FREDERICO FAÚLA DE SOUSA OFERECIDA PARA O (S)CURSO (S) DE: Ementa (Síntese do Conteúdo)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FREDERICO FAÚLA DE SOUSA OFERECIDA PARA O (S)CURSO (S) DE: Ementa (Síntese do Conteúdo)"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRO-REITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETORIA DE REGISTRO E CONTROLE ACADÊMICO CONTEÚDO DE DISCIPLINA CARGA HORÁRIA CÓDIGO DENOMINAÇÃO CR. TEÓR. PRÁT. TOT. ENG 200 ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS AGRÍCOLAS DEPARTAMENTO ENGENHARIA ENGENHARIA AGRÍCOLA ENGENHARIA DE ALIMENTOS PROFESSOR(ES) FLÁVIO MEIRA BORÉM FREDERICO FAÚLA DE SOUSA OFERECIDA PARA O (S)CURSO (S) DE: Ementa (Síntese do Conteúdo) Maturação e colheita dos grãos, estrutura e composição química, propriedades termofísicas, água nos grãos, amostragem, higrometria, umidade de equilíbrio, respiração e deterioração dos grãos, armazenamento convencional e a granel, pragas de grãos armazenados, roedores e seu controle, beneficiamento de grãos. Chefe do Departamento de Lavras, 30 /setembro/2003 Assinaturas:

2 Conteúdo Programático 1. MATURAÇÃO E COLHEITA DOS GRÃOS 1.1. Mudança no Teor de água 1.2. Mudanças no Tamanho Mudanças na Matéria Seca e no Vigor 1.4. Mudanças na Germinação 1.5. Colheita de grãos 2. ESTRUTURA E COMPOSIÇÃO QUÍMICA DOS GRÃOS 2.1. Introdução 2.2. Estrutura Geral dos Grãos 2.3. Estrutura do Ponto de Vista Funcional 2.4. Composição Química 3. PROPRIEDADES FÍSICAS DOS GRÃOS 3.1. Forma e Tamanho 3.2. Ângulo de repouso 3.3 Massa específica 3.4. Porosidade 3.5. Velocidade Terminal 3.6. Condutividade Térmica 3.7. Higroscopicidade 3.8. Coeficiente de Atrito Estático Dureza e quebra de grãos Trincamento 4. A ÁGUA NOS GRÃOS Introdução Teor de água Formas Básicas para Expressar a Umidade 4.4. Porcentagem de Quebra 4.5. Determinação da umidade dos grãos 5. AMOSTRAGEM 5.1. Tipos de Amostras 5.2. Equipamentos usados na Amostragem 5.3. Época de Amostragem 5.4. Roteiro Operacional da Amostragem 5.5. Homogeneizadores 6. HIGROMETRIA 6.1. Introdução Psicrômetros Propriedades do Ar Úmido Gráfico Psicrométrico Mistura de Massas de Ar com Diferentes Propriedades

3 7. UMIDADE DE EQUILÍBRIO 7.1. Isotermas de Sorção de Água 7.2. Histerese 7.3 Temperatura vs Equilíbrio Higroscópico 7.4. Umidade Relativa vs Equilíbrio Higroscópico 7.5 Representação Algébrica das Isotermas de Equilíbrio 8. RESPIRAÇÃO E DETERIORAÇÃO DOS GRÃOS 8.1. Processo Respiratório e Aquecimento de uma Massa de Grãos 8.2. Deterioração dos Grãos 9. ARMAZENAMENTO DE GRÃOS 9.1. Breve Histórico 9.2. Rede Armazenadora de Grãos 9.3. Métodos de Armazenamento Armazenamento nas Pequenas Propriedades Rurais Armazenamento com Atmosfera Modificada ou Controlada Armazenamento Convencional Armazenamento a Granel Silos Verticais Silo Horizontais 10. PRAGAS DE GRÃOS ARMAZENADOS 10.1 Danos Causados pelos Insetos 10.2 Principais Características dos Insetos Classificação dos Insetos quanto aos Hábitos Alimentares Fatores que Afetam a Incidência de Insetos Principais Pragas dos Produtos Armazenados Controle de Insetos em Unidades Armazenadoras 11. ROEDORES 11.1 Danos Causados pelos Roedores Características Gerais dos Ratos Principais Espécies Métodos de Controle 12. BENEFICIAMENTO DE GRÃOS Características Físicas dos Grãos Utilizadas na Separação e Classificação Seqüência Básica de Beneficiamento Pré-Limpeza e Limpeza Máquina de Ar e Peneiras Classificação Classificação por Massa específica Classificação pelo Formato

4 BIBLIOGRAFIA ALMEIDA, F.A.C.; HARA, T; MATA, M. E. R. M. C. Armazenamento de grãos e sementes nas propriedades rurais. In: SIMPÓSIO ARMAZENAMENTO DE GRÃOS E SEMENTES NAS PROPRIEDADES RURAIS. Campina Grande: UFLB, 1997, 291p. BRANDÃO, F. Manual do armazenista. Viçosa, UFV, Impr. Universitária, 1989, 269p. il BROOKER, D.B.; BAKKER-AREMA, F.W.; HALL, C.W. Drying cereal grains. The AVI Publishing Company, Inc. Connecticut, 1978, 265p. CARVALHO, N.M. A secagem de sementes. FUNEP / UNESP, Jaboticabal, p. CHAMP, B.R. ; DYTE, C.E. Prospección mundial de la FAO sobre susceptibilidad a los insecticidas de las pragas de granos almacenados. Organización de las Naciones Unidad para la Agricultura e la Alimentación. Roma, p. CHRISTENSEN, C.M. Storage of cereal grains and their products. American Association of Cereal Chemists, Inc. Minnesota, CORTEZ, L. A.B (Ed) Introdução à Engenharia Agrícola. Editora da UNICAMP - Campinas, SP DYKSTRA, W.W. Food contamination by rodents and birds. Cereal Sci. Today. 4 (10): ESAU,K. Anatomia das plantas com sementes. São Paulo, Editora Edgard Blücher Ltda, il, 293 p. FARONI, L.R.A. Principais pragas de grãos armazenados. In: Armazenamento de grãos e sementes nas propriedades rurais. ALMEIDA, F.A.C.; HARA, T,.; MATA, M.E.R.M.C. ( Eds). UFPB, Campina Grabde, p HALL, C.W. Drying and storage of agricultural crops. The AVI Publishing Company, Inc. Connecticut, p. HARRIS. K.L. ; BAUR, F.J. Rodents. In: Storage of cereal grains and their products. HOSENEY,R.C. ; FAUBION,J.M. Physical properties of cereal grains. In: Storage of cereal grains and their products. HOSENEY,R.C.; FAUBION,J.M. (Eds). American Association of Cereal Chemists, Inc. 4ed Minnesota, p JAYAS, D.S.; WHITE, N.D.G.; MUIR, W. E. (eds) Stored-grain ecosystems. Marcel Dekker, Inc. New York. 1995, 757p. LORINI, I. Controle integrado de pragas de grãos armazenados. Passo Fundo; EMBRAPA CNPT, p.

