Repartiyao continua a promover 0 desenvolvimento de capacidades nacionais e intersetoriais para reduzir a vulnerabilidade aos desastres no setor da saude. A realizaybo mais importante em 2003 foi a elaborayao do Piano de ReduyBo da Vulnerabilidade aos Desastres Sub- Regionais para 0 Setor Saude na America Central Belize e Republica Dominicana, aprovado pelos ministros da Saude durante a XIX RESSCAD realizada em agosto de A rede de coordenadores de desastres em toda a America Central liderada pelo Ministerio da Saude da Nicaragua, desempenhou um papel fundamental na elaboraybo deste Piano, que e um reflexo da experiencia acumulada pel a rede oeste campo.

18 Sustentabilidade do meio ambiente. A OPAS realizou ao Ion go de 2003 a avaliayao regional dos serviyos municipais de gest80 de resrduos s6lidos na America Latina e Caribe. Esta avaliay80 deu major visibilidade a importancia da gestao adequada dos resrduos s6lidos para a saude, que se encontra em situay80 critica em muitos parses e e umas das tarefas mais dificeis para as autoridades, prestadores de servi(fos e para a comunidade. De modo semelhante, a OPAS ao realizar 0 Dia Mundial da Saude 2003, cujo lema foi: " futuro da vida: ambientes saudaveis para as crianyas contribuiu para estimular atividades para melhorar a saude e 0 bem-estar das crianyas das Americas e garantir a sustentabilidade do meio ambiente. Cabe mencionar que entre as recomendayoes formuladas em um seminario sabre ameayas ambientais a saude infantil nas Americas estao criar uma major conscientiza(fao sobre a saude ambiental nas crian(fas; facilitar 0 intercambio de informayoes; preparar perfis de saude ambiental infantil; definir pohticas de saude ambiental para a protey80 das crianyas e adolescentes da Regiao, e fortalecer a coleta e notificay80 de indicadores de saude ambiental infantil. Resposta a novas e anti gas desafios seculo XXI iniciou-se com novas doenyas e novos desafios como 0 causado pelas ameayas do terrorismo internacional e nacional que nos tern obrigado a usar toda nossa disposiy80, determinay80 e capacidade de compromisso para enfrentar os desafios. Entretanto, devese chamar a ateny80 tambem para a existencia de antigos desafios ainda vigentes, que continuam sendo uma fonte de preocupay80. Exclusio social, pobreza e saude. Durante 0 ano 2003, intensificou-se 0 trabalho de cooperay80 tecnica na area de protey80 social em saude iniciado em 2001 com 0 projeto "Extens80 da prote(f80 social em saude. 0 projeto e parte de uma estrategia planejada em conjunto pel Agencia Sueca de CoOperay80 Internacional para 0 Desenvolvimento (ASDI) e a OPAS para tratar ampliando a protey80 social em saude, 0 problema da exclus80 relativa a saude nos parses da America Latina e Caribe. Dada a relevancia deste projeto e 0 impacto do tema de ambito internacional, a OPAS incorporou a protey80 social em saude como urn fundamento da cooperay80 tecnica no qual podem ser distinguidas quatro linhas principais de atua(f80: CaracteriZa(f80 e mensura(f80 da exclus80 em saude. Planejamento e realizay80 de atividades para estimular 0 dialogo social com a finalidade de identificar ayoes orientadas a eliminay80 da exclus80 em saude. PrOmOy80 dos direitos e responsabilidades em saude. Apoio a identifica(f80 de estrategias para a extens80 da prote(f80 social em saude.

19 PRINCIPAlS REALIZACOES DA COOPERACAO TECNICA PARA A EXTENSAO DA PROTECAO SOCIAL EM SAUDE Ha disponivel uma versao definitiva de um Quia para 0 planejamento e a realiza~o de atividades que incentivem 0 dialogo social em saude, revisada e validada per um grupo de especialistas. Foi elaborada uma metodologia para a caracterizayao da exclusao em saude que permite quantificar a magnitude da exclusao, sua gravidade e intensidade; identificar 0 perfil dog excluidos e sua localizayao geografico, e discriminar 0 peso das variaveis especificas de exclusao em saude em cada caso. Esta metodologia que ja se encontra disponivel para todos os parses e validada. as dados obtidos sabre a exclusao em saude foram divulgados e ha uma publicayao que sistematiza os resultados de sua caracteriza~o no Equador, Guatemala, Honduras, paraguai, Peru e Republica Dominicana. Esta publicayao e a primeira no genera na America Latina e Caribe. Tres novas parses (Bolivia, EI Salvador e Nicaragua) pediram para iniciar a caracterizayao da exclusao em saude em No Equador, 0 processo de dialogo social esta em curso e incorporou a extensao da proteyao social em saude na agenda politica do pais. Na Guatemala e no Peru, a preparayao para 0 dialogo social ja comeyou e a extensao da prote~o social em saude foi incluida nag agendas politicas de ambos os parses. Nutri~io. A seguranya alimentar e nutricional e a condiy80 na qual todas as pessoas tern acesso aos alimentos de que necessitam, em quantidade e qualidade, para seu consumo e utilizacf80 biol6gica adequados, garantindo-ihes urn estado de bem-estar que contribua ao desenvolvimento. Diversas cupulas presidenciais trataram da Iniciativa Regional de SeguranCfa Alimentar e Nutricional. Os ministros da Saude da America Central, com 0 apoio tecnico e cientrfico do INCAP OPAS e OrganizaCf80 Geral do Sistema de IntegraCf80 Centro-Americana, incentivam asia estrategia para a abordagem das MDM. As atividades destinam-se a: Integrar a segurancfa alimentar e nutricional em processos e iniciativas de desenvolvimento local orientados a transferencia de tecnologia para a produy80 de alimentos, melhoria dos habitos de consumo e fortalecimento de ayoes saude e nutricf80 na comunidade. Garantir a seguranya alimentar e nutricional nas pohticas e pianos, fortalecer 0 funcionamento das comissoes pohticas multissetoriais e equipes tecnicas na coordenay80 de ayoes nacionais, e orientar a formulay80 de referencias normativas. Desenvolver programas e intervencfoes de carater nacional, setorial e local que promovam a participacf80 comunitaria.

