Detalhamento das Propostas de Gestão Guastaldi José Eduardo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Detalhamento das Propostas de Gestão Guastaldi José Eduardo"

Transcrição

1 Detalhamento das Propostas de Gestão Guastaldi José Eduardo

2 REORGANIZAÇÃO E ADEQUAÇÕES DO IQ (FÍSICA, ADMINISTRATIVA E ACADÊMICA) ADEQUAÇÕES DO QUADRO DE PESSOAL, espaço físico, aposentadorias, coexistência de dois regimes de trabalho; DESENVOLVIMENTO E INTEGRAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMÁTICA (SIS-OFC-contabilidade retrabalho e não relatórios); não há articulação entre as seções; COMUNICAÇÃO INTERNA: homogeneizando informações e promovendo a transparência dentro da comunidade do IQ (professores, funcionários e alunos) médio prazo COMUNICAÇÃO EXTERNA: política de comunicação com jornais, revistas, mídias digitais e emissoras de rádio e TV locais e nacionais, ampliando a visibilidade Institucional e realizando a divulgação do ensino e das pesquisas realizadas no Instituto de Química da Unesp (blog); MELHORIA DAS RELAÇÕES INTERPESSOAIS (falta de: espaço, pessoal, e de informação, desvios de funções) médio prazo IMPLANTAÇÃO DE POLÍTICA INSTITUCIONAL DE SEGURANÇA (acesso, institucional, patrimonial, bancária, química);

3 REORGANIZAÇÃO E ADEQUAÇÕES DO IQ (FÍSICA, ADMINISTRATIVA E ACADÊMICA) PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA A IMPLANTAÇÃO E RECEPÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA NAS DEPENDÊNCIAS DO INSTITUTO DE QUÍMICA: espaço, pessoal (professores, funcionários e alunos, construções, etc) - imediato DISCUTIR A IMPLANTAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA (construção dos prédios, onde funcionará o curso Campus) - imediato PPP - Incorporar avanços científicos e tecnológicos: inovações tecnológicas, empreendedorismo, avanços em nanociência (nanotecnologia/nanotoxicologia) e sustentabilidade, etc - médio prazo RECURSOS FINANCEIROS (Custeio, Receita: Cempeqc, FACTE, agências de fomento, Prêmio, Repasses, Inscrições em Concursos, etc); DESENVOLVER AÇÕES DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS (Fortalecer e estimular a prestação de serviços à comunidade, criar uma área de prospecção de projetos), articular o PDI-Unidade com o PDI da Universidade) médio prazo DESENVOLVER AÇÕES PARA A CRIAÇÃO DE UM ESPAÇO CULTURAL E DE VIVÊNCIA (pensar na comunidade como um todo) médio e longo prazo DESENVOLVER AÇÕES PARA APROXIMAR OS ALUNOS DA REALIDADE INSTITUCIONAL;

4 ADEQUAÇÕES DO QUADRO DE PESSOAL OUVIR AS SEÇÕES E DEPARTAMENTOS PARA REVISAR OS SUB-QUADROS - DETECTAR DESVIOS E DEMANDAS DE REPOSIÇÃO (substituição antes das aposentadorias)/ampliação; TRABALHAR JUNTO À REITORIA E FÓRUM DE DIRETORES E VICES NO REENQUADRAMENTO DE FUNCIONÁRIOS (atualmente em nível fundamental); VER A POSSIBILIDADE DA RECRIAÇÃO DOS SETORES, OUVIDAS AS SEÇÕES; ADEQUAR A INSTITUIÇÃO À NOVA REALIDADE DE FUNCIONÁRIOS CONTRATADOS PELA CLT (insalubridade, horas de trabalho); CONTRATAR PESSOAS VIA FUNDAÇÕES PARA ALGUNS SERVIÇOS TEMPORÁRIOS; NÃO USAR O DESVIO DE FUNÇÃO PARA ATENDER FINS BUROCRÁTICOS IMEDIATOS;

5 MELHORIA DAS RELAÇÕES INTERPESSOAIS, INTERSETORIAIS E DOS AMBIENTES DE TRABALHO REAVALIAR OS NÍVEIS DE INSALUBRIDADE (principalmente em alguns setores críticos); INCENTIVAR A PARTICIPAÇÃO DO STI EM GRUPOS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE INFORMÁTICA INTER-INSTITUCIONAIS (de modo a atender as Seções Acadêmicas e Técnicas do IQ); FAZER PAGAMENTO DE DIÁRIAS ATRAVÉS DO BBPAG (Seção de Finanças depositar direto na conta do servidor; existem casos em que um motorista fica com 5 diárias acumuladas por não ter condição de ir ao Banco por estar em viagem); CLIMATIZAR E INFORMATIZAR ADEQUADAMENTE SEÇÕES, LABORATÓRIOS, ESCRITÓRIOS E DEPARTAMENTOS; AMPLIAR DO ESPAÇO DA BIBLIOTECA NA PARTE DOS FUNDOS (para receber os alunos das engenharias); PROMOVER REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR DOS CURSOS DE QUÍMICA, ESTIMULANDO A PARTICIPAÇÃO DOS CONSELHOS DE CLASSE; PLANEJAR INTEGRAÇÃO ENTRE NOVOS E ANTIGOS FUNCIONÁRIOS (resgatar a Comissão de Eventos, promover atividades no horário de almoço); MELHORAR AS RELAÇÕES HORIZONTAIS ENTRE AS SEÇÕES TÉCNICAS E ADMINISTRATIVAS (desenvolver uma pesquisa interna de satisfação de clientes, desenvolver uma pesquisa interna de clima organizacional); INCENTIVAR DISCUSSÕES SOBRE A ADP (através de reuniões periódicas); INCENTIVAR A PARTICIPAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO ADMINISTRATIVOS E DISCENTES NOS ÓRGÃOS COLEGIADOS, CIPA, etc.;