5 MACHADO, E.C. Manual de armazenamento de grãos. Campinas, 1977, 118p. MOHSENIN,N.N. Physical properties of plant and animal materials. Vol 1. New York, Gordon and Breach Publisher, 1970, 742 p. MOOJEN, J. Os roedores do Brasil. Instituto Nacional do Livro, Rio de Janeiro, p. PABIS, S.; JAYAS, D.S.; CENKOWSKI,S. Grain drying: theory and practice. John Wiley & Sons, Inc. New York p. PARIZZI, F.C. Classificação de produtos de origem vegetal. v.i e v.ii Borém, F.M. (ed). Lavras: UFLA/FAEPE PUZZI, A. Abastecimento e armazenagem de grãos. Instituto Campineiro de Ensino Agrícola. Campinas il. 603p. SAUER, D.B. Storage of cereal grains and their products. American Association of Cereal Chemists, Inc. Minnesota, SILVA, F.A.P.; GUEDES, R.N.C. Noções básicas sobre aspectos sanitários e de fumigação em grãos armazenados. Viçosa, CENTREINAR, P. SILVA, J.S. (ed) Secagem e armazenagem de produtos agrícolas. Aprenda Fácil, Viçosa, p.: il. SINHA, R.N. ; MUIR, W.E. Grain storage part of system. The AVI Publishing Company, Inc. Cinnecticut, p. TOLEDO, F. F. ; MARCOS FILHO, J. Manual das Sementes. Ed.Agronômica Ceres.São Paulo WELCH, G. B. Beneficiamento de Sementes no Brasil.. Ministério da Agricultura. AGIPLAN. Brasília Periódicos: Transactions of the ASAE Journal of Stored Products Research Journal Agricultural Engineering Research Postharvest Biology and Technology Food Technology Journal of Food Science and Technology Revista Brasileira de Armazenamento Canadian Agricultural Engineering

SISAERA: SOFTWARE PARA CONTROLE DE AERAÇÃO EM GRÃOS ARMAZENADOS

SISAERA: SOFTWARE PARA CONTROLE DE AERAÇÃO EM GRÃOS ARMAZENADOS SISAERA: SOFTWARE PARA CONTROLE DE AERAÇÃO EM GRÃOS ARMAZENADOS Rosângela G. Leite 1,4, Ivano A. Devilla 2,4, Ricardo C. Resende 3,4 1 Bolsista PIBIC/CNPQ 2 Pesquisador - Orientador 3 Pesquisador- voluntário

Leia mais

MANEJO TECNOLÓGICO E OPERACIONAL DE SECAGEM DE GRÃOS

MANEJO TECNOLÓGICO E OPERACIONAL DE SECAGEM DE GRÃOS LACERDA CONSULTORIA LTDA MANEJO TECNOLÓGICO E OPERACIONAL DE SECAGEM DE GRÃOS ADILIO FLAUZINO DE LACERDA FILHO, DSc Consultor em pós-colheita de grãos secagem, aeração, esfriamento artificial de grãos

Leia mais

www.agais.com Grãos: Métodos de Conservação 1

www.agais.com Grãos: Métodos de Conservação 1 1 Grãos: Métodos de Conservação 1 Prof. Luís César da Silva (enviar e-mail: www.agais.com) A massa de grãos armazenada constitui em um ecossistema em que estão presentes elementos abióticos e bióticos.

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: Recursos Naturais Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: TÉCNICO PÓS-COLHEITA DE GRÃOS FORMA/GRAU: ( )integrado ( X )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

Secagem de Grãos 1. 1. Fundamentos do Processo de Secagem

Secagem de Grãos 1. 1. Fundamentos do Processo de Secagem 1 Secagem de Grãos 1 Prof. Luís César da Silva email: silvalc@cca.ufes.br O processo de secagem é aplicado para reduzir o teor de umidade de produtos agrícolas. Desse modo, é reduzida disponibilidade de

Leia mais

Termos para indexação: temperatura, esfriamento, armazém. INTRODUÇÃO

Termos para indexação: temperatura, esfriamento, armazém. INTRODUÇÃO 35 Variação da temperatura de sementes de soja durante o armazenamento 1 ZUCHI, J. 2 SEDIYAMA, C.S. 3 LACERDA FILHO, A.F. 4 REIS, M.S. 5 FRANÇA NETO, J.B. 6 ZANUNCIO, J.C. 7 ARAÚJO, E.F. 8 RESUMO - A temperatura

Leia mais

EQUILÍBRIO HIGROSCÓPICO E ATIVIDADE DE ÁGUA PARA OVO INTEGRAL PROCESSADO EM SPRAY DRYER

EQUILÍBRIO HIGROSCÓPICO E ATIVIDADE DE ÁGUA PARA OVO INTEGRAL PROCESSADO EM SPRAY DRYER Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, Campina Grande, v.4, n.1, p.15-, ISSN: 1517-8595 15 EQUILÍBRIO HIGROSCÓPICO E ATIVIDADE DE ÁGUA PARA OVO INTEGRAL PROCESSADO EM SPRAY DRYER Paulo Cesar Corrêa

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE EXAUSTÃO NATURAL CYCLOAR EM SILOS METÁLICOS ARMAZENADOS COM MILHO

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE EXAUSTÃO NATURAL CYCLOAR EM SILOS METÁLICOS ARMAZENADOS COM MILHO AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE EXAUSTÃO NATURAL CYCLOAR EM SILOS METÁLICOS ARMAZENADOS COM MILHO Osvaldo Resende 1, Kelly Aparecida de Sousa 2, Renan Ullmann 3, Tarcísio Honório Chaves 4 RESUMO: Objetivou-se

Leia mais

Tratamento de Sementes Armazenadas com Pós Inertes à Base de Terra de Diatomáceas

Tratamento de Sementes Armazenadas com Pós Inertes à Base de Terra de Diatomáceas Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 113 ISSN 1517-4964 Dezembro, 2003 Passo Fundo, RS Tratamento de Sementes Armazenadas com Pós Inertes à Base de Terra de Diatomáceas Irineu Lorini 1 Alexandra

Leia mais

Qualidade de grãos de trigo submetidos a diferentes condições de armazenamento 1

Qualidade de grãos de trigo submetidos a diferentes condições de armazenamento 1 Qualidade de grãos de trigo submetidos a diferentes condições de armazenamento 1 Edar Ferrari Filho 2, Luidi Eric Guimarães Antunes 2, Roberto Gotardi 2, Rafael Gomes Dionello 3, Paulo Andre Rocha Petry

Leia mais

o efeito do pó inerte, à base de terra de diatomáceas, foi

o efeito do pó inerte, à base de terra de diatomáceas, foi AVALIAÇÃ D PÓ INERTE À BASE DE TERRA DE DIATMÁCEAS N CNTRLE DE SITPHILUS SPP. EM TRIG ARMAZENAD, EM LABRATÓRI Lorini, 1. 1 Resumo o efeito do pó inerte, à base de terra de diatomáceas, foi avaliado no