20 Alocar ou reorientar recursos destinados a apoiar atividades intra e intersetoriais para a conquista da seguranya alimentar e nutricional. Promover e assegurar 0 cumprimento da legislayao relacionada com a produyao, comercializa~~o, consumo e aproveitamento biol6gico dos alimentos. Fortalecer a capacidade institucional local, nacional e regional para a elaborayao, implementayao e avaliayao eficazes de programas e projetos no campo da seguran~a alimentar e nutricional. Melhorar a qualidade das decisoes sobre produyao e consumo de alimentos por meio de educayao e comunica~ao, capacitayao em serviyo e formayao de recursos humanos. Estimular e reforyar a vigilancia do estado alimentar e nutricional, bem como 0 monitoramento e a avaliayao de interven~oes relativas a alimentayao e nutriyao com a finalidade de melhorar a eficacia dos programas nacionais. A OPAS promoveu uma alian~a com outros organismos no campo da seguran~a alimentar e 0 desenvolvimento local com 0 enfoque de municrpios produtivos, incorporando a promoyao da saude animal e a prote~ao da qualidade de alimentos ao longo de toda a cadeia produtiva. Foram assinados novos acordos com 0 IICA, OlE, OIRSA FAO, UNICEF e PMA para promover estrategias que incluem a redu~ao da vulnerabilidade frente a desastres naturais e novas ameayas de bioterrorismo. Enfoque de equidade de genera. Com 0 prop6sito de criar referencias conceituais e coletar comprova~oes emprricas para a integrayao de uma perspectiva de eqoidade de genero nas pohticas do setor da saude, a OPAS implementou uma iniciativa intersetorial em ambito regional, em dois parses da Regiao (Chile e Peru), dirigida a fomentar ayoes coordenadas entre os governos e a sociedade civil. A iniciativa tern os seguintes objetivos: 1) documenta~ao e analise das iniqoidades de genero em saude e sua associayao com pohticas setoriais; 2) comunicayao destas informa~oes aos principais agentes, com a finalidade de sensibilizar e informar os responsaveis pela tomada de decisao e potencializar a ayao de grupos da sociedade civil que defendem a eqoidade de genero, e 3) forma~ao de redes multissetoriais para influir nos processos de formulayao e monitoramento de pohticas. A cria~ao de uma base de dados, publica~80 de dados estatisticos sobre equidade de genero e saude e a elabora~ao de guias para 0 trabalho nos parses referentes a mensura~80, analise e monitoramento das iniquidades de genero relativas a saude representam importantes contribuiyoes para a integrayao nas reformas do setor da saude. Outras iniciativas dignas de menyao sao a realizay80 de f6runs virtuais e presenciais sobre 0 amplo tema de genero e reforma, a Criay80 de uma pagina na Internet e a incorporay80 da ateny80 domiciliar da saude n80 remunerada dentro do sistema de contas nacionais. Cabe tambem destacar a parceria com 0 Banco Mundial e Fundo de

50º CONSELHO DIRETOR 62 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

50º CONSELHO DIRETOR 62 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 50º CONSELHO DIRETOR 62 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 27 de setembro a 1º de outubro de 2010 Tema 4.17 da agenda CD50/26

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 CD49.R10 (Port.) ORIGINAL:

Leia mais

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO 154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA 16 a 20 de junho de 2014 CE154.R17 Original: inglês RESOLUÇÃO CE154.R17 ESTRATÉGIA PARA COBERTURA UNIVERSAL DE SAÚDE A 154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO,

Leia mais

aprovado no Foro de Ministros de Meio Ambiente (2004-2006) para 2005-2007.

aprovado no Foro de Ministros de Meio Ambiente (2004-2006) para 2005-2007. PROGRAMA LATINO-AMERICANO E CARIBENHO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ACORDOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA ESTRATÉGIA DO PLACEA: 2005-2007 1 (DOCUMENTO EM VERSÃO PRELIMINAR) Introdução: Os especialistas em Gestão Pública