6 ADEQUAÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE OBRAS READEQUAR DAS INSTALAÇÕES DO STI PRIVILEGIANDO O DATACENTER - o local atual (onde se localizam todos os servidores de rede possui infiltrações de água e gera muito ruído - a reforma está aprovada e terá início em rever; AMPLIAR ESPAÇOS PARA ESTUDOS NA PARTE DOS FUNDOS DA BIBLIOTECA (existe um projeto pronto); CONTINUAR A CRIAÇÃO DE CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE; REVER O PLANO VIÁRIO NA ENTRADA DA BIBLIOTECA (Criar uma alça viária paralela à R. Prof. Francisco Degni. Prever uma cabine de vigilância/portaria ladeada por uma entrada e uma saída. Solicitar à prefeitura proibição de estacionamento na R. Prof. Francisco Degni ao longo do IQ, entre as duas entradas, de modo a evitar congestionamentos) ; PREVER CONSTRUÇÃO/ADAPTAÇÃO DE LABORATÓRIOS E ESCRITÓRIOS PARA OS NOVOS DOCENTES DO IQ (independentemente do Departamento. ao qual estejam ligados e de se localizarem próximos aos respectivos Departamentos) existem ideias de projetos; PROVIDENCIAR, URGENTE, ESPAÇO PARA STAEPE (ERI, Escritório de Pesquisa, Plotagens, Posto FAPESP, Atendimento às Aulas) junto às salas de aula - concentrar toda a Seção em um só local existe a ideia de um projeto; PREVER DE AMPLIAÇÃO DO ESPAÇO DA DIRETORIA TÉCNICA ACADÊMICA existe ideia de um projeto; PREVER DE CRIAÇÃO ESPAÇO PARA JUNTAR AS SEÇÕES TÉCNICAS ADMINISTRATIVAS (inclusive prevendo local para a realização de licitações e pregões) existe ideia de um projeto; ESTUDAR A VIABILIDADE DE JUNTAR EM ESPAÇOS PRÓXIMOS E ADEQUADOS TODAS AS ATIVIDADES DE EXTENSÃO.

7 IMPLANTAÇÃO DE POLÍTICA INSTITUCIONAL DE SEGURANÇA (acesso, institucional, patrimonial, bancária, química) CRIAR SISTEMA DE PATRIMONIAÇÃO DO IQ (o patrimônio do IQ necessita ser informatizado para ser controlado de modo prático eficiente e rápido); PROGRAMA DE COMBATE A INCÊNDIO (resgatar a brigada de incêndio via CIPA, resgatar todo sistema de hidrantes e alarmes contra incêndio que estão inativados, resgatar toda a rede hidráulica de combate a incêndio custo de aproximadamente R$ ,00 que pode ser obtido via PDI da Unesp); EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA (EPC) E INDIVIDUAL (EPI) (incentivar a utilização de EPI e auditar as condições dos EPC através da CIPA); PROPORCIONAR CURSOS DE BPL, 5S, HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO (para toda a comunidade do IQ também visando o ADP); CIPA (incentivar a participação dos membros da comunidade do IQ na CIPA promover cursos para os membros da CIPA também visando o ADP); ACESSO E CIRCULAÇÃO NO IQ Criar um plano prevendo catracas com biometria nas portarias, câmeras, alarmes perimétricos, regulamentando os estacionamentos, dando treinamento para os porteiros (ADP)/vigilantes todos, com a consulta a especialistas na área; BANCOS - Alocar os Bancos (Santander e se possível BB em local no IQ adjacente à calçada frontal com entrada voltada para fora das dependências do IQ a segurança passará a ser de responsabilidade única dos bancos o espaço nobre ocupado pelo Santander poderá ser usado em realocação de Seções); INFORMÁTICA (Reformar o datacenter, criar link alternativo caso a rede caia o que vem acontecendo frequentemente, criar setor da rede exclusiva para notebooks - que são a maior fonte de ataques à rede e fazer valer as normas de utilização estabelecidas pela reitoria).