Leia mais

b. Temperatura Regra Prática

b. Temperatura Regra Prática Armazenamento Etapa final do processo Cuidados ARMAZENAMENTO DE SEMENTES OBJETIVOS Manter a qualidade fisiológica - deterioração Evitar aberrações cromossômicas - mutações Regularizar o mercado Época de

Leia mais

Unidades Armazenadoras: Planejamento e Gerenciamento Otimizado 1

Unidades Armazenadoras: Planejamento e Gerenciamento Otimizado 1 1 Unidades Armazenadoras: Planejamento e Gerenciamento Otimizado 1 Prof. Luís César da Silva Email: silvalc@cca.ufes.br - Website: www.agais.com Para a tomada de decisão sobre a construção de uma unidade

Leia mais

SECAGEM DE GRÃOS. Disciplina: Armazenamento de Grãos

SECAGEM DE GRÃOS. Disciplina: Armazenamento de Grãos SECAGEM DE GRÃOS Disciplina: Armazenamento de Grãos 1. Introdução - grãos colhidos com teores elevados de umidade, para diminuir perdas:. permanecem menos tempo na lavoura;. ficam menos sujeitos ao ataque

Leia mais

PROPRIEDADES FÍSICAS E AERODINÂMICAS APLICADAS AO PROJETO DE MÁQUINAS DE LIMPEZA PARA GRÃOS DE MILHO

PROPRIEDADES FÍSICAS E AERODINÂMICAS APLICADAS AO PROJETO DE MÁQUINAS DE LIMPEZA PARA GRÃOS DE MILHO PROPRIEDADES FÍSICAS E AERODINÂMICAS APLICADAS AO PROJETO DE MÁQUINAS DE LIMPEZA PARA GRÃOS DE MILHO Mauri Martins Teixeira 1, Peter John Martyn 2, Tetuo Hara 3, João Paulo A. Rodrigues da Cunha 4 RESUMO

Leia mais

Teresa Cristina Castilho Gorayeb 1 ; Juliana Arakaki Takemoto 2 ; Yara Paula de Oliveira Nishiyama 2 ; João Cláudio Thoméo 3

Teresa Cristina Castilho Gorayeb 1 ; Juliana Arakaki Takemoto 2 ; Yara Paula de Oliveira Nishiyama 2 ; João Cláudio Thoméo 3 Estudo da Secagem de Vagens de Amendoim - Runner IAC 886, em Monocamada. 71 Teresa Cristina Castilho Gorayeb 1 ; Juliana Arakaki Takemoto 2 ; Yara Paula de Oliveira Nishiyama 2 ; João Cláudio Thoméo 3

Leia mais

CINÉTICA DE SECAGEM EM CAMADA FINA DO MALTE VERDE DE CEVADA

CINÉTICA DE SECAGEM EM CAMADA FINA DO MALTE VERDE DE CEVADA Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, Campina Grande, v.3, n.1, p.53-59, 21 53 CINÉTICA DE SECAGEM EM CAMADA FINA DO MALTE VERDE DE CEVADA Iratan Jorge dos Santos 1, Sandra Maria Couto 2, Ednilton

Leia mais

MEDIDOR DE FLUXO DE AR DE BAIXO CUSTO LOW COST AIR FLOW MEASURER

MEDIDOR DE FLUXO DE AR DE BAIXO CUSTO LOW COST AIR FLOW MEASURER MEDIDOR DE FLUXO DE AR DE BAIXO CUSTO RESUMO - O conhecimento do fluxo de ar é importante nos sistemas de aeração e secagem de grãos. Os equipamentos disponíveis no mercado são de preço elevado, tornando

Leia mais

www.agais.com Armazenagem: Transporte de Grãos 1 Figura 1 Unidade Armazenadora Cortesia CASP

www.agais.com Armazenagem: Transporte de Grãos 1 Figura 1 Unidade Armazenadora Cortesia CASP 1 Armazenagem: Transporte de Grãos 1 Por: Luís César da Silva Figura 1 Unidade Armazenadora Cortesia CASP Unidades armazenadoras de grãos apresentam constituídas por: (a) estruturas físicas: moegas, silos-pulmões,

Leia mais

Efeito da colhedora, velocidade e ponto de coleta na qualidade física de sementes de milho

Efeito da colhedora, velocidade e ponto de coleta na qualidade física de sementes de milho Efeito da colhedora, velocidade e ponto de coleta na qualidade física de sementes de milho 1 Delineide Pereira Gomes, 2 Érika S. M. Koshikumo, 3 Leandra Matos Barrozo, 4 Breno Marques S. e Silva e 5 Rouverson

Leia mais

CINÉTICA DE SECAGEM E QUALIDADE DE SEMENTES DE FEIJÃO

CINÉTICA DE SECAGEM E QUALIDADE DE SEMENTES DE FEIJÃO CINÉTICA DE SECAGEM E QUALIDADE DE SEMENTES DE FEIJÃO Ednilton Tavares de Andrade 1 Paulo Cesar Correa 2 Luciana Pinto Teixeira 3 Roberto Guimarães Pereira 4 Juliana de Freitas Calomeni 5 Resumo: A secagem

Leia mais

CINÉTICA DE SECAGEM EM CAMADA FINA DO MALTE VERDE DE CEVADA

CINÉTICA DE SECAGEM EM CAMADA FINA DO MALTE VERDE DE CEVADA 53 ISSN 1517-8595 CINÉTICA DE SECAGEM EM CAMADA FINA DO MALTE VERDE DE CEVADA Iratan Jorge dos Santos 1, Sandra Maria Couto 2, Ednilton Tavares de Andrade 3 RESUMO A produção nacional de grãos de cevada

Leia mais

ARMAZENAMENTO E PROCESSAMENTO DE PRODUTOS AGRÍCOLAS

ARMAZENAMENTO E PROCESSAMENTO DE PRODUTOS AGRÍCOLAS ARMAZENAMENTO E PROCESSAMENTO DE PRODUTOS AGRÍCOAS CURVAS DE DESSORÇÃO E CAOR ATENTE DE VAPORIZAÇÃO PARA AS SEMENTES DE MIHO PIPOCA (Zea mays) Paulo César Corrêa 1, Divair Christ 2, José Helvecio Martins

Leia mais

Alternativa. Tecnológica Terra de diatomáceas como alternativa no controle de pragas de milho armazenado em propriedade familiar

Alternativa. Tecnológica Terra de diatomáceas como alternativa no controle de pragas de milho armazenado em propriedade familiar Terra de diatomáceas como alternativa no controle de pragas de milho armazenado em propriedade familiar 32 Lorini, Irineu e Ferreira Filho, Armando* Barbieri, Itacir** Demaman, Norberto Angelo*** Martins,

Leia mais

Manutenções em Unidades Armazenadoras 1. Por: Luís César da Silva

Manutenções em Unidades Armazenadoras 1. Por: Luís César da Silva 1 Manutenções em Unidades Armazenadoras 1 Por: Luís César da Silva Unidades armazenadoras de grãos devem configurar como sistemas adequadamente projetados, estruturados e gerenciados para o recebimento,