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI)

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) - 1 - ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) ANEXO I PRIMEIRA REUNIÃO INTERAMERICANA DE MINISTROS OEA/Ser./XLIII.1 E ALTAS AUTORIDADES DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza Grupo Banco Mundial Construindo um mundo sem pobreza Enfoque Regional! O Banco Mundial trabalha em seis grandes regiões do mundo: 2 Fatos Regionais: América Latina e Caribe (ALC)! População total: 500

Leia mais

Declaração de Santa Cruz de la Sierra

Declaração de Santa Cruz de la Sierra Reunião de Cúpula das Américas sobre o Desenvolvimiento Sustentável Santa Cruz de la Sierra, Bolivia, 7 ao 8 de Dezembro de 1996 Declaração de Santa Cruz de la Sierra O seguinte documento é o texto completo

Leia mais

PRESIDÊNCIA GRUPO DE MULHERES PARLAMENTARES DAS AMÉRICAS DO FIPA

PRESIDÊNCIA GRUPO DE MULHERES PARLAMENTARES DAS AMÉRICAS DO FIPA RELATÓRIO 2009-2011 PRESIDÊNCIA GRUPO DE MULHERES PARLAMENTARES DAS AMÉRICAS DO FIPA Linda Machuca Moscoso Membro da Assembléia Nacional do Equador RESUMO EXECUTIVO DO RELATÓRIO 2009-2011 Este resumo executivo

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude Organização das Nações Unidas A/RES/66/121 Assembleia Geral Distribuição: geral 2 de fevereiro de 2012 65 a sessão Item 27 (b) da pauta Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011

Leia mais

Solidariedade - É uma empatia fundamental com as causas das famílias mais excluídas, que nos move a # querer estar e trabalhar junto com elas.

Solidariedade - É uma empatia fundamental com as causas das famílias mais excluídas, que nos move a # querer estar e trabalhar junto com elas. BRIEF COMERCIAL 2015 QUEM SOMOS TETO é uma organização presente na América Latina e no Caribe, que busca superar a situação de pobreza em que vivem milhões de pessoas nos assentamentos precários, através

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago

Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago Segunda Cúpula das Américas Santiago, Chile, 18 e 19 de abril de 1998 Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago O seguinte documento é o texto completo da Declaração de Santiago assinada pelos

Leia mais

Cobertura Universal em Saúde nas Américas:

Cobertura Universal em Saúde nas Américas: I FORO INTERNACIONAL SOBRE COBERTURA UNIVERSAL DE SAUDE E SISTEMAS DE COBERTURA UNIVERSA- BRASILIA 1 E 2 DE FEVEREIRO Cobertura Universal em Saúde nas Américas: Análise de Situação e Agenda da OPAS/OMS

Leia mais

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 BR/2001/PI/H/3 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 2001 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO),

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA

EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA BR/2001/PI/H/4 EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA Os Ministros da Educação da América Latina e do Caribe, reunidos a pedido da UNESCO, na VII Sessão do Comitê Intergovernamental Regional do Projeto

Leia mais

Solidariedade - É uma empatia fundamental com as causas das famílias mais excluídas, que nos move a # querer estar e trabalhar junto com elas.

Solidariedade - É uma empatia fundamental com as causas das famílias mais excluídas, que nos move a # querer estar e trabalhar junto com elas. BRIEF INSTITUCIONAL 2015 QUEM SOMOS TETO é uma organização presente na América Latina e no Caribe, que busca superar a situação de pobreza em que vivem milhões de pessoas nos assentamentos precários, através

Leia mais

50 o CONSELHO DIRETOR 62 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

50 o CONSELHO DIRETOR 62 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 50 o CONSELHO DIRETOR 62 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 27 de setembro a 1 o. de outubro de 2010 CD50/DIV/3 ORIGINAL:

Leia mais

150 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

150 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 150 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA, 18 22 de junho de 2012 Tema 4.10 da Agenda Provisória CE150/20, Rev. 1 (Port.) 23

Leia mais

EDITAL UNIFEM. Podem ser apresentados projetos de organizações da sociedade civil que cumpram os seguintes requisitos mínimos:

EDITAL UNIFEM. Podem ser apresentados projetos de organizações da sociedade civil que cumpram os seguintes requisitos mínimos: EDITAL UNIFEM 2010 O Escritório Sub-Regional do Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher para Brasil e países do Cone Sul (Argentina, Brasil, Chile, Paraguai e Uruguai) convida organizações

Leia mais

As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial

As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial ONU A ONU (Organização das Nações Unidas) foi fundada no dia 24 de outubro de 1945, em São Francisco, Estados Unidos. O encontro

Leia mais

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade DECLARAÇÃO DOS MINISTROS DA AGRICULTURA, SÃO JOSÉ 2011 1. Nós, os Ministros e os Secretários de Agricultura

Leia mais

Brasil fica em quarto lugar em desigualdade social

Brasil fica em quarto lugar em desigualdade social Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 4 o Bimestre 5 o ano Geografia 1. Leia a notícia, divulgada em vários jornais brasileiros, no dia 21