8 DESENVOLVER AÇÕES URGENTES DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS (Fortalecer e estimular a prestação de serviços à comunidade PDI, criar uma área de prospecção de projetos) ORÇAMENTO DO IQ 2012: Custeio R$ ,68 e Receita R$ ,75 (dados obtidos junto à Seção de Finanças); AMPLIAR A CAPTAÇÃO DE RECURSOS VIA EDITAIS DE AGÊNCIAS DE FOMENTO (ÁREA DE PROSPECÇÃO DE PROJETOS E COMPETÊNCIA INSTALADA); AMPLIAR A CAPTAÇÃO RECURSOS VIA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS (ÁREA DE PROSPECÇÃO JUNTO A EMPRESAS E COMPETÊNCIA INSTALADA); CAPTAR RECURSOS VIA PDI DA UNESP (PROSPECTAR O PDI EM BUSCA DE LINHAS DE FOMENTO);

9 DISCUSSÃO DE ASSUNTOS INSTITUCIONAIS QUE DIZEM RESPEITO AOS DISCENTES (estrutura curricular, diretório acadêmico, química júnior, semana da química, internacionalização) ESTRUTURA CURRICULAR Rever, adequando-a à legislação nacional, estadual e profissional. Inserir os conhecimentos básicos e necessários para formação profissional numa sequência ideal na matriz curricular. Oferecer flexibilidade às estruturas curriculares, com foco nas características do IQ (Grupos de Pesquisa e Projetos de Extensão). Incluir a Extensão Universitária no projeto político pedagógico. Incentivar a participação dos Conselhos de Classe nas discussões; INTERNACIONALIZAÇÃO - Difusão da língua inglesa na comunidade aproveitando a experiência dos professores, graduandos e pós-graduandos que fizerem estágio no exterior) formatar prazos dos estágios no exterior de modo que os alunos voltem e, ainda, possam dar sua contribuição Internacionalizar a Semana da Química; DEMANDA DE MERCADO - Tornar periódicas ações conjuntas com CRQ-IV, Abiquim, Sebrae, grandes empresas; DIRETÓRIO ACADÊMICO - Oficializar CNPJ; MORADIA ESTUDANTIL - IQ ter mais influência na gestão da moradia; QUÍMICA JÚNIOR/ GRUPO PET - Incentivar a participação dos alunos; PÓS GRADUAÇÃO - Incentivar implementação de novas disciplinas e atualização das disciplinas existentes. Incentivar os Doutorados Sandwich (CAPES/DAAD/CNPq), com informações precisas sobre disponibilidade de bolsas de estudo e prazos; INCENTIVAR DISCUSSÕES VIRTUAIS ENTRE OS ALUNOS SOBRE ASSUNTOS ACADÊMICOS ( rankings, Enade, etc).

10 AUMENTAR O ESCOPO DA EXTENSÃO AVALIAR OS ATUAIS PROJETOS/ATIVIDADES DE EXTENSÃO PARA ATENDER ÀS DEMANDAS E DAR OS INCENTIVOS NECESSÁRIOS (Cálculo Online, Informática para a Terceira Idade, Cempeqc, Grupo Alquimia, EBiAn - Ferramentas de Bioinformática, Centro de Ciências, Química Júnior, + Sites na internet para os químicos, CUCA, Proenq) E PROSPECTAR OUTROS; INCENTIVAR A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ATRAVÉS DA ÁREA DE PROSPECÇÃO JUNTO A EMPRESAS E COMPETÊNCIA INSTALADA (realizar estudo da viabilidade do Laboratório de Análises de Solos atualmente desativado, porém que possui muita competência em recursos humanos já temos um estudo que indica que com investimentos o laboratório pode se tornar uma fonte bastante efetiva de captação de recursos para o IQ); INCLUIR A EXTENSÃO DE SERVIÇOS À COMUNIDADE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DOS CURSOS DE QUÍMICA;

DEMOCRACIA, ÉTICA E RENOVAÇÃO

DEMOCRACIA, ÉTICA E RENOVAÇÃO PLANO DE GESTÃO CANDIDATURA A DIREÇÃO GERAL DO IFSC CÂMPUS CHAPECÓ ROBERTA PASQUALLI DIRETORA GERAL LUIS FERNANDO POZAS DIRETOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO ELIANDRO LUIZ MINSKI DIRETOR DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2014-2018 PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2014-2018 PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES CAMPUS CONGONHAS DEZEMBRO - 2013 INFRA-ESTRUTURA Objetivo

Leia mais

PLANO DE AÇÃO-DIREÇÃO DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL GESTÃO 2013-2017

PLANO DE AÇÃO-DIREÇÃO DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL GESTÃO 2013-2017 PLANO DE AÇÃO-DIREÇÃO DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL GESTÃO 2013-2017 O ensino, como a justiça, como a administração, prospera e vive muito mais realmente da verdade e da moralidade, com que se pratica do

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO Os objetivos desse Plano de Gestão estão pautados na missão da Faculdade de Ciências Farmacêuticas como escola pública de excelência, que tem suas atividades