Leia mais

EFEITO DO SISTEMA DE EXAUSTÃO NA QUALIDADE DO MILHO ARMAZENADO EM SILOS METÁLICOS

EFEITO DO SISTEMA DE EXAUSTÃO NA QUALIDADE DO MILHO ARMAZENADO EM SILOS METÁLICOS EFEITO DO SISTEMA DE EXAUSTÃO NA QUALIDADE DO MILHO ARMAZENADO EM SILOS METÁLICOS Renan Ullmann 1* ; Osvaldo Resende 1, Tarcísio Honório Chaves 1 ; Kelly Aparecida de Sousa 1 RESUMO: Objetivou-se no presente

Leia mais

Armazenamento de Grãos de Café (coffea arabica L.) em dois tipos de Embalagens e dois tipos de Processamento RESUMO

Armazenamento de Grãos de Café (coffea arabica L.) em dois tipos de Embalagens e dois tipos de Processamento RESUMO Armazenamento de Grãos de Café (coffea arabica L.) em dois tipos de Embalagens e dois tipos de Processamento 87 Felipe Carlos Spneski Sperotto 1, Fernando João Bispo Brandão 1, Magnun Antonio Penariol

Leia mais

PROPRIEDADES TÉRMICAS DA MASSA GRANULAR DE MILHETO, ALPISTE E PAINÇO: DETERMINAÇÃO E MODELAGEM

PROPRIEDADES TÉRMICAS DA MASSA GRANULAR DE MILHETO, ALPISTE E PAINÇO: DETERMINAÇÃO E MODELAGEM ISSN 1517-8595 39 PROPRIEDADES TÉRMICAS DA MASSA GRANULAR DE MILHETO, ALPISTE E PAINÇO: DETERMINAÇÃO E MODELAGEM Paulo Cesar Corrêa 1, Ednilton Tavares de Andrade 2, Paulo Cesar Afonso Júnior 3 RESUMO

Leia mais

Aeração de Grãos Armazenados 1. SILVA, Luís César (enviar e-mail: www.agais.com)

Aeração de Grãos Armazenados 1. SILVA, Luís César (enviar e-mail: www.agais.com) Aeração de Grãos Armazenados 1 SILVA, Luís César (enviar e-mail: www.agais.com) 1. Introdução Em unidades armazenadoras de grãos, o ar é empregado em diversas atividades que envolvem troca de calor e,

Leia mais

Qualidade de Grãos de Milho Infestados com Sitophilus zeamais e Tribolium castaneum em Armazenamento Hermético e não Hermético

Qualidade de Grãos de Milho Infestados com Sitophilus zeamais e Tribolium castaneum em Armazenamento Hermético e não Hermético Qualidade de Grãos de Milho Infestados com Sitophilus zeamais e Tribolium castaneum em Armazenamento Hermético e não Hermético 28 Priscila Corrêa Viebrantz 1, Rafael Gomes Dionello 1, Lauri Lourenço Radunz

Leia mais

PROGRAMA ANALÍTICO E EMENTA DE DISCIPLINA DA PÓS GRADUAÇÃO

PROGRAMA ANALÍTICO E EMENTA DE DISCIPLINA DA PÓS GRADUAÇÃO PROGRAMA ANALÍTICO E EMENTA DE DISCIPLINA DA PÓS GRADUAÇÃO Disciplina IDENTIFICAÇÃO ARMAZENAMENTO E CONSERVAÇÃO DE GRÃOS Departamento Ciência e Tecnologia Agroindustrial Professor Responsável pela Disciplina

Leia mais

Quebras de Impureza e Umidade 1. Por: Luís César da Silva

Quebras de Impureza e Umidade 1. Por: Luís César da Silva 1 Quebras de Impureza e Umidade 1 Por: Luís César da Silva 1. Introdução O produto proveniente da área de cultivo, normalmente, apresenta teores de impureza e umidade superiores aos recomendados para comercialização,

Leia mais

PROGRAMA ANALÍTICO E EMENTA DE DISCIPLINA DA PÓS GRADUAÇÃO. 04 Prática 2

PROGRAMA ANALÍTICO E EMENTA DE DISCIPLINA DA PÓS GRADUAÇÃO. 04 Prática 2 PROGRAMA ANALÍTICO E EMENTA DE DISCIPLINA DA PÓS GRADUAÇÃO Disciplina IDENTIFICAÇÃO TECNOLOGIA DE GRÃOS Departamento Ciência e Tecnologia Agroindustrial Professor Responsável pela Disciplina Moacir Cardoso

Leia mais

Armazenagem de milho em silos secadores no Alto Uruguai Gaúcho RESUMO

Armazenagem de milho em silos secadores no Alto Uruguai Gaúcho RESUMO Armazenagem de milho em silos secadores no Alto Uruguai Gaúcho 83 Murilo Correa Marcon 1, André Pellegrini 2, Carlos Alberto Angonese 1, Valdir Machado 1, Claudio Kochhan 1 ; Antonio Pandolfo 1 RESUMO

Leia mais

SECAGEM PERIÓDICA DE SOJA EM CAMADA DELGADA

SECAGEM PERIÓDICA DE SOJA EM CAMADA DELGADA SECAGEM PERIÓDICA DE SOJA EM CAMADA DELGADA R. O. DEFENDI 1, R. O. da SILVA 1, P. R. PARAÍSO 1 e L. M. de M. JORGE 1 1 Universidade Estadual de Maringá, Departamento de Engenharia Química E-mail para contato:

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA UMIDADE DO CAFÉ. Juarez de Sousa e Silva Solenir Rufato

DETERMINAÇÃO DA UMIDADE DO CAFÉ. Juarez de Sousa e Silva Solenir Rufato DETERMINAÇÃO DA UMIDADE DO CAFÉ Juarez de Sousa e Silva Solenir Rufato 1. INTRODUCÃO O conceito de conteúdo de umidade tem origem no fato de os grãos de café serem constituídos de substâncias sólidas e

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Influência de Temperaturas de Secagem no Vigor de Sementes de Milho Geneticamente Modificadas Patrícia Marluci da

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR - CURSO DE AGRONOMIA (DIURNO)

MATRIZ CURRICULAR - CURSO DE AGRONOMIA (DIURNO) MATRIZ CURRICULAR - CURSO DE AGRONOMIA (DIURNO) Ingressantes a partir de 2015 1º SEMESTRE HORAS 2º SEMESTRE HORAS Introdução à Engenharia Agronômica 60 Metodologia Científica 60 Álgebra Linear 60 Desenho

Leia mais

IV Semana de Ciência e Tecnologia IFMG campus Bambuí IV Jornada Científica 06 a 09 de dezembro de 2011