Leia mais

O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE

O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE Marcia Vasconcelos - OIT Reunión de Especialistas Género, Probreza, Raza,

Leia mais

Desenvolvimento Integral na Primeira Infância

Desenvolvimento Integral na Primeira Infância apresentam Desenvolvimento Integral na Primeira Infância Agenda de ações para a região da América Latina Resultados da Oficina Construindo uma Agenda Regional para o Desenvolvimento na Primeira Infância,

Leia mais

,QLTXLGDGHVHP6D~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD

,QLTXLGDGHVHP6D~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD ,QLTXLGDGHVHP6D~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD 'RFXPHQWRDSUHVHQWDGRSRURFDVLmRGRODQoDPHQWRGD &RPLVVmR1DFLRQDOVREUH'HWHUPLQDQWHV6RFLDLVHP6D~GHGR %UDVLO&1'66 0DUoR ,QLTXLGDGHVHPVD~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD

Leia mais

Educação é a chave para um desenvolvimento duradouro...

Educação é a chave para um desenvolvimento duradouro... Educação é a chave para um desenvolvimento duradouro...enquanto os líderes mundiais se preparam para um encontro em Nova York ainda este mês para discutir o progresso dos Objetivos de Desenvolvimento do

Leia mais

Aula 9.1 Conteúdo: Tentativas de união na América Latina; Criação do Mercosul. FORTALECENDO SABERES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES

Aula 9.1 Conteúdo: Tentativas de união na América Latina; Criação do Mercosul. FORTALECENDO SABERES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 9.1 Conteúdo: Tentativas de união na América Latina; Criação do Mercosul. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Habilidade:

Leia mais

ACORDOS POPULAÇÃO E DESENVOLVIMENTO: TEMAS PRIORITÁRIOS PARA 2010-2012

ACORDOS POPULAÇÃO E DESENVOLVIMENTO: TEMAS PRIORITÁRIOS PARA 2010-2012 1 ACORDOS POPULAÇÃO E DESENVOLVIMENTO: TEMAS PRIORITÁRIOS PARA 2010-2012 O Comitê Especial da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe sobre População e Desenvolvimento, na reunião celebrada

Leia mais

Mobilização e Participação Social no

Mobilização e Participação Social no SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Mobilização e Participação Social no Plano Brasil Sem Miséria 2012 SUMÁRIO Introdução... 3 Participação

Leia mais

54 o CONSELHO DIRETOR

54 o CONSELHO DIRETOR 54 o CONSELHO DIRETOR 67 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL DA OMS PARA AS AMÉRICAS Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2015 Tema 7.5 da agenda provisória CD54/INF/5 10 de julho de 2015 Original:

Leia mais

EDITAL ONU MULHERES 2011

EDITAL ONU MULHERES 2011 EDITAL ONU MULHERES 2011 O Escritório Sub-Regional da ONU Mulheres para Brasil e países do Cone Sul (Argentina, Chile, Paraguai e Uruguai) convida organizações da sociedade civil a apresentarem projetos

Leia mais

mudanças qualitativas radicais na vida econômica, social e política das nações.

mudanças qualitativas radicais na vida econômica, social e política das nações. PRONUNCIAMENTO DO MINISTRO EDUARDO CAMPOS NA SOLENIDADE DE INSTALAÇÃO DA III ASSEMBLÉIA GERAL DA ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DE PARLAMENTARES PARA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (IPAIT), NA CÂMARA DOS DEPUTADOS,

Leia mais

TRADUÇÃO NÃO OFICIAL

TRADUÇÃO NÃO OFICIAL UNASUL/CMRE/RESOLUÇÃO/Nº 28/2012 MEDIANTE A QUAL É RESOLVIDO APRESENTAR PARA A APROVAÇÃO DO CONSELHO DE CHEFAS E CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA UNIÃO DAS NAÇÕES SUL-AMERICANAS A AGENDA DE AÇÕES PRIORITÁRIAS

Leia mais

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais.

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais. EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 10/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 10/2012 TIPO: MELHOR TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

Construindo governos efetivos

Construindo governos efetivos Construindo governos efetivos Sucessos e desafios da gestão pública para resultados na América Latina e no Caribe Resumo executivo EDITORES Jorge Kaufmann, Mario Sanginés, Mauricio García Moreno Construindo

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais

ICC 114 8. 10 março 2015 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido

ICC 114 8. 10 março 2015 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido ICC 114 8 10 março 2015 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido Memorando de Entendimento entre a Organização Internacional do Café, a Associação

Leia mais

A Declaração de Jacarta. sobre Promoção da Saúde no Século XXI

A Declaração de Jacarta. sobre Promoção da Saúde no Século XXI A Declaração de Jacarta sobre Promoção da Saúde no Século XXI * * * * * * * * * * * * * * * * * ** * * * * * * * * * A Declaração de Jacarta sobre Promoção da Saúde no Século XXI * * * * * * * * * * *