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

Câmpus FLORIANÓPOLIS. 12 23,08% Discentes (alunos) 10 19,23% Comunidade 0 0,00%

Câmpus FLORIANÓPOLIS. 12 23,08% Discentes (alunos) 10 19,23% Comunidade 0 0,00% Diagnóstico Planejamento PDI 2014-2018 Período de respostas: 05/09/13 a 18/09/13 Questionários Respondidos 52 Docentes 30 57,69% Técnicos-Administrativos 12 23,08% Discentes (alunos) 10 19,23% Comunidade

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

Plano de Gestão 2013-2016 IFSP Campus Caraguatatuba

Plano de Gestão 2013-2016 IFSP Campus Caraguatatuba Visão Institucional O Campus Caraguatatuba do IFSP desenvolveu-se nos últimos anos, ampliando os cursos oferecidos, desde a Formação Inicial e Continuada, passando pelos Cursos Técnicos, de Tecnologia,

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018 (Síntese da Matriz estratégica) Texto aprovado na 19ª Reunião Extraordinária do CONSUNI, em 04 de novembro de 2013. MISSÃO Ser uma Universidade que valoriza

Leia mais

Planejamento Estratégico. Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR

Planejamento Estratégico. Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR Planejamento Estratégico Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR Visão Oferecer ensino de excelência em nível de Graduação e Pós-Graduação; consolidar-se como pólo

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

PDI GERAL DO CEFET/RJ

PDI GERAL DO CEFET/RJ PDI GERAL DO CEFET/RJ Princípios que devem nortear o estabelecimento de políticas e ações no CEFET/RJ e que devem constar do PDI: Institucionalidade/identidade de UT (estabelecimento de um modelo diferenciado

Leia mais

São Paulo, 28 de janeiro de 2013 Caros Docentes, Funcionários e Alunos,

São Paulo, 28 de janeiro de 2013 Caros Docentes, Funcionários e Alunos, São Paulo, 28 de janeiro de 2013 Caros Docentes, Funcionários e Alunos, A Direção da EACH completa mais um ano de gestão, período de intensa atividade acadêmica e administrativa na Escola, o que demandou

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2015 COMISSÃO SETORIAL DE AVALIAÇÃO DO CENTRO DE TECNOLOGIA

PLANO DE AÇÃO 2015 COMISSÃO SETORIAL DE AVALIAÇÃO DO CENTRO DE TECNOLOGIA PLANO DE AÇÃO 2015 COMISSÃO SETORIAL DE AVALIAÇÃO DO CENTRO DE TECNOLOGIA EIXO 1 PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Dimensão 8: Planejamento e Avaliação * Gerais 1.1; 1.2; Divulgação dos resultados

Leia mais

FORMAS DE CONTRIBUIÇÃO. O presente anteprojeto de proposta está estruturado a partir de três níveis de organização.

FORMAS DE CONTRIBUIÇÃO. O presente anteprojeto de proposta está estruturado a partir de três níveis de organização. FORMAS DE CONTRIBUIÇÃO O presente anteprojeto de proposta está estruturado a partir de três níveis de organização. O primeiro deles se refere aos eixos norteadores da política. Este nível compreende os

Leia mais

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI ANEXO III Cronograma detalhado do PROAVI 65 PROGRAMA DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA PUC-CAMPINAS CRONOGRAMA COMPLEMENTAR DETALHANDO AS ATIVIDADES E AS AÇÕES DE DIVULGAÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 MAPA ESTRATÉGICO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DA UNIBRASIL MISSÃO Promover, desenvolver e publicar pesquisas de qualidade, com sólida base jurídica e contextualização

Leia mais

Comissão Própria de Avaliação - CPA

Comissão Própria de Avaliação - CPA AVALIAÇÃO DO CEFET-RJ PELOS DISCENTES -2010/2 A avaliação das Instituições de Educação Superior tem caráter formativo e visa o aperfeiçoamento dos agentes da comunidade acadêmica e da Instituição como

Leia mais

FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2009-2010

FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2009-2010 FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2009-2010 1 Fragilidade resultado inferior a 50% Ponto a ser melhorado 50% e 59,9% Potencialidade igual ou

Leia mais

Projeto IAG2020. Não há como fazer uma administração ou um planejamento eficientes sem o estabelecimento de metas.