IV Semana de Ciência e Tecnologia IFMG campus Bambuí IV Jornada Científica 06 a 09 de dezembro de 2011 IV Semana de Ciência e Tecnologia IFMG campus Bambuí IV Jornada Científica 06 a 09 de dezembro de 2011 O SISTEMA LOGÍSTICO DO MILHO EM UM ARMAZÉM GRANELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ: UM ESTUDO DE CASO Luiz

Leia mais

Caramuru Alimentos Ltda, Rod. BR 060 Km 388 s/n Zona Rural, C.E.P: 75.901.970 - Rio Verde/GO e-mail: zeronaldo@caramuru.com

Caramuru Alimentos Ltda, Rod. BR 060 Km 388 s/n Zona Rural, C.E.P: 75.901.970 - Rio Verde/GO e-mail: zeronaldo@caramuru.com Teores de óleo e proteína em grãos de soja, com diferentes manejos de percevejo, da colheita ao armazenamento, utilizando a espectroscopia no infravermelho próximo (NIR) 59 Marcelo Alvares de Oliveira

Leia mais

PROGRAMA ANALÍTICO E EMENTA DE DISCIPLINA DA PÓS GRADUAÇÃO

PROGRAMA ANALÍTICO E EMENTA DE DISCIPLINA DA PÓS GRADUAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ REITORIA DE PESQUISA E PÓS GRADUAÇÃO PROGRAMA ANALÍTICO E EMENTA DE DISCIPLINA DA PÓS GRADUAÇÃO IDENTIFICAÇÃO Disciplina SEGURANÇA DO TRABALHO

Leia mais

ANÁLISE TRIDIMENSIONAL DA VELOCIDADE E PRESSÃO ESTATÍSCA DO AR EM SILO DE AERAÇÃO USANDO ELEMENTOS FINITOS RESUMO ABSTRACT 1.

ANÁLISE TRIDIMENSIONAL DA VELOCIDADE E PRESSÃO ESTATÍSCA DO AR EM SILO DE AERAÇÃO USANDO ELEMENTOS FINITOS RESUMO ABSTRACT 1. ANÁLISE TRIDIMENSIONAL DA VELOCIDADE E PRESSÃO ESTATÍSCA DO AR EM SILO DE AERAÇÃO USANDO ELEMENTOS FINITOS RESUMO EDUARDO VICENTE DO PRADO 1 DANIEL MARÇAL DE QUEIROZ O método de análise por elementos finitos

Leia mais

TEOR DE UMIDADE DOS GRÃOS

TEOR DE UMIDADE DOS GRÃOS Teor de Umidade dos Grãos TEOR DE UMIDADE DOS GRÃOS O teor de umidade dos grãos representa a quantidade de água por unidade de massa do grão úmido ou seco. Pode ser expresso pela relação entre a quantidade

Leia mais

PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE GRÃOS RESUMO

PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE GRÃOS RESUMO 33 PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE GRÃOS Mario Eduardo R. M. Cavalcanti Mata 1, Luís A. Dantas 2, Maria Elita Duarte Braga 1 RESUMO Foi desenvolvido um programa computacional em linguagem

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE MOLEIRO (ARMAZENISTA DE GRÃOS) Câmpus Júlio de Castilhos RS 2013 2

Leia mais

Analise de Viabilidade Econômica para Secagem de Milho com Gás Liquefeito de Petróleo.

Analise de Viabilidade Econômica para Secagem de Milho com Gás Liquefeito de Petróleo. Analise de Viabilidade Econômica para Secagem de Milho com Gás Liquefeito de Petróleo. Ivano Ribeiro (Universidade Estadual do Oeste do Paraná - Unioeste) ivano.r@pop.com.br Rua Tiradentes Nº 2345 Ap.

Leia mais

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 3 2 DESCRIÇÃO DO LOCAL 5

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 3 2 DESCRIÇÃO DO LOCAL 5 RESUMO O presente estágio curricular obrigatório foi desenvolvido na unidade de recebimento e secagem de cereais da Campagro Insumos Agrícolas, unidade Boa Vista em Campo Mourão PR. O estágio teve a duração

Leia mais

ARMAZENAMENTO DE SEMENTES DE ROMÃ (Punica Granatum L.)... 611

ARMAZENAMENTO DE SEMENTES DE ROMÃ (Punica Granatum L.)... 611 ARMAZENAMENTO DE SEMENTES DE ROMÃ (Punica Granatum L.).... 611 ARMAZENAMENTO DE SEMENTES DE ROMÃ (Punica Granatum L.). Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios/Apta will.takata@gmail.com narita@apta.sp.gov.br

Leia mais

Fornalhas em secadores cascata 1. Por: Luís César da Silva

Fornalhas em secadores cascata 1. Por: Luís César da Silva 1 Fornalhas em secadores cascata 1 Por: Luís César da Silva Para a realização do processo de secagem artificial quase sempre é necessário aumentar o potencial de secagem do ar. Nesse caso, faz-se necessário

Leia mais

Otimização do Sistema de Armazenagem de Grãos: Um estudo de caso

Otimização do Sistema de Armazenagem de Grãos: Um estudo de caso Universidade Federal de Santa Catarina www.producaoonline.inf.br ISSN 1676-1901 / Vol. 1/ Num. 1/ Outubro de 2001 Otimização do Sistema de Armazenagem de Grãos: Um estudo de caso Silvana Aparecida Bragatto

Leia mais

Operação de Secadores Cascata 1

Operação de Secadores Cascata 1 1 Operação de Secadores Cascata 1 Prof. Luís César da Silva Email: silvalc@cca.ufes.br - Website: www.agais.com O setor de secagem em uma unidade armazenadora deve receber especial atenção quanto ao gerenciamento

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS DE PSICROMETRIA

PRINCÍPIOS BÁSICOS DE PSICROMETRIA Capítulo 3 PRINCÍPIOS BÁSICOS DE PSICROMETRIA Juarez de Sousa e Silva Roberto Precci Lopes Daniela de Carvalho Lopes Ricardo Caetano Rezende 1 INTRODUÇÃO A psicrometria ou higrometria é a parte da termodinâmica

Leia mais

Conteúdo Programático

Conteúdo Programático UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETORIA DE REGISTRO E CONTROLE ACADÊMICO CONTEÚDO DE DISCIPLINA CARGA HORÁRIA CÓDIGO DENOMINAÇÃO CR. TEÓR. PRÁT. TOT. ENG-157 MÁQUINAS E MECANIZAÇÃO

Leia mais

DISCIPLINA. Magno Antonio Patto Ramalho

DISCIPLINA. Magno Antonio Patto Ramalho U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E L A V R A S P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DISCIPLINA Código PGM522 / II Denominação ANAL.