Leia mais

Agenda Nacional de Trabalho Decente

Agenda Nacional de Trabalho Decente Agenda Nacional de Trabalho Decente Brasília, 2006 Sumário Gerar Trabalho Decente para Combater a Pobreza e as Desigualdades Sociais A. Antecedentes...5 B. Prioridades...9 B.1. Prioridade 1: Gerar mais

Leia mais

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul MECANISMOS INTER-REGIONAIS BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul O que faz o BRICS? Desde a sua criação, o BRICS tem expandido suas atividades em duas principais vertentes: (i) a coordenação

Leia mais

BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007

BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007 BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007 O Acordo Internacional do Café (AIC) de 2007 é um instrumento chave para a cooperação internacional em matéria de café, e participar dele

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

CE150/INF/6 (Port.) Anexo A - 2 - A. DETERMINANTES SOCIAIS DA SAÚDE. Introdução

CE150/INF/6 (Port.) Anexo A - 2 - A. DETERMINANTES SOCIAIS DA SAÚDE. Introdução Anexo A - 2 - A. DETERMINANTES SOCIAIS DA SAÚDE Introdução 1. A Assembleia Mundial da Saúde, mediante a Resolução WHA62.14 (2009), Reduzir as desigualdades de saúde mediante ações sobre os determinantes

Leia mais

Fundo de População das Nações Unidas. GIFE - Rede Temática Saúde 14 de julho de 2015

Fundo de População das Nações Unidas. GIFE - Rede Temática Saúde 14 de julho de 2015 Fundo de População das Nações Unidas GIFE - Rede Temática Saúde 14 de julho de 2015 Fundo de População das Nações Unidas Cooperação Internacional para o Desenvolvimento Expansão das liberdades individuais

Leia mais

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes MEMORANDO DE ENTENDIMENTO SOBRE A COOPERAÇÃO EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO ENTRE OS GOVERNOS DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, FEDERAÇÃO DA RÚSSIA, REPÚBLICA DA ÍNDIA, REPÚBLICA POPULAR DA CHINA E

Leia mais

4. Trata-se de uma estratégia complementar à cooperação Norte-Sul e que não tem o objetivo de substituí-la.

4. Trata-se de uma estratégia complementar à cooperação Norte-Sul e que não tem o objetivo de substituí-la. VI REUNIÃO PARDEV 17/5/2012 Fala abertura Laís Abramo 1. A Cooperação Sul Sul é um importante e estratégico instrumento de parceria (partnership) para o desenvolvimento, capaz de contribuir para o crescimento

Leia mais

X CONFERÊNCIA DE MINISTROS DA DEFESA DAS AMÉRICAS PUNTA DEL ESTE - REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI 8 A 10 DE OUTUBRO DE 2012

X CONFERÊNCIA DE MINISTROS DA DEFESA DAS AMÉRICAS PUNTA DEL ESTE - REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI 8 A 10 DE OUTUBRO DE 2012 X CONFERÊNCIA DE MINISTROS DA DEFESA DAS AMÉRICAS PUNTA DEL ESTE - REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI 8 A 10 DE OUTUBRO DE 2012 DECLARAÇÃO DE PUNTA DEL ESTE (10 de outubro de 2012) Os Ministros da Defesa e

Leia mais

QUEM SOMOS VISÃO MISSÃO HISTÓRICO BRIEF INSTITUCIONAL 2013

QUEM SOMOS VISÃO MISSÃO HISTÓRICO BRIEF INSTITUCIONAL 2013 BRIEF INSTITUCIONAL 2013 QUEM SOMOS TETO é uma organização presente na América Latina e no Caribe, que busca superar a situação de pobreza em que vivem milhões de pessoas nos assentamentos precários, através

Leia mais

IDH do Brasil melhora, mas país cai no ranking Mudança se deve a desempenho melhor de outro país

IDH do Brasil melhora, mas país cai no ranking Mudança se deve a desempenho melhor de outro país Material embargado até dia 9 de novembro, às 11h do Brasil IDH do Brasil melhora, mas país cai no ranking Mudança se deve a desempenho melhor de outro país O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do Brasil

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

CE150/INF/6 (Port.) Anexo I - 48 - I. SITUAÇÃO DOS CENTROS PAN-AMERICANOS. Introdução

CE150/INF/6 (Port.) Anexo I - 48 - I. SITUAÇÃO DOS CENTROS PAN-AMERICANOS. Introdução Anexo I - 48 - I. SITUAÇÃO DOS CENTROS PAN-AMERICANOS Introdução 1. Este documento foi elaborado em resposta ao mandato dos Órgãos Diretivos da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) para realizar avaliações

Leia mais

II SEMINÁRIO BRASILEIRO DE EFETIVIDADE DA PROMOÇÃO DA SAÚDE DECLARAÇÃO SOBRE COOPERAÇÃO ENTRE PAÍSES NA EFETIVIDADE DA PROMOÇÃO DA SAÚDE