Projeto IAG2020. Não há como fazer uma administração ou um planejamento eficientes sem o estabelecimento de metas. Projeto IAG2020 O objetivo deste projeto é fazer um planejamento estratégico para o IAG, que identifique ações a serem tomadas e que tenha, além de um caráter norteador, um sentido prático, auxiliando

Leia mais

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Apresentação: O presente plano de trabalho incorpora, na totalidade, o debate e indicativo do coletivo docente e discente do Centro de Educação e

Leia mais

ANÁLISE DAS PROPOSTAS APRESENTADAS NO PLANO DE GESTÃO E AVANÇOS REALIZADOS

ANÁLISE DAS PROPOSTAS APRESENTADAS NO PLANO DE GESTÃO E AVANÇOS REALIZADOS RELATÓRIO DE GESTÃO DA DIRETORIA DA FANUT REFERENTE AO PERÍODO DE 2011-2012: Estruturando a Faculdade de Nutrição como Unidade Acadêmica no âmbito da UNIFAL-MG DIRETORIA: Profa. Cristina Garcia Lopes Diretora

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE NORTE DO PARANÁ aprovou e eu, Reitora em exercício, sanciono a seguinte Resolução:

O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE NORTE DO PARANÁ aprovou e eu, Reitora em exercício, sanciono a seguinte Resolução: Resolução CONSUN n o 046/2003. Credenciada pelo Decreto Federal de 03/07/97 - D. O. U. Nº 126, de 04/07/97 Aprova o Regulamento Geral da Agência de Comunicação Integrada, do Curso de Comunicação Social

Leia mais

PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO DE USO E OCUPAÇÃO DO CÂMPUS ITAJAÍ

PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO DE USO E OCUPAÇÃO DO CÂMPUS ITAJAÍ PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO DE USO E OCUPAÇÃO DO CÂMPUS ITAJAÍ Agosto/2014 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Leia mais

Anexo 1 - Resolução 016/2011 - CONSUN. Plano de Desenvolvimento Institucional PDI

Anexo 1 - Resolução 016/2011 - CONSUN. Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Plano de Desenvolvimento Institucional PDI 13 I ENSINO DE GRADUAÇÃO Objetivo 1 - Buscar continuamente a excelência nos cursos de graduação 1. Avaliar continuamente o processo educativo, em consonância

Leia mais

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Elaborada pela Diretoria de Extensão e pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO Diretores de Unidades Universitárias, coordenadores pedagógicos

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DIREÇÃO CIENTÍFICA - CBCE (Em desenvolvimento Versão 1.0 Nov/2011) GESTÃO 2011-2013

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DIREÇÃO CIENTÍFICA - CBCE (Em desenvolvimento Versão 1.0 Nov/2011) GESTÃO 2011-2013 I. IDENTIDADE INSTITUCIONAL DA DO CBCE / DIREÇÃO CIENTÍFICA - DC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DIREÇÃO CIENTÍFICA - CBCE (Em desenvolvimento Versão 1.0 Nov/2011) GESTÃO 2011-2013 1.1 Avaliar e divulgar a DC

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública Escola de Governo em Saúde Programa de Educação à Distância IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Equipe da Coordenação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE TECNOLOGIA PDI 2015-2019. Agosto-2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE TECNOLOGIA PDI 2015-2019. Agosto-2014 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE TECNOLOGIA PDI 2015-2019 Agosto-2014 2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ - PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO

Leia mais

Ciências Humanas. Relatoria. Grupo de Trabalho (GT1) I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília

Ciências Humanas. Relatoria. Grupo de Trabalho (GT1) I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília Relatoria Grupo de Trabalho (GT1) Realização Decanato de Pesquisa e Pós-Graduação (DPP) da Universidade de Brasília Brasília DF, 6 a

Leia mais

RELATÓRIO/EXECUÇÃO DO PLANO DE GESTÃO 2013-2017

RELATÓRIO/EXECUÇÃO DO PLANO DE GESTÃO 2013-2017 1 RELATÓRIO/EXECUÇÃO DO PLANO DE GESTÃO 2013-2017 Consolidação e Qualidade André Henrique Rosa Coordenador Executivo Alexandre da Silva Simões Vice-Coordenador Executivo Créditos: STAEPE 2 À Comunidade

Leia mais

Proposta de Gestão. Marcos Amorielle Furini. Candidato a Diretor-Geral do IFSP - Câmpus Votuporanga

Proposta de Gestão. Marcos Amorielle Furini. Candidato a Diretor-Geral do IFSP - Câmpus Votuporanga Proposta de Gestão Marcos Amorielle Furini Candidato a Diretor-Geral do IFSP - Câmpus Votuporanga Continuidade, Avanço e Consolidação de uma Gestão Transparente e Participativa. Prezados servidores e alunos.

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001, 10 de março de 2009. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001, 10 de março de 2009. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001, 10 de março de 2009. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR Dispõe sobre a Política de uso de Softwares Livres no âmbito da UDESC O REITOR da FUNDAÇÃO

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DO ESPORTE - SEE UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS - UNEAL CONSELHO SUPERIOR - CONSU

ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DO ESPORTE - SEE UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS - UNEAL CONSELHO SUPERIOR - CONSU RELATÓRIO DAS DELIBERAÇÕES ACERCA DO III FORUNIVER DECISÕES DO CONSELHO SUPERIOR ACERCA DAS PROPOSTAS ORIUNDAS DO III FÓRUM UNIVERSITÁRIO, REALIZADO ENTRE 13 E 15 DE SETEMBRO DE 2011. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária Área de Comunicação Tecnologia em Produção Publicitária Curta Duração Tecnologia em Produção Publicitária CARREIRA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIA Nos últimos anos, a globalização da economia e a estabilização