Leia mais

PROPRIEDADES TÉRMICAS DA MASSA GRANULAR DE MILHETO, ALPISTE E PAINÇO: DETERMINAÇÃO E MODELAGEM

PROPRIEDADES TÉRMICAS DA MASSA GRANULAR DE MILHETO, ALPISTE E PAINÇO: DETERMINAÇÃO E MODELAGEM ISSN 1517-8595 39 PROPRIEDADES TÉRMICAS DA MASSA GRANULAR DE MILHETO, ALPISTE E PAINÇO: DETERMINAÇÃO E MODELAGEM Paulo Cesar Corrêa 1, Ednilton Tavares de Andrade 2, Paulo Cesar Afonso Júnior 3 RESUMO

Leia mais

Revista de Biologia e Ciências da Terra ISSN: 1519-5228 revbiocieter@yahoo.com.br Universidade Estadual da Paraíba Brasil

Revista de Biologia e Ciências da Terra ISSN: 1519-5228 revbiocieter@yahoo.com.br Universidade Estadual da Paraíba Brasil Revista de Biologia e Ciências da Terra ISSN: 1519-5228 revbiocieter@yahoo.com.br Universidade Estadual da Paraíba Brasil Araújo Leite, José Cleidimário; Farias de Sousa, Ridelson; Sant'Ana Silva, Adriano;

Leia mais

Qualidade de Grãos de Soja, com Diferentes Teores de Água, Aerados com Ar Natural e Ar Esfriado Artificialmente

Qualidade de Grãos de Soja, com Diferentes Teores de Água, Aerados com Ar Natural e Ar Esfriado Artificialmente Qualidade de Grãos de Soja, com Diferentes Teores de Água, Aerados com Ar Natural e Ar Esfriado Artificialmente 05 Adilio Flauzino de Lacerda Filho 1 ; Roberta Jimenez de Alameida Rigueira 2 ; Kaio Kauê

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE SILO VERTICAL PARA ARMAZENAMENTO DE XERÉM

DIMENSIONAMENTO DE SILO VERTICAL PARA ARMAZENAMENTO DE XERÉM DIMENSIONAMENTO DE SILO VERTICAL PARA ARMAZENAMENTO DE XERÉM Luanna Amado da Silva 1, Ariadne Soares Meira 2, Raniere Fernandes Costa³, Sebastião Garcia Neto 4, José Pinheiro Lopes Neto 5 Universidade

Leia mais

Secador de grãos com uso de energia solar

Secador de grãos com uso de energia solar Secador de grãos com uso de energia solar Martins, Ricardo Ramos* Franco, José Boaventura da Rosa** Oliveira, Paulo Armando Victória de*** Gomes, João Francisco da Silva**** Fransozi, Carmen Dora Porto*****

Leia mais

Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas

Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas O que é o Gás LP? - O Gás LP é composto da mistura de dois gases, sendo 30% de butano e 70% de propano. - Por ser um produto

Leia mais

CARLOS EDUARDO SILVA VOLPATO ENGENHARIA OFERECIDA PARA O (S)CURSO (S) DE: ENGENHARIA DE ALIMENTOS. Ementa (Síntese do Conteúdo)

CARLOS EDUARDO SILVA VOLPATO ENGENHARIA OFERECIDA PARA O (S)CURSO (S) DE: ENGENHARIA DE ALIMENTOS. Ementa (Síntese do Conteúdo) UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRO-REITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETORIA DE REGISTRO E CONTROLE ACADÊMICO CONTEÚDO DE DISCIPLINA CARGA HORÁRIA CÓDIGO DENOMINAÇÃO CR. TEÓR. PRÁT. TOT. ENG 239 INTRODUÇÃO AO CONTROLE

Leia mais

SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE MILHO E ARROZ EM BAIXAS TEMPERATURAS

SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE MILHO E ARROZ EM BAIXAS TEMPERATURAS SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE MILHO E ARROZ EM BAIXAS TEMPERATURAS DOMINGOS SÁRVIO MAGALHÃES VALENTE 1 CRISTIANO MÁRCIO ALVES DE SOUZA 2 DANIEL MARÇAL DE QUEIROZ 3 RESUMO - Um programa computacional para simular

Leia mais

Escoamento do ar em massa de vários tipos de grãos: estudo teórico e experimental

Escoamento do ar em massa de vários tipos de grãos: estudo teórico e experimental Escoamento do ar em massa de vários tipos de grãos: estudo teórico e experimental Jonas J. Radtke, Oleg A. Khathatourian, Nelson A. Toniazzo Depto de Física, Estatística e Matemática, DeFEM, UNIJUÍ Rua

Leia mais

ENGENHARIA AGRÍCOLA E AMBIENTAL. COORDENADOR Antônio Teixeira de Matos atmatos@ufv.br

ENGENHARIA AGRÍCOLA E AMBIENTAL. COORDENADOR Antônio Teixeira de Matos atmatos@ufv.br ENGENHARIA AGRÍCOLA E AMBIENTAL COORDENADOR Antônio Teixeira de Matos atmatos@ufv.br 70 Currículos dos Cursos do CCA UFV Engenheiro Agrícola e Ambiental ATUAÇÃO Compete ao Engenheiro Agrícola e Ambiental

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 2139

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 2139 Página 2139 QUIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA (Ricinus communis L.) ARMAZENADAS 1 Givanildo Zildo da Silva¹; Joel Martins Braga Júnior¹; Riselane de Alcântara Bruno¹; Cibele dos Santos Ferrari¹;

Leia mais

ESTRUTURA, COMPOSIÇÃO E PROPRIEDADES DOS GRÃOS

ESTRUTURA, COMPOSIÇÃO E PROPRIEDADES DOS GRÃOS Capítulo 2 ESTRUTURA, COMPOSIÇÃO E PROPRIEDADES DOS GRÃOS Paulo César Corrêa Juarez de Sousa e Silva 1. INTRODUÇÃO Uma noção sobre estrutura, composição e propriedades físicas dos produtos agrícolas como

Leia mais

QUALIDADE DAS SEMENTES DE SOJA RESFRIADAS ARTIFICIALMENTE

QUALIDADE DAS SEMENTES DE SOJA RESFRIADAS ARTIFICIALMENTE QUALIDADE DAS SEMENTES DE SOJA RESFRIADAS ARTIFICIALMENTE Angélica Demito 1, Adriano Divino Lima Afonso 2 RESUMO O teor de umidade e a temperatura das sementes durante seu armazenamento são fatores decisivos

Leia mais

Amostragem e análises de qualidade em grãos

Amostragem e análises de qualidade em grãos Disciplina de Armazenamento e Conservação de Grãos 2015/02 Amostragem e análises de qualidade em grãos Prof. Nathan Levien Vanier Eng. Agrônomo, Dr. Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel Objetivos - Compreender

Leia mais

ARMAZENAGEM EM NÍVEL DE FAZENDAS

ARMAZENAGEM EM NÍVEL DE FAZENDAS ARMAZENAGEM EM NÍVEL DE FAZENDAS Adilio Flauzino de Lacerda Filho 1 Foi instalado em 30/01/2003, o Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional CONSEA, o qual tem caráter consultivo e assessora

Leia mais

ESFRIAMENTO DINÂMICO DE SEMENTES DE SOJA 1

ESFRIAMENTO DINÂMICO DE SEMENTES DE SOJA 1 30 ESFRIAMENTO DINÂMICO DE SEMENTES DE SOJA 1 ZUCHI, J. 2 LACERDA FILHO, A.F. 3 RESUMO - A produção de sementes de soja, com qualidade, é um desafio constante, principalmente das empresas situadas na região