II SEMINÁRIO BRASILEIRO DE EFETIVIDADE DA PROMOÇÃO DA SAÚDE DECLARAÇÃO SOBRE COOPERAÇÃO ENTRE PAÍSES NA EFETIVIDADE DA PROMOÇÃO DA SAÚDE II SEMINÁRIO BRASILEIRO DE EFETIVIDADE DA PROMOÇÃO DA SAÚDE DECLARAÇÃO SOBRE COOPERAÇÃO ENTRE PAÍSES NA EFETIVIDADE DA PROMOÇÃO DA SAÚDE O II Seminário Brasileiro de Efetividade da Promoção da Saúde (II

Leia mais

REDE DE INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EM SAÚDE DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA EM IST, VIH E SIDA (RIDES IST - SIDA CPLP)

REDE DE INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EM SAÚDE DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA EM IST, VIH E SIDA (RIDES IST - SIDA CPLP) REDE DE INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EM SAÚDE DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA EM IST, VIH E SIDA (RIDES IST - SIDA CPLP) 1 REDE DE INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EM SAÚDE DA COMUNIDADE DE

Leia mais

Fórum de Diálogo IBAS

Fórum de Diálogo IBAS Fórum de Diálogo IBAS, e do Sul Integração SUL-SUL Fórum de Mulheres FÓRUM De DIÁLOGO IBAS, e do Sul O Fórum IBAS é uma iniciativa trilateral entre, e do Sul, desenvolvida para promover a cooperação Sul-

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

A Economia da América Latina

A Economia da América Latina A Economia da América Latina adsense1 Agricultura A agricultura de subsistência era a principal atividade econômica dos povos originais da América Latina, Essa atividade era complementada pela caça, pela

Leia mais

Coletiva de Imprensa Lançamento Sistema de Informação Estatística sobre TIC do OSILAC/CEPAL. Mariana Balboni osilac@cepal.org

Coletiva de Imprensa Lançamento Sistema de Informação Estatística sobre TIC do OSILAC/CEPAL. Mariana Balboni osilac@cepal.org Coletiva de Imprensa Lançamento Sistema de Informação Estatística sobre TIC do OSILAC/CEPAL Mariana Balboni osilac@cepal.org Agenda I. Programa Sociedade da Informação II. Sistema de Informação estatística

Leia mais

Iniciativa de Água Potável e Saneamento

Iniciativa de Água Potável e Saneamento Banco Interamericano de Desenvolvimento Iniciativa de Água Potável e Saneamento Recife - PE, 11 de junho de 2007 Desde 1990 América Latina realizou avanços na provisão de água e saneamento... Coberturas

Leia mais

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza FOME ZERO O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza Seminário Internacional sobre Seguro de Emergência e Seguro Agrícola Porto Alegre, RS -- Brasil 29 de junho a 2 de julho de 2005 Alguns

Leia mais

3.1 Planejar, organizar e realizar oficinas de mapeamento participativo utilizando técnicas de educação popular e promoção da saúde;

3.1 Planejar, organizar e realizar oficinas de mapeamento participativo utilizando técnicas de educação popular e promoção da saúde; EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 05/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 05/2012 TIPO: MELHOR TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 03/2012 TIPO: QUALIFICAÇÃO TÉCNICA

EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 03/2012 TIPO: QUALIFICAÇÃO TÉCNICA EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 03/2012 TIPO: QUALIFICAÇÃO TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

REF: As pautas das crianças e adolescentes nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

REF: As pautas das crianças e adolescentes nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Brasília, Dezembro de 2015 Exma. Sra. Dilma Rousseff Presidente da República Federativa do Brasil Palácio do Planalto Gabinete da Presidência Praça dos Três Poderes, Brasília - DF, 70150-900. REF: As pautas

Leia mais

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS)

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) INTRODUÇÃO A Organização das Nações Unidas (ONU) está conduzindo um amplo debate entre governos

Leia mais

Declaração do Presidente da Quinta Cúpula das Américas, Senhor Patrick Manning, Primeiro-Ministro da República de Trinidad e Tobago

Declaração do Presidente da Quinta Cúpula das Américas, Senhor Patrick Manning, Primeiro-Ministro da República de Trinidad e Tobago QUINTA CÚPULA DAS AMÉRICAS OEA/Ser.E 17 a 19 de abril de 2009 CA-V/DP-1/09 Port of Spain, Trinidad e Tobago 19 abril 2009 Original: inglês Declaração do Presidente da Quinta Cúpula das Américas, Senhor

Leia mais

Diretrizes Consolidadas sobre Prevenção, Diagnóstico, Tratamento e Cuidados em HIV para as Populações-Chave

Diretrizes Consolidadas sobre Prevenção, Diagnóstico, Tratamento e Cuidados em HIV para as Populações-Chave Diretrizes Consolidadas sobre Prevenção, Diagnóstico, Tratamento e Cuidados em HIV para as Populações-Chave Gabriela Calazans FCMSCSP, FMUSP II Seminário Nacional sobre Vacinas e novas Tecnologias de Prevenção

Leia mais

Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012

Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012 Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012 MARCO DE AÇÃO A Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil

Leia mais

Primeiro Ciclo 2004-2005 Formulário de inscrição

Primeiro Ciclo 2004-2005 Formulário de inscrição INICIATIVA DA CEPAL COM O APOIO DA FUNDAÇÃO W.K. KELLOGG Primeiro Ciclo 2004-2005 Formulário de inscrição Os formulários para a inscrição estão disponíveis na página web da CEPAL, www.cepal.cl, e na do

Leia mais

XX Congresso Panamericano da Criança e do Adolescente

XX Congresso Panamericano da Criança e do Adolescente CD/doc. 18/08 Resolução CD/RES.07 (83-R/08) 5 de dezembro, 2008. PROJETO DE TEMÁRIO XX Congresso Panamericano da Criança e do Adolescente A realizar-se em Lima, Peru, setembro de 2009. Indice I. Introdução

Leia mais

A Ministra do Meio Ambiente do Brasil, Senadora Marina Silva, apresentou a agenda para consideração dos participantes, tendo sido aprovada.