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

PROGRAMA SELO DE QUALIDADE

PROGRAMA SELO DE QUALIDADE CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA IV REGIÃO (SP) COMISSÃO DE ENSINO TÉCNICO PROGRAMA SELO DE QUALIDADE PARA CURSOS TÉCNICOS DA ÁREA QUÍMICA CRITÉRIOS PARA A RECERTIFICAÇÃO VERSÃO 1 - NOVEMBRO DE 2010 WWW.CRQ4.ORG.BR

Leia mais

Instrumento: Docentes

Instrumento: Docentes COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CAMPUS PRESIDENTE EPITÁCIO CURSO: TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Resultado da Autoavaliação Institucional Instrumento: Docentes Presidente Epitácio -

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 062 CONSUPER/2013

RESOLUÇÃO Nº 062 CONSUPER/2013 RESOLUÇÃO Nº 062 CONSUPER/2013 Dispõe sobre a regulamentação de Programa de Extensão e Projeto de Extensão do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense. O Presidente do do Instituto

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO IFPR CÂMPUS CAMPO LARGO DESDOBRAMENTO DAS DIRETRIZES E OBJETIVOS ESTRATÉGICOS PARA O CÂMPUS DOCUMENTO FINAL

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO IFPR CÂMPUS CAMPO LARGO DESDOBRAMENTO DAS DIRETRIZES E OBJETIVOS ESTRATÉGICOS PARA O CÂMPUS DOCUMENTO FINAL PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO IFPR CÂMPUS CAMPO LARGO DESDOBRAMENTO DAS DIRETRIZES E OBJETIVOS ESTRATÉGICOS PARA O CÂMPUS DOCUMENTO FINAL EIXO: ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E INOVAÇÃO Objetivos Específicos

Leia mais

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus PERSPECTIVA OBJETIVO INDICADOR META RESULTADOS INSTITUCIONAIS 1 Nº de cursos técnicos e superiores, articulados com os arranjos produtivos locais por Campus; 2 Oferta de cursos técnicos e superiores por

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

Planejamento Estratégico 2011 para implementação de Software Livre

Planejamento Estratégico 2011 para implementação de Software Livre Planejamento Estratégico 2011 para implementação de Software Livre FÓRUM DE SOFTWARE LIVRE - 2010 Valdir Barbosa Agenda Plano estratégico 2011 para uso de Software Livre Diretrizes Objetivos e indicadores

Leia mais

plano de metas gestão 2013-2017

plano de metas gestão 2013-2017 plano de metas gestão 2013-2017 Reitora Miriam da Costa Oliveira Vice-Reitor Luís Henrique Telles da Rosa Pró-Reitora de Graduação Maria Terezinha Antunes Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação Rodrigo

Leia mais

Você avaliou a FACI melhorou!

Você avaliou a FACI melhorou! RESULTADOS DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Pontos Fracos apontados pelo Corpo Docente e Discente. 1. Estrutura física da Biblioteca; 2. Grau de qualidade da comunicação interna da Instituição; 3.

Leia mais

As nossas propostas de atuação para a Gestão 2013-2017 estão pautadas na Consolidação e expansão do Campus Centro-Oeste Dona Lindu.

As nossas propostas de atuação para a Gestão 2013-2017 estão pautadas na Consolidação e expansão do Campus Centro-Oeste Dona Lindu. As nossas propostas de atuação para a Gestão 2013-2017 estão pautadas na Consolidação e expansão do Campus Centro-Oeste Dona Lindu. Nosso Compromisso é trabalhar, junto à Reitoria, Discentes, Docentes

Leia mais

LOCALIZAÇÃO: PAVIMENTO TÉRREO IDENTIFICAÇÃO ÁREA (M 2 ) CAPACIDADE Auditório 367,23 406

LOCALIZAÇÃO: PAVIMENTO TÉRREO IDENTIFICAÇÃO ÁREA (M 2 ) CAPACIDADE Auditório 367,23 406 INFRA-ESTRUTURA FÍSICA E TECNOLÓGICA As salas de aula da FACULDADE BARRETOS estão aparelhadas para turmas de até 60 (sessenta) alunos, oferecendo todas as condições necessárias para possibilitar o melhor

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

PLANO DE GESTÃO - Mudar com Atitude! Prof. Wanderson Santiago dos Reis

PLANO DE GESTÃO - Mudar com Atitude! Prof. Wanderson Santiago dos Reis CANDIDATURA DE DIRETOR GERAL AO CAMPUS CARAGUATATUBA PLANO DE GESTÃO - Mudar com Atitude! Prof. Wanderson Santiago dos Reis Nossa Primeira Razão de Ser: Nossos Alunos Proposta: Consolidação do Diretório