Leia mais

AGREGAÇÃO DE VALOR PRODUZINDO CAFÉ DE QUALIDADE SUPERIOR (Colheita e Pós-colheita)

AGREGAÇÃO DE VALOR PRODUZINDO CAFÉ DE QUALIDADE SUPERIOR (Colheita e Pós-colheita) WWW.CETCAF.COM.BR AGREGAÇÃO DE VALOR PRODUZINDO CAFÉ DE QUALIDADE SUPERIOR (Colheita e Pós-colheita) Autores: Frederico de Almeida Daher Marcos Moulin Teixeira ÍNDICE Pág. Prefácio... 03 Ações a Serem

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE AGRONOMIA E ZOOTECNIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TROPICAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE AGRONOMIA E ZOOTECNIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TROPICAL 1) IDENTIFICAÇÃO Disciplina: Tecnologia e Fisiologia de Sementes Curso: AGRICULTURA TROPICAL Regime: CRÉDITOS Carga Horária: 60 horas (4 créditos) Período Letivo: Professor (s): Maria Cristina de F. e

Leia mais

Influência dos diferentes processos de pós-colheita na agregação de valor do café conilon

Influência dos diferentes processos de pós-colheita na agregação de valor do café conilon Universidade Federal do Espírito Santo Mestrado em Produção Vegetal Influência dos diferentes processos de pós-colheita na agregação de valor do café conilon Orientado: Marcos Moulin Teixeira Orientador:

Leia mais

Isotermas de sorção de tâmaras: determinação experimental e avaliação de modelos matemáticos 1

Isotermas de sorção de tâmaras: determinação experimental e avaliação de modelos matemáticos 1 Isotermas de sorção de tâmaras: determinação experimental e avaliação de modelos matemáticos 1 Mônica E.T. PRADO 2, Luís Felipe T. ALONSO 3, Alessandra F. SALES 2, Kil J. PARK 4,* RESUMO As isotermas de

Leia mais

MOABILIDADE DE ROCHAS DA REGIÃO SUL DO RIO GRANDE DO SUL COM POTENCIAL PARA USO NA REMINERALIZAÇÃO DOS SOLOS

MOABILIDADE DE ROCHAS DA REGIÃO SUL DO RIO GRANDE DO SUL COM POTENCIAL PARA USO NA REMINERALIZAÇÃO DOS SOLOS MOABILIDADE DE ROCHAS DA REGIÃO SUL DO RIO GRANDE DO SUL COM POTENCIAL PARA USO NA REMINERALIZAÇÃO DOS SOLOS MILECH, R. 1 ; SCHNEIDER, F.C. 1 ; RIBEIRO, D.C.O.; BAMBERG, A.L. 1 ; SILVEIRA, C.A.P. 1 ; BERGMANN,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO OPERACIONAL DE UM EQUIPAMENTO ITINERANTE PARA DESCASCAMENTO DE FRUTOS DE MAMONA DA CULTIVAR BRS PARAGUAÇU

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO OPERACIONAL DE UM EQUIPAMENTO ITINERANTE PARA DESCASCAMENTO DE FRUTOS DE MAMONA DA CULTIVAR BRS PARAGUAÇU AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO OPERACIONAL DE UM EQUIPAMENTO ITINERANTE PARA DESCASCAMENTO DE FRUTOS DE MAMONA DA CULTIVAR BRS PARAGUAÇU Gedeão Rodrigues de Lima Neto¹, Franklin Magnum de Oliveira Silva¹, Odilon

Leia mais

Luidi Eric Guimarães Antunes 1, Paulo André da Rocha Petry 2, Paulo Ricardo de Jesus Rizzotto Junior 2, Roberto Gottardi 2, Rafael Gomes Dionello 2

Luidi Eric Guimarães Antunes 1, Paulo André da Rocha Petry 2, Paulo Ricardo de Jesus Rizzotto Junior 2, Roberto Gottardi 2, Rafael Gomes Dionello 2 Uso de Terra de Diatomácea para Proteção de Grãos de Milho 24 Luidi Eric Guimarães Antunes 1, Paulo André da Rocha Petry 2, Paulo Ricardo de Jesus Rizzotto Junior 2, Roberto Gottardi 2, Rafael Gomes Dionello

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 27. Armazenamento em silos

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 27. Armazenamento em silos ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 27 Armazenamento em silos SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas

Leia mais

QUALIDADE DO CAFÉ - CLASSIFICAÇÃO POR TIPOS E BEBIDA

QUALIDADE DO CAFÉ - CLASSIFICAÇÃO POR TIPOS E BEBIDA ISSN 1983-6015 PESAGRO-RIO - Nº 26 - agosto/2014 - Niterói - RJ QUALIDADE DO CAFÉ - CLASSIFICAÇÃO POR TIPOS E BEBIDA 1 Wander Eustáquio de Bastos Andrade 1 ( Pesquisador da Pesagro-Rio) INTRODUÇÃO Além

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA. Plano de Ensino

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA. Plano de Ensino DISCIPLINA: Teoria Eletromagnética. CÓDIGO: MEE007 Validade: Carga Horária: 45 horas-aula Créditos: 03 Área de Concentração / Módulo: Sistemas Elétricos / Formação Básica Ementa: Análise Vetorial. Equações

Leia mais

k dt = (1) Em que: U= teor de água do produto no tempo t, b.s. Ue= teor de água de equilíbrio, b.s. t= tempo em horas k = constante

k dt = (1) Em que: U= teor de água do produto no tempo t, b.s. Ue= teor de água de equilíbrio, b.s. t= tempo em horas k = constante DETERMINAÇÃO DAS CURVAS DE SECAGEM DE FOLHAS DE PATA-DE-VACA (Bauhinia forficata) 1 Victor Correa Viana 1,3 ; Ivano Alessandro Devilla 2,3 Bolsista PBIC/UEG 2 Pesquisador Orientador, UEG 3 Curso de Engenharia

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA "CAMPUS" DE RIO CLARO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS E CIÊNCIAS EXATAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE RIO CLARO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS E CIÊNCIAS EXATAS PROGRAMA DE DISCIPLINA Programa de Pós-Graduação em Geociências e Meio Ambiente Curso: Mestrado e Doutorado Disciplina: ESTUDO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADOS POR ATIVIDADES DE MINERAÇÃO Código: GAA 00185

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

CÓDIGO DENOMINAÇÃO CR TEÓR. PRÁT. TOTAL GNE-130 ELEMENTOS DE MÁQUINAS 4 34 34 68

CÓDIGO DENOMINAÇÃO CR TEÓR. PRÁT. TOTAL GNE-130 ELEMENTOS DE MÁQUINAS 4 34 34 68 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE REGISTRO E CONTROLE ACADÊMICO EMENTA DE DISCIPLINA DISCIPLINA CARGA HORÁRIA CÓDIGO DENOMINAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MATO GROSSO FACULDADE DE ARQUITETURA E ENGENARIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE EDIFICAÇÕES E AMBIENTAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MATO GROSSO FACULDADE DE ARQUITETURA E ENGENARIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE EDIFICAÇÕES E AMBIENTAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO MATO GROSSO FACULDADE DE ARQUITETURA E ENGENARIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE EDIFICAÇÕES E AMBIENTAL IRINEU TEÓDULO DA SILVA NETO ESTADO DA ARTE DE SILOS VERTICAIS