A Ministra do Meio Ambiente do Brasil, Senadora Marina Silva, apresentou a agenda para consideração dos participantes, tendo sido aprovada. II Reunião de Ministros de Meio Ambiente do MERCOSUL 8 de novembro de 2004, Brasília, Brasil Ata da Reunião nº 02/04 Realizou-se na cidade de Brasília, República Federativa do Brasil, no dia 8 de novembro

Leia mais

VII. VIAGENS DO SECRETÁRIO-GERAL E DO SECRETÁRIO-GERAL ADJUNTO

VII. VIAGENS DO SECRETÁRIO-GERAL E DO SECRETÁRIO-GERAL ADJUNTO VII. VIAGENS DO SECRETÁRIO-GERAL E DO SECRETÁRIO-GERAL ADJUNTO 140 Viagens do Secretário-Geral Conferência sobre o Sistema Interamericano São Domingos, República Dominicana, 2 e 3 de junho de 2005 Trigésimo

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

ESTATÍSTICAS GLOBAIS DE 2014

ESTATÍSTICAS GLOBAIS DE 2014 EMBARGADO PARA TRANSMISSÃO E PUBLICAÇÃO ATÉ ÀS 06:30 (HORÁRIO DE BRASÍLIA), TERÇA-FEIRA, 14 DE JULHO DE 2015 FICHA INFORMATIVA ESTATÍSTICAS GLOBAIS DE 2014 15 de pessoas com acesso a terapia antirretroviral

Leia mais

Sumário. Aids: a magnitude do problema. A epidemia no Brasil. Característica do Programa brasileiro de aids

Sumário. Aids: a magnitude do problema. A epidemia no Brasil. Característica do Programa brasileiro de aids Sumário Aids: a magnitude do problema A epidemia no Brasil Característica do Programa brasileiro de aids Resultados de 20 anos de luta contra a epidemia no Brasil Tratamento Prevenção Direitos humanos

Leia mais

Carta de São José sobre os direitos das pessoas idosas da América Latina e do Caribe

Carta de São José sobre os direitos das pessoas idosas da América Latina e do Caribe Carta de San José sobre los derechos de las personas mayores de América Latina y el Caribe Carta de São José sobre os direitos das pessoas idosas da América Latina e do Caribe PORTADA 1 2 Carta de São

Leia mais

A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde

A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde 1. Nós, representantes dos governos que se reuniram no Recife, Brasil, de

Leia mais

Workshop Cooperação Internacional e rede de cidades

Workshop Cooperação Internacional e rede de cidades Workshop Cooperação Internacional e rede de cidades Vicente Trevas, Vice-Presidente da RIAD e Subchefe de Assuntos Federativos da Presidência da República do Brasil. Inicialmente, gostaria de colocar algumas

Leia mais

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro A CONTRIBUIÇÃO DO CDES PARA O DEBATE DA CONSOLIDAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

XI REUNIÃO DE MINISTROS DAS RELAÇÕES EXTERIORES DOS PAÍSES MEMBROS DA ORGANIZAÇÃO DO TRATADO DE COOPERAÇÃO AMAZÔNICA. (Manaus, 22 de novembro de 2011)

XI REUNIÃO DE MINISTROS DAS RELAÇÕES EXTERIORES DOS PAÍSES MEMBROS DA ORGANIZAÇÃO DO TRATADO DE COOPERAÇÃO AMAZÔNICA. (Manaus, 22 de novembro de 2011) XI REUNIÃO DE MINISTROS DAS RELAÇÕES EXTERIORES DOS PAÍSES MEMBROS DA ORGANIZAÇÃO DO TRATADO DE COOPERAÇÃO AMAZÔNICA (Manaus, 22 de novembro de 2011) COMPROMISSO DE MANAUS Os Ministros das Relações Exteriores

Leia mais

Adaptação e validação do Manual 5 Chaves da OMS para a inocuidade dos alimentos em escolas primárias da Guatemala

Adaptação e validação do Manual 5 Chaves da OMS para a inocuidade dos alimentos em escolas primárias da Guatemala 5ª REUNIÃO DA COMISSÃO PAN-AMERICANA DE INOCUIDADE DOS ALIMENTOS (COPAIA 5) Rio de Janeiro, Brasil, 10 de junho de 2008 Tema 8 da agenda provisória COPAIA5/8 (Port.) 09 junho 2008 ORIGINAL: ESPANHOL Adaptação