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

RELATÓRIO DO ENCONTRO DE PESQUISADORES ENVOLVIDOS COM INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO NA UFPEL

RELATÓRIO DO ENCONTRO DE PESQUISADORES ENVOLVIDOS COM INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO NA UFPEL RELATÓRIO DO ENCONTRO DE PESQUISADORES ENVOLVIDOS COM INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO NA UFPEL No dia 06 de fevereiro de 0, às h, reuniram-se, no Auditório do Prédio B da Epidemiologia, alguns pesquisadores

Leia mais

1. RESULTADOS 1.1 Proposta de Portfólio de Projetos

1. RESULTADOS 1.1 Proposta de Portfólio de Projetos registro dos resultados OFICINA OFICINA IDEIAS DE S Ifes 1. RESULTADOS 1.1 Proposta de Portfólio de Projetos SUBS Programa de capacitação e Qualificação Programa de capacitação implantado Estratégia de

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INFORMÁTICA Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 31/13, de 21/08/13. CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este regulamento dispõe especificamente do Núcleo de Informática

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE UM PROGRAMA (MESTRADO) NOTA 3

CARACTERÍSTICAS DE UM PROGRAMA (MESTRADO) NOTA 3 CAPES - ÁREA DE ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA ÁREA 46 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA PROGRAMAS ACADÊMICOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CARACTERÍSTICAS DE UM PROGRAMA (MESTRADO) NOTA 3 Para obter nota

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro. Plano de Trabalho. Gestão 2012 2015. Rodrigo Leitão Diretor

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro. Plano de Trabalho. Gestão 2012 2015. Rodrigo Leitão Diretor Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro Plano de Trabalho Gestão 2012 2015 Diretor Candidato ao cargo de Diretor-Geral do Campus Uberaba do IFTM Professor Rodrigo Afonso

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE UBERABA - CESUBE CAPÍTULO I

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE UBERABA - CESUBE CAPÍTULO I REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE UBERABA - CESUBE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento disciplina

Leia mais

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ME FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA PRELIMINARES POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA Santa Maria, RS Junho - 2010 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO... 1 2. POLÍTICAS DE ENSINO

Leia mais

I FÓRUM DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NA UFMT

I FÓRUM DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NA UFMT MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL I FÓRUM DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NA UFMT 4 a 6 de março de 2013 O I Fórum de Assistência Estudantil

Leia mais

EDITAL ESPECIAL DE APOIO À REALIZAÇÃO DE PROJETOS TEMÁTICOS DE EXTENSÃO

EDITAL ESPECIAL DE APOIO À REALIZAÇÃO DE PROJETOS TEMÁTICOS DE EXTENSÃO EDITAL ESPECIAL DE APOIO À REALIZAÇÃO DE PROJETOS TEMÁTICOS DE EXTENSÃO JUSTIFICATIVA As atividades de extensão têm assumido no cenário universitário recente um papel fundamental para construção de novas

Leia mais

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são:

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são: 24/2010 1. Identificação do Contratante Nº termo de referência: TdR nº 24/2010 Plano de aquisições: Linha 173 Título: consultor para desenvolvimento e venda de produtos e serviços Convênio: ATN/ME-10541-BR

Leia mais

Núcleo de Avaliação do Instituto de Ciência e Tecnologia de Alimentos

Núcleo de Avaliação do Instituto de Ciência e Tecnologia de Alimentos Núcleo de Avaliação do Instituto de Ciência e Tecnologia de Alimentos Coordenador: Jean Philippe Révillion Assessor Administrativo Cherllen Araújo Bolsista Dieison Vedoy Dados Institucionais Histórico

Leia mais

1.2 - Como você avalia a divulgação dos resultados da autoavaliação institucional para a comunidade universitária da sua unidade/subunidade?

1.2 - Como você avalia a divulgação dos resultados da autoavaliação institucional para a comunidade universitária da sua unidade/subunidade? Informações do Questionário Programa Autoavaliação Institucional - UFSM - 2014 Questionário Questões Gerais Descrição do Programa A aplicação do instrumento de autoavaliação é fundamental para toda instituição

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

Metas Indicadores Ação para o Alcance das Metas Produto Esperado Fonte dos Dados

Metas Indicadores Ação para o Alcance das Metas Produto Esperado Fonte dos Dados PDI 20111 / 201 15 Pós-Graduação 1. Formar pessoas competentes e éticas, com alta qualificação científica, tecnológica e artística, comprometidas com o bem-estar social, adaptáveis às mudanças, capazes

Leia mais

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 METAS AÇÕES PRAZOS Expansão do número de vagas do curso de Engenharia de Produção. SITUAÇÃO MARÇO DE 2015 AVALIAÇÃO PROCEDIDA EM 12.03.2015 CPA E DIRETORIA

Leia mais

ROTEIRO PARA SUPERVISÃO I INTRODUÇÃO

ROTEIRO PARA SUPERVISÃO I INTRODUÇÃO ROTEIRO PARA SUPERVISÃO I INTRODUÇÃO Este documento tem a finalidade de estabelecer um referencial para o exercício da função de supervisão dos Cursos das Instituições do Ensino Superior, do Sistema Estadual