Leia mais

Seckler Ferreira Filho Sidney 1

Seckler Ferreira Filho Sidney 1 SIGNIFICÂNCIA DO GRAU DE MISTURA NA INTERFACE DE FILTROS DUPLOS NO COMPORTAMENTO DINÂMICO DA EVOLUÇÃO DA PERDA DE CARGA, RETENÇÃO DE IMPUREZAS E QUALIDADE DA ÁGUA FILTRADA Seckler Ferreira Filho Sidney

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DIVISÃO DE ENSINO

Universidade Estadual de Ponta Grossa PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DIVISÃO DE ENSINO Universidade Estadual de Ponta Grossa PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DIVISÃO DE ENSINO PROGRAMA DE DISCIPLINA SETOR: Ciências Agrárias e de Tecnologia DEPARTAMENTO: Engenharia de Materiais DISCIPLINA: Ensaios

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES TÉCNICAS. Convênio: Universidade Federal de Viçosa/Cool Seed Ind. e Com. Ltda. Apôio: Caramuru Armazéns Gerais

RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES TÉCNICAS. Convênio: Universidade Federal de Viçosa/Cool Seed Ind. e Com. Ltda. Apôio: Caramuru Armazéns Gerais UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA Tel. (031)3899-2729 Fax (031)3899-2735 e-mail: dea@ufv.br 36570-000 VIÇOSA-MG BRASIL RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES

Leia mais

SECAGEM E ARMAZENAGEM DE CAFÉ - Tecnologias e Custos -

SECAGEM E ARMAZENAGEM DE CAFÉ - Tecnologias e Custos - SECAGEM E ARMAZENAGEM DE CAFÉ - Tecnologias e Custos - Editor Juarez de Sousa e Silva Professor Titular Associado Departamento de Engenharia Agrícola/CBP&D-Café Universidade Federal de Viçosa JARD EDITORA

Leia mais

MASSA ESPECÍFICA APARENTE E REAL E POROSIDADE DE GRÃOS DE CAFÉ EM FUNÇÃO DO TEOR DE UMIDADE

MASSA ESPECÍFICA APARENTE E REAL E POROSIDADE DE GRÃOS DE CAFÉ EM FUNÇÃO DO TEOR DE UMIDADE 6 Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v.3, n., p.6-68, 999 Campina Grande, PB, DEAg/UFPB MASSA ESPECÍFICA APARENTE E REAL E POROSIDADE DE GRÃOS DE CAFÉ EM FUNÇÃO DO TEOR DE UMIDADE Sandra

Leia mais

Qualidade da soja armazenada em silos bolsa

Qualidade da soja armazenada em silos bolsa Qualidade da soja armazenada em silos bolsa 58 Tales Afonso da Silva 1, Lêda Rita D Antonino Faroni 1, Augusto César Magalhães de Souza 1, Marta Cristina Silva Carvalho 1, André Rodrigues da Costa 1 1

Leia mais

Modelos analíticos do crescimento populacional de Sitophilus zeamais em trigo armazenado

Modelos analíticos do crescimento populacional de Sitophilus zeamais em trigo armazenado Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental v.1, n.1, p.155 161, 26 Campina Grande, PB, DEAg/UFCG http://www.agriambi.com.br Protocolo 4.4 14/1/24 Aprovado em 2/1/25 Modelos analíticos do crescimento

Leia mais

Esclarecimento 1/2015

Esclarecimento 1/2015 Segurança Alimentar Produção primária de vegetais e operações conexas Esclarecimento 1/2015 Clarificam-se: o conceito de produção primária de vegetais e operações conexas, as medidas a adotar para o controlo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MANEJO DE SOLO E ÁGUA

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MANEJO DE SOLO E ÁGUA PROGRAMA ANALÍTICO DE DISCIPLINA IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA CÓDIGO NOME NATUREZA PMS 0021 AUTOMAÇÃO NO AMBIENTE AGRÍCOLA [] Obrigatória [X] Optativa PROFESSOR: Suedêmio de Lima Silva CARGA HORÁRIA SEMANAL

Leia mais

Helem Fernandes Naves Peixoto 1,3 Severino de Paiva Sobrinho 2,3 Mariane de Carvalho Vidal 2,4. Voluntário Iniciação Científica PVIC/UEG

Helem Fernandes Naves Peixoto 1,3 Severino de Paiva Sobrinho 2,3 Mariane de Carvalho Vidal 2,4. Voluntário Iniciação Científica PVIC/UEG 1 AVALIAÇÃO DO POTENCIAL ALELOPÁTICO DO ADUBO VERDE (CROTALARIA SPECTABILIS) SOBRE O DESENVOLVIMENTO DE TOMATE (LYCOPERSICON ESCULENTUM MILL) E POSTERIOR DESENVOLVIMENTO EM CAMPO Helem Fernandes Naves

Leia mais

Webinar o Nutricionista

Webinar o Nutricionista Webinar o Nutricionista Dr. Dan Undersander PhD / Professor Universidade de Wisconsin - Madison Silagem de milho: da colheita ao silo. O que eu preciso saber para produzir o máximo de leite com minha silagem.

Leia mais

Madeira e Água. Que ligação!

Madeira e Água. Que ligação! Madeira e Água Que ligação! 1 Madeira e Água A Humidade da Madeira teor em água da madeira H m m 1 2 = m1 m m 2 massa 2 massa da x100 madeira húmida madeira completamente seca quociente, expresso em percentagem,

Leia mais

PROPRIEDADES FÍSICAS DOS FRUTOS DE MAMONA DURANTE A SECAGEM

PROPRIEDADES FÍSICAS DOS FRUTOS DE MAMONA DURANTE A SECAGEM PROPRIEDADES FÍSICAS DOS FRUTOS DE MAMONA DURANTE A SECAGEM André Luís Duarte Goneli 1, Paulo César Corrêa 1, Osvaldo Resende 2, Fernando Mendes Botelho 1 1 Universidade Federal de Viçosa, andregoneli@vicosa.ufv.br,

Leia mais

A internacionalização da Scientia Agricola rumo à corrente principal

A internacionalização da Scientia Agricola rumo à corrente principal A internacionalização da Scientia Agricola rumo à corrente principal Luís Reynaldo Ferracciú Alleoni Editor Chefe - Scientia Agricola Seminário sobre o desempenho dos periódicos brasileiros no JCR 2010

Leia mais

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 7 10/16/aaaa 11:19 Culturas A Cultura do Nome Cultura do Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do feijão José Salvador

Leia mais