Leia mais

CHAMADO À AÇÃO DE TORONTO

CHAMADO À AÇÃO DE TORONTO Organização Pan-Americana da Saúde Ministério da Saúde CHAMADO À AÇÃO DE TORONTO 2006-2015 Rumo a uma Década de Recursos Humanos em Saúde nas américas Reunião Regional dos Observatórios de Recursos Humanos

Leia mais

Programas Sociais. A recente experiência paulistana

Programas Sociais. A recente experiência paulistana Programas Sociais A recente experiência paulistana Mapa da fome no Brasil na década de 1950 Fonte: Banco Central do Brasil Fonte: CASTRO, Josué. Geografia da Fome. São Paulo: Brasiliense, 1957 10.000 9.000

Leia mais

Nota de trabalho. Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas REPRESENTAÇÃO COMERCIAL

Nota de trabalho. Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas REPRESENTAÇÃO COMERCIAL MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO DA ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS Capacitação dos pobres para a obtenção de meios de subsistência sustentáveis Base para

Leia mais

Estatutos da RIICOTEC

Estatutos da RIICOTEC ESTATUTO DA REDE INTERGOVERNAMENTAL IBEROAMERICANA DE COOPERAÇÃO TÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO DE POLÍTICAS INTEGRAIS PARA AS PESSOAS IDOSAS E PESSOAS COM DEFICIÊNCIA (RIICOTEC) 1 (Com as modificações

Leia mais

DECLARAÇÃO DO BRASIL

DECLARAÇÃO DO BRASIL DECLARAÇÃO DO BRASIL Um Marco de Cooperação e Solidariedade Regional para Fortalecer a Proteção Internacional das Pessoas Refugiadas, Deslocadas e Apátridas na América Latina e no Caribe Brasília, 3 de

Leia mais

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai, a República Oriental do Uruguai, a República Bolivariana

Leia mais

Brasil avança, mas é quarto país mais desigual da América Latina, diz ONU

Brasil avança, mas é quarto país mais desigual da América Latina, diz ONU Brasil avança, mas é quarto país mais desigual da América Latina, diz ONU Estudo faz balanço de serviços urbanos básicos, como a gestão dos resíduos sólidos. (Foto: Reprodução) Apesar do crescimento econômico,

Leia mais

PROGRESSO, DIFICULDADES E ESTRATÉGIAS DA RINC PARA REALIZAR O PLANO QUINQUENAL DE SAÚDE 2010 2015 ATÉ O MOMENTO

PROGRESSO, DIFICULDADES E ESTRATÉGIAS DA RINC PARA REALIZAR O PLANO QUINQUENAL DE SAÚDE 2010 2015 ATÉ O MOMENTO PROGRESSO, DIFICULDADES E ESTRATÉGIAS DA RINC PARA REALIZAR O PLANO QUINQUENAL DE SAÚDE 2010 2015 ATÉ O MOMENTO 1 Perspectiva estratégica A RINC é uma estratégia de articulação e cooperação técnica da

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS 1. Objetivo geral: Apoiar tecnicamente a gestão e a implementação das atividades do Termo de Cooperação 78 - Expansão da Estratégia Stop

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE EMPREENDIMENTOS ECONOMICOS SOLIDÁRIOS (EES) CANDIDATOS A HABILITAÇÃO AO SISTEMA NACIONAL DE COMÉRCIO JUSTO E SOLIDÁRIO - SNCJS

EDITAL DE SELEÇÃO DE EMPREENDIMENTOS ECONOMICOS SOLIDÁRIOS (EES) CANDIDATOS A HABILITAÇÃO AO SISTEMA NACIONAL DE COMÉRCIO JUSTO E SOLIDÁRIO - SNCJS 1. Apresentação União Brasileira de Educação e Ensino UBEE EDITAL DE SELEÇÃO DE EMPREENDIMENTOS ECONOMICOS SOLIDÁRIOS (EES) CANDIDATOS A HABILITAÇÃO AO SISTEMA NACIONAL DE COMÉRCIO JUSTO E SOLIDÁRIO -

Leia mais

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde Rio de Janeiro, Brasil - 21 de outubro de 2011 1. Convidados pela Organização Mundial da Saúde, nós, Chefes de Governo, Ministros e representantes

Leia mais

PROGRAMA DO: Governo da República Federativa do Brasil (Ministério das Cidades Ministério do Meio Ambiente)

PROGRAMA DO: Governo da República Federativa do Brasil (Ministério das Cidades Ministério do Meio Ambiente) PROGRAMA DO: Governo da República Federativa do Brasil (Ministério das Cidades Ministério do Meio Ambiente) COM APOIO DO: Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos (UN-HABITAT) e o Programa

Leia mais

Organização Mundial da Saúde

Organização Mundial da Saúde TRADUÇÃO LIVRE, ADAPTADA AO PORTUGUÊS PELA OPAS/OMS BRASIL. Organização Mundial da Saúde Uma Resposta Sustentável do Setor Saúde ao HIV Estratégia mundial do setor da saúde contra o HIV/aids para 2011-2015

Leia mais