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão Quadriênio 2016-2019 Candidata Franciele Ani Caovilla Follador Slogan: CCS em ação! 1 INTRODUÇÃO Em 1991,

Leia mais

PROF. DR. CLODIS BOSCARIOLI

PROF. DR. CLODIS BOSCARIOLI PROF. DR. CLODIS BOSCARIOLI PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO GERAL DO CAMPUS DE CASCAVEL QUADRIÊNIO 2012-2015 Cascavel set/2011. APRESENTAÇÃO Nasci em Umuarama/PR em 31/07/1973. Sou técnico em Contabilidade pelo

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE FRAGILIDADES E POTENCIALIDADES UNIDADE DE PARANAÍBA

DIAGNÓSTICO DE FRAGILIDADES E POTENCIALIDADES UNIDADE DE PARANAÍBA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL ASSESSORIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS E CAPTAÇÃO DE RECURSOS DIAGNÓSTICO DE FRAGILIDADES E POTENCIALIDADES UNIDADE DE PARANAÍBA LINHA TEMÁTICA (PROBLEMAS)

Leia mais

N de cursos ofertados; % de vagas ocupadas/ formas de ingresso.

N de cursos ofertados; % de vagas ocupadas/ formas de ingresso. Anexo II Dimensões Elementos Indicadores quantitativos Indicadores qualitativos % de cursos com projeto pedagógico/ adequados ao Projeto Condições de implementação dos Projetos Projeto Pedagógico dos Institucional

Leia mais

Estrutura do PDI 2014-2018

Estrutura do PDI 2014-2018 APRESENTAÇÃO O Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais (IFMG) além de constituir um requisito legal, tal como previsto no Artigo

Leia mais

Prof. Dr. Targino de Araújo Filho Reitor

Prof. Dr. Targino de Araújo Filho Reitor UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS Gabinete do Reitor Via Washington Luís, km 235 Caixa Postal 676 13565-905 São Carlos SP - Brasil Fones: (16) 3351-8101/3351-8102 Fax: (16) 3361-4846/3361-2081 E-mail:

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI (2013-2015) - UFPel

Planejamento Estratégico de TI (2013-2015) - UFPel Planejamento Estratégico de TI (2013-2015) - UFPel 1 Missão Prover soluções de TI, com qualidade, à comunidade da UFPel. 2 Visão Ser referência em governança de TI para a comunidade da UFPel até 2015.

Leia mais

MUSEU UNIVERSITÁRIO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

MUSEU UNIVERSITÁRIO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 1 MUSEU UNIVERSITÁRIO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 13 de julho de 2010 1 2 1. APRESENTAÇÃO Este documento contém o resultado do trabalho efetuado durante o encontro Museu Universitário, realizado no dia 5

Leia mais

1 Disseminar a cultura de empreender e inovar, fortalecendo as ações do Comitê de Empreendedorismo e Inovação (CEI)

1 Disseminar a cultura de empreender e inovar, fortalecendo as ações do Comitê de Empreendedorismo e Inovação (CEI) Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos Visão: "Que em 2020 Santa Maria e região sejam referência pela capacidade de empreender,

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 2-CADCAM/C/UNICENTRO, DE 04 DE MAIO DE 2015. Aprova o Regulamento da Farmácia Escola do Campus Cedeteg, UNICENTRO-PR. O PRESIDENTE DO CONSELHO ADMINISTRATIVO DO CAMPUS CEDETEG, UNIDADE UNIVERSITÁRIA

Leia mais

COMITÊ EXECUTIVO PARA A FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS EM CIÊNCIAS DO MAR - PPG-Mar PLANO NACIONAL DE TRABALHO 2012-2015

COMITÊ EXECUTIVO PARA A FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS EM CIÊNCIAS DO MAR - PPG-Mar PLANO NACIONAL DE TRABALHO 2012-2015 CIRM PSRM 180/ 120/8 9 COMITÊ EXECUTIVO PARA A FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS EM CIÊNCIAS DO MAR - 1.1. Apoiar, incentivar e promover a 1. Melhorar a qualificação do corpo qualificação do corpo docente da

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS 43 Considerando os Objetivos Estratégicos, Indicadores e Metas, foram elaboradas para cada Objetivo, as Ações e indicados Projetos com uma concepção corporativa. O Plano Operacional possui um caráter sistêmico,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL. Objetivo

PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL. Objetivo PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL Aperfeiçoar, de modo permanente, a política de formação discente, mediante a avaliação do perfil acadêmico e profissional do formando de graduação e pós-graduação, e do

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR!

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! Eleições 2014 Faculdade de Odontologia UFRJ VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! PLANO DE TRABALHO EQUIPE - CHAPA 1: Diretor - Maria Cynésia Medeiros de Barros Substituto Eventual do Diretor - Ednilson

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais